AS REPÚBLICAS DA REPÚBLICA HISTÓRIA, CULTURA POLÍTICA E REPUBLICANISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS REPÚBLICAS DA REPÚBLICA HISTÓRIA, CULTURA POLÍTICA E REPUBLICANISMO"

Transcrição

1 AS REPÚBLICAS DA REPÚBLICA HISTÓRIA, CULTURA POLÍTICA E REPUBLICANISMO Maria Alice Dias de Albergaria Samara Dissertação de Doutoramento em História Contemporânea Institucional e Política de Portugal

2 MAIO, 2010 ii

3 Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Doutor em História Contemporânea Institucional e Política de Portugal, realizada sob a orientação científica de Prof. Doutor António Reis Apoio financeiro da FCT e do FSE no âmbito do III Quadro Comunitário de Apoio. iii

4 À Leonor, sempre e por tudo. iv

5 AGRADECIMENTOS Sem aqueles que me acompanharam nos últimos anos tinha sido muito difícil, para não dizer impossível, acabar esta tese. Em primeiro lugar, quero agradecer ao meu orientador, professor Doutor António Reis, pelos seus conselhos e comentários e pela sua generosa disponibilidade. Quero agradecer ainda ao Tiago Baptista, pela leitura atenta e crítica, bem como pela infinita paciência com que me acompanhou durante este período; à minha mãe pelo auxílio constante em todos os momentos da minha vida; à Raquel Henriques, à Júlia Leitão de Barros e à Rosa Alface pelo apoio, pela ajuda e pela amizade; ao Pedro Pinto, por nunca se esquecer de mim nas suas viagens aos alfarrabistas; ao Luís Farinha, pelos nossos diálogos republicanos; e à Ana Sofia Pinto, pela ajuda. v

6 RESUMO AS REPÚBLICAS DA REPÚBLICA HISTÓRIA, CULTURA POLÍTICA E REPUBLICANISMO MARIA ALICE DIAS DE ALBERGARIA SAMARA PALAVRAS-CHAVE: História de Portugal, Cultura Política, Republicanismo Esta dissertação de doutoramento analisa a Primeira República enquanto construção política e na óptica da cultura política, articulando três momentos essenciais: a República imaginada antes do 5 de Outubro de 1910; a República no poder e a forma como foi gerida a diversidade política, nomeadamente a facção revolucionária; e por último a queda da República. O fio condutor deste trabalho é a ideia de que o movimento republicano foi mais do que o Partido Republicano Português ainda assim formado por diferentes sensibilidades sendo uma galáxia de organizações e uma polifonia, um movimento a várias vozes. Esta característica particular de um campo e de uma conjuntura política é essencial para a compreensão do princípio e do fim da Primeira República, regime que tem um papel central no imaginário político do século XX português. Não se pretendeu apresentar o objecto de estudo de forma monolítica, mas tratar as várias ideias do que devia ser, do que era e do que foi a República para os diversos agentes. Neste sentido, o trabalho começa por perceber como é que a República foi imaginada e em que contexto, como se articulava a galáxia republicana, dando atenção às convergências tecidas com outros movimentos. Assumindo que se vivia num período no qual as massas procuravam ter voz pública e política, analisámos as relações dos republicanos com o povo. O Partido Republico Português foi analisado, de modo a surpreender a sua dinâmica interna, bem como a forma como as classes populares foram arregimentadas. Interessou-nos estudar as diferentes formas de sociabilidade, para demonstrar como a capacidade de pensar a política se difundia na sociedade. Fazer passar a mensagem era central para o movimento e, assim, estudámos as diferentes formas de propaganda republicana e a constituição da imagem dos seus inimigos. Depois do 5 de Outubro de 1910, interessou-nos perceber como é que se construíram os significados e como é que as bases do regime foram lançadas, defendendo que estas construções políticas nos permitem a compreensão da dinâmica do regime. A conclusão equaciona a questão do velho e do novo no regime republicano, ou as diferentes formas de o entender, que motivaram as actuações políticas de diferentes agentes. Desconstruindo imagens simplistas da República criadas, sobretudo durante o Estado Novo, defendemos que o republicanismo, mau grado a ausência do sufrágio universal, deve ser entendido como uma etapa de um processo de democratização da sociedade portuguesa. vi

7 ABSTRACT THE REPUBLICS OF THE REPUBLIC HISTORY, POLITICAL CULTURE AND REPUBLICANISM MARIA ALICE DIAS DE ALBERGARIA SAMARA KEYWORDS: History of Portugal, Political Culture, Republicanism This dissertation analyses the Portuguese First Republic as a political construction and from the viewpoint of political culture, focusing on three essential moments: the imagined Republic before October 5 th, 1910; the Republic in power and the way political divergences were handled, especially the revolutionary faction; and, finally, the fall of the Republic. The central idea in this dissertation is that the republican movement was more than just the Portuguese Republican Party itself also informed by different sensibilities being more like a galaxy of organizations and a polyphony, a movement with several voices. This particular feature is essential to the understanding of the beginning and end of the First Republic, a regime that occupies a central position in the political imaginary of the Portuguese 20 th century. The objective is not to present the study object monolithically, but rather to address the different ideas about what the Republic should have been, and eventually came to be. Therefore, this dissertation starts by trying to understand how and in which context the Republic was imagined, and how this articulated itself to the republican galaxy, paying special attention to the convergences with other movements. Assuming this was a period in which the masses aimed for a public and political voice, we analyzed the relationship between the republicans and the people. The Portuguese Republican Party was analyzed in order to understand its internal dynamics, as well as how the popular classes were attracted. We were also interested in studying different social contexts to argue how the ability to think politics had permeated Portuguese society. To deliver the message was essential for the movement and, therefore, we studied the different strategies employed by republican propaganda, and also how it represented its enemies. After October 5 th, 1910, we were interested in understanding how meaning and the foundations of the regime were built, arguing that these political constructions allow us to better grasp the regime s dynamics. The final chapter considers the importance of the old and the new in the republican regime (or the different ways to understand both concepts), in the motivation of the political actions of different agents. Deconstructing the simplistic images that were created about the Republic especially during the New State we argue that in spite of the absence of universal suffrage, republicanism should be understood as a step in the democratization process of Portuguese society. vii

8 ÍNDICE DAS IMAGENS Imagem 1: Giuseppe Pellizza da Volpedo, Il Quarto Stato (O Quarto Estado), Imagem 2: Monumento às vítimas do 31 de Janeiro...16 Imagem 3: Caricatura de Teófilo Braga, por Alfredo Cândido, Imagem 4: Caricatura de Manuel de Arriaga, por Alfredo Cândido, Imagem 5: Caricatura de António José de Almeida, por Alfredo Cândido, Imagem 6: Caricatura de Bernardino Machado, por Alfredo Cândido, Imagem 7: Exposição de Pintura, Imagem 8: Caricatura de Afonso Costa, por Alfredo Cândido, Imagem 9: Associação de Socorros Mútuos Rodrigues de Freitas Imagem 10: Quiosque dos libertários no Rossio, Imagem 11: Cartilha do Povo Imagem 12: Cartilha do Zé Povinho Imagem 13: Comícios em Lisboa, Porto, Seixal, Sacavém e Barcarena, Imagem 14: Comícios, Imagem 15: Comício em Lisboa contra o juízo de instrução criminal, Imagem 16: D. Carlos às costas do Zé Povinho, caricatura, Imagem 17: Missão de Piedade. El-Rei no Hospital da Estrela. ( ), Imagem 18: Como se governa Portugal, Imagem 19: Caricatura de D. Manuel II, por Alfredo Cândido Imagem 20: Abster-se de votar é crime de lesa-pátria Imagem 21: A Câmara Municipal de Lisboa, Imagem 22: José Veloso Salgado, O Sufrágio, Imagem 23: Crianças a bordo do vapor com destino à Trafaria, Imagem 24: Crianças a banhos na Trafaria, Imagem 25: Crianças na praia, Imagem 26: Grupo revolucionário, Imagem 27: As urnas que encerram os corpos do doutor Miguel Bombarda e almirante Cândido dos Reis colocadas nos Paços do Concelho, viii

9 Imagem 28: Homenagem fúnebre ao Almirante Cândido dos Reis e a Miguel Bombarda nos Paços do Concelho, Imagem 29: Funeral do Almirante Cândido dos Reis e de Miguel Bombarda, Imagem 30: Funeral do Almirante Cândido dos Reis e de Miguel Bombarda, Loja Maçónica, Imagem 31: Funeral de Miguel Bombarda e Cândido dos Reis, Imagem 32: Funeral de Miguel Bombarda e Cândido dos Reis, Praça do Comércio, Imagem 33: A Rotunda à chegada do funeral de Miguel Bombarda e Cândido dos Reis, Imagem 34: Funeral de Miguel Bombarda e Cândido dos Reis, Rotunda, Imagem 35: Povo armado a guardar a bandeira republicana, Imagem 36: Revolucionários Civis, Imagem 37: Revolucionários Civis, Imagem 38: Bando de populares dirigidos por militares e que se bateu pela Republica, Imagem 39: O Banco de Portugal guardado pelas forças de marinha e pelo povo armado, Imagem 40: Eusébio Leão, à varanda dos Paços do Concelho, depois de proclamada a República, aconselha moderação nos ânimos populares, Imagem 41: O mensurador das cadeias de Lisboa tomando as medidas a um dos padres da companhia de Jesus, Imagem 42: O primeiro exercício do batalhão de voluntários da Sé na parada do regimento de Infantaria 5, Imagem 43: O "povo" republicano, Imagem 44: Um trecho do Museu onde se vêem bandeiras portuguesa que serviram nas cerimónias republicanas com as coroas ( ), Imagem 45: Uma das poltronas do Paço das Necessidades atingida pelos bombardeamentos, Imagem 46: Sala da Marinha, Imagem 47: Sala do Exército, Imagem 48: Sala do Exército. Algumas granadas da artilharia revolucionária, Imagem 49: Capa da Ilustração Portuguesa com dois revolucionários a fazerem bombas, Imagem 50: Sala do Povo. Exposição de modelos de bombas, Imagem 51: Sala do Povo, Imagem 52: Sala do Povo, Imagem 53: Sala do Regicídio, Imagem 54: Sala do Regicídio, detalhe, ix

10 Imagem 55: Busto do ex-conselheiro José Luciano de Castro, que foi levado da casa dos navegantes para a Rotunda pelos revolucionários, Imagem 56: Sala João Chagas, Imagem 57: Sala João Chagas, Imagem 58: Sala João Chagas, Imagem 59: Membros do Governo Provisório visitando o acampamento da Rotunda, Imagem 60: Ornamentações na entrada da Avenida das Cortes, x

11 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO 1: A REPÚBLICA IMAGINADA O país do movimento republicano A ideia de crise e de regeneração História e Memória Comemorar o passado para ganhar o presente CAPÍTULO 2: A GALÁXIA REPUBLICANA Pensar a(s) república(s) e o republicanismo A galáxia republicana As mulheres A questão social Convergências Os republicanos e o povo Ser republicano num país monárquico Percursos Ser um político republicano: da voz à polifonia Teófilo Braga António José de Almeida Bernardino Machado Afonso Costa Magalhães Lima Nomes maiores do republicanismo O Partido Republicano Português Organização interna O programa do Partido Republicano Português xi

12 2.7. A Carbonária, ou a arregimentação das classes populares Rituais e símbolos A relação com o Partido Republicano Português O republicanismo popular, acção directa e a propaganda pelo facto Os republicanos perante o regicídio Os radicais Os Congressos Republicanos Os congressos de Setúbal e do Porto CAPÍTULO 3: SOCIABILIDADE POLÍTICA Os centros republicanos: lugares privilegiados de sociabilidade política A escola no centro republicano Os centros republicanos na Grande Lisboa Espaços de sociabilidade política para além do centro republicano A geografia política de Lisboa Os jornais Os cafés Outros espaços Os centros republicanos e a luta para além de Lisboa A Carbonária para além de Lisboa CAPÍTULO 4: FAZER PASSAR A MENSAGEM: A PROPAGANDA REPUBLICANA O mundo da escrita O jornal, o folheto e a folha avulsa As editoras Os publicistas e as cartilhas Romances e folhetins A luta pela palavra xii

13 Os comícios: a cidadela, a fortaleza e o castelo A propaganda para lá da política: o lazer e o consumo A filantropia e os grémios excursionistas O teatro A festa e a música O consumo e o quotidiano na difusão da mensagem CAPÍTULO 5: OS INIMIGOS DO REPUBLICANISMO: CONTRA O QUÊ E CONTRA QUEM SE LUTAVA Os reis e a dinastia de Bragança A monarquia como fonte da crise D. Carlos I D. Manuel II e D. Amélia Os partidos e o político monárquico Do lado monárquico As Bastilhas do regime A repressão monárquica O jesuíta, a seita negra e a Igreja Católica: velhos inimigos CAPÍTULO 6: FAZER A REPÚBLICA As coligações As eleições As campanhas eleitorais A Câmara Municipal de Lisboa O Sufrágio A administração de Lisboa A via revolucionária CAPÍTULO 7: A REPÚBLICA NO PODER: PARA A FELICIDADE DA PÁTRIA O 5 de Outubro xiii

14 7.2. A implantação da república para além de Lisboa Construir significados Funerais verdes e vermelhos A luta pela construção da memória Revolucionários civis e beneméritos da Pátria A idealização do revolucionário A rua republicana Os revolucionários civis A admissão dos revolucionários civis na administração estatal As sentinelas vigilantes da República Museu da Revolução e o manuelino revolucionário CAPÍTULO 8: CONSTRUIR A REPÚBLICA O Governo Provisório A Assembleia Constituinte A questão social A constituição A arquitectura constitucional CAPÍTULO 9: O PRINCÍPIO E O FIM: ENSAIO DE CONCLUSÃO Do velho e do novo no movimento republicano O princípio e o fim A crise A depreciação da política e da Primeira República Revolução e contra-revolução A questão da democratização FONTES E BIBLIOGRAFIA xiv

15 INTRODUÇÃO History is the subject of a structure whose site is not homogenous, empty time, but time filled by the presence of the now. Walter Benjamin, On the Concept of History A assumpção central que marca este trabalho é que qualquer análise, estudo ou dissertação é marcada pelo tempo e pelo lugar de onde é pensada e escrita. Assim, há um momento zero em que o problema é formulado. Esta construção é feita num contexto específico e significativo. Um problema definido de uma forma diferente do que classicamente se fez pode conduzir a um outro tipo de explicação, a outra forma de analisar os documentos disponíveis e, porventura, a diferentes conclusões. 1 O momento em que se concebe a formulação de um problema pode influenciar a maneira como se vêm a desenhar as próprias conclusões do mesmo estudo. Procurando, no campo do que designa por história política, estudar a Primeira República, o Agora que olha para o Outrora sentiu a necessidade de encontrar as diferentes imagens do que era a República e o movimento republicano, num contexto em que se começa a questionar algumas das premissas que eram tidas como certas e seguras acerca daqueles. Num momento de questionamento, apresenta-se uma tentativa de reflexão, um outro olhar. Há, ainda, a preocupação de procurar um novo entendimento de como se pode levar a cabo a tarefa de realizar um trabalho dentro da designação genérica e fatalmente vaga de história política mas que não se cinja a um relato mais ou menos circunstanciado dos acontecimentos. Não se pretende perder de vista os acontecimentos. Mas não se lhes quer dar hegemonia dentro da economia do trabalho. Para este trabalho interessam as diferentes versões do que foram os principais acontecimentos do republicanismo. Para determinar a sua importância, recorremos aos escritos coevos, procurando perceber como se pensava a história do movimento republicano. Não sendo a narração dos acontecimentos políticos, a busca de inteligibilidade da conjuntura do republicanismo, enquanto movimento e enquanto poder, centra-se no processo, nos discursos e nas representações políticas. Assim sendo, o escopo deste trabalho é a procura de compreensão de modos de construção de diferentes discursos 1 TILLY, Charles, The Analysis of a Counter-Revolution, History and Theory, vol. 3, n.º 1, 1963:

16 sobre um objecto, reconhecendo que este dificilmente pode deixar de ser entendido como isso mesmo: uma construção. Esta tese tem como fio condutor a ideia de que o movimento republicano foi mais do que o Partido Republicano Português ainda assim formado por diferentes sensibilidades sendo uma galáxia de organizações e uma polifonia, um movimento a várias vozes. E que esta característica particular de um campo e de uma conjuntura política é essencial para a compreensão do princípio e do fim da República. Estudar o republicanismo tem uma imensa vantagem e é, de certa maneira, um imenso privilégio. Os republicanos foram, eles próprios, produtores do sentido da sua história e do seu tempo. Ou seja, estes homens e estas mulheres ainda que em muito menor grau, detentores das necessárias ferramentas críticas, deixaram-nos, por mão própria, a sua voz. Ao contrário de outros objectos de estudo, os republicanos constituíram-se em sujeitos e não ouvimos as suas vozes só através da mediação de outros. São eles próprios que nos interpelam a mais de um século de distância. Assim, os escritos republicanos, nas suas variadas formas, estão marcados pela presença do seu presente. Os republicanos quiseram construir o seu lugar na memória e na história. Neste sentido, a sua modernidade também se relaciona com a forma como olharam para a história e se transformaram em sujeitos de um processo mais vasto. 2

17 CAPÍTULO 1 A REPÚBLICA IMAGINADA 1.1. O país do movimento republicano Para pensarmos o republicanismo torna-se essencial analisar o último quartel do século XIX, a conjuntura do seu nascimento oficial, traçando as coordenadas centrais deste período, privilegiando a questão social, a política e a de cultura política. A face mais reconhecível tornada mais visível pela história política do republicanismo é o Partido Republicano Português (PRP), que nasceu em 1876, um ano depois do Partido Socialista (e, grosso modo, na mesma conjuntura do Partido Progressista). Que país era este que assistiu à criação destes dois partidos? Portugal era ainda essencialmente rural, pouco desenvolvido, com altas percentagens de analfabetismo, sobretudo entre as mulheres e fora dos centros urbanos. O pano de fundo, pintado a traços largos, era o da crise económica dos anos 90 do século XIX, a par de uma onda crescente de reivindicações sociais. Em 1903 iniciou-se uma onda de greves legalmente proibidas que se manteve até à proclamação da República em Na periferia da Europa, esta não era, contudo, uma sociedade imóvel e os ventos de mudança começavam, lentamente, a fazer-se sentir. Produtos do desenvolvimento económico do último quartel do século XIX, a industrialização, a urbanização e a terciarização, com as alterações sociais delas decorrentes, trouxeram para a arena política novos actores, do trabalhador industrial à pequena e média burguesia urbana. Com novos actores na arena política, duas questões começaram a impor-se no espaço público de discussão, a saber, a questão política e a questão social. Antes de as analisar, urge pensar a questão da res publica. É exactamente o alargamento da consciência da necessidade de vários grupos e agentes discutirem as questões públicas que acarretou as principais transformações no campo da cultura política. Até aos inícios do século XIX em Portugal, a coisa pública ainda estava ligada a privilégios e a direitos adquiridos. 2 Veja-se CABRAL, Manuel Villaverde, Portugal na Alvorada do Século XX, Lisboa, A Regra do Jogo,

18 Em 1822, as desgraças públicas começam a estar relacionadas com o desprezo dos direitos dos cidadãos. Associava-se a necessidade de garantir os direitos de cada um e o bem comum de todos os portugueses. A lei deveria ser igual para todos, ou seja, acabando com a multiplicidade de situações particulares. A cidade política estava barricada, porque impedia o acesso da maioria dos indivíduos que se estavam a transformar em agentes políticos, sobretudo quando pensamos no início do século XX, já que ( ) entre 1878 e 1895, Portugal desfrutara de uma das mais democráticas leis eleitorais da Europa. 3 O regime constitucional monárquico, depois deste período de abertura, iniciou um movimento de restrição do seu corpo eleitoral. Em Agosto de 1901 foi publicado um decreto eleitoral que rapidamente ganhou o nome de ignóbil porcaria. O país era dividido em grandes círculos plurinominais, com as cidades de Lisboa e Porto desenhadas de forma que os votos urbanos fossem anulados pelos rurais. Além disso, o decreto suprimia as comissões de recenseamento, relativamente independentes, por comissões de funcionários públicos. A reforma destinava-se, sem margem para dúvidas, a impedir uma aliança em Lisboa entre franquistas e republicanos. 4 No início do século XX, quem fazia as eleições ganhavaas. E os republicanos estavam de fora deste mecanismo que trancava o acesso ao parlamento de grupos e partidos indesejáveis. No entanto, e recorrendo ainda a Maria Filomena Mónica, esta situação deve ser analisada de acordo com a época vivida: É verdade que, no Portugal oitocentista, ninguém imaginava serem os resultados eleitorais a determinar a sorte de um governo. É verdade que a urna não se destinava tanto a mudar o Executivo quanto a legitimar a escolha do rei. 5 O republicanismo contestava, exactamente, tanto a legitimidade do rei como peça fundamental do sistema (embora o monarca não decidisse sem o recurso a determinados políticos, sendo de referir a importância do Conselho de Estado), como o próprio sistema. Em 1900, ao contrário de Portugal, a maior parte dos Estados europeus estabelecera o sufrágio universal (masculino) ou algo aproximado, apesar de continuarem a existir muitas dúvidas em torno da questão da concessão e do voto das massas. Ainda antes da implantação da República em 1910, podemos fazer referência ao caso da Suécia, da 3 MÓNICA, Maria Filomena, As reformas eleitorais no constitucionalismo monárquico, , Análise Social, vol. XXI (5º), n.º 139, 1996, pág Ibidem, pág Ibidem, pág

19 Áustria (1907) e da Turquia (1908) 6. O voto dos trabalhadores britânicos foi concedido através dos Reform Acts de 1867 e O caciquismo, um dos pilares do regime político, era uma forma durante um período eficaz de gerir os fluxos de poder e de favores, associando quem desejava ser eleito a um influente e aos votos que este arrebanhava. Mas os novos agentes e grupos sociais que queriam fazer política ou estavam fora desta cadeia de troca de favores, ou queriam instaurar uma nova forma de fazer política. Imagem 1: Giuseppe Pellizza da Volpedo, Il Quarto Stato (O Quarto Estado), 1901, óleo s/tela, Milão, Galeria de Arte Moderna. Giuseppe Pellizza da Volpedo pintou, na passagem do século XIX para o XX, um quadro intitulado Il Quarto Stato (O Quarto Estado). Em primeiro plano vemos dois homens e uma mulher com uma criança. Por detrás destas figuras vemos uma multidão quase infinita de trabalhadores. Mais do que uma cena, o quadro representa uma imagem da vida social e política da época, com o povo a avançar, inexorável, para a arena política. Podíamos, de igual modo, dizer que se trata da emergência das massas na vida política. A arte foi, de alguma forma, o sinal e o prenúncio do que foi este século XX, a era do povo, da multidão e das massas. A entrada em cena do quarto estado, através do início da sua consciencialização, modificou as regras do jogo político. Os grupos sociais excluídos da ordem liberal oligárquica vigente começaram a lutar pelos seus direitos, a contestar o sistema e a pensar em alternativas que lhe chegavam do estrangeiro, nomeadamente da Europa, onde a produção teórica e crítica neste campo era significativa. Desde a primeira metade 6 THOMSON, David (ed.), The New Cambridge Modern History, vol. XII, The Era of Violence, Cambridge, Cambridge University Press, ADELMAN, Paul, The rise of the labour party , Londres e Nova Iorque, Longman, 1996, pág. x. 5

20 do século XIX que pensadores e filósofos se debruçavam sobre a questão social. Mas o olhar sobre as condições de vida e de trabalho do quarto estado começara a ser feito por aqueles que sentiam a pertença a essa mesma condição. O anarquismo, o socialismo e o sindicalismo revolucionário proporcionavam as bases teóricas e o caminho prático para as alternativas à sociedade da belle époque. Esta revelava-se, para uma parte da população, como uma era de prosperidade e de segurança, mas, para outros, mais sombria. Esta época continha no seu seio os próprios sinais da crise. A imprensa operária e as editoras abriam o caminho à divulgação deste ideário, a par do trabalho em reuniões, associações e comícios. Não que todos os trabalhadores conhecessem com profundidade as diferentes teorias; Eric Hobsbawm 8 chamou já a atenção para esta situação. No entanto, ainda que em versão vulgata, as ideias novas começavam a circular e, tão importante quanto estas, a esperança de uma sociedade melhor. De entre aqueles munidos com as necessárias ferramentas críticas para pensar a política e a coisa pública estava uma aristocracia operária que partilhou, aliás, o campo do combate com os republicanos na luta contra a monarquia. Depois do 5 de Outubro de 1910, as relações tornaram-se mais complexas, não convergentes e conflituais. Um dos efeitos da terciarização, com o aumento dos trabalhadores nos serviços e no comércio, foi a ascensão e a multiplicação dos trabalhadores de colarinho branco. Isto permitiu a diferenciação entre a classe média e os trabalhadores da indústria. Sociologicamente, foram dois grupos distintos tendo, por isso, expectativas relativamente diferentes, ainda que fazendo parte de um vasto caudal que queria tomar o seu lugar na cidade política novecentista. A classe comercial, os caixeiros de Lisboa, o mundo dos lojistas, tiveram uma importância significativa, já que eram considerados como um dos esteios do movimento republicano 9. Do mesmo modo, os profissionais liberais (advogados, médicos) têm um peso importante na caracterização do republicanismo. Muitos deles defendiam a ideia do valor do mérito permitindo quer a mobilidade social ascendente, quer o direito a ter um papel activo na cidadania política. Existia uma última fronteira política que os republicanos só vagamente tentaram aflorar 8 HOBSBAWM, Eric, Revolutionaries, Londres, Abacus, ALVES, Daniel, Lisboa em 1908: um mundo de pequenas lojas. In Lisboa e a República. Actas do Colóquio Nacional, Lisboa, CML-DMC,

21 que era o imenso mundo dos trabalhadores rurais. Para Fernando Rosas, esta foi, aliás, uma das grandes fraquezas do movimento republicano 10. São estas novas forças políticas e sociais, que se viam excluídas do acesso ao campo do poder num Estado liberal, elitista e oligárquico, que foram as protagonistas de uma luta entre o velho e o novo o mesmo é dizer entre a elite tradicional e as novas classes médias urbanas ao lado de trabalhadores, sobretudo os industriais. A indústria portuguesa, minoritária no panorama económico nacional, continha diferentes realidades, desde a pequena oficina, mais comum, até à grande unidade fabril, mais rara. De igual modo, e reflectindo a miríade de situações existentes, a classe operária era variada e heterogénea. De natureza diferenciada, esta indústria e os seus trabalhadores estavam geograficamente concentrados, sobretudo nas zonas da grande Lisboa 11 e no Porto. As condições de vida destes trabalhadores eram diversificadas, mas muitos encontravam condições de trabalho quase desumanas e habitavam bairros miseráveis, como os pátios alfacinhas e as ilhas do Porto. A questão social estava na ordem do dia desde, pelo menos, os últimos anos do século XIX. Vários escritores, publicistas, jornalistas e políticos de diferentes quadrantes mostram-se sensíveis e reflectiram sobre estes problemas. A todos parecia claro que a questão social era de grande actualidade e que marcava a sua época. João Grave deixou-nos uma lúgubre imagem da vida dos operários numa ilha portuense no romance Os Famintos, um dos exemplos de obras que pretendiam levantar os principais problemas da vida dos mais desfavorecidos, na senda do trabalho de E. Zola, numa linha (...) segundo a qual o romance devia funcionar como um exercício de sociologia prática (...) 12. Essa também foi uma preocupação de Raul Brandão que programara a publicação de uma obra intitulada Os Operários 13. Podemos ainda fazer referência, no campo do romance naturalista, a Malheiro Dias, Teixeira de Queiroz ou Abel Botelho. Entre 1899 e 1904, a literatura portuguesa é, aliás, prolífera na ficcionalização do miserabilismo operário nos meios urbanos, no quadro de uma 10 ROSAS, Fernando, Pensamento e Acção Política. Portugal Século XX ( ), Lisboa, Editorial Notícias, Bento Carqueja, utilizando o censo geral da população de 1900, apreciando o desenvolvimento da indústria nacional através de um dado indirecto a população operária escreveu que consagram a sua actividade à indústria indivíduos, dos quais em Lisboa. Veja-se CARQUEJA, Bento, O capitalismo moderno e as suas origens em Portugal, Porto, Livraria Chardron, VIÇOSO, Vítor, A Literatura Portuguesa ( ) e a Crise Finissecular. In MATOS, Sérgio Campos (coord.), Crises em Portugal nos Séculos XIX e XX, Lisboa, Centro de História da Universidade de Coimbra, Veja-se BRANDÃO, Raul, Os Operários, fixação do texto, introdução e notas por Túlio Ramires Ferro, Lisboa, Biblioteca Nacional,

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

O Hino Nacional Hino nacional 19

O Hino Nacional Hino nacional 19 O Hino Nacional 19 ANTECEDENTES Se a Bandeira Nacional é um símbolo visível, o Hino Nacional constitui a exteriorização musical que proclama e simboliza a Nação. Só a partir do século XIX os povos da Europa

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

No Centenário do 5 de Outubro - A culpa

No Centenário do 5 de Outubro - A culpa No Centenário do 5 de Outubro - A culpa por Francisco Carromeu ( 1 ) Um historiador que vive em Portugal em 2010, no pico dos reflexos da crise financeira internacional que começou em 2008 e é convidado

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Dia da implantação da República (5 de Outubro de 1910) Até 1910, Portugal encontrava-se governado por reis, tendo sido nesta data que mudou a sua

Dia da implantação da República (5 de Outubro de 1910) Até 1910, Portugal encontrava-se governado por reis, tendo sido nesta data que mudou a sua Dia da implantação da República (5 de Outubro de 1910) Até 1910, Portugal encontrava-se governado por reis, tendo sido nesta data que mudou a sua forma de governo, de uma Monarquía para uma República.

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões:

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões: DISCURSO DE S. EXA A PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA CONFERÊNCIA DE PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS DA UNIÃO EUROPEIA NICÓSIA, CHIPRE Sessão III: Coesão social em tempos de austeridade o que podem

Leia mais

A UTOPIA DEMOPÉDICA DA REPÚBLICA

A UTOPIA DEMOPÉDICA DA REPÚBLICA 1 A UTOPIA DEMOPÉDICA DA REPÚBLICA Joaquim Pintassilgo Universidade de Lisboa O papel regenerador da educação Um dos principais lugares-comuns presentes em grande parte dos discursos difundidos entre o

Leia mais

JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1. 1. Bibliografia activa essencial

JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1. 1. Bibliografia activa essencial JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1 1. Bibliografia activa essencial É vastíssima a obra de Jorge Borges de Macedo. Ao todo engloba aproximadamente 400 títulos, ou talvez mais

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL As «Honras do Pantheon», tributárias da Revolução Francesa, tiveram entre nós consagração legislativa em Decreto Régio de 25 de

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

1 O rei D. Carlos I (1863-1908) foi a figura central dos últimos anos do regime monárquico. Autoritário e interveniente na política, embora sem

1 O rei D. Carlos I (1863-1908) foi a figura central dos últimos anos do regime monárquico. Autoritário e interveniente na política, embora sem 1 O rei D. Carlos I (1863-1908) foi a figura central dos últimos anos do regime monárquico. Autoritário e interveniente na política, embora sem persistência, tornou-se uma personagem discutida, atacada

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

Desenvolvimento. e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos. Homenagem a Míriam Halpem Pereira

Desenvolvimento. e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos. Homenagem a Míriam Halpem Pereira Desenvolvimento e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos Homenagem a Míriam Halpem Pereira José Vicente Serrão Magda de Avelar Pinheiro Maria de Fátima Sá e Melo Ferreira (organizadores) Imprensa

Leia mais

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO Resenha do livro de José Murilo de Carvalho, Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

REPÚBLICA NAS ESCOLAS

REPÚBLICA NAS ESCOLAS REPÚBLICA NAS ESCOLAS COM O APOIO DE: http://www.centenariorepublica.pt/escolas escolas@centenariorepublica.pt República nas Escolas Descrição e Objectivos O tema Centenário da República deverá ser um

Leia mais

Conferência O Serviço Público de Comunicação Social. Assembleia da República. 20 de Dezembro de 2011

Conferência O Serviço Público de Comunicação Social. Assembleia da República. 20 de Dezembro de 2011 Conferência O Serviço Público de Comunicação Social Assembleia da República 20 de Dezembro de 2011 Painel Serviço Público de Comunicação Social e Democracia Alfredo Maia Sindicato dos Jornalistas As primeiras

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

A Educação em tempos de Revolução (nos 40 anos da Revolução do 25 de Abril de 1974 em Portugal)

A Educação em tempos de Revolução (nos 40 anos da Revolução do 25 de Abril de 1974 em Portugal) Cómo referenciar este artículo / How to reference this article Pintassilgo, J. (2014). A Educação em tempos de Revolução (nos 40 anos da Revolução do 25 de Abril de 1974 em Portugal). Espacio, Tiempo y

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Retratos de Trabalho

Retratos de Trabalho Retratos de Trabalho Retratos de Trabalho é uma exposição fotográfica organizada pela Cidade das Profissões e pelo Museu da Indústria do Porto que convida a comunidade do Porto a revisitar profissões e

Leia mais

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57 Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral, Porto, Acto de abertura da Exposição «Álvaro Cunhal Vida, Pensamento e Luta: Exemplo que se Projecta na Actualidade e no Futuro» Em nome do Partido Comunista

Leia mais

180 ANOS DO ENSINO DO DIREITO NO BRASIL, A ASSESSORIA JURÍDICA UNIVERSITÁRIA POPULAR E UM NOVO PARADIGMA PARA A EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

180 ANOS DO ENSINO DO DIREITO NO BRASIL, A ASSESSORIA JURÍDICA UNIVERSITÁRIA POPULAR E UM NOVO PARADIGMA PARA A EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI 180 ANOS DO ENSINO DO DIREITO NO BRASIL, A ASSESSORIA JURÍDICA UNIVERSITÁRIA POPULAR E UM NOVO PARADIGMA PARA A EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Nádja Cristina Carvalho Santos 1 nadjapcajuina@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS "As manifestações são parte indissociável do nosso processo de ascensão

Leia mais

Prova Escrita de História

Prova Escrita de História PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História 9.ºAno de Escolaridade Prova 19 / 1ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. 2014 Identifica, claramente,

Leia mais

Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos

Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos Liberalismo Conceitos Importantes A palavra liberal é um adjetivo derivado do latim liberale, termo que se designava o homem livre na antiguidade romana. Uma

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia

1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia 1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia As principais razões que levaram à Revolução Republicana e queda da monarquia foram: Apesar do desenvolvimento industrial verificado na 2ª metade do século

Leia mais

Missão Administrativa da(o) Secretária(o) de Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1.ª instância CFFJ - 2012

Missão Administrativa da(o) Secretária(o) de Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1.ª instância CFFJ - 2012 Missão Administrativa da(o) Secretária(o) de Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1.ª instância CFFJ - 2012 Direção-Geral da Administração da Justiça A Bandeira Nacional e os tribunais de 1ª instância

Leia mais

ANTECEDENTES A idéia de República

ANTECEDENTES A idéia de República ANTECEDENTES A idéia de República Silêncio, o imperador está governando o Brasil Piada comum entre os republicanos. Para eles, não era apenas o imperador que estava envelhecido e incapaz. O próprio regime

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO Republicanismo português As raízes ideológicas remontavam à Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade. Liberdade de pensamento, igualdade

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida.

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida. Discurso tomada de posse do Major-General Fernando Serafino como Comandante da Brigada de Reacção Rápida, em Tancos a 30 de Maio de 2011. Oficiais, Sargentos, Praças e Funcionários Civis da Brigada de

Leia mais

Resenha: Pontes sobre o Atlântico. Resenha

Resenha: Pontes sobre o Atlântico. Resenha Resenha VENANCIO, Giselle Martins. Pontes sobre o Atlântico: ensaios sobre relações intelectuais e editoriais luso-brasileiras (1870-1930). Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 2012. Mariana Rodrigues Tavares

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

A Ambição de Deputar

A Ambição de Deputar A Ambição de Deputar Antes de qualquer avanço, é preciso que compreendamos o assunto que estamos a tratar. Falo-vos de deputação, a delegação dos poderes e da representação de muitos num só ou em poucos;

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

Será possível estudar a I República sem se afirmar contra ou a favor? Daniel Alves

Será possível estudar a I República sem se afirmar contra ou a favor? Daniel Alves recensão Será possível estudar a I República sem se afirmar contra ou a favor? Daniel Alves LUCIANO AMARAL (coord.) Outubro: A Revolução Republicana em Portugal (1910 1926) Lisboa, Edições 70, 2011, 375

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas 5.1 Planificação a médio prazo 28 aulas Conteúdos programáticos Segundo o Programa Oficial (março de 2001) TH11 Parte 2 (pp.) Saberes/Aprendizagens 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora 1.1.

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: História ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE

Leia mais

Igualdade e diferença numa escola para todos. Pode a escola ser outra coisa?

Igualdade e diferença numa escola para todos. Pode a escola ser outra coisa? VII Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade Universidade Federal de Sergipe São Cristovão/Brasil 19 a 21 de setembro de 2013 Igualdade e diferença numa escola para todos. Pode a escola ser

Leia mais

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República Mensagem de Ano Novo do Presidente da República Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2015 Boa noite. Desejo a todos um Feliz Ano de 2015. Os meus votos dirigem-se a todos os Portugueses, quer aos que residem

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

A Participação Cívica dos Jovens

A Participação Cívica dos Jovens A Participação Cívica dos Jovens 2 Parlamento dos Jovens 2009 Nos dias 25 e 26 de Maio de 2009, realizou-se em Lisboa, no Palácio de São Bento, a Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens 2009 do Ensino

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA 1. Congratulo-me vivamente com a realização deste Congresso do Ano Internacional dos Voluntários. Trata-se de um acontecimento da maior importância

Leia mais

Duarte Ribeiro de Macedo

Duarte Ribeiro de Macedo BIBLIOTECA DIPLOMÁTICA - Série Ana Maria Homem Leal de Faria A 398608 Duarte Ribeiro de Macedo Um diplomata moderno 1618-1680 Ministério dos Negócios Estrangeiros ÍNDICE Siglas e Abreviaturas 15 Preâmbulo

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais

A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917

A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917 A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917 Escola Secundária de Cascais Disciplina : Sociologia -12º H Guilherme Alves, nº 13 Fevereiro de 2014 Mafalda Borges, nº 18 Introdução 1. A Rússia dos Czares 2. A Revolução - 2.1

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. Competência e critérios de evidência Reconhecer princípios

Leia mais

FUNDACIÓN MAPFRE VOLUME 3_ 1890/1930 A crise do liberalismo

FUNDACIÓN MAPFRE VOLUME 3_ 1890/1930 A crise do liberalismo Cronologia 1890 11 de janeiro Ultimatum inglês, que exige a retirada das forças militares portuguesas dos territórios entre Angola e Moçambique, sob pena de corte de relações diplomáticas. 1891 31 de janeiro

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DIRECÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA GRUPO DE TRABALHO PARA AS COMEMORAÇÕES MUNICIPAIS DO CENTENÁRIO DA REPÚBLICA PLANO DE ACTIVIDADES (2010) Lisboa, Dezembro de 2009 1 Comemorações

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789)

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja catolicismo oficial.

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor.

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor. Um futuro melhor Várias vezes me questiono se algum dia serei capaz de me sentir completamente realizada, principalmente quando me encontro entregue somente aos meus pensamentos mais profundos. E posso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX)

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) C O O R D E N A Ç ÃO Maria Fernanda Rollo Maria de Fátima Nunes Madalena Esperança Pina Maria Inês Queiroz SUMÁRIO INTRODUÇÃO 7 ESPAÇOS E ACTORES: LUGARES

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Para uma democracia participativa 1

Para uma democracia participativa 1 Para uma democracia participativa 1 Em que sentido faz sentido falar hoje do Movimento Pintasilgo? Não faz sentido, por exemplo, falar dele enquanto movimento de apoio a um candidato às últimas eleições

Leia mais

AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS

AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS JOÃO ESTEVES AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS A Primeira Organização Sufragista Portuguesa: a Associação de Propaganda Feminista (1911-1918) EDITORIAL BIZANCIO LISBOA, 1998 ÍNDICE Introdução 11 Capítulo

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados.

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados. Senhoras e senhores Companheiros da Radiodifusão, É para mim e para todos os meus colegas da ABERT uma enorme alegria e uma honra receber tantos amigos e presenças ilustres nesta noite em que comemoramos

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

2008-actual Investigador do Centro de Estudos de História Contemporânea ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.

2008-actual Investigador do Centro de Estudos de História Contemporânea ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa. David Mourão Ferreira Castaño Data de nascimento: 25/01/1979 Nacionalidade: Portuguesa Estado civil: Casado 3 filhos Morada: Av. das Túlipas, 41, 1º Dto. 1495-161 Miraflores Telemóvel: 96 402 23 88 E-mail:

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa ELEIÇÕES ELEIÇÕES 5 0 a O - fu dame tal Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa PROJETOS CULTURAIS Estamos em época de eleições, em tempo de discutir ideias para fazer a melhor

Leia mais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais D E P O I M E N T O S A liberdade religiosa dos direitos individuais aos direitos sociais Com a viragem do século, e sobretudo com o desenvolvimento das investigações das ciências sociais sobre o fenómeno

Leia mais

"Aqui Também é Portugal"

Aqui Também é Portugal A 337669 "Aqui Também é Portugal" A Colónia Portuguesa do Brasil e o Salazarismo Heloísa Paulo Quarteto 2000 índice Prefácio 13 Introdução 17 Parte I A visão da emigração e do emigrante no ideário salazarista

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO. Dia Mundial da Erradicação da Miséria

CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO. Dia Mundial da Erradicação da Miséria CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO Dia Mundial da Erradicação da Miséria reconhecido pelas Nações Unidas como Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza Junho de 2013 CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca o futuro, sem esquecer as nossas

Leia mais

EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS)

EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS) N20120229n EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS) A 29 de Fevereiro de 2012, Mendes Bota interveio na sessão de abertura do colóquio subordinado ao tema

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

Prova Escrita de História B

Prova Escrita de História B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História B.º/2.º anos de Escolaridade Prova 72/2.ª Fase 9 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância:

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

LIGA DOS COMBATENTES

LIGA DOS COMBATENTES LIGA DOS COMBATENTES NÚCLEO DISTRITAL DE VIANA DO CASTELO DISCURSO EVOCATIVO DO 95º ANIVERSÁRIO DO ARMISTÍCIO DA 1ª GUERRA MUNDIAL, O 90º ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO DA LIGA DOS COMBATENTES E O 39º ANIVERSÁRIO

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais