AMANDA CRISTINA GOMES VIEGAS LÚCIO FLÁVIO, UM PASSAGEIRO DA AGONIA? IMAGENS E ETHÉ DE UM SUJEITO BIOGRAFADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AMANDA CRISTINA GOMES VIEGAS LÚCIO FLÁVIO, UM PASSAGEIRO DA AGONIA? IMAGENS E ETHÉ DE UM SUJEITO BIOGRAFADO"

Transcrição

1 19 AMANDA CRISTINA GOMES VIEGAS LÚCIO FLÁVIO, UM PASSAGEIRO DA AGONIA? IMAGENS E ETHÉ DE UM SUJEITO BIOGRAFADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS TEORIA LITERÁRIA E CRÍTICA DA CULTURA DEPARTAMENTO DE LETRAS, ARTES E CULTURA 2013

2 29 AMANDA CRISTINA GOMES VIEGAS LÚCIO FLÁVIO, UM PASSAGEIRO DA AGONIA? IMAGENS E ETHÉ DE UM SUJEITO BIOGRAFADO Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Letras da Universidade Federal de São João del- Rei, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Letras. Área de Concentração: Teoria Literária e Crítica da Cultura Linha de Pesquisa: Discurso e Representação Social Orientadora: Profa. Dra. Dylia Lysardo-Dias UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI 2013

3 39 Banca Examinadora: Profa. Dra. Dylia Lysardo-Dias - UFSJ Orientadora Prof. Dr. William Augusto Menezes - UFOP Titular Profa. Dra. Suely da Fonseca Quintana - UFSJ Titular Prof. Dr. Cláudio Márcio do Carmo Coordenador do Programa de Mestrado em Letras São João del-rei, 30 de julho de 2013

4 Aos meus pais, Benedito e Sílvia, por não medirem esforços para que eu chegasse até aqui. 49

5 59 AGRADECIMENTOS À Profª. Drª. Dylia Lysardo-Dias, pela orientação baseada em confiança e compreensão. Sou grata pelos seus valiosos ensinamentos e conselhos para minha formação acadêmica. Aos amigos da turma do discurso de 2011 e 2012, especialmente Vitor, Sabrina, Fernanda, Carla, Tatiana e Eliane, pelos momentos felizes e dramáticos que passamos pela caminhada. À minha família: meus pais, meus irmãos (Sérgio, Sávio e Alessandra), minha sobrinha (Bruna), pelo incentivo a continuar meus estudos e por sempre acreditarem que eu seria capaz. Ao Teófilo, pelo companheirismo, pelas palavras de incentivo e pela compreensão da minha ausência nesses dois anos de estudo. Aos amigos de longa data, pelo incentivo e carinho e principalmente por escutarem minhas lamentações nos momentos difíceis. À amiga Ronessa, pela ajuda com a tradução do abstract e pelas palavras animadoras em meio às dificuldades enfrentadas nos estudos. Ao Programa de Mestrado em Letras da UFSJ, pela convivência com professores com os quais aprendi imensamente. À agência de fomento CAPES, pelo apoio financeiro.

6 69 RESUMO Este trabalho tem como objetivo identificar e analisar as imagens e os ethé de Lúcio Flávio, um dos bandidos mais procurados pela polícia carioca da década de 1970, na obra Lúcio Flávio: o passageiro da agonia no intuito de verificar como a qualificação passageiro da agonia é construída pelo perfil apresentado pelos múltiplos enunciadores que se articulam nessa narrativa de cunho biográfico. Foram utilizados como categorias de análise os modos de organização (i) descritivo, através dos procedimentos de nomeação e qualificação, e (ii) narrativo, através do componente actancial, propostos por Patrick Charaudeau (2009). O estudo dos ethé privilegiou sua dimensão discursiva, com base nas proposições de Ruth Amossy (2005) e Dominique Maingueneau (2004, 2005, 2006). A pesquisa mostrou que a trajetória de vida e as características atribuídas a Lúcio Flávio pelas diferentes vozes presentes na obra apontam para um criminoso singular, que foge do estereótipo do bandido comum, e cujos momentos finais de vida são marcados pela previsível e inevitável derrocada. PALAVRAS-CHAVE: Biografia Imagem Ethé

7 79 ABSTRACT The aim of this paper is to identify and analyze the images and the ethe of Lúcio Flávio, one of the most wanted criminals by the police of Rio de Janeiro, in the 1970s, in the book 'Lúcio Flávio: o passageiro da agonia', in order to verify how the qualification as 'passageiro da agonia' is constructed by the profile presented by multiple enunciators that articulate themselves in this biographical narrative. It was used as categories of analysis the methods of organization (i) descriptive, through the appointment procedures and qualifications, and (ii) narrative through the component actantial proposed by Patrick Charaudeau (2009). The study of the ethe favored its discursive dimension, based on proposals from Amossy Ruth (2005) and Dominique Maingueneau (2004, 2005). The research has shown that his trajectory of life and the characteristics attributed to him by the different voices present in this book suggests a singular criminal who does not match with the stereotype of the common criminals and whose final moments of life were marked by predictable and inevitable downfall. KEYWORDS: Biography - Pictures - Ethe

8 89 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1: ESCRITAS BIOGRÁFICAS 1.1 Apresentação e características da escrita biográfica Lúcio Flávio: o passageiro da agonia Aspectos e características das escritas biográficas e da biografia de Lúcio Flávio A vida de Lúcio Flávio em meio à conturbada década de Algumas considerações CAPÍTULO 2: VOZES QUE NARRAM: DIALOGISMO E POLIFONIA EM LÚCIO FLÁVIO: O PASSAGEIRO DA AGONIA 2.1 Aspectos enunciativos: dialogismo e polifonia Análise de aspectos enunciativos na biografia de Lúcio Flávio José Louzeiro como fonte enunciativa A questão do interdiscurso: o livro, o filme e as entrevistas de José Louzeiro Algumas considerações CAPÍTULO 3: AS IMAGENS DE LÚCIO FLÁVIO 3.1 Discurso e imagens Imagens a partir da descrição Imagens a partir da narração Algumas considerações CAPÍTULO 4: OS ETHE DE LÚCIO FLÁVIO 4.1 A noção de ethos Análise dos ethé em Lúcio Flávio: o passageiro da agonia Algumas considerações CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS

9 99 INTRODUÇÃO No início da década de 1970 no Brasil, uma época conturbada pela ditadura militar, uma figura que desafiava a lei era alvo constante da mídia: Lúcio Flávio Vilar Lírio. Um dos pioneiros em assaltos a bancos no país, Lúcio Flávio roubou vários deles, cometeu alguns assassinatos e fugiu mais de 20 vezes da prisão. Em uma de suas fugas, ele saiu pela porta da frente, como afirma o jornalista José Louzeiro, em entrevista ao blog Estranho Encontro 1. Lúcio Flávio negociava com policiais e, muitas vezes, pagava pela sua liberdade, concedendo propina às autoridades. Esses fatos nos levam a crer que ele não era um bandido qualquer. Com sua inteligência a serviço do crime, como citou Louzeiro na entrevista, Lúcio Flávio protagonizava assaltos espetaculares e isso o destacava no mundo do crime carioca naquela época. Por conta da sua vida ativa no crime, ele era um dos bandidos mais procurados do país. Na entrevista citada, José Louzeiro afirma que Lúcio Flávio era vaidoso e megalômano: ele avisou ao repórter que estava cobrindo plantão no jornal O Globo, mediante um telefonema na madrugada, que iria assaltar uma agência bancária na Urca na manhã seguinte. Louzeiro foi ao local e disse que o assalto foi fenomenal. O repórter disse também que havia prometido a Lúcio Flávio escrever sua história. Em 1975, após a morte de Lúcio Flávio, José Louzeiro publicou um livro com a história desse criminoso. A obra intitulada Lúcio Flávio: o passageiro da agonia 2, que mais tarde gerou um filme 3, lançado em 1977, com o mesmo nome e com sucesso de bilheteria, foi uma das primeiras a ser escrita no gênero romancereportagem, gênero em voga na época nos Estados Unidos. O romance-reportagem, ou livro-reportagem, é um gênero que mescla a realidade e a literariedade segundo Vilas Boas (2002). Trata-se de uma prática jornalística e literária capaz de acolher com relativa folga a seguinte hipótese: biografias têm enfoque humano pela via da escrita impressa, mas algumas possuem 1 Dados colhidos de uma entrevista de José Louzeiro no blog Estranho Encontro. Disponível em: <http://estranhoencontro.blogspot.com.br/2006/05/biografia-entrevista-jos-louzeiro.html>. Acesso em: 3 jun LOUZEIRO, 1990 (edição utilizada como objeto de análise neste trabalho.) 3 Lúcio Flávio: o passageiro da agonia. Direção Hector Babenco. 118 min. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=emrfrjq_ewe>. Acesso em: 20 jun

10 109 elementos jornalísticos, como o compromisso com os fatos (passado) e com a clareza (acessibilidade). A história de Lúcio Flávio foi narrada em terceira pessoa, mas por um narrador-onisciente, ou seja, um narrador que se coloca como aquele que tudo sabe da consciência dos personagens, inclusive do protagonista da história. Na biografia de Lúcio Flávio, são vários os enunciadores, porque é reproduzida a (suposta) fala dos vários personagens: Lúcio Flávio, alguns de seus familiares, amigos, policiais e outros bandidos. Pela pluralidade de vozes presentes na história, consideramos a obra como uma biografia explicitamente polifônica. Tendo em vista essa configuração, este trabalho tem como objetivo identificar e analisar as imagens construídas pela obra de um sujeito polêmico do mundo do crime da década de 1970 que teve sua história contada na literatura e no cinema. Nosso interesse pela obra surgiu a partir da singularidade de apresentar várias vozes que caracterizam Lúcio Flávio: a voz do biógrafo é apresentada pelo viés de outros personagens e a voz do biografado é forjada por diálogos supostamente de autoria de Lúcio Flávio. Ao mesmo tempo em que a narrativa apresenta diversas vozes, estas convergem a um mesmo enunciador, pois a história é contada pelo prisma de José Louzeiro. A partir desse jogo de vozes, quais imagens elas constroem de Lúcio Flávio? Como Lúcio Flávio é descrito pelos sujeitos que assumem a enunciação? Como seus ethé são configurados a partir do que supostamente Lúcio Flávio pensa e fala sobre si? Por se tratar de uma obra de cunho biográfico, o trabalho de identificar e analisar as imagens e os ethé de Lúcio Flávio se torna pertinente para o estudo da vida dessa figura ímpar dos anos Mediante o procedimento de análise de descrição e narração é que chegamos às imagens e aos ethé do personagem Lúcio Flávio. Como aporte teórico, utilizamos, para a realização desta pesquisa, autores que se dedicam às teorias sobre biografias, como Philippe Lejeune (2008), que é um dos precursores nos estudos sobre escritas biográficas com sua obra o Pacto Autobiográfico. Também nos valemos das contribuições de Leonor Arfuch (2010) com O espaço biográfico e Sérgio Vilas Boas (2002, 2008), que aborda as biografias jornalísticas e a tensão entre o real e o imaginário, citando inclusive o livroreportagem, gênero ao qual a obra estudada nesta pesquisa foi classificada em seu

11 119 prefácio escrito por Ildásio Tavares 4. Mozahir Bruck (2009) é um autor que também aborda a relação entre o real e o imaginário nas biografias, além da relação com a literatura. Já Pierre Bourdieu (1996), no texto A ilusão biográfica, fala sobre a criação de uma história de vida, de um ideal que acaba sendo uma ilusão ao se escrever uma biografia. Para a abordagem das imagens de Lúcio Flávio, apresentamos primeiramente a concepção de discurso proposta por Eni Orlandi (1994) e Patrick Charaudeau (2009). Em seguida, abordamos a relação entre discurso e imagens segundo proposições de Cristia Miranda (2007). Para a análise das imagens, utilizamos o modo de organização descritivo e o modo de organização narrativo, no interior da Teoria Semiolinguística, propostos por Charaudeau (2009). A descrição cria representações a partir do ser, ou seja, a partir das qualificações atribuídas ao sujeito. A narração, por sua vez, cria representações a partir do fazer, ou seja, a partir das ações do sujeito. Em relação ao ethos, inicialmente fizemos uma abordagem histórica iniciada com Aristóteles (2011), passando por Chaïm Perelman e Lucie Olbrechts-Tyteca (2005), que abordam o ethos no âmbito da retórica. Quanto ao ethos no campo discursivo, utilizamos Ruth Amossy (2005), que considera o ethos no âmbito da Análise do Discurso sem deixar de lado a definição de Aristóteles em relação a essa prova discursiva. Outro autor com o qual trabalhamos nessa mesma linha é Dominique Maingueneau (2004, 2005), que relaciona o ethos à enunciação. Para ele, o ethos é parte constitutiva da cena de enunciação, sendo tão importante quanto o vocabulário, por exemplo. Em termos metodológicos, realizamos uma caracterização das escritas biográficas para situar a obra em análise e, em seguida, a contextualização histórica do Brasil na década de 1970 de forma a relacionar os acontecimentos do país nessa década à história de Lúcio Flávio. Abordamos teoricamente aspectos enunciativos como o dialogismo, a polifonia e o interdiscurso e fizemos um estudo desses aspectos na obra analisada. 4 Texto intitulado Romance-reportagem, de autoria de Ildásio Tavares, publicado originalmente no Jornal de Letras em junho de 1976 e como prefácio da obra analisada nesta pesquisa: Louzeiro (1990).

12 129 Em relação às imagens, primeiramente, as inserimos no campo das representações e, em seguida, realizamos a análise das imagens de Lúcio Flávio utilizando os modos de organização descritivo e narrativo propostos por Charaudeau (2009). O estudo das imagens na biografia foi realizado a partir da identificação dos diferentes componentes que fazem parte da descrição e da narração, como a nomeação, a qualificação e o componente actancial. Em relação aos ethé, que consideramos como imagens de si, a análise foi feita a partir da voz do personagem Lúcio Flávio, utilizando como categoria de análise a qualificação proveniente do modo de organização descritivo proposto pelo teórico citado. Finalmente, a análise de ambos os aspectos, imagens e ethé, permitiu concluir que Lúcio Flávio é caracterizado somente pela sua voz como um passageiro da agonia. Essa caracterização pode ser depreendida pelo fato de que as autoqualificações representam Lúcio Flávio como um bandido que tinha as rédeas dos seus atos, mas que foi perdendo essas rédeas na sucessão dos acontecimentos. Citamos: a desconfiança que tinha dos seus amigos, a traição que sofreu pelos policiais com os quais negociava, o sentimento de ter feito seus pais sofrerem e a não-concretização do seu desejo de viver como gostaria ao lado da mulher que amava e do filho. Ele considerava estar preso em uma roda que não parava de girar. Logo, ele era um passageiro, por ser conduzido e por não poder conduzir sua própria vida. Conduzido a um caminho de angústia e sofrimento por não poder decidir qualquer coisa sobre sua vida e por não poder mudar essa situação.

13 139 CAPÍTULO 1: ESCRITAS BIOGRÁFICAS O objetivo deste capítulo é apresentar a obra que utilizamos como nosso objeto de estudo, o livro Lúcio Flávio: o passageiro da agonia, e inseri-lo no âmbito das escritas biográficas abordando os elementos composicionais de uma biografia. Baseamo-nos, sobretudo, em Lejeune (2008), Arfuch (2010), Vilas Boas (2002, 2008), Bruck (2009) e Bourdieu (2006). Além disso, elaboramos uma contextualização da época da vida do biografado a partir de um breve enfoque de fatos históricos ocorridos na década de 1970 no Brasil. 1.1 Apresentação e características da escrita biográfica Lúcio Flávio: o passageiro da agonia A vida de um homem pode muito bem surgir através da narrativa de um outro (LEJEUNE, 2008, p. 121). A fala ou a escrita do modelo pode ser coletada e montada por um terceiro. É dessa forma que pode nascer uma biografia ou uma escrita de cunho biográfico, como a obra analisada nesta pesquisa. O livro Lúcio Flávio, o passageiro da agonia possui 20 capítulos, além do prefácio, escrito por um crítico, e do posfácio, provavelmente elaborado pela editora, apresentando brevemente o autor José Louzeiro. A edição aqui analisada é a de 1990 publicada pela editora Círculo do Livro, em São Paulo. A primeira edição foi publicada em Louzeiro, em entrevista concedida ao blog Estranho Encontro, afirmou ter escrito o livro após a morte de Lúcio Flávio, que ocorreu em Louzeiro disse na entrevista que Lúcio Flávio ligou para o jornal em que o repórter trabalhava avisando sobre um assalto que ele iria fazer no dia seguinte, oferecendo a Louzeiro a notícia em primeira mão. Perguntado pela autora do blog se o projeto de escrever o livro tinha sido combinado entre Louzeiro e Lúcio Flávio, Louzeiro respondeu: Eu prometi que escreveria um livro sobre ele. No filme está assim: Vocês podem acabar comigo, mas não acabam com a minha história. Estou contando para um jornalista. O jornalista era eu. Fui para São Paulo, fiquei na Folha de São Paulo uns anos e, depois, quando eu voltei para o Rio em 75, ele tinha sido assassinado. Aí eu resolvi, em cima da história dele, escrever um livro (Trecho da entrevista de José Louzeiro disponível no blog Estranho Encontro).

14 149 A narração da vida de Lúcio Flávio é feita em terceira pessoa e o narrador não participa da história, ou seja, ele é onisciente e conhecedor dos pensamentos de alguns personagens, principalmente dos pensamentos de Lúcio Flávio. A obra, de cunho biográfico, é classificada como um romance-reportagem em seu prefácio, escrito pelo crítico Ildásio Tavares em um texto originalmente publicado no Jornal das Letras em junho de 1976, intitulado Romance-reportagem. Tavares (1990) afirma que: Realizou Louzeiro, a meu ver, uma pequena obra-prima do gênero. Desde a maneira como a temática é abordada, à fidelidade da linguagem e a desabrida coragem que teve de nos revelar, sem toques eufemísticos, uma realidade que continua a se processar em nossos dias. (p. 12). O livro-reportagem, como modalidade de comunicação jornalística, tem espaço próprio na indústria cultural e pode ser posicionado como a literatura da realidade (LIMA, 2004). O gênero romance-reportagem teve origem nos Estados Unidos, segundo Tavares (apud LOUZEIRO, 1990), e quando surgiu houve uma divisão de opinião dos críticos em relação a ele: muitos elogiavam e outros atacavam. Entretanto, os livros eram um sucesso de vendas. Para Tavares (apud LOUZEIRO, 1990), Louzeiro é repórter e ficcionista ao mesmo tempo, pois soube pegar um personagem real, decompô-lo e criar um novo personagem exteriormente semelhante a Lúcio Flávio (p. 12). O livro-reportagem, para Vilas Boas (2002), mescla a realidade e a literariedade. Ele é uma prática jornalística e literária capaz de acolher a seguinte hipótese: biografias têm enfoque humano pela via da escrita impressa, mas algumas possuem elementos jornalísticos, como o compromisso com os fatos (passado) e com a clareza (acessibilidade). Segundo Vilas Boas (2002), o objeto macro da narrativa biográfica é gerar conhecimento sobre o passado de alguém ou de alguma coisa. Entretanto, a biografia não consegue conter a totalidade dos acontecimentos testemunhados, em dado momento ou em determinado lugar, mas somente alguns aspectos escolhidos. Os biógrafos precisam manter um diálogo interminável entre presente e passado. Uma biografia não pode ser escrita a menos que o biógrafo estabeleça algum tipo de

15 159 contato com a mente do biografado e a sua. Trata-se de uma relação de reciprocidade. O autor define a narrativa jornalística não-periódica, ou livro-reportagem, como o relato de um conjunto de acontecimentos com sequência e andamento lógicos. Alguns episódios narrados no livro, como assaltos e fugas da prisão, bem como a figura de Lúcio Flávio, foram relatados por veículos midiáticos contemporâneos, como o site Cyber Polícia, que conta a história de outros bandidos famosos, e pelos blogs e sites 5, nos quais encontramos entrevistas do autor do livro José Louzeiro. A revista Veja 6 (edição 496), publicada na época do lançamento do filme, dedicou uma matéria de capa intitulada Lúcio Flávio A vida real no cinema. A reportagem primeiramente conta um pouco sobre a vida de Lúcio Flávio e a sua relação com o Esquadrão da Morte para então abordar o filme Lúcio Flávio: o passageiro da agonia, por meio dos relatos do diretor Hector Babenco, do roteirista José Louzeiro (autor do livro homônimo) e do protagonista que interpretou Lúcio Flávio, o ator Reginaldo Faria. A reportagem também relata a revolta da família de Lúcio Flávio com a história retratada no filme, além do sucesso de bilheteria que o filme foi em São Paulo e em mais quatro estados brasileiros que a revista não cita quais são. O diretor e o roteirista aguardavam apreensivos pela exibição no Rio de Janeiro, pois eles não imaginavam a reação do público na cidade onde se passa a maior parte do filme. Em depoimento dado à revista Veja (edição 496), o autor, José Louzeiro, disse que foi necessário pedir autorização ao governo para lançar o filme, homônimo do livro, no país. A exibição do filme foi permitida desde que não aparecessem cenas com policiais fardados e viaturas policiais. Como a história do filme é muito parecida com a do livro, o esquema de corrupção aparece em algumas cenas em 5 Site Cyber Polícia História da Polícia Operacional Investigativa. Disponível em: <http://www.cyberpolicia.com.br/index.php/crime-e-criminosos/ bandidos/ bandidos nacionais /121- lucio-flavio>. Acesso em: 4 jun Entrevista com o autor José Louzeiro no blog Estranho Encontro. Disponível em: <http://estranhoencontro.blogspot.com.br/2006/05/biografia-entrevista-jos-louzeiro.html>. Acesso em: 3 jun Página do escritor José Louzeiro. Disponível em: <http://www.louzeiro.com.br/index.html>. Acesso em: 3 jun Veja. São Paulo: Abril, ed. 496, 8 mar Disponível em: <http://veja.abril.com.br/acervodigital/>. Acesso em: 3 jun

16 169 que Lúcio Flávio se relacionava com alguns policiais planejando assaltos e algumas fugas da prisão. Em relação à história do livro, Tavares (apud LOUZEIRO, 1990) afirma a existência de dois mundos que se chocam: o mundo dos marginais e o mundo dos policiais. Entretanto, não há mocinhos ou bandidos segundo o crítico. Este descreve Lúcio Flávio como um personagem duro, cruel e inescrupuloso, mas na medida de um código de valores desenvolvido a partir da necessidade de sobreviver numa selva. No posfácio intitulado O autor e sua obra, texto provavelmente elaborado pela editora, há a afirmação de que o livro deu início ao gênero romance-reportagem no Brasil, recriando situações de impacto político e social: Em Lúcio Flávio: o passageiro da agonia (1975), José Louzeiro dava início ao romance-reportagem, recriando situações de impacto policial ou político (p. 245). Há ainda, no posfácio, uma pequena biografia do autor e menção a seus outros livros. Também foi mencionado que a história contada no livro foi adaptada para o cinema, sendo o próprio Louzeiro o roteirista e Hector Babenco o diretor. A vida de Louzeiro e algumas das obras que escreveu serão mais detalhadas no capítulo dois deste trabalho. 1.2 Aspectos e características das escritas biográficas e da biografia de Lúcio Flávio Lejeune (2008), uma das referências nos estudos biográficos, considera que a biografia e a autobiografia, em oposição a todas as formas de ficção, são textos referenciais: exatamente como o discurso científico ou histórico, eles se propõem a fornecer informações a respeito de uma realidade externa ao texto e a se submeter, portanto, a uma prova de verificação. Seu objetivo não é a simples verossimilhança, mas a semelhança com o verdadeiro; não o efeito de real, mas a imagem do real. Dessa forma, esses textos referenciais comportam o que ele chama de pacto referencial. Segundo Lejeune (2008), na biografia, o autor e o narrador estão por vezes ligados por uma relação de identidade. Essa relação pode permanecer implícita ou indeterminada, ou ser explicitada, por exemplo, em um prefácio. Pode ser também

17 179 que nenhuma relação de identidade seja estabelecida entre o autor e o narrador. Na edição aqui analisada de Lúcio Flávio: o passageiro da agonia, essa identidade não é explicitada pelo autor do livro, mas sim por um crítico literário que esclarece que a história se trata de um romance-reportagem. O título do prefácio Romancereportagem já situa o leitor que a obra está inserida nesse gênero. O autor do prefácio, Tavares (apud LOUZEIRO, 1990), explica a controvérsia que existe em torno desse gênero nos Estados Unidos e afirma que Louzeiro escreveu uma pequena obra-prima no gênero: Grande tem sido a controvérsia nos Estados Unidos em torno do gênero romance-reportagem, que foi iniciado pelo já consagrado romancista Truman Capote, com seu best seller A sangue frio, onde narra assassinatos que de fato ocorreram nos Estados Unidos. Outros autores seguiram a trilha aberta por Capote [...]. Veio a acontecer uma curiosa ambivalência. Por um lado, os livros vendiam horrores e tinham apoio de alguns críticos. Por outro lado, eram atacados pelos críticos que ainda estão à espera da great novel que não acreditavam poder ser realizada desta forma (p. 9). Realizou Louzeiro, a meu ver, uma pequena obra-prima do gênero. Desde a maneira como a temática é abordada, à fidelidade da linguagem e a desabrida coragem que teve de nos revelar, sem toques eufemísticos, uma realidade que continua a se processar em nossos dias (p. 12). A relação do personagem (no texto) com o modelo (referente extratextual) é uma relação de identidade, porém trata-se, sobretudo, de uma relação de semelhança (LEJEUNE, 2008). No caso do sujeito do enunciado, a relação de identidade não tem o mesmo valor que para o sujeito da enunciação: ela é simplesmente um dado do enunciado que está no mesmo plano que os outros, não vale como prova e precisa ela própria ser provada pela semelhança. Segundo o autor, o que opõe a biografia à autobiografia é a hierarquização das relações de semelhança e identidade: na biografia, é a semelhança que deve fundamentar a identidade; na autobiografia, é a identidade que fundamenta a semelhança. A identidade é o ponto de partida real da autobiografia; a semelhança, o impossível horizonte da biografia (p. 39). A leitura, segundo Lejeune (2008), depende do nome próprio e do uso que se faz dele no texto e no título do livro publicado. O nome, na medida em que figura no título do livro, programa certo tipo de leitura: ele suscita a curiosidade biográfica e o

18 189 investimento imaginário na existência de um outro. Todos conhecem o slogan subjacente a qualquer literatura vivida : verdadeiro como a vida, belo como um romance. O nome próprio utilizado como título anuncia a modalidade da obra e como deve ser lida. Ele coloca em primeiro plano o interesse pela forma individual e concreta de uma vida, como afirma Lejeune (2008). Foi justamente o nome que figura como título da obra que é nosso objeto de análise que nos chamou atenção para estudá-la. O nome próprio, Lúcio Flávio, e seu complemento, o passageiro da agonia, nos fazem pensar em como o criminoso Lúcio Flávio teria sua imagem representada ao longo da narrativa desse livro, já que, em outras fontes que consultamos, como entrevistas do autor, sites e artigos que falam sobre Lúcio Flávio, ele era visto como um criminoso valente, que desafiava a lei, além de ser uma figura que fugia dos estereótipos de bandido daquela época: ele vinha de uma família de classe média, era considerado bonito pela mídia por possuir cabelos claros e olhos verdes, e também era visto como uma pessoa muito inteligente, já que planejava assaltos mirabolantes a bancos e fugas espetaculares. Como então poderia ser um passageiro da agonia? O nome próprio e seu complemento o passageiro da agonia que compõem o título do livro figuram em nosso trabalho como elementos importantes conforme veremos mais adiante na análise. Arfuch (2010) possui uma visão um pouco diferente da de Lejeune (2008) em relação à biografia. Para ela, o que realmente importa no gênero biográfico não é precisamente o conteúdo do relato por si mesmo, mas as estratégias ficcionais que o biógrafo utiliza. O auge das biografias costuma oferecer frequentemente entradas pouco reconhecíveis entre ficção, obra documental, romance histórico, caso psicanalítico ou fofoca, segundo a autora. No que diz respeito ao biográfico, na medida em que os fatos da vida de alguém exigem uma historicidade do acontecido, questiona-se, segundo Arfuch (2010), em qual direção a balança se inclinará: para a ficção ou para a historicidade? Os gêneros canônicos, segundo a autora, jogarão um jogo duplo, ao mesmo tempo história e ficção, entendida essa última menos como invenção do que como obra literária, integrando-se ao conjunto de uma obra de autor e operando simultaneamente como testemunho, arquivo, documento, tanto para uma história individual quanto de época, pois a história particular de um sujeito pode vir acompanhada de fatos que retratam certa época e lugar, retratam a sociedade.

19 199 Nesse ponto, Arfuch (2010) menciona dois espaços possíveis na biografia: o público e o privado. A fronteira entre esses dois espaços não é bem delimitada, pois eles se entrecruzam numa e noutra direção: não só o íntimo/privado sairia de seu caminho invadindo territórios alheios, mas também o público não alcançaria o tempo todo o estatuto da visibilidade; antes, poderia recuar, de maneira insondável, sob a mesma luz da superexposição. Toda biografia ou relato de experiência, para Arfuch (2010), é, num ponto, coletivo, expressão de uma época, de um grupo, de uma geração, de uma classe, de uma narrativa comum de identidade. É essa qualidade coletiva, como marca impressa na singularidade, que torna relevantes as histórias de vida tanto nas formas literárias tradicionais quanto nas midiáticas e nas ciências sociais. Dessa maneira, a autora afirma que biográfico excede em muito uma história pessoal. Concordamos com Arfuch (2010): segundo ela, o biográfico excede a história pessoal ao afirmarmos que a narrativa de vida do Lúcio Flávio não se trata somente de contar a história desse homem, mas também de relatar a existência de uma organização criminosa, como o Esquadrão da Morte, que envolvia autoridades policiais. A narrativa leva ao conhecimento dos leitores a existência da corrupção existente entre os homens da lei, aqueles que faziam valer a lei para os civis utilizando formas cruéis, como a tortura e a morte daqueles que não se conformavam em ser passivos diante da situação política do Brasil. Além disso, esse grupo praticava o extermínio de bandidos considerados perigosos como Lúcio Flávio. Podemos afirmar, assim, que o livro do repórter investigativo José Louzeiro possui, além do caráter biográfico, um caráter de denúncia. A biografia, segundo Arfuch (2010), é um gênero que se move entre o testemunho, o romance, o relato histórico, o ajuste a uma cronologia, a invenção do tempo narrativo, a interpretação minuciosa de documentos e a figuração de espaços reservados. Sua valoração como gênero não deixa de ser controversa, pois muitas vezes pensa-se na biografia como uma escrita que é obrigada a respeitar a sucessão das etapas da vida, a buscar causalidades, a outorgar sentidos e a justificar nexos esclarecedores entre vida e obra (ARFUCH, 2010). Para a Arfuch (2010), A excessiva publicação de biografias em nossos dias mostra tanto sua resistência ao tempo e aos estereótipos do gênero quanto a

20 209 busca de novos posicionamentos críticos a respeito de seu inegável trabalho ficcional: mostra também o favor sustentado do público, que busca nelas esse algo a mais que ilumine o contexto vital da figura de algum modo conhecida (p. 139). Entretanto, há também exercícios de escrita que, sem abandonarem o modelo de narração da vida de um personagem existente, se afastam da fidelidade histórica para dar lugar a novos híbridos em nosso cenário atual, o auge de narrações romanceadas em torno de personagens históricos bem conhecidos, sem a pretensão de veracidade. Esse é o caso da história de Lúcio Flávio: um homem bastante conhecido na época da publicação da obra, que conta fatos de sua vida mesclando realidade e ficção. Como a biografia sempre está inserida em um contexto de espaço e de tempo, concordamos com Arfuch (2010) que esse gênero envolve a relação do sujeito com seu contexto imediato, aquele que permite se situar no (auto)reconhecimento: a família, a linhagem, a cultura, a nacionalidade. Nenhum retrato de um sujeito consegue se desprender da moldura de uma época e, nesse sentido, a biografia fala também de uma comunidade. Ao ler Lúcio Flávio: o passageiro da agonia, podemos levar em consideração todo o contexto em que o personagem está inserido: um criminoso proveniente da classe média mineira, morador do Rio de Janeiro, que violava o sistema da segurança da polícia da década de 1970 com suas várias fugas das prisões e seu envolvimento com a polícia corrupta daquela época. A narrativa da vida do Lúcio Flávio remete, portanto, às circunstâncias sociais e culturais da década de 1970 no Brasil no que diz respeito a ações de criminosos que estavam ligados a organizações corruptas da época, como era o caso do Lúcio Flávio e dos policiais que faziam parte do Esquadrão da Morte. Mais do que a história particular de um bandido, a obra é um relato da esfera de crimes que vigoravam em determinada época em nosso país. A partir de um horizonte analítico, é possível apreender a circulação narrativa das vidas, comuns e singulares, discernir semelhanças e especificidades, à luz de uma concepção dos gêneros discursivos em acordo com isso segundo Arfuch (2010). Espaço onde algumas formas são naturalmente incluídas, por tradição ou inovação, e outras tornam duvidosa a aplicação mesma do atributo biográfico, traçando assim uma fronteira sempre provisória. Mas é a insistência, e até a

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito

Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito Paulo Rogério Meira Menandro A iniciativa da Revista de Administração Contemporânea (RAC) de acolher uma discussão sobre

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE

PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE Resumo O programa Radiozine é um projeto desenvolvido para a disciplina de Projeto Experimental em Jornalismo Eletrônico,

Leia mais

4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero

4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero 4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero Neste capítulo, apresentamos a análise dos dados oriundos do contato estabelecido com leitores, editores e críticos, a fim de conhecermos sua visão

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência Ana Raquel da Rocha Bezerra, UFPE Andressa Layse Sales Teixeira, UFRN RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

A jornada do herói. A Jornada do Herói

A jornada do herói. A Jornada do Herói A Jornada do Herói Artigo de Albert Paul Dahoui Joseph Campbell lançou um livro chamado O herói de mil faces. A primeira publicação foi em 1949, sendo o resultado de um longo e minucioso trabalho que Campbell

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Segredos da Redação Nota Mil

Segredos da Redação Nota Mil Lucas Martins Segredos da Redação Nota Mil Aprenda Como Utilizar Meu Método Testado e Aprovado e Aumente Suas Chances de Uma Boa Nota Índice Introdução... 5 Bem-vindo!... 5 Quem sou eu... 6 Por que você

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita 55 Ana Teberosky neste capítulo propomos uma experiência sobre linguagem escrita cujo enfoque é a interação entre os materiais, a atuação dos professores

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

Verdade? 1. Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP

Verdade? 1. Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP Verdade? 1 Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP RESUMO No trabalho apresentado aqui, tem-se um roteiro, um unitário com

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS SEMIOLINGUÍSTICOS: ANÁLISE DOS DISCURSOS RELIGIOSO, MIDIÁTICO E JURÍDICO À LUZ DA PROPOSTA DE PATRICK CHARAUDEAU

GRUPO DE ESTUDOS SEMIOLINGUÍSTICOS: ANÁLISE DOS DISCURSOS RELIGIOSO, MIDIÁTICO E JURÍDICO À LUZ DA PROPOSTA DE PATRICK CHARAUDEAU GRUPO DE ESTUDOS SEMIOLINGUÍSTICOS: ANÁLISE DOS DISCURSOS RELIGIOSO, MIDIÁTICO E JURÍDICO À LUZ DA PROPOSTA DE PATRICK CHARAUDEAU Mônica Santos de Souza MELO (UFV) monicamelo@ufv.br O Grupo de Estudos

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

Brújula Volume 10 Spring 2015. Topographies. Santiago Nazarian e a literatura brasileira underground. Alexandre Lima University of Texas at Austin

Brújula Volume 10 Spring 2015. Topographies. Santiago Nazarian e a literatura brasileira underground. Alexandre Lima University of Texas at Austin Brújula Volume 10 Spring 2015 Topographies Santiago Nazarian e a literatura brasileira underground Alexandre Lima University of Texas at Austin Santiago Nazarian é um escritor brasileiro, além de tradutor

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS Neste número, a seção Crônicas e Controvérsias apresenta dois textos: o primeiro, de Sírio Possenti, acerca da resenha do livro de Alice Krieg- -Planque A noção de fórmula em análise

Leia mais

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média + Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto III Média + O que é um conto? n Conto é uma narrativa curta que apresenta os mesmos elementos de um romance: narrador, personagens, enredo, espaço e tempo.

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA CLIPPING SENADO FEDERAL E CONGRESSO NACIONAL NOTICIÁRIO ABRIL DE 2011 SEAI 04/2011 Brasília, maio de 2011 Análise de Notícias Senado Federal e Congresso Nacional 1. Universo

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

A MIDIATIZAÇÃO DO PROCESSO PENAL.

A MIDIATIZAÇÃO DO PROCESSO PENAL. A MIDIATIZAÇÃO DO PROCESSO PENAL. Em julho de 2011, o Jornal inglês News of the World foi fechado após 168 anos de atividade, não resistindo à descoberta dos crimes praticados por seus integrantes que,

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian.

Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian. Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian. Leitura do conto O gato preto, de Edgar Allan Poe (duas aulas) 1- Leitura compartilhada do conto, dividido em duas partes.

Leia mais

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu. A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.br RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar algumas sugestões de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MOURA FILHA 1, Maria Berthilde CAVALCANTI FILHO 2, Ivan QUEIROZ 3, Louise Costa GONDIM 4, Polyanna Galvão RESUMO Nos últimos

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Alzheimer: de Volta ao Começo 1

Alzheimer: de Volta ao Começo 1 Alzheimer: de Volta ao Começo 1 Marcelo de Paula LEMOS 2 Marcela Terra Cunha MATARIM 3 Mariana Alves MENDES 4 Celi CAMARGO 5 Universidade de Uberaba, Uberaba, MG RESUMO Alzheimer: de Volta ao Começo é

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG JornaVista: entrevista em quadrinhos 1 Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG RESUMO O presente trabalho pretende apresentar como se deu a

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Vítor Quartezani 1 Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Trabalho de Conclusão de Curso em Forma de Projeto

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Ideias e ações políticas? Mãos à obra! Você sabe precisar quando a infância termina para dar lugar à adolescência? Mudanças físicas

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS 1 O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS Marília Résio LEMES 1 mariliaresio@hotmail.com RESUMO: O livro didático é um objeto de múltiplas facetas e, às vezes, trazem temas

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS Resumo LUCAS, Maria Angélica Olivo Francisco 1 - UEM Grupo de Trabalho - Formação de professores e

Leia mais

A importância da mídia nas ações de prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro

A importância da mídia nas ações de prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro A importância da mídia nas ações de prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro Frequentemente, os profissionais do mercado financeiro que atuam na prevenção e no combate ao crime de lavagem de

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

Enem. Dicas para você se dar bem na prova. A prova do ENEM está ai e você precisa de uma boa nota, certo? Verdade!

Enem. Dicas para você se dar bem na prova. A prova do ENEM está ai e você precisa de uma boa nota, certo? Verdade! Enem Dicas para você se dar bem na prova. A prova do ENEM está ai e você precisa de uma boa nota, certo? Verdade! Não tem mais para onde correr: O resto dos seus dias depende disso. Ou pelo menos é assim

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Anexo 01. Caio Túlio Costa Diretor Geral do Universo Online Entrevista concedida via e-mail em 04/05/2001 caio@uol.com.br

Anexo 01. Caio Túlio Costa Diretor Geral do Universo Online Entrevista concedida via e-mail em 04/05/2001 caio@uol.com.br ANEXOS 166 167 Anexo 01 Caio Túlio Costa Diretor Geral do Universo Online Entrevista concedida via e-mail em 04/05/2001 caio@uol.com.br 1. Em que momento o Grupo Folha - Universo Online sentiu a necessidade

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

3 º Bimestre. Aula 142 Conteúdos: Sustentabilidade

3 º Bimestre. Aula 142 Conteúdos: Sustentabilidade 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 3 º Bimestre Sustentabilidade Aula 142 Conteúdos: Procedimentos de leitura- gêneros textuais e suas finalidades. Leitura

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE 48 Monalisa Soares Lopes Universidade Federal do Ceará (UFC) monalisaslopes@gmail.com Os estudos da política contemporânea,

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula!

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! Bete Masini A pontuação é, sem dúvida, um dos principais elementos coesivos do nosso texto. Certamente, não podemos crer no que muitos já falaram (e ainda falam):

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza 1 www.oxisdaquestao.com.br Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza Texto de CARLOS CHAPARRO Entramos em 2012 sem Daniel Piza. Perdemo-lo aos 41 anos de idade, a 30 de dezembro de 2011. Mas

Leia mais