Parte 2. Respostas das questões apresentadas no final do Capítulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parte 2. Respostas das questões apresentadas no final do Capítulo"

Transcrição

1 MANUAL DO PROFESSOR CAPÍTULO 1 A DECISÃO FINANCEIRA E A EMPRESA O Manual do professor deste Capítulo é formado de quatro partes; Parte 1. Correções de eventuais erros da edição, primeira impressão. Parte 2. Respostas das questões apresentadas no final do Capítulo. Arquivo: MANUAL DO PROFESSOR QUESTÕES CAP 1.pdf Parte 3. Resolução dos exercícios de final de Capítulo. Arquivo: MANUAL DO PROFESSOR EXERCÍCIOS CAP 1.pdf Parte 4. Arquivo em separado de slides de apresentação do Capítulo (em power point). Arquivo: MANUAL DO PROFESSOR CAP 1.ppt Parte 2. Respostas das questões apresentadas no final do Capítulo 1. Conceitue administração financeira e finanças corporativas. Comente como as empresas obtêm seus recursos financeiros. Qual o objetivo normativo da administração financeira? Por que a maximização de lucro não é um bom objetivo para a administração financeira? Quais as principais funções da administração financeira? Administração financeira é a arte e a ciência de administrar recursos financeiros, para maximizar a riqueza dos acionistas. Finanças corporativas são as finanças aplicadas às empresas. O objetivo normativo da administração financeira é maximizar a riqueza dos acionistas. A maximização do lucro é um objetivo impreciso, pois ações tomadas para maximizar os lucros atuais podem diminuir os lucros futuros e vice-versa. A maximização da riqueza é mais precisa porque envolve o conceito de valor presente líquido da empresa, incorporando conceitos de risco e de custo de capital. As principais funções da administração financeira são a tesouraria e a controladoria. O quadro a seguir ilustra estas funções. TESOURARIA Administração do caixa Administração de crédito e cobrança Administração de risco Administração de câmbio Decisão de investimento Decisão de financiamento Planejamento e controle financeiro Proteção de ativos Relações com acionistas e investidores Relações com bancos CONTROLADORIA Administração de custos e preços Auditoria interna Contabilidade Orçamento Patrimônio Planejamento tributário Relatórios gerenciais Desenvolvimento e acompanhamento de sistemas de informação financeira 1

2 2. Quais as principais decisões financeiras? Como podem ser identificadas nas demonstrações financeiras? Comente detalhadamente a decisão de investimento e a decisão de financiamento. Dê exemplos. As principais decisões financeiras são as decisões de investimento e de financiamento. A decisão de investimento está identificada nas demonstrações financeira como Ativo. E a decisão de financiamento como Passivo. O quadro a seguir ilustra como o Ativo informa sobre os investimentos são realizados na empresa e evidencia algumas perguntas relevantes na tomada de decisão de investimento. ATIVO ATIVO CIRCULANTE Caixa e bancos Contas a receber Estoques Outros REALIZÁVEL DE LONGO PRAZO Contas a receber Adiantamento a coligadas ATIVO PERMANENTE Imobilizado Investimentos Diferido TOTAL Questões a serem respondidas: Onde estão aplicados os recursos financeiros? Quanto em ativos circulantes? Quanto em ativos permanentes? Em quais? Qual a melhor composição dos ativos? Qual o risco do investimento? Qual o retorno do investimento? Quais as novas alternativas de investimentos Como decidir em quais ativos investir? Como maximizar a rentabilidade dos investimentos existentes? O que deve ser descartado, reduzido ou eliminado, por não acrescentar valor? Exemplos: construção de uma nova fábrica; compra de um novo sistema de software; aquisição de máquinas e equipamentos; construção de um escritório. A decisão de financiamento abrange a definição da necessidade de recursos financeiros, a forma de financiá-la, a composição das fontes, o custo de capital, de forma a viabilizar as decisões de investimento. O quadro a seguir ilustra como o Passivo informa sobre como os financiamentos são realizados na empresa e evidencia algumas perguntas relevantes na tomada de decisão de financiamento. PASSIVO PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores Empréstimos e financiamentos Debêntures Outros EXIGÍVEL DE LONGO PRAZO Financiamentos PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reservas Lucros ou prejuízos acumulados TOTAL Questões a serem respondidas: Qual a estrutura de capital? De onde vêm os recursos? Qual a participação de capital próprio? Qual a participação de capital de terceiros? Qual o perfil do endividamento? Qual o custo de capital? Como reduzi-lo? Quais as fontes de financiamento utilizadas e seus respectivos custos? Quais deveriam ser substituídas ou eliminadas? Qual o risco financeiro? Qual o sincronismo entre os vencimentos das dívidas e a geração de meios de pagamentos? 2

3 Exemplos: Captação de recurso no mercado de capitais; tomada de financiamento junto ao BNDES: desconto de títulos. 3. Como o administrador financeiro atua na busca de melhores resultados operacionais? Baseie-se na Demonstração de Resultados. O administrador financeiro ao buscar melhores resultados operacionais faz uma série de perguntas que o ajudam no dia-a-dia. Podemos citar: quais os resultados obtidos? Como mantê-los? Como melhorá-los? Qual o crescimento das vendas? E dos custos? E das despesas? Qual a margem líquida de vendas? Os lucros têm atingido as metas estabelecidas. Ao responder estas perguntas, o administrador financeiro descobre causas e efeitos de desempenhos empresariais que influenciam toda sua tomada de decisão. A demonstração de resultados evidencia as respostas a estas questões, revelando quantitativamente as receitas, custos, despesas, impostos e lucros. Cabe ao administrador financeiro assegurar que os resultados sejam perseguidos o tempo todo. Para isto ele trabalha com os outros administradores da empresa tais como o comercial, o industrial ou o de logística, por exemplo. 4. Conceitue valor de uso e valor de troca. Como se aumenta o valor da empresa? Quais as várias formas utilizadas para expressar o valor da empresa? Valor de uso é o valor atribuído à capacidade dos bens e serviços de satisfazerem as necessidades daqueles que os possuem. Valor de troca é a quantia de recursos que, de comum acordo entre as partes, permite a troca de um bem ou serviço. O valor da empresa pode ser expresso de várias formas, cabendo destacar: a) valor patrimonial contábil. É o valor dos recursos da empresa registrados na sua contabilidade do qual é subtraído o valor das dívidas da empresa, ou seja, o valor expresso como Patrimônio Líquido; b) Valor patrimonial real. É o valor dos ativos e passivos prédios, máquinas e equipamentos, veículos, estoques, contas a receber, dentre outros, e contas a pagar, empréstimos, outras obrigações computados quer ao valor de reposição correspondente ao estado em que se encontram, quer ao seu valor atualizado; c) Valor presente líquido. É o valor obtido em função do fluxo de caixa livre descontado. Para isto é utilizada uma taxa de desconto, chamada de custo de capital. d) Valor de mercado. É o somatório do valor das ações da empresa ao preço em que estão sendo comercializadas no mercado, nas bolsas de valores. Em empresas que não operam em bolsas, o valor de mercado é definido pelo valor que o mercado está disposto a pagar. e) Valor de liquidação. É o valor obtido pela empresa numa situação de encerramento do negócio. Normalmente costuma ser muito baixo. 3

4 5. Por que ocorrem conflitos entre administradores e proprietários? Quais objetivos devem prevalecer? Por que é tão importante zelar pelos grupos de relacionamento? Os conflitos ocorrem devido aos objetivos específicos de cada um. Os administradores têm objetivos como manter emprego, obter status, assegurar progressão funcional, obter mordomias, etc. Os proprietários objetivam maximizar sua riqueza, perenizar a empresa, consolidar suas empresas. É importante zelar pelos grupos de relacionamento porque eles são importantes para que a empresa atinja seus objetivos em sua comunidade. Os empregados, clientes, fornecedores, bancos são importantes para que a empresa realize suas vendas e consiga resultados. 6. Quais as ciências com as quais a administração financeira mais se relaciona? Mostre a importância de cada uma delas para as finanças. Em sua opinião, qual a que mais contribui para a área financeira? A Administração financeira é interdisciplinar e se relaciona com várias ciências que lhe ajudam a dar forma e substância, cabendo citar Economia, Contabilidade, Matemática, Estatística, Computação e Direito. Relaciona-se com a Economia, usando conceitos de microeconomia como as Teorias da Firma e da Preferência pela Liquidez; e de macroeconomia, usando conceitos do Sistema Econômico e da Economia Internacional, por exemplo. Com a Contabilidade, adotando os conceitos de Regime de Competência e dos Princípios contábeis, além, é claro, do uso das Demonstrações Financeiras como instrumento de gestão. Da Matemática e Estatística usa todo o ferramental quantitativo, cabendo destacar, a matemática financeira, conceitos como média, desvio-padrão, variância, covariância, análise fatorial, análise de conglomerados, técnicas de regressão, e tantos outros. A Computação auxilia as finanças por meio de softwares específicos para planejamento e controles, para geração de sistemas de informações gerenciais, para tomada de decisão. O Direito normatiza as relações sociais, nas quais as relações empresariais estão incluídas, e, portanto é fundamental para a atuação da Administração Financeira. É fundamental o conhecimento das exigências legais, particularmente as societárias, tributárias e trabalhistas, por exemplo. 7. Conceitue mercado financeiro e comente sobre seus vários agentes. Como eles interagem? Dê exemplos. Mercado financeiro é a reunião das instituições financeiras, capazes de intermediar recursos. As empresas operam em um ambiente econômico onde existem agentes superavitários, com recursos financeiros excedentes e agentes deficitários, com falta de recursos. 4

5 Quando o hiato de recebimentos e pagamentos ocorre em um determinado espaço de tempo, especialmente na situação de falta de dinheiro, os Intermediários Financeiros procuram canalizar os recursos dos agentes superavitários para os agentes deficitários. Exemplos: Os intermediários financeiros captam recurso dos agentes superavitários por meio de cadernetas de poupanças, depósitos bancários, letras imobiliárias, fundos de investimentos e aplicam recursos sob a forma de empréstimos para capital de giro ou investimentos de longo prazo. Com há diferentes graus de risco por parte dos tomadores, os bancos cobram taxas de juros diferentes. Quanto maior o risco, maior a taxa de juros cobrada. O quadro a seguir lista alguns dos principais produtos de investimento e de financiamento. Quadro 1.6 Produtos negociados nos mercados financeiros Produtos de investimento (Captação de recursos) Título Característica CDI: Certificado de depósito interbancário Lastro para as operações entre os bancos no mercado monetário CDB: Certificado de depósito bancário Captação de recursos dos investidores para os bancos. Export Notes Contratos de cessão de crédito de exportação Cadernetas de poupança Aplicação de pequenos poupadores. Títulos Públicos Captação para o governo Letras e Notas do Tesouro Nacional Cobertura de déficits orçamentários Letras e Bônus do Banco Central Fins de política monetária Produtos de financiamento (Aplicação de recursos) Desconto de duplicatas e Notas promissórias Recursos de curto prazo para as empresas. Hot money Empréstimo de curtíssimo prazo para financiamento de capital de giro. Leasing financeiro arrendamento mercantil Financiamento de médio e longo prazo. CDC- crédito direto ao consumidor Concessão de crédito ao consumidor final, por sociedades de crédito, financiamento e investimento. Contas garantidas cheque especial Contrato de crédito rotativo Vendor finance Financiamento de vendas baseado no principio de cessão de créditos Operação 63 Instituição capta recursos no exterior em dólares 8. Faça uma pesquisa teórica e empírica sobre a importância da ética na condução dos negócios. Aqui recomenda-se que o professor oriente os alunos para pesquisar sites, bibliografias, e entrevistar empresários e gerentes. (Aprofundando o texto apresentado nas págs. 13 e 14). 9. Como as empresas podem ser organizadas? Comente as empresas individuais e as sociedades limitadas. Conceitue sociedade anônima e faça uma pesquisa sobre as vantagens e desvantagens de uma sociedade anônima brasileira, à luz da nova Lei das Sociedades Anônimas. 5

6 Do ponto de vista legal, as empresas podem ser organizadas sob a forma como empresas individuais, sociedades por cotas de responsabilidade limitada e sociedades por ações. As empresas individuais são empresas pequenas, normalmente registradas como microempresas, de simples constituição, quase sempre de único dono que também é o gerente. No Brasil, essas empresas emergem da informalidade, quando os negócios começam aumentar. São pequenos estabelecimentos industriais, comerciais, prestadores de serviços, profissionais liberais e autônomos. A responsabilidade do proprietário da empresa individual é ilimitada; ou seja, seus bens pessoais respondem por todas as dívidas da empresa, no caso de inadimplência. As sociedades por cotas de responsabilidade limitada são aquelas nas quais os sócios estabelecem um Contrato Social, definindo a participação de cada um dos sócios: aporte de capital de cada um deles, responsabilidade das partes; e a natureza da atividade a ser desenvolvida. No caso de inadimplência as dívidas da empresa poderão ser pagas com os bens dos sócios limitados, correspondentes a sua participação no capital da empresa. As sociedades por ações, normalmente, são grandes empresas com capital diluído entre milhares e até milhões de acionistas, que possuem participações no capital da empresa, por meio de ações. Cada interessado na empresa adquire essas ações, no mercado de capitais, que por sua vez, se constitui numa das grandes fontes de captação de recursos nos países desenvolvidos. As sociedades anônimas podem ser de capital fechado ou aberto. As de capital fechado são aquelas cujas ações estão nas mãos de pessoas físicas e jurídicas determinadas e não são comercializadas em bolsas de valores. No Brasil, normalmente são grandes empresas de origem familiar. As de capital aberto são aquelas cujas ações são comercializadas em bolsas de valores, estando, portanto acessíveis a qualquer interessado. Aqui, recomenda-se que o professor oriente os alunos para a pesquisa sobre as vantagens e desvantagens de uma sociedade anônima brasileira, à luz da nova Lei das Sociedades Anônimas. Pode-se consultar jornais como Valor Econômico, Gazeta Mercantil, sites da Bovespa e de Sociedades Anônimas, além de entrevistas nas empresas. 10. A empresa Irmãos Coringa Ltda. Iniciou suas atividades há cinco anos atrás no ramo de transportes. Hoje a empresa conta com frota própria de 10 carretas, utiliza com freqüência caminhões contratados e ainda assim não consegue atender a demanda de fretes a partir da região Sul do país, em direção à região Nordeste. O principal problema da empresa é a reduzida quantidade de fretes de retorno, pois o volume de cargas da região Nordeste para a região Sul é bem menor. Os donos da empresa estão pensando em diversificar suas atividades e investir na produção de frutas na região Nordeste, atividade esta já existente na região e dessa forma aumentar o volume de cargas de retorno. Considerando que a empresa disponha do capital necessário para iniciar esta nova atividade, procure relacionar: a) as implicações financeiras da decisão; b) Como essa decisão está relacionada com o 6

7 marketing e c) Como esta empresa deve ser constituída, sob o ponto de vista legal? Aqui, recomenda-se que o professor oriente os alunos para trabalhos em grupo, explorando os conceitos de empresas individuais e de responsabilidade limitada; o inter-relacionamento da administração financeira com o marketing e as decisões de investimento e de financiamento. 7

8 MANUAL DO PROFESSOR CAPÍTULO 2 O AMBIENTE ECONÔMICO E FINANCEIRO DAS EMPRESAS O Manual do professor deste Capítulo é formado de quatro partes; Parte 1. Correções de eventuais erros da edição, primeira impressão. Parte 2. Respostas das questões apresentadas no final do Capítulo. Arquivo: MANUAL DO PROFESSOR QUESTÕES CAP 2.pdf Parte 3. Resolução dos exercícios de final de Capítulo. Arquivo: MANUAL DO PROFESSOR EXERCÍCIOS CAP 2.pdf Parte 4. Arquivo em separado de slides de apresentação do Capítulo (em power point). Arquivo: MANUAL DO PROFESSOR CAP 2.ppt Parte 2. Respostas das questões apresentadas no final do Capítulo 1. Por que é importante para o administrador financeiro conhecer a estrutura de mercado em que atua? O administrador financeiro necessita conhecer a estrutura de mercado em que sua empresa está inserida para atuar melhor em negociações comerciais. Quanto mais conhecer da estrutura e funcionamento do mercado, teoricamente melhor o administrador financeiro poderá explorar as potencialidades de sua empresa, em termos financeiros. 2. Quais são os instrumentos de política econômica? Para que servem? Cite alguns aspectos importantes da política monetária, para os administradores financeiros. As políticas econômicas referem-se às ações do governo no sentido de controlar e regular a atividade econômica. Mesmo os países com governos liberais, interferem na atividade econômica para fomentar o crescimento e a estabilidade econômicos e garantir a eqüitatividade. São estabelecidos princípios político-administrativos, com base na ideologia dominante e então especificadas as metas a serem atingidas. É chamado de instrumentos de política econômica o conjunto de ações e medidas a disposição do governo, para a regulação da atividade econômica. Esses instrumentos estão divididos em quatro tipos: Política Monetária, Política Fiscal, Política Cambial e Política de Rendas. 1

9 Estas políticas servem para disciplinar o funcionamento dos agentes (governo, empresas e pessoas físicas) e proporcionar condições para o desenvolvimento autosustentado do país. Política Monetária são as ações do governo, decididas pelo Conselho Monetário Nacional e operacionalizadas pelo Banco Central, para controlar o volume de moeda em circulação e o montante de crédito disponível. Os instrumentos clássicos de política monetária são as operações de mercado aberto, os depósitos compulsórios e as taxa de redesconto. Ao atuar no mercado aberto, o governo vende ou compra papéis, diminuindo ou aumentando a liquidez do sistema. Ele pratica estas operações aumentando ou diminuindo as taxas de juros, que acabam afetando a vidas das empresas. Alguns aspectos importantes da política monetária, para os administradores financeiros, são: Quanto maior a dificuldade de o governo captar recursos, maiores as taxas de juros exigidas pelos investidores para emprestar dinheiro. Como o governo paga taxas mais elevadas, o custo do dinheiro sobe para todos os agentes da economia. Quanto menor a liquidez do sistema, mais difícil e mais caro contrair empréstimos. Diminui os recursos disponíveis para os bancos emprestarem e aumentam as taxas de juros cobradas. Quanto mais elevadas forem as taxas de juros, mais interessante aplicar recursos no mercado financeiro e mais caro tomar recursos emprestados. 3. Como o mercado entende uma redução na taxa de juros básica da economia? Quando o governo reduz a taxa de juros básica da economia o mercado entende que ele está querendo aumentar a liquidez do sistema, aumentando a circulação de dinheiro na economia. A menor taxa de juros sinaliza para os investidores uma maior credibilidade na manutenção do equilíbrio e mesmo no crescimento econômico do país. 4. Qual a importância do controle das taxas de câmbio para a economia? A importância do controle das taxas de câmbio está na manutenção de: paridade de compra da moeda nacional em relação à moeda estrangeira, competitividade em preço do produto nacional a ser exportado, controle de custos dos produtos importados, equilíbrio da balança comercial (exportações menos importações), equilíbrio do balanço de pagamentos (todos os recebimentos do exterior menos todos os pagamentos ao exterior), controle das taxas de juros pagas aos investidores estrangeiros e aos credores internacionais. É importante também que o administrador financeiro acompanhe o comportamento da política cambial, para no curto prazo: 2

10 avaliar o preço de suas exportações, na moeda nacional, acompanhar o custo efetivo das suas importações, controlar suas dívidas em moeda estrangeira. 5. Qual a diferença entre o mercado monetário e o mercado de capitais? Mercado monetário é o mercado do dinheiro. É o local da interação dos agentes econômicos superavitários e deficitários, intermediados pelos agentes financeiros regulados e fiscalizados pelo governo e outros organismos e com as operações realizadas por organismos públicos e privados. O mercado monetário não está em local físico específico, mas é representado por transações que podem ocorrer fisicamente nas instituições ou virtualmente, por meio eletrônico, via processamento de dados, ligações telefônicas e troca eletrônica de dados (EDI- Eletronic data interchange). Mercado de capitais é um mercado de valores mobiliários (ações e debêntures), que tem o propósito de proporcionar liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabilizar o processo de capitalização. É constituído pelas bolsas de valores, sociedades corretoras e outras instituições financeiras autorizadas. 6. Como está estruturado o sistema financeiro nacional no Brasil? O Sistema Financeiro Nacional está estruturado da seguinte forma: A. Subsistema de Regulação e Fiscalização C M N: Conselho Monetário Nacional BACEN: Banco Central do Brasil C V M: Comissão de Valores Mobiliários SUSEP: Superintendência de Seguros Privados SPC: Secretaria de Previdência Complementar B. Subsistema de Intermediação: a) Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista Bancos Múltiplos com Carteira Comercial Bancos Comerciais Caixas Econômicas Cooperativas de Crédito b) Demais Instituições Financeiras Bancos Múltiplos sem Carteira Comercial Bancos de Investimento Bancos de Desenvolvimento Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimento Sociedades de Crédito Imobiliário Companhias Hipotecárias Associações de Poupança e Empréstimo 3

11 Agências de Fomento Sociedades de Crédito ao Microempreendedor Correspondentes bancários. c) Outros intermediários ou Auxiliares Financeiros Bolsas de Mercadorias e de Futuros Bolsas de Valores Sociedades Corretoras de Títulos e Valores Mobiliários Sociedades Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários Sociedades de Arrendamento Mercantil Sociedades Corretoras de Câmbio Representações de Instituições Financeiras Estrangeiras Agentes Autônomos de Investimento d) Entidades Ligadas aos Sistemas de Previdência e Seguros Entidades Fechadas de Previdência Privada Entidades Abertas de Previdência Privada Sociedades Seguradoras Sociedades de Capitalização Sociedades Administradoras de Seguro-Saúde e) Entidades Administradoras de Recursos de Terceiros Fundos Mútuos Clubes de Investimentos Carteiras de Investidores Estrangeiros Administradoras de Consórcio f) Sistemas de Liquidação e Custódia Sistema Especial de Liquidação e de Custódia SELIC (títulos públicos) Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP (títulos privados) Caixas de Liquidação e Custódia 7. O que se entende por taxa de juros? O que deve ser remunerado por uma taxa de juros? Taxa de juros é o índice, ou o percentual de um montante emprestado, pago a título de remuneração pela operação. Vários aspectos da operação devem ser remunerados, formando a equação a seguir: k = k lr + p i + p ri + p l + p rv onde: Símbolo Significado k Taxa de juros nominal k lr Taxa de juros livre de risco p i Prêmio de inflação p ri Prêmio de risco inadimplência p l Prêmio de liquidez Prêmio de risco de vencimento p rv 4

12 8. Qual é a taxa de juros básica da economia, no Brasil? Como ela é arbitrada? A Taxa de juros básica no Brasil é a SELIC. Esta taxa é a única taxa arbitrada pela autoridade monetária, o Comitê de Política Monetária COPOM, que considera fatores externos e internos da economia. Serve como parâmetro para as negociações interbancárias, ou seja, para os empréstimos de um dia entre os bancos. Apesar do nome, a taxa não é resultado das operações realizadas por meio do SELIC. As demais taxas praticadas pelas instituições financeiras tomam a taxa SELIC por base e a ela agregam os fatores de risco mencionados no quadro. Como curiosidade, a SELIC é um nome originado do Sistema Especial de Liquidação e Custódia, criado pelo Banco Central para administrar títulos da dívida pública. Que acabou sendo adotado para determinação da taxa básica de juros. 9. Quais as perspectivas para o administrador financeiro captar recursos de longo prazo no mercado? No Brasil, praticamente não existem recursos de longo prazo para a s empresa, a não ser as linhas de financiamento do BNDES, ofertadas diretamente, para grandes valores, ou repassadas por bancos comerciais. As grandes empresas podem tomar recurso no mercado internacional. A partir da década de 90, com abertura dos mercados, estabilização inflacionária, maior fiscalização do sistema financeiro e a reforma da Lei das Sociedades Anônimas, o mercado de capitais se fortaleceu e se tornou opção para captação de recursos para as empresas e alternativa de aplicação de investimentos para investidores. Outras fontes de financiamento para novos empreendimentos são as empresas de capital de risco (venture capital) as quais investem em empresas novas, com projetos inovadores, especialmente nas áreas de telemática e biotecnologia. 10. As lojas de produtos veterinários possuem alguns fornecedores que lhes impõe linhas de produtos inteiras, mesmo sabendo que alguns dos produtos que fazem parte dessa linha, não tem a mínima aceitação na área de atuação dessas lojas. Em qual estrutura de mercado estão provavelmente inseridos as lojas, por um lado, e os fornecedores por outro? Ambos estão inseridos numa estrutura de mercado de oligopólio. Oligopólio é a prática de mercado em que a oferta de um produto ou serviço, que tem vários compradores, é controlada por pequeno grupo de vendedores. Neste caso, as empresas tornam-se interdependentes e guiam suas políticas de produção de acordo com a política das demais empresas por saberem que, em setores de pouca concorrência, a alteração de preço ou qualidade de um afeta diretamente os demais. O oligopólio força uma batalha diplomática ou uma competição em estratégia. O objetivo é antecipar-se ao movimento do adversário para combatê-lo de forma mais eficaz. O 5

13 preço tende a variar no nível mais alto. Podem ser citados como exemplos de setores oligopolizados no Brasil o automobilístico e o de fumo. Observação para os professores: Esta questão pode ser bem respondida por meio de pesquisas na Internet. Cabe ao professor estimular os alunos. 6

14 MANUAL DO PROFESSOR CAPÍTULO 3 AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMO INSTRUMENTO COMPLEMENTAR DE GESTÃO O Manual do professor deste Capítulo é formado de quatro partes; Parte 1. Correções de eventuais erros da edição, primeira impressão. Parte 2. Respostas das questões apresentadas no final do Capítulo. Arquivo: MANUAL DO PROFESSOR QUESTÕES CAP 3.pdf Parte 3. Resolução dos exercícios de final de Capítulo. Arquivo: MANUAL DO PROFESSOR EXERCÍCIOS CAP 3.pdf Parte 4. Arquivo em separado de slides de apresentação do Capítulo (em power point). Arquivo: MANUAL DO PROFESSOR CAP 3.ppt Parte 2. Respostas das questões apresentadas no final do Capítulo 1. Explique e exemplifique os regimes de competência e de caixa utilizados, respectivamente, pela contabilidade e pela administração financeira. Demonstre como se podem ajustar os dados contábeis para financeiros. Pelo regime de competência (utilizado pela Contabilidade), as receitas e as despesas são contabilizadas e reconhecidas quando ocorre o fato gerador e não quando há a efetiva entrada ou saída de caixa (regime de caixa). Exemplo: a Empreendimentos Bocaiúva Ltda., num determinado período, realizou vendas no valor de R$ , cujo custo foi de R$ Das vendas, parte recebeu à vista R$ 8.000,00 e o restante será recebido num prazo superior ao da data do relatório. Das mercadorias utilizadas a empresa pagou R$ ,00, ficando o restante para o período seguinte. Os resultados em termos de regime de competência e de caixa são os seguintes: Quadro Comparativo entre os regimes de competência (contábil) e de caixa (financeiro). Regime de competência (DRE) R$ Regime de Caixa R$ Vendas no período Valores recebidos Custos das mercadorias (25.000) Pagamento de insumos (12.000) LUCRO DO PERÍODO SALDO DE CAIXA (4.000) 2. Como está dividida a função financeira nas grandes empresas? Prejudicada. 1

15 3. Cite as características principais das demonstrações financeiras. Principais características das demonstrações financeiras: 1) São relatórios anuais obrigatórios, elaborados com base na escrituração mercantil da empresa, e abrangem o exercício social da empresa, exceto quando da constituição ou liquidação da empresa, se as datas não forem coincidentes com o início ou o final do exercício. Deverão exprimir com clareza a situação do patrimônio da companhia e as mutações ocorridas no exercício social a que se referem. 2) Baseiam-se em Princípios Contábeis geralmente aceitos, definidos no Brasil por IBRACON Instituto Brasileiro de Contabilidade, CVM Comissão de Valores Mobiliários paras as empresas de capital aberto, e COSIF - Plano de Contas das Instituições Financeiras. E nos EUA pelo FASB - Financial Accounting Standards Board. 3) Constituem-se em forma de mostrar aos acionistas a percepção da empresa no ponto de vista dos executivos e proprietários. 4. Cite os relatórios e as demonstrações financeiras do Balanço Geral de acordo com a legislação brasileira e dê exemplos de relatórios contemporâneos que auxiliam a divulgação dos resultados da empresa. De acordo com a legislação brasileira, o Balanço Geral é apresentado por três relatórios e três ou quatro demonstrações financeiras, como segue: Relatório do Conselho de Administração ou da Diretoria; Balanço Patrimonial; Demonstração do Resultado do Exercício; Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos; Demonstração de Lucros ou Prejuízos acumulados; Notas explicativas; Parecer do Conselho Fiscal; e Parecer dos Auditores Independentes, se o Balanço Geral for de empresa de capital aberto. Além desses, existem dois relatórios contemporâneos: o demonstrativo do fluxo de caixa e o balanço social. 5. Qual a composição básica do Relatório do Conselho de Administração ou da Diretoria? O Relatório do Conselho de Administração é a mensagem descritiva que apresenta a companhia. Pode ser uma simples frase de apresentação das Demonstrações Financeiras, ou de maior conteúdo, destacando os eventos de maior impacto ocorridos durante o exercício social. Normalmente é assinado pelo Presidente da empresa ou do Conselho de Administração e os mais completos contêm: a) filosofia 2

16 da administração; b) estratégia organizacional, c) resultados obtidos, e d) planos futuros. 6. Explique como as variações nas contas ativas e passivas podem resultar em aplicação ou geração de recursos. Como as contas ativas representam os investimentos da empresa e as contas passivas representam seus financiamentos, qualquer modificação nessas contas resultará em saídas ou entradas de recursos. Exemplos: Uma redução de contas a receber resultará em aumento de caixa e bancos; uma redução de caixa e bancos poderá resultar num aumento de estoques ou de ativos permanentes, e assim por diante. 7. Por que os valores do ativo circulante são considerados de maior liquidez? Os grupo de contas e as contas do ativo são apresentadas em ordem de liquidez decrescente, ou seja, primeiro o caixa, depois aquelas que rapidamente se convertem em caixa, e assim por diante. Ativo Circulante é onde estão registrados os bens e direitos que poderão ser convertidos em dinheiro ou realizados no prazo de um ano, contado da data do balanço patrimonial. Portanto, os valores do ativo circulante são mais líquidos que os dos demais grupos de contas do ativo. 8. Diferencie os três grupos de contas que compõem o ativo permanente. O ativo permanente é formado por três grupos de contas: a) Imobilizado, b) Investimentos e c) Diferido. a) Ativo Imobilizado é composto pelo valor de bens e direitos que são utilizados na atividade operacional da empresa. Exemplos: Terrenos, edificações, máquinas, equipamentos, instalações, móveis e utensílios, marcas e patentes, obras em andamento, veículos. b) Investimentos são as participações permanentes em outras empresas e outros direitos de longo prazo que não se destinam à atividade operacional da empresa. Exemplos: as ações que uma empresa controladora possui de uma subsidiária. c) Diferido registra gastos de ações que irão proporcionar benefícios em exercícios sociais futuros. Exemplos: gastos com desenvolvimento de produtos, gastos com pesquisas, despesas de reorganização e gastos pré-operacionais. 9. Do ponto de vista do ativo permanente explique os conceitos de amortização e exaustão. 3

17 Amortização é o gasto correspondente à perda do valor do capital aplicado na aquisição de direitos da propriedade industrial ou comercial e quaisquer outros com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado. Exemplo: Gastos realizados por uma montadora de veículos, pré-operacionais, tais como, estruturação de um escritório de planejamento, despesas de viagens, telefonemas, representação, dentre outras, necessárias à instalação da fábrica. Exaustão é o gasto correspondente à perda do valor, decorrente da sua exploração, de direitos cujo objeto sejam recursos minerais ou florestais, ou bens aplicados nessa exploração. Exemplos: diminuição das reservas petrolíferas; redução das reservas de minério de ferro, pela exploração. 10. O que diferencia o ativo imobilizado bruto do líquido. Por que esses bens sofrem o processo de depreciação? O Ativo Imobilizado Bruto, ou apenas Imobilizado é composto pelo valor de bens e direitos que são utilizados na atividade operacional da empresa. Terrenos, edificações, máquinas, equipamentos, instalações, móveis e utensílios, marcas e patentes, obras em andamento, veículos, são alguns dos itens que compõem o ativo imobilizado. Os gastos incorridos para a colocação em operação do bem imobilizado, como fretes e despesas de instalação, por exemplo, são incorporados ao seu valor. O Ativo Imobilizado Líquido é o resultado do valor contábil, descontada a depreciação, ou a amortização ou a exaustão, que representam a apropriação de uma despesa ou um custo, correspondente aos gastos de aquisição de bens, distribuídos ao longo de sua vida útil. Esses bens sofrem o processo de depreciação, pela perda decorrente de desgaste ou de utilidade por uso, ação da natureza ou obsolescência. Além de permitir a correta expressão do valor contábil, propicia a redução de imposto de renda. 11. O que representam os valores do Patrimônio Líquido? Os valores do Patrimônio Líquido representam os direitos dos acionistas na empresa. São expressos como capital social, reservas, ações em tesouraria e lucros ou prejuízos acumulados. 12. Por que as empresas constituem reservas? As empresas constituem reservas para reforçar o capital próprio e para propiciar oportunidades de desenvolvimento da empresa. 13. Demonstre como é o conceito da equação do balanço. 4

18 O Balanço Patrimonial representa os direitos, no Ativo e as obrigações e o patrimônio líquido, no Passivo. A diferença, que compõe o Patrimônio Líquido, é a soma dos aportes de recursos dos sócios, as reservas constituídas e os lucros gerados nas atividades da empresa e não distribuídos aos sócios. Assim temos: Equação do Balanço: Ativo = Passivo + Patrimônio Líquido 14. O que significa, do ponto de vista contábil, o total de passivos ser maior do que o total de ativos? Do ponto de vista contábil, o Passivo ser maior que o Ativo significa que a empresa deve a terceiros mais do que tem no seu patrimônio total. Significa ter um patrimônio líquido negativo, ou seja, a empresa não tem recursos suficientes para cobrir suas dívidas. 15. Qual a diferença temporal das informações constantes do Demonstrativo de resultado do Exercício e do Balanço Patrimonial, referentes ao mesmo ano fiscal? O demonstrativo de resultados mostra como surge o lucro ou prejuízo da empresa em um período específico, normalmente um ano. Ao longo do ano as empresas elaboram as Demonstrações de Resultados mensais, com o auxílio dos meios eletrônicos de processamento de dados. O Balanço Patrimonial registra os direitos e obrigações da empresa numa determinada data. Portanto, a diferença é que o demonstrativo de resultados refere-se a um período de tempo e o balanço patrimonial é a fotografia de um momento determinado, normalmente fim do mês, fim do ano. 16. Por que as despesas financeiras devem ser consideradas após o resultado operacional? As despesas financeiras, da mesma forma que as receitas financeiras, devem ser consideradas após o resultado operacional para permitir a análise das efetivas causas e efeitos. Em outras palavras, para se medir se uma empresa é lucrativa ou não em termos do negócio, devemos isolar os efeitos da forma como ela é financiada. Exemplo: podemos ter uma empresa com resultados operacionais muito bons e com prejuízos para os acionistas. Isto pode ocorrer se ela tiver um endividamento muito alto. É comum uma empresa comprar outra, com prejuízo, injetar capital e a adquirida passar a dar lucro. 17. Qual a utilidade da DOAR? 5

19 A Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) procura estabelecer de onde vieram os recursos financeiros utilizados na empresa e onde foram aplicados. A DOAR tem grande utilidade para identificar a movimentação de recursos financeiros na empresa. A variação positiva ou negativa nas contas reflete onde estão sendo aplicados os recursos e de onde esses recursos estão vindo. Portanto, a DOAR é útil para a análise de políticas e estratégias da de investimento e de financiamento da empresa num determinado período. 18. Qual a principal diferença dos conceitos de lucro por ação entre a legislação brasileira e a dos EUA? É o lucro líquido depois do IR e da CSL dele subtraído o montante destinado na forma de dividendos aos acionistas preferenciais. Sobre esse valor a Assembléia de Acionistas vai deliberar quanto distribuir como dividendos aos acionistas ordinários e quanto será retido na empresa, desde que respeitados os preceitos legais. Em tese, a legislação brasileira não permite dividendos aos acionistas ordinários maiores dos que os atribuídos aos acionistas preferenciais. 19. Qual a principal razão para que as empresas apresentem as Notas Explicativas nas demonstrações financeiras? A principal razão para que as sociedades anônimas apresentem Notas Explicativas é dar transparência (integridade, autenticidade, precisão, sinceridade e relevância) aos acionistas e mercado da realidade empresarial. As notas explicativas fazem parte das demonstrações contábeis e as informações nelas contidas devem ser relevantes, complementares e/ou suplementares àquelas não suficientemente evidenciadas ou não constantes nas demonstrações contábeis propriamente ditas. Segundo a Comissão de Valores Mobiliários as notas explicativas vigentes compreendem dentre outras: ações em tesouraria, ágio/deságio, ajustes de exercícios anteriores, alteração de método ou critério contábil, arrendamento mercantil (leasing), ativo contingente, ativo diferido, benefícios a empregados, capacidade ociosa. 20. Apresente a Demonstração do Fluxo de Caixa de uma empresa qualquer. 6

20 Apresentamos abaixo: Quadro Demonstração do Fluxo de Caixa 31/12/2003 Valores em $ Descrição + Disponibilidades Caixa 50 Depósitos à vista 400 Títulos Negociáveis Atividades Operacionais 865 Recebimentos operacionais de: Vendas à vista Vendas a prazo Adiantamentos de clientes - Rendimentos de aplicações financeiras - Dividendos recebidos - Pagamentos operacionais a: (13.492) Fornecedores de matérias primas Fornecedores de mercadorias Adiantamentos a fornecedores - Salários e encargos Tributos Encargos financeiros 500 Outros pagamentos Atividades de investimento (2.150) Aplicações financeiras de médio e longo prazo - Ativos imobilizados ao custo Atividades de financiamento Empréstimos bancários 687 Financiamentos e leasing - Recursos próprios (-) dividendos pagos (2.462) = Fluxo de caixa líquido Qual importância da publicação do Balanço Social? A publicação do Balanço Social é muito importante para os grupos de relacionamento da empresa (stakeholders) - pessoas, outras empresas, organizações não governamentais ONGs - instituições financeiras, governos, clientes e fornecedores, credores e devedores, acionistas e outros titulares de dívida, funcionários e vizinhos, governantes e ambientalistas pois, baseados nas informações ali divulgadas, eles tomam suas decisões em relação à empresa. 22. Explique os conceitos dos Pontos de Equilíbrio Operacional, de Caixa e em moeda. Como o uso dos gráficos pode auxiliar na análise? O ponto de equilíbrio operacional determina a quantidade de produção e venda de bens ou serviços, cujos custos totais e receitas operacionais totais provindas dessa quantidade são iguais, não havendo nem lucro nem prejuízo operacional. 7

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional Capítulo Sistema Financeiro Nacional Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Distinguir

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 2º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 2º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 2º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira Risco e Mercado de Capitais Risco E Mercado De Capitais PARTE 1 AC- 1 AC- 2 l EMENTA: Estudar a gestão de risco no mercado de capitais, financeiro e de derivativos, por meio dos principais ativos negociados,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO Patrimônio é o conjunto de posses, a riqueza de uma pessoa, quer seja ela física ou jurídica,

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Demonstrações Contábeis Obrigatórias

Demonstrações Contábeis Obrigatórias Demonstrações Contábeis Obrigatórias 1.Introdução As demonstrações contábeis são os meios pelos quais as empresas e as demais entidades informam à sociedade as condições de seu patrimônio. A legislação

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 3: O ambiente operacional do administrador financeiro e da própria empresa Qualquer que seja o tipo de empreendimento empresa industrial, comercial, prestadora de serviços

Leia mais