MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES"

Transcrição

1 7.431 Rev: 2 Data: 13/5/214 1 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ESCOPO APLICABILIDADE OBJETIVO REQUISITOS AMBIENTAIS ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROSPECÇÃO E SELEÇÃO DO FORNECEDOR SUBMISSÃO DE PROTÓTIPOS (Amostras de Peças de Produção) ANÁLISE DA CAPACIDADE DE FABRICAÇÃO DO FORNECEDOR SUBMISSÃO DE PPAP/ PPAPT ATUALIZAÇÃO DE PPAP/ PPAPT MEIO DE SUBMISSÃO DE PPAP/ PPAPT HOMOLOGAÇÃO DO FORNECIMENTO AVALIAÇÃO DE PPAP/ PPAPT AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ÍNDICE DE DESEMPENHO GLOBAL DO FORNECEDOR IDGF AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE GESTÃO DO FORNECEDOR IGF AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE DESEMPENHO COMERCIAL IDC AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE DESEMPENHO DE FORNECIMENTO IDF NOTA E CONCEITOS DO ÍNDICE DE DESEMPENHO GLOBAL DO FORNECEDOR - IDGF AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS BLOQUEIO DE FORNECEDORES DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR SOLICITAÇÃO DA ALTERAÇÃO DE ENGENHARIA DO FORNECEDOR PARA A TAURUS DA TAURUS PARA O FORNECEDOR AUDITORIA DE SEGUNDA PARTE COMUNICAÇÃO DE NÃO CONFORMIDADE (RNC) PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE CUSTOS FRETES ESPECIAIS REQUISITOS DE ENTREGA DO COMPONENTE FORNECIDO Rev: 2 Data: 13/5/214 2 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

3 12. COMPONENTES QUÍMICOS PROPRIEDADE DO CLIENTE (TAURUS) PROPRIEDADE DO FORNECEDOR GARANTIA GESTÃO DOS SUBFORNECEDORES ANEXOS I. TERMOS E DEFINIÇÕES II. FORMULÁRIO DE RNC III. QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES IV. PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE CUSTOS PRC V. PROCEDIMENTO DE PPAP... 3 VI. APROVAÇÃO PRELIMINAR DE EMBALAGENS APE VII. APROVAÇÃO DE DERROGAS ESPECÍFICAS VIII. TERMO DE RECEBIMENTO IX. CONTROLE DE REVISÕES Rev: 2 Data: 13/5/214 3 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

4 1. INTRODUÇÃO Com o intuito de garantir a melhoria nos processos que envolvem componentes e serviços adquiridos, a Taurus vem aprimorando continuamente o relacionamento com sua cadeia de fornecedores. No que diz respeito aos requisitos exigidos, foi elaborado o Manual de Requisitos para Fornecedores, o qual deve ser utilizado por toda a cadeia ativa de fornecedores como um guia para o atendimento dos padrões de desempenho desejados pela Taurus, unidades Porto Alegre e São Leopoldo. Os índices de desempenho de fornecedores, com base nos requisitos e métricas de avaliação, estão disponíveis no Manual. Os procedimentos aqui determinados e adotados visam à adoção de ações efetivas no desenvolvimento de novos componentes e/ou fornecedores, alterações de engenharia, resolução dos problemas de qualidade, bem como a avaliação dos índices de desempenho de fornecedores novos e atuais. 2. ESCOPO Os critérios previstos neste Manual contemplam a sistemática de seleção, desenvolvimento, avaliação, monitoramento e melhoria contínua de fornecedores e são considerados requisitos mínimos para fornecimento de materiais e serviços para a Taurus. Sempre que forem efetuadas modificações no Manual, os fornecedores devem providenciar as devidas atualizações no seu Sistema de Gestão e Operações, assim como retirar e destruir todas as cópias de versões anteriores. Embora seja um documento distribuído sem controle de cópias à cadeia de fornecedores, o mesmo deve ser plenamente atendido pelos fornecedores. O Analista de Qualidade de Fornecedores da Taurus (AQFT) enviará um ao fornecedor comunicando as revisões do Manual, disponível no site da Taurus (http://www.taurus.com.br/). O fornecedor deverá acessar a nova versão do Manual, assinar o Termo de Recebimento (Anexo VIII) e enviá-lo para o AQFT. Caso o fornecedor entenda que algum requisito de qualidade não é viável de ser atendido ou ainda não possua as condições necessárias para atendê-lo, deverá informar e justificar imediatamente, por escrito, ao AQFT e aguardar uma resposta (Anexo VII). Quando se tratar de um requisito de ordem comercial, o fornecedor deverá contatar o Departamento de Compras. O fornecedor que não preencher a documentação requerida neste Manual poderá ficar impedido de fornecer componentes até que tal situação seja regularizada. 3. APLICABILIDADE Os requisitos deste Manual aplicam-se a toda a base de fornecimento, incluindo: Produtos desenvolvidos pela Taurus; Produtos desenvolvidos pelo fornecedor; Serviços diretamente ligados ao produto. A definição de quais requisitos e critérios de avaliação serão mandatórios aos fornecedores depende da natureza do fornecedor e da prévia definição dos Departamentos de Compras e Qualidade da Taurus Rev: 2 Data: 13/5/214 4 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

5 4. OBJETIVO O objetivo do Manual de Requisitos para Fornecedores é esclarecer os requisitos necessários para o desenvolvimento de materiais/serviços fornecidos, bem como apresentar critérios de avaliação e monitoramento aplicados à cadeia de fornecimento da Taurus. Esses requisitos e critérios tem como base a Gestão da Qualidade, visando atendimento à norma ISO/TS na revisão vigente, quando aplicável. Uma metodologia de melhoria contínua é igualmente solicitada nos seguintes aspectos: a) Status de Qualidade Assegurada QA; b) Garantia de credibilidade de entrega (qualidade e pontualidade); c) Práticas e procedimentos para a realização do produto, de acordo com os requisitos da ISO/TS na revisão vigente; d) Práticas específicas que garantam a qualidade, rastreabilidade e repetibilidade do produto e processo, além de manter uma forma de identificação desde a produção da matéria prima até o envio do produto ao cliente; e) Evidências objetivas de que os produtos e/ou serviços fornecidos estão de acordo com o Processo de Aprovação do Produto (Manual de PAPP/ AIAG) e/ou PAPPT, caso seja solicitado pela Taurus; f) Comprometimento com a melhoria contínua dos processos e características do produto e/ou serviços, com redução da variação entre peças e eliminação de desperdícios, utilizando técnicas estatísticas apropriadas (Manual de referência de CEP/AIAG). NOTA: Índices mínimos de capabilidade: CPk = 1,33 a 1,67. Para itens críticos é requerido o atendimento ao índice mínimo de 1,67, ou a apresentação de um plano de inspeção contemplando 1% dos produtos fornecidos, juntamente com plano de melhoria do processo, objetivando atendimento do índice; g) Execução de operações em conformidade com a legislação e regulamentações ambientais e sociais aplicáveis na jurisdição onde o fornecedor exerce suas atividades, bem como, regulamentos requeridos pelo cliente. Todo fornecedor DEVE possuir licença de operação ou documento similar; h) Conformidade com os requisitos relacionados ao uso, controle e acondicionamento de embalagens; i) Atendimento aos requisitos específicos de clientes sempre que requerido; j) Efetividade das ações corretivas implementadas; k) Efetividade da comunicação em todos os níveis; l) Processo de novos projetos e alterações de projetos apropriadas e em tempo. 5. REQUISITOS AMBIENTAIS Os fornecedores da Taurus devem possuir uma forte preocupação com os aspectos ambientais e devem tomar ações para gerenciar adequadamente um Sistema de Gestão Ambiental. Sugere-se que este sistema seja estabelecido nos moldes da norma ISO 141 ou outro requisito equivalente de preservação e proteção ambiental, mesmo que ainda não seja certificado por um organismo de 3ª Parte Rev: 2 Data: 13/5/214 5 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

6 6. ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL A Taurus preza pelo bom relacionamento com sua cadeia de fornecimento e espera que todas as informações relativas a produto, tecnologias, dados de produção e processo, bem como as informações de relacionamento sejam mantidas em sigilo e confidencialidade. Em adicional, toda evidência de informação documental técnica (incluindo PPAP) deve expressar a realidade dos fatos. É exigido a todos os fornecedores da Taurus a adoção de políticas que proíbam a utilização de trabalho infantil, trabalho forçado ou escravo e a discriminação. 7. METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO A TAURUS possui uma metodologia de desenvolvimento de fornecedores que segue quatro estágios: Prospecção e Seleção do Fornecedor Homologação de Fornecimento Avaliação do Desempenho Desenvolvimento do Sistema de Gestão do Fornecedor O fluxograma abaixo apresenta o resumo da Sistemática de Avaliação, Desenvolvimento e Monitoramento de Fornecedores da Taurus, sendo que esta prática pode ser complementada com planos de ação específicos, dependendo do índice de desempenho do fornecedor. Posterior ao fluxograma são abordados os requisitos necessários que o fornecedor deverá cumprir para atingir os quatro estágios de desenvolvimento Rev: 2 Data: 13/5/214 6 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

7 NOTA: A efetividade do Sistema de Gestão do fornecedor refletirá nos pontos mencionados no item 4 deste Manual Rev: 2 Data: 13/5/214 7 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

8 7.1 PROSPECÇÃO E SELEÇÃO DO FORNECEDOR O primeiro estágio consiste na prospecção de um fornecedor a partir da verificação dos requisitos mínimos mencionados abaixo: Requisitos mínimos - Comerciais Ficha cadastral da empresa; Apresentação da empresa; Análise financeira (balanço e negativa de crédito); Licença de operação ambiental (LO); Contrato de confidencialidade assinado (Anexo IV); Cotação. Requisitos mínimos - Qualidade Certificado ISO 91 e/ou ISO TS 16949(se tiver) Obter pontuação mínima na Avaliação de Fornecedores a ser realizada pelo método de auto avaliação(anexo III) Será realizada uma auditoria de segunda parte, pelo AQFT, sempre que um novo fornecedor for integrado à cadeia de fornecimento. Novos fornecedores deverão responder um formulário de auto-avaliação e/ou obter pontuação superior a 8% nas auditorias realizadas pelo AQFT. Caso não seja atingida a pontuação mínima, um plano de ação será elaborado e terá sua eficácia verificada. As auditorias de segunda parte, em novos fornecedores, serão realizadas anteriormente à solicitação de protótipos somente em fornecedores de componentes críticos. Assim que o fornecedor demonstrar que possui capacidade para atender às especificações técnicas e, para produzir nas condições solicitadas (quantidade, prazo, etc.), receberá do Departamento de Compras as especificações necessárias para a produção dos protótipos (amostras não ferramentadas). Uma vez que os protótipos sejam aprovados, o AQFT solicita a submissão do PPAP ou PPAPT. Neste momento, será informado ao fornecedor o nível de PPAP que deverá ser submetido e os critérios para sua disposição (APROVADO, APROVADO CONDICIONAL ou REJEITADO). O Fornecedor não deve fazer nenhuma modificação não autorizada ao produto sem que tenha autorização formal da Engenharia da Taurus SUBMISSÃO DE PROTÓTIPOS (Amostras de Peças de Produção) As amostras ou protótipo de engenharia devem estar acompanhados por relatório garantindo a conformidade com as especificações que inclui, quando aplicável: Resultados dimensionais completos; Resultados de testes e de desempenho; Resultados de análise de aparência; Desenho mapeado; Resultados de material (Análise metalográfica, química, dureza, raio X, entre outros) Rev: 2 Data: 13/5/214 8 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

9 Poderão ser solicitados requisitos adicionais, a definição dos mesmos será acordada durante visita inicial. A quantidade de amostras necessárias a serem enviadas será informada ao fornecedor pelo Departamento de Compras. Quando os componentes forem provenientes de cavidades múltiplas, deverá ser fornecida, no mínimo, uma amostra de cada cavidade. As amostras devem ser identificadas e embaladas de forma a manter sua integridade até sua chegada às instalações da Taurus. Quando as amostras não atenderem algum requisito definido pela Taurus, o fornecedor deverá informar detalhadamente, através de um relatório, qual especificação não foi atendida e o motivo. Qualquer informação adicional será solicitada pela Taurus quando assim julgar necessário ANÁLISE DA CAPACIDADE DE FABRICAÇÃO DO FORNECEDOR O AQFT será responsável pela avaliação da real capacidade produtiva do fornecedor durante a produção do lote piloto SUBMISSÃO DE PPAP/ PPAPT A submissão de PPAP (Part Production Approval Process) por parte de fornecedores deve ser conduzida conforme sistemática estabelecida neste Manual, baseado nas regras do Manual de PPAP/AIAG, conforme Procedimento de PPAP (Anexo V). Para os processos especiais (ex. solda, pintura, tratamento superficial de zincagem, niquelagem, cromagem, etc.), o fornecedor deve realizar avaliações periódicas nestes processos, conforme acordado com o AQFT. Fornecedores que por alguma regra interna ou requisito do seu Sistema de Gestão não possam submeter algum elemento obrigatório do PPAP, deverão autorizar o acesso às suas instalações pelo AQFT para que as informações declaradas possam ser comprovadas. A aprovação do PPAP é sempre necessária antes da primeira entrega do lote regular do produto, cabendo ao fornecedor submeter o PPAP nas condições definidas neste Manual. A submissão de PPAPT (Processo de Aprovação de Peça de Produção Taurus) por parte de fornecedores deverá ser conduzida conforme sistemática estabelecida neste Manual e se aplica somente a fornecedores de pequeno porte de itens não críticos. Os fornecedores que não se enquadrarem nessa classificação, deverão submeter PPAP, conforme regras definidas neste Manual (Anexo V). Após receber a solicitação de protótipo, por parte do Departamento de Compras, o fornecedor deverá submeter: Certificado de Submissão de Peça; Relatório dimensional; Relatório de material; Relatório de desempenho; Relatório de aparência, quando aplicável Rev: 2 Data: 13/5/214 9 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

10 Os fornecedores deverão submeter PPAP/ PPAPT após a aprovação inicial do protótipo, antes da primeira entrega do lote piloto (primeiro lote significativo após aprovação da amostra, com volume mínimo de 3 peças). Exceções devem ser analisadas e autorizadas pelo AQFT. Os formulários padrão a serem utilizados para a submissão do PPAP/PPAPT serão enviados ao fornecedor, via meio eletrônico, pelo AQFT. Nos casos em que o fornecedor já possua um formato de formulário próprio, deverá comunicar o AQFT e aguardar a autorização para uso. A Tabela 1 descreve as situações em que é necessária a submissão (ou re-submissão) de PPAP/ PPAPT. É de responsabilidade de o fornecedor detectar a ocorrência de tais situações e realizar a submissão. DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO RAZÃO PARA SUBMISSÃO Novos componentes. Correção de discrepância em componente submetido anteriormente. Também considera casos onde a submissão inicial teve o laudo de rejeitado ou aprovado em condicional. Produto modificado pela Engenharia do Produto no que se refere à especificação, material ou registro de projeto. Nova tecnologia de processo a ser implantada que será usada na produção/ transformação do componente. Utilização de novo material ou substância em relação ao que foi usado no componente anteriormente aprovado. Utilização de novas ferramentas, matrizes, etc. Mudança ou reparo de ferramental ou equipamento. Ferramental e equipamentos transferidos internamente (mudança de layout). Utilização de ferramental inativo ou Interrupção do fornecimento por mais de doze meses. Nova fonte de matéria-prima ou componente integrante do item de fornecimento. Submissão inicial Re-submissão total ou parcial dos elementos do PPAP. Alteração de Engenharia. Mudança no processo de produção do componente. Mudança de material ou construção operacional. Ferramental, transferência, substituição, reparo ou adicional. Mudança de fonte de material ou fornecedor. Tabela 1 Situação x Razão para submissão ATUALIZAÇÃO DE PPAP/ PPAPT O fornecedor deverá re-submeter o PPAP/ PPAPT e enviá-lo ao AQFT, sempre que ocorrer uma alteração de projeto ou qualquer uma das situações descritas na Tabela 1 deste Manual. O processo previamente aprovado deverá ser mantido até a aprovação do novo PPAP MEIO DE SUBMISSÃO DE PPAP/ PPAPT A submissão de PPAP/ PPAPT deve ocorrer via meio eletrônico através de um único arquivo no formato PDF. O fornecedor sempre receberá um formal de solicitação de submissão de PPAP/ PPAPT, informando o código do item de submissão, prazo, nível do PPAP. O fornecedor deverá manter esse arquivo como prova da solicitação Rev: 2 Data: 13/5/214 1 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

11 O fornecedor deverá ainda considerar: Todas as páginas devem estar adequadas para a impressão no formato A4, Cada página deve estar em condições mínimas de legibilidade e devem apresentar boa condição de leitura após a impressão; Cada página do arquivo PDF deve conter somente uma página por folha; Documentos digitalizados. 7.2 HOMOLOGAÇÃO DO FORNECIMENTO Durante este estágio será analisada a capacidade do fornecedor em atender os Requisitos Específicos do Cliente (REQs) estabelecidos pela Taurus para toda a cadeia de fornecimento AVALIAÇÃO DE PPAP/ PPAPT PPAP/PPAPT Aprovado: O PPAP/PPAPT recebe a disposição de Aprovado quando todos os requisitos aplicáveis são submetidos exatamente como descritos neste Manual, bem como apresenta amostras conforme especificações de Projeto e Alteração de Engenharia (quando aplicável). Com a aprovação definitiva do PPAP/PPAPT, o fornecimento do item é homologado pelo Departamento de Qualidade da Taurus. O AQFT comunica o fornecedor e o Departamento de Compras que o PPAP/PPAPT está aprovado. A partir deste instante, o Departamento de Compras está autorizado a emitir Ordens de Compras para este componente. PPAP/ PPAPT Aprovado Condicional: O PPAP/PPAPT recebe o status Aprovação Condicional nas seguintes condições: I - Caso algum dos requisitos de submissão aplicáveis não tenham sido submetidos exatamente como descrito neste Manual. II - Na falta da aplicação de algum dos requisitos de submissão, sem devida justificativa. Em ambas as situações, não deverá haver impacto no componente que comprometa seu desempenho na montagem e no produto final. Esses impactos podem ser: Redução da vida útil; Desempenho de funcionamento reduzido; Insatisfação estética/aspecto; Incômodo de qualquer natureza ao usuário final; Restrições ou deficiências de produção e montagem. Nesta situação, o fornecedor deverá submeter um plano de ação informando os prazos de atendimento dos requisitos solicitados. Após avaliação pelo AQFT, o Departamento de Compras e o fornecedor serão informados da concessão ou não, que se aceita, deverá ter um prazo máximo de 9 dias. Somente depois de concedida a aprovação condicional, o Departamento de Compras está autorizado a iniciar a emissão de Ordens de Compras para o componente em questão. Se não houver evidências de que as ações definidas foram implementadas no prazo estipulado, o PPAP/PPAPT passa a ser considerado REJEITADO no sistema interno da Taurus e o fornecimento do Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

12 componente será interrompido até que o mesmo seja re-submetido e atinja o status de PPAP/PPAPT aprovado. PPAP/ PPAPT Rejeitado: O PPAP/PPAPT recebe essa disposição quando NÃO apresenta parte dos elementos de submissão requeridos ou ainda possui discrepâncias, gaps ou informações incorretas que não demonstram a robustez do processo de aprovação bem como a conformidade do produto a ser fornecido. O PPAP/PPAPT recebe a disposição de Rejeitado nos seguintes casos: I - Quando as amostras (na situação de amostras serem submetidas junto com o PPAP/PPAPT) não estão conforme as especificações de Projeto e Alteração de Engenharia (quando aplicável); II - Quando o fornecedor não atende plenamente às condições de submissão descritas neste Manual; III - Quando um PPAP/PPAPT é re-submetido, após o vencimento de uma aprovação condicional, nas mesmas condições da submissão anterior. Nesta situação, o fornecedor deverá submeter um plano de ação informando os prazos de atendimento dos requisitos solicitados. Após avaliação pelo AQFT, o Departamento de Compras e o fornecedor serão informados da concessão ou não, que se aceita, deverá ter um prazo máximo de 9 dias. 7.3 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Consiste na avaliação do fornecedor através da análise do desempenho geral, visando o surgimento de oferta de novas oportunidades e demandas em caso de bom desempenho. Quando a avaliação não for satisfatória, o fornecedor deverá apresentar um plano de ação ou ainda poderá ter seu fornecimento suspenso (desomologação) REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Todos os fornecedores ativos da Taurus deverão atender aos requisitos detalhados abaixo: a) O fornecedor deverá cotar o item/componente que lhe foi solicitado, analisando e seguindo às especificações contidas nos desenhos enviados pelo cliente e outras especificações adicionais indicadas. Em caso de possuir projeto próprio, o fornecedor deverá avaliar os requisitos adicionais definidos pelo cliente. b) Apresentar bom desempenho com base no Índice de Desempenho Global do Fornecedor IDGF, apresentado nos itens a seguir ÍNDICE DE DESEMPENHO GLOBAL DO FORNECEDOR IDGF O envio do Índice de Desempenho Global do Fornecedor (IDGF) será avaliado trimestralmente e aplicado aos fornecedores ativos conforme o Registro de Fornecedores da Taurus. A base de cálculo utilizada é descrita abaixo: IDGF (%) = (,3 x IGF +,3 x IDC +,4 x IDF) x 1 Onde: IGF: Índice de Gestão do Fornecedor IDC: Índice de Desempenho Comercial IDF: Índice de Desempenho de Fornecimento Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

13 PONTOS IGF 3 IDC 3 IDF 4 IDGF Itens Avaliados Questionário de Auto Avaliação de Fornecedores Homologação Pontualidade de PPAP/ PPAPT Auditorias Credibilidade de Entrega Relacionamento Comercial Número de Peças com Defeito Relatórios de Não Conformidade RNC Prazo de Resposta Implementação do Plano de Ação DESDOBRAMENTO DA PONTUAÇÃO % DA PONTUAÇÃO PONTOS , 9, 3, 15, 3 % DA PONTUAÇÃO PONTOS 7 2, 3 1, 3 % DA PONTUAÇÃO PONTOS 4 IDGF Tabela 2: Descrição do IDGF (Índice de Desempenho Global do Fornecedor) NOTA: Para itens não avaliados o sistema realizará uma ponderação na nota final. 24, 2, 6, 8, AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE GESTÃO DO FORNECEDOR IGF IGF= Quest x,1 + Homol x,3 + Pontual PPAP x,1 + Audit x,5 O Índice de Gestão do Fornecedor (IGF) representa a avaliação referente à implantação e manutenção de Sistemas de Gestão e qualidade do produto e/ou serviço contratado, bem como do desempenho do processo. Representa 3% da pontuação final no Índice de Desempenho Global do Fornecedor (IDGF) e é composto por: Questionário de Auto Avaliação de Fornecedores: Representa 1% do IGF, e é preenchido pelo fornecedor, conforme Anexo III. O questionário apresenta itens que são avaliados de forma objetiva: Atende, Atende Parcialmente, Não Atende, ou que podem ser dispensados pela Taurus e não avaliados quando identificados com Não Aplicável. A comprovação do questionário poderá ser feita nas instalações do fornecedor a qualquer momento pelo Departamento de Compras ou pelo AQFT, no momento da homologação de fornecimento ou durante as auditorias de segunda parte. A pontuação é o resultado da soma de pontos obtidos nos itens avaliados divididos pelo número de itens aplicáveis. Este questionário será reavaliado a cada 3 (três) anos após a sua implementação. Nota: A Taurus prioriza fornecedores que tenham certificação ISO 91 e recomenda que os fornecedores que ainda não a possuam trabalhem para esta implementação. Homologação: A Homologação representa 3% do IGF e é realizada através do PPAP/ PPAPT. Sua pontuação é determinada conforme Tabela 3: Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

14 Status da Documentação Requerida Percentual da Pontuação Aprovado 1% Condicionalmente Aprovado 5% Rejeitado % Tabela 3 Pontuação de Homologação Pontualidade de PPAP/PPAPT: A pontuação é obtida por meio da relação entre a quantidade de PPAPs/ PPAPTs entregues no mês corrente pela quantidade solicitada, corresponde a 1% do IGF. O fornecedor que entregar no prazo obterá 1% da nota, caso não ocorra a entrega no prazo e o fornecedor não tenha negociado novo prazo com o AQFT, o mesmo terá a nota zerada neste item para o mês corrente. Auditorias: A Auditoria representa 5% do IGF e, quando aplicável, o fornecedor será avaliado por meio de auditorias de segunda parte. Os critérios de pontuação são apresentados na Tabela 4: Percentual da Pontuação Status 1% Aprovado 8% a 1% Aprovado Ações corretivas requeridas Menor 8% Deficiente Tabela 4 Classificação do Fornecedor em Auditoria AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE DESEMPENHO COMERCIAL IDC IDC= Credibilidade x,7 + Rel.Comercial x,3 A avaliação do Índice de Desempenho Comercial (IDC) aborda aspectos de flexibilidade, agilidade, pontualidade e posicionamento do fornecedor. Representa 3% da pontuação final do fornecedor no Índice de Desempenho Global do Fornecedor (IDGF) e é ponderado pelos itens abaixo: Credibilidade de Entrega: A avaliação da Credibilidade de Entrega representa 7% do IDC. A avaliação da pontualidade, agilidade, flexibilidade e a quantidade entregue pelo fornecedor é realizada da seguinte forma: Credibilidade de Entrega (%) = (Qtde. entregue no prazo/qtde. Programada) x 1 NOTA: Para fornecedores Internacionais, considera-se para cálculo do IE a data de disponibilização do material no Brasil. Relacionamento Comercial: A avaliação do Relacionamento Comercial representa 3% do IDC e será reavaliado pelo Departamento de Compras e PCP a cada 3 (três) meses, conforme Tabela Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

15 Relacionamento Comercial Percentual ÓTIMO 1% BOM 5% REGULAR % Tabela 5 Avaliação de relacionamento comercial Ótimo: resposta no prazo, retorno satisfatório, sugestões (melhorias, técnica, conceito, tecnologia); Bom: cumpre modestamente os prazos e apresenta algumas sugestões; Regular: não atendem os aspectos acima AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE DESEMPENHO DE FORNECIMENTO IDF IDF= Defeitos x,6 + RNC x,5 + Resposta RNC x,15 + Plano Ação x,2 O IDF é ponderado de acordo com os itens abaixo relacionados e representa 4% da pontuação final do fornecedor no Índice de Desempenho Global do Fornecedor (IDGF). É ponderado pelos seguintes itens: Número de Peças com Defeito: A avaliação do número de peças com defeito representa 6% do IDF. A pontuação é calculada conforme fórmula abaixo: % Defeitos = (quantidade total não conforme/ quantidade total fornecida) * 1 Relatórios de Não Conformidade (RNC): A avaliação do RNC representa 5% do IDF. A pontuação é resultante da quantidade de RNC (relatórios de não conformidade) apresentadas dentro do último período. Nº de RNCs Pontuação 1% 1 a 3 5% 4 % Tabela 6 Critérios para a Pontuação de RNC Prazo de Resposta: A pontuação é obtida através da relação entre a quantidade de RNCs preenchidos adequadamente e entregues pela quantidade emitida no período. O prazo de entrega da ação de contenção é de 24 (vinte e quatro) horas e do RNC respondido é de 7 (sete) dias. Implementação do Plano de Ação: A pontuação é obtida através da verificação da implementação do plano de ação, conforme Tabela 8: Implementação Pontuação Sim 1% Não % Tabela 7 Critérios para a Pontuação de Implementação do Plano de Ação Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

16 7.3.6 NOTA E CONCEITOS DO ÍNDICE DE DESEMPENHO GLOBAL DO FORNECEDOR - IDGF O IDGF mostra o desempenho de um fornecedor em relação aos requisitos estabelecidos pela Taurus, detalhados neste Manual. O acompanhamento da evolução do desempenho do fornecedor e a periodicidade de verificação dos critérios utilizados para realizar a avaliação seguem os critérios descritos nas Tabelas 9 e 1. Ações Classe A IDGF 9% Classe B IDGF 7-89% Classe C IDGF 5-69% Classe D < 5% Desenvolvimentos Prioridade (Apto para fornecer itens de segurança) Recomendado Não Recomendado Desqualificado Tomada de Ações NA Planos de ação para índices afetados Planos de ação para todos os índices Bloqueio das OCs + Planos de ação para todos os índices + Visita ao fornecedor Tabela 8 Critérios para IDGF Índice Ferramenta Periocidade IGF IDC IDF IDGF Questionário de Auto Avaliação de Fornecedores A cada 3 anos Homologação A cada novo item/ alteração Pontualidade PPAP/ PPAPT A cada novo item/ alteração Auditoria Quando aplicável Credibilidade de Entrega Mensal Relacionamento Comercial Mensal Nº de peças com defeito Mensal Relatórios de Não Conformidade RNC Mensal Prazo de resposta Mensal Implementação do Plano de Ação Mensal Monitoramento Mensal Análise Crítica Semestral Tabela 9 Periodicidade dos Indicadores Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

17 7.3.7 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS O cálculo do IDGF para fornecedores de serviços de retrabalho, transporte, correções, etc. considera o Índice de Satisfação (IS). A definição do escopo e abrangência dos requisitos aplicáveis a fornecedores de serviços é determinada pela periodicidade dos serviços prestados. Os critérios estabelecidos neste Manual se aplicam aos fornecedores de serviços regulares, incluindo os determinados abaixo: Calibração; Transportes; Manutenção Industrial; Matrizarias/Ferramentarias; Tratamento Térmico; Tratamento Superficial; Usinagem; Corte/Dobra; Solda. PONTOS IGF 3 IDC 3 IDF 4 IDGF Itens Avaliados Questionário de Auto Avaliação de Fornecedores Auditorias/ Certificação Sistema Gestão Cumprimento de Prazos Relacionamento Comercial Relatórios de Não Conformidade RNC Prazo de Resposta Implementação do Plano de Ação DESDOBRAMENTO DA PONTUAÇÃO % DA PONTUAÇÃO PONTOS 2 8 6, 24, 3 % DA PONTUAÇÃO PONTOS 7 2, 3 1, 3 % DA PONTUAÇÃO PONTOS 5 2, 2 8, 3 12, 4 IDGF 1 IDGF para serviços = IS META IS 7% Fornecedores de serviços temporários e/ou específicos estão dispensados do escopo deste Manual. A avaliação destes fornecedores e a responsabilidade da contratação, avaliação e monitoramento pertencem à (ao) área/setor requisitante BLOQUEIO DE FORNECEDORES Para itens produtivos, o fornecedor que estiver classificado como Classe C e não preencher o Plano de Ação dentro do prazo de 7 (sete) dias será desqualificado, e poderá deixar de fornecer para o grupo. Para fornecedores classificados como Classe D, deverá haver bloqueio imediato do mesmo no sistema até que o Plano de Ação seja respondido satisfatoriamente em até 3 (três) dias Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

18 7.4 DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Os fornecedores da Taurus, atuais ou em potencial, devem demonstrar que mantém um Sistema de Gestão orientado para os requisitos da ISO/TS A comprovação poderá ser feita através de auditorias de segunda parte realizadas pela Taurus no início do fornecimento ou quando ocorrer alguma alteração no processo/produto. No caso de fornecedores certificados, deverá ser enviada cópia do certificado sempre que for renovado. A auditoria de segunda parte realizada em fornecedores de pequeno porte terá como objetivo avaliar o comprometimento da empresa em relação aos fatores comportamentais e de gestão, bem como a implantação das ações de melhoria sugeridas pelo AQFT. Todo requisito não atendido deverá ser tratado através de planos de ação consistentes que visem sua implementação nos prazos estipulados em concordância com a Taurus. Essas ações automaticamente terão prazo para serem efetivadas e terem sua eficácia verificada até a próxima auditoria. 8. SOLICITAÇÃO DA ALTERAÇÃO DE ENGENHARIA 8.1 DO FORNECEDOR PARA A TAURUS O fornecedor pode propor à Taurus uma alteração na especificação do componente, desde que motivado por alguma necessidade do produto, melhoria, correção ou adequação a normas técnicas. Essa proposta deve ser encaminhada diretamente ao AQFT. Será analisada a viabilidade da proposta juntamente com a equipe de desenvolvimento e enviada uma resposta formal ao fornecedor solicitante. Somente após a aprovação da solicitação da alteração e recebimento do desenho revisado, o fornecedor está autorizado a efetuar a alteração proposta. O fornecedor deve submeter amostras conforme o desenho revisado, atualizando a documentação requerida na submissão do PPAP/ PPAPT. Fornecedores com projeto próprio deverão informar previamente a alteração ao cliente para que seja avaliado o impacto no produto final ou na montagem. Deverá ser detalhada a característica alterada bem como enviada uma cópia da especificação (norma) e do desenho. Se aprovado, o fornecedor deve submeter amostras conforme o desenho revisado, atualizando a documentação requerida na submissão do PPAP. 8.2 DA TAURUS PARA O FORNECEDOR Diante de uma solicitação de alteração da Taurus, o fornecedor realiza a avaliação da viabilidade e procede com a atualização do PPAP/ PPAPT. 9. AUDITORIA DE SEGUNDA PARTE A Taurus se reserva o direito de realizar auditorias de segunda parte para avaliação dos processos nas instalações do fornecedor a qualquer momento. O AQFT fará contato prévio com o representante do fornecedor para elaborar um cronograma anual de visitas. O resultado da auditoria será enviado ao fornecedor pelo AQFT e as ocorrências detectadas deverão ser tratadas dentro do ciclo. O AQFT verificará a eficácia das tratativas propostas no plano de ação Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

19 1. COMUNICAÇÃO DE NÃO CONFORMIDADE (RNC) Sempre que for detectada uma não conformidade no recebimento do componente ou durante a produção, o fornecedor será notificado através do Relatório de Não Conformidade - RNC (Anexo II). O índice de rejeição previsto pela Taurus para recebimento de componentes e matéria prima é zero defeito. No caso do fornecedor ser notificado, através de um RNC, deverá comunicar a Ação de Contenção num prazo máximo de 24 horas, apresentando ações de contenção para o material não conforme, compreendendo as peças em poder da Taurus, em trânsito e no próprio fornecedor. Neste caso o fornecedor deve: a) Comunicar o modo pelo qual o produto e/ou serviço será identificado como inspecionado, tanto na embalagem quanto individualmente, este último quando requerido. b) Nas circunstâncias que impeçam o fornecedor de acompanhar a produção nas instalações da Taurus, de maneira rápida e eficiente, o fornecedor deve nomear uma equipe de inspeção local de terceira parte para representá-lo nas atividades do plano de contenção. Caso o fornecedor não esteja familiarizado com essa prática e/ou não possua nenhuma equipe local para nomeação, o AQFT irá realizar essa nomeação, se requerido; c) Prestar suporte local, em conjunto com equipe designada pela Taurus, aos clientes, como parte do plano de contenção, se requerido. Os custos associados ao embarque, manuseio, processamento, retrabalho, inspeção e substituição de material não conforme, inclusive os custos de operações de valor agregado antes da identificação do problema, são de responsabilidade do fornecedor. As ações de contenção devem considerar: Metodologia utilizada para identificar o material e/ou produto em contenção; Suporte técnico- operacional nas instalações do cliente; Emissão de evidência objetiva da realização dessas contenções que comprovem a conformidade do produto resultante. Essas evidências podem ser relatórios dimensionais, testes, amostras físicas, ensaios destrutivos, certificados de análise, entre outros. Após finalização das ações de contenção, o fornecedor deverá enviar ao AQFT o Relatório de Não Conformidade (RNC) atualizado e completamente preenchido, constando a análise de causa raiz e as ações corretivas e preventivas a serem desenvolvidas. O prazo de envio do relatório devidamente preenchido é de 7 (sete) dias corridos. O AQFT junto com uma equipe multifuncional avaliará a consistência das respostas, e em caso de rejeição, o fornecedor precisará reavaliar suas análises. A Taurus se reserva o direito de verificar a efetividade das respostas na planta do fornecedor sempre que o considerar necessário. O fornecedor poderá enviar, além do relatório, vídeos, fotos ou outros documentos de análise da causa raiz e tomada de ação que auxiliem na compreensão. Todos os custos ou débitos oriundos de seleção e retrabalho/reparo nas instalações da Taurus ou nos seus clientes, incluindo retornos de campo, ensaio realizados em laboratórios externos, ensaios dimensionais provenientes de problema da qualidade do item do fornecedor, etc. serão de responsabilidade do fornecedor. A forma de transferência ou débito desses custos é indicada pelo Departamento de Compras da Taurus Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

20 Todos os volumes segregados em condição não conforme, seja em atividades de contenção ou durante o processo de montagem na linha de produção, serão devolvidos aos fornecedores sem custos de logística para Taurus, devendo ser reembolsados pelo fornecedor. Quando o fornecedor solicitar o descarte ao invés da devolução, somente será repassado o custo de descarte externo que se enquadre como um descarte especial (ex. produtos químicos). Para as devoluções de itens segregados em condição não conforme, as quantidades deverão ser recolocadas em pedido subsequente ou conforme especificado pelo Departamento de Compras da Taurus. 1.1 PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE CUSTOS O processo de recuperação de custos pode ter inicio a partir um problema logístico (extravio/danos de cargas, discrepância de quantidades, etc.) e/ou de uma não conformidade originada pelo fornecedor e registrada através do RNC. Todas as ações necessárias, preventivas e corretivas, para assegurar a confiabilidade dos nossos produtos serão tomadas e os custos envolvidos nesse processo podem incluir: Refugos e/ou perdas; Substituição de peças; Horas de mão de obra para inspeções, retrabalhos e/ou seletivos; Despesas de viagens; Prestação de serviço de terceiros; Processos de garantia; Multa por atraso de entrega ao cliente final; Paradas de linha da Taurus; Fretes de devolução e/ou coleta. O Processo de Recuperação de Custos (PRC), quando aplicável, possui uma sistemática padronizada onde os custos envolvidos são apurados. O fornecedor será notificado e receberá o formulário de PRC (Anexo IV) para aprovação e aceite dos custos relacionados. 1.2 FRETES ESPECIAIS Em situações de falha nas entregas e/ou relacionadas a não qualidade de itens comprados que resulte em fretes aéreos e/ou expressos da planta do fornecedor para a Taurus e/ou da Taurus para o cliente final, quando aplicável, os custos envolvidos serão negociados com o fornecedor pelo Departamento de Compras da Taurus. 11. REQUISITOS DE ENTREGA DO COMPONENTE FORNECIDO Os critérios de identificação relacionados à segurança devem estar conformes com todos os requisitos legais e da Taurus. As embalagens dos produtos devem estar legivelmente identificadas contendo, no mínimo, as seguintes informações: Nome do fornecedor; Código do produto descrito no projeto da Taurus; Quantidade do produto; Rev: 2 Data: 13/5/214 2 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

21 Identificação de item de segurança; Código ou número de rastreabilidade do lote produzido por ordem; Resultado de inspeção final ou de liberação (Certificado da Qualidade). O fornecedor tem a responsabilidade de desenvolver embalagens que mantenham a integridade do componente até sua chegada às instalações da Taurus, bem como deverá atender o prazo de entrega estabelecido. Mediante acordo prévio as informações abaixo podem ser requeridas: Data de fabricação; Data de expedição; Ordem de produção, serviço, fabricação ou manufatura; Número de peças produzidas por ordem de produção, serviço, fabricação ou manufatura; Para fornecedores de material a granel, todo lote entregue deve ser enviado acompanhado de certificado de conformidade, laudo técnico ou certificado de análise, que apresente os valores de especificação, limites ou tolerâncias, os resultados e o sistema de unidade para cada valor especificado. Esses dados devem compreender ensaios físico-químicos, mecânicos, composição, parâmetros de teste ou análise, a norma aplicável, identificação. Em adicional, a Taurus pode solicitar a inclusão de quaisquer certificados, ensaios ou testes quando entender que a informação é necessária para o processo produtivo. Esses certificados ou laudos do componente devem garantir a rastreabilidade até as fontes que compõem o material para quaisquer necessidades de rastreio de informações que se fizerem necessárias. Os mesmos podem ser enviados em cópia física ou meio eletrônico. 12. COMPONENTES QUÍMICOS Os componentes químicos tais como solventes, adesivos, ativadores, catalizadores, óleos, graxas, bases, tintas e vernizes, devem ser fornecidos obrigatoriamente acompanhados de FISPQ, identificando os riscos de manuseio e o método adequado de estocagem. Para questões do processo de recebimento, o fornecedor deverá enviar, a cada entrega, laudos técnicos de conformidade (Certificados de Qualidade) contendo os limites de especificação, norma de cobertura e resultados obtidos. Informações relativas à validade do produto também são obrigatórias e devem estar claramente visíveis na embalagem do produto. 13. PROPRIEDADE DO CLIENTE (TAURUS) Todo o ferramental do cliente e embalagens retornáveis devem ser identificados permanentemente, constando sempre o nome da Taurus. O fornecedor deve estabelecer procedimentos de manutenção preventiva e/ou preditiva para todas as ferramentas e equipamentos chaves dos processos. Registros de históricos e tabelas das manutenções preventiva e/ou preditiva devem ser documentados e disponibilizados para revisão. O fornecedor é responsável por estabelecer um sistema que assegure que as ferramentas, padrões, moldes e embalagens retornáveis sejam mantidos de maneira a garantir a integridade dos mesmos Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

22 Também são consideradas propriedade da Taurus desenhos, especificações, aplicativos e literatura cedidos ao fornecedor para auxílio no fornecimento. O fornecedor deve zelar pela integridade e confidencialidade. Não é permitido ao fornecedor que utilize tais recursos para divulgação sem prévia autorização. Quando o fornecedor receber a atualização dessas propriedades, deverá automaticamente entregar as versões ou cópias obsoletas a Taurus ou descartar de forma segura e eficaz conforme definido. 14. PROPRIEDADE DO FORNECEDOR Todo o ferramental do fornecedor e embalagens retornáveis deve ser identificado permanentemente, constando sempre o nome do fornecedor. Devem ser estabelecidos procedimentos de manutenção preventiva e/ou preditiva para todas as ferramentas e equipamentos chaves dos processos. Registros de históricos e tabelas das manutenções preventiva e/ou preditiva devem ser documentados e disponibilizados para revisão. O fornecedor é responsável por estabelecer um sistema que assegure que as ferramentas, padrões, moldes e embalagens retornáveis sejam mantidos de maneira a garantir a integridade dos mesmos. Para aprovação das embalagens, retornáveis ou não, será utilizado o Formulário de Aprovação Preliminar de Embalagens (APE), conforme Anexo VI. Serão aceitos formulários próprios do fornecedor em substituição do APE desde que contenham as informações básicas de embalagem: Peso bruto (máx. 15 Kg); Embalagem e tampa com logomarca do fornecedor; Se a embalagem for KLT ou similar deve ser na cor azul; Nota fiscal das embalagens para controle e posterior retorno; Provisão de embalagens (quantidade no fluxo Taurus - Fornecedor). 15. GARANTIA Toda matéria prima, componente ou serviço tem período mínimo de garantia de 1 (hum) ano, e quaisquer problemas associados a não conformidade por falha de fabricação ou serviço deverá ser integralmente assumida pelo fornecedor. 16. GESTÃO DOS SUBFORNECEDORES Os fornecedores da Taurus deverão garantir a qualidade dos materiais e das peças recebidas de seus fornecedores aplicando um processo adequado de inspeção de materiais e monitoramento contínuo da qualidade dos mesmos. Com o propósito de desenvolvimento de subfornecedores, a conformidade com a Norma ISO 91 (revisão vigente) é recomendada. A Taurus reserva-se o direito de auditar os subfornecedores após notificação prévia. Entretanto, isto não absolve o fornecedor das responsabilidades perante seu subfornecedor Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

23 ANEXOS I. TERMOS E DEFINIÇÕES Alguns termos e definições são empregados pela Taurus em seu processo de relacionamento com seus fornecedores, adotando uma linguagem própria do seu ambiente de atuação: AQFT: Analista de Qualidade de Fornecedores Taurus Auditoria de 2ª parte: São auditorias realizadas pela Taurus nas instalações dos seus fornecedores para comprovar o atendimento aos requisitos de qualidade do produto, do processo e requisitos especificados em relação ao fornecimento. Auditoria de 3ª parte: São as Auditorias realizadas pelos Organismos nacionais de Certificação. Avaliação de PPAP/PPAPT: É a análise crítica e objetiva sobre as informações descritas em cada elemento do PPAP/PPAPT submetido. Descarte especial: Descarte de resíduo que tenha sua destinação controlada por lei ou órgão regulamentar, precisando de local adequado e licenciado para sua disposição final. Desomologação: Suspensão parcial ou total do fornecimento de componentes de um fornecedor cujo desempenho obtido foi abaixo do esperado. Especificações: Documento que prescreve os requisitos com o qual o produto ou o serviço deve estar em conformidade. FISPQ: Ficha de informação de segurança de produtos químicos. IDGF: Índice de Desempenho Global do Fornecedor Inspeção de Recebimento: Avaliação da conformidade do produto ou serviço no momento de sua entrega em relação aos requisitos estabelecidos. PPAP (Part Production Approval Process): Processo de Aprovação de Peça de Produção evidenciado por documentos submetidos pelo fornecedor ao cliente. Tem como objetivo a avaliação ou verificação do componente produzido conforme requisitos estabelecidos no Manual PPAP/AIAG (www.aiag.org). PPAPT: Processo de Aprovação de Peça de Produção Taurus evidenciado por documentos submetidos pelo fornecedor ao cliente. Tem como objetivo a avaliação ou verificação do componente produzido conforme requisitos estabelecidos no Manual de Requisitos de Fornecedores. Protótipo: Lote parcial do componente que informa se o mesmo atende às especificações de projeto. Qualificação: Processo de adequação do fornecedor para atender os requisitos de fornecimento estipulados pela Taurus. Sistema de Gestão: Estrutura implantada para gerenciar e melhorar continuamente as políticas, procedimentos e processos de uma organização. Submissão: Ato de envio de documentos técnicos e outras evidências ao cliente que comprovem a conformidade do item a ser fornecido. Verificação de PPAP: É a análise crítica e objetiva das informações descritas em cada elemento do PPAP submetido nas instalações do fornecedor, confrontando os dados enviados com a realidade dos fatos. Aplicável apenas para o Nível Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

24 II. FORMULÁRIO DE RNC RELATÓRIO DE OCORRÊNCIAS 1 FASE - IDENTIFICAÇÃO DA OCORRÊNCIA Registrado por: Setor: Data do registro: Identificado por: Local detecção: Data: Fornecedor/Cliente: Código do item: NF: Item: Quantidade total lote: I.L: CLASSIFICAÇÃO: Não Conformidade Oportunidade de Melhoria Observação ORIGEM: Sistema Processo Produto Cliente Fornecedor Descrição N : Responsável: Setor: Prazo para avaliação: Lotes suspeitos Local do estoque Quantidade Almoxarifado Processo Prod. Transporte Cliente Produto pronto Outras ações de contenção: N AÇÃO 2 FASE - PLANO DE CONTENÇÃO AÇÕES DE CONTENÇÃO (devolver, retrabalhar, selecionar, sucatear, abrir desvio) Setor E Q Responsável Assinaturas Aprovação Compras PCP Produção Prazo Conclusão (data/nome) Observações/ Instruções Especiais: Lotes suspeitos AÇÕES DE CONTENÇÃO PELO FORNECEDOR Local do estoque Fornecedor Quantidade (devolver, retrabalhar, selecionar, sucatear, abrir desvio) 3 FASE - ANÁLISE DA CAUSA RAIZ (Obs.: circular/marcar/colorir os pontos críticos ) Responsável: Setor: Prazo para análise: Participantes: DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO MEIO DE MEDIÇÃO MÁQUINA MÃO DE OBRA MATERIAL MÉTODO MEIO AMBIENTE Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

25 A - Por que o problema aconteceu? 1 Por que? 2 Por que? 3 Por que? 4 Por que? 5 Por que? B - Por que o problema não foi detectado? 1 Por que? 2 Por que? 3 Por que? 4 Por que? 5 Por que? N Tipo ação (C, P, I) DEFINIÇÃO DAS CAUSAS: usando 5 porque's 4 FASE - PLANO DE AÇÃO Tipo de ação: C=Corretiva, P=Preventiva, I=Investigativa) Ação Responsável Prazo Novo Prazo Conclusão (data/nome) Abrangência Padronização As ações corretivas/preventivas são extensivas a outros Durante a definição das ações, foi verificada a necessidade de alteração dos documentos listados produtos e/ou processos? Quais? abaixo, inclusive para os processos/ produtos citados na abrangência? Sim Não 1. Desenho de produto 5. Planos de inspeção 2. Roteiro de processo 6. Auxílio visual 3. PFMEA 7. Especificações técnicas 4. Instruções de trabalho 8. Outros Responsável: Setor: Prazo: Método de Verificação: 5 FASE - VERIFICAÇÃO DA EFICÁCIA DO PLANO DE AÇÃO Sim Não Plano de ação eficaz? Sim Não Responsável: Data: Observações Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

26 III. QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Fornecedor: Data: Endereço: Cidade/ UF/ País: Principais fornecedores: N de funcionários: Preenchido por: Favor, usar 'x' para completar SETOR NOME FONE/ RAMAL VENDAS QUALIDADE ENGENHARIA SUPRIMENTOS AVALIAÇÃO N req. QUESTÕES I GERAL % Não atende Parcialmente Atende Não aplicável EVIDÊNCIA OBJETIVA / COMENTÁRIOS Pontua ção A.1 A empresa possui licença de operação (LO) ou similar? (anexar cópia) II QUALIDADE % B A empresa possui ISO91 e/ou ISO TS 16494? (Se sim, favor enviar cópia do certificado. Se não, favor responder as questões a seguir) As funções dentro da empresa estão estabelecidas? (enviar B.1 organograma) Existem rotinas estabelecidas indicando "como fazer" as tarefas que B.2 afetam diretamente a qualidade do produto/ serviço realizado? Os pedidos de vendas são definidos e registrados claramente e as B.3 divergências com os clientes são resolvidas antes de sua aceitação? Os pedidos para aquisição de produtos/serviços são definidos B.4 claramente e registrados para se evitar qualquer dúvida/ erro no ato da Existe uma sistemática de manutenção/ calibração de equipamentos/ B.5 instrumentos utilizados como padrão primário? Existe uma sistemática de manutenção que garanta a continuidade B.6 operacional? São feitas inspeções/ ensaios no recebimento, durante o processo e B.7 nos produtos fornecidos (próprios ou no fornecimento de terceiros)? Existe uma sistemática que garanta que somente produtos aprovados B.8 em cada etapa de inspeção sejam utilizados nas etapas seguintes? Existe um sistema de tratamento de reclamações de clientes, visando B.9 eliminar as causas de anomalias? B.1 Existe uma sistemática para a tomada de ações corretivas? Existe uma sistemática para manuseio, armazenamento, preservação, B.11 embalagem e entrega de produtos fornecidos por sua empresa? Existe uma sistemática para levantamento das necessidades de B.12 treinamento e execução dos mesmos para as pessoas que realizam atividades que influenciem na qualidade do produto/ serviço? Existe controle para acompanhamento das programações de B.13 carregamento/ entrega? B.14 Existem serviços de assistência técnica ou pós-venda? III SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL % C A empresa possui OHSAS 18? (Se sim, favor enviar cópia do certificado. Se não, favor responder as questões a seguir) A empresa identificou e avaliou os perigos e riscos associados a seus C.1 serviços e suas atividades? C.2 A empresa identificou a legislação alicável? A empresa possui plano de gerenciamento de perigos/ riscos C.3 reconhecidos? A empresa acompanha seu desempenho através de indicadores C.4 reativos e pró-ativos? A empresa mantém plano de prontidão e atendimento de emergência a C.5 acidentados? A empresa possui procedimentos com orientação de segurança e saúde C.6 ocupacional? Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

27 IV MEIO AMBIENTE % A empresa possui ISO 141? (Se sim, favor enviar cópia do certificado. Se D não, favor responder as questões a seguir) A empresa identificou e avaliou os aspectos ambientais associados a D.1 seus produtos/ serviços e atividades? D.2 A empresa tem algum programa de educação ambiental? A empresa mantém ações de gerenciamento de seus aspectos D.3 ambientais associados a efluentes líquidos, atmosféricos e resíduos O acondicionamento dos produtos garante a conservação do meio D.4 ambiente (embalagens, critérios e condições gerais de A integridade física da embalagem é garantida durante os processos de D.5 expedição e transporte? A empresa possui plano de resposta e atendimento a emergências para D.6 o transporte de produtos perigosos? Realiza exercício de simulação deste plano? No caso de sua empresa se responsabilizar pelo transporte dos produtos fornecidos, é verificado se a transportadora contratada atende D.7 aos requisitos legais vigentes para transporte de produtos perigosos. (sinalização do veículo, kit de emergência, treinamento do condutor, V RESPONSABILIDADE SOCIAL % A empresa possui SA 18 ou ISO 16? (Se sim, favor enviar cópia do E certificado. Se não, favor responder as questões a seguir) E.1 A empresa possui código de ética definido e divulgado? A empresa respeita as leis, normas, acordos e regulamentos aplicáveis E.2 ao seu negócio? A empresa abomina a prática de pagamento de propinas visando E.3 contornar irregularidades? A empresa promove o desenvolvimento sustentado e interage de forma E.4 harmônica com as comunidades em que atua? A empresa possui um canal aberto à comunidade para receber dúvidas E.5 ou denúncias? A empresa é contra a prática do trabalho infantil e afirma não utilizar o E.6 mesmo? A empresa é contra a prática do trabalho forçado ou escravo e afirma E.7 não utilizar o mesmo? VI MANUFATURA % F.1 O plano de controle está atualizado e disponível? Todas as características principais e de segurança estão contempladas F.2 e identificadas nos planos de controle disponíveis na fábrica? F.3 Existem especificações do produto a ser produzido (desenhos, ITs, etc.)? F.4 Existe frequência de inspeção definida durante o processo? São utilizados controles estatísticos (CEP) para monitoramento dos F.5 processos? Existem áreas e recipientes apropriados e identificados para refugo e F.6 retrabalho? A empresa possui sistemática de manutenção preditiva e preventiva F.7 implementada? Existem investimentos para otimização, atualização e/ou ampliação das F.8 instalações industriais? F.9 Existe coleta seletiva de materiais para reciclagem? As instalações, áreas de trabalho, equipamentos, móveis e objetos F.1 apresentam-se bem conservados e limpos? O ambiente de trabalho é adequado à saúde humana (iluminação, F.11 etc.)? É evidente a consciência dos funcionários da empresa quanto ao uso de F.12 EPI's? Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

28 I MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES VII COMERCIAL % G.1 A empresa é transparente em relação aos seus custos? G.2 Existe na empresa um programa de redução de custos? A empresa analisa os pedidos dos clientes, considerando G.3 características dos produtos e quais recursos necessários para o atendimento destes pedidos dentro do prazo combinado? VIII LOGÍSTICA % H.1 A empresa tem capacidade para atender novas demandas? A empresa possui um sistema para planejamento e controle da H.2 produção ou do estoque (distribuidor/revendedor)? A empresa possui um sistema para controle dos produtos que estão H.3 sendo enviados para a Taurus (do faturamento ao recebimento)? H.4 O serviço de logística é próprio? Pontuação total (%) % Resultados por requisito da norma 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% Atende Parcialmen te Não atende Resumo dos requisitos: I GERAL II QUALIDADE III SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL IV MEIO AMBIENTE V RESPONSABILIDADE SOCIAL VI MANUFATURA VII COMERCIAL VIII LOGÍSTICA 2% 1% % II III IV V VI # Requisitos VII VIII Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

29 IV. PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE CUSTOS PRC FORNECEDOR: RECUPERAÇÃO DE CUSTOS IDENTIFICAÇÃO Data: PRC n : CONTATO: FONE: N RNC: ITEM: CÓDIGO DO ITEM: NF: DESCRIÇÃO DOS CUSTOS ORIGEM DO CUSTO Seleção Retrabalho interno Retrabalho externo Desvio Parada de linha Descarte CUSTOS GERADOS VALORES OBSERVAÇÕES CUSTO DE SELEÇÃO E/OU RETRABALHO NA TAURUS Custo fixo de desvio (cada) Quantidade de desvios R$ 1, 1 Multa recebida por parada de linha R$ 1, Quantidade de peças descartadas 1, Custo unitário por peça descartada R$ 1, Custo de descarte (químicos, etc.) R$ 1, Quantidade de horas homem 1, Custo horas homem R$ 1, Custo de seleção por terceiro R$ 1, Custo de frete especial R$ 1, Despesas de viagem R$ 1, Custo de matéria-prima Outro: Subtotal Geral Custos Administrativos (+ 2%) TOTAL CUSTOS R$ 8, R$ 1, R$ 16, R$ 3,2 R$ 19,2 Nome do responsável: Assinatura: Data: Observações: NOTA: 1. O custo de infraestrutura para seletivo/retrabalho nas instalações da Taurus compreende: uso das instalações, luz, água, instrumentos de medição, bancadas de testes, pessoal de apoio técnico, etc.; 2. O custo de infraestrutura por solicitação de desvio compreende a utilização de horas-homens das áreas de Qualidade, Engenharia, Produção, etc.; 3. É de responsabilidade do fornecedor contratar diretamente os serviços de seletivos e/ou retrabalhos de empresas credenciadas, bem como realizar os acertos comerciais necessários; 4. Para os itens 1, 2 e 3 os custos são cumulativos, conforme a ocorrência do evento; 5. É de responsabilidade do AQFT a elaboração do Formulário de Recuperação de Custos; 6. O fornecedor será notificado dos encargos acima pelo Departamento de Compras da Taurus e deverá enviar o aceite em até 1 (dez) dias após o recebimento da notificação; 7. O fechamento do processo de recuperação de custos, quando aplicável, será realizado diretamente com o Departamento de Compras da Taurus Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

30 V. PROCEDIMENTO DE PPAP 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo formalizar as atividades do Processo de Aprovação de Peças de Produção - PPAP. 2. ABRANGÊNCIA O procedimento aplica-se de forma integral a todos os componentes fornecidos, sejam eles desenvolvidos pela TAURUS ou pelo fornecedor. 3. REFERÊNCIAS Manual de Requisitos de Fornecedores Manual de Referência APQP e Plano de Controle Edição vigente da AIAG Manual PPAP Edição vigente da AIAG Manual FMEA Edição vigente da AIAG Manual CEP Edição vigente da AIAG 4. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES O Processo de Aprovação de Peça de Produção (PPAP) define os requisitos para aprovação das peças de produção e tem como objetivo determinar se todos os registros de projetos de engenharia e requisitos de especificação do cliente são propriamente entendidos pelo fornecedor, bem como se o processo de manufatura tem capacidade de produzir produtos que satisfaçam de forma consistente estas exigências. Este documento torna-se vigente e obrigatório para todos os PPAPs recebidos após 15 de janeiro de 214, salvo exceções previamente autorizadas pela Taurus. 5. RESPONSABILIDADES Os fornecedores deverão submeter o PPAP sempre que for solicitado pelo Analista de Qualidade de Fornecedores da Taurus (AQFT). O AQFT deverá enviar ao fornecedor os formulários padrão utilizados na elaboração do PPAP, bem como informará o nível de submissão necessário. 6. SUBMISSÃO DO PPAP A organização deve obter aprovação do cliente para: a) Produto novo; b) Correção de discrepâncias em alguma peça previamente submetida; Rev: 2 Data: 13/5/214 3 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

31 c) Modificação do produto por alterações de engenharia nos registros do projeto, especificações ou materiais; d) Qualquer alteração em relação ao PPAP previamente enviado (por exemplo: alteração no processo de fabricação, ferramentas, matrizes, moldes, materiais/matérias-primas, dispositivos, equipamentos, layout, fornecedor de matéria-prima e/ou componentes/subcomponentes, método de teste, cor, alteração de local de fabricação, ferramental novo ou adicional); e) Ferramental inativo durante 12 meses ou mais. 7. REQUISITOS DO PPAP O PPAP deve atender aos seguintes requisitos, conforme Manual do PPAP Edição vigente da AIAG, sempre que aplicável: 7.1. LOTE SIGNIFICATIVO DE PRODUÇÃO Para peças de produção o lote significativo deve ser de uma a oito horas de produção, e apresentar produção de no mínimo 3 peças sucessivas, sendo que as mesmas devem ser produzidas no ambiente de produção, incluindo os operadores, instalações, ferramentais, equipamentos, dispositivos de medição e taxa de produção. Para materiais a granel nenhum número específico de peças é requerido. A amostra submetida deve ser colhida de forma a assegurar que seja representativa do processo REGISTROS DO PROJETO São definidos como registros de projetos de produto os desenhos e especificações técnicas enviadas pela área comercial do fornecedor. Deve haver um único registro de projeto para cada produto/peça, incluindo registro para componentes ou detalhes. Os registros de projeto devem conter todas as informações necessárias para a realização do produto. No caso de aplicação de normas técnicas, o fornecedor deve assegurar que as mesmas encontram-se atualizadas RELATÓRIO DE COMPOSIÇÃO DE MATERIAL DA PEÇA Deve-se fornecer evidência de que o relatório da Composição do Material/ Substância esteja sendo preenchido corretamente e reportado ao cliente e que o mesmo atenda todos os requisitos específicos MARCAÇÃO DE PEÇAS POLIMÉRICAS Devem ser marcadas as peças plásticas acima de 1g (conforme ISO 11469/143-1) e as peças elastoméricas pesando pelo menos 2g (conforme ISO 11469/1629) DOCUMENTOS DE AUTORIZAÇÃO DE ALTERAÇÃO DE ENGENHARIA O fornecedor deve possuir documento de autorização do cliente para qualquer alteração nos registros de engenharia já incorporada ao produto/processo, porém ainda não registradas APROVAÇÃO DE ENGENHARIA DE CLIENTE Onde especificado, deve-se evidenciar a aprovação de engenharia do cliente. Aplicado quando o fornecedor for responsável pelo projeto do produto Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

32 7.7. FMEA DE PROJETO (DFMEA) Um FMEA de projeto de produto deve ser desenvolvido pelo Departamento de Engenharia, com o auxílio de uma equipe multidisciplinar, de acordo e em conformidade com os requisitos específicos do cliente. O DFMEA pode ser único ou por família e é feito conforme seu manual de referência em sua revisão vigente. Aplicado apenas quando o fornecedor for responsável pelo projeto do produto NPR Ações Recomendadas Devem ser definidas ações para todos os itens que apresentarem severidade superior ou igual a 7. Também deverão ser definidas ações para os 5 maiores NPR s encontrados. Para cálculo do NPR serão atribuídos diferentes pesos para os itens severidade, ocorrência e detecção, conforme segue: NPR = [,5 x Severidade (S)] + [,3 x Ocorrência (O)] + [,2 x Detecção (D)] O fornecedor poderá definir ações para os demais NPR s encontrados, sempre que considerar pertinente DIAGRAMA DE FLUXO DE PROCESSO Cada produto, ou família de produtos, deve ter um Fluxograma de Processo que descreva todas as etapas do processo, indicando claramente sua sequência, inclusive operações como recebimento de matéria prima, movimentação, armazenagem, embalagem, transporte e expedição do produto. Os processos externos (terceirizados) como tratamento térmico, tratamento superficial, usinagem, etc., não fazem parte do fluxograma do processo em questão FMEA DE PROCESSO (PFMEA) Um FMEA de processo deve ser desenvolvido pela Engenharia de Processo, com o auxílio de uma equipe multidisciplinar, de acordo e em conformidade com os requisitos específicos do cliente e com o manual de referência de FMEA em sua revisão vigente. O PFMEA pode ser único ou por família. Todas as etapas do processo descritas no Fluxograma devem ser abordadas no FMEA de Processo. As características especiais devem estar devidamente identificadas na coluna de classificação PLANO DE CONTROLE O plano de controle define todos os métodos usados para o controle do processo e deve atender os requisitos específicos do cliente. Pode ser elaborado por família, desde que seja feita uma análise crítica da familiaridade dos produtos/processos. Todas as etapas do processo descritas no Fluxograma devem ser abordadas no Plano de Controle, contemplando uma descrição de todos os sistemas para controle de características de produto e processo ESTUDOS DE ANÁLISE DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO (MSA) Os estudos de análise dos sistemas de medição aplicáveis devem ser feitos para todos os dispositivos/equipamentos de medição e ensaios novos ou modificados que sejam utilizados para medir/analisar características do produto. Por exemplo: estudo de R&R, tendência, linearidade e estabilidade. Os critérios de aceitação são especificados no Manual do MSA Edição vigente da AIAG RESULTADOS DIMENSIONAIS Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

33 A organização deve fornecer evidência das verificações dimensionais requeridas pelo Registro de Projeto e pelo Plano de Controle, indicando a conformidade com os requisitos especificados. Todas as dimensões (exceto as de referência) devem ser medidas e registradas, assim como devem ser elaborados relatórios dimensionais para cada processo específico da manufatura. Cada registro dimensional deve conter a data do registro do projeto, nível de alteração e qualquer documento de autorização de alteração de engenharia, nível de alteração, data do desenho, nome da organização e número da peça em todos os documentos auxiliares. Uma das peças medidas deve ser identificada como amostra padrão e armazenada. Relatórios dimensionais que contenham especificações dimensionais diferentes das informações contidas nos Registros de Projeto ou Documentos de alteração de engenharia podem implicar na rejeição do PPAP RESULTADOS DE ENSAIO DE MATERIAL A organização deve apresentar registros de ensaios para todos os materiais de componentes e/ou produtos onde requisitos químicos, físicos e metalúrgicos forem especificados no projeto e Plano de Controle. O relatório deve incluir o nível de alteração do registro de projeto, qualquer documento de autorização de alteração de engenharia, número, data e nível de alteração das especificações nas quais o produto foi testado, bem como a data do teste, a quantidade analisada e o nome do fornecedor de material. Relatórios de ensaios de material que contenham especificações diferentes das informações contidas nos Registros de Projeto ou Documentos de alteração de engenharia podem implicar na rejeição do PPAP RESULTADOS DE ENSAIO DE DESEMPENHO Sempre que houver requisitos funcionais ou de desempenho no registro do projeto, devem ser realizados ensaios em todos os materiais de peça ou produto. Os registros dos ensaios devem incluir o nível de alteração do registro de projeto, qualquer documento de autorização de alteração de engenharia, número, data e nível de alteração das especificações nas quais o produto foi ensaiado, bem como a data do teste e a quantidade analisada ESTUDOS INICIAIS DO PROCESSO O nível de capabilidade ou desempenho inicial do processo deve ser determinado como aceitável, antes da submissão, para todas as Características Especiais definidas. Em acordo com o cliente, a Engenharia de Processo deve estimar a capabilidade inicial do processo antes da submissão. Os estudos iniciais são de curto prazo e deve-se coletar e analisar os dados na sequência produzida, usando cartas de controle. Para características que podem ser estudadas utilizando gráficos X-barra e R, o estudo, sempre que possível, deve ser baseado em um mínimo de 25 subgrupos, que contenham pelo menos 1 leituras de peças significativas do Lote Significativo de Produção. Os estudos iniciais do processo devem ser resumidos com índices de capabilidade e desempenho, quando aplicável. O Cpk pode ser calculado quando o processo é estável, já o Ppk deveria ser usado para processos com causas especiais conhecidas e previsíveis e saída do processo atendendo especificações. A organização deve usar o seguinte critério de aceitação para avaliar os resultados de estudo inicial de processo: Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

34 Índice > 1,67: processo atende o critério de aceitação. 1,33 > Índice > 1,67: processo aceitável. Índice <1,33: processo não atende o critério de aceitação. Processos instáveis: Um processo instável pode não atender os requisitos do cliente e deve ser identificado, avaliado e, quando possível, eliminar as causas especiais de variação antes da submissão do PPAP. Deve-se comunicar e submeter ao cliente um plano de ação corretiva para os processos instáveis antes da submissão. Processos com especificações unilaterais ou distribuições não normais: Em conjunto com o cliente, devemse determinar critérios de aceitação alternativos para estes casos. Ações a serem tomadas quando o critério de aceitação não é satisfeito: se até a submissão do PPAP o critério de aceitação não for satisfeito, deve-se submeter um plano de ação corretiva e um Plano de Controle modificado, normalmente com inspeção 1% até que os critérios de aceitação sejam atingidos ou o cliente envie a aprovação DOCUMENTAÇÃO DE LABORATÓRIO QUALIFICADO Inspeções e ensaios devem ser realizados por um laboratório qualificado (interno ou externo à organização), o qual deve ter o escopo e documentação de laboratório demonstrando a qualificação. Quando for utilizado um laboratório externo os resultados dos ensaios devem ser submetidos em papel timbrado do laboratório ou no formato de relatório normal do laboratório. O nome do laboratório, data do ensaio e normas utilizadas devem ser identificados RELATÓRIO DE APROVAÇÃO DE APARÊNCIA (RAA) Um RAA deve ser preenchido separadamente para cada peça ou série de peças se o componente/produto tiver requisitos de aparência no registro de projeto AMOSTRAS DE PEÇAS DE PRODUÇÃO Amostras de produto devem ser fornecidas ao cliente, conforme especificações do mesmo AMOSTRAS PADRÃO Deve-se reter uma amostra padrão (devidamente identificada) pelo mesmo período dos registros do PPAP ou até que uma nova amostra padrão seja produzida. A não ser que especificado de forma diferente pelo cliente, deve-se ter uma amostra padrão para cada posição de múltiplas cavidades, molde, ferramenta ou matriz ou processo de produção. Esta amostra deve ficar a disposição da Taurus para eventuais necessidades de comparação. Deve-se obter derroga do cliente quando for inviável armazenar uma amostra padrão, como, por exemplo, devido ao seu tamanho AUXÍLIOS DE VERIFICAÇÃO Tratam-se das inspeções por atributo que requerem o emprego de Auxílios de Verificação, tais como: dispositivos, calibres de rosca, modelos, moldes, etc. Se requerido pelo cliente, devem ser anexados à documentação de PPAP os registros de certificação que indicam que o auxílio de verificação encontra-se conforme os requisitos dimensionais da peça REQUISITOS ESPECÍFICOS DO CLIENTE Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

35 Devem-se armazenar os registros de conformidade a todos os requisitos específicos do cliente CERTIFICADO DE SUBMISSÃO DE PEÇA (PSW) Com a conclusão de todos os requisitos do PPAP, o PSW deve ser preenchido, individualmente para cada número de peça do cliente, a não ser que acordado de outra forma com o cliente. Trata-se do formulário de submissão e laudo do PPAP, que indica o nível e a razão da submissão, os resultados da submissão. Se as peças/produtos forem produzidos em mais de uma cavidade, molde, ferramental, modelo, matriz ou processo de produção (linha ou célula, por exemplo), deve-se completar a avaliação dimensional em uma peça de cada. As específicas cavidades, moldes, etc. devem ser identificados no campo Molde/Cavidade/Processo de Produção do certificado PSW ou em um anexo. O peso da peça/produto deve ser registrado em kg e com 4 casas decimais (,). Este peso é definido após pesar 1 peças individualmente e aleatoriamente selecionadas. Reportar o peso médio. 8. NÍVEIS DO PPAP Existem 5 níveis de submissão de PPAP (Tabela 1), onde o cliente informa através do Manual de Requisitos para Fornecedores ou outro meio de comunicação, qual o nível requerido. Quando não houver informação especificada, considera-se o Nível 3. Requisito Níveis de Submissão Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 1 Registro do Projeto R S S * R - Para componentes proprietários/detalhes R R R * R - Para todos os outros componentes/detalhes R S S * R 2 Documentos de Alteração de Engenharia, se houver. R S S * R 3 Aprovação de Engenharia do Cliente, se exigido. R R S * R 4 FMEA de Projeto (DFMEA) R R S * R 5 Diagramas de Fluxo de Processo R R S * R 6 FMEA de Processo (PFMEA) R R S * R 7 Plano de Controle R R S * R 8 Estudo de Análise dos Sistemas de Medição (MSA) R R S * R 9 Resultados Dimensionais R S S * R 1 Resultados de Ensaios de Material/Desempenho R S S * R 11 Estudos Iniciais do Processo R R S * R 12 Documentação de Laboratório Qualificado R S S * R 13 Relatório de Aprovação de Aparência (RAA), se aplicável S S S * R 14 Amostra de Produto R S S * R 15 Amostra Padrão R R R * R 16 Auxílios de Verificação R R R * R 17 Registros de Conformidade com Requisitos Específicos do Cliente R R S * R 18 Certificado de Submissão de Peça (PSW) S S S S R Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

36 Tabela 1 Requisitos de PPAP e níveis de submissão (Fonte: Manual PPAP AIAG) Legenda: S: Submeter ao cliente e reter uma cópia dos registros ou itens de documentação em locais apropriados. R/*: Reter em locais apropriados e manter prontamente disponível ao cliente sempre que pedido. A Taurus define os seguintes níveis de PPAPs para seus fornecedores: Nível 1: Fornecedores de material a granel Nível 3: Componentes/matérias-primas/insumos que impactem na qualidade/funcionalidade Nível 5: Itens de segurança Embalagens, etiquetas, rótulos, saco plásticos, entre outros não necessitam de submissão. O PPAP deve ser submetido por item fornecido, independente do nível de montagem do mesmo, porém a Taurus se reserva no direito de a qualquer momento, conforme necessidade, solicitar PPAP para qualquer componente. 9. STATUS DO PPAP Após enviar (por meio físico ou eletrônico) o PPAP à Taurus, o mesmo poderá ser aprovado, aprovado condicional ou reprovado. Quando o PPAP for aprovado, indica que o produto, incluindo todos os subcomponentes, atende todos os requisitos do cliente. Esta aprovação autoriza o envio do produto em escala de produção, que será tratado pelos setores comerciais, mediante pedido do cliente. A aprovação condicional permite o fornecimento do produto por um tempo limitado ou para uma determinada quantidade de peças. Esta aprovação interina pode ser prorrogada pelo cliente ou, solucionando-se as pendências, aprovada em definitivo. Se o PPAP for reprovado, significa que o produto não atende os requisitos do cliente, com base no lote de produção em que foi baseado e na documentação enviada. Devem-se realizar as correções necessárias, conforme apropriado, para atender os requisitos do cliente e um novo PPAP deverá ser submetido no prazo informado. 1. RETENÇÃO DOS REGISTROS Os registros do PPAP, que podem ser físicos e/ou eletrônicos, independente do nível de submissão e devem ser mantidos pelo período em que a peça estiver ativa mais um ano calendário. Deve ser assegurado que registros apropriados do PPAP de uma peça obsoleta sejam incluídos ou referenciados no novo PPAP da peça Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

37 VI. APROVAÇÃO PRELIMINAR DE EMBALAGENS APE Unidade ATENÇÃO: FTSA ANÁLISE PRELIMINAR DE EMBALAGENS APE Este documento deve ser preenchido eletronicamente ( inserir os dados nesta matriz ) e devolvido por para nossa análise e posterior encaminhamento do resultado ao arquivo de PPAP. Nº Data Fornecedor: Empresa Analista Responsável Fone Peça / Material Projeto Nome da Peça: FAX: Sistema: Assinatura: PN do item Qtd. Peças por arma Embalagem Preliminar Final Retornável Descartável Primária ( menor embalagem ) Dimensões (mm) Comprimento Largura Altura Quantidade de Peças por embalagem Peso Bruto (Kg) Empilhamento Máximo Secundária ( Embalagem que acomoda a embalagem primária): Sim Não Dimensões (mm): Comprimento Quantidade de Embalagens primárias por Embalagem Secundária Empilhamento Máximo Quantidade total de peças por embalagem Secundária Altura Largura Peso Bruto (Kg) Peso Bruto Total (kg) Terciária ou de Transporte ( ex.: rack, container ou pallet) Sim Não Dimensões (mm): Comprimento Altura Quantidade de Embalagens primárias por Embalagem Secundária Largura Peso Bruto (Kg) Empilhamento Máximo Quantidade total de peças por embalagem Terciária Peso Bruto Total Descrição suscinta da Embalagem ( Tipo, Material, Desmontável, etc.. ): Frete: CIF FOB EX-WORKS Responsabilidade da Embalagem: Provedor Logístico TAURUS Fornecedor Custo da Embalagem por peça (R$) Meio de Transporte: - Custo do Frete por peças (R$): - Rodoviário Aéreo Ferroviário Marítimo/Fluvial Laudo da Embalagem: Aprovada Reprovada Recomendações Comentários Data Responsável Assinatura Revisão : 2/1/ Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

38 Unidade FTSA ANÁLISE PRELIMINAR DE EMBALAGENS APE Nº Data Fornecedor: Empresa Sistema: Analista Responsável Assinatura: Fone FAX: Peça / Material Projeto PN do item Nome da Peça: Qtd. Peças por arma Foto da embalagem: Revisão : 2/1/ Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

39 ANÁLISE PRELIMINAR DE EMBALAGENS APE Unidade FTSA Nº Data Ergonomia Projetar a embalagem de forma ergonômica para facilitar o manunseio e a movimentação. As embalagens devem ser leves e resistentes, propiciando condições ideais de ergonomia, devendo pesar no máximo 15 Kg por embalagem, no caso de abastecimentos manuais. Qualidade A embalagem deve proteger a peça durante todo o processo de transporte, assegurando que a peça chegue em seu destino em perfeitas condições de uso evitando rejeições causadas por danos no transporte. As embalagens devem proteger as peças contra interpéries tais como: oxidação, poeira, contaminação etc. As embalagens devem ser suficientemente seguras para evitar acidentes Logística As quantidades de peças por embalagem devem ser padronizadas e garantidas. Utilizando-se do conceito de Standard Pack facilitando a contagem física das peças. Máxima densidade de peças por embalagem para se obter menor custo de transporte. Se possível, as embalagens devem ser proporcionais à carroceria do caminhão para se obter a melhor utilização cúbica no transporte. As embalagens devem ser construídas e / ou dispostas de tal forma que possibilitem obtermos um bom empilhamento máximo para podermos fazer uma boa utilização das três dimensões no armazenamento de materiais. As embalagens retornáveis se possível devem ser desmontáveis para reduzir custo de frete de retorno ou projetadas de tal forma que no retorno possibilite transporte de outra peça. Utilizar etiquetas de identificação contendo nome da peça, código da peça, fornecedor, código de barra (padrão TAURUS). As embalagens e seus acessórios devem ser retornáveis, devendo ser construídas em material reciclável. No caso das embalagens não retornáveis, os custos de descarte destes resíduos serão por conta do fornecedor. De acordo com nossa política ambiental, a TAURUS propõem-se a diminuir o volume de resíduos gerados, visando sempre sua responsabilidade com o Meio Ambiente. Revisão : 2/1/ Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

40 Unidade FTSA ANÁLISE PRELIMINAR DE EMBALAGENS APE Nº Data MODELOS DE ETIQUETA Revisão : 2/1/ Rev: 2 Data: 13/5/214 4 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

41 VII. APROVAÇÃO DE DERROGAS ESPECÍFICAS Rev: 2 Data: 13/5/ de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE DE DOALPLASTIC INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. MATRIZ: AVENIDA DIRCEU DIAS CARNEIRO, 151 DISTRITO INDUSTRIAL II - CEP 13457-198 SANTA BÁRBARA D' OESTE - SP - BRASIL FILIAL: AVENIDA MAESTRO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 APLICAÇÃO... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES... 3 3.1 Empresas Certificadas... 4 3.2 Empresas não Certificadas... 4 3.3 Avaliação

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES LS 0082 Manual de Fornecedores 1 de 50 04.12.2013 Sumário INTRODUÇÃO... 5 DIRETRIZES DO FORNECEDOR... 6 CONTRATOS STIHL... 6 OBJETIVOS... 7 GESTÃO DA QUALIDADE... 8 1. SISTEMA DE

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 17 M.DIR. 02-02 Premissa 02 17 M.DIR. 02-03

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

5ª Edição Janeiro de 2008.

5ª Edição Janeiro de 2008. EMPRESAS RANDON MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 5ª Edição Janeiro de 2008. Apresentação 4 1 - Introdução 5 1.1 Escopo 5 1.2 Objetivo Geral 5 2 - Aprovação de Fornecedores e Planejamento da Produção

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR OBJETIVOS A FlexLink exige que todos os fornecedores desenvolvam sistemas com base nos Padrões Internacionais (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS18001) tendo como objetivo a melhoria contínua

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 21; Revisado em Dezembro/ 2015 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª REVISÕES Edição Data Alteração da Revisão 1.ª 19/12/2003 Emissão Inicial 2.ª 19/08/2004 Adequação 3.ª 23/12/2004 Adequação 4.ª 01/05/2006 Reedição do Manual 5.ª 02/01/2008 Reedição do Manual 6.ª 01/03/2011

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7 Sumário 1. Mensagem ao Fornecedor...- 2-2. Política da Qualidade...- 2-3. Objetivo do manual...- 2-4. Aplicação...- 3-5. Definições...- 3-6. Confidencialidade...- 3-7. Requisitos Gerais...- 4-8. Verificação

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP 12.730-900 Cruzeiro-SP Fone : (12) 3184-1000 Fax.: (12) 3144-0247 Este Manual foi

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR Página: 1/21 MANUAL DO FORNECEDOR 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 3 PRÉ-REQUISITOS PARA FORNECIMENTO... 4 4 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS FORNECEDORES... 6 5 AMOSTRAS INICIAIS...

Leia mais

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz MANUAL DO FORNECEDOR INTRODUÇÃO Este manual tem por objetivo principal informar à cadeia de fornecedores os procedimentos e processos internos operacionais que viabilizam a avaliação de desempenho dos

Leia mais

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES Pág.: 1/10 1. OBJETIVO Definir os procedimentos operacionais relativos às normas gerais de produção e envase de produtos formulados na TERRA NOSSA, desde a emissão da ordem de produção até a entrega do

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO Página: 1 de 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. AUDITORIA DA ORGANIZAÇÃO 5. AÇÕES CORRETIVAS IDENTIFICADAS DURANTE AS AUDITORIAS 6. CERTIFICAÇÃO E USO DO LOGOTIPO

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

PROCEDIMENTO. O treinamento será efetuado com a ajuda de vídeos e fotos ilustrativas, além de seguir o cronograma estabelecido conforme anexo II.

PROCEDIMENTO. O treinamento será efetuado com a ajuda de vídeos e fotos ilustrativas, além de seguir o cronograma estabelecido conforme anexo II. PROCEDIMENTO MSL - 001 Página 1 de 7 EDIÇÃO 12/03 Título: Concessionárias Adaptação do Eixo Veicular Auxiliar (AEVA) Rev.: 02 Data: 05/15 Emitido Por Verificado Verificado Aprovado Nome Marcos de Bortoli

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF)

Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF) PROCEDIMENTO SL - 002 Página 1 de 6 EDIÇÃO 11/12 Título: Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF) Rev.: 00 Data: 11/12 Emitido Por Verificado Verificado Aprovado Nome Marcos

Leia mais

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Supplier Development Dana Holding Corporation LLC Agosto 2012 SUMÁRIO i. INTRODUÇÃO... 4 ii. CONDUTA EMPRESARIAL... 5

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX Denominação: Tratamento de não conformidades, ações corretivas e preventivas PG.SMS.015 SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática utilizada na identificação, registro e

Leia mais

Histórico das Revisões

Histórico das Revisões PSQM-DO-007 05 Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 1/15 Histórico das Revisões Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica/Aprovação Data 01 Emissão Inicial Assessora da Qualidade Executivo

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES MANUAL PARA FORNECEDORES Regras para Seleção, Qualificação e Monitoria dos Fornecedores. Regras para Desenvolvimento de Produtos Regras para Aprovação do Produto e do Processo Edição 01 Outubro de 2011

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563. MANUAL DA QUALIDADE PARA CORPORATIVO C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.694/0001-92 - Inscrição Estadual:

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 07 01/12/2011 01/12/2011 APROVADO POR Marcio Adriano Franco SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Requisitos e diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente, conforme padrões definidos pelas normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004 e pela

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

MANUAL DE DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

MANUAL DE DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES MANUAL DE DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES 1 Mensagem ao fornecedor A palavra parceria tem como uma das suas definições: reunião de indivíduos para certo fim com um objetivo em comum. Nesse contexto, a

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES Versão: b Manual de Fornecedores 1 de 56 PREFÁCIO Este Manual de Fornecedores está dividido em oito blocos, conforme destacado a seguir: Gestão da Qualidade Desenvolvimento Auditorias

Leia mais

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Na busca contínua da melhoria da Qualidade, a SMIDDA preparou e aprovou este

Leia mais