MANUAL DE LINHAS DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE LINHAS DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO"

Transcrição

1

2

3 MANUAL DE LINHAS DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO VITÓRIA/ES

4 FICHA TÉCNICA - SETUR GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO Governador: Paulo Cesar Hartung Gomes Vice-Governador: Ricardo Ferraço SECRETARIA ESTADUA DE TURISMO Secretário: João Felicio Scardua Sub-Secretária: Flávia Roberta Cysne Novaes Leite GERENCIAS Gerencia de Estudos e Negócios Turísticos Ângela Maria Modolo de Assunção Gerencia de Marketing Turístico Carla Rezende Gerencia de Gestão do Turismo Márcia Abrahão Gerencia Técnica Administrativa Carla Barreto FICHA TÉCNICA BANCOS BANDES Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo S.A Paulo Sergio Vieira BNB Banco do Nordeste do Brasil S.A Constantino Martins Pinto BANESTES Banco do Estado do Espírito Santo S.A Lusia Aparecida da Cunha Banco do Brasil S.A Emilia Cerutti CEF Caixa Econômica Federal José Carlos Cassoli

5 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...7 Banco de Desenvolvimento do Estado do Espírito Santo...10 Banco do Nordeste do Brasil S. A...17 Banco do Estado do Espírito Santo...23 Banco do Brasil S.A...30 Caixa Econômica Federal...38 Cadastro da Comissão Temática...42

6

7 Apresentação A Secretaria de Estado de Turismo Setur desenvolveu a 3º edição do manual de linhas de financiamento para o turismo com objetivo de indicar as possíveis linhas de financiamentos disponíveis em instituições financeiras do Estado. Neste manual encontram-se linhas de crédito atualizadas para desenvolvimento de empreendimentos na área do turismo dos bancos: BANDES, BANESTES, BANCO DO BRASIL, BANCO DO NORDESTE e CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Vale ressaltar que cada banco pode alterar alguma linha de crédito antes da próxima atualização deste manual. O setor de turismo está em crescente desenvolvimento, para isso esses bancos disponibilizam informações sobre vários tipos de linhas de financiamento. Através deste manual os empresários têm chance de abrir ou reformular seus negócios, há também oportunidades para linhas especificas. Confira as oportunidades! 7

8

9

10

11 BANDES BNDES AUTOMÁTICO / MICRO E PEQUENA EMPRESA Linhas oferecidas ao setor de Turismo pelo BANDES, atualizadas em 21/07/2010: Linhas de Crédito para o Setor de Turismo BANDES Linha de Crédito Finalidade Limites (R$) Prazos (meses) Carência Amortização Taxa de Juros BNDES AUTOMÁTICO / MICRO E PEQUENA EMPRESA Investimento Fixo + Capital Giro Associado (até 70%) R$ 10 milhões Até 24 Até 60 5,9% a.a.+ TJLP FINAME / MICRO E PEQUENA EMPRESA Investimento Fixo + Capital de Giro Associado (até 50%) R$ 10 milhões Até 12 Até 60 5,9% a.a.+ TJLP FUNDAPSOCIAL / EMPREENDEDOR / GIRO EXCLUSIVO Capital de giro R$ 30 mil Até 3 Até 36 12,68% a.a. FUNDAPSOCIAL EMPREENDENDOR / PESSOA JURIDICA E PROFISSIO- NAIS LIBERAIS Investimento Fixo + Capital Giro Associado (até 30%) R$ 45 mil Até 12 Até 60 12% a.a. FUNDAPSOCIAL / NOSSOCRÉDITO / GIRO EXCLUSIVO Capital de giro R$ 7,5 mil Até 2 Até 12 1% a.m. FUNDAPSOCIAL / NOSSOCRÉDITO / INVESTIMENTO FIXO E MISTO FUNRES URBANO Investimento Fixo + Capital de Giro Associado (até 50%) Investimento Fixo + Capital Giro Associado (até 30%) R$ 7,5 mil Até 3 Até 24 0,7% a.m. R$ 300 mil Até 12 Até 60 12% a.a. *Bônus adimplência: desconto de 1% na taxa de juros anualizada, para clientes que honrem com o pagamento das parcelas até o vencimento. 11

12 BANDES OBJETIVO Apoiar investimentos para implantação, ampliação, recuperação e modernização de ativos fixos nos setores da indústria, comércio e prestação de serviços, de empresas localizadas ou que venham a investir no Estado do Espírito Santo, com receita operacional bruta anual ou anualizada de até R$ 10,5 milhões. BENEFICIÁRIOS Cooperativas de produção e serviços e pessoas jurídicas que atuem no setor industrial, comercial e de serviços (inclusive turismo), e que tenham receita operacional bruta anual ou anualizada de até R$ 10,5 milhões. CONDIÇÕES OPERACIONAIS Limite de financiamento: Máximo de até R$ 10 milhões; Participação: até 100%. PRAZOS: Carência: até 24 meses; Amortização: até 60 meses; Total: até 60 meses. TAXA DE JUROS: 5,9% ao ano + TJLP. Bônus adimplência: desconto de 1% na taxa de juros anualizada, para clientes que honrem com o pagamento das parcelas até o vencimento. FORMA DE PAGAMENTO Carência: juros pagos trimestralmente. Amortização: principal e juros pagos mensalmente. FINAME / MICRO E PEQUENA EMPRESA OBJETIVO Financiar a comercialização de máquinas e equipamentos novos, de fabricação nacional, credenciados no BNDES, e empresas localizadas ou que venham a investir no Estado do Espírito Santo, com receita operacional bruta anual ou anualizada de até R$ 10,5 milhões. BENEFICIÁRIOS Cooperativas de produção e serviços e pessoas jurídicas que atuem no setor industrial, comercial e de serviços (inclusive turismo), e que tenham receita operacional bruta anual ou anualizada de até R$ 10,5 milhões. CONDIÇÕES OPERACIONAIS Limite de financiamento: Máximo de até R$ 10 milhões; Participação: até 100%. 12

13 PRAZOS: Carência: até 12 meses; Amortização: até 60 meses; Total: até 60 meses. TAXA DE JUROS: 5,9% ao ano + TJLP. Bônus adimplência: desconto de 1% na taxa de juros anualizada, para clientes que honrem com o pagamento das parcelas até o vencimento. BANDES FORMA DE PAGAMENTO Carência: juros pagos trimestralmente. Amortização: principal e juros pagos mensalmente. FUNDAPSOCIAL / EMPREENDEDOR / GIRO EXCLUSIVO OBJETIVO Fortalecer o capital de giro dos empreendedores formais com faturamento anual de até R$ 2,4 milhões, ou de empreendedores do setor informal que atuem e estejam estabelecidos em áreas urbanas, segundo as condições operacionais definidas na linha. BENEFICIÁRIOS Profissionais liberais, aqui considerados como profissional autônomo de nível universitário ou técnico, registrado em uma ordem ou conselho de profissional; e Pessoas jurídicas que atuem no setor industrial, comercial e de serviços, inclusive turismo, que tenham usufruído, no último ano calendário, faturamento anual de até R$ 2,4 milhões. CONDIÇÕES OPERACIONAIS Limite de financiamento: Máximo de 30 mil; Participação: até 100%. PRAZOS: Carência: até 3 meses; Amortização: até 36 meses; Total: até 36 meses. TAXA DE JUROS: 12,68% ao ano. Bônus adimplência: desconto de 1% na taxa de juros anualizada, para clientes que honrem com o pagamento das parcelas até o vencimento. FORMA DE PAGAMENTO Na carência, os juros serão pagos mensalmente e durante a amortização o principal mais os juros serão pagos mensalmente. 13

14 FUNDAPSOCIAL EMPREENDEDOR / PJ E PROFISSIONAIS LIBERAIS BANDES OBJETIVO Apoiar investimentos de implantação, expansão, relocalização, modernização, diversificação, desenvolvimento tecnológico e gerencial, formalização, racionalização e controle ambiental, de empresas com faturamento anual de até R$ 2,4 milhões, ou de empreendedores do setor informal que atuem e estejam estabelecidos em áreas urbanas, segundo as condições operacionais definidas na linha. BENEFICIÁRIOS Profissionais liberais, profissionais autônomos e pessoas jurídicas que atuem no setor industrial, comercial e de serviços (inclusive turismo), que tenham usufruído, no último ano calendário, faturamento anual de até R$ 2,4 milhões. CONDIÇÕES OPERACIONAIS Limite: Máximo de até R$ 45 mil; Participação: até 100%. Giro associado: até 30% do investimento fixo. PRAZOS: Carência: até 12 meses; Amortização: até 60 meses; Total: até 60 meses. TAXA DE JUROS: 12% ao ano. Bônus adimplência: desconto de 1% na taxa de juros anualizada, para clientes que honrem com o pagamento das parcelas até o vencimento. FORMA DE PAGAMENTO Na carência, os juros serão pagos trimestralmente. Durante a amortização o principal mais os juros serão pagos mensalmente. FUNDAPSOCIAL / NOSSOCRÉDITO / GIRO EXCLUSIVO OBJETIVO Fortalecer o capital de giro dos empreendedores formais e informais. BENEFICIÁRIOS Pessoas jurídicas e pessoas físicas (inclusive profissionais liberais) que possuam empreendimento no setor industrial, comercial e de serviços (inclusive de turismo), pequenos produtores rurais e suas famílias, comunidades tradicionais e povos indígenas, para financiamento de atividades que agreguem valor à produção e/ou contribuam para o aumento da renda familiar e atendam às seguintes condições: Estar produzindo, no município, há mais de 6 meses, ou ter participado de cursos promovidos pelos Programas de Qualificação Profissional Municipal, Estadual ou Federal, já inseridos no mercado de produção de bens ou serviços; Residir, há mais de 2 anos, no município, em endereço fixo. Caso não resida no município, precisa ter seu negócio estabelecido, há mais de 2 anos, ali; 14

15 Ter receita bruta do negócio inferior a R$ 240 mil nos últimos 12 meses anteriores à data da solicitação. CONDIÇÕES OPERACIONAIS Limite: Mínimo de R$ 200,00 e máximo de R$ 7.500,00; Participação: até 100%. PRAZOS: Carência: até 2 meses; Amortização: até 12 meses; Total: até 12 meses. BANDES TAXA DE JUROS: 1% ao mês. Bônus adimplência: desconto de 1% na taxa de juros anualizada, para clientes que honrem com o pagamento das parcelas até o vencimento. FORMA DE PAGAMENTO Carência: não haverá pagamento na carência. Amortização: principal mais juros pagos mensalmente. FUNDAPSOCIAL / NOSSOCRÉDITO / INVESTIMENTO FIXO E MISTO OBJETIVO Apoiar investimentos de implantação, expansão, relocalização, modernização, diversificação, desenvolvimento tecnológico e gerencial, racionalização e controle ambiental, em todo o Estado do Espírito Santo, de empreendedores formais ou informais. BENEFICIÁRIOS Pessoas jurídicas e pessoas físicas (inclusive profissionais liberais) que possuam empreendimento no setor industrial, comercial e de serviços (inclusive de turismo), pequenos produtores rurais e suas famílias, comunidades tradicionais e povos indígenas, para financiamento de atividades que agreguem valor à produção e/ou contribuam para o aumento da renda familiar e atendam às seguintes condições: Estar produzindo, no município, há mais de 6 meses, ou ter participado de cursos promovidos pelos Programas de Qualificação Profissional Municipal, Estadual ou Federal, já inseridos no mercado de produção de bens ou serviços Residir, há mais de 2 anos, no município, em endereço fixo. Caso não resida no município, precisa ter seu negócio estabelecido, há mais de 2 anos, ali. Ter receita bruta do negócio inferior a R$ 240 mil nos últimos 12 meses anteriores à data da solicitação. CONDIÇÕES OPERACIONAIS Limite: Mínimo de R$ 200,00 e máximo de R$ 7.500,00; Participação: até 100%. Giro associado: até 50% do investimento fixo. 15

16 BANDES PRAZOS: Carência: até 3 meses; Amortização: até 24 meses; Total: até 24 meses. TAXA DE JUROS: 0,7% ao mês. Bônus adimplência: desconto de 1% na taxa de juros anualizada, para clientes que honrem com o pagamento das parcelas até o vencimento. FORMA DE PAGAMENTO Carência: não haverá pagamento na carência. Amortização: principal mais juros pagos mensalmente. FUNRES / SETOR URBANO OBJETIVO Apoiar investimentos de implantação, expansão, relocalização, modernização, diversificação, desenvolvimento tecnológico e gerencial, racionalização e controle ambiental, de empresas com faturamento anual de até R$ 2,4 milhões, que atuem e estejam estabelecidas no Estado do Espírito Santo. BENEFICIÁRIOS Profissionais Liberais e Pessoas Jurídicas que atuem no setor industrial, comercial e de serviços (inclusive turismo), que tenham usufruído, no último ano calendário, faturamento anual de até R$ 2,4 milhões. CONDIÇÕES OPERACIONAIS Limite: Máximo de até R$ 300 mil; Participação: até 100%. Giro associado: até 30% do investimento fixo. PRAZOS: Carência: até 12 meses; Amortização: até 60 meses; Total: até 60 meses. TAXA DE JUROS: 12% ao ano. Bônus adimplência: desconto de 1% na taxa de juros anualizada, para clientes que honrem com o pagamento das parcelas até o vencimento. FORMA DE PAGAMENTO Na carência, os juros serão pagos trimestralmente. Durante a amortização o principal mais os juros serão pagos mensalmente. Informações Complementares: Para mais informações sobre as linhas de financiamento do Bandes, acesse ou ligue para o Bandes Atende: , de a sexta-feira, das 9 às 18 horas. 16

17 B N B BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S. A. Linhas oferecidas ao Setor de Turismo pelo BANCO DO NORDESTE, atualizadas em 26/10/2010: Linhas de Crédito para o Setor de Turismo Linha de Crédito Finalidade Limites (R$) Prazos (meses) Carência Amortização Taxa de Juros PROATUR INVESTIMENTO E CAPITAL DE GIRO ASSOCIADO - ATÉ 05 ANOS ATÉ 15 ANOS 8,08 a.a PEQUENA EMPRESA 8,5 a.a. GRANDE EMPRESA PROCULTURA INVESTIMENTO - FNE-MPE INVESTIMENTO E CAPITAL DE GIRO - ATÉ 04 ANOS ATÉ 04 ANOS ATÉ 12 ANOS ATÉ 12 ANOS 8,08 a.a PEQUENA EMPRESA 8,5 a.a. GRANDE EMPRESA 5,74 a.a MICRO EMPRESA 7,01 a.a PEQUENA EMPRESA B N B PROATUR - PROGRAMA DE APOIO AO TURISMO REGIONAL OBJETIVO Implantação, ampliação, modernização e reforma de empreendimentos do setor turístico. O QUE FINANCIAR Investimentos e capital de giro associado, observado as exceções normativas internas previstas, quanto a determinados itens e atividades excluídos de serem financiados por esse programa, a exemplo de aquisição de terrenos, transferências de edificações, veículos importados, flats, dentre outros. PÚBLICO-ALVO Pessoas jurídicas de médio e grande porte, inclusive empresários registrados na junta comerciais, cadastrados pelo Ministério do Turismo, cujo objetivo econômico principal seja a atividade turística. FONTE DOS RECURSOS Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste - FNE. PRAZOS Máximo de 15 anos, já incluídos até 05 anos de carência. O prazo de cada operação será determinado em função da capacidade de pagamento do projeto, observados os limites já mencionados. ENCARGOS Tarifas de contratação, conforme a regulamentação vigente. Juros às taxas efetivas abaixo descritas: 9,5% a.a. para média empresa; 10% a.a. para grande empresa. As taxas de juros do FNE podem ser reajustadas pelo Governo Federal. BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA No estado do Espírito Santo, sobre os juros incidirão bônus de adimplência 17

18 de 15% concedido exclusivamente se o mutuário pagar as prestações (juros e principal) até as datas dos respectivos vencimentos. GARANTIAS As garantias serão cumulativa ou alternativamente compostas por garantias reais e fidejussórias, em função do prazo, valor e pontuação obtida na avaliação de risco do cliente e do projeto. Serão as seguintes, cumulativa ou alternativamente: B N B hipoteca, observado que, no caso de financiamento para a aquisição de meios de hospedagem construídos ou em construção, será obrigatória a hipoteca em 1º grau do imóvel objeto do crédito; alienação fiduciária; penhor; fiança ou aval. PROCULTURA PROGRAMA DE FINANCIAMENTO À CULTURA OBJETIVO Proporcionar apoio creditício à economia da cultura regional, a qual abriga os setores que envolvem criação artística ou intelectual, assim como os produtos e serviços ligados à fruição e difusão da cultura O QUE FINANCIAR Implantação, ampliação, modernização e reforma de empreendimentos do setor cultural; produção, circulação, divulgação e comercialização de produtos e serviços culturais. PÚBLICO-ALVO Empresas privadas (pessoas jurídicas e empresários registrados na junta comercial), de médio e grande porte, as quais desenvolvam atividades do setor cultural nos segmentos indicados a seguir: produtoras de espetáculos de artes cênicas (teatro, ópera, dança, circo e mímica); produtores de espetáculos de música; produtoras, gravadoras, editoras e distribuidoras de discos (CDs, DVDs) e outras mídias; produtoras de audiovisual (cinema, vídeo, rádio e televisão); produtoras de artes visuais, a exemplo de artes plásticas, fotografia e gravura; editoras de livros e outras publicações, a exemplo de cordéis, guias, partituras musicais e catálogos culturais, exceto jornais, revistas e outros periódicos; salas de exibição, casas de espetáculo, teatros e galerias de arte; museus, bibliotecas e centros culturais; comerciantes atacadistas e varejistas de produtos culturais (livros, jornais, revistas, discos, publicações, imagens e outras mídias); fabricantes de instrumentos e acessórios musicais; escolas de artes cênicas, de música, de audiovisual, de artes visuais, de literatura e de restauração de patrimônio histórico. FONTE DOS RECURSOS Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste - FNE. 18

19 PRAZOS Máximo de 12 anos, já incluídos até 04 anos de carência. O prazo de cada operação será determinado em função da capacidade de pagamento do projeto, observados os limites já mencionados. ENCARGOS Tarifas de contratação, conforme a regulamentação vigente. Juros às taxas efetivas abaixo descritas: 9,5% a.a. para média empresa; 10% a.a. para grande empresa. As taxas de juros do FNE podem ser reajustadas pelo Governo Federal. BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA No estado do Espírito Santo, sobre os juros incidirão bônus de adimplência de 15% concedido exclusivamente se o mutuário pagar as prestações (juros e principal) até as datas dos respectivos vencimentos. GARANTIAS As garantias serão cumulativa ou alternativamente compostas por garantias reais e fidejussórias, em função do prazo, valor e pontuação obtida na avaliação de risco do cliente e do projeto. Serão as seguintes, cumulativa ou alternativamente: B N B hipoteca, observado que, no caso de financiamento para a aquisição de meios de hospedagem construídos ou em construção, será obrigatória a hipoteca em 1º grau do imóvel objeto do crédito; alienação fiduciária; penhor; d) fiança ou aval. PROGRAMA DE FINANCIAMENTO À MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE FNE-MPE FINALIDADE Implantação, expansão, modernização e relocalização com modernização de empreendimentos de microempresas e de empresas de pequeno porte dos setores industrial, inclusive mineração, agroindustrial, de turismo, comercial e de prestação de serviços, inclusive empreendimentos culturais e a produção, circulação, divulgação e comercialização de produtos e serviços culturais, mediante o financiamento de investimentos e capital de giro O QUE FINANCIAR 1) SETOR DE TURISMO: gastos com construção, ampliação e reforma de benfeitorias e instalações, observado que a reforma visará à modernização do empreendimento ou o aumento de sua receita operacional; aquisição de veículos automotores, relacionados com o desempenho da atividade do empreendimento financiado, podendo tal aquisição ser financiada de forma isolada; aquisição, conversão, modernização, reforma ou reparação de embarcações utilizadas no transporte turístico de passageiros, inclusive de forma isolada; aquisição de máquinas e equipamentos, podendo tal aquisição ser financiada de forma isolada; serviços específicos de consultoria de orientação empresarial e acom- 19

20 panhamento, até a maturação do empreendimento, inclusive a contratação de profissionais permanentes; móveis e utensílios, podendo a aquisição ser financiada de forma isolada; capacitação de mão-de-obra necessária ao empreendimento, e implantação de sistemas de gestão de qualidade; aquisição de meios de hospedagem já construídos ou em construção, respeitado o disposto no subitem 9.4 adiante; capital de giro associado ao investimento fixo; gastos com frete para o transporte e/ou com a montagem de máquinas e equipamentos financiados de forma isolada; tributos incidentes para o desembaraço aduaneiro de bens, cuja importação seja financiada neste Programa. B N B 2) SETOR DE COMÉRCIO E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: gastos com construção, reforma e ampliação de benfeitorias e instalações, observado que a reforma visará à modernização do empreendimento ou o aumento de sua receita operacional; aquisição de veículos automotores, relacionados com o desempenho da atividade do empreendimento financiado, e aquisição de máquinas e equipamentos, podendo tais aquisições ser financiadas de forma isolada; aquisição, conversão, modernização, reforma ou reparação de embarcações, inclusive de forma isolada, utilizadas no transporte de cargas ou transporte coletivo de passageiros de caráter não-turístico em linhas objeto de concessão ou permissão do Poder Público, compreendendo também as atividades de navegação fluvial e lacustre, navegação de apoio marítimo e portuário, a navegação de cabotagem e a navegação de longo curso; serviços específicos de consultoria de orientação empresarial e acompanhamento, até a maturação do empreendimento, inclusive a contratação de profissionais permanentes; móveis e utensílios, podendo a aquisição ser financiada de forma isolada; capital de giro associado ao investimento fixo; gastos com frete para o transporte e/ou com a montagem de máquinas e equipamentos financiados de forma isolada; tributos incidentes para o desembaraço aduaneiro de bens, cuja importação seja financiada neste Programa. 3) SETOR DE CULTURA: contratação de serviços especializados (horas de estúdio de gravação, compra de pauta de teatro, montagem de palco, banheiros químicos, empresas especializadas em contratação de músicos, compra de direitos autorais, elaboração de arranjos musicais, elaboração de roteiros, contratação de elenco, aluguel de equipamentos e máquinas, projetos de sonorização, inclusive material contra a poluição sonora, projetos de iluminação, empresas especializadas na contratação de assessoria de imprensa, fotolito, programação visual, serviços de divulgação etc.); aquisição de veículos automotores, relacionados com o desempenho da atividade do empreendimento financiado, podendo tal aquisição ser financiada de forma isolada; aquisição de acervos museológicos, obras de arte, livros, publicações, CDs, DVDs, cenários e figurinos; 20

21 aquisição de instrumentos musicais; capacitação de mão-de-obra necessária ao empreendimento, por meio de empresas especializadas (por exemplo: operadores de som e imagem, carpinteiros, guias e arquivistas); serviços específicos de consultoria de orientação empresarial e acompanhamento, até a maturação do empreendimento, inclusive a contratação de profissionais permanentes; gastos com construção, ampliação e reforma de benfeitorias e instalações, observado que a reforma visará à modernização do empreendimento ou o aumento de sua receita operacional; móveis e utensílios, podendo a aquisição ser financiada de forma isolada; capital de giro associado ao investimento fixo; gastos com frete para o transporte e/ou com a montagem de máquinas e equipamentos financiados de forma isolada; tributos incidentes para o desembaraço aduaneiro de bens, cuja importação seja financiada neste Programa. B N B PÚBLICO-ALVO Microempresas e empresas de pequeno porte (pessoas jurídicas e empresários registrados na junta comercial) FONTE DOS RECURSOS Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste - FNE. PRAZOS Máximo de 12 anos, já incluídos até 04 anos de carência. O prazo de cada operação será determinado em função da capacidade de pagamento do projeto, observados os limites já mencionados. ENCARGOS Tarifas de contratação, conforme a regulamentação vigente. Juros às taxas efetivas abaixo descritas: 6,75% a.a. para microempresa; 8,25% a.a. para pequena empresa. As taxas de juros do FNE podem ser reajustadas pelo Governo Federal. BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA No estado do Espírito Santo, sobre os juros incidirão bônus de adimplência de 15% concedido exclusivamente se o mutuário pagar as prestações (juros e principal) até as datas dos respectivos vencimentos. GARANTIAS As garantias serão cumulativa ou alternativamente compostas por garantias reais e fidejussórias, em função do prazo, valor e pontuação obtida na avaliação de risco do cliente e do projeto. Serão as seguintes, cumulativa ou alternativamente: 21

22 Hipoteca, observado que, no caso de financiamento para a aquisição de meios de hospedagem construídos ou em construção, será obrigatória a hipoteca em 1º grau do imóvel objeto do crédito; Alienação fiduciária; Penhor; Fiança ou aval. Glossário: BNB Banco do Nordeste do Brasil S/A FNE Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste B N B Informações Complementares: Site: Telefone: Superintendência Estadual Escritório de Vitória - Telefone: (27) Agência de Colatina Telefone: (27) Agência de Linhares Telefone: (27)

23 BANESTES BANCO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO S. A. COMPROR Linha de crédito destinada a empresa/cliente do Banestes com a finalidade de disponibilizar recursos (financiamento) para compra de estoques, matériasprimas e serviços adquiridos de seus fornecedores. VANTAGENS Realização de compras à vista, garantindo o menor preço na aquisição de insumos ou serviços; Maior facilidade na obtenção do recurso; O banco efetua pagamento direto ao fornecedor; Na liberação do crédito, não há trânsito dos recursos pela conta corrente; Flexibilidade de prazos e taxas para pagamentos ao banco. PÚBLICO ALVO Pessoas Jurídicas. LIMITES Valor mínimo: R$ 5.000,00 Valor máximo: R$ ,00 PRAZOS Máximo de 180 dias. BANESTES ENCARGOS FINANCEIROS Taxas de juros Pré ou Pós Fixadas. Comissão de Abertura de Crédito - CAC é cobrada de acordo com a Tabela de Tarifas e Comissões Bancárias afixadas nas nossas Unidades e disponível no site. GARANTIAS Alienação Fiduciária de bens móveis; Alienação Fiduciária de bens imóveis; Aplicações financeiras; Hipoteca; Aval. CONTA GARANTIDA Limite de crédito rotativo vinculado à conta corrente, com o objetivo de suprir eventuais necessidades de recursos financeiros. O diferencial desse produto é que os clientes Banestes dispõem do recurso durante todo o dia de modo ágil e fácil e, havendo cobertura do valor utilizado no mesmo dia, não há cobrança de juros. Para usufruir das vantagens da Conta Garantida, é necessário possuir conta corrente com cadastro e limite de crédito atualizados, inclusive dos sócios. 23

24 PÚBLICO ALVO Pessoas Jurídicas. LIMITES Valor mínimo: R$ 1.000,00 Valor máximo: R$ ,00 PRAZOS Mínimo de 05 dias; Máximo de 180 dias. ENCARGOS FINANCEIROS Taxas Pré ou Pós-Fixadas. Os juros são calculados/capitalizados sobre os saldos devedores diários e debitados no último dia útil de cada mês, no vencimento e na liquidação do contrato, considerando para apuração apenas os dias úteis. CAC Comissão de Abertura de Crédito - CAC é cobrada de acordo com a Tabela de Tarifas e Comissões Bancárias afixadas nas nossas Unidades e disponível no site para consulta. IOF Imposto sobre operações Financeiras - na forma da legislação vigente. Os prazos, taxas e limites estão diretamente relacionados às garantias oferecidas. BANESTES GARANTIAS Caução de Cheques; Caução de Duplicatas; Alienação Fiduciária de bens móveis; Alienação Fiduciária de bens imóveis; Aplicações financeiras; Recebíveis de Terceiros; Recebíveis de ICMS-FUNDAP; Antecipação de Recebíveis CIELO e Banescard; Hipoteca; Aval. CAPITAL DE GIRO O Banestes oferece à sua empresa uma modalidade de empréstimo destinada ao suprimento de deficiências de caixa, para pagamento parcelado, considerando a capacidade de geração futura de recursos financeiros decorrentes da atividade empresarial. Sua empresa escolhe a melhor forma de pagamento, com taxas e prazos diferenciados. PÚBLICO ALVO Pessoa Jurídica cliente BANESTES, com cadastro e limite de crédito atualizados, inclusive dos respectivos sócios. LIMITES Valor mínimo: R$ 2.000,00 Valor máximo: R$ ,00 PRAZO Mínimo de 30 dias; Máximo de 760 dias. 24

25 ENCARGOS FINANCEIROS Taxas de juros Pré ou Pós Fixadas. Comissão de Abertura de Crédito - CAC é cobrada de acordo com a Tabela de Tarifas e Comissões Bancárias afixadas nas nossas Unidades e disponível no site para consulta. IOF é calculado e recolhido na forma da legislação vigente. GARANTIAS Real - bens móveis, bens imóveis, caução de títulos, aplicações financeiras, entre outras. Fidejussórias aval. PARCERIA EMPRESARIAL Empréstimo destinado a suprir as necessidades de fluxo de caixa das empresas no pagamento do 13º salário de seus empregados. O valor do financiamento pode chegar até a 100% do valor da folha de pagamento da empresa. Após a formalização do contrato, o dinheiro é disponibilizado imediatamente na conta corrente. Basta ser cliente Banestes, com limite de crédito atualizado, inclusive dos respectivos sócios. As prestações serão debitadas diretamente na conta corrente da empresa. PÚBLICO ALVO Pessoa Jurídica cliente BANESTES. LIMITES Valor Mínimo - R$ 2.000,00 Valor Máximo - R$ ,00 O valor do financiamento não pode exceder ao total da folha de pagamento do 13 Salário da empresa, cuja comprovação é feita por meio da apresentação de cópia da guia de recolhimento de INSS ou FGTS, relativa ao mês imediatamente anterior àquele da pretensão do empréstimo. BANESTES PRAZOS Parcelamento em até 11 meses. As contratações devem ocorrer de 01 de setembro a 31 de janeiro. O vencimento não pode ultrapassar a 31 de agosto do ano subseqüente à contratação. ENCARGOS FINANCEIROS Taxas Pré ou Pós-Fixadas. Tarifas de acordo com a Tabela de Tarifas e Comissões Bancárias, em vigor. IOF é debitado automaticamente no ato da contratação ou também pode ser financiado e debitado mensalmente junto às prestações. GARANTIAS Reais e/ou Fidejussórias. CRÉDITO ESPECIAL BANESTES Limite de crédito rotativo concedido na conta corrente com o objetivo de suprir eventuais necessidades de recursos financeiros dos clientes. Os juros são calculados sobre o saldo devedor diário (de acordo com dias úteis) e cobrados ao final do mês ou no aniversário do contrato ou quando a conta se apresentar credora. Operação semelhante ao Cheque Especial das pessoas físicas, onde o contrato é firmado por um determinado prazo e estabelecido um limite de crédito. 25

26 PÚBLICO ALVO Pessoas Jurídicas. LIMITE Valor mínimo R$ 300,00 Valor máximo R$ ,00 PRAZOS 360 dias, com renovação automática, estando o cadastro atualizado e o limite de crédito aprovado. ENCARGOS FINANCEIROS Taxas Pré-fixadas Tarifas conforme Tabela de Tarifas afixadas nas nossas Unidades e disponível no site para consulta. GARANTIAS Fidejussória BANESTES FINANCIAMENTO DE BENS Linhas de financiamento, com condições diferenciadas e competitivas para que você possa adquirir o bem do seu interesse: microcomputadores, periféricos, veículos automotores, motos, kit gás natural, entre outros. PÚBLICO ALVO Pessoas Jurídicas; Pessoas físicas em geral. LIMITE Mínimo R$ 200,00 Máximo R$ ,00 PRAZOS Mínimo de 30 dias; Máximo de 1110 dias. ENCARGOS FINANCEIROS Taxas Pré e pós-fixadas. Juros calculados sobre o valor financiado método Tabela Price. FINANCIAMENTO DE IPVA Financiamento referente ao exercício do ano em curso. Pode ser financiado até 100% dos documentos a serem quitados. Também pode ser usado para financiar licenciamento e multas. PÚBLICO ALVO Pessoas Jurídicas; Pessoas físicas. 26

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Financiamento externo. As opções de financiamento são variáveis.

Financiamento externo. As opções de financiamento são variáveis. Financiamento externo As opções de financiamento são variáveis. O suporte que a administração do MAXIPAS pode vir a fornecer aos franqueados consiste na elaboração do projeto de financiamento para aquisição

Leia mais

O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014. Diretoria de Micro e Pequenas Empresas

O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014. Diretoria de Micro e Pequenas Empresas O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014 Diretoria de Micro e Pequenas Empresas Novembro de 2011 O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014 Posicionamento junto ao Mercado MPE MPE O Apoio do BB à Copa do Mundo

Leia mais

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME Fortaleza, 30 de outubro de 2006 1 Sumário 1 - Mercado MPE 2 - Acesso ao

Leia mais

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Prof. :Dalton Dutra Objetivo Estimular a participação de graduados em cursos de

Leia mais

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Linhas de financiamento BB para o Turismo Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Atualizada em 03/08/2009 Crédito / Financiamentos de Investimentos / Proger Turismo Investimento Características

Leia mais

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil e AmBev

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil e AmBev Produtos e Serviços Convênio Banco do Brasil e AmBev Setembro/20 Senhores Franqueados, O convênio firmado com o Banco do Brasil visa propiciar às Franquias Brahma AmBev, acesso à linhas de crédito (capital

Leia mais

BNDES - AUTOMÁTICO. Vitória - 22 de abril de 2010

BNDES - AUTOMÁTICO. Vitória - 22 de abril de 2010 BNDES - AUTOMÁTICO n Grupo: Aline Pereira Fracalossi Andrea Abreu Carlos Adriano Elika Capucho Janete Pontes Victor Henrique Vitória - 22 de abril de 2010 BNDES Automático n Finalidade Financiar projetos

Leia mais

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS Convênio Banco do Brasil e Liquigás 2 Senhores Revendedores e Transportadores, O convênio firmado com o Banco do Brasil propiciar aos Revendedores

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga São Paulo - SP 16.abr.2015 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte

Leia mais

Linhas de Crédito. Capital de Giro

Linhas de Crédito. Capital de Giro Linhas de Crédito Capital de Giro Apresentação FIESP Jul/2015 Operações mais utilizadas NOME CONTA GARANTIDA CAIXA CH.EMPRESA CAIXA CREDITO ESPECIAL EMPRESA - PRE/PRICE - GARANTIA FGO GIROCAIXA RECURSOS

Leia mais

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios Soluçõ ções BB para a Economia dos Municípios Presença Nacional Presença Nacional Presença Exclusiva 4.388 Municípios * 874 Municípios * *Municípios com agências BB - dados de janeiro/2009 - Fonte: Bacen

Leia mais

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng 2/59 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/59 Foto: Stock.Schng

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE SERVIÇOS FINANCEIROS

ORIENTAÇÃO SOBRE SERVIÇOS FINANCEIROS ORIENTAÇÃO SOBRE SERVIÇOS FINANCEIROS INTRODUÇÃO Muito importantes para a economia brasileira, as Micro e Pequenas Empresas respondem por 99,1% dos empreendimentos formais no país, empregam mais de 50%

Leia mais

Secretário de Estado de Turismo e Esportes Tiago Lacerda. Secretário Adjunto Rogério Aoki Romero. Chefe de Gabinete Mario Queiroz Guimarães Neto

Secretário de Estado de Turismo e Esportes Tiago Lacerda. Secretário Adjunto Rogério Aoki Romero. Chefe de Gabinete Mario Queiroz Guimarães Neto Secretário de Estado de Turismo e Esportes Tiago Lacerda Secretário Adjunto Rogério Aoki Romero Chefe de Gabinete Mario Queiroz Guimarães Neto Subsecretária de Turismo Silvana Nascimento Superintendente

Leia mais

Linhas de Financiamento para a Construção Civil

Linhas de Financiamento para a Construção Civil Linhas de Financiamento para a Construção Civil Câmara Brasileira da Indústria de Construção 16 de dezembro de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009 CAFÉ COM CRÉDITO Santo André - SP 06 de outubro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Bens de

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009 O BNDES Mais Perto de Você julho de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Subsidiárias BNDESPar

Leia mais

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet. Curitiba / PR 17 de março de 2014

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet. Curitiba / PR 17 de março de 2014 Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet Curitiba / PR 17 de março de 2014 Agenda Informações Institucionais Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas Projetos de Investimento Aquisição de Máquinas

Leia mais

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT Produtos e Serviços Convênio Banco do Brasil S.A. e FENACAT 2 Prezadas Associadas, As informações aqui tratadas orientam sobre como obter os benefícios e utilizar os produtos e serviços descritos nesta

Leia mais

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult IMPORTANTE O programa BNDES PSI reduziu as taxas de juros no apoio a bens de capital, inovação e exportação. Verifique se o seu

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

Palestra MPME. 30 de junho de 2011

Palestra MPME. 30 de junho de 2011 Palestra MPME 30 de junho de 2011 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES Empresário Informação e Relacionamento

Leia mais

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS Cadeia Produtiva do Café CADA + VEZ BOMPRATODOS Capital de Giro Recebíveis BB Giro Empresa Flex Agro Crédito Agroindustrial Desconto de Cheques/Títulos BB Giro Recebíveis Duplicatas/Cheques/Cartões BB

Leia mais

Apoio do BNDES às Empresas de Comércio e Serviços. São Paulo - SP 24.jun.2015

Apoio do BNDES às Empresas de Comércio e Serviços. São Paulo - SP 24.jun.2015 Apoio do BNDES às Empresas de Comércio e Serviços São Paulo - SP 24.jun.2015 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo

Leia mais

LINHAS ATIVAS FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO

LINHAS ATIVAS FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO FINANCIAMENTOS 2014 LINHAS ATIVAS FINAME BK PSI (taxa fixa) FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO PADRÃO (taxa pós fixada-tjlp) FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME

Leia mais

Performance institucional

Performance institucional Performance institucional 212 Pontos de Atendimentos 3.005 empregados Pontos de Vendas Pioneiros: 10 Participação na Rede de Agências na Região Norte: 14,23%. Municípios Atendidos na Região Norte: 95%

Leia mais

11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem

11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem 11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem São Paulo / SP 02 de outubro de 2015 Mercado Brasileiro de Fertilizantes Situação atual do mercado nacional de fertilizantes minerais: altamente dependente

Leia mais

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros.

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros. NEGÓCIO Crédito e Serviços Financeiros. MISSÃO Garantir acesso ao crédito, fomentando negócios, empreendedorismo e competitividade, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Estado de Mato Grosso.

Leia mais

BNDES Turismo. BNDES Turismo. Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011

BNDES Turismo. BNDES Turismo. Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011 BNDES Turismo BNDES Turismo Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011 Agenda Informações Institucionais Apoio ao Turismo Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas - Projetos de Investimento; - Aquisição

Leia mais

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Um EMPRÉSTIMO é um contrato entre o cliente e a instituição financeira pelo qual ele recebe uma quantia que deverá ser devolvida ao banco em prazo determinado, acrescida dos

Leia mais

Teotonio Vilela Filho Governador. José Thomaz Nonô Vice-Governador

Teotonio Vilela Filho Governador. José Thomaz Nonô Vice-Governador 11111 Teotonio Vilela Filho Governador José Thomaz Nonô Vice-Governador Luiz Otavio Gomes Secretário de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico Keylle André Lima Secretário Adjunto do Desenvolvimento

Leia mais

Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil

Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil Brasília, DF/2011 O acesso ao Crédito Qual o papel do crédito? O Crédito Sustentável O crédito, visto como remédio na realização

Leia mais

CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO

CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO 1. ORIGEM DOS RECURSOS: BANCO FINANCIADOR: Banco do Nordeste do Brasil S/A LINHA DE CRÉDITO: Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste FNE PROGRAMA:

Leia mais

Seminário Cresce Brasil/São Paulo

Seminário Cresce Brasil/São Paulo Seminário Cresce Brasil/São Paulo Apoio financeiro do BNDES à Região Metropolitana de São Paulo Tibor Greif Chefe do DESUL (Departamento Regional Sul do BNDES) Av Juscelino Kubitscheck, 510-5 fone: (11)

Leia mais

Percentual de financiamento. TJLP + Taxa de juros

Percentual de financiamento. TJLP + Taxa de juros FINAME FINANCIAMENTOS Percentual de financiamento O percentual máximo de financiamento é 90%, a depender do porte da empresa Utilizando recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM

Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM O BNDES Mais Perto de Você Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM 25 de novembro de 2009 Como apoiamos Operações Diretas Contratadas t diretamente t com o BNDES Operações Indiretas Instituições i

Leia mais

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG www.bndes.gov.br LINHAS DE CRÉDITO BNDES Automático

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais

APRESENTAÇÃO BDMG. I Encontro COMTUR. Sete Lagoas - 25/02/2010

APRESENTAÇÃO BDMG. I Encontro COMTUR. Sete Lagoas - 25/02/2010 APRESENTAÇÃO BDMG I Encontro COMTUR Sete Lagoas - 25/02/2010 SOLUÇÕES DE FINANCIAMENTO PARA EMPREENDIMENTOS QUE INTEGRAM O SETOR DE TURISMO: GERAMINAS OBJETIVO Conceder financiamentos a microempresas e

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC. São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013

Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC. São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013 Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013 Agenda 1. Informações Institucionais 2. Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

O que pode ser financiado?

O que pode ser financiado? BNDES Automático Projetos de Investimento BNDES Automático Obras civis, montagem e instalações Móveis e Utensílios Estudos e projetos de engenharia associados ao investimento Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Novembro 2009 DEPARTAMENTO REGIONAL NORDESTE - DENOR O que apoiamos Projetos de investimento em indústria, comércio e serviços aumento da capacidade

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você

O BNDES Mais Perto de Você O BNDES Mais Perto de Você Rio de Janeiro - RJ 11 de março de 2010 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Federal Principal fonte de crédito de longo

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba, 05 de novembro de 2014

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba, 05 de novembro de 2014 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Sorocaba, 05 de novembro de 2014 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Empresário Como apoiamos? Operações Indiretas Instituições

Leia mais

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Comunicação Carlos Alberto

Leia mais

Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013

Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013 Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013 Classificação de Porte utilizada Porte da Empresa Receita Operacional Bruta Anual M P M

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

Formas de apoio do BNDES

Formas de apoio do BNDES Formas de apoio do BNDES ABIMAQ São Paulo/SP 16 de junho de 2011 BNDES FGI Fundo Garantidor para Investimentos Contexto BNDES FGI - Fundo Garantidor para Investimentos Micro, Pequena e Média Empresa Solicitação

Leia mais

Prazo: 6 meses (a partir publicação da medida provisória em

Prazo: 6 meses (a partir publicação da medida provisória em LINHAS DE CAPITAL INFORME DE GIRO DEMPI e SIMPLES 1/2009 NACIONAL São Paulo, 04 de fevereiro de 2009. Prezado O Departamento Presidente encontro ampliar com as suas da Micro, propostas Pequena e objetivos,

Leia mais

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009.

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Presidência 1 Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Instrumento institucional de apoio à execução de políticas de

Leia mais

Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção

Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção CARTA-CIRCULAR Nº 65/2005 Rio de Janeiro, 08 de novembro de 2005 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção O Superintendente

Leia mais

Sebastião Macedo Pereira

Sebastião Macedo Pereira BNDES e o Segmento Editorial e Livrarias Sebastião Macedo Pereira Procult - Objetivos Objetivos específicos Promover o fortalecimento e a consolidação da cadeia produtiva editorial no País, o desenvolvimento

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Natal, 03 de Outubro de 2015 Área Básica de Atuação Missão Atuar na promoção do desenvolvimento regional sustentável como banco público competitivo e rentável.

Leia mais

Viabilizando o Crédito

Viabilizando o Crédito Palestra: Viabilizando o Crédito Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br O que é CRÉDITO? Credare: Confiar, acreditar. Percepção externa baseada

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 Márlon Alberto Be INVESTIMENTO NA ATIVIDADE EMPRESARIAL? Márlon Alberto Be INVESTIMENTO

Leia mais

Crédito para o Desenvolvimento

Crédito para o Desenvolvimento Crédito para o Desenvolvimento O BADESUL Agência de Fomento, controlada pelo Governo Estadual, integra o Sistema de Desenvolvimento do Estado coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do

Leia mais

Apoio do BNDES à Provedores Regionais de Internet. Marabá / PA 15 de abril de 2014

Apoio do BNDES à Provedores Regionais de Internet. Marabá / PA 15 de abril de 2014 Apoio do BNDES à Provedores Regionais de Internet Marabá / PA 15 de abril de 2014 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Empresário Como apoiamos? Operações Indiretas Instituições

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA A MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ACESSAR CRÉDITO BANCÁRIO

GUIA PRÁTICO PARA A MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ACESSAR CRÉDITO BANCÁRIO GUIA PRÁTICO PARA A MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ACESSAR CRÉDITO BANCÁRIO Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Indústria, Comércio e Mineração James Correia Superintendente

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar Brasília 2011 2011. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra

Leia mais

PASSO 9 APOIO CREDITÍCIO DO BANCO DO NORDESTE

PASSO 9 APOIO CREDITÍCIO DO BANCO DO NORDESTE PASSO 9 APOIO CREDITÍCIO DO BANCO DO NORDESTE O Banco do Nordeste é o parceiro da micro e pequena empresa. Aqui, você conta com crédito para ampliar, modernizar ou relocalizar o seu negócio, além de contar

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015 Tópicos 1. Sobre o Banco do Nordeste 2. Histórico do crédito para energias renováveis 3. Financiamento para a mini e microgeração

Leia mais

Banco do Brasil. Encontro da ABRASP Associação Brasileira de Produtores de Soluções Parenterais. Salvador (BA) Novembro/2009

Banco do Brasil. Encontro da ABRASP Associação Brasileira de Produtores de Soluções Parenterais. Salvador (BA) Novembro/2009 Banco do Brasil Encontro da ABRASP Associação Brasileira de Produtores de Soluções Parenterais 1 Salvador (BA) Novembro/2009 1 Índice Contextualização 3 Fundo de Garantia de Operações - FGO 7 Fundo de

Leia mais

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs.

Leia mais

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II AULA 08 Produtos e Serviços Financeiros II Operações Ativas As operações ativas são aquelas em que o banco, além dos investimentos destinados à formação do seu ativo permanente e disponibilidades, atua

Leia mais

Arranjo Produtivo Local

Arranjo Produtivo Local Arranjo Produtivo Local GN CAPTAÇÃO MICRO E PEQUENA EMPRESA SN Micro e Pequena Empresa Atuação em APL da CAIXA tem o objetivo de promover: Principais setores apoiados Aeroespacial Biotecnologia Couro e

Leia mais

Desejamos uma boa leitura!

Desejamos uma boa leitura! A Cartilha do Programa CAIXA APL tem como objetivo principal dar informações básicas sobre Educação Financeira para que você, empresário, possa compreender melhor alguns conceitos que facilitam o seu dia

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987 1 06/01/1988. CIRCULAR Nº 1.214 Documento normativo revogado pela Circular 1278, de 05/01/1988, a partir de Às Sociedades de Crédito Imobiliário, Associações de Poupança e Empréstimo e Caixas Econômicas

Leia mais

acesso ao microcrédito Cartilha Nosso Crédito.indd 1 18/07/2012 17:54:38

acesso ao microcrédito Cartilha Nosso Crédito.indd 1 18/07/2012 17:54:38 acesso ao microcrédito Cartilha Nosso Crédito.indd 1 18/07/2012 17:54:38 Cartilha Nosso Crédito.indd 2 18/07/2012 17:54:38 5 7 9 11 23 sumário Apresentação O que o Sebrae pode fazer por você? Dicas Financeiras

Leia mais

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento 1 Paulo Sérgio Sodré Departamento de Credenciamento e Financiamento Máquinas áqu as e equipamentos equ pa e tos 2 BNDES Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira,

Leia mais

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO INTRODUÇÃO OBJETIVO PRINCIPAL. Oferecer microcrédito para população de baixa renda, atendendo pessoas que não tem perspectivas e nenhum crédito nas instituições financeiras tradicionais. Acreditamos que,

Leia mais

CIRCULAR Nº 033/2003. Programa "Crédito Empresarial Nossa Caixa"

CIRCULAR Nº 033/2003. Programa Crédito Empresarial Nossa Caixa São Paulo, 06 de Outubro de 2003. DE: ASSESSORIA JURÍDICA PARA: ASSOCIADOS CIRCULAR Nº 033/2003 Programa "Crédito Empresarial Nossa Caixa" Encaminhamos à V.Sa., novo Anexo I do Protocolo de Intenções,

Leia mais

Agradecimentos especiais: Abidias José de Sousa Junior Presidente do Banco da Amazônia S.A.

Agradecimentos especiais: Abidias José de Sousa Junior Presidente do Banco da Amazônia S.A. Agradecimentos especiais: Miguel Jorge Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Abidias José de Sousa Junior Presidente do Banco da Amazônia S.A. Antônio Francisco de Lima Neto

Leia mais

Sicredi União PR e ACEJ: Uma parceria que coopera com o seu crescimento.

Sicredi União PR e ACEJ: Uma parceria que coopera com o seu crescimento. Sicredi União PR e ACEJ: Uma parceria que coopera com o seu crescimento. Parceria Sicredi e ACEJ O objetivo desta parceria é proporcionar redução de custo financeiro para os empresários de Jaguapitã através

Leia mais

APRESENTAÇÃO ABRIL 2011

APRESENTAÇÃO ABRIL 2011 APRESENTAÇÃO ABRIL 2011 QUEM SOMOS NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÉUMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CONTROLADA PELO ESTADO DE SÃO PAULO E ATUA COMO BANCO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Linhas de Financiamento e Programas Complementares. Montes Claros, 15 de abril de 2010

Linhas de Financiamento e Programas Complementares. Montes Claros, 15 de abril de 2010 BNDES - Linhas de Financiamento e Programas Complementares Montes Claros, 15 de abril de 2010 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Associação e a cooperação Micro e Pequeno Empreendedorismo

e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Associação e a cooperação Micro e Pequeno Empreendedorismo e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Micro e Pequeno Empreendedorismo e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Micro e Pequeno Empreendedorismo

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. Santos - SP 22 de maio de 2014

O BNDES Mais Perto de Você. Santos - SP 22 de maio de 2014 O BNDES Mais Perto de Você Santos - SP 22 de maio de 2014 Agenda Informações Institucionais Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas Projetos de Investimento Aquisição de Máquinas e Equipamentos Capital

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

Cartão BNDES. financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs.

Cartão BNDES. financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs. Cartão BNDES ABCEM 02/08/2010 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs. Como Funciona? Ambiente de Negócios 300 mil

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE Empréstimos disponíveis para Pessoa Jurídica no Banco do Brasil Por: Carmen Lucia Martinez Ferreira Orientador Profª Ana Claudia

Leia mais

O que é o PMAT e qual o seu objetivo

O que é o PMAT e qual o seu objetivo BNDES PMAT O que é o PMAT e qual o seu objetivo É uma modalidade de financiamento do BNDES, que tem como objetivo auxiliar na modernização da administração tributária e a melhoria da qualidade do gasto

Leia mais

Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Uniclass Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú Uniclass.

Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Uniclass Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú Uniclass. Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Uniclass Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú Uniclass. O Plano de Vantagens Itaú Uniclass oferece benefícios de acordo com o seu relacionamento

Leia mais

Sumário. Fogão a lenha MG/ Foto: Xará Acervo MTur

Sumário. Fogão a lenha MG/ Foto: Xará Acervo MTur Sumário 1.Porque investir em Minas Gerais... 3 2. Linhas de Financiamento para Empreendimentos Turísticos... 5 2.1 BDMG... 5 2.2 BANCO DO BRASIL... 12 2.3 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL... 18 2.4 BNDES... 25

Leia mais

Apoio ao Setor de Armazenagem e Irrigação Moderinfra

Apoio ao Setor de Armazenagem e Irrigação Moderinfra Apoio ao Setor de Armazenagem e Irrigação Moderinfra O BNDES, como banco de fomento à economia, entende que um dos itens de grande importância para a sustentação do crescimento do país é o apoio ao armazenamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

Julho/2010. Diretoria de Empréstimos e Financiamentos

Julho/2010. Diretoria de Empréstimos e Financiamentos Crédito Imobiliário Julho/2010 Agenda 1. Números do Mercado e BB 2. Aquisição PF - SFH 3. Financiamento à Produção PJ 4. Programa Minha Casa, Minha Vida - PMCMV 5. Atuação Estratégica Mercado Atacado 2

Leia mais

ABIFER. (julho/2010)

ABIFER. (julho/2010) ABIFER (julho/2010) QUADRO COMPARATIVO Em US$ bilhões BNDES BID BIRD CAF Data de Apuração 31/12/2009 31/12/2009 30/06/2009 31/12/2009 Ativos Totais 222 84 275,4 15,8 Patrimônio Líquido 15,8 20,6 40 5,3

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais