Convergência: utilities com Smart Grid e PLC e operadoras de telecomunicações podem somar II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Convergência: utilities com Smart Grid e PLC e operadoras de telecomunicações podem somar II"

Transcrição

1 Convergência: utilities com Smart Grid e PLC e operadoras de telecomunicações podem somar II 24/09/ :58 :: João Carlos Fonseca Por ocasião do VIII Seminário Nacional de Telecomunicações da Aptel, realizado em Brasília (DF), a TELEBRASIL entrevistou, em mesa-redonda, José Gonçalves Viera e Agostinho Celso Pasqualicchio da Associação Nacional de Empresas Proprietárias de Infra-estrutura e de Sistemas Privados de Telecomunicações. Em foco, o impacto das tecnologias Smart Grid e PLC utilizadas pelas utilities nas convergências das telecomunicações e as perspectivas de parceria entre as distribuidoras de energia elétrica e as operadoras de telecomunicações. A Aptel, presidida por Luiz Jatobá, tem assento nos Conselhos Fiscal e Consultivo da TELEBRASIL. Em entrevista exclusiva, a TELEBRASIL ouviu dois especialistas com experiência no setor de energia elétrica que detalharam e comentaram, com a segurança de quem trabalha a muitos anos no meio, aspectos interessantes sobre a tecnologia PLC ( Power Line Communication ), sobre o emergente conceito de Smart Grid, além da sinalização sobre um road map para aproximação entre distribuidores de energia elétrica e operadores de telecomunicações. O engenheiro José Gonçalves Viera, tocantinense de Indianópolis, é superintendente de Novos Negócios e Captação da CELG (Companhia Energética do Estado de Goiás) uma das empresas fundadoras da Aptel, em abril de 1999 e é diretor de Inovações Tecnológicas da Associação Nacional de Empresas Proprietárias de Infra-estrutura e de Sistemas Privados de Telecomunicações. Ele é engenheiro de telecomunicações pela UnB (1977). Agora está voltado para o desenvolvimento de negócios. O economista Agostinho Celso Pasqualicchio, goiano de Anápolis, está há 20 anos no setor de energia elétrica, com experiência na Eletropaulo. Hoje é professor da Universidade Mackenzie (SP) e consultor da Aptel. Ele é economista pela USP com pós-graduação na Universidade de Illinois (USA). ENTREVISTA TELEBRASIL Em que estágio técnico se encontram o PLC ( Power Line Communication ) e o Smart Grid ( rede inteligente )? Viera Em 1999, a Aptel realizou, no Rio de Janeiro, seu primeiro seminário sobre PLC da América do Sul (N.R. a TELEBRASIL cobriu o evento). Nessa época, achávamos que essa tecnologia tinha tanto obstáculos que dificilmente iria vingar. Falava-se em 20 e 30 anos para que o PLC ficasse viável. TB E agora, passados oito anos? Vi Tal como o celular e o computador pessoal, a tecnologia PLC agora é uma realidade. É uma tecnologia bastante adequada para um nicho do distribuidor de energia elétrica, pois utiliza a capilaridade da rede elétrica. TB Estamos falando no PLC que chega ao cliente ou o que fica na alta tensão? Vi Há dois tipos de PLC: o indoor, que chega, em tese, a todas as tomadas elétricas da casa, e o PLC de acesso. De uma maneira bem geral, o PLC tem um equipamento master, próximo ao transformador de energia elétrica, um outro equipamento no quadro elétrico da casa e um modem que fica dentro do domicílio. TB E o PLC em média tensão? Vi Já estamos trabalhando com o PLC em média tensão, isto é, até 13.8 kv. Na CELG, temos um P&D já aprovado pela Aneel e em franco desenvolvimento junto à Fitec, cujo título é Aplicação de PLC em média tensão banda larga para supervisão de rede elétrica dentro do conceito de Smart Grid.

2 TB O PLC, no Brasil, é utilizado nos domicílios ou pela empresa de energia? Pasqualicchio Em ambas as situações. TB E a questão dos custos? Pa Eu acho que os custos ainda podem baixar. O potencial de uso, sobretudo em domicílios mais antigos em que os eletrodutos têm dificuldade em arcar com uma nova fiação é muito elevado. Com sua popularização, os custos do PLC indoor devem baixar e o potencial de inserção digital dessa tecnologia nas próprias casas deverá aumentar. TB Então, a inclusão digital pode ocorrer via PLC? Vi Não só pode como deve. A Aptel, em 2004, juntamente com outros parceiros, desenvolveu o Projeto Barreirinhas, no Maranhão. Nesse projeto, o PLC ajudou a comunidade dando-lhe acesso à informação. TB Já houve outros Barreirinhas? Vi Estamos partindo para o Barreirinhas 2, com maior quantidade de pontos. A própria CELG instalou PLC em suas dependências. A Eletropaulo tem desenvolvido um trabalho muito significativo. A CEE do Rio Grande do Sul e a própria Copel também têm aplicações. A entrevista prossegue com diálogo técnico e econômico sobre a tecnologia de Power Line Communication e surge o Projeto Opera da UE. TB Qual a taxa de transmissão do PLC? Vi Os atuais equipamentos de PLC já estão com taxa nominal de 200 Mbit/s. Pesquisas recentes indicam que as taxas do PLC podem ainda ser mais altas. No início, essas taxas eram de poucos Mbit/s. O conceito que hoje utilizamos na CELG é o de um mix de tecnologias. A tecnologia PLC se adequa ao ambiente de rede de transmissão e ao multisserviço, tanto indoor quanto em média tensão. TB O PLC é utilizado para medição do consumo de energia elétrica? Vi Quando se fala em serviços PLC para distribuição de energia elétrica, a medição do consumo é um nicho extraordinário e que se adequa muito bem. Haja visto que o meio de transmissão é o próprio cabo elétrico. A aplicação do PLC não é só na parte de medição, mas também na de supervisão de rede, de controle de fraudes. TB Já houve algum estudo de custos sobre o uso do PLC para a inclusão digital? Pa Sim. Diversos estudos foram feitos. Um dos mais interessantes é o de Barreirinhas, no sul do Maranhão, com IDH (índice de desenvolvimento humano ) de menos que 450, o que é muito baixo. Em Barreirinhas, há uma quantidade grande de escolas. A CELG e a Eletropaulo, juntamente com outros fornecedores, trouxeram a conexão Internet para a comunidade via sistema satelital GESAC, com distribuição pelo PLC. TB É economicamente viável? Pa É especialmente viável. Você utiliza a rede elétrica. Ela é um bem que está lá e que não deve ser subutilizado de forma nenhuma. TB Já há fabricação local de PLC? Vi Utilizam-se componentes importados. O que se tem aqui são representantes de fabricantes estrangeiros. TB O que é o projeto Opera (N.R. Open PLC Rechearch Alliance)? Pa É um projeto da Comunidade Européia ( N.R. integra o projeto banda larga para todos ), constituído por 11 países europeus mais o Brasil, que é representado pela CELG. São 26 entidades participando. É um projeto muito importante, que dá visibilidade ao Brasil lá fora. TB Vai haver financiamento? Vi Em parte. Nós entramos com metade dos custos, digamos assim. O projeto Opera já está em andamento e vai até Vão ser três testes de campo na Europa Lisboa, Madri e Áustria e um no Brasil, na CELG. TB E o Opera em relação à UTC norte-americana? Vi A diversidade vai somar para nós. Não se estuda mais a viabilidade do PLC; essa fase acabou.

3 O Opera é um imenso projeto para estudar aplicação e desenvolvimento de negócios. No Opera são oito grupos de trabalho, com a CELG participando de quatro. Eu gosto muito de citar o grupo de trabalho n o 6, que é sobre business plan para uso da tecnologia PLC. TB Então, o PLC é uma realidade? Pa Os subúrbios parisienses já usam. A cidade de Saragosa, na Espanha, já utiliza PLC em um experimento para voz, dados e imagens. Vi O Projeto Opera abrange esses três serviços e mais as aplicações do controle da distribuição de energia elétrica com telemedição, telemetria, telessupervisão e telecontrole. A entrevista passa a discutir o conceito de Smart Grid ou rede inteligente. TB E o Smart Grid nesse contexto? Vi O Smart Grid é um conceito que chegou há pouco no Brasil, mas que na Europa e nos EUA já vêm sendo desenvolvido há algum tempo. Genericamente, o Smart Grid é um projeto no qual você vai aplicar uma plataforma e meios de comunicação. Com eles, você vai supervisionar a rede de distribuição de energia elétrica em vários de seus aspectos, dentre eles, interrupção de energia, qualidade da rede e medição. TB O Smart Grid utiliza a própria rede de energia elétrica? Vi Na verdade, Smart Grid é um conceito formal e operacional para uma rede elétrica eficiente. Pode utilizar qualquer tecnologia para prover dados necessários a essa finalidade. Dentro desse conceito de rede elétrica eficiente um conceito que se quer para o Brasil, a Aptel está trabalhando juntamente com a Universidade Mackenzie (SP). TB Como o Projeto Opera se relaciona ao conceito de Smart Grid? Vi No conceito do Opera, como eu fiz questão de explicar, vai haver um grupo de trabalho coordenado pela Diretoria da Aptel sobre Smart Grid. Este é um novo conceito, irreversível, para automação da operação de energia elétrica com custo/benefício altamente favorável. Temos utilities no Brasil bem adiantadas quanto ao uso do Smart Grid, como, por exemplo, a Eletropaulo. TB Como funciona o Smart Grid? Pa Ele é um conceito que traz diversas vantagens, dentre elas a otimização dos custos de infraestrutura da empresa. Por exemplo, na falta de energia em determinado segmento do sistema, hoje, pelo sistema tradicional da década de 60/70, não se contempla a imediata recomposição da rede. TB São os apagões? Pa Exatamente, são os apagões. Na verdade, se houver um sistema inteligente que isole a parte que foi afetada ou prejudicada no sistema de energia, isto passa a ser uma vantagem muito grande para a empresa, ao reduzir custos com manutenção de estruturas e de atendimento a clientes em call centers. Vi O Smart Grid, rede inteligente ou rede eficiente, faz o controle de falhas, a automação de alimentadores e de subestações e integra processos. Permite que a distribuidora de energia elétrica tenha uma estratégia para com seus clientes, orientando-os sobre a melhor forma de consumir a energia. O conceito de Smart Grid para energia elétrica equivale, em telecomunicações, ao conceito de controle de módulos e componentes da rede. TB A idéia básica do Smart Grid? Vi O que se quer, agora, é enxergar a rede de energia elétrica sob a ótica da inteligência dessa rede para com os consumidores. Para isso, precisamos implantar uma plataforma de telecomunicações. TB Os investimentos para o Smart Grid são elevados? Pa Não, frente aos benefícios colhidos. A prospecção de custo/benefício, levando em conta diferentes arquiteturas e técnicas e com base em determinado nível de investimentos, indica resultados totalmente favoráveis. Hoje, a relação custo/benefício do Smart Grid no Brasil é de 1:3 a 1:5. Ou seja, você vai investir uma unidade e seu retorno será três a cinco vezes maior na média quatro vezes. TB As arquiteturas do Smart Grid são proprietárias? Pa Sim, por enquanto.

4 TB Que aplicações de Smart Grid existem no mundo? Vi Trata-se de um conceito relativamente novo. Recebemos, através da Aptel, um convite para visitar um grande projeto nos EUA. No Texas, há um projeto de Smart Grid em franca operação. No Brasil, já existem empresas distribuidoras interessadas (N.R. o entrevistado lê uma longa lista), além da Universidade Mackenzie e da USP e da própria Aptel, que firmou um convênio "guardachuva" com a Mackenzie. TB Em termos de Smart Grid, vão ser só projetos-piloto ou vai ser "para valer"? Vi Ótima esta sua observação. Agora não se trata mais de dizer que vamos estudar alguma coisa e que ela poderá vir a se tornar realidade, tal como no começo do PLC. Agora são projetos de desenvolvimento e de aplicação nas distribuidoras de energia. E o PLC? Como ele transmite seus dados através da rede de energia elétrica, é uma das tecnologias talvez uma das principais que integra o conceito de Smart Grid. A entrevista passa a tratar da convergência entre as empresas distribuidoras de energia elétrica e as operadoras de telecomunicações. TB Uma pergunta em tema amplo, o Smart Grid permitirá que as empresas de energia elétrica ofereçam serviços de telecomunicações? Vi Essa colocação é importante. O conceito de Smart Grid é direcionado para dar mais eficiência ao sistema de energia elétrica e cria um mercado competidor. Em minha opinião, a médio prazo, as empresas distribuidoras de energia competem entre si e a que for mais eficiente vai levar vantagem. É bom lembrar que no conceito de Smart Grid, o que se quer é o controle de todos os processos, de maneira automatizada. TB Sim, mas como é que fica o Smart Grid no oferecimento de serviços de telecomunicações? Vi Veja bem, não vamos misturar conceitos. O Smart Grid precisa de uma plataforma de comunicação para oferecer as descritas facilidades. É preciso estabelecer um projeto de rede de comunicação para que o Smart Grid possa oferecer todas essas facilidades. TB Isso é uma das vertentes... Vi Sim. Agora, como a gente pode ter um modelo de parceria? TB Um modelo de negócios? Vi Isso, um modelo de negócios. Eu, particularmente, defendo que as operadoras de telecomunicações podem ser boas parceiras. Não aquele modelo se me permite a colocação do compartilhamento de postes. TB Postes estão fora dessa discussão, não é? Vi Sim. A disputa do aluguel de postes está totalmente fora. São coisas totalmente diferentes do PLC e do Smart Grid. É bom nem lembrar. É um ponto de atrito. O que queremos não são pontos de atrito e sim de convergência. Algumas operadoras de energia elétrica estão com o conceito de utilities. No caso, é formar sua plataforma de comunicação e fazer parcerias para cair na "nuvem" oferecida pelas telecomunicações. TB Haveria clima para as operadoras de telecomunicações participarem na implementação do Smart Grid e disponibilizarem serviços? Pa Eu vou sustentar minha colocação em termos estruturais. Hoje em dia, o ser humano gasta um terço da energia total disponível no Planeta com transportes. Não sei o quanto o setor de telecomunicações pode colaborar, quanto à redução do consumo de energia. Aparentemente, energia elétrica e comunicações são setores distintos e opostos, mas estão aí integrados. TB Estão convergindo? Pa Exatamente, trata-se de convergência. Tenho observado uma coisa curiosa em nossas palestras na Aptel. Empresas que aparentemente teriam tecnologias e soluções opostas com base em telecomunicações, hoje, totalmente divergentes, propõem a sua integração. Você agora tem uma plataforma e aquele conceito da década de 90 de oferecer tudo com exclusividade está sendo superado. Uma empresa pode oferecer uma solução, incluindo a integração com uma plataforma de outra empresa que seria supostamente sua concorrente. TB De onde se conclui? Pa Concluímos que o benefício para todas as empresas é interessante, pois ocorre um redução brutal de custos com ganhos de eficiência.

5 TB Então, poderia haver um entendimento entre os segmentos de energia elétrica e de telecomunicações? Vi Eu acredito que estamos chegando a uma fase bastante interessante, envolvendo os conceitos de convergência e de integração de facilidades. É hora para sentar à mesa e conversar sobre isso. No caso da CELG, estamos abertos para haver um planejamento conjunto, em que se conjuguem esforços e facilidades. TB Já houve algum estudo, de ordem jurídica ou regulatório, sobre essa convergência? Pa Nós, na Aptel, fazemos um acompanhamento muito grande da legislação e ao mesmo tempo mantemos um objetivo de integração. A Aneel é para o setor elétrico, a agência regulatória de base, em conseqüência do modelo implantado em 1990, com o conceito de modicidade. TB O que vem as ser modicidade? Pa Para o setor de energia elétrica, é o conceito para que a população goze de um produto de qualidade, ao mais baixo preço. Por exemplo, o fim do descruzamento tarifário que o setor tinha até recentemente. A proposta para o descruzamento tarifário veio do uso do conceito de modicidade tarifária. Em qualquer receita adicional ou ganho de produtividade do setor de energia elétrica, uma parcela deve ser transferida para benefício da população. TB As telecomunicações tem o conceito de modicidade? Pa Não. Nas telecomunicações, o princípio é o de que ganha quem apresentar o menor custo. Por exemplo, o preço dos serviços de provedores de Internet varia de acordo com as bases que eles deve amortizar, pelo princípio de custo/benefício. Então ganha, para qualidades iguais, quem apresentar o menor preço. A entrevista discute o conceito de um possível road map entre dois importantes segmentos da infra-estrutura. TB Como seria um road map para a convergência entre empresas de energia elétrica e as operadoras de telecomunicações? Vi Historicamente, as empresas de energia elétrica sempre tiveram pactos próprios para as suas áreas operativa, distributiva e de controle comercial de seus clientes. Recentemente, as empresas de energia elétrica desejaram potencializar o melhor o uso de sua infra-estrutura para outro tipo de serviços. Daí o PLC e o Smart Grid para baratear e dar melhor serviços a seus clientes. TB E o road map? Vi Eu acho que se abre um caminho para a convergência entre as operadoras de telecomunicações e as empresas de energia elétrica. Na verdade, algumas empresas de energia elétrica já possuem em seu core business, a prestação de serviços de telecomunicações para os meios corporativos em parceira. Temos a Copel Telecom, a Infovias da Cemig, a Eletropaulo e a CELG e outras empresas trabalham dentro dessa ótica. Não no sentido de competir e sim de agregar valor a seu core principal de negócios, através de parcerias. As prestadoras de serviços de telecomunicações encaixam 100% dentro dessa ótica. TB Palavras finais? Vi A Aptel vai trabalhar em conjunto com seus colaboradores, empresas distribuidoras, universidades, indústria, fornecedores, órgão governamentais no conceito de Smart Grid para que ele saia da fase dos conceitos e dos estudos e passe para a de soluções práticas para o bem da sociedade. Firmamos um convênio guarda-chuva com a Mackenzie e vamos convidar colaboradores para encontros multidisciplinares, inclusive para o Smart Grid. TB Incluindo o setor de telecomunicações? Vi Talvez não no início, pois se está modelando o conceito, mas certamente abrem-se parcerias a médio prazo. Pa O que estamos pensando é o que será o setor elétrico das próximas décadas. Ele não é mais um setor com as idéias de 1960 e Ele vai usar toda a integração e toda a inteligência que o ser humano criou em benefício da sociedade. O setor elétrico quer colaborar com a inclusão digital, com o setor de educação e o bem estar da população. A proposta futura do setor elétrico e da Aptel é esta.

Convergência: utilities com Smart Grid e PLC e operadoras de telecomunicações podem somar I

Convergência: utilities com Smart Grid e PLC e operadoras de telecomunicações podem somar I Convergência: utilities com Smart Grid e PLC e operadoras de telecomunicações podem somar I 24/09/2007 20:29 :: João Carlos Fonseca Por ocasião do VIII Seminário Nacional de Telecomunicações da Aptel,

Leia mais

Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás

Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás Tendências do Setor Energético Mundial Aumento da demanda global Elevação no preço da energia Pressão para o uso de fontes renováveis Aumento da complexidade

Leia mais

Testes e Experiência do CPqD em Sistemas PLC

Testes e Experiência do CPqD em Sistemas PLC Testes e Experiência do CPqD em Sistemas PLC Rogério Botteon Romano Pesquisador Maio/2007 www.cpqd.com.br PLC no CPqD Projeto P&D ANEEL - ciclo 2001/2002 - CPFL - ELETROPAULO - BANDEIRANTE - ELEKTRO (São

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES *

PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES * PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES * Rosemar Aquino de Rezende JUNIOR 1 ; Laura Vitória Rezende DIAS 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

Rede PLC da Restinga Primeira Etapa do Projeto

Rede PLC da Restinga Primeira Etapa do Projeto Primeira Etapa do Projeto Transferência de sinal da rede elétrica do prédio para cabo ou wireless e vice-versa D Repetidores e extratores de sinal para baixa tensão (220V/127V) e vice-versa C B Injeção

Leia mais

Seminário A Universalização do Acesso à Informação pelo Uso das Telecomunicações Auditório Nereu Ramos Brasília - DF

Seminário A Universalização do Acesso à Informação pelo Uso das Telecomunicações Auditório Nereu Ramos Brasília - DF Seminário A Universalização do Acesso à Informação pelo Uso das Telecomunicações Auditório Nereu Ramos Brasília - DF Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Associação

Leia mais

CELGTelecom & Soluções. Novembro, 2008

CELGTelecom & Soluções. Novembro, 2008 CELGTelecom & Soluções Novembro, 2008 Localização Geográfica Agenda 1. Introdução 2. Estratégia Empresarial do Grupo CELGPAR 3. CELGTelecom & Soluções 4. Aspectos Tecnológicos 5. SmartGrids: Contexto e

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

Notação: T1i 1 - PLC: algoritmos atuais; T1i 2 - PLC: novos algoritmos;

Notação: T1i 1 - PLC: algoritmos atuais; T1i 2 - PLC: novos algoritmos; 31 3 Estudos do PLC Depois de apresentar algumas tecnologias PLC, será apresentado um cenário nacional e internacional que mostra a tecnologia hoje e o avanço esperado pela mesma no futuro. Alguns projetos

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

Gestão de Ativos de Distribuição

Gestão de Ativos de Distribuição Gestão de Ativos de Distribuição Smart Grid na Cemig Denys Cláudio Cruz de Souza Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição O que é Smart Grid? Sistema elétrico inteligente, que integra

Leia mais

5% o consumo residencial no horário de pico, entre 18h e 21h, segundo Pepitone, diretor da ANEEL. Isto equivale, segundo ele, ao consumo de uma

5% o consumo residencial no horário de pico, entre 18h e 21h, segundo Pepitone, diretor da ANEEL. Isto equivale, segundo ele, ao consumo de uma 58 5 Smart Grid Segundo especialistas da área de energia, o smart grid pode ser definido como uma Rede Elétrica Inteligente que distribui energia elétrica com auxílio de tecnologia digital, monitorando

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009.

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 : Contribuições de 12/03/2009

Leia mais

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil IEEE Workshop SMART GRID Trends & Best Practices Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Salvador,

Leia mais

Tem também grande experiência em desenvolvimento e padronização de processos em empresas de prestação de serviços.

Tem também grande experiência em desenvolvimento e padronização de processos em empresas de prestação de serviços. PLC - Power Line Communications Este tutorial tem por objetivo introduzir o tema PLC Power Line Communications. Esta tecnologia já está disponível, hoje, para o fornecimento de infra-estrutura para os

Leia mais

APTEL Associação de Empresas Proprietárias de Infra-Estrutura e de Sistemas Privados de Telecomunicações

APTEL Associação de Empresas Proprietárias de Infra-Estrutura e de Sistemas Privados de Telecomunicações APTEL Associação de Empresas Proprietárias de Infra-Estrutura e de Sistemas Privados de Telecomunicações 2009 Objetivos A APTEL é uma associação privada, sem fins lucrativos, cujos membros possuem, controlam

Leia mais

Tecnologia PLC II: Alternativa para o Plano Nacional de Banda Larga

Tecnologia PLC II: Alternativa para o Plano Nacional de Banda Larga Tecnologia PLC II: Alternativa para o Plano Nacional de Banda Larga Esta série de tutoriais aborda uma tecnologia existente desde o início do século XX, o PLC (Power Line Communications), mas seus estudos

Leia mais

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 AES ELETROPAULO Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São

Leia mais

Projeto: GUGST 2015 Relevância de Temas. Fevereiro 2015

Projeto: GUGST 2015 Relevância de Temas. Fevereiro 2015 Projeto: GUGST 2015 Relevância de Temas Fevereiro 2015 O GUGST Grupo de Usuários de Gestão de Serviços de Terceiros foi idealizado no ano de 2009 como um fórum aberto e gratuito, para discussão e troca

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Enersul Empresa Energética de Mato Grosso do Sul Enersul Empresa distribuidora

Leia mais

DIMITRI YPSILANTI (Chefe da Divisão de Informação, Comunicação e Política do Consumidor da OCDE): [pronunciamento em outro idioma]

DIMITRI YPSILANTI (Chefe da Divisão de Informação, Comunicação e Política do Consumidor da OCDE): [pronunciamento em outro idioma] MESTRE DE CERIMÔNIA: A seguir, o senhor Roberto Franco, da ABERT, fará as perguntas, formuladas pelos participantes, ao palestrante, o senhor Dimitri Ypsilanti, chefe da divisão de formação, comunicação

Leia mais

06/04/2010. Abril/2008. Aula 4. Fonte: NASA. Cenário Internacional: mesma base tecnológica e raras exceções

06/04/2010. Abril/2008. Aula 4. Fonte: NASA. Cenário Internacional: mesma base tecnológica e raras exceções Abril/2008 Aula 4 Fonte: NASA Cenário Internacional: mesma base tecnológica e raras exceções 2 1 Soma de duas infra-estruturas 1.Infra-estrutura de energia Geradora de Energia Transformadores Nó de Entrada

Leia mais

SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Bolsista do PET EEEC/UFG engenheiralaura1@hotmail.com.

SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Bolsista do PET EEEC/UFG engenheiralaura1@hotmail.com. SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Rosemar Aquino de Rezende JUNIOR 1 ; Laura Vitória Rezende Dias 2 ; Getúlio Antero de Deus JÚNIOR 3 Grupo PET EEEC (Conexões de Saberes) /UFG

Leia mais

Serviços IBM de Resiliência:

Serviços IBM de Resiliência: Serviços IBM de Resiliência: Sempre disponível, em um mundo sempre conectado Como chegamos até aqui? Dois profissionais de TI estão sofrendo com interrupções de negócios frequentes, os problemas estão

Leia mais

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 Programa Smart Grid da AES Eletropaulo - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 1 Agenda Institucional Projeto Smart Grid Eletropaulo Digital Motivadores Objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ECONOMIA E INFORMÁTICA CURSO DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ECONOMIA E INFORMÁTICA CURSO DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ECONOMIA E INFORMÁTICA CURSO DE INFORMÁTICA TOPICOS ESPECIAIS EM SISTEMA DE INFORMACAO INTERNET SOB REDE ELÉTRICA RODRIGO MACHADO DE OLIVEIRA Bagé,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Gestão da Inovação - CEMIG Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Sustentabilidade Mineirão Solar Cemig classificada no Índice Dow Jones de Sustentabilidade DJSI World nos últimos

Leia mais

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA OBJETIVOS Desenvolvimento de metodologia e sistema de automação do monitoramento de riscos e controles organizacionais para: Minimização dos riscos regulatórios

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/11/2002). Acesso à Internet Este tutorial apresenta as formas de acesso a Internet disponíveis para o usuário brasileiro, e apresenta os números atuais da Internet no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial

Leia mais

AES Eletropaulo. Area Concessão. Energia. Eletropaulo. Brasil. 4,526 (km 2 ) 0,05% 6,8 (milhões) 46 (TWh) 11% Brasil.

AES Eletropaulo. Area Concessão. Energia. Eletropaulo. Brasil. 4,526 (km 2 ) 0,05% 6,8 (milhões) 46 (TWh) 11% Brasil. AES ELETROPAULO 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São Paulo Estado 2 PROJETO AES ELETROPAULO

Leia mais

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA 4 de outubro de 2009 O brasileiro Carlos Kirjner, nomeado pelo presidente Barack Obama para o cargo de conselheiro do diretor-geral da Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

Área de concessão. 24 municípios incluindo a Capital. Abrangência: 4,526 km2 e 10% do consumo de energia do país. 6,7 milhões de unidades consumidoras

Área de concessão. 24 municípios incluindo a Capital. Abrangência: 4,526 km2 e 10% do consumo de energia do país. 6,7 milhões de unidades consumidoras Redes Inteligentes Área de concessão 24 municípios incluindo a Capital Abrangência: 4,526 km2 e 10% do consumo de energia do país 6,7 milhões de unidades consumidoras 8% da população do Brasil (aprox.

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

PLC - Power Line Communications - 2009

PLC - Power Line Communications - 2009 PLC - Power Line Communications - 2009 Bruno Aguilar e Silva Bruno B. L. de Oliveira David Alves da Silva Hugo Pereira Rios Luiz Carlos Duarte Vilmar Batista da Silva Universidade Presidente Antônio Carlos

Leia mais

HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA.

HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. CRIANDO SOLUÇÕES COMPLETAS PARA EMPRESAS E PESSOAS DATA CENTER SOLUÇÃO ITMAX ENTERPRISE REDES

Leia mais

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids IEEE Workshop SMART GRID - Trends & Best Practices Smart Grid no Contexto da Geração e Distribuição 18/10/2013 NAPREI Núcleo de Pesquisas em Redes Elétricas Inteligentes enerq Centro de Estudos em Regulação

Leia mais

redes, infraestrutura e telecom

redes, infraestrutura e telecom redes, infraestrutura e telecom Integração de soluções, projetos, implementação e manutenção de redes, infraestrutura de TI e telecom para empresas de grande e médio portes. SERVIÇOS redes, infraestrutura

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Comunicado Técnico 20

Comunicado Técnico 20 Comunicado Técnico 20 ISSN 2177-854X Novembro. 2012 Uberaba - MG Redes PLC Uma nova alternativa para a transmissão de dados Instruções Técnicas Responsável: Thiago Lara dos Reis Graduado no curso de Sistemas

Leia mais

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Este tutorial apresenta conceitos e modelos de negócios para a implantação das Cidades Digitais e, através de um estudo de caso da cidade da Filadélfia

Leia mais

Tradição, pioneirismo e credibilidade.

Tradição, pioneirismo e credibilidade. Tradição, pioneirismo e credibilidade. A Converge Comunicações desenvolve serviços convergentes com foco em novas tecnologias, soluções e tendências. Nosso portfólio inclui a organização de feiras, congressos

Leia mais

A Telefonica Vivo no mercado de M2M. Gerente Sr. Marketing e Desenvolvimento de Negócios 06.05.2014

A Telefonica Vivo no mercado de M2M. Gerente Sr. Marketing e Desenvolvimento de Negócios 06.05.2014 A Telefonica Vivo no mercado de M2M Gerente Sr. Marketing e Desenvolvimento de Negócios 06.05.2014 Índice 1. M2M & a junção das indústrias conectadas_ 2. Posicionamento da Telefonica Vivo_ 3. Principais

Leia mais

Entenda a Indústria de Energia Elétrica

Entenda a Indústria de Energia Elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 transmissão Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 5 O transporte da energia elétrica:

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

INDÚSTRIA TRANSPORTE COMÉRCIO DISTRIBUIÇÃO

INDÚSTRIA TRANSPORTE COMÉRCIO DISTRIBUIÇÃO INDÚSTRIA TRANSPORTE COMÉRCIO DISTRIBUIÇÃO Oportunidade e integração Setorial COMÉRCIO TRANSPORTE INDÚSTRIA DISTRIBUIÇÃO Informática & Comunicações Oportunidade e integração Setorial COMÉRCIO TRANSPORTE

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Fato Relevante Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário 27 de dezembro de 2007. Tomás Awad, Itaú Corretora:

Transcrição da Teleconferência Fato Relevante Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário 27 de dezembro de 2007. Tomás Awad, Itaú Corretora: Tomás Awad, Itaú Corretora: Bom dia. Eu queria só ter um pouco mais de noção pelo menos de Caieiras. Pelo que vocês deram a entender, o projeto começa em 2010 o lançamento. Em que estágio vocês estão agora

Leia mais

Transformando seus desafios em vantagens. Isso é produção inteligente, segura e sustentável

Transformando seus desafios em vantagens. Isso é produção inteligente, segura e sustentável Transformando seus desafios em vantagens Isso é produção inteligente, segura e sustentável Transformando seu negócio As negociações de sempre? Aqueles dias fazem parte do passado. As empresas de hoje devem

Leia mais

Apresentação institucional. Claudio A Violato Vice-Presidente de Tecnologia

Apresentação institucional. Claudio A Violato Vice-Presidente de Tecnologia Apresentação institucional Claudio A Violato Vice-Presidente de Tecnologia O CPqD Aumento da competitividade e inclusão digital do País Uma organização focada na inovação com base em Tecnologias de Informação

Leia mais

Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia

Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia Parceria entre a Ericsson e a Vivo promoverá o acesso à educação de qualidade no coração da Amazônia com a implementação de soluções

Leia mais

NOKIA. Em destaque LEE FEINBERG

NOKIA. Em destaque LEE FEINBERG Em destaque NOKIA LEE FEINBERG A Nokia é líder mundial no fornecimento de telefones celulares, redes de telecomunicações e serviços relacionados para clientes. Como Gerente Sênior de Planejamento de Decisões

Leia mais

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços Da ideia ao mercado Um caminho de percalços CONTEXTO REGULATÓRIO % da ROL a ser investido em P&D Investimento Recolhimento SEGMENTO P&D Light FNDCT MME Light SESA 0,2% 0,2% 0,1% Light Energia 0,4% 0,4%

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Utilização de Tecnologia PLC para Suporte à Aplicações

Utilização de Tecnologia PLC para Suporte à Aplicações Utilização de Tecnologia PLC para Suporte à Aplicações SmartGrid Workshop Internacional - Power Line Communication ANEE L, 3 e 4 de Maio de 2007 [1] SmartGrid - Visão ¾ Visibilidade em tempo real das condições

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

Iluminação pública. Capítulo VIII. Iluminação pública e urbana. O mundo digital

Iluminação pública. Capítulo VIII. Iluminação pública e urbana. O mundo digital 32 Led pra cá, Led pra lá... muito boa essa discussão, no entanto, o que muitas vezes deixamos de lembrar que o Led sem a eletrônica não é nada. Desde a mais simples aplicação até a mais complexa, a eletrônica

Leia mais

Programas Sistemas Projetos

Programas Sistemas Projetos Programas Sistemas Projetos A Cemig Maior empresa integrada do setor de energia elétrica do País, a Cemig também é o maior grupo distribuidor, responsável por aproximadamente 12% do mercado nacional. A

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA MOTIVADORES Níveis elevados de perdas não técnicas das empresas Restrições mais rígidas (ambientais,

Leia mais

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL 10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL Os meses de dezembro e janeiro na maioria das empresas são marcados invariavelmente por atividades de planejamentos, orçamentos e metas para o ano novo. Para o próximo

Leia mais

Buscamos sempre a solução mais eficaz, de acordo com o avanço tecnológico dos sistemas de Telecomunicações e Tecnologia da Informação.

Buscamos sempre a solução mais eficaz, de acordo com o avanço tecnológico dos sistemas de Telecomunicações e Tecnologia da Informação. A T7 Solutions Informática e Telecomunicações atua como prestadora de serviços de Infraestrutura de TI e Telecom, com foco no desenvolvimento e implementação de soluções de Infraestrutura, Dados e Voz.

Leia mais

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Projetos InovCityEDP Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Agenda Soluções Smart Grid implantadas na EDP Projeto InovCity Aparecida Projeto InovCity ES Desafios para o Setor Elétrico Barreiras à serem vencidas

Leia mais

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior Smart Energy Energias Inteligentes Álvaro Dias Júnior 8 de maio de 2014, Curitiba Cenário Econômico Brasileiro A importância do Brasil tanto na área econômica quanto política, tem aumentado nos últimos

Leia mais

2002 - Serviços para empresas

2002 - Serviços para empresas 2002 - Serviços para empresas Grupo Telefónica Data. Resultados Consolidados 1 (dados em milhões de euros) Janeiro - Dezembro 2002 2001 % Var. Receita por operações 1.731,4 1.849,7 (6,4) Trabalho para

Leia mais

RESULTADO DA PESQUISA O MOMENTO DO MERCADO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA NO BRASIL

RESULTADO DA PESQUISA O MOMENTO DO MERCADO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA NO BRASIL RESULTADO DA PESQUISA O MOMENTO DO MERCADO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA NO BRASIL SETEMBRO DE 2014 Organização Contexto da Pesquisa O mercado brasileiro de iluminação pública (IP) passa por um momento de transformação.

Leia mais

Manual do Digitronco. Sumário. A empresa do cliente consegue fazer várias ligações ao mesmo tempo.

Manual do Digitronco. Sumário. A empresa do cliente consegue fazer várias ligações ao mesmo tempo. Manual do Digitronco A empresa do cliente consegue fazer várias ligações ao mesmo tempo. Sumário 1. Introdução... 2 2. Conceito... 2 3. Tecnologia... 4 4. Topologia... 5 5. Diferencial... 6 5.1. Franquia

Leia mais

Escrito por Ricardo de Castro Barbosa Qua, 01 de Agosto de 2012 18:33 - Última atualização Sex, 26 de Julho de 2013 16:29

Escrito por Ricardo de Castro Barbosa Qua, 01 de Agosto de 2012 18:33 - Última atualização Sex, 26 de Julho de 2013 16:29 Há algum tempo, a energia para mover uma empresa era gerada por ela própria. No final do século XIV apareceram as primeiras usinas de energia elétrica ( power stations). Hoje poucas empresas geram sua

Leia mais

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia 1 Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia Autor: Kobi Gol Gerente de Desenvolvimento de Negócios e Soluções da RAD Data Communications. 2 As redes das empresas de energia estão

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente

Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente São Paulo, 2 de Julho de 2015 Eduardo Koki Iha Smart Cities & Inovação IoT eduardo.iha@telefonica.com - @kokiiha 1 Por que Cidades Inteligentes?_

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade

Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Cidades Digitais: Viabilidade Econômica e Sustentabilidade Este tutorial apresenta conceitos e modelos de negócios para a implantação das Cidades Digitais e, através de um estudo de caso da cidade da Filadélfia

Leia mais

Currículo. Carlos Roberto Vriesman. Engenheiro Eletricista Consultor

Currículo. Carlos Roberto Vriesman. Engenheiro Eletricista Consultor Currículo Carlos Roberto Vriesman Engenheiro Eletricista Consultor Out./2011 Currículo 1 - Tempo de Experiência Profissional 1.1 Tempo no cargo atual: Função: Superintendente desde 03.01.2011 Cargo: Engenheiro

Leia mais

2010 2014, AGORA EM SUA CASA PRÓPRIA,

2010 2014, AGORA EM SUA CASA PRÓPRIA, 2016 Apresentação Depois de ter idealizado, organizado e coordenado o Cinase (Circuito Nacional do Setor Elétrico) entre 2010 e 2014, AGORA EM SUA CASA PRÓPRIA, o GRUPO HMNEWS, o professor HILTON MORENO,

Leia mais

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendente

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-33 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-33 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO NO BRASIL E UMA VISÃO DE FUTURO Tema 1.1: Perdas Técnicas Autores: - ADILSON NOGUEIRA ARAÚJO TAP ELETRO-SISTEMAS - ERIVALDO COSTA COUTO

Leia mais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Visão Geral Desafio Hoje, os aplicativos da web são um tremendo

Leia mais

2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009. Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD

2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009. Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD 2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009 Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD O CPqD Instituição, focada na inovação com base nas tecnologias

Leia mais

Resumo. Julho de 2013. documento

Resumo. Julho de 2013. documento documento Abrindo novas portas para o sucesso das cobranças Saiba como as organizações de cobranças de todo o mundo acompanham o ritmo dos clientes móveis e das prioridades de pagamentos em mudança Julho

Leia mais

Rob Faris. Entrevista com. Berkman Center for Internet and Society

Rob Faris. Entrevista com. Berkman Center for Internet and Society Entrevista com Rob Faris Berkman Center for Internet and Society por João Brant 1 Rob Faris é diretor de Pesquisa do Berkman Center for Internet and Society da Universidade Harvard (EUA). Tem mestrado

Leia mais

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual?

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? RESUMO DO PARCEIRO: CA VIRTUAL FOUNDATION SUITE Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? O CA Virtual Foundation Suite permite

Leia mais

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Daniela Ramos Teixeira Para vencer a guerra diária num cenário co-opetivo (competitivo e cooperativo), as empresas

Leia mais

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO QUEM SOMOS Somos uma empresa brasileira dedicada a construir e prover soluções que empregam tecnologias inovadoras, combinadas com a identificação por rádio frequência (RFID), análise de imagens (imagens

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*)

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) Enquanto o Brasil vinha insistindo em uma política energética privilegiando grandes usinas e extensas linhas de transmissão, cada vez mais distantes

Leia mais

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio 27nov2013 Claudio T Correa Leite CPqD na Dinâmica de Transformação do Setor Elétrico A Dinâmica dos Mercados

Leia mais

Estudo da Migração para EMV e Análise de Mercado: México e Brasil 8 de dezembro de 2009

Estudo da Migração para EMV e Análise de Mercado: México e Brasil 8 de dezembro de 2009 Estudo da Migração para EMV e Análise de Mercado: México e Brasil 8 de dezembro de 2009 Palavras de inspiração Se você perder a confiança de seus compatriotas, nunca se pode recuperar o seu respeito e

Leia mais

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net WEG Depto Negócios em Energia Solar Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net Autoprodução Solar: Vale a pena? Visão mundial Visão Brasil Evolução Mercado Energia Solar Europa Potencial

Leia mais

Investing in the distribution sector, especially in metering, billing, CRM/CIS in Brazil Investindo no setor de distribuição, especialmente em

Investing in the distribution sector, especially in metering, billing, CRM/CIS in Brazil Investindo no setor de distribuição, especialmente em Investing in the distribution sector, especially in metering, billing, CRM/CIS in Brazil Investindo no setor de distribuição, especialmente em medição, faturamento, CRM/CIS no Brasil Cyro Vicente Boccuzzi

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

CPM Braxis Capgemini reduz custos em 18% com CA Business Service Insight

CPM Braxis Capgemini reduz custos em 18% com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY CPM Braxis Capgemini reduz custos em 18% com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: CPM Braxis Capgemini Empregados: 6500+ Faturamento:

Leia mais

Convergência por Design

Convergência por Design Convergência por Design Ronaldo Aloise Diretor de Vendas ESSN 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. 1 As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. A Transformação

Leia mais