O que aprendi auxiliando

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que aprendi auxiliando"

Transcrição

1 agilidade_ O que aprendi auxiliando Como práticas do método Kanban podem ajudar a sua empresa a ganhar mais agilidade. Rodrigo técnico em Processamento de Dados, bacharel em Administração de Empresas e autor, escreveu artigos com renomados autores nacionais e internacionais, como Scott Ambler, Jon Kern e James Shore. Accredited Kanban Trainer e Kanban Coach Professional pela Lean-Kanban University, trabalha com projetos de software há 16 anos, tendo treinado mais de 150 equipes em práticas Lean e Agile em diversas empresas e setores. Atualmente tem utilizado técnicas Lean/Kanban como consultor na Aspercom, auxiliando empresas pequenas, médias e grandes a melhorar seus processos de forma evolucionária, florescendo uma cultura Kaizen. É palestrante em eventos nacionais e internacionais. Mantem seu blog em Você é um analista desenvolvedor em uma pequena empresa de produtos. Como toda empresa ainda em ritmo de Startup, o volume de demandas que chega para sua equipe analisar, construir e testar é monstruoso. Possivelmente um gerente de Produtos, um Product Owner, ou até mesmo o próprio fundador da empresa tem trocentas ideias por dia. A equipe reclama de falta de foco, de falta de tempo para construir um produto confiável e reclama também do nível de stress. O produto até atende um segmento do mercado, mas ele já nasceu com uma grande dívida técnica. A falta de foco, o sentimento de querer abraçar o mundo e o crescimento descontrolado parece inviabilizar o negócio no médio- -longo prazo. O consenso é que o processo atual é um caos. Você é um coordenador de equipe TI em uma empresa média do ramo de serviços. Sua empresa tem o anseio de crescer, porém, está colocando a carroça na frente dos bois, e mesmo sendo uma organização com pouco mais de 400 pessoas, já sofre com hierarquias inflexíveis e alta burocratização do trabalho. O crescimento passa a ser vítima do próprio sucesso, impedindo a empresa de expandir mais. A organização possui processos e mais processos, e processos para controlar processos. Infelizmente, essa rigidez estrutural faz a empresa ter pouca agilidade para responder ao dinamismo do mercado. A sua avaliação é que há excesso de controles e burocracia, mas será difícil mudar o que é necessário para a empresa deslanchar. Você é um gerente de TI de uma grande empresa que presta serviços financeiros ou atua na indústria. É uma corporação consolidada que atua no mercado há décadas e sua posição no mercado não parece ser ameaçada. Diversas áreas demandam projetos e manutenção entre os mais de 200 sistemas de informação existentes. Nas conversas de corredor constantemente falam que seria muito bom se a TI não fosse tão lenta. Sua posição como gestor de TI é defensiva, e requer cada vez mais trato político para solucionar conflitos e problemas de projetos. Você não sabe ao certo qual é o problema, pois as equipes são como caixas pretas. Você sequer consegue atuar na organização como líder para otimizar processos. Se você se identificou com alguma das situações acima, este artigo é para você. Em mais de 14 anos trabalhando com processos de gestão e desenvolvimento em TI, inicialmente com RUP, depois com Agile e agora com a abordagem Lean/Kanban, esses três parágrafos acima demonstram ambientes que comumente encontro em trabalhos de consultoria. / 30

2 empresas em transições ágeis? Rodrigo Yoshima, um renomado evangelista de práticas ágeis no Brasil e no exterior que foi colunista da MundoJ entre 2006 e 2010, nesta edição comemorativa, apresentará novas práticas e problemas comuns que ele encontra em transições Lean/Agile em seu trabalho como consultor. Neste texto, veremos as principais diferenças entre uma implementação Agile revolucionária e uma transição Lean evolucionária, e como essa nova abordagem pode ajudar sua empresa a melhorar seus processos na melhor forma Kaizen. Mudar processos, sistemas de gestão e consequentemente a cultura de uma empresa é bastante desafiador, mas temos técnicas e práticas de Gestão de Mudanças que podem nos ajudar. Sobre o tamanho da mudança Em diversos treinamentos, sessões de coaching e palestras costumo perguntar às pessoas porque mudanças organizacionais são tão difíceis. Em uníssono várias pessoas em todo país e no exterior me respondem que mudanças são difíceis porque envolvem pessoas. Por que pessoas são a chave para o sucesso ou falha de mudanças organizacionais? Porque pessoas são a parte ativa do sistema de trabalho no século XXI, a Era da Informação. O problema é que na maioria das vezes pessoas agem mais na emoção do que na razão. Isso torna mudanças difíceis. Além disso, o ser humano em sua evolução busca um estado de homeostase se agarrar a um ponto estabilidade do sistema. Se as pessoas não reagissem emocionalmente quando propomos mudanças tudo seria muito fácil. Imagino que se todos na sua empresa tivessem um comportamento como o do Dr. Spock (personagem da série Star Trek do planeta Vulcano, cujos habitantes vivem pela razão e pela lógica), mudanças seriam bem mais simples! Mas isso não é verdade, nesse planeta lidamos com humanos, humanos tomam a maioria das suas decisões pela emoção. Uma das principais lições que aprendi nos últimos 3 anos é que o tamanho da mudança é um fator decisivo para alavancar sistemas de trabalho. Uma grande e pretensiosa mudança é mais arriscada e tem maior chance de sofrer resistência das pessoas e falhar miseravelmente. Se por um acaso você olhar para o seu processo atual, ver que está tudo errado e querer abandoná-lo rapidamente por um novo processo que todo mundo no mercado tá tentando usar, quero que você esteja a par dos riscos e do potencial de falha que essa grande empreitada pode ter. Atualmente existem duas abordagens para gestão de mudanças: a revolução do processo e a evolução do processo. Como exemplo de revolução temos o que descrevi no parágrafo anterior. É uma grande e pretensiosa mudança gerenciada. Isso se configura quando uma empresa investe em abandonar um processo atual estabelecido e pesquisa a adoção de um novo processo, geralmente baseado em ideias já existentes e experimentadas no mercado. Esta abordagem revolucionária é a forma comum que a maioria das empresas pensa sobre mudanças de processos. A revolução do processo é algo que vem sendo utilizado há décadas no mercado. É uma forma antiquada, arriscada e com baixa performance econômica para lidar com processos e sistemas de gestão. Revolução é a forma século XX de pensar sobre transição de métodos de trabalho. Já a evolução do processo é simplesmente melhorar continuamente e por tempo indeterminado um processo já existente. A evolução do processo não tenta substituir a realidade de uma empresa por 31 \

3 capacidade Evolução Kaizen status quo Figura 1. Tamanho da Mudança (Kaizen x Kaikaku). Evolução Kaikaku TEMPO um ideal imaginário. A evolução é lidar com a realidade o tempo todo, fazer experimentos de melhoria e alavancar um sistema de trabalho de forma orgânica e incremental. A evolução é um conjunto de pequenas mudanças ordenadas e progressivas que influenciam gradativamente um sistema de trabalho conforme esse próprio sistema de trabalho responde a essas intervenções. A evolução tenta lidar com um problema de cada vez em um ambiente, e isso faz os riscos e a resistência das pessoas diminuir consideravelmente. Evolução é a forma século XXI de lidar com mudanças de processos. Na figura 1 temos o contraste entre os dois modelos. A abordagem revolucionária está em roxo (Kaikaku) e a abordagem evolucionária está em verde (Kaizens). Um ponto importante que este gráfico mostra é a relação que temos entre os tipos de mudanças e a capacidade. Toda vez que aplicamos uma mudança em uma equipe inicialmente a capacidade dessa equipe cai. Se a mudança é grande, essa queda de capacidade é proporcional ao tamanho da mudança. Um exemplo simples desse efeito é a contratação de pessoas. Se você contrata uma pessoa nova para sua equipe é lógico que inicialmente sua capacidade vai cair. Essa pessoa precisa se adequar ao grupo, aprender como trabalhar, como usar as ferramentas e conhecer o produto. Se uma pessoa entrando na equipe configura em uma queda de capacidade, imagine agora se você contratar 10 pessoas de uma só vez. É claro que integrar 10 pessoas no grupo é mais difícil e demorado que integrar somente uma. A ciência por trás desse efeito é defendido no Virginia Satir s Change Process Model. A primeira grande lição que gostaria de deixar neste artigo é que o tamanho da mudança é algo crucial para o sucesso das suas iniciativas de melhoria de processos. Mudanças menores, mais seguras para a equipe e que apresentam resultados mais rápidos criam engajamento para que as próximas mudanças tenham força. É realidade no mercado hoje que as empresas são conservadoras. A alta direção especialmente de grandes empresas resistem emocionalmente a revoluções. O Brasil especificamente é um país conservador. A abordagem evolucionária, com mudanças pequenas, constantes e que lidam sempre com a realidade atual e não com um cenário futuro especulativo (como será meu processo daqui há 4 meses) é uma forma segura de mudar um ambiente conservador. Kanban é baseado em uma cultura Kaizen de melhoria contínua e pequenas mudanças evolucionárias. Kaizen: hoje foi melhor que ontem e amanhã será melhor que hoje. Evite as pedras Bruce Lee, além de ator e mestre de Kung Fu, era também um filósofo. Uma de suas colaborações para a filosofia é resumida na ideia de ser como a água. Essa ideia também é seguida por Anderson Silva, lutador campeão de MMA. Na visão de Bruce Lee, a água se molda ao seu ambiente. Se você coloca a água em um copo, ela se torna o copo. Se colocar essa mesma água em uma garrafa ela se adapta ao formato da garrafa. Imagine a água descendo por uma colina. Quando ela encontra uma pedra pelo caminho, inicialmente ela não tenta derrubar a pedra colina abaixo, mas sim, contorna a pedra. É um pouco difícil pensar como essa filosofia pode se aplicar a processos de desenvolvimento de software, mas tem uma grande relação! Quando tentamos mudar um ambiente de trabalho (a água tentando fluir colina abaixo) é inevitável que encontremos pontos de resistência (pedras) pelo caminho. Ao encontrar essas resistências a tendência natural do ser humano é tentar derrubá-las a qualquer preço. A abordagem Lean/Kanban segue a filosofia de Bruce Lee para a melhoria e evolução de processos: evite as pedras! Você deve estar se questionando o que seriam as pedras de uma iniciativa de melhoria de processos: as pedras são pontos de resistência emocional das pessoas. Quando você sugere uma mudança e as pessoas se opõem emocionalmente a essa sugestão, isso é uma pedra na sua transição. Vamos dar alguns exemplos. Imagine que na sua organização há vários gerentes de Projeto tradicionais. O dia a dia deles é organizar cronogramas, cobrar tarefas, elaborar relatórios de status dos projetos e a empresa repentinamente deseja implantar Scrum. Sabidamente no Scrum não há o papel de gerente de Projeto. É bastante comum nesse cenário a empresa investir em treinamento e certificação para que esses gerentes se tornem ScrumMasters. Logicamente, se o gerente de Projetos não concorda com o conceito de equipes auto-geridas que o Scrum propõe ele vai resistir emocionalmente / 32

4 a essa mudança. O mesmo pode acontecer com desenvolvedores. Imagine que você é um programador Java. Não só isso, você é líder do Grupo de Usuários Java da sua cidade, participa ativamente da comunidade Java e até publicou artigos aqui na MundoJ. Você assina no seu como Desenvolvedor Java. Um belo dia, por conta de um reposicionamento do produto da sua empresa, chega a notícia que a versão 2.0 do produto será em Ruby/Rails. Não importando os argumentos do porquê dessa mudança, se você se identifica como um programador Java você irá resistir emocionalmente a essa mudança. Quando começamos um trabalho para melhorar os processos de uma equipe usando Kanban evitamos forçar a derrubada das pedras (resistência emocional das pessoas), preferindo inicialmente contorná-las. As pessoas de uma empresa podem resistir emocionalmente a uma gama de coisas. Elas podem resistir a time-boxes, a mudanças de papéis, a juntar equipes de desenvolvimento e teste, a implantar auto-organização, a reduzir o poder de gestores, a mudar práticas técnicas e muitas outras coisas. É importante ressaltar que essa resistência é emocional e não racional. Você não convence uma pessoa que está reagindo emocionalmente com argumentos lógicos. Quando uma pessoa reage emocionalmente e você começa a discutir usando argumentos lógicos a situação piora! Isso é essencialmente verdadeiro inclusive quando você discute com sua esposa/marido ou namorado/ namorada.lutar contra a resistência emocional das pessoas leva tempo. A solução para este problema pode ser resumida em uma citação de David J. Anderson, o criador da abordagem Kanban para TI: Se encontrar resistência emocional, crie um sistema onde os problemas fiquem visíveis, e engaje emocionalmente as pessoas na mudança. David J. Anderson As armas que temos para lutar contra a resistência emocional das pessoas não são argumentos lógicos, mas sim, argumentos também emocionais. A visualização do processo que explicarei adiante é um desses argumentos emocionais. É importante ressaltar que com o tempo é esperado que o desgaste da água fará as pedras rolarem colina abaixo. Evitar as pedras simplesmente é respeitar a velocidade com que as pessoas assimilam as mudanças. Como eu disse, as pessoas são os elementos ativos e responsáveis dentro de um sistema de trabalho do conhecimento. Tentar derrubar as pedras prematuramente pode minar todas as iniciativas de melhoria, causando as pessoas reagirem sempre negativamente. Essas duas primeiras lições deste artigo: mudar de forma evolucionária e contornar as pedras, já foram acusadas de serem lentas demais, especialmente por líderes revolucionários da comunidade Agile. A abordagem Kanban para mudança de processos e a abordagem Agile são bastante diferentes em essência. Como exemplo, o Scrum exige a derrubada de várias pedras colina abaixo para você simplesmente começar com ele se seu contexto está longe do que o Scrum prega. No Kanban as restrições iniciais são leves. Kanban respeita seu contexto, sua maturidade, sua cultura, as suas pedras e se foca em mudanças evolucionárias. Kanban permite a você controlar a velocidade da evolução do seu processo. Empresas mais maduras podem suportar velocidades maiores de mudança, empresas menos maduras não. O Agile neste aspecto é uma abordagem revolucionária (veja a figura 1). O próprio fato do Agile se materializar como um Manifesto, acusando coisas erradas do mercado, confirmam o tom revolucionário dessa abordagem. O ponto é que revoluções raramente funcionam. O 7th ANNUAL STATE of AGILE DEVELOPMENT SURVEY, último relatório sobre o estado de implementações Agile no mundo realizado pela VersionOne, diz que as barreiras que restringem as empresas a adotarem Agile são relacionadas primariamente com resistência a mudanças [veja referências]. Um ponto que quero destacar é que se Agile é difícil para sua empresa isso não é culpa da sua empresa, mas sim uma falha do próprio Agile que não possui um modelo de transição convincente e viável. As pessoas não resistem a mudar, elas resistem serem mudadas. Peter Senge No restante deste texto pretendo oferecer algumas ferramentas práticas para você iniciar o uso de Kanban na sua equipe, e assim, começar a jornada de melhoria do seu processo de forma fácil e rápida. Essas três práticas que vou apresentar visam criar um ambiente inicial para que eventos Kaizen sejam ao menos discutidos. O Kanban e a filosofia Lean têm outras práticas e técnicas importantes que não estão cobertas neste artigo. Prática 1: Visualizar o Fluxo Muitas das práticas que estou descrevendo aqui são a base de conhecimento que emergiu da comunidade Kanban na área de TI. Com grande influência da Teoria das Restrições [Goldratt], do Lean/Toyota Production System [Ohno], do Agile, do Lean Product Development [Reinertsen] e do Systems Thinking, essa comunidade cresceu em número e em cases de sucesso ao redor do mundo nos últimos 8 anos. Devo também destacar que a comunidade brasileira é uma das mais fortes e influentes do planeta! Para começar a aplicar Kanban e iniciar a evolução do seu processo alguns passos Kaizen muito 33 \

5 Figura 2. Quadro Kanban de uma equipe da empresa 7Prods. simples e que geram pouca resistência emocional das pessoas são adotados. Em meu trabalho de consultoria esses pequenos passos iniciais são: visualizar e mapear o fluxo atual, limitar trabalho em progresso e reuniões diárias. O primeiro passo, visualizar o fluxo, é também a primeira propriedade do método Kanban. A visualização do processo pode se dar de diversas formas e de diversas maneiras, mas a maneira mais comum, prática e eficaz é utilizar um quadro na parede com Post-its. Na figura 2 vemos um quadro de visualização do processo de uma equipe da empresa 7Prods. Esta equipe usou um quadro branco, Post-its de várias cores, fichas pautadas e a criatividade para montar um mapa visual do processo de desenvolvimento dessa corrente de valor em particular. Criar um quadro Kanban é simplesmente desenhar em equipe uma visualização compartilhada por todos do fluxo do processo da maneira que o processo é hoje, com suas qualidades, defeitos, filas, hand-offs etc. A visualização do processo é um catalizador de melhorias na equipe, promovendo o entendimento e a colaboração de todos os envolvidos. Quando fizer este trabalho com sua equipe não tente modelar no quadro o processo perfeito ou a situação desejada. Mapeie a realidade! Deixe o sistema de trabalho se revelar da forma que ele é, mesmo que a realidade seja feia. Compreender os problemas é o primeiro passo para poder melhorar. A visualização franca do processo é um argumento emocional que pode ser usado para convencer as pessoas das mudanças necessárias. Visualizar o trabalho é uma prática que tenho aplicado nos últimos 5 anos em mais de 150 equipes. Essa prática lúdica e simples pode parecer até boba, porém, no meu trabalho, materializar o processo da equipe de modo visual, interativo e persistente se mostrou como a melhor maneira possível na tecnologia atual de se aumentar a compreensão e o engajamento da equipe e da liderança na solução de problemas. Cientistas que estudam a cognição humana provaram que nosso cérebro cria significado às coisas através da visão [veja referências]. Você não consegue gerenciar aquilo que não consegue ver. Prática 2: Limitar Trabalho em Progresso Um dos priores problemas de gestão no trabalho do conhecimento (qualquer atividade criativa como criar campanhas publicitárias, fazer projetos em CAD, marketing, design de produtos e desenvolvimento de software) é administrar o trabalho em / 34

6 Figura 3. Quadro Kanban com Limites. progresso. Infelizmente a maioria dos gestores simplesmente ignoram o trabalho em progresso. Pegue a sua equipe atual e tente de alguma forma mensurar todo trabalho iniciado, mas não terminado que existe no seu processo. Se você trabalha em uma empresa de produtos é bem capaz que teu processo hoje tenha umas 20 ou 30 user stories iniciadas, mas ainda não deployados em produção. Se você é uma empresa de outsourcing, é bem capaz que haja uns 40 ou 50 casos de uso já analisados que ainda não foram desenvolvidos e entregues aos usuários finais. Em ambos os cenários, demandas iniciadas, mas não terminadas roubam o foco da equipe, aumentam o senso de desorganização e aumentam a imprevisibilidade do processo. É impossível ter uma gestão sadia se há muito trabalho em progresso, pois simplesmente não há valor fluindo para os usuários ou clientes. Muito trabalho em progresso significa que o sistema está se comprometendo além da sua capacidade de entrega, configurando um Sistema Empurrado de trabalho um câncer da gestão que a Toyota venceu com o TPS e Sistemas Puxados na década de 50. Na figura 3 temos o quadro Kanban de uma equipe de desenvolvimento de software. Cada coluna representa o estado do trabalho e os Post-its amarelos e rosa representam as demandas entregáveis fluindo pela corrente de valor (podem ser User Stories, Casos de Uso, Cenários, Bugs, Solicitações de Mudanças e qualquer outra coisa). Os números em branco com fundo preto no cabeçalho de cada coluna representam a quantidade de trabalho que o processo suporta em cada etapa. Esses limites são alertas para a equipe não aumentar a quantidade de trabalho em andamento (geralmente chamamos isso de Work-in-Progress ou simplesmente WIP), mantendo a fluidez do processo estável. Os limites estabelecem o fluxo. Com os limites a tendência do trabalho ficar parado será menor e a visualização fará a equipe colaborar para que as demandas fluam com mais rapidez para o fim do processo, aumentando a entrega de valor dessa equipe. Limitar trabalho em progresso é contra-intuitivo. A tendência natural do ser humano gestor é achar que quanto mais coisas a equipe está fazendo ao mesmo tempo mais rápido essas coisas estarão prontas. Porém, isso é um erro. Um desenvolvedor, analista ou tester que constantemente troca de tarefa em execução sofre perda com a troca de contexto. Segundo pesquisas [Mark, 2008], pessoas quando trocam de contexto, isto é, estavam trabalhando na tarefa A e são interrompidas com a tarefa B, demoram até 23 minutos para ajustar seu aparato cerebral cognitivo à nova tarefa. Se você troca de tarefa ou de projeto 3 vezes ao dia e tem 6 horas produtivas por dia, praticamente 16% do seu tempo é desperdiçado com troca de contexto. Além do desperdício com troca de contexto, ter muitas coisas dentro do seu sistema de trabalho (WIP alto) gera variabilidade e seu processo se torna imprevisível. Há um conjunto de métricas no Kanban como o Lead Time e o Throughput que costumam se estabilizar estatisticamente dentro de um intervalo de confiança quando você limita o WIP. Isso torna seu processo mais confiável e previsível de maneira muito fácil. WIP baixo torna tudo no seu processo mais simples. WIP baixo garante que seu processo seja ágil, no sentido de permitir que você mude de direção rapidamente se necessário. Evitando que o trabalho se acumule dentro do seu processo também é uma prática simples que comumente não gera tanta resistência emocional das pessoas. Para definir os limites de WIP corretos para o seu contexto é necessária alguma experimentação. A lição que deixo aqui é essa: coloque restrições na quantidade de coisas iniciadas e não terminadas no seu processo para conseguir estabilizar o fluxo de valor. Os ganhos econômicos dessa prática são extraordinários. As reclamações mais comuns que escuto de gestores no mercado são duas: falta de processos e falta de previsibilidade. Visualizar o fluxo em um quadro tem o efeito de materializar o processo e aumentar o senso de organização da equipe. Isso geralmente soluciona a questão falta de processos. Se seu processo tem poucos elementos de variabilidade no fluxo, limitar o WIP e capturar métricas como Lead Time e Throughput podem tornar seu processo estatisticamente previsível. Essas duas práticas sozinhas podem realizar o sonho da maioria dos gestores: ter um fluxo de trabalho estável. Prática 3: Reunião Diária Colaboração é primordial em qualquer tipo de trabalho onde um grupo de pessoas está pensando para tentar entregar valor para alguém. A reunião 35 \

7 diária é uma prática de gestão que está presente em vários métodos ágeis. No Kanban a reunião diária não é estruturalmente muito diferente de uma Daily Scrum, porém, há algumas diferenças que vou destacar aqui. Em primeiro lugar a reunião diária do Kanban é uma reunião em pé como o XP prega, porém, é feita na frente do quadro Kanban. No Scrum a reunião diária itera sobre as pessoas (o que você fez e o que pretende fazer), no Kanban nós iteramos sobre as demandas (quem está fazendo este Post-it). Esse formato pode variar de equipe para equipe, entretanto, sinto uma grande diferença prática com o Kanban ao fazer a reunião diária na frente do quadro e com limites de WIP definidos. O quadro, conforme já explicado, é a manifestação de como a equipe enxerga o fluxo de trabalho. Ele representa a realidade do processo atual. Se o processo atual como exemplo tem equipe de desenvolvimento e de teste apartadas (o Kanban não exige um time multifuncional como o Scrum, veja o quadro da figura 3), a visualização pode mostrar problemas de falta de colaboração, geralmente na forma de filas. Os limites de WIP fazem toda a equipe buscar entregar valor, fazendo as demandas andarem até serem finalizadas. A reunião diária é o momento onde a visualização se torna iterativa (as pessoas movimentam as demandas no quadro) e os problemas de fluxo são discutidos. Algumas frases comuns que escuto em reuniões diárias Kanban são: Precisamos dar foco aqui para não alimentar essa fila. Esse limite vai estourar, vamos aumentar WIP ou vamos colaborar mais? Quem está cuidando dessa demanda que está parada? Precisa de ajuda? Vamos mudar o quadro para destacar o problema X? É muito comum nas reuniões diárias do Kanban surgir discussões sobre melhorias. Isso pode ser feito todos os dias, sem necessidade de aguardar a reunião de Retrospectiva. O processo é dinâmico e a forma de alavancá-lo também assim deve ser. A reunião diária é uma cerimônia mínima para que um processo colaborativo ocorra. Conforme destacado, o Kanban não exige times multifuncionais. Com Kanban você pode começar com um time de desenvolvimento apartado do time de testes. A reunião diária é importante para que esses times conversem e colaborem entre si para a saúde do fluxo. A visualização do fluxo, as restrições de WIP e as reuniões diárias habilitarão todo o grupo a melhorar os relacionamentos e refinar o processo. Essas três práticas simples descritas neste artigo costumam em poucas semanas na maioria das equipes trazer melhorias espetaculares, principalmente sobre o entendimento da equipe e da liderança sobre os problemas do processo atual. Conclusão Kanban não é um processo. Kanban não é só um quadro na parede com Post-its. Kanban não é só uma alternativa ao Scrum. Kanban é uma forma de mudar seu sistema de trabalho atual para melhor, baseado numa abordagem evolucionária, lidando com a resistência emocional das pessoas e fazendo sua transição para um lugar melhor mais suave. O Kanban não é um livrinho de regras a ser seguido. Não há julgamento no Kanban. Ninguém da comunidade Kanban vai falar para você que você está fazendo algo errado. Kanban simplesmente mostra as características do seu processo atual, respeitando o seu contexto, permitindo habilitar melhorias que você julgar saudáveis. Atualmente várias empresas no Brasil e no mundo estão experimentando essa nova forma de lidar com mudanças e estão colhendo ótimos frutos. Infelizmente alguns líderes da comunidade Agile (especialmente alguns da comunidade Scrum) ainda não compreenderam completamente este novo paradigma e costumam diminuir o Kanban, ou espalhar FUD (do inglês fear, uncertainty and doubt medo, incerteza, dúvida), ou pregar que Kanban é inadequado para trabalhos criativos. Alguns até dizem que Kanban é difícil e requer muita maturidade, algo que este artigo prova o contrário. Não há qualquer evidência que prove essas teses. A ciência por trás do Kanban é bem fundamentada e temos diversos casos que sustentam o uso de Kanban na prática nos mais diversos cenários. /referências > Um pouco sobre Virginia Satir - wiki/virginia_satir > Entrevista com Bruce Lee - https://www.youtube.com/ watch?v=w4lylwvwd_k > VersionOne, ANNUAL STATE of AGILE DEVELOPMENT - > Tom Wujek 3 modos pelos quais o cérebro cria significados (selecione legendas em Português) - creates_meaning.html > David J. Anderson, Kanban Mudança evolucionária de sucesso para seu negócio de Tecnologia > Entrevista com Gloria Mark sobre Custo com Troca de Contexto - > Lista de discussão sobre Kanban em Português: br.groups.yahoo.com/group/kanbandev-br/ > Mais conteúdos sobre Kanban: br/category/kanban/ / 36

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Jeff Sutherland criou um método para fazer mais em menos tempo com o máximo de qualidade! Usado por diversas empresas

Leia mais

Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado

Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado Caxias do Sul, 16 de Agosto 2013 Gustavo Casarotto Agenda O Scrum Planejamento da Sprint 1 Execução da Sprint 1 Revisão da Sprint 1 Retrospectiva da Sprint

Leia mais

Um case de sucesso em equipe ágil, dedicada e remota com evolução adaptativa e gradativa do Scrum.

Um case de sucesso em equipe ágil, dedicada e remota com evolução adaptativa e gradativa do Scrum. Um case de sucesso em equipe ágil, dedicada e remota com evolução adaptativa e gradativa do Scrum. José Eduardo Ribeiro Gerente de Projetos (Scrum Master) jose.eduardo@s2it.com.br Bruno Darcolitto Analista

Leia mais

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010 Objetivo: Estudo de Caso Objetivo: Apresentar um Estudo de Caso para demonstrar como aplicar as práticas do SCRUM em projeto de desenvolvimento de

Leia mais

A Abordagem Lean na Integração da TI com o negócio, parte quatro: O Líder Lean Aprendiz

A Abordagem Lean na Integração da TI com o negócio, parte quatro: O Líder Lean Aprendiz A Abordagem Lean na Integração da TI com o negócio, parte quatro: O Líder Lean Aprendiz Steve Bell Enquanto me preparava para escrever o quarto artigo desta série, cheguei a um importante marco. Semana

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV DATA CENTER VIRTUAL - DCV Em entrevista, Pietro Delai, Gerente de Pesquisa e Consultoria da IDC Brasil relata os principais avanços

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

SÃO PAULO - A metodologias ágeis viraram o mantra das equipes de desenvolvimento. Veja se você está preparado para entrar nessa.

SÃO PAULO - A metodologias ágeis viraram o mantra das equipes de desenvolvimento. Veja se você está preparado para entrar nessa. http://info.abril.com.br/noticias/carreira/pronto-para-o-scrum-09009-.shl Página de 7/09/009 Terça-feira, de setembro de 009-0h0 SÃO PAULO - A metodologias ágeis viraram o mantra das equipes de desenvolvimento.

Leia mais

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: SCRUM na prática Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Construindo Product Backlog } O product backlog é o coração do Scrum. } É basicamente uma lista de requisitos, estórias,

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Casa do Código Livros para o programador Rua Vergueiro, 3185-8º andar 04101-300 Vila Mariana São Paulo SP Brasil

Casa do Código Livros para o programador Rua Vergueiro, 3185-8º andar 04101-300 Vila Mariana São Paulo SP Brasil Casa do Código Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei nº9.610, de 10/02/1998. Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida, nem transmitida, sem autorização prévia por escrito da editora,

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente.

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Desenvolvido por Jeff SUTHERLAND e Ken SCHWABER ; Bastante objetivo, com papéis bem definidos; Curva de Aprendizado é

Leia mais

Ementa do Curso Online

Ementa do Curso Online Ementa do Curso Online GESTÃO LEAN & ÁGIL PARA AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO FORMATO DO CURSO Duração 5 Semanas de Curso 16 horas de conteúdo em videoaulas Conteúdo Progressivo V i d e o a

Leia mais

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas OpenUp Arquitetura de software Fortaleza/2010 OpenUP Alguns anos atrás, vários funcionários da IBM começaram

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Transformando a TI de uma agência governamental em ágil

Transformando a TI de uma agência governamental em ágil Transformando a TI de uma agência governamental em ágil Gavin Martin O governo é composto de programas independentes que, por causa de sua organização, inibem cadeias de valor eficientes. Por minha experiência,

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

Introdução a Métodos Ágeis

Introdução a Métodos Ágeis Introdução a Métodos Ágeis Insanidade, é repetir, interminavelmente, o mesmo processo, sempre à espera de um resultado diferente. Albert Einstein Joshua Kerievski sugere uma abordagem humana : Trabalhar

Leia mais

Scrum in a waterfall country: Brazilian cases Alexandre Magno

Scrum in a waterfall country: Brazilian cases Alexandre Magno Scrum in a waterfall country: Brazilian cases Alexandre Magno Alexandre Magno, CST Sobre mim Estou localizado em São Paulo Brasil, onde trabalho como consultor em liderança e gerenciamento de projetos

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

Maior Previsibilidade com o Visual Studio Team System 2008

Maior Previsibilidade com o Visual Studio Team System 2008 Maior Previsibilidade com o Visual Studio Team System 2008 White Paper Maio de 2008 Para obter as últimas informações, visite o site www.microsoft.com/teamsystem As informações contidas neste documento

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Carlos Oest carlosoest@petrobras.com.br Time Box: 60 minutos Backlog da apresentação: Apresentação do assunto 1 SCRUM 2 Estimativa com Pontos

Leia mais

Liderança de projetos utilizando métodos ágeis: SCRUM. Eduardo Meira Peres

Liderança de projetos utilizando métodos ágeis: SCRUM. Eduardo Meira Peres Liderança de projetos utilizando métodos ágeis: SCRUM Eduardo Meira Peres QUESTÃO Quais são as habilidades necessárias para o gerenciamento de projetos que utilizam métodos ágeis? Agenda Liderança e Gerenciamento

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

- Kanban Pragmático -

- Kanban Pragmático - - Kanban Pragmático - Conceitos A palavra KANBAN é de origem japonesa e significa Cartão Visual. Nós confundimos kanban (com k minúsculo) e Kanban (com K maiúsculo). kanban = quadro utilizado no Scrum/sistema

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Fale Conosco Sala de Imprensa Suporte Login Enviar C

Fale Conosco Sala de Imprensa Suporte Login Enviar C Página 1 de 5 Fale Conosco Sala de Imprensa Suporte Login Enviar C > Esqueci minha senha Home Mais TI Artigos Entrevistas Notícias Artigos Entrevistas < Voltar Medindo a produtividade da equipe de software

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Entendendo User Stories

Entendendo User Stories Entendendo User Stories Rodrigo Yoshima Técnico em Processamento de Dados pela UNESP, bacharel em Administração de Empresas pelo Mackenzie-SP, certificado em UML 2.0 pela OMG e também certificado Scrum

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Extreme Programming I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Você gostaria de trabalhar assim? Análise de Requisitos Longe de acordo Requerimentos Complexo Anarquia Perto

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

Agile Methods for the Traditional Guy

Agile Methods for the Traditional Guy Agile Methods for the Traditional Guy Conexão Java 07 Danilo Sato www.dtsato.com (Agradecimento: Mariana Bravo) Danilo Sato BCC/Mestrado - IME/USP AgilCoop Fundador do Dojo@SP ThoughtWorks UK Modelo? Quem

Leia mais

Kanban: o ágil adaptativo

Kanban: o ágil adaptativo Fundamentos da Agilidade Nesta seção você encontra artigos voltados para a prática de métodos ágeis. Kanban: o ágil adaptativo Introduzindo Kanban na equipe ágil Flavio S. Mariotti flaviomariotti@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Trabalho padrão do líder: uma das chaves para sustentar os ganhos de desempenho. Joe Murli

Trabalho padrão do líder: uma das chaves para sustentar os ganhos de desempenho. Joe Murli Trabalho padrão do líder: uma das chaves para sustentar os ganhos de desempenho Joe Murli O trabalho padrão do líder, incluindo o comportamento de liderança lean, é um elemento integral de um sistema de

Leia mais

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education [Agile] Scrum + XP Agilidade extrema Wagner Roberto dos Santos Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com 1 Apresentação Arquiteto Java EE / Scrum Master Lead Editor da Queue Arquitetura

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Software

Gerenciamento de Projetos de Software Gerenciamento de Projetos de Software Framework Ágil, Scrum Prof. Júlio Cesar da Silva Msc. 2º Encontro Ementa & Atividades Aula 1: Fundamentos do Gerenciamento de Projetos (p. 4) 30/abr (VISTO) Aula 2:

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Kanban: Em Busca de Ritmo Sustentável. Alisson Vale Software Designer Consultor Independente Twitter: @alissonvale Blog: http://alissonvale.

Kanban: Em Busca de Ritmo Sustentável. Alisson Vale Software Designer Consultor Independente Twitter: @alissonvale Blog: http://alissonvale. Kanban: Em Busca de Ritmo Sustentável Alisson Vale Software Designer Consultor Independente Twitter: @alissonvale Blog: http://alissonvale.com Apre s e nta ç ã o Alisson Vale Desenvolvedor Entusiasta Gerente

Leia mais

CRIANDO UM PROCESSO ÁGIL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

CRIANDO UM PROCESSO ÁGIL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE CRIANDO UM PROCESSO ÁGIL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE CONTEÚDO 1.Introdução...2 2.Gestão Ágil...2 1.1 Metodologias...2 1.2 Começando um projeto...3 Planejamento Inicial...3 Desenvolvimento...6 Motivação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Desperdiçadores Psicológicos de Tempo. Procrastinação, Perfeccionismo, Desorganização e Falta de disciplina.

Desperdiçadores Psicológicos de Tempo. Procrastinação, Perfeccionismo, Desorganização e Falta de disciplina. Desperdiçadores Psicológicos de Tempo Procrastinação, Perfeccionismo, Desorganização e Falta de disciplina. Desperdiçadores Psicológicos de Tempo Marciliana Corrêa (CRP 06 6519-5) Master Coach pelo International

Leia mais

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes Workshop Scrum & Rational Team Concert (RTC) Sergio Martins Fernandes Agilidade Slide 2 Habilidade de criar e responder a mudanças, buscando agregar valor em um ambiente de negócio turbulento O Manifesto

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Métodos Ágeis e Gestão de Dados Moderna

Métodos Ágeis e Gestão de Dados Moderna Métodos Ágeis e Gestão de Dados Moderna Bergson Lopes contato@bergsonlopes.com.br www.bergsonlopes.com.br Dados do Palestrante Bergson Lopes Rego, PMP é especialista em Gestão de Dados, Gerenciamento de

Leia mais

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO RESUMO Eleandro Lopes de Lima 1 Nielsen Alves dos Santos 2 Rodrigo Vitorino Moravia 3 Maria Renata Furtado 4 Ao propor uma alternativa para o gerenciamento

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala

Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala Jutta Eckstein Encontro Ágil 2009 1 Agilidade é Quente Gerenciamento Ágil de Projetos Testes Ágeis Arquitetura Ágeis Offshore Ágil Investimento Ágil PLM

Leia mais

Gestão Ágil de Requisitos e Scrum

Gestão Ágil de Requisitos e Scrum Gestão Ágil de Requisitos e Scrum Agilidade na gestão de requisitos e desenvolvimento de softwares... Trabalho apresentado na disciplina Introdução à Computação, curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Corrente Crítica ao Resgate: Tornando a Agilidade Confiável. Critical Chain to the Rescue: Making Agile Reliable

Corrente Crítica ao Resgate: Tornando a Agilidade Confiável. Critical Chain to the Rescue: Making Agile Reliable 11 th International Conference of the TOC Practitioners Alliance - TOCPA www.tocpractice.com March 14-15, 2014 São Paulo, Brazil Corrente Crítica ao Resgate: Tornando a Agilidade Confiável Critical Chain

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O investidor-anjo e acadêmico Antonio Botelho discute as barreiras ao empreendedorismo e à inovação colaborativa no Brasil, e as formas de

Leia mais

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação ScRUM na prática Scrum no dia-a-dia V Semana de Tecnologia da Informação Agenda Manifesto Ágil; O Scrum; Os papéis do Scrum; Quem usa Scrum; O Scrum na Tray; Cerimônias; Artefatos. Qualidade. era uma vez

Leia mais

Uma retrospectiva sobre a utilização do Scrum em uma empresa pública: o que funcionou e o que precisa melhorar. Luiz Carlos L. S.

Uma retrospectiva sobre a utilização do Scrum em uma empresa pública: o que funcionou e o que precisa melhorar. Luiz Carlos L. S. Uma retrospectiva sobre a utilização do Scrum em uma empresa pública: o que funcionou e o que precisa melhorar Luiz Carlos L. S. Junior Colocar o Scrum para rodar em aproximadamente 15 projetos de TI Prazo:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Faculdade de Informática e Administração Paulista Curso de Sistemas de Informação 2º SI-T Engenharia de Software Modelo de Desenvolvimento Ágil SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484

Leia mais

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Andre Scarmagnani 1, Fabricio C. Mota 1, Isaac da Silva 1, Matheus de C. Madalozzo 1, Regis S. Onishi 1, Luciano S. Cardoso 1

Leia mais

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software de Desenvolvimento de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Por Sergio Crespo crespo@dcc.ufmg.br

Por Sergio Crespo crespo@dcc.ufmg.br Por Sergio Crespo crespo@dcc.ufmg.br A filosofia "Lean Thinking" (ou "Pensamento Enxuto") nasceu em meados dos anos 90 com o lançamento do best seller "The Machine That Changed the World : The Story of

Leia mais

Os princípios e valores do ágil são a chave para o escalonamento!

Os princípios e valores do ágil são a chave para o escalonamento! 1 Os princípios e valores do ágil são a chave para o escalonamento! Introdução 2 Agenda Parte I Por onde e como começamos? Buscando informações Tratando as expectativas Definindo uma estratégia Executando

Leia mais

Processo de Abertura de Projetosescritorio. Bizagi Process Modeler

Processo de Abertura de Projetosescritorio. Bizagi Process Modeler Processo de Abertura de Projetosescritorio Bizagi Process Modeler Índice PROCESSO DE ABERTURA DE PROJETOS-ESCRITORIO...1 BIZAGI PROCESS MODELER...1 1 PROCESSO DE ABERTURA DE PROJETOS...5 1.1 PROCESSO

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida

Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida Especial - Lean Seis Sigma Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida Os líderes da implantação Lean Seis Sigma devem expandir suas ideias e adotar novas abordagens

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Bert Hellinger soube muito bem como integrar conhecimentos de várias

Leia mais

Agradecimento. Adaptação do curso Scrum de Márcio Sete, ChallengeIT. Adaptação do curso The Zen of Scrum de Alexandre Magno, AdaptaWorks

Agradecimento. Adaptação do curso Scrum de Márcio Sete, ChallengeIT. Adaptação do curso The Zen of Scrum de Alexandre Magno, AdaptaWorks S C R U M Apresentação Tiago Domenici Griffo Arquiteto de Software na MCP, MCAD, MCSD, MCTS Web, Windows e TFS, ITIL Foundation Certified, MPS.BR P1 Experiência internacional e de offshoring Agradecimento

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

CONHEÇA. nosso. processo. Para você lançar sua Startup. Semana de descoberta. Semana de desenvolvimento. E depois de tudo pronto?

CONHEÇA. nosso. processo. Para você lançar sua Startup. Semana de descoberta. Semana de desenvolvimento. E depois de tudo pronto? CONHEÇA nosso processo Para você lançar sua Startup Semana de descoberta Semana de desenvolvimento E depois de tudo pronto? Acreditamos em uma melhor maneira de começar sua startup De forma Colaborativa,

Leia mais

Os 4 passos para ser aprovado no Exame de Certificação PMP

Os 4 passos para ser aprovado no Exame de Certificação PMP Os 4 passos para ser aprovado no Exame de Certificação PMP Andriele Ribeiro 1 Um passo de cada vez. Não consigo imaginar nenhuma outra maneira de realizar algo. Michael Jordan O alcance da certificação

Leia mais

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Dionatan Moura Jamile Alves Porto Alegre, 09 de julho de 2015 Quem somos? Dionatan Moura Jamile Alves Ágil e Software Livre? Métodos Ágeis Manifesto

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

Caso Prático: Java como ferramenta de suporte a um ambiente realmente colaborativo no método Scrum de trabalho

Caso Prático: Java como ferramenta de suporte a um ambiente realmente colaborativo no método Scrum de trabalho Caso Prático: Java como ferramenta de suporte a um ambiente realmente colaborativo no método Scrum de trabalho UOL Produtos Rádio UOL Julho 2008 André Piza Certified Scrum Master Agenda Scrum como método

Leia mais

Gestão estratégica por KPIs 1

Gestão estratégica por KPIs 1 Gestão estratégica por KPIs 1 Sumário Introdução 03 Por que usar indicadores na gestão 05 Dado, informação ou indicadores? 07 KPI: Os indicadores chave de desempenho 09 KPIs do PMO Conclusão Sobre a Project

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA UM GERENCIAMENTO EFETIVO DE STAKEHOLDERS

GUIA PRÁTICO PARA UM GERENCIAMENTO EFETIVO DE STAKEHOLDERS 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 SOBRE A ÁREA DE CONHECIMENTO... 5 Mas afinal quem são os stakeholders do meu projeto?... 8 OS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DAS PARTES INTERESSADAS... 10 Grupo envolvido... 11 Afetados...

Leia mais

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br SCRUM Otimizando projetos Adilson Taub Júnior tecproit.com.br Sobre mim Adilson Taub Júnior Gerente de Processos Certified ScrumMaster; ITIL Certified; Cobit Certified; 8+ anos experiência com TI Especialista

Leia mais

LIDERANÇA DESENVOLVEDORA

LIDERANÇA DESENVOLVEDORA LIDERANÇA DESENVOLVEDORA LIDERANÇA DESAFIOS O LÍDER DESENVOLVEDOR FERRAMENTA: ALPHA ASSESSMENT O COACHING COMO AGENTE DE MUDANÇA DESAFIOS GERENCIAR X LIDERAR PROCESSO PESSOAS CONEXÃO RACIONAL PLANEJA CONEXÃO

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Fevereiro 2015 Versão Módulo de Projetos Ágeis O nome vem de uma jogada ou formação do Rugby, onde 8 jogadores de cada time devem se encaixar para formar uma muralha. É muito importante

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

RELATÓRIO HOGAN JUDGMENT

RELATÓRIO HOGAN JUDGMENT DECODIFICANDO SEUS ESTILOS DE PENSAMENTO E TOMADA DE DECISÃO 30, Junho, 2015 RELATÓRIO HOGAN Jane Doe ID UH565487 SUMÁRIO EXECUTIVO Este relatório examina os estilos de julgamento e de tomada de decisão

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

7 DICAS PARA ARRASAR NAS VENDAS

7 DICAS PARA ARRASAR NAS VENDAS NO NEGÓCIO 7 DICAS PARA ARRASAR NAS Em tempos difíceis, reestruturar e dar atenção especial à equipe de vendas é mais do que recomendado, é essencial. Veja as dicas dos especialistas para que sua empresa

Leia mais

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo!

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo! Scrum 100 Lero Lero Um curso objetivo! Napoleãããõ blah blah blah Whiskas Sachê Sim, sou eu! Frederico de Azevedo Aranha MBA, PMP, ITIL Expert Por que 100 Lero Lero? Porque o lero lero está documentado.

Leia mais

Kanban: Evolução Sustentável de Processos Existentes

Kanban: Evolução Sustentável de Processos Existentes Kanban: Evolução Sustentável de Processos Existentes Alisson Vale Software Designer Consultor Independente Twitter: @alissonvale Blog: http://alissonvale.com Apre s e nta ç ã o Alisson Vale Desenvolvedor

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Reuse in a Distributed Environment

Reuse in a Distributed Environment Reuse in a Distributed Environment É possível aplicar APF em um Ambiente Ágil? Alcione Ramos, MSc, CFPS, PMP, CSD Cejana Maciel, MSc, Scrum Master, ITIL, COBIT Ponto de função é coisa dos anos 70. É uma

Leia mais