Reflexões sobre o crédito para consumo e sua regulação econômica pelo Banco Central

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reflexões sobre o crédito para consumo e sua regulação econômica pelo Banco Central"

Transcrição

1 Reflexões sobre o crédito para consumo e sua regulação econômica pelo Banco Central João Guilherme Duda 1 INTRODUÇÃO Tradicionalmente, a economia considerava que as falhas de mercado são as razões que levam à regulação de determinada atividade. 1 Contudo, essa premissa deve ser ampliada de modo a contemplar não só a desigualdade entre competidores; mas, principalmente, a assimetria entre fornecedor e consumidor, especialmente, quando os consumidores das mercadorias ou dos serviços são as famílias, em regra com menor poder de negociação e de obter e interpretar as informações essenciais ao negócio. Desde a Revolução Industrial, no século XVIII, percebem-se as crescentes concentração e complexidade do mercado e das suas relações. Dessa forma, nem sempre toda a população está culturalmente capacitada a obter e avaliar as informações para decidir racionalmente. Essa dificuldade se agravou no século XX, que rapidamente superou o império da mão invisível e demandou a intervenção estatal na economia 2. Após a fase mais acentuada do Wellfare State, sobrevieram crises fiscais dos anos 80, que impuseram aos aparelhos estatais uma nova forma de intervenção, indireta e normativa. O Estado Regulador 3 substituiu o modelo em que o setor público intervinha diretamente como agente econômico. Assim, desde as privatizações e quebras de monopólios da década de 90, o governo brasileiro priorizou a atuação direta apenas nos setores estratégicos, ou economicamente inviáveis à iniciativa privada 4. Em conseqüência, o final da década de 90 foi fortemente marcado pela criação e consolidação de agências reguladoras, em regra independentes, de modo a estabelecer as regras do jogo recém-concedido ao setor privado. Nessa esteira, temos os exemplos da Anatel, Aneel, ANP, sem falar nas concessões de infra-estrutura de transporte. Esse modelo tem 1 PELTZMAN, S. A teoria da regulação depois de uma década de desrregulação. In: Regulação econômica e democracia: o debate norte-americano. p MOREIRA, Vital. Para uma exposição didática dessa idéia: a ordem jurídica do capitalismo. p JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de Direito Administrativo. p Como agente normativo e regulador da atividade econômica, o Estado exercerá, na forma da lei, as funções de fiscalização, incentivo e planejamento (...) artigo 174 da Constituição. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

2 diversos argumentos de legitimação, dentre os quais destacamos: a possibilidade de maior qualidade técnica 5 das decisões, dada a especialização por mercados; criação de normas por procedimentos democráticos, com audiências públicas e canais abertos de manifestação; independência política e conseqüente planejamento de longo prazo; e a coerência do conjunto das decisões, ao contrário do casuísmo das decisões judiciais. Contudo, o modelo regulador não aprisiona a atuação estatal à premissa de corrigir desvios do mercado, mas também admite como finalidade de realização de valores políticos e sociais 6, como a proteção do consumidor, notada em diversos casos de regulação econômica na Anatel: tarifas de telefonia, portabilidade, desbloqueio de aparelhos e validade de créditos pré-pagos; ou o critério de menor tarifa em concessões de rodovias e energia; no fortalecimento da regulação da concorrência (Cade); ou ainda na proteção dos minoritários no mercado acionário (CVM). Tendo o modelo acima como premissa, o foco desta análise é a atenção dada pelo Banco Central do Brasil ao seu papel regulador do mercado financeiro. Especificamente, o cuidado com a proteção das famílias (pessoas físicas) que tomam empréstimos para consumo; e de todos os agentes do mercado, como conseqüência. A necessidade de proteção do consumidor justifica-se, no caso do mercado de crédito, nas situações de escaladas de inadimplência, como na atual crise dos subprimes imobiliários dos EUA 7, ou simplesmente pela restrição à expansão do mercado por decorrência do comprometimento da renda das famílias. Assim, restam configuradas duas justificativas convergentes para a regulação do mercado de crédito para consumo: uma econômica, de proteção do próprio mercado, dependente do seu elo mais fraco; e outra política, da opção social pela defesa do consumidor. Isso se acentua quando o consumidor é do segmento famílias que, em regra, possuem instrumentos limitados de análise e decisão 8. 5 Sobre a legitimação da regulação estatal sobre escolhas na utilização de recursos escassos: NUSDEO, Fábio. Fundamentos para uma codificação do Direito Econômico. p Idem p Veja-se: ALBERINI, D.V; BOGUSZEWSKI, L.D. Por Dentro do Subprime: a crise imobiliária americana e seus impactos na economia brasileira. In:Vitrine da Conjuntura de maio de <http://www.fae.edu/vitrineconjuntura/pdf/artigo_maio_2.pdf>. Acesso em: 26 ago O caso americano também pode estar relacionado à questão da assimetria de informações de que trataremos adiante. O perfil do mutuário incluía baixa escolaridade, minoria étnica e o que se chama first timer, avesso à burocracia contratual e aos cálculos financeiros. 8 Dependendo da relação econômica/contratual as empresas podem ser enquadradas como consumidoras. Essa hipótese está excluída deste estudo, que irá se referir às famílias, consumidores e tomadores de empréstimos para consumo como sinônimos. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

3 2 MERCADO FINANCEIRO, BANCO CENTRAL E CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL O setor financeiro demanda regulação, primeiramente, por talvez ser o mais estratégico dentre todos. Nesta linha: [...] o desenvolvimento econômico e financeiro são interdependentes e complementares [...] vez que a intermediação financeira cumpre a importante tarefa de canalizar e transformar os recursos de poupança em investimento. Quanto mais desenvolvido o estágio da intermediação, maior tende a ser a formação de capital e mais eficiente a alocação de recursos [...]. 9 O Conselho Monetário Nacional é o aparelho pelo qual o Estado brasileiro regula, por meio de normas, o mercado financeiro, restando ao Bacen o papel regulador por meio da execução daquelas normas, inclusive fiscalizando os agentes financeiros 10. Portanto, recai sobre esses órgãos o poder e o dever de disciplinar o mercado de crédito, sempre em vista da finalidade mediata de desenvolvimento econômico e social. Embora não possuam institucionalmente independência política, nem eficiência na abertura de canais populares de comunicação e participação, as decisões desses órgãos encontram forte legitimação na especialização técnica, bem como na possibilidade de coerência e visão de longo prazo. Por isso, quando há omissão, esta é preenchida negativamente pelos casuísmos judiciários, ou populismo legislativo, sempre com o predomínio do discurso ideológico e jurídico, em detrimento do rigor técnico e econômico. 3 O CRÉDITO PARA CONSUMO NA ATUAL CONJUNTURA As conseqüências do crédito para consumo transbordam com facilidade o setor financeiro pela sua relação direta com o lado real da economia, pois indispensáveis à geração de demanda e, desta forma, à produção e à criação de riquezas. Ainda mais se considerarmos uma dentre modalidades mais significativas: o crédito para a aquisição de veículos. A despeito da crise evidenciada em setembro de 2008, o quadro geral ainda é de vendas aquecidas. Vejamos julho de 2008: as vendas de veículos batem recordes 288 mil unidades 11, 30,4% a mais do que no mesmo período do ano anterior, já considerado positivo. A 9 CONTADOR, Cláudio Roberto. Mercado de ativos financeiros no Brasil. Apud ROSSETI. Introdução à Economia. p Cf. Lei de Dados extraídos de: <http://www.estadao.com.br/economia/not_eco218554,0.htm>. Acesso em: 26 ago Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

4 produção alcança o teto da capacidade instalada e enseja novos investimentos e o aumento de preços. O setor automotivo tem sido apontado como um dos que mais contribui com a aceleração do PIB. Para a Anfavea tudo isso resulta principalmente das facilidades de crédito 12. Complementaríamos que não se trata apenas das referidas facilidades decorrentes da queda da Selic a 11,25% ao ano em 2007 mas também da capacidade de o consumidor responder a essa oferta, por decorrência do aumento da sua renda 13. Com renda crescente e a inflação controlada, a virada de 2007/2008 trouxe o fenômeno dos financiamentos de até 72 meses. No cenário positivo, a imprudência do consumidor passa impune, pois ele pode ficar sem capacidade de poupança, ou de novo consumo, mas consegue equilibrar seu orçamento com os ganhos crescentes. Porém, historicamente, em especial pela crise de 1929, o que se aprende é que a postura liberal clássica do Estado em um ciclo eufórico costuma preceder cenários negativos que poderiam por ele ser evitados, ou mitigados. É por isso que se pode dizer que a regulação estatal deve ser antes preventiva do que remediadora. O grande desafio passa a ser prevenir sem sufocar. A virada de semestre em 2008 trouxe a preocupação com a inflação, ou mesmo de estagflação, e o aumento de juros, mas nem por isso as vendas encolheram significativamente 14. Contudo, já há os primeiros sinais de inadimplência, com aumento de 6,9% em julho, conforme o Serasa 15. Se, em meio à euforia, os argumentos preocupados com o endividamento das famílias foram logo confrontados 16, talvez o momento atual, que permite algum negativismo, enseje não apenas uma discussão sobre uma intervenção saneadora com a redução de prazos de financiamento, mas uma regulação democrática e preventiva, de modo a equalizar as relações entre tomadores e financiadores e a conferir confiabilidade e crescimento contínuo ao mercado de crédito e ao consumo dele dependente. A confiabilidade, com baixos índices de inadimplência, passa a ser essencial no cenário de incerteza e queda da liquidez. 12 Dados extraídos de: <http://g1.globo.com/noticias/carros/0,,mul ,00.html>. Acesso em: 26 ago MENDES LOURENÇO, Gilmar. A recuperação do crédito e do consumo no Brasil. In: Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril Disponível em: <http://www.fae.edu/ vitrineconjuntura/ pdf/artigo_maio_3.pdf>. Acesso em: 26 ago Interessam especialmente ao nosso estudo os dados da classe C, consumidora de carros, com pouca renda excedente e baixo nível cultural, em regra. 14 Continuam a crescer: Disponível em: <http://www.anfavea.com.br/tabelas/autoveiculos/tabela01_ producao.pdf. 15 Disponível em: <http://www.acrefi.org.br/destaque.asp?id=102>. Acesso em: 26 ago Considerando todo o crédito às famílias. 16 No dia 21/03/2008 a imprensa veiculou a preocupação do Min. Mantega com os prazos alongados do crédito para compra de veículos. Em 24/03, o governo desmentiu a informação. Em 27/03, a imprensa noticia reunião em que banqueiros garantem a Mantega que o mercado era sustentável. Confiram-se as 3 etapas, respectivamente em: <http://oglobo.globo.com/economia/mat/2008/03/21/governo_vai_restringir_credito_ para_ tentar_conter_consumo asp;http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2008/03/24/materia /view; Acesso em: 26 ago Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

5 4 O CONSUMIDOR SABE O QUE FAZ? O livre-arbítrio é premissa essencial da democracia e do capitalismo. O argumento de que o povo não sabe o que faz é o primeiro usado na tomada das suas liberdades por parte dos tiranos que se crêem mais sabidos e mais bem intencionados do que os alienados. Posto esse obstáculo, como regular o mercado sem que o Estado tome a autonomia da vontade do indivíduo? Talvez a chave esteja menos em reduzir as possibilidades de contratação e mais na oferta de meios para que cada família tome decisões sem comprometer a sua solvência futura. Poderia se falar na batalha nunca priorizada para elevar o nosso nível cultural e educacional. Ou ainda, sobre a necessidade de se ensinar economia doméstica. Mas, esse problema é mais nobre e amplo do que esse que urge nas presentes considerações conjunturais. As famílias que contratam crédito para consumo estão em posição assimétrica nas informações disponíveis. Não há como se falar em mercado livre e lei da oferta e procura, quando o consumidor não pode agir racionalmente, uma vez que não possui elementos para intuir a relação custo-benefício do serviço que compra. Em regra, o problema da assimetria de informações diz respeito à qualidade do produto, conhecida apenas pelo vendedor, do que resulta vantagem para os produtos de menor qualidade, em prejuízo do consumidor. Esse desvio costuma ser corrigido por medidas estatais de padronização, certificação, entre outros 17. No crédito oferecido ao consumidor brasileiro, a assimetria de informação é muito mais grave: diz respeito ao custo do produto, impedindo qualquer racionalidade na escolha. O dado principal seria o custo financeiro da operação, ou seja, a diferença entre o preço à vista e aquele que quita o financiamento, em comparação com o benefício da antecipação do consumo no tempo. O custo financeiro da operação, contudo, não é dado explicitamente a quem contrata. Na forma como as propostas e os contratos são apresentados, a obtenção de todas as informações úteis à tomada de decisão depende de cálculos financeiros que deveriam estar previamente disponíveis. Sequer destaca-se o resultado da soma das parcelas. E ainda, não há alerta de que embora as parcelas sejam fixas, há outros fatores (inclusive os custos de uso e manutenção do bem adquirido) que podem comprometer a capacidade de pagamento 18. A resolução do CMN nº 2878/2001 regulou genericamente os instrumentos contratuais, de modo que trouxessem em letras maiores dados que os consumidores não sabem avaliar, nem deles obter o essencial: o custo financeiro. Veja-se no artigo 1º, III: clareza e formato que permitam fácil leitura dos contratos celebrados com clientes, contendo identificação de prazos, valores negociados, taxas de juros, de mora e de administração, comissão de permanência, encargos moratórios, multas por inadimplemento e demais condições. Todos os dados acima envolvem cálculos percentuais compostos, e lamentavelmente, há apenas um dado nominal que se atenta ao consumidor: o valor da parcela. Repita-se que o dado essencial e plenamente compreensível é omitido: o custo do financiamento. 17 PINDYCK, R. S.; RUBINFELD, D. L. Microecnomia. São Paulo: Makron Books, p No mercado de fundos de investimentos, há auto-regulação, com a exposição voluntária, nos prospectos, aos consumidores sobre os riscos de perdas, por exemplo. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

6 O pior é que tal custo se dá muito acima da curva de juros futuros do período do financiamento, por um motivo simples: não há competição efetiva no mercado que, pela pouca quantidade de agentes, assemelha-se ao oligopólio, mas pela carência de informações comparativas apresenta distorções de concorrência monopolista 19. De qualquer forma, a elevada diferença entre o que as instituições financeiras pagam e cobram de juros, o spread denota poder de mercado na determinação de preços, o que não é lícito, nem socialmente desejável. Isso é fundamento para regulamentação da concorrência, o que no setor financeiro foge à competência do CADE. Uma das soluções para mercados com assimetria de informações costuma ser a imposição de um critério estatal de padronização. Assim, o CMN, pela sua especialização, poderia pesquisar e determinar a forma pela qual o consumidor consegue compreender as informações essenciais à sua decisão acerca do empréstimo proposto, bem como das ofertas concorrentes. E isso, certamente, não se resolve apenas com a determinação do tamanho da letra. 5 O QUE FALTA PARA AS FAMÍLIAS É INFORMAÇÃO? A chave do problema reside no efetivo exercício das competências regulatórias por conta do Bacen e do CMN. Vale a pena resgatar o célebre problema da teoria da captura. Aprofundada por Stigler e Pelzman 20, consagra que a regulação estatal da economia costuma sofrer um deficit democrático à medida que os agentes privados são mais atuantes nas agências e conseguem capturá-las, via lobby, para o atendimento dos seus interesses. Tal constatação foi amenizada, à medida que se verificou que há grupos populares de pressão que conseguem viabilizar seus interesses, bem como há uma margem dentro da qual o agente regulador trabalha sem perder o apoio de grupos com interesses opostos. Mas, disso se retira que um grupo organizado (poderoso) pode obter sucesso em capturar o agente que o deveria fiscalizar, especialmente, quando o grupo oposto está desorganizado. E no CMN? E no Bacen? Que o segmento financeiro brasileiro é oligopolizado e extremamente organizado é inegável. Que a normatização financeira é complexa e quase inacessível aos consumidores, também. Que os canais de comunicação com esses órgãos é significativamente mais fechado do que, por exemplo, com a Anatel, igualmente. Segundo o que já foi dito acima, se equilibrada e despolitizada, a proteção do consumidor pode significar a 19 A expressão concorrência monopolista, cunhada por Chamberlin, tem o seu aparente paradoxo sanado pela idéia de que nesse mercado há concorrência em razão do número de concorrentes, que não enfrentam barreiras ao seu ingresso no mercado; mas que é monopolista, pois os produtos desses agentes não concorrem diretamente entre si, inclusive nos casos em que a falta de informação impede uma comparação racional entre as vantagens que oferecem. 20 Novamente, PELTZMAN, S. A teoria da regulação depois de uma década de desrregulação.. In: Regulação Econômica e Democracia, o debate norte-americano. São Paulo: Editora 34, p Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

7 preservação do crescimento do próprio mercado, em benefício também dos agentes financeiros (e produtivos, indiretamente). Em um cenário de aversão a riscos e de desaceleração da economia, o aumento da inadimplência pode prejudicar, significativamente, a concessão de novos empréstimos. Os canais para defesa dos interesses do consumidor devem ser impostos pela União ao CMN e ao Bacen, que não se enquadram no perfil das agências reguladoras independentes, de modo a fomentar uma regulação efetiva, sem paternalismo consumista, nem patrimonialismo com o Estado a serviço das instituições financeiras. Tal composição, politicamente, é ao mesmo tempo complexa e desejável, uma vez que o aumento de renda de novos consumidores, bem como as excepcionais condições de lucratividade para o setor financeiro, constituem duas das mais significativas bases de sustentação do atual governo. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS O consumo interno é essencial para o desenvolvimento econômico de qualquer país, pois gera demanda para a produção industrial. Dadas às dificuldades, inclusive culturais, as famílias dependem do crédito para consumir. O que se verifica é que a oferta do crédito e a capacidade de adimplência dos consumidores se mostram indissociáveis de períodos de excepcional bonança econômica, como o ano de 2007 e o início do Plano Real, por exemplo. Isso ocorre, dentre outras razões, porque o custo dos financiamentos, bem como a falta de informações para planejamento, faz com que o sacrifício das famílias para pagamento esteja sempre perigosamente no limite, ou acima dele. É urgente a regulação que possibilite a atuação racional dos consumidores, de modo a conferir sustentabilidade ao mercado. Impõe-se o amadurecimento institucional do CMN, com alterações formais de natureza procedimental para a constituição das suas decisões não apenas por decorrência do problema que levantamos aqui, mas, para que sua composição seja mais representativa da sociedade civil. Por fim, vale lembrar que esse vácuo regulatório é, por vezes, preenchido de maneira danosa ao mercado, por decisões judiciais não uniformes, muitas vezes em prejuízo de critérios econômicos socialmente desejáveis, e em benefício apenas dos consumidores com maior capacidade de acesso ao Judiciário. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

8 REFERÊNCIAS ALBERINI, D. V; BOGUSZEWSKI, L. D. Por dentro do subprime: a crise imobiliária americana e seus impactos na economia brasileira. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abr Disponível em: <http://www.fae.edu/vitrineconjuntura/pdf/artigo_maio_2.pd>f>. Acesso em: 26 ago JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de direito administrativo. São Paulo: Saraiva, MAJONE, Giandomenico. Regulating europe. London: Routledge, [s.a]. MENDES LOURENÇO, Gilmar. A recuperação do crédito e do consumo no Brasil. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abr Disponível em: <http://www.fae.edu/vitrineconjuntura/ pdf/artigo_maio_3.pdf>. Acesso em: 26 ago MOREIRA, Vital. A ordem jurídica do capitalismo. 4.ed. Lisboa: Caminho, NUSDEO, Fábio. Fundamentos para uma codificação do direito econômico. São Paulo: RT, PELTZMAN, S. A teoria da regulação depois de uma década de desrregulação. In:. Regulação econômica e democracia, o debate norte-americano. São Paulo: Editora 34, PINDYCK, R. S; RUBINFELD, D. L. Microeconomia. São Paulo: Makron Books, ROSSETI, José Paschoal. Introdução à Economia. 19. ed. São Paulo: Atlas, VASCONCELLOS, Marco Antônio S. e outro. Fundamentos de Economia. São Paulo: Saraiva, Site consultado Disponível em: <http://cepa.newschool.edu/het/scho>. Acesso em: 15 out Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 1 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! 1- O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

2 Abertura de capital

2 Abertura de capital 2 Abertura de capital 2.1. Mercado de capitais O Sistema Financeiro pode ser segmentado, de acordo com os produtos e serviços financeiros prestados, em quatro tipos de mercado: mercado monetário, mercado

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

Portabilidade de Crédito sairá do papel?

Portabilidade de Crédito sairá do papel? Portabilidade de Crédito sairá do papel? Paulo Henrique Valadares Pereira Banco Cooperativo Sicredi 1 Objetivo Compartilhar informações sobre a Portabilidade de Crédito, seu desempenho no mercado de crédito

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Ritmo da atividade econômica e mudança nas regras da poupança Grupo de Economia / Fundap Introdução A frustração com o ritmo de crescimento da economia brasileira é evidente. A produção industrial permaneceu,

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO CONJUNTURA ECONÔMICA INTERNACIONAL E NACIONAL

CENÁRIO ECONÔMICO CONJUNTURA ECONÔMICA INTERNACIONAL E NACIONAL BRB - Crédito, Financiamento e Investimento S.A. Relatório da Administração 1º semestre 2012 Senhor Acionista, Para dar conformidade à Lei das Sociedades por Ações, do Conselho Monetário Nacional, do Banco

Leia mais

OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS

OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS José Lúcio Alves Silveira 1 RESUMO O trabalho apresenta que o importante desafio para o País consiste na União

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

A PRÉ-QUALIFICAÇÃO COMO PROCEDIMENTO AUXILIAR DAS LICITAÇÕES DO RDC (LEI 12.462/2011)

A PRÉ-QUALIFICAÇÃO COMO PROCEDIMENTO AUXILIAR DAS LICITAÇÕES DO RDC (LEI 12.462/2011) A PRÉ-QUALIFICAÇÃO COMO PROCEDIMENTO AUXILIAR DAS LICITAÇÕES DO RDC (LEI 12.462/2011) Marçal Justen Filho Doutor em Direito pela PUC/SP Sócio de Justen, Pereira, Oliveira e Talamini 1. Introdução Talvez

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003.

INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003. INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003. CVM BRASIL O modelo capitalista baseado na economia de mercado

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

DIREITO E ECONOMIA DOS CONTRATOS NO PROJETO DE CÓDIGO COMERCIAL

DIREITO E ECONOMIA DOS CONTRATOS NO PROJETO DE CÓDIGO COMERCIAL DIREITO E ECONOMIA DOS CONTRATOS NO PROJETO DE CÓDIGO COMERCIAL Prof. Dr. Luciano Benetti Timm Post Doctoral Fellow UC Berkeley Doutor em Direito dos Negócios (UFRGS) Mestre em Direito Civil (UFRGS) LLM

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) OU TAXA

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO?

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? 1 TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? I - INTRODUÇÃO O mercado aéreo brasileiro vem apresentando, em seu segmento doméstico, taxas de crescimento chinesas desde o início de

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Título Custo de capital regulatório e investimentos em energia Veículo Valor Econômico Data 22 janeiro 2015 Autores Claudio J. D. Sales, Richard Lee

Título Custo de capital regulatório e investimentos em energia Veículo Valor Econômico Data 22 janeiro 2015 Autores Claudio J. D. Sales, Richard Lee Título Custo de capital regulatório e investimentos em energia Veículo Valor Econômico Data 22 janeiro 2015 Autores Claudio J. D. Sales, Richard Lee Hochstetler e Eduardo Müller Monteiro A distribuição

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*)

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Nivalde J. de Castro (**) Daniel Bueno (***) As mudanças na estrutura do Setor Elétrico Brasileiro (SEB), iniciadas

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

Introdução. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista,

Introdução. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Transição de Garantias de Ampla Abrangência para um Sistema de Seguro Depósito com Cobertura Limitada. (abril, 2002) Ana Carla

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

A empresa e o Ambiente de. Negócios

A empresa e o Ambiente de. Negócios Centro Universitário Franciscano Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I A empresa e o Ambiente de 00 000 00 0 000 000 0 Negócios Profª. Juliana A. Rüdell Boligon Santa Maria, março de 202.

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO Sumário Introdução... 2 Condições Gerais... 2 Definições... 2 Análise de crédito: principais critérios... 3 Contratos... 4 Acompanhamento de liquidez... 4 Principais

Leia mais

Ato normativo do Ministério da Fazenda estabelecerá a metodologia de implementação da ação. Localizador (es) 0051 - No Estado de Mato Grosso

Ato normativo do Ministério da Fazenda estabelecerá a metodologia de implementação da ação. Localizador (es) 0051 - No Estado de Mato Grosso Programa 0902 - Operações Especiais: Financiamentos com Retorno 0029 - Financiamento aos Setores Produtivos da Região Centro-Oeste Número de Ações 21 UO: 74914 - Recursos sob Supervisão do Fundo Constitucional

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 1 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO 9 INFORMAÇÕES DIVULGADAS 10 CUSTÓDIA

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Parceria Público-Privada Algumas Notas

Parceria Público-Privada Algumas Notas Parceria Público-Privada Algumas Notas ANTONIO FONSECA Subprocurador Geral da República Coordenador da 3ª Câmara de Coordenação e Revisão Consumidor e Ordem Econômica Seminário sobre Parceria Público-Privada

Leia mais

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira Claudio Roberto Amitrano Dr. em Economia UNICAMP DIMAC-IPEA claudio.amitrano@ipea.gov.br Principais determinantes da crise Crise: inadimplência

Leia mais

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015 Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural Produtor, a, atenta a diversos relatos de produtores quanto a insistência de agentes bancários

Leia mais

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública.

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, História recente da economia brasileira A economia

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Regulação do Sistema Financeiro Nacional

Regulação do Sistema Financeiro Nacional Regulação do Sistema Financeiro Nacional Sergio Odilon dos Anjos 8º Congresso Febraban de Direito Bancário São Paulo 19 de maio de 2011 1 Regulação do Sistema Financeiro Banco Central do Brasil Missão:

Leia mais

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública.

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública. Pág.1 de 11 1. O QUE SÃ O PPPs? São modalidades especiais de concessão por meio da qual a Administração Pública delega a um particular a prestação de um serviço público, com ou sem construção de obra,

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Pergunta: Qual é a necessidade de um sistema regulatório do sistema financeiro?

Pergunta: Qual é a necessidade de um sistema regulatório do sistema financeiro? PALESTRA Nº 5-11/09/2015 MONITORA RESPONSÁVEL: CAROLINE PAGLIARINI BALEST TURMA B Aluno: Hugo Mesquita Póvoa Matricula: 130142638 Pergunta: Qual é a necessidade de um sistema regulatório do sistema financeiro?

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA RESOLUÇÃO 4.392, DE 19 DE

CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA RESOLUÇÃO 4.392, DE 19 DE 1. CONSIDERÇÕES SOBRE NOV RESOLUÇÃO 4.392, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Conforme o artigo 1º, as alterações se dão nos artigos. 7º, 13, 14, 22 e 23 da Resolução nº 3.922, de 25 de novembro. Temos deste modo,

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL

SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL Autor: Luciano Duarte Peres, sócio diretor de Peres Advogados Associados, atuante na área de direito financeiro e mercado de capitais. Obrigatoriedade

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

Regulação do Sistema Financeiro Nacional

Regulação do Sistema Financeiro Nacional Regulação do Sistema Financeiro Nacional Sergio Odilon dos Anjos Chefe do Departamento de Normas do Sistema Financeiro Brasília 18 de julho de 2011 1 Regulação do Sistema Financeiro Banco Central do Brasil

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 Melhoria do marco regulatório para o crédito Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 1 Objetivo das medidas: melhorar a produtividade e a competitividade da economia Liberação de compulsório e redução

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO As Assessorias de Riscos, da Coordenadoria de Riscos e Controles Internos - CORCI, em atendimento ao Art. 4º, da Resolução nº. 3.380, de 29 de junho

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

Condições Gerais Para Abertura de Conta

Condições Gerais Para Abertura de Conta O Cliente, devidamente qualificado no Cadastro, doravante designado simplesmente Cliente, toma conhecimento dos termos definidos pelo Banco BTG Pactual S.A. para a abertura de conta corrente de depósitos

Leia mais

Investimento no exterior: MORTGAGE

Investimento no exterior: MORTGAGE Investimento no exterior: MORTGAGE 01. Overview Crise do Subprime 2 01. Overview Crise Subprime Entendendo a Crise do Subprime Baixas taxas de juros levaram ao aquecimento do mercado imobiliários nos EUA

Leia mais

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO v.13, Série B. n.1, p. 1-7 EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL Deborah Tinoco Ribeiro deborahtinoco@yahoo.com.br Marcus

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS Wanderlei Pereira das Neves 1 Resumo Nosso trabalho visa a demonstrar que a auditoria interna governamental é o ápice da

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação

As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação Maria Ivanúcia Lopes da Costa 1 Resumo: Com as privatizações chegando ao Brasil na década de 90, o Estado preparou-se

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O ESTADO VEIO TENDO, NO DECORRER DO SÉCULO XX, ACENTUADO PAPEL NO RELACIONAMENTO ENTRE DOMÍNIO JURÍDICO E O ECONÔMICO. HOJE, TAL RELAÇÃO JÁ SOFRERA PROFUNDAS

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais