CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE EXTERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE EXTERNO"

Transcrição

1 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E CONTROLE FRANCISCO JURUENA Credenciamento MEC Portaria nº 1965/06 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE EXTERNO APURAÇÃO DO RESULTADO PRIMÁRIO E NOMINAL: APLICAÇÃO EM NÍVEL MUNICIPAL NO RS CRISTINA ASSMANN PORTO ALEGRE 2008

2 RESUMO A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) repercutiu com vigor sobre todos os entes federados: União, Estados e Municípios. Para alcançar e manter o equilíbrio fiscal imputou à Lei de Diretrizes Orçamentárias elementos de controle das despesas e de realização das receitas. Entre esses mecanismos de controle encontra-se a aferição dos resultados primário e nominal. O objetivo deste trabalho é apresentar uma forma de apuração desses indicadores fiscais, utilizável na esfera municipal, mais especificamente, nos municípios do Rio Grande do Sul (RS), tendo por base os modelos instituídos pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e o plano de contas padrão do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE-RS). Objetiva-se, assim, facilitar e agilizar a análise das metas de resultado nominal e primário estabelecidas pelos municípios gaúchos, colaborar com a melhoria da qualidade das informações fiscais coletadas e com o atendimento ao princípio de transparência pela administração pública. Palavras-chave: Finanças públicas municipais. Lei de Responsabilidade Fiscal. Resultado primário e nominal.

3 ABSTRACT The Law of Fiscal Responsibility (LRF) reverberated with energy on all the federate beings: Union, States and Local authorities. To reach and to maintain the fiscal balance it attributed to the Law of Budgetary Directives elements of control of the expenses and of realization of the receipts. Between these mechanisms of control it finds the gauging of the primary and nominal results. The objective of this work is to present the form of counting of these fiscal indicators, usable in the municipal sphere, more specifically, in the local authorities of Rio Grande do Sul (Rio Grande do Sul), taking for base the models set up by the General Office of the National Treasure (STN) and the standard plan of counts of the Court of Accounts of the State of Rio Grande do Sul (TCE-RS). Aiming so, to speed up and facilitade the analysis of the marks of nominal and primary result established by the local authorities from Rio Grande do Sul, to collaborate with the improvement of the quality of the fiscal collected informations and to collaborate with the attempt of the transparency principal by the public administration. Key Words: Public municipal finances. Law of Fiscal Responsibility. Primary and nominal result.

4 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Apuração do Resultado Primário - Exercício de 2009 Esfera Municipal RS...43 Tabela 2 - Apuração do Resultado Nominal - Exercício de Esfera Municipal - RS...46 Tabela 3 Apuração do Resultado Primário - Prefeitura Municipal de Butiá RS Janeiro a Agosto de Tabela 4 - Apuração da Dívida Fiscal Líquida - Prefeitura Municipal de Butiá RS Janeiro a Junho de Tabela 5 Apuração do Resultado Nominal - Prefeitura Municipal de Butiá RS Janeiro a Junho de

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO BREVE HISTÓRICO SOBRE DÉFICITS E DÍVIDA PÚBLICA NO BRASIL A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL EXPERIÊNCIAS ANTERIORES Fundo Monetário Internacional: Transparência Fiscal União Européia: Tratado de Maastricht Estados Unidos: Budget Enforcement Act Nova Zelândia: Fiscal Responsablity Act OBJETIVOS DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL REVISÃO CONCEITUAL DÉFICIT PÚBLICO E AS NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO (NFSP) DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO RESULTADO PRIMÁRIO RESULTADO NOMINAL METODOLOGIAS DE APURAÇÃO DOS RESULTADOS FISCAIS: ACIMA E ABAIXO DA LINHA Resultado Primário: acima e abaixo da linha Resultado Nominal: acima e abaixo da linha RESULTADO PRIMÁRIO E NOMINAL: APLICAÇÃO EM NÍVEL MUNICIPAL NO RIO GRANDE DO SUL LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Lei de Responsabilidade Fiscal Lei de Crimes Fiscais Portarias da Secretaria do Tesouro Nacional Normas do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Aplicáveis à Esfera Municipal Elenco de Contas Padrão Fiscalização do Cumprimento das Normas da LRF MEMÓRIA DE CÁLCULO DO RESULTADO PRIMÁRIO E NOMINAL Cálculo do Resultado Primário...42

6 5.2.2 Cálculo do Resultado Nominal Caso Prático: Apuração do Resultado Primário e Nominal da Prefeitura Municipal de Butiá/RS Resultado Primário da Prefeitura Municipal de Butiá/RS Dívida Fiscal Líquida e Resultado Nominal da Prefeitura Municipal de Butiá/RS CONCLUSÃO...53 REFERÊNCIAS...55 ANEXOS...60

7 10 1 INTRODUÇÃO Poucas foram as leis que provocaram tanta repercussão e interesse quanto a Lei Complementar n.101, de 4 de maio de 2000, mais conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Além de ter entrado em vigência a apenas oito meses do encerramento do mandato dos gestores que, à época, estavam à frente das administrações municipais, trouxe consigo procedimentos complexos e sofisticados de administração financeira para a esfera pública, com o intuito de limitar o endividamento a curto e a longo prazos. A edição e a efetiva implementação dessa norma, com seus rigorosos limites de gastos, seus dispositivos de transparência das contas públicas, seus indispensáveis instrumentos de planejamento, entre outros, fez com que questões como a gerência do dinheiro público se tornasse objeto de estudo, não só de técnicos, mas, também, de cidadãos interessados na sua correta aplicação. A LRF causou grande repercussão em todos os Poderes Estatais: União, Estados e Municípios, fundos e entidades da administração indireta, excluídas, apenas, aquelas empresas que se mantêm sem o aporte de recursos do órgão central a que pertencem. Entretanto, são os Municípios, principalmente os de pequeno porte considerando a precariedade de sua estrutura, tanto técnica quanto de pessoal qualificado que concentram o maior nível de esforços para cumprir os ditames dessa Lei, em especial, no que diz respeito ao estabelecimento das metas fiscais na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), por força das disposições contidas no artigo 4º, 1º e 2º da LRF. Segundo a LRF (artigo 4º, 1º) serão estabelecidas, no Anexo de Metas Fiscais integrante da LDO, as metas anuais, em valores correntes e constantes, relativas a receitas, despesas, resultados nominal e primário e montante da dívida pública, para o exercício e para os dois seguintes. Ou seja, a LRF, para o alcance e

8 a manutenção do equilíbrio fiscal, imputou à LDO elementos de controle das despesas e de realização das receitas. 11 Sem tirar a importância dos demais elementos que compõem o Anexo de Metas Fiscais, entende-se necessário compreender a forma de apuração dos resultados primário e nominal matéria relativamente nova na esfera municipal, tendo em vista que a comparação das metas fixadas com os resultados obtidos determina a ação do gestor público. Assim, o objetivo geral desse trabalho é apresentar uma forma de apuração do resultado primário e nominal utilizável na esfera municipal, mais especificamente, nos municípios do Rio Grande do Sul (RS), tendo por base os modelos instituídos pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e o plano de contas padrão do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE-RS). Para atingir o que se propõe, após um breve histórico sobre as circunstâncias históricas em que a LRF foi promulgada, far-se-á uma revisão dos conceitos, das diferentes metodologias de cálculo existentes e das normas que sujeitam os Municípios a fixar e observar metas de resultado primário e nominal.

9 12 2 BREVE HISTÓRICO SOBRE DÉFICITS E DÍVIDA PÚBLICA NO BRASIL Os períodos de grande instabilidade monetária da década de 1980 e da metade da década de 1990 marcaram a economia brasileira em razão dos elevados índices de inflação. Nessa época, os atrasos de pagamentos junto a fornecedores e servidores e a facilidade de tomada de recursos junto aos bancos oficiais eram instrumentos amplamente utilizados pelo setor público como forma de financiamento, ou seja, o processo inflacionário beneficiava a gestão das contas públicas. Segundo levantamento do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (1996, Tabela VIII.25), em 1994 os Estados e Municípios apresentavam um superávit primário na ordem de 0,77% do Produto Interno Bruto (PIB). A partir de 1995, com o advento do Plano Real, o Governo Federal conseguiu reduzir abruptamente os índices de inflação. Por outro lado, houve uma elevação no endividamento do setor público, já que os governos não mais dispunham de mecanismos de postergação de pagamentos para se beneficiar da perda do valor aquisitivo da moeda. Começaram, então, a ser computados déficits primários que variaram de 0,18%, ao final de 1995, a 0,54% do PIB, ao final de 1996, sendo que os resultados projetados para 1997 apontavam para um déficit em torno de 0,74% do PIB (1996, Tabela VIII.25). A dívida líquida do setor público (DLSP) crescia em proporção superior ao PIB. Giambiagi e Além (2008, p. 160) comentam que havia dois grandes problemas a serem enfrentados na ocasião: o fiscal com uma dívida pública crescente e preocupante ; e o externo com um déficit em conta corrente que ameaçava atingir 5% do PIB. Diante deste cenário, a necessidade de aperfeiçoar a gestão fiscal nas três esferas de governo era imediata. No último trimestre de 1998, o aprofundamento da crise financeira internacional, desencadeada pela moratória da Rússia, levou o Governo Federal a

10 13 iniciar negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI), visando à obtenção de recursos externos que atingiram a cifra de U$ 42 bilhões, vindos dessa instituição, de outros organismos multilaterais (BID e Banco Mundial) e das grandes potências mundiais. O governo brasileiro deu início à implantação de uma série de medidas, tais como a elevação da taxa básica de juros e o estabelecimento de mecanismos para a elevação das receitas e da redução de gastos. Essas medidas foram seguidas pela concepção do Programa de Estabilidade Fiscal PEF, cuja finalidade principal era a drástica e veloz redução do déficit público e a estabilização do montante da dívida pública em relação ao PIB. O PEF foi um instrumento fundamental para a realização do acordo de empréstimo junto aos organismos internacionais, principalmente, com o FMI. Tanto o primeiro acordo com o FMI, formalizado em dezembro de 1998, quanto o segundo, assinado em 1999, em linhas gerais, previam o controle da relação DLSP/PIB com base na geração de superávits primários consolidados do setor público. Dentre as medidas adotadas pelo governo para acelerar o processo de ajustamento das contas públicas e melhorar os mecanismos de gestão destacaramse a reestruturação das dívidas dos Estados e dos Municípios e a reorganização do sistema bancário estadual. O PEF culminou com o encaminhamento, em 13 de abril de 1999, de projeto de lei complementar ao Congresso Nacional que regulamentava os artigos 163 e 169 da Constituição Federal, visando à prevenção de futuros desajustes estruturais pela imposição de limites de gastos que passariam a nortear o comportamento dos administradores públicos nos três níveis de governo. Promulgado em 4 de maio de 2000 esse projeto, amplamente discutido no Congresso e pela sociedade 1, transformou-se na Lei Complementar n. 101, 1 Conforme consta na Exposição de Motivos do Projeto de Lei Complementar n. 18-E, de 1999, que deu origem à Lei Complementar Federal n. 101, de 2000, encaminhado pelos Ministros de Estado do

11 14 publicamente conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que se constitui em um marco rumo à situação de equilíbrio fiscal duradouro como veremos no Capítulo a seguir. Orçamento e Gestão, da Fazenda e da Previdência e Assistência Social, a consulta à sociedade brasileira se deu na forma de reuniões com os Secretários de Fazenda, Planejamento e Administração dos Estados e com membros da Associação dos Secretários de Fazenda dos Municípios de Capitais (ABRASF), além de ter sido objeto de debate tanto no Seminário de Finanças Públicas, promovido pela Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina (CEPAL), quanto na página da internet do Ministério de Orçamento e Gestão (MOG), o qual contabilizou mais de consultas sobre a matéria.

12 15 3 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Além de atender aos condicionamentos do Fundo Monetário Internacional (FMI), de estar inserida nas medidas concebidas no Programa de Estabilidade Fiscal (PEF), a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) veio a estabelecer normas de finanças públicas, amparada no Capítulo II do Título VI da Constituição Federal de A seguir, apresentamos alguns princípios e normas extraídas de modelos de outros países que foram tomados como referencial para a elaboração do modelo brasileiro. 3.1 EXPERIÊNCIAS ANTERIORES Além das influências do Fundo Monetário Internacional (FMI), as experiências da União Européia e das legislações norte-americana e neozelandesa são tidas como os principais exemplos incorporados pelo Brasil na elaboração desta Lei Complementar, embora não se possa afirmar que tenham sido os únicos, pois não existe receita de finanças públicas que possa ser utilizada sem adaptações às peculiaridades de cada país Fundo Monetário Internacional: Transparência Fiscal Desde os idos de 1980, o Fundo Monetário Internacional (FMI) tem orientado seus países-membros no sentido de que as funções de política e de gestão devem ser bem definidas e divulgadas ao público. Durante a sua qüinquagésima reunião, realizada em Washington, em 16 de abril de 1998, o Comitê Interino da Assembléia de Governadores do FMI adotou o Código de Boas Práticas para a Transparência Fiscal Declaração de Princípios.

13 16 Esse Código foi elaborado em um contexto de consenso internacional de que a governança é fundamental para a estabilidade econômica e o crescimento de alta qualidade, e de que a transparência fiscal é um aspecto essencial da boa governança (FMI, 2001, p.5), pois, se de um lado a transparência fiscal facilita a prestação de contas por parte dos responsáveis públicos, por outro a política fiscal contará com o crédito de uma opinião pública bem informada. Não obstante esse documento tenha sido objeto de várias revisões, visando conferir-lhe maior clareza, seus quatro princípios gerais de transparência fiscal permanecem, em grande parte, inalterados: O primeiro princípio geral Definição Clara de Funções e Responsabilidades refere-se à especificação da estrutura e das funções do governo, das responsabilidades dentro do governo e das relações entre o governo e o resto da economia. O segundo princípio geral Acesso Público à Informação enfatiza a necessidade de que se divulguem informações fiscais abrangentes a intervalos bem definidos. O terceiro princípio geral Abertura na Preparação, Execução e Prestação de Contas do Orçamento cobre o tipo de informação divulgada a respeito do processo orçamentário. O quarto princípio geral Garantias de Integridade trata da qualidade das informações fiscais e da necessidade de submetê-las a um escrutínio independente (FMI, 2001, p. 6). Destaca-se que o quarto princípio geral foi modificado em relação à versão anterior do Código - na qual se enfatizavam apenas as garantias, independente da integridade das informações fiscais proporcionadas para dar destaque à qualidade 2 dessas informações. 2 Diante da necessidade cada vez maior de qualidade nas informações fiscais, a Secretaria do Tesouro Nacional (STN), por intermédio da Coordenação-Geral de Contabilidade (CCONT), está realizando estudos para desenvolver e implantar um novo Plano de Contas com abrangência nacional, adequado aos dispositivos legais da Lei de Responsabilidade Fiscal, para a viabilização de informações que atendam aos conceitos das Normas Internacionais de Contabilidade do Setor Público (NICSP) e do Manual de Estatísticas de Finanças Públicas (Government Finance Statistics Manual) do FMI.

14 União Européia: Tratado de Maastricht O Tratado da União Européia, conhecido também como Tratado de Maastrich, por ter sido assinado nessa cidade holandesa em 1992, corresponde à pedra fundamental do processo de integração européia pois, além de marcar o nascimento da União Européia antes Comunidade Européia, estabelece critérios para os países terem acesso à moeda comum: o Euro. Segundo Nascimento e Debus (2002, p.15), as principais características do Tratado de Maastricht são: - Definição de critérios para verificação da sustentação financeira de cada governo, como em uma confederação. - Estados-membros conduzem suas políticas com relativa independência, convergindo para critérios acordados; além disso os estados-membros devem evitar déficits excessivos. - Comissão monitorará orçamento e estoque da dívida pra identificar desvios: há metas e punições. - Pacto de estabilidade e crescimento de 1997 cada estado-membro é responsável por sua política orçamentária, subordinadas às disposições do Tratado. (grifo do autor) A experiência da União Européia de definir metas e limites entre países autônomos inspirou a abrangência da LRF brasileira: União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Mostrou, também, que as regras da lei deveriam apresentar certa flexibilidade pois desvios sempre existem; o que importa é manter a tendência de ajuste desejada.

15 Estados Unidos: Budget Enforcement Act Em 1974, em conseqüência da não-execução de despesas previstas no orçamento 3, foi aprovado, nos Estados Unidos, o Budget and Impoundment Control Act ou Ato de Controle de Contingenciamento. A partir desse Ato, o governo americano passou a observar, simultaneamente, regras para o gasto total, prioridades orçamentárias e montante do déficit. Em virtude de o déficit fiscal americano continuar a crescer, o Executivo e o Congresso concordaram que o Budget and Impoundment Control Act não seria suficiente para sanar o problema. Surgiram, então, em 1985 e 1987, o Gramm- Rudman-Holdings Act I e II e, complementarmente, em 1990 e 1996, o Budget Enforcement Act (BEA) e o Line Item Veto Act (CYSNE, 2008). Entre esses instrumentos, o BEA estipulou controles para gastos que serviram de modelo para a equipe que elaborou a lei brasileira: - corte proporcional (sequestration) em todos os itens de despesas discricionárias quando essas ultrapassassem o limite previsto; - compensação de atos que provoquem o aumento de despesas obrigatórias ou quedas de receitas (pay as you go) pelo aumento da receita ou pela redução de despesas. Segundo Nascimento e Debus (2002, p.15), o BEA contempla apenas o Governo Federal cada unidade da federação tem suas regras e o Congresso fixa metas de superávit e mecanismos de controle de gastos. Da experiência americana, a LRF herdou as regras de rigidez e a fixação de metas de resultados fiscais. 3 No caso americano, a autorização legislativa para o gasto é mandatória (obrigatória).

16 Nova Zelândia: Fiscal Responsablity Act Embora a Nova Zelândia tenha poucas semelhanças com a forma de governo brasileiro (é um Estado unitário e parlamentarista) as regras de transparência do Fiscal Responsability Act, em vigor naquele país desde 1994, foram incorporadas à LRF brasileira. Segundo Chiesa (2008, p. 55), o Fiscal Responsability Act prevê princípios, regras (poucas) e exige muita transparência, como a obrigatoriedade de publicação periódica de relatórios com informação fiscal. Destaca-se, ainda, que: [...] o Fiscal Act difere dos programas anteriores porque não prevê metas fiscais; admite afastamentos temporários, desde que com previsão de meios para retorno; considera perigosa a perda de credibilidade pelo não cumprimento de metas; teme pela manipulação de informação para ajustálas às metas fixadas (NASCIMENTO e DEBUS, 2002, p. 16). 3.2 OBJETIVOS DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Como visto, a LRF sofreu influências do Código de Boas Práticas para a Transparência Fiscal do FMI, incorporou as regras de rigidez fiscal e de transparência das experiências dos Estados Unidos e da Nova Zelândia, respectivamente, e abrangeu todos os entes da Federação baseada na União Européia (CHIEZA, 2008), estabelecendo normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal. No parágrafo primeiro de seu primeiro artigo, a LRF define o que se entende por gestão fiscal : A responsabilidade na gestão fiscal pressupõe a ação planejada e transparente, em que se previnem riscos e corrigem desvios capazes de

17 20 afetar o equilíbrio das contas públicas, mediante o cumprimento de metas de resultados entre receitas e despesas e a obediência a limites e condições no que tange a renúncia de receita, geração de despesas com pessoal, da seguridade social e outras, dívidas consolidada e mobiliária, operações de crédito, inclusive por antecipação de receita, concessão de garantia e inscrição em Restos a Pagar. Assim, a finalidade da LRF é a prevenção e a correção de desvios capazes de afetar o equilíbrio das contas públicas, por meio do estabelecimento de uma série de regras, tais como os limites de endividamento, das despesas com pessoal e as restrições para contratação de Antecipação de Receitas por Operações de Crédito (ARO), muito utilizadas pelos Municípios até então, e para a criação de despesas de caráter continuado. Entretanto, segundo Toledo (2003, p. 18), todas essas restrições seriam ineficazes caso não se pudesse aferir, com precisão, o produto finalístico da gestão fazendária, vale dizer, os resultados fiscais sob os conceitos eleitos pelo novo direito, o primário, o nominal e o bruto da execução orçamentária (grifou-se). Os conceitos destacados serão abordados no próximo Capítulo.

18 21 4 REVISÃO CONCEITUAL Este capítulo traz, de forma simples, alguns dos principais conceitos relacionados à divida pública e aos resultados fiscais, destacando-se os conceitos de resultado primário e nominal, visto que são essenciais e recorrentes no processo de ajustamento das contas públicas. Também serão abordadas as diferentes metodologias (critérios acima e abaixo da linha) utilizadas pelas entidades responsáveis pela apuração dos resultados fiscais. 4.1 DÉFICIT PÚBLICO E AS NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO (NFSP) Confrontando-se as receitas e despesas, se o resultado for positivo, tem-se um superávit; se o resultado for negativo, tem-se um déficit. Em outras palavras, déficit é o valor que falta para as receitas se igualarem às despesas. O mesmo entendimento se aplica ao setor público, podendo-se afirmar que déficit público é a diferença entre as despesas e receitas do setor público em determinado momento (NUNES, 1999, p. 64). A parcela relevante da política fiscal diz respeito à forma como o governo atua para obter recursos necessários à cobertura dos gastos públicos. O primeiro mecanismo utilizado pelos governos para obter receita é a tributação (que pode ser complementada pela exploração de ativos); o segundo é a utilização de recursos de terceiros, com o compromisso de devolvê-los no futuro. Utilizando o primeiro mecanismo para a cobertura das despesas (sem contrair dívida), o governo utilizouse de fontes primárias; cobrindo as despesas com a contratação de dívida, valeu-se das fontes de financiamento (ALBUQUERQUE; MEDEIROS; FEIJÓ, 2008). Como foi visto no Capítulo 1, desde a década de 1980 as questões relacionadas ao déficit público começaram a ser tratadas com maior importância,

19 22 devido ao fato de o déficit ter se tornado expressivo e, evidentemente, prejudicial à política econômica. Nessa época, foram desenvolvidos uma série de textos 4 analisando a mensuração do déficit público e suas implicações. Diversas metodologias podem ser empregadas para o cálculo do resultado fiscal do governo. Por influência dos critérios do Fundo Monetário Internacional (FMI) foi introduzida no país a noção de que o déficit público deve ser medido pelas necessidades de financiamento do setor público (NFSP) 5, versão em português de public sector borrowing requirements (PSBR). Segundo essa metodologia, a NFSP do governo, em determinado período [...] pode ser representada pelo seu déficit de caixa, consideradas ainda as necessidades de ampliação da dívida para financiamento desse déficit. Com isso, as NFSP correspondem à variação da dívida líquida, e somente são consideradas na apuração do resultado fiscal as receitas que efetivamente ingressaram no caixa e as despesas que efetivamente foram pagas (ALBUQUERQUE; MEDEIROS; FEIJÓ, 2008, p. 71). As NFSP são divulgadas pelo Banco Central (BC) e consideradas como sendo o resultado fiscal por excelência. Também são chamadas de déficit nominal ou resultado nominal por corresponderem à variação da dívida interna líquida. 4.2 DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO No Brasil, o conceito de setor público comumente utilizado para a apuração da dívida líquida e do déficit público é o de setor público não-financeiro mais o Banco Central (BC). O setor público não-financeiro é compreendido pelas administrações diretas e indiretas (autarquias e fundações) federais, estaduais e municipais; o sistema público de previdência social e as empresas estatais não- 4 Destaca-se o artigo Livro branco do déficit público. 5 O conceito de NFSP é utilizado para medir o déficit público desde o início da década de 80, quando da vinda do FMI ao país para acompanhar a condução da política econômica, no contexto da renegociação da dívida externa em 1982.

20 23 financeiras nos três níveis de governo; a Itaipu binacional; além dos fundos públicos que não possuem características de intermediários financeiros (constituídos de contribuições fiscais ou parafiscais). A partir desses esclarecimentos, pode-se conceituar Dívida Líquida como sendo o saldo líquido do endividamento do setor público não-financeiro e do BC com o sistema financeiro (público e privado), com o setor privado e com o resto do mundo, onde, saldo líquido do endividamento corresponde ao resultado obtido do confronto entre as dívidas e os créditos do setor público não-financeiro e do BC. 4.3 RESULTADO PRIMÁRIO Conforme já referido, existem dois mecanismos de cobertura das despesas públicas: as fontes primárias decorrentes da tributação ou da exploração de ativos públicos - e as fontes de financiamento - que implicam em contração de obrigação futura ou de redução de patrimônio público. Resultado primário, por definição do artigo 2º, inciso II, da Lei n , de 1997, corresponde à diferença entre as receitas não-financeiras e as despesas nãofinanceiras, assim conceituadas: a) Receitas Não-financeiras: corresponde ao total da receita orçamentária deduzidas as operações de crédito, as provenientes de rendimentos de aplicações financeiras e retorno de operações de crédito (juros e amortizações) recebimento de recursos oriundos de empréstimos concedidos, as receitas de privatização e aquelas relativas a superávits financeiros.[...] b) Despesas não-financeiras: corresponde ao total da despesa orçamentária deduzidas as despesas com juros e amortização da dívida interna e externa, com aquisição de títulos de capital integralizado e as despesas com concessão de empréstimos com retorno garantido (NUNES, 2002, p. 51). É considerado um dos melhores indicadores da saúde financeira dos entes públicos, pois demonstra o quanto estes dependem de recursos de terceiros para a cobertura de suas despesas.

21 24 Pode-se afirmar que: A apuração do resultado primário tem por objetivo avaliar a sustentabilidade da política fiscal, ou seja, a capacidade dos governos em gerar receitas em volume suficiente para pagar suas contas usuais (despesas correntes e investimentos), sem que seja comprometida sua capacidade de administrar a dívida existente (ALBUQUERQUE; MEDEIROS; FEIJÓ, 2006, p. 40). 4.4 RESULTADO NOMINAL O resultado nominal apresenta a variação da dívida fiscal líquida em determinado período, ou seja, a evolução da dívida. Demonstra a necessidade ou não de empréstimos do setor público junto a terceiros para cobrir as suas despesas. Como já referido no item 4.1, o resultado nominal quando apurado pelo critério abaixo da linha pode ser considerado como a própria NFSP. 4.5 METODOLOGIAS DE APURAÇÃO DOS RESULTADOS FISCAIS: ACIMA E ABAIXO DA LINHA Tal como ocorre na maioria dos países do mundo, há pelo menos duas instituições que divulgam estatísticas acerca da situação fiscal do país. No Brasil, a apuração dos resultados fiscais vem sendo efetuada de formas diferentes pelo Banco Central (BC), que utiliza os dados do setor financeiro, e pelo Ministério da Fazenda (MF), que utiliza as informações provenientes da contabilidade dos órgãos do governo. Ou seja, O BC divulga os resultados fiscais obtidos pelo critério abaixo da linha enquanto o Ministério da Fazenda utiliza o critério acima da linha.

22 25 Quando se apuram os resultados fiscais diretamente da execução orçamentária e financeira das instituições abrangidas pelo cálculo, utiliza-se o critério conhecido como acima da linha. Se a apuração é efetuada com base na variação da dívida pública em determinado período, o critério utilizado é o abaixo da linha. Considerando que para a apuração dos resultados fiscais acima da linha é necessário obter e consolidar as informações da execução orçamentária e financeira das entidades abrangidas pelo cálculo e que, até pouco tempo, as práticas contábeis adotadas no setor público no Brasil não permitiam aferir tempestivamente e com precisão a situação das finanças públicas, principalmente, pela falta de padrão na classificação contábil, o critério abaixo da linha predominou por quase vinte anos. Segundo Nunes (1999, p. 64), em conseqüência da dificuldade de obter estatísticas consistentes acima da linha, a variação da dívida é utilizada pelo Banco Central como proxy do déficit. A apuração dos resultados fiscais pela abordagem acima da linha começou a ser utilizada no país a partir de 1986, para avaliar as causas do déficit de forma mais acurada. As duas abordagens têm objetivos distintos, podendo ser vistas, entretanto, como complementares, embora ainda existam discrepâncias nos cálculos, causadas, principalmente, pela falta de uniformização dos registros contábeis na esfera pública, pela forma de apuração dos juros, pela apropriação de passivos contingentes e pela contabilização da dívida externa. As deficiências ainda existentes na apuração de resultados, com abrangência em todo o setor público (consolidado), impõem ao Banco Central a necessidade de utilizar a metodologia abaixo da linha, pois as variações no saldo de caixa permitem uma pronta identificação dos impactos monetários a que está sujeita a economia do país. Trata-se de um mecanismo de medição limitado ao prazo imediato, que permite apenas constatar se houve resultado fiscal positivo (superávit) ou negativo (déficit), sem demonstrar as causas desse resultado.

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL REGLAS FISCALES Y MECANISMOS DE RELACIÓN INTERGUBERNAMENTAL FEDERAÇÃO BRASILEIRA: ASPECTOS DESTACADOS

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos.

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Vamos ao nosso assunto de hoje! Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO: A LDO é

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO PARTE GERAL Aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios Válido para o exercício de 2013

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA LEI Nº 875/2009 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA ELABORAÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA PARA O EXERCÍCIO DE 2010, E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE JURANDA,, faz saber a todos os

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias A ARTE DE GOVERNAR (segundo Matus) PROJETO DE GOVERNO SABER ARTICULAR GOVERNABILIDADE GOVERNANÇA Plano de Governo: Base do Planejamento

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

A Lei de Responsabilidade na Gestão Fiscal

A Lei de Responsabilidade na Gestão Fiscal A Lei de Responsabilidade na Gestão Fiscal Angela Cristina Pelicioli Sumário 1. Breve histórico. 1.1 Comparação entre outros sistemas legais. 1.2. Sistema legal brasileiro. 2. A Lei de Responsabilidade

Leia mais

O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal

O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal Roberto B. Calazans O objetivo desse texto, dentro do princípio da transparência da Lei de Responsabilidade Fiscal, é contribuir para demonstrar

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Lei Complementar 141/12 Regulamentação da EC 29/00 CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Regulamenta: 1. Regulamenta o 3º do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento 1 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL GUIA PRÁTICO PARA O CIDADÃO O que é a LRF? A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou Lei Complementar nº 101, é o principal instrumento regulador das contas públicas no

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

CONSULTA N. 809.491 EMENTA:

CONSULTA N. 809.491 EMENTA: Utilização do saldo positivo da reserva do regime próprio de previdência social para abertura de créditos adicionais suplementares. Arquivamento de notas de empenho pela administração pública CONSULTA

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre regras gerais acerca das diretrizes, normas e procedimentos contábeis aplicáveis aos entes da Federação, com vistas

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional - STN RELAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS PARA A REALIZAÇÃO DE TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS 1

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional - STN RELAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS PARA A REALIZAÇÃO DE TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional - STN RELAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS PARA A REALIZAÇÃO DE TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS 1 2011 1 Em atendimento ao constante no 3 do art. 37 da Lei n 12.465, de

Leia mais

II - original ou cópia autenticada da autorização legislativa específica para a realização da operação;

II - original ou cópia autenticada da autorização legislativa específica para a realização da operação; Portaria n o 4, de 18 de janeiro de 2002. Dispõe sobre os procedimentos de formalização de pedidos de contratação de operações de crédito externo e interno dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO GARÇAS CONTROLE INTERNO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO GARÇAS CONTROLE INTERNO 1/5 NORMA INTERNA : 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e orientar o fluxo das operações de crédito, bem como avais e garantias oferecidas para as operações de crédito; 1.2) Atender legalmente os dispositivos

Leia mais

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010 6º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais 17 e 18 de junho de 2010 RECEITAS E DESPESAS PÚBLICAS: Enfoque Orçamentário X Enfoque Patrimonial

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA DECRETO N.º 3.543, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Execução das Atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013.

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. Altera o Decreto nº 016/2012, que instituiu o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL DECRETO Nº 1.700

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL DECRETO Nº 1.700 DECRETO Nº 1.700 700/20 2012. Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO LIBERDADE PARA TODOS PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAMIRANGA - CEARÁ

ADMINISTRAÇÃO LIBERDADE PARA TODOS PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAMIRANGA - CEARÁ Lei nº. 210/2010 Dispões sobre as Diretrizes para elaboração da Lei Orçamentária para o exercício financeiro de 2011 e dá outras providências. Luís Eduardo Viana Vieira, Prefeito Municipal de Guaramiranga,

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG CONCURSO: APO/MPOG/2010 66. (ESAF APO/MPOG/2010) Assinale a opção verdadeira a respeito do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Segundo o art. 41 da Lei nº 4.320/64 os créditos adicionais classificam-se em: I - suplementares: os destinados a reforço de dotação orçamentária;

Segundo o art. 41 da Lei nº 4.320/64 os créditos adicionais classificam-se em: I - suplementares: os destinados a reforço de dotação orçamentária; 1 - MECANISMOS RETIFICADORES DO ORÇAMENTO Alipio Reis Firmo Filho www.editoraferreira.com.br 1.1 Conceito de Crédito Adicional O orçamento anual é produto de um processo de planejamento que incorpora as

Leia mais

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005 15 de julho de 2002 O Congresso Nacional (CN) aprovou recentemente seu Projeto Substitutivo para a proposta original do Poder Executivo para a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2003, que estabelece

Leia mais

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e;

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e; DECRETO 011 / 2012 Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP.

Leia mais

A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011.

A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011. A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011. RESUMO José Antônio Faustino da Costa Acadêmico de Ciências

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA PROJETO DE LEI Nº /2013 DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MIMOSO DO SUL, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Título I Das Disposições Preliminares Art. 1º A organização

Leia mais

FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO

FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO Verificada a necessidade de cumprimento de meta de governo para a qual não haja recurso disponível, pode a Secretaria interessada analisar

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno Notificação N 006/2006 ORIGEM: Memorando nº 86/2006 Departamento de Contabilidade

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO SETOR PÚBLICO Adriana Oliveira Nogueira Universidade de Fortaleza (UNIFOR-CE) adriana@secon.ce.gov.br Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

DIVULGAÇÃO DA GESTÃO MUNICIPAL ATRAVÉS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

DIVULGAÇÃO DA GESTÃO MUNICIPAL ATRAVÉS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA DIVULGAÇÃO DA GESTÃO MUNICIPAL ATRAVÉS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Diário dos Municípios - O que são as Audiências Públicas? José Andrade As Audiências Públicas decorrem de uma exigência da Lei de Responsabilidade

Leia mais

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, 27 de março de 2012. CONDIÇÕES DE RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS ESTADUAIS 1997/98 1997 Lei 9.496/97 Os entes federados renegociaram suas dívidas contratuais

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE. Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE. Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com UMA REFLEXÃO INICIAL O estudo da Ciência do Direito mostrará àqueles que acreditam na

Leia mais

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS - EAD PARA SERVIDORES DO TCE E CURSOS OBJETIVO PÚBLICO-ALVO CARGA HORÁRIA N. DE VAGAS MODALIDADE 1. As Novas Normas de Contabilidade Aplicada

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ANEXO DE METAS FISCAIS E RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO Aplicado à União e aos Estados, Distrito Federal e Municípios 4ª edição atualizada Permitida a reprodução total

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Índice 1. A lei de responsabilidade fiscal...3 2. A integração entre o planejamento e o orçamento...3 3. Execução orçamentária

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

Resultado nominal X Resultado operacional

Resultado nominal X Resultado operacional RESULTADO DAS CONTAS PÚBLICAS Superávit = Receitas > Despesas X Déficit = Receitas < Despesas Déficit = fluxo em determinado período Dívida= estoque acumulado ao longo do tempo Finanças Públicas Resultado

Leia mais

15 anos da LRF Instrumentos de Transparência da Gestão Fiscal e Controle Social. Brasília, 7 de maio de 2015

15 anos da LRF Instrumentos de Transparência da Gestão Fiscal e Controle Social. Brasília, 7 de maio de 2015 15 anos da LRF Instrumentos de Transparência da Gestão Fiscal e Controle Social Brasília, 7 de maio de 2015 Transparência Fiscal Contribui para melhorar: a geração de receitas; a alocação de recursos;

Leia mais

CESPE 2009/2010-PROF FLÁVIO ASSIS

CESPE 2009/2010-PROF FLÁVIO ASSIS CESPE 2009/2010-PROF FLÁVIO ASSIS SAD-PE/2010- FINANÇAS PÚBLICAS 15)A seção II do capítulo referente às finanças públicas, estabelecido na CF, regula os denominados orçamentos. Tendo por parâmetro as normas

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CRC-DF DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Domingos Poubel de Castro Brasília/DF, 18 de Maio de 2012 NECESSIDADES PERMANENTES DO GESTOR INFORMAÇÕES CONTROLE Cenário Externo 0800 570 0800

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS. CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade

REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS. CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade MINISTÉRIO DA FAZENDA REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art. 1º O Grupo Técnico de Padronização de Relatórios, instituído pela Portaria

Leia mais

DECRETO N.º 098/12 DE 16 DE MAIO DE 2012

DECRETO N.º 098/12 DE 16 DE MAIO DE 2012 DECRETO N.º 098/12 DE 16 DE MAIO DE 2012 INSTITUI o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial (Versão publicada em: 23/12/2014)

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial (Versão publicada em: 23/12/2014) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial

Leia mais

RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS

RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NOTA JURÍDICA N.º 001/2008 Cuiabá/MT, 03 de julho de 2008. RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS 1. Devido à responsabilidade da Agenda Assessoria

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno INSTRUÇÃO NORMATIVA UCCI 001/2014 Versão 01 ASSUNTO: Instrução Normativa

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 CONTADOR PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 CONTADOR PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1) Os poderes legislativo, executivo e judiciário manterão, de forma integrada, sistema de controle interno. A finalidade que NÃO integra atribuição constitucional do controle

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA 1. CONTEXTO ORGANIZACIONAL O Tribunal de Contas é um órgão com autonomia orçamentária e financeira de auxílio ao

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

ANÁLISE DO ORÇAMENTO MUNICIPAL: EQUILÍBRIO ENTRE DESPESA E RECEITAS DA PREFEITURA DE TERESINA NOS ANOS DE 2004 A 2008

ANÁLISE DO ORÇAMENTO MUNICIPAL: EQUILÍBRIO ENTRE DESPESA E RECEITAS DA PREFEITURA DE TERESINA NOS ANOS DE 2004 A 2008 ANÁLISE DO ORÇAMENTO MUNICIPAL: EQUILÍBRIO ENTRE DESPESA E RECEITAS DA PREFEITURA DE TERESINA NOS ANOS DE 2004 A 2008 Erinalda de Sousa Lima UESPI 1 Ana Claudia Duarte de Almeida - UESPI 2 Daniel Barroso

Leia mais

Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público

Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público Apresentação para o CRC/DF Dia do Contabilista Laércio Mendes Vieira Auditor Federal do TCU*, Membro do Grupo de CP do CFC, Contador,

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU SISTEMA JURÍDICO N.º 001/2011 Versão: 001/2011 Aprovação em: 28/11/2011 Ato de aprovação: Decreto nº. 2995/2011. Unidade Responsável: Sistema Jurídico I - FINALIDADE: Representar

Leia mais

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT.

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT. Programa 0773 Gestão da Política de Administração Financeira e Contábil da União Ações Orçamentárias Número de Ações 16 1O600000 Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável Produto: Projeto

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função Contabilidade Pública Aula 6 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Demonstração do Balanço Patrimonial Necessidade e Função Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Resultado Econômico Contextualização

Leia mais

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Estabelece normas para execução orçamentária, e define a programação financeira para o exercício de 2015 e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO O resultado primário, que exclui das receitas totais os ganhos de aplicações financeiras e, dos gastos totais,

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/05/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/05/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Confederação Nacional dos Trabalhadores

Leia mais

O controle de renúncia de receitas

O controle de renúncia de receitas Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Escola Superior de Controle Externo O controle de renúncia de receitas Apresentação J.R. Caldas Furtado Junho2015 1 O controle externo na Constituição

Leia mais