Animação Facial Rossana Baptista Queiroz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Animação Facial Rossana Baptista Queiroz"

Transcrição

1 Animação Facial Rossana Baptista Queiroz 23 de outubro de 2012

2 2 Animação Facial

3 Assuntos 3 Animação Facial Introdução Breve histórico Algumas regras básicas Principais Técnicas Modelagem Animação

4 Introdução 4 Experimento com recém-nascidos [Johnson 91]

5 Introdução 5 A face é o centro da comunicação humana Exerce atividade intensa Emoções Percepções Difícil de modelar/animar Superfície irregular Movimentos complexos (fala e expressões) Relação forte com texturas diferentes (pelo, brilho dos olhos, pele e etc)

6 Introdução 6 Aplicações diversas: Filmes Jogos Simulações Agentes conversacionais

7 Breve histórico : primeira animação de face computadorizada [Parke 72] 1980 s: Modelo paramétrico de Parke [Parke 82] Primeiros modelos com músculos artificiais [Platt & Badler 81] [Waters 87] Tony de Peltrie, primeira animação de face com fala sincronizada (1985) Tony de Peltrie [Parke 72] https://www.youtube.com/watch?v=muntr4vmxye

8 Breve histórico s até agora: Modelos multi-camadas, animação baseada em física [Lee 95] Captura por scanners (modelagem) [Lee 95] Modelos transformáveis [Blanz 99] Reconstrução por imagens [Akimoto 93][Guenter 98] Padrão MPEG-4 FA (1999) Modelos comportamentais [Cassel 94] Speech-driven [Cohen-Massaro 93] Performance-driven [Williams 90] Híbridos [Sifakis 05] [Sifakis 05]

9 Algumas regras básicas 9 [Parke & Waters 96] Quanto mais semelhante a um humano real, maior nossa percepção crítica ( Uncanny Valley ) O potencial do personagem encontra-se na sua animação, e não na sua forma Algumas características faciais são mais sobressalentes na animação do que outras A animação da cabeça é muito importante (sem ela a animação pode parecer muito robotizada ) Simetria não quer dizer realismo na animação (as vezes, podemos ser assimétricos e somos realistas

10 10 Uncanny Valley

11 11 Modelagem de Faces Métodos para geração automática ou semi-automática A modelagem está diretamente ligada à animação Topologia Estruturas auxiliares Modelagem de uma pessoa específica Reconstrução Scanner 3D Imagens Modelagem Facial Adaptação Variação de Modelos Modelagem Paramétrica Modelagem Antropométrica Uso de modelos Transformáveis Modelagem Multicamadas [Parke 82] Geração de pessoas fictícias (mas realistas) Modelagem inspirada na Biologia

12 Modelagem de Faces 12 Principais técnicas Paramétrica/Modelos Transformáveis [Blanz 99]

13 Modelagem de Faces 13 Principais técnicas Reconstrução por imagens/fotos [Blanz 03]

14 Modelagem de Faces 14 Principais Técnicas Modelos multi-camadas Modelo Biológico [Kähler 02] [Vieira 08]

15 Modelagem de Faces 15 FaceGen (software) Constrói faces Variação de Modelos Reconstrução por foto Geração de keyframes Expressões faciais Visemas

16 Modelagem de Faces 16 FaceGen Oblivion Elder Scrolls xpressions_in_animations

17 Animação Facial 17 Principais desafios de pesquisa Mapeamento Modelo de Animação (como obter os parâmetros) Parâmetros de Animação Síntese da Animação (como gerar a face animada)

18 Técnicas de Animação Facial 18 Uma taxonomia Animação Facial Baixo nível (implementação dos movimentos faciais) Controle da Parametrização (FACS, MPEG-4,...) Alto nível (fontes de controle dos parâmetros) Interpolação Parametrização Direta Modelos de Pseudomúsculos Modelos de Músculos Script Manual Dirigida pela fala Animação dirigida por performance Híbridos...

19 19 Parametrização

20 Técnicas para Animação Facial 20 Padrões para descrição/parametrização FACS (Facial Action Coding System) Relacionar músculos e expressões: codificar cada expressão facial humana Action Units (AUs) contração/relaxamento de conjuntos de músculos faciais MPEG-4 FA (Facial Animation) Parametrização padrão para aplicações em diversas mídias FAPU, FPs, FDP, FAPs

21 Técnicas para Animação Facial 21 FACS (Facial Coding System) [Ekman 78]

22 FAPU (Facial Animation Parameter Units) Distances of key face features They are used to calibrate the animation parameters values Together with the FPs, they allow the use of the same animation parameters in different face models Description IRISD0 Iris diameter (by de nition it is equal to the distance between upper and lower eyelid) in neutral face FAPU Value IRISD = IRISD0/1024 ES0 Eye separation ES = ES0/1024 ENS0 Eye-nose separation ENS = ENS0/1024 MNS0 Mouth-nose separation MNS = MNS0/1024 MW0 Mouth width MS = MW0/1024 AU Angle Unit 10-5 radian [Pandzic 01]

23 FP s (Feature Points) 84 control points for the animation parameters [Pandzic 01]

24 FAPs (Facial Animation Parameters) De ne the motion between two frames of animation Each FAP is measured by a FAPU unit. They have an intensity (based on one FAPU) and direction of the movement FAP value The first two are a high-level description of facial expressions and visemes The remaining deal with specific regions of the face Each FAP acts over one FP and its neighborhood (influence zone), producing a deformation in the skin

25 # FAP Name Description FAPU Uni or Bi-dir Positive motion Group FAPs 1 and 2 are high-level description of visemes and expressions (dependent of implementation) 3 open_jaw 4 lower_t_midlip 5 raise_b_midlip 6 stretch_l_cornerlip Vertical jaw displacement (does not affect mouth opening) Vertical top middle inner lip displacement Vertical bottom middle inner lip displacement Horizontal displacement of left inner lip corner... MNS U down 1 MNS B down 2 MNS B up 2 MW B left 2 19 close_t_l_eyelid Vertical displacement of top left eyelid IRISD B down yaw_l_eyeball Horizontal orientation of left eyeball AU B left raise_r_m_eyebrow Vertical displacement of right middle eyebrow... ENS B up 4 68 pull_r_ear Horizontal displacement of right ear ENS B right 4 [Pandzic 01]

26 FDP (Face Definition Parameters) Each 3D model has its own FAPU and FPs The way we deform the mesh acording to the FAP orientation and value is called FAT (Facial Animation Table) FAT is optional, dependent of the application implementation we can deform all 3D models in the same way or define the best way to deform specific FAPs in different models It can be a function that defines how the points within the influence zone of a FP will deform i.e.: a Raised Cosine Function (RCF), Radial Basis Function (RBF)

27 An example on Xface Editor Distance to displace vertex v p within the influence zone User-defined weight* Raised cosine function d p = distance of v p to the FP d max = distance of the farthest point to the FP [Balci 04] 27

28 Deformation Functions Each FAP acts over one FP It defines the direction of the movement and its intensity (measured in FAPU). Each FP influences a set of vertices of its neighborhood (Influence Zone) Usually this region is defined manually by the user. The Deformation Function (DF) defines how the vertices of the influence zone of the FP will deform Influence Zone Influence Zone FP FP Neutral Face FAP 19 in action, deformed by a RBF

29 FAP Animation One or more FAP streams Variation of the FAP values through the time (usually per frame) Example of a FAP file Frame 0 Frame number Frame 1 Streams of 68 FAPs Frame rate Generated_by_FDL2FAP Number of frames Bit mask: FAPs used in frame Used FAPs values in frame Frame Each FAP value is scaled by its FAPU to provide the displacement of the FP vertex v FP = FAP_value * FAPU_of_the_FAP

30 FAP Animation General considerations FAP values are independent of the 3D model This value is scaled by the FAPU, providing the displacement of the affected FP The influence zone of this FP is affected by a deformation function, also acording to the FAP direction So, a FAP-based animation can be performed by different face models

31 31 [Queiroz 08] << Back

32 32 Obtenção dos Parâmetros

33 Técnicas para Animação Facial 33 Performance-driven Captura de pessoas reais MOCAP Visão Computacional Com ou sem marcadores Uma ou mais câmeras Tempo real ou pós-processamento

34 34 Com marcação, mapeamento direto

35 Sem marcação, combinando dados de MOCAP

36 Sistema Óptico com Maquiagem

37 Técnicas para Animação Facial 37 Performance-driven Como mapear os dados capturados para os parâmetros de animação? Semântica (Expressões faciais, unidades de ação) Adaptação ao modelo (retargetting)

38 Emily Project 38 Etapas em off-line Não é tempo real Várias imagens... mas é quase perfeito Veja!!

39 Emily Project 39 Captura em offline de várias performances do ator hundreds of images of the actor's face from every lighting direction one at a time Novas edições exigem menos imagens

40 40 Emily Project

41 Emily Project 41 Our most recent process requires only about fifteen photographs of the face under different lighting conditions as seen to the right to capture the geometry and reflectance of a face. The photos are taken from a stereo pair of off-theshelf digital still cameras, and a small enough number of images is required, everything can be captured quickly in "burst mode" in under three seconds before the images even need to be written to the compact flash cards.

42 Técnicas para Animação Facial 42 Speech-driven Processamento/identificação da fala Sincronização Labial Fonemas ao longo do tempo Mapeamento fonema-visema Communication Scripts Uma ferramenta (para fins acadêmicos) CSLU Toolkit Audio File (.wav) Facial Actions Script CSLU Toolkit Phoneme timeline file (.phn) Phoneme-Viseme Mapping Auxiliar Text Lip-sync Module Viseme-FAP Mapping FAPs

43 Speech-Driven 43 CSLU Toolkit Ferramenta BaldiSync Text-to-speech Scripts Sincronização.wav e texto.sob (wav2sob.tcl).sob fonemas ao longo do tempo (.sob2phn)

44 Speech-Driven 44 Speech-driven Visemas Visema Exemplo Visema Exemplo 0. silence nenhum, 8. n,l Lot, not pausa 1. p,b,m put, bed, mill 9. r red 2. f,v far, voice 10. A: car 3. T,D think, that 11. e bed 4. t,d Tip, doll 12. I Tip 5. k,g call, gas 13. Q top 6. ts,dz,s chair, join, she 14. U book 7. s,z Sir, zeal visemes.avi abc-human.avi

45 45 Síntese da Animação

46 Técnicas para Animação Facial 46 Formas de deformar a face Interpolação de keyframes Pesos associados aos vértices de cada keyframe Funções de deformação aplicadas aos pontos de controle e sua zona de influência Funções de cosseno, funções de base radial

47 Técnicas para Animação Facial 47 Funções de base radial Suaves (gaussiana, por exemplo) Funções de cosseno Implementação de [Körting 07]

48 Técnicas para Animação Facial 48 Furos e Saliências [Pasquariello 01]

49 Técnicas para Animação Facial 49 Rugas de Expressão (geométricas) [Bui 03] Objetivo: Pseudo-músculos de Waters [Waters 87]

50 Técnicas para Animação Facial 50 Rugas de Expressão (textura) Objetivo: Técnica debump Mapping [Blinn 78] Que função usar para perturbar as normais? Alternativa: normal map (wrinkle map) [Oat 07]

51 Técnicas para Animação Facial 51 Rugas de Expressão (textura) Wrinkle Maps [Oat 07] Apenas dois mapas de rugas Máscaras por regiões Combinados por pesos

52 Técnicas para Animação Facial 52 Animação baseada em pseudo-músculos Ao invés de 1 ponto de controle, definem-se vetores Pontos que definem o vetor não precisam estar na malha poligonal [Waters 87] Implementação de [Körting 07]

53 Técnicas para Animação Facial 53 Animação Baseada em Física Múltiplas camadas Sistema massa-mola [Lee 95]

54 Técnicas para Animação Facial 54 Animação Baseada em Física [Kähler 02]

55 Técnicas para Animação Facial 55 Animação Baseada em Física Elementos finitos Divisão em elementos regulares (ex. tetraedros) Mais preciso e estável, mas... 8 min por frame! :P

56 56 Um Framework...

57 Nosso Framework [Queiroz 2010] 57 Speech file Facial Actions Script Speech Synchronization Facial Expressions Generation Animation Parameters Animation Parameters Animation Parameters Synchronization 3D Parameterized Face Polygonal Mesh Description Parameters Determination of the Parameter Units Eye Behavior Generation Animation Parameters Script-based Control Animation Parameters Displacement of the Control Points High-level Information Deformation of the Influence Regions Video Initialization Tracking of Feature Points Mapping of Tracked Feature Points Mapping of the other Feature Points Rendering FAPU User do FAPU usuário Low-level Information Performance-driven Control Generation of 3D Face Deformations

58 Nosso Framework 58 Linguagens/recursos utilizados Faces geradas no software FaceGen Implementação: C++ Linguagem auxiliar (scripts): Lua Bibliotecas XFace Core depois só OpenGL Diluculum GDL2FAP FDL2FAP Interface adaptada do XFace Player (só para a parte dos scripts) CSLU Toolkit

59 59 Tracking is Believing (2008)

60 FaceRobot 60 Agora integrado ao Autodesk Soft Image =123112&id=

61 61 Ogre

62 62 Uncanny Valley << Voltar

4 Espaços de Expressões Faciais no Padrão MPEG-4

4 Espaços de Expressões Faciais no Padrão MPEG-4 4 Espaços de Expressões Faciais no Padrão MPEG-4 Uma emoção é visualmente representada através da sua expressão facial. Na literatura de animação facial, expressões faciais podem ser geradas usando diferentes

Leia mais

Modelação de mãos, face, cabelo e roupas complementar e tão importante quanto a modelação do corpo Fundamental para garantir expressividade Mãos

Modelação de mãos, face, cabelo e roupas complementar e tão importante quanto a modelação do corpo Fundamental para garantir expressividade Mãos Modelação de mãos, face, cabelo e roupas complementar e tão importante quanto a modelação do corpo Fundamental para garantir expressividade Mãos Importante para grande quantidade de movimentos Fundamental

Leia mais

Técnicas de Animação. Soraia Raupp Musse

Técnicas de Animação. Soraia Raupp Musse Técnicas de Animação Soraia Raupp Musse Aula passada: Classificação de técnicas Diferenças Low-level High-level Intervenção do usuário Nível de abstração Precisão do resultado em relação ao especificado

Leia mais

Simulação Gráfica e Visão Computacional. Soraia Raupp Musse

Simulação Gráfica e Visão Computacional. Soraia Raupp Musse Simulação Gráfica e Visão Computacional Soraia Raupp Musse Objetivo Analisar exemplos comerciais e do estado-da-arte científicos que utilizam dados reais para aprimorar a qualidade de simulações e animações.

Leia mais

Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais

Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais Paula Salgado Lucena, Marcelo Gattass, Luiz Velho Departamento de Informática Pontifícia Universidade Católica do

Leia mais

Rogério Willians Chaves da Silva. Modelagem de animação procedural para expressividade facial de Atores Digitais Autônomos

Rogério Willians Chaves da Silva. Modelagem de animação procedural para expressividade facial de Atores Digitais Autônomos Rogério Willians Chaves da Silva Modelagem de animação procedural para expressividade facial de Atores Digitais Autônomos Joinville 2013 Rogério Willians Chaves da Silva Modelagem de animação procedural

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática PERSONAGENS VIRTUAIS EM AMBIENTES VIRTUAIS (PLATAFORMA IVIHUMANS) João Miguel Pires de Carvalho MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA

Leia mais

Especificações terra. Copyright 2012, Terra Networks Brasil S.A.

Especificações terra. Copyright 2012, Terra Networks Brasil S.A. Mobile Pull (320x50px) Última atualização: 13/11/2014 Especificação do formato Formato veiculado por um banner 320x50 (na parte superior da tela) que após interação do usuário verticalmente puxa uma tela

Leia mais

Animação de corpos humanos

Animação de corpos humanos Animação de corpos humanos Sumário Evolução Classificação dos sistemas Notações Modelo tradicional: interpolação Modelo de caminhada Restrições de posição e cinemática inversa Dinâmica Captura de movimento

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Engenharia de Requisitos Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br O Documento de Requisitos Introdução The requirements for a system are the descriptions

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br Preposições na língua inglesa geralmente vem antes de substantivos (algumas vezes também na frente de verbos no gerúndio). Algumas vezes é algo difícil de se entender para os alunos de Inglês pois a tradução

Leia mais

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Savyo Nóbrega (savyo@dsc.ufcg.edu.br) Agenda Motivação Conceitos Gerais Modelagem Matemática Mapeamento de texturas Softwares e ferramentas para modelagem

Leia mais

FEN- 06723 Processamento Digital de Imagens. Projeto 2 Utilização de máscaras laplacianas

FEN- 06723 Processamento Digital de Imagens. Projeto 2 Utilização de máscaras laplacianas FEN- 06723 Processamento Digital de Imagens Projeto 2 Utilização de máscaras laplacianas Marcelo Musci Mestrado Geomática/UERJ-2004 Abstract The Laplacian is also called as second difference function,

Leia mais

Métodos Formais em Engenharia de Software. VDMToolTutorial

Métodos Formais em Engenharia de Software. VDMToolTutorial Métodos Formais em Engenharia de Software VDMToolTutorial Ana Paiva apaiva@fe.up.pt www.fe.up.pt/~apaiva Agenda Install Start Create a project Write a specification Add a file to a project Check syntax

Leia mais

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle So that all the available files in the Moodle can be opened without problems, we recommend some software that will have to be installed

Leia mais

Operação de Instalações Marítimas

Operação de Instalações Marítimas ENIDH, Abril 2011 Sumário 1 Steering Gear 2 Bow Thrust 3 Propeller Servo 1 Steering Gear 2 Bow Thrust 3 Propeller Servo Steering Gear System Comprises two identical hydraulic systems. Each system includes:

Leia mais

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH ÍNDICE PORTUGUÊS 1. Características... 2 2. Conteúdo da Embalagem... 3 3. Como usar o Receptor de TV Digital... 3 4. Tela de Vídeo... 6 5.Requisitos Mínimos... 6 6. Marcas Compatíveis... 8 INDEX ENGLISH

Leia mais

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais.

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. 286 Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. Saulo William S. Costa, Ailton Lopes de Sousa, Yomara Pires Laboratório de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

User Guide Manual de Utilizador

User Guide Manual de Utilizador 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE User Guide Manual de Utilizador 2014 1Life Simplify it All rights reserved. www.1-life.eu 2 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE ENGLISH USER GUIDE...4 MANUAL DE UTILIZADOR PORTUGUÊS...18

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Valmir Fernandes Junior. Detecção e Rastreamento de Íris para Implementação de Interface Homem- Computador

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Valmir Fernandes Junior. Detecção e Rastreamento de Íris para Implementação de Interface Homem- Computador UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Valmir Fernandes Junior Detecção e Rastreamento de Íris para Implementação de Interface Homem- Computador 1 VALMIR FERNANDES JUNIOR DETECÇÃO E RASTREAMENTO DE ÍRIS

Leia mais

Especificaciones terra

Especificaciones terra Vídeo Anúncio pre-roll + Skin Última atualização 25/03/2015 Especificação do formato pre-roll Vídeo-anúncio que será oferecido com o Background Player (Skin) de forma sincronizada ou não com o fundo do

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

Serviços: API REST. URL - Recurso

Serviços: API REST. URL - Recurso Serviços: API REST URL - Recurso URLs reflectem recursos Cada entidade principal deve corresponder a um recurso Cada recurso deve ter um único URL Os URLs referem em geral substantivos URLs podem reflectir

Leia mais

Especificação do formato Formato de grande impacto localizado no S4 (4º scroll da página) de Web e Tablet com área útil obrigatória de 400px.

Especificação do formato Formato de grande impacto localizado no S4 (4º scroll da página) de Web e Tablet com área útil obrigatória de 400px. Parallax Reduzido (1260x400px) Última atualização - 03/02/2015 Especificação do formato Formato de grande impacto localizado no S4 (4º scroll da página) de Web e Tablet com área útil obrigatória de 400px.

Leia mais

1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO:

1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 2 ÁREA / DISCIPLINA: Inglês (Profa: Maria Luiza da Silveira Bicalho) SÉRIE: 1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 80 COMPETÊNCIA

Leia mais

Laboratório 3. Base de Dados II 2008/2009

Laboratório 3. Base de Dados II 2008/2009 Laboratório 3 Base de Dados II 2008/2009 Plano de Trabalho Lab. 3: Programação em Transact-SQL MYSQL Referências www.mysql.com MICROSOFT SQL SERVER - Procedimentos do Lado do Servidor (Stored Procedures)

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA

AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA Ronaldo Aparecido de Oliveira, MSc. ENGEFOTO Engenharia

Leia mais

Especificação do formato Formato de grande impacto localizado no S4 (4º scroll da página) com área útil obrigatória de 600px.

Especificação do formato Formato de grande impacto localizado no S4 (4º scroll da página) com área útil obrigatória de 600px. Parallax (1260x800px) Última atualização: 12/02/2014 Especificação do formato Formato de grande impacto localizado no S4 (4º scroll da página) com área útil obrigatória de 600px. Dimensões SWF 1260x800px

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

O que é CG?? Soraia Raupp Musse

O que é CG?? Soraia Raupp Musse O que é CG?? Soraia Raupp Musse Processamento Gráfico Modelagem Multimídia RV Usuário Visão Modelos Gráfico Tempo Animação Vídeo Imagens Processamento de Imagens O que NÃO é CG?? Processamento de Imagens

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

LICENCIATURA EM ENG. DE SISTEMAS E INFORMÁTICA Redes e Serviços de Banda Larga. Laboratório 4. OSPF Backbone

LICENCIATURA EM ENG. DE SISTEMAS E INFORMÁTICA Redes e Serviços de Banda Larga. Laboratório 4. OSPF Backbone Laboratório 4 OSPF Backbone Equipamento necessário: Três OmniSwitches Objectivo: Este laboratório tem como objectivo familiarizar os alunos com as configurações RIP em comutadores OmniSwitch. Sintaxe dos

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para o Colóquio do SC B5 2009

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para o Colóquio do SC B5 2009 Cigré/Brasil CE B5 Proteção e Automação Seminário Interno de Preparação para o Colóquio do SC B5 2009 Rio de Janeiro, 15-16 de setembro de 2009 Dados do Artigo Número: PS1 107 Título: Client Conformance

Leia mais

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes Lesson 6 Notes Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job Welcome to Fun With Brazilian Portuguese Podcast, the podcast that will take you from beginner to intermediate in short, easy steps. These

Leia mais

Criar um Aplicativo de Realidade Aumentada

Criar um Aplicativo de Realidade Aumentada Escola Superior de Educação de Santarém Criar um Aplicativo de Realidade Aumentada Exercício 2 Nuno Lopes Data 21 Maio 2013 26 Maio 2013 Passo 1: Criar um novo projeto 1- Dar o nome ao projeto de projeto_ra

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6

HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6 HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6 Dangelo Ávila Gerente de Produto Email: dmavila@ra.rockwell.com Cel: (021) 98207-5700 PUBLIC PUBLIC - 5058-CO900H Agenda 1.

Leia mais

PARCERIA PARTNERSHIP. INSTAGRAM @dannyzappa and @carolinasacco

PARCERIA PARTNERSHIP. INSTAGRAM @dannyzappa and @carolinasacco PARCERIA PARTNERSHIP Esta parceria surge da vontade de explorar a azulejaria portuguesa através de outras perspectivas. Danny Zappa & Carolina Sacco são um casal jovem que utiliza a fotografia captada

Leia mais

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines basic concepts Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Um produto www.usm.maine.edu

Leia mais

Frameworks orientados a objetos. Por Sergio Crespo

Frameworks orientados a objetos. Por Sergio Crespo Frameworks orientados a objetos Por Sergio Crespo Frameworks O que é um Framework??? Um framework é um conjunto de classes que constitui um design abstrato para soluções de uma família de problemas - Johnson

Leia mais

hdd enclosure caixa externa para disco rígido

hdd enclosure caixa externa para disco rígido hdd enclosure caixa externa para disco rígido USER S GUIDE SPECIFICATONS HDD Support: SATA 2.5 Material: Aluminium and plastics Input connections: SATA HDD Output connections: USB 3.0 (up to 5.0Gbps)

Leia mais

ALARM REPORT ALARM TYPE = (A)... ALARM-NUMBER = 1 (1)... STATUS AT ABORTION: (3)... (4)... ERROR REASON: (6)... (7)...

ALARM REPORT ALARM TYPE = (A)... ALARM-NUMBER = 1 (1)... STATUS AT ABORTION: (3)... (4)... ERROR REASON: (6)... (7)... Informe de Alarme RRN 05835 Causa de Ativação da Mensagem Informe de alarme gerado nas seguintes condições: D algum erro ocorreu durante o Backup Contínuo de Dados o que leva a um cancelamento dessa função

Leia mais

Framework para geração de personagens humanóides 3D para jogos computacionais

Framework para geração de personagens humanóides 3D para jogos computacionais UNIVERSIDADEFEDERALDEPERNAMBUCO GRADUAÇÃOEMCIÊNCIADACOMPUTAÇÃO CENTRODEINFORMÁTICA Frameworkparageraçãodepersonagens humanóides3dparajogos computacionais TRABALHODEGRADUAÇÃO Novembrode2009 1 Frameworkparageraçãodepersonagens

Leia mais

Aplicações Informáticas B 12º Ano

Aplicações Informáticas B 12º Ano Aplicações Informáticas B 12º Ano Prof. Adelina Maia 2010/2011 AIB_U4C 1 TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO EM COMPUTADOR A animação por computador pode ser definida como a produção do movimento de imagens utilizando

Leia mais

VLSM (Variable Length Subnet Mask)

VLSM (Variable Length Subnet Mask) VLSM e CIDR VLSM (Variable Length Subnet Mask) VLSM (Variable Length Subnet Mask) Técnica que permite que mais de uma máscara de sub-rede seja definida para um dado endereço IP. O campo prefixo de rede

Leia mais

Cria medidas de distâncias entre dois pontos que serão sempre projeções no eixo X e Y (cotas horizontais e verticais).

Cria medidas de distâncias entre dois pontos que serão sempre projeções no eixo X e Y (cotas horizontais e verticais). Cotando desenhos Linear Aligned Ordinate Radius Diameter Angular Quick Dimension Baseline Cria medidas de distâncias entre dois pontos que serão sempre projeções no eixo X e Y (cotas horizontais e verticais).

Leia mais

Motion Graphics 2D. Imagine School. Curso de. Módulo 01 - Introdução & Conceitos Básicos

Motion Graphics 2D. Imagine School. Curso de. Módulo 01 - Introdução & Conceitos Básicos Curso de Motion Graphics 2D Imagine School O Curso de Motion Graphics 2D da Imagine School é dividido em módulos, totalizando 40 semanas (01 ano) e somando 140 horas presenciais no seu currículo. Durante

Leia mais

Computação e Programação

Computação e Programação Computação e Programação 8ª Aula de Problemas Cell arrays Estruturas Instituto Superior Técnico, Dep. de Engenharia Mecânica - ACCAII Problema 1 Escreva uma função que recebe um cell array de strings e

Leia mais

Modelos de Iluminação

Modelos de Iluminação Universidade Católica de Pelotas Centro Politécnico Modelos de Iluminação por Flávia Santos Computação Gráfica Prof. Dr. Paulo Roberto Gomes Luzzardi Universidade Católica de Pelotas Centro Politécnico

Leia mais

WATER MATTRESS MASSAGE SYSTEM 20439

WATER MATTRESS MASSAGE SYSTEM 20439 Page 1 of 10 WATER MATTRESS MASSAGE SYSTEM 20439 CONTENTS Massage System with Controller Please note: the above image shows a white unit and a blue unit. The white unit is supplied inside the blue unit

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

5/10/10. Implementação. Building web Apps. Server vs. client side. How to create dynamic contents?" Client side" Server side"

5/10/10. Implementação. Building web Apps. Server vs. client side. How to create dynamic contents? Client side Server side 5/10/10 Implementação Mestrado em Informática Universidade do Minho! 6! Building web Apps How to create dynamic contents?" Client side" Code runs on the client (browser)" Code runs on a virtual machine

Leia mais

Modelagem e Simulação de Incêndios. Fire dynamics. Carlos André Vaz Junior

Modelagem e Simulação de Incêndios. Fire dynamics. Carlos André Vaz Junior Modelagem e Simulação de Incêndios Fire dynamics Carlos André Vaz Junior INTRODUÇÃO Fire dynamics is a very quantitative and mathematically complex subject. The term fire dynamics came into common use

Leia mais

Modelagem Facial Foto-Realista

Modelagem Facial Foto-Realista Marco Antonio de Azevedo Van Marc Motion Design Como modelar uma face humana foto-realista, 3D, a partir do software 3ds Max/Maya para utilização em mídias de alta-definição. Objetivos de aprendizado da

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Unidade II Science Health and nature 2 Aula 5.1 Conteúdos Phrasal Verbs in texts 3 Habilidade Identificar os phrasal verbs em textos

Leia mais

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes Redes de Tipos de Redes Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet / FastEthernet / GigabitEthernet

Leia mais

Bruno Pereira Evangelista. www.brunoevangelista.com

Bruno Pereira Evangelista. www.brunoevangelista.com Bruno Pereira Evangelista www.brunoevangelista.com 2 Introdução Shaders Pipeline de Renderização Evolução dos Shaders Como Programar Shaders Programando Shaders com XNA Ferramentas Conclusões 3 Durante

Leia mais

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2.

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2. TeamSpeak PORTUGUES ENGLISH Tutorial de registo num servidor de TeamSpeak Registration tutorial for a TeamSpeak server Feito por [WB ].::B*A*C*O::. membro de [WB ] War*Brothers - Non Dvcor Dvco Made by:

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL Prof. Alexandre A. P. Pohl Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 1 Objetivos do Sistema

Leia mais

Solicitação de Mudança 01

Solicitação de Mudança 01 Solicitação de Mudança 01 Refatorar a especificação da linha de produtos Crisis Management System permitindo que o suporte ao registro de LOG seja opcional. Isso significa que o comportamento descrito

Leia mais

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes Tipos de Redes Redes de Sistemas Informáticos I, 2005-2006 Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet

Leia mais

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual IPortalMais: a «brainware» company FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL Easy Linux! Title: Subject: Client: Reference: Funambol Client for Mozilla Thunderbird Doc.: Jose Lopes Author: N/Ref.: Date: 2009-04-17 Rev.:

Leia mais

Boas práticas do uso da técnica de Structure from Motion. Bruna Lopes de Paoli 1 Carlos Alberto Trindade 2

Boas práticas do uso da técnica de Structure from Motion. Bruna Lopes de Paoli 1 Carlos Alberto Trindade 2 Boas práticas do uso da técnica de Structure from Motion Bruna Lopes de Paoli 1 Carlos Alberto Trindade 2 1 Universidade FUMEC Rua Cobre, 200, Cruzeiro, Belo Horizonte MG brunadepaoli@gmail.com 2 Setor

Leia mais

Desenvolvimento de Jogos 2D. Gutenberg Neto gutenberg@fuze.cc

Desenvolvimento de Jogos 2D. Gutenberg Neto gutenberg@fuze.cc Desenvolvimento de Jogos 2D Gutenberg Neto gutenberg@fuze.cc Inteligência Artificial Definição de comportamento de NPCs (personagens não-jogáveis) de forma a simular inteligência IA em jogos não necessariamente

Leia mais

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH ÍNDICE PORTUGUÊS 1. Introdução...2 2. Características...2 3. Avisos...3 4. Instalação...3 4.1 Alimentação por pilha AAA 4.2 Alimentação pela entrada USB 5. Utilizando o Produto...5 6. Solução de Problemas...5

Leia mais

De seguida vamos importar a imagem da lupa File > Import e abrir a imagem Lupa.png que está no Cd-rom.

De seguida vamos importar a imagem da lupa File > Import e abrir a imagem Lupa.png que está no Cd-rom. LUPA Introdução A base que está por detrás deste tutorial são duas imagens, uma com 50% do tamanho original colocada numa layer e outra imagem com o tamanho original colocada numa Mask layer dentro de

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistema de Estimação de Modelos da Classe STAR-TREE

Análise e Desenvolvimento de Sistema de Estimação de Modelos da Classe STAR-TREE Bernardo da Rocha Spindel Análise e Desenvolvimento de Sistema de Estimação de Modelos da Classe STAR-TREE Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

Java RMI. Alcides Calsavara

Java RMI. Alcides Calsavara Java RMI Alcides Calsavara Objetivos Permitir que um método de uma classe Java em execução em uma máquina virtual JVM chame um método de um objeto (instância de uma classe Java) situado em outra máquina

Leia mais

Gerando relatórios para dados do LabVIEW

Gerando relatórios para dados do LabVIEW Gerando relatórios para dados do LabVIEW Agenda Salvando dados eficientemente Desafios de E/S de dados Opções de formatos de arquivos Arquivos NI TDMS Tecnologia NI DataFinder Elaborando relatórios de

Leia mais

A primeira coisa que se precisa definir é a lógica que rege os sistemas de captura, e essa pode ser descrita em linhas gerais por:

A primeira coisa que se precisa definir é a lógica que rege os sistemas de captura, e essa pode ser descrita em linhas gerais por: 4 Tecnologias A ideia da construção de Digital Human Models não caminha em separado das diversas tecnologias que englobam tal construção. Porém, para um melhor entendimento, serão descritas a seguir as

Leia mais

Strings. COM10615-Tópicos Especiais em Programação I edmar.kampke@ufes.br 2014-II

Strings. COM10615-Tópicos Especiais em Programação I edmar.kampke@ufes.br 2014-II Strings COM10615-Tópicos Especiais em Programação I edmar.kampke@ufes.br Introdução Uma estrutura de dados fundamental Crescente Importância Aplicações: Busca do Google Genoma Humano 2 Caracteres Codificação

Leia mais

Computação Gráfica. Daniela G. Trevisan. dtrevisan@joinville.udesc.br. http://www.joinville.udesc.br/portal/professores/dtrevisan/

Computação Gráfica. Daniela G. Trevisan. dtrevisan@joinville.udesc.br. http://www.joinville.udesc.br/portal/professores/dtrevisan/ Computação Gráfica Daniela G. Trevisan dtrevisan@joinville.udesc.br http://www.joinville.udesc.br/portal/professores/dtrevisan/ Computação Gráfica Jogos (Quake 4) Quake 4 By: Activision, Raven Software

Leia mais

AS 4 QUESTÕES DA PARTE A SÃO OBRIGATÓRIAS. ESCOLHA 2, E APENAS 2, QUESTÕES DA PARTE B. A PROVA TEM DURAÇÃO MÁXIMA DE 4 HORAS. BOA PROVA.

AS 4 QUESTÕES DA PARTE A SÃO OBRIGATÓRIAS. ESCOLHA 2, E APENAS 2, QUESTÕES DA PARTE B. A PROVA TEM DURAÇÃO MÁXIMA DE 4 HORAS. BOA PROVA. EXAME UNIFICADO DAS PÓS-GRADUAÇÕES EM FÍSICA DO RIO DE JANEIRO Segundo Semestre de 01-13 de julho de 01 AS 4 QUESTÕES DA PARTE A SÃO OBRIGATÓRIAS. ESCOLHA E APENAS QUESTÕES DA PARTE B. A PROVA TEM DURAÇÃO

Leia mais

Especificações terra. Vídeo anúncio pre-roll. Copyright 2012, Terra Networks Brasil S.A. Última atualização 31/08/2015

Especificações terra. Vídeo anúncio pre-roll. Copyright 2012, Terra Networks Brasil S.A. Última atualização 31/08/2015 Vídeo anúncio pre-roll Última atualização 31/08/2015 Especificação do formato O vídeo-anúncio pre-roll é exibido antes do vídeo de conteúdo nos canais do Terra TV, nos vídeos embedados e na Fanpage do

Leia mais

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1.

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1. Respostas do Estudo Dirigido Cap. 26 - Reducing the information:... ou Image Compression 1. Para que serve comprimir as imagens? Que aspectos estão sendo considerados quando se fala de: Compression Rate,

Leia mais

Especialização em Engenharia e Administração de Banco de Dados SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS I

Especialização em Engenharia e Administração de Banco de Dados SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS I Especialização em Engenharia e Administração de Banco de Dados SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS I José Alberto F. Rodrigues Filho beto@beto.pro.br Firebird É a primeira geração, descendente do

Leia mais

Unidade 07 - UTILIZAÇÃO DE COMPUTAÇÃO NA GEOTECNIA Uso do programa GEOSLOPE/W (Student Version)

Unidade 07 - UTILIZAÇÃO DE COMPUTAÇÃO NA GEOTECNIA Uso do programa GEOSLOPE/W (Student Version) Unidade 07 - UTILIZAÇÃO DE COMPUTAÇÃO NA GEOTECNIA Uso do programa GEOSLOPE/W (Student Version) A computação vem sendo, a partir da década de 80, cada vez mais utilizada para a solução dos diversos problemas

Leia mais

Visualização 3D do movimento humano para aplicações em biomecânica

Visualização 3D do movimento humano para aplicações em biomecânica Visualização 3D do movimento humano para aplicações em biomecânica Tiago Lousada Soares, J. G. Barbosa, Miguel V. Correia INEB Instituto de Engenharia Biomédica, Laboratório de Sinal e Imagem Faculdade

Leia mais

Wiki::Score A Collaborative Environment For Music Transcription And Publishing

Wiki::Score A Collaborative Environment For Music Transcription And Publishing Wiki::Score A Collaborative Environment For Music Transcription And Publishing J.J. Almeida 1 N.R. Carvalho 1 J.N. Oliveira 1 1 Department of Informatics, University of Minho {jj,narcarvalho,jno}@di.uminho.pt

Leia mais

Pipeline de Visualização Câmara Virtual

Pipeline de Visualização Câmara Virtual Pipeline de Visualização Câmara Virtual Edward Angel, Cap. 5 Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 1 Na última aula... Transformações Geométricas Composição de Transformações Deformação

Leia mais

Hotel Cruz Alta Repouse com serenidade e conforto / Rest with serenity and comfort

Hotel Cruz Alta Repouse com serenidade e conforto / Rest with serenity and comfort A MAIOR OFERTA hoteleira em fátima FATIMA S LARGEST HOTEL GROUP Localização / Location (N39 o 37 42 W8 o 40 30 ) Junto ao jardins do Santuário de Fátima e da nova Basílica da Santíssima Trindade muita

Leia mais

Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems. www.gsd.inesc-id.pt. technology from seed

Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems. www.gsd.inesc-id.pt. technology from seed Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems João Barreto and Paulo Ferreira Distributed Systems Group INESC-ID/Technical University Lisbon, Portugal www.gsd.inesc-id.pt Bandwidth remains

Leia mais

PRESENT PERFECT. ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS: 1. Não existe este tempo verbal na Língua Portuguesa;

PRESENT PERFECT. ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS: 1. Não existe este tempo verbal na Língua Portuguesa; ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS: 1. Não existe este tempo verbal na Língua Portuguesa; 2. Associa-se o Present Perfect entre uma ação do passado que tenha uma relação com o presente; My life has changed

Leia mais

Modelos para Sistemas Comunicantes Lista 2 Profs. Paulo Maciel e Eduardo Tavares. Aluno: Anderson Luiz Souza Moreira João Ferreira da Silva Junior

Modelos para Sistemas Comunicantes Lista 2 Profs. Paulo Maciel e Eduardo Tavares. Aluno: Anderson Luiz Souza Moreira João Ferreira da Silva Junior Modelos para Sistemas Comunicantes Lista 2 Profs. Paulo Maciel e Eduardo Tavares Aluno: Anderson Luiz Souza Moreira João Ferreira da Silva Junior QUESTÃO 3.1 Show that S1 and S2 describe the same behavior:

Leia mais

Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames)

Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames) 6.2. Compressão 6.3. Software Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames) FRAME RATE = nº de frames por segundo (fps) Os valores mais utilizados pelas

Leia mais

T Ã O B O M Q U A N T O N O V O

T Ã O B O M Q U A N T O N O V O D I S S E R T A Ç Ã O D E M E S T R A D O M A S T E R I N G D I S S E R T A T I O N A V A L I A Ç Ã O D A C O N D I Ç Ã O D E T Ã O B O M Q U A N T O N O V O U M A A P L I C A Ç Ã O E N V O L V E N D O

Leia mais

Wide Scope Optimization Solutions. The company concept

Wide Scope Optimization Solutions. The company concept Wide Scope Optimization Solutions The company concept Wide Scope The Company Concept Page 2 Wide Scope The Company Concept Net-WMS European-funded project (FP6) for integrating Virtual Reality and optimization

Leia mais

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures GeoInfo - 2006 Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures Leonardo Lacerda Alves Clodoveu A. Davis Jr. Information Systems Lab

Leia mais

Computação Móvel J2ME

Computação Móvel J2ME Computação Móvel J2ME Java 2 Platform (1) Java 2 Standard Edition (J2SE) Desktop applications Java 2 Enterprise Edition (J2EE) Server applications Java 2 Micro Edition (J2ME) Handheld/embedded devices

Leia mais

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Eletrônica e Computação Prof. Cesar Tadeu Pozzer Disciplina: Computação Gráfica pozzer@inf.ufsm.br 19/03/2008 1. CG Computação Gráfica Introdução Teve

Leia mais

Prática 2 Características do Flash

Prática 2 Características do Flash Prática 2 Características do Flash 1. Objetivos Se familiarizar com os Painéis, Frames e Timelines. Desenvolver uma animação simples. 2. Recursos Necessários Computador com o programa Macromedia Flash

Leia mais

Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais (Material) 10

Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais (Material) 10 Criiar uma Aniimação usando o 3D Studio MAX?? RELEASE 3 Nuno Silva nº 5768 Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais

Leia mais

Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação

Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação Diogo Silveira Mendonça Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS 127 MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS VISUAL MODELING OF SOFTWARE FOR COMMUNICATION MANAGEMENT IN PROJECT MANAGEMENT Ricardo Rall 1 Arilson José

Leia mais