PROPOSTA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA AGROINDÚSTRIA DE MOAGEM DE TRIGO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA AGROINDÚSTRIA DE MOAGEM DE TRIGO"

Transcrição

1 PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PONTA GROSSA GERÊNCIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PPGEP MAICO JEFERSON DE OLIVEIRA PROPOSTA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA AGROINDÚSTRIA DE MOAGEM DE TRIGO PONTA GROSSA DEZEMBRO 2007

2 ii MAICO JEFERSON DE OLIVEIRA PROPOSTA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA AGROINDÚSTRIA DE MOAGEM DE TRIGO Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção, do Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção, Área de Concentração: Gestão Industrial, da Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação, do Campus Ponta Grossa, da UTFPR. Orientador: Prof. Kazuo Hatakeyama, PhD. PONTA GROSSA

3 iii DEZEMBRO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Universidade Tecnológica federal do Paraná Campus Ponta Grossa Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO TERMO DE APROVAÇÃO Título de Dissertação PROPOSTA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA AGROINDÚSTRIA DE MOAGEM DE TRIGO por Maico Jeferson de Oliveira Esta dissertação foi apresentada às 10h do dia 17 de dezembro de 2007, como requisito parcial para a obtenção do título de MESTRE EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, com área de concentração em Gestão Industrial, linha de pesquisa Gestão da Produção e da Manutenção, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. O candidato foi argüido pela Banca Examinadora composta pelos professores abaixo assinados. Após deliberação, a Banca Examinadora considerou o trabalho aprovado. Prof. Dr. Fábio Favaretto (PUCPR) Prof. Dr. João Carlos Colmeneiro (UTFPR) Prof. Dr. Luiz Carlos de Abreu Rodrigues (UTFPR) Prof. Dr. Kazuo Hatakeyama (UTFPR) Orientador Visto do Coordenador Prof. Dr. Kazuo Hatakeyama (UTFPR) Coordenador do PPGEP

4 iv À minha família, especialmente para meu querido Nicolas.

5 v AGRADECIMENTOS Ao meu orientador Prof. Kazuo Hatakeyama, PhD., sem o qual essa pesquisa jamais poderia ter se concretizado. A todos os Professores e Colaboradores da UTFPR. A Cooperativa Agrária Agroindustrial pelo apoio financeiro e disponibilidade das instalações fabris. Aos moinhos que contribuíram respondendo o questionário. A todos aqueles que de alguma forma contribuíram para a realização da pesquisa.

6 RESUMO Esta pesquisa apresenta uma proposta de sistema de planejamento e controle da produção para a agroindústria de moagem de trigo. A proposta foi elaborada com base na pesquisa bibliográfica e na coleta de dados, utilizando questionário e o formulário, sendo o mesmo aplicado nos moinhos da região Sul do Brasil. O suprimento para a agroindústria de moagem de trigo é caracterizado pela instabilidade e pela dependência do fornecimento da matéria-prima proveniente da Argentina. Os moinhos apresentam tipicamente as etapas de recebimento, preparação, moagem de trigo em grãos, envase e expedição de farinhas. O fluxo de material é contínuo, a moagem representa a restrição do sistema. Na população em estudo, a etapa da moagem apresenta capacidade ociosa em relação à demanda do mercado. Foi desenvolvida uma proposta de controle da produção para o chão-defábrica, baseada na produtividade e na perda de ritmo da moagem, o objetivo é o monitoramento do fluxo da produção. Esta proposta foi simulada em um dos moinhos da amostra. Uma proposta de planejamento-mestre da produção, baseada na programação finita da moagem foi apresentada, onde a seqüência da produção é realizada considerando a data de entrega. A proposta prevê também o congelamento do último período para garantir a estabilidade do planejamento-mestre da produção. O foco na matéria-prima, o recurso restrição de longo prazo representado pela moagem e a necessidade de agrupamento das farinhas de trigo, são as premissas para a elaboração da proposta de planejamento agregado da produção para a indústria de moagem de trigo. Palavras-chave: Gestão; Produção; Moinho de Trigo.

7 7 ABSTRACT This research approaches planning studies and production control in the Agribusiness of grain milling. With base on studies, one molding of planning system and production control is proposed. The planning molding system and production control was elaborated based on a bibliographic research and with data collection through questionnaires and the formulae. The data were colleted in the mills from South of Brazil. The supply to agribusiness of grain milling is characterized by instability and dependence of raw material supply coming from Argentina. The divergence between quality of national grain and the necessity of the industry is a part of Brazilian reality. The mills present typically by the times of receiving, preparation, milling of grains, packaging and shipping of flours. The flux of operations is the flow shop kind, where milling represents the restriction of the system. In the population studied, the millings present an inactive capacity related to Market Demand. It was developed a methodology of production control on the factory floor, based on productive and lost of rhythm from milling. The goal is to monitor the flux of production. The methodology was simulated in one of the mills from the sample. A proposal of master production planning to agribusiness of grain milling was elaborated. The data collection revealed the demand of this tool for planning and production control. The proposal was based on a complete programming of milling, where the sequence of production is accomplished based on the delivery date. The proposal even sees the frozen time that happens in the last period to guarantee the stability of the master production planning. The focus on raw material, that restricts resource in a long period represented by milling and the necessity of grouping of flour are the premises to elaborate an aggregate planning of production to agribusiness of grain milling. Keywords: Management; production; Grain mill.

8 8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABITRIGO Associação Brasileira da Indústria do Trigo APICS Association for Operations Management ATO Assembly to Order BOM Bill of Materials CRM Customer Relationship Management CRP Capacity Requirements Planning DRP Distribution Requirements Planning EDD Earliest due date ERP Enterprise Resources Planning ETO Engineer to Order JIT Just in Time MPS Master Production Schedule MRP Materials Requirements Planning MRP II Manufacturing Resources Planning MTO Make to Order MTS Make to Stock OPT Optimized Production Technology SFC Shop-floor Control SCM Supply Chain Management S&OP Sales and Operations Planning TOC Theory of Constraints WIP Work in Process

9 9 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Diferenças entre produção contínua e intermitente...23 Quadro 2: Sistemas de programação finita de capacidade...49

10 10 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Sistema de produção...20 Figura 2: Suprimento de trigo para a indústria brasileira...24 Figura 3: Consumo de trigo na indústria brasileira nos últimos treze anos...25 Figura 4: Evolução da área cultivada com trigo no Brasil...25 Figura 5: Produtividade de trigo em quilos por hectare no Brasil Figura 6: Evolução da importação brasileira de trigo...27 Figura 7: Distribuição dos moinhos no Brasil...28 Figura 8: Estrutura da produção nos moinhos...29 Figura 9: Recebimento de trigo...30 Figura 10: Etapa de preparação do trigo...31 Figura 11: Fluxo de operações nas máquinas da preparação de trigo...32 Figura 12: Processo de moagem de trigo...34 Figura 13: Fluxo de operações nas máquinas da moagem do trigo...35 Figura 14: Linha de envase de farinha...36 Figura 15: Fluxo de operações nas máquinas de envase...36 Figura 16: Mercado de farinha no Brasil...37 Figura 17: Estrutura de sistema de PCP...39 Figura 18: Sistemática de previsão de demanda...42 Figura 19: Entradas e saídas do planejamento-mestre da produção...44 Figura 20: Indústria de moagem para programação...57 Figura 21: Ociosidade de M2 em relação à demanda...59 Figura 22: Período de verificação do monitoramento da produção nos moinhos...61 Figura 23: Proporção de controle aplicado nas etapas de produção...61 Figura 24: Proposta de sistema de controle de chão-de-fábrica para moinho de trigo...62 Figura 25: Desempenho em perda de ritmo e paradas não programadas de duas linhas de moagem de trigo...64 Figura 26: Produtividade nas linhas de moagem MA e MB...66 Figura 27: Interface do sistema de controle de chão-de-fábrica...67 Figura 28: Resposta à demanda nos moinhos...69

11 11 Figura 29: Horizonte de planejamento nos moinhos...70 Figura 30: Horizonte das previsões nos moinhos...71 Figura 31: Exemplo da programação finita proposta...73 Figura 32: Interface S&OP e MPS...74 Figura 33: Proposta de sistema de PCP para a indústria de moagem de trigo...76

12 12 LISTA DE TABELAS Tabela 2: Estatística da produção brasileira de trigo...26 Tabela 1: Informações sobre a população Tabela 3: Variações de produtos e diagramas de moagem nos moinhos...58 Tabela 4: Métodos de controle utilizados nos moinhos...60 Tabela 5: Estatística dos dados do sistema de controle de chão-de-fábrica...66 Tabela 6: Eventos que ocorrem na programação dos moinhos...68 Tabela 7: Ferramentas de planejamento usadas nos moinhos...69

13 13 SUMÁRIO CAPÍTULO I Introdução Origem do Trabalho Justificativa da Pesquisa Limitações da Pesquisa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Estrutura do Trabalho...18 CAPÍTULO II Revisão de Literatura Sistema de Produção Classificação dos Sistemas de Produção Indústria de Moagem de Trigo no Brasil Suprimento Industrialização Recebimento de Trigo em Grãos Preparação de Trigo em Grãos para a Moagem Moagem de Trigo em Grãos Envase da Farinha de Trigo Distribuição Sistema de Planejamento e Controle da Produção PCP Planejamento de Vendas e Operações (S&OP Sales and Operations Planning) ou Planejamento Agregado da Produção Gerenciamento da Demanda Planejamento Mestre da Produção (MPS Master Production Schedule) Planejamento Detalhado de Materiais Sistema de Controle de Chão-de-Fábrica Programação no Ambiente MRP II Sistema de Programação com Capacidade Finita Programação no Ambiente TOC...49

14 Programação do Ambiente JIT Controle da Produção...51 CAPÍTULO III Metodologia Caracterização da Pesquisa População Coleta e Análise dos Dados...54 CAPÍTULO IV Proposta de Sistema de PCP para a Indústria de Moagem de Trigo Sistema de Controle de Chão-de-Fábrica para a Indústria de Moagem Proposta de Programação da Produção Proposta de Controle de Produção Simulação da Proposta de Controle de Chão-de-Fábrica Interface do Sistema de Controle de Chão-de-Fábrica Proposta de MPS para a Indústria de Moagem de Trigo Interface do Processo MPS Proposta de S&OP para a Indústria de Moagem de Trigo Visão Geral da Proposta de Sistema de PCP para a Indústria de Moagem de Trigo...76 CAPÍTULO V Considerações Finais Sugestões para Trabalhos Futuros...80 REFERÊNCIAS...81 ANEXOS A QUESTIONÁRIO...87 ANEXOS B - OFÍCIO...88

15 15 CAPÍTULO I 1.1 Introdução O aumento da oferta da farinha de trigo em relação à demanda propiciado pelas evoluções tecnológicas dos processos de produção, caracterizando o cenário competitivo atual, motivou as organizações a investirem no aprimoramento das técnicas de administração de seus processos produtivos, entre as quais as sistemáticas de planejamento e controle da produção. Um sistema de planejamento e controle da produção (PCP) pode ser analisado sob duas óticas que se complementam, numa visão sistêmica, enquanto estrutura de informação que integra os estágios de um empreendimento e da maneira mais específica modelando o padrão de decisão adotado em cada estágio. Os sistemas de produção diferem quanto à estrutura de seu PCP, espelhando sua complexidade que estará presente em maior ou menor grau, em função do tipo de empreendimento, com risco da falta de produto para atender ao mercado, ou excesso de estoques. Assim, tais ocorrências podem comprometer o fluxo de caixa e onerar os custos com a manutenção do estoque. Responsáveis essencialmente pelo equilíbrio entre a demanda e o fornecimento, os sistemas de PCP têm nas agroindústrias dois desafios: o primeiro, é a incerteza no suprimento, já que a produção agrícola está condicionada a uma variável aleatória da natureza; o segundo desafio é na outra extremidade, o consumo estável característico do mercado de alguns artigos padronizados. Um agravante particular para a indústria de moagem de trigo está na produção brasileira de trigo em grãos que não é auto-suficiente. O cereal é importado do Canadá, Estados Unidos, França e Argentina, de onde provém a maior importação visando atender a demanda brasileira. A capacidade instalada de moagem no Brasil supera o consumo atual de farinha de trigo, atingindo próximo de 40% de ociosidade em relação à capacidade instalada (ABITRIGO, 1999). No Brasil a industrialização de trigo em grãos foi submetida a um alto nível de intervenção estatal, desde a década de sessenta até os anos Foram

16 16 estabelecidas cotas semanais para moagem, fixados os preços do trigo em grãos e da farinha, controlando desta forma os investimentos no setor (ABITRIGO, 1999). A liberdade de comercialização de trigo em grãos e farinha, após a década de noventa, iniciou uma nova fase para os moinhos, agora com maior autonomia para realizar investimentos em ampliações e modernização do parque fabril. 1.2 Origem do Trabalho A forma de prática empresarial com a liberdade de investimentos e atualização tecnológica trouxe como conseqüência a competição entre os moinhos. Têm maior competitividade os moinhos que operam com a adoção de estratégias eficientes de planejamento e controle da produção, as quais carecem de pesquisa na busca da racionalização de investimentos realizados. No que diz respeito aos moinhos brasileiros, o controle estatal que perdurou até a década de noventa desestimulou o desenvolvimento das técnicas de administração da produção no setor, até mesmo as referências nacionais que descrevem o processo de moagem de trigo em grãos são escassas e muitas vezes não estão disponíveis aos interessados. Há uma demanda por estudos que contribuam para o desenvolvimento da gestão da produção nos moinhos, através dos sistemas de planejamento e controle da produção. 1.3 Justificativa da Pesquisa Conciliar a demanda do mercado com a capacidade de fornecimento do sistema produtivo é uma atividade que está presente no âmbito de todas as organizações. O planejamento e o controle da produção diferem em cada organização, contudo a necessidade de determinar quando e quantos artigos devem ser produzidos é comum a todas as organizações (BONNEY 2000). Campos (2004) em seu trabalho analisando o desempenho do setor moageiro no período pós 1990, identificou a necessidade de melhorar a competitividade no

17 17 setor, devido à concorrência que aumentou pelo incremento na capacidade produtiva dos moinhos e a importação de farinha de trigo da Argentina. O sistema de PCP poderá auxiliar os moinhos na melhoria da competitividade. Os trabalhos acadêmicos sobre PCP são voltados, na maioria das vezes, para as indústrias de manufatura. A agroindústria demanda trabalhos deste gênero, especialmente nos casos em que particularidades condicionadas pelo processo de produção interferem nas atividades de PCP. 1.4 Limitações da Pesquisa Como as atividades de PCP têm ampla abrangência, e os sistemas de produção também diferem quanto ao modelo de decisão adotado, a delimitação da pesquisa é necessária para que as conclusões obtidas após a coleta de dados, se repitam quando a análise ocorre à luz do escopo aqui abordado. A pesquisa limita-se à indústria de moagem de trigo. O processo mostra semelhanças quando comparado com outros de produção contínua para estoque. Mesmo assim, os moinhos apresentam suas próprias particularidades. Este trabalho não definitivo é um dos pioneiros do gênero na indústria de moagem de trigo no Brasil, conforme foi evidenciado durante a pesquisa bibliográfica. A proposta estará sujeita aos ajustes e a contínuas melhorias após o seu funcionamento. 1.5 Objetivos Ao descrever o objetivo da pesquisa busca-se chegar ao enunciado formal do tema, na forma de uma frase curta e objetiva em que se definam as principais características da pesquisa, tornando-se o ponto de partida para todo o planejamento ou gestão coletiva da investigação (VASCONCELOS, 2002). Para cumprir sua finalidade propõe-se um objetivo geral desdobrado em objetivos específicos.

18 Objetivo Geral O objetivo geral desta pesquisa é: Elaborar uma proposta de sistema de PCP para a indústria de moagem de trigo Objetivos Específicos Os objetivos específicos desta pesquisa são: Elaborar uma proposta de sistema de controle de chão-de-fábrica que atenda a dinâmica da produção na indústria de moagem de trigo; Propor um programa mestre de produção ajustado às características da indústria de moagem de trigo; Propor um conjunto de premissas básicas para o planejamento de vendas e operações da indústria de moagem de trigo. 1.6 Estrutura do Trabalho A dissertação está dividida em cinco capítulos. O primeiro contextualizou o tema, apresentou a origem, as justificativas e os objetivos da pesquisa. No segundo capítulo é abordada a metodologia da pesquisa, envolvendo a caracterização, a população e a coleta e análise dos dados. A revisão bibliográfica do terceiro capítulo está elaborada de modo a oferecer o suporte teórico suficiente. Foi descrita de maneira enxuta, estruturada da seguinte forma: a. Sistema de produção apresenta a definição de sistema de produção abrindo caminho para os temas seguintes; b. Classificação dos sistemas de produção o foco é a demonstração do fluxo de materiais nas diferentes classes de sistemas de produção; c. Indústria de moagem de trigo nessa seção o processo de moagem foi descrito em maiores detalhes. O objetivo é subsidiar informações

19 19 precisas sobre o fluxo de operações, além de algumas especificidades do processo. Vários diagramas foram usados para essa finalidade; d. Sistemas de PCP um modelo geral de sistema de PCP sugerido por VOLLMANN et al. (2006) é utilizado para direcionar as discussões desse tema; e. Planejamento de vendas e operações o objetivo da seção é abordar o processo focando suas principais finalidades. Todas as etapas que compõem o sistema de PCP são apresentadas dessa forma. A ênfase está na lógica implícita dos modelos. f. Gerenciamento da demanda o foco é a previsão da demanda, devido a sua importância no sistema de produção em estudo. As metodologias de previsão são apresentadas quanto a sua funcionalidade; g. Planejamento-mestre da produção essa seção apresenta o objetivo da ferramenta e as três estratégias de planejamento-mestre; h. Planejamento detalhado de materiais a sistemática que utiliza a lista de materiais defasada no tempo e a baseada na taxa de consumo são apresentadas nesse tópico; i. Sistema de controle de chão-de-fábrica aborda os aspectos que envolvem a programação e o controle da produção. O quarto capítulo apresenta a proposta de sistema de PCP para a indústria de moagem de trigo, juntamente com a análise dos dados utilizados para validar algumas premissas da proposta. Por fim, no quinto capítulo, são apresentadas as considerações finais e as sugestões para trabalhos futuros.

20 20 CAPÍTULO II 2 Revisão de Literatura 2.1 Sistema de Produção Um sistema de produção envolve a transformação de insumos e matériasprimas através dos recursos de produção, em produtos ou serviços de maior valor agregado, de forma sistematizada. O modelo que representa um sistema de produção é apresentado na Figura 1. Entrada Transformação através dos Recursos de Produção Saída Figura 1: Sistema de produção Fonte: Adaptado de Slack et al. (1997) e Stevenson (2001) Os sistemas de produção nas organizações eram vistos como um custo necessário. Na década de setenta, a entrada das indústrias asiáticas no mercado americano motivou o interesse estratégico, principalmente na manufatura. A qualidade, flexibilidade, a prestação de serviços e a entrega passaram a fazer parte das decisões nos sistemas de produção, no sentido de contribuir para a competitividade da organização (SLACK, 1993). Nas últimas décadas, três grandes mudanças na gestão da produção se destacam (CORREIA; CORREIA, 2005): Tornou-se mais estratégica; Ampliou sua área de atuação através dos serviços prestados aos clientes, da qualidade, da flexibilidade e da entrega; Estendeu seu horizonte de preocupações, de unidade fabril para as redes de suprimentos.

21 21 Incorporam o ambiente da gestão de operações, os produtos com ciclo de vida mais curto e alta taxa de renovação de mix de produção, alta variedade de produtos, consumidores mais exigentes por qualidade e entrega, e ainda o aumento da oferta e preços competitivos (BATALHA et al., 2007). O gerenciamento da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management SCM) é fruto das mudanças na gestão dos sistemas de produção. O SCM representa uma integração estratégica dos sistemas de produção e comercial, partindo do consumidor final até os fornecedores iniciais (NOVAES, 2001). O SCM, como estratégia competitiva das empresas, é praticado por mais de duas décadas, entretanto poucas empresas desenvolveram seu SCM para obter o melhor proveito, conforme IBRAHIM e KENNEDY (2007) que apresentam uma proposta para melhorar a prática do SCM. Ferramentas como o ERP (Enterprise Resources Planning) e o CRM (Customer Relationship Management) também são exemplos de abordagens que suportam a integração. No trabalho comparando o desempenho na implantação de SCM, ERP e CRP, HENDRICKS et al. (2007) demonstram a eficácia dos três modelos, com desempenho diferencial do SCM no que se refere ao estoque. Na produção agroindustrial, desde a publicação do trabalho de Davis (1957) e Goldberg (1968), as relações de dependência entre as indústrias de insumos, produção agropecuária, indústria de alimentos e o sistema de distribuição não podem ser ignoradas (ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2005). A integração estratégica na produção agroindustrial é evidenciada através das cadeias de produção agroindustriais (CPA), que partem de um produto final até a origem nas matérias-primas (BATALHA et al., 2001). Por meio da integração busca-se a redução de estoques, o aumento da flexibilidade propiciando respostas rápidas na variação da demanda, a redução de custos e o aumento da velocidade, uma vez que quanto menor for o tempo do ciclo entrada, transformação e saída, melhor é o fluxo financeiro da empresa. No caso da gestão de estoques, estudos demonstram redução de até 40% no inventário das empresas que estão incorporando estratégias de integração através das cadeias (COLUMBUS, 2005).

22 Classificação dos Sistemas de Produção A necessidade de classificar os sistemas de produção é ligada à resposta ao mercado, a variedade e a quantidade do resultado final da transformação, interferindo por conseqüência nas atividades de PCP. Uma classificação dependente da quantidade e da variedade, e que define o arranjo físico na produção de bens, é a que se baseia nas características operacionais. Tradicionalmente, os sistemas de produção podem ser divididos em três grupos quando são consideradas as características operacionais e do fluxo de materiais (MOREIRA, 2004; RUSSOMANO, 2000; SLACK, et al., 1997): Sistema de produção contínua Apresentam seqüência linear para a produção do produto ou serviço, as diversas etapas do processamento devem ser balanceadas para que as mais lentas não retardem a velocidade do processo. Apresentam acentuada inflexibilidade pela dificuldade em se alterar a capacidade produtiva ou a linha de produtos; Sistema de produção de fluxo intermitente Apresentam maior quantidade de set up, a mão-de-obra e os equipamentos são organizados em centros de trabalho, o produto flui de forma irregular de um centro de trabalho a outro. A produção pode ser em lotes para o estoque ou do tipo job shop; Construção de projetos Nesta modalidade ocorre o deslocamento dos recursos de transformação, diferente da produção contínua e da produção intermitente, nos quais os recursos a serem transformados são deslocados pelo sistema de produção. As principais diferenças entre os sistemas de produção contínua e intermitente são mostradas no Quadro 1.

23 23 Produção contínua Produção intermitente O tempo de preparação dos equipamentos é pequeno, comparado com o tempo de operação longo. A quantidade de produtos iguais precisa ser grande. As máquinas são arrumadas de acordo com o produto (em linha), precisando ser bem balanceadas. O tempo de preparação é aproximadamente da mesma ordem e grandeza que o tempo de operação. A quantidade de produtos iguais é pequena, mas pode se repetir (produção em lotes). As máquinas são arrumadas por processo de fabricação, com difícil balanceamento. Como as máquinas são especializadas, os operadores não precisam ser qualificados. A capacidade ociosa é pequena. Como as máquinas são universais os operadores precisam ser qualificados. A capacidade ociosa é maior em relação a produção contínua. O fluxo de produção é rápido resultando num estoque de material em processo pequeno. O fluxo de produção é lento, resultando num estoque de material em processamento alto. Exige poucas instruções de serviço. Exige muitas instruções de serviço. Quadro 1: Diferenças entre produção contínua e intermitente Fonte: Russomano (2000) Há uma amplitude entre a produção intermitente pura e a contínua pura que comporta vários tipos de sistemas de produção. As agroindústrias aproximam-se do sistema de produção contínuo. Indústrias de alimentos em geral são de processamento contínuo. Normalmente a indústria de alimentos é projetada para a produção contínua de alta eficiência global de equipamentos, minimizando os custos operacionais e os custos de qualidade (JAMES, 2005).

24 Indústria de Moagem de Trigo no Brasil Suprimento A produção agrícola é dependente do clima, ou seja, um elemento aleatório que condiciona a oferta dos produtos agrícolas. A natureza também impõe um espaço de tempo entre a decisão de investir e a efetiva produção agrícola, em decorrência da sucessão de safras (BATALHA, et al., 2001). O suprimento incerto dos produtos agrícolas é uma dificuldade enfrentada pelas agroindústrias em geral. No caso dos moinhos a situação se agrava pela insuficiência na produção nacional de trigo, como mostra a Figura 2. Trigo nacional industrializado em toneladas a % Trigo importado industrializado em toneladas a % Figura 2: Suprimento de trigo para a indústria brasileira Fonte: Adaptado de ABITRIGO (2007) A sazonalidade no suprimento dificulta a adoção de estratégias baseadas na integração, muito embora existam vários casos de parcerias do tipo cliente e fornecedor.

25 25 A necessidade de trigo em grãos para a indústria de moagem vem evoluindo em ritmo modesto nos últimos treze anos conforme demonstra a Figura 3, seguindo o consumo dos produtos padronizados Industrialização de trigo em toneladas Ano Figura 3: Consumo de trigo na indústria brasileira nos últimos treze anos Fonte: ABITRIGO (2007) A evolução da área cultivada com trigo no Brasil entre os anos de 1993 a 2005 experimentou oscilações até 1999, porém crescente até 2003 e estabilizando nos dois anos seguintes, conforme mostra a Figura Área plantada em Hectares Ano Figura 4: Evolução da área cultivada com trigo no Brasil Fonte: ABITRIGO (2007)

26 26 A interferência da variável climática pode ser observada na Figura 5, que mostra uma evolução da produtividade brasileira nos últimos treze anos Produtividade em quilos por hectare Ano Figura 5: Produtividade de trigo em quilos por hectare no Brasil. Fonte: ABITRIGO (2007) A estatística da área cultivada e da produtividade de trigo no Brasil de 1993 a 2005 é indicada na Tabela 2. Tabela 1: Estatística da produção brasileira de trigo Produtividade de trigo (kg/ha) Área cultivada com trigo (ha) Média Máximo Mínimo Amplitude Fonte: Adaptado de ABITRIGO (2007)

27 27 A evolução das importações brasileiras de trigo é mostrada na Figura 6. A importação é proveniente principalmente da Argentina, um grande fornecedor mundial. Importação de trigo em toneladas Ano Figura 6: Evolução da importação brasileira de trigo Fonte: ABITRIGO (2007) Industrialização O processo de moagem do trigo em grãos vem sendo aprimorado desde a idade da pedra. Teve início usando golpes de pedra para realizar a moagem, passando pelos moinhos de pedra, os moinhos de bola e os atuais bancos de cilindros (GRANOTEC DO BRASIL, 2001). Nos últimos cem anos, o processo de moagem sofreu grande evolução tecnológica e automação. Por outro lado surgiram novas variedades de trigo em grãos, e tipos de produtos originários, buscando aprimorar a qualidade (ERLING, 2004).

28 28 Os moinhos associados à ABITRIGO estão amplamente distribuídos pelo Brasil, com maior concentração na região sul, conforme indica a Figura 7. Paraná 12 São Paulo 12 Rio Grande do Sul 9 Santa Catarina 8 Rio de Janeiro 4 Ceará 4 Minas Gerais 3 Bahia 2 Pernambuco 2 Pará 2 Espirito Santo 1 Goias 1 Distrito Federal 1 Sergipe 1 Alagoas 1 Paraíba 1 Rio Grande do Norte 1 Maranhão 1 Amazônia Figura 7: Distribuição dos moinhos no Brasil Fonte: ABITRIGO (2007)

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Maico Jeferson de Oliveira (UTFPR) maico@agraria.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

jul-09 1 FURB Pedro Paulo H. Wilhelm & Maurício C. Lopes

jul-09 1 FURB Pedro Paulo H. Wilhelm & Maurício C. Lopes 1 Referências Bibliográficas apoio jul-09 2 Referências Bibliográficas apoio jul-09 3 Virtual Empreendimentos Competências Chaves I) COMPETENCIA EMPRESARIAL = espírito empreendedor: ousadia, disposição

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

PCP - Planejamento e Controle da Produção. Cap 2 PIVO / S&OP Planejamento Integrado de Vendas e Operações Sales and Opera.

PCP - Planejamento e Controle da Produção. Cap 2 PIVO / S&OP Planejamento Integrado de Vendas e Operações Sales and Opera. PCP - Planejamento e Controle da Produção Cap 2 PIVO / S&OP Planejamento Integrado de Vendas e Operações Sales and Opera.ons Planning Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br PIVO = S&OP (Sales

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Laureilton José Almeida BORGES¹; Warley Alves Coutinho CHAVES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA 2 ; Adriana Giarolla VILAMAIOR 2 ¹ Estudante de Engenharia

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Materiais e estoques ORÇAMENTO DE MATERIAIS E ESTOQUES É a segunda etapa do processo Orçamentário, é orçamentação dos gastos determinados pelos volume de produção pretendidos e os

Leia mais

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção DISCIPLINA: (considerando que Gestão de Materiais será tratada em outra disciplina - se não, sugere-se uma seção sobre o tema baseada no Capítulo 2 do livro de Corrêa, Gianesi e Caon, 2.001) PROFESSOR:

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br

Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br 1. Introdução Sumário 2. Objetivos Específicos do S&OP 3. Descrição do Processo

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Planejamento Agregado Planejamento Agregado.

Planejamento Agregado Planejamento Agregado. ADM II é o processo de balanceamento da produção com a demanda. Visa compatibilizar os recursos produtivos da empresa com a demanda. Normalmente é projetado para horizontes de tempo de 6 a 12 meses. Planejamento

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de Campus Marquês - SP Atividades para NP2 Curso: Semestre: Turma: Disciplina: Tec. Aplicada a Segurança Professor: Fragoso Aluno (a): RA: GABARITO - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Responda

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM (PEA)

PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM (PEA) PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM (PEA) I. IDENTIFICAÇÃO CURSOS Administração de Empresas PERÍODO 5º SEMESTRE 1 Sem 2012 DISCIPLINA Sistemas de Produção Código: SA063 TURMAS CARGA HORÁRIA 60 horas PROFESSOR(A)

Leia mais

UMC/EPN 2013 - Sistemas de Informações Aula 02. Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva de Negócios

UMC/EPN 2013 - Sistemas de Informações Aula 02. Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva de Negócios Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva de Negócios Organização Sistemasde Informação Tecnologiada informação Gerenciamento Maio / 2013 31 Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Introdução - Sistema de PCP - Previsão da demanda - Planejamento da produção Gerência de Estoques - Lote Econômico - Plano de Produção Gerência de Projetos - CPM - PERT

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

A certificação CS&OP-P

A certificação CS&OP-P A certificação CS&OP-P Em mercados competitivos o profissional que dominar o processo de S&OP possuirá grande diferencial estratégico e vantagem competitiva no ambiente de negócios. Neste cenário onde

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFEREN SOB ENCOMENDA S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O CONTÍNUA IN TER MI TEN TE IN TER Página 2 de 17 SISTEMAS FATORES AS PRINCIPAIS DIVISÕES

Leia mais

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Sânia da Costa Fernandes (UFG) saninha_fernandes@hotmail.com Tatiane Albuquerque Pires (UFG) tati_albuquerque_3@hotmail.com

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais