MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES"

Transcrição

1 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP Cruzeiro-SP Fone : (12) Fax.: (12) Este Manual foi desenvolvido com a finalidade de orientar os fornecedores da MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP quanto aos requisitos mínimos de qualidade, necessários para o fornecimento de produtos ou serviços, substituindo os antigos procedimentos PGI F Processo de Aprovação de Peça de Produção para Fornecedores, e PGI Avaliação da Performance do Fornecedor, anteriormente definidos como requisitos específicos para fornecedores. EMISSÃO INICIAL : 23/05/2012 1

2 2/ INTRODUÇÃO Objetivos Termos e definições Legislação Código de Ética 5 2 METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento Homologação 8 3 PPAP PARA Situações de Submissão e notificações ao cliente Situações de Laudo de PPAP Condição de PPAP Aprovado Condição de PPAP em aprovação condicional Condição de PPAP Rejeitado Considerações para a Submissão de PPAP s via IMDS International Material Data System 13 4 Avaliação da Performance do Fornecedor - APF Performance da Qualidade dos Materiais Recebidos: Rejeição ou Falta do PPAP Índice de Qualidade do Fornecedor Reclamação de Linha Auditoria de Processo Retorno RNC Fora do Prazo Performance do Atendimento às Programações de Entrega: Performance de Entrega Modo de Atendimento Modo de Relacionamento Deméritos Adicionais Exclusões Ações para acompanhamento Plano de ação corretiva Bloqueio para novos desenvolvimentos Desenvolvimento de fornecedores alternativos Melhoria Contínua Comunicação de Não Conformidade (RNC / RIR) Auditoria de Processo no Fornecedor 23 ANEXO I Requisitos de submissão de PPAP 24 ANEXO II Tabela de siglas e seus respectivos significados. 31 ANEXO III Tabela de histórico das revisões. 32 2

3 3/32 1 INTRODUÇÃO Este Manual deve ser utilizado por todas as empresas, que desejam fazer ou já fazem parte do grupo de fornecedores regulares da MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP 1, como um guia de orientação para o atendimento dos padrões de desempenho esperado. Neste Manual estão descritas a sistemática de avaliação de fornecedores, as condições gerais de fornecimento, os métodos utilizados para monitoramento do desempenho de cada fornecedor e os requisitos para aprovação de produto. 1.1 Objetivos Para a MAXION, os fornecedores são partes integrantes de seus processos produtivos e participantes ativos nos processos de aprimoramento dos padrões de qualidade e competitividade. Os fornecedores devem estar conscientes deste papel e buscar a melhoria contínua de seus produtos, processos e serviços. Este manual tem como objetivo o estabelecimento de critérios que disciplinem e assegurem o controle de aquisição de produtos ou serviços e também a avaliação da performance dos fornecedores, proporcionando subsídios para que o mesmo possa atender todos os requisitos da Qualidade para produtos com necessidade de homologação. Desta forma, busca-se a atuação com desenvolvimento, avaliação, homologação e classificação de fornecedores; com o estabelecimento de diretrizes para a submissão de PPAPs; monitoramento do desempenho de fornecedores de materiais produtivos com as devidas tomadas de ações quando necessário; e avaliação periódica do Processo de Fabricação do Fornecedor. 1.2 Termos e definições A MAXION define o relacionamento com a cadeia de fornecedores usando os seguintes termos em seus procedimentos, mapas de processos e comunicações: Amostra: lote parcial do produto, que retrata, se o mesmo atende às especificações de projeto. Especificação: documento que prescreve os requisitos com o qual o produto ou o serviço deve estar em conformidade. 1 Sempre que for citada a MAXION neste manual, refere-se à MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP. 3

4 4/32 Fornecedor: parte responsável pelo produto, processo ou serviço adquirido pela MAXION, capaz de assegurar que a Garantia da Qualidade seja praticada. Esta definição pode aplicar-se a fabricantes, distribuidores, importadores, montadores, prestadores de serviços, etc. Fornecedor em Desenvolvimento: fornecedor que possui certificação de 3º parte do Sistema de Gestão da Qualidade e necessita de uma avaliação via auditoria de processo, seguida de avaliação de PPAP nível 5, para os primeiros itens a serem desenvolvidos, no caso de itens produtivos. Fornecedor Ativo: fornecedor homologado relacionado na planilha Lista de Fornecedores Qualificados Ativos MAXION, que estão aptos a fornecer produtos ou prestar serviços, e que tenha fornecido produtos ou prestado serviço no ultimo ano-calendário. Fornecedor Inativo: fornecedor relacionado na planilha "Lista de Fornecedores Inativos MAXION, que está temporariamente impedido de fornecer produtos ou serviços devido à reprovação pela MAXION, ou com itens sem fornecimento há mais de um (01) anocalendário. Homologação: certificação da capacidade do fornecedor de atender aos requisitos da qualidade estabelecidos para produtos ou serviços adquiridos pela MAXION. Inspeção: avaliação da conformidade do produto ou serviço em relação aos requisitos estabelecidos. Item produtivo: todo material agregado ao produto que a MAXION fornece a seus clientes. Fazem parte deste grupo: Borrachas; Tintas; Matéria-Prima; Fixadores; Produtos Químicos; Tubos; Forjados e Fundidos. Os produtos químicos são utilizados como materiais indiretos no processo de pintura. Lote Fechado: processo de fornecimento de Protótipos ou Materiais destinados ao Mercado de Reposição. Serviços: Entende-se como serviços de empresa que interferem na qualidade do produto MAXION, tais como: Transportes; Calibração / Ensaios: Instrumentos de medição de unidades geométricas e mecânica, comprimento, massa, força, torque, pressão, e Instrumentos de medição de unidades elétricas e magnéticas: corrente elétrica, tensão elétrica; Beneficiamento: Desbobinamento, Aplainamento de Chapas de Aço, Usinagem, Estampagem, Pintura, Caldeiraria, Tratamento Térmico e Superficial. Além das definições anteriormente citadas, o ANEXO II deste Manual apresenta uma tabela com as siglas e abreviações de termos gerais e específicos, bem como seus significados. 1.3 Legislação 4

5 5/32 Todos os produtos fornecidos à MAXION devem ser produzidos com materiais que atendam às exigências governamentais relacionadas aos aspectos de segurança, substâncias tóxicas e perigosas, meio ambiente, elétricos e eletromagnéticos, observando a regulamentação e legislação vigente no Brasil. Cabe ao fornecedor conhecer e aplicar a regulamentação ambiental existente relativa a seus produtos, processos e resíduos tanto no Brasil quanto no país de destino final de seus produtos. 1.4 Código de Ética A conduta ética em todas as atividades relacionadas à MAXION é um elemento estratégico da empresa e está relacionado ao desenvolvimento de seus negócios. O código de ética é destinado a todos os colaboradores e administradores da MAXION, assim como aos seus fornecedores e prestadores de serviços. (Ver Código de Ética via site: 5

6 6/32 2 METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO A metodologia de desenvolvimento ocorre basicamente em duas fases. A primeira fase é referente à aprovação da empresa e sua homologação como fornecedor da MAXION. A segunda fase é aplicada para itens produtivos, envolvendo a aprovação do produto. Na Figura 1 é apresentado um fluxograma básico de desenvolvimento abrangendo estas duas fases. Figura 1 Fluxograma básico de desenvolvimento 6

7 2.1 Desenvolvimento MANUAL DA QUALIDADE DE 7/32 Toda necessidade de desenvolvimento de novo fornecedor é informada pela área de Compras da MAXION. A Engenharia da Qualidade de Fornecedores realiza, numa periodicidade de 3 anos, a avaliação do Sistema de Gestão de acordo com o tipo de empresa, divididas em empresas prestadoras de serviços de calibração e ensaios; empresas fabricantes de embalagem e transportadoras, e fornecedores de itens produtivos, conforme apresentado na Tabela 1. Tabela 1 - Critérios de avaliação de Sistemas de Gestão de acordo com o tipo de Fornecedor TIPO SGQ AVALIAÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÃO DESEJÁVEL DO SISTEMA (1) Fornecedores de serviços de ensaios e calibração ISO IEC (credenciamento RBC / RBLE) Auditoria de empresas de calibração Check List de Homologação Para Empresas de Calibração e Ensaios (conforme requisitos ISO IEC 17025); Fornecedores de serviços de Transporte ISO9001 / SASSMAQ Auditoria de transportadora Check List de Homologação Para Empresa de Transportes; Fornecedores de embalagens (Madeireiras) ISO9001 Auditoria de madeireiras Check List de Homologação de Madeireiras. Fornecedores de itens produtivos ISO-TS16949 (2) Auditoria de processo VDA6.3 (3) Check List Conforme VDA6.3 e Fórmula Q (1) Para os fornecedores prestadores de serviços que não tenham certificação de 3º parte, deve ser utilizada a Lista de Verificação especifica para Avaliação /Homologação, de acordo com o tipo de fornecedor. (2) Para os fornecedores de itens produtivos, a MAXION tem como prática o desenvolvimento de fornecedores que tenham como meta um Sistema de Gestão da Qualidade em conformidade com a ISOTS A conformidade com a ISO 9001 é o primeiro passo para alcance desta meta. (3) A Qualidade da MAXION realiza auditoria de processo em fornecedor pretendente e qualquer desenvolvimento é iniciado apenas após a aprovação da empresa nesta auditoria. 7

8 2.2 Homologação MANUAL DA QUALIDADE DE 8/32 O fornecedor é informado sobre a sua situação de aprovação, dentro da MAXION, através de uma notificação emitida pela Qualidade. Todo fornecedor homologado é registrado na Lista de Fornecedores Qualificados Ativos MAXION. O fornecedor de itens produtivos que possui certificação de 3º parte (ISO 9001 / ISOTS / ISO IEC e SASSMAQ) é considerado homologado após receber aprovação na auditoria de processo em sua planta. O fornecimento de produtos é estabelecido após a aprovação do PPAP do item a ser fornecido. Para a empresa prestadora de serviços de calibração que não tenha credenciamento RBC / RBLE, ou que não possua nenhum outro credenciamento do mesmo segmento cadastrado no INMETRO, ela pode ser considerada homologada caso apresente o Reconhecimento para Qualificação de Laboratório de Calibração ANFAVEA e Rede Metrológica do Estado de São Paulo RESMESP. Os fornecedores de itens produtivos que são indicados pelos clientes e apresentam uma certificação de 3º Parte (solicitada pela MAXION), podem ser considerados homologados após a realização da auditoria de processo, salvo se o PPAP (ou equivalente) já estiver aprovado pelo cliente da MAXION. Caso a empresa não obtenha a pontuação mínima necessária na avaliação do Sistema de Gestão, é estabelecido um plano de ação corretiva / adequação / melhoria (formato 5W1H 2 ), com prazo máximo de 90 dias para realização de Auditoria de Follow up. Se após follow up a empresa não obtiver a pontuação mínima, o processo é encerrado e a empresa fica impossibilitada de fornecer produtos ou prestar serviços a MAXION. 2 5W1H - Formulário para execução e controle de tarefas que atribui responsabilidades e determina as circunstâncias em que o trabalho deverá ser realizado 8

9 9/32 3 PPAP PARA A submissão de PPAPs por parte de fornecedores da MAXION deve ser conduzida conforme sistemática estabelecida neste manual. O detalhamento sobre os requisitos de submissão é apresentado no ANEXO I. Os fornecedores que já possuem o PPAP (ou equivalente) aprovado pelo cliente da MAXION estão dispensados da submissão de PPAP à MAXION, mediante a apresentação de uma cópia completa desta aprovação. Para os processos especiais (ex. solda, tratamento térmico, tratamento superficial, etc.) o fornecedor deve realizar avaliações periódicas nos padrões CQI ou equivalente. Nos casos de desenvolvimentos de produtos GM, deve ser empregado GP9 3 e GP12 4, mediante análise de aplicabilidade em conjunto com o fornecedor. Para o GP9, a análise consiste na avaliação de itens por família. Para o GP12, são considerados itens com características "pass through 5 ". 3.1 Situações de Submissão e notificações ao cliente A aprovação de peça de produção é sempre necessária antes da primeira expedição do produto, cabendo ao fornecedor submeter o PPAP nas condições definidas no ANEXO I. A Tabela 2 descreve as situações em que é necessária a submissão (ou re-submissão) de PPAP. É de responsabilidade do fornecedor detectar a ocorrência de tais situações e realizar a submissão. Tabela 2 - Situações de submissão (ou re-submissão) de PPAP DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO Novo produto. Correção de discrepância em produto submetido anteriormente. Também considera casos onde a submissão inicial teve o laudo de rejeitado ou aprovado em condicional. Produto modificado por uma alteração de engenharia na especificação, material ou registro de projeto. Tecnologia de processo nova para a organização não previamente utilizada no produto RAZÃO DE SUBMISSÃO Submissão inicial Correção de discrepância Alteração de engenharia Mudança no Processo da peça 3 GP 9 - Run at Rate 4 GP 12 - Contenção Adiantada de Produção 5 Características Pass Through Características não detectáveis no processo produtivo da MAXION 9

10 10/32 Além das situações de submissão anteriormente apresentadas, o fornecedor deve notificar à Qualidade da MAXION sobre quaisquer alterações abaixo relacionadas: Uso de outra construção ou material opcional em relação ao que foi usado na peça ou conjunto anteriormente aprovado; Utilização de novas ferramentas, matrizes, etc. (incluindo substituição ou ferramental adicional); Mudança ou reparo de ferramental ou equipamento; Ferramental e equipamentos transferidos (mudança de lay out); Mudança de subfornecedor de peças, materiais ou serviços subcontratados; Utilização de ferramental inativo; Interrupção do fornecimento por mais de doze meses; Alteração de métodos de ensaios e medição; Nova fonte de matéria-prima. Após a notificação da alteração proposta, a Qualidade da MAXION define a necessidade (ou não) da submissão do PPAP, bem como o nível e a razão de submissão a serem aplicados a cada caso. 3.2 Situações de Laudo de PPAP Definição da metodologia aplicada pela MAXION para a avaliação de PPAP de fornecedores. A disposição para cada submissão de PPAP é enquadrada em uma das três condições descritas de a Condição de PPAP Aprovado O PPAP recebe o laudo Aprovado quando todos os Requisitos aplicáveis são submetidos exatamente como descrito no ANEXO 1 deste manual, e as amostras estão conforme as especificações dos Registros de Projeto e Alteração de Engenharia (quando aplicável). Com a aprovação definitiva do PPAP, o fornecimento do item é homologado pela engenharia da qualidade da MAXION Condição de PPAP em aprovação condicional Caso as amostras estejam de acordo com as especificações dos Registros de Projeto e Alteração de Engenharia (quando aplicável), o PPAP recebe laudo Aprovação Condicional nas seguintes condições: Caso algum dos requisitos de submissão aplicáveis não tenha sido submetido exatamente como descrito no ANEXO I deste manual. Na falta da aplicação de algum dos requisitos de submissão, sem devida justificativa. 10

11 11/32 Na situação de PPAP em aprovação condicional, o fornecimento do item é liberado por 60 dias, sendo o prazo de validade da aprovação condicional. Em situações específicas, o prazo de validação da aprovação condicional pode ser diferente de 60 dias. Os Requisitos aos quais forem apontadas as necessidades de correção (adequação às solicitações descritas no ANEXO I deste manual) são identificados em amarelo no check-list de desenvolvimento de PPAP. O check-list é enviado ao fornecedor juntamente com o laudo de aprovação condicional do PPAP. Para que a aprovação condicional de PPAP seja efetivada como aprovação definitiva, estes requisitos devem ser corrigidos antes do vencimento da mesma. Nos casos em que as solicitações de correção dos requisitos apontadas no check-list não sejam atendidas no prazo de validade da aprovação condicional, aponta-se o vencimento da mesma, de forma que o PPAP é desconsiderado, gerando a necessidade de uma nova submissão envolvendo as correções inicialmente identificadas como necessárias para a aprovação. Para os casos de vencimento da aprovação condicional, são aplicados os deméritos previstos em Condição de PPAP Rejeitado Com o PPAP na condição de rejeitado, o fornecimento do item não deve ser realizado. O PPAP recebe o laudo Rejeitado nos seguintes casos: Quando as amostras não estão conforme as especificações dos Registros de Projeto e Alteração de Engenharia (quando aplicável). Quando o fornecedor não atende plenamente às condições de submissão descritas no ANEXO I. Quando o fornecedor não realiza as modificações no processo apontadas na aprovação condicional. Quando um PPAP é re-submetido, seja após uma rejeição ou após o vencimento de uma aprovação condicional, nas mesmas condições da submissão anterior. Para os casos de rejeição de PPAP, são aplicados os deméritos previstos em Considerações para a Submissão de PPAP s via A submissão de PPAPs via deve ocorrer em um único arquivo no formato PDF, com a disposição dos requisitos na ordem apresentada na Tabela 3. Tabela 3 - Ordem dos requisitos para a submissão de PPAPs via 11

12 12/32 1 PSW 2 Registros de Projeto de Produto à Venda 3 Documentos de Alteração de Engenharia 4 Aprovação da Engenharia do Cliente (caso não esteja com os Registros de Projeto) 5 FMEA de Projeto 6 Diagrama de Fluxo de Processo 7 FMEA de Processo 8 Plano de Controle de Processo 9 Estudo de Análise dos Sistemas de Medição 10 Resultados Dimensionais 11 Resultados de Ensaio de Material / Desempenho (incluindo IMDS) 12 Estudos Iniciais do Processo 13 Documentação de Laboratório Qualificado 14 Auxílios de Verificação Considerações adicionais: Os requisitos não aplicados devem estar devidamente justificados no corpo do e- mail. Não são permitidas submissões via de arquivos maiores do que 2 MB, ou com mais de 30 páginas. Todas as páginas devem estar adequadas para a impressão no formato A4, sendo uma página por folha. Documentos escaneados devem apresentar boa condição de leitura após a impressão. 12

13 3.4 IMDS International Material Data System 13/32 Todo fornecedor deve garantir que seus materiais, componentes ou produtos cumpram as leis e regulamentações aplicáveis no país de fornecimento ou país a que se destinam esses materiais. Para confirmação de atendimento, é necessária a realização do cadastro dos componentes, materiais e/ou produtos no sistema Global IMDS, International Material Data System, por meio de cadastro prévio via site O cadastro prévio dos produtos fornecidos no IMDS é parte integrante do PPAP do fornecedor, sendo validado mediante consulta ao site global pela qualidade MAXION. O ID Maxion é

14 14/32 4 Avaliação da Performance do Fornecedor - APF A MAXION monitora a performance de seus Fornecedores de itens produtivos conforme o desempenho da qualidade dos materiais recebidos e do atendimento às programações de entrega, através da Avaliação da Performance do Fornecedor (APF). A APF é o resultado de indicadores de Logística e Suprimentos, bem como de Qualidade. No início de cada APF, o fornecedor recebe 100 pontos e é avaliado mensalmente, de acordo com sua performance nos aspectos descritos em 4.1 e 4.2, através da dedução de pontos correspondentes aos deméritos sofridos durante esse período. A pontuação é realizada em planilha específica para cada fornecedor, com gráfico e quadro resumindo a necessidade de plano de ação (caso aplicável). A MAXION tem como meta para seus fornecedores um índice de APF superior a 80, sendo que os critérios para exigência de planos de ação em caso de índices inferiores estão definidos no item Performance da Qualidade dos Materiais Recebidos: Os indicadores de qualidade são distribuídos em cinco categorias, conforme apresentado na Tabela 4. Tabela 4 - Distribuição da pontuação dos indicadores de qualidade. QUALIDADE (Q) = 50 PONTOS Sigla Descrição Dedução Máxima Responsável pela Avaliação RP Rejeição ou falta do PPAP 03 Qualidade IQF Índice Qualidade Fornecedor 21 Qualidade RL Reclamação de Linha 15 Qualidade AP Auditoria de Processo 03 Qualidade RRNCP Retorno RNC Fora do Prazo 08 Qualidade Q = 50 (RP + IQF + RL + AP + RRNCP) Rejeição ou Falta do PPAP O demérito Rejeição ou Falta de PPAP (RP) é aplicado quando há a ocorrência de pendência de PPAP para algum dos produtos fornecidos no período de avaliação. Enquadram-se neste demérito situações de rejeição de PPAP, fornecimento de peças sem a submissão ou aprovação de PPAP e vencimento da aprovação condicional de PPAP. Este demérito tem a dedução fixa de 03 pontos para a primeira ocorrência, com o acréscimo de 01 ponto a cada reincidência no período de avaliação Índice de Qualidade do Fornecedor 14

15 15/32 O Índice de Qualidade do Fornecedor (IQF) tem como base o índice de materiais rejeitados, representado por PPM (Partes Por Milhão), sendo calculado conforme a fórmula abaixo: QRR+ QRL IQF = * => é igual ao índice PPM, onde: QR QRR = Quantidade Rejeitada no Recebimento QRL = Quantidade Rejeitada em Linha de Produção QR = Quantidade Total Recebida Este demérito tem a dedução máxima de 21 pontos, aplicada conforme o índice de PPM apresentado na Tabela 5. Tabela 5 - Critérios para deméritos de IQF CRITÉRIO DEMÉRITO PPM 80 0 ponto 80 < PPM pontos 150 < PPM pontos 250 < PPM pontos PPM > pontos Para fornecedores de Matéria-Prima, a dedução máxima de é de 21 pontos, aplicada conforme o índice de PPM apresentado na Tabela 6. Tabela 6 - Critérios para deméritos de IQF em fornecedores de matéria-prima CRITÉRIO DEMÉRITO PPM ponto 500 < PPM pontos 1000 < PPM pontos 1500 < PPM pontos PPM > pontos Reclamação de Linha 15

16 16/32 O demérito Reclamação de Linha (RL) é aplicado toda vez que algum produto apresentar problema de qualidade na montagem. Este demérito tem a dedução máxima de 15 pontos, aplicada de acordo com o local de detecção do problema, conforme apresentado na Tabela 7. Tabela 7 - Critérios para deméritos de RL DEMÉRITO CRITÉRIO 05 pontos Reclamação na linha de Produção MAXION 10 pontos Reclamação na Linha de Produção do Cliente da MAXION 15 pontos Reclamação na Linha de Produção da MAXION e do Cliente da MAXION Auditoria de Processo O demérito Auditoria de Processo (AP) é aplicado quando a Auditoria de Processo periódica realizada no fornecedor apresenta pontuação inferior a 70% Este demérito possui dedução máxima de 03 pontos e mantém-se durante o período em que estiver sendo desenvolvido o plano de melhorias, até o seu fechamento Retorno RNC Fora do Prazo 16

17 17/32 O demérito Retorno RNC fora do prazo (RRNCP) é aplicado quando, dada uma emissão de relatório de não conformidade, o retorno com as informações sobre contenção e disposição não é realizado dentro de 24 horas, ou quando o retorno com a definição das ações corretivas não ocorre em um prazo de 07 dias corridos. Este demérito possui dedução fixa de 08 pontos para a primeira ocorrência, com o acréscimo de 01 ponto a cada reincidência no período de avaliação. 4.2 Performance do Atendimento às Programações de Entrega: Os indicadores de performance de Logística e Suprimento são distribuídos em quatro categorias, conforme apresentado na Tabela 8. Tabela 8 - Distribuição da pontuação dos indicadores de logística e suprimentos. LOGÍSTICA / SUPRIMENTO (LS) = 50 PONTOS Sigla Descrição Dedução Máxima Responsável pela Avaliação PE Performance de Entrega 40 Compras MA Modo de Atendimento 05 Compras MR Modo de Relacionamento 05 Compras DA Deméritos Adicionais * Compras LS = 50 (PE + MA + MR) Performance de Entrega O demérito Performance de Entrega (PE) tem a dedução máxima de 40 pontos e é aplicado de acordo as situações abaixo apresentadas: Para 40 < IC < 100 = Cálculo Direto PE = 40 [IC (%) x 40] Para IC < ou = 40 = Dedução Máxima Direta 40 pontos O Índice de Capacidade de Entrega (IC) trata-se da porcentagem de entrega no prazo e é calculado pela seguinte fórmula: RT RC IC = *100%, onde: RT 17

18 18/32 RT = quantidade total de AR do fornecedor no período de avaliação; RC = quantidade de AR de data de entrega divergente em relação ao Pedido de Compra, no mesmo período de avaliação. AR = Aviso de Recebimento (registro de cada entrada de material na MAXION); Para fornecedores em processo de coleta Milk Run 6, o IC pode ser calculado de acordo com a disponibilidade dos produtos no momento da coleta, pela razão do número de coletas divergentes em função do número total de coletas. Para casos de parada de linha por falta de peças, cuja responsabilidade seja do fornecedor, é aplicada a pontuação fixa de 40 pontos. Para casos desta natureza o fornecedor é comunicado formalmente no momento da ocorrência Modo de Atendimento O demérito Modo de Atendimento (MA) representa o comprometimento do fornecedor para atendimento às programações de entrega. Este demérito tem a dedução máxima de 05 pontos, aplicado de acordo com o modo de atendimento às programações de entrega, conforme apresentado na Tabela 9. Tabela 9 - Critérios para deméritos de MA CRITÉRIO Estoque Bancado na MAXION Entregas JIT Entregas Semanais Entregas Decendiais Entregas Quinzenais Entregas Mensais DEMÉRITO 0 ponto 0 ponto 02 pontos 03 pontos 04 pontos 05 pontos Modo de Relacionamento 6 Milk Run - Sistema de coletas programadas de materiais. 18

19 19/32 O demérito Modo de Relacionamento (MR) representa os mecanismos que o fornecedor dispõe para relacionamento via Sistemas e nível de confiança no atendimento automático às programações de entrega. Este demérito tem a dedução máxima de 05 pontos, aplicado de acordo com o modo de relacionamento, conforme apresentado na Tabela 10. Tabela 10 - Critérios para deméritos de MR CRITÉRIO DEMÉRITO EDI Disponível 0 ponto EDI não disponível 02 pontos Necessidade de follow-up * 05 pontos * se o fornecedor necessita de acompanhamento constante por parte da área de compras MAXION Deméritos Adicionais Os deméritos adicionais não possuem limite de dedução máxima, e ocorrem a cada aviso de embarque incorreto e também a cada frete especial utilizado, com a pontuação de 01 ponto por ocorrência. Entende-se por frete especial a entrega realizada através de carro específico para evitar alguma parada de linha na MAXION Exclusões 19

20 20/32 As exclusões representam desonerações ao fornecedor sobre ocorrências de demérito ao mesmo sobre as quais existem fatores de culpa da MAXION. Em hipótese de existência de qualquer exclusão para qualquer fornecedor, o Comprador responsável pelo fornecedor deve registrar a ocorrência na folha de registros da planilha APF, identificando dados do fornecimento envolvido, tais como nota fiscal do fornecedor, aviso de recebimento, quantidade, a causa específica de tal exclusão e a ação tomada junto ao órgão de Planejamento. 4.3 Ações para acompanhamento Com base nos resultados apurados mensalmente, a MAXION envia as planilhas de APF a cada fornecedor, contendo os índices APF e sua classificação. O fornecedor é classificado de acordo com os critérios apresentados na Tabela 11, baseado na pontuação de desempenho obtida. Tabela 11 - Classificação dos fornecedores quanto ao desempenho. CRITÉRIO CLASSIFICAÇÃO APF 80 A 60 APF < 80 B APF < 60 C Dependendo da pontuação de cada fornecedor, é feito um acompanhamento através de planos de ação corretiva, existindo ainda a possibilidade de bloqueio do fornecedor para novos desenvolvimentos, ou até mesmo o disparo de fornecedores alternativos Plano de ação corretiva Um plano de ação corretiva (RNC, PDCA s, etc.) é exigido do fornecedor nos seguintes casos: Ocorrência de rejeição de produto por problema de qualidade; Atrasos de entrega que tenham causado parada de linha de produção MAXION ou dos clientes (montadoras); O fornecedor tenha sido classificado como C ; O fornecedor foi classificado por três meses consecutivos como B ; A performance de entrega (PE) tenha dedução maior que 12 pontos (ou seja, entregas no prazo < 70%). 20

21 21/32 As situações em que houve revisão de culpa do fornecedor (item 4.2.5) devem ser desconsideradas para efeito desta exigência. A MAXION deve avaliar e validar os planos de ação enviados pelos fornecedores, de forma a garantir que as ações estejam realmente buscando a eliminação das causas dos problemas identificados. Além disso, é necessária, para cada caso, a avaliação da necessidade de acompanhamentos intermediários (checkpoints) da evolução das ações definidas nos planos, para assegurar o cumprimento dos prazos estabelecidos. O embarque controlado ocorre quando o fornecedor apresenta reincidência de determinado problema de Qualidade. Neste caso realiza-se a inspeção em 100% das peças para a característica não-conforme, com registros. Após a validação da ação corretiva pela MAXION, a condição de embarque controlado não é mais necessária por parte do fornecedor Bloqueio para novos desenvolvimentos A MAXION bloqueia o fornecedor para novos desenvolvimentos nos seguintes casos: O fornecedor seja classificado por mais de três meses consecutivos como C ; O fornecedor não tenha apresentado plano de ação corretiva para as situações definidas 4.3.1; O fornecedor tenha apresentado plano de ação que não seja adequadamente eficaz para alcançar a classificação A após a conclusão das ações. A MAXION também pode bloquear um fornecedor para novos desenvolvimentos por razões estratégicas não pontuadas no APF Desenvolvimento de fornecedores alternativos A MAXION busca e desenvolve fornecedores alternativos, quando possível, caso o fornecedor não tenha atingido a classificação A (APF > 80) após a conclusão das ações definidas na auditoria de processo. 4.4 Melhoria Contínua A MAXION pratica e estimula a melhoria contínua junto aos fornecedores, quando aplicável, através das seguintes situações: Upgrades de sistemas de gestão nos fornecedores; Troca de conhecimento / know-how (treinamentos e capacitações realizados na MAXION ou nos fornecedores, por exemplo); 21

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE DE DOALPLASTIC INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. MATRIZ: AVENIDA DIRCEU DIAS CARNEIRO, 151 DISTRITO INDUSTRIAL II - CEP 13457-198 SANTA BÁRBARA D' OESTE - SP - BRASIL FILIAL: AVENIDA MAESTRO

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 21; Revisado em Dezembro/ 2015 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7 Sumário 1. Mensagem ao Fornecedor...- 2-2. Política da Qualidade...- 2-3. Objetivo do manual...- 2-4. Aplicação...- 3-5. Definições...- 3-6. Confidencialidade...- 3-7. Requisitos Gerais...- 4-8. Verificação

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563. MANUAL DA QUALIDADE PARA CORPORATIVO C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.694/0001-92 - Inscrição Estadual:

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR Página: 1/21 MANUAL DO FORNECEDOR 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 3 PRÉ-REQUISITOS PARA FORNECIMENTO... 4 4 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS FORNECEDORES... 6 5 AMOSTRAS INICIAIS...

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 17 M.DIR. 02-02 Premissa 02 17 M.DIR. 02-03

Leia mais

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES LS 0082 Manual de Fornecedores 1 de 50 04.12.2013 Sumário INTRODUÇÃO... 5 DIRETRIZES DO FORNECEDOR... 6 CONTRATOS STIHL... 6 OBJETIVOS... 7 GESTÃO DA QUALIDADE... 8 1. SISTEMA DE

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 APLICAÇÃO... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES... 3 3.1 Empresas Certificadas... 4 3.2 Empresas não Certificadas... 4 3.3 Avaliação

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA.

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 1/17 REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 2/17 ÍNDICE REQUISITOS PÁGINA Histórico

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Este é um documento controlado somente quando no formato de arquivo eletrônico e utilizado como fonte a cópia na web site www.dhb.com.br para o status do nível

Leia mais

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Supplier Development Dana Holding Corporation LLC Agosto 2012 SUMÁRIO i. INTRODUÇÃO... 4 ii. CONDUTA EMPRESARIAL... 5

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES MANUAL PARA FORNECEDORES Regras para Seleção, Qualificação e Monitoria dos Fornecedores. Regras para Desenvolvimento de Produtos Regras para Aprovação do Produto e do Processo Edição 01 Outubro de 2011

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30

Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30 Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30 Manual do Fornecedor Revisão 18 (12/01/2012) ITEM ÍNDICE PÁG. CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Aplicabilidade... 4 1.2 Objetivos... 4 1.3 Política da Qualidade, Meio

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 7.431 Rev: 2 Data: 13/5/214 1 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ESCOPO... 4 3. APLICABILIDADE... 4 4. OBJETIVO... 5 5. REQUISITOS AMBIENTAIS... 5 6. ÉTICA

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

5ª Edição Janeiro de 2008.

5ª Edição Janeiro de 2008. EMPRESAS RANDON MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 5ª Edição Janeiro de 2008. Apresentação 4 1 - Introdução 5 1.1 Escopo 5 1.2 Objetivo Geral 5 2 - Aprovação de Fornecedores e Planejamento da Produção

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores.

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Conteúdo 1.0 Introdução 3 1.1 Escopo 3 1.2 Objetivo 3 1.3 Fundamentação 4 2.0 Requisitos do Sistema de Qualidade

Leia mais

Certificações VMG ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3

Certificações VMG ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3 Certificações ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3 As informações contidas neste documento são propriedades da INDÚSTRIA METALURGICA LTDA. Este documento não pode ser revelado, duplicado ou usado com nenhuma

Leia mais

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª REVISÕES Edição Data Alteração da Revisão 1.ª 19/12/2003 Emissão Inicial 2.ª 19/08/2004 Adequação 3.ª 23/12/2004 Adequação 4.ª 01/05/2006 Reedição do Manual 5.ª 02/01/2008 Reedição do Manual 6.ª 01/03/2011

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Requisitos e diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente, conforme padrões definidos pelas normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004 e pela

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES Versão: b Manual de Fornecedores 1 de 56 PREFÁCIO Este Manual de Fornecedores está dividido em oito blocos, conforme destacado a seguir: Gestão da Qualidade Desenvolvimento Auditorias

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R Sem controle após a impressão SUMÁRIO 1. Objetivo Webdesk\Manual da Qualidade\Subsistema I Logística Pág. - 1 - de 23 2. Responsabilidade do Fornecedor

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE Rev. Abril 2011 1 1 - Objetivo Orientar o fornecedor requerente

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Professores: Diego Mondadori Rodrigues Ernani Matschulat Viviane Dorneles Tobias

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Indústria. SIQ - Qualidade que traz Resultados!

Indústria. SIQ - Qualidade que traz Resultados! Indústria SIQ - Qualidade que traz Resultados! Panorama atual Modelo de gestão não estruturada Como as soluções atuam Onde atuam Soluções SIQ Modelo de Gestão Estruturada Todas as Suítes Fluxos Estimativa

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ESTE MATERIAL É EXCLUSIVO PARA USO EM TREINAMENTOS / CURSOS DA ESTATICA. CÓPIAS SOMENTE COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR. METROLOGIA Ciência da medição

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais