Resumo. Palavras - Chaves: cangaço, estilo, imagem, comportamento, artesania. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo. Palavras - Chaves: cangaço, estilo, imagem, comportamento, artesania. Introdução"

Transcrição

1 Titulo Estilo e Cangaço. A roupa na configuração da imagem dos cangaceiros. Autor Edvane de Araújo e Oliveira Lima Resumo O cangaceiro criou seu próprio estilo. Com a habilidade das mãos, a arte ia surgindo a partir de materiais diversos. Eles tinham os seus artesãos, os melhores de todo o sertão nordestino. Eram considerados artistas naquilo que sabiam fazer, e sua arte se sobressaía das armas aos adereços pessoais que usavam. Eram artesãos de muito talento protegidos e privilegiados por serem fiéis servidores de Lampião. A criação da moda cangaceira inaugurou um estilo que caracterizava e identificava a microsociedade constituída por esses rebeldes, em meio a um universo em que pontuavam coronéis, vaqueiros, agricultores, camponeses, sem-terra, místicos, papa-figos, etc. Lampião, pela elegância, beleza rude dos tecidos e postura heróica do corpo, aparentava superar a sua falta de boa origem por meio da reparação simbólica da moda, bem mais evidente nas Figuragrafias do que nos escritos (LINS, 2000). Para a realização deste trabalho a metodologia utilizada foi à pesquisa bibliográfica, objetivando o estabelecimento do referencial teórico e dos conceitos relativos ao tema e sua contextualização histórica, tendo como fonte: Livros; revistas; jornais; internet; filmes (documentários e artísticos) e entrevista com membros sobreviventes do bando e familiares de Lampião (sua neta). Palavras - Chaves: cangaço, estilo, imagem, comportamento, artesania. Introdução No Brasil, nos últimos anos do Império, depois da grande seca de , com o agravamento da miséria e da violência, começaram a surgir os primeiros bandos armados independentes do controle dos fazendeiros. Por essa época ficaram famosos os bandos de Inocêncio Vermelho e João Calango. Já no começo da república, as condições sociais vão mudando e definindo um novo perfil para o cangaço, que se tornava então força autônoma, sem manter submissão aos feudos, passando a empreender uma luta própria, com objetivos estabelecidos a partir de seus próprios interesses, contra a propriedade dos grandes senhores e contra a ordem social, que recebia a proteção de chefes políticos. Com a proclamação da República em 1889, implanta-se no Brasil o regime federalista, que concedeu uma ampla autonomia às províncias, fortalecendo as oligarquias regionais. O poder dessas oligarquias regionais de coronéis se fortaleceu ainda mais com a política dos governadores iniciada por Campos Sales. Esta política consistia na troca de apoio político entre as oligarquias estaduais e o governo central, o que garantia a eleição, no plano federal, dos candidatos oficiais e, no plano estadual, dos candidatos das forças locais (TEIXEIRA & DANTAS, 1984,p.292). No cenário da primeira república, o cangaço vincula-se por algum tempo com o coronelismo político. O cangaço surgiu no semi-árido do Nordeste, região pobre, cuja principal característica é a existência de

2 períodos secos de estiagem, que desestruturam a economia local, onde a concentração de terras e de água nas mãos de poucos ainda hoje se mantém rigidamente inflexível. A criação da moda cangaceira inaugurou um estilo que caracterizava e identificava a micro-sociedade constituída por esses rebeldes, em meio a um universo em que pontuavam coronéis, vaqueiros, agricultores, camponeses, sem-terra, místicos, papa-figos, etc. Lampião, pela elegância, beleza rude dos tecidos e postura heróica do corpo, aparentava superar a sua falta de boa origem por meio da reparação simbólica da moda, bem mais evidente nas Figuragrafias do que nos escritos (LINS, 2000). Dessa forma, a moda no cangaço apareceu como uma expressão da diferença na grande diversidade formada pela cultura sertaneja, afastando-se dos heróis oficiais e dos bandidos de alta classe. Pela moda, Lampião marcou não apenas uma singularidade, mas se mostrou, instituiu-se e legitimou-se. É como se o charme do cangaço e o toque de classe de Lampião tivessem facilitado o olhar do outro, na tela invisível do universo fantástico - humano, demasiado humano - do cangaço, no que ele tinha de extraordinário e de sonhador. A maioria das biografias de Lampião e Maria Bonita pouco relata a forma como os cangaceiros se vestiam, e muito menos aborda a complexidade funcional e a extrema habilidade demonstrada pelos cangaceiros na distribuição das peças de seu vestuário sobre o corpo, que apresenta, de fato, sua razão de ser. Delineamento do Estilo do Cangaço A criação humana sempre revela um estilo próprio, contextualizado num tempo, e resultante de um determinado gosto, idéia, capricho ou uso passageiro, que expressa a forma das influências do meio. Isto posto, propõe-se um olhar sobre o estilismo no cangaço de forma a revelar a estética vestuária no estilo de vida dos cangaceiros, construído ao longo de 130 anos. Para que melhor se compreenda a definição do estilismo no cangaço necessário se faz conceituar estilo. Kalil, (1996,p. 11) explica que o estilo é o que dá oportunidade de cada pessoa ser absolutamente única, justificando que o estilo é mais do que uma maneira de se vestir: é um modo de ser, de viver e de agir. Baseado nas escolhas particulares, nas preferências, desejos, humores, sem esquecer das fantasias de cada um que também colaboram. Diz Kalil que a moda é uma proposta da indústria e o estilo é uma escolha pessoal. E acrescenta que o estilo não tem muito a ver com a moda porque ela passa, enquanto o estilo permanece. Pesquisar sobre Lampião e moda, conduz inevitavelmente a um estilo. Estilo este construído ao longo da convivência com o modelo de vida fora da lei que, em acontecendo, foi permitindo a Virgulino o contato com contextos, materiais e artifícios que associados a sua inteligência deram oportunidade à manifestação de um potencial privilegiado de criatividade e habilidade no manejo com o novo e com a qualidade. Paulatinamente a finesse foi impregnando a figura rústica do pernambucano de Vila Bela e construindo o estilista do cangaço. Ensinando que vestir é um ato de vontade, consciência e posses. A pesquisa feita para este trabalho sugere pelo menos três grandes momentos históricos da moda cangaceira: (i) Corpo - Imagem Cangaceiro Subjugado (1830 a

3 1900); (ii) Corpo Imagem Cangaceiro Cavalheiresco (1900 a 1926); (iii) Corpo Imagem - Lampião, e o estilismo no cangaço.(1926 a 1938). Corpo - Imagem Cangaceiro Subjugado (1830 a 1900) Segundo Chandler (1986), as palavras cangaceiro e cangaço começaram a ser usadas na década de 30 do século XIX, e se relacionavam à canga ou cangalho, isto é, arreio de madeira que vai sobre o pescoço dos bois, numa alusão à forma como os cangaceiros carregavam os seus rifles deitados sobre as costas e, à sujeição do seu ofício aos fazendeiros. Seu corpo - imagem revelava o poder dos fazendeiros e a sua condição subalterna por servir aos seus propósitos. O jugo era tão forte que sua pertencensa era identificada pela cor do lenço que usavam no pescoço, sendo esta definida pela família a quem serviam. Além dessa particularidade, não se encontra nenhuma outra que lhes revista de alguma dignidade e identidade própria. Crônicas e depoimentos de contemporâneos desse período, atestam o quão maltrapilhos e marginais eles eram considerados pela sociedade de então. Não se verificou nenhuma imagem grafada dos cangaceiros desse período. Isto se deu porque os primeiros cangaceiros eram índios, escravos negros e mulatos que formavam o séquito dos senhores donos de terra. No entanto, os anos de auguras forjaram um novo cangaceiro a partir do início do século XX, quando passaram a operar por conta própria. Corpo Imagem Cangaceiro Cavalheiresco (1900 a 1926) Essa mudança coincide com a entrada no cangaço de jovens abastados, nascidos em respeitáveis famílias de fazendeiros. Sua entrada no cangaço era movida pelo desejo de vingar a violência que, de alguma forma, desgraçava a honra de suas famílias. Tais violências decorriam, principalmente, da disputa pelo poder entre suas famílias. Assim é o caso de Antônio Silvino e Sebastião Pereira, reconhecidos como os primeiros cangaceiros de importância, auferida pela fidalguia de seu berço, de lendárias façanhas no cangaço e levados a entrar no cangaço pela vingança da honra com sangue. A vingança era então considerada pela sociedade como um direito adquirido e também como um dever dos homens de honra. Ou seja, defender e sustentar a posição da família, era a conduta esperada, principalmente dos jovens impetuosos. Na ausência do braço forte da lei e da justiça, imperava a lei mosaica à moda nordestina. Essa aplicação nordestina da lei mosaica olho por olho, dente por dente era tão prestigiada, que qualquer tentativa de impedir o direito à vingança era considerada uma afronta à honra, permitindo, aos ofendidos, fazerem justiça com as próprias mãos. Assim começa a se configurar o estilo do cangaceiro: no banditismo cavalheiresco. Ao observar as Figuras 01 e 02, pode-se comparar a diferença de estilos. Na Figura 01, a fidalguia do corpo - imagem de Antônio Silvino e Sebastião Pereira, com suas vestes impecáveis de jovens abastados: paletó de linho branco, que até o mês passado, lá no campo, ainda era flor 3. Lampião e Antônio Ferreira, seu irmão, se exibiam trajados de cavalheiros justiceiros. A marca era a calça de riscado e o paletó! 3 Trecho da música Mucuripe com letra de Fagner e Belchior, que retrata estilo de moda da época citada.

4 Figura 1 Figura 2 Na Figura 1, os jovens exibem trajes impecáveis, acessíveis somente àqueles nascidos em famílias abastadas. São roupas tipicamente masculinas em gosto na década de 20, fortemente influenciadas pelo estilo inglês. Nas camisas, um peitilho sobreposto e punhos de tecido nobre: cambraia de linho ou seda inglesa. O colarinho era rígido e suposto como era o costume. As gravatas de seda, muito curtas chegam só até a altura do peito. A calça apresenta um gancho alto, corte reto e perna curta, deixando à mostra o sapato. Os cabelos untados, provavelmente de brilhantina, denotam esmero e requinte dos jovens abastados. A posição das figuras na Figura obedece ao protocolo que revela a posição hierárquica entre os dois cangaceiros. Evidentemente, está explícito que Sinhô Pereira, por estar sentado, goza de maior prestigio, apesar de ser mais moço. Figura 3 A mesma influência inglesa, copiada dos cangaceiros mais abastados, é facilmente observada na estrutura dos paletós e calças da *Figura 2 4 onde posam Lampião e seu irmão Antônio Ferreira. Embora o estilo inglês esteja replicado nestas vestes, aquilo que irá caracterizar o estilo cangaço já é perceptível. A dificuldade de 4 * Figura 02 (ver pág. 10)

5 acesso a peças refinadas de vestuário faz com que a distinção do estilo seja bem diferente, porém sua silhueta é a mesma. Sendo assim, no paletó percebe-se que as ombreiras permanecem sem ampuletas. A estrutura superior continua acinturada mas, a inferior se soltou e recebeu bolsos laterais, de formato e tamanho diferentes, de acordo com o uso costumeiro da região. A gravata de seda foi substituída pelo lenço, porém, mantendo a mesma altura. A calça imita o mesmo corte e modelo. As vestes são confeccionadas com risca de giz mas recebem o cangalho de couro, lençóis de forro e coberta, enrolados junto ao corpo e por baixo da cangalha, e bem como as primeiras alfaias e atavios que iriam dar o tom no estilismo do cangaço: as alianças substituindo o nó da gravata, os rebites nas alças fixadoras dos chapéus, as peças metálicas nas alças dos rifles e o punhal. Em todas as peças por eles usadas na Figura 2, é nos acessórios que se constata a intensidade e o impacto da leitura de Lampião sobre o corpo-imagem do cangaceiro. Lampião usa alpercatas de couro; chapéu com aba frontal batida e costuras na horizontal e barbicachos laterais de couro e seu irmão, Antônio, usa fanabou e o chapéu de massa, embora com rebites. É importante destacar que os irmãos Ferreira não tomaram por empréstimo este corpo imagem dos seus ídolos Sinhô Pereira e Luís Padre. Sua expressão é genuína, uma vez que eles também eram jovens fazendeiros, que entraram no cangaço para lavar a honra com sangue, vingando a morte do seu pai assassinado, em decorrência de uma peleja com a família rival, portanto, a origem do seu requinte cavalheiresco era, essencialmente, o mesmo dos seus heróis. E ainda, Lampião não só apreciava alfaias como era também, na realidade, reconhecidamente um exímioalfaiate. Este é um dado importante na perspectiva que este trabalho pretende destacar: a moda cangaceira. Um estilo construído a partir de uma realidade histórico-social marcadamente influenciada pelo contexto físico que lhe serve de cenário e termina por funcionar como determinante. Em suma, o estilo cavalheiresco de Antônio Silvino e de Sebastião Pereira, inspirou muitos jovens da época, que se, por acaso, eram forçados a seguir o mesmo caminho, tomavam, por exemplo, aqueles célebres cangaceiros. Foi o que aconteceu com Lampião, considerado como o mais célebre entre todos os cangaceiros. O ano de 1926 é um marco histórico na vida de Lampião, pois neste ano recebe a patente de capitão e serve momentaneamente ao governo no combate à coluna Prestes. A Figura 3, apresenta um Lampião com as vestes de voluntário do Batalhão Patriótico. Corpo Imagem - Lampião e o estilismo no cangaço.(1926 a 1938) A ruptura de Lampião com a condição de defensor público dá início ao estilo de indumentária desenvolvido por Lampião e adotado por seus seguidores. O estilismo no cangaço se expressa nas vestimentas, baseado na vingança, como já foi esclarecido, no poder paralelo, no paulatino enriquecimento devido aos freqüentes saques, na fé, no prazer, que começa para todos quando Maria Bonita chega, aparentemente, como a primeira mulher a ingressar no bando e na sobrevivência. (CHANDLER, 1980,p.176) Lampião e Maria Bonita conheceram-se em 1929 e, um ano depois ficaram juntos para sempre. Ela era conhecida como Dona Maria Neném e casada. Era bem mais

6 jovem que Lampião e por ser considerada muito bonita ganhou a alcunha de Maria Bonita dos policiais que perseguiam o grupo. No bando era chamada respeitosamente de Dona Maria. Sua entrada no bando abriu espaço para que outras mulheres viessem a integrá-lo na condição de companheiras. Como eram nômades, não tinham os tradicionais deveres de uma dona de casa, no entanto, passavam a maior parte do tempo costurando, fazendo suas próprias roupas e as dos cangaceiros ou enfeitando objetos tais como os bornais. Além dos enfeites, havia o cuidado em imprimir às peças costuradas condições de proteção à aridez do sertão e à violência dos combates. Logo foi adquirida uma máquina de costura para o acampamento. Enamorar-se provocou uma mudança tremenda na indumentária e no estilo de vida do cangaceiro. Segundo Chandler (1980,p. 177), as mulheres trouxeram amadurecimento, menos guerra e mais limpeza, conseqüentemente, maior cuidado estético quando em momentos de descanso e festa. Virgulino Ferreira, o Lampião, bandoleiro das selvas nordestinas, sem temer a perigo nem ruínas foi o rei do cangaço no sertão. Mas um dia sentiu no coração o poder atrativo do amor, a mulata da terra do condor dominava uma fera perigosa. Mulher nova bonita e carinhos, faz o homem gemer sem sentir dor. 5 Por outro lado, o enriquecimento paulatino do bando trouxe-lhe condições de aprimorar a estética das indumentárias e enriquecer os adereços, aviamentos e enfeites, que muitas vezes representavam símbolos de proteção espiritual, como expressão da fé dos membros do bando. Cangaço um estilo, um movimento social, uma região brasileira. Tomando-se o Brasil atual e considerando a temática aqui abordada, fica fácil compreender Virgulino Ferreira como o criador e promotor de um estilo. Estilo concebido por Kalil (1996,p. 11) como mais que uma maneira de se vestir: é um modo de ser, de viver, de agir. São suas escolhas particulares, suas preferências, seus desejos, humores e até mesmo suas fantasias (...) O estilo é uma escolha pessoal. Embora possa parecer estranho, na vaidade o estilo permanece. É nessa concepção de estilo que fica sintetizado todo o desenvolvimento da idéia mostrada neste trabalho: apresentar Virgulino Ferreira como estilista nato que, ao longo do tempo, mantendo contato com modelos e artigos novos, foi naturalmente incorporando-os em suas criações pessoais, aperfeiçoando uma linha-maneira de vestir, trajar-se, identificada como da verve de Lampião. E é também naquela concepção de Kalil que tem respaldo a outra idéia esplanada neste trabalho: o estilo de Lampião convive no âmago da moda brasileira ressurgindo de tempos em tempos através da criatividade de inúmeros estilistas nacionais. Seu estilo cria um ícone de representação da cultura e do povo nordestino. 5 Trecho da música Mulher nova, bonita e carinhosa faz o homem gemer sem sentir dor, de Zé Ramalho e Otacílio Batista.

7 Referencias bibliográficas CHANDLER, Billy Jaynes Lampião o rei dos cangaceiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, KALIL, Glória - Chic Homem guia básico de moda e estilo. São Paulo: Ed. Senac, LINS, Daniel Soares. A moda do tempo do cangaço. In: Universidade Aberta, s/d.. Lampião: o homem que amava as mulheres. São Paulo: Annablue, Moda em tempo de cangaço. In: Jornal Diário do Nordeste, disponibilizado em Acesso em TEIXEIRA Francisco M. P. & DANTAS José História do Brasil da Colônia à República. 2ª ed., São Paulo: Ed. Moderna, 1984.

Influência da moda do cangaço da época de Lampião e Maria bonita na produção de moda de atuais estilistas brasileiros

Influência da moda do cangaço da época de Lampião e Maria bonita na produção de moda de atuais estilistas brasileiros 10.4025/6cih.pphuem.552 Influência da moda do cangaço da época de Lampião e Maria bonita na produção de moda de atuais estilistas brasileiros Joice Vieira dos Santos (UEM - Cianorte) Franciele Menegucci

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

PLANO COREOGRÁFICO TEMA: O SERTÃO E O CANGAÇO

PLANO COREOGRÁFICO TEMA: O SERTÃO E O CANGAÇO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA IFSC - CAMPUS JOINVILLE CURSO DE ASSISTENTE EM PRODUÇÃO CULTURAL PRONATEC TURMA 1 2013 PLANO COREOGRÁFICO TEMA: O SERTÃO E O CANGAÇO

Leia mais

D i c a s e E s t i l o s p a r a N o i v o s O q u e u s a r?

D i c a s e E s t i l o s p a r a N o i v o s O q u e u s a r? O q u e u s a r? Smoking Black Tie: Para um casamento moderno, luxuoso e realizado durante à noite. Composição: As lapelas com detalhes em cetim, camisa branca, podendo ser plissada no peito. A gravata

Leia mais

O Erotismo. através do bilhete postal ilustrado. Prefácio de Baptista-Bastos

O Erotismo. através do bilhete postal ilustrado. Prefácio de Baptista-Bastos O Erotismo através do bilhete postal ilustrado Prefácio de Baptista-Bastos ndice Apresentação 4 Prefácio 6 O Nu 16 O Nu com Adorno 32 O Beijo 44 Arcimboldesco 50 Pecados Capitais 56 A Meia como Símbolo

Leia mais

Na área frontal da arena estava presentes o Grande Mestre do Santuário, também conhecido como Papa, sua função era ser o porta voz da Deusa o mais

Na área frontal da arena estava presentes o Grande Mestre do Santuário, também conhecido como Papa, sua função era ser o porta voz da Deusa o mais Dois anos se passaram desde os últimos acontecimentos, o Santuário de Atena começava a se anunciar diante de seus novos cavaleiros, era apresentado a nova geração de honrados e guerreiros, era uma tarde

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA INTRODUÇÃO A História da Educação Física relaciona-se com todas as ciências que estudam o passado e o presente das atividades humanas e a sua evolução. O homem, condicionado

Leia mais

MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI. MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI

MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI. MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI Chapéu de palha encapado com veludo preto, decorado com renda branca franzida na borda arabescos e acabamento feito com galão dourado,

Leia mais

problemas ligados a construção de uma estrada de ferro. Esta estrada de ferro acabou desalojando parte da população local, além de gerar desemprego e

problemas ligados a construção de uma estrada de ferro. Esta estrada de ferro acabou desalojando parte da população local, além de gerar desemprego e Movimentos sociais * A República Oligárquica foi um período turbulento. Várias revoltadas sacudiram o país. * No geral, estas revoltas mostravam insatisfação diante de um sistema de governo que alterava

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE 11º Colóquio de Moda 8ªEdição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE The youth fashion

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DESANTA CATARINA IFSC-CAMPUS JOINVILLE CURSO DE ASSISTENTE EM PRODUÇÃO CULTURAL-PRONATEC TURMA 1 2013 PLANO COREOGRÁFICO TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA CARLOS

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Amanda Medeiros Cecília Aragão Mais importante do que a roupa é a vida que se vive dentro da roupa. A gente é mais bonita quando está feliz. Quem se

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Luiza Wainer UMA REFLEXÃO SOBRE A CONDIÇÃO DO HOMEM LIVRE NO ROMANCE FOGO MORTO, DE JOSÉ LINS DO REGO São Paulo/SP

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

Feminino. Tipos de corpo. Ampulheta

Feminino. Tipos de corpo. Ampulheta O guia de tamanho será desenvolvido para auxiliar os e-consumidores, no momento da compra. O e-consumidor terá disponível um guia de auxilio a medidas, de forma que permitirá que o mesmo obtenha informações

Leia mais

Lampião: de olho em. violência e esperteza ISABEL LUSTOSA. Pesquisadora titular da Fundação Casa de Rui Barbosa

Lampião: de olho em. violência e esperteza ISABEL LUSTOSA. Pesquisadora titular da Fundação Casa de Rui Barbosa ISABEL LUSTOSA Pesquisadora titular da Fundação Casa de Rui Barbosa de olho em Lampião: violência e esperteza Coordenação Lilia Moritz Schwarcz e Lúcia Garcia Copyright do texto 2011 by Isabel Lustosa

Leia mais

PCC PROFESSIONAL COACH CERTIFICATION

PCC PROFESSIONAL COACH CERTIFICATION 1. Valores individuais 1. Dignidade 2. Respeito por si próprio 3. Respeito pela natureza e pelo meio ambiente 4. Respeito pelo próximo 5. Igualdade 6. Liberdade 7. Amor 8. Conexão com o próximo ou interdependência

Leia mais

A RELAÇÃO CULTURA E MODA. Carmem Lúcia de Oliveira MARINHO, Faculdade Senac Pernambuco, Professora. carmemmarinho@yahoo.com.br.

A RELAÇÃO CULTURA E MODA. Carmem Lúcia de Oliveira MARINHO, Faculdade Senac Pernambuco, Professora. carmemmarinho@yahoo.com.br. A RELAÇÃO CULTURA E MODA Carmem Lúcia de Oliveira MARINHO, Faculdade Senac Pernambuco, Professora. carmemmarinho@yahoo.com.br. Introdução Vivemos em uma sociedade complexa, na qual grupos heterogêneos

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

"JOSÉ LEÃO, UM MITO SANTO E O CLAMOR DE UM POVO POR JUSTIÇA".

JOSÉ LEÃO, UM MITO SANTO E O CLAMOR DE UM POVO POR JUSTIÇA. "JOSÉ LEÃO, UM MITO SANTO E O CLAMOR DE UM POVO POR JUSTIÇA". Capela de José Leão. Erguida em honra ao jovem assassinado no ano de 1877. Fonte: Foto do Portal Cabuginet. A História de José Leão é cercada

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

FICHA DE FIGURINO. Linha estética. Preto Cor base. Vermelho. Branco. Azul. Marrom PALETA DOS CINCO TONS

FICHA DE FIGURINO. Linha estética. Preto Cor base. Vermelho. Branco. Azul. Marrom PALETA DOS CINCO TONS FICHA DE FIGURINO PALETA DOS CINCO TONS Vermelho Preto Cor base Branco Marrom Azul Linha estética O figurino é essencial na composição de um personagem, pois é como se fosse uma máscara que o ator irá

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO.

PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO. PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA 2012 TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO. POR QUE TRABALHAR LUIZ GONZAGA? Luiz Gonzaga é um mestre da música. Foi ele

Leia mais

Entre cortes e costuras: investigações acerca da produção e comercialização da roupa esportiva em Belo Horizonte (1930-1950).

Entre cortes e costuras: investigações acerca da produção e comercialização da roupa esportiva em Belo Horizonte (1930-1950). Entre cortes e costuras: investigações acerca da produção e comercialização da roupa esportiva em Belo Horizonte (1930-1950). Bicalho da Cunha, Luciana 1 Resumo As vestimentas e os equipamentos destinados

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS AO NOSSO JARDIM, E APRECIEM AS NOSSAS MAIS BELAS FLOWERS.

SEJAM BEM VINDOS AO NOSSO JARDIM, E APRECIEM AS NOSSAS MAIS BELAS FLOWERS. A natureza é sempre contemplativa em qualquer época do ano. Nosso irmão sol, nosssa irmã lua, água fonte de vida, e a mãe terra com inúmeras espécies de flores. Flores agraciadas e perfumadas, no quarto,

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor,

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor, PREFÁCIO DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil Prezada leitora, estimado leitor, Ao longo dos séculos, a pobreza foi um fenômeno cercado de interesses e de preconceitos. Houve momentos

Leia mais

HISTÓRIA ANTIGUIDADE

HISTÓRIA ANTIGUIDADE HISTÓRIA Não é possível determinar a época em que o ser humano começou a adotar o vestuário. Acreditase, no entanto, que a moda começou possívelmente motivada por razões que vão desde a proteção contra

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

As CASAS DE CARIDADE E A EDUCAÇÃO FEMININA: UM PROJETO DE PADRE IBIAPINA PARA O SERTÃO NORDESTINO

As CASAS DE CARIDADE E A EDUCAÇÃO FEMININA: UM PROJETO DE PADRE IBIAPINA PARA O SERTÃO NORDESTINO As CASAS DE CARIDADE E A EDUCAÇÃO FEMININA: UM PROJETO DE PADRE IBIAPINA PARA O SERTÃO NORDESTINO Natália Oliveira de Lima Universidade Estadual da Paraíba natalialiima@hotmail.com Introdução O presente

Leia mais

Roupas e acessórios mais seguros. 1. Introdução

Roupas e acessórios mais seguros. 1. Introdução Roupas e acessórios mais seguros 1. Introdução Há um número muito grande de criminosos que atuam em vias públicas e locais de aglomeração de pessoas, como lojas, shoppings, ou mesmo nas ruas mais movimentadas,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca RIO DE JANEIRO, 9 DE SETEMBRO DE

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

Independência da América Espanhola

Independência da América Espanhola Independência da América Espanhola Nossa América No início do século XIX a América hispânica, inspirada nas idéias liberais do Iluminismo, travou sua guerra de independência vitoriosa contra o colonialismo

Leia mais

agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça

agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça :: EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS Feltros do Mundo. Arquitecturas de Cabeça Inserida no âmbito das actividades promovidas em S. João da Madeira a propósito

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você?

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Talvez você já tenha pensado a esse respeito, ou não. Se souber definir bem quais são os seus valores, terá uma noção clara de quais são suas prioridades.

Leia mais

IX FESTIVAL REGIONAL DE QUADRILHAS DO ARAGUAIA 2ª Edição em Ribeirão Cascalheira MT. De 25 a 27 de junho de 2010

IX FESTIVAL REGIONAL DE QUADRILHAS DO ARAGUAIA 2ª Edição em Ribeirão Cascalheira MT. De 25 a 27 de junho de 2010 IX FESTIVAL REGIONAL DE QUADRILHAS DO ARAGUAIA 2ª Edição em Ribeirão Cascalheira MT. De 25 a 27 de junho de 2010 Mais uma vez, em Ribeirão Cascalheira, realizamos o Festival Regional de Quadrilhas de Araguaia,

Leia mais

República de Moçambique. Presidência da República

República de Moçambique. Presidência da República República de Moçambique Presidência da República Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique e Comandante-Chefe das Forças de Defesa e Segurança, por ocasião

Leia mais

humanidades reproduções do livro estrela de couro A estética do cangaço 80 n outubro DE 2010 n PESQUISA FAPESP 176

humanidades reproduções do livro estrela de couro A estética do cangaço 80 n outubro DE 2010 n PESQUISA FAPESP 176 humanidades reproduções do livro estrela de couro A estética do cangaço 80 n outubro DE 2010 n PESQUISA FAPESP 176 [ HISTÓRIA ] Luxo místico e riqueza marcam a estética do cangaço Corisco, um dos cangaceiros

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

R E G U L A M E N T O UNIFORMES ESCOLARES E FARDAS DE TRABALHO

R E G U L A M E N T O UNIFORMES ESCOLARES E FARDAS DE TRABALHO R E G U L A M E N T O UNIFORMES ESCOLARES E FARDAS DE TRABALHO Outubro 2015 1 UNIFORMES E FARDAS DE TRABALHO Os uniformes escolares e fardas de trabalho integram a imagem das Escolas de Hotelaria e Turismo

Leia mais

"Todas as artes contribuem para a maior de todas as artes, a arte de viver." (Bertold Brecht)

Todas as artes contribuem para a maior de todas as artes, a arte de viver. (Bertold Brecht) Estagio Meu estagio também foi realizado nesta escola, acompanhei as aulas de arte ministrada pelo professor Jocymar na 8ºC vespertino. Ela cedeu duas aula para eu aplicar o meu projeto na mesmo turma.

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto Fotos necessárias para a confecção da estatueta Todo o trabalho é referenciado em fotos, ou seja, não nos responsabilizamos por material fotográfico que confecção, para isto criamos este guia, para atender

Leia mais

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC Escola Secundária Ferreira Dias Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos Curso técnico de vitrinismo Disciplina: TIC Professora: Vanda Pereira Novembro de 2013 Índice Introdução... 1 Moda dos

Leia mais

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL 1 DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com) A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

As sete maravilhas de Fortaleza

As sete maravilhas de Fortaleza As sete maravilhas de Fortaleza Esse ano foi marcado pela entrada do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, para a lista das sete maravilhas do mundo moderno. Seguindo esta corrente mundial, várias cidades

Leia mais

O CORPO E A ALMA II O CORPO E A ALMA II

O CORPO E A ALMA II O CORPO E A ALMA II O CORPO E A ALMA II Assim como o Livro de Yona, em um outro nível de entendimento, faz um paralelo entre o corpo e a alma, como foi explicado pelo Gaon de Vilna, da mesma forma ele explicou o Livro de

Leia mais

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico).

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Arte 1º. Ano do Ensino Médio 1º. Trimestre - Conteúdo Avaliativo: Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Períodos Artísticos: Pré-História/Idade Antiga

Leia mais

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em DEDICATÓRIA Dedico esta obra a todos os leitores de Uma Incrível História Euro-Americana no período em que esta foi postada no blog Dexaketo, tornando-a o folhetim mais lido na história do blog até meados

Leia mais

Administração Contemporânea aplicada ao Serviço Especializado de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho SESMT Autor: Vitor Couto Cavalcanti

Administração Contemporânea aplicada ao Serviço Especializado de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho SESMT Autor: Vitor Couto Cavalcanti Administração Contemporânea aplicada ao Serviço Especializado de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho SESMT Autor: Vitor Couto Cavalcanti Data: 11 de agosto de 2013 Administração Contemporânea

Leia mais

Prezado Formando, Setor de Cerimonial e Eventos

Prezado Formando, Setor de Cerimonial e Eventos /// 2º semestre de 2013 Prezado Formando, Para o sucesso de sua Colação de Grau, leia com atenção as orientações deste guia e repasse-as aos seus familiares e convidados. Setor de Cerimonial e Eventos

Leia mais

CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA. A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios.

CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA. A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios. CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios. INTRODUÇÃO É uma faixa de terra cortada por dois grandes rios: o Tigre e o Eufrates; Fica situada entre a Europa, a

Leia mais

Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo.

Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo. Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo. Biquíni Ideal Aquelas que têm seios grandes precisam antes de tudo de sustentação. Tops com alças

Leia mais

A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão

A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão 1 Reis 15:9-15 No ano vinte do reinado de Jeroboão em Israel, Asa se tornou rei de Judá 10 e governou quarenta e um anos em Jerusalém. A sua avó foi Maacá, filha

Leia mais

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960 Maíra Zimmermann Data da defesa: 15/MAIO/2009 Instituição: Centro Universitário Senac No período relativo ao segundo pós-guerra, com o

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Maringá-PR, Brasil, Primavera de 2013.

Maringá-PR, Brasil, Primavera de 2013. UNIDADE, LUTA E PROGRESSO Dr. Ronelson Furtado Balde Advogado - Membro da Ordem dos Advogados do Brasil Pós-graduado em Direito do Trabalho e Previdenciário INTRODUCÃO A população da Guiné-Bissau passa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

ROTEIRO- Hoje é festa de São João

ROTEIRO- Hoje é festa de São João ROTEIRO- Hoje é festa de São João INT. CASA DE MARIA - QUARTO - NOITE A cidade de Campina Grande estar em festa, é noite de São João. Da janela do quarto, MARIA uma mulher sonhadora, humilde, recém-chegada

Leia mais

APÊNDICE V. Modelos de Uniforme e Crachá

APÊNDICE V. Modelos de Uniforme e Crachá APÊNDICE V Modelos de Uniforme e Crachá MARÇO DE 2016 1 23 ÍNDICE 1.1. Apresentação...3 1.2. Tecidos...3 2.1. Gerente Feminino...5 2.2. Atendente Feminino...7 2.3. Gestante...9 2.4. Orientador Feminino...

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Os Símbolos Nacionais

Os Símbolos Nacionais Os Símbolos Nacionais Falar das origens das bandeiras, dos hinos, dos brasões de armas e dos selos não é tarefa fácil uma vez que o homem sempre tentou registrar seu dia a dia, seus feitos, sua passagem

Leia mais

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro CONFEITARIA COLOMBO Rio de Janeiro A Confeitaria Colombo é a memória viva da belle époque do Rio de Janeiro antigo, situada na rua Gonçalves Dias e foi fundada em 1894 pelos portugueses Joaquim Borges

Leia mais

ANEXO A FIGURAS. Figura 1: Vista parcial da frente de São Caetano de Odivelas. Em primeiro plano o rio Mojuim. (Fotografia: Silvia Silva / 2003)

ANEXO A FIGURAS. Figura 1: Vista parcial da frente de São Caetano de Odivelas. Em primeiro plano o rio Mojuim. (Fotografia: Silvia Silva / 2003) 105 ANEXO A FIGURAS *Fotografias selecionadas a partir da coletânea de imagens feitas durante a pesquisa de campo, realizada de 17 de maio a 11 de julho de 2003, na cidade de São Caetano de Odivelas. Figura

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos:

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos: Princípios de Composição do Vestuário Para trabalhar com roupas mais elaboradas é importante conhecer os princípios de composição do vestuário. Neste nicho de mercado, este tipo de peça é desenvolvido

Leia mais

São Paulo, 20 de maio de 2006. Projeto por:

São Paulo, 20 de maio de 2006. Projeto por: Identidade Visual São Paulo, 20 de maio de 2006 Projeto por: Objeto da prestação de serviço: Concepção de nome e identidade Visual Objetivo da prestação de serviço: A partir das necessidades apresentadas

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA VESTIMENTA NA ENTREVISTA DE EMPREGO Lívia Marsari Pereira e Michele Santos Tentor*

A IMPORTÂNCIA DA VESTIMENTA NA ENTREVISTA DE EMPREGO Lívia Marsari Pereira e Michele Santos Tentor* A IMPORTÂNCIA DA VESTIMENTA NA ENTREVISTA DE EMPREGO Lívia Marsari Pereira e Michele Santos Tentor* Resumo: Este estudo, feito por meio de um levantamento teórico, tem como objetivo evidenciar o valor

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

UNIFORME DE OFICIAL R/2 (ORIENTAÇÕES)

UNIFORME DE OFICIAL R/2 (ORIENTAÇÕES) UNIFORME DE OFICIAL R/2 (ORIENTAÇÕES) PEÇA ESPECIFICAÇÃO USO AQUISIÇÃO OBSERVAÇÕES SAPATO Social preto, padrão militar, com cadarço. Preferencialmente em lojas militares Evitar uso de sapato social com

Leia mais

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS 1 CARTA DA TERRA A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade que seja justa, sustentável e pacífica. Ela diz o que devemos fazer para cuidar do mundo:

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Concepção e desenvolvimento de desenho. Modelagem. Montagem. Técnicas de aprimoramento. Fichas técnicas. Processo de padronização. Mostruário.

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A RUPTURA COM O ACADEMICISMO E A FORMAÇÃO DA PROFISSÃO DO FIGURINISTA DE DANÇA

A RUPTURA COM O ACADEMICISMO E A FORMAÇÃO DA PROFISSÃO DO FIGURINISTA DE DANÇA A RUPTURA COM O ACADEMICISMO E A FORMAÇÃO DA PROFISSÃO DO FIGURINISTA DE DANÇA The Break with Academicism and the Formation of the Profession of Dance Costume Designer Marcela Sales de Alencar, Bacharelado

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 656

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 656 Compras - Natal Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Pierre Bergé, o companheiro de sua vida

Pierre Bergé, o companheiro de sua vida Yves Saint Laurent Quando criança, Yves Saint Laurent tinha uma característica que saltava aos olhos: a imaginação. Era muito inteligente e usava a timidez como um recurso a ser aproveitado, e não um problema

Leia mais

A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837)

A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837) A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837) Há muitos anos, vivia um imperador que gostava tanto de vestimentas novas e bonitas, que gastou todo o seu dinheiro a vestir-se bem. Não se preocupava

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A MODA NO EXTREMO SUL DO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX E PRINCÍPIO DO XX

UMA REFLEXÃO SOBRE A MODA NO EXTREMO SUL DO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX E PRINCÍPIO DO XX IX Colóquio De Moda Fortaleza(CE)-2013 UMA REFLEXÃO SOBRE A MODA NO EXTREMO SUL DO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX E PRINCÍPIO DO XX A REFLECTION ON FASHION IN SOUTHERN BRAZIL IN THE LATE NINETEENTH AND

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

FORMANDOS DO CURSO TÉCNICO EM FLORESTAS INTEGRADO REALIZAM EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS

FORMANDOS DO CURSO TÉCNICO EM FLORESTAS INTEGRADO REALIZAM EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS FORMANDOS DO CURSO TÉCNICO EM FLORESTAS INTEGRADO REALIZAM EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS Toda a comunidade escolar teve a oportunidade de visitar a exposição que ocorreu no início do mês de maio, no CEFEP Presidente

Leia mais