Jochen Lempert Trabalho de Campo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jochen Lempert Trabalho de Campo"

Transcrição

1 Jochen Lempert Trabalho de Campo

2 Podemos partir de uma assunção muito simples, imediatamente constatável por todos os que olham pela primeira vez para o seu trabalho: Jochen Lempert fotografa obsessivamente qualquer coisa que podemos entender como a natureza animais, vegetais, microrganismos, fenómenos físicos e atmosféricos. De certa forma, alude directamente a alguns dos pioneiros da fotografia, como William Henry Fox Talbot, cujas primeiras experiências com aquele suporte, em meados do século XIX, se relacionaram frequentemente com disciplinas como a botânica e a zoologia. O objectivo: inventariar, classificar, procurar propriedades estruturais comuns na extrema diversidade da natureza e a fotografia parecia, nessa altura, partilhar a autoridade da ciência, com o seu suposto valor de verdade, a sua pretensa objectividade, a sua forma directa de ver o mundo. Também as imagens de Jochen Lempert se relacionam, de várias formas, com disciplinas como a biologia e a zoologia; também elas são associáveis à fotografia científica, nomeadamente às suas exigências de catalogação, embora já não reflictam nenhum tipo de autoridade. A natureza que ele nos apresenta, independentemente de qualquer intimidade com a botânica ou da utilização de processos científicos e laboratoriais como a observação meticulosa e a ampliação, é sempre estranhamente misteriosa, por vezes opaca. Algumas das suas imagens poderiam, de facto, caber em livros de história natural, em manuais científicos; muitas delas, pela sua aparente abstracção, também podem ser entendidas como exercícios de composição, recordando as experiências fotográficas dos anos de O artista joga habilmente com a mobilidade semiótica das suas fotografias, com o seu Sem título (Fogo), 2007

3 desconcertante carácter atemporal nada daquilo que as suas fotografias nos dão a ver é exactamente aquilo que esperamos encontrar num sítio dedicado a mostrar arte contemporânea. De alguma maneira, Lempert tira partido da própria instabilidade semiótica da fotografia, do facto de ela poder significar coisas muito diferentes, dependendo do contexto em que é apresentada. As suas imagens estão sempre a meio caminho, parecem pertencer simultaneamente a contextos culturais distintos, a diferentes espaços discursivos, pressupondo expectativas diferentes por parte do espectador sem encaixar exactamente em nenhum deles. Por outro lado, a imagem fragmentada da realidade que os seus trabalhos nos devolvem por vezes no limiar da abstrac ção relaciona-se directamente com a exploração de uma certa auto-referencialidade da fotografia. Sem se cingirem à exploração da materialidade do medium e das suas possibilidades para a produção de efeitos de abstracção, grande parte das imagens de Lempert jogam com determinadas propriedades da fotografia e com a sua história. Ao contrário de outros sistemas de representação, as fotografias não se limitam a dar a ver o mundo; são de facto tocadas por ele. Se são frequentemente designadas como índices, é porque se terão deixado afectar directamente pelos objectos a que se referem. Este dado levou vários fotógrafos a interessarem-se por esta relação particular com a realidade que parece ser intrínseca à fotografia. Jochen Lempert fá-lo de uma forma irredutivelmente singular. Se as fotografias são, enquanto marca de um processo fotoquímico, uma espécie de impressão do real como o são as pegadas humanas e os vestígios que as aves deixam na areia da praia, o artista dedica-se a explorar o reverso da medalha: o signi ficado da presença transformada em representação. Escolhendo motivos que têm directamente a ver com processos (físicos, lumínicos) postos em marcha pela própria técnica fotográfica, com as suas tentativas para explicar a absoluta alteridade que é o mundo animal e o ambiente natural, Jochen Lempert vem confrontar-nos, de alguma forma, com a inutilidade das nossas pretensões de dissecação, de conhecimento. Para começar, e com o seu olhar particular sobre animais e plantas que frequentemente despista um seu reconhecimento imediato, o artista coloca em causa qualquer ideia de poder óptico, sugerindo que os seres humanos são dotados de um determinado sistema de percepção, necessariamente limitado, que projectam sobre a natureza, independentemente das próteses a que recorram. Perante muitas das fotografias de Lempert, principalmente aquelas em que elementos naturais são ampliados, ou apresentados recorrendo a determinados processos ópticos são exemplo as fotografias de plâncton luminescente, lembramo- nos das aspirações de certos fotógrafos e cineastas na década de Com efeito, nessa época passou-se a considerar como tarefa da câmara o registo de tudo aquilo que o olho não vê; defendeu-se que os aparelhos fotográficos deveriam poder funcionar de uma forma totalmente independente do olho humano, expandindo o seu alcance óptico e transformando, através de pontos de vista inesperados, objectos familiares em configurações pouco comuns, em estruturas nunca vistas. As suas fotografias também nos recordam a Nova Visão defendida nos anos de 1930, quando vários artistas associaram a fotografia à possibilidade de ver melhor, mais rápido, com maior precisão; quando a câmara foi entendida como uma prótese que supriria as deficiências do olho, que prolongaria a visão normal, que aumentaria as capacidades do corpo humano, suplantando até o próprio observador. No entanto e isto talvez corresponda ao lado mais desconcertante da obra de Jochen Lempert, este artista não recorre a composições imprevisíveis, rotações bizarras, contrapicados violentos para nos levar a descobrir o que está afinal na origem de uma imagem. Nas fotografias dos pássaros voando em bando que nos surgem como simples pontos distribuídos aleatoriamente, na imagem das patas de um cisne quase invisível, ou

4 nessa outra dos estores que parecem à primeira vista fotogramas abstractos, por exemplo, Lempert tira partido de alguns aspectos fundamentais, embora frequentemente negligenciados, da fotografia: sublinha o papel da luz enquanto fonte de visibilidade de que a fotografia depende (em várias imagens a luz está a ser filtrada por um objecto, numa espécie de replicação do processo fotográfico, enquanto noutras o artista destaca graus de transparência, de reverberação); valoriza o enquadramento e, dessa forma, a presença implícita do resto do mundo; atribui um igual estatuto aos objectos e às suas sombras, sublinhando novamente o papel da luz, enquanto reconhece a fotografia enquanto pura representação. Sem recorrer a metáforas extravagantes, sem afastar de forma ostensiva a fotografia da relação directa com os objectos da percepção (relação que a fotografia parece propor constantemente), Jochen Lempert consegue dilatar o tempo de recepção das suas imagens; imagens que, em alguns casos, parecem películas opacas, enquanto noutros se aplicam, através da ampliação e do correspondente granulado, a adiar o reconhecimento do referente. Aparentemente modesto, quase parcimonioso, do ponto de vista formal, o seu trabalho consegue abalar uma série de assunções epistemológicas. Aquilo que lhe interessa na representação da vida animal, por exemplo, nunca é a nossa identificação imediata com hábitos e modos de vida, ou seja, tornar-nos conscientes daquilo que nos une a outras espécies animais. Se já alguém afirmou que as suas fotografias traduzirão intimidade com a animalidade, não é porque o artista tem uma formação em biologia, ou porque seja um habitual frequentador de museus de história natural, mas antes porque essas fotografias desfazem hierarquias, relativizando a nossa percepção e os nossos sistemas de conhecimento. À fotografia, que sempre foi aplicada enquanto instrumento de poder, de conquista, Lempert reconhece o poder de apontar a realidade, mas faz-nos tomar consciência de que nunca poderá representá-la. Da série Os Corvos-marinhos, 2008

5 Exposição Curadoria Miguel Wandschneider Coordenação de produção Mário Valente Produção António Sequeira Lopes Paula Tavares dos Santos Coordenação de Montagem Fernando Teixeira Equipa de Montagem Ana Branco Maria Soares Sérgio Gato Jornal de Exposição Texto Ricardo Nicolau Coordenação Maria Ana Freitas Design Gráficos do Futuro Pré-Impressão, impressão e acabamento Maiadouro 2009, Fundação Caixa Geral de Depósitos Culturgest, Lisboa das obras reproduzidas: o artista; do texto: o autor Conversa com Jochen Lempert e Miguel Wandschneider Sábado, 7 de Fevereiro, 18h00 Visitas guiadas por Miguel Wandschneider Sábados, 28 de Fevereiro e 21 de Março, 17h00 Visitas guiadas Domingos, 8 de Março, 5 de Abril e 10 de Maio, 17h30 Galerias abertas de segunda a sexta-feira, das 11h00 às 19h00 (última admissão às 18h30). Sábados, domingos e feriados, das 14h00 às 20h00 (última admissão às 19h30). Encerram à terça-feira. Informações: Edifício Sede da CGD, Rua do Arco do Cego, Lisboa 7 Fevereiro 10 Maio 2009

BRUNO PACHECO ALL TOGETHER

BRUNO PACHECO ALL TOGETHER BRUNO PACHECO ALL TOGETHER Esta exposição centra-se no trabalho desenvolvido por Bruno Pacheco desde final de 2005, sendo a maioria das obras datadas de 2006 e inéditas. A quantidade de obras mostradas

Leia mais

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com ARTES diálogo Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com Nas suas intervenções artísticas, no domínio da escultura e da instalação, Gonçalo Barreiros pode

Leia mais

Catálogo. CHIADO 8 ARTE CONTEMPORÂNEA Largo do Chiado, 8 / 1249-125 Lisboa T 213 237 335 / www.fidelidademundial.pt

Catálogo. CHIADO 8 ARTE CONTEMPORÂNEA Largo do Chiado, 8 / 1249-125 Lisboa T 213 237 335 / www.fidelidademundial.pt Projecto de Exposições (2006-2008) Miguel Wandschneider (Culturgest) Coordenação Miguel Wandschneider (Culturgest) Gabinete de Comunicação e Imagem (Fidelidade Mundial) Curador Ricardo Nicolau Coordenação

Leia mais

desenho parede discurso: Dan Perjovschi na Culturgest Porto

desenho parede discurso: Dan Perjovschi na Culturgest Porto DAN PERJOVSCHI desenho parede discurso: Dan Perjovschi na Culturgest Porto Os meus desenhos parecem espontâneos, mas não são. Para cada projecto desenho dois ou três cadernos de apontamentos. Em cada um

Leia mais

Es c o l h e r p e n s a r

Es c o l h e r p e n s a r Es c o l h e r p e n s a r As fotografias de Daniel Costa (1973-2000) apresentadas aqui constituem parte de um conjunto que ele próprio concebeu como alternância de duas séries a de fotografias de nuvens

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense DESIGNAÇÃO OLHAR A FOTOGRAFIA,... DE OUTRO MODO LOCAL CLUB SETUBALENSE CARGA HORÁRIA - Nº de horas teóricas 28 h (4 módulos) - Nº de horas práticas (recolha

Leia mais

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Despacho n.º 1/93, de 19 de março publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 22 de 22 de

Leia mais

Agenda Educativa Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Temas sazonais Junho e Julho 2010

Agenda Educativa Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Temas sazonais Junho e Julho 2010 Agenda Educativa Jardim Botânico da Universidade de Coimbra Temas permanentes - consultar/retirar formulário: www.uc.pt/jardimbotanico Temas sazonais Junho e Julho 2010 ACÇÃO: Visita Ateliê Celebração

Leia mais

Catálogo. 2007 João Queiroz, Ricardo Nicolau os fotógrafos / Fidelidade Mundial ISBN 978-972-769-045-9

Catálogo. 2007 João Queiroz, Ricardo Nicolau os fotógrafos / Fidelidade Mundial ISBN 978-972-769-045-9 JOÃO QUEIROZ Projecto de exposições (2006-2008) Miguel Wandschneider (Culturgest) Coordenação Miguel Wandschneider (Culturgest) Gabinete de Comunicação e Imagem (Fidelidade Mundial) Curador Ricardo Nicolau

Leia mais

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página 2002-02-27 Imediata AT CEGER/FCCN GA 2 1 de 11 Tipo: NORMA Revoga: Versão 1 Distribuição: Sítio do CEGER na Internet. Entidades referidas em IV. Palavras-chave: gov.pt. Registo de sub-domínios de gov.pt.

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

A DEMORA: IMAGENS NO LUGAR DO FAZEDOR Sofia Lopes Borges 1

A DEMORA: IMAGENS NO LUGAR DO FAZEDOR Sofia Lopes Borges 1 A DEMORA: IMAGENS NO LUGAR DO FAZEDOR Sofia Lopes Borges 1 Resumo: Este texto pretende refletir sobre as possibilidades e especificidades que o vídeo nos oferece na percepção das singularidades das durações

Leia mais

Capa 21/06/06 17:13 Page 3 FIDEL

Capa 21/06/06 17:13 Page 3 FIDEL FIDEL Projecto de Exposições (2006-2008) Miguel Wandschneider (Culturgest) Coordenação Miguel Wandschneider Gabinete de Comunicação e Imagem (Fidelidade Mundial) Curador Ricardo Nicolau Coordenação de

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal PEDRO SOUSA VIEIRA Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal www.belogalsterer.com galeria.belogalsterer@gmail.com +351-213815914 VITA Pedro Sousa Vieira Nasceu no Porto,

Leia mais

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social.

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social. Esclarecimento 1. O Grupo INVESTIFINO contratou junto da CGD, no período de 2005 a 2007, diversos financiamentos que globalmente atingiram um valor elevado. 2. Os referidos financiamentos destinaram-se

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos?

Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos? Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos? As investigações criminais têm um aliado poderoso na descoberta dos criminosos e na resolução dos crimes, a QUÍMICA. Na cena do crime, um perito

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 )

O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 ) O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 ) Ao lado de Greenaway, Dziga Vertov pode ser considerado um dos grandes "cineastas de banco-de-dados" do século

Leia mais

Ivo Poças Martins, Fevereiro 2007. Texto da proposta seleccionada do concurso Intervenções na Cidade Trienal de Arquitectura de Lisboa

Ivo Poças Martins, Fevereiro 2007. Texto da proposta seleccionada do concurso Intervenções na Cidade Trienal de Arquitectura de Lisboa Ivo Poças Martins, Fevereiro 2007 Texto da proposta seleccionada do concurso Intervenções na Cidade Trienal de Arquitectura de Lisboa Praça de Espanha www.pocasmartins-seabra.com ( 1 ) ( 2 ) Com a União

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO FOTOGRÁFICO AROUCA GEOPARK: PAISAGENS E CULTURA

REGULAMENTO DO CONCURSO FOTOGRÁFICO AROUCA GEOPARK: PAISAGENS E CULTURA Olhares Contemporâneos Associação de Fotografia REGULAMENTO DO CONCURSO FOTOGRÁFICO AROUCA GEOPARK: PAISAGENS E CULTURA CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO E OBJETIVOS Art.º. 1º. O concurso fotográfico AROUCA GEOPARK:

Leia mais

QuartelOnline Rev. 1.1

QuartelOnline Rev. 1.1 www.decimal.pt/qo ÍNDICE Introdução... 3 Login Entrada na Aplicação... 4 Frontoffice - Acesso... 5 Backoffice - Detalhes... 5 Backoffice - Tabelas... 5 Tabela - Bombeiros... 5 Tabela Bombeiros (continuação)...

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Maio de 2003 No mundo de hoje, pais, professores e outros agentes educativos enfrentam

Leia mais

Ministério da Justiça. Um guia para os. Procuradores. e para os Inquéritos

Ministério da Justiça. Um guia para os. Procuradores. e para os Inquéritos Ministério da Justiça Um guia para os Procuradores e para os Inquéritos Um guia para os Procuradores e para os Inquéritos Conteúdo 1. O que é um procurador? 3 2. O que é que os procuradores fazem? 4 3.

Leia mais

Reabilitação do Mercado Municipal. Concurso de Ideias. Regulamento

Reabilitação do Mercado Municipal. Concurso de Ideias. Regulamento ARTIGO 1º Enquadramento Reabilitação do Mercado Municipal Concurso de Ideias Regulamento O Concurso de Ideias para a reabilitação do Mercado Municipal (MM), sito na praça do Comércio é uma iniciativa da

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Caros Colaboradores, A missão de Jerónimo Martins é promover a eficiência em todas as suas áreas de negócio,

Leia mais

PRÉMIO LIFE MARPRO REGULAMENTO

PRÉMIO LIFE MARPRO REGULAMENTO PRÉMIO LIFE MARPRO REGULAMENTO ARTIGO 1º Enquadramento 1. O Prémio LIFE Ideias inovadoras para reduzir a captura acidental de Cetáceos e Aves Marinhas nas artes de pesca é uma iniciativa do projeto LIFE+

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA Ano lectivo 2008/2009 DEPARTAMENTO Departamento de Línguas e Culturas CURSO Mestrado em Línguas, Literaturas e Culturas 1.INTRODUÇÃO (máx. meia página)

Leia mais

EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO FOCA FOTO: UMA MUDANÇA NA PERCEPÇÃO DA IMAGEM

EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO FOCA FOTO: UMA MUDANÇA NA PERCEPÇÃO DA IMAGEM 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÕES

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA

PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA Ano 3 Nº 14 Jul 2015 ISSN 2316-8102 PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA por Daniel Pinheiro, Lisa Parra O projeto visa abordar práticas no desenvolvimento de estruturas que potenciem

Leia mais

O QUE É UMA IMAGEM? 1

O QUE É UMA IMAGEM? 1 O QUE É UMA IMAGEM? 1 Leonor Areal 1 Este artigo adopta a ortografia tradicional por opção da autora e por necessidade de distinguir entre imagem óptica e ótica. 2 in A República, apud JOLY, Martine (1999)

Leia mais

DIFERENTES PERCEPÇÕES

DIFERENTES PERCEPÇÕES 1 RESUMO DO TRABALHO DIFERENTES PERCEPÇÕES Colégio Londrinense Alunas: Isadora Ferreira Pelisson Raquel Maria de Barros Orientadora: Wiviane Knott Sá Oliveira Silva Os olhos são considerados uns dos principais

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

Aqui chegados, estamos certos de que o leitor destas linhas consegue rever-se a si ou à sua colectividade neste retrato genérico!!!!

Aqui chegados, estamos certos de que o leitor destas linhas consegue rever-se a si ou à sua colectividade neste retrato genérico!!!! Filarmónica Portuguesa de Paris Todos quantos acompanham de perto o fenómeno filarmónico, sejam músicos, dirigentes ou simples apreciadores das nossas bandas, sabem como é difícil criar, manter e gerir

Leia mais

REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO Concurso Barbot Apoia a Arte Pública

REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO Concurso Barbot Apoia a Arte Pública REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO Concurso Barbot Apoia a Arte Pública Artigo 1.º (Objecto) 1. O Concurso Barbot apoia a Arte Pública é uma iniciativa da Barbot, realizado em parceria com a escola de arte MArt-

Leia mais

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS.

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS. ARTES VISUAIS - HABILIDADE ESPECÍFICA II - PROVA DE CRIAÇÃO - 2 a Etapa ARTES VISUAIS 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II PROVA DE CRIAÇÃO SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se

Leia mais

RESENHA DANTO, Arthur. Andy Warhol. Tradução de Vera Pereira. São Paulo: Editora Cosac Naify, 2012, 208 páginas. Juliana Araújo

RESENHA DANTO, Arthur. Andy Warhol. Tradução de Vera Pereira. São Paulo: Editora Cosac Naify, 2012, 208 páginas. Juliana Araújo RESENHA DANTO, Arthur. Andy Warhol. Tradução de Vera Pereira. São Paulo: Editora Cosac Naify, 2012, 208 páginas. Juliana Araújo Para reconhecer a emblemática figura de Andy Warhol não é necessário deter

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe?

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe? TV Ciência: É considerado que as forças da globalização e marginalização são responsáveis por criarem dificuldades ao desenvolvimento. Pode concretizar esta ideia? Jessica Schafer: A globalização como

Leia mais

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ 1 ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ Rodrigo da Costa Araujo 1 A leitura é sempre o esforço conjugado de compreender e de incorporar (SCHOLES, Robert. Protocolos de Leitura. Edições 70, 1991, p.25) A epígrafe acima,

Leia mais

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Gustavo KRELLING 2 Maria Zaclis Veiga FERREIRA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O produto artístico é uma releitura fotográfica

Leia mais

Astronomia à luz do dia

Astronomia à luz do dia Astronomia à luz do dia (Expresso: 16-05-1998) O Sol revela-nos as suas manchas e a Lua mostra-nos as suas crateras. Vénus e Júpiter estão ao nosso alcance. QUEM nunca observou o Sol através de um telescópio

Leia mais

Para obtermos os dados necessários, estruturámos o estudo da seguinte forma:

Para obtermos os dados necessários, estruturámos o estudo da seguinte forma: Há exactamente três anos, a Dra Isabel Mota, nesta mesma sala, lançava ao GAM Grupo para a Acessibilidade nos Museus o desafio para a apresentação de um projecto. O GAM propôs a realização deste estudo,

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-73-9 Depósito legal: 201828/03

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-73-9 Depósito legal: 201828/03 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. * O leitor consente,

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5 As Redes Sociais e as Vendas www.clubedasvendas.com 1 CDV (Clube das Vendas) Podíamos abordar um pouco a questão do recrutamento, pois há muitos ouvintes

Leia mais

Na introdução a esta dissertação enunciámos um conjunto de questões que

Na introdução a esta dissertação enunciámos um conjunto de questões que CONCLUSÃO GERAL Na introdução a esta dissertação enunciámos um conjunto de questões que nortearam a nossa investigação. Não temos a veleidade de pensar que encontramos respostas para todas elas até porque

Leia mais

Isometrias e Simetria com materiais manipuláveis

Isometrias e Simetria com materiais manipuláveis Notas para o Ensino da Geometria Grupo de Trabalho de Geometria Isometrias e Simetria com materiais manipuláveis Eduardo Veloso, Rita Bastos, Sónia Figueirinhas Temos defendido nesta revista que os alunos

Leia mais

Entrevista a João Fernandes Portugal não tem um circuito para a arte jovem

Entrevista a João Fernandes Portugal não tem um circuito para a arte jovem Entrevista a João Fernandes Portugal não tem um circuito para a arte jovem Por Kathleen Gomes O director do Museu de Arte Contemporânea de Serralves fala sobre a comunidade de jovens artistas do Porto.

Leia mais

Regulamento 1/5. I Tema. II Objectivo

Regulamento 1/5. I Tema. II Objectivo Regulamento 1/5 I Tema Proposta de ocupação efémera para materialização em Outubro de 2012 - do espaço do saguão, galeria, anfiteatro e espaços conexos da Sede da Ordem dos Arquitectos (OA), devidamente

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa T om i e O ht ak e Sem t í t ulo, 1992, s er ig r afi a F ot o: Fau st o F leur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro CADERNO APFN 5 Apostar na Família Construir o Futuro Fevereiro 2002-1 - DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA APFN Acreditamos que: 1. A vida humana deve ser respeitada, reconhecida e protegida desde o momento da

Leia mais

ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR. Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo. coordenação / documentação Teresa Santos

ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR. Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo. coordenação / documentação Teresa Santos ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo coordenação / documentação Teresa Santos O Atelier-Museu Júlio Pomar é um espaço dedicado à conservação, ao estudo e

Leia mais

«O TEMPO DA MÁQUINA DE ESCREVER»

«O TEMPO DA MÁQUINA DE ESCREVER» «O TEMPO DA MÁQUINA DE ESCREVER» Sobre a coleção de máquinas de escrever da Caixa Geral de Depósitos A Máquina de Escrever marcou um período importante na história da tecnologia e a sua evolução foi uma

Leia mais

emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 7

emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 7 J A N U S 1 9 9 7 também conferência em CiberFestival Lisboa Exposição Janus Lisboa, Portugal, Janus Emanuel Dimas de Melo Pimenta título: JANUS autor: Emanuel Dimas de Melo Pimenta ano: Arte, estética

Leia mais

Sequência de Ensino. É primordial que os alunos consigam compreender a ideia de que a Terra é esférica e do efeito gravidade associado a este facto.

Sequência de Ensino. É primordial que os alunos consigam compreender a ideia de que a Terra é esférica e do efeito gravidade associado a este facto. Sequência de Ensino Objectivos Qual a causa dos dias e das noites? E qual a causa das estações do ano? Explicar fenómenos como o dia e a noite e o movimento aparente do Sol. Representar o sistema solar

Leia mais

Concurso de Concepção Cloud Habitar Portugal 2012 14

Concurso de Concepção Cloud Habitar Portugal 2012 14 Concurso de Concepção Cloud Habitar Portugal 2012 14 1/4 1. Enquadramento 2. Objectivo 3. Cloud Hp 2012 14 4. Requisitos 5. Destinatários 6. Concurso 7. Júri 8. Apresentação dos Trabalhos 9. Processo de

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 213. Audiovisuais e Produção dos Media Itinerário de Formação 21305. Fotografia Saída Profissional

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO No ano de 2015 em que o PCG PLANETÁRIO CALOUSTE GULBENKIAN celebra o seu quinquagésimo aniversário, irá decorrer a exposição 50 Anos, 50 Artistas Um olhar sobre o Planetário regulada pelo presente diploma.

Leia mais

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Ana Rita Bernardo Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa, área de PLE/L2 Cientes do apelo que se impõe

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

SANTA #07 ALEX GROSS. art magazine

SANTA #07 ALEX GROSS. art magazine SANTA art magazine #07 ALEX GROSS CRISTINA SALGADO DEBORAH ENGEL DOZE GREEN ESTELA SOKOL FABIO CARVALHO FILIPE BERNDT HELENA TRINDADE HILTON RIBEIRO JAMES KUDO JORGE RODRÍGUEZ AGUILAR LEONARDO RAMADINHA

Leia mais

AS PRÁTICAS NARRATIVAS DE MICHAEL WHITE

AS PRÁTICAS NARRATIVAS DE MICHAEL WHITE AS PRÁTICAS NARRATIVAS DE MICHAEL WHITE (ELDA ELBACHÁ) Foi realmente uma oportunidade estar presente no Workshop de Michael White nos dias 17,18 e 19 de março de 2005, no auditório do Hotel Blue Tree Towers

Leia mais

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas Tirar fotos não é apenas uma ação de apontar a máquina e apertar o botão (a menos que essa seja sua intenção artística). É necessário saber o que vai retratar e como vai

Leia mais

CONCURSO DE FOTOGRAFIA "ENFERMAGEM É CULTURA"

CONCURSO DE FOTOGRAFIA ENFERMAGEM É CULTURA CONCURSO DE FOTOGRAFIA "ENFERMAGEM É CULTURA" A Escola Superior de Enfermagem São Francisco das Misericórdias encontra-se a desenvolver um projecto relacionado com o tema Enfermagem É Cultura, inserido

Leia mais

Dra. Daniela Figueiredo

Dra. Daniela Figueiredo família horizontal, em que as gerações se sucediam, Dra. Daniela Figueiredo Licenciada em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. Doutorada

Leia mais

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Catarina Pombo Nabais No seu último livro, intitulado O que é a Filosofia?, Deleuze e Guattari desenham uma

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

Redes de colaboração:

Redes de colaboração: Redes de colaboração: alguns elementos para análise e reflexão 73 JOSÉ BORBINHA A B S T R A C T R E S U M O As redes de colaboração são estruturas envolvendo vários actores que se coordenam para atingir

Leia mais

Aulas por catálogo Ano lectivo 2007 /2008 Marcações para o 1º Período

Aulas por catálogo Ano lectivo 2007 /2008 Marcações para o 1º Período CATÁLOGO DE AULAS CIÊNCIA VIVA CLUBE DE CIÊNCIA MARTECA Aulas por catálogo Ano lectivo 2007 /2008 Marcações para o 1º Período http://www.uma.pt/oceanografiacosteira/ 1º CICLO 1º ano Aula: O que é um invertebrado?

Leia mais

Todas as ações de formação terão lugar na sede da empresa.

Todas as ações de formação terão lugar na sede da empresa. Luis Pavão Limitada Rua Rafael Andrade, 29-1150-274 Lisboa Telefone e Fax 21 812 68 45 Site: www.lupa.com.pt Correio eletrónico para inscrições: mariamm@lupa.com.pt Plano de Ações de Formação Todas as

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Deborah Engel alegorias, maneiras de ver, por uma teoria da imagem

Deborah Engel alegorias, maneiras de ver, por uma teoria da imagem Deborah Engel alegorias, maneiras de ver, por uma teoria da imagem Fabiana de Moraes Ver não é apenas simples gesto orgânico, mas complexa operação, em que está em jogo a capacidade de cada um de se separar,

Leia mais

PONTNews Solução Comercial de e-marketing

PONTNews Solução Comercial de e-marketing PONTNews Solução Comercial de e-marketing Dossier de Produto DP010.03 02/01/2009 A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais, cuja principal actividade é implementação de Sistemas de Informação

Leia mais

Regulamento dos Concursos

Regulamento dos Concursos Prosepe - Projecto de Sensibilização e Educação Florestal da População Escolar 1 Projecto Prosepe Projecto de Sensibilização e Educação Florestal da População Escolar Ciclo: Olhar Pela Floresta Regulamento

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor As profissões Introdução Preparação da visita A Casa Inacabada é um dos espaços que faz parte da exposição

Leia mais

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução EDITAL CHAMADA ABERTA 1. Introdução A X Bienal de Arquitetura de São Paulo será realizada de 28 de setembro a 24 de novembro de 2013, com a curadoria de Guilherme Wisnik, Ana Luiza Nobre e Ligia Nobre.

Leia mais

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças >>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico as nossas cidades retratadas por crianças ----------------------------------------------------------- departamento de promoção da arquitectura educação pela arquitectura

Leia mais

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA?

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? 18 de junho de 2014 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal

Leia mais

Comunicação à 1ª secção

Comunicação à 1ª secção Comunicação à 1ª secção Denomina-se Ordem dos Advogados a associação pública representativa dos licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos deste Estatuto e demais disposições legais aplicáveis,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO Registo: CCPFC/ACC-76907/14, Nº Créditos: 1, Válida até: 10-02-2017

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS O QUE É O Gira Volei é um jogo fácil, divertido e competitivo destinado aos jovens com idade compreendida entre os 8 e os 16 onde apenas se pode utilizar uma técnica: o passe. OBJECTIVOS: Contribuir para

Leia mais

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Decorreu no primeiro trimestre 2009, um estudo de avaliação de implementação e desempenho dos códigos de barras comerciais, no âmbito do espaço nacional.

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO Módulos 1. Câmaras e Imagens Digitais. 2. Controlar a Exposição. 3. Controlar a Nitidez. 4. Captar Luz e Cor. 5. Compreender as Objectivas. 6. Fotografia com o Flash

Leia mais

REGULAMENTO. Este projecto é composto por exposições fotográficas em espaço público, espectáculos e conferências;

REGULAMENTO. Este projecto é composto por exposições fotográficas em espaço público, espectáculos e conferências; REGULAMENTO Master Class Entre Margens 2013 [ Kameraphoto ] Enquadramento: Entre Margens, promovido pela Fundação Museu do Douro e com autoria e direcção artística da Procur.arte - Associação Cultural,

Leia mais

6. movimentos da câmara fotográfica.

6. movimentos da câmara fotográfica. Ficha de Unidade Curricular Designação - Fotografia Área Científica - FOT Ciclo de Estudos 1º Ciclo/ Lic. Som e Imagem Carácter - Obrigatória Semestre 2º Semestre ECTS - 6 Tempo de Trabalho- Total: 150h

Leia mais

Programa do Curso. Bruno Pelletier Sequeira Entrevista de Sandra Vieira Jürgens *

Programa do Curso. Bruno Pelletier Sequeira Entrevista de Sandra Vieira Jürgens * Bruno Pelletier Sequeira Entrevista de Sandra Vieira Jürgens * Como é que define a sua actividade? Fotógrafo? Professor? Ambas as coisas? Considero-me tanto fotógrafo como professor, embora actualmente

Leia mais

GRAMÁTICA NO ENSINO BÁSICO ± RENASCER DO CAOS OU O EXTERMÍNIO DO MITO?

GRAMÁTICA NO ENSINO BÁSICO ± RENASCER DO CAOS OU O EXTERMÍNIO DO MITO? 36 GRAMÁTICA NO ENSINO BÁSICO ± RENASCER DO CAOS OU O EXTERMÍNIO DO MITO? MARIANA OLIVEIRA PINTO No momento em que se assiste à tentativa de afirmação pedagógica da Terminologia Linguística para os Ensinos

Leia mais