Jochen Lempert Trabalho de Campo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jochen Lempert Trabalho de Campo"

Transcrição

1 Jochen Lempert Trabalho de Campo

2 Podemos partir de uma assunção muito simples, imediatamente constatável por todos os que olham pela primeira vez para o seu trabalho: Jochen Lempert fotografa obsessivamente qualquer coisa que podemos entender como a natureza animais, vegetais, microrganismos, fenómenos físicos e atmosféricos. De certa forma, alude directamente a alguns dos pioneiros da fotografia, como William Henry Fox Talbot, cujas primeiras experiências com aquele suporte, em meados do século XIX, se relacionaram frequentemente com disciplinas como a botânica e a zoologia. O objectivo: inventariar, classificar, procurar propriedades estruturais comuns na extrema diversidade da natureza e a fotografia parecia, nessa altura, partilhar a autoridade da ciência, com o seu suposto valor de verdade, a sua pretensa objectividade, a sua forma directa de ver o mundo. Também as imagens de Jochen Lempert se relacionam, de várias formas, com disciplinas como a biologia e a zoologia; também elas são associáveis à fotografia científica, nomeadamente às suas exigências de catalogação, embora já não reflictam nenhum tipo de autoridade. A natureza que ele nos apresenta, independentemente de qualquer intimidade com a botânica ou da utilização de processos científicos e laboratoriais como a observação meticulosa e a ampliação, é sempre estranhamente misteriosa, por vezes opaca. Algumas das suas imagens poderiam, de facto, caber em livros de história natural, em manuais científicos; muitas delas, pela sua aparente abstracção, também podem ser entendidas como exercícios de composição, recordando as experiências fotográficas dos anos de O artista joga habilmente com a mobilidade semiótica das suas fotografias, com o seu Sem título (Fogo), 2007

3 desconcertante carácter atemporal nada daquilo que as suas fotografias nos dão a ver é exactamente aquilo que esperamos encontrar num sítio dedicado a mostrar arte contemporânea. De alguma maneira, Lempert tira partido da própria instabilidade semiótica da fotografia, do facto de ela poder significar coisas muito diferentes, dependendo do contexto em que é apresentada. As suas imagens estão sempre a meio caminho, parecem pertencer simultaneamente a contextos culturais distintos, a diferentes espaços discursivos, pressupondo expectativas diferentes por parte do espectador sem encaixar exactamente em nenhum deles. Por outro lado, a imagem fragmentada da realidade que os seus trabalhos nos devolvem por vezes no limiar da abstrac ção relaciona-se directamente com a exploração de uma certa auto-referencialidade da fotografia. Sem se cingirem à exploração da materialidade do medium e das suas possibilidades para a produção de efeitos de abstracção, grande parte das imagens de Lempert jogam com determinadas propriedades da fotografia e com a sua história. Ao contrário de outros sistemas de representação, as fotografias não se limitam a dar a ver o mundo; são de facto tocadas por ele. Se são frequentemente designadas como índices, é porque se terão deixado afectar directamente pelos objectos a que se referem. Este dado levou vários fotógrafos a interessarem-se por esta relação particular com a realidade que parece ser intrínseca à fotografia. Jochen Lempert fá-lo de uma forma irredutivelmente singular. Se as fotografias são, enquanto marca de um processo fotoquímico, uma espécie de impressão do real como o são as pegadas humanas e os vestígios que as aves deixam na areia da praia, o artista dedica-se a explorar o reverso da medalha: o signi ficado da presença transformada em representação. Escolhendo motivos que têm directamente a ver com processos (físicos, lumínicos) postos em marcha pela própria técnica fotográfica, com as suas tentativas para explicar a absoluta alteridade que é o mundo animal e o ambiente natural, Jochen Lempert vem confrontar-nos, de alguma forma, com a inutilidade das nossas pretensões de dissecação, de conhecimento. Para começar, e com o seu olhar particular sobre animais e plantas que frequentemente despista um seu reconhecimento imediato, o artista coloca em causa qualquer ideia de poder óptico, sugerindo que os seres humanos são dotados de um determinado sistema de percepção, necessariamente limitado, que projectam sobre a natureza, independentemente das próteses a que recorram. Perante muitas das fotografias de Lempert, principalmente aquelas em que elementos naturais são ampliados, ou apresentados recorrendo a determinados processos ópticos são exemplo as fotografias de plâncton luminescente, lembramo- nos das aspirações de certos fotógrafos e cineastas na década de Com efeito, nessa época passou-se a considerar como tarefa da câmara o registo de tudo aquilo que o olho não vê; defendeu-se que os aparelhos fotográficos deveriam poder funcionar de uma forma totalmente independente do olho humano, expandindo o seu alcance óptico e transformando, através de pontos de vista inesperados, objectos familiares em configurações pouco comuns, em estruturas nunca vistas. As suas fotografias também nos recordam a Nova Visão defendida nos anos de 1930, quando vários artistas associaram a fotografia à possibilidade de ver melhor, mais rápido, com maior precisão; quando a câmara foi entendida como uma prótese que supriria as deficiências do olho, que prolongaria a visão normal, que aumentaria as capacidades do corpo humano, suplantando até o próprio observador. No entanto e isto talvez corresponda ao lado mais desconcertante da obra de Jochen Lempert, este artista não recorre a composições imprevisíveis, rotações bizarras, contrapicados violentos para nos levar a descobrir o que está afinal na origem de uma imagem. Nas fotografias dos pássaros voando em bando que nos surgem como simples pontos distribuídos aleatoriamente, na imagem das patas de um cisne quase invisível, ou

4 nessa outra dos estores que parecem à primeira vista fotogramas abstractos, por exemplo, Lempert tira partido de alguns aspectos fundamentais, embora frequentemente negligenciados, da fotografia: sublinha o papel da luz enquanto fonte de visibilidade de que a fotografia depende (em várias imagens a luz está a ser filtrada por um objecto, numa espécie de replicação do processo fotográfico, enquanto noutras o artista destaca graus de transparência, de reverberação); valoriza o enquadramento e, dessa forma, a presença implícita do resto do mundo; atribui um igual estatuto aos objectos e às suas sombras, sublinhando novamente o papel da luz, enquanto reconhece a fotografia enquanto pura representação. Sem recorrer a metáforas extravagantes, sem afastar de forma ostensiva a fotografia da relação directa com os objectos da percepção (relação que a fotografia parece propor constantemente), Jochen Lempert consegue dilatar o tempo de recepção das suas imagens; imagens que, em alguns casos, parecem películas opacas, enquanto noutros se aplicam, através da ampliação e do correspondente granulado, a adiar o reconhecimento do referente. Aparentemente modesto, quase parcimonioso, do ponto de vista formal, o seu trabalho consegue abalar uma série de assunções epistemológicas. Aquilo que lhe interessa na representação da vida animal, por exemplo, nunca é a nossa identificação imediata com hábitos e modos de vida, ou seja, tornar-nos conscientes daquilo que nos une a outras espécies animais. Se já alguém afirmou que as suas fotografias traduzirão intimidade com a animalidade, não é porque o artista tem uma formação em biologia, ou porque seja um habitual frequentador de museus de história natural, mas antes porque essas fotografias desfazem hierarquias, relativizando a nossa percepção e os nossos sistemas de conhecimento. À fotografia, que sempre foi aplicada enquanto instrumento de poder, de conquista, Lempert reconhece o poder de apontar a realidade, mas faz-nos tomar consciência de que nunca poderá representá-la. Da série Os Corvos-marinhos, 2008

5 Exposição Curadoria Miguel Wandschneider Coordenação de produção Mário Valente Produção António Sequeira Lopes Paula Tavares dos Santos Coordenação de Montagem Fernando Teixeira Equipa de Montagem Ana Branco Maria Soares Sérgio Gato Jornal de Exposição Texto Ricardo Nicolau Coordenação Maria Ana Freitas Design Gráficos do Futuro Pré-Impressão, impressão e acabamento Maiadouro 2009, Fundação Caixa Geral de Depósitos Culturgest, Lisboa das obras reproduzidas: o artista; do texto: o autor Conversa com Jochen Lempert e Miguel Wandschneider Sábado, 7 de Fevereiro, 18h00 Visitas guiadas por Miguel Wandschneider Sábados, 28 de Fevereiro e 21 de Março, 17h00 Visitas guiadas Domingos, 8 de Março, 5 de Abril e 10 de Maio, 17h30 Galerias abertas de segunda a sexta-feira, das 11h00 às 19h00 (última admissão às 18h30). Sábados, domingos e feriados, das 14h00 às 20h00 (última admissão às 19h30). Encerram à terça-feira. Informações: Edifício Sede da CGD, Rua do Arco do Cego, Lisboa 7 Fevereiro 10 Maio 2009

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com ARTES diálogo Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com Nas suas intervenções artísticas, no domínio da escultura e da instalação, Gonçalo Barreiros pode

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Retratos: Guia para @s professor@s

Retratos: Guia para @s professor@s Retratos: Guia para @s professor@s Nivel: 12 a 14 anos Pássaros Duraçao: de 5 a 7 sessões Áreas: Ciências da Natureza e Humanas e Sociais, Língua Portuguesa Descriçao: O grupo selecciona um pássaro característico

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

Catálogo. CHIADO 8 ARTE CONTEMPORÂNEA Largo do Chiado, 8 / 1249-125 Lisboa T 213 237 335 / www.fidelidademundial.pt

Catálogo. CHIADO 8 ARTE CONTEMPORÂNEA Largo do Chiado, 8 / 1249-125 Lisboa T 213 237 335 / www.fidelidademundial.pt Projecto de Exposições (2006-2008) Miguel Wandschneider (Culturgest) Coordenação Miguel Wandschneider (Culturgest) Gabinete de Comunicação e Imagem (Fidelidade Mundial) Curador Ricardo Nicolau Coordenação

Leia mais

BRUNO PACHECO ALL TOGETHER

BRUNO PACHECO ALL TOGETHER BRUNO PACHECO ALL TOGETHER Esta exposição centra-se no trabalho desenvolvido por Bruno Pacheco desde final de 2005, sendo a maioria das obras datadas de 2006 e inéditas. A quantidade de obras mostradas

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO Registo: CCPFC/ACC-76907/14, Nº Créditos: 1, Válida até: 10-02-2017

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

DIFERENTES PERCEPÇÕES

DIFERENTES PERCEPÇÕES 1 RESUMO DO TRABALHO DIFERENTES PERCEPÇÕES Colégio Londrinense Alunas: Isadora Ferreira Pelisson Raquel Maria de Barros Orientadora: Wiviane Knott Sá Oliveira Silva Os olhos são considerados uns dos principais

Leia mais

PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA

PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA Ano 3 Nº 14 Jul 2015 ISSN 2316-8102 PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA por Daniel Pinheiro, Lisa Parra O projeto visa abordar práticas no desenvolvimento de estruturas que potenciem

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 7 12 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!///////////////////// 3 CINEMA EM CASA!//////////////////////////////////////////////////// 4 QUE FEITIÇO É ESTE?/////////////////////////////////////////////////

Leia mais

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio.

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. Os pequenos nadas Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. "Teatro artesanal (...) Tudo em vista: a máquina de cinema minúscula, que eles resgataram do desmantelamento, os

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

Regulamento dos Concursos

Regulamento dos Concursos Prosepe - Projecto de Sensibilização e Educação Florestal da População Escolar 1 Projecto Prosepe Projecto de Sensibilização e Educação Florestal da População Escolar Ciclo: Olhar Pela Floresta Regulamento

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR. Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo. coordenação / documentação Teresa Santos

ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR. Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo. coordenação / documentação Teresa Santos ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo coordenação / documentação Teresa Santos O Atelier-Museu Júlio Pomar é um espaço dedicado à conservação, ao estudo e

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sessão Pública: Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Auditório Novo da Assembleia da República 19 de Janeiro de 2011 Apresentação Pública do Exame

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TÉCNICAS DE FOTOGRAFIA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TÉCNICAS DE FOTOGRAFIA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular TÉCNICAS DE FOTOGRAFIA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Maria Inês Cordeiro e António Tavares Lopes Panorama da edição e utilização das publicações periódicas Coimbra, 6 de Maio de 2009

Maria Inês Cordeiro e António Tavares Lopes Panorama da edição e utilização das publicações periódicas Coimbra, 6 de Maio de 2009 Exploração de domínios analíticos para a redescoberta da Colóquio Letras Maria Inês Cordeiro e António Tavares Lopes Panorama da edição e utilização das publicações periódicas Coimbra, 6 de Maio de 2009

Leia mais

O ESPECTACULO VAI ATE SI!!

O ESPECTACULO VAI ATE SI!! O ESPECTACULO VAI ATE SI!! Espectaculos Novo Circo Companhia xpto PERFORMANCE DE FOGO Espectáculo FOGO BODY PAINTING FOGO ANIMAÇÃO / RECEPÇÃO MALABARISMO LUMINOSO O.A.N.I. Espectáculo Estrutura Itinerante

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

C on strução, De cora ç ão e A mbiente s

C on strução, De cora ç ão e A mbiente s C on strução, De cora ç ão e A mbiente s Volume I - Re modela çõe s um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Tecnico não pode ser reproduzido ou distribuido sem a expressa autorizacao

Leia mais

Reabilitação do Mercado Municipal. Concurso de Ideias. Regulamento

Reabilitação do Mercado Municipal. Concurso de Ideias. Regulamento ARTIGO 1º Enquadramento Reabilitação do Mercado Municipal Concurso de Ideias Regulamento O Concurso de Ideias para a reabilitação do Mercado Municipal (MM), sito na praça do Comércio é uma iniciativa da

Leia mais

Ivo Poças Martins, Fevereiro 2007. Texto da proposta seleccionada do concurso Intervenções na Cidade Trienal de Arquitectura de Lisboa

Ivo Poças Martins, Fevereiro 2007. Texto da proposta seleccionada do concurso Intervenções na Cidade Trienal de Arquitectura de Lisboa Ivo Poças Martins, Fevereiro 2007 Texto da proposta seleccionada do concurso Intervenções na Cidade Trienal de Arquitectura de Lisboa Praça de Espanha www.pocasmartins-seabra.com ( 1 ) ( 2 ) Com a União

Leia mais

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto. Laboratório de Psicologia Experimental

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto. Laboratório de Psicologia Experimental Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto Laboratório de Psicologia Experimental O primeiro Laboratório de Psicologia Experimental foi fundado por Wundt, em Leipzig, na Alemanha,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Contextualização: Esta planificação vem ao encontro das necessidades das crianças e das Educadoras.

Contextualização: Esta planificação vem ao encontro das necessidades das crianças e das Educadoras. Centro de Competências de Ciências Sociais 1º Ciclo de Educação Básica Unidade Curricular de Iniciação à Prática Profissional VI Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Fonte da Rocha Contextualização:

Leia mais

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal PEDRO SOUSA VIEIRA Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal www.belogalsterer.com galeria.belogalsterer@gmail.com +351-213815914 VITA Pedro Sousa Vieira Nasceu no Porto,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

Sequência de Ensino. É primordial que os alunos consigam compreender a ideia de que a Terra é esférica e do efeito gravidade associado a este facto.

Sequência de Ensino. É primordial que os alunos consigam compreender a ideia de que a Terra é esférica e do efeito gravidade associado a este facto. Sequência de Ensino Objectivos Qual a causa dos dias e das noites? E qual a causa das estações do ano? Explicar fenómenos como o dia e a noite e o movimento aparente do Sol. Representar o sistema solar

Leia mais

A Pessoa com Deficiência Visual

A Pessoa com Deficiência Visual A Pessoa com Deficiência Visual Definição oftalmológica de deficiência visual Cegueira parcial (legal ou profissional): capaz de contar dedos a curta distância, identificar vultos, luminosidade e origem

Leia mais

Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes

Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes Raquel do Monte 1 RESENHA RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. 1. Doutoranda em Comunicação, PPGCOM-UFPE.

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Metodologias de intervenção:

Metodologias de intervenção: Metodologias de intervenção: Algumas estratégias de intervenção Na intervenção directa com as crianças tenta-se reflectir o clima institucional da Casa da Praia. A dinâmica do funcionamento em Equipa,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TÉCNICAS DE FOTOGRAFIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TÉCNICAS DE FOTOGRAFIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular TÉCNICAS DE FOTOGRAFIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Planificação da Formação Total

Planificação da Formação Total Planificação da Formação Total Mobility Coach - Introdução e Indução - Duração 5 horas Tempo: Assunto: Método: Resultado: Material: Introdução à Formação e ao Projeto Mobility Coach Apresentação-PP Os

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DO CINEMA E DAS ARTES Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DO CINEMA E DAS ARTES Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DO CINEMA E DAS ARTES Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

PROPOSTA DE PARCERIA COM A ÓBIDOS CRIATIVA E.E.M.

PROPOSTA DE PARCERIA COM A ÓBIDOS CRIATIVA E.E.M. PROPOSTA DE PARCERIA COM A ÓBIDOS CRIATIVA E.E.M. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Blend Point é uma empresa que engloba algumas marcas das quais, para este projecto, se destacam a CorkWay Store e a Gods From

Leia mais

Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos?

Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos? Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos? As investigações criminais têm um aliado poderoso na descoberta dos criminosos e na resolução dos crimes, a QUÍMICA. Na cena do crime, um perito

Leia mais

Patentes Conceitos Básicos

Patentes Conceitos Básicos Patentes Conceitos Básicos O que é patente O que é patenteável O que não é patenteável Como é um documento de patente Como definir o escopo de proteção Como é o processo de patenteamento 2014 www.axonal.com.br

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

«O TEMPO DA MÁQUINA DE ESCREVER»

«O TEMPO DA MÁQUINA DE ESCREVER» «O TEMPO DA MÁQUINA DE ESCREVER» Sobre a coleção de máquinas de escrever da Caixa Geral de Depósitos A Máquina de Escrever marcou um período importante na história da tecnologia e a sua evolução foi uma

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

Updates. Updates da Pesquisa FLL WORLD CLASS. Updates do Desafio do Robô FLL WORLD CLASS

Updates. Updates da Pesquisa FLL WORLD CLASS. Updates do Desafio do Robô FLL WORLD CLASS Updates da Pesquisa FLL WORLD CLASS 2 ANIMAIS Para escrever a sua Questão da FLL WORLD CLASS, seu time precisa escolher um tópico em que uma PESSOA possa aprender. Tudo bem se há um animal envolvido em

Leia mais

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously Comunicação & Cultura, n.º 4, 2007, pp. 177-183 Entrevista a Barbie Zelizer Rita Figueiras * Barbie Zelizer é uma das mais notáveis investigadoras da actualidade na área do jornalismo e cultura. É professora

Leia mais

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes I Classes... 2 II Relações... 3 II. Associações... 3 II.2 Generalização... 9 III Exemplos de Modelos... III. Tabelas de IRS... III.2 Exames...3 III.3

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 5.2 - Alma e Psique Já em sua tese de doutoramento, Stein oferece uma primeira noção do que ela considera sob os termos alma e psique, e essa

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

21 Mandamentos do Grandes Ideias

21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias Ideias simples mas que fazem toda a diferença na motivação dos nossos alunos!! 1. Conhecer os alunos e fazê-los sentirem-se amados pela

Leia mais

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio 1. V Semana Internacional A Semana Internacional é o evento mais carismático e que tem maior visibilidade externa organizado pela AIESEC Porto FEP, sendo

Leia mais

emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 7

emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 7 J A N U S 1 9 9 7 também conferência em CiberFestival Lisboa Exposição Janus Lisboa, Portugal, Janus Emanuel Dimas de Melo Pimenta título: JANUS autor: Emanuel Dimas de Melo Pimenta ano: Arte, estética

Leia mais

A DEMORA: IMAGENS NO LUGAR DO FAZEDOR Sofia Lopes Borges 1

A DEMORA: IMAGENS NO LUGAR DO FAZEDOR Sofia Lopes Borges 1 A DEMORA: IMAGENS NO LUGAR DO FAZEDOR Sofia Lopes Borges 1 Resumo: Este texto pretende refletir sobre as possibilidades e especificidades que o vídeo nos oferece na percepção das singularidades das durações

Leia mais

6. movimentos da câmara fotográfica.

6. movimentos da câmara fotográfica. Ficha de Unidade Curricular Designação - Fotografia Área Científica - FOT Ciclo de Estudos 1º Ciclo/ Lic. Som e Imagem Carácter - Obrigatória Semestre 2º Semestre ECTS - 6 Tempo de Trabalho- Total: 150h

Leia mais

Agenda Educativa Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Temas sazonais Junho e Julho 2010

Agenda Educativa Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Temas sazonais Junho e Julho 2010 Agenda Educativa Jardim Botânico da Universidade de Coimbra Temas permanentes - consultar/retirar formulário: www.uc.pt/jardimbotanico Temas sazonais Junho e Julho 2010 ACÇÃO: Visita Ateliê Celebração

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense DESIGNAÇÃO OLHAR A FOTOGRAFIA,... DE OUTRO MODO LOCAL CLUB SETUBALENSE CARGA HORÁRIA - Nº de horas teóricas 28 h (4 módulos) - Nº de horas práticas (recolha

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Previsões só no fim do jogo: selecção natural irrelevante

Previsões só no fim do jogo: selecção natural irrelevante Previsões só no fim do jogo: selecção natural irrelevante Suponhamos que o leitor tem uma característica que lhe dá uma ligeira vantagem na luta pela sobrevivência. Por exemplo, um pescoço maior, que lhe

Leia mais

Gung Ho! Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz

Gung Ho! Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz Gung Ho! Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz GUNG HO Gung Ho é a expressão chinesa

Leia mais

ANIMAÇÃO DE IMAGENS. Como dar vida às ideias.

ANIMAÇÃO DE IMAGENS. Como dar vida às ideias. ANIMAÇÃO DE IMAGENS Como dar vida às ideias. O que se entende por Cinema Cinema, abreviação de cinematógrafo, é a técnica de projetar fotogramas de forma rápida e sucessiva (24 fotogramas por segundo)

Leia mais

Comunicação à 1ª secção

Comunicação à 1ª secção Comunicação à 1ª secção Denomina-se Ordem dos Advogados a associação pública representativa dos licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos deste Estatuto e demais disposições legais aplicáveis,

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

A FIGURA DO ESTADO. 1. Generalidades

A FIGURA DO ESTADO. 1. Generalidades A FIGURA DO ESTADO 1. Generalidades Naturalmente que no contexto das instituições, há uma que, pela sua dimensão e pelo momento histórico que atravessamos 1, tem especial interesse: o Estado. Uma série

Leia mais

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Catarina Pombo Nabais No seu último livro, intitulado O que é a Filosofia?, Deleuze e Guattari desenham uma

Leia mais

ANO LECTIVO 2011-12 OFICINAS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES

ANO LECTIVO 2011-12 OFICINAS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES ANO LECTIVO 2011-12 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES 1 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO Imagem Animada Nesta oficina os alunos desvendam os mistérios inerentes à ilusão óptica

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Evocar hoje, dia 8 de Março de 2007, o Tratado que instituiu a Comunidade Económica Europeia, assinado em Roma há 50

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Matéria

Leia mais

MANUELA MENDES DA SILVA. Gesto e Forma

MANUELA MENDES DA SILVA. Gesto e Forma MANUELA MENDES DA SILVA Gesto e Forma MANUELA MENDES DA SILVA Em Manuela Mendes da Silva a pintura está sempre presente pela sugestão da textura, é certo, mas também pela revelação do processo. Todavia

Leia mais

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução EDITAL CHAMADA ABERTA 1. Introdução A X Bienal de Arquitetura de São Paulo será realizada de 28 de setembro a 24 de novembro de 2013, com a curadoria de Guilherme Wisnik, Ana Luiza Nobre e Ligia Nobre.

Leia mais

Programa de Educação Ambiental

Programa de Educação Ambiental Programa de Educação Ambiental 2015 / 2016 Escolas Centro de Formação Ambiental SEDE - Lisboa 2 Horário de Funcionamento das Actividades 2ª feira a 6ª feira: 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30 4 horários:

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

PHC Imóveis CS. A gestão das atividades da mediadora imobiliária

PHC Imóveis CS. A gestão das atividades da mediadora imobiliária Descritivo PHC Imóveis CS PHC PHC Imóveis CS A gestão das atividades da mediadora imobiliária A solução para o aumento da produtividade de todas as atividades da mediadora imobiliária, desde a carteira

Leia mais

De mãos dadas ESCOLA NO MUSEU

De mãos dadas ESCOLA NO MUSEU De mãos dadas ESCOLA NO MUSEU Empenhado no desenvolvimento cultural da população que serve directamente, o Museu do Trajo considera prioritário o investimento na formação pessoal do escalão etário correspondente

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 213. Audiovisuais e Produção dos Media Itinerário de Formação 21305. Fotografia Saída Profissional

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Uma visita ao zoológico. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO As Vogais vão ao zoológico e têm contato com

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e educação,

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE Fonte: http://www.musee-orsay.fr/fr/collections/catalogue-des-oeuvres/resultatcollection.html?no_cache=1&zoom=1&tx_damzoom_pi1%5bzoom%5d=0&tx_da mzoom_pi1%5bxmlid%5d=001089&tx_damzoom_pi1%5bback%5d=fr%2fcollec

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano Projeto 1 Onde existe Vida? Tempo Previsto: 4 quinzenas (do 1ºPeríodo) Ciências Naturais A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES 1.ª Fase: Terra um planeta com vida 2.ª Fase: A importância

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

Características da imagem em microscopia ótica

Características da imagem em microscopia ótica Escola Secundária Jaime Moniz Relatório n.º1 Características da imagem em microscopia ótica Autor: Ana Luísa 10.º7 n.º3 Disciplina: Biologia e Geologia Data de realização: 01/02/2012 Ano Letivo: 2011/2012

Leia mais

Separata do Guia Técnico Monumentos e Museus de Portugal, 2009. Museu Nacional de Arqueologia Lisboa

Separata do Guia Técnico Monumentos e Museus de Portugal, 2009. Museu Nacional de Arqueologia Lisboa Separata do Guia Técnico Monumentos e Museus de Portugal, 2009 Museu Nacional de Arqueologia Lisboa Museu Nacional de Arqueologia APRESENTAÇÃO O Museu Nacional de Arqueologia (MNA), fundado em 1893, ocupa,

Leia mais

O que os olhos não veem, a lente registra

O que os olhos não veem, a lente registra O que os olhos não veem, a lente registra E.E. Profº Adelaide Maria de Barros Sala 5 sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Maria Aparecida Oliveira Brito Aline Loures Realização: Foco A Eletiva de Fotografia

Leia mais

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS O QUE É O Gira Volei é um jogo fácil, divertido e competitivo destinado aos jovens com idade compreendida entre os 8 e os 16 onde apenas se pode utilizar uma técnica: o passe. OBJECTIVOS: Contribuir para

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

...E NO FIM TAMBÉM NÓS COMEMOS A LUA! Actividades para crianças dos 3 aos 6 anos

...E NO FIM TAMBÉM NÓS COMEMOS A LUA! Actividades para crianças dos 3 aos 6 anos ...E NO FIM TAMBÉM NÓS COMEMOS A LUA! Actividades para crianças dos aos 6 anos Destacável Noesis nº 70 Concepção de Maria João Machado e Madalena Penedo Educadoras de Infância Ilustrações de Michael Grejniec

Leia mais