DECISÕES DE CUSTOS EM ÉPOCAS DE CRISE: aspectos relevantes em orçamentos de investimentos (CAPEX)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECISÕES DE CUSTOS EM ÉPOCAS DE CRISE: aspectos relevantes em orçamentos de investimentos (CAPEX)"

Transcrição

1 Título da Comunicação: DECISÕES DE CUSTOS EM ÉPOCAS DE CRISE: aspectos relevantes em orçamentos de investimentos (CAPEX) Autor: Luciano Carlos Lauría Brasil Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais PUC Minas Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais ICEG PUC Minas Área temática: A1 Custos em tempos de crise econômica e financeira Palavras-chave: Investimentos, custos e despesas. CAPEX e OPEX. Tomada de decisões. Produzir ou comprar. Análises. Resultados. Metodologia de investigação: M1 Analytical/Modelling

2 DECISÕES DE CUSTOS EM ÉPOCAS DE CRISE: aspectos relevantes em orçamentos de investimentos (CAPEX) Luciano Carlos Lauría Resumo Na atualidade da gestão das empresas, em um ambiente fortemente caracterizado pela restrição de gastos e pela necessidade da realização de investimentos para o objetivo da modernização das operações, visando maior competitividade, é requerida a elaboração de um planejamento acompanhado de análises orçamentárias, envolvendo alternativas para diminuir desembolsos de recursos, de custos e de riscos operacionais, procurando assim assegurar melhor rentabilidade. As duas opções mais comuns para essas análises, conhecidas pelas siglas CAPEX (Capital Expenditure, ou investimento em bens de capital) e OPEX (Operational Expenditure, ou despesas operacionais), são denominações nem sempre bem compreendidas, especialmente considerando aspectos relevantes como os custos envolvidos, internos e externos ao negócio, o alinhamento dos resultados econômicos com os fluxos monetários e com os recursos financeiros, as previsões e análise incrementais, delimitações de capitais, custo de oportunidade, dedutibilidade tributária de gastos e dependências a fornecedores, entre outras questões. A análise comparativa entre as opções permite avaliar os custos e as despesas operacionais, o montante de investimento e dos riscos correspondentes, o retorno dos investimentos e a rentabilidade entre as duas alternativas, bem como viabilizando estudos complementares voltados a projeções para os prazos do ciclo de vida de um projeto e as diversas estimativas perante cenários econômicos de crescimento, estagnação ou recessão. Com a realização de estudos apoiados em planilhas de análise para cada alternativa, adotando técnicas que consideram o valor do dinheiro no tempo, podem-se reduzir as dificuldades nas decisões e facilitar a avaliação entre a opção de 2

3 investimento ou a alternativa da realização de serviços com terceiros ou ainda a otimização das próprias estruturas de funcionamento da empresa, possibilitando assim economia de capital, muito importante em épocas de crise e de restrições de recursos em face da instabilidade nos cenários mundiais. DECISÕES DE CUSTOS EM ÉPOCAS DE CRISE: aspectos relevantes em orçamentos de investimentos (CAPEX) 1. INTRODUÇÃO Uma questão recorrente na atualidade da gestão das empresas, no ambiente de restrição de gastos e de corte orçamentário, é a decisão, sempre muito difícil, da realização de investimentos no ativo imobilizado motivada pela necessidade da modernização das operações e da maior competitividade, em contraponto a alternativa de contratar serviços e/ou alugar equipamentos e instalações, assumindo assim menores riscos operacionais. Por impactar diretamente os custos e os resultados, nem sempre é fácil a tomada de decisões e o exame dos múltiplos aspectos que envolvem a escolha de uma das opções, pois em cada uma existem prós e contras que afetam os custos e a rentabilidade do negócio. Para a construção de uma boa estratégia empresarial, o planejamento que envolve o estudo sobre as aquisições, manutenção e a substituição de ativos fixos são vitais para as organizações, pois além de envolver grandes cifras, são vinculados a investimentos de longo prazo e difíceis de reverter após a decisão tomada. Acrescente-se a isso que, com os movimentos de mercado muito intensos, aliados a processos de fabricação flexíveis e a busca contínua da inovação, vem a exigir muita rapidez no processo decisório em um ambiente de incerteza e de turbulência no sistema econômico mundial. 3

4 Por isso, medir e examinar as alternativas entre investir (CAPEX) ou comprar (OPEX), é de grande relevância na era da informação e da competição, acentuada com a crise financeira que afeta muitos países e empresas, exigindo um procedimento amparado em métodos de análise e um exame bastante rigoroso para subsidiar as análises que envolvem grandes cifras e longos prazos. 2. AS TERMINOLOGIAS CAPEX E OPEX E SUAS PARTICULARIDADES É comum haver dúvidas entre os termos CAPEX e OPEX. Elas são utilizadas na administração das empresas como uma forma de simplificar as duas opções mais recorrentes na gestão orçamentária, a decisão de investir ou não em ativos fixos, que como esclarece Martins (2003, p. 226), a decisão depende, pois, não só da atual estrutura de custos, mas da que existirá após o momento da decisão. CAPEX é a sigla em inglês da expressão Capital Expenditure, que significa investimento em bens de capital e designa o montante de recursos investidos na aquisição ou melhoria de bens (máquinas, equipamentos, instalações, terrenos e demais itens de investimento fixo) de uma determinada empresa, visando as operações. É termo utilizado em análises de investimentos em projetos, como medida de base ao exame do retorno sobre o investimento que será realizado. Esses investimentos podem ser feitos através de aquisição ou desenvolvidos pela própria empresa. OPEX é a sigla em inglês da expressão Operational Expenditure, que significa despesas operacionais e designa o montante de recursos gastos (custos ou despesas) necessários para o funcionamento de uma empresa. Portanto OPEX é o gasto cotidiano (custo ou despesa, conforme a destinação) realizado constantemente para manter tanto o funcionamento 4

5 das atividades do negócio, envolvendo custos com manutenção de equipamentos, custos com empregados, combustíveis, entre outros, além das despesas gerais como as da alçada administrativa, comerciais e tributárias, quanto os gastos para realização dos serviços contratados com terceiros. Por força da dificuldade de obtenção de recursos para investimentos, bem como o cenário competitivo e crises econômicas decorrentes da conjuntura financeira local e mundial, as empresas acabam tendo que optar por OPEX ao invés de CAPEX. Isso é feito através da terceirização ou parcerias com outras empresas em consórcio, bem como o recurso ao aluguel. Nesse aspecto, Bertó e Beulke (2006, p. 252) mencionam que é o contraponto inevitável no gerenciamento de desempenho a comparação dos custos internos da empresa com os custos de serviços externos similares, disponíveis no mercado. Uma vantagem do CAPEX é que o investimento fica inteiramente aplicado nas operações da empresa, que irá depreciá-lo na medida da previsão da sua duração (vida útil esperada do bem). Tem o inconveniente dos encargos financeiros e do custo de oportunidade do capital investido, que pode ser alto e exigir um retorno rápido o que nem sempre é possível. A vantagem da OPEX é a economia do capital, que não é requerido para o investimento, passando a ter-se um custo ou uma despesa, dependendo do uso do gasto respectivamente, se para a fabricação de produtos ou para outras finalidades administrativas e operacionais. Conforme essa classificação (custo ou despesa e o tempo de processamento do produto, estocagem e venda), a OPEX pode trazer a vantagem da dedutibilidade tributária do gasto, em contraponto com o CAPEX, que será depreciado conforme a previsão da vida útil e dedutível conforme as taxas definidas na legislação dos impostos sobre o resultado. 5

6 Os recursos incorridos na aquisição de bens (CAPEX) ficam então inseridos no patrimônio das empresas (ATIVO) e os recursos gastos no custeio (OPEX) são reconhecidos no resultado no mês na competência do gasto. E nessa linha de raciocínio, Groppelli e Nikbakht (2001, p. 120), esclarecem que uma empresa pode efetuar dois tipos de gasto: circulante ou capital. Os gastos correntes ou circulantes são de curto prazo e são debitados como despesas no exercício em que ocorrem. Os gastos de capital são de longo prazo e são amortizados (seus valores são gradualmente reduzidos) durante vários anos de acordo com o regulamento da Receita Federal. Na análise do fluxo de caixa, os recursos do CAPEX são tratados como saída de caixa integral quando do período de aquisição (ou formação) e os recursos do OPEX, no período em que forem desembolsados. Como os recursos do CAPEX são geralmente expressivos, o uso das disponibilidades do caixa para atender a esse investimento pode fazer falta para outros desembolsos, inclusive, o de pagamento de dividendos a acionistas. Atkinson, Banker, Kaplan e Young (2000, p. 419), bem como outros autores como Garrison, Noreen e Brewer (2007, p. 502), tratam dessa questão na abordagem da decisão de produzir ou comprar. Nas empresas integradas verticalmente, por exemplo, comentam que cria-se menor dependência de fornecedores e garante-se um fluxo mais contínuo de componentes e materiais à produção, além de acreditar-se em um melhor controle da qualidade produzindo seus próprios componentes e materiais, em lugar da dependência dos padrões de qualidade de fornecedores externos. Já em contraponto a esses aspectos, a terceirização e a subcontratação com outras empresas podem resultar em reduções de custos e atender aos esforços corporativos globais, evitando-se custos diretos e também indiretos, quando se conseguir satisfatoriamente reposicionarem-se os recursos e atividades que são alvo de rateios, mas que quase sempre são inevitáveis ou fixos. Importante é salientar que, em qualquer análise, as estimativas de receitas, de custos e despesas devem ser compostas independentemente das 6

7 atuais, ou seja, são as estimativas incrementais relevantes para o projeto de análise entre CAPEX e OPEX, que impactam não só o fluxo de caixa, mas também trazem grandes influências nos resultados econômicos e no nível de investimentos financeiros do negócio. 3. A ABORDAGEM ECONÔMICA, FINANCEIRA E MONETÁRIA NAS DECISÕES DE INVESTIMENTOS No exame que envolve a decisão entre CAPEX e OPEX, é necessário definir a abordagem utilizada para subsidiar a proposição para o tomador de decisão, evidenciando as vantagens e os ganhos de uma opção perante a outra. Essa abordagem pode compreender um contexto econômico, e/ou financeiro ou ainda monetário, dependendo da extensão da análise e dos resultados. Ao comentarem que os estudos para a realização de um investimento devem considerar as variáveis técnicas, mercadológicas, econômicas e financeiras, Bertó e Beulke (2006, p. 253), informam que quando se fala em custos, em geral, se está vinculando seus temas ao aspecto econômico. E complementam que, no que diz respeito a um estudo de investimento, normalmente se deseja saber qual é o volume necessário de produtos ou serviços que deve ser gerado, e em que tempo, para que o valor investido retorne ou seja recuperado. Provavelmente, o contexto da análise decisorial entre produzir ou comprar deverá abranger todos estes três pontos de vista, pois a melhor decisão é a que leva em consideração os resultados econômicos (a viabilidade econômica), com uma geração adequada de caixa (a utilização de recursos monetários gerados e disponibilizados pelo caixa do projeto/investimento) e a questão das fontes de recursos próprios e de terceiros para o financiamento dos investimentos fixos e de giro para o projeto (a questão financeira). Em geral, a decisão que envolve tanto a aquisição de ativos imobilizados (CAPEX) quanto o de incorrer em maiores despesas e custos 7

8 (OPEX), implica em impactos econômicos (aumento ou redução de lucros), em monetários (geração e necessidade de caixa) e em financeiros (fontes de financiamento e estruturas de capital). Esse composto de análise é bem evidenciado através dos próprios relatórios contábeis de maior utilização para mensuração de viabilidade e de avaliação da geração de riqueza, que são a Demonstração de Resultado do Exercício (DRE), o Balanço Patrimonial (BP) e a Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC), pois de toda forma, qualquer análise que envolver a aquisição de ativos imobilizados ou o assumir de despesas trará impactos nesses três contextos e nesses demonstrativos. 4. ASPECTOS RELEVANTES PARA O EXAME DAS ALTERNATIVAS ENTRE CAPEX E OPEX O foco da gestão das empresas tem migrado da ideia convencional da geração da margem de lucro para o da rentabilidade do capital e da riqueza dos acionistas. Como afirma Assaf Neto (2012, p. 159), ao ponderar sobre as alternativas das empresas no mundo globalizado, torna-se cada vez mais difícil às organizações viabilizar economicamente seus investimentos por meio de decisões direcionadas ao aumento de preços e de participação de mercado, conforme consagradas por longo tempo no passado. E, em paralelo a essas restrições, Assaf Neto complementa que a redução de despesas, tendo como base o corte de valores monetários, outra medida adotada com ampla preferência, não introduz maior vantagem competitiva na nova ordem econômica, em que todas as empresas podem ter acesso e seguir o mesmo receituário de economia de gastos. Para o objetivo de agregar valor ao negócio e gerar riqueza aos acionistas, conclui Assaf Neto (2012, p. 160) que criar valor para uma empresa ultrapassa o objetivo de cobrir os custos explícitos identificados nas vendas, incorporando o entendimento e o cálculo da remuneração dos custos implícitos como o do custo de oportunidade do capital investido. 8

9 Assim, para que uma análise possa ser empreendida e culminar com uma escolha que proporcione maior redução e melhor racionalização dos custos e despesas, permitindo que uma alternativa seja escolhida e recomendada para a tomada de decisão, é necessário que se considere, com base na moderna teoria das finanças e como abordado por Brealey e Myers (1992), Atkinson, Banker, Kaplan e Young (2000), Weston e Brigham (2000), Ross, Werterfield e Jordan (2000), Brigham, Gapenski, Ehrhardt (2001), entre outros, as seguintes questões: da oportunidade da realização do projeto, com ou sem investimento imobilizado; da estimativa das receitas, dos custos e das despesas que envolvem o projeto e dos tributos sobre o resultado; da previsão da duração do investimento e do tempo de análise; da escolha dos métodos de avaliação de investimento; da determinação do custo de oportunidade do capital. Todos esses aspectos precisam merecer especial cuidado nas duas opções, diminuindo a incerteza e desenvolvendo a indicação consistente da melhor alternativa em termos não só de resultados econômicos, mas também financeiros e monetários. 4.1 A oportunidade da realização do projeto Todo e qualquer investimento precisa ser examinado em profundidade, pois requer recursos que podem impactar fortemente os resultados das empresas, que precisam antecipar-se aos concorrentes no atual ambiente competitivo de crise financeira. O leque de probabilidades requer que se examine com profundidade a decisão do investimento, contrapondo-a com a de não investir e realizar o que for necessário através de serviços de (ou com) terceiros. Como característica de um investimento, afirmam Atkinson e outros (2000, p. 523), é um valor monetário dos recursos que uma empresa libera 9

10 na aquisição de um ativo de longo prazo, e assim, torna-se imprescindível um processo focalizado em aspectos relevantes, dentro dos objetivos estratégicos da empresa, visando seu posicionamento competitivo com melhores resultados. Para assegurar maior competitividade, exige-se um exame cuidadoso dos cenários econômicos, das incertezas, das implicações para todos os públicos internos e externos e principalmente das forças competitivas, de modo a avaliar as estratégias e táticas a serem estudadas antes de serem implementadas. Um caminho importante nesse exame é verificar a consistência das informações e dados, competências e habilidades, fundamentadas e conhecidas que impactam (em maior ou menor grau) as previsões, especialmente os custos e o alinhamento dos resultados econômicos e sociais para promover o aumento do valor da empresa no tempo. Alertam Ross e outros (2000, p. 247) que, independentemente de quão cuidadosos formos ao organizar e processar os números, os resultados ainda poderão ser extremamente enganosos e que acontecerá uma má decisão se formos exageradamente otimistas a respeito do futuro, e, consequentemente, nossas previsões de fluxos de caixa não refletirem de maneira realista os fluxos de caixa futuros possíveis. Outro aspecto importante é o exame do conjunto de procedimentos voltados a avaliar, comparar e selecionar projetos, processo esse denominado de orçamento de capital. Nesse aspecto e quanto a disponibilidade do capital para investimento, observam Groppelli e Nikbakht (2001, p. 119) que é um recurso muito limitado, seja na forma de capital de terceiros, seja na de capital próprio. Ao deparar com fontes limitadas de capital, a administração deve decidir com cuidado se um determinado projeto é ou não economicamente aceitável. 4.2 A estimativa das receitas, dos impostos, dos custos e das despesas 10

11 No foco da identificação da melhor alternativa para a realização do projeto, é primordial a estimativa das receitas, dos impostos que oneram as receitas, dos custos para a fabricação de produtos, aquisição de mercadorias ou prestação de serviços, bem como das despesas operacionais, permitindo o exame entre as duas opções, CAPEX ou OPEX, pois o resultado econômico é que assegurará a viabilidade do projeto. E o resultado econômico é a primeira abordagem, por sinal a mais importante, pois como salientado na seção 3, a visão econômica trata da medida da capacidade da geração do lucro, que é decorrente do confronto entre receitas, tributos, custos e despesas. As receitas, os custos, as despesas e os impostos devem ser consideradas cumprindo o princípio da competência do exercício, tendo por objetivo apresentar o resultado econômico a cada exercício. Devem-se separar os gastos operacionais, vinculados a fatos contábeis que tenham relação com as operações continuadas da atividade principal. Os gastos financeiros e receitas financeiras devem ser segregados, para evidenciar-se o resultado operacional antes dessas influências. Na abordagem monetária, em que se estimam os fluxos de caixa, ou seja, o fluxo líquido real de dinheiro, esclarecem Weston e Brigham (2000, p. 561), que é a que se opõem ao lucro líquido contábil que flui para dentro (ou para fora) de uma empresa em um período especificado, e é o passo mais importante, mas também mais difícil, na análise de um projeto de capital. Isso pela razão que muitas variáveis estão relacionadas na estimativa do fluxo de caixa. Explicam ainda Weston e Brigham (2000, p. 562) que um importante elemento na estimativa do fluxo de caixa é a identificação dos fluxos de caixa relevantes, que são definidos como uma série específica de fluxos de caixa que deveria ser considerado na decisão em questão. E para obter o fluxo de caixa líquido, soma-se ao lucro líquido do período o valor da depreciação, item não monetário, pois como salientam Weston e Brigham (2000, p. 563), para a maioria dos projetos, a depreciação é de longe o maior custo não monetário. 11

12 Ross e outros (2000, p. 64) informam que, para calcular o fluxo de caixa operacional, deve-se obter a diferença entre receita menos custos, mas não deve ser incluída a depreciação, pois não é uma saída de caixa, e nem incluir juros, pois são despesas financeiras. Quanto aos impostos, Ross e outros (2000, p. 61) registram que podem representar uma das maiores saídas de caixa da empresa e que a magnitude do pagamento de impostos é determinada pela legislação tributária, um conjunto de normas frequentemente revisto e alterado. Na análise decisorial envolvendo CAPEX e OPEX, como mencionam Garrison e outros (2007, p. 40), cada alternativa possuirá custos e benefícios que precisarão ser comparados aos custos e benefícios das outras alternativas existentes. Essa diferença de custos entre duas alternativas é denominada de custo diferencial ou incremental e a diferença de receitas entre quaisquer das duas alternativas é chamada de receita diferencial. O conhecimento dos custos é essencial, pois são os custos que refletem os recursos que a empresa investe para obter produtos ou mercadorias e/ou prestar serviços a seus clientes. Atkinson e outros (2000, p. 85) chamam a atenção para a importância do custo, pois realizando as mesmas coisas com menos recursos e, portanto, menores custos, significa que a empresa está tornando-se mais eficiente. 4.3 A previsão da duração do investimento e do tempo de análise Os planos econômicos e financeiros de qualquer empresa são elaborados considerando as metas organizacionais, provendo, como mencionado por Ross e outros (2000, p.43) a maximização de lucro, pois este é o objetivo empresarial mais freqüentemente citado. Salientam Atkinson e outros (2000, p. 530), que a maioria dos investimentos provê uma série de rendimentos durante um período 12

13 especificado no futuro, denotando que não há como saber se há vantagem ou não em considerar se um investimento deve ser feito, se não estabelecer um prazo de duração em que o projeto seja examinado como viável. É necessário observar, conforme Bruni e Famá (2011, p. 312) que segundo o custeio do ciclo de vida, o custo de determinado produto ou serviço deveria ser analisado ao longo de sua vida útil e, para isso, podem ser empregadas técnicas de engenharia econômica ou orçamento de capital, devendo ser feita em aquisições de bens cujo aproveitamento econômico ocorra ao longo de uma vida útil relativamente extensa, como a aquisição de itens do ativo imobilizado. Como os investimentos tratam do comprometimento de grandes somas de recursos e são feitos para um grande período de tempo, envolve o elemento de incerteza, como mencionam Figueiredo e Caggiano (1997). Uma vez tomada a decisão, é muito difícil de ser revertida, obrigando a um cuidado primordial quanto ao prazo e ao tempo de duração do projeto de investimento. Ross e outros (2000, p. 61), ao tratarem das duas partes do futuro de análise de investimento, o curto e o longo prazo, esclarecem que essa distinção está relacionada ao fato de que os custos podem ser fixos ou variáveis. A longo prazo, afirmam, todos os custos são variáveis, o que significa dizer que no exame de alternativas de longo prazo, os custos estarão vinculadas a demonstração de resultado como custo da mercadoria vendida e que, de maneira análoga, os custos do período são incorridos durante um determinado período e podem ser divulgados sob os nomes de despesas de venda, gerais e administrativas. 4.4 A escolha dos métodos de avaliação de investimento 13

14 Como o valor de uma empresa depende das decisões gerenciais que envolvem continuadamente a questão da realização de investimentos para assegurar melhor competitividade, tanto em termos de aquisição de bens e equipamentos quanto em termos de melhorias e mudanças em custos e despesas, os gestores procuram conhecer os resultados prevendo o que pode acontecer no futuro e tomando a decisão de fazer, se perceberem, para o prazo determinado, o recebimento de algo mais que o valor investido ou sacrificado. Essa motivação determina a escolha de critérios para avaliação das alternativas. Os critérios mais usados, segundo Figueiredo e Caggiano (1997, p. 91), envolvem o método do período de payback, a taxa contábil de retorno e as técnicas de fluxo de caixa descontado, para os quais existem duas formas principais, o valor presente líquido e a taxa interna de retorno. Afirma Assaf Neto (2003, p. 299) que os métodos quantitativos de análise econômica de investimentos podem ser classificados em dois grandes grupos: os que não levam em conta o valor do dinheiro no tempo e os que consideram essa variação por meio do critério do fluxo de caixa descontado. Em razão do maior rigor conceitual e considerando que as decisões implicam investimentos de longo prazo, conclui Assaf Neto (2003, p. 299) que dá-se atenção preferencial para os métodos que compõem o segundo grupo, portanto, os métodos do valor presente líquido e da taxa interna de retorno, pois levam em consideração os benefícios futuros esperados de caixa, descontados a valor presente mediante uma taxa de desconto que venha a medir e refletir o risco de decisão e da oportunidade do investimento. No exame conclusivo dos métodos de orçamento de capital, entre Valor Presente Líquido VPL (Net Present Value - NPV) e Taxa Interna de Retorno TIR (Internal Rate of Return IRR), Brigham e outros (2001, p. 437) afirmam que o VPL é o que apresenta melhor medida isolada de lucratividade e que a TIR também mede a lucratividade, porém aqui ela é 14

15 expressa como uma taxa de retorno em pontos percentuais, que é a maneira preferida de quem toma as decisões. E concluem que as diferentes medidas proporcionam diferentes tipos de informações para aqueles que tomarão as decisões e que, por serem fáceis de calcular, todas as medidas devem ser levadas em consideração no processo de decisão. 4.5 A determinação do custo de oportunidade do capital O custo de oportunidade do capital é uma medida de referência para a avaliação de remuneração de capital de investimento. Lauria (2008, p.285) explica que o custo de oportunidade representa o quanto de ganho seria atribuído a um investimento, caso fosse feito em outro negócio ou outra aplicação alternativa. Significa que, para merecer atenção do investidor, um projeto de investimento que requer capital precisa trazer uma rentabilidade pelo menos igual ao retorno que teria em alternativa com nível de risco similar. Ross e outros (2000, p. 241) observam que quando pensamos em custos, normalmente imaginamos os custos desembolsados, ou seja, aqueles que exigem realmente que se pague alguma coisa. Mas esclarecem que um custo de oportunidade é ligeiramente diferente; requer que desistamos de um benefício. Pois quando se investem recursos, a alternativa mais valiosa que é sacrificada para se realizar esse investimento obriga a considerar que a sua rentabilidade é a que foi sacrificada para obtenção de outra. A esse sacrifício se denomina custo de oportunidade, que é uma medida a partir de uma renúncia de ganho alternativo, mantendo o mesmo nível de risco do investimento. Segundo Assaf Neto (2012, p. 164), o investimento do acionista revela atratividade econômica somente quando a remuneração oferecida for suficiente para remunerar o custo de oportunidade do capital próprio aplicado no negócio. 15

16 5. ETAPAS E PROCEDIMENTOS PARA A ANÁLISE DE DECISÃO Para ilustrar como adotar um direcionamento para a análise entre a opção do CAPEX e a opção do OPEX, nos termos abordados e com foco nas questões relevantes mencionadas na seção anterior, utilizaremos uma exemplificação desenvolvida em planilha em Excel, tendo por objetivo permitir objetividade de análise e apresentação dos resultados sequenciadamente, acompanhados de explicações a cada passo. Consideremos a elaboração de um orçamento anual com a previsão de receitas totais de R$ 490 mil por ano e custos e despesas totais anuais de R$ 310 mil (não incluídas depreciações). A empresa precisará investir R$ 400 mil em equipamentos e instalações que possibilitarão a fabricação e a receita de venda de produtos. Esses ativos serão integralmente depreciados durante a vida útil de cinco anos desse investimento. Além disso, supõe-se que o custo de remoção do equipamento será aproximadamente igual ao seu valor daqui a cinco anos, ou seja, não terá, essencialmente, qualquer valor de mercado ao final desses anos. O projeto demandará um investimento inicial de R$ 49 mil em capital de giro líquido. A alíquota dos impostos sobre o resultado é estabelecida em 30%. Para essa exemplificação, considera-se que o capital necessário será suportado pelos acionistas, sem obtenção de recursos externos financeiros. A segunda alternativa que envolve a exemplificação em pauta é a contratação de serviços por terceiros, que trará a vantagem da dispensa da aquisição dos equipamentos, mas elevará os custos da operação em R$ 130 mil por ano. Nas etapas sequenciadas a seguir, numeradas de 1 a 4, identificamse os procedimentos para a análise das alternativas objeto da exemplificação. Etapa 1: O primeiro passo é a composição do período de análise, a demonstração de resultados e o fluxo de caixa, em uma planilha em Excel. Com a planilha, será facilitada a realização das simulações e das medidas para 16

17 as avaliações de resultados econômicos, financeiros e monetários perante cada alternativa de escolha, CAPEX ou OPEX (Figura 1) Etapa 2: Para a análise da decisão de investimento (CAPEX), devese considerar os dados orçados do valor do investimento, da necessidade do capital de giro (NCG), das receitas, dos custos e despesas operacionais, da vida útil dos bens ativos resultantes do investimento, obtendo-se o valor do lucro operacional antes da dedução do valor da depreciação (EBITDA 1 ). Na seqüência, após a depreciação, calculando-se o valor do lucro tributável. Com a indicação do percentual dos impostos, obtendo-se o valor do lucro líquido para cada um dos anos de análise, que é também conhecido como NOPAT 2 Nesse momento, obter-se-ão os resultados, tanto econômicos (lucro líquido) quanto monetários (fluxo de caixa do projeto), conforme demonstrado na Figura 1. Figura 1 Resultados econômicos e monetários - CAPEX Em R$ DISCRIMINAÇÃO Ano 0 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 INVESTIMENTO (400) CAPITAL DE GIRO (NCG) (49) RECEITA LÍQUIDA CUSTOS E DESPESAS OPERACIONAIS (310) (310) (310) (310) (310) LUCRO ANTES DOS JUROS, IMPOSTOS E DEPRECIAÇÃO (EBITDA) DEPRECIAÇÃO (Vida útil) 5 (80) (80) (80) (80) (80) LUCRO OPERACIONAL (EBIT) EBITDA, sigla em inglês EARNINGS BEFORE INTEREST, TAXES, DEPRECIATION AND AMORTIZATION, significa ganhos (lucros) antes dos juros, impostos sobre o lucro, depreciação e amortização. Devido a sua simplicidade e rapidez de cálculo, é muito utilizada em análises e decisões com foco na geração bruta de caixa. Corresponde ao caixa gerado pelos ativos utilizados na operação. (ASSAF NETO, 2012, p. 130) 2 NOPAT, sigla em inglês NET OPERATING PROFIT AFTER TAXES, lucro operacional líquido após impostos, é a quantia de lucros que uma empresa geraria caso ela não tivesse dívida nem mantivesse ativos financeiros. (BRIGHAM e outros, 2000, p. 61). 17

18 IMPOSTOS SOBRE LUCRO 30% (30) (30) (30) (30) (30) LUCRO OPERACIONAL LÍQUIDO (NOPAT) Ajustes para o fluxo de caixa: Depreciação Valor residual do investimento - Recuperação do capital de giro 49 FLUXO DE CAIXA (449) DO INVESTIMENTO Pela opção do investimento (CAPEX) e considerando os dados da exemplificação, observa-se que o projeto trará um lucro líquido de R$ 70 mil por ano, ou R$ 350 mil nos cinco anos, após os impostos sobre o resultado, demonstrando que o projeto é viável, sob o ponto de vista econômico, em valores nominais anuais. Sob o ponto de vista monetário, deve-se considerar que aos valores dos lucros econômicos anuais deverão ser incluídas as depreciações anuais (que não são desembolsadas), bem como a recuperação do capital de giro, ao final do período de análise, adicionando-o, uma vez que para fechamento do ciclo de análise, os valores dos investimentos devem ser recuperados até a sua finalização, retornando ao caixa e proporcionando a análise conclusiva sobre a viabilidade desses investimentos, tanto fixos (ativos imobilizados) quando de giro (ativos circulantes). Tomando-se por base a informação da exemplificação, não foi incluído, para esses cálculos, um valor residual do investimento. Observando a última linha da Figura 1, que apresenta os valores ano a ano dos saldos do fluxo de caixa do projeto, verifica-se que, contrapondo-se ao montante da saída de recursos iniciais do projeto (Ano 0) de R$ 449 mil, nos anos seguintes haverá a geração de recursos positivos que somados, resultarão em R$ 799 mil. Significa que, para uma saída inicial de recursos do caixa, de R$ 449 mil, resultará em uma entrada de caixa total de R$ 799 mil nos cinco (5) anos do projeto, demonstrando assim um ganho líquido de R$ 350 mil, confirmando o resultado econômico, disponível ao caixa, após a recuperação dos capitais investidos (giro e imobilizado). 18

19 Etapa 3: Uma vez avaliada a opção do investimento (CAPEX), deve-se analisar a alternativa da contratação de serviços por terceiros e/ou o aluguel de equipamentos (OPEX), com um custo anual, conforme exemplificação, de R$ 130 mil além dos gastos estimados para o projeto. Alterando-se os dados, com a exclusão do investimento e o impacto da majoração nos custos e despesas operacionais, os resultados seriam apresentados conforme Figura 2: Figura 2 Resultados econômicos e monetários - OPEX Em R$ DISCRIMINAÇÃO Ano 0 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 INVESTIMENTO 0 CAPITAL DE GIRO (NCG) (49) RECEITA LÍQUIDA CUSTOS E DESPESAS OPERACIONAIS (440) (440) (440) (440) (440) EBITDA DEPRECIAÇÃO LUCRO OPERACIONAL (EBIT) IMPOSTOS SOBRE LUCRO 30% (15) (15) (15) (15) (15) LUCRO LÍQUIDO (NOPAT) Ajustes para o fluxo de caixa: Depreciação Valor residual do investimento - Recuperação do capital de giro 49 FLUXO DE CAIXA DO PROJETO (49)

20 Verificando-se os resultados dessa alternativa, pela opção de despesas e aumento dos custos operacionais (OPEX) e com os dados da exemplificação, observa-se que o projeto possibilitará um lucro líquido de R$ 175 mil (R$ 35 mil por cada ano), após os impostos sobre o resultado, demonstrando que essa opção também é viável sob o ponto de vista econômico, em valores nominais anuais. Entretanto, essa alternativa apresenta um valor bem menor que o resultado nominal da opção CAPEX, que evidenciou um montante de R$ 350 mil de lucro para os cinco anos de duração do investimento. Pode-se então concluir que, em uma análise superficial e perante os dados do exemplo, a opção CAPEX é melhor que a OPEX, em face dos resultados apresentados em cada um, com prevalência do maior valor pela alternativa CAPEX. Entretanto, a análise em valores históricos nominais (correntes), para um período de análise de longo prazo, traz o inconveniente de não expressar o valor da riqueza absoluta do investimento, como tal um valor presente de um fluxo de resultados econômicos líquidos de caixa estimados para o período futuro no caso do exemplo, de cinco (5) anos. Por essa razão, deve-se utilizar o método do Fluxo de Caixa Descontado (FCD), como mencionado na seção 4.4. Dessa forma, para avaliar se o resultado final é viável economicamente, em valores presentes, utiliza-se uma taxa do custo de oportunidade que venha a medir, ano a ano, o custo do investimento em termos de uma remuneração que torne atrativa ao investidor aportar recursos nesse projeto, mediante a decisão de compra de ativos fixos ou por terceirização. Etapa 4: Procede-se ao recálculo dos resultados após a utilização do custo de oportunidade estabelecido para o projeto, considerando-se que todo o recurso necessário para investimento será aportado pelos sócios investidores, requerendo-se uma taxa de atratividade mínima de 16% ao ano. Com isso, deve-se adicionar na planilha o custo de capital para mensurar, através dos métodos do Valor Presente Líquido e da Taxa Interna de Retorno, os resultados para cada uma das opções, expressos pela riqueza econômica 20

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário.

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário. Viabilidade do Negócio Imobiliário Uma Gestão Consciente Prof. Daniel F. Falcão daniel.falcao@agexconsult.com.br Objetivo Central Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA CAP. b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA A influência do Imposto de renda Do ponto de vista de um indivíduo ou de uma empresa, o que realmente importa, quando de uma Análise de investimentos, é o que se ganha

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA Amanda de Campos Diniz 1, Pedro José Raymundo 2

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

ENTENDENDO OS DIVERSOS CONCEITOS DE LUCRO

ENTENDENDO OS DIVERSOS CONCEITOS DE LUCRO ENTENDENDO OS DIVERSOS CONCEITOS DE LUCRO LAJIDA OU EBITDA LAJIR OU EBIT SEPARAÇÃO DO RESULTADO OPERACIONAL DO FINANCEIRO Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante

Leia mais

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

O que é Custo de Oportunidade?

O que é Custo de Oportunidade? O que é Custo de Oportunidade?! Conceito de custo de oportunidade! Cuidados na utilização do custo de oportunidade! Aplicações do custo de oportunidade Paulo Dragaud Zeppelini Mestre em Controladoria e

Leia mais

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Educação Tutorial Gerenciamento e Administração da Empresa Agrícola Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Felipe

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro

Planejamento e Controle do Lucro Planejamento e Controle do Lucro Prof.ª Dariane R. Fraga Castanheira www.fia.com.br/proced darianer@fia.com.br Prof. Dariane Castanheira 1 Planejamento e Controle Financeiro Objetivo Apresentar os conceitos

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos

Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos 1. Introdução Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos Pode-se definir Investimento como sendo um sacrifício hoje em prol da obtenção de uma série de benefícios futuros. Sob o enfoque das finanças

Leia mais

BREVE ANOTAÇÕES SOBRE O PAYBACK

BREVE ANOTAÇÕES SOBRE O PAYBACK BREVE ANOTAÇÕES SOBRE O PAYBACK! O Payback na análise de investimentos! Quais as limitações do Payback! Quais as vantagens do Payback! Possíveis soluções para utilização adequada do Payback Paulo Dragaud

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23 SUMÁRIO Capítulo 1 Contabilidade gerencial: panorama... 1 O que é contabilidade gerencial?... 2 Planejamento... 3 Controle... 3 Tomada de decisões... 4 Por que a contabilidade gerencial é importante para

Leia mais

ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE. Margem Bruta. VL = Vendas Líquidas (ou Receitas Líquidas ou Faturamento Líquido)

ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE. Margem Bruta. VL = Vendas Líquidas (ou Receitas Líquidas ou Faturamento Líquido) Índices econômico-financeiros sob a ótica de finanças 13 ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE LB = Lucro Bruto Margem Bruta MB = LB Margem Bruta é quanto a empresa tem de lucro após a dedução dos custos da empresa.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA Métodos para Análise de Fluxos de Caixa A análise econômico-financeira e a decisão

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Teste de recuperabilidade Impairment test

Teste de recuperabilidade Impairment test 1 Teste de recuperabilidade Impairment test A informação tem sido considerada o principal insumo para a obtenção de um conhecimento maior acerca das decisões que devem ser tomadas no âmbito das organizações.

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Gestão Empresarial Márlio Lúcio Ribeiro Gomes Coorientador: Prof. Evânio de Carvalho Cruz Universidade do Vale do Sapucaí RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

Programas de Auditoria para Contas do Ativo

Programas de Auditoria para Contas do Ativo Programas de Auditoria para Contas do Ativo ATIVO CIRCULANTE Auditoria Contábil PASSIVO E PATRIMÔMIO LÍQUIDO CIRCULANTE Caixa, Bancos e Aplicações Financeiras Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar

Leia mais

ADMNINISTRAÇÃO FINANCEIRA: a importância de se controlar as finanças de uma empresa.

ADMNINISTRAÇÃO FINANCEIRA: a importância de se controlar as finanças de uma empresa. Helton Vieira ADMNINISTRAÇÃO FINANCEIRA: a importância de se controlar as finanças de uma empresa. Trabalho apresentado ao curso de Administração de Empresas do Centro Universitário Newton Paiva, na disciplina

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA! O que é o EBITDA?! Como construir e analisar o EBITDA na prática? EBITDA! Que adaptações devem ser efetuadas nos DRE s para apresentar o cálculo do EBITDA?

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA Álvaro Gehlen de Leão Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

PARTE ANÁLISE DE INVESTIMENTO

PARTE ANÁLISE DE INVESTIMENTO PARTE V ANÁLISE DE INVESTIMENTO FLUXO DE CAIXA Fluxo de Caixa é uma série de pagamentos ou de recebimentos ao longo de um intervalo de tempo. Entradas (+) Saídas (-) Segundo Samanez (1999), os fluxos de

Leia mais

20/02/2014. Capítulo 22 Capital de Giro. Introdução

20/02/2014. Capítulo 22 Capital de Giro. Introdução Introdução A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades operacionais e financeiras Deve garantir a adequada consecução

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos Análise Econômica 74 6 Análise Econômica 6.1. Fundamentos Os tradicionais métodos de análise econômico-financeira se baseiam em considerações sobre o Fluxo de Caixa Descontado (FCD). Para a análise econômica

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE NCERTEZA E SUA APLICAÇÃO

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Módulo Contabilidade e Finanças PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTRODUÇÃO O objetivo da Administração Financeira é maximizar o patrimônio dos acionistas. A função do administrador financeiro é orientar as decisões de investimentos

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais