Mestrado em Engenharia de Produção UFSC Graduação em Engenharia Mecânica UFPR Professor do MBA de Logística FGV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mestrado em Engenharia de Produção UFSC Graduação em Engenharia Mecânica UFPR Professor do MBA de Logística FGV"

Transcrição

1 Mestrado em Engenharia de Produção UFSC Graduação em Engenharia Mecânica UFPR Professor do MBA de Logística FGV Livros recentes: Estratégias de Compras 90 páginas, 2006, Editora Ciência Moderna, adotado no MBA de Logística da FGV 2009 Essays in Management 10 paradoxes for reflexion - 90 páginas, 2006, amazon.com Logistics Strategies Topics for discussion 142 páginas, 2007, amazon.com Userchain End user logistics 164 páginas, 2008, amazon.com, adotado por Dr. Dale S. Rogers no curso Supply Chain Management, University of Nevada. Negotiation Basics 60 páginas, 2009, amazon.com Atualmente, Presidente da Petronect, coligada da Petrobras para contratações eletrônicas 04/ /2008, Gerente de Departamento de Contratos e Compras, Petrobras America, Inc, Houston, TX, EUA 02/ /2006, Gerente Executivo de Materiais, Área de Serviços, Petrobras 1

2 Apresentação dos participantes 2

3 Valor no tempo zero apenas tempo cavanha.com 3

4 Custos idênticos ao longo do tempo tempo tempo Comparação pelo Valor Presente Líquido tempo Exemplos de Valor Presente Líquido, juros, tempo (excel vpl como calcular) tempo cavanha.com 4

5 Custos ao longo do tempo cavanha.com Desvios, problemas ajustes instalações Curva U Final da garantia Risco de falhas Obsolescência Redução de performance Incompatibilidade com novas soluçòes descarte Zona de operabilidade tempo cavanha.com 5

6 TCO2 Cobertura do TCO projeto fabricação TCO1 logística pagamento Vida útil TCOn TCO3?? Simulações com diversas coberturas de TCO TBU 6

7 Estratégia de procurement Complexidade de mercado alta gargalos Gerenciando fontes Contratos de longo prazo, consórcios, coordenação central Gerenciando compras Terceirização, padronização, catálogos, automação estratégicos Gerenciando fornecedores Parcerias, integração vertical, desenvolvimento de fornecedores Gerenciando itens Contratos de curto prazo, substituição, consolidação oportunidades Criticidade do item alavancagem alta Criticidade do Item para Empresa (eixo X - Fatores Internos) Complexida de do Mercado (eixo Y - Fatores Externos) 1. Gasto total com os itens 2. Risco do nãoabastecimento 3. Criticidade de fornecimento e Logística 4. Risco de Não conformidade do material 1. Nível de competitividade do Mercado Fornecedor 2. Domínio da tecnologia pelo fornecedor 3. Mercado Nacional desenvolvido Critérios para Definição de Criticidade e Complexidade Definição das principais estratégias a serem seguidas através s da Matriz de Avaliação da Criticidade do Item e Complexidade do Mercado Fornecedor Eixos Critérios Peso Considerações 30% 20% 20% 30% 50% 30% 20% Valor comprado em R$ Impacto no custo do produto Impacto na produção/empresa pelo não abastecimento Complexidade Dificuldade de atendimento de emergência Risco segurança/ambiental, de parada de Produção e Qualidade do produto devido a não conformidade Fornecedores dominantes Falta de alternativas de fornecimento Existência de cartel, monopólio Impacto da tecnologia na competição de mercado Necessidade utilização de fornecedores internacionais para atendimento da necessidade 7

8 - Criticidade do Item para a Empresa - Critérios de Pontuação: Criticidade Interna Gasto Total com os Itens (Peso = 30%) 5 -> Maior que R$ 50 Mi 4 -> De R$ 50 Mi a R$ 30 Mi 3 -> De R$ 30 Mi a R$ 10 Mi 2 -> De R$ 10 Mi a R$ 5 Mi 1 -> Abaixo de R$ 5 Mi Risco do Não Abastecimento (Peso = 20%) 5 -> Falta dos itens pára a produção 3 -> Falta dos itens impacta parcialmente a produção 1 -> Falta dos itens não tem impacto sobre a produção Criticidade de Fornecimento e Logística (Peso = 20%) 5 -> Itens de logística difícil (importados, frete especial, atendimento de emergências crítico ) 3 -> Itens de logística com alguma dificuldade 1 -> Itens de logística fácil (nacionais, atendimento fácil em emergências, possíveis compras regionais ) Risco de Não-conformidade do Material (Peso = 30%) 5 -> Não conformidade dos itens impacta diretamente a qualidade do produto final, segurança e meio ambiente (vazamentos, contaminação, risco de vida para funcionários/terceiros ) 3 -> Não conformidade dos itens impacta parcialmente a qualidade do produto final, segurança e meio ambiente 1 -> Não conformidade dos itens não tem impacto na qualidade do produto final, segurança e meio ambiente Critérios de Pontuação: Complexidade do Mercado Fornecedor - Complexidade do Mercado Fornecedor - Número de Fornecedores, Dominância e Nível de Competição (Peso = 50%) 5 -> Pouquíssimos fornecedores, 1 fornecedor domina o mercado, monopólio 3 -> Poucos fornecedores, mercado concentrado nos maiores fornecedores, competição organizada (possível prática de cartel) 1 -> Muitos fornecedores, sem domínio claro de mercado, competição livre Domínio da Tecnologia pelo Fornecedor (Peso = 30%) 5 -> Tecnologia proprietária de pouquíssimos fornecedores, sendo um fator decisivo de diferenciação no mercado, compra baseada na tecnologia 3 -> Tecnologia dominada por poucos, sendo um fator de diferenciação no mercado, compra baseada na tecnologia e preço 1 -> Tecnologia disseminada pelos fornecedores, não sendo fator diferenciador para o mercado, compra baseada exclusivamente no preço Mercado Nacional Desenvolvido (Peso = 20%) 5 -> Não existe mercado nacional para os itens, 100 % das compras são Importação 3 -> Mercado nacional com poucas opções, apresentando alguma competitividade com o internacional 1 -> Mercado nacional totalmente desenvolvido, muitas opções e muito competitivo com o internacional 8

9 6 5 Shuttle Tankers Turret Pipeline Construction Svcs Subsea Eng & Design Svcs Facilities Engr Design Power Gen Subsea Equip R&M Installation Services Alto impacto Relações B2B FPSO Complexidade de mercado Itens de baixo valor Automação dos processos Data Process HW/SW Production Logistics Drill Bits E&P SW Licenses Production Support Svcs Well Logging Reservoir Studies Production R&M Supplies Seismic Data Shallow Hazard Studies Production Chemicals Drilling/Comp Fluids Production R&M (contract labor) Umbilicals Seismic Reprocess Svc Helicopter Charter Production Contracted Labor Casing & Liners Boat Chartering Mooring Hull/Plant Process Risers & Flowlines Well Services Gas Compression Wellhead Production Casing Production Tubing Completion Services MODU Subsea Equipment Pipeline Construction Materials Criticidade do item 9

10 Método convencional fornecedor Ordem 1 entrega 1 entrega 2 Ordem 2 entrega n consumidor 1 Demanda 1 estoque 1 consumidor 2 Demanda 2 estoque 2 Ordem n consumidor n Demanda n estoque n cavanha.com Gerenciador de nó consolidação Ordem única fornecedor Ordem n Ordem 1 Ordem 2 entrega n entrega 1 entrega 2 consumidor 1 Demanda 1 estoque 1 consumidor 2 Demanda 2 estoque 2 consumidor n Demanda n estoque n cavanha.com 10

11 Nó de rede logística um alfa Quatro veículos independentes = um pneu sobressalente cada = total 4 pneus (tradeoff = liberdade) tango rho comboio Comboio necessita 2 pneus sobressalentes (4^½ ) (tradeoff = tarefas conjuntas, compartilhamento de informações, compromissos) A1 A2 A3 A4 cavanha.com 2 Recurso compartilhado = Soma dos recursos autônomos cavanha.com 11

12 Magnitude, valor Importancia para o Negócio 5% em quantidade, 60% em valor 15% em quantidade, 30% em valor Numero de eventos Frequencia 80% em quantidade, 10% em valor Probabilidade % Numero de itens cavanha.com 12

13 Dimensão = tamanho, valor, importância Por projeto, um a um consolidações frequencia, quantidade cavanha.com 13

14 Padronização de especificação ou técnica de procedimentos documental Padronização Cria consistência em uma família de produtos Gera um repositório de diretrizes e padrões Permite treinar novos usuários Melhora o trabalho de grupos e equipes Reduz erros Aumenta a confiança Aumenta a eficiência Reduz a reinvenção Reduz decisões sem regras Reduz tempos de projeto, desenvolvimento e implementacao Facilita a re-utilização Interoperabilidade entre sistemas, unidades e áreas distintas 14

15 Patrocínio da alta administração Simplicidade Participação ampla na confecção Comunicação fácil e intuitiva Padronização Conseqüências para usos fora do padrão, quando não haja justificativas Pouco texto, direto ao ponto Premiações, incentivos Demonstrações das vantagens em linguagem simples 15

16 Processo de compras compra diligenciamento Compra e diligenciamento Trade-off: tempo Redução de Tempo x Diversidade de Atividades cavanha.com Compras por cliente One to One Contact Projetos x Comodities Cliente 1 Cliente 2 Cliente 3 Cliente 4 Cliente 5 Cliente 6 Cliente 7 Cliente N comprador 1 comprador 2 comprador 3 comprador N Vendor 1 Vendor 2 Vendor 3 Vendor 4 Vendor 5 Vendor 6 Vendor 7 Vendor N Cada comprador vai a todos os vendedores Cada cliente tem um comprador dedicado cavanha.com 16

17 Cliente 1 Cliente 2 Cliente 3 Cliente 4 Cliente 5 Cliente 6 Cliente 7 Cliente N Controle de nível de serviço Compras por categoria Projetos x Comodities especialização Categoria 1 comprador 1 Categoria 2 comprador 2 Categoria 3 Categoria 4 comprador 3 Categoria 5 comprador N Categoria 6 Categoria 7 Categoria N Cada comprador vai a um vendor apenas Os clientes escolhem os compradores pela categoria cavanha.com 17

18 Influência sobre resultados Tempo, fase, ciclos cavanha.com 18

19 Para comprar: 1.Com qualidade técnica 2.Na quantidade correta 3.Nos momentos adequados 4.Por um preço razoável 5.De um fornecedor importante 6.Com os melhores serviços associados 7.Do local certo 8.Com responsabilidades da demanda ao descarte cavanha.com Maneiras de adquirir bens e serviços 1. Comparando preços de uma dada especificação 2. Com comparação técnica x preço 3. Fazendo escolhas técnicas puras 4. Analisando demandas tecnológicas e desenvolvimentos 5. Verificando fornecedores alternativos 6. Fazendo alianças, parcerias e contratos com cláusulas especiais 7. Fazendo compras através de terceiros 8. Utilizando leilões reversos cavanha.com 19

20 Ajuste de requisitos para propiciar competitividade Requirementos nulos = todos os fornecedores Máximos requisitos = um fornecedor único = escolha de marca cavanha.com Referência histórica Comparação com o mercado Análise de preços Capacidade de processo Construção analítica de preços cavanha.com 20

21 RFQ request for quotation COTAÇÕES RA reverse auction LEILÃO DE COMPRA RFP request for proposal PROPOSTAS RFI request for information INFORMAÇÃO DA direct award (primeiro escolhe o fornecedor) COMPRA DIRETA Clareza de escopo/especificação DA é usado: 1. Estrategia 2. Tecnologia 3. Marca 4. golf Restrições de vendor list Conceitos Querer ou necessitar Percepção Objectivos Informação e ação Variáveis, concessões e influências Lognormal Fronteiras, limites Exemplo de BATNA Qualificações Funções Tipos de argumentos Propor ou não propor Respondendo Comportamento Estilo de conflitos Ajustando o tom Linguagem corporal Empregabilidade Táticas destrutivas Explorar, explotar Movendo-se Temas em implementação FLOW Mediação, Arbitragem, Justiça Termos and condições Checklist pré-negociação Fechamento Checklist pós-negociação Palavras finais Arquivo Negociações em separado 21

22 22

23 23

24 24

25 Fluxo contínuo intra/extra company Colaboração na definição e gerenciamento das demandas Gestão de interfaces à montante e à jusante Uma forma de custo total mínimo Uma sistemática de divisão de riscos Fornecedores Push e Pull Unidades produzidas Clientes finais Fabricação e montagem Fornecedores Componentes ou produtos semi-acabados estoques Fronteira push-pull Fabricação Direcionamento por projeções de demanda estoques Montagem para atender uma ordem Assembly to order Direcionamento por ordem do cliente final 25

26 Projeções de demandas Suportam decisões em SCM, tanto para Push como para Pull Produção, agendamento, estoques Marketing, força de vendas, novos produtos Finanças, análise de investimentos, orçamentos Pessoal, planejamento de trabalhadores, contratações, dispensas Análise de mercado, market share Observações sobre projeções Projeções são úteis, mas não devem nortear isoladamente as decisões Quanto mais distante no tempo a projeção, maior a imprecisão Projeções de conjuntos de variáveis reduzem os erros individuais, diluemse 26

27 Projeções Qualitativas, subjetivas, opiniões Quantitativas, séries temporais, demandas históricas Ralacionais, atrelam a demanda a alguma variável do sistema Simulações, replicam o ambiente com componentes aleatórios como se fossem o comportamento de consumidores Componentes das observações Nível Tendência Sasonalidade Aleatório 27

28 Projeções - comentários Fazer captura de percepções e fazer projeções colaborativas reduzem o erro Os valores dependem de que posição é observado o Supply Chain Fatos e dados são distintos de percepções e opiniões; ambos são importantes, mas são diferentes O passado não garante o futuro Probabilidades são bem vindas nestes estudos Valor esperado é probabilidade x valor potencial Exemplos de projeções com Forecaster 28

29 Riscos em Supply Chain Riscos em fornecimentos Riscos em interfaces Riscos de processos Riscos em interfaces Risco de Demanda Risco em Controle (KPIs) Risco de Rede Risco de sustentabilidade: contábil, social, ambiental, industrial, de patrimônio Sem demanda não há toda a cadeia à montante.demandas zero param a cadeia. Demandas altíssimas prozuzem stockouts. Demandas excessivamente variáveis produzem estoques e faltas. Depois, os riscos de fornecedores. Problemas de matéria prima deles, problemas de atrasos de entregas, mudanças de preços, etc. Média e desvio Congelado na perna direita Queimado na perna esquerda Na média, confortável Perna esquerda e direita em conforto Na média, confortável 0 C 100 C 49 C 51 C Média 50C Média 50C 29

30 Exemplo para demanda flutuante: demanda demanda tempo item A item B total media 10,5 10,5 A e B tem a mesma média e mesmo total, mas a variabilidade é superior em B, o que requer maiores estoques de segurança. A B media 10,5 10,5 des pad 1,446 5, dp 68% 1,446 5, dp 95% 2,892 10,531 3 dp 99% 4,338 15,797 ( x1 + x xn) média = n 2 n x ( despad = n( n 1) Calcula o desvio padrão a partir de uma amostra. O desvio padrão é uma medida do grau de dispersão dos valores em relação ao valor médio (a média). x) 2 30

31 Média e desvio padrão, ou objetivo e risco Duas distribuições com a mesma média, mas com desvio padrão distintos, possuem riscos desiguais. Média=objetivo Desvio padrão=risco Maior risco Menor risco Desvio padrão=risco Variabilidade é o desvio padrão em relação a média, traduzido como o risco em relação ao objetivo. Média e desvio padrão A média não é suficiente O desvio padrão mede a dispersão da média A média é o objetivo da função O desvio padrão mede o risco 31

32 Riscos em Supply Chain escolhidos 3 de cada item Demanda: Variabilidade de demanda Ciclos de vida curtos Competição Processo: Variabilidade na produção Gargalos Erros Fornecimentos: Competição Ruptura de contratos Atrasos Sistema, controle: Efeito bullwhip Pouca visibilidade Baixa colaboração Sustentabilidade: Ambiental (vazamentos, poluição) Social (trabalho escravo, infantil, greves) Contábil (esquecimentos, impostos) Pontuação para Risco em Supply Chain Magnitude: Sem efeito no nível de serviço 50% de efeito no nível de serviço Total efeito no nível de serviço in Frequência: Probabilidade rara Probabilidade mensal Probabilidade diária Facilidade de detecção: Muito fácil detectar 50% de chance de detecção antes do evento Indetectável out Facilidade de implementação: Totalmente implementável 50% de chance de bem implementar Impossível implementar 32

33 Magnitude Frequência Facilidade de detecção Facilidade de implementação Demanda processo fornecimentos sistema sustentabilidade Risco e Incerteza Risco, possibilidade de ocorrência de um evento Incerteza, magnitude deste evento, caso ocorra Tamanho da acumulação incerteza Maior probabilidade Quantidade de eventos - risco Pode-se admitir mais risco, caso a incerteza não seja tão grande, ou melhor, quanto maior a incerteza dos eventos, supostamente menor é o risco admissível. Exemplo sensível encontra-se na incerteza e risco dos incidentes aéreos, quando comparados aos demais tipos de transportes. 33

34 Risco e Incerteza Ciências da natureza (Newendorp): Risco, chance de ocorrência de um evento Incerteza, magnitude do evento, caso ocorra Ciências econômicas (Knight): Risco, há distribuição de probabilidades objetivas Incerteza, não se pode associar distribuição de probabilidades objetivas 1. Um processo é considerado robusto quando está dimensionado para conter a variabilidade ou dispersão. 2. Um processo é resiliente quando possui uma resposta rápida para variações inesperadas. 1 contingência é um sistema diferente do principal que pode entrar em operação caso o sistema principal falhe; é constituído para oferecer uma alternativa de processo, visando garantir o resultado, mas de modo distinto do principal. Ex.: modal alternativo contratado standby. 2 redundância é um sistema idêntico ao principal que entra em operação imediata caso o sistema principal falhe; feito para garantir sistemas de alto custo ou grande importância, onde o custo da falta ou falha são muito significativos. Ex.: computador de bordo de aeronaves. Exercícios sobre média, desvio 34

35 Mesmo havendo risco, há um padrão de repetição e ele pode ser protegido por antecipações, estoques, contingências. A imprevisibilidade requer proteções maiores que as normais e podem ocorrer custo da falta e excessos. Não há limite para a proteção, sempre com risco. Mudança de patamar da média 35

36 Reconhecendo mudanças de patamares Ciclos 36

37 Tendência Baixo risco e alta frequência Atrasos Erros de projeçòes Sistemas de informação Capacidades Estoques Recebíveis Alto risco e baixa frequência Desastres, fogo, inundações Propriedade intelectual, patentes Processos de aquisição, compras, contratos 37

38 Riscos dentro e riscos fora Riscos dentro do processo controlado: Entender Planejar Implementar Controlar Riscos fora do processo controlado: Contingência Resiliência Compartilhamento Seguro Riscos em Supply Chain Verificação de pontos fracos Lista de melhorias Análise de risco Verificação dos ativos Mapeamento dos fluxos físicos Análise de falhas Quantificação de gaps Revisão de normas Planos de continuidade de negócios Avaliação de risco Estratégias integradas de fluxos Colaboração interfluxos e intercompanias Avaliação de riscos escondidos (iceberg) Gerenciamento de risco 38

39 FASE A B C D E F 0,8 0,8 0,8 0,8 0,8 0,8 0, , ,4096 0,512 0,64 0,8 1 RISCO 73,78 67,23 59,04 48, CERTEZA 26,22 32,77 40,96 51, Da direita para a esquerda 39

40 S&OP Decisões operacionais: 1. Fabricação 2. Marketing 3. Finanças 4. Pesquisa e Desenvolvimento S&OP compartilhado Compartilhamento operacional: 1. Demanda 2. Estoques 3. Produção 4. Fornecedores 5. Pesquisa e Desenvolvimento 40

41 Objetivos do S&OP Compartilhar demandas e informações sistematicamente Suportar decisões operacionais com base em realidades à montante e à jusante Aumentar a realidade Analisar impactos e administrar variabilidades Definir, gerenciar e contingenciar estoques em toda a cadeia Gerenciar demandas de mercado principal Analisar desempenho e articular reparos na cadeia de suprimentos Mudanças em S&OP (time fences) Custo da Mudança hoje Apenas Mudanças Emergenciais futuro >>>>>> Mudanças Possíveis Temas: Desempenho Previsões Relações impactantes Mitigações de erros Monitorar Compartilhar Mitigar Tempo, fase, ciclos Planejar Ensaiar Corrigir expectativas cavanha.com 41

42 Objetivos: Eliminar o desperdício Reduzir tempos de fabricação Lean Manufacturing Desperdício poderia ser definido como qualquer atividade humana que absorve recurso, mas não cria valor. Excesso de produção Transporte não otimizado (voltas vazias) Tempo de espera Movimentação repetiviva Estoques intermediários sem função Qualidade baixa e reconstrução Variação produção =/= variação da demanda DeSincronia entre Processos Ineficiência nas preparações e préoperaçòes Controles demorados e que interrompem a produção 42

43 Benefícios do Lean Manufacturing Vantagem competitiva relativamente aos competidores e atratividade do lado dos cooperadores Menores custos de produção maiores lucros e salários Menores ciclos e mais seguros make-to-order vs. make-to-stock Resumindo o conceito: Uma abordagem sistemática para identificação e eliminação de desperdícios em todas as interfaces da cadeia produtiva. Baseado no termo fricção, perda de energia, geração de calor, etc. Pre-Gilbreth Bricklaying 43

44 Position the program at the executive level Define scope and tools Succeed on a pilot before a full roll-out Start from the eyes of the customer Quantify from a fact-based assessment Train by doing Evaluate and capitalize on the execution Conduct the viral transformation 44

45 Não sabendo que era impossível, foi lá e fez. (filósofo contemporâneo PA) Faça simples Faça direto Faça certo Faça certo da primeira vez (pelo menos tente) 45

46 Tipos de Companhias predominância tecnologia Produção/ Transformação Tec 1 Tec 2 Tec n suporte processos Logistica/ Distribuição processos cavanha.com 1 INSUMO / RECURSO item X= $ 1 Processo $ 10 Produto $ 20 2 INSUMO / RECURSO item X= $ 1 Processo $ 1000 Produto $ 2000 Supor processos semelhantes (mesmas quantidades, flutuações, mercado, demanda, demais custos,...). Quais os níveis adequados de estoques de insumos / recursos, em cada um dos fluxos? Em qual deve haver maiores estoques do insumo? 46

47 Custo da falta Os estoques existem para proteger o sistema produtivo Quanto mais caro um sistema produtivo, maior deve ser a sua proteção Fábrica de sapatos Entra boi determinístico Sai sapato Entrando mais bois, saem mais sapatos Exploração em Ativos Intensivos ou Novos Negócios 80% Informação Entram recursos probabilístico 20% Ano 1 Ano n 0% 0% Acumulação? = sucesso? Fracasso? Dimensão do sucesso? Descoberta de novo ativo 47

48 TIPOS DE LOGÍSTICA - exemplo LOGÍSTICA DE SUPORTE, APOIO, INFRAESTRUTURA (manutenção, inspeção, engenharia, suprimento, contrato, transportes, etc.) EM PARALELO ÓLEO PRODUZIDO LOGÍSTICA DE SEQUÊNCIA EM SÉRIE Ativos intensivos DERIVADOS DISTRIBUÍDOS Função de utilidade Um mendigo acha um bilhete de loteria que lhe dá chances iguais de nada ganhar ou ganhar $ O valor médio ou esperado é de x 0,50 = Oferecem $ a ele pelo bilhete. Deveria vender? Sem dúvida sim. Qualquer comprador deveria comprar o bilhete do mendigo? Se rico, estaria errado se não comprasse o bilhete por $ A utilidade do dinheiro para o mendigo e para o afortunado são diferentes. 48

49 indicadores (Key Performance Indicators (KPIs))? preço entrega qualidade Custo total do produto Performance da programação Confiabilidade do produto e do processo Para Contratações, KPIs são medidas de performance de provedores. Para Produção, KPIs são medidas de performance do processo produtivo. Para Logística, KPIs são medições de transportes, tempos, estoques Ver arquivo KPIs obrigado cavanha.com userchain.com Webinars próximo TCO, ver agenda no site 49

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL ACORDO - Celular: Silencioso ou desligado - Chamada 19:10hs e 22:10hs. - Entrada ou saída no decorrer da aula em silencio para não atrapalhar os demais participantes. -Trabalho final

Leia mais

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento 01 SISTEMA ANALÍTICO DE PLANEJAMENTO QUE PERMITE OTIMIZAR O ATENDIMENTO DAS DEMANDAS, A PRODUÇÃO DE CIMENTO E SUPRIMENTO DE INSUMOS, MAXIMIZANDO A MARGEM DE CONTRI- BUIÇÃO DA OPERAÇÃO O CILO É uma ferramenta

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Controle de Qualidade de Laboratório

Controle de Qualidade de Laboratório Controle de Qualidade de Laboratório de Ensaio Aliado à Tecnologia Paulo Henrique Muller Sary Diretor Técnico SaaS Ambiental Porto Alegre, 25 de julho de 2014. Garantia da Qualidade O programa de garantia

Leia mais

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS A mentalidade de silos, fenômeno conhecido como políticas departamentais, rivalidade divisional ou guerras internas, devastam as organizações. Esta mentalidade

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain SAP - Planejamento de Negócio Integrado Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain Agenda Introdução SAP Extended Supply Chain SAP Integrated

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

A certificação CS&OP-P

A certificação CS&OP-P A certificação CS&OP-P Em mercados competitivos o profissional que dominar o processo de S&OP possuirá grande diferencial estratégico e vantagem competitiva no ambiente de negócios. Neste cenário onde

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Lisberto Cavalcanti Diretor Administrativo- financeiro da Solumax Soluções e Tecnologia,

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha Negociação e Vendas Marketing e vendas Quais são as relações entre marketing e vendas casos e causos de negociação

Leia mais

MBA em Logística e Operações

MBA em Logística e Operações MBA em Logística e Operações Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 07 --> - *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em outras turmas que

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

O PODER DE UMA MALHA GLOBAL

O PODER DE UMA MALHA GLOBAL O PODER DE UMA MALHA GLOBAL NOSSAS SOLUÇÕES INTEGRAM O melhor gerenciamento da cadeia de suprimentos e demanda impacta diretamente no que as empresas estão sempre buscando: Aumento de receita Aumento da

Leia mais

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA É COM A FGV SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA em Logística e Supply Chain Management Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT SIGA: TMBALSC*11/01 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo)

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Prof. Esp. João Carlos Hipólito e-mail: jchbn@hotmail.com Sobre o professor: Contador; Professor da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Otimizando a Logística de Peças de Reposição. Custo de Manutenção de Estoque

Otimizando a Logística de Peças de Reposição. Custo de Manutenção de Estoque c S : : Caso de Sucesso Gestão de s MRO Otimizando a Logística de Peças de Reposição Determinar o nível ótimo de estoque de cada item, levando em conta os custos, incertezas e restrições do ambiente logístico,

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA S&OP Planejamento integrado de vendas e operações

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA S&OP Planejamento integrado de vendas e operações 18 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA S&OP Planejamento integrado de vendas e operações 2.1 CADEIA DE SUPRIMENTOS A definição de gerenciamento da cadeia de suprimentos adotada por Christopher (2007) é a seguinte:

Leia mais

9 RECURSOS HUMANOS 10 COMUNICAÇÕES

9 RECURSOS HUMANOS 10 COMUNICAÇÕES 10 COMUNICAÇÕES O gerenciamento das comunicações do projeto é a área de conhecimento que emprega os processos necessários para garantir a geração, coleta, distribuição, armazenamento, recuperação e destinação

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

SAP Excelência Operacional & Inovação. Daniel Bio Setembro 2013

SAP Excelência Operacional & Inovação. Daniel Bio Setembro 2013 SAP Excelência Operacional & Inovação Daniel Bio Setembro 2013 Portfolio de informações atualmente Fragmentado, antigo e não orientado ao usuário Serviço ao Consumidor Gerente de Vendas Finanças e Operações

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Meg Lima Andrade Agenda Objetivos; Conceito de Sistemas Computadorizados; Conceito de Risco; Identificação de Riscos; Avaliação de Riscos; Classificação;

Leia mais

Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente

Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente FASES DA EVOLUÇÃO DOS SI E DO CONCEITO DE INFORMAÇÃO Período Conceito de informação 1950-1960 Mal necessário,necessidade burocrática. 1960-1970

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios.

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. Fascículo 6 Planejamento e controle Just In Time Entendendo o Just In Time Just In Time, cuja tradução para o português resulta em algo não muito claro Apenas a Tempo, corresponde a atividade de produzir

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Documento técnico Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Embora a transição para o software CAD 3D aumente significativamente o desempenho dos negócios, o investimento levanta questões

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço Service Level Management SLM Gerenciamento de Níveis de Serviço 1 É o balanço o entre... Qualidade dos serviços entregues Expectativa do cliente 2 Processo: Definições Service Level Management (SLM) Têm

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

Cadeia de valor e cadeia de valor expandida Estoques e o motivo da sua existência O dilema make or buy O modelo de Fine Economia colaborativa

Cadeia de valor e cadeia de valor expandida Estoques e o motivo da sua existência O dilema make or buy O modelo de Fine Economia colaborativa Agenda: Prof. Alexandre Reis Graeml Cadeia de valor e cadeia de valor expandida Estoques e o motivo da sua existência O dilema make or buy O modelo de Fine Economia colaborativa )) * + # # )),#-.# /,0#.

Leia mais

MBA em Gestão Logística

MBA em Gestão Logística Pág. 1/5 MBA em Gestão Logística Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados das 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas de R$ 380,00* * Valor

Leia mais

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD)

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) 1 CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) A necessidade dos SAD surgiu em decorrência de diversos fatores, como, por exemplo: Competição cada vez maior entre as

Leia mais

Antes de começar... Perguntas no final da apresentação. Tempo de duração: 30' Celular no modo silencioso

Antes de começar... Perguntas no final da apresentação. Tempo de duração: 30' Celular no modo silencioso Antes de começar... Celular no modo silencioso Tempo de duração: 30' Perguntas no final da apresentação Jornada Excelência e Eficiência Operacional Seja Lean: diga não ao desperdício Planejament o preciso:

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Gestão Moderna de Compras

Gestão Moderna de Compras Gestão Moderna de Compras Flavio Taioli Joinville SC Março de 2014 3026 4950 sustentare Breve recapitulação das atividades de Compras transacional: emissão da ordem de compra, acompanhamento da entrega

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Indicadores para Auditoria Contínua

Indicadores para Auditoria Contínua Indicadores para Auditoria Contínua Ronaldo Fragoso Sócio. Deloitte. Agenda Objetivo da auditoria contínua Contexto e evolução da auditoria interna Tendências em auditoria contínua Implementação metodologia

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais