A OTIMIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO E SEU REFLEXO NA RENTABILIDADE DAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A OTIMIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO E SEU REFLEXO NA RENTABILIDADE DAS EMPRESAS"

Transcrição

1 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI PEDRO PAULO PERES GARCIA A OTIMIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO E SEU REFLEXO NA RENTABILIDADE DAS EMPRESAS Relatório final CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI Bolsista (PIBIC): PEDRO PAULO PERES GARCIA N FEI: Orientador: Prof. Hong Y. Ching Departamento de administração FEI Colaborador: Prof. Ayrton Novazzi Departamento de matemática FEI São Bernardo do Campo 31/07/2011

2 1 RESUMO Para diferenciaremse no alto nível de competição, algumas empresas têm levado em consideração a otimização do capital de giro como uma vantagem para aumentar o lucro. Esse projeto tem como objetivos: 1) descobrir a relação entre a eficiência da gestão do DCG e a rentabilidade; 2) descobrir se existe diferença na rentabilidade como resultado da eficiência desta gestão de dois grupos distintos, assim como o menor uso do capital e uso intensivo do capital; 3) determinar quais variáveis mais afetam a rentabilidade. Esse projeto tem como problema de pesquisa: A otimização do capital de giro melhora a rentabilidade das empresas? Desde modo algumas hipóteses foram lançadas, como o fato do DCG e Alavancagem financeira estarem negativamente relacionadas com a rentabilidade. Foram utilizadas empresas de capital aberto, 32 empresas no total, separadas em dois grupos, 16 com menor uso do capital e 16 com uso intensivo do capital. Esse estudo abrangeu um período de 5 anos ( ). Foram utilizados dois métodos matemáticos, o de Regressão Múltipla e Anova. Nessa análise encontramos que o PME esta negativamente relacionado com os medidores de rentabilidade, ROS e ROA; e Alavancagem Financeira encontrase negativamente relacionado com o ROA.

3 2 I. OBJETIVOS E HIPÓTESES I. 1 Objetivos Os objetivos dessa pesquisa são: 1. Descobrir a relação entre a eficiência da gestão do capital de giro e a rentabilidade da empresa 2. Descobrir se existe diferença na rentabilidade da empresa como resultado da eficiência na gestão do capital de giro em dois grupos distintos de empresas: as de uso intensivo de capital e as de menor uso de capital. Serão consideradas empresas de capital intensivo, aquelas cujo ativo não circulante represente mais de 50% do ativo total. Empresas típicas são as dos setores de siderurgia, químico e petroquímico. Já as de menor uso de capital serão aquelas empresas com ativo não circulante menor que 50% do ativo total. Empresas típicas são as dos setores de varejo, comércio, calçado e alimentício. 3. Determinar as variáveis de capital de giro que mais afetam a rentabilidade. I. 2 Hipóteses As hipóteses estabelecidas são as seguintes: 1. Dia de capital de giro DCG é negativamente relacionado com a rentabilidade da empresa quanto maior o DCG, menor a rentabilidade e vice versa; 2. Alavancagem Financeira é negativamente relacionada com a rentabilidade da empresa quanto maior a alavancagem, menor a rentabilidade e vice versa;

4 3 II. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA II.1 Capital de giro O significado do termo capital de giro está claro na literatura. Este se refere aos recursos próprios ou de terceiros, necessários para sustentar as atividades operacionais, no diaadia das empresas (Matias, 2007, Ching 2010, Assaf e Silva, 2002, Weston e Brigham, 2000). Não há discordância gritante entre os autores a respeito desse termo, mas sim colocações de forma distinta. Daí a importância de destacar o emprego da expressão capital de giro. Weston e Brigham (2000) referemse ao capital de giro CG, ou capital circulante, simplesmente como ativo circulante, enquanto capital de giro liquido CGL, para eles, é definido como sendo o ativo circulante menos o passivo circulante. O capital de giro representa o valor total dos recursos demandados pela empresa para financiar o seu ciclo operacional. Posição idêntica tem Assaf e Silva (2002), Ching (2010) e Brigham e Ehrhardt (2002). Sinônimo dessa expressão é o capital circulante liquido CCL. Para esses autores, ativo circulante é representado pelas disponibilidades valor a receber e estoques enquanto passivo circulante é identificado como fornecedores, salários e encargos sociais, contas a pagar, além de empréstimos e financiamentos. Bodie et al. apud Aguado (2003) e Helfert apud Aguado (2003) referemse ao capital de giro de maneira abrangente, qualificandoo como o conjunto dos ativos circulantes e exigibilidades de curto prazo, incluindo contas a pagar, salários e empréstimos bancários de curto prazo. Para os autores acima citados, essa definição é a do CGL. Essa definição é, no entanto, minoria na literatura pesquisada. Uma divisão dos grupos patrimoniais do ativo e passivo circulante, e que se mostra bastante didática, é descrita por Matias (2007) e também compartilhada por Brigham e Ehrhardt (2002) e Matarazzo (2003). Eles se dividem em capital de giro operacional e capital de giro financeiro, conforme mostra a figura 1 abaixo.

5 4 Financeiro Ativo circulante Caixa e bancos Aplicações financeiras Passivo circulante Financiamentos e empréstimos Operacional Contas a receber Estoques Fornecedores Contas a pagar Figura 1. Divisão do capital de giro Fonte: Autor O ativo circulante operacional ACO é o investimento que decorre automaticamente das atividades de compra / produção / estocagem / venda, enquanto o passivo circulante operacional PCO é o financiamento, também automático, que decorre dessas atividades. A diferença entre esses investimentos ACO e financiamentos PCO é a quantia que a empresa necessita de capital para financiar o giro, ou seja, a NCG. Portanto NCG = ACO PCO. Em outras palavras, o ativo circulante operacional não pode ser totalmente financiado pelo passivo circulante operacional. A necessidade de capital de giro NCG faz com que a empresa busque recursos externos ao ciclo operacional para financiar o capital de giro. Esses recursos podem advir dos proprietários (via capital de giro próprio) ou de terceiros (instituições financeiras). Antes de partir para falar sobre o capital de giro financeiro, convém explicar o significado do capital de giro próprio. Este é a parcela de recursos próprios que está sendo utilizada no financiamento do capital de giro (ativo circulante). O CGP é dado pela diferença entre o patrimônio líquido PL com o montante composto pelo ativo realizável a longo prazo RLP e o ativo permanente AP. Portanto CGP = PL AP RLP (Matias, 2007 e Matarazzo, 2003). Um conceito importante na gestão do capital de giro financeiro é o saldo de tesouraria ST, que integra a captação e a aplicação de recursos financeiros para o giro, além de envolver as contas financeiras, do ativo e do passivo circulantes. Portanto ST = ativo circulante financeiro passivo circulante financeiro (Matias, 2007). A relação entre CGL, NCG e ST pode ser visto na figura 2 abaixo, adaptada de Matias (2007).

6 5 Ativo circulante () Passivo circulante (=) CGL = A. C.Operacional () P. C. Operacional (=) NGC + A. C.Financeiro () P. C. Financeiro (=) ST Figura 2. Formação do CGL Fonte: Autor A partir destas relações, podese identificar vários tipos de estruturas financeiras. Matias (2007) denomina de estrutura de baixo risco quando a empresa tem um NCG nulo e há excedente financeiro (ST positivo) para financiar o CGL. No outro extremo, a estrutura de alto risco cujo CGL é negativo, as operações não conseguem recursos para se financiar e há necessidade de recursos de bancos para financiar o ativo operacional (ST negativo). II.2 Ciclo operacional, ciclo de caixa, dias de capital de giro e eficiência de conversão de caixa Um dos conceitos fundamentais é o ciclo operacional da empresa, definido pelo montante de tempo desde o ponto que a empresa coloca material e trabalho no processo de produção até o momento em que o dinheiro da venda é arrecadado. Este ciclo é formado por dois componentes: o período médio do estoque (PME) e o período médio de cobrança das vendas ou de recebimento (PMR). Quando esse ciclo se inicia, a empresa compra insumos de produção a crédito. O tempo que leva a empresa a pagar por esses insumos é denominado período médio de pagamento (PMP). Esse fôlego em seus pagamentos é fonte de financiamento para o ciclo operacional. O ciclo financeiro ou ciclo do caixa, por outro lado, focaliza as movimentações de caixa, abrangendo o período entre o momento em que a empresa realiza os pagamentos e o momento em que recebe pelas vendas (Matias, 2007, Matarazzo, 2003 e Ching, 2010). Na figura 3 abaixo, o ciclo operacional é de 90 dias ( ) e o ciclo financeiro de 30 dias (90 60).

7 6 TEMPO EM DIAS Compra de Término da MP e Produção VENDA Início de e Pagamento Produção de Salários (PME) = 25 dias (PMP) = 60 dias Pagamento Recebimento ao das fornecedor Vendas (PMR) = 65 CF Figura 3. Ciclo operacional e ciclo financeiro Fonte: Autor Os cálculos do PMR, PME e PMP são universalmente conhecidos na literatura e suas fórmulas são as seguintes. Prazo médio de recebimento PMR = contas a receber / vendas diárias; prazo médio de estoque PME = estoque / custo das vendas diário e prazo médio de pagamento PMP = contas a pagar / compras diárias (Matias, 2007). Dias de capital de giro, por sua vez, representa um resumo dos dias médios de recebimento, estoque e de pagamento. Seu cálculo é a soma do prazo médio de recebimento, mais o prazo médio de estoque menos prazo médio de pagamento. Por fim, a eficiência de conversão de caixa é calculada como fluxo de caixa das operações dividido pelas vendas (Filbeck et al, 2007). O fluxo de caixa das operações nada mais é do que o NCG, isto é, o ativo circulante operacional menos o passivo circulante operacional. Santi Filho e Oliquevitch (1995) fizeram uma variante dessa formula multiplicando o resultado por 360 dias e denominandoa de ciclo financeiro. Ao invés do resultado ser em percentual, ele sai em numero de dias. Quanto menor esse índice, seja em percentual, seja em numero de dias, melhor para a empresa, pois está sendo mais eficiente na utilização da sua NCG em relação às vendas geradas. II.3 Indicadores de rentabilidade e de endividamento Os três indicadores de rentabilidade e o de endividamento a serem utilizados nessa pesquisa encontram amplo respaldo na literatura nacional e estrangeira, assim sendo

8 7 universalmente conhecidos. O retorno sobre o ativo (do inglês return on asset ROA) estabelece a eficiência dada pela administração ao dinheiro utilizado nas operações da empresa. A gestão de uma empresa é considerada eficaz quando o gerenciamento dos seus ativos gera um retorno adequado a seus investimentos. (Ching et al, 2010). O retorno sobre patrimônio liquido (do inglês return on equity ROE) apura a relação entre os ganhos obtidos pelos acionistas e o investimento que realizaram na empresa (Ching et al, 2010). O retorno sobre vendas (do inglês return on sales ROS) apura a relação entre ganhos e vendas das empresas. O nível de endividamento mostra a relação entre as fontes de divida financeira, representado pela soma da divida de curto prazo e de longo prazo, e o ativo total. Quanto maior esse nível, mais endividada a empresa está (Ching et al, 2010). II. 4 Algumas pesquisas relacionadas Algumas pesquisas relacionadas são apresentadas abaixo, medindo a influência do capital de giro na rentabilidade das empresas, Shin and Soenen (1998) investigaram companhias americanas durante o período de 1975 a 1994 somando um total de observações. As variáveis utilizadas foram rentabilidade, medida pelo ROA (returno on assets) e ROS (return on sales), e ciclo de conversão de caixa. O estudo achou uma forte evidência na relação negativa entre rentabilidade e ciclo de conversão de caixa, significando que quanto menos dias de capital de giro, maior a rentabilidade. O estudo também indicou um positivo impacto nos valores das ações. Lazaridis e Tryfonidis (2006) investigaram a relação que é estatisticamente significante entre rentabilidade, ciclo de conversão de caixa e seus componentes. Eles utilizaram 131 empresas da bolsa de valores de Atenas em um período de As variáveis independentes que foram utilizadas, similares em nosso trabalho, são: Alavancagem financeira, ciclo de conversão de caixa e seus componentes (dias de estoque e dias de recebimento). A variável dependente é rentabilidade medida pelo lucro bruto de vendas. O estudo mostra uma relação negativa entre alavancagem financeira, rentabilidade e ciclo de conversão de caixa. Quando os autores substituíram ciclo de conversão de caixa pelos seus componentes, foi encontrada uma relação negativa entre dias de estoque e dias de recebimento com a rentabilidade. Os autores concluíram que se pode aumentar o lucro com

9 8 uma boa gestão do ciclo de conversão de caixa, deixando seus componentes em um ótimo nível. Resultados similares foram encontrados por Deloof (2003), pesquisa com empresas belgas em um período entre 1992 e Ele encontrou uma relação negativa entre lucro bruto de vendas e dias a receber e dias de estoque. No estudo de Christopher and Kamalavalli (2009) foram objeto de pesquisa 14 hospitais indianos, no período de 1996/97 a 2005/06. As variáveis em comum utilizadas foram dias de estoque, dias a receber e dias de capital de giro. A variável dependente rentabilidade, nesse caso, foi medida pelo ROI (return on investiment). O método quantitativo utilizado foi regressão múltipla. Os autores concluíram que os hospitais deveriam concentrarse em melhorar a eficiência do capital de giro para melhorar a rentabilidade, e, junto a isso, melhorar seu valor no mercado. Ganesan (2007) selecionou uma análise de 349 empresas NorteAmericanas de equipamentos de telecomunicação, abrangendo um período de As variáveis independentes utilizadas foram dias de recebimento, dias de estoque, dias a pagar, dias de capital de giro e ciclo de conversão de caixa. A variável dependente rentabilidade foi calculada por ( entrada divido por ativo total) e ( entrada dividida por vendas). A eficiência da gestão do capital de giro está negativamente associada com rentabilidade, no entanto, há uma evidência que as gestões dos dias a pagar, receber e estoque são pobres, portanto essas variáveis não têm tanto efeito na rentabilidade. A Associação entre rentabilidade e liquidez foi investigada pelo trabalho Eljelly (2004) nas companhias da Arábia Saudita. O ciclo de conversão de caixa mostrou ser mais importante do que o índice de liquidez corrente como medida da liquidez que afeta a rentabilidade. Raherman and Nasr (2007), selecionaram 94 companhias paquistanesas de diferentes setores de economia por um período de 5 anos ( ). Os resultados mostram uma forte evidência de uma associação negativa entre as variáveis do capital de giro e rentabilidade. A explicação para a relação negativa entre contas a pagar e rentabilidade se da pelo fato de empresas com menor rentabilidade demorarem mais para pagar suas contas. Também foi encontrada uma relação negativa entre liquidez e rentabilidade, e ainda o índice de liquidez corrente, o mais importante medidor da

10 9 liquidez, foi utilizado. Eles encontraram uma positiva relação entre Tamanho e rentabilidade. Finalmente acharam que quando aumenta à dívida financeira, rentabilidade diminui. No estudo de Palombini (2010) foi investigado o impacto da gestão do capital de giro sobre a rentabilidade de companhias brasileiras de capital aberto abrangendo um período de 14 anos ( ). A pesquisa se separou em duas etapas. Na primeira o CCC e Dias de Estoque apresentaram uma relação negativa com a rentabilidade, enquanto Dias a receber e Tamanho das empresas apresentaram uma relação positiva. A relação positiva entre Dias a Receber e rentabilidade pode ser explicada pelo fato das empresas lucrarem com os juros impostos no parcelamento das compras. Na segunda etapa Alavancagem Financeira mostrouse negativamente relacionada com a rentabilidade, assim como CCC e Dias de Estoque. Silva e Moraes Júnior (2006), baseados em dados de uma empresa fictícia SSM Móveis para Escritório S/A, com dados de 2005, analisaram o desempenho financeiro com as variáveis ROA e ROE, baseados no ROI (Return on Investment). Os resultados mostram que no primeiro trimestre a empresa mostrou um nível de lucratividade bom (ROA= 16% e ROE= 23%) aparecendo atrativa para o mercado, no entanto, no segundo trimestre os níveis abaixaram e chegaram a 2% e 3% respectivamente, sendo desvalorizada no mercado. Isso mostra que seus gestores devem tomar medidas rápidas para que seus acionistas não se desfaçam de suas ações. Na pesquisa de Chakraborty (2008), que verificou 25 companhias Indianas de farmácia, sendo todas privadas. Não foram encontrados resultados significativos, porém, quando todas as firmas são consolidadas em uma,foi encontrado que quanto maior a rentabilidade das firmas maior a liquidez, e, quanto menos dias de estoque mais rentabilidade. Para ele, Dias a Receber não teve impacto significante. Os estudos acima apresentam algumas semelhanças e diferenças. O termo rentabilidade é medido de formas diferentes pelos autores. Ele pode ser medido por return on investment, return on assets, return on equidity, return on sales, return on capital employed, Profit before interest and Tax margin e lucro bruto de vendas. Embora para maioria dos autores o Ciclo de Conversão de Caixa tem uma relação negativa com os medidores de rentabilidade, para Ganesan (2007) não teve nenhuma associação relevante. Para ele também mostrou que a gestão do capital de giro não tem nenhum impacto na rentabilidade das firmas, já Chakraborty (2008), que não estudou os Dias a Pagar, encontrou que apenas Dias a Receber não têm impacto. Para Deloof (2003) e Raheman e Nasr (2007) as

11 10 variáveis do capital de giro tem relação negativa com a rentabilidade, enquanto para Lazaridis e Tryfonidis (2006) contas a pagar tem um impacto positivo e para Palombini (2010) dias a receber tem um impacto positivo. Chakraborty (2008) encontrou uma relação negativa entre Dias de Estoque e rentabilidade. Não há conflito entre os autores perante Alavancagem Financeira com uma relação negativa. Finalmente a variável Eficiência do Capital de Giro foi utilizada por apenas Ganesan (2007) e não apresentou associação com rentabilidade. Na análise desses estudos foram elaborados alguns objetivos e hipóteses. Os objetivos 1 e 3 aparecem similarmente em outras pesquisas, assim como as hipóteses 1 e 2. Nosso estudo diferenciase por duas maneiras. Primeiro pelo objetivo 2, onde ocorre uma análise do efeito do capital de giro na rentabilidade das empresas de dois grupos distintos; segundo pelo cálculo da rentabilidade utilizando 3 variáveis, ROS, ROA e ROE; Esses estudos fornecem uma base sólida para a compreensão de uma associação da rentabilidade e a gestão do capital de giro e seus componentes. Com base nesses estudos conduzidos em diferentes países, desenvolvemos nossa pesquisa com empresas brasileiras de capital aberto. III. METODOLOGIA UTILIZADA III.1 Seleção das empresas e cálculo das variáveis No início da pesquisa, foram extraídas do site da CVM, Comissão de Valores Mobiliários, demonstrações financeiras, assim como DRE, Ativo e Passivo das empresas brasileiras de capital aberto. No projeto inicial iriam ser selecionadas 40 empresas, sendo 20 de cada grupo, porém no decorrer da pesquisa foi discutido que um número menor (32 empresas) não afetaria os resultados esperados na pesquisa. Portanto foram selecionadas 32 empresas, 16 de cada grupo, uso intensivo e menor uso do capital. Foram consideradas empresas de capital intensivo aquelas cujo ativo não circulante represente mais de 50% do ativo total. As de menor uso de capital são aquelas empresas com ativo não circulante menor que 50% do ativo total. A amostra

12 11 abrangeu um período de 5 anos (2005 a 2009); formando um total de 160 observações. Usaramse Variáveis dependentes e independentes iguais para todas as empresas, e foram foram escolhidas de acordo com estudos previstos relatados na revisão bibliográfica. No projeto, foi proposto dois diferencias em relação aos outros estudos sobre capital de giro. O primeiro grande diferencial foi o cálculo da rentabilidade em três diferentes variáveis dependentes, ROA, ROE e ROS; o outro diferencial proposto foi o estudo das empresas em dois grupos distintos, o do uso intensivo e menor uso do capital. O cálculo das variáveis dependentes: ROS (Lucro de venda liquida) é a razão do (lucro ajustado) e (receita liquida de vendas). ROA (Retorno sobre ativo) é a razão do (lucro ajustado) e a (média do Passivo total dos anos presente e seguinte). ROE (retorno de equivalência) é a razão do (lucro ajustado) e a (média do Patrimônio liquido dos anos presente e seguinte). Lucro ajustado é igual ao (lucro do período) menos os (resultado de equivalência, financeiras, depreciação e amortização) O cálculo das variáveis independentes: CCE (cash flow efficiancy) é à razão do (cash flow from operation) e a (receita bruta de vendas). Cash flow from operation é a soma do (clientes e estoque) menos (fornecedores, impostos, taxas, provisão, salários, ordinárias, aluguel e outros.) Alavancagem financeira (AF) é à razão da (soma dos empréstimos, financiamento e debêntures dos passivos circulante e não circulante) e (passivo total). PMR (prazo médio de recebimento) é a razão de (clientes) e a (receita bruta dividida por 360). PME (prazo médio de estoque) é a razão de (estoques) e a (receita bruta dividida por 360). DCG (dias de capital de giro) é igual à soma do (PMR e PME) menos (PMP). PMP (prazo médio de pagamento) é igual à soma de (fornecedores, impostos, taxas, provisão, salários, ordinárias, aluguel e outros) sobre (receita bruta dividida por 360).

13 12 Um objetivo inicial do estudo era analisar empresas de um mesmo setor, para que exista uma maior comparabilidade entre os resultados, no site da BMF&BOVESPA as empresas estão separadas em seus respectivos setores e subsetores; para nosso estudo essa foi a base setorial das empresas. As empresas foram escolhidas a partir de um critério. As primeiras dezesseis empresas escolhidas tinham como pré requisito o ativo circulante (AC) maior que 50% do ativo total. As outras dezesseis o Ativo Circulante menor que 50% do ativo total. Como já previsto, não foi possível encontrar 16 empresas em um mesmo subsetor ou setor que tinham os prérequisitos solicitados, portanto, para que se completassem as 16 empresas em cada grupo, foram utilizados empresas de outros setores e subsetores, como ilustrado nas tabelas a seguir. Tabela 1 Número de empresas selecionadas em cada setor SETORES SUBSETORES Tecidos, vestuários No EMPRESAS No EMPRESAS SELECIONADAS Consumo e Calçados Cíclico Ultilidades domésticas 9 3 Consumo não Cíclico Comércio e distribuição 4 1 Materiais Básicos Químico 4 1 Fonte: BMF&BOVESPA Nota: Dados Trabalhados pelo Autor Para as empresas do primeiro grupo, o setor econômico escolhido para as pesquisas foi o de consumo cíclico, como ilustrado no quadro acima, onde se deu maior preferência para o subsetor de Tecidos, Vestuários e Calçados. Nesse subsetor foram encontradas 34 empresas, mas dessas, apenas 11 empresas tinham o prérequisito. Como não foi possível escolher dezesseis empresas outros subsetores foram selecionados como Utilidade Doméstica. Nesse subsetor existem 9 empresas, mas apenas 3 tinham o AC maior que 50%. Somando esses dois subsetores foram encontradas 14 empresas, restando assim duas para completar a amostra, estas foram retiradas de outros setores; no setor de Consumo não Cíclico, no subsetor de Comércio

14 13 e Distribuição na área de Saúde, onde foram encontradas 1 entre 4 empresas. E, para completar a amostra, o setor de Materiais Básicos no subsetor Químico Fertilizantes, onde novamente, encontramos 1 dentre 4 empresas. Setor Econômico: Consumo cíclico Subsetor: Tecidos, Vestuários e Calçados Empresas: Dohler, Indústria Cataguas, Karsten, Santanense, Vicunha têxtil, Cia Hering, Cambuci, Alpargatas, Renner, Grazziotin, Pettenati. Subsetor: Utilidades domésticas Empresas: Whirlpool, Nadir Figueiredo, Globex. Setor Econômico: Consumo não cíclico Subsetor: Comércio e distribuição Empresas: Drogasil. Setor Econômico: Materiais básicos Subsetor: Químico Empresas: Heringer. Depois de calcular os dados das variáveis, foi feito o mesmo processo com outras 16 empresas, do outro grupo, dados retirado dos mesmos sites (Bovespa e CVM), mas desta vez o prérequisito foi do ativo circulante ser menor que 50% do ativo total.

15 14 Tabela 2 Número de empresas selecionadas em cada setor SETORES SUBSETORES No EMPRESAS No EMPRESAS SELECIONADAS Siderurgia e Metalurgia 14 3 Mineração 5 1 Químico 11 3 Materiais Madeira e Papel 11 1 Básicos Embalagem 4 1 Petróleo, Gás e Bio combustível Exploração de refinos 7 1 Consumo Tecidos Cíclico Vestuários e Calçados 34 6 Fonte: BMF&BOVESPA Nota: Dados trabalhados pelo Autor O setor econômico que foi focado desta vez foi Materiais Básicos, no subsetor de Siderurgia. Nesse subsetor encontramos 14 empresas, sendo apenas três com o prérequisito. Desta vez não houve sucesso em encontrar um bom número de empresas no primeiro subsetor com o prérequisito, assim diversos subsetores foram pesquisados como Mineração com cinco empresas, Químico com 11, Madeira e Papel com nove, Embalagens com quatro; nesses subsetores foram encontradas 1, 3, 1, 1 empresas, respectivamente. Assim como nas primeiras pesquisas, foi necessário ir a diferentes setores para alcançar a meta de 16 empresas. O setor de Petróleo, Gás e Bicombustível no subsetor de Exploração de Refinos, onde foi encontrada apenas uma empresa dentre sete. E, para completar as 16 empresas desse grupo, foi recorrido o setor de Consumo Cíclico no subsetor de Tecidos, Vestuários e Calçados, das 34 empresas, foram selecionadas seis para completar o grupo. Setor econômico: materiais básicos Subsetor: siderurgia Gerais S.A, Duque. Empresas: CIA Siderurgia, Indústria Siderúrgica de Minas Subsetor: mineração Empresas: Vale

16 15 Subsetor: químico Empresas: Braskem,Vale fertilizantes, Millenium. Subsetor: Madeira e papel Empresas: Duratex, Subsetor: Embalagens Empresas: Dixie Toga Setor econômico: Petróleo, Gás e Bicombustível Subsetor: exploração de refinos Empresas: Petrobrás Setor econômico: Consumo cíclico Subsetor: tecidos, vestuários e calçados Botucatu, Têxtil Renaux. Empresas: Buettner, Cedro, Fabrica Carlos Renaux, Teka, As tabelas acima 1 e 2 mostram um número expressivo de empresas que foram excluídas da amostra. Isso ocorreu devido ao grande número de empresas de holdings, que alguns dados (receita e/ou estoque e/ou clientes) são nulos. Nesse estudo foram selecionadas apenas as empresas que forneciam os dados de todos os 5 anos, , excluindo assim mais algumas empresas. Outra e última ocorrência que dificultou a permanência em somente um mesmo setor foram devidas algumas empresas, tanto com ativo circulante menor, quanto com ativo circulante maior que 50%, se aproximaram muito dos exatos 50%, ou oscilavam a cada ano. E, portanto, foram excluídas da amostra. O fato de ter sido usado diferentes setores não afeta os resultados, pois estas empresas foram diferenciadas a partir de um critério (ativo circulante maior ou menor que 50% do ativo total), então, a mudança de setores para se completar a amostra não tem nenhum impacto na pesquisa. As demonstrações financeiras das empresas foram organizadas em planilhas eletrônicas (Excel), para facilitar o trabalho de cálculo das variáveis, e depois de efetuados os

17 16 cálculos as variáveis foram tabuladas, como mostram as tabelas 3 e 4 abaixo, para o inicio do tratamento estatístico. As empresas escolhidas foram: Categoria 1 Grazziotin (E 1 ), Renner (E 2 ), Drogasil (E 3 ), Globex (E 4 ), Heringer (E 5 ), Dohler (E 6 ), Ind. Cataguas (E 7 ), Karsten (E 8 ), Santanense (E 9 ), CIA Hering (E 10 ), Alpargatas (E 11 ), Cambuci (E 12 ), Whirlpool (E 13 ), Nadir Figueira (E 14 ), Vicunha (E 15 ), Pettenati (E 16 ) Categoria 2 Ind. Sid. M.G. (E 1 ), Cia Siderúrgica (E 2 ), Duque (E 3 ), Vale (E 4 ), Duratex (E 5 ), Dixie Toga (E 6 ), Braskem (E 7 ), Vale Fertilizantes(E 8 ), Millennium (E 9 ), Petrobrás (E 10 ), Buettner (E 11 ), Cedro (E 12 ), Fab. C. Renaux (E 13 ), Teka (E 14 ), Textil Renaux (E 15 ), Botucatu (E 16 ) Tabela 3 Variáveis do primeiro grupo (Categoria 1) Observação PMR PME DCG número CCE (%) AF (%) (dias) (dias) (dias) ROS (%) ROA (%) ROE (%) E 1 11,7 53,1 48,8 42,2 9,9 483,1 417,8 2. E 2 13,5 18,7 89,2 24,0 48,7 10,8 259,0 525,6 3. E 3 5,9 5,1 20,5 52,8 21,5 5,1 269,2 109,4 4. E 4 (5,7) 4,8 13,9 57,3 (20,6) (5,2) (297,8) 107,2 5. E 5 (1,5) 33,7 33,9 45,9 (5,4) (0,4) (18,4) 2,1 6. E 6 33,8 8,3 73,2 94,3 121,7 (3,4) (320,7) (413,8) 7. E 7 34,0 28,3 72,0 77,1 123,0 0,6 46,2 73,8 8. E 8 22,7 61,6 67,9 46,8 85,9 11,6 542,8 996,4 9. E 9 41,9 15,9 82,4 61,6 121,2 10,0 615, ,0 10. E 10 18,1 28,8 88,5 36,7 65,0 12,1 444,1 786,5 11. E 11 17,3 8,3 73,2 25,1 62,1 13,3 333,6 825,9 12. E 12 24,0 31,5 94,6 45,5 101,0 43, , ,9 13. E 13 (14,1) 2,9 20,5 20,5 (50,8) 6,7 137,5 (340,4) 14. E 14 22,1 27,1 80,4 40,3 79,6 5,5 221,6 437,8 15. E 15 12,7 40,6 80,8 59,4 102,9 6,9 410,1 710,0 16. E 16 9,2 6,3 53,2 32,7 33,0 3,3 107,8 108, E 1 0,8 16,3 40,0 2,8 8,8 351,6 24,6 18. E 2 16,9 22,1 89,4 24,1 60,7 9,9 238,1 600,5 19. E 3 8,7 6,8 20,4 59,5 31,7 3,8 225,9 120,5 20. E 4 3,5 9,9 39,1 34,4 12,6 1,7 58,5 21,5

18 E 5 (3,1) 34,6 35,1 53,2 (11,1) 6,3 335,3 (69,6) 22. E 6 37,2 14,8 63,2 107,6 133,8 (2,9) (311,9) (388,0) 23. E 7 35,7 29,5 80,5 81,7 128,6 6,2 506,5 797,3 24. E 8 25,9 55,0 94,8 38,7 99,1 5,2 201,4 515,5 25. E 9 32,6 17,3 78,4 36,1 94,8 12,2 440, ,6 26. E 10 18,0 38,7 97,2 43,2 64,9 16,5 712, ,9 27. E 11 21,0 14,7 77,3 30,6 75,5 14,7 450, ,9 28. E 12 23,4 42,9 86,9 62,9 98,8 8,2 515,9 810,2 29. E 13 (9,7) 2,8 14,5 31,7 (34,8) 13,3 421,2 (462,8) 30. E 14 20,1 22,7 59,5 53,4 72,3 8,9 475,2 643,5 31. E 15 21,8 37,5 77,8 53,9 99,6 2,4 129,4 239,0 32. E 16 9,7 10,6 44,5 44,8 34,9 4,1 183,8 143, E 1 2,5 26,1 44,7 9,1 6,5 290,7 59,2 34. E 2 12,8 18,2 99,4 21,4 46,1 10,2 218,0 469,8 35. E 3 4,9 10,2 21,2 42,7 18,1 3,0 128,0 54,4 36. E 4 5,7 25,8 33,4 31,7 20,6 4,3 136,2 88,7 37. E 5 24,1 22,5 49,2 84,3 54,8 2,3 193,9 126,1 38. E 6 34,4 11,8 58,9 106,2 123,8 (3,6) (382,4) (445,7) 39. E 7 31,3 22,4 83,5 65,2 112,6 6,6 430,1 743,2 40. E 8 29,0 27,6 96,9 38,6 108,8 7,0 270,4 761,6 41. E 9 32,4 20,8 81,9 40,7 93,6 7,4 301,4 692,6 42. E 10 13,6 18,1 98,0 45,6 48,8 9,8 446,6 478,2 43. E 11 15,6 9,3 73,0 24,9 56,1 12,8 319,2 718,1 44. E 12 12,3 34,8 84,7 44,6 60,9 (2,7) (120,4) (164,4) 45. E 13 (7,6) 0,6 21,0 29,9 (27,2) 12,1 362,3 (329,1) 46. E 14 19,9 25,7 69,1 38,4 71,7 10,1 387,7 724,2 47. E 15 26,3 26,0 74,0 66,6 99,5 6,6 439,3 656,7 48. E 16 9,7 8,4 45,4 40,7 35,1 8,3 337,6 291, E 1 2,2 26,7 43,3 8,0 8,0 346,1 64,0 50. E 2 3,3 7,7 80,7 21,8 11,9 9,8 213,4 116,2 51. E 3 7,9 13,8 24,1 55,3 23,2 4,8 265,4 111,4 52. E 4 5,1 15,2 31,3 43,2 14,1 5,4 233,4 75,9 53. E 5 (3,4) 16,0 62,2 39,4 (10,9) 3,1 122,0 (33,9) 54. E 6 37,0 8,9 67,1 108,8 133,2 (8,4) (913,9) (1.118,9) 55. E 7 22,7 17,2 86,8 57,2 81,8 8,5 485,9 695,3 56. E 8 28,9 34,6 85,5 54,8 109,2 1,0 54,8 109,2 57. E 9 35,6 17,8 99,4 43,4 103,3 6,6 286,3 681,8 58. E 10 7,9 55,1 79,6 38,4 28,5 12,5 480,3 356,3 59. E 11 12,4 4,9 61,9 19,2 44,7 10,2 195,8 455,9 60. E 12 1,3 74,7 71,8 38,0 39,4 (2,5) (94,9) (98,5) 61. E 13 (0,6) 0,5 45,3 28,4 (2,2) 11,4 324,1 (25,1) 62. E 14 20,5 16,5 73,8 37,5 73,9 9,3 348,8 687,3 63. E 15 26,0 27,8 73,9 52,4 93,9 (7,4) (387,4) (694,9) 64. E 16 13,9 15,3 53,8 50,1 50,0 3,6 180,3 180,0

19 E 1 2,9 22,8 46,0 10,5 6,6 303,4 69,3 66. E 2 7,0 6,1 94,7 21,6 25,1 7,8 168,5 195,7 67. E 3 7,2 8,1 23,1 49,4 20,8 3,8 187,8 79,0 68. E 4 1,4 1,5 26,6 33,6 (4,0) 6,4 214,9 (25,3) 69. E 5 1,2 9,3 74,4 48,6 5,5 (1,3) (63,2) (7,1) 70. E 6 25,8 5,2 54,8 78,4 92,7 (12,2) (956,4) (1.130,9) 71. E 7 22,6 12,5 90,4 54,9 81,4 5,5 301,9 447,7 72. E 8 32,1 24,7 84,1 70,5 120,0 5,0 352,6 600,0 73. E 9 32,5 20,4 74,7 41,0 94,3 17,8 730, ,5 74. E 10 1,2 58,0 89,5 32,2 4,2 4,6 147,9 19,3 75. E 11 9,3 5,0 50,4 18,6 33,6 9,4 174,7 315,8 76. E 12 5,6 95,3 70,7 37,8 47,5 1,7 64,2 80,8 77. E 13 (3,4) 3,1 34,9 20,5 (12,3) 5,6 114,7 (68,9) 78. E 14 22,1 17,8 75,2 40,8 79,6 7,6 309,9 605,0 79. E 15 31,1 41,2 68,8 77,8 111,9 5,2 404,7 581,9 80. E 16 18,3 18,1 60,5 54,2 65,9 3,8 206,0 250,4 Fonte: CVM (Comissão de Valores Imobiliários) Nota: Dados Trabalhados pelo Autor Tabela 4 Variáveis do segundo grupo ( Categoria 2) EMPRESAS CCE (%) AF (%) 2009 PMR (dias) PME (dias) DCG (dias) ROS ( %) ROA (%) ROE (%) 1. E 1 25,7 22,6 46,71 95,59 92,49 2,7 258,1 249,7 2. E ,4 46,87 64,53 50,49 32, , ,0 3. E 3 2,4 19,5 11, ,68 2,7 78,3 23,4 4. E 4 3,9 8,8 44,34 24,83 13,89 15,3 379,9 212,5 5. E ,11 45,83 86,37 9,5 435,4 820,5 6. E 6 15,2 16,9 69,26 31,45 54,62 2,1 66,0 114,7 7. E 7 11,5 45,3 20,91 35,58 41,42 2,9 103,2 120,1 8. E 8 8,2 5,7 13,17 64,39 29,58 20, ,3 615,3 9. E 9 12,2 4,2 32,71 65,52 43,84 13,6 891,1 596,2 10. E 10 8,4 9,2 26,34 33,19 7,29 16,5 547,6 120,3 11. E 11 15,4 23,5 9,4 50,94 55,39 66, , ,0 12. E 12 2,1 16,1 29,19 51,57 7,61 1,0 51,6 7,6 13. E 13 32,6 25,1 10,54 63,96 117,35 19, , ,5 14. E ,7 14,03 32,17 104,39 17,6 566, ,3 15. E 15 19,7 55,4 68,04 58,81 70,96 2,9 170,5 205,8 16. E ,1 29,17 47,79 28,86 27, ,8 799, E 1 20, ,17 84,79 73,83 26, , ,7

20 E 2 11,9 36,4 40,6 69,21 42,67 70, , ,8 19. E 3 5,7 24,3 5,83 36,55 20,65 5,1 186,4 105,3 20. E 4 25,8 7,1 102,71 30,45 92,86 58, , ,3 21. E 5 2,3 39,1 24,34 28,09 8,17 18,6 522,5 152,0 22. E 6 16,7 22,6 54,57 38,82 60,23 5,8 225,2 349,3 23. E 7 9,2 53,4 18,93 57,95 33,14 8,1 469,4 268,4 24. E 8 18,4 0,7 1,35 184,12 66,24 36, , ,0 25. E 9 22,3 6,3 41,27 144,81 80,45 5,5 796,5 442,5 26. E ,5 30,06 23,97 9,18 21,8 522,5 200,1 27. E ,9 17,97 39,63 180,13 0,6 23,8 108,1 28. E ,3 20,29 40,9 36,14 10,5 429,5 379,5 29. E 13 41,8 23,4 15,61 69,16 150,48 9,6 663, ,6 30. E 14 76,2 36,7 17,05 27,62 274,43 23,6 651, ,5 31. E 15 63,2 92,8 51,99 43,96 227,47 0,2 8,8 45,5 32. E 16 26,7 31,2 41,6 78,27 95,99 99, , , E 1 12,8 4 30,19 50,27 45,92 25, , ,0 34. E 2 3,5 32,6 32,2 66,64 12,61 25, ,0 315,3 35. E ,5 8,16 24,36 3,74 3,4 82,8 12,7 36. E 4 4,1 8,9 37,19 30,2 14,58 35, ,1 514,7 37. E 5 0,9 33,6 36,67 15,68 3,4 15,6 244,6 53,0 38. E ,6 48,6 30,36 43,31 2,3 69,8 99,6 39. E 7 6,7 33,9 24,14 33,45 24,09 10,1 337,8 243,3 40. E 8 11,7 2 3,37 42,47 42,25 20,5 870,6 866,1 41. E 9 12,8 0 44,85 47,26 45,92 11,1 524,6 509,7 42. E 10 0,5 2,6 25,45 27,07 7,04 16,6 449,4 116,9 43. E 11 24,4 25,2 47,29 47,13 87,83 2,7 127,3 237,1 44. E 12 0, ,88 48,95 3,24 3,7 181,1 12,0 45. E 13 19,4 24,6 18,29 86,29 69,88 17, , ,9 46. E 14 60,4 27,8 12,1 47,67 217,37 0,1 4,8 21,7 47. E ,9 56,73 44,72 194,37 5,6 250, ,5 48. E 16 10,6 26,8 32,8 81,27 38,08 18, ,0 719, E 1 18,2 5,5 40,3 49,88 65,38 23, , ,0 50. E 2 4,7 34,9 58,83 67,93 16,77 26, ,4 442,7 51. E 3 2,5 21,7 20,63 26,35 8,89 4,8 126,5 42,7 52. E 4 16, ,97 20,02 58,88 38,9 778, ,4 53. E 5 5,5 42,4 35,88 21,51 19,68 5,7 122,6 112,2 54. E ,6 48,6 30,36 43,31 2,3 69,8 99,6 55. E 7 7,6 40,5 22,52 36,46 27,4 6,7 244,3 183,6

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

O impacto da gestão do capital de giro sobre a rentabilidade no mercado brasileiro análise de regressão com painel de dados no período de 2000 a 2008

O impacto da gestão do capital de giro sobre a rentabilidade no mercado brasileiro análise de regressão com painel de dados no período de 2000 a 2008 O impacto da gestão do capital de giro sobre a rentabilidade no mercado brasileiro análise de regressão com painel de dados no período de 2000 a 2008 Wilson Toshiro Nakamura (Mackenzie) - wtnakamura@uol.com.br

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

PREVISÃO DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO DAS COMPANHIAS ABERTAS BRASILEIRAS COM BASE NA EVOLUÇÃO DAS VENDAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

PREVISÃO DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO DAS COMPANHIAS ABERTAS BRASILEIRAS COM BASE NA EVOLUÇÃO DAS VENDAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO PREVISÃO DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO DAS COMPANHIAS ABERTAS BRASILEIRAS COM BASE NA EVOLUÇÃO DAS VENDAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO RESUMO O Capital de giro é o ativo circulante em que as empresas sustentam

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO. Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO. Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos Objetivos Apresentar o conceito e em que contexto está inserido o capital de giro; Explicar a importância do capital de giro;

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

Investigação sobre Liquidez e Rentabilidade nas Empresas Brasileiras de Capital Aberto

Investigação sobre Liquidez e Rentabilidade nas Empresas Brasileiras de Capital Aberto Área-Temática: Finanças Investigação sobre Liquidez e Rentabilidade nas Empresas Brasileiras de Capital Aberto AUTORES ANDREI APARECIDO DE ALBUQUERQUE Universidade Federal de Uberlândia andreialbuq@yahoo.com

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO. 4.1. Conceitos Básicos OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO. 4.1. Conceitos Básicos OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM 1. Definir capital de giro ou capital circulante e capital circulante líquido mostrando as transações que elevam e reduzem

Leia mais

O IMPACTO DO INVESTIMENTO EM CAPITAL DE GIRO SOBRE A RENTABILIDADE DAS EMPRESAS NO BRASIL

O IMPACTO DO INVESTIMENTO EM CAPITAL DE GIRO SOBRE A RENTABILIDADE DAS EMPRESAS NO BRASIL ISSN 1984-9354 O IMPACTO DO INVESTIMENTO EM CAPITAL DE GIRO SOBRE A RENTABILIDADE DAS EMPRESAS NO BRASIL Lilian Simone Aguiar da Silva, Marco Antonio Cunha de Oliveira (Universidade Federal Fluminense;

Leia mais

Um estudo exploratório sobre a rentabilidade de empresas do ramo têxtil e sua relação com a produtividade de pessoal a partir da DVA apresentada.

Um estudo exploratório sobre a rentabilidade de empresas do ramo têxtil e sua relação com a produtividade de pessoal a partir da DVA apresentada. Um estudo exploratório sobre a rentabilidade de empresas do ramo têxtil e sua relação com a produtividade de pessoal a partir da DVA apresentada. Palavras-chave: Demonstração de Valor Adicionado. Produtividade.

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

Um estudo do EBITDA e do índice de liquidez corrente das empresas de energia elétrica do nordeste brasileiro

Um estudo do EBITDA e do índice de liquidez corrente das empresas de energia elétrica do nordeste brasileiro Um estudo do EBITDA e do índice de liquidez corrente das empresas de energia elétrica do nordeste brasileiro Adilson de Lima Tavares (Universidade Federal do RN - BRASIL) adilson.tavares@uol.com.br RESUMO

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

O Efeito da Gestão Trimestral do Capital de Giro: uma Análise Multissetorial no Brasil

O Efeito da Gestão Trimestral do Capital de Giro: uma Análise Multissetorial no Brasil O Efeito da Gestão Trimestral do Capital de Giro: uma Análise Multissetorial no Brasil Autoria: Fátima Ferreira, Renê Coppe Pimentel Resumo O presente estudo investiga a influência da gestão do capital

Leia mais

3. Metodologia. 3.1. Amostra

3. Metodologia. 3.1. Amostra 60 3. Metodologia Neste estudo, foi adotada uma metodologia de abordagem empíricoanalítica, já que foi feita uma coleta de dados, houve um tratamento dos dados coletados e, posteriormente, uma análise

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Análise Dinâmica do.capital de Giro

Análise Dinâmica do.capital de Giro Análise Dinâmica do.capital de Giro Questões 12.1 O que são contas cíclicas do giro? Dê exemplos de contas ativas e passivas. 12.2 Desenvolva uma análise comparativa entre as medidas do capital circulante

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Você e sua equipe são responsáveis por elaborar um relatório de Análise Financeira da Empresa GAMA. Abaixo estão dispostos o DRE e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

SISTEMA DUPONT: UMA ANÁLISE DE EMPRESAS QUE MIGRARAM PARA OS NÍVEIS DIFERENCIADOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BOVESPA

SISTEMA DUPONT: UMA ANÁLISE DE EMPRESAS QUE MIGRARAM PARA OS NÍVEIS DIFERENCIADOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BOVESPA SISTEMA DUPONT: UMA ANÁLISE DE EMPRESAS QUE MIGRARAM PARA OS NÍVEIS DIFERENCIADOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BOVESPA RESUMO O presente estudo trata em analisar pelo Sistema DuPont os indicadores de rentabilidade

Leia mais

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1 Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv Parte I - Introdução, 1 1 Conceitos Introdutórios, 3 1.1 Conceitos, 3 1.2 Objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis, 5 1.3 Usuários da Análise das Demonstrações

Leia mais

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FINANÇAS CORPORATIVAS

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FINANÇAS CORPORATIVAS MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FINANÇAS CORPORATIVAS O QUE É A DISCIPLINA? OBJETIVO: 1. Fornecer ao aluno conhecimento de algumas estratégias financeiras utilizadas nas organizações para tomadas de decisões

Leia mais

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Balanço Patrimonial Relembrando da ultima aula!!!! Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Análise Financeira de Balanços O balanço Patrimonial de uma organização é uma peça contábil, em

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa A Projeção de Investimento em Capital de Giro! Dimensionamento dos Estoques! Outras Contas do Capital de Giro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I.

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 3 COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS Autor: Francisco Cavalcante Circular para: CAVALCANTE& ASSOCIADOS AOS NOSSOS LEITORES Up-To-Date

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

Análise Financeira de Balanço

Análise Financeira de Balanço UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Contabilidade Gerencial EPR 30 Análise Financeira de Balanço Juliano Jun Tatsumi nº11462 Marina Carvalho Brandão nº11466 Itajubá,

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas)

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Resumo Cátia Raquel Felden Bartz 1 Gisele Carolina Padoin 2 Juliana Horbach 3 Diego Antonio Saugo

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

Índices Fórmulas Finalidade / Objetividade Análise Endividamento

Índices Fórmulas Finalidade / Objetividade Análise Endividamento Índices Fórmulas Finalidade / Objetividade Análise Endividamento Liquidez Atividade Endividamento Geral Composição do Endividamento Participação de Capitais de Terceiros sobre Recursos Próprios Exigível

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan Fundamento da Contabilidade Prof. Adilson C. Bassan Conteúdo Análise das Demonstrações Financeiras Análise da Rentabilidade Análise por Indicadores Análise Vertical e Horizontal e Avaliação Geral 1 Análise

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Análise de Rentabilidade a partir de Indicadores de Liquidez em Empresas dos Setores de Indústrias, Comércio Atacadista e Varejista.

Análise de Rentabilidade a partir de Indicadores de Liquidez em Empresas dos Setores de Indústrias, Comércio Atacadista e Varejista. Análise de Rentabilidade a partir de Indicadores de Liquidez em Empresas dos Setores de Indústrias, Comércio Atacadista e Varejista Resumo Atualmente é possível perceber as diferentes mudanças que ocorrem

Leia mais

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO I PASSIVO ATIVO I PASSIVO F ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO PASSIVO 3) ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO AC ativo circulante ANC ativo não circulante PC passivo

Leia mais

MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA

MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA Prof. Alberto P. Trez JORNADA CIENTÍFICA DE 2014 CONTEÚDOS 1. Sócios da empresa: participação e ganhos 2. Capital Investido na empresa: fixo e de giro 3. Alocação

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ ETAPA II RELATÓRIO 12 Relatório técnico de indicadores do setor de concessões

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE Resumo: NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE O artigo trata sobre a estratégia financeira de curto prazo (a necessidade de capital

Leia mais

Copyright 2004 Pearson Education, Inc. Slide 2-0

Copyright 2004 Pearson Education, Inc. Slide 2-0 Capítulo 2 Demonstrações financeiras e sua análise Slide 2-0 Objetivos de aprendizagem 1. Rever o conteúdo do relatório da administração e os procedimentos para a consolidação internacional de demonstrações

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA Cristiane Escarpelini dos Santos - cristianne88@hotmail.com Ricardo dos Santos Gabriel de Jesus - rickccb@gmail.com Profº. M. Sc. Francisco Cezar Vendrame - fcvendrame@unisalesiano.edu.br

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES

ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES Empresas do Setor de Concessionárias de Transportes AGConcessoes BGPar CCR Conc Rio Teresopolis Concepa Econorte Ecosul Ecovias Invepar Localiza OHL Brasil Triunfo Empresas

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II Professora: Alessandra Vieira Cunha Marques 1 AMBIENTE FINANCEIRO E CONCEITOS FINACEIROS Atividades

Leia mais

Iniciação cientifica Aluno: Pedro Paulo Peres Garcia Orientador: Professor Hong Y. Ching Centro Universitário da FEI. Centro Universitário da FEI

Iniciação cientifica Aluno: Pedro Paulo Peres Garcia Orientador: Professor Hong Y. Ching Centro Universitário da FEI. Centro Universitário da FEI Iniciação cientifica Aluno: Pedro Paulo Peres Garcia Orientador: Professor Hong Y. Ching Centro Universitário da FEI Centro Universitário da FEI Introdução Referencial teórico Problema de pesquisa Objetivo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS.

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. Resumo Este artigo faz uma análise de viabilidade econômico-financeira das empresas

Leia mais

Desempenho Econômico- Financeiro 1T15

Desempenho Econômico- Financeiro 1T15 Desempenho Econômico- Financeiro 1T15 Mensagem da Administração Senhores (as) Acionistas: Conforme mencionado no final do exercício de 2014, concluímos com pleno sucesso o processo que converteu em capital

Leia mais

ATIVO CLASSIFICAÇÃO 1.1. FUNDAMENTO LEGAL: ATIVO

ATIVO CLASSIFICAÇÃO 1.1. FUNDAMENTO LEGAL: ATIVO 1. ATIVO E SUA MENSURAÇÃO De acordo com Iudícibus e Marion (1999), as empresas fazem uso de seus ativos para manutenção de suas operações, visando a geração de receitas capazes de superar o valor dos ativos

Leia mais