BRANDNAMES OF AGRIFOOD PRODUCTS AS A RESULT OF THE VERTICAL INTEGRATION SYSTEM BETWEEN FARMER AND DISTRIBUTOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BRANDNAMES OF AGRIFOOD PRODUCTS AS A RESULT OF THE VERTICAL INTEGRATION SYSTEM BETWEEN FARMER AND DISTRIBUTOR"

Transcrição

1 BRANDNAMES OF AGRIFOOD PRODUCTS AS A RESULT OF THE VERTICAL INTEGRATION SYSTEM BETWEEN FARMER AND DISTRIBUTOR Kassia Watanabe Doutoranda em Direito Agrário na Scuola Superiore di Studi Universitari e di Perfezionamento Sant Anna di Pisa, Piazza Martiri della Libertà, Pisa, Italia. Alfredo Massart Doutor Professor Titular da Scuola Superiore di Studi Universitari e di Perfezionamento Sant Anna di Pisa, Piazza Martiri della Libertà, Pisa, Italia. Abstract The main object of this paper shall be to show own-brand products as an integration system, and the importance of the regulation of the integration contract in Brazil. The own-brand products are those found in the supermarket net or in other types of distribution net, for example pharmacies. These products have the mark and the quality determined by their own distributors, that result of an integration system. The integration contract is not regulated in Brazil, therefore it is an atypical contract, nevertheless it is used in the most diverse sectors of the economy. The topics of this paper are: a) The concept and history of itegration system in Brazil, and of the ownbrand products. b) The regulation of integration contract in France, Spain and Italy. c) The draft law in agro-industrial contract, evaluating the possibility of it being adopted for contracts of own-brand. Key words: own-brands, integration system, integration contract

2 BRANDNAMES OF AGRIFOOD PRODUCTS AS A RESULT OF THE VERTICAL INTEGRATION SYSTEM BETWEEN FARMER AND DISTRIBUTOR MARCA PRÓPRIA DE PRODUTOS AGRO-ALIMENTARES COMO RESULTADO DE SISTEMA DE INTEGRAÇÃO VERTICAL ENTRE O PRODUTOR AGRÍCOLA E A DISTRIBUIDORA Kassia Watanabe Doutoranda em Direito Agrário na Scuola Superiore di Studi Universitari e di Perfezionamento Sant Anna di Pisa, Piazza Martiri della Libertà, Pisa, Italia. Orientador: Alfredo Massart Doutor Professor Titular da Scuola Superiore di Studi Universitari e di Perfezionamento Sant Anna di Pisa, Piazza Martiri della Libertà, Pisa, Italia. Resumo O principal objetivo desse trabalho será apresentar os produtos de marca própria como um sistema de integração e a importância da regulação do contrato de integração no Brasil. Os produtos de marca própria são aqueles encontrados nas redes de supermercados ou outros tipos de rede de distribuição, por exemplo farmácias. Esses produtos têm a marca e a qualidade determinadas pelos seus próprios distribuidores, que resultam de um sistema de integração. O contrato de integração não é regulado por lei no Brasil, portanto é um contrato atípico, apesar de ser amplamente usado nos mais diversos setores da economia. Os tópicos a serem abordados nesse trabalho são: a) o conceito e história do sistema de integração no Brasil e dos produtos de marca própria. b) a regulação do contrato de integração na França, Espanha e Itália. c) o projeto de lei do contrato agroindustrial, avaliando a possibilidade de ser adaptado aos contratos de marca própria. Palavras-chaves: marca própria; sistema de integração; contrato de integração 1-Introdução Os produtos de marca própria estão cada vez mais difundidos nas redes de supermercados, por exemplo produtos Carrefour, Barateiro, Esselunga etc, podendo ser encontrados nas várias linhas de produto oferecidas aos consumidores. Dentro desses produtos estão os agro-alimentares que são fornecidos com determinada marca e qualidade estipuladas pelo supermercado. A relação entre a rede de supermercado e o produtor agrícola não se trata somente de compra e venda, mas de um sistema de integração, pois o processo de produção sofre a interferência do detentor da marca. O sistema de integração é a relação contratual entre o produtor agrícola e a agroindústria, na qual esta coordena a atividade daquele. Esse sistema existe na região Sul do Brasil no cultivo de fumo, desde 1918 e é amplamente aplicado na avicultura, suinocultura, lactocultura e atualmente nas redes de supermercados. Apesar de ser praticado tal sistema a longa data, não existe a regulação do contrato Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto / USP Outubro de

3 WATANABE,K. e MASSART,A. de integração no Brasil o que não acontece em países europeus como França, Espanha e Itália. No ano de 1998 foi apresentado o Projeto-Lei n 4.378, que regula as relações jurídicas entre a agroindústria e o produtor rural integrado, entretanto ainda está em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. Esse projeto merece atenção para que seja melhorado e que possa atender às necessidades das partes envolvidas. Esse trabalho propõe apresentar que os produtos de marca própria resultam de um sistema de integração e que a regulação do contrato de integração é de suma importância. 2-Sistema de integração A integração consiste em um relacionamento contratual, no qual uma parte, a integradora, fornece a matéria-prima, a tecnologia e coordena a atividade da outra, a integrada, que fornece o local e a mão-de-obra. Estabelece-se a parceria entre as partes o que permite o controle quantitativo e qualitativo da matéria-prima, além da garantia de fornecimento. Os sujeitos dessa relação podem ser individuais ou coletivos. No caso dos coletivos seriam os acordos interprofissionais 1 realizados através das associações. O sistema de integração é bastante abrangente nos mais diversos setores da economia e há várias espécies de integração: integração total, integração parcial, quase integração, integração vertical e integração horizontal. A integração total envolve a propriedade total dos ativos, compreendendo a internalização das atividades na esfera de uma única firma. A integração parcial é o sistema que a empresa adota de produzir internamente algumas de suas necessidades e o restante externamente. A quase integração é uma relação entre negócios verticalmente relacionados, mas não possui a propriedade total, ou seja, o ativo não pertence a uma única empresa e situa-se em algum ponto entre os contratos de longo prazo e a propriedade integral. A integração vertical é a combinação de processos de produção, distribuição, vendas e/ou outros processos econômicos tecnologicamente distintos dentro dos limites de uma mesma empresa, ou seja, a decisão de uma empresa utilizar transações internas ou administrativas, ao invés da utilização de transações de mercado para atingir seus objetivos econômicos.(porter, 1991) A integração horizontal se dá quando não é distinta a classe da cadeia produtiva em que a ocorre. É a integração dentro do mesmo setor produtivo; corresponde à coordenação de um grupo de empresários dedicados à mesma atividade para o exercício dela. (CARROZZA; ZELEDÓN, 1990) Na agroindústria é amplamente praticado o sistema de integração vertical do tipo quase integração, que é realizado através da relação entre a agroindústria e o produtor rural ou suas respectivas associações. Essa relação é concretizada através do contrato de integração também denominado contrato agroindustrial. 1 Acordos interprofissionais são acordos coletivos, que operam em vários setores produtivos, estipulados pelos representantes de uma pluralidade de produtores agrícolas, de um lado, e pelas empresas de comercialização e transformação, ou pela associação desses, do outro lado. Na Itália, esse acordo que é normalmente estipulado a nível nacional, mas também a nível regional, tem caráter geral no sentido de prever as condições que serão inseridas nos contratos individuais, às vezes também estabelece o mecanismo de subdivisão da quantidade que deve ser produzida, particularmente quando se opera em regime de quota como no caso da beterraba, o que não acontece com a quota do leite que é administrada pela Política Agrícola (COSTATO,2002). IV Congresso Internacional de Economia e Gestão de Redes Agroalimentares 3

4 BRANDNAMES OF AGRIFOOD PRODUCTS AS A RESULT OF THE VERTICAL INTEGRATION SYSTEM BETWEEN FARMER AND DISTRIBUTOR No Brasil o sistema de integração foi introduzido na cultura de fumo em Na década de 50 foi implantado esse sistema na suinocultura, através do fomento agropecuário pela empresa Sadia, iniciando no Sul do país com a criação da Associação Rural de Concórdia. Foi expandido para a avicultura o que demonstrou grande viabilidade econômica e ser um dos motivos para o sucesso das exportações. Atualmente, o sistema de integração também se encontra no setor de supermercados para os produtos de marca própria. A estrutura de distribuição se modificou e o que era antes uma estrutura extremamente pulverizada, constituída por pontos de venda de pequenas dimensões sob a direção familiar, passou para as grandes redes de mercado ou grande distribuição organizada de forma empresarial. Na Itália, a distribuição de produtos perecíveis realizada pela Distribuição Organizada se realiza em duas fases: a primeira é a relação entre a Central e a Cedis (Central de Distribuição); a segunda é entre a Cedis e os vários pontos de venda. Existe a Grande Distribuição Organizada (G.D.O.) e as Cooperativas que detêm maior poder de negociação em relação ao fornecedor e impõem a própria política de marca e de preço(zolin, 1995/1996). No caso dos produtos agrícolas de marca própria o contrato é pactuado entre o supermercado e o produtor rural, ou através das respectivas associações 2. Trata-se de um sistema de integração, pois o produtor sofre a interferência da distribuidora que estipula a qualidade desejada do produto, a embalagem na qual ele deve ser comercializado, a marca com que o fornecedor-integrado deve identificar o produto e, apesar de não necessariamente fornecer a matéria-prima, é o comercianteintegrador que tem o controle do produto, além de estipular o preço, mesmo havido uma prévia negociação. (WATANABE, 2001) As parcerias são geralmente para trás, ou seja, integração vertical descendente, pois o comerciante tem o objetivo de dominar o fornecimento, implementar padrões de qualidade e regularidade, legislações de segurança e eliminação de custos, para atender às exigências do consumidor que cada vez mais está preocupado com a origem dos alimentos, ou seja, garantia de fornecimento, garantia de qualidade do produto e apropriação de margem superior no sistema. (NEVES; MACHADO, 1996) As vantagens derivadas da integração contratual no setor de distribuição são várias, por exemplo: a) economia de custo, além da empresa comercial se assegurar o abastecimento a preço estável e com continuidade; b) controla a aquisição dos produtos no mercado, reduzindo os custos de contratação com diferentes fornecedores; c) melhora o fluxo de informação entre os produtores e varejistas, que caso contrário seria controlado pelos atacadistas; d) controla a qualidade dos produtos a serem adquiridos. 3-Marca Própria Marca é um sinal que difere o produto de outros semelhantes no mercado. É do interesse do empresário mas também do interesse do consumidor identificar o produto, que uma vez satisfeito o escolherá novamente. Deste modo, a marca pode ser coletora de clientela, pois a colocando em um objeto ou referindo-a a um serviço, ela pode ser memorizada pelo público, o que faz distinguir os produtos e os serviços 2 A contratação através das associações, ou seja, a contratação coletiva se traduz em acordo interprofissional. Na Europa a Associação de Produtores Hortifrutícolas nasceu com o Reg.(CEE) n. 159 de 1966, modificado pelo Reg.(CEE) n de 1972 e em seguida pelo Reg.(CEE) n de 1978, que tem importante tarefa desde a concentração da oferta até o controle de produção e venda dos produtos agrícolas.(zolin, 1995/1996) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto / USP Outubro de

5 WATANABE,K. e MASSART,A. marcados daqueles que não possuem uma marca e por isso é um sinal distintivo (SENA,2001) Kotler e Scott (1993,p.633) expressam algumas definições-chaves sobre marca: - Marca (brand): nome, termo, símbolo, design, ou uma combinação destes, que objetiva a identificar os bens ou os serviços de uma empresa ou grupo de empresa, que os diferenciam dos concorrentes. - Nome de marca (brand name): é a parte da marca que pode ser vocalizada, ou seja, que pode ser expressa por palavras. Por exemplo: Avon, Fiat, Disneyland, American Express, Olivetti. - Marca comercial (brand mark): a parte da marca que é reconhecível, mas não pronunciável, é um símbolo, um desenho, uma cor, ou um tipo de inscrição característica. Podem ser citados como exemplo o crocodilo da Lacoste e o leão da Metro-Goldwyn-Mayer. - Marca comercial de fábrica (trademark): a marca, ou parte da marca, ao qual se confere proteção legal na qual se confirma a propriedade exclusiva. Uma marca comercial de fábrica tutela o direito exclusivo do vendedor a usar o nome marca ou a marca comercial. - Copyright: O direito legal e exclusivo de reproduzir, publicar e vender a matéria e o artigo de uma obra literária, musical ou artística. Outra distinção de marca é: marca de fábrica e de comércio. A primeira também pode ser denominada de marca de produção e a segunda é o produto distribuído por um intermediário, que na legislação italiana, segundo o artigo 12 da Lei n 929/42 dispõe que o comerciante pode acrescentar sua própria marca, mas não pode suprimir a marca do produtor ou do comerciante de quem adquiriu o produto. Entretanto, isso não acontece na relação entre as grandes distribuições que determinam que o produtor renuncie sua marca e coloque a marca estipulada por elas (RICOLFI, 1999). No Brasil, de acordo com o artigo 11 do Decreto-Lei n 986, de 21 de outubro de 1969, que institui normas básicas sobre rotulagem de alimentos e expressa que o rótulo do produto deve ser especificado de forma legível o nome e/ou marca do alimento; nome do fabricante ou produtor e a sede da fábrica ou local de produção. Portanto, não importa se a marca seja da distribuidora ou do produtor, mas deve especificar quem produz e o local da produção. Na perspectiva dos economistas é analisada a função que a marca desenvolve sobre o mercado. O economista tem como característica de descrever a realidade e não de enunciar regras, ou seja, usa a linguagem descritiva da realidade e não prescritiva do comportamento. Do ponto de vista do ordenamento jurídico é completamente diverso da do econômico, pois não se trata de descrever qual a função que a marca desenvolve sobre o mercado, mas se trata de determinar quais as funções são selecionadas como merecedoras de tutela do sistema jurídico (RICOLFI, 1999). A marca pode agregar valor ao produto e é necessário investimento para o desenvolvimento e divulgação dela. Muitas empresas não têm condições suficientes para desenvolver uma marca e uma das alternativas é produzir produtos com a marca de outra empresa, no caso das redes distribuidoras. Dessa forma podem colocar sua produção no mercado, através dos produtos de marca própria e sem a preocupação de investimentos em marketing. Produtos de marca própria são aqueles que têm sua marca/identidade e distribuição controlada por varejistas, atacadistas, cooperativas de consumo, centrais de compras, importadores, exportadores, ou por qualquer outro distribuidor de bens de consumo, e pertencem a estes distribuidores (Guia ABRAS). Esses produtos já existem há muito tempo e é bastante relevante para a estratégia dos mercados, representando mais de 30 das vendas do varejo alimentar no IV Congresso Internacional de Economia e Gestão de Redes Agroalimentares 5

6 BRANDNAMES OF AGRIFOOD PRODUCTS AS A RESULT OF THE VERTICAL INTEGRATION SYSTEM BETWEEN FARMER AND DISTRIBUTOR Reino Unido e 12,6 nos Estados Unidos da América e, por exemplo do total de vendas de suco de laranja congelado deste país, US$469 milhões, 36 são de marca própria (SOUZA; NEMER, 1993). Na tabela a seguir pode-se verificar a participação geral das marcas próprias na Europa: País Volum e dif. ppx99 Valor dif. PpX99 Reino 44,8-0,6 43,1-0,4 Unido Bélgica 35,9 1,1 26,6 0,5 Alemanha 29,0 1,7 22,5 1,2 França 23,6 1,5 20,1 1,0 Holanda 21,9 0,6 18,6-0,5 Espanha 21,9 2,0 15,7 1,5 Itália 12,6 1,1 10,9 0,9 Fonte: Retail Services ACNielsen Europa Ano Base: 2000 No Brasil, os produtos de marca própria, no ramo de bens duráveis começaram com a Sears, que veio ao país em 1948 e adotou a mesma padronização dos Estados Unidos. No varejo alimentar, a rede de supermercados Paes Mendonça foi a primeira a lançar a marca própria em 1969, e foi seguida pelo grupo Pão de Açúcar em Outras redes de mercados também seguiram o exemplo.(souza; NEMER, 1993) Os produtos alimentares de marca própria incluem os industrializados e naturais. Os naturais podem ser citados como exemplo: ovos que são acondicionados em embalagens com a marca própria; frutas com etiquetas da marca própria etc; os industrializados são os produtos alimentares processados que possuem a marca própria. A natureza das relações entre produtores agrícolas e mercado tem sido mudada nos últimos vinte anos por influência do progresso tecnológico que induz o canal de distribuição a exigir matérias primas sempre melhores qualificadas e padronizadas para oferecer aos consumidores cada vez mais exigentes em relação à qualidade e aos serviços incorporados. (AJELLO, 2000) Por isso a escolha de um fornecedor parceiro é importante para que possa atender às exigências do mercado e em relação aos produtos de marca própria é necessária a parceria de fornecedores que tenham condições de trabalhar para o mercado. 4-Contrato de integração O contrato de integração no setor de produtos agro-alimentares também é denominado de contrato agroindustrial, apesar de ser uma terminologia errada, pois esse contrato também pode ser aplicado em outros setores e não especificamente às agroindústrias, mas também às distribuidoras. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto / USP Outubro de

7 WATANABE,K. e MASSART,A. Na França, após a Segunda Guerra, ocorreu uma lei de orientação agrícola, a Lei n 933 de 1962, que disciplinava a organização interprofissional. Essa lei teve como objetivo adaptar qualitativa e quantitativamente a produção à necessidade do mercado e proteger o produtor agrícola da sua fraqueza de poder contratual em relação ao do empresário comercial, o que fez surgir as bases para a regulação do elemento subjetivo da agriculture contractuelle. (TRAISCI, 1992). Foi o primeiro país a manifestar uma noção do contrato de integração com a Lei n , de 6 de julho de 1964, regulação da agriculture contractuelle, que expressa no título V artigo 17 essa noção sob dois aspectos: a qualidade das partes e o objeto de suas obrigações, que pressupõem um fornecimento recíproco de produtos e serviços entre as partes.(jannarelli, 1981) Essa lei prevê um regime especial de contratação por acordos entre os adquirentes de produção agrícola ou suas organizações e as organizações dos produtores agrícolas, que são acordos interprofissionais, ou os acordos individuais entre os pertencentes às categorias dos produtores agrícolas e dos empresários comerciais, para aquisição dos produtos que poderão ser transformados ou armazenados e sua comercialização pode ser objeto de previsão de longo prazo.(trasci, 1992) O legislador francês de 1964 teve consciência de que o instrumento de tutela do setor agrícola mais eficiente consiste no desenvolvimento e no fortalecimento da contratação coletiva e, por isso, tem o objetivo de incentivar aos produtores a se organizarem em associações, que é o elemento fundamental para a difusão e penetração dos contratos de integração.(trasci, 1992) Na Espanha, a Lei n 29, de 22 de julho de 1972, refere-se aos agrupamentos de produtores agrícolas, de modalidade associativa formados por cooperativas e outras associações, que tem como objetivo se fortalecerem perante as empresas industriais e comerciais. Em 26 de maio de 1982, foi instaurado um regime de negociação coletiva pela Lei n 19, que regula os acordos interprofissionais e os acordos coletivos. (FUENZALIDA, 1990) Essa Lei havia uma excessiva intervenção estatal e por isso inadequada, sendo simplificada pelo Real Decreto 2.556/85, de 27 de dezembro de 1985 e, posteriormente, modificado pelo Real decreto 1.460/90, de 16 de novembro de 1990, para o procedimento especial de homologação de contratos-tipo de produtos não susceptíveis aos da Lei n 19 de Foi aprovada em 30 de dezembro de 1994, a Lei n 39, que regula as organizações interprofissionais agroalimentares.(lozano, 1996) A Lei n 24, de 28 de novembro de 1984 que é a lei de contratos de integração na Catalúnia foi inspirada no esquema do contrato associativo. O legislador espanhol prevê que a integração pode ter dois grupos: a) na forma de colaboração entre agricultura e indústria direcionada à transformação e conservação dos produtos agrícolas, que é regulada pela legislação nacional; b) na forma de colaboração entre agricultura e indústria mais direcionada à produção de vegetais e de animais, que contém a atividade zootécnica e é prevista pela legislação regional da Catalúnia.(SERRANO, 1994) Na Itália, segundo Massart (1990), pode-se dividir o estudo a respeito do contrato de integração em duas fases: a primeira marcada pela obra de Moruzzi no ano de 1962 e a segunda pela de Bivona no ano de A Lei n 88, de 16 de março de 1988, destinada ao contrato agroindustrial possui como títuilo: Normas sobre acordos interprofissionais e sobre contratos de cultivação e venda dos produtos agrícolas. Os acordos interprofissionais representam um instrumento de mediação que os agricultores podem utilizar para negociar em condições mais igualitárias com a contra-parte, geralmente mais forte, representada pela indústria ou empresa de IV Congresso Internacional de Economia e Gestão de Redes Agroalimentares 7

8 BRANDNAMES OF AGRIFOOD PRODUCTS AS A RESULT OF THE VERTICAL INTEGRATION SYSTEM BETWEEN FARMER AND DISTRIBUTOR comercialização, e a intervenção legislativa que regula esses acordos é bastante útil para os produtores agrícolas. A Lei abrange indiretamente os contratos individuais, definidos como contrato de cultivação e venda, que tem como objeto a troca dos produtos agrícolas e que são concluídos entre o produtor individual ou a associação individual e a empresa individual de transformação e comercialização, mas pressupõe a existência do acordo nacional e do acordo interprofissional estipulado a nível nacional, ou somente na zona onde as empresas consideradas exercem suas atividades.(russo,1989) Porru (1990) expressa que para serem protegidos por essa Lei, os produtores agrícolas devem se associar às organizações que estipulam o acordo interprofissional a que o contrato se refere, portanto, outros contratos poderão apenas fazer parte da categoria econômica da integração vertical, apesar de serem eficazes e válidos, mas não farão parte da categoria prevista nessa Lei. Todas as Leis acima mencionadas tratam primeiramente dos acordos interprofissionais, pois é necessária a organização dos produtores para poder definir os programas comuns de produção, os de comercialização e deste modo conseguirem um equilíbrio entre a oferta e demanda. 5-Projeto-Lei 4.378, de 1998 O Brasil, diferentemente de alguns países europeus, ainda não possui a regulação dos contratos de integração. Entretanto, foi apresentado pelos deputados Milton Mendes e João Cóser em 07 de abril de 1998 o Projeto de Lei n 4.378, que tem como objetivo a regulação das relações jurídicas entre a agroindústria 3 e os produtores rurais integrados 4. Mas não se trata de acordos interprofissionais como as leis já citadas, porque no Brasil, apesar das relações poderem ser de forma coletiva, podem também ser diretamente com produtores individuais, o que não implica que sejam associados, o que os desfavorece bastante pela sua posição econômica e diminui o poder de negociação. O projeto apresentado definiu obrigações da indústria e os direitos do produtor integrado e para a resolução de divergências entre as partes contratantes o projeto prevê a criação de comissões municipais que teriam entre suas atribuições a arbitragem dos conflitos. Também equiparou os comerciantes e exportadores à agroindústria, desse modo o contrato de marca própria também faz parte dele. A justificativa oferecida pelos autores é a necessidade de uma legislação que seja capaz de regular procedimentos e relações de natureza comercial e trabalhista que vêm sendo realizadas no Brasil e no mundo devido às evoluções econômicas e 3 A agroindústria foi definida como : a empresa que beneficia ou industrializa produtos de origem agropecuária. Mas na alteração do projeto apresentada pelo deputado relator Telmo Kirst, definiu a agroindústria como: a empresa, inclusive cooperativas, que beneficia ou industrializa bens de origem vegetal ou animal. 4 O primeiro projeto apresentado referiu o produtor rural integrado como: aquele que, de forma individual ou associativa, mediante contrato, assume etapa do processo produtivo determinado pela agroindústria. Na alteração do projeto apresentada pelo deputado relator Clementino Coelho, definiu o produtor rural integrado como: aquele que na condição de produtor agropecuário, extrativista vegetal ou pescador, atuando individual ou coletivamente, realiza etapa de processo de produção empreendido por agroindústria. Na alteração do projeto apresentada pelo deputado relator Telmo Kirst, definiu o produtor rural integrado como: pessoa física, de forma individual ou coletiva, inclusive em regime de economia familiar, com ou sem cooperação laboral de prepostos, ou pessoa jurídica que, mediante contrato de produção integrada, assume determinada etapa do processo produtivo com a agroindústria. Vale salientar que nesse projeto refere-se ao produtor rural que é mais abrangente que o produtor agrícola. Segundo Silva, o termo rural vem do latim ruralis, de rus (campo), é empregado para designar ou referir a tudo que pertence ao campo; agrícola é usado para indicar tudo o que provém da agricultura. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto / USP Outubro de

9 WATANABE,K. e MASSART,A. tecnológicas. São relações de parceria enquadradas atualmente com base no Estatuto da Terra, de Entretanto, este não definiu o contrato de integração o que mostra a necessidade de atualização legislativa. Para opinar sobre o mérito, o projeto foi distribuído à Comissão de Economia, Indústria e Comércio, depois à Comissão de Agricultura e Política Rural e à Comissão de Constituição e Justiça e de Redação para a análise de que trata o art. 54 do regimento Interno. Na primeira Comissão, o Deputado Relator Clementino Coelho apresentou emenda que propõe a instituição de comissões de arbitragem a que as partes se submeteriam, que são diferentes das comissões apresentadas no projeto de 07 de abril de Esse projeto foi favorável com essa alteração na data de 27 de outubro de Em seguida o projeto foi remetido à Comissão de Agricultura e Política Rural, que foi aprovado nos termos de um segundo substitutivo apresentado pelo Deputado Relator Telmo Kirst, no dia 12 de setembro de Ficou definido o seguinte: a) a atividade de produção integrada não gera vínculo empregatício com a agroindústria nem há a obrigação de natureza previdenciária decorrente de solidariedade em relação às obrigações sociais do produtor rural integrado; b) os produtores rurais integrados deverão usar produtos e orientações técnicas recomendados pela agroindústria, mas que sejam permitidos pelas autoridades ambientais, e também atenderão as recomendações de segurança quanto à utilização de equipamentos de proteção individual no manejo de agrotóxicos e ao uso de medicamentos e insumos que possam causar danos à saúde, de acordo com a recomendação dos fabricantes; c) o prazo de vigência, extinção e penalidades são de livre acordo entre as partes, aplicando-se subsidiariamente, no que couber, as disposições do Código Civil Brasileiro; d) se ocorrer a concordata ou falência da agroindústria, poderá o produtor rural integrado pleitear a restituição dos bens desenvolvidos até o valor de seu crédito ou requerer a qualificação de seus créditos com privilégio especial sobre os bens desenvolvidos e, na falta destes, o privilégio alcançará as máquinas e equipamentos utilizados pela agroindústria; e) todos os bens remetidos pela agroindústria para o produtor rural integrado pertencem à agroindústria; f) os acordos realizados antes desta lei, que tenham o sentido da produção integrada, serão regidos por esta lei. No dia 13 de setembro de 2001, esse projeto foi encaminhado com a alteração realizada pelo Deputado Relator Telmo Kirst para a Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. No dia 06 de novembro de 2002 foi aprovado por unanimidade o parecer por essa Comissão e encaminhado no dia 13 de novembro de 2002 à Coordenação de Comissões Permanentes. No dia 21 de novembro de 2002 foi comunicado que o projeto recebeu pareceres divergentes da Comissão de mérito e não foi aprovado. Enquanto não ocorre a sua aprovação é interessante levar em consideração: a) o prazo de vigência do contrato para que seja suficiente para amortizar os investimentos realizados pelo produtor integrado; b) a formação de organização dos produtores integrados para que possam se fortalecer perante as agroindústrias ou comerciantes integradores; c) as leis de contratos de integração realizados em alguns países europeus; d) o contrato de marca própria como parte desse Projeto de Lei. 6-Conclusão O sistema de integração pode ser adotado nos mais diversos setores da economia e classificado em várias espécies. Uma das espécies se dá através dos contratos IV Congresso Internacional de Economia e Gestão de Redes Agroalimentares 9

10 BRANDNAMES OF AGRIFOOD PRODUCTS AS A RESULT OF THE VERTICAL INTEGRATION SYSTEM BETWEEN FARMER AND DISTRIBUTOR agroindustriais, que é a relação entre o produtor rural e a agroindústria, ou entre as suas respectivas associações. Outra aplicação do sistema de integração é a relação entre o produtor rural e as redes de distribuição, através do contrato de marca própria. A classificação deste contrato pode, por analogia, ser contrato agroindustrial e a denominação mais adequada seria contrato agocomercial. Entretanto, caso não possa ser usado o contrato agroindustrial para tipificar tal relação é mister uma avaliação, que servira como base no contrato de marca própria, o que não significa criar nova figura de contrato, mas de inseri-lo nas figuras já existentes. Esses contratos não têm uma regulação como acontece nos países europeus: França, Espanha e Itália. Mas antes da regulação é necessária a organização dos produtores agrícolas, como ocorreu nesses países europeus, através dos acordos interprofissionais para a realização do contrato de integração. De nada adianta a regulação desse contrato sem uma organização dos produtores agrícolas, porque dessa forma continuará o desequilíbrio de forças entre a demanda e a oferta. No contrato de marca própria, por exemplo, se alguns fornecedores não aceitam os abusos da distribuidora, outros não fazem o mesmo o que dificulta atingir o ideal de Justiça. Por isso, a necessidade de uma conscientização, uma organização e união da classe a que pertencem. Com a evolução econômica e o dinamismo da sociedade novos contratos surgirão, o que é impossível para o legislador prever todos os seus tipos, mas o Código Civil Brasileiro de 2002 faculta a liberdade contratual, desde que sejam nos limites da função social, além de estarem presentes os princípios da boa-fé. Os contratos de integração já são amplamente praticados, e de acordo com os êxitos alcançados, a sua institucionalização será de suma importância, seja em forma unitários ou estabelecidos em diferentes regimes jurídicos, segundo as necessidades próprias de cada atividade, não só como um instrumento na economia ou para dar vida às formas contratuais consuetudinárias. Agricultura no momento atual requer de instrumentos sólidos que superem a sua concepção tradicional e a levem ao progresso. O Projeto de Lei n 4.378/98 do Brasil foi o primeiro passo para a regulação das relações jurídicas entre a agroindústria e os produtores rurais integrados e uma vez aprovado, que seja eficiente para amparar a parte hipossuficiente da relação agroindustrial ou agrocomercial. Bibliografia -AJELLO, Carlo. L economia contrattuale in agricoltura: vantaggi e convenienze reciproche. In:Agricoltura e Diritto. Scritti in onore di Emilio Romagnoli.Milano:Giuffrè, v.1, BIVONA, Giuseppe. I contratti d integrazione verticale in agricoltura. Milano: Giuffrè, CARROZZA, Antonio; ZELEDÓN, Ricardo Zeledón. Teoría general e institutos de derecho agrario. Buenos Aires: Astrea, COSTATO, Luigi. Compendio di Diritto Alimentare.Padova: CEDAM, FUENZALIDA, Carlos Vattier. Los contratos agroindustriales en el derecho español. In: MASSART Alfredo (Org.). Accordi interprofessionali e contratti agroindustriali. Problemi di inquadramento giuridico. Pisa: ETS, KOTLER, Philip; SCOTT, Walter G. Marketing management. Analisi, pianificazione, attuazione e controllo. 7 ª ed. S.l.:Prentice Hall International, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto / USP Outubro de

11 WATANABE,K. e MASSART,A. -LOZANO, José Ma. Caballero. Los contratos agroindustriales en la experiencia española: el problema de su naturaleza juridica. Rivista di Diritto Agrario. Milano: Giuffrè, anno 75, p , MASSART, Alfredo. Spunti di riflessione in tema di contratti agro-industriale. In:. Accordi interprofessionali e contratti agroindustriali. Problemi di inquadramento giuridico. Pisa: ETS, MORUZZI, Luigi. Profili della vendita di prodotti agricoli com prezzo a riferimento e contratti di integrazione verticale. Milano: Giuffrè, NEVES, Marcos Fava; MACHADO FILHO, Cláudio P. A distribuição varejista de alimentos na Europa. In: Agribusiness europeu. São Paulo: Pioneira, PORRU, Paola. Riflessioni sulla causa dei contratti agro-industriali. In: MASSART Alfredo (Org.). Accordi interprofessionali e contratti agroindustriali. Problemi di inquadramento giuridico. Pisa: ETS, PORTER, Michael E. Estratégia competitiva. Técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Tradução de Elizabeth Maria de Pinho Braga. 5. ed. Rio de Janeiro: Campus, RICOLFI, Marco. I segni distintivi. Diritto interno e comunitario. Torino: G.Giappichelli, RUSSO, Luigi. Gli accordi interprofessionali e i contratti di coltivazione e vendita nella legge n. 88 del Rivista di Diritto Agrario. Milano: Giuffrè, anno 68, p , SENA, Giuseppe. Il nuovo diritto dei marchi. Marchio nazionale e marchio comunitario. Milano: Giuffrè, SERRANO, Agustin Luna. Il rapporto fra agricoltura ed industria. In: ATTI DEL CONVEGNO ENRICO BASSANELLI. GLI ATTUALI CONFINI DEL DIRITTO AGRARIO, 1994,Firenze. p.133 -SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico.19 ª ed. Rio de Janeiro: Forense, SOUZA, Marcos Gouvêa de; NEMER, Artur. Marca e distribuição. Desenvolvendo denominação estratégica e vantagem competitiva no mercado global. São Paulo: Makron Books do Brasil, TRAISCI, Francesco Paolo. I contratti di integrazione verticale in agricoltura in Francia, Germania e Italia. Rivista di Diritto Agrario. Milano: Giuffrè, anno 71, p , WATANABE, Kassia. Natureza jurídica do contrato de integração e sua importância no agribusiness. Trabalho de especialização. Istituto di Diritto Agrario Internazionale e Comparato (IDAIC). Firenze, ZOLIN, Maria Bruna. Integrazione tra moderna distribuizione e azienda agrícola ortofrutticola. Rivista Agribusiness, Management & Ambiente. Udine: CISAPA, anno 1, p.24-34, 1995/1996. Revista Guia ABRAS de marcas próprias. Mercado, marketing, fornecedor, qualidade. Princípios gerais. ABRAS (Associação brasileira de supermercados) Site internet BRASIL. Projeto-lei n 4.378, de 07 de abril de Regula as relações jurídicas entre a agroindústria e o produtor rural integrado e dá outras providências. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/internet/sileg/prop_detalhe.asp?id=20847 >. Acesso em: 05 junho IV Congresso Internacional de Economia e Gestão de Redes Agroalimentares 11

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 Dispõe sobre os contratos de integração, estabelece condições, obrigações e responsabilidades nas relações contratuais entre produtores integrados e

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 Dispõe sobre a parceria de produção integrada agropecuária, estabelece condições, obrigações e responsabilidades nas relações contratuais entre produtores

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 18, de 2011 (Projeto de Lei nº 4.605, de 2009, na origem), do Deputado

Leia mais

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA (Coordenação de Agropecuária) E DA GEPAD (Gerência de Planejamento,

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL *PRONAF* Legislação LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL Art. 187. A política agrícola será planejada e executada na forma da lei, com a participação efetiva do setor de produção, envolvendo produtores e trabalhadores

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado n 689, de 2011, do Senador Vital do Rêgo, que acrescenta 3º ao art. 84 da Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996, para

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO.

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. ** 1 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 6.279, DE 2013 Altera a lei que regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.384, DE 2011 Dispõe sobre critérios complementares para a execução da política de estoques públicos vinculados

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7.

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7. COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7.468, de 2014) Altera o inciso I do art. 3º da Lei nº 11.326, de 24 de julho de

Leia mais

Dia Mundial da Alimentação 870 milhões de pessoas sofrem de subnutrição crônica

Dia Mundial da Alimentação 870 milhões de pessoas sofrem de subnutrição crônica 1 Dia Mundial da Alimentação 870 milhões de pessoas sofrem de subnutrição crônica 2 MISSÃO O IICA é instituição do Sistema Interamericano que provê cooperação técnica, inovação e conhecimento especializado

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

CONTRATOS DE COLABORAÇÃO III. I - Noções gerais:

CONTRATOS DE COLABORAÇÃO III. I - Noções gerais: CONTRATOS DE COLABORAÇÃO III I - Noções gerais: - Na cadeia de circulação de mercadorias vamos encontrar, inicialmente, aqueles que se dedicam a extrair bens propiciados pela natureza, como o agricultor,

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7.181, DE 2010 Dispõe sobre a regulamentação da atividade das Empresas de Gerenciamento de Riscos em Operações Logísticas.

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL PROJETO DE LEI Nº 3.428, de 1997 Dispõe sobre a elaboração, beneficiamento e comercialização de produtos artesanais de origem animal e vegetal e dá outras providências.

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA e CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 13, de 2007, que "dispõe sobre as operações de fomento mercantil - factoring, e dá outras providências".

Leia mais

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 Expediente: Textos: Elisangeles Souza e Marcos Andersen Revisão: Elisangeles Souza, Maria Silvia

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7.719, DE 2014 Altera a legislação tributária facultando que as mercadorias vendidas com fim específico de exportação sejam

Leia mais

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Larissa Bueno Ambrosini Carlos Alberto Oliveira de Oliveira Pesquisadores Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária Porto Alegre, 21 de novembro de 2012. O debate

Leia mais

PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA. OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço

PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA. OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço Realização: Programa Mercado Mata Atlântica RBMA Instituto Amigos da Reserva

Leia mais

Frutas em Calda, Geléias e Doces

Frutas em Calda, Geléias e Doces Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria de Alimentos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Iniciando um

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados.

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados. Comercialização de Produtos Agroindustriais -Professora: Graci Acadrolli Tozzo -Formação: Engª Agrônoma -Especialização: Qualidade Total na Agricultura Empresarial -Mestrado : Tecnologia em Produção de

Leia mais

Contribuições do Sistema Cooperativista - Consulta Pública MDA

Contribuições do Sistema Cooperativista - Consulta Pública MDA Contribuições do Sistema Cooperativista - Consulta Pública MDA Critérios e procedimentos de concessão, manutenção e uso do Selo Combustível Social As políticas de apoio à agricultura familiar desempenham

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

negócios agroindustriais

negócios agroindustriais graduação administração linha de formação específica negócios agroindustriais Características gerais A Linha de Formação Específica de Negócios Agroindustriais da Univates visa ao desenvolvimento de competências

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PEDRO SIMON I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PEDRO SIMON I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 RELATOR: Senador PEDRO SIMON I RELATÓRIO Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 85, de 2012 (Projeto de Lei nº 6.040,

Leia mais

C U R R I C U L U M V I T A E JOSÉ DE OLIVEIRA ASCENSÃO. Professor catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa

C U R R I C U L U M V I T A E JOSÉ DE OLIVEIRA ASCENSÃO. Professor catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa PROF. DOUTOR J. OLIVEIRA ASCENSÃO C U R R I C U L U M V I T A E DE JOSÉ DE OLIVEIRA ASCENSÃO Professor catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa PROF. DOUTOR J. OLIVEIRA ASCENSÃO 2 1. Dados Pessoais

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA E REGIÃO AMAZÔNICA: GERAÇÃO DE RENDA E AGREGAÇÃO DE VALOR NA PRODUÇÃO ORGÂNICA, AGROECOLÓGICA E EXTRATIVISTA DA AGRICULTURA FAMILIAR Manaus, 28.10.2011 APRESENTAÇÃO

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul César Augustus Winck 1, Valdecir José Zonin 2, Luciana Maria Scarton 3,

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade

BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade 2 BADESUL PERFIL INSTITUCIONAL O BADESUL Desenvolvimento S.A. Agência de Fomento/RS é uma sociedade anônima de economia mista de capital fechado,

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS Cadeia Produtiva do Café CADA + VEZ BOMPRATODOS Capital de Giro Recebíveis BB Giro Empresa Flex Agro Crédito Agroindustrial Desconto de Cheques/Títulos BB Giro Recebíveis Duplicatas/Cheques/Cartões BB

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 533, de 2013, do Senador Sérgio Souza, que estabelece a obrigatoriedade de as farmácias

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA.

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. OLIVEIRA, Graciela Aparecida Bueno de. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail : gracielagabo@hotmail.com

Leia mais

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Objetivos da aula: Nesta aula, vamos definir Empresa, considerando a orientação da legislação. Também vamos conhecer e definir o empresário e os requisitos legais para

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1. COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.166, de 2007) Institui incentivo fiscal para o controle biológico de pragas

Leia mais

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA Resumo JOÃO BATISTA DE ALVARENGA 1 O objetivo do trabalho proposto é analisar as origens das relações comerciais, sua evolução até o momento

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 677, de 2007, que dispõe sobre o compartilhamento da infraestrutura

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.731, DE 2009 Altera as Leis n.ºs 8.218, de 29 de agosto de 1991, e 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil, para permitir a

Leia mais

Paulo Caliendo Doutor PUC/SP e Professor PUC/RS

Paulo Caliendo Doutor PUC/SP e Professor PUC/RS Do conceito de insumo e da jurisprudência do CARF relativo aos créditos de PIS e COFINS na sistemática não cumulativa Paulo Caliendo Doutor PUC/SP e Professor PUC/RS CONCEITO CONSTITUCIONAL 12. A lei definirá

Leia mais

Consultoria de Portas Abertas 2011 ÁREA X: AGRICULTURA, PECUÁRIA, PESCA, AQUICULTURA, ABASTECIMENTO, DESENVOLVIMENTO RURAL

Consultoria de Portas Abertas 2011 ÁREA X: AGRICULTURA, PECUÁRIA, PESCA, AQUICULTURA, ABASTECIMENTO, DESENVOLVIMENTO RURAL Consultoria de Portas Abertas 2011 ÁREA X: AGRICULTURA, PECUÁRIA, PESCA, AQUICULTURA, ABASTECIMENTO, DESENVOLVIMENTO RURAL RODRIGO DOLABELLA - COORDENADOR GUSTAVO SOBRINHO LUCIANO CARVALHO TEREZINHA FIÚZA

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos.

Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos. Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos. bb.com.br/agronegocio Banco do Brasil, parceiro em todos os momentos do cooperativismo. O cooperativismo consolida, cada vez mais,

Leia mais

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012 O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário dezembro de 2012 Apoio ao setor rural Ministério da Agricultura Pecuária e Abatecimento - MAPA Programas Agropecuários do Governo Federal Operacionalizados pelo

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 Cria contribuição de intervenção no domínio econômico, denominada Contribuição de Equalização Tributária (CET), com base no

Leia mais

Produtor rural é a pessoa física que explora a terra, objetivando a produção vegetal, a criação de animais, industrialização de produtos primários.

Produtor rural é a pessoa física que explora a terra, objetivando a produção vegetal, a criação de animais, industrialização de produtos primários. Atividade Rural Lúcia Helena Briski Young luciayoung@terra.com.br O CC/02, em seu art. 971, estipula que: O empresário, cuja atividade rural constitua sua principal profissão, pode requerer inscrição no

Leia mais

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Procura-se investidor para a produção e desenvolvimento de linha inovadora de produtos feitos de peixe.

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Procura-se investidor para a produção e desenvolvimento de linha inovadora de produtos feitos de peixe. Tipo de parceria: Investimento Procura-se investidor para a produção e desenvolvimento de linha inovadora de produtos feitos de peixe. Empresa húngara desenvolveu uma linha de alimentos a base de peixe

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo Banco do Nordeste: o Maior Banco de Microfinanças da América do Sul Objetivos de atuação do

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 4.835, DE 2009 (Apensado, PL nº 4.991, de 2009)

PROJETO DE LEI N o 4.835, DE 2009 (Apensado, PL nº 4.991, de 2009) COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 4.835, DE 2009 (Apensado, PL nº 4.991, de 2009) Determina aos supermercados e aos estabelecimentos congêneres a discriminação dos preços por unidade

Leia mais

*09AE87DB18* COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 3.465, DE 2008 I - RELATÓRIO

*09AE87DB18* COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 3.465, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 3.465, DE 2008 Dispõe sobre a visualização das instalações de cozinha e deposição de alimentos dos bares, restaurantes e similares. Autor: Relator: Deputado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), de que trata o Capítulo 10 do Manual de Crédito Rural

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Disciplina: Administração em Agronegócios A evolução do setor agrícola brasileiro. Os ciclos da agricultura brasileiro. A modernização da agricultura. O crescimento

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

O dispositivo em questão dispõe que a incorporação imobiliária poderá ser submetida ao regime de afetação, a critério do incorporador, nestes termos:

O dispositivo em questão dispõe que a incorporação imobiliária poderá ser submetida ao regime de afetação, a critério do incorporador, nestes termos: Exmo. Sr. Presidente do Instituto dos Advogados do Brasil PARECER INDICAÇÃO Nº 022/2015 Projeto de Lei nº 5092/2013: Altera a redação do art. 31-A da Lei nº 4.591/1964, para qualificar como patrimônio

Leia mais

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS oportunidades de negócio para a Agricultura Familiar Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS CAMPO GRANDE - AGOSTO/2014 SEBRAE/MS Conselho Deliberativo Associação das Microempresas

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Introdução...4 O cooperativismo e a agricultura familiar... 5 Crédito Rural...8 Sugestões para aprimoramento das

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à concessão de uso do selo combustível social. O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no

Leia mais

Crédito Rural. Comissão de Agricultura e Reforma Agrária - CRA 10.06.2011

Crédito Rural. Comissão de Agricultura e Reforma Agrária - CRA 10.06.2011 Ciclo de Palestras e Debates Crédito Rural Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária - CRA 10.06.2011 CONTEXTUALIZAÇÃO FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO BNDES LINHAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA PARECER N, DE 2011 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 452, de 2011, da Senadora Angela Portela, que

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATORA: Senadora ROSALBA CIARLINI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2009. RELATORA: Senadora ROSALBA CIARLINI I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 221, de 2009 (PL nº 5.798, de 2009, na origem), de iniciativa do Presidente da República, que institui o Programa

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

HSM Management Update nº21 - Junho 2005

HSM Management Update nº21 - Junho 2005 O café colombiano e as frutas chilenas têm um marketing muito melhor que o dos concorrentes brasileiros. Mas a situação está melhorando em nosso País. Marcos Fava Neves e Matheus Alberto Cônsoli, especialistas

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

PROVE -"Programa de Verticalização da Pequena Produção Agrícola"

PROVE -Programa de Verticalização da Pequena Produção Agrícola PROVE -"Programa de Verticalização da Pequena Produção Agrícola" João Luiz Homem de Carvalho - jluizhc@uol.com.br APROVE - Associação de Apoio à Verticalização da Pequena Produção Agrícola Foto 1: João

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.143, DE 2011 Proíbe a comercialização de produtos ópticos na condição que menciona. Autor: Deputado ARNALDO FARIA DE SÁ

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni)

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) Dispõe sobre obrigatoriedade da fabricação, distribuição e utilização de sacolas plásticas fabricadas em material degradável

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS PLS

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS PLS PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 181, de 2007, do Senador Paulo Paim, que altera o Decreto-Lei nº 986, de 21 de outubro de 1969, que institui

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná.

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. 1.Introdução A cooperação sempre existiu na história

Leia mais