XXIII ENANGRAD. Finanças (FIN)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XXIII ENANGRAD. Finanças (FIN)"

Transcrição

1 XXIII ENANGRAD Finanças (FIN) ANÁLISE DA GESTÃO DO FLUXO LÍQUIDO DE CAIXA DE QUATRO EMPRESAS DO RAMO DE SIDERURGIA DURANTE OS PERÍODOS DE 2007, 2008, 2009 E 2010 Micheli de Almeida Muniz Lucimeire Cordeiro da Silva Bento Gonçalves, 2012

2 FINANÇAS Código: FIN ANÁLISE DA GESTÃO DO FLUXO LÍQUIDO DE CAIXA DE QUATRO EMPRESAS DO RAMO DE SIDERURGIA DURANTE OS PERÍODOS DE 2007, 2008, 2009 E JULHO/ 2012

3 RESUMO O objetivo final deste estudo será identificar a empresa que mais possui capacidade de amortização de suas dívidas com recursos próprios e sua capacidade de geração bruta de caixa para financiamento de sua necessidade de capital de giro. A metodologia adotada foi bibliográfica e documental De acordo com os resultados encontrados, em relação a capacidade da empresa em financiar sua Necessidade de Capital de Giro, todas apresentaram superávit de caixa em todos os períodos estudados com exceção da Gerdau no ano de 2010.A estratégia comum identificada entre as empresas foi a utilização da geração operacional de caixa para amortizar suas dívidas de curto prazo e para financiar os investimentos que cresceram acentuadamente durante os períodos estudados. Porém, isso provocou ausência de recursos para pagamento das dívidas de longo prazo, resultando em indicadores negativos e elevação de endividamento em longo prazo com algumas exceções. A FERBASA se destaca como a empresa que mais conseguiu amortizar suas dívidas a curto e a longo prazo durante os anos de 2007 a Entretanto, o desempenho da Gerdau foi melhor no ano de Palavras-chave: Fluxo de Caixa. Necessidade de Capital de Giro. Geração Bruta de Caixa. ABSTRACT The ultimate goal of this study is to identify the company that has more capacity for repayment of their debts with their own resources and its ability to generate gross cash to finance its working capital needs. The methodology was bibliographical and documentary According to the results, regarding the company's ability to finance its working capital requirement, all showed a surplus of cash in all periods except for Gerdau in the year 2010.A strategy common among the companies identified was the use of operating cash flow to repay its short-term debt and to finance investments which rose sharply during the periods studied. However, this caused a lack of resources for payment of long-term debt, resulting in negative indicators and rising debt in the long term with some exceptions. FERBASA stands out as the company more able to repay its debts in the short and long term during the years 2007 to However, the performance of Gerdau was better in Keywords: Cash Flow. Need for Working Capital. Gross Generation Cash.

4 1. INTRODUÇÃO A demonstração do Fluxo de Caixa é uma demonstração muito útil para o gestor da empresa. Sua publicação é obrigatória para empresas de capital aberto e companhia fechada com patrimônio líquido, na data do balanço, superior a R$ ,00 (dois milhões de Reais), de acordo com a Lei /07. Segundo MATARAZZO (1998;370), Quase sempre os problemas de insolvência ou liquidez ocorrem por falta de adequada administração do fluxo de caixa... Portanto, analisar a gestão de caixa das empresas é identificar o seu fôlego financeiro para suportar as intempéries externas. Esta pesquisa se propõe analisar os fluxos líquidos de caixa de quatro grandes empresas do setor de siderurgia, segundo a BOVESPA, são empresas classificadas em nível 1 (um) de governança corporativa: FERBASA, GERDAU S.A., USIMINAS e CSN que embora não esteja classificada pela BOVESPA em nível 1 (um) de governança corporativa, será incluída nesta pesquisa devido a sua importância econômica e social para nossa região. Portanto este estudo ficará delimitado ao levantamento dos dados para análise das quatro empresas citadas pelo período de 2007 a 2010, Através da Demonstração do Fluxo Líquido de Caixa, pode-se saber se a empresa foi auto-suficiente no financiamento de seu giro e qual sua capacidade de expansão com recursos próprios gerados pelas operações. Portanto, as principais informações dessa demonstração referem-se à capacidade financeira da empresa de: autofinanciamento das operações (compra, produção e vendas) independência do sistema bancário no curto prazo gerar recursos para manter e expandir o nível de investimentos amortizar dívidas bancárias de curto e de longo prazo. Diante do exposto acima, o problema deste estudo pode ser colocado da seguinte maneira: A geração bruta de caixa das empresas siderúrgicas estudadas cobrem a necessidade de capital de giro? Qual empresa possui maior capacidade de amortização de financiamentos com recursos próprios? Para responder a estas perguntas o objetivo final deste estudo será identificar a empresa que mais se destaca na quanto a capacidade de amortização de financiamento, tendo como objetivos intermediários a análise da capacidade de financiamento da Necessidade de Capital de Giro, da capacidade de pagamento de dívidas bancárias de curto prazo, de investimentos e de amortização de financiamentos de longo prazo. Para concretização deste estudo será adotado a metodologia, quanto aos fins, bibliográfica e documental.

5 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 Referencial Teórico As Empresas A Gerdau 1 Segundo o relatório da administração, a Gerdau é o siderúrgico líder na produção de aços longos nas Américas, com uma capacidade instalada superior a 20 milhões de toneladas de aço bruto. Iniciou sua trajetória de expansão há mais de um século, sendo um dos principais players no processo de consolidação do setor global do aço. Conta com colaboradores constantemente treinados e preparados para enfrentar novos desafios e mantém operações nas Américas, na Europa e na Ásia. É a maior recicladora de metais ferrosos da América Latina. Produz aços longos comuns e especiais e aços planos para os setores de construção civil, indústria, automotivo e agropecuário. Para alcançar níveis crescentes de rentabilidade, a Companhia integra sua cadeia de produção por intermédio de uma rede de usinas, centros de serviços, unidades de transformação e canais distribuidores, estrategicamente posicionados nos principais polos de consumo. Com presença no mercado de capitais há mais de 60 anos, possui cinco empresas de capital aberto a Metalúrgica Gerdau S.A., a Gerdau S.A. e a Aços Villares S.A., no Brasil, a Gerdau Ameristeel Corporation, subsidiária na América do Norte, e a Empresa Siderúrgica del Peru S.A.A. - Siderperú, no Peru. Suas ações são negociadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova York, Toronto, Madri e Lima, contando com mais de 140 mil acionistas. Em 2009, as ações da Gerdau movimentaram R$ 89,4 bilhões (US$ 44,7 bilhões) nas diversas bolsas de valores. A Usiminas 2 Usiminas é uma empresa do setor siderúrgico líder na produção e comercialização de aços planos laminados a frio e a quente, bobinas, placas e revestidos, destinados principalmente aos setores de bens de capital e de bens de consumo da linha branca, além da indústria automotiva. Foi fundada em 25 de abril de 1956 em Ipatinga, no que viria a ser o Vale do Aço, Minas Gerais. Sua constituição societária e legal foi elaborada nessa data por Gabriel Andrade Janot Pacheco e seu primeiro presidente foi o engenheiro Amaro Lanari Júnior. Em 1964 Ipatinga, a 220 km de Belo Horizonte, se emancipa de Ipatinga e a Usiminas passa a estar neste novo município. Sua sede administrativa encontra-se em Belo horizonte, em frente à Universidade Federal de Minas Gerais e ao lado do BH-TEC. O Sistema Usiminas destaca-se como o maior complexo siderúrgico de aços planos da América Latina e um dos 20 maiores do mundo. A Usiminas é a líder do Sistema, formado por empresas que atuam em siderurgia e em negócios onde o aço tem importância estratégica. Atualmente designa um pool de diversas empresas, estando empenhada com a transparência no relacionamento com o mercado de capitais. A Ferbasa 3 1 Informações extraídas do site da Comissão de Valores Mobiliários acessado em 20/01/ Informações extraídas do site acessado em 20/01/2012.

6 Fundada em 23 de fevereiro de 1961 pelo engenheiro José Corgosinho de Carvalho Filho, a FERBASA iniciou suas atividades no município de Campo Formoso, Bahia, no ramo de mineração, com o objetivo de produzir ferro cromo. Líder em seu segmento, está entre as 500 maiores empresas do país e as 20 maiores da Bahia, com faturamento anual superior a U$ 500 milhes. Conhecida pelo desenvolvimento de produtos de alta qualidade e forte atuação no trabalho social, a empresa, produtora de ferro cromo alto carbono (FeCrAC), ferro cromo baixo carbono (FeCrBC), ferro silício cromo (FeSiCr) e ferro silício 75%, comemora em 2011 o seu cinquentenário. É a maior fabricante de Ferro ligas do Brasil e única produtora integrada de ferro cromo das Américas, exercendo as atividades de mineração, reflorestamento e metalurgia A CSN 4 A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) é a maior indústria siderúrgica do Brasil e da América Latina, e uma das maiores do mundo. Sua usina situa-se na cidade de Volta Redonda, no médio Paraíba, no sul do estado do Rio de Janeiro, tendo suas minas de minério de ferro e outros minerais na região de Congonhas e Arcos, ambas cidades do estado de Minas Gerais e também de carvão na região de Siderópolis no estado de Santa Catarina. Sua principal usina hoje produz cerca de 6 milhões de toneladas de aço bruto e mais de 5 milhões de toneladas de laminados por ano, sendo considerada uma das mais produtivas do mundo Governança Corporativa Segundo o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) 5, governança corporativa é um sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os acionistas e os cotistas, Conselho de Administração, Diretoria, Auditoria Independente e Conselho Fiscal. As boas práticas de governança corporativa têm a finalidade de aumentar o valor da sociedade, facilitar seu acesso ao capital e contribuir para a sua perenidade. Implantados em dezembro de 2000 pela Bolsa de Valores de São Paulo - BM&FBOVESPA 6, os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa são segmentos especiais de listagem que foram desenvolvidos com o objetivo de proporcionar um ambiente de negociação que estimulasse, simultaneamente, o interesse dos investidores e a valorização das companhias. Empresas listadas nesses segmentos oferecem aos seus acionistas investidores melhorias nas práticas de governança corporativa que ampliam os direitos societários dos acionistas minoritários e aumentam a transparência das companhias, com divulgação de maior volume de informações e de melhor qualidade, facilitando o acompanhamento de sua performance. A premissa básica é que a adoção de boas práticas de governança corporativa pelas companhias confere maior credibilidade ao mercado acionário e, como conseqüência, aumenta a confiança e a disposição dos investidores em adquirirem as suas ações, pagarem um preço melhor por elas, reduzindo seu custo de captação. 3 Informações extraídas do site acessado em 20/01/ Informações extraídas do site acessado em 20/01/ Conceito obtido no site do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa: acessado em 20/01/ Informações extraídas do site da Bovespa.

7 A adesão das Companhias ao Nível 1 ou ao Nível 2 depende do grau de compromisso assumido e é formalizada por meio de um contrato, assinado pela BM&FBOVESPA, pela Companhia, seus administradores, conselheiros fiscais e controladores. Ao assinarem o contrato, as partes acordam em observar o Regulamento de Listagem do segmento específico, que consolida os requisitos que devem ser atendidos pelas Companhias listadas naquele segmento, além de, no caso das Companhias Nível 2, adotar a arbitragem para solução de eventuais conflitos societários Demonstração do Fluxo de Caixa Segundo Coelho & Lins (2010: 109), a demonstração do Fluxo de Caixa registra as variações ocorridas durante o período contábil no saldo de caixa e equivalentes de caixa. Essas alterações deverão ser separadas em três fluxos: das operações, dos financiamentos e dos investimentos. Segundo Matarazzo (1998: 370): Aas principais informações dessa demonstração referem-se à capacidade financeira da empresa de: autofinanciamento das operações (compra, produção e vendas) independência do sistema bancário no curto prazo gerar recursos para manter e expandir o nível de investimentos amortizar dívidas bancárias de curto e de longo prazo Índices para Análise da Gestão de caixa das Empresas Quadro 01: Índices para Análise da Gestão de Caixa Nomenclatura Índice Mensura: Capacidade de Geraçãobru tadecaixa Qual a capacidade da empresa em financiamento da 100 financiar o crescimento da atividade VaraiçãoNCG NCG comercial Capacidade de Pagamento de GeraçãoOpe racionaldecaixa Qual a capacidade da empresa em 100 pagar empréstimos bancários de curto Dívidas Bancárias SaldoInicialdeEmprBancários prazo de Curto Prazo Capacidade de GeraçãoOpe racionaldecaixa Qual a capacidade da empresa de 100 efetuar investimentos com recursos Investimentos VariaçãodosItensPermanentesdeCaixa próprios Capacidade amortização financiamentos de de GeraçãoOperacionaldeCaixa VariaçãoPermanentedeCaixa 100 SaldoinicaldeExigívelaLongo Pr azo Fonte: quadro exposto por Matarazzo (1998:385). Qual a capacidade da empresa em amortizar financiamentos de longo prazo, com os recursos próprios, sem prejuízo dos investimentos em curso

8 2.2. Metodologia Tipo de Pesquisa A pesquisa será quanto aos fins e aos meios da seguinte forma: a) quanto aos fins: pesquisa descritiva: Exposição dos quatro indicadores indicadores de desempenho para análise da gestão de caixa. b) quanto aos meios: pesquisa bibliográfica: consulta de material (livros didáticos, artigos, e sites) relacionado ao tema. Pesquisa documental: este estudo utilizará os dados de Informação Financeiras públicas das empresas das empresas do setor de siderurgia classificada pela BOVESPA de Governança Corporativa Nível 1 (USIMINAS, GERDAU e FERBASA) e a CSN, incluída nesta pesquisa pela sua importância econômica e social para a região, os períodos estudados se limitarão aos anos de 2007 a Coleta de Dados Serão utilizadas diversas publicações relacionadas ao tema em questão. Os dados serão obtidos através do site da Comissão de Valores Mobiliários Tratamento dos Dados A amostra será composta de empresas do setor de siderurgia, como descrito acima, cuja classificação pela BOVESPA em Governança Corporativa seja de Nível 1 (USIMINAS, GERDAU e FERBASA) e a CSN. O tratamento dos dados será da seguinte forma: a) obtenção dos dados das empresas em estudo; b) cálculo da Necessidade de Capital de Giro; c) cálculo da geração bruta de caixa; e) cálculo dos indicadores; Resultados e Discussão Análise da Gestão de Caixa da GERDAU S/A Tabela 01: Necessidade de Capital de Giro (GERDAU S/A)

9 Tabela 02: superávit ou déficit de caixa (GERDAU S/A) Tabela 03: Resultados dos indicadores de Gestão de Caixa da Gerdau S.A A Gerdau apresentou lucro líquido em todos os anos estudados, entretanto, não apresentou geração bruta de caixa nos anos de 2009 e A Necessidade de Capital de Giro reduziu-se em 97% no ano de 2008 e em 57% no ano de O que revela durante este período boa administração de Ativo Circulante Operacional e Passivo Circulante Operacional, a empresa apresentou geração bruta de caixa nos anos de 2007 e 2008, porém, em 2008 seu caixa líquido das atividades operacionais foi negativo, necessitando de financiamento para suas atividades de investimento. Em função da sua capacidade de gerar recursos, a empresa produziu caixa suficiente para amortizar suas dívidas de curto prazo nos anos de 2007, 2009 e Porém, o mesmo não ocorreu em Alternativamente, a empresa financiou seus investimentos sendo que, somente 15% em 2008 e 81% em 2009, não conseguindo absorver sua Necessidade de Capital de Giro em 2010, resultando em um déficit de caixa. Verifica-se que a opção da empresa foi utilizar a geração operacional de caixa para pagamento das dívidas bancárias de curto prazo e para financiar seus investimentos. Resultante disso, a empresa não teve recursos suficientes para amortizar financiamentos de longo prazo nos anos de 2008 (-15%) e 2009 (-3,7%). Ocorrendo incremento desses financiamentos no caixa, resultando em valores excedentes durante os períodos de 2007, 2009 e Análise da Gestão de Caixa da USIMINAS S/A Tabela 04: Necessidade de Capital de Giro (USIMINAS) Tabela 05: superávit ou déficit de caixa (USIMINAS)

10 Tabela 06: Resultados dos indicadores de Gestão de Caixa da USIMINAS A Usiminas apresentou lucro líquido em todos os anos estudados e apresentou geração bruta de caixa A Necessidade de Capital de Giro reduziu-se em 16% durante o período de 2006 a 2007 o mesmo não ocorreu nos períodos seguintes, o aumento mais significativo foi de 2007 a 2008 em que ocorreu uma elevação de aproximadamente 91%, de 2008 a 2009 ocorreu um aumento de 35% e de 2009 a 2010 de 13%, revela má administração durante os períodos de elevação de Ativo Circulante Operacional e de Passivo Circulante Operacional, a empresa obteve geração operacional de caixa em todos os períodos, para suprir o período de autofinanciamento (ciclo de caixa). Em função de sua capacidade de gerar recursos produziu caixa suficiente para amortizar suas dívidas bancárias de curto prazo em todos os períodos estudados e para financiar seus investimentos líquidos realizados Análise da Gestão de Caixa da FERBASA S/A Tabela 07: Necessidade de Capital de Giro (FERBASA) Tabela 08: superávit ou déficit de caixa (FERBASA) Tabela 09: Resultados dos indicadores de Gestão de Caixa da FERBASA

11 A Ferbasa obteve lucro líquido em todos os períodos estudados e apresentou geração bruta de caixa suficiente para cobrir suas Necessidades de Capital de Giro. Verifica-se uma queda na Necessidade de Capital de Giro durante os períodos de 2007 (-14%) e 2009 (-5%), revelando uma boa administração de Ativo Circulante Operacional e Passivo Circulante Operacional durante os períodos. O mesmo não ocorreu nos períodos restantes (2008 e 2010). Em função de sua capacidade em gerar recursos com suas operações a empresa produziu caixa suficiente para amortizar suas dívidas bancárias de curto prazo, que surgem a partir de 2009, e financiar suas atividades de investimentos. Verifica-se que todas as atividades de investimento e operacionais são financiadas com empréstimos obtidos no longo prazo. A estratégia da empresa foi utilizar a geração operacional de caixa para amortizar suas dívidas de curto prazo e para financiar os investimentos que cresceram acentuadamente durante os períodos estudados, tendo um aumento de 141% de 2007 a 2008 e de 63% de 2009 a Resultante disso não sobraram recursos para amortizar seus financiamentos de longo prazo no ano de 2010, o que não ocorreu nos anos anteriores, sendo os mesmos desnecessários, pois provocaram excedentes desnecessários de caixa Análise da Empresa CSN S/A. Tabela 10: Necessidade de Capital de Giro (CSN) Tabela 11: superávit ou déficit de caixa (CSN) Tabela 12: Resultados dos indicadores de Gestão de Caixa da CSN

12 A CSN apresentou lucro líquido em todos os períodos estudados e apresentou geração bruta de caixa, porém a geração líquida de caixa foi negativa no período de Apesar da Necessidade de Capital de Giro ter reduzido em 9% durante o período de 2007 para 2008, o mesmo não ocorreu nos períodos subseqüentes, resultando em uma elevação em 108% em 2008, 25% em 2009 e de 35% em 2010, significando uma má administração de Ativo Circulante Operacional e de Passivo Circulante Operacional. Em função de sua capacidade de geração de recursos, produziu caixa suficiente para cobrir suas Necessidades de Capital de Giro e suficientes para amortizar suas dívidas bancárias de curto prazo, com exceção do período de 2009, em que a empresa não gerou caixa e teve que recorrer a capital de terceiros para financiar suas atividades de investimentos e operacionais de caixa. Durante este período (2009), verifica-se que a empresa teve problemas de capital de giro. Verifica-se que a estratégia da empresa, foi utilizar a geração operacional de caixa para uma ligeira redução das dívidas bancárias de curto prazo e para financiar seus investimentos. O que não ocorreu no ano de 2009, em que a empresa não gerou caixa e teve que financiar suas atividades com dívidas de longo prazo. A mesmas se elevaram em 91% de 2007 para 2008 e em 5% de 2009 para Apesar de ter ocorrido uma redução das dívidas de longo prazo no ano de 2009, não sobraram recursos suficientes, durante todos os períodos estudados, para pagamento das dívidas de longo prazo. Pelo contrário, observa-se uma elevação desse endividamento como exposto acima, não sendo suficientes para cobrir suas atividades operacionais no período de 2009, provocando excedentes de caixa durante os períodos de 2007, 2008 e CONSIDERAÇÕES FINAIS A proposta deste estudo foi analisar os fluxos de caixa de quatro grandes empresas do setor de Siderurgia, segundo a BOVESPA, são empresas classificadas em nível 1 de governança corporativa: FERBASA, GERDAU S.A., USIMINAS e CSN, esta última embora não esteja classificada pela BOVESPA em nível 1 de governança corporativa, foi incluída nesta pesquisa devido a sua importância econômica e social para região. Através da Demonstração do Fluxo Líquido de Caixa das empresas, pode-se saber se a empresa foi auto-suficiente no financiamento de seu giro e qual sua capacidade de expansão com recursos próprios gerados pelas operações, ou seja, a independência financeira da empresa é posta em cheque. Verificou-se, através dos resultados levantados que em relação a capacidade da empresa em financiar sua Necessidade de Capital de Giro, todas apresentaram superávit de caixa em todos os períodos estudados com exceção da Gerdau no ano de A estratégia comum entre as empresas estudadas foi utilizar a geração operacional de caixa para amortizar suas dívidas de curto prazo e para financiar os investimentos que cresceram acentuadamente durante os períodos estudados. Porém, isso provocou ausência de recursos para pagamento das dívidas de longo

13 prazo, resultando em indicadores negativos e elevação de endividamento a longo prazo com algumas exceções. Identifica-se o ano de 2009, ano da crise externa, como crítico, provocando reflexos na gestão da administração do Ativo Operacional e do Passivo Operacional. A FERBASA destaca-se como a empresa que mais conseguiu amortizar seus financiamentos pelos períodos de 2007 a No ano de 2010 destaca-se a Gerdau. Este estudo não se encerra por aqui, para continuidade do mesmo se propõe a utilização das diversas ferramentas de análise como por exemplo a análise horizontal e vertical para os diversos fluxos estudados. 4. REFERÊNCIAS ASSAF NETO, Alexandre. Finanças Corporativas. 3ª. Ed. São Paulo: Atlas, BRIGHAM, Eugene F., GAPENSKI, Louis C. e EHRHARDT, Michael C. Administração Financeira Teoria e Prática. São Paulo, Atlas, BOVESPA - BOLSA DE VALORES DO ESTADO DE SÃO PAULO, Acervo Histórico de Negociação das Ações das S.A.s Brasileiras negociadas em bolsa: empresas nível 1 de governança corporativa do setor de Siderurgia. Último acesso: 20/01/2012. COELHO, Cláudio Ulysses; LINS, Luiz dos Santos. Teoria da Contabilidade: Abordagem contextual, Histórica e Gerencial. São Paulo: Atlas, COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS, Relatórios da Administração e Demonstrações Financeiras das empresas: CSN, USIMINAS, GERDAU e FERBASA, dos anos de 2007, 2008, 2009 e último acesso 20/01/2012. GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, informações sobre conceito de governança corporativa. último acesso em 20/01/2012. MARTELANC, Roy; PASIN, Rodrigo; CAVALCANTE, Francisco. Avaliação de Empresas: Um guia para fusões & aquisições e private equity. São Paulo: Pearson Prentice Hall, MATARAZZO, Dante C. Análise Financeira de Balanços: abordagem básica e gerencial. 5ª ed.. São Paulo, Atlas, VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 3 ª ed. São Paulo. Atlas, WIKIPEDIA, informações conceituais da empresa CSN e da USIMINAS. último acesso 20/12/2011.

14 ANEXOS: Tabela 13: Dados da GERDAU Tabela 14: Dados da USIMINAS Tabela 16: Dados da FERBASA Tabela 17: Dados da CSN

Apresentação para Investidores. Março, 2009

Apresentação para Investidores. Março, 2009 Apresentação para Investidores Março, 2009 1 Filosofia Gerdau VISÃO Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que

Leia mais

Senhores Acionistas: FATURAMENTO CRESCE 47% E SUPERA A MARCA DOS R$ 4 BILHÕES

Senhores Acionistas: FATURAMENTO CRESCE 47% E SUPERA A MARCA DOS R$ 4 BILHÕES Senhores Acionistas: Após sofrer o impacto causado pela desvalorização da moeda brasileira no início de 1999, a economia do País, de um modo geral, mostrou resultados bastante positivos no encerramento

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas A CSN teve um ano difícil em 2012, com perdas contábeis elevadas em seu investimento na Usiminas, expressiva redução na geração de caixa, aumento

Leia mais

Índices econômico Financeiros

Índices econômico Financeiros Índices econômico Financeiros ADMNISTRAÇÃO Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Objetivos da aula Apresentar a importância de calcular os indicadores financeiros em uma empresa.

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

ENCONTRO ANUAL DO PAEX

ENCONTRO ANUAL DO PAEX ENCONTRO ANUAL DO PAEX Sustentabilidade Financeira para a Competitividade Prof. Haroldo Mota 2007 O CONFORTO DE CURTO PRAZO Empresa Acomodada Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 EBITDA 940 890 820 800 ( ) Var. NCG

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS.

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. Resumo Este artigo faz uma análise de viabilidade econômico-financeira das empresas

Leia mais

Apresentação para Investidores. Novembro de 2014

Apresentação para Investidores. Novembro de 2014 Apresentação para Investidores Novembro de 2014 1 Agenda Diferenciais Gerdau Estratégia Destaques Operacionais e Financeiros Perspectivas Diferenciais Gerdau Mais de 110 anos de atuação no mercado do aço

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

A GOVERNANÇA CORPORATIVA E A REDUÇÃO DO CUSTO DE CAPITAL DAS EMPRESAS DO MERCADO IMOBILIÁRIO O CASO DAS EMPRESAS INCLUÍDAS NO NOVO MERCADO DA BOVESPA

A GOVERNANÇA CORPORATIVA E A REDUÇÃO DO CUSTO DE CAPITAL DAS EMPRESAS DO MERCADO IMOBILIÁRIO O CASO DAS EMPRESAS INCLUÍDAS NO NOVO MERCADO DA BOVESPA A GOVERNANÇA CORPORATIVA E A REDUÇÃO DO CUSTO DE CAPITAL DAS EMPRESAS DO MERCADO IMOBILIÁRIO O CASO DAS EMPRESAS INCLUÍDAS NO NOVO MERCADO DA BOVESPA Marcio Teixeira da Silva (MSc.) Osvaldo Luiz Gonçalves

Leia mais

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas O Bovespa Mais, um dos segmentos especiais de listagem administrados pela BM&FBOVESPA, foi idealizado para tornar o mercado acionário brasileiro

Leia mais

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O Bovespa Mais é um dos segmentos especiais de listagem administrados pela Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBOVESPA)

Leia mais

Porto Alegre, 3 de agosto de 2005 GERDAU S.A. CONSOLIDADO Resultados do 1º Semestre de 2005 Legislação societária brasileira Teleconferências 3 de agosto de 2005 Português: 13h00 Inglês: 15h00 Para participar:

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

USINAS SIDERÚRGICAS DE MINAS GERAIS S.A. USIMINAS 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

USINAS SIDERÚRGICAS DE MINAS GERAIS S.A. USIMINAS 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 USINAS SIDERÚRGICAS DE MINAS GERAIS S.A. USIMINAS 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

GERDAU. 1 o Trim. 2001

GERDAU. 1 o Trim. 2001 GERDAU Informações Relevantes 2 o Trimestre de Senhores Acionistas: O ano de iniciou-se movido pelo bom desempenho econômico brasileiro do ano anterior: forte crescimento industrial, inflação sob controle,

Leia mais

Diretoria Executiva de Desenvolvimento e Fomento de Negócios. Novembro de 2010

Diretoria Executiva de Desenvolvimento e Fomento de Negócios. Novembro de 2010 Governança Corporativa e o desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro Diretoria Executiva de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Novembro de 2010 Representatividade da bolsa no mundo Maior bolsa

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas)

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Resumo Cátia Raquel Felden Bartz 1 Gisele Carolina Padoin 2 Juliana Horbach 3 Diego Antonio Saugo

Leia mais

Agenda. Cenário Atual. Estratégia. Plano de Investimentos. Governança Corporativa / Sustentabilidade

Agenda. Cenário Atual. Estratégia. Plano de Investimentos. Governança Corporativa / Sustentabilidade ExpoMoney 9M09 Agenda Cenário Atual Estratégia Plano de Investimentos Governança Corporativa / Sustentabilidade 2 Cenário Atual 3 A Usiminas é a maior produtora de aços planos da América Latina e a 38

Leia mais

Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais"

Seminário Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais" Marco Geovanne Tobias da Silva 17 de maio de 2005 O que é Governança Corporativa? Conjunto de normas de conduta a serem adotadas por

Leia mais

O Setor de Mineração no contexto do Mercado de Capitais

O Setor de Mineração no contexto do Mercado de Capitais O Setor de Mineração no contexto do Mercado de Capitais Set/2013 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): x CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO PÚBLICO Introdução O setor de mineração

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

Siderurgia no Brasil

Siderurgia no Brasil www.pwc.com.br Siderurgia no Brasil Um panorama do setor siderúrgico brasileiro SICETEL Sindicato Nacional da Indústria de Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos IABR Instituto Aço Brasil 1 Setor de

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais Área: 924.620 km² (cerca de 10% do território nacional); População: 85,1 milhões de habitantes (2014); Estados formadores: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo;

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

INCORPORAÇÃO PAPEL DE TRABALHO DA INCORPORAÇÃO. Subsidiária S.A S.A. Ativos 1.000 370 1370

INCORPORAÇÃO PAPEL DE TRABALHO DA INCORPORAÇÃO. Subsidiária S.A S.A. Ativos 1.000 370 1370 1 INTRODUÇÃO INCORPORAÇÃO A incorporação é um processo no qual uma ou mais sociedades são absorvidas por outra, que lhes sucede em todos os direitos e obrigações. As incorporações de entidades sob controle

Leia mais

A visão do mercado de capitais

A visão do mercado de capitais IFRS Um Caminho Para Transparência Painel 1: Por que o IFRS é importante para o Brasil? A visão do mercado de capitais (30/04/2008) Agenda BOVESPA: visão geral Perfil das companhias listadas em bolsa Segmentos

Leia mais

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL?

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? 8 REVISTA RI Setembro 2013 É o mercado de capitais brasileiro que precisa das pequenas e médias

Leia mais

Competitividade e Desafios da Indústria do Aço

Competitividade e Desafios da Indústria do Aço Competitividade e Desafios da Indústria do Aço Harley Scardoelli 25 de maio de 2014 As economias devem se recuperar de forma gradual ao longo dos próximos anos 6,0 5,0 4,0 3,0 3,2 5,1 3,0 4,7 3,6 4,9 3,9

Leia mais

2º Congresso de Supply Chain e Logística

2º Congresso de Supply Chain e Logística PERFIL INSTITUCIONAL 2015 O aço da Gerdau tem a força da transformação. Perfil 114 anos de história Maior produtora de aços longos das Américas Ações listadas nas Bolsas de São Paulo, Nova York e Madri

Leia mais

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O BOVESPA MAIS é o segmento de listagem do mercado de balcão organizado administrado pela BOVESPA idealizado para tornar

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Cássia Menatto Mebius

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Cássia Menatto Mebius Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Financial Administration CFM Cássia Menatto Mebius ESTUDO DE CASO: Aspectos da Análise fundamentalista versus análise gráfica para uma corretora São

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Divulgação de Resultados Trimestre Findo em 31 de Dezembro de 2006

Divulgação de Resultados Trimestre Findo em 31 de Dezembro de 2006 Divulgação de Resultados Trimestre Findo em 31 de Dezembro de 2006 São Paulo, 07 de fevereiro de 2007 A BrasilAgro (Bovespa: AGRO3) - Companhia Brasileira de Propriedades Agrícolas ( Companhia ) anuncia

Leia mais

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A. Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria²

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A. Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria² REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE ATIVOS - CONCEITO E IMPACTO NA EMPRESA GERDAU S/A Amanda Caroline Diniz Pereira¹, José César de Faria² ¹Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONTRAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ELETRODOMÉSTICO PARA TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO EMPRESARIAL

ANÁLISE DAS DEMONTRAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ELETRODOMÉSTICO PARA TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO EMPRESARIAL ANÁLISE DAS DEMONTRAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ELETRODOMÉSTICO PARA TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO EMPRESARIAL Linha de Pesquisa: Gestão Empresarial Evânio Carvalho Cruz Univás -Pouso Alegre/MG

Leia mais

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12 São Paulo, 15 de agosto de 2012 - A Inbrands S.A. ( Inbrands ou Companhia ), uma empresa de consolidação e gestão de marcas de lifestyle e moda premium do Brasil, anuncia hoje os resultados do segundo

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A CONTABILIDADE AMBIENTAL: Uma Análise dos Indicadores Financeiros de Empresas participantes do Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&F BOVESPA. Rubiana Bezerra

Leia mais

Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados Unidade 6 Hebert Sá 90 Sumário Introdução... 92 Objetivos... 93 Estrutura da Unidade... 93 Unidade 6: Tópico 1: Integração entre DRE e Balanço Patrimonial...

Leia mais

Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1

Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1 245 Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1 UMINO, Cássia Akiko 2 ALCANTARA NETTO, Dimas de Barros 3 Introdução O presente texto tem como objetivo tratar do trabalho

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO FLEURIET DE ANÁLISE DINÂMICA DO CAPITAL DE GIRO NA EMPRESA MAKRO ATACADISTA S.A.

APLICAÇÃO DO MODELO FLEURIET DE ANÁLISE DINÂMICA DO CAPITAL DE GIRO NA EMPRESA MAKRO ATACADISTA S.A. APLICAÇÃO DO MODELO FLEURIET DE ANÁLISE DINÂMICA DO CAPITAL DE GIRO NA EMPRESA MAKRO ATACADISTA S.A. APPLICATION OF FLEURIET DYNAMIC ANALYSIS OF WORKING CAPITAL IN THE COMPANY MAKRO S.A. WHOLESALER S.A.

Leia mais

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL FACT SHEET 1T13 PERFIL DA COMPANHIA Fundado em 1928, o Banrisul é um banco múltiplo: comercial, de desenvolvimento e social, controlado pelo Estado do Rio Grande do Sul. A proximidade com o setor público

Leia mais

TRX SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

TRX SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS TRX SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de

Leia mais

Governança Corporativa Pequena e Média Empresa IBGC e ACRJ

Governança Corporativa Pequena e Média Empresa IBGC e ACRJ Governança Corporativa Pequena e Média Empresa IBGC e ACRJ Patrícia Pellini Superintendência de Regulação e Orientação a Emissores 23/9/2014 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 AGENDA

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

Mellon FAMA Private Equity I Fundo de Investimento em Quotas de Fundos de Investimento Multimercado

Mellon FAMA Private Equity I Fundo de Investimento em Quotas de Fundos de Investimento Multimercado Mellon FAMA Private Equity I Fundo de Investimento em Quotas de Fundos de Investimento Multimercado Março 2008 Private Equity A Oportunidade Diversificação Acessível ao Varejo O Mellon FAMA Private Equity

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS

INDICADORES FINANCEIROS Relatório 2014 Um Olhar para o Futuro DESEMPENHO ECONÔMICO ECONÔMICA www.fibria.com.br/r2014/desempenho-economico/ 126 INDICADORES FINANCEIROS A Fibria encerrou 2014 com lucro líquido de R$ 163 milhões,

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

MARISA LOJAS S.A. EXERCÍCIO DE 2014

MARISA LOJAS S.A. EXERCÍCIO DE 2014 MARISA LOJAS S.A. 3ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 AVISO Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

SISTEMA DUPONT: UMA ANÁLISE DE EMPRESAS QUE MIGRARAM PARA OS NÍVEIS DIFERENCIADOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BOVESPA

SISTEMA DUPONT: UMA ANÁLISE DE EMPRESAS QUE MIGRARAM PARA OS NÍVEIS DIFERENCIADOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BOVESPA SISTEMA DUPONT: UMA ANÁLISE DE EMPRESAS QUE MIGRARAM PARA OS NÍVEIS DIFERENCIADOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BOVESPA RESUMO O presente estudo trata em analisar pelo Sistema DuPont os indicadores de rentabilidade

Leia mais

Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011. Relações com Investidores

Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011. Relações com Investidores Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011 Relações com Investidores A Tenaris Sobre a Tenaris Líder global na produção de tubos de aço e serviços para a indústria energética, automotiva e aplicações

Leia mais

5.4 Balanço Patrimonial

5.4 Balanço Patrimonial IV - Quociente Financeiro de Execução Os números demonstram, nos três períodos, superávit orçamentário e financeiro, considerando-se também para as despesas em regime de caixa. V - Saldos Financeiros Os

Leia mais

COMPRA. Relatório de Acompanhamento Gerdau S.A.

COMPRA. Relatório de Acompanhamento Gerdau S.A. A Companhia 24/02/2011 COMPRA Código em Bolsa GGBR4 Setor de Atuação Siderúrgia Porte da Empresa Bluechip Cotação Atual R$ 22,46 Preço Alvo R$ 44,55 Potencial de Valorização 98,37% Preço/Lucro (L09) 30,36

Leia mais

BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA

BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA Sandro Vieira Soares UFSC José Meirelles Neto UFSC Gustavo Rugoni de Sousa UFSC Elisete

Leia mais

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I.

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 3 COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS Autor: Francisco Cavalcante Circular para: CAVALCANTE& ASSOCIADOS AOS NOSSOS LEITORES Up-To-Date

Leia mais

Companhia de Gás de São Paulo

Companhia de Gás de São Paulo Companhia de Gás de São Paulo Autora:Tatiana Helena Marques Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Mello Mestre em Administração de Empresas Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução:

Leia mais

DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA

DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade Financeira/Faculdade Machado Sobrinho João Paulo de Brito

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Net Serviços de Comunicação S.A Apresentação Expomoney

Net Serviços de Comunicação S.A Apresentação Expomoney Net Serviços de Comunicação S.A Apresentação Expomoney Considerações Futuras Eventuais declarações que possam ser feitas durante essa apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 Agenda Introdução Demandas do mercado de capitais Governança corporativa Governança corporativa no

Leia mais

EXPOMONEY 2007. São Paulo, 28 de setembro de 2007

EXPOMONEY 2007. São Paulo, 28 de setembro de 2007 EXPOMONEY 2007 São Paulo, 28 de setembro de 2007 Afirmações sobre o Futuro Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

ENERGISA S.A. EXERCÍCIO DE 2013

ENERGISA S.A. EXERCÍCIO DE 2013 ENERGISA S.A. 3ª. EMISSÃO sendo a 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

Financeirização da educação superior no Brasil

Financeirização da educação superior no Brasil CONTEE SÃO PAULO 22 de setembro de 2015 Seminário Internacional: Os diferentes modos de privatização da educação no mundo e as estratégias globais e locais de enfrentamento Financeirização da educação

Leia mais

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Por Oscar Malvessi Artigo publicado na revista Mercado de Capitais, ABAMEC-SP, ano IX, nº 81, em 03/2000. Por que, em duas empresas que apresentam lucro

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

Ao completar 60 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 2007 com 140 mil acionistas

Ao completar 60 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 2007 com 140 mil acionistas RELATÓRIO ANUAL GERDAU 27 55 Ao completar 6 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 27 com 14 mil acionistas O Grupo Gerdau tem proporcionado aos seus 14 mil acionistas rentabilidade com

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

RESULTADO OPERACIONAL RECORDE EM 2002

RESULTADO OPERACIONAL RECORDE EM 2002 Para mais informações, contatar: Luciana Paulo Ferreira CSN - Relações com Investidores 1 2586 1442 luferreira@csn.com.br www.csn.com.br RESULTADO OPERACIONAL RECORDE EM 20 (Rio de Janeiro, Brasil, 26

Leia mais

Apresentação para Investidores. Junho, 2008

Apresentação para Investidores. Junho, 2008 Apresentação para Investidores Junho, 2008 1 Evolução da Produção Produção de Aço Bruto Em milhões de toneladas Crescimento nos últimos 10 anos: + 68% China: + 349% Estimado 2007-2012: +29,8% Crescimento

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

Disclaimer. Advertências

Disclaimer. Advertências Disclaimer Advertências O investimento em ativos financeiros envolve riscos sobre os quais o investidor deve buscar informar-se lendo a documentação obrigatória referente a cada ativo. Fundos de investimento

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Estrutura Legal. dos fundos de Private Equity e Venture Capital no Brasil

Estrutura Legal. dos fundos de Private Equity e Venture Capital no Brasil Estrutura Legal dos fundos de Private Equity e Venture Capital no Brasil Publicação: Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP) Edição: Março 2015 Coordenação: Ângela Ximenes Superintendente

Leia mais

Palavras - chave: Capital de giro, pequena empresa, rentabilidade.

Palavras - chave: Capital de giro, pequena empresa, rentabilidade. A gestão do capital de giro nas pequenas empresas no segmento de cosméticos varejista em Divinópolis: Dificuldades e influência na rentabilidade. Claudinei Oliveira Laurindo 1 Kátia Ferreira de Araújo

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 5: Os investidores o Quem são os investidores o Como o investidor decide o Métodos de Avaliação o Relações pós-abertura de capital

Leia mais