ANÁLISE DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E DE INDICADORES DE DESEMPENHO DAS EMPRESAS S/A DE CAPITAL ABERTO DOS SETORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E DE INDICADORES DE DESEMPENHO DAS EMPRESAS S/A DE CAPITAL ABERTO DOS SETORES"

Transcrição

1 CÓDIGO O-AEG 002 ANÁLISE DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E DE INDICADORES DE DESEMPENHO DAS EMPRESAS S/A DE CAPITAL ABERTO DOS SETORES LUCIMARI RUBIK; BIANCA WEYERMANNS MELO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE - UNIFEBE Atualmente as empresas enfrentam dificuldades em relação ao mercado que está repleto de incertezas, caracterizado por taxas de juros elevadas, oscilações internas e externas e diversas mudanças, tanto na área financeira, quanto na humana, tornando-se interessante administrar com eficiência suas finanças, enfatizando o capital de giro. Este trabalho apresenta uma análise da necessidade de capital de giro e de indicadores de desempenho das empresas S/A de capital aberto dos setores metalúrgico e têxtil. Diante do exposto o objetivo geral deste trabalho é analisar a necessidade de capital de giro das empresas S/A de capital aberto no setor metalúrgico e têxtil e alguns indicadores de desempenho. Os objetivos específicos são: identificar o ciclo operacional e de caixa e a necessidade de capital de giro do setor metalúrgico e do setor têxtil; analisar a relação da necessidade de capital de giro com outros indicadores de desempenho, como liquidez, rentabilidade e endividamento; e comparar indicadores de desempenho médio. Utilizaram-se como recursos metodológicos a pesquisa descritiva, documental e quantitativa. Verificou-se que os índices de liquidez dos setores são próximos, não há grandes diferenças entre eles. O setor têxtil apresenta um índice de endividamento ligeiramente superior ao do metalúrgico. A maior NCG é apresentada pelo setor metalúrgico. Foi verificado também que há uma diferença significativa no índice de rentabilidade, o que demonstra supostamente que o setor têxtil vem enfrentando dificuldades, enquanto que o setor metalúrgico apresenta índices mais satisfatórios. Palavras-chave: Necessidade de Capital de Giro. Indicadores de Desempenho. Empresas S/A de Capital Aberto. Setor Têxtil e Metalúrgico. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

2 CÓDIGO O-AEG 003 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO DE DIALOGICIDADE, CRIAÇÃO E DIVERSIDADE NA ELABORAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS CLAUDIA KUINTA DIAS HOHMANN CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE - UNIFEBE O presente trabalho tem por objetivo identificar o discurso da problemática ambiental entre as acadêmicas do 5º período do Curso de Pedagogia da UNIFEBE/SC na disciplina de Metodologia da Educação Infantil- 0 a 3 anos, como forma de compreender a relação do sujeito com o meio ambiente, no espaço escolar. Ao levantar questões de meio ambiente, percebe-se que a fala social pode compreender significações relevantes para a prática da Educação Ambiental, já que recorre a um processo permanente de dialogicidade, criação e diversidade. Com base em um planejamento interdisciplinar realizado durante o primeiro semestre do ano de 2008, foi realizada a elaboração de materiais didáticos pedagógicos com o objetivo de favorecer e valorizar o potencial criativo das acadêmicas, utilizando elementos culturais próximos as mesmas, neste caso, resíduos secos como embalagens descartáveis, papelão, jornais, etc. O registro deste atividade foi realizado a partir das observações da professora; da fala das acadêmicas registradas em Diário de Bordo, filmes e fotografias. Os materiais didáticos foram apresentados em exposição aos acadêmicos dos cursos de Letras, Pedagogia e Educação Física.A compreensão das construções sociais que os(as) acadêmicos(as) fazem do meio ambiente e o papel pedagógico na orientação dessas construções em meio escolar, impõem-se como processos fundamentais para a proposição de novas dimensões educativas na escola, visando, conseqüentemente, à (re)orientação do pensamento e das ações docentes na educação ambiental desenvolvida na construção de materiais didáticos pedagógicos Palavras-chave: Formação Docente. Processo de Criação. Educação Ambiental. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

3 CÓDIGO OAEG TRANSDISCIPLINARIDADE E EDUCAÇÃO FÍSICA CARLOS EDUARDO RAIMUNDO DA SILVA; FABIO ZOBOLI Tendo como foco a inclusão dos portadores de deficiência na escola, apresentamos neste trabalho a importância da educação física sob uma abordagem transdisciplinar na formação do aluno integral. Como objetivo principal demonstrar que a transdisciplinaridade esta possível a Educação Física, potencializando as interconexões com todo o processo educacional e pedagógico. Com uma visão educacional, construtiva e transdisciplinar, visando à formatação de um futuro currículo educacional possível. Tratou-se de uma pesquisa qualitativa que abordou a temática sob o viés de um estudo bibliográfico. Para tanto utilizamos a transdisciplinaridade e a educação física para idealizar uma proposta curricular analítica e promocional do aluno como ser complexo. Como referencial básico de nossa pesquisa bibliográfica utilizamos teóricos tais como: Manuel Sergio, Carmen Lúcia Soares, João Batista Freire e Rosite Edler Carvalho entre outros que tratam a educação física, o currículo e a transdiciplinaridade. Palavras-chave: Educação Física. Transdisciplinaridade. Inclusão. Portador de Deficiência. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

4 CÓDIGO O-AEG 005 PROCESSO DE VIRTUALIZAÇÃO DA SALA DE AULA MARCELO DA SILVA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU FURB O processo de inserção de novas tecnologias nas ações de ensinar e aprender que iniciou no final do século passado nas instituições de ensino superior (IES) brasileiras de modo geral, pode ser identificado com um verdadeiro boom de iniciativas de uso das mídias,especialmente para a educação a distancia (EAD) e no apoio ao ensino presencial. Essa virtualização tem sua fonte na popularização do uso de ferramentas como a internet como espaço de pesquisa, comunicação e disponibilização de materiais didáticos de aulas presenciais, principalmente em ambientes virtuais de aprendizagem (AVA).Em termos de EAD,o grande avanço no Brasil aconteceu após a implementação da LDBEN 9394/96 que institui definitivamente a EAD como uma forma de ensino equivalente ao processo presencial em todos os níveis de escolarização.em termos de virtualização, a legislação passou a permitir que atividades a distancia se tornassem parte integrante do ensino presencial através da portaria 2253 de 18 de outubro de 2001 do ministério da educação,que define que uma percentagem das disciplinas dos cursos de graduação possam ser dadas a distancia. Em seu texto, a portaria define no seu artigo 1 parágrafo 1 que disciplinas integrantes do currículo de cada curso superior reconhecido, não poderão exceder a vinte por cento do tempo previsto para integralização do respectivo currículo. Palavras-chave: Processo de Ensino. Tecnologia. Educação a Distância. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

5 CÓDIGO O-AEG 006 UNIÃO EUROPÉIA E MEIO AMBIENTE: A NECESSIDADE DE POLÍTICAS IGUALITÁRIAS ENTRE OS ESTADOS MEMBROS SÍLVIO FISCHER; FABIANA JANAINA VARGAS FISCHER; JOANA STELZER CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE UNIFBE A proteção do ambiente é essencial para melhorar a qualidade de vida tanto das atuais quanto das gerações futuras. O desafio que se apresenta é como conciliar proteção do ambiente com crescimento econômico. O objetivo desta pesquisa consiste em estudar as políticas existentes na União Européia que visam equilibrar esta proteção ambiental com o crescimento econômico. Para alcançar os fins propostos, a pesquisa utilizou o método indutivo e os entendimentos foram construídos por pesquisa bibliográfica. Quanto aos fins, a pesquisa é explicativa, assegurando estudo ponderado e reflexivo. A sociedade dos dias atuais, dirigida ao desenvolvimento e ao crescimento econômico, fundada em industrialização agressiva em detrimento dos recursos naturais, na qual a regra é o acúmulo de capital e a produção de riqueza, muitas vezes ignora a preservação ambiental. Diante da mudança dos hábitos sociais, iniciam-se novos tempos, novos caminhos e, assim, surge à necessidade da proteção de alguns direitos, entre eles o direito ambiental no âmbito comunitário. Da pesquisa já efetuada, pode-se concluir que as políticas de proteção ao ambiente na União Européia não estão voltadas unicamente para garantir um espaço saudável, mas assegurar desenvolvimento econômico sem ser abalado por catástrofes ou falta de recursos naturais essenciais aos progressos tecnológicos. A União Européia está muito preocupada com os prejuízos que as questões ambientais podem causar na economia e o impacto sobre o bem estar da coletividade. Palavras-chave: União Européia. Ambiente. Proteção. Desenvolvimento. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

6 CÓDIGO O-AEG 007 A PRÁTICA DO MÉTODO PILATES COMO EXERCÍCIO FÍSICO NA BUSCA PELA QUALIDADE DE VIDA ALINE MARIA PAULISTA; ANGELITA BURG CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE - UNIFEBE O presente estudo se destinou a pesquisar a influência do Método Pilates na busca pela qualidade de vida. Trata-se de uma pesquisa do tipo bibliográfica, onde foi realizada a busca do tema em livros e indexadores de produção científica, englobando o período de 2003 a O Método Pilates, por ser considerado um exercício físico que trabalha todos os segmentos corporais, propiciando um equilíbrio muscular e controle do corpo e mente, contribui para a busca e manutenção da qualidade de vida, uma vez que é sabido que pessoas fisicamente ativas tendem a ter uma melhor auto-estima e percepção de bem-estar. Palavras-chave: Pilates. Qualidade de Vida. Saúde. Atividade Física. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

7 CÓDIGO O-AEG 008 A INCLUSÃO DE ALUNOS QUE POSSUEM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO AMBIENTE ESCOLAR LENITE NEUMANN; FRANCINEIDE FATIMA DAVIES DOS SANTOS; IEDA ALBINO; MARCELA CADORE Esta pesquisa tem como objetivo trabalhar a socialização do deficiente auditivo no ambiente escolar e o preconceito para com o deficiente. Na prática de estágio curricular percebeu-se a falta de educadores qualificados como também um ambiente adequado para o atendimento do aluno com necessidades especiais. Visando ressaltar a importância de promover a acessibilidade do portador de necessidades especiais em classe de ensino regular para que possa adquirir autonomia, espírito crítico, criativo e passe a exercer a sua cidadania. Com a intenção de analisar como ocorre o ingresso do educando portador de necessidades especiais auditivas em turmas do ensino regular e consequentemente sensibilizar a sociedade e a comunidade escolar em relação ao preconceito à inclusão de portadores de necessidades auditivas. Pretende-se assim propiciar aos professores, já em exercício, uma reflexão sobre a possível prática escolar que insira o aluno portador de deficiência auditiva no ensino regular. A realização desse projeto se dará em forma de pesquisa de campo envolvendo professores, responsáveis e alunos portadores de necessidades especiais auditivas da Escola de E. B. Feliciano Pires, por meio de um questionário com cinco perguntas a respeito da inclusão de deficientes auditivos no ensino regular. Palavras-chave: Inclusão. Alunos. Deficiência. Ensino. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

8 CÓDIGO O-AEG 009 MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NA UNIÃO EUROPÉIA: A POLÍTICA DA TELEVISÃO SEM FRONTEIRAS JOSIAS DA SILVA EUFRÁZIO; JOANA STELZER CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE O presente trabalho foi concebido focando a atividade de radiodifusão televisiva, principal fonte de informação e entretenimento na União Européia, e a política da Televisão sem Fronteiras. A televisão tem sido fundamental na difusão da cultura, dos programas esportivos e, especialmente, na veiculação de informes sobre os principais acontecimentos no âmbito da União Européia, além da exibição de filmes. Em relação à cultura, o objetivo da Televisão sem Fronteiras é estipular um percentual mínimo de tempo para exibição dos programas europeus, buscando evitar a invasão de produções americanas. Embora os países da União Européia produzam mais filmes do que os Estados Unidos, cerca de 80% das bilheterias dos cinemas europeus resultam de filmes estadunidenses. Para alcançar os fins propostos, a pesquisa utilizou o método indutivo e os entendimentos foram construídos por pesquisa bibliográfica. Quanto aos fins, a pesquisa é explicativa, assegurando estudo ponderado e reflexivo. Destinadas aos governos nacionais, que detém política audiovisual própria, cabe à União Européia estipular regras e compartilhar orientações de interesse comum. No intuito de tornar a indústria local mais competitiva internacionalmente, estipulou-se um orçamento de 755 milhões de euros para serem utilizados até 2013, gerando o programa Media A finalidade do Media 2007 consiste em preencher os espaços na produção local, objetivando o apoio financeiro à produção de filmes de qualidade e de programas de televisão na Europa, além de aumentar a divulgação no mercado comum europeu, levando-se sempre em consideração a nova revolução da mídia: a digitalização. Palavras-chave: União Européia. Radiodifusão Televisiva. Televisão sem Fronteiras. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

9 CÓDIGO O-AEG 010 OS ESTILOS DE LIDERANÇA QUE COMPÕEM O CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE UNIFEBE GISSELE PRETTE; GÜNTHER LOTHER PERSCHY Este trabalho teve como objetivo principal levantar os estilos de liderança das chefias que compõem o quadro-técnico administrativo do Centro Universitário de Brusque Unifebe. Para maior compreensão foi necessário realizar um estudo desde a evolução da área de Recursos Humanos, as mudanças e transformações ocorridas na administração organizacional, a importância da motivação, as diversas teorias sobre liderança e os estilos de liderança. Foi elaborada uma pesquisa que visava identificar o relacionamento dos colaboradores com a sua chefia imediata e bem como diagnosticar os estilos de lideranças da Unifebe. Os dados foram tabulados, analisados possibilitando identificar o relacionamento da chefia com os colaboradores e os estilos de liderança que prevalecem. De modo geral, há vários pontos positivos no que diz respeito ao relacionamento da chefia imediata, bem como em relação aos estilos de lideranças que predominam. Com essa averiguação obtivemos a possibilidade de sugerir algumas melhorias para o aperfeiçoamento das atuais chefias e também para as futuras. Palavras-chave: Liderança. Estilos de Lideranças. Motivação. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

10 CÓDIGO OAEG 011 CULTURA E DIVERSIDADE DE PROGRAMAS: A UNIÃO EUROPÉIA UNIDA PELAS DIFERENÇAS NACIONAIS LARISSA SIEMSEN; HELOISA VOLTOLINI; JOANA STELZER A União Européia possui uma das políticas culturais mais amplas, abrangendo aspectos como a língua, a literatura, as artes do espetáculo, as artes plásticas, a arquitetura, o artesanato, o cinema e a rádio e televisão, que são o reflexo da diversidade cultural do continente. Os objetivos da União Européia no âmbito da cultura são preservar e apoiar essa diversidade, bem como contribuir para torná-la acessível a todos. Apesar de existirem muitos elementos culturais pertencentes a uma região ou países específicos, todos eles fazem parte do patrimônio cultural comum europeu. Na pesquisa realizada, utilizou-se o método indutivo e os entendimentos foram construídos por pesquisa bibliográfica. Quanto aos fins, a pesquisa é explicativa, assegurando estudo ponderado e reflexivo sobre importante política comunitária interna. A dimensão cultural européia manifesta-se em diversas áreas, como a educação, a investigação científica, o apoio às novas tecnologias e a sociedade da informação e do desenvolvimento social e regional, por meio de programas culturais, a exemplo dos seguintes: Cultura 2000, Cultura 2007, Programa Média, Capitais da Cultura e Ano Europeu do Diálogo Intercultural. Com a política de programas, a União Européia tem conseguido desenvolver a diversidade cultural existente no bloco e promover a cidadania européia. Palavras-chave: União Européia. Cultura. Patrimônio Cultural. Programas. Cidadania. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

11 CÓDIGO O-AEG 012 A SAÚDE COMUNITÁRIA: ANÁLISE DA POLÍTICA COMUM PARA O BEM ESTAR EUROPEU ESTEFÂNIA MARIA MOREIRA FURTADO; JOANA STELZER A saúde pública é uma grande preocupação para os Estados-membros da União Européia, sendo considerada prioridade essencial no âmbito das políticas comuns. Por esse motivo, além do elevado investimento monetário, a Organização preocupa-se em: a) desenvolver vários programas de melhorias na saúde; b) estudar novas tecnologias visando ao tratamento médico seguro; e, c) eliminar as fontes de perigo existentes atualmente. Assegura, assim, um alto nível de proteção da saúde humana e o bem-estar dos cidadãos europeus. A proposta do presente trabalho é expor a eficiência dessa política comum no âmbito da saúde pública, tendo em vista a desmedida importância do tema. Para alcançar os fins propostos, a pesquisa utilizou o método indutivo e os entendimentos foram construídos por pesquisa bibliográfica. Quanto aos fins, a pesquisa é explicativa, assegurando estudo ponderado e reflexivo. Conforme os estudos efetuados, verifica-se que a União Européia, de fato, não mede esforços para proteger seus cidadãos das ameaças de todos os tipos de doenças, investindo profundamente em programa de saúde pública persuasivo e incentivando sua população a prestigiar uma vida livre de dependências químicas. A União Européia visa à prestação de cuidados com a saúde de forma igualitária, oferecendo os mesmos padrões de qualidade a todos os seus cidadãos. Propicia, assim, um excelente programa público de saúde a toda a população comunitária. Palavras-chave: União Européia. Saúde Pública. Prevenção. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

12 CÓDIGO O-AEG 013 O VOLUNTARIADO E A REDE FEMININA DE COMBATE AO CÂNCER EM SANTA CATARINA LUANA FRANCIELE FERNANDES ALVES UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI O voluntariado tem origem no trabalho não remunerado prestado por pessoas comuns em instituições de caráter filantrópico. São os problemas sociais como a fome, a miséria, o desemprego e as doenças que motivam a solidariedade dos voluntários. Os cidadãos mobilizados unem suas forças para mudar esta realidade de carência e injustiça, atuando em instituições assistenciais, hoje chamadas de Organizações do Terceiro Setor. Ao longo do tempo estas empresas filantrópicas passaram de mero assistencialismo para a intervenção social responsável, criando o que se denomina, na literatura especializada, de a cultura moderna do voluntariado. A Rede Feminina de Combate ao Câncer é uma entidade do terceiro setor formada por voluntários que atua na área da saúde e conta com mais de 2000 voluntários em Santa Catarina. O objetivo geral desta pesquisa é analisar o conceito e a prática do voluntariado por meio do conhecimento da estrutura e do funcionamento da Rede, especificamente, nas regionais de Itajaí e Balneário Camboriú. A pesquisa foi qualitativa com procedimentos quantitativos. Foram utilizados os métodos histórico, comparativo e monográfico, com o estudo de caso das citadas regionais. Os resultados das análises comprovam as hipóteses, ou seja, a Rede Feminina de Combate ao Câncer em Santa Catarina representa em essência o novo voluntariado, ela está presente em todo o estado e atinge seus objetivos de prevenção e assistência às pacientes de câncer de colo de útero e de mama. O profissional de Relações Públicas tem todas as características para atuar nesta instituição, seja como voluntário ou profissional contratado. Palavras-chave: Voluntariado. Rede Feminina Relações Públicas. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

13 CÓDIGO O-AEG 014 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DE VENDAS COMO FATOR DE CRESCIMENTO NO MERCADO EXTERNO HANNELORE NEHRING; ROGÉRIO ADILSON LANA Características de Vendas como Fator de Crescimento no Mercado Externo é um artigo que tem por finalidade trazer alguns pontos básicos que promovem o sucesso de empresas que pretendem alçar vôos mais altos, comercializando com o mercado internacional. O objetivo maior é a partir das informações contidas neste artigo que o possível futuro exportador tenha algumas informações que lhe sirvam de subsídio para adquirir conhecimentos sobre o mundo do comércio exterior. O método para obtenção de informações para elaboração deste foi a utilização de fontes bibliográficas além de divulgações on-line. Desta forma, pode-se concluir que o trabalho de penetração no mercado internacional é algo bastante complexo e que exige preparo e planejamento das empresas que pretendem ingressar nesse mercado. No entanto, possuir os conhecimentos necessários, bem como contar com o suporte de uma equipe de vendedores preparada, é uma grande porta de entrada para este mercado. Palavras-chave: Exportação. Pesquisa de Mercado. Fator de Crescimento. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

14 CÓDIGO O-AEG 015 RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO FERRAMENTA DO MARKETING ROGÉRIO ADILSON LANA; HANNELORE NEHRING O objetivo do presente consiste em identificar as ações de responsabilidade social como uma importante ferramenta de marketing. Permite-se constatar que a responsabilidade social nos negócios é um conceito que se aplica a toda a cadeia produtiva. Não somente o produto final deve ser avaliado por fatores ambientais ou sociais, mas o conceito é de interesse comum e, portanto, deve ser difundido ao longo de todo e qualquer processo produtivo. Assim como consumidores, empresas também são responsáveis por seus fornecedores e devem fazer valer seus códigos de ética aos produtos e serviços usados ao longo de seus processos produtivos. Também é sustentável. Responsabilidade social anda de mãos dadas com o conceito de desenvolvimento sustentável. Uma atitude responsável em relação ao ambiente e à sociedade, não só garantirá a não escassez de recursos, mas também amplia o conceito a uma escala mais ampla. Através de uma pesquisa bibliográfica qualitativa, demonstra-se no presente a maneira de utilizar a responsabilidade social no marketing, apresentando-se o marketing social como peça chave para o desenvolvimento de ações desta natureza. Desta forma, os resultados demonstram a utilização de ações de responsabilidade social aliada às ferramentas do marketing social fornecerão às organizações uma melhor imagem corporativa perante a sociedade, a fidelização de clientes e o fortalecimento da marca. Palavras-chave: Organizações. Responsabilidade Social. Ferramentas de Marketing. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

15 CÓDIGO O-AEG 016 ALFABETIZAÇÃO EM QUESTÃO: COMO SE DEVE ENSINAR A ESCREVER E A LER OU COMO ALGUÉM APRENDE A LER E ESCREVER INDEPENDENTE DIRLAINE PEREIRA; MARCILENE PÖPPER GOMES; ADRIANA SIMAS; GEISA MICHEI; CARLA JAQUELINE BETTE Esse projeto visa acompanhar como se desenvolve o processo de alfabetização em uma das escolas da Rede Municipal, a Escola de Ensino Fundamental Alberto Pretti, da comunidade de Limeira. O objetivo principal foi acompanhar o processo de alfabetização desencadeado pela professora da referida escola no 1º ano do Ensino Fundamental e analisar as dificuldades e os avanços vivenciados na prática alfabetizadora, bem como a relação existente com a teoria explicitada no Projeto Político Pedagógico (PPP). A metodologia utilizada foi uma pesquisa de campo, os instrumentos e materiais para coleta de dados foram: PPP, observação em sala de aula e a aplicação de um questionário. A partir desta pesquisa foi possível constatar que a professora segue os objetivos da escola trabalhando na perspectiva da concepção construtivista de aprendizagem, que Emília Ferreiro e Ana Teberosky defendem na teoria. Estas autoras deixam de fundamentar-se em concepções mecanicistas sobre o processo de alfabetização, para seguir os pressupostos construtivistas/interacionistas de Vygotsky e Piaget, e ao invés da clássica pergunta: como se deve ensinar a escrever, estas autoras passaram a perguntar como alguém aprende a ler e escrever independente do ensino. A aplicação desta pesquisa oportunizou a ampliação dos conhecimentos e a atuação profissional, como também foi possível dar um retorno à escola, contribuindo de certa forma com o desenvolvimento desta comunidade, uma vez que, acredita-se que é a partir, também, de uma alfabetização de qualidade, que se está contribuindo para a formação integral dos sujeitos como cidadãos atuantes nesta sociedade letrada. Palavras-chave: Alfabetização. Projeto Político Pedagógico. Prática Pedagógica. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

16 CÓDIGO O-AEG 017 ALFABETIZAÇÃO: TRATA-SE DE UM PROCESSO OU DE MÉTODOS? ANA LYA HOFFMANN; MARCILENE PÖPPER GOMES; TAMIRES CURCIO SOARES; JUCIMERE DA SILVA; LISANGELA POLLHEIM Este projeto realizado na disciplina de Alfabetização tem o intuito de ampliar o conhecimento a partir do estudo e da observação no que se referem as diferentes formas(processos) e métodos de alfabetização aplicados nas escolas de Brusque e Região. O objetivo principal é analisar o processo de alfabetização em relação ao contexto teórico presente no Projeto Político Pedagógico e a prática pedagógica da professora do 1º ano de uma escola particular de Brusque. Trata-se de uma pesquisa de campo, de abordagem qualitativa que consiste em observar a realidade, registrar a problemática, intervir com questionamentos, registrar os procedimentos e por fim a análise dos dados. A pesquisa realizada reforçou a compreensão das diferentes práticas e métodos pedagógicos estudados na disciplina de Alfabetização, contribuindo para a atuação profissional dos(as) acadêmicos(as), ao mesmo tempo que é possível contribuir com a escola por meio dos resultados apresentados, que poderão servir para uma análise e reflexão destes profissionais. Com a observação in loco foi possível constatar que a prática pedagógica da professora é realizada numa perspectiva eclética, embora o Projeto Político Pedagógico esta pautado no fundamento teórico construtivista. Analisando a história da Alfabetização no país, é comum este cenário constatado na escola, em diferentes lugares/escolas do Brasil, pois nos dias atuais permanece a discussão sobre métodos, a desmetodização desse processo, seja quando se discute o uso das cartilhas, seja, quando se utilizam, mesmo que silenciosamente, determinados métodos considerados tradicionais. Palavras-chave: Alfabetização. Prática. Processo. Métodos. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

17 CÓDIGO O-AEG 018 ALFABETIZAÇÃO: CONCEPÇÃO E PRÁTICA MIRELA MONIQUE RAMOS; TIALA SANTOS LEITE; SANDRA LUIZA ROGELIN LISBOA; EMMY VENTURELLI NASCIMENTO; BÁRBARA FINCK DOS SANTOS; MARCILENE PÖPPER GOMES Este trabalho visa apresentar informações significativas referentes ao processo de Alfabetização, a partir de uma observação realizada em um colégio particular de Brusque, o Colégio Cenecista Honório Miranda. O objetivo principal foi acompanhar o processo de alfabetização desencadeado no 1º ano do Ensino Fundamental pela professora e analisar as dificuldades e os avanços vivenciados na prática alfabetizadora, bem como a relação existente com a teoria explicitada no Projeto Político Pedagógico (PPP). O tipo de pesquisa utilizada no desenvolvimento desse trabalho se caracteriza como pesquisa qualitativa, em que para se efetivar a pesquisa de campo, utilizou-se dos seguintes instrumentos e materiais: PPP, observação em sala de aula e a aplicação de um questionário. Com a observação in loco foi possível constatar que a prática pedagógica da professora é realizada numa perspectiva construtivista, sendo coerente com o PPP, o qual esta pautado na mesma teoria. O processo de Alfabetização, assim parte do pressuposto de que o ato de aprender se dá por meio da construção da escrita e da leitura, em que o aluno é visto como um agente e não como um ser passivo que recebe e absorve o que lhe é ensinado. Desta forma, constata-se que a prática pedagógica neste colégio desenvolve-se na perspectiva da teoria desenvolvida por Emília Ferreiro e Ana Teberosky, em que os conceitos de prontidão, imaturidade e habilidades motoras, deixam de ter sentido isolado, mas a acredita-se que a interação entre os pares estimula o desenvolvimento dos níveis estruturais da linguagem escrita. Palavras-chave: Alfabetização. Prática. Concepção. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

18 CÓDIGO O-AEG 019 ALAFABETIZAÇÃO E A PRATICA PEDAGÓGICA MORGANA RHAIZA DE CASTRO RICARDO; KAMILA XAVIER; JACIRA TEIXEIRA DA ROSA; GIOVANA CADORIN; TAMIRES DALSASSO; MARCILENE PÖPPER GOMES Este projeto foi realizado na disciplina de Alfabetização e tem o intuito de ampliar o conhecimento referente à prática alfabetizadora presente nas escolas de Ensino Fundamental de Brusque e Região. O objetivo principal é analisar o processo de alfabetização em relação ao contexto teórico presente no Projeto Político Pedagógico (PPP) e a prática pedagógica da professora do 1º ano de uma escola municipal de São João Batista. A metodologia usada foi a pesquisa de campo, de abordagem qualitativa. Utilizou-se dos seguintes instrumentos: observação in loco e a análise do PPP. Com a observação in loco foi possível constatar que a prática pedagógica da professora é realizada numa perspectiva eclética, sendo condizente com o PPP o qual apresenta uma concepção de alfabetização pautada nos fundamentos teóricos tradicionais, os ditos métodos mistos ou ecléticos. Esse ecletismo processual e conceitual em alfabetização é ainda presente nas diferentes escolas do Brasil, em que a alfabetização (aprendizado da leitura e da escrita) envolve obrigatoriamente uma questão de medida. A criança em seu processo de aprendizagem é entendida como uma questão de habilidade caligráfica e ortográfica, devendo ser ensinado simultaneamente a habilidade de leitura. O aprendizado de ambas depende de um período preparatório, que consiste em exercícios de descriminação e coordenação viso-motora e auditivo-motora. Esta pesquisa contribuiu para a ampliação dos conhecimentos referente a temática apresentada e os resultados servirão de análise e reflexão para a escola. Palavras-chave: Alfabetização. Métodos. Prática. Concepção. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

19 CÓDIGO O-AEG 021 DESENVOLVIMENTO HUMANO EM BUSCA DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MICHEL RICARDO DAVID ZANGRANDO CENTRO UNIVERSITÁRIOD E BRUSQUE UNIFEBE Será abordada no trabalho uma concepção de messosistema, onde um indivíduo participa ativamente de um ambiente e acaba levando o conhecimento e as experiências deste, para outros ambientes aos quais esteja ligado. O papel utilizado na instituição, pela administração, corpo docente e pelos alunos em reprografia será o tema principal do trabalho, mesmo com novos recursos tecnológicos como o ambiente virtual utilizado na instituição, o papel ainda sim e necessário, para leitura eventual e exercícios, a destinação final deste papel que hoje não tem definição conhecida ou ecologicamente correta que é o ponto a ser tratado. Serão feitas pesquisas para obter informações como, por exemplo, quantos alunos recorrem à reprografia durante o semestre, qual o volume de papel utilizado por um aluno, se mesmo tento acesso ao ambiente virtual o aluno acaba imprimindo o material disponibilizado pelos professores, seja na instituição, empresa na qual trabalho ou em sua residência, por fim qual o destino de todo o papel utilizado pelos alunos durante um semestre e a quantidade acumulada. A expectativa é fazer um levantamento de dados,com a finalidade de conhecer a viabilidade e aplicabilidade na implantação de um sistema de coleta de papeis (descartados) na instituição e também um reaproveitamento de apostilas. Palavras-chave: Desenvolvimento. Economia. Ecologia. Meio Ambiente. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

20 CÓDIGO O-AEG 022 A PRÁTICA DO JUDÔ NO ENSINO FUNDAMENTAL JOÃO DERLI DE SOUZA SANTOS; TIAGO DE SOUZA; ALEXANDRE JOSE GIANESINI; ALESSANDRO VEBER Como praticantes de Artes Marciais no decorrer do curso de graduação em Licenciatura em Educação Física pelo Centro Universitário de Brusque (UNIFEBE), foi notado que nos Parâmetros Curriculares Nacionais constava o conteúdo Lutas. Percebemos que grande maioria dos professores de Educação Física não adotam este conteúdo no planejamento de suas aulas. Estas artes marciais podem contribuir no aspectos motores, físicos, psicológicos, por conterem uma filosofia oriental rica em ensinamentos para uma melhor relação social do praticante. Foi no Estágio Supervisionado lll, decidimos pesquisar entre os professores de Educação Física que atuam no município de Brusque. Neste sentido propomos a seguinte problemática: quais as dificuldades que os professores encontram para incluir a modalidade de Judô nas aulas de Educação Física que ministram no Ensino Fundamental. Esta investigação se caracterizou como uma pesquisa que foi dividida em duas partes. Na primeira parte, uma pesquisa do tipo bibliográfica e na segunda uma pesquisa aplicada com perguntas objetivas. Utilizamos neste estudo uma abordagem qualitativa e quantitativa. Após a coleta de dados, realizou-se a tabulação e interpretação, para posterior cruzamento com os objetivos desta investigação. Essas questões forneceram dados, mostrando-nos que a maioria dos professores investigados tem interesse em incluir o judô em suas aulas, mas encontram dificuldades principalmente em sua formação e no espaço físico da escola. Em nossa pesquisa podemos perceber que a maioria dos professores não inclui o Judô em seu planejamento, mas todos acham interessante a inclusão do conteúdo Lutas no planejamento. Palavras-chave: Judô. Luta. Criança. Modalidade: Atividades de Ensino de Graduação (Estágio Supervisionado, Monografia, PCC, Projeto Aplicado, TCC, Pesquisa e/ou Extensão - Plano de Ensino)

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: PROJETOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS (PPP) DAS ESCOLAS

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado)

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) Missão Sua missão é tornar-se referência na formação de profissionais para atuar nos diferentes segmentos humanos e sociais, considerando a atividade física e promoção

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO Sylmara Fagundes da Silva Sylmara.fagundes@hotmail.com RESUMO O presente trabalho teve como objetivo analisar os resultados das

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 APRESENTAÇÃO A Educação Infantil é a primeira etapa da Educação Básica e tem como finalidade o desenvolvimento integral

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - Unifebe Conselho Universitário - Consuni

Centro Universitário de Brusque - Unifebe Conselho Universitário - Consuni Centro Universitário de Brusque - Unifebe Conselho Universitário - Consuni Projeto Permanente do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Desenvolvimento e Aprendizagem na Infância Brusque, dezembro de 2009.

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA SETOR DE EXTENSÃO COMUNITÁRIA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PROJETO COMUNITÁRIO PROFESSORES(AS): FASE: Constituída a partir da conclusão de 30% da PAULO

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE APRESENTAÇÃO DO CURSO O curso de licenciatura em Educação Física da FAPEPE tem como objetivo formar profissionais que estejam aptos a atuarem no contexto escolar,

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

A tutoria na Educação a Distância

A tutoria na Educação a Distância XII Workshop NPT em Educação a Distância A tutoria na Educação a Distância AMALI DE ANGELIS MUSSI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UEFS 06 de novembro de 2015 TUTORIA... QUANDO PENSAMOS EM PRÁTICAS

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB Edital Pibid n 061 /2013 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE Jesse Alencar da Silva Centro Universitário La Salle (UNILASALLE-RS)

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM AVINIO, Carina de S.¹; ENDERLE, Mariana G.²; VISENTINI, Lucas³. 1 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO 1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Salvador BA Maio de 2012 Letícia Machado dos Santos Secretaria

Leia mais

A Pedagogia Integrativa no contexto escolar

A Pedagogia Integrativa no contexto escolar A Pedagogia Integrativa no contexto escolar Cláudio Mendes Tourinho claudiotourinho@hotmail.com Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES Huagner Cardoso da Silva huagnercardoso@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO DE CAMPINAS Marcy Garcia Ramos 1 João Gomes Tojal 2 1 Universidade Estadual de Campinas Departamento de Ciências do Esporte,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 385, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 240ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de dezembro de 2009,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DO JUDÔ NO BENEFÍCIO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DO JUDÔ NO BENEFÍCIO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DO JUDÔ NO BENEFÍCIO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Lucas Henrique da Silva 1 Coautora: Elisângela de Carvalho Franco 2 RESUMO A presente comunicação tem por objetivo apresentar

Leia mais

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Lei: O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Art.

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1. APRESENTAÇÃO O curso de Educação Física da FISMA, através de sua orientação de estagio supervisionado obrigatório, vem por meio de o presente documento estabelecer as diretrizes básicas da realização

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) Resumo DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 Eunice Piccin 2 Fabiano Bolzan Scherer² Fernanda Dalosto Moraes² Marcos Vinicius Conceição

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

LEI Nº 9.265. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

LEI Nº 9.265. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Art.

Leia mais