Quanto vale o conhecimento?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quanto vale o conhecimento?"

Transcrição

1

2 Editorial Quanto vale o conhecimento? A resposta ideal às necessidades específicas ligadas ao seu setor de atividade. Solução tecnológica de gestão de armazém (WMS) voltada aos mercados: Bens de consumo Varejista Indústria téxtil Luxo Cadeia do frio Químico Farmacêutico Cosmético Granel... Uma modularidade otimizada para diferentes modos de aplicabilidade : Fluxo de estocagem Fluxo de troca Breakdown Cross-docking Rastreabilidade Copacking Voice picking RFID Gestão dos recursos Sistemas de manutenção... Mais de 700 sites em operação no mundo. Do abastecimento à distribuição, o Infolog oferece as ferramentas ideais para a melhor modelagem do seu Supply Chain. Ao seu lado, uma equipe de especialistas assessora sua empresa na melhor maneira de adaptar nossa solução às necessidades de seu negócio com o objetivo de otimizar os fluxos reduzindo custos. Com acesso via internet, adaptado ao RFID e integrado com as tecnologias mais modernas, as soluções INFOLOG Suite são evolutivas e estão disponíveis em vários ambientes informáticos. Além do mais, sua empresa aproveita-se do fato da solução estar continuamente atualizada para continuar competitiva, agora e sempre. O sucesso logístico ao seu alcance. Editorial Especialistas em algum lugar no mundo certamente pesquisam o assunto e podem ter chegado a uma fórmula mágica que consegue detectar quanto conhecimento há em uma explanação, ou um acontecimento ou um documento, como um livro. Talvez essa equação misture atenção, experiência, visão, prática, some todos os ingredientes e resulte em um determinado número. Quantificar, qualificar e depois precificar. Neologismos à parte, nós descobrimos outro fator determinante nessa questão. Descobrimos que conhecimento aumenta ao se espalhar, ou em operações matemáticas: quanto mais se divide, mais se multiplica. Imaginem como fica o conhecimento transmitido pela TODAY Logistics & Supply Chain! Imensurável. Por isso, vamos à França: para potencializar o processo de transmissão de conhecimento no Primeiro Benchmarking TODAY Logistics. Benchmarking é um processo que pode ser interpretado como a busca das melhores práticas na indústria que conduzem a um desempenho superior. Vamos ver como fazem as empresas eficientes para transmitirmos aos leitores. Claro, vamos adaptar à realidade brasileira, bastante peculiar. E da nossa interpretação resultará, sem dúvida alguma, muito conteúdo inédito e exclusivo. Vamos conhecer de perto, por exemplo, as operações logísticas nos centros de distribuição de empresas como Louis Vitton, Sephora, Carrefour, Ferrero Rocher, Procter & Gamble, além da movimentação do maior porto de contêineres da França, Le Havre. Acompanham-nos durante a visita especialistas franceses e brasileiros para aproveitarmos ao máximo tudo o que a oportunidade oferece. Não por acaso, apresentamos nesta edição o artigo Logística na Europa, tendências e melhores práticas, do engenheiro Philippe Gautrin, com observações sobre as atividades logísticas na Europa. Quando voltarmos poderemos comparar com nossa própria vivência. O artigo internacional é Linking CPFR and S&OP, de Ron Ireland e Colleen Crum, da Oliver Wight e tradução de Daniel Araújo; Marketing na logística internacional é a contribuição de Célio Mauro Placer Rodrigues de Almeida, da FEA-FIA/USP e Aslog. A matéria de capa trata dos meandros da logística têxtil, feita pelo colaborador Eduardo Fiora. Assim, se essa é sua primeira leitura, welcome on board, bienvenue à bord, benvenuti a bordo, bienvenido a bordo, bemvindo a bordo! Leiam, critiquem, contribuam, a revista é sua! Boa leitura! Cecília Borges Editora TODAY Logistics & Supply Chain - 03

3 Sumário Sumário EXPEDIENTE Linking CPFR and S&OP, artigo internacional de Ron Ireland e Colleen Crum, da Oliver Wight e tradução de Daniel Araujo Matéria de Capa: Logística têxtil, muito mais do transportar roupas, por Eduardo Fiora. Logística na Europa: tendências e melhores práticas, pelo engenheiro Philippe Gautrin, Associado do Grupo GCL Marketing na logística internacional, por Célio Mauro Placer Rodrigues de Almeida, da FIA-FEA/USP e Aslog Express As novidades dos segmentos de logística e supply chain management Agenda ano I - nº 09 - outubro 2006 Thelma Almeida Santos - Diretora Executiva Cecília Borges - Editora - MTb SP Antonio Neto - Editor de Arte Anna Claudia Oliveira - Assistente de Produção Tradutores: Luiz Macedo - Inglês Conselho Editorial: - Cristiano Cecatto - Laurent-Frédéric Bernard - Luiz Otávio Gazineu Abdenur, CPIM - Nelson Rosário, CPIM, CSCP - Rubens E. Brambilla, CPIM, CIRM, CSCP, P. Eng. Contatos: R. Fernandes Moreira, 1166 cep São Paulo - Brasil Tel: 55 (11) TODAY Logistics & Supply Chain - 04 vó teresa

4 Planejamento Linking CPFR and S&OP Leading companies continue their migration towards best practices and emerging technologies as they strengthen their supply chain, both within their own corporation and externally with their trading partners. Two leading industry supply chain best practices are now being linked together to leverage what each does best collaboration. Collaborative Planning Forecasting and Replenishment (CPFR ), the leading external trading partner collaboration Voluntary Interindustry Commerce Standard, and Sales and Operations Planning (S&OP), the leading internal collaboration process, are now being linked together to make each process even more effective. The linkage between CPFR and S&OP is the logical next step towards improving forecasted demand accuracy and the resulting supply capability col- O artigo internacional desta edição tem como autores Ron Ireland e Colleen Crum, da Oliver Wight e tradução de Daniel Araujo. Aborda a ligação entre Collaborative Planning Forecasting and Replenishment (CPFR) Sales and Operations Planning (S&OP) AOliver Wight é uma organização dedicada à educação e consultoria de negócios. Foi fundada por Oliver Wight que, até sua morte prematura em 1983, estabeleceu as bases do que hoje é conhecido como ERP (Enterprise Resource Planning). Wight tinha uma habilidade especial para simplificar, estruturar e ensinar as melhores práticas de gestão empresarial. Além de inúmeros livros, artigos, discípulos e casos de sucesso empresarial, deixou a base da mais comprovada metodologia de implementação de processos integrados de gestão, The Oliver Wight Proven Path. Um outro legado de extrema importância é sua lista de melhores práticas empresariais, que vem sendo atualizada periodicamente e hoje encontra-se em sua sexta versão, The Oliver Wight Class A Checklist for Business Excellence. Centenas de empresas ao redor do mundo promoveram transformações culturais e de processos e alcançaram níveis de desempenho Classe A com o suporte da Oliver Wight. Os seguidores de Ollie continuam a sua missão com livros, cursos e consultoria de implementação e aperfeiçoamento de processos e aconselhamento gerencial, sempre com o foco principal nas pessoas. Descubra mais sobre a Oliver Wight visitando o site laboration. Andrew White, Senior Research Analyst, Gartner Group, stated at a VICS CPFR Working Group meeting that the expectations from CPFR are being multiplied as CPFR is linked into S&OP. George Palmatier, senior principal with Oliver Wight Americas and coauthor of the book, Enterprise Sales and Operations Planning calls the internalization of trading partner data the Pitch and the Catch. In the case of CPFR and S&OP, the pitch and catch goes in both directions. Companies pitch valuable information, such as demand forecasts, point of sale data, and inventory positions through CPFR to a trading partner to be caught in the demand planning process. This information is then internalized by incorporating it into the demand plan which then drives the S&OP process. One purpose of S&OP is to synchronize demand, supply, and inventory. Once demand, supply, and inventory are synchronized, the demand information is pitched back to the trading partner by using the CPFR Industry standard. In this way, trading partners understand one another s capabilities and needs and operate to a single set of demand numbers. The vision of linking CPFR to S&OP When Wal-Mart first sponsored the creation of the VICS CPFR Working Group in 1996, the vision was to continue to become more efficient and reduce the cost of goods sold within the entire supply chain. Sam Walton, the founder of Wal-Mart, held a long-time belief that by partnering with the vendors of Wal-Mart and by sharing information with them, better planning decisions would be made for the benefit of every business enterprise in the supply chain. Wal-Mart started sharing data with the trading partners through electronic data interchanges (EDI) in the 1980s. In the early 1990s, Wal-Mart developed its own private exchange called Retail Link. During this same time period, Wal-Mart pioneered the development of an automated, continuous replenishment system based on the fundamental principles of Efficient Consumer Response (ECR) and Distribution Resource Planning (DRP). A co-author of this paper, Ron Ireland, was hired by Wal-Mart to help design and lead the charge of external trading partner collaboration. Ron had participated in a Class A Manufacturing Resource Planning (MRP II) implementation in the aerospace industry. He leveraged this experience, including the internal collaboration concept of S&OP, to help develop Wal- Mart s external collaborative process, which led to the development of vendor forecasting as part of Wal-Mart s Retail Link. Wal-Mart realized that vendors could substantially reduce the cost of goods sold if they could internalize the information from Retail Link. For vendors to truly optimize their internal supply chain, however, they would need other retailers to share information using some form of standardization. Retailers, such a JC Penney, Sears, Kmart, Federated, ACE, Rite Aid, and Target, as well as leading suppliers like Procter & Gamble, Nabisco, Warner-Lambert, SC Johnson, Kraft, Fruit of the Loom, Kimberly-Clark and Sara Lee, started the VICS CPFR Working Group to develop the industry standard for external collaboration. As the effort has evolved, a long-term vision of linking CPFR to S&OP has emerged. Linking of CPFR into S&OP A best practice for demand planning is to use multiple sources of input in developing a demand plan. One source of input is from the customer or trading partner. This is where CPFR is first linked into the S&OP process. As we all know, all customers will not par TODAY Logistics & Supply Chain - 06 TODAY Logistics & Supply Chain - 07

5 Planejamento ticipate in CPFR programs, so other sources of demand input from areas such as sales and marketing and statistical forecasts are also needed to formulate a proposed demand plan for consensus as part of the S&OP process. It is interesting to note recent observations made by retailers and suppliers at an S&OP roundtable discussion at the VICS CPFR Working Group. The general opinion of the group was that customer input from CPFR is more accurate and reliable than the vendors demand forecasts. These discussions concluded that the benefits gained by linking CPFR into S&OP will be incremental. The more trading partners participate in a CPFR program, the greater the benefit in the form of more accurate demand plans. The S&OP process provides internal collaboration for new products, demand reviews, supply capabilities, financial goals and appraisal, and executive direction setting. An output of S&OP is a synchronized demand, supply, and financial plan over at least an 18-month planning horizon. The internal collaboration and executive decision making provides valuable information that can be pitched back to the customer using CPFR. Information that can be communicated back to trading partners includes new product plans, supply constraints, as well as demand creation decisions. When partners link CPFR to S&OP, retailers benefit from getting early warning when there are demand and supply synchronization issues. Retailers and vendors then can work together to develop win-win solutions to these issues. Retailers who depend on vendors for the introduction of private label products also can link up through S&OP to coordinate the product launch. An output from S&OP is a new product review to ensure that resources are available to support development of new products and the timing of supply availability for new products. When issues arise that could delay product availability, retailer and vendor can work together to develop solutions that are mutually acceptable. In the end, both retailer and vendor gain greater control of the business and market by using processes to ensure that demand, supply, and product development efforts are synchronized. We are frequently asked how to link CPFR and S&OP, given that their planning time horizons are usually different. The planning horizon for CPFR is typically near term in weeks and months. The planning horizon for S&OP is covers at least 18 to 24 months in to the future. The two collaborative processes do not duplicate each other but end up complementing each other for a longer and more active planning horizon. By contributing information on future plans over the complete S&OP planning horizon, retailers can ensure that their vendors know and can plan for their demand far enough in the future to determine early (and resolve) potential demand/supply synchronization issues. The information provided by the retailer that covers the longer S&OP planning horizon does not have to be at the same level of detail as the near-term information communicated as part of CPFR. The information can be at an aggregate level that will be refined as time progresses and advances into the CPFR near-term planning horizon. The Value of Linking CPFR with S&OP The results of CPFR and S&OP have been documented and published. For example, many CPFR implementations have reported benefits such as: Forecast improvements: 10% to 40% In-stock improvements: 2% to 8% Inventory reductions: 10% to 40% Customer service improvements: 5% to 10% The results reported from S&OP implementations include: Customer service improvements: 18% to 25% Productivity improvements: 13% to 20% Purchase cost reductions: 9% to 13% Inventory reduction: 21% to 30% Although we have not seen any documented, combined improvements in linking CPFR with S&OP, it has long been recognized that the synergy of the two will add greater benefits and drive true win-win for partners. In fact, in the authors experience, when vendors complain about gaining minimal or no benefit from CPFR programs, most of the companies either do not utilize S&OP or do not feed customer information into their demand planning process as part of S&OP. Collaboration makes good business sense. CPFR is external collaboration. S&OP is internal collaboration. Companies and supply chains need both to optimize their profits. CPFR and S&OP naturally complement each other and create stronger supply chain links. In our experience and the experience of our clients, the stronger the supply chain links, the better the performance is across the supply chain, as measured by in-stocks, sales revenue increases, and profit improvements for all supply chain partners. We suggest that you consider taking the next step in strengthening your supply chain by linking CPFR with S&OP. CPFR is a registered trademark of the Voluntary Interindustry Commerce Standards Association TODAY Logistics & Supply Chain - 08 TODAY Logistics & Supply Chain - 09

6 Capa Na cadeia de produção da indústria têxtil persiste um paradigma que, na opinião de especialistas, precisa ser quebrado: contratar operadores logísticos envolve grandes riscos quando o assunto é o lançamento de uma coleção que precisa ser distribuída. Quem lança uma luz nessa questão é o vice-presidente da consultoria Booz, Allen Hamilton Luis Vieira. O ciclo de produção de uma determinada coleção é de seis meses. A distribuição é a última fase desse processo. Vamos supor que essa etapa englobe os dois últimos meses do ciclo total. Será que 60 dias são suficientes para uma possível ação do concorrente para o qual supostamente tenha vazado o design e cores de tal coleção?, questiona Vieira. Segundo ele, o operador logístico deve ser encarado como parceiro, o que significa uma relação de confiança. Tal aproximação precisa se tornar cada vez mais freqüente, pois a falta de tradição da Setor aposta em novas estratégias na busca de maior competitividade. Os empresários se dão conta de que um sistema logístico eficiente e eficaz traz grandes benefícios para os seus negócios indústria têxtil em contratar esse tipo de operação também deixa o prestador de serviços numa situação pouco confortável em relação a esse segmento onde atuam potenciais clientes. Pesquisas setoriais indicam que no mercado de operadores logísticos as receitas têm crescido fortemente. Em 2005, o faturamento do setor cresceu 49% em relação ao ano anterior. A tendência que se verifica é a apresentação de serviços com maior valor agregado afirma Vieira. A cadeia têxtil e de confecções compreende a interação entre fornecedores de bens de capital e insumos (naturais e químicos), produtores de manufaturados (fios, tecidos, malhas). De uma forma geral, é possível estabelecer os seguintes elos: fibras naturais, fibras manufaturadas, fiação, tecelagem, malharia, con- fecção (artigos do vestuário e outros confeccionados) e bens de capital. Busca da eficiência Ao olhar para essa estrutura, o professor Manuel Reis, coordenador do Centro de Excelência e Logística e Cadeia de Abastecimento (CELog) da FGV lembra que a administração da cadeia de abastecimento inclui o planejamento e gestão de todos os processos produtivos de forma eficiente e eficaz. As empresas buscam diferenciais competitivos. E estudos mostram que os diferenciais Estudo feito pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) mostra que a Cadeia Têxtil e de Confecções (CTC) é formada por seis elos: beneficiamento de fibras têxteis naturais, fiação e tecelagem e têxteis naturais, fiação e tecelagem de têxteis químicos, outras indústrias de tecelagem, malharia e vestuário A estas, adiciona-se, neste trabalho, a cultura do algodão e em alguns tópicos, o elo do comércio final. A configuração atual da CTC dá mais informações sobre as características estruturais dos diferentes elos. A cadeia têxtil pode ser segmentada em três grandes setores industriais, cada um com níveis muito distintos de escala. São eles: o segmento fornecedor de fibras e filamentos químicos que, junto com o de fibras naturais (setor agropecuário), produz matérias-primas básicas que alimentam as indústrias do setor de manufaturados têxteis (fios, tecidos e malhas) e da confecção de bens acabados intangíveis são cada vez mais importantes quando se persegue esse objetivo. E a logística é um deles. Os empresários se dão conta de que uma logística eficiente e eficaz traz grandes benefícios para os seus negócios. Mas como ser bem sucedido na administração dessa cadeia? Luis Vieira responde: Uma das formas é controlar e ser proprietário dos ativos (da fiação até o consumidor final), como faz a rede Zara. Porém, isso é algo que poucos podem fazer. Outra forma de ser eficiente e eficaz é simular esse controle a partir de associações, como, por exemplo, cooperativismo na área de compras. Outra solução é usar operadores logísticos que atuem na cadeia privilegiando a agregação de valores. Ele reforça que o operador logístico na área têxtil pode fazer a gestão do fluxo físico; é capaz de consolidar rotas e estoques; atuar na logística reversa, além de realizar ações como etiquetagem e encabidamento de produtos. Como exemplo da importância das atividades logística na saúde de uma Os elos do encadeiamento empresa têxtil, Manuel Reis usa de uma relação bastante familiar para quem é ou não deste segmento: a interface moda e clima. Em agosto e setembro, São Paulo viveu várias estações num curto espaço de tempo. A adequação a essas variações de demandas pode vir respaldada numa estratégia logística com entregas mais freqüentes de pequenas quantidades, avalia o docente da FGV. Isso aumenta o custo do fator transporte, mas a adoção de menores estoques acaba por compensar. Podemos pensar nessa equação tanto para quem faz a venda final, quanto em outro nível da cadeia, como a compra de tecidos. (vestuário, linha lar etc.). Na prática, a diversidade da CTC é muito grande e cada setor é composto por grande número de segmentos diferenciados. Esta segmentação decorre da variedade de insumos empregados, uso diversificado que caracteriza os produtos (cama & mesa X vestuário, por exemplo) e também, das estratégias empresariais. De fato, como a estratégia central das empresas da cadeia têxtil é a diferenciação do produto, a ampliação da diversidade é uma tendência da cadeia. A Nomenclatura Comum do Mercosul, por exemplo, considera 905 diferentes categorias de produtos têxteis, a oito dígitos e catorze a dois dígitos. Esta variedade dificulta consideravelmente a análise do impacto da diminuição das barreiras tarifárias e da avaliação da competitividade. Por isso, é importante alertar que o recurso em patamares mais agregados de classificação pode ocultar importantes fontes de variação dos dados e da informação disponível. TODAY Logistics & Supply Chain - 10 TODAY Logistics & Supply Chain - 11

7 Capa Quando retardar é preciso: o case Hering Confira como um dos principais grupos da indústria brasileira adotou com sucesso a estratégia do postponement, cada vez mais difundida em empresas do setor Na sua tese de mestrado na Universidade Federal de Santa Catarina, a engenheira Daniela Carneiro da Cunha discorreu sobre um importante tema que envolve a cadeia têxtil e de confecção: a estratégia do postponement aplicada com sucesso por muitas empresas, incluindo grandes grupos como Hering, Bentetton e Zara. Trata-se do retardo de movimento ou formulação final de produtos até que sejam definidas e liberadas as informações sobre demandas do mercado, resultando num processo logístico integrado e de alta velocidade. A empresa catarinense de malharia e confecção Cia. Hering utiliza a estratégia desde 1997 e surge como pioneira nesse tipo de operação utilizada mais recentemente pela Benetton e pela Zara. A fim de reduzir o tempo de entrega dos artigos de exportação, a Cia. Hering resolveu aplicar a estratégia de postponement. O retardo na configuração final estendeu-se mais tarde para outras linhas, aumentando o estoque de produtos semi-elaborados. Os resultados na redução do lead time foram efetivos com a aplicação da estratégia de retardo, mas, por gerenciamento inapropriado do estoque de semi-elaborados. O postponement é aplicado pela Cia. Hering em Blumenau e em Anápolis, que concentra metade da produção de produtos básicos Foram os produtos para exportação que impulsionaram a Cia. Hering a implantar postponement na manufatura na fábrica Itororó, em Blumenau. A variedade de produtos licenciados era muito extensa - camisetas de diversas cores recebiam estampas variadas e/ou bordados de diferentes personagens da Disney e dessas combinações eram gerados inúmeros produtos novos. A partir da constatação de que todas aquelas mercadorias eram geradas de uma reduzida gama de outros produtos, originou-se a idéia de manter artigos em forma genérica em estoque (no caso, sem estampas, bordados, etiquetas ou embalagem, porém já beneficiados e confeccionados), para obter ganho em agilidade e flexibilidade na entrega dos exportados. A Cia. Hering aproveitou-se do fato dos produtos em estado genérico serem comuns a vários outros. Após uma primeira tentativa sem sucesso, o estoque de semi-elaborados começou então a operar regularmente na unidade fabril do Bairro Velha Central, em O estoque de artigos em estado mais genérico possibilitou à Cia. Hering redução significativa do lead time de produção dos produtos licenciados. Esse estoque foi batizado na empresa de Estoque XX. Isso porque a cada produto é associada nomenclatura que especifica o tipo de malha ou tecido, cor, modelagem e processos por que ele passou (estampagem, bordado ou tipo de embalagem, TODAY Logistics & Supply Chain - 12 por exemplo). Como o artigo era estocado sem que tivesse passado por algumas etapas da produção e essas ainda eram desconhecidas, os últimos caracteres do código do produto foram denominados genericamente de XX. Em pouco tempo o Estoque XX havia então se tornado febre na Cia. Hering, estendendo-se inclusive para produtos não básicos, de modelagem e cor planejados somente para uma coleção. A conseqüência dessa expansão foi a configuração de um estoque com variedade considerável, a tal ponto de um mesmo produto ser estocado em 12 tonalidades de azul. Dessa forma, a lógica de estocar produtos modulares ou padronizados parecia estar se invertendo. Assim, em 1998, o Estoque XX ocupava uma área de 960 m2, com 780 mil artigos, e não gerava bons resultados: muitas peças tornavam-se obsoletas (tanto em relação à moda quanto à impossibilidade de aproveitamento por danos causados pelo tempo prolongado de estocagem ) e tinham de ser vendidas posteriormente em promoções de queima de estoque, com prejuízo para a empresa. Por causa disso, em 2000 houve mudança de foco nos artigos que deveriam ser estocados no XX. Somente produtos de venda mais previsível, os de malhas de cores básicas como: branco, preto, azul marinho - e os que serviam de plataforma para uma certa variedade de produtos, como artigos de malha crua, tingíveis de qualquer cor, poderiam ficar no Estoque XX. O estoque também foi movido de local distante da lavanderia e da estamparia/bordaderia para uma área mais acessível fisicamente aos setores da produção que utilizavam seus produtos. Mesmo não sofrendo retardo na produção, também são estocadas no XX todas as peças de tecido plano e jeans produzidas pela empresa. Esses artigos têm de passar por amaciamento (garment wash) após confeccionados e o Estoque XX é o mais próximo da lavanderia. Funcionamento do Estoque XX Todos os artigos que vão para o Estoque XX são provenientes das confecções. Sua saída do estoque de semielaborados pode acontecer de maneiras variadas, dependendo da configuração final do produto, estabelecida pela demanda. Na possibilidade mais simples, um artigo XX pode ser encaminhado diretamente para a etapa da embalagem, se já estiver etiquetado. Na mais complexa, pode passar por qualquer um dos processos da lavanderia, posteriormente receber uma estampa ou ser bordado, receber etiqueta, ser acondicionado em saco plástico e então ser embalado em caixas de papelão. O tempo para atender um pedido Zara e a velocidade da moda Em suas palestras, Carlos Herreros de las Cuevas, sócio da espanhola HFC Consultores costuma citar o caso Zara como quebra de paradigmas na área de gestão e logística. Segundo Cuevas, os executivos do grupo Zara gostam de declarar: queremos que os clientes entrem numa loja elegante, que ofereça a última moda, bons serviços e preços competitivos. Porém, o mais importante é fazer com que os nossos clientes entendam que se eles gostaram de alguma peça de nossas vitrines eles têm de comprar na hora, porque na próxima semana aquilo não estará mais à venda. Esse pensamento resume a estratégia adotada pela multinacional: renovar a vitrine semanalmente o que implica em operações logísticas coordenadas e de altíssima velocidade. A empresa abastece suas lojas em qualquer parte do mundo em, no máximo, 72 horas. Se um gerente de loja faz o pedido na segunda-feira à noite para a sede na Espanha, na quinta-feira de manhã a mercadoria já está na loja.trata-se, de acordo com o executivo da Zara, de criar um clima de escassez e oportunidade. O coração dessa operação logística é uma grande mesa nas novas oficinas centrais nas proximidades de La Coruña. Ao redor dela trabalham uma dezena de pessoas que, por telefone, se comunicam, em espanhol, inglês, francês, árabe e japonês, com os gerentes das lojas espalhadas por quatro continentes, solicitando e interpretando informações sobre o que os clientes estão comprando e o que eles demandam. Outro grupo de trabalho viaja mundo afora visitando centros universitários e danceterias para observar como os jovens se vestem, conta Cuevas. Todas essas informações são TODAY Logistics & Supply Chain - 13 que serão utilizados produtos do Estoque XX dependerá do tamanho do pedido e da quantidade de itens disponíveis. Após saírem do Estoque XX, os artigos levam em média: estamparia/bordado: 2 dias; lavanderia: 4 dias; etiquetagem: 1 dia; embalagem: 1 dia. Total: 8 dias. No caso de artigos que não sofrem retardamento de produção, o lead time médio desde o pedido até a ida para o estoque de produtos acabados fica entre 14 e 30 dias, dentre os quais 10 dias são de planejamento, previsão, análise de capacidade, compra de suprimentos entre outras atividades de preparo da produção. Os artigos que sofrem postponement podem ter o lead time reduzido drasticamente. Liberados do estoque imediatamente após a entrada dos pedidos, podem ficar prontos em, no máximo, 8 dias e no mínimo, 1 dia (embalagem). O tempo depende muito do tipo de acabamento e insumo: se o cliente solicitar etiqueta especial, por exemplo, haverá ainda o tempo de desenvolvimento, aprovação e produção dessa etiqueta junto ao fornecedor antes da montagem do produto final. O Estoque XX, desde o início, representou para a Cia. Hering um mecanismo estratégico de continuidade no fornecimento de produtos em momentos de pico de demanda. A produção dos artigos para esse estoque é realizada nos períodos de folga (vales) no cronograma produtivo, de acordo com as previsões de venda. Em geral, os vales de produção da empresa ocorrem da 2a quinzena de dezembro ao fim de janeiro, quando a ociosidade é solucionada com férias coletivas e com antecipação da produção de inverno. Junho e/ou julho (dependendo da intensidade do inverno) é outro período de vale de produção, e a ociosidade é compensada com banco de horas, férias e produção de itens básicos para o Estoque XX Um dos maiores grupos do setor da moda mundial, presente também no Brasil, aposta em agregar valor ao cliente como estratégia de competitividade no mercado global transmitidas eletronicamente para a direção e designers da Zara. Em poucos dias, os novos desenhos são distribuídos a uma rede de prestadores de serviços subcontratados no norte da Espanha, encarregado do corte das confecções. A empresa controla diretamente esse processo e não fica na espera de um corte ser realizado no Extremo Oriente. A rapidez é importante, mas não se pode desprezar um importante detalhe: é preciso ser rápido para os clientes certos. É preciso investigar e estudar não apenas as demandas dos consumidores, mas também qual rentabilidade para a empresa que tais clientes proporcionam. Se eles estão dispostos a pagar por tal velocidade, essa estratégia não pode ser deixada de lado. Com esse sistema de informações é possível tingir as coleções com cores novas e criar um estilo novo num período de dez dias, acrescenta Cuevas.

8 Benchmarking Há quase 10 anos, o grupo GCL está atuando na Europa por meio de associações e, mais recentemente, com a abertura de um escritório em Paris. Tivemos, portanto, a oportunidade de compreender os desafios com os quais se deparam nossos primos do velho continente. Voltando de uma missão econômica de uma semana, quando tivemos a oportunidade de fazer visitas de benchmarking nas empresas reconhecidamente com as melhores práticas, apresentamos um breve resumo de nossas constatações. O mercado europeu está em plena evolução, após alguns anos da implantação da Comunidade Econômica Européia (CEE). Tal ambiente de livre comércio permitiu derrubar fronteiras e favorecer a livre circulação de bens e de pessoas. Hoje, composta por 15 países, a CEE passará a 25 países proximamente, e representará assim um mercado com uma superfície de 4 milhões de km 2, 450 milhões de habitantes e com uma densidade de 115 hab/km2 (ou seja, 40 vezes mais denso que o Canadá). Cadeia de abastecimento Assim como na América do Norte, as cadeias de abastecimento das empresas se tornam mais complexas, com o aumento do abastecimento internacional e a especialização das fábricas. Ainda que tenham enfoque na Ásia, as empresas européias também têm acesso aos países do leste europeu e do norte da África, onde os custos são mais baratos e os atrasos de abastecimento muito menores. Finalmente, mencionamos que o europeu confere uma maior atenção O engenheiro Philippe Gautrin, Associado do Grupo GCL apresenta suas considerações sobre o que tem observado nas viagens técnicas que realiza por sua companhia aos detalhes e à qualidade do que o consumidor norte-americano, e fica muito orgulhoso de sua região. Rede de distribuição: A Europa é muito pequena de acordo com os padrões norte-americanos, sendo portanto, possível abastecer todo mercado (de acordo com o tipo de produto vendido) com um único centro de distribuição. Na maioria dos casos, esses locais se situam na Holanda, Bélgica ou na Alemanha (centro de gravidade da Europa). A maioria dos CDs se localiza na grande periferia das cidades, a fim de disponibilizar mão-de-obra estável, garantir um fácil acesso aos locais, evitando-se os gargalos tradicionais. Transporte: A oferta de transporte é muito fragmentada, já que 75% das empresas de transporte possuem menos do que cinco caminhões. Encontramos hoje poucas empresas que possuem uma rede européia, e isto provoca numerosas rupturas de carregamento. A temperatura, mais amena do que no Canadá, permite o transporte dos produtos secos por carretas com comportas, que são mais econômicas. As vias de transporte, são muito congestionadas e com acesso às cidades muito difícil, começam a ter regulamentação (horas de utilização). Nos países baixos, as autoridades governamentais realizaram a promoção do transporte fluvial (natural e por canais), a fim de liberar as vias de transporte (existem atualmente projetos para o transporte por barcaças em Amsterdam). Mão-de-obra: A complexidade das trocas comerciais ante a CEE favoreceu o reconhecimento da função logística após alguns anos. Várias universidades oferecem programas de logística, sendo seus diplomas muito procurados. Na categoria da classe operária, a população européia em processo de envelhecimento, amplia a rarefação de mão-de-obra para emprego na indústria. As relações de trabalho são diferentes na Europa, as empresas ressaltam os valores humanos em detrimento, às vezes, da produtividade absoluta. Essa abordagem também se reflete nas conquistas sociais dos empregados (35 horas de trabalho, semanas de férias, complexidade do aporte de recursos ). Tecnologia: Durante nossas visitas às fábricas na Europa, constatamos um maior grau de automatização com relação ao Canadá. Essa automação se justifica devido aos seguintes aspectos: custo e dificuldade da mão-de-obra, custo do terreno, assim como a importância dos fluxos a tratar. Essa automatização é portanto, mais impressionante do que a qualidade dos equipamentos, e claramente superior à que temos na América do Norte. Na organização das fábricas, é feito um trabalho para tornar o espaço agradável para os funcionários, com muita luz natural, reposição de ar e preocupação com a ergonomia dos postos de trabalho e com a segurança. Sistemas de informação: A complexidade das trocas comerciais ante a CEE favoreceu o estabelecimento de sistemas de pilotagem dos fluxos logísticos. Atualmente, a grande maioria das empresas utiliza o WMS e o TMS, já operando na segunda geração dos sistemas, enquanto ainda precisamos justificar a utilização dessas ferramentas nas fábricas norte-americanas e canadenses. Na América do Norte o mercado é bastante segmentado e poucos participantes se destacam em suas áreas de mercado predominante. Os vendedores de soluções WMS e TMS também fazem face a uma oferta das ERP, que se aperfeiçoa consideravelmente. Os recursos de terceirização são uma prática corrente na Europa, já que as empresas buscam se concentrar no foco empresarial (core business). A oferta já está madura e os prestadores de serviços propõem mais do que somente o transporte e a armazenagem; podem tomar para si todas as atividades da cadeia de abastecimento. Conclusão: Como conclusão, devemos nos perguntar o que podemos aprender com os europeus e de modo inverso, o que podemos lhes transmitir. Como norte-americanos, devemos considerar a importância do fator humano nas operações, a qualidade dos equipamentos, a importância da WMS, assim como a vantagem estratégica devida à terceirização. Os europeus, de sua parte, podem considerar o valor da colaboração entre os participantes da cadeia, as novas tecnologias: o RFID, o reconhecimento vocal, assim como a importância dos indicadores de desempenho. * Fonte: Eng. Philippe Gautrin Associado Grupo GCL TODAY Logistics & Supply Chain - 14 TODAY Logistics & Supply Chain - 15

9 Artigo Aslog Com a globalização consolidada como estratégia mundial de ação das grandes empresas e com a necessidade das nações adaptarem-se à nova ordem mundial, é preciso que sejam competitivas e que utilizem técnicas modernas de administração. Neste contexto, o marketing e a logística se inserem como ferramentas essenciais de apoio à realização das metas, contribuindo para se criar, solidificar e fidelizar mercados ao redor do mundo. A filosofia de marketing (obter lucros através da satisfação das necessidades dos consumidores) é um elemento preponderante para a obtenção de uma posição de destaque em mercados com culturas e hábitos específicos de vida e consumo. A famosa frase pense global, haja local deve ser levada em grande consideração, já que o seu princípio segue a mesma base conceitual da filosofia de marketing. Entender as necessidades de clientes e consumidores significa um fator crítico para o bom desempenho de empreitadas realizadas no cenário internacional. O conhecimento dos clientes nos mercados internacionais requer um investimento amplo de esforço, tempo e recursos financeiros. Portanto, é fundamental que se conheça profundamente suas necessidades e sua cultura para chegar ao sucesso. Recursos humanos preparados para atuar em escala internacional, observação das leis e normas estrangeiras e tratados bilaterais, capacidade de fornecimento constante e sistemático, cumprimento do cronograma e da qualidade prometida são requerimentos mínimos para entrar no mercado internacional. O objetivo maior de estabelecer e consolidar esses pré-requisitos é conquistar a confiança nos mercados internacionais e oferecer credibilidade. Aliás, credibilidade é um ponto extremamente sério em logística internacional, pois os clientes internacionais estão cansados de aventureiros que acham que exportar e fazer chegar qualquer carga é simples e fácil. Esses clientes buscam empresas sólidas e com retaguarda suficiente para iniciar, manter e perpetuar os bons negócios e os lucros. Basta olhar a história de empresas como Sadia, Açúcar União, Cargill entre outras, para entender que as relações internacionais requerem per- Este artigo é de autoria de Célio Mauro Placer Rodrigues de Almeida, professor, engenheiro agrônomo, Mestre e Doutor em Administração (FEA/USP), além de Conselheiro e coordenador do comitê de educação da Aslog. Entre outros conceitos, alerta para a necessidade de estabelecer a inovação como padrão de crescimento sistência e cumprimento da palavra empenhada. A logística pode ser definida como sendo a forma de se poder prover o melhor nível de satisfação aos consumidores, com alto desempenho e rentabilidade nos serviços de distribuição através de planejamento, organização e controle efetivos para as atividades de movimentação e armazenagem, visando facilitar o fluxo e a disposição de produtos no local adequado, no momento certo e da forma desejada. Assim, a logística assume o papel de transformar a filosofia de marketing em realidade pragmática, pois na medida em que é ela que se encarrega de entregar literalmente os bens (tangíveis e intangíveis) aos seus destinatários, ela transforma a filosofia de marketing em resultados reais, que geram satisfação aos consumidores, aos funcionários e aos acionistas, já que clientes satisfeitos fidelizam, compram mais e geram mais lucros estáveis (de médio e longo prazo). A estratégia de desenvolvimento de uma imagem internacional se define em três etapas: Continuar fazendo e melhorando aquilo que sabemos fazer bem; destacar as vantagens competitivas, que assumem o papel de ferramentas estratégicas para a manutenção dos atuais clientes e conquista de novos, ação e combate nos mercados de clientes, consumidores e concorrentes em outras nações. É preciso comunicar o valor que podemos entregar e atender às expectativas de forma a surpreender os clientes; às vezes, surpreender é apenas fazer a coisa conforme o combinado, já que nos mercados mundiais muitos prometem, mas não cumprem. Corrigir e melhorar o que fazemos mais ou menos, medianamente, mediocremente. No mundo atual todos os produtos e serviços principais tendem a se tornar commodities; o que diferencia a empresa é a capacidade de descomoditizar, acrescentando serviços suplementares desejados pelos clientes, de qualidade destacada e com preços reduzidos, mediante a redução dos custos pela otimização dos processos e eficiência nas práticas de execução das tarefas. Isto somente pode se tornar possível com o conhecimento profundo e amplo das necessidades dos mercados de clientes e consumidores (customização massiva), a otimização dos processos internos, a aplicação do empowerment, a integração vertical e horizontal (internas e externas à organização), e a utilização estratégica da informação. Criar, gerar e desenvolver aquilo que não conseguimos fazer; ou será que achamos que não conseguimos fazer? É preciso mudar a nossa auto-imagem; os brasileiros precisam perceber que ocupam a décima posição econômica entre 270 países em todo o mundo. A magnitude da nossa grandeza se traduz em personalidades brasileiras que alavancam o sucesso de empresas multinacionais que demonstram aos cidadãos do mundo como se pode atingir o sucesso com maestria - isso sem aprofundar nas tecnologias de ponta desenvolvidas por organizações como Embrapa, Ambev, CVRD, Petrobras, Embraer etc. A pergunta que deve ser feita por cada um de nós é: o Brasil deve ser grande para si mesmo ou ser grande para todas as nações do mundo? O momento é de acrescentar valor multiplicando os mercados, os parceiros, os lucros e os clientes fiéis. Alguns pontos tornam-se cruciais para obter sucesso no marketing da logística internacional: Quebrar os paradigmas obsoletos; descentralizar e transformar cada pessoa na organização em um esrategista em ação ; estabelecer a inovação como padrão de crescimento; estabelecer um Sistema Internacional de Informações Estratégicas; segmentar os mercados segundo suas características intrínsecas; desenvolver pacotes de serviços específicos para cada segmento atrativo; adotar a flexibilidade e o dinamismo para acompanhar em tempo real as mudanças do ambiente de negócios; a tecnologia deve ser serva e não senhora; mudar a nossa auto-imagem. Os mapas deste artigo ilustram o porte e a qualidade do nosso parque logístico. Talvez seja necessário otimizá-lo sistematicamente, buscando chegar à qualidade total, mas como 10.ª economia do planeta já está muito bem estruturado para receber e enviar cargas, pessoas e informações, e tem uma histórica experiência com grandes volumes e trocas no marketing internacional. Celio Mauro Placer Rodrigues de Almeida, Professor e Consultor de Logística e Marketing, Eng.º Agrônomo, Mestre e Doutor em Administração pela FEA-USP Professor da FIA - Fundação Instituto de administração Conselheiro e coordenador do comitê de educação da ASLOG. TODAY Logistics & Supply Chain - 16 TODAY Logistics & Supply Chain - 17

10 Express Porto de Itajaí recebe melhorias A obra de reestruturação do Molhe Sul, estrutura que fixa o canal para entrada e saída dos navios ao porto de Itajaí foi concluída e entregue pelo governo federal no início de outubro. Os serviços foram realizados com recursos do programa Agenda Portos. A obra custou R$ 16,5 milhões de um total de R$ 53 milhões, repassados pela União. Além de oferecer segurança à navegação marítima, o Molhe Sul irá receber equipamentos para visitação pública (faixa para ciclistas, bancos, deques e iluminação noturna). O programa implantado pelo governo federal contemplou 11 portos brasileiros. O Porto de Itajaí foi o primeiro no país a receber 100% dos recursos previstos. Das obras realizadas com os recursos do programa Agenda Portos, a dragagem do canal de acesso também já está finalizada. Com a nova profundidade de 11,30 metros, o Porto de Itajaí passa a receber embarcações de até 270 metros. A dragagem custou R$ 14,4 milhões. Entre outras obras em andamento, o Centro Integrado de Atendimento (CIA), prédio que vai abrigar todos os órgãos intervenientes, também recebeu recursos da Agenda Portos. A obra deve ficar pronta em 60 dias. Além dos recursos da Agenda Portos, existem investimentos de outros R$ 100 milhões em obras de ampliação e infra-estrutura. Os recursos são provenientes da iniciativa privada através do Teconvi, empresa arrendatária de parte das operações no porto, e do próprio porto. Logística na Web A Multicom.net, especialista no gerenciamento de projetos de EDI em larga escala, e a GT Nexus, que opera o único portal global de logística on-demand em todo o mundo anunciaram uma aliança estratégica que ajudará a expandir a utilização do portal global de logística da GT Nexus pelos maiores importadores, exportadores e prestadores de serviço do Brasil. No coração de todos os serviços ofertados pela GT Nexus, estão os dados - como são capturados, padronizados e disponibilizados por meio de um software baseado na Internet. A Multicom.net vem acrescentar com seu conhecimento do mercado local e experiência técnica na integração de sistemas e em projetos para grandes corporações multinacionais. Nós estamos promovendo a integração eletrônica da comunidade Brasileira de comércio exterior nos últimos 11 anos, ressalta Jose Tadeu Bijos, CEO da Multicom.net. Mas as redes de dados resolvem somente uma parte do problema. A GT Nexus é a primeira companhia que eu conheço que combina um portal baseado na Internet com aplicações de software, oferecendo uma solução completa e totalmente integrada. Sua carteira de clientes, composta de grandes empresas fala por si só. Dentre os clientes atendidos pela Multicom.net estão: Santos Brasil, Portobello, Libra Terminals, Maersk, Multi-Rio, MSC, Hamburg Süd e o Governo Brasileiro. O Brasil não é somente um o país enorme, com uma economia diversa e sofisticada, diz o presidente da GT Nexus, John Urban. Também existe uma infra-estrutura de tecnologia muito avançada que vem sendo intensivamente usada pela comunidade nos negócios. Nós pensamos que Multicom.net é um parceiro ideal para nos ajudar a fazer da Internet, com sua capacidade entregar serviços on-demand, se transformar em padrão para o controle da logística global. Ao contrário do software tradicional que requer enormes taxas de licença, altos gastos em hardware e manutenção constante, o modelo on-demand desloca o risco para longe do cliente. Com o portal on-demand da GT nexus, os clientes usam apenas as potencialidades que necessitam. TODAY Logistics & Supply Chain- 18 Integração Intermunicipal nos trilhos Mais de 70 empresas do Brasil e exterior já manifestaram interesse em desenvolver estudos técnicos, econômicos e financeiros para modelagem de uma parceria público-privada (PPP), visando à implantação dos projetos Trem de Guarulhos e Expresso Aeroporto. Os interessados têm até 18 de dezembro para encaminhar as propostas, que serão analisadas pela Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos (STM), CPTM, Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) e Companhia Paulista de Parcerias (CPP). As diretrizes para formulação desses estudos e os procedimentos de recebimento dos mesmos estão disponíveis no site No entanto, o esclarecimento de dúvidas sobre os projetos poderá ser feito pela CPTM até 24 de novembro. Após a análise dos estudos e com a definição das regras dessa PPP, a CPTM formulará o edital de concorrência pública e terão início as Audiências Públicas, com previsão de publicação ainda no 1º semestre de A assinatura do contrato está prevista para o período entre o final do ano que vem e início de 2008 e a conclusão das obras até O projeto Trem de Guarulhos e Expresso Aeroporto interligará as duas maiores cidades do Estado, São Paulo e Guarulhos, aproveitando parte da faixa ferroviária da CPTM, com serviços diferenciados. Já o Expresso Aeroporto está associado à ligação do Aeroporto Internacional de São Paulo Governador André Franco Montoro, localizado no bairro de Cumbica em Guarulhos, ao centro de São Paulo. O serviço será implementado em novas vias, com tempo de viagem estimado em 20 minutos em 31 km de extensão. A velocidade comercial poderá superar os 100 km/h, muito competitiva se comparada a de outros meios de transporte. Nestlé investe em cabotagem A Nestlé, uma das principais empresas alimentícias do mundo, vem utilizando, há mais de um ano, o serviço de cabotagem da Aliança Navegação e Logística para distribuir os seus produtos nas regiões Norte e Nordeste. Segundo a empresa, a decisão de substituir parte do transporte rodoviário pelo modal marítimo se deve à qualidade do serviço porta-a-porta oferecido pela Aliança, batizado recentemente de BR-Marítima. Segundo o chefe de Operações de Transportes da Nestlé, Marco Antônio Dominguez, o aumento do número de navios e da freqüência nos portos estimulou uma maior utilização da cabotagem, bem como a mudança da matriz de transportes da empresa para o atendimento das regiões Norte e Nordeste. Atualmente, o tempo total de transporte porta-a-porta é de 7 dias para Recife e de 9 dias para Fortaleza. Esse transit-time foi possível, graças ao trabalho elaborado em parceria pela Aliança e Nestlé, afirma. Além da baixa incidência de avarias, outras vantagens da cabotagem são a integridade da carga e a regularidade do serviço. De acordo com o executivo, a Aliança Navegação e Logística vem apresentando alternativas que visam a melhor utilização da cabotagem, como uma programação semanal de navios nos principais portos do País. A empresa também oferece mais segurança e preços competitivos em relação ao transporte rodoviário. A redução geral de custos com transporte foi significativa não só no frete, mas também nas demais condições que envolvem o transporte, explica Dominguez. Além disso, a Aliança informa que o cliente conta com um único interlocutor para os serviços de entrega, delegando para ela a responsabilidade pela execução do processo logístico. A entrega programada no destino é, segundo a Nestlé, um outro diferencial da cabotagem da Aliança, uma vez que permite uma melhor gestão do recebimento. O armador prioriza as cargas críticas e leva em consideração as necessidades de movimentação dos Centros de Distribuição. Novo terminal de carga no Tocantins O Expresso Araçatuba e a Golden Cargo inauguraram o terminal de Araguaína, no Tocantins, com 28 mil m2 de área total, dos quais, 3.000m2 destinados à plataforma de operações. O novo armazém está localizado no eixo da BR-153 (Belém-Brasília) e ambas as empresas estão esperando um crescimento na região de 30% ainda este ano. Para a Golden Cargo, que não possuía um centro de distribuição na cidade, será estratégico para atender os estados do Tocantins, Maranhão, Piauí e Pará. No caso do Expresso Araçatuba, a filial é fundamental para atendimento do Tocantins, Sul do Pará, Norte do Mato Grosso e também algumas cidades do Maranhão. Sediado na maior cidade do País e terceira maior do mundo, São Paulo - metrópole responsável por mais de 32% das exportações brasileiras - o Centro de Logística de Exportação (CELEX) é uma parceria entre o Governo do Estado de São Paulo e a iniciativa privada. A proposta nasceu para solucionar problemas, diminuir burocracia, aumentar agilidade e resultados no ramo do Comércio Exterior, sobretudo para as micro, pequenas e médias empresas interessadas em interagir com o mercado externo. Tudo centralizado numa área de mais de 30 mil metros quadrados. Em dois anos de atividade a empresa atua em 99 países e atinge mais de 300 mil importadores. No Brasil já são 100 exportadores que contam com esses serviços. Um número que agrada, mas pode aumentar, segundo a diretora-geral, Priscila Bornschlegell. Isso, porque quando uma empresa decide iniciar suas exportações, é muito comum surgirem dúvidas sobre como dar o primeiro passo. Ter um bom produto, acreditar na própria qualidade e imaginar que lá fora também dará lucro, não são fatores suficientes para exportar. Conhecer mais sobre o mercado que se está prospectando ou ainda ter as informações corretas e seguras sobre as empresas que fabricam lá fora o produto necessário para sua sobrevivência são condições sine qua nom para obter sucesso na empreitada. O meio encontrado pelo CELEX para alcançar sua missão está assegurado nos quatro pontos principais das operações colocadas à disposição das empresas/clientes: Formação, Informação, Facilitação e Negociação. Em todas essas áreas contamos com parceiros e profissionais gabaritados dispostos a auxiliar os clientes da melhor maneira possível, avalia Priscila. TODAY Logistics & Supply Chain - 19 São Paulo aposta em logística de exportação

11 Express Seara e ALL fecham acordo A Seara que faz parte do grupo Cargill, passa a usar a ferrovia para o transporte de sua produção. A empresa assinou contrato com a América Latina Logística (ALL) envolvendo o escoamento da produção de frangos e suínos congelados das suas fábricas (SP, MT. MS e PR) até o porto de Paranaguá. Está prevista a movimentação de 200 contêineres por mês. A ALL planeja investimentos de R$ 1,5 bilhão para os próximos cinco anos ( ), com ênfase na expansão de capacidade, recuperação da via permanente, em tecnologia e manutenção dos ativos, e projeta um crescimento anual de volume da ordem de 12% a 14%. Entre as vantagens do modal ferroviário em relação ao rodoviário, o presidente da ALL, Bernardo Hess, destacou o baixo consumo de diesel (os caminhões consomem duas vezes mais do que as locomotivas) e menores custos operacionais (em média são necessários 135 caminhões e motoristas para transportar o total da carga que um maquinista transporta). O presidente da empresa afirmou ainda que a ALL pode aderir às PPPs (Parceria Público-Privadas) para a construção de uma linha ferroviária entre Porto Alegre e o Porto de Rio Grande, pois, atualmente, os trens que saem da capital precisam fazer uma longa volta pelo interior até chegar ao maior porto do Estado. Depois das eleições, essa questão pode ser melhor debatida. As PPPs já encontram um ambiente mais propício nos ministérios e no BNDES (Banco de Desenvolvimento Econômico e Social). Seriam necessários R$ 600 milhões para efetivar a ligação, cuja distância é de 254 quilômetros. Hess destacou que a malha ferroviária é drasticamente subutilizada no Brasil e na Argentina. Enquanto no Canadá e nos Estados Unidos o uso da ferrovia chega a 55% e a 40%, no País utiliza o patamar de 11%. Investimentos em TI Dados da consultoria internacional IDC apontam que até o final de 2006 mais de 500 mil empresas de pequeno e médio porte da América Latina (companhias de 10 a 499 funcionários) terão investido ao longo do ano US$ de US$ 10 bilhões em Tecnologia da Informação (TI). Para 2009 a IDC espera que o budget de TI chegue a 14 bilhões de dólares. O questionamento sobre as prioridades de investimentos para 2006 mostrou que as soluções de segurança estão em primeiro lugar, seguidas das soluções de ERP. Comparando às empresas de grande porte na América Latina, o mercado das pequenas e médias empresas está atrasado na implementação da maioria das soluções avançadas como CRM, BI, Supply Chain ou Business Continuity. Mais da metade dos investimentos continua ocorrendo em produtos e serviços comprados separadamente. No entanto, houve uma diminuição importante em relação à mesma pesquisa realizada em O que se tem visto muito é TI sendo comprada com a ajuda de uma consultoria e também uma proporção considerável de SMBs comprando soluções de processos de negócios, consistindo em hardware e/ou software, integrado a serviços de TI ou de consultoria de negócios. Novas regras para os portos secos A Receita Federal editou portarias com novas regras de funcionamento dos Centros Logísticos e Industriais Aduaneiros (CLIA), que vão substituir os portos secos. Publicados no Diário Oficial da União, os atos regulamentam alterações feitas pela Medida Provisória 320. Uma das portarias, a número 967, disciplina a forma dos pedidos de licença para os centros logísticos, enquanto a 968 trata sobre a rescisão de contrato de permissão ou concessão para a prestação de serviços de movimentação e armazenagem de mercadoria em porto seco e a transferência para o regime de exploração de CLIA. De acordo com o coordenador-geral de Administração Aduaneira, Ronaldo Medina, as mudanças representam importante avanço na facilitação e na segurança do comércio internacional. A regulamentação dos centros logísticos libera a instalação de recintos alfandegados para atender melhor às demandas do comércio exterior, explicou. A terceira Portaria, de número 969, altera as regras gerais para alfandegamento de locais e recintos no País, em zona primária ou secundária. Com essa medida, a Receita estabelece um novo padrão de operações aduaneiras, baseado em tecnologias de vigilância eletrônica e novas responsabilidades para os administradores desse recinto no que se refere ao controle aduaneiro, em especial as obrigações de identificar mercadorias, retirar e guardar amostras. O ato é inovador ao estabelecer requisitos de desempenho operacional e de segurança para os locais e recintos alfandegados, compreendendo desde procedimentos seguros para recrutamento e capacitação de funcionários até medidas específicas para a qualidade do atendimento aos usuários. A norma também estipula parâmetros de desempenho para a fiscalização aduaneira e para os usuários, como o tempo de espera das mercadorias para verificar a situação fiscal e o tempo de embarque, entre outros. O coordenador-geral diz que as novas regras vão melhorar a performance dos serviços prestados pelos recintos alfandegados quanto ao tempo de realização de operações, aumento da qualidade para a fiscalização aduaneira e, sobretudo, incrementar o aparato de segurança e controle eletrônico a disposição da Receita TODAY Logistics & Supply Chain -20

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

O PODER DE UMA MALHA GLOBAL

O PODER DE UMA MALHA GLOBAL O PODER DE UMA MALHA GLOBAL NOSSAS SOLUÇÕES INTEGRAM O melhor gerenciamento da cadeia de suprimentos e demanda impacta diretamente no que as empresas estão sempre buscando: Aumento de receita Aumento da

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Junior Saviniec Ferreira; Letícia Stroparo Tozetti Faculdade Educacional de Araucária RESUMO O problema de estoque elevado é cada vez menos frequente

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Seminário GVcev. Relacionamento Varejo e Indústria: desenvolvendo parcerias ganha-ganha

Seminário GVcev. Relacionamento Varejo e Indústria: desenvolvendo parcerias ganha-ganha Seminário GVcev Relacionamento Varejo e Indústria: desenvolvendo parcerias ganha-ganha Tecnologia como alavancador de relacionamentos Alejandro S. Padron padron@br.ibm.com No ciclo de vida de um produto,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Prêmio ABRALOG de Logística. Soluções Logísticas no Agronegócio

Prêmio ABRALOG de Logística. Soluções Logísticas no Agronegócio Prêmio ABRALOG de Logística Soluções Logísticas no Agronegócio Sumário 1. Informações Gerais...02 2. Política de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade...03 3. Projeto...05 4. Dificuldade Encontrada...08

Leia mais

CONSULTOR MOSTRA COMO VENCER BARREIRAS E MELHORAR A COLABORAÇÃO ENTRE INDÚSTRIA E VAREJO

CONSULTOR MOSTRA COMO VENCER BARREIRAS E MELHORAR A COLABORAÇÃO ENTRE INDÚSTRIA E VAREJO Economia/Varejo/Indústria/Agenda CONSULTOR MOSTRA COMO VENCER BARREIRAS E MELHORAR A COLABORAÇÃO ENTRE INDÚSTRIA E VAREJO Durante o Cecral 2004, simultâneo à ExpoAbras, o norte-americano Joe Andraski e

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO CAFÉ DA MANHÃ 30/04/2014 AGENDA 1. Leroy Merlin Brasil: uma empresa em crescimento 2. A estruturação do Supply Chain Ø

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Solução Logística de Transportes

<Insert Picture Here> Solução Logística de Transportes Solução Logística de Transportes Reynaldo Braga Senior Sales Manager Importância Estratégica Gestão de Transportes Custos de transporte são o elemento de maior representatividade

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 19 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS SOBRE NOSSA PLATAFORMA COMPLETA A Plataforma de Negocio da Tommasi foi formada ao longo de 20 anos de experiência no ramo de importação e exportação e de uma equipe especializada para formação de uma estrutura

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Parte II Leonardo Julianeli Na primeira parte deste texto*, foram apresentados os principais motivadores

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teoria da Decisão e Gestão de Stocks Licenciatura em Engenharia Civil Licenciatura em Engenharia do Território 1 Agenda 1. Introdução 2. Definição de 3. Evolução Histórica da 4. Integração - Aproximação

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente

Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente FASES DA EVOLUÇÃO DOS SI E DO CONCEITO DE INFORMAÇÃO Período Conceito de informação 1950-1960 Mal necessário,necessidade burocrática. 1960-1970

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Logística. E-commerce

Logística. E-commerce Logística E-commerce Eduardo Ramos de Carvalho Gestor de e-commerce em Projetos, Comercial e Operações. Formado em Comunicação, se especializou em e-commerce na ESPM e cursa MBA (Gestão Estratégica e economica

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA í n d ic e COMPRAS Gestão e optimização de p. 134 Aprovisionamento e gestão de p. 134 Técnicas avançadas de de p. 135 Selecção e avaliação de p. 135 LOGÍSTICA Optimizar a gestão logística

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação Daniel Bio SAP Brasil Atuação e presença em +120 países, 37 idiomas Cerca de 54.000 funcionários 7 Centros Globais de Suporte, oferecendo

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO Este relatório aborda um processo que tem crescido tanto no Brasil como no mundo: a rastreabilidade de produtos. O processo de rastreabilidade é um instrumento fundamental e surgiu em

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

LOGÍSTICA DE MERCADO

LOGÍSTICA DE MERCADO LOGÍSTICA DE MERCADO SILVA, Adriano Pereira KAWAKITA, Gerson M. SILVA, Natália Heloísa RASQUEL, Stefano Adriano Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais (FAEG/ACEG)

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

SAP Excelência Operacional & Inovação. Daniel Bio Setembro 2013

SAP Excelência Operacional & Inovação. Daniel Bio Setembro 2013 SAP Excelência Operacional & Inovação Daniel Bio Setembro 2013 Portfolio de informações atualmente Fragmentado, antigo e não orientado ao usuário Serviço ao Consumidor Gerente de Vendas Finanças e Operações

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Webinar TMS. 13 de Março de 2014. Pedro Gordo Supply Chain Business Development. Nelson Marques. TMS Consultant

Webinar TMS. 13 de Março de 2014. Pedro Gordo Supply Chain Business Development. Nelson Marques. TMS Consultant Webinar TMS 13 de Março de 2014 Pedro Gordo Supply Chain Business Development Nelson Marques TMS Consultant 2 Generix Group em resumo Produtor de software para o universo do comércio > Distribuidores e

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO Eng. Fábio Favaretto, MSC Dep. de Eng. Mecânica da Escola de Eng. de São Carlos - USP Av. Dr. Carlos Botelho,

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

5. Estudo de Caso: SomLivre.Com

5. Estudo de Caso: SomLivre.Com 5. Estudo de Caso: SomLivre.Com 5.1. Metodologia Os dados que serão descritos neste estudo referem-se à empresa SomLivre.Com, compreendido no período de Setembro de 1999 à Novembro de 2004. Com intuito

Leia mais

INSTITUTO SENAI de tecnologia em LOGÍSTICA

INSTITUTO SENAI de tecnologia em LOGÍSTICA INSTITUTO SENAI de tecnologia em LOGÍSTICA INSTITUTOs SENAI de TECNOLOGIA E DE INOVAÇÃO Atento às necessidades do mercado, o SENAI interligará o país numa rede de conhecimento e desenvolvimento com a implantação

Leia mais

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain SAP - Planejamento de Negócio Integrado Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain Agenda Introdução SAP Extended Supply Chain SAP Integrated

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID A Identificação por Rádiofrequência permite a uma organização capturar, mover e gerenciar informações de e para cada ponto de atividade dentro do negócio

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

Tecnologia da Informação em Aplicações Logísticas. Professor: Msc. Marco Aurélio C. da Silva

Tecnologia da Informação em Aplicações Logísticas. Professor: Msc. Marco Aurélio C. da Silva Tecnologia da Informação em Aplicações Logísticas Professor: Msc. Marco Aurélio C. da Silva Importância da TI na Logística A TI foi um fator preponderante para o desenvolvimento da Logística nos últimos

Leia mais

LOGÍSTICA: o difer. esa competitiva. Entrevista. ansporte?

LOGÍSTICA: o difer. esa competitiva. Entrevista. ansporte? LOGÍSTICA: o difer dif erencial encial da empresa empr esa competitiva Carlos Taboada O Professor Carlos Taboada, um cubano quase brasileiro, é o entrevistado desta edição da Revista FAE Business. Ele

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Marcelo José de Sousa, diretor de logística da TGestiona, fala sobre e-commerce

Marcelo José de Sousa, diretor de logística da TGestiona, fala sobre e-commerce 21 de Julho de 2009 Marcelo José de Sousa, diretor de logística da TGestiona, fala sobre e-commerce A Internet, já há algum tempo, é parte integrante da vida de muitas pessoas, que passam horas conectadas

Leia mais

IBM Solutions Center São Paulo

IBM Solutions Center São Paulo IBM Solutions Center São Paulo IBM Solutions Center A IBM está estabelecida há mais de 90 anos no Brasil e é um dos grandes motores do desenvolvimento da tecnologia de informação aplicada aos negócios.

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Modelos de Gestão de Estoques e Otimização do Sistema de Ressuprimento para uma rede de Drogarias

Modelos de Gestão de Estoques e Otimização do Sistema de Ressuprimento para uma rede de Drogarias Dayves Pereira Fernandes de Souza Modelos de Gestão de Estoques e Otimização do Sistema de Ressuprimento para uma rede de Drogarias Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA EMPRESA A WZ É UMA EMPRESA de consultoria em logística formada por profissionais com ampla experiência de mercado e oriundos de empresas dos setores varejista, atacadista, distribuidores e industrias.

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais