FMEA APLICADO NO PROCESSO DE USINAGEM DE DISCO DE FREIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FMEA APLICADO NO PROCESSO DE USINAGEM DE DISCO DE FREIO"

Transcrição

1 ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de Ilha Solteira - SP Paper CRE05-PF16 FMEA APLICADO NO PROCESSO DE USINAGEM DE DISCO DE FREIO Silvia M. Macedo, Jurandir J. Nardini e Modesto H. Ferrer FUMEP Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba, EEP Escola de Engenharia de Piracicaba AV: Monsenhor Martinho Salgot, 560, Bairro Areião, CEP , Piracicaba, SP para correspondência: Introdução Entende-se por problema o desvio entre uma situação ideal (resultado esperado) e uma situação real (resultado obtido). Para empresas e organizações em geral identificar problemas não é uma tarefa difícil, pelo contrário na maioria das vezes é obvio e claro. Com isso muitas organizações empenham seus esforços na detecção e correção de falhas, e pouca importância é dada a prevenção de falhas. Porém se analisarmos verificamos que temos problemas devido a falta de ações preventivas no passado. (Manual MB&A, 2004). Atuar de forma preventiva, é o primeiro passo para conseguirmos uma busca cada vez maior pela melhoria contínua, sendo este um diferencial para que as empresas consigam sobreviver no mercado, tendo um produto competitivo, atendendo desta forma as exigências do mercado e seus clientes. Para isso as organizações estão aplicando cada vez mais técnicas e metodologias com base estatísticas objetivando a prevenção, detecção e controle de falhas nos projetos, processos e sistemas, com isso utiliza-se o FMEA (Failure Mode and Efects Analysis - Analises de Modos de Falhas e Efeitos) como uma ferramenta vital na prevenção de falhas atuando dentro de programas de qualidade e confiabilidade. Objetivo O objetivo deste estudo é demonstrar que através de uma ferramenta eficaz como FMEA, conseguiremos obter níveis cada vez mais altos de qualidade, permitindo desta forma que projetos, processo e sistemas atinjam índices de confiabilidade cada vez mais altos. Verificamos que para as empresas o número de modificações pós-lançamentos, a falta de padronização dos processos, os retrabalhos, a perda de contratos de vendas, perda de aquisição de novos produtos geram um custo muito alto impedindo desta forma o seu bom desenvolvimento e a obtenção de lucro (Manual MB&A, 2004). Desta forma verificamos neste estudo que é possível demonstrar para diversas empresas, que esta ferramenta deve ser considerada na verdade como um investimento inicial, e que se realizado de uma forma eficaz pode gerar em um futuro próximo uma redução de custo significativo em seus processos e sistemas devido às reduções de falhas, sendo esta redução revertida em um produto com qualidade e valor atrativo para os clientes. Metodologia A metodologia deste estudo foi obtida através de referências bibliográficas e estudo de caso, no qual refere-se à aplicação dos conceitos de FMEA para revisar e melhorar o processo de usinagem de discos de freio em uma determinada empresa. Para isso reuniu-se uma equipe composta de engenheiro de processo (moderador), engenheiro de qualidade, engenheiro de produção, auditor de qualidade, manutenção e operador de produção, ficando claro para a equipe que o FMEA de processo não se apóia em modificações de projeto para eliminar deficiências de processo, mas cuida das características significativas do produto para assegurar que este seja construído conforme desenho (Palady,1997). Com esta informação o FMEA de processo foi iniciado com o estudo do fluxograma do processo, exibido na Figura 1, indicando em cada operação as características dos produtos produzidos. Para alinhar as informações sobre o processo, fez-se uma explanação sobre as operações realizadas na usinagem do disco de freio, na qual foi descrita no item seguinte. Operações realizadas na Usinagem do Disco de Freio O processo inicia-se com o abastecimento manual do fundido cujo o peso bruto é de 13 quilogramas, o operador retira o fundido de um box de madeira e coloca-o em cima de uma esteira automática, onde é conduzido através de um eixo Q, até a posição de usinagem.

2 Fluxograma de Processo - Usinagem Disco de Freio Abastecimento (Desbaste) Furação (Desbaste) Furação Operação 10 Operação 20 Balanceamento Balanceamento Operação 30 Retifica Operação 40 Lavatriz Operação 50 Equipamento de Medição (Marposs) Operação 60 Jateamento Operação 70 Lavatriz Lavatriz Operação 80 Pintura Geomet Operação 90 Embalagem Operação 100 Expedição Operação 110 Figura 1 Fluxograma de Processo A operação 10, compreende o processo de torneamento completo, ou seja, dois centros de usinagem executam o torneamento de desbaste e quatro centros de usingem executam o processo de acabamento conforme as medidas solicitadas no desenho do produto.

3 Após a operação de torneamento o disco é conduzido através de uma esteira automática, até o momento que o operador o retira da esteira e o coloca em um centro de usinagem para executar o processo de furação, operação 20. Ao se finalizar esta operaç ão, o disco de freio segue o processo, dando-se inicio a operação 30, ou seja, operação de balanceamento, que é realizado em duas balanceadoras automáticas. A operação 40, consiste em retificar o disco de freio a fim de atingir as medidas e rugosidades exigidas pelo cliente. Na operação 50 a peça retificada é lavada em uma solução especial, anti-corrosiva e protetiva, visto que o material usinado composto de ferro fundido. Na operação 60 faz-se todas as medições necessárias, onde verifica-se se a peça encontra-se dentro do especificado. O objetivo da operação 70, é realizar o jateamento na parte interna do disco, onde provoca-se uma rugosidade alta, para que seja acionado o freio de estacionamento ( freio de mão ). Novamente lava-se o disco na operação 80, para prepara-lo para operação seguinte, onde a peça será pintada com uma tinta protetiva chamada geomet, o processo de secagem é feito através de indução eletrostática. Finalizando o processo, tem-se na operação 100 a embalagem, onde coloca-se um palet de madeira como suporte, papelão e um plástico apropriado envolvendo as camadas de discos. Causas, Modos e Efeitos de Falha do Disco de Freio Os membros da equipe utilizaram um formulário padrão da empresa figura 2, onde foram listando em todas as operações os possíveis modos de falhas, em seguida as possíveis causas e seus efeitos. Após analise dos efeitos estes foram classificados com índices de severidade, os modos de falha e causas foram classificados conforme documentos de ocorrência e detecção fornecidos pelo sistema de qualidade. Foram gerados índices classificados de 1 a 10, sendo quanto maior o índice pior a situação (Helmam, 1995). O produto da severidade, ocorrência e detecção geraram um NPR (número de prioridade de risco), como se trata de usinagem de discos de freio, considerado um item de segurança nos automóveis, a empresa assumiu um valor NPR de 32. Como este processo de usinagem obtinha uma série de problemas, tais como layout impróprio, fadiga de operadores devido a peso do disco usinado, problemas em máquinas devido à falta de manutenção preventiva e peças acumuladas em caixas possibilitando a oxidação, diante destes fatores todos os índices atingiram valores altos e consequentemente a maioria dos NPR ultrapassaram 32, este cenário gerou inúmeras ações recomendadas para conseguir solucionar os problemas estruturais, pois a principal finalidade destas ações era diminuir ou eliminar a ocorrência das falhas. Para o nosso estudo, analisaremos alguns modos de falha da operação 40 (retifica), como rugosidade da pista frenante acima e abaixo do especificado, distância entre a pista externa de frenagem e face interna de montagem acima e abaixo do especificado, paralelismo da pista externa de frenagem com face interna de montagem acima e abaixo do especificado, para estes modos de falha a equipe identificou que as principais causas, são desgaste excessivo da ferramenta (rebôlo), rebôlo não dressado, set-up incorreto, alteração do programa de usinagem, sujeira (cavaco) entre a peça e o dispositivo. Diante destes modos de falha, os efeitos encontrados foram, travamento do freio, desgaste excessivo da sapata de freio, no caso de rugosidade abaixo do especificado gera um escorregamento do freio, resultando aumento da distância de parada, torque residual gerado pela variação de espessura resultando em frenagem rustica. As ações recomendadas para tais problemas foram, implementar instruções de set-up, definir vida útil da ferramenta configurando a máquina para parada automática, inspeção 100% através de sistema de medição (operação 60), implantar manutenção preventiva, implementar sistema de sopro automático nas castanhas dos tornos impedindo que as peças sigam o fluxo com cavacos.

4 Sistema Componente Processo Análse do Efeito e Modo da Falha Potencial (Sistema / Produto / Processo) Produto/Processo Resp. José. X Data Chave Departamento: WXY Loc. Fabric. XXX Ano do Modelo(s)/Veiculo Equipe Principal: LX FMEA Nº Ver Nº Ref.Base & Ver Nº Preparado Por FMEA Data (Orig) FMEA Data (Rev) Peça Número 111 Antonio. Y Ações Resultantes Item Projeto - Função Processo/ Função Projeto - Requisitos Processo Modo de Falha Potencial Efeito(s) Potencial de Falha Severidade Classe Causa(s) Potenciais / Mecanismo de Falhaa Ocorrencia Prevenção Controles do Projeto/ Processo Atual Detecção RPN Ações Recomendadas Responsabili dades & Data de Conclusão do Objetivo Ações Tomadas Severidade Ocorreencia Detecção RPN 40 - Retificar peça usinada Rugosidade Escorregame das pistas nto do freio, frenantes resultando no abaixo do aumento de especificado parada 7SC Set-up incorreto 3 Rugosimetro Implementar intrução de set-up Referenciame nto do rugosimetro Implementar sistemática de controle de referênciamento do rugosimetro. Figura 2 Formulário FMEA Estratégia de Melhoria Depois de identificadas as preocupações, deve-se considerar primeiro: tentar eliminar o modo de falha. Segundo: minimizar a severidade da falha. Terceiro: reduzir a ocorrência do modo de falha. Quarto: melhorar a detecção. Esta estratégia busca fornecer uma ação corretiva completa para cada preocupação, em lugar de uma solução a curto prazo (Palady,1997). Embora os itens descritos no parágrafo acima, sejam as principais preocupações, não devemos limitar esforços de melhoria contínua da qualidade, para solucionar todos os problemas identificados no FMEA. Entretanto, as limitações associadas aos recursos disponíveis e custos devem ser equilibradas em relação ao número de preocupações abordadas simultaneamente. Uma estratégia de melhoria muito eficaz, é desdobrar o FMEA dentro da organização como mostra a figura 3, na fase um o treinamento inicial no FMEA, deve ser conduzido por um grupo selecionado dentro da organização. Este grupo terá responsabilidade de determinar e desenvolver os procedimentos e políticas de FMEA corretos para a organização. Na fase dois, deve-se concentrar os recursos do FMEA onde são necessários, resultando em aplicações bem sucedidas com retorno significativo. Antes do desenvolvimento dos FMEAs iniciais, o gerente de projeto deve garantir que recursos adequados estejam disponíveis. A seleção da equipe é outro fator importante, pois além dos membros da empresa, deve-se contar com a contribuição de fornecedores e clientes.

5 Fase 1 Fase 2 Fase 3 Fase 4 Treinamento Seletivo Seleção do Projeto da Empresa Revisão do Manual de FMEA da Empresa Desenvolvimento do FMEA Desenvolviment o de um Cômite Geral Alocação de Recursos Visão geral de Exigências/Especific ações Avaliação da Eficácia do FMEA Desenvolviment o dos Procedimentos da Empresa Seleção da Equipe Incorporação de FMEAs Bem- Sucedidas ao Manual Treinamento da Equipe Atribuição de Responsabilidade Figura 3 Modelo de Desdobramento do FMEA A fase três, deve-se ter uma visão geral das necessidades e pré-requisitos para o desenvolvimento de um nível de compreensão funcional do projeto, processo ou serviço. Na última fase, a equipe conclui todo o planejamento necessário para FMEAs bem-sucedidas e adquiriu recursos suficientes para o desenvolvimento de FMEA. Após a implementação do programa de desenvolvimento, o membro da equipe responsável pela atualização do FMEA, deve acompanhar os custos de falhas associados ao programa durante um período representativo de tempo. A diferença ou a redução no custo de falha menos o custo de desenvolvimento do FMEA é um dos benefícios mensuráveis dos FMEAs eficazes, que deve ser incluído em um manual de exemplos de FMEAs bem sucedidos internamente na organização. Resultados Os resultados obtidos com a realização do FMEA foram muito positivos para a empresa em questão, pois o produto analisado continha um FMEA existente, porém extremamente pobre e com uma análise um tanto quanto superficial das falhas, com isso este processo foi sofrendo com o surgimento de diversas falhas, gerando uma série de retrabalhos, afastamento de operadores devido a doenças ocupacionais, iminências de paradas de linha nos clientes, custos altíssimos com frete aéreo para atender as entregas e redução nos volumes de produção. Através das análises feitas com a equipe do FMEA, conseguiu-se identificar aproximadamente 400 modos de falhas, encontrando-se apromoximadamente três causas para cada modo, gerando um total de 1250 causas. Como o disco de freio trata-se de item de segurança, cerca de 70% do NPR ultrapassou o valor de 32 estipulado pela empresa, com a aplicação de 60% das ações recomendadas conseguiu-se diminuir em um período de seis meses (outubro 2004 a abril 2005) cerca de vinte por cento da quantidade refugada, que era o grande vilão, pois como as maiorias das peças eram refugadas não se conseguia atingir o volume necessário para atender o cliente, com isso gerava-se um número muito alto de horas-extras, gastos excedentes com

6 insertos e desgastes dos equipamentos devido o fato de as máquinas não pararem no tempo correto para manutenções preventivas.a figura 3 abaixo demonstra a redução de refugo. Produção X Refugo - Out/2004 à Abr/ Produção Discos Usinados Refugo Qtd Peças Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Meses Figura 1 Produção X Refugo Conclusão Podemos concluir com este estudo, que para conseguirem-se resultados positivos com a formulação de uma equipe de pessoas cujo objetivo comum é tornar um produto mais confiável possível para seu cliente, eliminando-se desta forma as possíveis falhas, é preciso que as ações recomendadas pela equipe do FMEA sejam aplicadas de forma eficaz. Desta forma conseguirá resultados satisfatórios a médio prazo, entretanto é preciso analisar as possibilidades financeiras de cada empresa, para que dentro do seu planejamento de custo seja possível colocar estas ações em prática, ou seja, nada adianta formular uma ação recomendada para implantar um sistema robotizado sendo que está fora da realidade da empresa. Outro fator que pode melhorar a redução de falhas é a multiplicação do conceito FMEA dentro da área produtiva, ou seja, é preciso que este conceito saia das salas de reuniões e abranja desde o operador de máquina até os cargos direcionais, para que possam ter uma visão critica de seu produto, processo ou sistema, deixando mais eficiente e confiável. Referências Bibliográficas Helmam, H., Andery P.R.P., Analise de Falhas (Aplicação dos Métodos de FMEA FTA), - Belo Horizonte, MG, Fundação Christiano Ottoni, Escola de Engenharia de UFMG, Manual MB&A FMEA Analise dos Modos de Falhas e Efeitos, Janeiro Palady, P., FMEA Análise dos Modos de Falha e Efeitos, Editora IMAM, São Paulo, SP, 270p.,1997.

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Professores: Diego Mondadori Rodrigues Ernani Matschulat Viviane Dorneles Tobias

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS 1 APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS Bruno Ricardo Duarte 1 João Koji Fujita Ribeiro de José Antonio Bueno 4 Renato Francisco Saldanha Silva 5 RESUMO O presente

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha 1 1 Introdução

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis)

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) seu produto nas unidades respectivas de cada grandeza, isto é, o produto tem $4,50 na característica "custo", 170 mm na característica "dimensão", e assim por diante. As colunas "concorrente };' e "concorrente

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu São Paulo, 01 de Outubro de 2010 Nomes: Cícero Marcelino RA: 200509458 Daniele Teixeira RA: 200605045 Edson Pereira RA: 200607727 Matheus Monteiro RA: 200709765 Rodrigo Pavin

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

AUTOMAÇÃO DO PROCESSO DE MEDIÇÃO DE JUNTAS DE CABEÇOTE

AUTOMAÇÃO DO PROCESSO DE MEDIÇÃO DE JUNTAS DE CABEÇOTE ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-OA04 AUTOMAÇÃO DO PROCESSO DE MEDIÇÃO DE JUNTAS DE CABEÇOTE Granuzzio

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

APLICAÇÃO DO FMEA DE PROCESSO EM MANUFATURA DE LUMINÁRIAS

APLICAÇÃO DO FMEA DE PROCESSO EM MANUFATURA DE LUMINÁRIAS APLICAÇÃO DO FMEA DE PROCESSO EM MANUFATURA DE LUMINÁRIAS Fábio Ferraz PRODOCIO 1 Marivaldo Ferreira DA SILVA 1 Romulo André Della VECCHIA 1 Wellington Johnny DOMINGOS 1 Jorge Antonio Vaz GUERRA 2 RESUMO

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica ISSN 1984-9354 Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica Priscyla Abramowicz (LATEC/UFF) Resumo: A Indústria farmacêutica deve, por legislação,

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Renato David 1, Allan James Ferreira Maciel 2 *, Jediel Grangeiro 3, Josenilson Rocha 4 1,2,3,4 Planejamento e recursos

Leia mais

FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS

FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS Flávio Zorzan (FAHOR) fz000872@fahor.com.br Leandro Dorneles (URI-Santo Ângelo) leandro1902@gmail.com Marcos Eduardo

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1 FMA Controle de Qualidade FMA Pág 1 FMA que vamos aprender... FMA Ferramentas de Definição Pág 2 FMA FMA Failure Mode & ffects Analysis FMA é um método sistemático para identificar, analisar, priorizar

Leia mais

PRECISÃO E ERROS DE USINAGEM

PRECISÃO E ERROS DE USINAGEM Qualidade de um produto Parâmetros geométricos (dimensão, forma, acabamento superficial, etc.), Parâmetros físicos (condutividade elétrica, térmica e magnética, etc.), Parâmetros químicos (resistência

Leia mais

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha.

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha. FMEA Prof. Andréa CONCEITO DE FMEA CONCEITO DE FMEA ABNT, na norma NBR 5462 (1994), adota a sigla originária do inglês FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) e a traduz como sendo Análise dos Modos de

Leia mais

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS 2009 GRUPO SAINT-GOBAIN Tradição, Qualidade, Inovação e Liderança Fundada em 1665 na França, a Saint-Gobain começou como empresa inovadora em fabricação de

Leia mais

MÓDULO 3 Práticas do PFMEA (Planejamento do Processo), aplicando-as em situações práticas

MÓDULO 3 Práticas do PFMEA (Planejamento do Processo), aplicando-as em situações práticas MÓDULO 3 Práticas do PFMEA (Planejamento do Processo), aplicando-as em situações práticas Ligação entre os FMEA s O DFMEA não é um documento que existe sozinho. Por exemplo: a saída do DFMEA pode ser usada

Leia mais

Alta confiabilidade em cortes e canais mais profundos

Alta confiabilidade em cortes e canais mais profundos Alta confiabilidade em cortes e canais mais profundos As necessidades do usuário final......para operações de cortes e canais mais profundos foram reconhecidas nos primeiros estágios de desenvolvimento

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

EXPERIÊNCIA PRÁTICA E RESULTADOS RELEVANTES DA GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL NUMA EMPRESA DE SANEAMENTO

EXPERIÊNCIA PRÁTICA E RESULTADOS RELEVANTES DA GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL NUMA EMPRESA DE SANEAMENTO EXPERIÊNCIA PRÁTICA E RESULTADOS RELEVANTES DA GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL NUMA EMPRESA DE SANEAMENTO Ronaldo Resende Pereira (1) Economista pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - 1978,

Leia mais

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE FMEA EM UMA EMPRESA DE MÁQUINAS - FERRAMENTA

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE FMEA EM UMA EMPRESA DE MÁQUINAS - FERRAMENTA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE FMEA EM UMA EMPRESA DE MÁQUINAS - FERRAMENTA Afrânio Quintino da SILVA 1 Denner TRINDADE 1, Eduardo Araújo de PAULA 1, Israel do Nascimento BATISTA 1 Jevion Prates MARTINS 1

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 6 Favor colocar

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento.

Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento. Priorização de ações ergonômicas a partir de uma análise de riscos através da adaptação do FMEA como ferramenta de avaliação e gerenciamento. Eduardo Ferro dos Santos Universidade Federal de Itajubá/MG

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. /jcarlos j.c.ferreira@ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica

Leia mais

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O 3 Planejamento de Procesos de Fabricação O Planejamento do processo é a ligação entre a engenharia do produto e a manufatura. Diz respeito à seleção dos processos

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

Desenvolvimento Projeto Seis Sigma Empresa 7 Belo S.A. Linha STD1 - Balas de Caramelo

Desenvolvimento Projeto Seis Sigma Empresa 7 Belo S.A. Linha STD1 - Balas de Caramelo Mapa de Raciocínio - 1/35 MAPA DE RACIOCÍNIO - DMAIC PGS D Desenvolvimento Projeto Seis Sigma Empresa 7 Belo S.A. Linha STD1 - Balas de Caramelo M A I C MBA SIG 2009 - Grupo 3 - KamiKaisen DEFINE Início

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE COMO A UTILIZAÇÃO DO FMEA AUXILIA NA REDUÇÃO DAS FALHAS NO PROCESSO Por: Telma Fidelis Fragoso da Silva Orientador Prof. Luiz

Leia mais

Construção do FMEA para um torno mecânico e uma furadeira coluna existentes na oficina de tornearia do CEFET PB UnED Cajazeiras

Construção do FMEA para um torno mecânico e uma furadeira coluna existentes na oficina de tornearia do CEFET PB UnED Cajazeiras Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba Unidade de Ensino Descentralizada de Cajazeiras Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Disciplina: Manutenção Industrial José Rômulo Vieira

Leia mais

80$Ã,1'Ò675,$Ã'(Ã0È48,1$6)(55$0(17$

80$Ã,1'Ò675,$Ã'(Ã0È48,1$6)(55$0(17$ 352-(72Ã3,/272Ã'(Ã,03/$17$d 2Ã'(Ã$1È/,6(Ã'(Ã)$/+$6Ã)0($Ã(0 80$Ã,1'Ò675,$Ã'(Ã0È48,1$6)(55$0(17$ -RVpÃ3DXORÃ&DEUDOÃGHÃ9DVFRQFHOORVÃ-~QLRU Indústria Romi S.A. Rodovia SP 304, km 141 CEP 13450-000 Santa Bárbara

Leia mais

4.6 6 Sigma. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.6 6 Sigma. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.6 6 Sigma 4.6 6 Sigma O início dos estudos a respeito de 6-Sigma remontam a 1979 por ação de um dos diretores da Motorola naquele momento, Art Sundy. Tudo começa quando ele se dá conta da quantidade

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto A U A UL LA Ciclo de um produto Um problema Você já percebeu, ao andar pelos corredores de um supermercado, a infinidade de produtos industrializados? Desde alimentos a produtos de limpeza e eletrodomésticos,

Leia mais

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade Norma ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade Sistemas da Qualidade e Qualidade Ambiental ISO 9000 e ISO 14000 Prof. M. Sc. Helcio Suguiyama 1- Foco no cliente 2- Liderança 3- Envolvimento das Pessoas 4- Abordagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Sergio Canossa - Sercan Treinamento e Consultoria

Sergio Canossa - Sercan Treinamento e Consultoria Sergio Canossa - Sercan Treinamento e Consultoria 2 Ferramentas da Qualidade Para outras publicações acesse: Sercan Materiais Didáticos www.smd.sercan-consultoria.com.br Sercan Treinamento e Consultoria

Leia mais

Melhoria do processo de pintura em uma indústria moveleira

Melhoria do processo de pintura em uma indústria moveleira Melhoria do processo de pintura em uma indústria moveleira Carolina Oliveira de Paula Universidade Federal de Viçosa (UFV) carolinaengprod@gmail.com José Ivo Ribeiro Júnior Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5.1 INTRODUÇÃO Todas as pessoas convivem sob a sombra da palavra qualidade. Não é para menos, a qualidade tornou-se alicerce fundamental para as organizações, onde ganhou destaque

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição

Caso de uma Central de distribuição Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final SGD Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras Versão Final 2 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 508/09, de 10.06.2009. Deliberação do Conselho de Administração da

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I A U A UL LA Recuperação de guias ou vias deslizantes I Uma máquina foi retirada do setor de produção e levada para o setor de manutenção porque havia atingido o seu ponto de reforma. A equipe de manutenção

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO OPERADORES DE MÁQUINAS OPERATRIZES N. º DOCUMENTO: PNCO-MO-CS-002

NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO OPERADORES DE MÁQUINAS OPERATRIZES N. º DOCUMENTO: PNCO-MO-CS-002 NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO OPERADORES DE MÁQUINAS OPERATRIZES N. º DOCUMENTO: PNCO-MO-CS-002 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. APLICAÇÃO...3 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...3

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 265 34. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 34.1. Introdução Para obter uma boa operação de usinagem em retificação, alguns cuidados devem ser

Leia mais

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Na busca contínua da melhoria da Qualidade, a SMIDDA preparou e aprovou este

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1)

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) Wilson Roberto Nassar (2) Siméia Mendes do Amparo Dias (3) RESUMO A eliminação das lacunas na gestão da manutenção, com base na metodologia TPM, possibilita

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

5W 1H Who? Where? Why? What? When? How? PADRONIZAÇÃO ISO 9000 COMO GARANTIR A QUALIDADE NO

5W 1H Who? Where? Why? What? When? How? PADRONIZAÇÃO ISO 9000 COMO GARANTIR A QUALIDADE NO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento Engenharia Mecânica ENG 039 Gestão da Qualidade PADRONIZAÇÃO ISO 9000 Apresentação: Pedro Henrique Pereira Muniz Rafael de Oliveira Hughes

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Aplicabilidade das Data: FMEA Falta de Energia Elétrica. 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011

Aplicabilidade das Data: FMEA Falta de Energia Elétrica. 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011 Aplicabilidade das Ferramentas Título da da Palestra: Qualidade Data: FMEA Falta de Energia Elétrica 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011 História dos Riscos Construção do Empire State 1930 102 andares Cenário

Leia mais

Exercícios. Exercício 1

Exercícios. Exercício 1 Exercícios Exercício 1 Considere um sistema de processamento com os seguintes tempos entre chegadas de tarefas: Tempo entre Chegadas (horas) Probabilidade 0 0.23 1 0.37 2 0.28 3 0.12 Os tempos de processamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais