O IMPACTO DA ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES NA GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O IMPACTO DA ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES NA GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS"

Transcrição

1 O IMPACTO DA ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES NA GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS Vanessa Ferreira Gomes de Sá 1 Marta Alves de Souza 2 Helder Rodrigues da Costa 3 RESUMO Este artigo vem explorar a importância da gestão de estoque na estrutura dos custos logísticos, e mostrar como sua gestão eficaz pode impactar significativamente nos custos e na liquidez de uma organização, o que é vital para a saúde financeira da mesma. Mediante levantamento bibliográfico e pesquisa descritiva acerca de um estudo de caso em uma indústria de papel, foi apurado que a programação de materiais, definição de sistemas de controle e monitoramento de desempenho dos estoques contribuem fortemente para redução e melhor administração dos custos logísticos de uma organização. Além do ganho financeiro obtido com a redução do imobilizado, a empresa alcançou um melhor gerenciamento das informações e retomou o caminho para atingir metas estabelecidas pela gestão corporativa. Concluiu que o controle apurado alinhado a uma melhor programação de compras, mensuração de necessidades e maior disponibilidade de capital líquido circulando tornam-se vantagem competitiva frente à concorrência. Palavras-chave: Logística. Custo logístico. Gestão de estoque. Planejamento de materiais. 1 INTRODUÇÃO A logística é a última fronteira para a redução de custos das empresas. Ferramenta vital na definição de estratégias empresariais competitivas, ela visa reestruturar os procedimentos operacionais de forma a capitalizar todos os esforços na conquista do cliente. Suas principais funções passam pelos meios de transportes, manutenção de estoques e processamento de pedidos, com a finalidade de garantir um melhor nível de serviço ao cliente a um custo satisfatório para a empresa. As empresas estão, cada vez mais, buscando garantir a disponibilidade de seus produtos ou serviços ao seu cliente final, com os menores custos e com o menor nível de estoque possível. Então, para que se possa ter a correta definição dos 1 Administradora, pós-graduada em Gestão em Logística pela Faculdade Senac Minas / 2 Mestre em Administração e Planejamento de Sistemas de Informação (PUCCAMP). Sócia Gerente da empresa ZAP Consultoria e Treinamentos / 3 Mestre em Ciências e Técnicas Nucleares (UFMG). Coordenador de curso de Tecnologia da Informação na Faculdade Infórium de Tecnologia /

2 estoques, é necessário considerar dois fatores: quanto menor o estoque menor a necessidade de capital imobilizado em estoques e nunca deve faltar insumos para a produção e produto para venda. Hoje cada vez mais as empresas vêm querendo manter seus estoques em níveis baixos, pois as diversidades crescentes no número de produtos e o elevado custo de capital estocado, torna a posse e a manutenção dos estoques mais onerosos. Com a necessidade das empresas em ter um produto no mercado competitivo as mesmas buscam manter o foco na redução do capital circulante líquido com o objetivo em aumentar o valor econômico adicionado. Desta forma, quando se reduz o nível de estoques, aumenta o dinheiro disponível para a empresa investir em outros negócios, em máquinas e equipamentos, ampliando sua carteira de clientes e, assim, ela consegue aumentar o seu valor econômico no mercado, pois se torna mais lucrativa. Analisando a armazenagem, é possível observar que a administração de estoques impacta fortemente a liquidez e os custos logísticos de uma organização. Isto começa desde o processo de programação da compra dos insumos. Onde deve haver a preocupação em estabelecer regras para que as compras sejam efetuadas ao menor custo possível, observando os custos de se pedir, custo de manter estoque e o custo do produto. Em função da complexidade de suas relações e do número de variáveis e dados optou-se por realizar levantamento de dados bibliográficos e de um estudo de caso sobre as ações de gerenciamento de estoque de insumos em uma indústria papeleira. Como a gestão eficaz de estoque pode colaborar para uma melhor administração de custos? A criação de Grupos de Melhoria Contínua (GMC) como ferramenta de controle e monitoramento dos estoques mostrou-se eficaz ao ser implantada na indústria em questão. O artigo foi desenvolvido com o objetivo de entender a importância da gestão de estoques na estrutura dos custos logísticos, analisando as necessidades de

3 estocagem, sua relação com a programação de compras, pesquisando ferramentas de monitoramento do desempenho e como este conjunto pode impactar na administração de custos de uma empresa. Pôde-se perceber a importância de se manter a quantidade certa de estoque no momento certo. Premissas básicas descritas por Robles (2001), na gestão logística de estoques. Redução de custos é a palavra chave para que as empresas do novo milênio possam estar em constante competição no mercado globalizado. O controle do estoque e a necessidade de melhor compô-lo, contribui fortemente para alcançar tal objetivo, assim como afirma Ballou (2006, p. 373) as empresas fazem o uso de estoques para melhorar a coordenação entre oferta e procura e igualmente a fim de reduzirem seus custos totais...() a estocagem torna-se, mais do que necessidade, uma conveniência econômica. A gestão eficaz de custos alavanca a competitividade na produção de bens e serviços. Ela traz melhorias de processos, minimização de desperdícios e auxilia a tomada de decisão na manutenção ou expansão do negócio, otimizando resultados. Esta gestão passa pela fabricação, movimentação, armazenagem e distribuição destes bens, abrangendo, portanto, toda a logística das organizações. Além da aquisição e armazenagem, o manuseio e movimentação interna do estoque também têm parcela importante na composição do seu custo. A combinação de fatores que afetam os níveis de estoques é gigantesca, e maior ainda são os impactos sobre a lucratividade e valor da empresa. Estoques mal administrados oneram o capital de giro da empresa, geram baixo nível de serviço aos clientes internos e externos e contribuem diretamente para a queda da lucratividade. Hoje é de suma importância que as empresas contem com estocagem e manuseio de materiais como parte do sistema logístico, pois a demanda não pode ser prevista com exatidão e vários fatores como disponibilidade de transportes podem afetar o abastecimento de insumos, o que prejudicará a produção e consequentemente o atendimento dos clientes.

4 É estimado que os custos da estocagem e atividades de manuseio de materiais absorvem até 20% dos custos de distribuição física da empresa (BALLOU, 2006). Hoje se faz necessário que as empresas façam o controle da estocagem equilibrando a relação entre oferta e procura com vistas na redução destes custos. A guarda dos produtos e seu manuseio constituem as principais funções do sistema de estocagem, as atividades de movimentar e armazenar se repetem criando um sistema de distribuição em um nível micro. A gestão de estoques é competência vital para qualquer empresa, e poderá trazer benefícios inimagináveis. O sucesso de uma boa gestão de estoques dependerá do apoio da alta gestão da empresa, da redução no número de itens comercializados, em ajustes nos leadstimes de fornecedores e na utilização de ferramentas para a gestão, tais como: classificação dos estoques, previsão de demanda, implantação de indicadores de desempenho e planejamento de compras. As informações fornecidas pelo gerenciamento de estoques são cruciais para que a organização consiga efetivar boas compras. E qualquer economia feita nas compras de materiais pode fazer muito para melhorar a lucratividade de uma empresa. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 LOGÍSTICA E ESTOQUES As principais atividades de logística compreendem processamento de pedidos e manutenção de estoques, serviços de clientes, previsão de demanda, comunicações de distribuição, manuseio de materiais e peças, serviços de suporte, escolha de locais para fábrica e armazenagem, embalagem, reciclagem de sucata, tráfego, transportes e estocagem. Ballou (2006) faz este detalhamento dividindo o serviço ao cliente, transportes, processamento de pedido e gestão de estoque como atividades principais e as demais como de suporte.

5 De acordo com Moreira (2002) estoques são bens físicos conservados de forma improdutiva por determinado tempo e pode tratar-se tanto de produtos acabados quanto de matéria-prima e componentes aguardando utilização na produção. Segundo Corrêa; et al (2001, p.49) estoques são acúmulos de recursos materiais entre fases especificas de processo de transformação. Na visão de Ballou (2006) manter certo nível mínimo de estoques torna-se necessário para a empresa. Esta atividade tem a incidência de custo de armazenagem ou manutenção física e custo financeiro do investimento do capital de giro em estoques. Uma das principais atividades da logística, a estocagem tem uma função importante dentro das empresas. Compõe uma parcela dos custos operacionais e a administração eficiente dos níveis de estoque é necessária para a manutenção das atividades fins da empresa sem paradas repentinas. Além disso, o controle do nível de estoques proporciona a melhor decisão de quanto pedir no momento da compra. 2.2 PROGRAMAÇÃO DE COMPRAS Uma gestão eficiente de estoques inicia-se pela correta definição da quantidade a ser adquirida. Sendo necessário que as organizações se utilizem de sistemas de controle e gestão eficazes, que forneçam informações confiáveis sobre os níveis de estoque e permitam assim prever o fluxo de entrada e saída dos materiais. A demanda do consumidor é o ponto de partida para a previsão e provisão das necessidades de estoque. A disponibilidade do fornecedor deve ser considerada para o cálculo do tempo de ressuprimento, pois ele demandará tempo para confeccionar ou adquirir o suprimento e efetivamente entregá-lo. Estas afirmativas são confirmadas por Fleury; Wanke; Figueiredo (2000), que definem como sendo necessária a análise de quatro quesitos básicos para tomar decisões acerca da aquisição de materiais: quanto pedir, em que momento pedir, quanto manter em estoque de segurança e onde localizar. Ainda segundo eles, para

6 um planejamento eficaz, toda a cadeia de suprimentos deve estar envolvida na atividade de obtenção. O processo de obtenção, complementam Gomes; Ribeiro (2004), é que dá início à logística interna e influencia fortemente o nível de serviço ao cliente, definido por ele como o produto da soma de todas as atividades logísticas, desde o abastecimento de insumos e matéria-prima até a distribuição de produtos acabados ao consumidor final. As decisões de compra, portanto, estão intrinsecamente ligadas à gestão dos custos de estoques. O custo de aquisição, assim como todos os custos logísticos, afirma Bertaglia (2003), é fundamental na definição de estratégias de administração de custos das organizações. A área de Planejamento e Controle da Produção (PCP) depende das informações de estoques para delinear a necessidade e capacidade de aquisição. Sendo estas informações cruciais para um bom planejamento de compras, administração de materiais e controle dos custos industriais. Com base no programa de produção, o PCP programa os materiais. São emitidas ordens de compra para que a área de Suprimentos planeje e execute a aquisição. Isto feito, a área de materiais/almoxarifado utiliza-se de requisições para abastecer os diversos setores ligados à produção. Ballou (1993) explica que um bom PCP coordena a movimentação de suprimentos conforme as exigências de operação. Ou seja, provisiona os materiais na especificação, quantidade, local, momento e condição necessários, ao menor custo possível. 2.3 INDICADORES DE DESEMPENHO DE ESTOCAGEM Tecnicamente, a administração de materiais bem aparelhada e administrada é com certeza uma das condições fundamentais para o bom andamento financeiro e econômico de uma empresa (FRANCISCHINI; GURGEL, 2002).

7 Deste modo, este setor é de fundamental importância para a empresa, tornando-se assim uma espécie de peça central de equilíbrio entre os demais setores. Esta posição mostra quanto é necessária para o bom desempenho da mesma. A gestão responsável pelos estoques deve preocupar-se em manter e diminuir seus custos. Estando entre os principais: a) Custo do item - custo unitário; b) Custo do pedido é o valor gasto para encomenda de um produto; c) Custo unitário de manutenção - inerente à necessidade de manter determinado produto no estoque por certo tempo. d) Custo de falta de estoque - é a consequência da falta de determinado produto em estoque. A acurácia de estoque, relação entre quantidade física e quantidade registrada nos controles (BERTAGLIA, 2003), configura importantes vantagens para a organização. Uma vez que garante ao cliente um nível de serviço adequado, à produção a matéria prima no momento necessário, ajuda na determinação do ponto de ressuprimento, eliminando excessos e controlando a obsolescência. Tendo informações corretas dos estoques, a análise financeira pode ser feita com maior eficiência e o custo melhor mensurado. A matriz de qualidade baseada na programação de materiais, ilustrada no quadro a seguir, traz indicadores importantes que auxiliam a gestão das informações e desempenho das atividades:

8 Quadro 1 Matriz de qualidade da programação de materiais. Fonte: indicadores adaptados de Picchi (1993, p. 353) e Oliveira et al. (1995, p.72) Da matriz acima, percebe-se que o Nível Médio de Estoque (NME) e o Giro de Estoque (GE) têm papéis significativos na mensuração do desempenho da programação de compras, pelas razões expostas a seguir: O NME elevado pode ser traduzido pela ineficiência da programação de materiais: no intuito de assegurar o fornecimento de materiais, o programador estabelece prazos mais longos de aquisição de materiais, e, por conseguinte, lotes maiores, o que determina um NME elevado (MACHLINE; et al., 1986). Ainda de acordo com MACHLINE (1986), o GE é definido pelo produto da divisão do consumo pelo estoque médio. Depreende-se de tal equação que NME elevado e um consumo reduzido, revelam, na programação de materiais, prazos e quantidades programadas elevadas, superiores, portanto, ao fluxo requerido de materiais. As duas situações acima são praticadas para permitir um estoque de segurança, perante situações imprevistas, todavia, as mesmas podem ser identificadas por falha de programação de materiais. A matriz do quadro 1 não assegura uma plena avaliação do desempenho da programação dos estoques. Outros indicadores podem contribuir para a avaliação, tais como: os custos da qualidade, decorrentes das falhas da programação de

9 materiais (retrabalhos, esperas, nível de relacionamento com os fornecedores); acuracidade dos inventários e eficácia no abastecimento. 3 METODOLOGIA O método qualitativo foi adotado no desenvolvimento desta pesquisa, que é classificada como descritiva, tendo sido utilizado um estudo de caso de um projeto de redução de estoques e programação de compras, realizado em uma indústria papeleira, na unidade situada na cidade de Governador Valadares, estado de Minas Gerais. Foi realizado um levantamento de dados bibliográficos com o objetivo de entender a gestão de estoques e de que maneira ela pode influenciar na administração dos custos logísticos de uma organização. Esta ferramenta possibilitou conhecer as características da gestão logística de estoques, da programação de compras, os métodos de custeio de estocagem e as ferramentas de monitoramento de desempenho. Somado a este, levantou-se os resultados obtidos no projeto desenvolvido naquela empresa, que tinha como objetivo a redução de estoques com base na programação de materiais da indústria supracitada, aqui denominada ficticiamente como Indústria de Papel Higiênica S/A. O conteúdo do trabalho realizado naquela organização, bem como as análises, interpretações e inter-relações com o referencial teórico pesquisado neste artigo serão descritos na apresentação, análise e discussão dos resultados. 4 APRESENTAÇÃO, ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS A Fábrica de Papel Higiênica S/A está no mercado a 72 anos e tem como principal atividade a produção de papéis higiênicos e descartáveis, para uso residencial e industrial e outros papéis especiais para mercados específicos. Com o objetivo constante de inovar nos produtos e melhorar seus processos, investe em equipamentos de produção, pesquisa, sistemas de informação, capacitação de pessoas e otimização da cadeia logística. Possui quatro unidades fabris, com uma

10 produção de papel que ultrapassa 200 mil toneladas/ano. O que a coloca no patamar das quinze maiores empresas do setor no mundo em capacidade produtiva. A Higiênica S/A prima pelo respeito ao consumidor e ao meio ambiente, com a preocupação constante de reduzir os impactos ambientais, através da inovação tecnológica e acompanhamento das mudanças no setor, buscando estabelecer sólidas parcerias para melhoria e expansão dos negócios. Para alcançar a excelência nos processos, a filial da organização na cidade de Governador Valadares-MG criou um grupo entre seus funcionários onde são realizadas pesquisas com este fim. Este Grupo de Melhoria contínua (GMC), como é denominado, descobriu através de relatórios do sistema de gestão e de pesquisas em campo que o estoque de insumos, matéria-prima e itens de manutenção encontrava-se com um nível médio muito elevado ou fora dos padrões desejados pela companhia. Sabe-se que estoques em níveis inadequados comprometem os custos logísticos de uma empresa. O custo, por exemplo, da oportunidade perdida de investir em outros negócios, em melhorias e expansão do próprio pode ser alto e irreversível. A imobilização excessiva de capital na forma de estoques reduz o capital circulante líquido, o que pode configurar-se em prejuízo. A empresa identificou itens em seu almoxarifado que não giravam há mais de dois anos. Também verificou que o giro dos insumos químicos e embalagens destoavam das metas estabelecidas pela gestão corporativa e da necessidade real. A partir destes levantamentos sobre o GMC da Higiênica S/A começou a estudar formas de reduzir os estoques, o desperdício e melhorar o sistema de acompanhamento da utilização dos materiais, conforme o planejamento da produção. Buscando conhecer melhor a demanda de itens consumidos no processo produtivo. Desenvolveu-se então o Planejamento de Compras e Redução de Estoques. Um projeto que visava não só a melhoria dos processos, como também a redução de custos e conseqüente aumento da receita líquida da organização. O projeto baseou-se principalmente na criação de parâmetros para a programação de compra e manutenção de informações acerca dos insumos de matéria-prima e

11 itens/ equipamentos de manutenção. Onde se pretendia estabelecer as reais quantidades necessárias dos materiais, conforme o planejamento de produção. Evitando assim custos excessivos com itens parados sem girar no estoque e compras além do necessário. Foram desenvolvidas as normas e parâmetros: controle de giro de estoque, onde para o cumprimento das metas estabelecidas foi definido a realização de requisições diárias dos itens consumidos, feitas no sistema informatizado da empresa, controle em planilhas eletrônicas do recebimento e programação dos insumos e controle do estoque de insumos; controle de itens com saldo zero, normatizando a geração de relatórios três vezes por semana de ordens de compras confirmadas e não confirmadas, onde os itens com data de entrega em atraso deveriam ser cobrados dos respectivos fornecedores, e levantamento de itens zerados por grupo, realizados também três vezes por semana, onde seriam verificados os saldos de ordens e pedidos e a estrutura de cadastro para aplicar a tratativa necessária; controle de Itens paralisados, através de levantamento e acompanhamento dos itens que estão sem movimentação há mais de dois anos, onde estes seriam encaminhados à manutenção e outras unidades fabris por transferência; controle de itens obsoletos, onde os itens sem movimentação não usados em outras unidades seriam tornados obsoletos com o consentimento do setor responsável pelo material e posteriormente serão retirados de estoque; controle de itens críticos, com levantamento de itens críticos, também realizado três vezes por semana para que estes não faltem no almoxarifado; controle de atendimento de requisição, realizando em cada fechamento de mês um levantamento e análise da quantidade de requisições solicitadas e atendidas e por fim um controle de Inventário rotativo, realizando mensalmente inventários rotativos por grupo de itens para garantir a segurança do estoque, requisitando ou devolvendo ao sistema as divergências encontradas, garantindo o controle de ordem automática no almoxarifado. O projeto implantado e acompanhado mensalmente demonstrou resultados significativos, que vêm corroborar com a pesquisa bibliográfica desenvolvida neste artigo. Em cerca de seis meses, pôde-se observar mudanças substanciais com a tratativa dada aos estoques mencionados acima.

12 As principais mudanças ficaram a cargo da redução expressiva dos valores imobilizados em estoque. Na tabela1 abaixo, têm-se os grupos de estoques de 01 a 05 que contemplam as fibras, químicos e embalagens: Tabela 1 Redução de estoque: grupo de produtos 01 a 05. REDUÇÃO DE ESTOQUE (R$) Grupo de produtos 01 a 05 mai/09 jun/09 Diferença % Gr , , ,83 84% Gr , ,02 ( ,41) -499% Gr , , ,70 44% Gr , , ,62 16% Gr , , ,31 14% , , ,05 48% Fonte: GMC Higiênica S/A Governador Valadares No grupo 01, composto pelos estoques de fibras, vê-se que houve uma redução de mais de um milhão de reais. No somatório dos cinco grupos, que são compostos dos insumos de maior importância no processo e maior valor monetário, a redução em termos percentuais foi de 48%. Isto significa mais de um milhão de reais que deixaram de ser mantidos imobilizados em estoques sem necessidade. Os grupos de itens de manutenção e vestimentas, 06 a 15, apresentaram reduções menores de valores imobilizados no somatório geral. Foram vinte e sete mil, cento e dezoito reais e seis centavos, cerca de 4% do estoque em valor monetário que a empresa deixou de imobilizar em estoques, conforme ilustrado na tabela 2 a seguir:

13 Tabela 2 Redução de estoque: grupo de produtos 06 a 15 REDUÇÃO DE ESTOQUE (R$) Grupo de produtos 06 a 15 Grupo mai/09 jun/09 Diferença % Gr , , ,48 25% Gr , , ,24 7% Gr , ,32 633,80 13% Gr , ,95 331,71 1% Gr , , ,57 1% Gr , ,79 (760,50) -4% Gr12 85, ,13 (1.198,06) -1408% Gr , , ,62 13% Gr14 51,57 580,51 (528,94) -1026% Gr , ,31 (7.157,86) -68% , , ,06 4% Fonte: GMC Higiênica S/A Governador Valadares Além das mudanças que resultaram na redução dos valores imobilizados em estoque, outra mudança importante foi o alcance de maior gerenciamento das informações acerca do atendimento das requisições de material. Com a implantação da ferramenta de controle de atendimento de requisições, houve um maior nivelamento entre solicitação e atendimento. Pode-se observar no gráfico 1 abaixo que nos meses de janeiro a junho do ano de 2009, foram atendidas quase 100% de todas as requisições de materiais feitas ao almoxarifado da Higiênica S/A: Gráfico 1 Controle de Atendimento de Requisições Fonte: GMC Higiênica S/A Governador Valadares

14 O giro de estoque, consumo dividido pelo nível médio de estoque, teve melhoras. As mais expressivas foram quanto às embalagens (grupo 03) e químicos (grupo 05). É possível observar abaixo no gráfico 2 que as embalagens atingiram e foram ultrapassando gradativamente a meta de giro, que até o mês de março de 2009 estava fixada em 2 vezes. Este resultado levou a empresa a estabelecer uma meta mais agressiva, 4 giros, que já no mês de junho do mesmo ano foi alcançada, como ilustra o referido gráfico: Gráfico 2 Giro de estoque de embalagens Fonte: GMC Higiênica S/A Governador Valadares Os insumos químicos dobraram o seu giro entre janeiro e junho de No início do ano, a meta que era de 3 giros estava longe de ser alcançada. Com a implantação e controle rigoroso da norma de gestão de giro de estoque, as requisições de itens consumidos no processo passaram a ser feitas diariamente no sistema informatizado da empresa, a programação de recebimento de insumos passou a ser revisada diariamente. Estas ações elevaram o giro de químicos de 1,07 para 2,25 vezes, como mostra o gráfico 3 abaixo:

15 Gráfico 3 Giro de estoque de químicos Fonte: GMC Higiênica S/A Governador Valadares Estas mudanças demonstram alinhamento à teoria de Ballou (2006) citado anteriormente, de ser a estocagem um regulador de oferta/demanda, uma conveniência econômica para a redução de custos, pois a redução do capital imobilizado em estoques foi uma iniciativa importante tomada na empresa e que trouxe ganhos expressivos, visto que a economia realizada significou aumento da liquidez corrente da empresa. A relação das decisões de compra com a gestão de custos defendida por Bertaglia (2003) corroboram com a prática aplicada nesta indústria, pois ao reavaliar seu processo de aquisição de materiais, implantar inventários rotativos, utilizando dos controles de itens críticos, parados, obsoletos e outros, a organização alcançou as melhorias desejadas no controle do processo e alavancou as medidas para retomar as metas definidas pelo corporativo. Os controles desenvolvidos no projeto de programação de compras e redução de estoques da Higiênica S/A trabalham como monitores do desempenho no tocante aos estoques e também ao financeiro. O entendimento de que o custo dos estoques e sua correta mensuração estavam diretamente ligados aos custos de produção, de acordo com a metodologia de custeio adotada pela empresa foi percebido com maior clareza pela área de programação de materiais. Uma vez que os insumos, embalagens e itens de manutenção são absorvidos na sua composição de custos.

16 O desenvolvimento deste projeto trouxe ganhos para a organização, pois as informações relativas ao estoque tornaram-se mais confiáveis a partir da criação do Grupo de Melhoria Contínua e de suas contribuições no desenvolvimento das normas e parâmetros para o planejamento e controle dos estoques. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS A gestão eficaz de custos aumenta a competitividade na produção de bens e serviços. Ela traz melhorias de processos, minimização de desperdícios e auxilia a tomada de decisão. Toda a logística das organizações é abrangida por esta gestão. Sendo a gestão dos estoques um dos mais importantes fatores de equilíbrio entre a relação oferta/demanda, e que mostra com mais transparência os ganhos de liquidez que podem ser obtidos através de sua correta administração. O estudo do projeto de redução de estoques e programação de compras realizado na Higiênica S/A através da criação do Grupo de Melhoria Contínua evidenciou que uma boa gestão de custos pode ser alcançada a partir de um melhor planejamento na programação de compras, definido com base no estudo dos níveis de estoque de insumos. A identificação dos grupos de estoque seguida da implantação de indicadores para o seu monitoramento contribuiu para a redução dos ativos nele imobilizados. Haja vista a diminuição expressiva principalmente do capital investido no estoque de fibras. Além do ganho financeiro com a redução do imobilizado, a empresa alcançou um melhor gerenciamento das informações ao desenvolver o controle de atendimento das requisições de material e retomou o caminho para atingir as metas de giro estabelecidas pelo corporativo para cobrir o capital investido. A gestão de estoque exerce papel importante na estrutura dos custos logísticos. O estoque é necessário para que se possa atender no momento e quantidades certas o processo de produção de bens e serviços de uma organização. O alinhamento destas necessidades a uma correta programação de compras permitiu à Indústria de

17 Papel Higiênica S/A a criação e monitoramento de ferramentas de desempenho necessárias à administração desta importante parcela dos custos logísticos da organização. Estas ações não são as únicas possíveis e estão longe de esgotar o assunto. Mas levam ao entendimento de que controle apurado, compra eficiente e maior capital líquido em circulação tornam-se certamente vantagem competitiva frente à concorrência, pois os esforços passam a serem canalizados em novos projetos e desafios. REFERÊNCIAS BALLOU, Ronald H. Logística empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 5.ed. Porto Alegre: Bookman, BALLOU, R.H. Logística Empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição. São Paulo: Atlas, BERTAGLIA, Paulo R.. Logística e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva CORRÊA, Henrique L.; GIANESI, Irineu G. N; CAON, Mauro. Planejamento, programação e controle da produção: MRP ll / ERP: conceitos, uso e implantação. 4. ed. São Paulo: Atlas, FLEURY, Paulo F.; WANKE, Peter; FIGUEIREDO, Kebler F.. Logística empresarial: a perspectiva brasileira. São Paulo: Atlas, FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, Floriano A. Administração de Materiais e do Patrimônio. São Paulo: Pioneira Thomson, GOMES, Carlos F.S.; RIBEIRO, Priscilla C.C.. Gestão da cadeia de suprimentos integrada à tecnologia da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, MACHLINE, Claude et al. Manual de administração da produção. Rio de Janeiro: FGV, v. 2. Cap. 6, p : Planejamento e controle da produção. MOREIRA, Daniel Augusto. Administração da produção e operação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, ROBLES, Léo Tadeu. A prestação de serviços de logística integrada na indústria automobilística no Brasil: em busca de alianças logísticas estratégicas. Tese de Doutorado apresentada na USP. São Paulo, 2001.

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES.

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. Osmar Possamai (UFSC ) osmarpossamai@gmail.com Emerson Cleister Lima Muniz (UFSC ) eng.prod.emerson@gmail.com

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL 1 O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL CARLOS RUVENS COELHO PONTE 1 CARLOS WAGNER CAVALCANTE GOMES 2 RODRIGO VIANA 3 ALINE PINTO DE MACÊDO DA SILVA 4 Resumo: Todas as empresas vêm

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Gestão de estoques de materiais em uma confecção

Gestão de estoques de materiais em uma confecção Gestão de estoques de materiais em uma confecção Wendell Juliano Montanheiro(FAQ) biblioteca@faculdadexvdeagosto.edu.br Luiz Antonio Fernandes (FAQ) biblioteca@faculdadexvdeagosto.edu.br RESUMO O trabalho

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE PRÓ-REITORIA DE ENSINO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE PRÓ-REITORIA DE ENSINO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE PRÓ-REITORIA DE ENSINO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO DE CONTROLE DE ESTOQUES PARA A GESTÃO DE MATERIA PRIMA NA EMPRESA

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO RESUMO

CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO RESUMO 1 CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO Ana Caroline de Souza (Discente do 4º ano do curso de Administração-AEMS) Dayanny Karoliny Pedroso de Oliveira (Discente do 4º ano do curso

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA Amanda Acacia Rodrigues (UNIPAM) amandaacacia.r@gmail.com Andressa Moreira Soares

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Administração de Materiais e Logística II.

Administração de Materiais e Logística II. A Administração de Material corresponde, no seu todo ao planejamento, organização, direção, coordenação e controle de todas as tarefas de aquisição, guarda, controle de aplicação dos materiais destinados

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO.

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE MECÂNICA PARA CAMINHÕES PESADOS

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE MECÂNICA PARA CAMINHÕES PESADOS PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE MECÂNICA PARA CAMINHÕES PESADOS Maurício Pires Coelho 1 Carla Oliveira Nascimento 2 RESUMO Neste estudo procurou-se analisar a gestão

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Introdução Esta unidade tem como foco os custos de estoque. Abordará os vários custos e exercícios de fixação. Custos dos estoques

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso

A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso Carla Pereira Chagas UVV /Faculdade de Guaçuí russo2009@hotmail.com Simone de Souza UVV /Faculdade

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

Definição da Necessidade de Produtos Finais

Definição da Necessidade de Produtos Finais OS SISTEMAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UTILIZADOS COMO VANTAGEM ESTRATÉGICA Lucia Helena de Oliveira 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 2, Antonio Pascoal

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Paulino Botelho (Extensão Esterina Placco) Ensino Técnico Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO

MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO Augusto Cesar Giampietro, Unisalesiano de Lins, e-mail: guto.mkt@gmail.com Bruno Bodoia, Unisalesiano de Lins, e-mail: bruno.bodoia@bertin.com.br Carlos Silva,

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO

O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO ISSN 1984-9354 O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO Área temática: Gestão da Produção Jiceli de Souza Silva jiceli.silva2012@hotmail.com Ana Paula da Silva Farias ana_paula2778@hotmail.com

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Análise dos Controles de Estoque de uma Unidade do Poder Público do Município de Santa Maria-rs

Análise dos Controles de Estoque de uma Unidade do Poder Público do Município de Santa Maria-rs Análise dos Controles de Estoque de uma Unidade do Poder Público do Município de Santa Maria-rs Juliano da Silva Reis juliano_sr90@hotmail.com UNIFRA Juliana Andréa Rüddell Boligon julianaboligon@unifra.br

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais.

Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais. Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais. Quem Somos A MDS soluções é uma prestadora de serviços que procura apoiar

Leia mais

POLÍTICAS PARA O GERENCIAMENTO DE ESTOQUES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO METAL- MECÂNICO DE MÉDIO PORTE

POLÍTICAS PARA O GERENCIAMENTO DE ESTOQUES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO METAL- MECÂNICO DE MÉDIO PORTE POLÍTICAS PARA O GERENCIAMENTO DE ESTOQUES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO METAL- MECÂNICO DE MÉDIO PORTE Taise Dalla Costa (ULBRA) taise.dcosta@hotmail.com Igor Roberto Borges (ULBRA) gfinanceiraead@ulbra.br

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais