A GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO NA EMPRESA LANGE TERMOPLÁSTICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO NA EMPRESA LANGE TERMOPLÁSTICOS"

Transcrição

1 UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul DEAd Departamento de Estudos da Administração Curso de Administração A GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO NA EMPRESA LANGE TERMOPLÁSTICOS Relatório de Estágio Supervisionado em Administração II LISIANE SCHNEIDER BARTZ Orientador: Prof. Laerde Sady Gehrke Panambi, RS. 1º Semestre de 2011

2 AGRADECIMENTOS Agradeço a minha família. Sempre me apoiando em meus momentos de estudo. Agradeço ao professor Laerte Sady Gehrke, pela atenção e orientação para a realização deste relatório de conclusão de curso. Também a todos os professores da UNIJUÍ, que tanto contribuíram para a construção do meu conhecimento e que culminaram na realização deste estudo. Por fim, agradeço as pessoas da empresa Lange Termoplásticos Ltda., pela disponibilidade, atenção e fornecimento de informações. Muito Obrigada! Lisiane Schneider Bartz

3 RESUMO O tema deste estudo é de analisar como a Lange Termoplásticos gerencia o seu capital de giro e qual sua dificuldade em gerir o mesmo diante da sazonalidade das vendas. A gestão do capital de giro é algo essencial para manter a solidez financeira de uma empresa para que assim a mesma possa manter os recursos necessários para a produção de seus produtos. Gitman (1978, p. 140) diz que a administração de capital de giro abrange a administração de todas as contas circulantes da empresa e que se a empresa não puder manter um nível satisfatório de capital de giro se tornará insolvente, podendo inclusive ser forçada a decretar a falência. Para o desenvolvimento deste relatório, os dados foram obtidos através de conversas não estruturadas com os proprietários da empresa, bem como com a pessoa responsável pelo setor financeiro e também através de pesquisas nos documentos da empresa. No desenrolar do estudo foi possível constatar as dificuldades encontradas pela empresa em gerir seu capital de giro, principalmente no período de poucas vendas, que são entre os meses de março a agosto. As crises enfrentadas pela empresa nestes últimos anos fizeram com que a Lange, principalmente em 2008 e 2009, tivesse de recorrer a recursos externos para garantir o capital necessário para que pudesse auxiliar na sua produção e assim disponibilizar seus produtos no mercado. Ainda que estivesse apresentando um quadro de crescimento em sua produção ano a ano, a Lange não conseguia traduzir este crescimento em garantias de reservas financeiras. PALAVRAS-CHAVE: Capital de Giro. Vendas. Sazonalidade

4 SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES... 5 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Delimitação do Tema e Questão de Estudo Objetivos Justificativa REFERENCIAL TEÓRICO Capital de Giro Ativos e passivos circulantes Administração das disponibilidades Administração do Capital de Giro Ciclos operacional, econômico e financeiro Índices de liquidez Índices de atividade Fluxo de Caixa Demonstrações Financeiras Vendas Sazonalidade METODOLOGIA Tipo de Estudo Coleta de Dados Análise e Interpretação dos Dados APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Caracterização da Organização... 15

5 4.2Vendas Política de Vendas Histórico de Vendas da Lange Termoplásticos Prazo Médio de Recebimento Prazo Médio de Estoques Prazo médio de pagamento Ciclos Operacional e Financeiro Índices de Liquidez Fluxo de Caixa Receitas x Despesas Gestão do Capital de Giro CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ANEXOS... 38

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figuras: Gráficos: Tabelas:

7 INTRODUÇÃO Este estudo apresenta um relatório de conclusão do curso de Administração e tem a finalidade de conhecer e aprofundar os conhecimentos da gestão de capital de giro da empresa Lange Termoplásticos, de Panambi, no Rio Grande do Sul. A gestão do capital de giro é um assunto complexo e de vital importância para as empresas, pois é a partir deste capital que essas empresas encontrarão os recursos necessários para cumprir suas obrigações financeiras e administrar seu capital circulante a fim de continuar produzindo em larga escala e sem ônus para sua produção. De acordo com Assaf Neto e Silva (2002, p.13) uma administração inadequada do capital de giro resulta, normalmente, em sérios problemas financeiros, contribuindo para a formação de uma situação de insolvência. A gerência do capital de giro abrange os ativos e passivos circulantes de uma empresa e devem ser administrados de modo que os ativos sejam suficientes para cobrir os passivos da empresa e consigam garantir os recursos para que a mesma possa continuar produzindo e vendendo seus produtos. Nestes caminhos de acirrada competição, não só nacional como também a nível internacional, a saúde financeira das empresas deve estar em um ritmo compatível para que assim possam concorrer nestes mercados que estão disponíveis, mas onde somente aqueles que têm competência estarão prontos para se inserirem e permanecerem na disputa. Para que uma empresa possa atender as necessidades de seus clientes, com bons produtos, preços e prazos compatíveis de mercado, a gestão do capital de giro se faz necessária, uma vez que sem recursos necessários para manter sua produção, os clientes acabam se afastando, indo procurar empresas que tenham respostas imediatas as suas necessidades. Para a fácil compreensão deste estudo, o presente relatório está dividido em capítulos, onde o capítulo inicial trata sobre a contextualização do estudo, onde é informada a delimitação do tema e a questão de estudo e também os seus objetivos, tanto geral quanto específicos. No capítulo seguinte está o referencial teórico onde se encontram as teorias e conceitos de diversos autores que dão embasamento teórico para a realização deste relatório. A seguir estão mencionadas a metodologia utilizada para coletar e também para analisar os dados aqui inseridos. Por fim são apresentadas a caracterização da organização estudada, bem como os dados que foram coletados, com informações que buscam responder a questão de estudo e também aos objetivos propostos para a realização deste relatório e finalmente, no último capítulo estão

8 inseridas as conclusões sobre os dados coletados e as análises sobre o assunto debatido. Em anexo a este relatório estão inseridos o balanço patrimonial da Lange Termoplásticos, bem como o demonstrativo de resultados dos anos estudados e analisados para a realização deste estudo.

9 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO A administração eficiente do capital de giro é imprescindível para o sucesso de uma empresa. É com ele que o administrador irá gerenciar os ativos e passivos da organização, com os recursos que a mesma utiliza no plano operacional. Neste tópico são abordadas as características da empresa estudada e também a apresentação e delimitação do estudo onde trata sobre a questão de estudo, os objetivos com a realização deste projeto e a justificativa para realizar o mesmo. 1.1 Delimitação do Tema e Questão de Estudo A boa administração do capital de giro é fundamental para a saúde financeira de uma empresa. Do capital de giro é que sairão os recursos para a empresa continuar operando a curto prazo. A administração do capital de giro envolve um processo contínuo de tomada de decisões voltadas basicamente para a preservação da liquidez e rentabilidade da empresa. Por este motivo, os ativos circulantes devem ser administrados de forma eficiente a fim de se manter a capacidade de pagamento da empresa, principalmente no curto prazo. Os passivos circulantes, que representam as fontes de financiamento a curto prazo da empresa, também devem ser administrados eficientemente, para se ter a garantia de que os financiamentos obtidos serão usados da melhor forma possível. Assim, a questão de estudo é definida pela seguinte pergunta: Quais são as dificuldades para a gestão do capital de giro da empresa Lange Termoplásticos diante da sazonalidade das vendas? 1.2 Objetivos Neste tópico são abordados o objetivo geral e os objetivos específicos da realização deste estudo. Objetivo geral Identificar e analisar as dificuldades encontradas na gestão do capital de giro da empresa Lange Termoplásticos diante da sazonalidade das vendas. Objetivos específicos Os objetivos específicos para a realização deste projeto de estágio são os seguintes: Fazer um levantamento histórico das vendas da Lange Termoplásticos; Estudar a política de vendas da empresa; Estudar o fluxo de caixa da empresa; Fazer uma análise comparativa das receitas e despesas;

10 Desenvolver um estudo sobre como a Lange Termoplásticos gerencia seu capital de giro diante do quadro de vendas. 1.3 Justificativa O processo de gerenciar o capital de giro é de extrema importância para a saúde financeira de uma empresa. Em geral a preocupação com o capital de giro só é observado quando a empresa encontra dificuldades para honrar seus compromissos financeiros. A escolha da Lange Termoplásticos para esta pesquisa se deu pelo fato de que historicamente, a empresa enfrenta um período de redução no quadro de vendas em uma determinada época do ano e em consequência disso, tem dificuldades em gerir seu capital de giro neste período. Quanto a originalidade, os proprietários ainda não possuíam um estudo aprofundado sobre o assunto na empresa e com a realização do mesmo a acadêmica pretendia identificar e demonstrar as possibilidades que podem ser encontradas para responder a questão de estudo sugerida neste trabalho de conclusão de curso. A viabilidade deste trabalho de conclusão de curso foi através da coleta de dados e também através da observação da gerência do capital de giro pela acadêmica com pesquisas nos documentos da Lange Termoplásticos com a devida autorização dos empresários. Os proprietários da Lange garantiram a acadêmica o acesso aos dados da empresa necessários para a realização deste estudo.

11 2. REFERENCIAL TEÓRICO Neste tópico são abordados os referenciais teóricos que dão embasamento aos assuntos tratados neste relatório. 2.1 Capital de Giro O capital de giro é o recurso que financia a atividade principal de uma empresa, ou seja, é o capital necessário para continuar a adquirir os bens que serão revendidos no volume que o seu mercado consome e continuar a obter a sua principal fonte de renda de forma contínua. Os autores Weston e Brigham (2000, p. 209) apontam três fatores que caracterizam a importância do capital de giro: o tempo dedicado à administração do capital de giro, o investimento em ativos circulantes (por exemplo, os estoques) e a relação entre o crescimento das vendas e os ativos circulantes. Segundo Hoji (2001, p.109), O capital de giro é conhecido também como capital circulante e corresponde aos recursos aplicados em ativos circulantes, que transformam-se constantemente dentro do ciclo operacional. A expressão capital de giro se refere ao total de recursos de curto prazo realizados pela empresa e está sujeito a exposições e riscos oriundos de diversas áreas, tais como recebíveis, contas a pagar, gerenciamento de estoques, gerenciamento de caixa, etc. Em cada uma dessas áreas encontramos diferentes desafios no que tange ao alcance da liquidez necessária, à obtenção do processo mais eficiente, à adoção de novas tecnologias e à avaliação da qualidade do capital de giro no balanço patrimonial. O capital de giro representa o valor total dos recursos demandados pela empresa, para financiar seu ciclo operacional, que engloba as necessidades circulantes identificadas desde a aquisição de matéria-prima até a venda de produtos elaborados. (MARTINS & ASSAF NETO, 1986, p. 276). O montante do capital de giro é encontrado através dos ativos circulantes ou correntes. Já a diferença entre os ativos circulantes e os passivos circulantes é denominada de capital de giro líquido Ativos e passivos circulantes O objetivo da administração financeira, segundo Gitman (2010, p. 546) é gerenciar cada elemento do ativo circulante e também de seu passivo circulante para atingir um equilíbrio entre rentabilidade e risco que contribua de forma positiva para o valor da empresa. Na conceituação de Vieira (2005, p. 33) os ativos circulantes são bens e direitos que se esperam que sejam convertidos em dinheiro no prazo máximo de até um ano, enquanto que os

12 passivos circulantes são obrigações que se esperam que sejam exigidas no mesmo período de até um ano. Por ativos circulantes entendem-se as contas a receber, estoques, caixa e títulos negociáveis. Já os passivos circulantes são as contas a pagar a fornecedores, despesas e empréstimos bancários. Os ativos circulantes em geral oscilam durante o ano conforme o volume de produção da empresa. Quando as vendas estão em alta o volume de estoques aumenta, assim com as contas a receber e também o caixa. O contrário acontece nos meses de baixas vendas. Quando diminuem as vendas, em geral diminuem o volume de estoques e as contas a receber e consequentemente, o caixa. Gitman (2010, p. 547) diz que (...) quando o ativo circulante supera o passivo circulante a empresa tem capital de giro líquido positivo, quando o primeiro é inferior ao segundo, tem-se capital de giro líquido negativo. Quanto mais alta a margem do ativo circulante sobre o passivo circulante, melhor a capacidade da empresa em pagar suas conta à medida que elas irão surgindo Administração das disponibilidades Um dos primeiros passos de um administrador financeiro é administrar as entradas e saídas de recursos na empresa com o intuito de ter liquidez nos momentos necessários. As principais contas que movimentam o caixa de uma empresa são: Estoque; Contas a receber; Contas a pagar Administração de estoques Os estoques têm um peso representativo no balanço patrimonial de uma empresa. Nas empresas industriais são divididos em matérias primas, produtos em elaboração, materiais de consumo, materiais de embalagem e produtos acabados. Mesmo não sendo de responsabilidade do administrador financeiro da empresa é necessária uma interação entre estas áreas a fim de gerenciar de forma a obter um melhor controle de giro e manter níveis adequados de estoque, sem prejudicar o funcionamento da empresa. Hoji (2010, p. 122) comenta que o administrador financeiro pode contribuir muito com os gestores de estoques da empresa, demonstrando e evidenciando os valores e o tempo que o

13 estoque permanece na empresa em cada fase da produção, através de um eficiente controle gerencial Decisão sobre compra a vista e a prazo Caracteriza-se pela decisão do responsável pelas compras em fazer a aquisição da matéria prima a vista ou a prazo. Recomenda-se que no caso da empresa não ter condições de fazer a compra a vista, a solução seria buscar um financiamento com a menor taxa de juros. De acordo com Hoji (2010, p. 123) (...) a compra a prazo apresenta vantagens em relação a compra a vista. (...) As compras a prazo são importantes fontes de capital de giro para empresas de pequenos e médios portes, pois, em condições normais não são exigidas garantias pelo financiamento Administração de contas a receber O método mais eficaz de ter uma boa administração de contas a receber é a cobrança no menor tempo possível sem prejudicar as vendas. Gitman (2010, p. 558) elenca os três tópicos principais para alcançar este objetivo: (1) seleção e padrão de crédito, (2) termos de crédito e (3) monitoramento de crédito Seleção e padrões de crédito As vendas a prazo geram risco de inadimplência para empresa, mas também é um importante fator para alavancar as vendas. Para avaliar quais os clientes que merecem o crédito de uma empresa, Gitman (2010, p. 558) enumera cinco técnicas conhecidas como os cinco Cs do crédito, que são usadas somente em solicitações de alto valor: 1. Caráter: o histórico de cumprimento de obrigações do solicitante. 2. Capacidade: a capacidade do solicitante de honrar o crédito pedido, julgada, julgada com base na analise de demonstrações financeiras, com ênfase nos fluxos de caixa disponíveis para o pagamento de dívidas. 3. Capital: a relação entre a dívida do solicitante e o patrimônio líquido. 4. Colateral: o valor dos ativos que o solicitante dispõe para dar em garantia de crédito. Quanto maior o valor dos ativos disponíveis, maior a chance de que a empresa concedente recupere os fundos, em caso de inadimplência do devedor. 5. Condições: as condições econômicas gerais e setoriais e quaisquer condições especiais vinculadas a uma transação específica. (GITMAN. 2010, p. 558) No que tange a mudanças de padrões de crédito, a empresa pode decidir entre alterar seus padrões e investir em padrões mais liberais a fim de obter um melhor retorno no número de vendas, mas tem de levar em conta o risco que essa alteração irá ocasionar.

14 Termos de crédito São as condições que a empresa concede empréstimo ao solicitante. Gitman (2010, p. 562) afirma que: O setor de atuação de uma empresa afeta muito seus termos regulares de crédito. (...) uma empresa que vende perecíveis terá termos de crédito muito curtos porque os itens que oferece tem pouco valor como garantia.(...). Os termos de crédito também se referem ao número de dias em que o período de credito terá inicio até o momento em que é feito o pagamento efetivo da conta Monitoramento de crédito Trata-se da revisão constante das contas a receber da empresa para determinar se os clientes estão cumprindo com o acordado durante os termos de crédito. Hoji (2010) afirma que a política de cobrança deve ser implementada em conjunto com a política de crédito. A empresa deve evitar ser muito liberal na hora de liberar o cliente e conservadora na cobrança. Tem de haver um equilíbrio entre as duas políticas a fim de que nenhuma das partes seja prejudicada. 2.2 Administração do Capital de Giro A administração da capital de giro é um assunto que vem gerando grande interesse devido as suas implicações sobre o equilíbrio e a estabilidade financeira de uma organização. A administração do capital de giro pode ser caracterizada como o campo de estudos que trata da gestão dos ativos e passivos que compõem os grupos circulantes do balanço patrimonial ativo circulante e passivo circulante, e se preocupa em buscar respostas para duas questões principais: 1) Quanto deveria ser investido nas contas do ativo circulante? 2) Como estes investimentos deveriam ser financiados. (VIEIRA, 2005, p. 32). Um dos objetivos da administração do capital de giro é a manutenção do equilíbrio financeiro da empresa como forma de garantir a continuidade da atividade da empresa e propiciar condições adequadas que garantam sua sobrevivência e seu crescimento. Esta posição de equilíbrio se dá através da capacidade da empresa em cumprir os seus compromissos financeiros assumidos, o que significa manter um fluxo de caixa saudável e uma boa situação de liquidez. Sobre a administração do capital de giro. (...) é de fundamental importância para uma empresa, manter um nível de equilíbrio entre os seus ativos e passivos circulantes, uma vez que este vem permitir que a empresa venha honrar os seus compromissos de curto prazo para com os seus fornecedores e estes, com certeza, tenderão a continuar fornecendo os produtos necessários para a manutenção dos estoques necessários para atender à demanda de suas vendas e, assim, tornar-se viável o desenvolvimento de sua atividade operacional. (VIEIRA, 2007). E ainda:

15 A administração do capital de giro abrange a administração das contas circulantes da empresa, incluindo ativos circulantes e passivos circulantes. A administração do capital de giro é um dos aspectos mais importantes da Administração Financeira, considerada globalmente. Se a empresa não puder manter um nível satisfatório de capital de giro, provavelmente se tornará insolvente, podendo mesmo ser forçada a pedir falência. Os ativos circulantes da empresa devem ser suficientemente consideráveis de modo a cobrir seus passivos circulantes, assegurando-se com isso uma margem razoável de segurança. (GITMAN, 1978, p. 140). Weston e Brigham (2000, p. 377) afirmam que: [...] se a situação financeira fica fora de equilíbrio, os problemas surgem e se multiplicam, e a empresa pode entrar rapidamente em uma espiral declinante que a leva à falência. Administração do capital de giro é o processo de planejamento e controle do nível e da composição de ativos e passivos circulantes da empresa. Especificamente, a administração do capital de giro exige que o administrador financeiro decida qual o montante de caixa, outras aplicações de liquidez imediata, contas a receber e estoque a empresa deverá manter num determinado momento. Além disso o administrador financeiro deve decidir como estes ativos correntes serão financiados. (ARCHER, CHOATE E RACETTE (1979 apud AFFONSO, 1991, P. 45). A administração do capital de giro pode ser definida, nas palavras de Assaf Neto e Silva (2002, p. 15) (...) a administração das contas dos elementos de giro, ou seja, dos ativos e passivos correntes (circulantes), e às relações inter-existentes entre eles Ciclos operacional, econômico e financeiro O ciclo operacional é a soma do prazo de rotação dos estoques e prazo de recebimento da venda. De acordo com Hoji (2010, p.9), o ciclo operacional inicia-se com a compra de matériaprima e encerra-se com o recebimento da venda. O estudo do ciclo operacional permite aos administradores uma análise comparativa dos prazos de giro de estoques, prazo médio de recebimento de duplicatas e prazo médio de pagamento de fornecedores, além dos custos fixos mensais. O ciclo operacional é composto dos ciclos econômicos e financeiros, e através deles mais os custos fixos mensais permite ao administrador ter uma visão do fluxo de caixa da empresa que fluirá em médio e longo prazo e ter uma previsão da necessidade da capital de giro (NCG) para determinado período. Para obter o valor do ciclo operacional, a fórmula a ser usada é CO= PRE + PRV onde CO é o ciclo operacional, PRE é o prazo de rotação dos de estoques e PRV é o prazo de recebimento das vendas. O ciclo econômico tem início na compra da matéria prima e permanece até a venda do produto. Compreende o período que a mercadoria permanece nas dependências da empresa. Este

16 ciclo diz de quanto está sendo o período de giro de estoques da empresa. O ciclo econômico é igual ao prazo de rotação dos estoques, CE = PRE. Hoji (2010, p. 9) diz sobre o ciclo financeiro que (...) Caso ocorram desembolsos ou gastos antes da compra da matéria prima, é nesse momento que se inicia o ciclo econômico. O ciclo financeiro, também conhecido como ciclo de caixa, inicia com o primeiro pagamento da aquisição da matéria prima e termina após o recebimento da venda. Segundo Hoji (2010, p. 9) (...) Caso haja pagamento de custos ou despesas após o recebimento da venda, é nesse momento que se encerra o ciclo financeiro. A fórmula do ciclo financeiro é CF = CO + PMPF, onde CF é ciclo financeiro, CO é ciclo operacional e PMPF é prazo médio de pagamento de fornecedores. Na figura 1 Hoji (2010, p. 10) demonstra como funcionam os ciclos operacional, econômico e financeiro de uma indústria. Mês Compra de matéria-prima (a ) Pagamento de outros custos (b ) Venda (c ) Pagamento da matéria-prima (a ) Recebimento da venda (c ) Início de fabricação Término de fabricação Despesa de comissão (d ) Pagamento da comissão (d ) Prazo de fabricação (PF ) Prazo de estocagem dos Produtos acabados (PEPA ) Prazo de rotação dos estoques (PRE ) Prazo de recebimento da venda (PRV ) Prazo de pagamento da compra (PPC ) CICLO ECONÔMICO (CE ) CICLO FINANCEIRO (CF ) CICLO OPERACIONAL (CO ) Figura : Ciclos Operacional, econômico e financeiro Fonte: HOJI, MASAKAZU Índices de liquidez A liquidez de uma empresa demonstra a situação financeira de uma empresa. Hoji (2001, p.27) afirma que a liquidez é a capacidade de pagar compromissos de curto prazo. Em sentido amplo, a liquidez é relacionada com as disponibilidades mais os direitos e bens realizáveis no curto prazo. Em sentido restrito, a liquidez é relacionada somente com as disponibilidades.

17 Através dos índices de liquidez é possível verificar a capacidade da empresa de pagar suas contas em dia. Para Gitman (2010, p. 51) a liquidez de uma empresa é medida em termos de sua capacidade de saldar suas obrigações de curto prazo à medida que se tornam devidas. Em geral estes índices de liquidez são extraídos a partir das demonstrações financeiras e, segundo Vieira (2005, p. 24), estabelecem relações a partir da composição de fontes de recursos, prazos de vencimento e as características das aplicações por elas financiadas." Índice de liquidez corrente (LC) O índice de liquidez corrente mede a capacidade da empresa de pagar suas obrigações a curto prazo. É a razão entre o ativo circulante e o passivo circulante e determina o quanto a empresa possui em seu ativo circulante para cada unidade monetária de dívida a curto prazo. Sua fórmula é expressa através da expressão: Segundo Gitman (2010, p. 52), de um modo geral, quanto maior o índice de liquidez corrente, mais líquida a empresa Índice de liquidez seca (LS) É semelhante ao cálculo da liquidez corrente, porém sua diferença está no fato de excluir o estoque de seu cálculo, devido a sua dificuldade em se transformar em dinheiro rapidamente. Na concepção de Gitman esta dificuldade se explica por dois motivos: (...) (1) muitos tipos de estoque não podem ser facilmente vendidos porque são itens semiacabados, itens de propósito especial e assemelhados e (2) o estoque costuma ser vendido a prazo, o que significa que se torna uma conta a receber antes de se converter em caixa. (GITMAN, 2010, p. 52) A fórmula usada para determinar o índice é obtida através do seguinte cálculo, segundo Gitman (2010, p. 52) é: Hoji (2010, p. 288) além do estoque também exclui da fórmula da liquidez seca as despesas do exercício seguinte, então a fórmula ficaria da seguinte forma: Índice de liquidez imediata (LI) Sua fórmula consiste na razão entre o disponível e o passivo circulante. Corresponde ao índice de quanto a empresa pode pagar de suas obrigações correntes com a utilização das

18 disponibilidades. Quanto maior o índice maior é a capacidade da empresa de quitar suas obrigações com os recursos do caixa. Este índice é obtido através da seguinte fórmula: Índices de atividade Para saber como funcionam os seus ciclos, operacional, econômico e financeiro, a empresa deve conhecer os seus prazos médios, que são principalmente os prazos médios de estoques, de compras e de recebimento das vendas. Estes indicadores, analisados em conjunto, demonstram como a empresa gerencia seus recursos e se está usando de forma correta a alocação desses recursos, bem como demonstram como está a liquidez e rentabilidade da empresa Prazo médio de estoques (PME) Os estoques nas empresas industriais são formados pela matéria prima, produtos em processo de elaboração e produtos acabados. Na concepção de BRAGA (1995, p. 101), ele diz o seguinte sobre a administração de estoques. Podemos dizer que a administração dos estoques busca o equilíbrio entre os aspectos operacionais e financeiros e isto também pode significar a constante solução de conflitos de interesses entre área financeira e as demais áreas envolvidas. O prazo médio de rotação de estoques compreende o período entre a compra e a venda das mercadorias. A fórmula utilizada para conhecer este índice é Prazo médio de recebimento (PMR) É o período compreendido entre o momento que foi efetuado as vendas até o momento em que há o recebimento destas vendas. Indica o prazo médio que a empresa recebe suas receitas oriundas das vendas de mercadorias. A fórmula utilizada para este cálculo é Quanto maior o prazo de recebimento e mais vendas a prazo, pior para a empresa, pois um prazo de recebimento dilatado compromete o capital de giro. O ideal é que o recebimento das vendas seja em menor tempo possível Prazo médio de pagamentos (PMP) Representa o prazo médio que a empresa obtém de seus fornecedores para efetuar o pagamento de suas compras de matérias primas ou mercadorias. É obtido através da fórmula

19 onde CMV é o custo da mercadoria vendida, EF é estoque final e EI é estoque inicial. 2.3 Fluxo de Caixa Fluxo de caixa são as alterações e ou modificações que influenciam o caixa em qualquer momento. O fluxo de caixa registra toda a movimentação de entrada e saída no caixa da empresa. É de extrema importância para o administrador financeiro planejar, organizar, controlar, coordenar e dirigir os recursos financeiros da empresa. Entende-se como a previsão das entradas e saídas de recursos em uma empresa durante determinado período. O objetivo principal do fluxo de caixa é fornecer informações para verificar as necessidades de recursos, bem como calcular os períodos que haverá sobras ou falta de recursos. Segundo Marion (1998, 380), (...) a demonstração de fluxo de caixa (DFC) indica a origem de todo o dinheiro que entrou no caixa, bem como a aplicação de todo o dinheiro que saiu do caixa em determinado período, e, ainda o resultado do fluxo financeiro. 2.4 Demonstrações Financeiras As demonstrações financeiras são relatórios contábeis que apoiam a tomada de decisão nas empresas. Os demonstrativos mais importantes são: Balanço Patrimonial - após reformulação dada pela lei /07 juntamente com a MP 449/08, introduziram um novo conceito globalizado para este demonstrativo. Desde 2008 o balanço patrimonial deve ser evidenciado tanto para o ativo quanto para o passivo. Na Contabilidade e no Direito, a palavra "balanço" decorre do equilíbrio ou da igualdade expresso nas seguintes fórmulas contábeis: Ativo = Passivo + Patrimônio Líquido O balanço, segundo o site Wikipédia, é uma demonstração contábil que tem por finalidade apresentar a posição contábil, financeira e econômica de uma empresa em determinada data, representando uma situação do patrimônio de determinado período. Anthony(1981) afirma que o balanço mostra : 1. As fontes de onde provieram os recursos utilizados para a empresa operar - Passivo e Patrimônio Líquido. 2. Os bens e direitos em que esses recursos se acham investidos. Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) demonstra os aumentos e reduções do patrimônio líquido da empresa. É o resumo do movimento de entradas e saídas no balanço patrimonial, durante o exercício.

20 Segundo a Lei n /76, a Demonstração do Resultado do Exercício discriminará os elementos conforme figura 2. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Receita Bruta de Vendas e Serviços (-) Devoluções (-) Abatimentos (-) Impostos (=) Receita Líquida das Vendas e Serviços (-) Custo das Mercadorias e Serviços Vendidos (=) Lucro Bruto (-) Despesas com Vendas (-) Despesas Financeiras (deduzidas das Receitas Financeiras) (-) Despesas Gerais e Administrativas (-) Outras Despesas Operacionais (+) Outras Receitas Operacionais (=) Lucro ou Prejuízo Operacional (+) Receitas não Operacionais (-) Despesas não Operacionais (+) Saldo da Correção Monetária (=) Resultado do Exercício antes do Imposto de Renda (-) Provisão para o Imposto de Renda (-) Participações de Debêntures (-) Participação dos Empregados (-) Participação dos Administradores e Partes Beneficiárias (-) Contribuições p/ Instituições, Fundo de Assist. ou Previdência de Empregados (=) Lucro ou Prejuízo Líquido do Exercício (=) Lucro ou Prejuízo por Ação Figura Demonstração do Resultado do Exercício Fonte: Vendas O conceito de venda segundo Kotler (1998, p.36) assume que os consumidores, se deixados sozinhos, normalmente, não comprarão o suficiente dos produtos da organização. Assim a organização deve empregar um esforço agressivo de venda e de promoção. Kotler (1998, p. 597), afirma sobre a venda pessoal:

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO Esliane Carecho Borges da Silva (Orientadora- Docente dos cursos de Contabilidade e Tecnologia em Gestão Financeira-AEMS) Jose

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

Análise Dinâmica do.capital de Giro

Análise Dinâmica do.capital de Giro Análise Dinâmica do.capital de Giro Questões 12.1 O que são contas cíclicas do giro? Dê exemplos de contas ativas e passivas. 12.2 Desenvolva uma análise comparativa entre as medidas do capital circulante

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS Graduanda de Ciências Contábeis da UFPA martanubia@bol.com.br Heber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 1 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! 1- O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 9 O crédito divide-se em dois tipos da forma mais ampla: o crédito público e o crédito privado. O crédito público trata das relações entre entidades públicas governo federal,

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos ÍNDICE Aplicativos TOTVS Smart Analytics 03 Controladoria 07 Financeiro 10 Materiais 11 Produção 15 Recursos Humanos 18 App Avaliação de Crédito Vl Limite Crédito Vl Limite Crédito Disponível Indica o

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

29/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 CAPITAL DE GIRO

29/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 CAPITAL DE GIRO ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 CAPITAL DE GIRO 1 O QUE É Working Capital (Capital de Trabalho) Capital necessário para financiar a continuidade

Leia mais

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Cátia R. F. Bartz (FAHOR) catia.fahor.com.br Glademir Jagnow (FAHOR) gb000937@fahor.com.br Mabel Bairros (FAHOR) mb000942@fahor.com.br Mariseia Schawinsky (FAHOR)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE! Como calcular o fluxo de caixa! Qual a fórmula para determinar a capacidade de pagamento! Como analisar a liquidez Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS.

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. Resumo Este artigo faz uma análise de viabilidade econômico-financeira das empresas

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO ISSN 1807-6467 ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO O mercado muda a um ritmo acelerado. Com a globalização, tendências que antes eram

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Por Carlos Alexandre Sá Neste trabalho vamos analisar um elemento importante do Fluxo das Atividades Operacionais: a necessidade de capital de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa A Projeção de Investimento em Capital de Giro! Dimensionamento dos Estoques! Outras Contas do Capital de Giro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EMPRESA RENNER S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EMPRESA RENNER S.A. UFPA - Análise de Demonstrativos Contábeis I 1 ANA PAULA VIEITA CHARLES OLIVEIRA PIMENTEL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EMPRESA RENNER S.A. UFPA BELÉM 2007 UFPA - Análise de Demonstrativos Contábeis

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

Administração do Caixa

Administração do Caixa Administração do Caixa 1- Introdução 2- O capital circulante 3- Políticas de gerenciamento do capital circulante 4- Gestão do Caixa 5- Gestão de recursos temporariamente ociosos - Títulos Negociáveis 6-

Leia mais