Manual de Qualidade de Fornecedor Global

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Qualidade de Fornecedor Global"

Transcrição

1 Manual de Qualidade de Fornecedor Global 01 de junho de 2012 "Um Sistema Uma Equipe... Uma Oshkosh

2 Este Manual de Qualidade de Fornecedor da Oshkosh Corporation foi revisto, aprovado e assinado pela liderança de Qualidade e de Compras. Matteo Pisciotta VP de Compras GPSC Sean Ketter Diretor Sr. de Qualidade de Fornecedor e Desenvolvimento GPSC as leis de direitos autorais. 2

3 Manual de Qualidade de Fornecedor Global Índice Seção Página 1. Introdução 4 2. Propósito 4 3. Visão do GPSC 4 4. Responsabilidades do GPSC 4 5. Sistema de Gerenciamento de Qualidade 5 6. Processo Integrado de Fornecedor 5 7. Avaliação e Auditoria no Local do Fornecedor 6 8. Planejamento de Qualidade de Produto Avançada (Advance Product Quality Planning - APQP) Projeto de Aprovação de Peças de Produção (Production Part Approval Process - PPAP) Notificações de Mudança de Processo/Produto Desvio Temporário de Produto (MRB) Material em Não Conformidade Exigências de Ação Corretiva de Fornecedores Monitoramento de Desempenho de Fornecedor Partes Por Milhão PPM Exigências de Entrega Garantia e Recuperação de Custo Rastreabilidade do Produto Exigências do Distribuidor Controle Cliente Produto/Ferramenta Fornecida Gerenciamento de Ferramental Manutenção Preventiva Garantia de Qualidade de Fornecedor de Segunda Linha Acondicionamento e Remessa Identificação, Preservação, Acondicionamento Exigências de Qualidade de Fixadores Retenção de Registro Peças Falsificadas/Usadas Vida Útil Exigências de Soldagem Limpeza de Componente Hidráulico e Pneumático Adendos de segmentos específicos: 32. Adendo de Acesso Adendo de Defesa Adendo Comercial Adendo de Incêndio e Emergência Histórico de Revisão 41 as leis de direitos autorais. 3

4 1. Introdução O Manual de Qualidade de Fornecedor Global (Global Supplier Quality Manual - GSQM) é um guia para ajudar os fornecedores a entenderem os elementos principais das Exigências de Qualidade da Oshkosh Corporation. As seções de SQM são as práticas mínimas que as instalações de fornecedores que eles são obrigados a implementar efetivamente. Além disso, as exigências específicas do segmento estão listadas na seção adendo. Estas exigências se aplicam a TODOS OS FORNECEDORES de: Materiais de Produção Peças de Produção ou Serviço Centros de Distribuição Fabricantes de Maquinário É missão da Oshkosh Corporation fornecer aos seus clientes produtos e serviços sem defeitos e fornecê-los globalmente ao menor custo total. O objetivo é simples - para ser o fornecedor de referência em todos os mercados. Este objetivo só pode ser alcançado com o apoio e compromisso entre você, nosso fornecedor e nós. Expectativas claras e concisas e exigências tornarão a relação fornecedor-cliente mais gratificante para todos. Quando citada, a Oshkosh Corporation inclui, mas não se limita a, produtos produzidos sob as marcas Oshkosh (R), JLG (R), Pierce (R),McNeilus (R), Medtec (R), Jerr-Dan (R), Oshkosh Specialty Vehicles, Frontline (TM), SMIT (TM), CON-E-CO (R), London (R) e IMT (R). 2. Propósito O propósito deste GSQM é fornecer um método uniforme para comunicar as exigências gerais, expectativas, necessidades específicas do cliente e diretrizes para a Cadeia de Suprimentos. 3. Visão de Compra Global e Cadeia de Suprimentos (Global Procurement and Supply Chain - GPSC) A Visão do GPSC é desenvolver uma organização de classe mundial para que compras e a cadeia de suprimentos possam fornecer o melhor em logística, qualidade, desenvolvimento de novos produtos (new product development - NPD) e competitividade para a família de empresas Oshkosh globalmente. as leis de direitos autorais. 4

5 4. Responsabilidades de Compra Global e Cadeia de Suprimentos (Global Procurement and Supply Chain - GPSC) Toda matéria-prima e componentes são obtidos através do processo de compras corporativo. Todas as matérias-primas e componentes serão classificados por tipo de mercadoria para desenvolver consistência entre todos os fornecedores dessa mercadoria e as instalações da Oshkosh Corporation. 5. Sistema de Gerenciamento de Qualidade Atualmente a Oshkosh Corporation exige que nossa cadeia de fornecimento esteja em conformidade com as exigências da ISO 9001:2008 ou ISO/TS16949, no mínimo. Também é recomendado que a localização do fornecedor seja certificada por um certificador terceirizado. A partir de 31 de dezembro de 2013, todos os fornecedores da Oshkosh Corporation são obrigados a terem certificação ISO 9001:2008 ou ISO/TS16949 e a estarem certificados por entidade certificadora terceirizada. O não cumprimento desta exigência pode ter impacto no futuro do negócio. No mínimo, o Fornecedor deve possuir todos os Manuais de Ferramentas de Qualidade Principais do AIAG (Automotive Industry Action Group) - nas mais recentes edições. Os Manuais do AIAG de referência estão listados abaixo: APQP - Planejamento de Qualidade de Produto Avançada (Advance Product Quality Planning) PPAP - Projeto de Aprovação de Peças de Produção (Production Part Approval Process) FMEA Análise de Efeitos de Modos de Falha (Failure Modes Effects Analysis) SPC Controle de Processo Estatístico (Statistical Process Control) MSA Análise de Sistemas de Medição (Measurement Systems Analysis) Os Manuais acima podem ser obtidos em 6. Processo Integrado de Fornecedor (Processo de Aprovação de Novo Fornecedor) Um novo fornecedor é definido como sendo um fornecedor que nunca fez negócios com Oshkosh Corporation ou que é um fornecedor anterior que não tenha fornecido produtos à Oshkosh Corporation nos últimos três anos. Os fornecedores são obrigados a registrar seus negócios como possível fornecedor visitando e preenchendo o Perfil do Fornecedor. É de responsabilidade do fornecedor manter esta informação atualizada e atual. A Oshkosh Corporation deve ter um Acordo de Não Divulgação assinado e as leis de direitos autorais. 5

6 implementado com o fornecedor antes de qualquer troca de informações intelectuais. Os fornecedores também deverão reconhecer que informações técnicas relacionadas à defesa fornecidas pela Oshkosh Corporation estão sujeitas à legislação e regulamentos de controle dos EUA. Todos os novos fornecedores estão sujeitos a uma Avaliação e Auditoria no Local do Fornecedor, por critério exclusivo da unidade de negócios da Oshkosh Corporation que esteja considerando um possível fornecedor. Os fornecedores também devem concordar em fornecer informações para a realização de uma Análise Financeira e Avaliação de Riscos. Além disso, todos os novos fornecedores são obrigados a preencher o formulário W-9 e os Formulários de Contas a Pagar associados para permitir a definição de uma ID do fornecedor. O processo integrado é um processo definido e estruturado que envolve o trabalho integrado de Compras, Qualidade, Engenharia e Fabricação para trazer um novo fornecedor para o nosso sistema de rupturas limitadas. 7. Avaliação e Auditoria no Local do Fornecedor Estas auditorias são utilizadas para avaliar se a capacidade e processo do fornecedor estão de acordo com seu Sistema de Gerenciamento da Qualidade. Se um fornecedor é certificado ISO 9001:2008 ou ISO/TS16949 e é bem conceituado, a Oshkosh Corporation pode optar por não realizar a avaliação e/ou auditoria do local. 7.1 Avaliação no Local A avaliação no local reúne informações básicas sobre o fornecedor e sobre suas capacidades em relação à base de suprimentos da Oshkosh Corporation. Após a avaliação inicial no local uma recomendação é dada sobre a continuação da avaliação. 7.2 Auditoria no Local O processo de auditoria é usado para determinar o quão bem os Sistemas de Negócios e de Gerenciamento da Qualidade do fornecedor funcionam. O processo de auditoria contém Elementos do Processo Padrão e Elementos de Processos Especiais (se necessário) que são pontuados. Uma auditoria será exigida para todos os novos fornecedores e a auditoria pode ser agendado para quaisquer fornecedores com problemas de qualidade ou entrega repetitivos. Além disso, as auditorias podem consistir de avaliação das capacidades de novos fornecedores e da capacidade e disposição para o lançamento de novos produtos. as leis de direitos autorais. 6

7 8. Planejamento de Qualidade de Produto Avançada As informações fornecidas em todas as seções de Planejamento de Qualidade de Produto Avançada descrevem as exigências específicas da Oshkosh Corporation para a implementação de novos produtos Visão Geral do Planejamento de Qualidade de Produto Avançada O Planejamento da Qualidade de Produto Avançada é uma abordagem estruturada para a definição, estabelecimento e especificação das metas de qualidade do produto. O planejamento da qualidade se concentra no desenvolvimento de controles de processo que, quando bem gerenciados, garantem um elevado grau de qualidade no sistema de produção/montagem. O planejamento da qualidade começa com o compromisso de gerenciamento da empresa em relação à prevenção de defeitos e aprimoramento contínuo, ao contrário de apenas detectar defeitos. As cinco fases comuns do Processo de Planejamento da Qualidade de Produto Avançada são: 1) Planejar e Definir o Programa 2) Projeto e Desenvolvimento de Produto 3) Projeto e Desenvolvimento de Processo Validação de Produto e Processo 5) Avaliação de Feedback e Ação Corretiva O Fornecedor deve estabelecer uma abordagem estruturada para implementar novos processos que utilizem a abordagem de Planejamento da Qualidade de Produto Avançada. Esta abordagem estruturada para o planejamento de novos produtos permitirá que o Fornecedor lance novos produtos com eficácia e garanta que os controles estabelecidos buscam alcançar os mais elevados níveis de qualidade. Esse planejamento permitirá que o fornecedor forneça a documentação do Processo de Aprovação de Peças de Produção (PPAP) exigida. 9. Projeto de Aprovação de Peças de Produção (Production Part Approval Process - PPAP) O Processo de Aprovação de Peças de Produção (PPAP) da Oshkosh Corporation define as exigências para a aprovação de peças de produção. O propósito do PPAP é determinar se todos os Registros do Projeto de engenharia do cliente e as exigências de especificação estão devidamente compreendidos as leis de direitos autorais. 7

8 pelos Fornecedores e se o processo de fabricação tem a capacidade de produzir produtos de forma consistente para atender essas exigências durante uma produção real funcione na taxa de produção citada. Procedimentos detalhados, treinamento e formulários de PPAP podem ser encontrados no Portal do Fornecedor da Oshkosh Quando um envio de PPAP de Nível 1 ou 2 é exigida, ela deve ser enviada para a Oshkosh Corporation com a primeira ordem de produção. A Oshkosh Corporation fornece aprovação por escrito do pacote PPAP via Garantia de Envio de Peça (Part Submission Warrant (PSW). Quando um envio de PPAP de Nível 3 é exigido, ela deverá ser revista e aprovada por um Representante de Qualidade da Oshkosh antes da primeira entrega de produção. A peças do PPAP podem ter solicitação de envio para a Oshkosh a fim de ser revista, junto com o envio do PPAP. A Oshkosh Corporation fornece aprovação por escrito do pacote PPAP via Garantia de Envio de Peça (Part Submission Warrant - PSW). A aprovação por escrito do pacote PPAP é exigida antes da remessa de qualquer produto de produção para qualquer instalação de fabricação da Oshkosh Corporation. Quando um envio de PPAP nível 3 for necessária, os fornecedores não estão autorizados a enviar material de produção para a Oshkosh Corporação sem a plena ou temporária aprovação do PPAP. A aprovação temporária do PPAP pode ser usada para permitir que o fornecedor de remeta o material por um tempo ou quantidade limitada básica de acordo com a Planilha de Aprovação Temporária e a Garantia de Envio de Peças. Quando um envio de PPAP de nível 4 é exigido e utilizado para envios de não produção, baixo volume ou Desenvolvimento de Novos Produtos (New Product Development - NPD), ele será enviado à Oshkosh Corporation, com a primeira ordem de produção. A Oshkosh Corporation fornece aprovação por escrito do pacote PPAP via Garantia de Envio de Peça (Part Submission Warrant - PSW). 9.1 Exigências do PPAP O Fornecedor deverá atender todas as exigências do PPAP especificadas descritas neste Manual de Qualidade de Fornecedor e utilizar Manual de Processo de Aprovação de Peças de Produção AIAG - última edição como documento de referência. A peças de produção deverão atender todos os Registros de Projeto de engenharia do cliente e as exigências de especificação para incluir todas as exigências de segurança e regulatórias. Se qualquer uma especificação de peças não puder ser cumprida, o Fornecedor deve documentar seus esforços para a resolução de as leis de direitos autorais. 8

9 problemas e contatar o agente de Oshkosh Corporation apropriado para se envolver em Qualidade e Engenharia para concordância na determinação da ação corretiva apropriada. O caminho documentado do avanço pode ser comunicado através da Planilha de Aprovação Temporária e/ou de Garantia de Envio de Peças. Os envios de PPAP nível 2 são o nível de PPAP padrão quando exigido e comunicado via Pedido de Compra para todos os produtos fornecidos para a Oshkosh Corporation. O nível de envio de PPAP padrão pode ser alterado pelo Representante de Qualidade de Segmento da Oshkosh Corporation. Pode haver casos em que um Segmento da Oshkosh Corporation específico exija um nível de envio de PPAP maior ou menor que o Nível 2, dependendo do componente específico a ser fornecido. As peças de produção não recebidas em instalação da Oshkosh Corporation dentro de um período de 12 meses exigem um reenvio de PPAP. 9.2 Definição de Nível de Envio de PPAP Nível 1 Garantia de Envio de Peças (Part Submission Warrant - PSW) 9.3 Definição de Nível de Envio de PPAP Nível 2 Garantia de Envio de Peças (Part Submission Warrant - PSW) 1 peça Resultados Dimensionais (ISIR) Registros de Projeto (Desenhos) Amostras de PPAP Pedido de primeira produção / sob solicitação anterior para pedido de produção Notas de Desenho - Material / Desempenho / Acabamento de Superfície / Etiquetagem, Processo de Pintura, Soldagem Documento de Alteração de Engenharia (Desvios / ECNs) as leis de direitos autorais. 9

10 9.4 Definição de Nível de Envio de PPAP Nível 3 Garantia de Envio de Peças (PSW). 3 peças Resultados Dimensionais (ISIR) Registros de Projeto (Desenhos) Amostras de PPAP Pedido de primeira produção / sob solicitação anterior para pedido de produção Notas de Desenho - Material / Desempenho / Acabamento de Superfície / Etiquetagem, Processo de Pintura, Soldagem Documento de Alteração de Engenharia (Desvios / ECNs) Análise de Efeitos dos Modos de Falha de Projeto (Design Failure Modes Effects Analysis - DFMEA) Diagrama de Fluxo de Processo (Process Flow Diagram - PFD) Análise de Efeitos dos Modos de Falha de Projeto (Design Failure Modes Effects Analysis - DFMEA) Capacidade de Processo Inicial Análise do Sistema de Medição (Measurement System Analysis - MSA) Plano de Controle do Processo Relatório de Aprovação de Aparência (Appearance Approval Report - AAR) Amostra Principal Auxiliares de Verificação (Acessório, estimativa, modelo, etc.) Exigências Específicas de Cliente Documentação de Foto de Ferramental 9.5 Definição de Nível de Envio de PPAP Nível 4 Garantia de Envio de Peças (Part Submission Warrant - PSW) Confirmação de conformidade para com todas as Notas Impressas 1 peça Resultados Dimensionais (ISIR) Registros de Projeto (Desenhos) Amostras de PPAP Primeira remessa 9.6 Garantia de Envio de Peças (Part Submission Warrant - PSW) O Fornecedor preencherá a Garantia de Envio de Peças após todos os elementos do PPAP terem sido verificados e estejam em conformidade com todas as exigências. A Oshkosh Corporation exige que os Fornecedores somente enviem um número de peça na Garantia de Envio de Peça (PSW). as leis de direitos autorais. 10

11 9.7 Análise de Modos e Efeitos de Falha de Projeto (Failure Modes and Effects Analysis - FMEA) se o Fornecedor for o responsável pelo projeto do produto. A Oshkosh Corporação exige que os fornecedores desenvolvam um FMEA de Projeto em conformidade e compatível com as exigências da Oshkosh Corporation, se ele for o responsável pelo projeto. A Oshkosh Corporation exige que o Fornecedor adira às exigências descritas no Manual de Referência FMEA AIAG - última edição. O Fornecedor usará seu próprio formato para o PFMEA. 9.8 Notificação de Alteração de Engenharia (Engineering Change Notice - ECN) O Fornecedor manterá cópias de quaisquer documentos de alteração de engenharia autorizados para essas alterações ainda não registrados no Registro de Projeto mas já incorporado no produto, peça ou ferramental. Todos os desenhos assinalados pela Oshkosh Defense devem ser assinados e aprovados pela engenharia. Os desenhos assinalados são aceitáveis para envio de PPAP se um desenho liberado ou avançado não estiver disponível devido a restrições de cronograma temporárias. PFD) 9.9 Diagramas de Fluxo de Processo (Process Flow Diagrams - O fornecedor terá um diagrama de fluxo de processo que descreve as etapas do processo para fabricar o produto cotado. Os diagramas de fluxo de processo de "famílias" de peças similares são aceitáveis se as novas peças tiverem sido revisadas quanto à uniformização pelo Fornecedor. O PFD deve representar o fluxo do material de processo desde o recebimento da matéria-prima até produtos acabados no pátio de embarque Análise de Modo e Efeitos de Falha de Processo (Failure Mode and Effects Analysis - FMEA) A Oshkosh Corporation exige que o Fornecedor desenvolva e mantenha um FMEA de Processo em conformidade com as exigências descritas no Manual de Referência FMEA AIAG. O Fornecedor utilizará o modelo FMEA contido no manual de referência FMEA AIAG e as listas do FMEA para obter informações sobre detecção gravidade e ocorrência. O Fornecedor conduzirá a MFMEA - Análise de Modos e Efeitos de Falha de Máquinas por exclusivo critério do responsável pelo SQA atribuído para as atividades de APQP do Fornecedor. Informações sobre a Análise as leis de direitos autorais. 11

12 de Modo e Efeitos de Falha de Máquina podem ser encontradas nos Manuais de Plano de APQP e Controle da AiAG e de FMEA Relatório de Inspeção da Amostra Inicial (Initial Sample Inspection Report - ISIR) O Fornecedor deve fornecer evidências da verificação dimensional conforme exigido pelo Registro de Projeto e pelo Plano de Controle comprovando a conformidade para com as exigências especificadas. O Fornecedor terá resultados dimensionais para cada processo de fabricação único, por exemplo, células ou linhas de produção e todas as cavidades, moldes, padrões ou estampas. O Fornecedor deverá registrar os resultados reais para todas as dimensões, características e especificações conforme observado no Registro de Projeto e Plano de Controle Registros de Materiais/Resultados de Testes de Desempenho O Fornecedor terá registros de material e/ou resultados de testes de desempenho para os testes especificados na Ficha de Projeto ou Plano de Controle e aderir às exigências de retenção Resultados de Testes de Material O Fornecedor executará todos os testes químicos, físicos, metalúrgicos ou de propriedades mecânicas para todas as peças e materiais de produtos quando exigências químicas, físicas, metalúrgicas ou de propriedades mecânicas forem especificadas pelo Registro de Projeto ou Plano de Controle. Os Resultados de Testes de Material devem indicar e incluir o seguinte: O nível de alteração do Registro de Projeto das peças testadas. Todos os documentos de alteração de engenharia autorizados que ainda não tinham sido incorporados no Registro de Projeto. O número, data e nível de alteração das especificações em que a peça foi testada. A data em que o teste ocorreu. A quantidade testada. Os resultados especificados. O nome e código de fornecedor de Fornecedor do material. O Fornecedor utilizará o modelo de material da pasta de trabalho PPAP para relatar as informações acima. as leis de direitos autorais. 12

13 9.14 Resultados de Testes de Desempenho O Fornecedor realizará testes em todas as peças ou materiais de produtos quando as exigências de desempenho ou funcionais são especificadas pelo Registro de Projeto ou Plano de Controle. Os Resultados de Testes de Desempenho devem indicar e incluir o seguinte: O nível de alteração do Registro de Projeto das peças testadas. Todos os documentos de alteração de engenharia autorizados que ainda não tinham sido incorporados no Registro de Projeto. O número, data e nível de alteração das especificações em que a peça foi testada. A data em que o teste ocorreu. A quantidade testada. Os resultados especificados. O Fornecedor utilizará o modelo de testes de desempenho da pasta de trabalho do PPAP para documentar e enviar os resultados do teste de desempenho Análise do Sistema de Medição (Measurement System Analysis - MSA) O Fornecedor terá estudos de Análise de Sistema de Medição (MSA) aplicáveis, tais como Gage R&R para estimativas, medições e equipamentos de teste novos ou modificados. O Fornecedor consultará o Manual de Referência de MSA da AIAG para obter informações adicionais Capacidade de Processo Inicial (Capacidade) O nível de capacidade ou desempenho do processo inicial será um valor Cpk mínimo de 1,33 para todas as características Principais ou Críticas das variáveis. O Fornecedor executará o MSA para compreender como um erro de medição afeta as medições dos estudos. Onde nenhuma característica Principal ou Crítica é identificada, a Oshkosh Corporation se reserva o direito de exigir a demonstração da capacidade de processo inicial em outras características. as leis de direitos autorais. 13

14 O monitoramento estatístico contínuo de todas as Características Principais ou Críticas de Produtos é exigido do Fornecedor. O Fornecedor garantirá que o processo sustenta um processo estável com um valor de Cpk mínimo de 1,33. Para esclarecimento sobre as exigências do SPC requisitos consulte o Manual de SPC da AIAG Documentação de Laboratório A inspeção e testes aplicáveis ao Processo de Aprovação de Peças de Produção (PPAP) serão efetuados por "laboratório qualificado" (interno ou externo à organização do Fornecedor). O laboratório terá uma licença de negócio, escopo do negócio e toda a documentação legítimas comprovando que o laboratório está qualificado para o tipo de inspeção e testes específicos realizados em qualquer peça/componente de amostra Plano de Controle do Processo O Fornecedor terá um Plano de Controle para definir todos os métodos utilizados para controle do processo. A Oshkosh Corporation exige que todos os Fornecedores usem o modelo de Plano de Controle contido no manual de referência APQP da AIAG. O Fornecedor utilizará o Diagrama de Fluxo de Processo e o FMEA para verificar o campo de visão do Plano de Controle. O Plano de Controle deve incluir todas as Características de Produto Críticas e controles de processos definidos pelo processo de FMEA Amostra Principal É direito, por critério do Representante da Qualidade da Oshkosh, exigir que o Fornecedor mantenha uma Amostra Principal de todas as peças/componentes no local do fornecedor. Isto deverá constar na Garantia de Envio de Peça. A Amostra Principal deve ser adequadamente rotulada com rastreabilidade. O fornecedor é responsável por garantir a preservação adequada da amostra principal Removido 9.21 Auxílios de Verificação Todos os instrumentos, modelos, atributos e estimativas variáveis, acessórios ou gabaritos que são usados para determinar a aceitação/rejeição de uma característica do produto devem estar no programa de calibração. as leis de direitos autorais. 14

15 O Fornecedor também deverá certificar que todas as verificações de características de auxílio estão alinhadas com as exigências dimensionais da peça/componente. No caso em que o auxílio de verificação for usado para verificar uma característica "Principal" ou Crítica do produto, o Fornecedor realizará as atividades de MSA apropriadas, inclusive Gage R&R. O Fornecedor garantirá que todos os auxílios de verificação "personalizados" têm número de peça e nível de revisão do cliente Envio de Amostras Se uma amostra tem exigência de envio de PPAP, o Fornecedor garantirá que a Etiquetagem de Peças do PPAP está preenchida e anexada de forma adequada na parte externa do recipiente da amostra. Para peças de produção que são produzidas a partir de mais de um processo de estampa, molde, ferramental, padrão, cavidade ou produção, o Fornecedor preencherá um layout completo para todas as características Relatório de Aprovação de Aparência Se a peça/componente tiver exigência de aparência especificadas, o Fornecedor fornecerá um Relatório de Aprovação de Aparência para cada peça ou família de peças Processo de Aprovação Aprovado - O Fornecedor receberá um PSW assinado e aprovado via e- mail para o endereço de fornecido no PSW enviado junto com o pacote de PPAP. Aprovado Temporariamente - O Fornecedor está autorizado a enviar o material nas exigências da produção com base em tempo limitado ou quantidade de peças. A aprovação temporária só é permitida quando o Fornecedor tem claramente definidas as discrepâncias que impedem a aprovação integral e tem um plano de ação para resolver tais discrepâncias. Rejeitado Um PSW rejeitado é enviado ao Fornecedor no caso de envio de PPAP que não atenda às exigências da Oshkosh Corporation. No caso de rejeição de PPAP o Fornecedor deve tomar todas as medidas necessárias para corrigir rapidamente as não conformidades. as leis de direitos autorais. 15

16 Discrepâncias de documentação secundárias No caso em que, por critério do Representante de Qualidade da Oshkosh (em vez de rejeição do pacote de PPAP inteiro), é permitido que o Fornecedor corrija as discrepâncias de documentação, o Fornecedor tem 24 horas para reenviar os documentos corrigidos, a menos que de outro modo acordado entre o Fornecedor e o Representante da Qualidade da Oshkosh Corporation Status de Aprovação do PPAP Aprovado Um PPAP Aprovado é quando o PPAP foi analisado pelo Representante da Qualidade da Oshkosh Corporation e foi determinado que o PPAP atendeu a todas as exigências que foram solicitadas ao Fornecedor. Aprovado Temporariamente Um PPAP Aprovado Temporariamente acontece quando o PPAP foi analisado pelo Representante da Qualidade da Oshkosh Corporation e foi determinado que o envio do PPAP atendeu a todas as exigências para permitir que o Fornecedor remeta o produto e o use em veículos/máquinas. Mas que, no entanto, ainda exigem ações adicionais que o Fornecedor deve tomar para se tornar um PPAP Totalmente Aprovado. Não Aprovado Quando um PPAP está como Não Aprovado, isso significa que o PPAP não foi analisado, enviado ou foi rejeitado pelo Representante de Qualidade da Oshkosh Corporation. O Fornecedor não está autorizado a remeter o produto para uso em Veículos/Máquinas destinadas a venda para um cliente Envio de PPAP O Fornecedor é obrigado a enviar a papelada do PPAP para o servidor FTP para toda documentação relacionada a defesa. Para todos os outros segmentos, o Fornecedor envia por a documentação do PPAP para o Representante de Qualidade da Oshkosh Corporation adequado. O Fornecedor também está obrigado a apresentar uma cópia impressa dos documentos do PPAP e a lista de verificação do envio de peças com as amostras (se amostras forem solicitadas). As amostras devem ser identificados e rotuladas como amostras de PPAP com a etiqueta fornecida na pasta de trabalho do PPAP. 10. Notificações de Mudança de Processo/Produto Os Fornecedores (1º e 2º níveis) podem propor mudanças ou modificações no projeto que ajudem a reduzir custos, aprimorar a qualidade, aumentar a as leis de direitos autorais. 16

17 confiabilidade e a capacidade de processo do produto. TODAS as mudanças ou modificações de projeto propostas, permanentes ou temporárias, inclusive projetos proprietários, DEVEM ser analisados, aprovados e autorizados por escrito pela Oshkosh Corporation. Procedimentos detalhados, treinamento e formulários de Solicitação de Mudança por Fornecedor podem ser encontrados no Portal do Fornecedor em Oshkosh, em Se um fornecedor de 1º nível quiser alterar os locais de fabricação, ele deve notificar a Oshkosh Corporation. O novo local de fabricação deverá ser qualificado por uma auditoria, e são exigidos material/peças validadas e um PPAP. A submissão de PPAP pode ser exigida mesmo que a alteração ocorra no 2º nível. O fornecedor deve comunicar todas as solicitações de mudança utilizando o formulário Solicitação de Mudança por Fornecedor (OSK-F1000). Este formulário deve ser enviado pelo menos 12 semanas antes da implementação da mudança planejada. O formulário está disponível no portal de fornecedor da Oshkosh, em Os formulários preenchidos devem ser enviados para o seguinte endereço de e- mail ou contatos: Acesso Defesa Incêndio e Emergência Ponto de Contato de Compras Comercial Ponto de Contato de Compras Há quatro tipos de Solicitações de Mudança Mudança Temporária de Processo Muda o movimento de ferramental, movimento de planta, aprimoramento/novo ferramental, etc para processo aprovado PPAP; no entanto, somente poderá ser funcionalmente aceitável temporariamente Mudança Temporária de Produto Muda no produto, tal como intenção do projeto, substituição de materiais, etc; no entanto, pode ser funcionalmente aceitável temporariamente Mudança Permanente de Processo Muda o layout do ferramental, layout da planta, aprimoramento/novo ferramental, etc para processo aprovado PPAP permanente Mudança Permanente de Produto Muda o produto de tal forma que atenda a intenção de projeto atual e exige mudança de projeto 11. Desvio Temporário de Produto (MRB Material Review Board, Diretoria de Análise de Material) O Fornecedor iniciará a solicitação de aprovação e aceitação dos desvios em relação às especificações da Oshkosh Corporation. O Fornecedor comunicará as leis de direitos autorais. 17

18 ao Comprador da Oshkosh Corporation apropriado a análise realizada por Compras, Qualidade e Engenharia. A remessa deverá ser adiada até que a solicitação de Desvio/MRB seja aprovada. Qualquer remessa não autorizada de material antes da aprovação do Desvio/MRB resultará na rejeição desse material. O Fornecedor solicitará Desvio/MRB para todos os "Uso como está" e "Reparo de Não Conformidades" para cada item afetado listado na ordem de compra. Todo o material remetido para a Oshkosh Corporation afetado por um Desvio/MRB aprovado deve ser identificado. Os itens devem ser segregados, identificados e empacotados separadamente dos outros materiais de produção. A FALHA EM CUMPRIR RESULTARÁ NA REJEIÇÃO DO LOTE DE PEÇAS RECEBIDAS. Isso também terá impacto negativo na classificação de Qualidade de Fornecedor. 12. Material em Não Conformidade O Fornecedor estabelecerá e manterá procedimentos documentados para assegurar que produtos com não conformidade comprovada ou suspeita são impedidos de uso ou instalação não intencional. Os procedimentos de controle e as atividades devem fornecer documentação, identificação, avaliação, segregação e disposição. No caso em que material em não conformidade estiver presente no produto acabado já em campo, em lotes de vendas ou tornar-se uma reivindicação de garantia, o Fornecedor tem a responsabilidade de auxiliar a Oshkosh Corporation a avaliar e corrigir o problema. A Oshkosh Corporation tem o direito de cobrar do Fornecedor todos os custos razoavelmente incorridos na tomada de medidas corretivas de acordo com os termos e condições. No caso de produto em não conformidade ser retrabalhado, o Fornecedor verificará se o produto retrabalhado atende às exigências do projeto. 13. Exigências de Ação Corretiva de Fornecedores A Oshkosh Corporation notificará os fornecedores sobre os problemas a respeito da qualidade, entrega, acondicionamento e serviços por escrito. A resposta inicial e a segregação são exigidas dentro de 24 horas. Esta resposta inicial inclui, no mínimo: Utilização do formato de ação corretiva documentado (modelo Oshkosh - OSK-F3000) A descrição do problema Todo o pessoal designado para resolver as questões Ações de segregação tomadas ou em processo. Classificação no local da instalação da Oshkosh Corporation pelo fornecedor ou empresa terceirizada e/ou substituição com material certificado identificado adequado para atender às necessidades de produção. as leis de direitos autorais. 18

19 Segregação de todo o material em trânsito Causa raiz provável ou determinada A conclusão do relatório final de ação corretiva será fornecida à Oshkosh Corporation o mais tardar em 45 dias após a solicitação inicial. O relatório de ação final corretiva incluirá toda a documentação das ferramentas de resolução de problemas utilizadas, tais como análise de Pareto, os 5 porquês, diagrama espinha de peixe, DOE e incluirá o FMEA atualizado e os Planos de Controle. As Ações Corretivas podem ser emitidas pelos seguintes motivos, inclusive, mas não se limitando a: Entrega Acondicionamento Material em Não Conformidade Resposta lenta ou nenhuma às consultas Não conformidade com a ISO 9001/ISO/TS16949 ou neste Manual de Qualidade do Fornecedor O treinamento e os formulários de ação corretiva detalhados podem ser encontrados no Portal do Fornecedor da Oshkosh, em Segregação Uma resposta inicial sobre as Medidas de Segregação é exigida dentro de 24 horas após a descoberta da não conformidade pela Oshkosh Corporation ou pelo Fornecedor. O Fornecedor deve segregar todos os materiais existentes nas instalações da Oshkosh Corporation, em armazéns externos e qualquer material em trânsito. Mediante solicitação, o Fornecedor providenciará a segregação imediata nas instalações Oshkosh Corporation para garantir que não haja paralisação da produção. O Fornecedor é responsável por fornecer um relatório detalhado da atividade de segregação e disposição quando solicitado. O Fornecedor deve fornecer a Autorização de Mercadorias Retornadas (Returned Goods Authorization - RGA), nesse momento, se as peças estiverem para ser retornadas. O iniciador da Ação Corretiva 8D pode exigir que o fornecedor implemente o Nível 1 de Segregação se a natureza do Incidente de Qualidade for da seguinte categoria: Não conformidades repetidas Rupturas Principais Campanha de Campo Paralisação da Produção as leis de direitos autorais. 19

20 Escassez de Produção Nível 1 de Segregação: É exigência da Oshkosh Corporation que o fornecedor implemente um processo de inspeção redundante no local de fornecimento. Para classificar uma não conformidade específica e determinada execute a metodologia de ação corretiva 8D e isole o cliente desde o recebimento da não-conformidade de peças/material. A inspeção redundante é uma adição aos controles normais e é executada pelos funcionários do fornecedor e deve ser feita em adição aos controles de processo de produção normais. Se o critério de Nível 1 de Segregação não for executado corretamente e a Instalação a Oshkosh continuar recebendo material em não conformidade, o Fornecedor será colocado em Nível 2 de Segregação. Nível 2 de Segregação: Uma exigência da Oshkosh Corporation que inclui os mesmos processos que os do Nível 1 de Segregação, com um processo de inspeção adicionado por um terceiro que representa interesses específicos do cliente para a atividade de segregação. O terceiro é selecionado pelo fornecedor, aprovado pela Oshkosh Corporation e pago pelo Fornecedor Classificação e Retrabalho Quando peças do Fornecedor não atenderem às especificações e o cronograma de produção do cliente está em risco, o Fornecedor assumirá a responsabilidade pelas atividades de classificação e retrabalho. O Fornecedor fornecerá Trabalho Padronizado detalhado, inclusive exigências de reinspeção para atividades de retrabalho que sejam aprovadas pelo Representante da Qualidade da Oshkosh. O Fornecedor também fornecerá Trabalho Padronizado detalhado para atividades de classificação, inclusive critérios de aceitação variável e de atributo, se aplicável. Reembolsos: são para classificação e retrabalho feitos pela Oshkosh Corporation que serão debitados contra o fornecedor por todas as despesas relacionadas à atividade. Atividade de Fornecedor e de Terceiros: são para a mão de obra temporária adicional necessária para que a agência temporária da Oshkosh Corporation; o fornecedor será cobrado diretamente pela agência. Suporte de Fornecedor: é a presença de um representante do fornecedor exigida quando as operações de classificação e retrabalho são conduzidas. Se o Fornecedor fornecer sua própria mão de obra para a classificação e/ou retrabalho de material, ele terá a permissão para classificar e/ou retrabalhar o material nas propriedades da Oshkosh Corporation, se o espaço permitir. as leis de direitos autorais. 20

Manual de Qualidade de Fornecedor Global

Manual de Qualidade de Fornecedor Global Manual de Qualidade de Fornecedor Global 17 de julho de 2014 Um Sistema Uma Equipe... Uma Oshkosh Este Manual da Qualidade Fornecedor da Oshkosh Corporation foi revisto, aprovado e assinado pela liderança

Leia mais

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Supplier Development Dana Holding Corporation LLC Agosto 2012 SUMÁRIO i. INTRODUÇÃO... 4 ii. CONDUTA EMPRESARIAL... 5

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR OBJETIVOS A FlexLink exige que todos os fornecedores desenvolvam sistemas com base nos Padrões Internacionais (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS18001) tendo como objetivo a melhoria contínua

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice Norma John Deere Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa Índice 1 Escopo... 2 2 Termos e Definições... 2 3 Sistema de Gerenciamento da Qualidade... 6 4 Responsabilidade de Gerenciamento...

Leia mais

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Conteúdo 1.0 Introdução 3 1.1 Escopo 3 1.2 Objetivo 3 1.3 Fundamentação 4 2.0 Requisitos do Sistema de Qualidade

Leia mais

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan Haldex Manual do Fornecedor Sistemas de Tração Sistemas Hidráulicos Sistemas para Veículos Comerciais Arames Garphyttan 1 Esta é uma cópia não registrada. Sempre verifique sua validade junto a seu contato

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REVISÃO: 01 DATA: 18/02/08 VAL: 18/02/09 Pág: 2/41 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 OBJETIVO DO MANUAL... 3 1.2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 1.3 EMPRESA... 4 1.4 PRODUTOS E SERVIÇOS...

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES LS 0082 Manual de Fornecedores 1 de 50 04.12.2013 Sumário INTRODUÇÃO... 5 DIRETRIZES DO FORNECEDOR... 6 CONTRATOS STIHL... 6 OBJETIVOS... 7 GESTÃO DA QUALIDADE... 8 1. SISTEMA DE

Leia mais

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto)

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso In Vitro e dá outras

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP 12.730-900 Cruzeiro-SP Fone : (12) 3184-1000 Fax.: (12) 3144-0247 Este Manual foi

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

Requisitos Específicos para ISO TS 16949

Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Revisão 01 MWM INTERNATIONAL Motores 1 Requisitos Específicos da MWM INTERNATIONAL Motores Para uso em conjunto com a norma ISO/TS 16949 1. ESCOPO Este documento

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Manual da Qualidade do Fornecedor Global

Manual da Qualidade do Fornecedor Global Índice Sobre nos... 5 Perfil da Empresa... 6 Prefacio... 7 1.0 Introdução... 8 1.1 Política da Qualidade... 8 1.2 Escopo... 8 1.3 Finalidade... 8 1.4 Expectativas... 9 1.5 Meta... 9 1.6 Responsabilidades...

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

Indústria. SIQ - Qualidade que traz Resultados!

Indústria. SIQ - Qualidade que traz Resultados! Indústria SIQ - Qualidade que traz Resultados! Panorama atual Modelo de gestão não estruturada Como as soluções atuam Onde atuam Soluções SIQ Modelo de Gestão Estruturada Todas as Suítes Fluxos Estimativa

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Requisitos e diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente, conforme padrões definidos pelas normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004 e pela

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 59, DE 27 DE JUNHO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

APQP PLANEJAMENTO AVANÇADO DA QUALIDADE DO PRODUTO

APQP PLANEJAMENTO AVANÇADO DA QUALIDADE DO PRODUTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO APQP PLANEJAMENTO AVANÇADO DA QUALIDADE DO PRODUTO Daniel Chaves H. da Silva Orientador: Professor Carlos Henrique Pereira Mello

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES Versão: b Manual de Fornecedores 1 de 56 PREFÁCIO Este Manual de Fornecedores está dividido em oito blocos, conforme destacado a seguir: Gestão da Qualidade Desenvolvimento Auditorias

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE GESTÃO AUTOMOTIVA SEMINÁRIO APQP / PPAP Propiciar aos participantes uma visão crítica do APQP e do PPAP, seus benefícios

Leia mais

Certificações VMG ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3

Certificações VMG ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3 Certificações ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3 As informações contidas neste documento são propriedades da INDÚSTRIA METALURGICA LTDA. Este documento não pode ser revelado, duplicado ou usado com nenhuma

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

UNESP - 2013. Pós -graduação Lato Sensu. Carlos Henrique Lencioni

UNESP - 2013. Pós -graduação Lato Sensu. Carlos Henrique Lencioni Normas de Sistemas de Gestão da Qualidade Especialização em Gestão da Produção Pós -graduação Lato Sensu Carlos Henrique Lencioni 1 chlencioni@gmail.com.br Engenheiro Elétrico pela Escola Federal de Engenharia

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7 Sumário 1. Mensagem ao Fornecedor...- 2-2. Política da Qualidade...- 2-3. Objetivo do manual...- 2-4. Aplicação...- 3-5. Definições...- 3-6. Confidencialidade...- 3-7. Requisitos Gerais...- 4-8. Verificação

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais