Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro"

Transcrição

1 Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro Alexandre de Oliveira - out/2013 No atual estágio de desenvolvimento das metodologias para mensuração do risco de crédito em carteiras de investimento no mercado brasileiro, tem sido comum a adoção de uma ou outra abordagem, baseando-se mais em critérios internos em termos de disponibilidade de informações, do que na aderência do modelo baseado nas características da carteira. Em parte, esse fato pode ser explicado em função de se tratar de um problema relativamente recente no mercado brasileiro. Por exemplo, requerimentos regulatórios para apuração de capital baseado em risco destinado a instituições financeiras, permitindo a adoção de modelos internos, é estabelecido pelo Banco Central através da Circular Nº 3.581, de 8 de março de No âmbito internacional, a recomendação do uso de modelos internos com tal propósito surge no documento do Comitê de Basileia para Supervisão Bancária (BCBS) International Convergence of Capital Measurement and Capital Standards: a Revised Framework, conhecido como Basileia II, divulgado em junho de De forma análoga, no segmento de seguros temos as diretrizes de Solvência II desde abril de Adicionalmente, para alcançar o objetivo de se utilizar métodos internos de mensuração para risco de crédito em carteiras, é necessário primeiramente que a instituição tenha estimado parâmetros mais básicos como a probabilidade de descumprimento ou default, a severidade da perda em caso de descumprimento e a respectiva exposição, bem como o prazo efetivo de vencimento da operação, quando aplicável. Devido à necessidade de dados e a aplicação de metodologias adequadas para a estimação de cada um desses parâmetros, as instituições tem devotado grande parte de seus esforços em sua estimação. Esse possivelmente se constitui em um segundo fator para a adoção de critérios de escolha mais baseados na disponibilidade interna de dados do que na aderência do modelo frente às características da carteira. Assim, entendemos ser ainda mais relevante para a definição do modelo os aspectos específicos de cada abordagem poderando suas virtudes e limitações em cada circunstância. Assim, realizamos nesse artigo uma comparação simples entre duas abordagens comumente consideradas na prática: atuarial e multi-estados. Ainda mais, com o intuito de mostrar sua aplicação ao caso brasileiro, os parâmetros utilizados foram estimados sobre uma base de dados real contendo dados trimestrais de empresas brasileiras de capital aberto, desde janeiro de 1994 até junho de 2013, mostrando que cada vez menos a existência de dados é um entrave para a utilização de tais modelos. 1

2 Com base nas normas do Banco Central, consideramos que as perdas em crédito referem-se à possibilidade de perda econômica decorrente da deterioração significativa da qualidade do crédito de um tomador ou contraparte seja porque a instituição considera que este não irá honrar integralmente ao menos uma obrigação perante a própria instituição sem que esta recorra a ações tais como a execução de garantias prestadas ou colaterais empenhados, seja porque ao menos uma de suas obrigações perante a instituição está em atraso. Essa deterioração poderá ser sinalizada, por exemplo, por um evento de falência, recuperação judicial, renogociação forçada ou qualquer tipo de medida judicial que limite, atrase ou impeça o cumprimento de suas obrigações nas condições originalmente pactuadas. Inicialmente, comentamos as principais características de cada uma das abordagens em questão. Na sequência, avaliamos seus resultados aplicados a uma carteira composta por empresas brasileiras avaliando a adequação de cada modelo. Ao final, fechamos com algumas conclusões baseadas nos resultados obtidos. Abordagens Como dissémos, comparamos as abordagens baseadas em modelos atuariais e multi-estados por se tratarem das alternativas metodológicas mais comumente utilizadas. Modelos atuariais essencialmente avaliam o comportamento de uma carteira através do evento de default para exposições. Seu princípio baseia-se na simulação de um determinado número de eventos de crédito dentro de um determinado horizonte de tempo, por exemplo, de um ano para cada exposição. Esse número de eventos, por sua vez, é estimado a partir das probabilidades de default associadas a uma escala de classificações a qual os tomadores estão classificados. Em cima desse esquema básico, pode-se estabelecer algumas premissas que adaptam esse processo geral a casos mais específicos, conforme as características da carteira em questão. Por exemplo, para carteiras de varejo tipicamente caracterizadas por um elevado volume de operações de baixo valor, costuma ser fortemente recomendável a consolidação das exposições por faixa de classificação de forma a simplificar o problema do ponto de vista computacional. Devido à pulverização típica dessas carteiras, além da disponibilidade de informações sobre cada indivíduo que a compõe, torna-se pouco relevante avaliar a deterioração da qualidade creditícia de cada tomador fazendo com que a consolidação acima mencionada seja bastante plausível. Outra premissa que permite adaptações ao processo geral pode ser a utilização de uma severidade de perda em caso de descumprimento (LGD) constante sempre que houver um evento de crédito. Por exemplo, digamos que para um determinado tipo de operação estima-se que normalmente recupera- 2

3 se 60% do seu valor quando ocorre o default. Logo, seu LGD está fixado em 40% independentemente de qualquer condição específica de mercado ou do tomador em questão. Exemplos de adaptações como essas são frequentemente encontrados na prática e permitem simplificações interessantes. Em alguns casos, podem inclusive nos levar a modelos com soluções analíticas permitindo implementações computacionais muito eficientes. No entanto, devemos tomar alguns cuidados com certas simplificações dependendo do caso concreto, como veremos na próxima seção. Porém, antes de entrarmos em maiores detalhes, ilustramos a aplicação dessa abordagem a uma carteira exclusivamente para dar uma ideia de seu princípio de funcionamento, como na figura abaixo. Nesse caso, não consideramos nenhum tipo de consolidação de exposições, bem como não simplificamos a LGD para torná-la constante. Da figura do lado esquerdo, através da simulação de inúmeros cenários, por exemplo 10,000, sabemos quais tomadores tiveram evento de crédito em um ano, bem como o valor da perda efetiva em cada caso. Assim, podemos estimar a perda total composta por todos os casos e, com isso, obter a distribuição de perdas sobre a qual estimamos o risco da carteira. Em outras palavras, calculamos medidas como perda esperada, perda potencial por exemplo, a 99% - e perda não esperada entendida como a diferença dessa última em relação à primeira. Modelos multi-estados, diferentemente dos modelos atuariais, permitem de forma muito simples considerar a deterioração da qualidade creditícia do tomador através da incorporação da matriz de transições de estados na qual informa a probabilidade de um tomador mudar de classificação ou rating ao longo do tempo. Mais especificamente, podemos ter um tomador inicialmente em um dado rating e daqui um ano ter caído para um rating de risco mais elevado. Essa peculiaridade possui algumas implicações bastante relevantes. Primeiramente, está mais em linha com a definição dada para perdas de crédito da seção anterior ampliando o espectro de possibilidades para a carteira. Em outras palavras, reconhece que as perdas por crédito não ocorrem exclusivamente através do evento de default, mas também pela deterioração do risco dos tomadores antes mesmo de um possível evento. Não fosse por essa característica aparentemente sutil desse tipo de modelo, carteiras com baixa probabilidade de default poderiam ter seu risco efetivo distorcido. 3

4 Vale lembrar que normalmente a probabilidade de default associada a cada ponto de uma escala de rating possui um comportamento de crescimento exponencial com a elevação do risco tornando o efeito das transições de rating ainda mais relevantes. Em segundo lugar, reconhece que da mesma forma que uma carteira pode se desvalorizar pela elevação do risco, também pode sinalizar um ganho. Adicionalmente, o processo subjacente ao modelo, não se baseia na contagem do número de eventos de crédito em um horizonte de tempo, mas na estrutura de capital de uma empresa e na dinâmica do seu valor de mercado. Em outras palavras, o modelo considera um comportamento economicamente plausível para cada empresa em lugar de um processo de simulação estatística. A título de exemplificação, considere uma carteira composta por duas empresas, conforme a figura abaixo. Empresa 1 Rating Prob Trans Exposição P&L Empresa 2 Rating Prob Trans Exposição P&L AAA 3.6% AAA 0.4% Atual AA 15.0% AA 1.2% A A 41.8% A 4.8% BBB 24.8% 95-5 Atual BBB 17.4% BB 9.1% BB BB 46.7% B 2.8% B 20.0% 95-5 CCC 1.7% CCC 4.7% CC 0.4% CC 2.5% C 0.1% C 0.4% D 0.8% D 1.9% Trata-se de uma carteira ilustrativa composta por duas empresas com exposições ao default de RS 100 milhões cada. A Empresa 1, por exemplo, possui atualmente o rating A na escala interna. A probabilidade de transição em um ano estimada pode ser vista na segunda coluna do seu respectivo quadro. Por exemplo, a probabilidade de um tomador atualmente classificado em A continuar, dentro de um ano, nessa classificação é de 41,8%. Em função do risco relativo à classificação atual ser maior ou menor, é possível estimar o respectivo valor para a exposição em cada rating mostrando que, com a redução do risco, há a possibilidade de um ganho econômico para o credor ou investidor e, no sentido contrário, há a possibilidade de uma perda. Essa variação é apresentada na última coluna. De forma análoga, temos a informação da Empresa 2. Como temos dez distintos resultados para cada empresa, em função de sua variação de classificação a qual pode chegar inclusive ao default (rating D), temos um total de 100 diferentes combinações de resultados que podem ser vistos na figura a seguir. 4

5 No eixo horizontal, temos os retornos relativos ao valor atual da exposição da carteira de R$ 200 milhões. Assim, uma perda de 10% significa, em termos financeiros, R$ 20 milhões. Na simulação em azul, consideramos que as empresas são independentes, ou seja, a degradação de uma empresa não se correlaciona com a eventual degradação da outra. Na simulação em vermelho, consideramos que as empresas possui algum grau de correlação o que é bastante aceitável, uma vez que, o comportamento das empresas depende em certo grau da evolução da economia. Em ambos os casos, vemos que há a possibilidade de ganhos por conta da redução do risco. Porém, vemos uma assimetria clara para o lado das perdas mostrando que esta tem maior probabilidade de ocorrer. Ainda mais, considerando a correlação que tende a atribuir ainda mais peso. De forma resumida, temos que a perda esperada para o primeiro caso é de R$ 3 milhões enquanto que no segundo praticamente dobra. Com relação ao valor em risco (VaR) com 99% de confiança, temos R$ 30,2 milhões e R$ 32,4 milhões, respectivamente. Estudo de Caso No estudo de caso proposto, consideramos uma carteira composta de 14 empresas com exposição total de R$ 1 bilhão sendo 71% concentrado de BBB para melhor. Os detalhes podem ser vistos nas figuras abaixo. 5

6 Ao longo dos últimos 5 anos, estas empresas permaneceram no mesmo rating, de um ano para o outro, em 63% dos casos. Nos 37% das ocasiões em que sofreram alteração de classificação, tivemos que em 51% dos casos as empresas tiveram sua classificação reduzida em um ou mais pontos da escala. Com base nessa carteira, simulamos o modelo atuarial e o multi-estados. Para efeitos de comparação, consideramos no segundo caso a LGD constante igual a utilizada no primeiro modelo e sem efeitos de transição de ratings e correlações entre as empresas obtendo as distribuições de perdas, conforme a figura a seguir. A principal diferença encontra-se no método de simulação. Enquanto para o modelo atuarial obtemos a distribuição de perdas de forma analítica, no multiestados fizemos uma simulação de Monte Carlo. No entanto, qualitativamente falando, podemos ver que o perfil de perdas obtido é bastante próximo em ambos os casos, uma vez que, nos cenários em que ocorrem perdas por crédito o formato aparenta ser similar. De fato, a perda esperada em ambos os casos é de 2,7% da exposição total. Porém, o VaR a 99% no modelo atuarial chega a 23,2% da exposição, enquanto que, no multi-estados, temos 13,1%. Essa diferença chama atenção por conflitar com a observação anterior sobre a similaridade dos perfis das distribuições de perdas. Porém, é fácil notar que essas estimativas são bastante afetadas pelo erro originado no baixo número de observações da cauda das distribuições. Isso ocorre essencialmente devido ao fato de termos uma carteira com baixa probabilidade de default o que dificulta estimações de perdas exclusivamente por esse tipo de evento em uma carteira concentrada em 14 empresas. Assim, poderíamos concluir que o problema está na concentração das exposições. No entanto, lembramos que consideramos as perdas em crédito como sendo a possibilidade de perda econômica decorrente da deterioração significativa da qualidade do crédito de um tomador ou contraparte seja porque a instituição considera que este não irá honrar integralmente ao menos uma obrigação perante a própria instituição sem que esta recorra a ações tais como a execução de garantias prestadas ou colaterais empenhados, seja porque ao menos uma de suas obrigações perante a instituição está em atraso. 6

7 Assim a perda econômica é mais ampla do que apenas a ocorrência de um evento de não pagamento e esse fato deve ser capturado pelas mudanças de rating. Apenas lembrando, em nossa carteira, baseada em dados reais, em 37% das ocasiões as empresas mudaram sua classificação. Para ilustrar sua relevância, abaixo apresentamos a distribuição de perdas da mesma carteira no modelo multi-estados apenas considerando a matriz de transições estimada no modelo interno. Vemos que agora o modelo multi-estados permite ganhos (percentual negativo), como no caso da seção anterior, e suas perdas se expandem dentro do mesmo intervalo original (cauda direita da distribuição). Contudo, o perfil de ocorrências fica muito mais rico, permitindo uma estimação mais robusta das perdas mesmo para uma carteira concentrada. Para verificarmos estas questões de uma forma mais ampla, realizamos um backtesting 1 para o modelo atuarial e o multi-estados com e sem a matriz de transições. Ainda mais, para avaliar o efeito da concentração na resposta de cada modelo, realizamos estimativas sucessivas pulverizando as exposições originais dos tomadores, porém, mantendo o perfil de alocação entre ratings apresentado no início dessa seção. Esses resultados podem ser vistos na figura a seguir. 1 Em função da curta janela de tempo para estimação, utilizamos uma abordagem baseada em Berkowitz, J. (2001). Testing density forecasts with applications to risk management. Journal of Business & Economic Statistics 19,

8 Basicamente, quanto maior o p-valor do teste maior a chance do modelo ser adequado para estimação das perdas futuras. Assim, vemos que o modelo multi-estados com matriz de transições apresenta, de forma consistente, os melhores resultados além de ser relativamente menos sensível ao número de tomadores na carteira (eixo horizontal). Por outro lado, os dois outros modelos apresentam comportamentos bastante próximos sendo minimamente aceito apenas a partir de 70 a 100 tomadores na carteira. Ainda avaliando a resposta dos modelos frente à pulverização da carteira, vemos nos gráficos abaixo a perda esperada e não-esperada em cada caso, em função do número de tomadores. Vemos que todos modelos apresentam estimativas relativamente estáveis para a perda esperada. No caso do multi-estados com matriz de transições, sua estimativa é sistematicamente inferior em função de prever a possibilidade de ganhos. Na perda não-esperada, vemos que os modelos multi-estados apresentam estimativas igualmente estáveis em função do número de tomadores, porém, o atuarial distorce com a elevação na concentração da carteira, mas converge para o multi-estados sem matriz de transições com a pulverização. A estimação da perda não-esperada para o multi-estados com matriz de transições tende a ser mais elevado pelo fato de que sua perda esperada é menor e considera as transições por degradação de rating na distribuição de perdas. Se por um lado, aparentemente essa situação parace ser mais punitiva em termos de exigência de capital, por outro, vale lembrar que o backtesting sinaliza uma previsibilidade muito maior dos resultados futuros da carteira. Conclusões A literatura sobre essas duas abordagens para avaliação de risco de crédito em carteiras é bastante ampla. No entanto, estudos práticos aplicados especificamente à comparação dessas abordagens ao caso brasileiro não é comum. Nesse estudo comparativo, de escopo essencialmente prático, pudemos avaliar que: Modelos atuariais são mais dependentes da pulverização da carteira. Isso não deveria causar estranheza, uma vez que, são voltados para carteiras típicas de varejo caracterizadas por um número muito elevado de 8

9 operações de baixo valor relativo. No entanto, para dar conta desse elevado número de operações, utiliza-se eventualmente de recursos de agrupamento de operações, bem como de hipóteses simplificadoras que permitem um processamento computacional mais eficiente nesse caso. Modelos multi-estados mostram-se mais apropriados para avaliação de risco de crédito em carteiras PJ. Sobretudo, para os segmentos superiores caracterizados por baixas taxas de default e maior concentração. Os resultados apresentados evidenciam que a deterioração do crédito é capturada nesses modelos via matriz de transições. Além do mais, esses modelos acomodam de forma natural hipóteses mais gerais como a incerteza na taxa de recuperação, dentre outros. Assim, acreditamos que a previsibilidade e a aderância geral do modelo às características da carteira em questão devem prevalecer na escolha da abordagem mais adequada para a avaliação de seu risco. Em função dessa definição, deve ser planejado o esforço de estimação dos parâmetros necessários para sua utilização no modelo escolhido. 9

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO Setembro 2013 2 1 INTRODUÇÃO Este documento resume as informações relativas à estrutura de gerenciamento do risco de crédito do BR Partners Banco de Investimentos

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO OBJETIVO Atender as disposições trazidas pela Resolução CMN 3.721, de 30 de abril de 2009 ( Resolução 3.721/09 ), a qual determinou a implementação

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

Risco de Mercado ESTRUTURA

Risco de Mercado ESTRUTURA Risco de Mercado Em atendimento a Resolução 3.464/2007 do Conselho Monetário Nacional, o Banco Fidis ponderou a natureza das operações e a complexidade dos produtos associados aos seus negócios e implementou

Leia mais

metodologias SR RATING

metodologias SR RATING metodologias SR RATING o processo de avaliação de risco de instituição financeira 1. INTRODUÇÃO A intermediação financeira é peça motriz da economia, estando esses agentes financeiros no centro da ebulição

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES

Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES As informações a seguir devem compor relatório a ser fornecido pelas instituições financeiras que

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS Superintendência de Controles e Gerenciamentos de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos GERIS Primeiro Trimestre de 2011 Índice APRESENTAÇÃO 3 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ORGANOGRAMA DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 2.1. Responsabilidades... 4 3. RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) 1. Introdução O Scania Banco iniciou suas operações em Novembro de 2009, com o objetivo de fornecer produtos e serviços financeiros exclusivamente

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

O acordo da Basiléia:

O acordo da Basiléia: Soluções e serviços Serasa Experian e a Resolução CMN/BACEN 3.721/09 1 O acordo da Basiléia: Conjunto de recomendações visando melhoramento das práticas de supervisão bancária e aperfeiçoamento de ferramentas

Leia mais

Qual é o risco real do Private Equity?

Qual é o risco real do Private Equity? Opinião Qual é o risco real do Private Equity? POR IVAN HERGER, PH.D.* O debate nos mercados financeiros vem sendo dominado pela crise de crédito e alta volatilidade nos mercados acionários. Embora as

Leia mais

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 1 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística Estatística

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Encontro de Gestão de Riscos para IFDs Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Outubro de 2014 Agenda 1. Entendendo Basileia III 1.1 Nova composição do

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito 1. Estrutura de Gerenciamento de Em observância à resolução 3.721/2009 do Banco Central do Brasil, o Banco GMAC S.A, doravante denominado Chevrolet Serviços Financeiros, instituiu sua estrutura de gerenciamento

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO E FUNDOS PRÓPRIOS Miguel A. Ferreira. Seminário ASFAC-APELEASE Novembro 2003

RISCO DE CRÉDITO E FUNDOS PRÓPRIOS Miguel A. Ferreira. Seminário ASFAC-APELEASE Novembro 2003 RISCO DE CRÉDITO E FUNDOS PRÓPRIOS Miguel A. Ferreira Seminário ASFAC-APELEASE Novembro 2003 Basileia I (1988) IF sujeitas a requisitos mínimos de capital para fazer face a risco Apenas risco de crédito

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

2. Método de Monte Carlo

2. Método de Monte Carlo 2. Método de Monte Carlo O método de Monte Carlo é uma denominação genérica tendo em comum o uso de variáveis aleatórias para resolver, via simulação numérica, uma variada gama de problemas matemáticos.

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

metodologias SR RATING

metodologias SR RATING metodologias SR RATING o processo de avaliação de risco de fundos de investimento em direitos creditórios 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO Com vistas a instaurar um processo de avaliação do risco

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Introdução 3 Perfil do Banco 3 Princípios da Gestão de Riscos 3 Tipos de Riscos 4 Gerenciamento de Riscos 4 Risco

Leia mais

Aplicação do Pilar II

Aplicação do Pilar II Aplicação do Pilar II COMO APLICAR NA PRÁTICA OS PRINCÍPIOS PIOS ESTABELECIDOS NO PILAR II? O Comitê Europeu de Supervisores Bancários (CEBS) publicou um documento consultivo sobre como aplicar na prática

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2013 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. RISCO DE MERCADO... 1 3. RISCO DE LIQUIDEZ... 2 4. GESTÃO DE CAPITAL... 4 5. RISCO DE CRÉDITO... 6 6. RISCO OPERACIONAL...

Leia mais

Ciclo de Crédito uma Visão integrada

Ciclo de Crédito uma Visão integrada Ciclo de Crédito uma Visão integrada Analitix Soluções em Finanças ABBC São Paulo, 18 de junho de 2013 Agenda Processo do Ciclo de Crédito Descrição das etapas e processos do ciclo do crédito Concessão,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 3º Trimestre de 2013 Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Princípios da Gestão de Riscos... 4 Tipos de Riscos...

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL DOIS CONCEITOS IMPORTANTES Francisco da Silva Coelho, Diretor da ABBC

PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL DOIS CONCEITOS IMPORTANTES Francisco da Silva Coelho, Diretor da ABBC PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL DOIS CONCEITOS IMPORTANTES Francisco da Silva Coelho, Diretor da ABBC 1. A DIFERENÇA ENTRE PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL A provisão para perdas com operações que geram exposição

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Dezembro/2008 Agenda 1. Histórico 2. Escopo de Aplicação 3. Estrutura da Norma 4. Detalhamento da Norma Normativos similares Histórico Resolução

Leia mais

Relatório sobre a Gestão de Riscos. Circular 3.477 Banco Central do Brasil

Relatório sobre a Gestão de Riscos. Circular 3.477 Banco Central do Brasil Relatório sobre a Gestão de Riscos Circular 3.477 Banco Central do Brasil Dezembro/2010 1. INTRODUÇÃO O presente relatório apresenta informações relativas à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia.

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado ÍNDICE GERAL 1 Introdução 2 Definição de Risco de Mercado 3 Metodologia 4 Gestão de Risco 5 Qualificação de novas operações 1. Introdução A Política de Gerenciamento

Leia mais

CREDITRISK+: Implementação da Modelagem Estatística de Risco de Crédito e Cálculos Alternativos Através da Transformada Rápida de Fourier no R.

CREDITRISK+: Implementação da Modelagem Estatística de Risco de Crédito e Cálculos Alternativos Através da Transformada Rápida de Fourier no R. CREDITRISK+: Implementação da Modelagem Estatística de Risco de Crédito e Cálculos Alternativos Através da Transformada Rápida de Fourier no R. M. A. S. Sanfins a 1 & T. M. Clark a 2 a Universidade Federal

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência ia de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A APRESENTAÇÃO ÍNDICE Relatório de Gerenciamento de Riscos 03 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito. RB Capital DTVM

Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito. RB Capital DTVM Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito RB Capital DTVM Maio 2011 Objetivo Esta política estabelece diretrizes e responsabilidades para a implementação e manutenção de sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos Financeiros GERIF Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria Financeira, com

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

Gerenciamento de Risco Março de 2011

Gerenciamento de Risco Março de 2011 BTG Pactual Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.729-9º Andar - Itaim Bibi - 04538-133 - São Paulo - SP - Brasil Tel. +55 11 3383 2000 www.btgpactual.com ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 OBJETIVO 3 3 ESCOPO DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Gerenciamento de Risco Dezembro de 2011

Gerenciamento de Risco Dezembro de 2011 BTG Pactual Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.729-9º Andar - Itaim Bibi - 04538-133 - São Paulo - SP - Brasil Tel. +55 11 3383 2000 www.btgpactual.com ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 OBJETIVO 3 3 ESCOPO DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Fundamental Review of the Trading Book

Fundamental Review of the Trading Book Fundamental Review of the Trading Book João André C.M. Pereira 23.10.2012 Agenda 1. Falhas na estrutura expostas na crise 2. Respostas iniciais de Basileia 3. Rumo a uma estrutura revisada 4. Revisão do

Leia mais

2 Conceitos de Capital

2 Conceitos de Capital Capítulo 2 Conceitos de Capital 2 Conceitos de Capital Este capítulo tem como objetivo definir o capital na visão da instituição, interligando-o aos riscos existentes nas operações das mesmas. Além disso,

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS, PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA, CAPITALIZAÇÃO E RESSEGUROS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS, PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA, CAPITALIZAÇÃO E RESSEGUROS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS, PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA, CAPITALIZAÇÃO E RESSEGUROS SUPERVISÃO BASEADA NO RISCO GT SOLVÊNCIA Maio de 2013 SUSEP/DITEC/CGSOA Conjuntura Econômica De acordo com dados

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

Dúvidas e Sugestões Sobre a Regulação do Capital Adicional de Risco de Crédito

Dúvidas e Sugestões Sobre a Regulação do Capital Adicional de Risco de Crédito Dúvidas e Sugestões Sobre a Regulação do Capital Adicional de Risco de Crédito Atendendo ao convite desta Autarquia, no intuito de comentar o Relatório Inicial sobre Risco de Crédito, que nos foi apresentado

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Política de Investimento. 2014 a 2018. SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA

Política de Investimento. 2014 a 2018. SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA Política de Investimento 2014 a 2018 SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA Aprovada pelo Comitê de Aplicações CAP 13/2013 em 21/11/2013 Aprovada pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Prezado(a) participante, Seguem informações referentes à Política de Investimento para o Plano Complementar de Benefícios da FACEB, Plano de Benefícios CEBPREV e Plano Administrativo PGA para o ano de

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

3 O Papel das agências de classificação de crédito, a classificação do risco soberano e a classificação do risco corporativo

3 O Papel das agências de classificação de crédito, a classificação do risco soberano e a classificação do risco corporativo 3 O Papel das agências de classificação de crédito, a classificação do risco soberano e a classificação do risco corporativo 3.1 O papel das agências de classificação crédito As classificações de riscos

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA Vigência: 08/09/2015 POLÍTICA DE Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A Haitong Securities do Brasil CCVM S/A Haitong do Brasil DTVM S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de riscos

Relatório de Gerenciamento de riscos Relatório de Gerenciamento de riscos SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1 GESTÃO DE RISCOS... 5 1.1 PRINCIPAIS RISCOS CORPORATIVOS... 5 2 RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1 GESTÃO DO RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1.1 Identificação

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2013. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2013. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r 1º Trimestre 2013 w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r Sumário I. Introdução... 2 I.1 Apresentação... 2 II. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 3 II.1 Gestão Integrada de

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Risco de Projetos Análise de Risco Prof. Luiz Brandão Métodos de Avaliação de Risco Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a pensar em diversos

Leia mais

O Seguro de Crédito na Gestão de Capital

O Seguro de Crédito na Gestão de Capital O Seguro de Crédito na Gestão de Capital Dr. Lourenço Miranda Banco ABN AMRO REAL S.A. Superintendente de Modelos de Risco e Gestão Integrada Diretoria de Gerenciamento de Riscos para América Latina Cláudio

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 B R A S I L Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 Participantes da Conference Call em 26 de fevereiro de 2008 Wagner Roberto Pugliese - Brasil Gilson Oliveira Marques

Leia mais

Disponibilização de relatórios de acesso público. RB Capital DTVM

Disponibilização de relatórios de acesso público. RB Capital DTVM Disponibilização de relatórios de acesso público RB Capital DTVM Maio 2011 Objetivo Este documento tem como objetivo estabelecer um guia para a elaboração da descrição da estrutura de gestão de risco de

Leia mais

Resumo Basileia III Brasil 2013

Resumo Basileia III Brasil 2013 Resumo Basileia III Brasil 2013 Basileia III - Introdução 1. Definição e Objetivos 2. Principais Medidas 3. Patrimônio de Referência (Nível I) 4. Deduções Regulamentares do Capital Principal 5. Nível II

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Dezembro 2011 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2014. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2014. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r 1º Trimestre 2014 w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r Sumário I. Introdução...2 I.1 Apresentação...2 II. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos...2 II.1 Gestão Integrada de Riscos...

Leia mais

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012 Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 Assunto: Orientação sobre os deveres e responsabilidades dos administradores e dos auditores independentes, na elaboração

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução - 1 - RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO 2013 MARÇO DE 2014 2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 1. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO... 3 2. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE MERCADO... 4 3. CONCENTRAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

3T2012. Relatório de Gerenciamento de Riscos

3T2012. Relatório de Gerenciamento de Riscos 3T2012 Relatório de Gerenciamento de Riscos SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 5 1 GESTÃO DE RISCOS... 8 1.1 PRINCIPAIS RISCOS CORPORATIVOS... 9 2 RISCO DE CRÉDITO... 10 2.1 GESTÃO DO RISCO DE CRÉDITO... 10 2.1.1

Leia mais

Gerenciamento de Risco Abril de 2011

Gerenciamento de Risco Abril de 2011 BTG Pactual Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.729-9º Andar - Itaim Bibi - 04538-133 - São Paulo - SP - Brasil Tel. +55 11 3383 2000 www.btgpactual.com ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 OBJETIVO 3 3 ESCOPO DE GERENCIAMENTO

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho AGENDA A FUNCEF INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS FUNDAÇÃO 1ºde Agosto de 1977 34 anos PATROCINADO RAS Missão COLEGIADOS CAIXA ECONÔMICA

Leia mais