Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan"

Transcrição

1 Haldex Manual do Fornecedor Sistemas de Tração Sistemas Hidráulicos Sistemas para Veículos Comerciais Arames Garphyttan 1

2 Esta é uma cópia não registrada. Sempre verifique sua validade junto a seu contato de compras Haldex. 2

3 ÍNDICE Página Introdução 3 Suporte da alta gerência ao processo de melhoria contínua 4 2 Política de Responsabilidade Social 5 3 Política de Meio Ambiente 7 4 Visão de Compras 9 5 Código de conduta 11 6 Expectativas Anuais da Haldex para

4 Apresentação Geral O manual do fornecedor descreve os requisitos para tornar-se um fornecedor do Grupo Haldex e auxilia a nossa comunidade de fornecedores a desempenhar serviços de nível mundial, dentro das normas da segurança, qualidade, meio-ambiente, exatidão de entregas e custos. Este é um documento suplementar e não substitui ou altera as condições descritas no acordo de compras. Ele não será considerado como tendo uma abrangência completa, mas sim como uma descrição dos requisitos mínimos de garantia da qualidade que a Haldex espera de seus fornecedores. O Haldex Way O Haldex Way é uma filosofia de gestão que tem seu foco na satisfação do cliente e, ao mesmo tempo, em atingir um desempenho de nível mundial. A implementação dos princípios do Haldex Way no Grupo inteiro, desde o desenvolvimento de produtos, passando por toda a cadeia de fornecimento, até o cliente, garantirá o nosso sucesso. O conceito do Haldex Way pode ser ilustrado como uma casa com o alicerce baseado em três valores fundamentais de administração. O Cliente em primeiro lugar Respeito pelo indivíduo Eliminação de desperdício A conexão entre estes três valores centrais é lógica. Os nossos clientes formam a base do inicio da produção; uma equipe comprometida é um pré-requisito para a produção de produtos de qualidade; e reforçamos nossa competitividade eliminando o desperdício. Continuando com a analogia da casa, construímos então o chão, paredes e telhado: Situação normal Padronizar os métodos de trabalho Certo a partir de mim Processo de consumo controlado Melhoria Contínua Além disso, dentro do prédio, nós queremos estabelecer uma atmosfera de trabalho em equipe, com prioridades bem definidas para resolver conflitos entre as muitas tarefas. O Estilo Haldex de trabalho é baseado nestes blocos básicos de construção, desde os alicerces até o telhado. 3

5 Melhoria Contínua Geral Uma parte da visão da Haldex é ser reconhecida como uma opção preferencial viável e de longo prazo para os clientes na indústria de veículos. Para ser bem sucedida no mercado e atender às crescentes expectativas dos nossos clientes em relação a segurança, meio ambiente, qualidade, tempo e custos, é necessário manter um processo de melhoria contínua na Haldex. A comunidade de fornecedores do Grupo Haldex é parte integral no cumprimento deste requisito. Para os fornecedores da Haldex, a melhoria contínua é uma parte natural do sistema de gestão e do trabalho do dia-a-dia. Trabalho em equipe e melhoria contínua no Grupo Haldex Nós queremos construir um ambiente onde o trabalho em equipe e a melhoria contínua sejam partes integrais do trabalho diário de cada um, com um sistema de garantia de qualidade integrado no processo. O método de trabalho padronizado é disciplinado, e a eliminação de desperdícios é uma conseqüência natural. Ao assumir a responsabilidade pelo desenvolvimento do nosso próprio trabalho nós criamos valores duradouros. É importante que todos os membros da equipe trabalhem na mesma direção e que pensem da mesma maneira. O trabalho deve ser de execução simples. Nós devemos estar focados e desafiarmos nossos processos para atingir melhores resultados, não por trabalharmos mais arduamente, mas sim por trabalhar com mais inteligência. Baseamos as nossas melhorias em fatos e devemos reagir instantaneamente a fatores fora do normal. Assim podemos encontrar as causas de problemas e corrigi-las de maneira consistente ao invés de estarmos constantemente envolvidos em apagar incêndios, corrigindo superfiicalmente os problemas. Naturalmente, todos devem estar envolvidos nas melhorias. Aprendemos no trabalho. Trabalhando com princípios e métodos comuns a todos podemos também atingir resultados positivos. É importante que todos em uma equipe tenham acesso às informações relevantes, e que a liderança forneça apoio e seja fundamentada no desenvolvimento de nossos colaboradores e de nossos processos. Isto pode ser atingido medindo e reportando nosso desempenho. Cada área de trabalho deve identificar as atividades, medir e definir suas metas. Estas metas devem ser monitoradas à medida que as oportunidades para melhoria sejam identificadas dentro da área. A padronização é tão obvia para nós quanto trabalhar de maneira aberta e honesta, sem procurar o prestígio (veja O Haldex Way). 4

6 Emitido por Lena Olofsdotter Categoria Documento do Grupo SP Edição 1 Política de Responsabilidade Social Página 1/1 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL A política de responsabilidade social da Haldex é baseada na Declaração de Direitos Humanos da ONU, na iniciativa compacta global da ONU, nos princípios básicos das leis trabalhistas e nas diretrizes para companhias multinacionais da Organização Internacional do Trabalho (ILO). Haldex na sociedade Vamos contribuir para a melhoria da economia, do meio ambiente e das condições sociais, através do diálogo com grupos pertinentes nas sociedades onde a Haldex atua. Direitos Humanos Nós apoiamos e respeitamos a proteção de direitos humanos decretados internacionalmente. Trabalho infantil Nós vamos assegurar de que os menores estejam protegidos de uma maneira satisfatória e, como principio básico, repudiaremos a contratação de crianças e o apoio ao trabalho infantil, a não ser que ocorra em um programa de treinamento para jovens sancionado pelo governo como, por exemplo, o estágio prático de trabalho. Liberdade de contratação Vamos assegurar que todos os empregados aceitem posições na companhia de livre e espontânea vontade. Segurança e saúde Vamos prover um ambiente seguro em todos os nossos locais de trabalho e tomar medidas para prevenção de acidentes e ferimentos ocupacionais, minimizando os riscos no local de trabalho da maneira mais abrangente possível. Igualdade de Oportunidades Vamos oferecer igualdade de oportunidades a todos os funcionários, e evitar a discriminação por etnia ou nacionalidade, religião, casta, status de habilidade física, sexo, idade, orientação sexual, e afiliação sindical ou política. Vamos usar métodos apropriados para avaliar e escolher fornecedores baseados nas suas habilidades para cumprir com os requisitos da política social e outros princípios sociais da Haldex, e documentar o cumprimento contínuo destes requisitos. Vamos observar os padrões mais altos em termos de ética e integridade nos negócios, e apoiar os esforços de organizações nacionais e internacionais no estabelecimento e manutenção de padrões rígidos de ética para todas as companhias. 5

7 6

8 Emitido por David Ekström Categoria Documento do Grupo EP Edição 1 Política de Meio Ambiente Página 1/1 POLÍTICA DE MEIO AMBIENTE Assuntos de meio ambiente fazem parte do negócio diário e são uma parte importante do objetivo estratégico e da marca do Grupo Haldex. A política de meio ambiente do Grupo Haldex é baseada na perspectiva do ciclo de vida, que minimiza o impacto ambiental total da manufatura, utilização e descarte de nossos produtos. Esta política se aplicará igualmente ao meio ambiente externo e aos assuntos internos de segurança e saúde. A meta é atingir o desenvolvimento sustentável nas duas áreas. Dentro dessa estrutura nós procuraremos: Utilizar recursos naturais com todo o cuidado reduzir o impacto ao ambiente pelo desenvolvimento de nossos produtos e processos de produção projetar os produtos de forma a permitir a reciclagem eficiente reduzir o risco à saúde e à segurança no ambiente de trabalho Também procuraremos otimizar o processo de melhoria do meio ambiente: informando e educando nossos funcionários desenvolvendo metas e planos de ação específicos para o meio ambiente acompanhando e reportando nosso trabalho com o meio ambiente. Ao final de 2005, todas as unidades de produção dentro do Grupo Haldex tinham obtido o certificado ISO Os fornecedores, novos e atuais, precisam estar certificados com ISO ou ter um plano por escrito para atingir a certificação ou conformidade dentro de três (3) anos. 7

9 8

10 Emitido por Categoria Documento do Grupo SV Edição 1 Visão de Compras Página 1/1 Visão de Compras "Dentro da estrutura definida pela estratégia geral da Haldex, devemos atingir o menor custo possível para materiais comprados e maximizar a satisfação do cliente. Isto é atingido à medida em que gerenciamos nossos riscos e limitações. Nossa organização hábil e eficiente assegura a obtenção dos maiores beneficios a partir de processos harmonizados e consolidando os volumes de compras com os fornecedores corretos." 9

11 10

12 Emitido por David Ekström Categoria Documento do Grupo DE Edição 1 Código de conduta Página 1/1 Código de conduta Como a Haldex age com seus fornecedores Como parte da política social da Haldex, adotamos os mais altos padrões de ética e integridade nos negócios. Na medida em que fazemos isso, aplicando e respeitando os padrões de ética em toda a cadeia de suprimento, nos credenciamos a exigir que todos adotem o mesmo alto nível de ética no trabalho. Informação A franqueza necessária na parceria e no trabalho em equipe com nossos fornecedores implica que tenhamos a capacidade de lidar corretamente com informações confidenciais. Sempre seremos reconhecidos por nossa honestidade e confiabilidade nos relacionamentos de negócios. Portanto, informações sensíveis serão tratadas de maneira a não violar acordos de confidencialidade e confiabilidade, e quaisquer perguntas serão respondidas sem demoras desnecessárias. O eventual término do relacionamento de negócios com um fornecedor será feito com bases técnicas e comerciais, sendo o fornecedor informado das razões de maneira apropriada. Pedido de Orçamento Os nossos pedidos de orçamento serão sempre baseados em condições realísticas. A avaliação de ofertas e a distribuição de negócios serão feitas em bases técnicas e comerciais. A única exceção será para cumprir os objetivos estratégicos do segmento. Visitas e seminários Todas as visitas e seminários deverão ser apropriados para os negócios envolvidos assim como para a Haldex. As acomodações e os custos de viagem dos funcionários da Haldex durante visitas e seminários serão pagos pela Haldex. Interesses privados O envolvimento pessoal em empresas que também são fornecedores da Haldex não é permitido. No entanto, a propriedade de uma pequena quantidade de ações nas companhias listadas no mercado de ações é permitida. Para evitar conflitos de interesse não podemos aceitar serviços ou benefícios de nossos parceiros de negócios. Por outro lado, o comparecimento a um almoço ou jantar pago pelo parceiro, relacionado a uma reunião de negócios, não é considerado uma violação do Código de Conduta. Presentes Presentes podem ser considerados um sinal de amizade, mas também podem ser um suborno. Às vezes a diferença é de difícil distinção, pois é uma prática variada em diferentes países. Deve-se levar em consideração o que pode ser considerado justo no outro país e também a maneira aberta com que o presente foi oferecido. Se houver alguma dúvida informe seu gerente, ou use o valor de 120 reais (equivalente a 300SEK) como um parâmetro que não deve ser excedido. Nunca vamos comprometer o nosso comportamento ético para alcançar as nossas metas ou fechar um negócio. Theo Lindquist Diretor do Grupo de Gestão de Fornecimento, Haldex AB 11

13 12

14 Emitido por David Ekström Categoria Documento do Grupo DE Edição 1 Expectativas Anuais para Página 1/1 Expectativas Anuais para A ser especificado no acordo de preços Área Objetivo Explicação Qualidade Desempenho de Qualidade <= 50 PPM 0 Rejeições calculadas sobre total Relatórios de Não Conformidade 0 Sem problemas de qualidade Logística Desempenho nas entregas 100% Dia correto Administração de Estoque >24 giros Giro de estoque Melhoria de Valor / Custo Idéias aprovadas e/ou Implementadas Condições de pagamento Maior ou igual a 5,0% do volume anual. Estoque gerenciado pelo fornecedor, ou >/= 90 dias Aceite do Fornecedor Reconheço o recebimento das Expectativas Anuais para da Haldex e nossa companhia concorda em fazer o melhor para atender a essas expectativas Nome Assinatura 13

15 14

16 15

17 1 Introdução Geral Requisitos de qualidade Segurança de produto Requisitos estatutários e normativos aplicáveis Sistema de gestão ambiental Comunicação Garantia Peças sobressalentes Processo de compras Haldex (Princípio) Avaliação de fornecedor em potencial Acordo de confidencialidade Pedido de Orçamento (RFQ) Avaliação do fornecedor Revisão de contrato Acordo comercial Requisitos de projeto Requisitos de qualidade Requisitos ambientais Dados de compra Equipamentos fornecidos pela Haldex Processo de Aprovação para Peças de Produção Teste de Produção Produção / Garantia da Peça Controle de processo Inspeção final de qualidade do fornecedor Garantia de Peças Tratamento de não-conformidades Custos de não-conformidades Documentos Avaliação de Sub-fornecedores Programa de Melhoria da Cadeia de Fornecimento Geral Definição Objetivo Categorias de fornecedores Geral AA = Fornecedor Preferido do Grupo A = Fornecedor Aprovado B = Fornecedor em fase de qualificação C = Fornecedor em fase de desqualificação

18 5 Alteração de projeto Geral Processo de Alteração Alterações sugeridas pelo fornecedor Material de protótipo Geral Manufatura Documentação Relatório dimensional Desenho Resultados de Teste Materiais de apoio específicos para verificação Desvios Peças numeradas Entrega Entregas em série Geral Planos de entrega Entregas Qualidade das entregas Marcação Embalagem Documentos de entrega EDI

19 Apresentação No passado, cada empresa dentro do grupo Haldex tinha seus próprios requisitos relacionados a fornecedores e compra de materiais. Cada empresa apresentava seus requisitos individualmente aos fornecedores, com diferentes condições e ênfases, mas os conceitos eram os mesmos. Este manual compila todos os requisitos em um formato único. Theo Lindquist Diretor do Grupo 4 18

20 Introdução 1.1 Geral O manual de qualidade de fornecedores descreve os requisitos solicitados a fornecedores selecionados em relação ao controle de qualidade. A base da habilidade da Haldex em competir é a alta qualidade dos produtos e serviços. Garantir um nível de qualidade alto e uniforme assegura a satisfação dos clientes. Também é um requisito mútuo de sobrevivência. Este é um documento suplementar e não substitui ou altera as condições descritas no acordo de compras. Ele não deve ser considerado como tendo abrangência completa dos requisitos, mas sim como uma descrição dos requisitos mínimos de garantia de qualidade que a Haldex espera de seus fornecedores. 1.2 Requisitos de qualidade Os requisitos de qualidade da Haldex especificados neste documento são genéricos em sua natureza. Requisitos de qualidade para peças específicas são descritos em documentos de especificação de produtos e de pedidos de compra. Novos fornecedores devem ser certificados de acordo com a ISO 9001/2 ou TS atuais que não são certificados não receberão novos negócios até que possuam certificados ISO 9001/2 ou TS Segurança de produto A Haldex manufatura produtos para o desempenho e segurança automotivos. É da maior importância que nossos produtos sejam confiáveis nas suas aplicações. A segurança dos produtos deve portanto ter a mais alta prioridade em toda a cadeia de suprimentos. A Haldex incluirá em suas avaliações a atenção que nossos fornecedores dão à Gestão da Segurança, dependendo da criticidade das peças fornecidas. 1.4 Requisitos estatutários e normativos aplicáveis A Haldex exige que o fornecedor esteja em conformidade com todos os requisitos estatutários e normativos aplicáveis. 1.5 Sistema de gestão ambiental As diretrizes de nossa postura em relação ao meio ambiente estão descritas na nossa política ambiental. Ao final de 2005, todas as unidades de produção dentro do Grupo Haldex tinham obtido o certificado ISO novos e atuais precisam estar certificados com ISO ou ter um plano por escrito para atingir a certificação dentro de três (3) anos. 5 19

21 1.6 Comunicação Atingir o nível apropriado de qualidade em termos de comunicação exige trabalho em equipe entre o Grupo Haldex e seus fornecedores. A comunicação aberta é essencial para atingir o nível necessário de trabalho em equipe. A comunicação deve ser canalizada através da organização de compras da Haldex, que dará o suporte necessário. Mudanças organizacionais ou na função da pessoa de contato no fornecedor deverão ser comunicadas à pessoa de contato apropriada na organização de compras da Haldex. O Grupo Haldex utiliza o inglês como idioma preferido para comunicações externas e internas. Nossos fornecedores devem assegurar-se de que possuem as habilidades de comunicação e de idioma adequadas para que seus negócios atendam às nossas necessidades. 1.7 Garantia As garantias expiram no prazo que for mais tarde: 24 meses após a instalação da peça do veículo ou sistema do cliente Haldex, ou 36 meses após a entrega para a Haldex. 1.8 Peças sobressalentes As peças sobressalentes são tratadas entre a Haldex e o fornecedor, salvo acordo em contrário. As peças sobressalentes deverão estar disponíveis por 15 anos após o término da produção em série na Haldex. Ferramentas e outros equipamentos específicos aos componentes também deverão estar disponíveis por 15 anos após o término da produção em série na Haldex. 20 6

22 2 Processo de compras Haldex (Princípio) O processo de compras abaixo descreve o princípio pelo qual a Haldex decide como e onde uma peça específica será comprada. Levantamento de informações Relacionamento novo Informações gerais da companhia Foco no produto Comprometimento total Pequisa Adequação Custos e termos de negócio Capacidade Haldex requisitos e termos de negócio Análise de processos e desempenho do produto Auditoria Acompanhamento Fornecedor Potencial 2. 1 Avaliação do fornecedor potencial 2. 2 Acordo de confidencialidade 2. 3 Pedido de orçamento 2.4 Avaliação do fornecedor 2.5 Análise de contrato 2.6 PPAP 2. 7 Produção ] garantia da parte 2.8 Avaliação do fornecedor Fornecedor aprovado para peça Fornecedor potencial Assinar acordo de confidencialidade Orçamento do fornecedor Contrato de negócio Contrato de negócio Documentos de PPAP Começar produção, saltar sistema de lotes Entrega do acompanhamento e desempenho de qualidade 2.1 Avaliação de fornecedor em potencial A Haldex realiza pesquisas freqüentes para encontrar candidatos para futuras parcerias de negócios. Neste estágio, a Haldex exige informação a respeito do fornecedor em potencial, seus negócios atuais, organização, estrutura de vendas e sistemas gerenciais. 2.2 Acordo de confidencialidade O fornecedor em potencial deve assinar um acordo de confidencialidade para regulamentar a proteção de informações de negócio, antes de entrar em discussões detalhadas. 2.3 Pedido de Orçamento (RFQ) Um pedido de orçamento da Haldex constitui a base para uma negociação. 2.4 Avaliação do fornecedor Uma avaliação do fornecedor é feita para garantir o grau de capacidade de entrega do fornecedor em potencial para as peças e/ou serviços solicitados. Dependendo do tipo de negócio, a Haldex pode fazer essa avaliação durante uma visita às instalações do fornecedor, através de uma auto-avaliação do fornecedor ou utilizando serviços de terceiros. 21 7

23 2.5 Revisão de Contrato As revisões de contratos são feitas entre a Haldex e o fornecedor, para comunicar requisitos e definir os termos de negócio, incluindo o seguinte: Acordo comercial Acordos comerciais entre o fornecedor e a Haldex são especificados em contrato seguindo um formato padrão da Haldex. O acordo regulamenta os negócios entre o fornecedor e a Haldex. O fornecedor se compromete a manufaturar e fornecer as peças e/ou serviços especificados para a Haldex de acordo com as cláusulas deste contrato Requisitos de projeto Os requisitos de produtos da Haldex estão especificados em desenhos e normas técnicas. Todas as propriedades especificadas são essenciais e devem ser observadas. A natureza de algumas das propriedades é tal que se a especificação não for observada, a confiabilidade e o desempenho do produto podem ser afetados adversamente. Durante a fabricação, o fornecedor deve manter o controle estatístico dessas propriedades e a documentação correspondente deve estar disponível para mostrar que os requisitos especificados foram observados (ver 2.7). A Haldex pode requisitar que o fornecedor inclua os dados nas remessas. O comprador responsável da Haldex informará ao fornecedor quando houver uma nova versão do desenho. O fornecedor sempre deverá possuir desenhos atualizados da Haldex e outras especificações técnicas, e assegurar-se de que todos os funcionários envolvidos possuam as especificações e desenhos mais atuais. Caso os desenhos e/ou especificações técnicas contenham requisitos incompletos, ambíguos ou conflitantes, o assunto deverá ser resolvido com o comprador responsável na Haldex. Quando o fornecedor tiver responsabilidade sobre o projeto das peças e/ou serviços comprados, ele será responsável por assegurar que as peças e/ou serviços não contenham substâncias que constem na lista de materiais proibidos da Haldex Requisitos de qualidade Os requisitos gerais de qualidade que a Haldex exige de seus fornecedores são especificados neste documento. Requisitos de qualidade para peças e/ou serviços específicos são descritos nas especificações dos produtos e nos documentos de pedidos Requisitos ambientais Requisitos específicos relacionados à gestão ambiental serão regulados pelo contrato de negócios. Todos os fornecedores devem seguir as listas "negra" e "cinza" da Haldex que regulamentam os requisitos sobre produtos químicos ou materiais utilizados em peças e/ou serviços. A presença de quaisquer produtos químicos que constem das listas deve ser notificada e deve haver um plano de eliminação destes materiais. 8 22

24 2.5.5 Dados de compra Os documentos de pedidos de compras da Haldex enviados aos fornecedores contém descrições dos produtos pedidos incluindo código dos produtos, descrição, número do desenho, quantidade liberada, data de entrega programada e outros dados pertinentes. O fornecedor deverá revisar e aprovar os documentos de compra quanto à sua precisão e adequação aos requisitos específicos antes de liberar a produção. Requisitos incompletos ou conflitantes deverão ser resolvidos com quem emitiu o pedido antes da liberação. Ao revisar e aceitar os documentos de pedidos de compra o fornecedor deverá, sempre que solicitado, confirmar o recebimento e a aceitação do pedido a quem o emitiu. O fornecedor é responsável pela qualidade dos produtos que entrega e deve confirmar e documentar que os produtos estão em conformidade com os padrões da Haldex e com as especificações de engenharia contidas no pedido de compra e no desenho de produto Equipamentos fornecidos pela Haldex Quaisquer ferramentas, aparelhos para medição, padrões, acessórios, materiais para embalagens e máquinas (chamados abaixo de "equipamentos") fornecidos e/ou pagos pela Haldex são de propriedade da Haldex. Ao receber o equipamento, o fornecedor deverá entregar um recibo para a Haldex comprovando que o equipamento foi recebido. O equipamento continua sendo propriedade da Haldex e deve ser identificado de tal forma que fique óbvio que pertence à Haldex. Qualquer equipamento não utilizado na produção deve ser mantido em local à prova de fogo e armazenado separadamente da produção. O fornecedor se compromete a não utilizar o equipamento para atender a solicitações de terceiros. O fornecedor é responsável pela manutenção de todos os equipamentos pagos ou fornecidos pela Haldex. Equipamentos de medição fornecidos pela Haldex devem ser incluídos no sistema de calibragem do fornecedor. Quando o contrato e a fabricação terminarem, mesmo que nada mais seja acordado, o equipamento deverá ser devolvido à Haldex. O fornecedor não tem o direito de sucatear equipamento sem a permissão da Haldex. Sempre que solicitado pela Haldex, o equipamento deverá estar disponível para inspeção. 2.6 Processo de Aprovação para Peças de Produção O Processo de Aprovação Para Peças de Produção (PPAP) tem a finalidade de garantir que produtos feitos a partir de materiais de produção, ferramentas e processos estejam de acordo com os requisitos de engenharia da Haldex e que o processo de produção tenha o potencial para fazer produtos em conformidade com esses requisitos durante uma corrida de produção real. O PPAP deve ser executado: Para novas peças, a não ser que previamente aprovadas por outra filial da Haldex. Para partes alteradas, controladas por um pedido de alteração de engenharia. Quando um novo fornecedor foi introduzido. 9 23

25 Quando o PPAP anterior tiver sido rejeitado. Quando for exigido pela Haldex. O fornecedor deve informar à Haldex em relação à amostragem inicial: Quando mudanças significativas ao processo de manufatura forem planejadas, que possam afetar as propriedades e qualidade da peça Quando uma mudança de fornecedor de materiais for planejada (aplica-se a peças que exigem rastreabilidade). Quando a mudança de um sub-contratado for planejada (por exemplo, para tratamento térmico ou superficial). Quando seu próprio equipamento de produção estiver quebrado e o processo de manufatura tenha que ser transferido para outra companhia. Quando o equipamento for transferido dentro das suas instalações. O PPAP também deve ser executado em observação aos requisitos da ISO / QS 9000 PPAP Nível 3, salvo observação contrária em instruções da Haldex e/ou outros documentos. Se a submissão de amostras do produto forem exigidas, o fornecedor deverá enviar amostras marcadas para a Haldex com os respectivos registros de inspeção e teste. As amostras deverão ser enviadas numa remessa separada e com uma nota de entrega própria. A embalagem e os documentos devem sempre ser marcados com a sigla "PPAP", e endereçados aos cuidados da pessoa na Haldex que pediu o PPAP. Remessas de peças de produção normal não serão permitidas antes de a aprovação ser dada pela Haldex. Essa aprovação é enviada ao fornecedor mediante o retorno da Declaração devidamente assinada, especificando se o PPAP foi aprovado ou rejeitado

26 Tabela de requisitos PPAP. Nível de remessa Requisito Registro do projeto (desenho) R S S R R 2 Documentos de Alteração de Engenharia, se houver R S S R R 3 Aprovação da Engenharia do Cliente, se necessário R R S R R 4 FMEA de Projeto R# R# S# R# R# 5 Diagramas de Fluxo de Processos R R S R R 6 FMEA de Processo R R S R R 7 Plano de Controle R R S R R 8 Estudos de Análise do Sistema de Medição (MSA) R R S R R 9 Resultados Dimensionais R S S R R 10 Resultados de Teste de Desempenho de Materiais R S S R R 11 Estudo Inicial de Processos (Estudo de Capacidade, R R S R R Cpk) 12 Documentação do Laboratório Qualificado R R S R R 13 Relatório de Aprovação de Aparência (AAR), se S R S R R aplicável 14 Amostra do Produto R S S R R 15 Amostra Mestra R R R R R 16 Materiais de apoio para verificação R R R R R 17 Registros de Conformidade com Requisitos R R S R R Específicos do Cliente 18 Declaração de Submissão de Peça (PSW) S S S S R S = Submeter à Haldex. Arquivar cópia no local de manufatura. R = Manter no local de manufatura; com pronta disponibilidade para representantes da Haldex, quando requisitado # = Aplicável se o fornecedor tem responsabilidade sobre o projeto 11 25

27 Requisitos do PPAP, breve explicação: Registros de projeto Uma cópia do desenho da Haldex para a peça enviada deve estar incluída com a remessa quando necessário. Documentos de Alteração de Engenharia A autorização por escrito da Haldex quando uma submissão de PPAP ocorrer antes do registro do projeto ser atualizado, i.e. o desenho da peça está atualizado ao nível mais atual. Aprovação da Engenharia do Cliente, se necessário Em casos quando alterações no projeto ou desenho tiverem sido feitas referentes a uma alteração solicitada pelo fornecedor, uma autorização por escrito da Haldex deve ser anexada. FMEA de Projeto Um FMEA de projeto é necessário se o fornecedor for responsável pelo projeto. Veja o manual de referência QS 9000 Modo de Falha Potencial e Análises de Efeitos. Diagrama de fluxo de processos Fluxograma descrevendo o processo de produção para a peça. FMEA de Processo Veja o manual de referência QS Modo Potencial de Falha e Análises de Efeitos. Plano de Controle O plano de controle deve pelo menos descrever os passos de operação, características, tolerâncias, técnicas de medição, tamanho e freqüência da amostra, registros e plano de reação quando ocorrer uma não-conformidade. Análise do Sistema de Medição Uma análise do sistema de medição deve ser realizada para compreender como erros de medição afetam os valores medidos. Deve ser realizada para os equipamentos de medição, calibragem ou teste usados para produzir os Estudos de Capacidade de Processos. Veja o Manual QS 9000 Análise do Sistema de Medição. Resultados Dimensionais Uma inspeção dimensional deve ser realizada para todas as peças e materiais dos produtos (ver "amostras de produtos" abaixo) com requisitos dimensionais para determinar a conformidade com todas as especificações de projeto. É responsabilidade do fornecedor apresentar os resultados de medições dimensionais. Se um serviço terceirizado de inspeção for utilizado, isso deve ser declarado 12 26

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda.

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. 1. Aplicabilidade 2. Entrega 3. Preços e pagamentos 4. Inspeção 5. Garantia 6. Cancelamento 7. Subcontratação e Cessão 8. Código de conduta 9. Saúde

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR OBJETIVOS A FlexLink exige que todos os fornecedores desenvolvam sistemas com base nos Padrões Internacionais (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS18001) tendo como objetivo a melhoria contínua

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA 1 de 12 AUDITORIA INTERNA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO AUDITORIA INTERNA AUDITORIA INTERNA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 PLANEJAMENTO

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001/2000 SENAI - PR, 2002 CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 Trabalho elaborado pela Diretoria de Educação e Tecnologia do Departamento Regional do SENAI - PR, através do LABTEC - Laboratório

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA I. Aplicabilidade Estas Condições Gerais serão aplicáveis a todas as compras efetuadas pela Nefab e suas afiliadas (COMPRADOR) junto aos seus fornecedores (VENDEDOR). Desvios

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 03.10 Normas Nacionais de Desminagem Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais