Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor"

Transcrição

1 Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1

2 Sumário 1. Apresentação Generalidades Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP) Definição Objetivo Requisitos do Processo PAPP Fornecedores da Base Óleo e Gás Lote significativo de produção Requisitos do PAPP Notificações a Rossini Murta e Requisitos de Submissão Notificação a Rossini Murta Submissão a Rossini Murta Submissões a Rossini Murta Níveis de evidência Níveis de Submissão Requisitos para aprovação da peça Identificações das Amostras Submissão das Amostras Relatórios de Composição do Material da Peça Documentação de Laboratório da Qualificado Amostras de Peças de Produção Amostras Padrão Auxílios de Verificação Peso da Peça

3 4 Condições gerais de fornecimento Exigência para fornecimento Processo de Homologação Cumprimento de Confidencialidade Cumprimento de Regulamentações Governamentais Procedimento para Compra Cadastramento do Fornecedor Solicitação de Compra Condições de Pagamento Revisão de Especificação Técnica (Rossini Murta Solicitação de Desvio) Sistemática Rossini Murta para Controle de Recebimento na Planta do Fornecedor Tratamento de não conformidade Classificação das Não-Conformidades Regras para abertura de SAC s Fundidos e Forjados (Porosidades): Regras para abertura de SAC s em Geral (Incluindo Fundidos) Regras para abertura de SAC s em Geral (Base Óleo e Gás) Não conformidades prazo para respostas Retrabalho / Seleção Problemas detectados no cliente da Rossini Murta Embarque Controlado Determinação da necessidade para a atividade de Embarque Controlado Como será Implementado o embarque controlado: Critério de Saída do Embarque Controlado: Assistência Técnica Apresentação de Trabalhos de Melhorias Características especiais ou significativas Plano de Contingência:

4 8 Desempenho de Entrega: Meta para Desempenho de entrega Cálculo para desempenho de entrega Inspeção de Layout: Regulamentações Governamentais e Requisitos Estatuários: Identificações e Rastreabilidade das Peças Rossini Murta (Industrialização e Serviços Externos) Identificação Acondicionamentos, Transportes e Riscos Plano de Embalagem Embalagens e Acondicionamento Embalagens Rossini Murta Monitoramento dos Fornecedores Índice de Satisfação da Qualidade (ISQ) Índice da Qualidade de Pontualidade (IQP) Índice do Sistema da Qualidade SGQ Índice do Sistema da Qualidade SGQ (Base Óleo e Gás) Auditoria em Fornecedores: PPM Classificação do Fornecedor Classificação do Fornecedor Base Óleo e Gás: Fornecedores de Transportes Fornecedores de Calibração Referências Contatos da Rossini Murta

5 1. Apresentação A Rossini Murta Indústria Metalúrgica Ltda. tem como visão ser reconhecida no mercado por seu caráter inovador e filosofia, pautada na integridade, competência, independência e liberdade de expressão. Estes mesmos princípios são seguidos na conduta de valores e a Rossini Murta busca poder traduzí-los com transparência. Dessa forma buscamos o aprimoramento contínuo dos nossos processos, pois acreditamos que somente desta maneira poderemos manter e ampliar a satisfação de nossos clientes, colaboradores e comunidade. A cadeia de fornecedores é parte fundamental na estratégia de sustentação e desenvolvimento dos nossos negócios, através do pleno atendimento às demandas de qualidade, entrega e custo. 2. Generalidades A sistemática de avaliação de fornecedores Rossini Murta visa garantir que apenas os fornecedores conscientes, no se diz respeito à importância da função da qualidade, meio-ambiente e segurança (quando aplicável) e que possuam ou busquem um Sistema de Gestão da Qualidade de acordo com as normas ISO 9001:2008 e ISO/TS sejam incluídos na Relação de Fornecedores Aprovados Rossini Murta. Os subcontratados atuais, para manter o status de aprovado deverão manter desempenho igual ou superior aos exigidos durante a avaliação inicial, fornecer cópia atualizada dos certificados ISO 9001:2008 e ISO/TS16949:2009, cópia do cronograma de implantação e quando solicitado, permitir avaliações por parte da Rossini Murta ou de seus clientes em suas instalações e histórico de fornecimento. 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP) Definição O Processo de Aprovação de Peça de Produção - PAPP define requisitos para aprovação das peças, através da produção de um lote no qual a quantidade e os requisitos específicos deverão ser pré-definidos pela Rossini Murta, quando não definidos deverão ser atendidas às especificações do manual de PAPP. O fornecedor deve utilizar recursos planejados para produção seriada, esse processo engloba desde as etapas de elaboração da documentação, produção das amostras, submissão até a aprovação. Para que o fornecedor atinja o regime de fornecimento normal é obrigatório que o PAPP seja aprovado, em definitivo ou condicional. Caso o mesmo forneça como condicional deve apresentar um plano de ação, conforme FM-14-03, para concluir a aprovação. 5

6 3.2 - Objetivo O PAPP tem como objetivo verificar se no momento da confecção do produto ou do serviço prestado, o fornecedor tenha compreendido e atingido todas as especificações do mesmo, sejam elas técnicas ou burocráticas e ainda dentro do prazo e quantidade estabelecida. 3.3-Requisitos do Processo PAPP O PAPP que nos será enviado deve ser composto de acordo com o nível de submissão definido pela Rossini Murta, lembrando que independente do nível da submissão todos os documentos devem ser elaborados conforme manual de PAPP. Os que não forem requisitados deve ficar retidos no fornecedor, lembrando que os mesmos podem ser requisitados a qualquer momento Fornecedores da Base Óleo e Gás. O Book que nos será enviado deverá ser composto de acordo com o pedido de Compras Rossini Murta / normas e VGS s, conforme IT Recebimento de Matéria Prima Base óleo e Gás Lote significativo de produção A quantidade de peças a serem produzidas no lote de PAPP, deverá ser de no mínimo 300 peças sucessivas ou 8 horas de produção conforme definido no manual de PAPP. Caso a peça tenha uma volume inferior a 1000 peças/mês ou em alguns casos específicos, o tamanho do lote pode ser definido pela Rossini Murta. O lote deve se confeccionado utilizando todos os meios definitivos de produção, tais como: Local definitivo, operadores, máquinas, ferramentas, dispositivos, matéria-prima, etc. Vale ressaltar que caso essas condições venham a ser alteradas, o fornecedor deve imediatamente informar o cliente e posteriormente deve ser realizada uma nova submissão Requisitos do PAPP O fornecedor deve cumprir todos os requisitos impostos pela Rossini Murta, quando isso não for possível, o fornecedor deve entrar em contato com o cliente, para que assim possa ocorrer à determinação de uma possível derroga e posteriormente da ação corretiva apropriada Documentos de Autorização de Alteração de Engenharia / Aprovação de Engenharia do Cliente. Em casos que o fornecedor não atender as especificações, e se deparar com a necessidade de uma modificação em um determinado desenho ou processo, o mesmo 6

7 deve fazer a solicitação através do FM Solicitação de Alteração, o formulário está disposto em nosso site, na aba de fornecedores/formulários. O formulário deve ser preenchido e posteriormente enviado para o analista da qualidade, a solicitação é enviada para a Engenharia de Processos a qual faz a analise técnica e caso se faça necessário o departamento em questão entra em contato com o nosso cliente. Caso a solicitação venha a ser aprovada, a Rossini Murta realiza as respectivas modificações e enviará a ultima revisão para o fornecedor, caso venha a ser reprovado o analista da qualidade notificará o fornecedor Fornecedores da Base Óleo e Gás. O fornecedor da base Óleo e Gás homologado pelo cliente final deve atender as especificações descritas no Pedido de Compras Rossini Murta (VGS / Desenho / Part Info). Quando detectado em seu processo o não atendimento de uma das especificações, o fornecedor deve abrir uma Consulta Técnica através do FM A CONSULTA TÉCNICA (BASE ÓLEO E GÁS), formulário específico de consulta técnica (disponível no site / aba fornecedores) e enviar aos s: O fornecedor deve acompanhar até o encerramento da consulta técnica pelo cliente e enviar uma cópia da consulta técnica no book do item. Quando for requerida pelo cliente final a abertura de GRV o fornecedor fica responsável pelos custos, á serem debitados através de fatura. O fornecedor deve aguardar a aprovação da GRV / Consulta técnica para realização do envio da Matéria Prima. a) Diagramas do Fluxo do Processo O fornecedor deve elaborar um diagrama de fluxo de processo no qual descreve claramente a seqüência do processo de produção, a máquina ou lugar no qual o processo ocorre e o que acontece caso aquela etapa fique fora do especificado. Lembrando que o mesmo deve estar de acordo com os requisitos do manual de APQP (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto). b) PFMEA de Processo O fornecedor deve elaborar o PFMEA (Analise de Modo e Efeito de Falha Potencial) referente às operações que o mesmo elabora, seja usinagem, tratamento térmico, matéria prima etc. o mesmo deve conter todas as características referentes às operações executadas sejam elas de produto ou de processo e também deve atender todos os requisitos especificados no manual de FMEA, sempre levando em consideração a última edição. 7

8 c) Plano de Controle O fornecedor deve apresentar um Plano de Controle que especifique as características que apresentam o maior efeito de falha potencial daquela determinada operação, os meios de medição que serão utilizados para controlá-las e a freqüência no qual as mesmas serão controladas. Lembrando que o Plano de Controle deverá surgir baseandose sempre no PFMEA. d) Estudos de Análise dos Sistemas de Medição. A organização deve ter Estudos de Análise dos Sistemas de Medição aplicáveis, tais como estudo de R&R, tendência, linearidade, estudos de estabilidade, para todos os dispositivos, equipamentos de medição e ensaios, novos ou modificados, em conformidade com os requisitos do manual de referência Análise dos Sistemas de Medição, vale lembrar que sempre deve ser levado em consideração à última edição do manual AIAG Notificações a Rossini Murta e Requisitos de Submissão Notificação a Rossini Murta. O fornecedor deve notificar o representante autorizado Rossini Murta sobre quaisquer planos de alterações no projeto, processo ou planta. Exemplos são indicados na tabela abaixo (tabela 1). Após notificação da alteração proposta, aprovação pela Rossini Murta, e implementação da alteração, a submissão do PAPP é requerida, a menos que especificado de outra forma. Exemplos de alterações que requerem notificação 1. Uso de outra construção ou material utilizado na peça ou produto previamente aprovado Esclarecimento ou exemplos Por exemplo, outra construção como documentada no desvio (permitido) ou incluída como nota no registro de projeto, não coberta por uma alteração de engenharia como descrita na tabela 2, item Produção utilizando ferramentas, matrizes, moldes, modelos, etc., nova ou modificada (exceto ferramentas perecíveis), incluindo substituição de ferramental (reposição) adicional. Este requisito se aplica as ferramentas que devido ao seu formato ou funcionamento único, pode se esperar que influenciem a integridade do produto final. Isto não significa descrever ferramentas comuns/ padrão (novas ou consertadas), da mesma forma tais como dispositivos de medição padrão, ferramentas (manuais ou mecânicas), etc. 8

9 3. Produção após atualização seguindo reparo ou reorganização de ferramental ou equipamento existente. 4. Ferramental e equipamento de produção transferida para um local diferente na própria planta ou para um local adicional da planta. 5. Mudança de subcontratados de peças, materiais não equivalentes ou, serviços (por exemplo: tratamento térmico, tratamento superficial). 6. Produção do produto após o ferramental estar inativo para produção durante doze meses ou mais. 7. Alterações em produto e processo relacionados a componentes do produto de produção fabricados internamente ou por subcontratados. 8. Alterações no método de ensaio/ inspeção nova técnica (nenhum efeito no critério de aceitação) 9. Adicionalmente, para Material a Granel: Nova fonte de matéria-prima de fornecedor novo ou existente. Alteração em atributos de aparência do produto. Tabela 1 Atualização significa modificar e/ou reconstruir uma ferramenta ou máquina, incrementar a capacidade ou desempenho, ou mudar a função existente. Isto não deve ser confundido com manutenção normal, conserto ou substituição de peças, etc., para os quais nenhuma mudança em desempenho é esperada e os métodos de verificação após o conserto foram estabelecidos. Reorganização é definida com uma atividade que muda a seqüência do fluxo de produto / processo em relação àquela documentada no diagrama de fluxo do processo (inclusive a adição de um processo novo). Podem ser requeridos ajustes menores do equipamento de produção para satisfazer requisitos de segurança, tais como instalação de coberturas protetoras, eliminação do risco potencial de ESD, etc. Ferramental e/ou equipamento de processo de produção transferido entre prédios/ edifícios ou instalações em um ou mais locais. A organização é responsável pela aprovação de materiais e serviços do subcontratado. Para produtos que foram produzidos após o ferramental estar inativo durante 12 meses ou mais: Notificação é requerida quando não houver alteração no pedido de compra ativo para a peça e o ferramental existente permaneceu inativo para produção durante doze meses ou mais. A única exceção é quando a peça tem baixo volume de produção, por exemplo: reposição ou veículos especiais. Porém o Cliente pode especificar certos requisitos de PAPP para peças de reposição. Quaisquer alterações, incluindo alterações nos subcontratados para a organização e seus fornecedores, que afetem requisitos Rossini Murta, tais como ajuste, forma, função, desempenho e durabilidade. Nota: Os requisitos de ajuste, forma, função, desempenho, e/ou durabilidade devem ser parte das especificações Rossini Murta como concordado durante a análise crítica do contrato. Para alterações no método de ensaio, a organização deve ter evidência que o novo método tem capacidade de medição equivalente ao método anterior. Normalmente é esperado que estas alterações tenham um efeito no desempenho do produto. 9

10 Submissão a Rossini Murta O fornecedor deve realizar a submissão do PAPP antes da primeira remessa de produção, levando em consideração as situações dispostas abaixo. (tabela 2) Vale ressaltar que o fornecedor deve revisar e atualizar, quando necessário, todos os itens aplicáveis ao PAPP que posteriormente reflita no processo de produção, lembrando que essa situação se estende quando a Rossini Murta fizer a solicitação da submissão de maneira formal ou informal. 1. Uma nova peça ou produto (por exemplo: uma Submissão é requerida para novo produto lançamento inicial). Peça específica, material, ou cor não fornecida aprovado que tem um número de peça novo ou revisado/ corrigido. Uma nova peça/ produto ou material adicionado a uma família pode usar documentação de PAPP apropriada de uma peça previamente aprovada dentro da mesma família de produto. 2. Correção de uma discrepância em uma peça previamente submetida. 3. Alterações de engenharia em registros de projeto, especificações ou materiais para número(s) de produtos/ peças de produção. 4. Adicionalmente, para Materiais a Granel: Tecnologia de processo nova para a organização, não previamente utilizada neste produto. Tabela 2 Submissão é exigida para corrigir qualquer discrepância em peça previamente submetida. Uma discrepância pode estar relacionada com: -Desempenho de produto contra os requisitos Rossini Murta; - Questões dimensionais e de capabilidade; -Questões de subcontratado; -Aprovação de uma peça que substitui uma aprovação interina; -Ensaios, incluindo material, desempenho, questões de validação de engenharia; Submissão é requerida em qualquer alteração de engenharia no registro de projeto para produto/ peça de produção, especificações ou material. Material de granel não se enquadra na gama de materiais da Rossini Murta. 3.5 Submissões a Rossini Murta Níveis de evidência. 10

11 3.5.1 Níveis de Submissão O fornecedor deve utilizar o nível 3 de submissão como nível padrão a menos que a Rossini especifique outro nível sendo eles: Nível 1: Nível 2: Nível 3: Nível 4: Nível 5: Apenas o certificado (e para os itens de aparência, um Relatório de Aprovação de Aparência) submetido à Rossini Murta. Certificado, amostras do produto e dados de suporte limitados submetidos à Rossini Murta. Certificado, amostras do produto e todos os dados de suporte completos submetidos à Rossini Murta. Certificado, e outros requisitos definidos pela Rossini Murta; Certificado, amostras do produto e dados de suporte completos disponíveis para inspeção da Rossini Murta na planta do fornecedor. A tabela do item discrimina detalhadamente os requisitos necessários para a submissão da amostra de acordo com os níveis de submissão citados e os Requisitos para Aprovação da Peça Requisitos para aprovação da peça Conforme especificado no item o nível padrão para submissão é o nível 3, abaixo (tabela 3) estão detalhados quais documentos irão compor o PAPP nesse nível. Lembrando que possivelmente ocorrerão situações no qual a Rossini Murta determina um nível especifico para uma determinada situação. 11

12 Tabela 3 Legenda da Tabela: (S) - Submeter e reter cópia no fornecedor (R) - Reter e manter disponível no fornecedor (*) - Reter no Fornecedor e submeter quando solicitado pela Rossini Murta (-) - Não aplicável na Rossini Murta Abaixo segue detalhados os requisitos da tabela 3: 1) Todos os requisitos de projeto da Rossini Murta e do Cliente, inclusive desenhos de detalhes; 2) Quaisquer documentos autorizados sobre alterações de engenharia ainda não incorporados ao registro de projeto do produto, mas já incorporados à peça; 3) Aprovação da engenharia do produto quando exigido no desenho da peça ou especificação do Cliente; 4) FMEA de projeto; 5) Diagrama de fluxo do processo; 6) FMEA de processo; 7) Planos de Controle que incluam todas as características significativas ou chaves do produto e processo. Planos de Controle para famílias de peças similares são aceitáveis, desde que as novas peças tenham sido analisadas criticamente quanto às suas características comuns; 8) Estudos da variação do sistema de medição (R & R) para todos os equipamentos de inspeção/medição, novos ou modificados; 12

13 9) Resultados dimensionais relacionados com os requisitos de desenho da peça ou um desenho demarcado onde os resultados são descritos de forma legível no desenho da peça. 10) Resultados de ensaios de materiais, desempenho e durabilidade conforme especificado no registro de projeto. 11) Resultados de Capabilidade do Processo mostrando a conformidade com os requisitos do Cliente quanto às características especiais e relacionadas com a aplicabilidade das mesmas, com dados comprobatórios, tais como cartas de controle. Estudos da variação do sistema de medição (R & R) para todos os equipamentos de inspeção/medição, novos ou modificados; NOTA: Para características, o fornecedor deve manter impreterivelmente uma cópia dos dados comprobatórios da Capabilidade do Processo (cartas de controle estatístico do processo) para que, quando requerido, sejam prontamente disponibilizadas. 12) Escopo e documentação de laboratório demonstrando que está em conformidade com a ISO TS 16949; 13) Relatório de aprovação de aparência (quando aplicável); 14) Amostras do produto com quantidade a ser definida pelo cliente antes da submissão (ver item 3.2); 15) Duas amostras de peças ou conforme acordado com o Cliente. Uma amostra deve ficar retida no Setor de Controle de Qualidade do fornecedor; 16) Auxílios para verificação (dispositivos, modelos, gabaritos, etc.) específicos para a peça que está sendo submetida, usados na inspeção ou ensaio; 17) Registro de conformidade para com todos os requisitos específicos do Cliente; 18) Certificado de submissão de peça de produção: Se o fornecedor possuir um padrão poderá ser utilizado desde que atenda o escopo, caso contrario utilizar o FM PSW que está disponível em nosso site na aba de fornecedores/formulários. Lista de verificação para material a granel. 3.6 Identificações das Amostras As amostras entregues na Rossini Murta devem estar devidamente identificadas como amostra, conforme FM Cartão de Identificação de Amostras que está disponível em nosso site na aba de fornecedores/formulários Submissão das Amostras O fornecedor deve elaborar o Certificado de Submissão de Peça utilizando o seu padrão desde que atenda os requisitos do manual de PAPP (sempre a última edição), ou utilizar o 13

14 padrão Rossini Murta FM disponível em nosso site. O certificado deve ser individual para cada número de peça exceto quando acordado com a Rossini Murta. Para peças produzidas em mais de uma ferramenta, matriz, molde, cavidade, dispositivo de fixação com mais de uma peça. É indispensável uma avaliação individual de cada uma delas, seja: fixação, cavidade enfim, esta condição deve estar clara no Certificado de Submissão. Obs. Amostras entregues a Rossini Murta não obedecendo estes requisitos mínimos estão sujeitas à reprovação Relatórios de Composição do Material da Peça. O fornecedor deve fornecer um certificado de material no qual evidencia a Composição química do Material e Substâncias que contenham informações mínimas como a descrição do material, código do item. É indispensável o envio do corpo de prova, lembrando que esse mesmo material pode ser reavaliado pela Rossini Murta e posteriormente confrontado com as informações. Caso a avaliação seja feita em laboratório externo, devem-se usar os critérios descritos no item 3.9. Além de o certificado estar disposto no PAPP, ele deve ser enviado a cada lote anexado na nota fiscal Documentação de Laboratório da Qualificado. Inspeções e ensaios para o PAPP devem ser realizados por laboratório qualificado RBC. Quando um laboratório externo ao fornecedor é contratado, o fornecedor deve evidenciar os resultados em um certificado do mesmo. Esse certificado deve conter informações mínimas, tais como: O nome do laboratório que realizou os ensaios, a(s) data(s) dos ensaios, normas utilizadas como referência e os certificados de calibração dos instrumentos utilizados. Quando o fornecedor utilizar um laboratório que não possui certificação RBC, o mesmo deverá solicitar desvio á Rossini Murta, através do FM Amostras de Peças de Produção. O fornecedor deve fornecer amostras de produtos conforme especificado e acordado com a Rossini Murta Amostras Padrão. O fornecedor deve reter uma amostra padrão em depósito apropriado por um período idêntico ao dos registros de aprovação da peça de produção ou até uma nova amostra padrão ser produzida, esta amostra deve ser identificada como tal e conter a data de aprovação da Rossini Murta. Para cada ferramenta / matriz / fixação / Cavidade etc. Deverá ser retida uma amostra padrão, a menos que especificado ao contrário pela Rossini Murta. 14

15 Auxílios de Verificação. Se requerido pela Rossini Murta, o fornecedor deve apresentar juntamente com o relatório de PAPP, qualquer auxílio de verificação (podendo incluir dispositivos, gabaritos por variáveis e atributos, modelos, moldes específicos ao produto) dispositivo de montagem etc. O fornecedor deve certificar-se de que todos os aspectos do auxílio de verificação estão de acordo com os requisitos dimensionais da peça, e documentar todas as alterações de desenho de engenharia que tenham sido liberadas e que tenham sido incorporadas no auxílio de verificação durante o período de submissão. O fornecedor deve atentar-se as manutenções preventivas de qualquer auxílio de verificação durante a vida útil do mesmo, bem como estudos de análise do sistema de medição, por exemplo: estudos de R&R, exatidão/ precisão, tendência, linearidade e estudos de estabilidade Peso da Peça. O fornecedor deve garantir que o peso da peça também conste no certificado, expresso em quilogramas (kg) com até quatro casas decimais (0,0000), a não ser que especificado ao contrário pela Rossini Murta. O peso deve ser da peça acabada e não deve incluir protetores para transporte, suportes de montagem ou materiais de embalagem 4 Condições gerais de fornecimento. Toda empresa que desejar se tornar um fornecedor da Rossini Murta deve aceitar as Condições Gerais de Compra, descritas abaixo: 4.1 Exigência para fornecimento. O fornecedor deverá possuir os certificados referentes à classe do componente e que seja pertinente ao serviço prestado, caso o mesmo não possua, é necessário uma derroga aprovada pelo cliente final e um cronograma para implementação das normas em questão. 4.2 Processo de Homologação. O fornecedor deve ser auditado por um auditor da Rossini Murta no qual utiliza os critérios semelhantes aos das normas requeridas, para que assim seja homologado e integre a lista de fornecedores qualificados. Após o fornecedor ser homologado ele deve assinar dois termos: Cumprimento de Confidencialidade. Esse termo diz que o fornecedor deve manter confidencialidade referente aos nossos processos, projetos, desenvolvimento etc. Lembrando que o mesmo deve possuir um processo que assegure a confidencialidade dos itens citados acima. O termo a ser assinado é o FM que é disponibilizado para o fornecedor após a homologação, assinado e devolvido á Rossini Murta. 15

16 Fornecedores da Base Óleo e Gás. O termo a ser assinado pelo fornecedor da base Óleo e Gás é o FM-06-19A Cumprimento de Regulamentações Governamentais. Esse termo diz que o fornecedor deve se responsabilizar no que diz respeito à poluição ambiental dos elementos compostos na matéria prima e serviços, e devem manter um processo que assegure o atendimento das regularizações governamentais com relação aos aspectos de segurança, materiais tóxicos e perigosos ao meio ambiente. Lembrando que deve ser comprovada a aprovação de órgãos especializados tais como CETESB. Vale ressaltar que em alguns casos é indispensável à elaboração do IMDS quando necessário. O termo a ser assinado é o FM que é disponibilizado após a homologação e devolvido á Rossini Murta Fornecedores da Base Óleo e Gás. O termo a ser assinado pelo fornecedor da base Óleo e Gás é o FM-06-12A. 4.3 Procedimento para Compra. Após o fornecedor ser aprovado nos requisitos acima se inicia o processo de compra, que deverá seguir o seguinte fluxo: Cadastramento do Fornecedor. O fornecedor deve enviar os seus dados cadastrais no para que assim o responsável pelo departamento de compra efetive o seu cadastro Solicitação de Compra. Após o item que será fornecido também ser cadastrado, o departamento de PCP analisa a programação do cliente e posteriormente gera uma solicitação de compra. Após análise da solicitação o departamento de compras, realiza a cotação e emite o pedido de compras, o qual deverá ser aprovado pela diretoria. Assim que aprovado, o pedido de compra é enviado para o fornecedor. O fornecedor recebe por o pedido de compra e verifica imediatamente se é possível atender a data de entrega, caso não seja possível, o mesmo deverá entrar em contato imediatamente com o departamento de PCP para que a Data seja negociada. É indispensável mencionar na nota fiscal o número do pedido de compra, ordem de fabricação e código do produto e anexar o certificado quando existir Condições de Pagamento. 16

17 A condição de pagamento mínima estipulada pela sistemática da Rossini Murta é de 35 dias corridos. Lembrando que caso haja necessidade esse prazo deve ser negociado junto ao departamento de compras Revisão de Especificação Técnica (Rossini Murta Solicitação de Desvio) Para divergências entre as especificações da Rossini Murta e as especificações do fornecedor, o mesmo deve informar a Rossini Murta através de formulários FM Solicitação de Desvio quando existir um problema no produto e FM Solicitação de Alteração de Engenharia quando julgar necessário uma modificação do produto. Alteração de Engenharia / Solicitação de Desvio podem autorizar permanente ou temporariamente, o fornecimento de itens com divergências para o fornecedor em relação ao desenho, essa divergência passa por uma analise técnica e posteriormente o fornecedor é informado, vale reforçar que somente existirá a possibilidade de uma modificação ou aprovação caso a característica não comprometa a funcionalidade do produto. Os fornecedores devem solicitar os desvios através do departamento do sistema da qualidade (sempre através do responsável em relação a fornecedores), o mesmo passa o desvio para o departamento de Engenharia de Processos que realiza a análise de processo e caso seja necessário, entra em contato com as áreas técnicas dos nossos clientes. O fornecedor somente pode fornecer itens ou serviços fora das especificações, quando obter, por escrito e devidamente aprovadas esse documento. É indispensável o envio de uma cópia da aprovação junto com o lote de peça e identificação com o FM OBS: Fornecedores de usinagem devem utilizar o DO-051 Fluxograma de Desvio Fornecedores de Usinagem. 4.4 Sistemática Rossini Murta para Controle de Recebimento na Planta do Fornecedor Visando ganho no tempo hábil entre a solicitação de venda e a entrega do produto ao cliente Rossini Murta, fica estabelecido que: Itens que possuem operação de corte de matéria prima ou de pré-usinagem externa podem ser enviados diretamente para descarga nos fornecedores destes serviços. É de responsabilidade destes fornecedores o recebimento conforme descrito na IT , com as seguintes ressalvas: A. Deve ser realizado o controle dimensional e material dos itens entregues conforme descrito no plano de controle Rossini Murta; B. Deve ser mantido um registro que evidencie o recebimento conforme plano de controle Rossini Murta; C. O certificado de qualidade do sub-fornecedor de forjado, fundido, laminado, extrudado ou trefilado deve ser enviado conforme IT

18 Todos os itens entregues em um sub-fornecedor devem conter um plano de controle de recebimento e um registro de inspeção que evidencie o recebimento conforme descrito no plano de controle. 5 Tratamento de não conformidade. Caso a Rossini Murta receba algum produto não conforme, o fornecedor é informado da ocorrência do mesmo detalhando-as através do FM Relatório de Não Conformidade e Solicitação de Ações Corretivas conforme descrições abaixo: 5.1 Classificação das Não-Conformidades. Quando a constatação da não conformidade pela Rossini Murta, o fornecedor é notificado através de descrevendo o grau da não conformidade conforme descrições abaixo: Regras para abertura de SAC s Fundidos e Forjados (Porosidades): F1: Não Conformidade ocorrida no cliente da Rossini Murta, necessita de causas e ações no prazo estabelecido; F2: Não Conformidade ultrapassou a meta interna estabelecida ( PPMs), necessita de causas e ações no prazo estabelecido; F4: Não Conformidade aberta apenas para notificação/ devolução e cobranças, somente ações de contenção (respondida pelo Fornecedor) Regras para abertura de SAC s em Geral (Incluindo Fundidos). F1: Não Conformidade ocorrida no cliente da Rossini Murta, necessita de causas e ações no prazo estabelecido; F2: Não Conformidade reincidente, ou seja, o mesmo problema ocorreu mais de uma vez, necessita de causas e ações no prazo estabelecido; F4: Não Conformidade ocorrida pela primeira vez, aberta apenas para notificação/ devolução e cobranças, somente ações de contenção (respondida pelo fornecedor). OBS: Dependendo da criticidade do problema ocorrido, pode ser aberta uma F2 na primeira ocorrência Regras para abertura de SAC s em Geral (Base Óleo e Gás). F1: Não Conformidades documentais, de material ou dimensional oriundas do fornecedor, ocorridas no cliente da Rossini Murta, ou detectadas durante a inspeção de 3ª parte, necessitam de causas e ações no prazo estabelecido; F2: Não Conformidades documentais, de material ou dimensional oriundas do fornecedor e reincidentes, ou seja, o mesmo problema ocorreu mais de uma vez, necessitam de causas e ações no prazo estabelecido; 18

19 5.2 Não conformidades prazo para respostas. TABELA PARA PRAZOS - TRATAMENTO NÃO CONFORMIDADE FORNECEDOR Descrição: Prazo para respostas: Contenção Interna / Externa Respostas das Ações Corretivas Internas / Externas Evidências das ações. Prazo 24 horas (um dia) para resposta. Prazo 168 horas (sete dias) para acompanhamento após abertura da SAC 8D. Conforme prazo proposto na ação corretiva. OBS: O fornecedor deve utilizar a IT Orientação para preenchimento de SAC s Retrabalho / Seleção. A Rossini Murta exige que todo produto fornecido, sendo um protótipo, produção ou serviço, esteja conforme especificações técnicas e de acordo com os requisitos estabelecidos. Caso venha a ser encontrado uma não conformidade em nossa planta, é feito uma análise pelo nosso departamento de controle da qualidade e Engenharia, se constatado que é possível fazer um retrabalho o fornecedor deve se responsabilizar por essa ação, caso contrário será contratada uma empresa especializada e todas as despesas geradas sejam de retrabalho ou de seleção deverão ser de responsabilidade do fornecedor. Para retrabalho interno o fornecedor deve seguir a IT Instrução de Trabalho Seleção e Retrabalho realizado pelos fornecedores. Em casos de não atendimento á IT , a Rossini Murta emite um FM-14-01, com notificação ao fornecedor e o mesmo terá um custo no valor de R$300,00. Em caso de refugo, as medidas tratadas deverão ser acordadas entre ambas as partes no momento do acerto do contrato. OBS: Para fornecedores de Usinagem utilizar o DO-050 Fluxograma de Retrabalho Externo Problemas detectados no cliente da Rossini Murta. Quando constatado uma não conformidade no cliente da Rossini Murta, imediatamente nossos assistentes técnicos são notificados e enviados para realização de uma préanálise do problema e uma seleção. Após a mesma é definido uma disposição para o produto, caso seja possível realizar um retrabalho, toda a seleção e o retrabalho 19

20 propriamente dito devem ser financeiramente de responsabilidade do fornecedor. Em caso de refugo a peça é substituída e as demais medidas devem ser acordadas entre ambas as partes no momento do acerto do contrato Embarque Controlado. Para alguns problemas relacionados com fornecedores, a Rossini Murta, pode solicitar a implementação de um Embarque Controlado de Nível I ou Nível II com custos revertidos ao fornecedor. O uso dos níveis de contenção depende da gravidade do problema e das ações corretivas para corrigi-lo. A intenção do embarque controlado é acrescentar um plano de ação de contenção para proteger a Rossini Murta e seus clientes do recebimento de peças não conformes através de um controle robusto de uma determinada característica Determinação da necessidade para a atividade de Embarque Controlado. Se as ações corretivas da organização não forem eficazes, a Rossini Murta, determina a necessidade do embarque controlado. Uma ou mais das questões a seguir podem ser consideradas na determinação da implementação do embarque controlado: 1) Processo de produção não-capaz; 2) Defeito(s) detectado(s) na Rossini Murta; 3) Falhas reincidentes; 4) Paradas de linhas e/ou interrupções importantes; 5) Gravidade do problema; 6) Ação de contenção inadequada fazendo com que as peças não-conformes cheguem a Rossini Murta ou a seus clientes; Caso seja necessário implementar o embarque controlado o fornecedor inicia o mesmo com o Nível 1, caso venha ocorrer à reincidência do problema é necessário implementar o Nível 2. Abaixo as descrições dos níveis: Embarque Controlado Nível I: O fornecedor implementa na(s) sua(s) planta(s) o processo de inspeção 100% para proteger a Rossini Murta e seus clientes do recebimento de produtos/materiais nãoconformes. Registros destas inspeções devem ser mantidos e se solicitados enviados a Rossini Murta Embarque Controlado Nível II: Isso inclui os mesmos processos do Embarque Controlado Nível I, com uma operação de inspeção adicional nas instalações da Rossini Murta realizado por um terceiro representando os interesses da Rossini Murta específicos à atividade de contenção. O terceiro é aprovado pela Rossini Murta, lembrando que as despesas são exclusivamente de responsabilidade do fornecedor. 20

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 APLICAÇÃO... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES... 3 3.1 Empresas Certificadas... 4 3.2 Empresas não Certificadas... 4 3.3 Avaliação

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES LS 0082 Manual de Fornecedores 1 de 50 04.12.2013 Sumário INTRODUÇÃO... 5 DIRETRIZES DO FORNECEDOR... 6 CONTRATOS STIHL... 6 OBJETIVOS... 7 GESTÃO DA QUALIDADE... 8 1. SISTEMA DE

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 21; Revisado em Dezembro/ 2015 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE DE DOALPLASTIC INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. MATRIZ: AVENIDA DIRCEU DIAS CARNEIRO, 151 DISTRITO INDUSTRIAL II - CEP 13457-198 SANTA BÁRBARA D' OESTE - SP - BRASIL FILIAL: AVENIDA MAESTRO

Leia mais

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563. MANUAL DA QUALIDADE PARA CORPORATIVO C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.694/0001-92 - Inscrição Estadual:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP 12.730-900 Cruzeiro-SP Fone : (12) 3184-1000 Fax.: (12) 3144-0247 Este Manual foi

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 17 M.DIR. 02-02 Premissa 02 17 M.DIR. 02-03

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Supplier Development Dana Holding Corporation LLC Agosto 2012 SUMÁRIO i. INTRODUÇÃO... 4 ii. CONDUTA EMPRESARIAL... 5

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

M agius M etalúrgica Industrial S.A.

M agius M etalúrgica Industrial S.A. M agius M etalúrgica Industrial S.A. MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MAGIUS Rua David Campista, 188 Fone : 55 41 2169-9400 - Fax : 55 41 3282-1870 São José dos Pinhais - Paraná - Brasil 1 GENERALIDADES

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 7.431 Rev: 2 Data: 13/5/214 1 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ESCOPO... 4 3. APLICABILIDADE... 4 4. OBJETIVO... 5 5. REQUISITOS AMBIENTAIS... 5 6. ÉTICA

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR Página: 1/21 MANUAL DO FORNECEDOR 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 3 PRÉ-REQUISITOS PARA FORNECIMENTO... 4 4 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS FORNECEDORES... 6 5 AMOSTRAS INICIAIS...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES MANUAL PARA FORNECEDORES Regras para Seleção, Qualificação e Monitoria dos Fornecedores. Regras para Desenvolvimento de Produtos Regras para Aprovação do Produto e do Processo Edição 01 Outubro de 2011

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores.

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA.

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 1/17 REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 2/17 ÍNDICE REQUISITOS PÁGINA Histórico

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES Versão: b Manual de Fornecedores 1 de 56 PREFÁCIO Este Manual de Fornecedores está dividido em oito blocos, conforme destacado a seguir: Gestão da Qualidade Desenvolvimento Auditorias

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Na busca contínua da melhoria da Qualidade, a SMIDDA preparou e aprovou este

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO I - Formalização e Aceitação do Pedido 1.1 - O Aceite será automático caso o fornecedor não faça uma recusa parcial ou total, Por escrito no prazo de 2(dois) após o recebimento

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Requisitos e diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente, conforme padrões definidos pelas normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004 e pela

Leia mais

5ª Edição Janeiro de 2008.

5ª Edição Janeiro de 2008. EMPRESAS RANDON MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 5ª Edição Janeiro de 2008. Apresentação 4 1 - Introdução 5 1.1 Escopo 5 1.2 Objetivo Geral 5 2 - Aprovação de Fornecedores e Planejamento da Produção

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS

GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS E PADRÃO DE ETIQUETAS 1ª Edição Julho, 2010 INDICE 1- INTRODUÇÃO... 03 2- RESPONSABILIDADES... 04 3- RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES... 05 4- PROCEDIMENTOS... 06 5- DESENVOLVIMENTO

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

Caderno de Encargos de Ferramental

Caderno de Encargos de Ferramental Caderno de Encargos de Ferramental TEV-MM-TLL 09.2009 Página 1 de 11 Índice 1. Objetivo 3 2. Procedimento 3 3. Escopo 3 4. Condições 4 5. Custos 4 6. Protótipo da ferramenta 4 7. Construção da ferramenta

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto)

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7 Sumário 1. Mensagem ao Fornecedor...- 2-2. Política da Qualidade...- 2-3. Objetivo do manual...- 2-4. Aplicação...- 3-5. Definições...- 3-6. Confidencialidade...- 3-7. Requisitos Gerais...- 4-8. Verificação

Leia mais

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda.

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. 1. Aplicabilidade 2. Entrega 3. Preços e pagamentos 4. Inspeção 5. Garantia 6. Cancelamento 7. Subcontratação e Cessão 8. Código de conduta 9. Saúde

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TUBOS DE PEAD 1 - OBJETIVO 1.1 A presente licitação tem por objeto o fornecimento e entrega, pela empresa a ser CONTRATADA, de tubos de POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE PE 100

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO Pagina 1 de 16 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar a Regra de Certificação Geral utilizada pela A ENOR Serviços de Certificação Brasil Ltda., ( AENOR Brasil), para realizar a prestação

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR ISO 9001:2008 Índice Histórico de Revisões... 4 1. Introdução... 5 1.1. Política da Qualidade... 5 1.2. Escopo... 5 2. Histórico... 6 3. Gestão Estratégica...

Leia mais

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice Norma John Deere Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa Índice 1 Escopo... 2 2 Termos e Definições... 2 3 Sistema de Gerenciamento da Qualidade... 6 4 Responsabilidade de Gerenciamento...

Leia mais

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz MANUAL DO FORNECEDOR INTRODUÇÃO Este manual tem por objetivo principal informar à cadeia de fornecedores os procedimentos e processos internos operacionais que viabilizam a avaliação de desempenho dos

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS Este documento tem por finalidade regulamentar o fornecimento de equipamentos e serviços pela ENGEVAP ENGENHARIA E EQUIPAMENTOS LTDA., de acordo com a legislação em

Leia mais

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO Página 2 de 26 SUMÁRIO 1. Objetivo 05 2. Definições e Termos 05 3. Apresentação da Organização 05 3.1.1 Identificação 06 3.1.2 Histórico 06 3.1.3 Principais Clientes 06 3.1.4 Principais Fornecedores 07

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais