Manual da Gestão da Qualidade de. Fornecedores. Revisão 5 26/03/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual da Gestão da Qualidade de. www.grupoenergisa.com.br. Fornecedores. Revisão 5 26/03/2015"

Transcrição

1 Manual da Gestão da Qualidade de Fornecedores Revisão 5 26/03/2015

2 Sumário ANOTAÇÕES 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVO... 3 Requisitos básicos para a qualidade de fornecimento... 4 Responsabilidade e Regulamentação Ambiental... 5 Procedimento de aquisição, informações e verificações de materiais e equipamentos Processo de Compras Atribuições do Departamento Corporativo de Suprimentos (DCSU)... 6 Homologação de fornecedores de materiais e equipamentos Processo de Homologação Fornecedores Não Cadastrados Homologação Comercial Homologação Técnica Resultados Considerações... 7 Realização de inspeções de recebimento em fábrica e/ou em laboratório próprio... 8 Planejamento avançado da qualidade do produto Estabilidade e Capacidade de Produção, Controle Estatístico do Processo(CEP) O FMEA de Processo ou PFMEA O DFMEA ou FMEA de Projeto... 9 Processo de aprovação de materiais e considerações Para problemas de materiais aplicados em campo Desenvolvimento e monitoramento dos subfornecedores Armazenamento e Inventário Critérios e metodologia de avaliação e classificação de fornecedores de materiais do Grupo Energisa Detalhamento da Nota do SIHOF Sistema de Homologação de Fornecedores Atendimento Nota Fiscal Eletrônica: aderência à metodologia e ao prazo de envio dos arquivos XML Processo de penalidades Sistema de escalada para fornecedores Retenção de registros Lista de siglas

3 ANOTAÇÕES O GRUPO ENERGISA possui o foco em: distribuição de energia elétrica, geração de energia por meio de fontes renováveis, comercialização e serviços correlatos de geração, transmissão e distribuição de energia. MISSÃO "O GRUPO ENERGISA existe para transformar energia em conforto, em desenvolvimento e em novas possibilidades com sustentabilidade, oferecendo soluções energéticas inovadoras aos clientes, agregando valor aos acionistas e oportunidade aos seus colaboradores." VISÃO "A Energisa será até 2020 uma das melhores e mais respeitadas empresas de energia elétrica no Brasil, atuando em distribuição, geração, comercialização e serviços, reconhecida pela qualidade do serviço aos seus clientes, eficiência nas operações e rentabilidade aos acionistas." 46 03

4 19. Lista de Siglas AIAG Automotive Industry Action Group AVF Avaliação de Fornecedores CEP Controle Estatístico do Processo CRC Certificado de Registro de Fornecedores DCSL Diretoria Corporativa de Suprimentos e Logística DCSU Departamento Corporativo de Suprimentos DFMEA Design Failure Mode Effect Analysis IQF Índice de Qualidade Financeira NRM Nota de Recebimento de Materiais OCM Ordem de Compra de Materiais PFMEA Process Failure Mode Effect Analysis PMA Pedido de Materiais RNC Relatório de Não Conformidade SIHOF Sistema de Homologação de Fornecedores SISUP Sistema de Suprimentos Lista de Referências: Sistema de Aquisição de Materiais, Equipamentos e homologação de fornecedores SAM 0001/05 - edição vigente Norma de Distribuição Unificada NDU -010 edição vigente Homologação de fornecedores materiais e equipamentos NDU 011 edição vigente Condições Gerais de Fornecimento do GRUPO ENERGISA edição vigente Código de Ética do GRUPO ENERGISA edição vigente Condições Gerais de Fornecimento - edição vigente Manual de PPAP 4 edição da AIAG Manual de FMEA 4 Edição da AIAG 45

5 18. Retenção de Registros Valores Os fornecedores são obrigados a manter as ordens de compra, alterações, pacotes de submissão dos relatórios de inspeção, requalificação, registros de validação, validação das ferramentas, manutenção, rastreabilidade, alterações de engenharia e inspeção, fornecendo evidências de conformidade com os requisitos para no mínimo 10 anos, salvo indicação em contrário pelo departamento técnico ou DCSU do GRUPO ENERGISA. Em caso de produtos críticos ou que possuam características críticas, o período de retenção poderá ser maior. Ações corretivas/preventivas (RNCs) e dados de suporte devem ser mantidos por no mínimo 3(três) anos. Todos os registros devem ser armazenados, protegidos e devidamente recuperáveis mediante solicitação do GRUPO ENERGISA. COMPROMISSO - Hoje e com o futuro. Agimos como cidadãos responsáveis, trabalhando para gerar riqueza e priorizando o respeito a colaboradores, investidores, fornecedores e clientes. Antes de tudo, fazemos parte de uma comunidade e temos um compromisso com as gerações futuras. É imprescindível ter atitudes éticas e prezar a verdade, acima de tudo. CLIENTES - Simplificar a vida dos nossos clientes. Servimos a todos com respeito e dedicação, sempre construindo relacionamentos atenciosos e duradouros. Colocamo-nos no lugar de nossos clientes para entregar soluções ágeis e definitivas, que simplifiquem a vida e gerem valor para quem as utiliza. PESSOAS - Nossa energia está nas pessoas. Fazemos parte de um time vencedor com o qual podemos realizar, aprender e conquistar juntos. As oportunidades aqui dependem principalmente do mérito e do engajamento de cada um. Valorizamos a transparência, o trabalho cooperativo e o diálogo aberto e participativo. Se você pensa assim, é um dos nossos, queremos muito que você seja feliz aqui. RESULTADOS - Superação para atingir resultados. Queremos resultados extraordinários que gerem valores para nossos clientes, acionistas e colaboradores. Buscamos superar metas para que a Energisa esteja entre as melhores do setor em critérios de eficiência e serviços aos clientes. SEGURANÇA - Em primeiro lugar. Nosso maior valor é a vida. Nos processos e atitudes, colocamos em primeiro lugar a saúde e a segurança das pessoas. Agimos com disciplina, investimos em prevenção e demandamos de todos consciência permanente para reduzir riscos. INOVAÇÃO - Para fazer a diferença. Estimulamos a criatividade que gera valor, seja para produzir algo completamente novo ou para trazer uma possibilidade de melhoria. Observar, questionar e experimentar com responsabilidade são partes da atitude proativa que nos diferencia

6 POLÍTICA DO SGMASS Sistema de Gestão de Meio Ambiente, Aspectos Sociais, Saúde e Segurança do Trabalho. As empresas do GRUPO ENERGISA, em suas atividades de geração, distribuição, comercialização e soluções em energia elétrica, têm como política a busca constante pela melhoria do desempenho de seus produtos e serviços, considerando aspectos qualitativos, econômicos, ambientais e de saúde e segurança, assegurando, dessa forma, o desenvolvimento sustentável. Para tanto, são observados os seguintes princípios: Cumprimento da legislação ambiental e de saúde e segurança do trabalho, assim como de outros requisitos legais aplicáveis. Estímulo à educação ambiental, prevenção de acidentes e doenças ocupacionais e à otimização da qualidade de vida dos colaboradores, fornecedores e da comunidade. Utilização dos recursos naturais de forma racional e sustentável. Incentivo à pesquisa com vista à adoção de práticas que promovam a proteção ao meio ambiente, à segurança e à saúde dos colaboradores e de terceiros. Atuar junto aos fornecedores e prestadores de serviços no sentido de orientar e monitorar suas atividades, de forma a assegurar a sua regularidade ambiental, de saúde e segurança. Compromisso com a melhoria contínua da qualidade de seus processos, produtos e serviços de forma sustentável. 17. Sistema de Escalada para Fornecedores Objetivando a melhoria contínua do sistema da qualidade dos fornecedores, juntamente com o alto desempenho no atendimento aos requisitos específicos do GRUPO ENERGISA, foi estabelecida a metodologia de escalada para fornecedores. Através do monitoramento contínuo dos requisitos já descritos anteriormente neste manual, os fornecedores serão avaliados continuamente conforme os passos descritos abaixo: SISTEMA DE ESCALADA PARA FORNECEDORES (AÇÕES DIRECIONADAS) FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 Metodologia de Análise e Solução de Problemas Abertura de NC para média dos dias de atrasos do últimos 180 dias superiores a 50% do prazo contratual e/ou problemas de qualidade de materiais que impactaram na nota do SIHOF com Média dos Últimos seis meses com nota abaixo 6,0. Prazo para submissão do Plano de Ação 20 dias, após recebimento do RNC pelo fornecedor. RESP: Analista da Qualidade + Comprador Ação: Redução da Emissão dos Pedidos de Compras para o fornecedor problemático até a conclusão do ciclo de escalada. Essa redução fica a critério do Comitê de Suprimentos do GRUPO ENERGISA. Revisão do Sistema de Gestão do Fornecedor Acompanhamento da execução do Plano de Ação do Fornecedor Durante 60 dias e medição do desempenho de qualidade e entrega. RESP: Analista da Qualidade + Comprador Validação das Ações das fases anteriores Verificação Plano de Ação do Fornecedor Durante 90 dias e medição do desempenho de entrega ou qualidade. Prazo 30 dias após o encerramento dos 60 dias de medição do desempenho de qualidade e entrega. A Verificação poderá ser na planta do fornecedor ou na própria ENERGISA RESP: Coordenadores CORP de Compras + Qualidade Análise Crítica do desempenho do fornecedor pela Alta Direção Nesta etapa são discutidos pelo comitê interno de suprimentos o(s) plano(s) de ação(ões) apresentado pelo fornecedor e o desempenho apresentados nos últimos meses de monitoramento através do sistema SIHOF Possíveis Ações: Restabelecimento do fornecimento / prolongar o plano de ação por um prazo determinado / Manter o fornecedor na lista de fornecedores homologados do Grupo ENERGISA. Descredenciamento ourestrição de fornecimentocom base nos dados apresentados no cartão de pontuação do fornecedor RESP: Comitê de Suprimentos do GRUPO ENERGISA. 45 DIAS 60 DIAS 30 DIAS 45 DIAS De acordo com as regras estabelecidas nesse processo de escalada, os fornecedores poderão ser descredenciados da lista de fornecedores corporativos do GRUPO ENERGISA

7 16. Processo de Penalidades O GRUPO ENERGISA tem muito interesse em melhorar o desempenho de Qualidade dos materiais/ equipamentos e desenvolver seus fornecedores. Eventualmente, para os casos de descumprimento das condições contratuais, serão aplicadas as multas e penalidades previstas em contratos e acordos. Custos da não qualidade poderão ser cobrados dos fornecedores, conforme análise de cada caso. Seguem, abaixo, exemplos de custos da não qualidade: Lote/Produto não conforme detectado na inspeção de recebimento. Perdas de materiais e mão de obra agregados ao material não conforme calculado conforme o caso. Mão de obra terceirizada usada nos clientes em seleção ou retrabalhos, que será cobrada conforme nota fiscal da empresa contratada. Débitos impostos ao GRUPO ENERGISA pelos seus clientes, gerados por quebra de qualidade ou desabastecimento originado por falha de algum componente, cuja responsabilidade seja dos fornecedores. Frete extra, gerado por quebra de qualidade ou desabastecimento de responsabilidade dos fornecedores, conforme despesa gerada. Quantidade de materiais discrepante do solicitado pela área de planejamento do GRUPO ENERGISA. Despesas administrativas geradas pelo fornecedor pelo não atendimento aos requisitos específicos do GRUPO ENERGISA. Atraso no envio de documentação Relatório de ensaio de tipo quando requerido. Custos com assistência técnica ao cliente oriundos de problemas ocasionados pelo fornecedor. 1. Introdução Este procedimento visa estabelecer os requisitos necessários para Cadastramento de Empresas Fornecedoras e Homologação de seus produtos junto ao GRUPO ENERGISA, bem como divulgar de uma forma unificada as ações e práticas que nortearão as relações entre as partes. 2. Objetivo O objetivo deste manual é estabelecer e comunicar os requisitos específicos do GRUPO ENERGISA para a cadeia de fornecedores, possibilitando o claro entendimento dos procedimentos que regem nossas relações. É fundamentalmente importante e faz parte do objetivo do negócio que os requisitos dispostos neste manual sejam cumpridos por todos os fornecedores do GRUPO ENERGISA. 3. Requisitos Básicos para Qualidade de Fornecimento O GRUPO ENERGISA solicita que seus fornecedores adotem no mínimo um sistema de gestão da qualidade certificado através de Normas Internacionais ISO 9001, por 3ª parte. O Sistema de Gestão da Qualidade ISOTS utilizado pela indústria automobilística também será aceito como certificado de sistema de gestão da qualidade, porém, apenas para fornecedores fabricantes de materiais. O GRUPO ENERGISA adotou as Normas ISO 9001 e ISO como referência para o desenvolvimento de Sistema da Qualidade e Ambiental de seus fornecedores. O GRUPO ENERGISA objetiva, recomenda e incentiva a certificação ISO 9001 de todos os seus fornecedores

8 MELHORIA CONTÍNUA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Responsabilidade da direção 15. Nota Fiscal Eletrônica: aderência à metodologia e ao prazo de envio dos arquivos XML O arquivo XML é usado para compartilhar os dados da nota fiscal via internet. É a nota fiscal de fato, em versão eletrônica. É de conhecimento de todos os fornecedores, conforme descrito na cláusula 1ª da Ordem de Compra, que o arquivo XML deve ser disponibilizado no site do GRUPO ENERGISA ou enviado através de correio eletrônico para o CLIENTE CLIENTE sempre no momento do faturamento da mercadoria, não ultrapassando 24 horas para envio. Gestão de recurso Medição, análise e melhoria Requisitos A falta deste documento impacta no controle contábil e no pagamento do material ou serviço, e impede o recebimento sistêmico do material. Será avaliada a média de dias de cada fornecedor para envio do arquivo XML, conforme critério abaixo: média < 1 dia = nota 10 média >1 dia = ou < 2 dias= nota 5 média > 2 dias = nota 0 A pontuação total em Nota Fiscal Eletrônica tem peso de 5% na avaliação total do Ranking. Requisitos Realização do produto Produto Com esses critérios, o GRUPO ENERGISA avalia continuamente seus fornecedores de materiais e realiza anualmente uma classificação e o reconhecimento dos fornecedores com melhor desempenho e que foram destaque no ano. ENTRADA SAÍDA A classificação (Ranking de Fornecedores) é um retrato de como foi o desempenho do fornecedor no período avaliado e serve fundamentalmente como um feedback para nossos principais fornecedores de como o GRUPO ENERGISA está percebendo o seu atendimento e o que pode ser melhorado no seu desempenho. Legendas: Fluxo de informação Ele também direciona o DCSU para a tomada de decisão junto aos fornecedores com desempenho abaixo do esperado, que poderão ou não se manter na lista de fornecedores qualificados do GRUPO ENERGISA, de acordo com seu desempenho anual. Atividades que agregam valor 41

9 4. Responsabilidade e Regulamentação Ambiental O fornecedor deve ter um processo para garantir a conformidade com todos os regulamentos ambientais aplicáveis, inclusive aqueles em relação ao manuseio, à reciclagem, eliminação ou disposição de resíduos e material perigoso. Isso pode ser evidenciado por certificados apropriados ou cartas de conformidade. A certificação para ISO é fortemente incentivada. Fornecedores receptores de resíduos e sucatas que retiram materiais provenientes dos processos produtivos ou de insumos da manufatura e fornecedores que transportam e entregam produtos tóxicos, inflamáveis e perigosos devem ter todas as certidões e licenças exigidas devidamente atualizadas, instalações e equipamentos adequados e de acordo com a legislação vigente. Declarações de conformidade com esses requisitos serão solicitadas aos fornecedores através de um parceiro de registro de fornecedores do GRUPO ENERGISA. 09

10 14. Atendimento Nesse requisito, os fornecedores são avaliados qualitativamente pela equipe de compradores com notas de 0 a 10, conforme as descrições abaixo: Cordialidade no atendimento É avaliada a forma de atendimento e o bom relacionamento do fornecedor com os compradores. Flexibilidade nas negociações É avaliada a disponibilidade e receptividade do fornecedor em aceitar argumentações fundamentadas, transformando-as em oportunidades para as partes. Prontidão para dar retorno São avaliadas a agilidade, disponibilidade e confiabilidade no retorno de informações solicitadas. A pontuação total em atendimento é a média dos valores obtidos com as três notas que, por sua vez, tem peso de 5% na avaliação total do Ranking. 39

11 5. Procedimento de aquisição, informações e verificações de materiais e equipamentos 5.1 Processo de Compras Atribuições do Departamento Corporativo de Suprimentos (DCSU): O Departamento Corporativo de Suprimentos (DCSU) recebe as solicitações de compras de materiais/equipamentos através do formulário Pedido de Materiais (PMA) via sistema próprio de gestão de suprimentos (SISUP Sistema de Suprimentos), que quantifica o volume de toda a demanda de materiais e equipamentos solicitados pelas áreas usuárias para atender à necessidade de reposição de estoques das empresas. A partir do recebimento dos PMAs, o DCSU realiza o processo de cotação/negociação junto aos fornecedores cadastrados no sistema do GRUPO ENERGISA, visando à aquisição de materiais e equipamentos que atendam às necessidades dos departamentos requisitantes e aos requisitos de qualidade e entrega dos produtos ou serviços solicitados pelos clientes, de acordo com as normas e padrões internos (normas de distribuição unificadas NDUs ) / NBRs e normas específicas. Com as especificações aprovadas tecnicamente, com as negociações concluídas e com as Condições Gerais de Fornecimento devidamente aceitas, o DCSU efetua a concretização da compra, emitindo o documento Ordem de Compra de Materiais (OCM) e/ou Carta de Intenção para o fornecedor vencedor, contendo todas as condições comerciais e técnicas pertinentes. Demais atribuições do Departamento: a. Acompanhar o andamento das entregas de acordo com os prazos previstos em contrato. b. Informar e orientar os fornecedores quanto ao local de entrega dos materiais/equipamentos comprados. c. Intermediar eventual agendamento de inspeções em fábrica, também de acordo com o estabelecido em contrato. d. Intermediar, junto aos fornecedores, eventuais situações de recebimento de materiais/equipamentos não conformes, identificadas pelos almoxarifados dos departamentos no ato da entrega. e. Intermediar, junto aos fornecedores, eventuais não conformidades identificadas no momento da aplicação em campo. 11

12 Prazo Médio Real (PMR) / Prazo Médio Contratual (PMC) O índice obtido da divisão acima é relacionado com uma nota de acordo com a tabela a seguir: À pontuação obtida pela análise acima é aplicado um peso de 25%. De 0,00 0,50 0,60 0,70 0,80 0,90 1,00 1,10 1,20 1,30 1,40 1,50 Até Pontuação 0,49 5,00 0,59 7,00 0,69 9,00 0,79 10,00 0,89 10,00 0,99 10,00 1,09 10,00 1,29 9,00 1,29 7,00 1,39 5,00 1,49 2, , PMR/PMC X Pontuação 60% a 69% 50% a 59% 0% a 49% 90% a 99% 80% a 89% 70% a 79% 110% a 119% 100% a 109% 130% a 139% 120% a 129% 150% ou mais 140% a 149% Observação: neste item, o fornecedor pode ser beneficiado pelas entregas antecipadas, uma vez que as mesmas contribuem para que seu prazo médio real de entrega seja menor que o prazo médio contratual. Porém, esse benefício decai com o aumento da diferença entre o PMR e o PMC. Ou seja, se o fornecedor tiver muitas antecipações, e seu PMR for muito menor que o PMC, a nota será baixa. O intervalo de tolerância das antecipações sem demérito da nota é de 0,70 a 0,99 no resultado do quociente entre PMR e PMC. 37

13 Para fornecedores classificados como não críticos outras documentações serão solicitadas para realização do cadastramento junto ao GRUPO ENERGISA, sendo estas informações gerenciadas pelo parceiro de cadastramento. Outras informações quanto a sua capacidade fabril, número de funcionários, maquinário, instalações e outras consideradas pertinentes poderão ser solicitadas paralelamente através de uma auto avaliação para complementação de seu cadastro pelo DCSU. No momento em que o cadastro for aprovado o parceiro de cadastro do GRUPO ENERGISA poderá emitir um CRC (Certificado de Registro Cadastral),que também poderá ser emitido pelo GRUPO ENERGISA se requerido pelo fornecedor, e que permitirá ao fornecedor o acesso enquanto cadastrado, participar do processo de cotação de materiais e equipamentos do GRUPO ENERGISA. Certificação de sistema de gestão da qualidade Tem peso de 10%. Pontuação binária: se o fornecedor tem certificação, recebe 1 (um) ponto. Caso não tenha, não pontua. IQF Índice de Qualidade Financeira A área financeira do GRUPO ENERGISA avalia os balanços dos fornecedores, observando os quesitos abaixo, e atribue as pontuações conforme tabela a seguir: QUESITOS AVALIADOS Homologação Técnica O DCSU solicitará ao departamento técnico uma visita de avaliação para analisar a capacidade técnica de fabricação e controle do produto em questão. A autoavaliação poderá ser disponibilizada à área técnica para servir como um roteiro de auditoria. O GRUPO ENERGISA, através do DCSU, em qualquer tempo, poderá solicitar relatórios dos ensaios de rotina, de tipo ou especiais, a serem definidos nas respectivas especificações e/ou negociação e desenhos dos materiais/equipamentos junto aos fornecedores. Esses ensaios devem estar em conformidade com a NDU 011 do GRUPO ENERGISA. As normas utilizadas nas especificações e ensaios serão normas da ABNT e/ou normas internacionais em casos específicos. Poderão ser solicitadas também amostras do produto em processo de aprovação para análise pelos departamentos técnicos. 1. Receita Operacional Líquida 2. patrimônio Líquido 3. Lucro/Prejuízo Exercício 4. Liquidez Seca 5. Endividamento 6. Rentabilidade Operacional 7. Solvência/Insolvência TOTAL DE PONTOS até 1 ponto até 1 ponto até 1 ponto até 1 ponto até 1 ponto até 1 ponto até 4 pontos 10 PONTOS À pontuação obtida pela análise acima é aplicado um peso de 20%. Quantidade de Entregas no Prazo / Total de Entregas 14 35

14 O índice obtido da divisão acima é relacionado com uma nota, de acordo com a tabela a seguir: De 0,00 0,50 0,55 0,60 0,65 0,70 0,75 0,80 0,85 0,90 0,95 Até Pontuação 0,49 0,00 0,54 1,00 0,59 2,00 0,64 3,00 0,69 4,00 0,74 5,00 0,79 6,00 0,84 7,00 0,89 8,00 0,94 9,00 1,00 10, Entregas no Prazo X Pontuação 6. Homologação de Fornecedores de Materiais e Equipamentos 6.1 Processo de Homologação A Homologação Comercial e a Técnica são exigidas de todos os fornecedores do GRUPO ENERGISA. 6.2 Fornecedores Não Cadastrados Homologação Comercial A homologação comercial consiste na análise econômica - financeira do fornecedor em questão, bem como análise de dados operacionais, o cumprimento das legislações trabalhistas, previdenciárias, fiscais e informações sobre as suas atividades, no que diz respeito à responsabilidade social e ao meio ambiente. Essas e outras documentações são gerenciadas por um parceiro do GRUPO ENERGISA. Na tabela abaixo são descritos os documentos que são necessários para realização da homologação comercial de fornecedores denominados como críticos junto ao GRUPO ENERGISA: Balanço do Último Exercício Ata Assembléia ou Contrato Social Certidão Negativa INSS Certidão Negativa FGTS 50% a 54% 0% a 49% 60% a 64% 55% a 59% 80% a 84% 75% a 79% 70% a 74% 65% a 69% 95% a 100% 90% a 94% 85% a 89% Certidão Negativa Receita Federal Certidão Negativa Estadual À pontuação obtida pela análise acima é aplicado um peso de 15%. Observação: neste item, o fornecedor é beneficiado apenas pelas entregas no prazo acordado. As entregas antecipadas não são consideradas como entrega no prazo, pois também têm aspectos negativos, como por exemplo, o de desalinhar o planejamento financeiro e de estoque, mesmo que, por outro lado, receber antecipadamente possa ser benéfico em termos de atender às necessidades dos clientes do DCSU. Certidão Negativa Municipal Declaração de não Praticar o Trabalho Infantil Declaração de não Praticar o Trabalho Forçado Declaração de não praticar a Discriminação Racial ou Social Informações sobre Atividades de Responsabilidade Social e Meio Ambiente Atestados de Capacidade Técnica de outras concessionárias Apresentação de Certificações ISO (9001, TS 16949, 14001), se tiver 36 13

15 Fórmula utilizada para cálculo: Pontos RNC = Exemplos: [somatório (nº de RNCs x pontuação do RNC)] total de RNCs 1. Fornecedor com 3 RNCs leves e 1 RNC grave Pontos RNC = (3*8) + (1*2) / (3 + 1) = 26/4 = 6,5 2. Fornecedor com 1 RNC leve e 1 RNC grave Pontos RNC = (1*8) + (1*2) / (1+1) = 10/2 = 5 3. Fornecedor com 1 RNC leve Pontos RNC = (1*8) / 1 = 8/1 = 8 Quando do recebimento dos relatórios e das amostras, os departamentos terão um prazo de 30 (trinta) dias para realizar as análises necessárias. Dependendo da complexidade do material ou tipo de equipamento, esse prazo poderá ser ampliado, conforme acerto prévio entre o fornecedor, o DCSU e os departamentos requisitantes. Na aquisição de materiais/equipamentos técnicos específicos, o departamento solicitante será responsável pela homologação técnica em conjunto com o DCSU. Poderão ser solicitados também atestados de capacidade técnica de outras concessionárias de energia elétrica para análise do desempenho de qualidade do fornecedor. As áreas técnicas possuem autonomia de realizar ou não as inspeções em fábrica, de acordo com sua necessidade, capacidade operacional e avaliação de criticidade ou risco. 6.3 Resultados Após o término das análises, os departamentos técnicos deverão comunicar a empresa interessada sobre a aprovação ou reprovação de sua homologação técnica junto ao GRUPO ENERGISA. 6.4 Considerações Devem possuir homologação técnica e comercial todos os fornecedores de materiais e equipamentos do GRUPO ENERGISA. À pontuação obtida pela análise acima é aplicado um peso de 30%

16 A tabela a seguir apresenta os itens contemplados na nota do SIHOF e a distribuição de pesos: Item Registros de Não Conformidades Certificação de Qualidade IQF - Índice de Qualidade Financeira Quantidade de Entregas no Prazo / Total de Entregas Prazo médio real / Prazo médio contratual (entregas) Total Pontos máximos 3,00 1,00 2,00 1,50 2,50 10,00 RNC - Registros de Não Conformidade (Técnica / Comercial / Inspeção) Utiliza-se a pontuação a seguir: RNC grave = 2 RNC média = 5 RNC leve = 8 Sem RNC = 10 33

17 7. Realização de inspeções de recebimento de fábrica e/ou em laboratório próprio Um índice chamado de nota ponderada é obtido de acordo com a seguinte expressão: NOTA PONDERADA Nota do SIHOF NF eletrônica = X 90% + Atendimento X 5% + X 5% 13.1 Detalhamento da Nota do SIHOF - Sistema de Homologação de Fornecedores O maior peso na nota ponderada é dado para a nota do SIHOF (90%), uma vez que esta reflete a situação do fornecedor com relação a não conformidades, gestão da qualidade, saúde financeira e entregas e é o principal indicativo do desempenho dos fornecedores ao longo do ano. Os fornecedores são classificados de acordo com os índices abaixo: Faixa Inicial 0 2,01 Faixa Final 2,00 5,00 Classificação INSATISFATÓRIO RUIM 5,01 7,00 ATENDE 7,01 8,00 BOM 8,01 10,00 EXCELENTE Informações Empresas consideradas não adequadas à prestação de serviços e fornecimento de materiais/equipamentos. Não recomendadas a permanecer homologadas. Empresas que atendem a algumas das prerrogativas. Não recomendadas para receber novos negócios. Empresas que atendem o nível de exigência inicial e podem fornecer mediante a submissão de plano de ação. Empresas consideradas aptas ao fornecimento. Empresas preferenciais para cotações com desempenho adequado de qualidade e entrega. De acordo com as definições da área técnica responsável, os materiais e equipamentos adquiridos poderão passar por inspeção em fábrica ou ser ensaiados em laboratório próprio, levando em consideração a disponibilidade e a necessidade de realização das inspeções. Conforme definição da Assessoria de Normas, Custos Modulares e Desenvolvimentos de Novas Tecnologias ASNC do GRUPO ENERGISA, as seguintes classes de materiais devem passar por inspeção de recebimento em fábrica CLASSES Aterramento Cabos e fios de aço (incluindo cordoalhas) Cabos e fios de alumínio (nu e isolados) Conectores compressão (H) Conectores/Cartuchos Cunha Conectores Perfuração Ferragens Forjadas Ferragens Galvanizadas Isoladores de Porcelana Postes de Concreto RC e DT Isoladores Poliméricos e de Vidro Chaves Fusíveis / Chaves Seccionadoras EPIs Pára-raios Transform. de Corrente e Potencial Transform. de Distribuição Transform. de Força Elos Fusíveis Acessórios para Rede Protegida Reatores p/ Iluminação Pública Relés Fotoel./Bases e Chaves Magnéticas Calçados de segurança Medidores 32 17

18 12. Armazenamento e Inventário Atribuições do DCSU: Garantir que as Ordens de Compra dos materiais acima relacionados contenham cláusula contratual de exigência de inspeção em fábrica. Intermediar, junto aos fornecedores e áreas técnicas, a convocação e realização/dispensa das inspeções, sendo todos esses passos registrados no sistema SIHOF. Verificar, no momento do recebimento dos materiais nos almoxarifados, se os mesmos passaram pelo processo de inspeção, ou se a mesma foi dispensada pela área técnica competente. Recusar o recebimento de materiais que não estejam de acordo com o aprovado. Cláusula contratual colocada nas Ordens de Compra de materiais com exigência de inspeção em fábrica (exemplo da ENERGISA Minas Gerais): O material será inspecionado em vossa fábrica. Portanto, V.Sas. deverão convocar a ENERGISA MINAS GERAIS, formalmente, através do com antecedência de 10 dias à inspeção e obedecendo aos prazos de entrega estabelecidos. O material também poderá vir a ser ensaiado posteriormente em laboratório próprio da ENERGISA. A convocação de inspeção deverá conter, necessariamente, as seguintes informações: empresa do GRUPO ENERGISA, número da Ordem de Compra, código do material (Energisa), descrição do material, quantidade a ser inspecionada, a data, horário e endereço de realização da inspeção e o nome e telefone do contato em sua empresa. O(s) material(is)/equipamento(s) será(ão) verificado(s) posteriormente ao recebimento, inclusive estando passíveis de realização de ensaios em laboratório próprio da Energisa, sendo devolvido(s) caso esteja(m) em desacordo com o pedido e/ou apresente(m) defeito(s). NOTA: Não serão exigidas inspeções de materiais considerados itens de estoque pelo GRUPO ENERGISA quando o valor da ordem de compra for inferior a R$ 5.000,00 (cinco mil reais), porém, deverão ser enviados os relatórios de ensaios realizados para avaliação e aprovação do material/equipamento. O fornecedor deve usar um sistema de gestão de inventário para otimizar o giro de estoque ao longo do tempo através da metodologia FIFO (First in First out) ou PEPS (Primeiro que entra/primeiro que sai).o produto obsoleto deve ser controlado da mesma forma que o produto não conforme. O fornecedor deve possuir um processo de análise de materiais em estoque em caso de Não Conformidades. Caso, durante o processo de análise de materiais em estoque, seja verificado que os materiais estocados possuem documentos de natureza técnica vencidos ou estejam não conformes com as normas de homologação (último nível de aprovação), a empresa fornecedora deverá resolver o problema de forma imediata de acordo com as normas do GRUPO ENERGISA Critérios e metodologia de avaliação e classificação de fornecedores de materiais do GRUPO ENERGISA Para obter a classificação dos fornecedores destaque do GRUPO ENERGISA no ano, são considerados os fatores: Curva ABC de participação no total de compras realizadas pelo GRUPO ENERGISA. Nota do SIHOF (Sistema de Homologação de Fornecedores), que é a pontuação atribuída pelo sistema do GRUPO ENERGISA criado para este fim. Qualidade do Atendimento. Envio de Notas Fiscais Eletrônicas

19 Ensaios em laboratório próprio Além das inspeções em fábrica, os materiais e equipamentos adquiridos poderão passar por ensaios técnicos em laboratório próprio, sendo este um processo independente do anterior. Ou seja, um material com exigência de inspeção em fábrica (independente da inspeção ter sido realizada ou dispensada) também poderá passar por ensaios em laboratório próprio após o recebimento nos almoxarifados. Um material que não tenha exigência de inspeção em fábrica também poderá passar por ensaios em laboratório próprio após o recebimento nos almoxarifados. A realização de ensaios em laboratório está condicionada à: disponibilidade operacional do laboratório; capacidade técnica de realização de ensaios, conforme equipamentos disponíveis e conhecimento especializado. A relação de materiais passíveis de ensaios em laboratório pode mudar em função da capacidade técnica e operacional do laboratório. A periodicidade de realização dos ensaios depende da chegada de materiais ao almoxarifado e da disponibilidade do laboratório. Exemplos de materiais ensaiados nos laboratórios internos: Descrição padronizada dos materiais Isolador Polimérico para Pino 35 Kv Isolador Polimérico para Pino 15 Kv Isolador de Porcelana para Pino 25 Kv Isolador de Porcelana para Pino 15 Kv Isolador de Porcelana Multicorpo 25 Kv Isolador Polimérico tipo ancoragem 15 Kv Isolador Polimérico tipo ancoragem 25 Kv Para-raios Polimérico óxido de zinco 11,4 Kv Para-raios Polimérico óxido de zinco 13,8 Kv Para-raios Polimérico óxido de zinco 22,0 Kv Chave Fusível Base C 15 Kv Chave Fusível Base C 25 Kv Chave seccionadora unipolar 400 A 15 Kv Chave seccionadora unipolar 400 A 25 Kv Manilha Sapatilha Alça pré-formada aço carbono Alça pré-formada para cabo de aço Alça pré-formada alumínio Sapatilha para cabo de aço Gancho olhal de suspensão Transformador Monofásico classe 15 e 25kV Transformador Trifásico 15 e 25kV 19

20 10. Para problemas de materiais aplicados em campo Havendo problemas técnicos com os materiais/equipamentos já aplicados em nossas instalações, a empresa fornecedora poderá ser temporariamente suspensa até que esses problemas sejam identificados e esclarecidos e definitivamente resolvidos evitando recorrências. Caso a não conformidade seja de natureza técnica, a empresa fornecedora terá o prazo de até 60 dias para solucionar o problema. 11. Desenvolvimento e monitoramento dos fornecedores Onde especificado pelo contrato (por exemplo, desenho, especificação etc.), o fornecedor deve comprar produtos, materiais ou serviços de fontes aprovadas ou designados pelo GRUPO ENERGISA, incluindo equipamentos, ferramentas. O fornecedor deve estabelecer um método adequado para medir a qualidade e conformidade de seu(s) subfornecedor(es) em conformidade com este manual e demais políticas do GRUPO ENERGISA durante o fornecimento. Isso não exime o fornecedor da responsabilidade de garantir a qualidade dos produtos adquiridos. O fornecedor deve estabelecer um método de inspeção ou outras atividades necessárias para assegurar que o produto entregue ao GRUPO ENERGISA atenda aos requisitos especificados de aquisição, incluindo os requisitos regulamentares, legais e ambientais. Os fornecedores devem promover e incluir o monitoramento dos subfornecedores em relação ao desempenho de fabricação nos processos, incluindo os requisitos específicos aplicáveis, e fornecer provas ou avaliações ao GRUPO ENERGISA sempre que solicitado. O GRUPO ENERGISA reserva-se o direito de visitar os subfornecedores, em coordenação com o fornecedor. 29

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES... 1 3. PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO... 2 3.1. FORNECEDORES

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL O objetivo deste documento é informar aos fornecedores dos pontos e valores fundamentais de nosso processo de compras. A GS1 Brasil mantém a ética, a transparência

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR. Setor de Suprimentos

MANUAL DO FORNECEDOR. Setor de Suprimentos MANUAL DO FORNECEDOR Setor de Suprimentos ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. LOCALIZAÇÃO... 3 3. POLÍTICA DA QUALIDADE ISO 9001/2008... 3 4. MISSÃO, VISÃO E VALORES... 4 4.1. MISSÃO... 4 4.2. VISÃO... 4 4.3.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade Serviços Associados Manual de Procedimentos ATAP

Sistema de Gestão da Qualidade Serviços Associados Manual de Procedimentos ATAP Pág. 1 / 6 1 Objetivos do Programa Neste manual, estão descritos os procedimentos, a política e os pré-requisitos que regem o Programa para Assistência Técnica Autorizada Perto, singularmente denominada

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE DE DOALPLASTIC INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. MATRIZ: AVENIDA DIRCEU DIAS CARNEIRO, 151 DISTRITO INDUSTRIAL II - CEP 13457-198 SANTA BÁRBARA D' OESTE - SP - BRASIL FILIAL: AVENIDA MAESTRO

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada. As cópias serão obtidas diretamente do site http:compras.cetiqt.senai.br.

A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada. As cópias serão obtidas diretamente do site http:compras.cetiqt.senai.br. 1. OBJETIVO O SENAI CETIQT está comprometido em prover total satisfação dos clientes, através de produtos e serviços que atendam as suas necessidades e expectativas em um ambiente de prevenção e melhoria

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS INTERNATIONAL PAPER DO BRASIL LTDA. Unidade Florestal PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1 de 5 Assunto: CONDIÇÕES GERAIS DE VENDAS Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1. Conceito 2. Abrangência 3. Documentos Relacionados 4. Regras Gerais 4.1. Pedido e Fornecimento 4.1.1. Pedido

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014

SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014 Instituto Marca de Desenvolvimento Socioambiental - IMADESA SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014 >> Leia com atenção o Edital antes de preencher o formulário para apresentação de projetos. I.

Leia mais

Manual de Compras. Hospital Estadual da Criança

Manual de Compras. Hospital Estadual da Criança Manual de Compras Hospital Estadual da Criança 2015 1 1- OBJETIVO Definir diretrizes e procedimentos para as compras de materiais e contratação de serviços, visando: A) Diminuição de custos; B) Racionalização

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 APLICAÇÃO... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES... 3 3.1 Empresas Certificadas... 4 3.2 Empresas não Certificadas... 4 3.3 Avaliação

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 O sistema T-Car-Win está sendo atualizado para a versão 1.15.5. Esta versão tem o objetivo de agregar as seguintes funcionalidades ao sistema: Possibilidade

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Edital Instituto Sabin - 01/2015

Edital Instituto Sabin - 01/2015 Edital Instituto Sabin - 01/2015 Seleção pública de iniciativas empreendedoras socioambientais inovadoras para parceria com o Instituto Sabin O Instituto Sabin, torna público o presente Edital e convoca

Leia mais

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz MANUAL DO FORNECEDOR INTRODUÇÃO Este manual tem por objetivo principal informar à cadeia de fornecedores os procedimentos e processos internos operacionais que viabilizam a avaliação de desempenho dos

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. ÂMBITO... 2 3. CONCEITOS... 2 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS... 3 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 3 6. PROCEDIMENTOS... 4 7. NATUREZA DAS ALTERAÇÕES... 7 8. ANEXOS... 7 Elaboração:

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO I - Formalização e Aceitação do Pedido 1.1 - O Aceite será automático caso o fornecedor não faça uma recusa parcial ou total, Por escrito no prazo de 2(dois) após o recebimento

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Introdução. Benefícios para todos

Introdução. Benefícios para todos Introdução Esta cartilha tem a finalidade de guiar as empresas na implantação da Nota Fiscal Eletrônica e demonstrar as facilidades e vantagens do sistema para o contribuinte e para a sociedade A Nota

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR 2 ÍNDICE 1.APRESENTAÇÃO:...3 1.1 Introdução...3 1.2 Missão...3 1.3 Negócio...3 1.4 Visão...3 1.5 Princípios...3 1.6 Objetivos...3 1.7 Compromissos Éticos do P.S.D.C. de Caxias do Sul...4

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA.

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. Revisão maio 2015 Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 1 Nível Ingresso Documentos que deverão ser apresentados

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRAS

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRAS - 1 de 6 CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRAS Revisão 2 26/01/2012 1 - PEDIDO 1.1 - Todo e qualquer pedido só será válido se tiver sido feito por escrito, provido das assinaturas das pessoas devidamente autorizadas,

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais