FMEA. Análise do modo de falha e seus efeitos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FMEA. Análise do modo de falha e seus efeitos"

Transcrição

1 FMEA Análise do modo de falha e seus efeitos Curso de Especialização em Gestão da Produção Prof. MSc. Dimas Campos de Aguiar UNESP Universidade Estadual Paulista FEG Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá DPD Departamento de Produção agosto

2 FMEA Conceitos baseados em: Teoria (ciência) X Prática (aplicação) 2

3 Fundamentação teórica AGUIAR, D.C. Avaliação de sistemas de prevenção de falhas em processos de manufatura na indústria automotiva com metodologia de auxílio à decisão f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica) Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá, Universidade Estadual Paulista, Guaratinguetá, Congressos AGUIAR, D. C. ; SALOMON, V. A. P.. Levantamento de erros na aplicação de FMEA de processo em empresas dos níveis mais inferiores da cadeia de fornecimento da indústria automotiva. In: XXVI ENEGEP - Fortaleza - CE, AGUIAR, D. C. ; MELLO, C. H. P.. FMEA de Processo: Uma proposta de aplicação baseada nos conceitos da ISO 9000:2000. In: XXVIII ENEGEP, Rio de Janeiro - RJ, AGUIAR, D. C. ; SOUZA, H. J. C. ; SALOMON, V. A. P.. Aplicação do AHP para a avaliação dos critérios de pontuação de FMEA de Processo. In: XXIX ENEGEP, Salvador - BA., Periódicos AGUIAR, D. C. ; SALOMON, Valério A. P.. Avaliação da prevenção de falhas em processos utilizando métodos de tomada de decisão. Produção (São Paulo. Impresso), v. 17, p , AGUIAR, D. C. ; SALOMON, Valério A. P. A proposal for performance evaluation in the FMEA application in automotive companies by the application of the support decision methodology.. SAE Technical Papers, v. 1, p. 1-12, AGUIAR, D. C. ; SOUZA, H. J. C. ; SALOMON, V. A. P.. An AHP application to evaluate scoring criteria for failure mode and effect analysis (FMEA) International Journal of the Analytic Hierarchy Process, v.2, n.1, p1-13,

4 Fundamentação prática 10 anos de atuação na Engenharia da Qualidade de Fornecedores da indústria automotiva Avaliação de FMEA em mais de 100 empresas 4

5 Índice O que é FMEA? Histórico Definições Objetivo da apresentação A realidade nas empresas Conceituação Análise de risco Abordagem por processos O formulário de FMEA Benefícios da aplicação Limitações do FMEA Etapas de execução Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 5

6 O QUE É FMEA? Histórico: 1949 Militares americanos (MIL-P-1629) Anos 60 NASA Apollo Space Program 1967 SAE ARP 926 Procedimento de Análise de Faltas e Falhas 1974 MIL STD 1629 Procedimento para Identificar Modo de Falha 1988 Ford Motor Company Manual de instruções de FMEA 1994 QS ISO / TS 16949:2002 6

7 O QUE É FMEA? Definições: Técnica de análise sistemática, de produtos ou processos, para identificar e minimizar falhas potenciais e os seus efeitos ainda na sua fase de concepção. É uma metodologia que objetiva avaliar e minimizar riscos por meio da análise das possíveis falhas (determinação da causa, efeito e risco de cada tipo de falha) e implantação de ações para aumentar a confiabilidade. Grupo de Atividades Sistêmicas com o objetivo de: Reconhecer e avaliar as falhas potenciais de um processo, bem como suas possíveis causas e seus efeitos; Definir controles preventivos e de detecção; Identificar os pontos fracos do processo (maiores riscos); Documentar o processo de análise. 7

8 O QUE É FMEA? Definições: Metodologia que objetiva avaliar e minimizar riscos por meio da análise das possíveis falhas e implantação de ações para aumentar a confiabilidade. A análise das possíveis falhas consiste na determinação da causa, efeito e risco de cada tipo (modo) de falha. De acordo com a definição colocada pela Society of Automotive Engineers (2002), o FMEA é uma ferramenta na qual se analisa cada modo de falha de um determinado sistema buscando determinar as conseqüências ou os efeitos destes em um outro sistema subseqüente, classificando cada modo de falha potencial de acordo com sua severidade e recomendando-se ações para eliminar ou compensar efeitos inaceitáveis. 8

9 O QUE É FMEA? Está claro para todos? 9

10 Objetivo da apresentação A realidade nas empresas: Muitas organizações têm, nos últimos anos, usado o FMEA na análise dos seus Processos. A ISO/TS16949 determina o uso desta ferramenta para todos os fornecedores da cadeia automotiva. 10

11 Objetivo da apresentação A realidade nas empresas: Apesar dos manuais de referência publicados e dos treinamentos constantemente realizados, a maior parte das organizações não consegue utilizar todos os benefícios que um FMEA põe à sua disposição. 11

12 Objetivo da apresentação A realidade nas empresas: A maior parte das pessoas que conhece e usa o FMEA, não o vê como uma ferramenta poderosa, mas sim como algo que é preciso fazer para cumprir os requisitos das auditorias de qualidade, ou as especificações dos clientes. 12

13 Objetivo da apresentação A realidade nas empresas: A maior parte dos FMEA s são construídos e usados incorretamente. Isso contribui para a associação do FMEA a algo irrelevante e sem qualquer significado. O resultado é que as organizações preenchem todos os requisitos burocráticos de um FMEA, mas o seu valor é diminuído em grande parte. 13

14 Objetivo da apresentação A realidade nas empresas: As equipes de FMEA julgam que estão atuando da maneira mais correta, uma vez que este é aceito tanto pelos clientes como pelos auditores. Nesta situação, todas as pessoas vão olhar para o FMEA, não como uma ferramenta, mas sim como algo que tem que ser feito. 14

15 A realidade nas empresas: Objetivo da apresentação Porém, as empresas que implementam processos que respondem à maioria dos controles identificados nos FMEA s, desenvolvem sistemas que fornecem os dados confiáveis das ocorrências e das taxas de detecção. Os riscos de cada falha podem ser nitidamente identificados. 15

16 Conceituação Análise de risco: Análise de risco tradicional: Gravidade X Frequência = Risco Análise de risco via FMEA: 1 Severidade X Ocorrência X = Risco Detecção 16

17 Conceituação Abordagem por processos: Tipos de FMEA DFMEA = PFMEA? Projeto Processo Pode-se fazer um FMEA do seguinte processo: Projetar um produto Abordagem por Processos (ISO 9001:2000) 17

18 Abordagem por processos: Conceituação Abordagem por Processos (ISO 9001:2000) Entradas Processo Saídas Insumos Transformação utilizando recursos Produto 18

19 Abordagem por processos: Conceituação Abordagem por Processos (ISO 9001:2000) Entradas Processo Saídas Definições de processo: Transformação de algo em outra coisa Atividades que transformam insumos (entrada) em produtos (saída). Atividades que ocorrem em um período de tempo que produzem algum resultado. Uma série s de etapas criadas para produzir um serviço o ou produto 19

20 Abordagem por processos: Exemplo de processo: Conceituação Entradas: -Escova -Pasta de dente -Dentes sujos -Água Processo: Escovar os dentes Saídas: -Dentes higienizados -Resíduo líquido Agregação de valor Dentes protegidos contra a cáriec Necessidade geradora do processo: Ter dentes saudáveis 20

21 Abordagem por processos: Conceituação Abordagem por Processos (ISO 9001:2000) Entradas Processo Saídas Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos (FMEA) Causas Falhas Efeitos FMEA de Processo Processo Saídas Causas Falhas Efeitos 21

22 Abordagem por processos: FMEA de Processo Conceituação Causas Processo Falhas Saídas Efeitos Controles de Prevenção Controles de Detecção Plano de Controle Características de PROCESSO Características de PRODUTO 22

23 Conceituação O formulário rio de FMEA: Parece um roteiro, mas não é. 23

24 O formulário rio de FMEA: Item / Função Modo de Falha Potencial Efeito (s) Potencial (is) de Falha S E V E. C L A S. Causa Potencial (6M) Mecanismo s O C O R. Controle Preventivo Atual Controle Detecção Atual D E T E C N P R Responsabi lidade pelas Ações ações Recomenda re comenda das das e os prazos envolvidos Ação Tomada S E V E. O C O R. D E T C. N P R. SEVERIDADE Índice Severidade Critério Qual a 1 Descrição Mínima de cada O cliente mal percebe que a falha ocorreu No que conseqüência a operação Quais as Como origens a Como causa a pode falha O que pode pode Definição ser feito de 2 Pequena Ligeira deterioração no desempenho com leve descontentamento do de pode falhar? das falhas? ser prevenida? ser detectada? para Ações diminuir tomadas os e 3 operação cliente; responsável e prazos 4 Moderada Deterioração significativa no desempenho de um sistema com Considerando a função cada falha? Ausência (olhos da função 6M / Causa Controles Raiz Controles para para maiores seus riscos? resultados 5 descontentamento Índice do cliente Ocorrência Proporção das ações 6 do cliente) 7 Alta Sistema deixa 1 de funcionar Remota e grande impedir descontentamento 1: ou do impedir cliente detectar que a falha 8 Função parcial 2 Pequena 1: Muito Alta Idem ao anterior 3 porém afeta a segurança ocorrência 1:4.000 se da transforme causa Melhorar em os 10 Função extrapolada 4 Moderada 1:1.000 DETECÇÃO 5 1:400 da Índice falha Detecção efeito controles Critério Função degradada 6 1:80 7 Alta 1:40 1 Muito Grande Certamente será detectado Função não 8 1: Muito Alta 1:83 Grande Grande probabilidade de ser detectado intencional 10 1: Moderada Pequena Muito Pequena Provavelmente será detectado Provavelmente não será detectado Certamente não será detectado 24

25 Benefícios da aplicação: Conceituação Um sistema de gestão da qualidade com o foco preventivo é vital para se eliminar a inspeção, reduzir os custos com a qualidade e ainda atender as exigências do cliente. FMEA: Ferramenta de prevenção. O FMEA exige um custo da organização, a eficácia da sua aplicação traduz este custo em forma de investimento, que terá um retorno percebido em forma de redução de custos com falhas. Custo de Prevenção Custo de Avaliação Custo de Falha a) Pouco ou nenhum investimento em prevenção b) Investimento com implementação c) Investimento sem implementação 25

26 Benefícios da aplicação: Conceituação A vantagem da aplicação do FMEA se dá na medição do processo para a eliminação de seus potenciais pontos fracos, proporcionando meios para a redução do risco de uma falha a um valor aceitável Quando elaborado com eficiência, o FMEA tornase uma ferramenta poderosa na análise do processo, permitindo melhoria contínua e servindo de registro histórico para futuros estudos (Exemplo: Respostas de RNC). 26

27 Benefícios da aplicação: Conceituação Com a escassez de recursos dos dias atuais, o uso desta ferramenta permite que a organização determine as vulnerabilidades em seus processos, de forma priorizar as maiores, estabelecendo ações para minimizar e/ou eliminar estes pontos vulneráveis. 27

28 Benefícios da aplicação: Conceituação Processo com FMEA Processo sem FMEA 28

29 Conceituação Limitações do FMEA: A investigação do erro humano é limitada A investigação de influências externas é limitada Os resultados dependem do modo de operação (dificuldades) Alto grau de subjetividade nas pontuações O formulário parece um roteiro mas não é 29

30 Conceituação Limitações do FMEA: ões do FMEA: É importante a presença de especialistas no Processo 30

31 Conceituação Limitações do FMEA: Na aplicação do FMEA, existem dificuldades relacionadas tanto às equipes quanto aos indivíduos Dificuldades relacionadas à equipe: FMEA feito apenas porque é obrigatório Equipes não preparadas Falta de tempo para lidar com o inesperado Dificuldades individuais: Pessoas que falam muito Pessoas que falam muito pouco Pessoas que dizem coisas não relacionadas com a reunião 31

32 Etapas de execução Etapa 1 Da definição do fluxograma de processo até a classificação Etapa 2 Identificação da causa e pontuação de ocorrência Etapa 3 Definição dos controles e pontuação de detecção Etapa 4 Análise da prioridade de risco e tomada de açõesa 32

33 Etapas de execução IMPORTANTE O preenchimento do formulário rio é uma ação a horizontal. Item / Função Modo de Falha Potencial Efeito (s) Potencial (is) de Falha S E V E. C L A S. Causa Potencial (6M) Mecanismo s O C O R. Controle Preventivo Atual Controle Detecção Atual D E T E C N P R Ações Recomenda das Responsabi lidade pelas ações recomenda das e os prazos envolvidos Ação Tomada S E V E. O C O R. D E T C. N P R

34 Etapas de execução: Etapa 1 Etapa 1 Da definição do fluxograma de processo até a classificação Item / Função Modo de Falha Potencial Efeito (s) Potencial (is) de Falha S E V E. C L A S. Causa Potencial (6M) Mecanismo s O C O R. Controle Preventivo Atual Controle Detecção Atual D E T E C N P R Ações Recomenda das Responsabi lidade pelas ações recomenda das e os prazos envolvidos Ação Tomada S E V E. O C O R. D E T C. N P R. Etapa de maior importância Serve de dado de entrada para as Etapas 2 e 3 34

35 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do Fluxograma b) Desmembramento da função c) Identificação dos modos de falha e) Pontuação da severidade e identificação da classificação d) Identificação dos efeitos aos olhos do cliente 35

36 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do fluxograma a) Mapeamento do Fluxograma b) Desmembramento da função c) Identificação dos modos de falha e) Pontuação da severidade e identificação da classificação d) Identificação dos efeitos aos olhos do cliente 36

37 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do fluxograma João é um trabalhador brasileiro como outro qualquer: acorda cedo todos dias para trabalhar. Porém, é muito difícil para João chegar no trabalho. 37

38 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do fluxograma Ele mora muito distante do Centro da Cidade onde fica seu trabalho. Às 05:00 ele pega o trem na estação de Gramacho,, faz baldeação no terminal da Leopoldina e vai até a estação Central do Brasil. 38

39 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do fluxograma Na Central do Brasil, João pega o ônibus da Linha 497 (Cosme Velho) que passa às s 05:35, para então chegar ao escritório rio onde é office-boy. 39

40 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do fluxograma Se João perder o ônibus de 05:35hs hs,, sós consegue pegar outro às s 05:50. Antes de chegar ao escritório, rio, João para no Bar do ZéZ para tomar um pingado (café com leite) e comer um pão com manteiga na chapa. 40

41 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do fluxograma Mas não se esqueçam, se João perder o ônibus de 05:35 ele não toma café.. SóS depois desta verdadeira maratona João chega ao trabalho. 41

42 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do fluxograma João é um trabalhador brasileiro como outro qualquer: acorda cedo todos dias para trabalhar. Porém, é muito difícil para João chegar no trabalho. Ele mora muito distante do Centro da Cidade onde fica seu trabalho. Às 05:00 ele pega o trem na estação de Gramacho, faz baldeação no terminal da Leopoldina e vai até a estação Central do Brasil. Na Central do Brasil, João pega o ônibus da Linha 497 (Cosme Velho) que passa às 05:35, para então chegar ao escritório onde é office-boy. Se João perder o ônibus de 05:35, só consegue pegar outro às 05:50. Antes de chegar ao escritório, João para no Bar do Zé para tomar um pingado (café com leite) e comer um pão com manteiga na chapa. Mas não se esqueçam, se João perder o ônibus de 05:35 ele não toma café. Só depois desta verdadeira maratona João chega ao trabalho. 42

43 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do fluxograma João acorda cedo pega o trem Estação Gramacho pegou o trem de Gramacho 05:00? S N Pega o ônibus da linha :50 Não pára no Bar do Zé faz baldeação na Estação Leopoldina Pega o ônibus da linha :35 pede um pingado e um pão com manteiga na chapa Não toma café desce na Central do Brasil Chega no Cosme Velho João chega ao trabalho no horário João chega ao trabalho atrasado Pára no Bar do Zé 43

44 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do fluxograma Exemplos de fluxograma de processo 44

45 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do fluxograma A coluna item/função deve ter o preenchimento a partir de uma definição do processo (ou operação) em análise CUIDADOS: Operações que não modificam o produto também fazem parte do processo Atividades pertinentes ao plano de reação não fazem parte do fluxograma 45

46 Etapas de execução: Etapa 1 a) Mapeamento do fluxograma João acorda cedo pega o trem Estação Gramacho pegou o trem de Gramacho 05:00? S N Pega o ônibus da linha :50 Não pára no Bar do Zé faz baldeação na Estação Leopoldina Pega o ônibus da linha :35 pede um pingado e um pão com manteiga na chapa Não toma café desce na Central do Brasil Chega no Cosme Velho João chega ao trabalho no horário João chega ao trabalho atrasado Pára no Bar do Zé 46

47 Etapas de execução: Etapa 1 b) Desmembramento da função a) Mapeamento do Fluxograma b) Desmembramento da função c) Identificação dos modos de falha e) Pontuação da severidade e identificação da classificação d) Identificação dos efeitos aos olhos do cliente 47

48 Etapas de execução: Etapa 1 b) Desmembramento da função Função da etapa em questão Considera o valor que a etapa agrega ao processo Indicar o propósito do processo CUIDADOS: Todas as funções precisam ser identificadas A descrição da função deve ser exata A descrição deve usar linguagem direta 48

49 Etapas de execução: Etapa 1 b) Desmembramento da função Exemplo: Qual a função de um copo de café? Usa-se se para tomar café A incapacidade de identificar todas as funções do copo de café tende a resultar numa lista incompleta de modos de falha Quais são as outras funções do copo de café? 49

50 Etapas de execução: Etapa 1 b) Desmembramento da função Exemplo: Armazenar líquidol Isolar termicamente Permitir empilhamento Ser descartável (impacto ambiental) Não derramar quando se está dirigindo Transferir líquidol Ter boa aparência Ser segurado nas mãos Resistir ao esmagamento Conter o líquidol (Brainstorming) 50

51 Etapas de execução: Etapa 1 b) Desmembramento da função Exemplo: Transferir líquidol Isolar termicamente Ser descartável (impacto ambiental) Conter o líquidol 51

52 Etapas de execução: Etapa 1 b) Desmembramento da função Exemplo: Função geral: Isolar termicamente Funções exatas: Deve manter o café quente Deve manter as mãos frias 52

53 Etapas de execução: Etapa 1 c) Identificação dos modos de falha a) Mapeamento do Fluxograma b) Desmembramento da função c) Identificação dos modos de falha e) Pontuação da severidade e identificação da classificação d) Identificação dos efeitos aos olhos do cliente 53

54 Etapas de execução: Etapa 1 c) Identificação dos modos de falha Como cada função do processo pode falhar quando solicitada Maneira pela qual o processo falharia no atendimento aos requisitos do projeto Pode haver mais de um modo de falha para cada operação Definição da falha a partir de uma sentença negativa à função 54

55 Etapas de execução: Etapa 1 c) Identificação dos modos de falha CUIDADOS: Falha - Quando um sistema deixa de desempenhar sua função Defeito - Quando um componente não atende a uma especificação técnica t mensurável Falha Defeito 55

56 Etapas de execução: Etapa 1 c) Identificação dos modos de falha Exemplo: Funções exatas: Deve manter o café quente Deve manter as mãos frias Modos de Falha: O café está frio Queima as mãos 56

57 Etapas de execução: Etapa 1 d) Identificação dos efeitos aos olhos do cliente a) Mapeamento do Fluxograma b) Desmembramento da função c) Identificação dos modos de falha e) Pontuação da severidade e identificação da classificação d) Identificação dos efeitos aos olhos do cliente 57

58 Etapas de execução: Etapa 1 d) Identificação dos efeitos aos olhos do cliente Conseqüência de cada falha na seqüência do processo Percepção do cliente Clientes podem ser internos ou externos 58

59 Etapas de execução: Etapa 1 d) Identificação dos efeitos aos olhos do cliente CUIDADOS: Efeito - Impacto da falha no cliente Plano de reação - Disposição imediata no caso de detecção de uma falha. Antecipa e evita o efeito Efeito Plano de Reação 59

60 Etapas de execução: Etapa 1 d) Identificação dos efeitos aos olhos do cliente Exemplo: Funções exatas: Deve manter o café quente Deve manter as mãos frias Modos de Falha: O café está frio Queima as mãos Efeitos: O gosto é ruim Queimadura de primeiro grau Caso a função geral isolar termicamente não tivesse sido desmembrada nas funções exatas, dificilmente chegaríamos a estes efeitos potenciais 60

61 Etapas de execução: Etapa 1 d) Pontuação da severidade e identificação da classificação a) Mapeamento do Fluxograma b) Desmembramento da função c) Identificação dos modos de falha e) Pontuação da severidade e identificação da classificação d) Identificação dos efeitos aos olhos do cliente 61

62 Etapas de execução: Etapa 1 d) Pontuação da severidade e identificação da classificação Gravidade do efeito feita por uma pontuação de 1 a 10 Coerência na pontuação Tabelas de referência Classificação Severidade = 7 e 8: Características Significativas Severidade = 9 e 10: Características Especiais 62

63 Etapas de execução: Etapa 1 d) Pontuação da severidade e identificação da classificação Tabelas de referência Perigoso Sério Efeito Severidade do efeito Rank Falha é perigosa, e ocorre sem aviso. Capaz de suspender a operação dos sistemas e/ou envolve aspectos não complacentes com regulações governamentais. Os efeitos podem ser perigosos e/ou envolvem aspectos não complacentes com regulações governamentais. Importante Produto inoperável, com perda da função básica. Sistema inoperante. 8 Impactante Desempenho do produto sofre impacto. Sistema pode não operar. 7 Significativo Desempenho do produto é degradado. Funções atreladas ao conforto podem não operar. 6 Moderado Moderado efeito no desempenho do produto. Produto requer reparos. 5 Baixo Moderado efeito no desempenho do produto. Produto requer reparos. 4 Desprezível Efeito desprezível no desempenho do produto ou sistema. 3 Muito desprezível Efeito muito desprezível no desempenho do produto ou sistema. 2 Nenhum Nenhum efeito

64 Etapas de execução: Etapa 1 d) Pontuação da severidade e identificação da classificação Tabelas de referência Índice Critérios para a estimativas do índice de severidade 1 É razoável esperar que o cliente não perceba a falha 2 O cliente perceberá a falha mas não ficará insatisfeito por causa dela 3 O cliente perceberá a falha e ficará insatisfeito 4 O cliente ficará insatisfeito mas não tem sua segurança afetada 5 O cliente ficará muito insatisfeito e afeta sua segurança Severidade Pontuação O cliente provavelmente não notará 1 Ligeiramente percebido 2,3 Insatisfação do cliente 4,5,6 Alto grau de insatisfação 7,8 Compromete segurança ou legislação 9,1 64

65 Etapas de execução: Etapa 1 d) Pontuação da severidade e identificação da classificação Tabelas de referência Efe ito Critério: Severidade do Efeito Esta classificação é o resultado de quando um m odo de falha potencial resulta em um defeito no cliente final e/ou na planta de manufatura/montagem. O cliente deveria ser sempre considerado primeiro. Se am bos ocorrerem, usar a m aior das severidades. (Efeito na Manufatura/m ontagem ) Rank Perigoso sem aviso prévio Perigoso com aviso prévio Muito alto Alto Moderado Baixo Ou pode pôr em perigo o operador (máquina ou montagem) sem aviso prévio 10 Ou pode pôr em perigo o operador (máquina ou montagem) com aviso prévio 9 Ou 100% dos produtos podem ter que ser sucatados, ou o veículo/item reparado no departamento de reparo com um tempo de reparo maior que 1 hora Ou os produtos podem ter que ser selecionados e uma parte (menor que 100%) sucatada, ou o veículo/item reparado no departamento de reparo com um tempo de reparo entre 0,5 hora a 1 hora Ou uma parte (menor que 100%) podem ter que ser sucatados sem seleção, ou o veículo/item reparado no departamento de reparo com um tempo de reparo menor que 0,5 hora. Ou 100% dos produtos podem ter que ser retrabalhados, ou o veículo/item reparado fora da linha, mas não vai para o departamento de reparo Muito baixo Ou os produtos tem que ser selecionados, sem sucateamento, e uma parte (menor que 100%) ser retrabalhada. 4 Menor Muito menor Ou uma parte (menor que 100%) dos produtos podem ter que ser retrabalhados, sem sucateamento, na linha mas fora da estação. Ou uma parte (menor que 100%) dos produtos podem ter que ser retrabalhados, sem sucateamento, na linha e dentro da da estação. Nenhum Ou pequena incoveniência no operador ou na operação, ou sem defeito

66 Etapas de execução: Etapa 1 d) Pontuação da severidade e identificação da classificação Tabelas de referência Efe ito Critério: Severidade do Efeito Esta classificação é o resultado de quando um modo de falha potencial resulta em um defeito no cliente final e/ou na planta de manufatura/montagem. O cliente deveria ser sempre considerado primeiro. Se ambos ocorrerem, usar a maior das severidades. (Efeito no Cliente) Rank Perigoso sem aviso prévio Perigoso com aviso prévio Índice de severidade muito alto quando o modo de falha potencial afeta a segurança na operação do veículo e/ou envolve não-conformidade com a legislação governamental sem aviso prévio. Índice de severidade muito alto quando o modo de falha potencial afeta a segurança na operação do veículo e/ou envolve não-conformidade com a legislação governamental com aviso prévio. Muito alto Veículo/item inoperável (perda das funções primárias). 8 Alto Veículo/item operável, mas com nível de desempenho reduzido. Cliente bastante insastisfeito. 7 Moderado Veículo/item operável, mas com item(s) de Conforto/Conveniência inoperável(is). Cliente insastisfeito. 6 Baixo Veículo/item operável, mas com item(s) de Conforto/Conveniência operável(is) com nível de desempenho reduzidos 5 Muito baixo Itens de ajuste: Acabamento/Chiado e Barulho não-conformes. Defeito notado pela maioria dos clientes (mais de 75%). Menor Itens de ajuste: Acabamento/Chiado e Barulho não-conformes. Defeito notado por 50% dos clientes. 3 Muito menor Itens de ajuste: Acabamento/Chiado e Barulho não-conformes. Defeito notado por clientes acurados (menos de 25%). Nenhum Sem defeito perceptível

67 Etapas de execução: Etapa 1 d) Pontuação da severidade e identificação da classificação CUIDADOS: A adoção ou transferência direta das tabelas dos manuais tende a mascarar a pontuação Cada processo tem sua particularidade O que é muito grave para um, pode ser pouco grave para outro A melhor alternativa é buscar a coerência na pontuação 67

68 Etapas de execução: Etapa 1 d) Pontuação da severidade e identificação da classificação A melhor alternativa é buscar a coerência na pontuação 68

69 Etapas de execução: Etapa 1 d) Pontuação da severidade e identificação da classificação Exemplo de coerência de pontuação: Um presente para a namorada. Namorada boazinha Chocolate Namorada compreensível Chocolate Flores Namorada brava Chocolate Flores Jóia A namorada do cara é o CAPETA!!! 1 Flores Jóia Cruzeiro Grau de satisfação 69

70 Etapas de execução: Etapa 1 d) Pontuação da severidade e identificação da classificação Exemplo do copo de café: Funções exatas: Modos de Falha: Efeitos: Sev.: Class.: Deve manter o café quente O café está frio O gosto é ruim 3 Deve manter as mãos frias Queima as mãos Queimadura de primeiro grau 9 70

71 Etapas de execução: Etapa 2 Etapa 2 Identificação da causa, prevenção e pontuação de ocorrência Item / Função Modo de Falha Potencial Efeito (s) Potencial (is) de Falha S E V E. C L A S. Causa Potencial (6M) Mecanismo s O C O R. Controle Preventivo Atual Controle Detecção Atual D E T E C N P R Ações Recomenda das Responsabi lidade pelas ações recomenda das e os prazos envolvidos Ação Tomada S E V E. O C O R. D E T C. N P R. Relação direta com a Etapa 1 (causa X falha) 71

72 Etapas de execução: Etapa 2 a) Identificação das causas b) Pontuação da ocorrência c) Definição dos controles preventivos 72

73 Etapas de execução: Etapa 2 a) Identificação das causas a) Identificação das causas b) Pontuação da ocorrência c) Definição dos controles preventivos 73

74 Etapas de execução: Etapa 2 a) Identificação das causas Forma pela qual a falha poderia ocorrer Descrito em termos de algo que possa ser controlado ou corrigido Informações de histórico / Conhecimento técnico 74

75 Etapas de execução: Etapa 2 a) Identificação das causas Recomendação: Diagrama de causa-efeito Desgaste de componentes Máquina Matéria Prima Mão de Obra Pneu vazio Alta velocidade Óleo impróprio Gasolina inadequada Mistura de água Mistura de álcool incorreta Congestionamento Hábitos incorretos Desatenção Manutenção inadequada Erro no marcador Consumo elevado de combustível em um automóvel Uso inadequado das marchas Método Temperatura Meio Ambiente Conta-giro quebrado Medição 75

76 Etapas de execução: Etapa 2 a) Identificação das causas CUIDADOS: A definição genérica da causa não permite a identificação do controle preventivo Deve-se buscar a Causa Raiz A causa nunca deve ter origem em processos anteriores Ferramentas da qualidade (use e abuse) Reasons for Being Late to Work Traffic Long Wait at Light Bathroom Hang Up Breakfast Hang Up Weather Car Problems Clock Disagrees $ Scrapped $80 $60 $40 $20 $- Scrap $ B C H I D A G F E Part Number DPU Monthly DPU for Product XYZ 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0,00 dez/97 fev/98 abr/98 ju n /9 8 ago/98 o u t/9 8 dez/98 fev/99 abr/99 ju n /9 9 ago/99 o u t/9 9 dez/99 Materials Methods Machinery Manpower Part Problem Frequency More Length - Inches 76

77 Etapas de execução: Etapa 2 a) Identificação das causas Exemplo: Processo de lavar roupa Colocar de molho Esfregar Enxaguar Funções: Deve facilitar a remoção da sujeira Deve remover a sujeira sem danificar a roupa Deve eliminar o sabão Falhas: Não remover a sujeira Danificar a roupa 77

78 Etapas de execução: Etapa 2 a) Identificação das causas Exemplo: Falhas potenciais da operação esfregar: Causas: Não remover a sujeira Pouco sabão Pouco tempo de ação Escova desgastada Danificar a roupa Tempo excessivo de açãoa Escova inadequada A falta de ação do sabão enquanto a roupa está de molho pode contribuir para a não remoção da sujeira, porém não é uma causa da operação esfregar, mas sim um efeito da operação colocar de molho 78

79 Etapas de execução: Etapa 2 b) Pontuação da ocorrência a) Identificação das causas b) Pontuação da ocorrência c) Definição dos controles preventivos 79

FMEA. Análise do modo de falha e seus efeitos

FMEA. Análise do modo de falha e seus efeitos FMA Análise do modo de falha e seus efeitos urso de specialização em Gestão da Produção Prof MSc Dimas ampos de Aguiar UNSP Universidade stadual Paulista FG Faculdade de ngenharia do ampus de Guaratinguetá

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

FMEA DE PROCESSO: UMA PROPOSTA DE APLICAÇÃO BASEADA NOS CONCEITOS DA ISO 9001:2000

FMEA DE PROCESSO: UMA PROPOSTA DE APLICAÇÃO BASEADA NOS CONCEITOS DA ISO 9001:2000 FMEA DE PROCESSO: UMA PROPOSTA DE APLICAÇÃO BASEADA NOS CONCEITOS DA ISO 9001:2000 Dimas Campos de Aguiar (FEG-UNESP) dimas_c@hotmail.com Carlos Henrique Pereira Mello (UNIFEI) carloshpmello@uol.com.br

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu São Paulo, 01 de Outubro de 2010 Nomes: Cícero Marcelino RA: 200509458 Daniele Teixeira RA: 200605045 Edson Pereira RA: 200607727 Matheus Monteiro RA: 200709765 Rodrigo Pavin

Leia mais

APLICAÇÃO DO AHP PARA A AVALIAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO DE FMEA DE PROCESSO

APLICAÇÃO DO AHP PARA A AVALIAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO DE FMEA DE PROCESSO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. APLICAÇÃO DO AHP PARA A AVALIAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO DE FMEA DE PROCESSO Dimas Campos de Aguiar (UNESP) dimas_c@hotmail.com Helder José Celani

Leia mais

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Professores: Diego Mondadori Rodrigues Ernani Matschulat Viviane Dorneles Tobias

Leia mais

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha 1 1 Introdução

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

MÓDULO 3 Práticas do PFMEA (Planejamento do Processo), aplicando-as em situações práticas

MÓDULO 3 Práticas do PFMEA (Planejamento do Processo), aplicando-as em situações práticas MÓDULO 3 Práticas do PFMEA (Planejamento do Processo), aplicando-as em situações práticas Ligação entre os FMEA s O DFMEA não é um documento que existe sozinho. Por exemplo: a saída do DFMEA pode ser usada

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS 1 APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS Bruno Ricardo Duarte 1 João Koji Fujita Ribeiro de José Antonio Bueno 4 Renato Francisco Saldanha Silva 5 RESUMO O presente

Leia mais

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis)

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) seu produto nas unidades respectivas de cada grandeza, isto é, o produto tem $4,50 na característica "custo", 170 mm na característica "dimensão", e assim por diante. As colunas "concorrente };' e "concorrente

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE COMO A UTILIZAÇÃO DO FMEA AUXILIA NA REDUÇÃO DAS FALHAS NO PROCESSO Por: Telma Fidelis Fragoso da Silva Orientador Prof. Luiz

Leia mais

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1 FMA Controle de Qualidade FMA Pág 1 FMA que vamos aprender... FMA Ferramentas de Definição Pág 2 FMA FMA Failure Mode & ffects Analysis FMA é um método sistemático para identificar, analisar, priorizar

Leia mais

Módulo 5 Metodologia para análise de risco: FMEA

Módulo 5 Metodologia para análise de risco: FMEA Módulo 5 Metodologia para análise de risco: FMEA FMEA Failure Mode and Effects Analysis É uma técnica para assegurar que todas as possíveis falhas de um processo ou sistema foram consideradas e analisadas,

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica ISSN 1984-9354 Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica Priscyla Abramowicz (LATEC/UFF) Resumo: A Indústria farmacêutica deve, por legislação,

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

FMEA "FAILURE MODE AND EFFECT ANALYSIS" ANÁLISE DOS TIPOS DE FALHAS E EFEITOS

FMEA FAILURE MODE AND EFFECT ANALYSIS ANÁLISE DOS TIPOS DE FALHAS E EFEITOS FMEA "FAILURE MODE AND EFFECT ANALYSIS" ANÁLISE DOS TIPOS DE FALHAS E EFEITOS 1. INTRODUÇÃO 2. FMEA ISO 9000 QS 9000 3 - INTRODUÇÃO FMEA 4. FMEA DE PROJETO 5. FMEA DE PROCESSO 1 Introdução 2 QUANTO CUSTA

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS

FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS Flávio Zorzan (FAHOR) fz000872@fahor.com.br Leandro Dorneles (URI-Santo Ângelo) leandro1902@gmail.com Marcos Eduardo

Leia mais

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha.

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha. FMEA Prof. Andréa CONCEITO DE FMEA CONCEITO DE FMEA ABNT, na norma NBR 5462 (1994), adota a sigla originária do inglês FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) e a traduz como sendo Análise dos Modos de

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA.

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

MÓDULO 2 Práticas do DFMEA (Planejamento do Projeto), aplicando-as em situações do dia a dia.

MÓDULO 2 Práticas do DFMEA (Planejamento do Projeto), aplicando-as em situações do dia a dia. MÓDULO 2 Práticas do DFMEA (Planejamento do Projeto), aplicando-as em situações do dia a dia. Lei de Murph SE ALGUMA COISA PODE DAR ERRADO, DARÁ, NO PIOR MOMENTO. A primeira função do engenheiro de projeto

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Operacionais na Prevenção de Perdas do Varejo

Gerenciamento de Riscos Operacionais na Prevenção de Perdas do Varejo Gerenciamento de Riscos Operacionais na Prevenção de Perdas do Varejo Daniela Mendes de Sá (EPUSP) dany_msa@ig.com.br Prof. Dr. Roberto Rotondaro (EPUSP) rotondar@cwaynet.com.br Resumo Este artigo tem

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Manutenibilidade: É a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor grau de facilidade na execução dos serviços

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL APLICAÇÃO DA METODOLOGIA FMEA (ANÁLISE DO MODO E EFEITOS DE FALHA) NO PROCESSO DE MONTAGEM DE

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 6 Favor colocar

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí IV Jornada Científica 6 a 9 de Dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí IV Jornada Científica 6 a 9 de Dezembro de 2011 AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS GEADOS NO LATICÍNIO DO IFMG-CAMPUS BAMBUÍ UTILIZANDO O MÉTODO FMEA Lucélia Costa OLIVEIA 1 ; Pedro Henrique esende CAVALHO 2 ; Maria Cristina da Silva BABOSA 3 ; Anne

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade Roteiro da apresentação Controle de Qualidade 1 2 3 Lupércio França Bessegato UFMG Especialização em Estatística 4 5 Abril/2007 6 7 Conceito de Qualidade Não há uma única definição. Melhoria da Empresa

Leia mais

Análise dos Modos e Efeitos de Falha Potencial (FMEA) & Controle de Processo

Análise dos Modos e Efeitos de Falha Potencial (FMEA) & Controle de Processo Análise dos Modos e Efeitos de Falha Potencial (FMEA) & Controle de Processo Instrutor: Msc. Eng a. Juliana Dagnese II Semana da Engenharia de Produção Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Keywords: Quality, FMEA, norm

Keywords: Quality, FMEA, norm Uma Análise da Aplicação da FMEA nas Normas de: Sistema de Gestão pela Qualidade (ISO9000 e QS9000), Sistema de Gestão Ambiental (ISO14000) e Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho (BS8800

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Gestão de Segurança da Informação Prof. João Henrique Kleinschmidt (slides cedidos pelo Prof. Carlos Kamienski - UFABC) Gerenciamento e Avaliação de Riscos Terminologia

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Alexsandro da Silva Cardoso (UERJ) asc@csn.com.br Doninzeti Ferreira de Oliveira (UERJ) doninzeti@csn.com.br Edson

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

Aplicação do Método Fmea no Processo de Climatização de uma Indústria Automobilística

Aplicação do Método Fmea no Processo de Climatização de uma Indústria Automobilística Aplicação do Método Fmea no Processo de Climatização de uma Indústria Automobilística Helena Ávila Ramos avila.helena@yahoo.com.br UFF Carlos Alberto Chaves cachaves@quick.com.br UFF Nilson Brandalise

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade Os modelos de Qualidade Total apresentam uma estrutura teórica bem consistente, pois: não há contradições entre as suas afirmações básicas; há uma estrutura bem definida

Leia mais

REDUÇÃO DAS IRREGULARIDADES IDENTIFICADAS NA APLICAÇÃO DO FMEA DE PROCESSO: UM ESTUDO EM PRODUTOS ESTAMPADOS

REDUÇÃO DAS IRREGULARIDADES IDENTIFICADAS NA APLICAÇÃO DO FMEA DE PROCESSO: UM ESTUDO EM PRODUTOS ESTAMPADOS REDUÇÃO DAS IRREGULARIDADES IDENTIFICADAS NA APLICAÇÃO DO FMEA DE PROCESSO: UM ESTUDO EM PRODUTOS ESTAMPADOS THE REDUCTION OF IRREGULARITIES IN THE USE OF PROCESS FMEA : A STUDY FOR A COLD STAMPING PROCESS

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Gestão da qualidade do software

Gestão da qualidade do software Gestão da qualidade do software Empenhada em assegurar que o nível de qualidade requerido de um produto de software é atingido Envolve a definição de normas e procedimentos de qualidade apropriados, e

Leia mais

80$Ã,1'Ò675,$Ã'(Ã0È48,1$6)(55$0(17$

80$Ã,1'Ò675,$Ã'(Ã0È48,1$6)(55$0(17$ 352-(72Ã3,/272Ã'(Ã,03/$17$d 2Ã'(Ã$1È/,6(Ã'(Ã)$/+$6Ã)0($Ã(0 80$Ã,1'Ò675,$Ã'(Ã0È48,1$6)(55$0(17$ -RVpÃ3DXORÃ&DEUDOÃGHÃ9DVFRQFHOORVÃ-~QLRU Indústria Romi S.A. Rodovia SP 304, km 141 CEP 13450-000 Santa Bárbara

Leia mais

Cuidados e utilização de Mangueiras para Alta Pressão

Cuidados e utilização de Mangueiras para Alta Pressão Cuidados e utilização de Mangueiras para Alta Pressão Requisitos de instalação para montagens de mangueiras Spir Star/Flutrol O que fazer Apertar as conexões com extrema cautela. As mangueiras Spir Star

Leia mais

FMEA (Failure Model and Effect Analysis)

FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Definição FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Conceitos Básicos A metodologia de Análise do Tipo e Efeito de Falha, conhecida como FMEA (do inglês Failure Mode and Effect Analysis), é uma ferramenta

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Marcus Vicente Mazzillo (FCAV ) marcus.mazzillo@gmail.com Andre Leme Fleury (USP ) alfleury@usp.br

Marcus Vicente Mazzillo (FCAV ) marcus.mazzillo@gmail.com Andre Leme Fleury (USP ) alfleury@usp.br UTILIZANDO A ANÁLISE DE MODO E EFEITOS DE FALHA POTENCIAL (FMEA) PARA ATINGIR A CONFORMIDADE COM O PADRÃO DE SEGURANÇA DOS DADOS DO SETOR DE CARTÕES DE PAGAMENTO (PCI DSS) Marcus Vicente Mazzillo (FCAV

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE 1 ESTRUTURA DO SGI Módulo SGI-1.0 - Introdução (04 horas) Apresentação da metodologia do Programa de Formação Manual do Aluno Critérios de aprovação e reposição de módulos Uso da plataforma do Ambiente

Leia mais

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia Introd. Engenharia de Produção 2007 Projeto de Engenharia Prof. João A. Camarotto Projeto de Engenharia Execução de um conjunto de ações de forma coordenada para realizar a construção, a fabricação, o

Leia mais

NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING

NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING NOÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS DE 5 S/HOUSEKEEPING Há quem diga que praticar o 5S é praticar "bons hábitos" ou "Bom senso". Apesar da simplicidade dos conceitos e da facilidade de aplicação na prática, a sua

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Estoque, um mal necessário? Confiabilidade do estoque, mostrando casos reais e práticas de conservação*

Estoque, um mal necessário? Confiabilidade do estoque, mostrando casos reais e práticas de conservação* Estoque, um mal necessário? Confiabilidade do estoque, mostrando casos reais e práticas de conservação* * Artigo apresentado no 22º Congresso Brasileiro de Manutenção, Florianópolis 2008 Abraman Julio

Leia mais

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia.

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Certificado de Garantia. Modelo Controle MonoGás Nº A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período de 6 meses, a partir

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais