ESTRATÉGIAS ADOTADAS POR UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE NA CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA A MANUTENÇÃO DE SEU CAPITAL DE GIRO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIAS ADOTADAS POR UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE NA CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA A MANUTENÇÃO DE SEU CAPITAL DE GIRO 1"

Transcrição

1 ESTRATÉGIAS ADOTADAS POR UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE NA CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA A MANUTENÇÃO DE SEU CAPITAL DE GIRO 1 GABBI, Jones 2 ; BOLZAN, Alexandre Galina 3 ; BIRRER, Ana Giovaneta Bolson 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Administração do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 3 Curso de Administração do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 4 Curso de Administração do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil RESUMO Empresas de pequeno porte precisam estar bem preparadas para lidar com situações financeiras adversas, seja por reflexos de crises econômicas, questões culturais ou ainda por falta de planejamento e administração. O fato é que por vezes necessitam financiar seu próprio capital de giro para que consigam sobreviver. Este estudo está sendo desenvolvido como trabalho final de graduação e terá como objetivos analisar as estratégias utilizadas pela empresa para a administração de seu ciclo de caixa, identificar a viabilidade de possíveis estratégias a serem adotadas para a captação de recursos e obtenção de capital de giro e avaliar a real necessidade de financiamento do próprio capital de giro. A metodologia utilizada foi do tipo exploratória descritiva quantitativa e o procedimentos técnicos trabalhados será relato de caso que se deu em uma empresa de pequeno porte. A coleta de dados dar-se-á através de análise de documentos contábeis, gerenciais e financeiros da empresa. Palavras-Chave: Capital de giro; Finanças; Crédito; Solvência 1 INTRODUÇÃO Para se manter ativas e competitivas as empresas varejistas da região da cidade de Faxinal do Soturno precisam saber lidar com a proximidade existente com o consumidor final, onde ainda é existente a cultura de crediários em forma de conta corrente, as popularmente chamadas cadernetas, que acabam prorrogando e alongando os prazos médios de recebimentos. Em função disso, faz-se necessário que sejam adotadas estratégias de gestão eficazes, que possibilitem manter um fluxo financeiro e evitar a insolvência em um mercado estritamente conservador. Questões como administração de contas a receber e políticas de crédito, no qual serão estabelecidos parâmetros de concessão, controle e cobrança dos créditos, requerem sensibilidade em suas avaliações, a fim de, minimizar ao máximo que interfiram diretamente nas questões financeiras de curto prazo, como fluxo de caixa e capital de giro. A possível necessidade de financiamento do próprio capital de giro, para a manutenção das atividades empresariais, demanda de escolhas corretas acerca das opções 1

2 diretamente ligadas a gestão financeira, bem como, especificamente na administração de contas a receber e contas a pagar. Tendo em vista o tema relacionado à gestão financeira, este estudo buscou como problemática responder a seguinte questão: quais alternativas podem ser utilizadas por uma empresa de pequeno porte para o financiamento de seu capital de giro? Visando responder a problemática levantada, o trabalho contou com o objetivo geral de determinar que alternativas devem ser utilizadas por uma empresa de pequeno porte para o financiamento de seu capital de giro. Com o intuito de atingir o objetivo geral e a sua complementação de acordo com as etapas consecutivas, os objetivos específicos deste estudo foram: (a) analisar as estratégias utilizadas pela empresa para a administração de seu ciclo de caixa; (b) identificar a viabilidade de possíveis estratégias a serem adotadas para a captação de recursos e obtenção de capital de giro; e, (c) avaliar a real necessidade de financiamento do próprio capital de giro. Por anos, a administração financeira das pequenas e médias empresas foi considerada simplesmente de funções executivas, com objetivo básico de receber e pagar e, por isso, julgava-se ser uma simples extensão da administração geral. Com o surgimento de maiores exigências para as funções financeiras, em função da crescente complexidade da economia e da sofisticação do mercado financeiro, esta concepção mudou (SANTOS, 2009). Com base nestas premissas, este estudo terá como finalidade, ampliar o conhecimento e identificar resultados de pesquisas sobre o processo de tomada de decisões estratégicas na captação de recursos de uma empresa de pequeno porte, situada em um mercado de cultura conservadora. Tal estudo posteriormente valerá como uma alternativa de embasamento para futuras estratégias e tomadas de decisão adotadas pela empresa, ora analisada. Além disso, vai expor a real situação e necessidade quanto ao financiamento do próprio capital de giro e a captação de recursos financeiros, necessário para evitar a insolvência. 2 GESTÃO FINANCEIRA A gestão financeira compreende um conjunto de atividades relacionadas com a gestão dos fundos movimentados por uma empresa, sendo responsável pela obtenção dos recursos necessários e pela formulação de uma estratégia que otimize o uso desses fundos (BRAGA, 1989, p. 23). Autores como Cheng e Mendes (1989) definem como a gestão de transitórios monetários provenientes do operacional da empresa com a função de encontrar o equilíbrio entre rentabilidade (maximização do capital societário) e a liquidez (aptidão de honrar os 2

3 compromissos nos vencimentos), ou seja, a gestão financeira preocupa-se com administração de entradas e saídas de recursos monetários oriundos da atividade operacional da empresa. De acordo com Silva (2010), no que diz respeito às funções da gestão financeira podem ser de curto e longo prazo. Funções referente a curto prazo também conhecida como administração de capital circulante, incluem administração do caixa, do crédito, das contas a receber e a pagar, dos estoques e financiamentos de curto prazo. Já as funções financeiras de longo prazo compõem as decisões de orçamento empresarial, estrutura de capital e relacionamento com investidores. Decisões estas, influenciarão diretamente na escolha da estratégia financeira adequada, que para Kalil (2011, p. 27) nada mais é que a escolha dos caminhos, ou do melhor caminho, que levarão o negócio até o seu objetivo. Parece simples, mas é uma tarefa ampla, e, inclusive, complexa. Quanto às decisões financeiras, Assaf Neto (1997) afirma que qualquer que seja a atividade operacional, uma empresa precisa, de forma contínua e inevitável, tomar decisões. Braga (1989) classifica as decisões financeiras em três segmentos que podem ser divididos em decisões de investimento, decisões de financiamento e destinação dos lucros. Para Santos (2009, p. 11) a administração financeira tem sido de importância crescente para as empresas de pequeno e médio porte. O sucesso empresarial demanda cada vez mais o uso de práticas financeiras apropriadas. 2.1 Instrumentos para gestão financeira As informações oriundas da contabilidade não são limitadas apenas ao Balanço e ao Demonstrativo de Resultados, ela fornece um fluxo de informações contínuo sobre os mais diversos fatores da gestão econômico-financeira da empresa (SILVA, 2010, p. 12). Hayes (2009) afirma que os administradores de empresas, através de instrumentos auxiliares de gestão balanço patrimonial, demonstração de resultados e demonstrativo de fluxo de caixa - conseguem obter informações e esclarecimentos a respeito de questões levantadas como, o que a empresa possui? Quais são as obrigações da empresa? Qual o estado de saúde financeira? Qual foi o lucro? Quais são as fontes de receita e como tem utilizado seu dinheiro? No ponto de vista de Groppelli e Nikbakht (2002, p. 349) é por meio da análise desses demonstrativos que os administradores estabelecem uma maneira mais eficaz de alocar fundos e recursos. Podem também controlar o rumo futuro das operações da empresa e ajudar a maximizar a sua riqueza. 3

4 2.1.1 Demonstrações financeiras As demonstrações financeiras são relatórios documentais de suma importância para os negócios (HAYES, 2009), tendo em vista que abastecem e facilitam o desenvolvimento da função financeira através da análise e avaliação dos dados fornecidos (BRAGA, 1989). Segundo Silva (2010) existem demonstrações organizadas pelas empresas de divulgação obrigatória, tanto para o público interessado como para órgão fiscais e outras em que a divulgação não é imposta, que de acordo com Braga (1989, p. 37), compreende grande número de demonstrativos que orientam o processo decisório ou refletem os planos da empresa. Padoveze e Benedicto (2004) citam como principais demonstrações financeiras o balanço patrimonial, a demonstração dos resultados do exercício (DRE) e a demonstração do fluxo de caixa. Onde o balanço patrimonial demonstra a posição da empresa em um determinado momento e as demais demonstrações representam as alterações patrimoniais e as operações de um período específico. Dos tipos de demonstrações, Hayes (2009) destaca o balanço patrimonial como a ferramenta para resumir a situação financeira instantânea em uma data específica, descrevendo os ativos controlados pela empresa e suas formas de financiamento fundos de credores (passivos) e/ou capital social. Logo, o montante de recursos fornecidos por terceiros mais os recursos próprios não devem exceder o montante de recursos investidos (CHING, MARQUES e PRADO, 2010). Um importante tipo de demonstração financeira, de acordo com Hayes (2010) é a demonstração de resultados, no qual evidencia os resultados operacionais em um determinado período, isto é, se a empresa obteve lucro líquido positivo ou negativo. Relacionando os fluxos de recebimentos e os fluxos das despesas resultantes da produção e financiamento das operações (GROPPELLI e NIKBAKHT, 2002). Quanto a demonstração de fluxo de caixa, é considerado um instrumento auxiliar do planejamento financeiro, pois é fornecedor de informações que possibilitam a elaboração de estimativas da situação de caixa em um determinado período de tempo à frente (SANTOS, 2009). Mais especificamente, ele reflete todas as mudanças em caixa que são afetadas por atividades operacionais, investimentos e atividades financeiras (HAYES, 2009, p. 31). Braga (1989) ainda acrescenta outras demonstrações financeiras, como demonstrativos Gerenciais, demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, demonstração das Origens e Aplicações de Recursos. Através da análise e interpretação das demonstrações financeiras, busca-se embasamento para que aconteçam as tomadas de decisão mais adequadas ao quadro econômico e financeiro da empresa (MARQUES, 2004). 4

5 2.2 Fluxo de caixa Para Assaf Neto (2002, p. 39) fluxo de caixa é um instrumento que relaciona os ingressos e saídas (desembolso) de recursos monetários no âmbito de uma empresa em determinado intervalo de tempo. Sendo obrigatório à existência de pelo menos uma saída e pelo menos uma entrada de caixa ou vice-versa (HOJI, 2001). Segundo Ching, Marques e Prado (2010) a intenção do uso da palavra caixa é em um sentido mais amplo, pois, não faz referência apenas a quantidade ou equivalentes de caixa, mas também a investimentos de liquidez imediata. Santos (2009) realça entre os objetivos do fluxo de caixa, além de uma visão da capacidade de cumprir com os compromissos financeiros, o planejamento das necessidades de empréstimos e financiamentos, a maximização dos rendimentos com aplicações de sobras de caixa, avaliação do impacto financeiro sobre variações de custos e a avaliação de possíveis impactos financeiros em função do aumento das vendas. Fluxo de caixa é essencial para auxiliar nas finanças empresariais, com intuito de fiscalizar e examinar despesas, receitas e investimentos, permitindo a programação financeira das empresas para operações futuras (SILVA, 2010). Através do fluxo de caixa é possível evidenciar as causas das alterações da quantidade de caixa em um determinado período contábil (HAYES, 2010). A capacidade de geração de caixa é uma informação essencial, afinal, uma empresa não pode pagar contas com lucros, apenas com caixa. O próprio pagamento dos lucros é diretamente dependente dos saldos de caixa (STANCIL, 1987 apud MONTEIRO, 2003, p. 2). Para que o fluxo de caixa gere dados de boa qualidade, é necessário que a empresa tenha uma cultura de planejamento. Desse modo, será possível gerar dados e informações úteis, apesar de toda a incerteza (SANTOS, 2009, p. 67) Estratégias Para Administração Do Ciclo de caixa Como já evidenciado anteriormente, ciclo de caixa compreende o período em meio ao ciclo operacional, entre as atividades financeiras como pagamentos a fornecedores e recebimentos de clientes (SANTOS, 2009). Segundo Rossetti et al. (2008, p. 91) o intervalo de tempo compreendido entre o momento em que é feito o pagamento dos fornecedores (saída de caixa) até o momento do recebimento dos clientes (retorno de caixa) é denominado ciclo econômico ou ciclo de caixa. Ainda apoiando-se nos autores que afirmam que o ciclo de caixa pode ser 5

6 considerado o tempo preciso para que as empresas recorram a outras fontes de recursos para a manutenção do ciclo operacional. Contas a receber para Hoji (2006) originam-se das vendas a prazo, que são concedidas através do crédito. As vendas a prazo geram riscos de inadimplência e despesas com análise de crédito, cobrança e recebimento, mas alavancam as vendas, isto é, aumentam o volume de vendas e, consequentemente, o lucro (HOJI, 2001, p. 129). Quanto a contas a pagar, na visão de Groppelli e Nikbakht (2002), é um empréstimo sem juros concedido pelos fornecedores. Já na concepção de Downes e Goodman (1993, p. 5), contas a pagar são consideradas quantias devidas aos credores por conta de bens adquiridos e serviços prestados a crédito. As duplicatas a pagar podem ser consideradas uma forma de financiamento de capital de giro, uma vez que, tenta-se usar ao máximo as condições de pagamento, alongando assim o prazo de pagamento e tornando o juro mais favorável (HELFERT, 2000). Quanto maior os prazos concedidos pelos fornecedores menor será a necessidade de capital de giro (ROSSETTI et al. 2008). No que diz respeito ao gerenciamento de estoque Silva (2010) quanto maior o giro do estoque, maior será o retorno do investimento em estoque, e por consequência maior também a liquidez do investimento. Para Santos (2008, p. 17) como as empresas têm prazos diferentes para pagamento aos fornecedores e recebimento dos clientes, o ciclo financeiro é determinado com base nos prazos médios de pagamento e de recebimento. Segundo Hoji (2010) através de uma adequada administração do ciclo de caixa, por meio da gestão dos prazos médios de recebimento e pagamento, é possível maximizar o lucro reduzindo significativamente os encargos financeiros, e consequentemente, resultando na melhora dos resultados econômicos e financeiros da empresa. 2.3 CAPITAL DE GIRO Na concepção de Silva (2010, p. 65) capital de giro são recursos de curto prazo da empresa, em geral, aqueles que podem ser convertidos em caixa no prazo máximo de um ano. Para Hoji (2001, p. 109) o capital de giro é conhecido também como capital circulante e corresponde aos recursos aplicados em ativos circulante, que transformam-se constantemente dentro do ciclo operacional. Por sua vez, Ching, Marques e Prado (2010) classificam capital de giro como os recursos indispensáveis para manutenção das atividades operacionais da empresa. Silva (2010) considera o capital de giro de suma importância para a gestão financeira, a ponto de a empresa precisar recuperar os custos e despesas operacionais e 6

7 financeiros durante o ciclo operacional por meio das vendas. Sendo assim, o volume de vendas é que determina a importância e o volume do capital de giro para uma empresa (ASSAF NETO, 2002). Porém, Ching, Marques e Prado (2010) destacam situações em que grande parte das vendas são a prazo, em que deve-se levar em consideração os compromissos com vencimento antes do recebimento das vendas. Referente à gestão do capital de giro, Silva (2010) entende que o objetivo principal é diminuir ao máximo o tempo entre o desembolso para pagamento a fornecedores e o recebimento dos clientes. Assim sendo, diante de seu contexto de mercado, as empresas formalizam estratégias operacionais de atuação, principalmente em relação à administração do capital de giro, avaliando seus investimentos correntes e selecionando os passivos mais adequados (ASSAF NETO, 2002, p. 13) Alternativas de financiamento de capital de giro Consideradas origens de recursos, as fontes de capital podem ocorrer em duas condições: capital próprio e o capital de terceiros. O próprio tem origem do capital social composto das ações preferenciais e ordinárias, ou ainda, através da retenção de lucros. O capital de terceiros pode ser obtido através do mercado financeiro e de capitais (SILVA, 2010). Segundo Santos (2009, p. 119) o financiamento dos ativos, tanto fixos como circulantes, pode ser efetuado com capital próprio e de terceiros, a utilização de capital de terceiros é uma prática universal nas empresas, pois permite que sua implantação, funcionamento e expansão não dependa apenas do capital próprio. De acordo com Marques (2004, p. 128) quando a empresa utiliza capitais próprios para financiar parte ou total do capital circulante, ela tem maior liberdade financeira para movimentar os seus negócios, sem a necessidade de recorrer a terceiros para a obtenção de recursos. Porém, se a taxa de juros proveniente dos capitais de terceiros for menor que a taxa de lucratividade da empresa, é mais vantajoso à utilização de capitais de terceiros (MARQUES, 2004). Rossetti et al. (2008, p. 93) quanto a necessidade de captação de capital de giro salientam que está diretamente relacionado com as vendas. Em épocas de alto crescimento das vendas, o volume de NCG (Necessiadade de Capital de Giro) pode aumentar descontroladamente, exigindo crescentes volumes de financiamento. São variadas as modalidades de financiamento de capital de terceiros que existem no mercado financeiro (HOJI, 2010), podendo ser empréstimos e financiamentos efetuados tanto em moeda nacional quanto em moeda estrangeira (SILVA, 2010). 7

8 As modalidades mais utilizadas segundo alguns autores são: Empréstimo para capital de giro: são efetuados por meio de contratos que estabelecem as condições gerais e específicas como valor vencimento e taxa de juros. Tem como garantias exigidas notas promissórias avalizadas, duplicatas, hipotecas e penhor mercantil (SILVA, 2010); Desconto de títulos ou desconto comercial: desconto este que ocorre quando o possuidor de um título resgata-o antes do vencimento junto a um agente financeiro. Os títulos mais comuns são: nota promissória, letras de câmbio, duplicatas e cheques pré-datados (GIMENES 2006, p. 243); Crédito automático em conta corrente: é a utilização de crédito automático para cobrir os déficits de conta corrente pode ser utilizada vantajosamente na medida exata de sua necessidade (SANTOS, 2009, p. 128); Conta garantida: através de uma conta o banco disponibiliza um limite de crédito para a empresa sacar livremente até o limite estipulado, com a opção de cobrir o saldo devedor, com custos financeiros periódicos, a qualquer momento em meio à duração do contrato (SILVA, 2010); Crédito rotativo: de acordo com Silva (2010, p. 90) são linhas de crédito aberta pelos bancos, que visam ao financiamento das necessidades de curto prazo das empresas e são movimentadas normalmente por meio de cheques ; Desconto de duplicatas: operação financeira de curto prazo em que a empresa desconta as duplicatas de venda mercantil por meio de um agente financeiro. Tem seu custo expresso por uma taxa de desconto menor que o custo efetivo (SANTOS, 2009); Securitização de recebíveis: tem como objetivo contratos que ainda vão gerar faturamentos futuros, como por exemplo faturas de cartão de crédito. A análise é feita de acordo com os riscos de crédito e a taxa de juros a ser aplicada (SILVA, 2010, p. 89). Segundo Santos (2009) o administrador financeiro precisa ter consciência na hora de tomar as decisões de financiamento, visto que, precisa escolher seu valor, custo e cronograma de pagamento mais apropriado à situação em que a empresa se encontra e necessita. 3 METODOLOGIA Este presente estudo caracteriza-se como uma pesquisa de natureza qualitativa, que de acordo com Fachin (2003, p.81) é caracterizada pelos seus atributos e relaciona aspectos não somente mensuráveis, mas também definidos descritivamente, e de natureza 8

9 quantitativa, no qual Gonçalves (2007) define como explicação das causas através de medidas objetivas, testes hipotéticos e fundamentalmente utilizando à estatística. No que diz respeito aos objetivos, buscar-se-á explorar e descrever as estratégias adotas por uma determinada empresa acerca da captação de recursos financeiros, caracterizando-se como uma pesquisa exploratória por ser pelo desenvolvimento e esclarecimento de ideias, com o objetivo de oferecer uma visão panorâmica, uma primeira aproximação a um determinado fenômeno que é pouco explorado (GONÇALVES, 2007, p.67). Caracteriza-se, também, como pesquisa descritiva, que na concepção de Gonçalves (2007, p.67), objetiva escrever as características de um objeto de estudo. Ou ainda, de acordo Cervo (2007) pesquisa descritiva objetiva observar, registrar, analisar e correlacionar fatos ou fenômenos sem que eles sejam manipulados. Quanto aos procedimentos técnicos à pesquisa será no formato de um estudo de caso, segundo Severino (2007) estudo de caso é uma investigação concentrada em um caso particular, similar às formas de pesquisa de campo quanto à coleta de dados e análise. Inicialmente, realizar-se-á uma pesquisa bibliográfica, de acordo com Pádua (2004, p. 55) é fundamentada nos conhecimentos de biblioteconomia, documentação e bibliografia e um estudo de trabalhos recentes (livros, teses, artigos, etc.), em bibliotecas de universidades e diferentes fontes de informação sobre o tema. Posteriormente, será definida a unidade de análise do estudo de caso. Para a coleta de dados, utilizados na pesquisa utilizar-se-á de documental - através de documentos, ou seja, segundo Cervo e Bervian (1983) apud Pádua (2004) toda base de conhecimento fixado materialmente e suscetível de ser utilizado para consulta, estudo ou prova - da organização em estudo. Após a coleta os dados serão interpretados e analisados sob a ótica qualitativa, com o objetivo de identificar as alternativas possíveis para adequação do fluxo financeiro da empresa, bem como apontar a melhor entre elas. 4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSAF NETO, Alexandre & SILVA, César Augusto Tibúrcio. Administração do Capital de Giro. 3. ed. São Paulo: Atlas, ASSAF NETO, Alexandre. A dinâmica das decisões financeiras. Caderno de Estudos, São Paulo, FIPECAFI, v , Julho/dezembro Disponível em : df. Acesso em 02 de mar BRAGA, Roberto, Fundamentos e técnicas de administração financeira. São Paulo: Atlas, CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcindo; SILVA, Roberto da. Metodologia cientifica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall,

10 CHENG, Angela; MENDES Marcia Martins. A importância e a responsabilidade da gestão financeira na empresa. XVIII Conferência Interamericana de contabilidade Paraguai. Disponível em: arttext. Acesso em 06 de mar CHING, Hong Yug; MARQUES, Fernando; PRADO, Lucilene. Contabilidade e finanças para não especialistas. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, GIMENES, Cristiano Marchi. Matemática com HP 12c e excel. São Paulo: Pearson Prentice Hall, GONÇALVES, Elisa Pereira. Conversas sobre iniciação à pesquisa cientifica. 4. ed. São Paulo: Editora Alínea, GROPPELLI, A. A; NIKBAKHT, Ehsan. Administração financeira. Tradução de Célio Knipel Moreira. 2. ed. São Paulo: Saraiva, HAYES, Samuel L. Finanças para gerentes. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, HELFERT, Erich A. Técnicas de análise financeira: um guia prático para medir o desempenho dos negócios. 9. ed. São Paulo: Bookman, HOJI, Masakazu. Administração financeira: uma abordagem prática: matemática financeira aplicada, estratégias financeiras, análise, planejamento e controle financeiro. 3. ed. São Paulo: Atlas, HOJI, Masakazu. Administração financeira e orçamentária: matemática aplicada, estratégias financeiras, orçamento empresarial. 9. ed. São Paulo: Atlas, KALIL, Luísa. Definindo caminhos. Bens & Serviços Revista da Federação do Comércio de Bens e Serviços do Estado do Rio Grande do Sul Número 78 / Outubro MARQUES, Wagner Luiz. Contabilidade gerencial à necessidade das empresas! 2. ed. Cianorte, Bacon, MONTEIRO, Andrea Alves Silveira. Fluxo de Caixa e Capital de Giro Uma adaptação do modelo de fleuret. Disponível em:http://portalebb.br.tripod.com/sitebuildercontent/sitebuilderfiles/flcxcgiro.pdf. Acesso em 27 de Abr PADOVEZE, Clóvis Luis; BENEDICTO, Gideon Carvalho. Análise das demonstrações financeiras. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, PÁDUA, Elisabete Matallo Marchesini de. Metodologia da pesquisa: abordagem teórico-prática. 10. ed. rev. e atual. Campinas, São Paulo: Papirus, ROSSETTI, José Paschoal; GALVÃO, Alexandre; BRESSAN, Aureliano Rangel; CAMPOS, Breno de; BOECHAT, Cláudio; ARAÚJO, Daniel Loureiro; RIBEIRO, Érico; BRASIL, Haroldo Guimarães; MOTA, Haroldo Vale; LAURIA, Luciano Carlos; BARROS, Luisa Valentim; GONTIJO, Paulo; PIRES, Sergio Eustáquio, OLIVEIRA, Virgínia Izabel de. Finanças corporativas. Rio de Janeiro: Elsevier, SANTOS, Edno Oliveira dos. Administração financeira da pequena e média empresa. 1. ed. 7. Reimpr. São Paulo: Atlas, SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, SILVA, Edson Cordeiro. Como administrar o fluxo de caixa das empresas guia de sobrevivência empresarial. 4. ed. São Paulo: Atlas,

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I 1 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I 2 CELSO ABREU DE ARAUJO Administrador - FACIG MBA Gestão Empresarial - FGV Mestrando Adm. Empresas - UDELMAR Telefone: 33-8432-3939 e- mail: celsoaaraujo@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2015-1 Análise de Investimento e Capital de Giro Módulo C Carga Horária: 47 h. Ementa da disciplina:

PLANO DE ENSINO 2015-1 Análise de Investimento e Capital de Giro Módulo C Carga Horária: 47 h. Ementa da disciplina: PLANO DE ENSINO 2015-1 Análise de Investimento e Capital de Giro Módulo C Carga Horária: 47 h. Ementa da disciplina: Conteúdo Programático: Estudar as técnicas de análise de investimentos para analisar

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

INSTRUMENTOS FINANCEIROS

INSTRUMENTOS FINANCEIROS INSTRUMENTOS FINANCEIROS Afonso Henrique Carvalho França* DEFINIÇÕES O Comitê de Pronunciamento Contábil emitiu durante o ano de 2009 os seguintes pronunciamentos sobre os instrumentos financeiros: CPC

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Gestão Economica e Financeira: a Aplicação de Indicadores

Gestão Economica e Financeira: a Aplicação de Indicadores Gestão Economica e Financeira: a Aplicação de Indicadores Flaviani Souto Bolzan Medeiros flaviani.13@gmail.com UNIFRA Lissandro Dorneles Dalla Nora lissandro@unifra.br UNIFRA Juliana Andréia Rüdel Boligon

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

PALAVRAS-CHEVE: Capital de giro, saldo de tesouraria, necessidade de capital de giro.

PALAVRAS-CHEVE: Capital de giro, saldo de tesouraria, necessidade de capital de giro. TÍTULO: ANÁLISE AVANÇADA DE EMPRESAS AUTOR: JOSÉ A MOURA ARANHA CREDENCIAIS: Graduado em Ciências Contábeis com pós-graduação em Perícia Contábil, Financeira e Empresarial, professor na Faculdade Estácio

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

/ 2012 6 ( ) ADM ( ) ADM COMEX ( ) ADM MKT

/ 2012 6 ( ) ADM ( ) ADM COMEX ( ) ADM MKT Disciplina: Administração Financeira / 2012 Carga horária: 68h Curso/Semestre: 6 ( x ) ADM ( x ) ADM COMEX ( x ) ADM MKT Data de atualização: Janeiro/2012 Núcleo: Finanças Nucleador: Prof. Francisco Santana

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS.

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. Resumo Este artigo faz uma análise de viabilidade econômico-financeira das empresas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra. CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I Administração Financeira: uma visão geral. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.br) Introdução Todas as

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Candidato: Plano de Aula FAPAS Prof. OLIVEIRA, A. S., Dr. 1) 2) Justificativa da Aula Passiv o O estudo do patrimônio é a espinha dorsal da Teoria da Contabilidade. (Iudícibus e Marion, 2002, p. 141).

Leia mais

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA Amanda de Campos Diniz 1, Pedro José Raymundo 2

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 02: CICLO OPERACIONAL Além da já comentada falta de sincronização temporal, o capital de giro convive com duas

Leia mais

A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO

A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO A LIQUIDEZ : UMA BOA REFERÊNCIA PARA A ANÁLISE DE CRÉDITO GLEICE LUANA CARDOSO DE FARIAS Graduanda do Curso de Ciências Contábeis da UFPA Luana733@hotmail.com Héber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO PROCESSO SELETIVO DE MONITORIA - EDITAL Nº08/2013.2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO Conteúdo Programático: UNIDADE I: O Universo Organizacional

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Administração Financeira Orçamentária I Código: ADM 353 Pré-Requisito: Contabilidade de Custos

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS

GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS Alexandre Costa Quintana 1 Cristiane Gularte Quintana 2 professorquintana@hotmail.com Resumo O presente estudo é resultado de um projeto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Administração Kênia Flávia Viegas de Oliveira A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL Pará de Minas 2014 Kênia Flávia Viegas de Oliveira A IMPORTÂNCIA

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Contabilidade Geral Professor Dr. Osvaldo Ramos Tsan Hu Carga horária: 4 Ementa: Código da Disciplina: 330.1601.1 Etapa:

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

FLUXO DE CAIXA -INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO E BASE DE APOIO AO PROCESSO DECISÓRIO Paulo Moreira da Rosa e Almir Teles da Silva

FLUXO DE CAIXA -INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO E BASE DE APOIO AO PROCESSO DECISÓRIO Paulo Moreira da Rosa e Almir Teles da Silva FLUXO DE CAIXA -INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO E BASE DE APOIO AO PROCESSO DECISÓRIO Paulo Moreira da Rosa e Almir Teles da Silva Introdução A crescente complexidade do processo administrativo

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Marivane Orsolin 1 ; Marlene Fiorentin 2 ; Odir Luiz Fank Palavras-chave: Lei nº 11.638/2007. Balanço patrimonial. Demonstração do resultado

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS AUTORIZAÇÃO 1393 PORT. MEC, D.O.U. 09/07/2001 DADOS SOBRE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: CBT - 352 NOME: Administração Financeira PROFESSOR: Edvaldo Pedreira Gama Filho C.H. SEMESTRAL

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2015-1

PLANO DE ENSINO 2015-1 Mercado Financeiro de Capitais Módulo B Ementa da disciplina: Conteúdo Programático: PLANO DE ENSINO 2015-1 Carga Horária: 50 h Estudar os principais conceitos que fundamentam o funcionamento do mercado

Leia mais

Um Estudo nos Demonstrativos Financeiros Utilizando Técnicas de Análise de Balanços Realizada em uma Empresa do Setor Agroindustrial

Um Estudo nos Demonstrativos Financeiros Utilizando Técnicas de Análise de Balanços Realizada em uma Empresa do Setor Agroindustrial Um Estudo nos Demonstrativos Financeiros Utilizando Técnicas de Análise de Balanços Realizada em uma Empresa do Setor Agroindustrial Vanessa Dalmolin vanessa-dalmolin@hotmail.com UNIFRA Juliana Andréia

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP Caderno de prova Processo seletivo Curso de Formação de Instrutores do Programa de Formação de Conselheiros de Cooperativas de Crédito FORMACRED

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

Contabilidade financeira e orçamentária I

Contabilidade financeira e orçamentária I Contabilidade financeira e orçamentária I Curso de Ciências Contábeis - 6º Período Professora: Edenise Aparecida dos Anjos INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Finanças Corporativas: incorporaram em seu

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

Palavras-chave: Administração Financeira. Empresa Familiar. Fluxo de Caixa

Palavras-chave: Administração Financeira. Empresa Familiar. Fluxo de Caixa O FLUXO DE CAIXA COMO INSTRUMENTO DE GRANDE RELEVÂNCIA PARA UMA BOA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA FAMILIAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA CIDADE DE IPATINGA MG Lorena Nishio Alves

Leia mais

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO Beatriz Alves Paes CONSORTE 1 - RGM 071627 Benedito Fernando FAVARETTO¹ - RGM 028811 Daniel Gazal ZUPO¹ - RGM 085144 Kaleo Carlos Felix BARROSO¹ - RGM 071294

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ GRASIELA ANA MENDES

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ GRASIELA ANA MENDES 0 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ GRASIELA ANA MENDES ELABORAÇÃO DE PROPOSTA DE UM FLUXO DE CAIXA PARA A EMPRESA BLUE CAT S COMÉRCIO E CONFECÇÕES E ARTIGOS PARA PRESENTES LTDA ME Biguaçu 2008 1 GRASIELA

Leia mais

Curso: Assistente Administrativo Financeiro.

Curso: Assistente Administrativo Financeiro. Assistente Administrativo Financeiro Introdução A administração financeira está intimamente ligada à Economia e Contabilidade, utilizando informações contábeis e conceitos econômicos, correspondendo a

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11 Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA I Código: ADM 353 Pré-Requisito: Contabilidade

Leia mais

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS Autores: Alexandre Costa Quintana Daniele Pereira Mesquita RESUMO A forma de estruturação das demonstrações contábeis é fundamental

Leia mais

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS Graduanda de Ciências Contábeis da UFPA martanubia@bol.com.br Heber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MÓDULOS ESCOLA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO - UENF

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MÓDULOS ESCOLA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO - UENF CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MÓDULOS ESCOLA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO - UENF Módulo I: A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS Breve contextualização

Leia mais

UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO. Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2,

UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO. Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, Elisangela Leme Antonio 3, Viviane Batista Mastelari 4 RESUMO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE

Leia mais

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA Cristiane Escarpelini dos Santos - cristianne88@hotmail.com Ricardo dos Santos Gabriel de Jesus - rickccb@gmail.com Profº. M. Sc. Francisco Cezar Vendrame - fcvendrame@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais