Reflexões sobre o crédito para consumo e sua regulação econômica pelo Banco Central

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reflexões sobre o crédito para consumo e sua regulação econômica pelo Banco Central"

Transcrição

1 Reflexões sobre o crédito para consumo e sua regulação econômica pelo Banco Central João Guilherme Duda 1 INTRODUÇÃO Tradicionalmente, a economia considerava que as falhas de mercado são as razões que levam à regulação de determinada atividade. 1 Contudo, essa premissa deve ser ampliada de modo a contemplar não só a desigualdade entre competidores; mas, principalmente, a assimetria entre fornecedor e consumidor, especialmente, quando os consumidores das mercadorias ou dos serviços são as famílias, em regra com menor poder de negociação e de obter e interpretar as informações essenciais ao negócio. Desde a Revolução Industrial, no século XVIII, percebem-se as crescentes concentração e complexidade do mercado e das suas relações. Dessa forma, nem sempre toda a população está culturalmente capacitada a obter e avaliar as informações para decidir racionalmente. Essa dificuldade se agravou no século XX, que rapidamente superou o império da mão invisível e demandou a intervenção estatal na economia 2. Após a fase mais acentuada do Wellfare State, sobrevieram crises fiscais dos anos 80, que impuseram aos aparelhos estatais uma nova forma de intervenção, indireta e normativa. O Estado Regulador 3 substituiu o modelo em que o setor público intervinha diretamente como agente econômico. Assim, desde as privatizações e quebras de monopólios da década de 90, o governo brasileiro priorizou a atuação direta apenas nos setores estratégicos, ou economicamente inviáveis à iniciativa privada 4. Em conseqüência, o final da década de 90 foi fortemente marcado pela criação e consolidação de agências reguladoras, em regra independentes, de modo a estabelecer as regras do jogo recém-concedido ao setor privado. Nessa esteira, temos os exemplos da Anatel, Aneel, ANP, sem falar nas concessões de infra-estrutura de transporte. Esse modelo tem 1 PELTZMAN, S. A teoria da regulação depois de uma década de desrregulação. In: Regulação econômica e democracia: o debate norte-americano. p MOREIRA, Vital. Para uma exposição didática dessa idéia: a ordem jurídica do capitalismo. p JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de Direito Administrativo. p Como agente normativo e regulador da atividade econômica, o Estado exercerá, na forma da lei, as funções de fiscalização, incentivo e planejamento (...) artigo 174 da Constituição. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

2 diversos argumentos de legitimação, dentre os quais destacamos: a possibilidade de maior qualidade técnica 5 das decisões, dada a especialização por mercados; criação de normas por procedimentos democráticos, com audiências públicas e canais abertos de manifestação; independência política e conseqüente planejamento de longo prazo; e a coerência do conjunto das decisões, ao contrário do casuísmo das decisões judiciais. Contudo, o modelo regulador não aprisiona a atuação estatal à premissa de corrigir desvios do mercado, mas também admite como finalidade de realização de valores políticos e sociais 6, como a proteção do consumidor, notada em diversos casos de regulação econômica na Anatel: tarifas de telefonia, portabilidade, desbloqueio de aparelhos e validade de créditos pré-pagos; ou o critério de menor tarifa em concessões de rodovias e energia; no fortalecimento da regulação da concorrência (Cade); ou ainda na proteção dos minoritários no mercado acionário (CVM). Tendo o modelo acima como premissa, o foco desta análise é a atenção dada pelo Banco Central do Brasil ao seu papel regulador do mercado financeiro. Especificamente, o cuidado com a proteção das famílias (pessoas físicas) que tomam empréstimos para consumo; e de todos os agentes do mercado, como conseqüência. A necessidade de proteção do consumidor justifica-se, no caso do mercado de crédito, nas situações de escaladas de inadimplência, como na atual crise dos subprimes imobiliários dos EUA 7, ou simplesmente pela restrição à expansão do mercado por decorrência do comprometimento da renda das famílias. Assim, restam configuradas duas justificativas convergentes para a regulação do mercado de crédito para consumo: uma econômica, de proteção do próprio mercado, dependente do seu elo mais fraco; e outra política, da opção social pela defesa do consumidor. Isso se acentua quando o consumidor é do segmento famílias que, em regra, possuem instrumentos limitados de análise e decisão 8. 5 Sobre a legitimação da regulação estatal sobre escolhas na utilização de recursos escassos: NUSDEO, Fábio. Fundamentos para uma codificação do Direito Econômico. p Idem p Veja-se: ALBERINI, D.V; BOGUSZEWSKI, L.D. Por Dentro do Subprime: a crise imobiliária americana e seus impactos na economia brasileira. In:Vitrine da Conjuntura de maio de <http://www.fae.edu/vitrineconjuntura/pdf/artigo_maio_2.pdf>. Acesso em: 26 ago O caso americano também pode estar relacionado à questão da assimetria de informações de que trataremos adiante. O perfil do mutuário incluía baixa escolaridade, minoria étnica e o que se chama first timer, avesso à burocracia contratual e aos cálculos financeiros. 8 Dependendo da relação econômica/contratual as empresas podem ser enquadradas como consumidoras. Essa hipótese está excluída deste estudo, que irá se referir às famílias, consumidores e tomadores de empréstimos para consumo como sinônimos. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

3 2 MERCADO FINANCEIRO, BANCO CENTRAL E CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL O setor financeiro demanda regulação, primeiramente, por talvez ser o mais estratégico dentre todos. Nesta linha: [...] o desenvolvimento econômico e financeiro são interdependentes e complementares [...] vez que a intermediação financeira cumpre a importante tarefa de canalizar e transformar os recursos de poupança em investimento. Quanto mais desenvolvido o estágio da intermediação, maior tende a ser a formação de capital e mais eficiente a alocação de recursos [...]. 9 O Conselho Monetário Nacional é o aparelho pelo qual o Estado brasileiro regula, por meio de normas, o mercado financeiro, restando ao Bacen o papel regulador por meio da execução daquelas normas, inclusive fiscalizando os agentes financeiros 10. Portanto, recai sobre esses órgãos o poder e o dever de disciplinar o mercado de crédito, sempre em vista da finalidade mediata de desenvolvimento econômico e social. Embora não possuam institucionalmente independência política, nem eficiência na abertura de canais populares de comunicação e participação, as decisões desses órgãos encontram forte legitimação na especialização técnica, bem como na possibilidade de coerência e visão de longo prazo. Por isso, quando há omissão, esta é preenchida negativamente pelos casuísmos judiciários, ou populismo legislativo, sempre com o predomínio do discurso ideológico e jurídico, em detrimento do rigor técnico e econômico. 3 O CRÉDITO PARA CONSUMO NA ATUAL CONJUNTURA As conseqüências do crédito para consumo transbordam com facilidade o setor financeiro pela sua relação direta com o lado real da economia, pois indispensáveis à geração de demanda e, desta forma, à produção e à criação de riquezas. Ainda mais se considerarmos uma dentre modalidades mais significativas: o crédito para a aquisição de veículos. A despeito da crise evidenciada em setembro de 2008, o quadro geral ainda é de vendas aquecidas. Vejamos julho de 2008: as vendas de veículos batem recordes 288 mil unidades 11, 30,4% a mais do que no mesmo período do ano anterior, já considerado positivo. A 9 CONTADOR, Cláudio Roberto. Mercado de ativos financeiros no Brasil. Apud ROSSETI. Introdução à Economia. p Cf. Lei de Dados extraídos de: <http://www.estadao.com.br/economia/not_eco218554,0.htm>. Acesso em: 26 ago Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

4 produção alcança o teto da capacidade instalada e enseja novos investimentos e o aumento de preços. O setor automotivo tem sido apontado como um dos que mais contribui com a aceleração do PIB. Para a Anfavea tudo isso resulta principalmente das facilidades de crédito 12. Complementaríamos que não se trata apenas das referidas facilidades decorrentes da queda da Selic a 11,25% ao ano em 2007 mas também da capacidade de o consumidor responder a essa oferta, por decorrência do aumento da sua renda 13. Com renda crescente e a inflação controlada, a virada de 2007/2008 trouxe o fenômeno dos financiamentos de até 72 meses. No cenário positivo, a imprudência do consumidor passa impune, pois ele pode ficar sem capacidade de poupança, ou de novo consumo, mas consegue equilibrar seu orçamento com os ganhos crescentes. Porém, historicamente, em especial pela crise de 1929, o que se aprende é que a postura liberal clássica do Estado em um ciclo eufórico costuma preceder cenários negativos que poderiam por ele ser evitados, ou mitigados. É por isso que se pode dizer que a regulação estatal deve ser antes preventiva do que remediadora. O grande desafio passa a ser prevenir sem sufocar. A virada de semestre em 2008 trouxe a preocupação com a inflação, ou mesmo de estagflação, e o aumento de juros, mas nem por isso as vendas encolheram significativamente 14. Contudo, já há os primeiros sinais de inadimplência, com aumento de 6,9% em julho, conforme o Serasa 15. Se, em meio à euforia, os argumentos preocupados com o endividamento das famílias foram logo confrontados 16, talvez o momento atual, que permite algum negativismo, enseje não apenas uma discussão sobre uma intervenção saneadora com a redução de prazos de financiamento, mas uma regulação democrática e preventiva, de modo a equalizar as relações entre tomadores e financiadores e a conferir confiabilidade e crescimento contínuo ao mercado de crédito e ao consumo dele dependente. A confiabilidade, com baixos índices de inadimplência, passa a ser essencial no cenário de incerteza e queda da liquidez. 12 Dados extraídos de: <http://g1.globo.com/noticias/carros/0,,mul ,00.html>. Acesso em: 26 ago MENDES LOURENÇO, Gilmar. A recuperação do crédito e do consumo no Brasil. In: Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril Disponível em: <http://www.fae.edu/ vitrineconjuntura/ pdf/artigo_maio_3.pdf>. Acesso em: 26 ago Interessam especialmente ao nosso estudo os dados da classe C, consumidora de carros, com pouca renda excedente e baixo nível cultural, em regra. 14 Continuam a crescer: Disponível em: <http://www.anfavea.com.br/tabelas/autoveiculos/tabela01_ producao.pdf. 15 Disponível em: <http://www.acrefi.org.br/destaque.asp?id=102>. Acesso em: 26 ago Considerando todo o crédito às famílias. 16 No dia 21/03/2008 a imprensa veiculou a preocupação do Min. Mantega com os prazos alongados do crédito para compra de veículos. Em 24/03, o governo desmentiu a informação. Em 27/03, a imprensa noticia reunião em que banqueiros garantem a Mantega que o mercado era sustentável. Confiram-se as 3 etapas, respectivamente em: <http://oglobo.globo.com/economia/mat/2008/03/21/governo_vai_restringir_credito_ para_ tentar_conter_consumo asp;http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2008/03/24/materia /view; Acesso em: 26 ago Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

5 4 O CONSUMIDOR SABE O QUE FAZ? O livre-arbítrio é premissa essencial da democracia e do capitalismo. O argumento de que o povo não sabe o que faz é o primeiro usado na tomada das suas liberdades por parte dos tiranos que se crêem mais sabidos e mais bem intencionados do que os alienados. Posto esse obstáculo, como regular o mercado sem que o Estado tome a autonomia da vontade do indivíduo? Talvez a chave esteja menos em reduzir as possibilidades de contratação e mais na oferta de meios para que cada família tome decisões sem comprometer a sua solvência futura. Poderia se falar na batalha nunca priorizada para elevar o nosso nível cultural e educacional. Ou ainda, sobre a necessidade de se ensinar economia doméstica. Mas, esse problema é mais nobre e amplo do que esse que urge nas presentes considerações conjunturais. As famílias que contratam crédito para consumo estão em posição assimétrica nas informações disponíveis. Não há como se falar em mercado livre e lei da oferta e procura, quando o consumidor não pode agir racionalmente, uma vez que não possui elementos para intuir a relação custo-benefício do serviço que compra. Em regra, o problema da assimetria de informações diz respeito à qualidade do produto, conhecida apenas pelo vendedor, do que resulta vantagem para os produtos de menor qualidade, em prejuízo do consumidor. Esse desvio costuma ser corrigido por medidas estatais de padronização, certificação, entre outros 17. No crédito oferecido ao consumidor brasileiro, a assimetria de informação é muito mais grave: diz respeito ao custo do produto, impedindo qualquer racionalidade na escolha. O dado principal seria o custo financeiro da operação, ou seja, a diferença entre o preço à vista e aquele que quita o financiamento, em comparação com o benefício da antecipação do consumo no tempo. O custo financeiro da operação, contudo, não é dado explicitamente a quem contrata. Na forma como as propostas e os contratos são apresentados, a obtenção de todas as informações úteis à tomada de decisão depende de cálculos financeiros que deveriam estar previamente disponíveis. Sequer destaca-se o resultado da soma das parcelas. E ainda, não há alerta de que embora as parcelas sejam fixas, há outros fatores (inclusive os custos de uso e manutenção do bem adquirido) que podem comprometer a capacidade de pagamento 18. A resolução do CMN nº 2878/2001 regulou genericamente os instrumentos contratuais, de modo que trouxessem em letras maiores dados que os consumidores não sabem avaliar, nem deles obter o essencial: o custo financeiro. Veja-se no artigo 1º, III: clareza e formato que permitam fácil leitura dos contratos celebrados com clientes, contendo identificação de prazos, valores negociados, taxas de juros, de mora e de administração, comissão de permanência, encargos moratórios, multas por inadimplemento e demais condições. Todos os dados acima envolvem cálculos percentuais compostos, e lamentavelmente, há apenas um dado nominal que se atenta ao consumidor: o valor da parcela. Repita-se que o dado essencial e plenamente compreensível é omitido: o custo do financiamento. 17 PINDYCK, R. S.; RUBINFELD, D. L. Microecnomia. São Paulo: Makron Books, p No mercado de fundos de investimentos, há auto-regulação, com a exposição voluntária, nos prospectos, aos consumidores sobre os riscos de perdas, por exemplo. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

6 O pior é que tal custo se dá muito acima da curva de juros futuros do período do financiamento, por um motivo simples: não há competição efetiva no mercado que, pela pouca quantidade de agentes, assemelha-se ao oligopólio, mas pela carência de informações comparativas apresenta distorções de concorrência monopolista 19. De qualquer forma, a elevada diferença entre o que as instituições financeiras pagam e cobram de juros, o spread denota poder de mercado na determinação de preços, o que não é lícito, nem socialmente desejável. Isso é fundamento para regulamentação da concorrência, o que no setor financeiro foge à competência do CADE. Uma das soluções para mercados com assimetria de informações costuma ser a imposição de um critério estatal de padronização. Assim, o CMN, pela sua especialização, poderia pesquisar e determinar a forma pela qual o consumidor consegue compreender as informações essenciais à sua decisão acerca do empréstimo proposto, bem como das ofertas concorrentes. E isso, certamente, não se resolve apenas com a determinação do tamanho da letra. 5 O QUE FALTA PARA AS FAMÍLIAS É INFORMAÇÃO? A chave do problema reside no efetivo exercício das competências regulatórias por conta do Bacen e do CMN. Vale a pena resgatar o célebre problema da teoria da captura. Aprofundada por Stigler e Pelzman 20, consagra que a regulação estatal da economia costuma sofrer um deficit democrático à medida que os agentes privados são mais atuantes nas agências e conseguem capturá-las, via lobby, para o atendimento dos seus interesses. Tal constatação foi amenizada, à medida que se verificou que há grupos populares de pressão que conseguem viabilizar seus interesses, bem como há uma margem dentro da qual o agente regulador trabalha sem perder o apoio de grupos com interesses opostos. Mas, disso se retira que um grupo organizado (poderoso) pode obter sucesso em capturar o agente que o deveria fiscalizar, especialmente, quando o grupo oposto está desorganizado. E no CMN? E no Bacen? Que o segmento financeiro brasileiro é oligopolizado e extremamente organizado é inegável. Que a normatização financeira é complexa e quase inacessível aos consumidores, também. Que os canais de comunicação com esses órgãos é significativamente mais fechado do que, por exemplo, com a Anatel, igualmente. Segundo o que já foi dito acima, se equilibrada e despolitizada, a proteção do consumidor pode significar a 19 A expressão concorrência monopolista, cunhada por Chamberlin, tem o seu aparente paradoxo sanado pela idéia de que nesse mercado há concorrência em razão do número de concorrentes, que não enfrentam barreiras ao seu ingresso no mercado; mas que é monopolista, pois os produtos desses agentes não concorrem diretamente entre si, inclusive nos casos em que a falta de informação impede uma comparação racional entre as vantagens que oferecem. 20 Novamente, PELTZMAN, S. A teoria da regulação depois de uma década de desrregulação.. In: Regulação Econômica e Democracia, o debate norte-americano. São Paulo: Editora 34, p Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

7 preservação do crescimento do próprio mercado, em benefício também dos agentes financeiros (e produtivos, indiretamente). Em um cenário de aversão a riscos e de desaceleração da economia, o aumento da inadimplência pode prejudicar, significativamente, a concessão de novos empréstimos. Os canais para defesa dos interesses do consumidor devem ser impostos pela União ao CMN e ao Bacen, que não se enquadram no perfil das agências reguladoras independentes, de modo a fomentar uma regulação efetiva, sem paternalismo consumista, nem patrimonialismo com o Estado a serviço das instituições financeiras. Tal composição, politicamente, é ao mesmo tempo complexa e desejável, uma vez que o aumento de renda de novos consumidores, bem como as excepcionais condições de lucratividade para o setor financeiro, constituem duas das mais significativas bases de sustentação do atual governo. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS O consumo interno é essencial para o desenvolvimento econômico de qualquer país, pois gera demanda para a produção industrial. Dadas às dificuldades, inclusive culturais, as famílias dependem do crédito para consumir. O que se verifica é que a oferta do crédito e a capacidade de adimplência dos consumidores se mostram indissociáveis de períodos de excepcional bonança econômica, como o ano de 2007 e o início do Plano Real, por exemplo. Isso ocorre, dentre outras razões, porque o custo dos financiamentos, bem como a falta de informações para planejamento, faz com que o sacrifício das famílias para pagamento esteja sempre perigosamente no limite, ou acima dele. É urgente a regulação que possibilite a atuação racional dos consumidores, de modo a conferir sustentabilidade ao mercado. Impõe-se o amadurecimento institucional do CMN, com alterações formais de natureza procedimental para a constituição das suas decisões não apenas por decorrência do problema que levantamos aqui, mas, para que sua composição seja mais representativa da sociedade civil. Por fim, vale lembrar que esse vácuo regulatório é, por vezes, preenchido de maneira danosa ao mercado, por decisões judiciais não uniformes, muitas vezes em prejuízo de critérios econômicos socialmente desejáveis, e em benefício apenas dos consumidores com maior capacidade de acesso ao Judiciário. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

8 REFERÊNCIAS ALBERINI, D. V; BOGUSZEWSKI, L. D. Por dentro do subprime: a crise imobiliária americana e seus impactos na economia brasileira. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abr Disponível em: <http://www.fae.edu/vitrineconjuntura/pdf/artigo_maio_2.pd>f>. Acesso em: 26 ago JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de direito administrativo. São Paulo: Saraiva, MAJONE, Giandomenico. Regulating europe. London: Routledge, [s.a]. MENDES LOURENÇO, Gilmar. A recuperação do crédito e do consumo no Brasil. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abr Disponível em: <http://www.fae.edu/vitrineconjuntura/ pdf/artigo_maio_3.pdf>. Acesso em: 26 ago MOREIRA, Vital. A ordem jurídica do capitalismo. 4.ed. Lisboa: Caminho, NUSDEO, Fábio. Fundamentos para uma codificação do direito econômico. São Paulo: RT, PELTZMAN, S. A teoria da regulação depois de uma década de desrregulação. In:. Regulação econômica e democracia, o debate norte-americano. São Paulo: Editora 34, PINDYCK, R. S; RUBINFELD, D. L. Microeconomia. São Paulo: Makron Books, ROSSETI, José Paschoal. Introdução à Economia. 19. ed. São Paulo: Atlas, VASCONCELLOS, Marco Antônio S. e outro. Fundamentos de Economia. São Paulo: Saraiva, Site consultado Disponível em: <http://cepa.newschool.edu/het/scho>. Acesso em: 15 out Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.9, dezembro

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS

OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS José Lúcio Alves Silveira 1 RESUMO O trabalho apresenta que o importante desafio para o País consiste na União

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Portabilidade de Crédito sairá do papel?

Portabilidade de Crédito sairá do papel? Portabilidade de Crédito sairá do papel? Paulo Henrique Valadares Pereira Banco Cooperativo Sicredi 1 Objetivo Compartilhar informações sobre a Portabilidade de Crédito, seu desempenho no mercado de crédito

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8 Conteúdo Introdução... 4 Percepção sobre a economia e o comércio... 5 Gargalos da economia brasileira... 7 Consumo das famílias... 8 Ambiente regulatório... 9 Logística pública... 10 Mão de obra... 10

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL. O déficit habitacional brasileiro é da ordem de 7 milhões de unidades. A demanda por crescimento demográfico do número de famílias é da ordem de 700 MIL unidades

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

2 Abertura de capital

2 Abertura de capital 2 Abertura de capital 2.1. Mercado de capitais O Sistema Financeiro pode ser segmentado, de acordo com os produtos e serviços financeiros prestados, em quatro tipos de mercado: mercado monetário, mercado

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em setembro/2013, sendo esta a quinta elevação no ano. Esta elevação

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

SUPERENDIVIDAMENTO. Saiba planejar seus gastos e evite dívidas.

SUPERENDIVIDAMENTO. Saiba planejar seus gastos e evite dívidas. SUPERENDIVIDAMENTO Saiba planejar seus gastos e evite dívidas. Nos últimos anos, houve um crescimento significativo de endividados no Brasil. A expansão da oferta de crédito e a falta de controle do orçamento

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

DIREITO E ECONOMIA DOS CONTRATOS NO PROJETO DE CÓDIGO COMERCIAL

DIREITO E ECONOMIA DOS CONTRATOS NO PROJETO DE CÓDIGO COMERCIAL DIREITO E ECONOMIA DOS CONTRATOS NO PROJETO DE CÓDIGO COMERCIAL Prof. Dr. Luciano Benetti Timm Post Doctoral Fellow UC Berkeley Doutor em Direito dos Negócios (UFRGS) Mestre em Direito Civil (UFRGS) LLM

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Guilherme Campos) Dispõe sobre juros de mora e atualização monetária dos débitos judiciais. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta lei disciplina os juros de mora

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos

Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos A premissa básica em investimentos afirma que não há retorno sem risco. A busca por um ganho em rentabilidade é sempre acompanhada por uma

Leia mais

Informativo sobre Feirão de imóveis

Informativo sobre Feirão de imóveis Informativo sobre Feirão de imóveis 2013 Realização: PROCON Campinas - DICAS DE AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS: 1- Pesquise o preço do imóvel Se for o caso, procure outros imóveis à venda no mesmo prédio, condomínio

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito 25 de junho de 2010 Sobre este estudo Este estudo foi desenvolvido no início de 2009 e atualizado parcialmente em junho de 2010 2 A operação do cartão

Leia mais

Ato normativo do Ministério da Fazenda estabelecerá a metodologia de implementação da ação. Localizador (es) 0051 - No Estado de Mato Grosso

Ato normativo do Ministério da Fazenda estabelecerá a metodologia de implementação da ação. Localizador (es) 0051 - No Estado de Mato Grosso Programa 0902 - Operações Especiais: Financiamentos com Retorno 0029 - Financiamento aos Setores Produtivos da Região Centro-Oeste Número de Ações 21 UO: 74914 - Recursos sob Supervisão do Fundo Constitucional

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

Financiamento do Investimento no Brasil

Financiamento do Investimento no Brasil ESTUDOS E PESQUISAS Nº 407 Financiamento do Investimento no Brasil Carlos A. Rocca * Fórum Especial Na Grande Recessão Novo Modelo de Desenvolvimento e Grandes Oportunidades (Como em 1929): New Deal Verde.

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO?

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? 1 TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? I - INTRODUÇÃO O mercado aéreo brasileiro vem apresentando, em seu segmento doméstico, taxas de crescimento chinesas desde o início de

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO CONJUNTURA ECONÔMICA INTERNACIONAL E NACIONAL

CENÁRIO ECONÔMICO CONJUNTURA ECONÔMICA INTERNACIONAL E NACIONAL BRB - Crédito, Financiamento e Investimento S.A. Relatório da Administração 1º semestre 2012 Senhor Acionista, Para dar conformidade à Lei das Sociedades por Ações, do Conselho Monetário Nacional, do Banco

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 1 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! 1- O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam

Leia mais

Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010

Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 Estados Unidos: a polêmica em torno do financiamento do governo federal que beneficia as IES com fins lucrativos e aumenta o endividamento dos estudantes Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 No

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA Junho 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 2. Modelo

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*)

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Nivalde J. de Castro (**) Daniel Bueno (***) As mudanças na estrutura do Setor Elétrico Brasileiro (SEB), iniciadas

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 Melhoria do marco regulatório para o crédito Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 1 Objetivo das medidas: melhorar a produtividade e a competitividade da economia Liberação de compulsório e redução

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Ritmo da atividade econômica e mudança nas regras da poupança Grupo de Economia / Fundap Introdução A frustração com o ritmo de crescimento da economia brasileira é evidente. A produção industrial permaneceu,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: CELG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: NOTA TÉCNICA

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais