GLOSSÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GLOSSÁRIO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 111"

Transcrição

1 PP DD EE PP AA EE CC

2 PP DD EE PP AA EE CC

3 PP DD EE PP AA EE CC

4 S U M Á R I O APRESENTAÇÃO I. PLANO DIRETOR DE EDUCAÇÃO PDE MODELO DE FUNCIONAMENTO DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA DO SISTEMA ELETROBRAS POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO MACRO ORIENTAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO CORPORATIVA NA ELETROBRAS ELETRONORTE PREMISSAS EDUCACIONAIS DIRETRIZES PARA A EDUCAÇÃO CORPORATIVA ESCOLAS DE EXCELÊNCIA, PILARES E MACROPROCESSOS E1 ESCOLA DE EXCELÊNCIA OPERACIONAL E2 ESCOLA ESTRATÉGICA DE MERCADO E3 ESCOLA DE GESTÃO E4 ESCOLA DE LIDERANÇA E5 ESCOLA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA METODOLOGIA PARA IDENTIFICAÇÃO DAS DEMANDAS EDUCACIONAIS CRITÉRIOS PARA SUBSTITUIÇÃO DE AÇÃO EDUCACIONAL NO PAEC OU PARA DE AÇÃO EDUCACIONAL EXTRA PAEC NORMAS, DOCUMENTOS E CRITÉRIOS QUE NORTEAM A EDUCAÇÃO CORPORATIVA ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÕES EDUCACIONAIS CORPORATIVAS PAEC II. PLANO DE AÇÕES EDUCACIONAIS CORPORATIVAS PAEC QUANTITATIVO DE AÇÕES EDUCACIONAIS E ORÇAMENTO DO PAEC RELAÇÃO DAS AÇÕES EDUCACIONAIS PLANEJADAS NO PAEC ANEXOS ANEXO 1 RELAÇÃO DE AÇÕES EDUCACIONAIS PROGRAMADAS PELA UNISE, PARA INÍCIO A PARTIR DE MARÇO DE ANEXO 2 RELAÇÃO DAS AÇÕES EDUCACIONAIS A DISTÂNCIA DISPONIBILIZADAS PELO PORTAL E PELA TV EDUCAÇÃO CORPORATIVA, PARA INÍCIO A PARTIR DE MARÇO DE GLOSSÁRIO PP DD EE PP AA EE CC

5 APRESENTAÇÃO A Superintendência de Desenvolvimento e Educação GSE, em consonância com as orientações da Universidade Corporativa do Sistema Eletrobras UNISE, planeja e implementa ações educacionais para otimizar os processos organizacionais e as orientações estratégicas da Empresa. Relacionamos a seguir os norteadores para atuação da Educação Corporativa Eletrobras Eletronorte: Plano Diretor de Educação PDE Estabelece as macro-orientações educacionais da Eletrobras Eletronorte, destacando-se o modelo de funcionamento da UNISE e desta Unidade de Educação Corporativa, as Escolas, Pilares de Formação e Macroprocessos da Empresa. Estabelece a metodologia para definição das ações educacionais essenciais vinculadas aos Macroprocessos, estabelece critérios de substituição de ações e de participação e formas de acompanhamento do PAEC. O PDE, por ser de natureza estratégico-tática, altera-se para acompanhar as mudanças no Plano Estratégico do Sistema e da Empresa, seguindo seus ciclos de atualização. Desta forma, este PDE está atrelado ao ciclo Plano de Ações Educacionais Corporativas PAEC Apresenta a consolidação das ações educacionais priorizadas para o ano em referência, em atendimento às diretrizes estabelecidas, desafios organizacionais e necessidades de aperfeiçoamento dos processos operacionais, assim como, negociações realizadas no Comitê de Educação (GSE e Assessores de Gestão) para atender a situações específicas / emergenciais. Diferentemente do PDE, o PAEC possui natureza operacional e periodicidade anual. PP DD EE PP AA EE CC

6 I. PLANO DIRETOR DE EDUCAÇÃO PDE 1. MODELO DE FUNCIONAMENTO DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA DO SISTEMA ELETROBRAS O modelo de funcionamento da Educação Corporativa do Sistema Eletrobras tem como premissa a atuação integrada e cooperativa do conjunto das Empresas do Sistema, em sintonia com os propósitos estratégicos de integração, competitividade e rentabilidade do Sistema Eletrobras. Para efetivar essas diretrizes foi definido que o Sistema Eletrobras teria uma única Universidade Corporativa - UNISE composta de quinze (15) Unidades de Educação Corporativa associadas, correspondentes a cada uma das Empresas pertencentes ao Sistema Eletrobras, tendo por objetivo promover o desenvolvimento de todos os empregados nas competências requeridas pelo Sistema. Seguindo tal orientação, desde janeiro de 2011, a Universidade Corporativa Eletronorte UCEL, gerenciada pela Superintendência de Desenvolvimento e Educação - GSE passou a ser denominada Unidade de Educação Corporativa Eletrobras Eletronorte - EC A figura a seguir ilustra a Educação Corporativa do Sistema Eletrobras. A UNISE tem como papel fundamental desenvolver as competências gerais definidas no Plano de Carreira e Remuneração - PCR, as competências de liderança, a disseminação da cultura e dos valores e as competências específicas críticas para viabilização das estratégias do Sistema Eletrobras. Com isso, a UNISE possibilita alavancagem da excelência no modelo de Gestão, estabelecimento de parcerias estratégicas para soluções educacionais, otimização de custos com ganhos em escala e promoção da gestão do conhecimento e valorização do capital intelectual no Sistema Eletrobras. PP DD EE PP AA EE CC

7 As Unidades de Educação Corporativa são responsáveis por desenvolver as competências específicas de seus negócios de forma integrada e alinhada à UNISE, orientadas pelas Políticas e Modelo Educativo do Sistema Eletrobras. As Unidades de Educação Corporativa, dentre elas a da Eletrobras Eletronorte, possuem as seguintes atribuições: Planejar, executar e avaliar as ações educacionais destinadas a desenvolver as competências de gestão e as específicas de cada Empresa, que não forem oferecidas pela UNISE; Atuar em parceria com a UNISE na execução, acompanhamento e avaliação das ações realizadas; Planejar, executar e avaliar as ações de ambientação de sua Empresa, incorporando os aspectos de cultura, valores e estratégias do Sistema Eletrobras. O Projeto IV.6.3 Plano de Desenvolvimento e Capacitação de Pessoas do Sistema Eletrobras, aprovado em 2009, com a participação da Fundação Instituto de Administração FIA / USP, compõe o Plano de Transformação do Sistema Eletrobras PTSE, concebido com a participação de todas as Empresas do grupo e explicita as Políticas Educacionais, o Modelo Educativo, o papel e funcionamento da UNISE e de suas Unidades de Educação Corporativa, bem como as estratégias para a implantação desta proposta para a Educação Corporativa. Desta forma, a transição foi realizada por meio de adequações implementadas em 2010, tanto na Holding quanto nas Empresas vinculadas. Na Eletrobras Eletronorte as mudanças foram profundas para alinhar-se à UNISE, uma vez que a educação na Empresa sempre foi referência para o Setor, visto que sua Universidade Corporativa UCEL, implantada desde 2000 e a única certificada desde 2004 pela ISO 9001:2008, com Escolas de Excelência, Modelo Pedagógico e Plano Diretor de Educação, estruturados desde A orientação no Projeto IV.6.3 do Plano de Transformação do Sistema Eletrobras - PTSE é de que as Unidades de Educação Corporativa das Empresas garantam os recursos financeiros destinados a atender as necessidades de desenvolvimento das competências específicas destas e que tenham um orçamento destinado ao seu Plano de Capacitação de aproximadamente 2,5% da folha anual bruta de pessoal. Em 2011, a Eletrobras Eletronorte não obteve recursos orçamentários suficientes para atingir a meta proposta pela UNISE, além de ter um diferencial desvantajoso comparado às outras Empresas do Sistema, ou seja, as despesas com deslocamento, que abarcam 2/3 do valor disponibilizado para uma ação educacional, estão incluídas no montante repassado para capacitação. O PDE / PAEC 2011 foi planejado contemplando ações propostas e aprovadas pela UNISE, inclusive honrando compromissos assumidos com ações de especialização iniciadas em 2010, entretanto, em face dos recursos globais destinados estão sendo reprimidas inúmeras demandas educacionais específicas identificadas nas Diretorias. Estratégias já utilizadas pela Superintendência de Desenvolvimento e Educação GSE da Eletrobras Eletronorte estão sendo intensificadas, tais como: instrutoria interna, ensino à distância, criação de comunidades de aprendizagem para disseminação do conhecimento e treinamento em serviço. Entretanto, a urgência na implementação de reconhecimento formal faz-se necessária para os profissionais educadores, que conciliam com seu pesado dia a dia de trabalho os papéis de instrutor, conteudista disseminador e tutor. Além disso, a transposição de ações educacionais presenciais para a distância ou atuação mista exige um investimento inicial que se dilui apenas ao longo dos anos. PP DD EE PP AA EE CC

8 2. POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO MISSÃO E VISÃO DA UNISE Missão Promover as melhores soluções educacionais para o desenvolvimento das competências dos profissionais do Sistema Eletrobras para alavancar vantagem competitiva sustentável. Visão Ser referência nacional no desenvolvimento de competências profissionais do negócio de energia elétrica até PAPEL DA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO GSE, NA ELETROBRAS ELETRONORTE Atuar como agente integrador entre as ações educacionais e os negócios estratégicos da Empresa, promovendo a gestão de pessoas e do conhecimento, conforme preconizado no Plano Estratégico Empresarial. A seguir, são apresentados o posicionamento estratégico do Sistema Eletrobras e o seu desdobramento na Eletrobras Eletronorte. As ações educacionais priorizadas no PAEC 2011 estão alinhadas ao Planejamento Estratégico e ao Projeto Eletronorte de Eficiência e Crescimento - PEEC, foram identificadas e analisadas em diversos níveis funcionais e consolidadas pela GSE em conjunto com os Assessores de Gestão das Diretorias. Por isso, espera-se que as mesmas sejam realmente efetivas e venham contribuir para o alcance dos objetivos estratégicos. PP DD EE PP AA EE CC

9 POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO DO SISTEMA ELETROBRAS Figura 1: Posicionamento estratégico do Sistema Eletrobras MAPA ESTRATÉGICO DA ELETROBRAS ELETRONORTE Figura 2: Mapa Estratégico da Eletrobras Eletronorte PP DD EE PP AA EE CC

10 Para dar suporte às estratégias empresariais, tanto do Sistema Eletrobras, quanto das Empresas componentes do Sistema, políticas para educação corporativa1 e o Modelo Educativo foram estabelecidos visando orientar o planejamento, a execução, o acompanhamento e a avaliação das ações de educação. As políticas constituem-se nas bases norteadoras para a atuação integrada, uniforme e cooperativa da UNISE e das Unidades de Educação Corporativa das Empresas, e foram estabelecidas a partir de 14 temas considerados essenciais: Atuação integrada, cooperativa e alinhada da Educação Corporativa do Sistema Eletrobras; Concepção e estruturação das ações educacionais; Sistema de Avaliação das Ações Educacionais; Alinhamento da Educação Corporativa às práticas de Gestão de Pessoas do Sistema Eletrobras; Desenvolvimento das competências dos empregados; Desenvolvimento de uma cultura do Sistema Eletrobras; Valorização do empregado educador; Parcerias internas e externas; Avaliação de competências; Integração da Educação Corporativa com Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação P&D + I; Modelo Educativo; Recursos Financeiros da UNISE e das Unidades de Educação Corporativa das Empresas; Valorização da diversidade e promoção da equidade de gênero. 1 São 32 políticas definidas. Estas constam do capítulo 6 do Projeto IV.6.3 Plano de Desenvolvimento e Capacitação de Pessoas do Sistema Eletrobras. PP DD EE PP AA EE CC

11 3. MACRO ORIENTAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO CORPORATIVA N A ELETROBRAS ELETRONORTE 3.1 Premissas Educacionais A Diretoria Executiva da Eletrobras Eletronorte tem adotado Premissas Educacionais que orientam a Superintendência de Desenvolvimento e Educação - GSE no planejamento e execução das ações educacionais. Estas premissas foram revistas para adequar-se ao Plano de Transformação do Sistema Eletrobras PTSE, consolidamse como necessárias para a efetividade da Educação Corporativa na Empresa e estão documentadas no PROCEDIMENTO DOCUMENTADO CORPORATIVO PDC-001, da IN / OS 033: Elaboração do Plano de Ações educacionais Corporativas PAEC, aprovada pelo Diretor de Gestão Corporativa, em 03/11/2010. A seguir destacamos tópicos relevantes deste PDC-001 IN/OS 033: a.) Contexto da Educação Corporativa: Considerar a educação como instrumento de cidadania e de democratização, valorizando o empregado como ser humano integral e fornecendo oportunidades para todos, sem, no entanto, perder o foco no negócio, no credo e nas estratégias empresariais do Sistema Eletrobras e da Eletrobras Eletronorte, bem como nos processos organizacionais que devem ser prioridade da Empresa. b.) Alinhamento Corporativo: Alinhar as Ações Educacionais com o Plano Estratégico do Sistema Eletrobras e da Empresa e/ou com projetos e processos organizacionais, tendo como foco o desenvolvimento das competências essenciais para a organização. c.) Equilíbrio entre interesses organizacionais e individuais: Proporcionar oportunidades concretas de desenvolvimento pessoal e profissional, associadas à carreira e a novos interesses profissionais, desde que vinculadas às estratégias e aos objetivos organizacionais. d.) Comunidade de Aprendizagem: Incentivar a aplicação e disseminação do conhecimento, compartilhamento de práticas de sucesso e inovações, valorizando a aprendizagem em serviço, adoção e valorização de novos papéis voltados para a educação (instrutor interno, tutor, gerente-educador, empregadoeducador etc). e.) Gestão Compartilhada da Educação: Considerar que os gerentes devem atuar também como facilitadores (coaches), apoiando o desenvolvimento dos empregados mediante participação na definição da carreira, acompanhamento de resultados, avaliação de desempenho e disseminação dos conhecimentos adquiridos em ações educacionais, buscando continuamente promover a educação de sua área como um todo, sem perder o foco estratégico de sua Unidade Gerencial. f.) Cultura de Aprendizagem: Considerar que os empregados são co-responsáveis no processo de educação da Empresa e agentes ativos da aprendizagem, compartilham o conhecimento e buscam seu autodesenvolvimento; a GSE é especialista em educação e coordenadora/orientadora dos projetos de ação educacional; os gerentes são os maiores incentivadores do desenvolvimento dos seus subordinados e, os diretores atuam como norteadores e patrocinadores efetivos. Juntos empregados, GSE, gerentes e diretores buscam melhores resultados empresariais e satisfação do cliente. g.) Ação Educacional como alternativa: identificar as reais influências no desempenho individual, da equipe e da organização, considerando a ação educacional não como o único, mas como um dos instrumentos possíveis na busca da solução quando houver lacunas de competência, ou demanda específica de desenvolvimento. PP DD EE PP AA EE CC

12 3.2 Diretrizes para a Educação Corporativa As Diretrizes da Diretoria Executiva para a Educação Corporativa visam unificar e orientar o processo educacional na Eletrobras Eletronorte. São estas: a.) Pautar as ações educacionais nas orientações emanadas do Sistema Eletrobras; b.) Focar o planejamento das Ações Educacionais Corporativas na Visão, Missão e Valores do Sistema Eletrobras e da Empresa, bem como, em seus Planos Estratégicos; c.) Priorizar as ações de capacitação para empregados (as) em processo de formação; d.) Utilizar recursos tecnológicos atualizados, de preferência próprios, na consolidação da Educação Corporativa na Eletronorte e transformação desta numa Unidade da UNISE; e.) Promover ações educacionais que contribuam para a integração do Sistema Eletrobras, bem como, a continuidade e otimização dos processos empresariais, visando a excelência na gestão; f.) Implementar ações educacionais que dêem suporte aos Programas Corporativos da Empresa; g.) Investir no desenvolvimento de novas tecnologias e metodologias e das competências individuais voltadas ao negócio da Empresa (Geração,, Comercialização e Gestão das Sociedades de Propósito Específico SPE); h.) Investir no desenvolvimento das competências individuais relativas aos serviços, tais como: Operação e Sistemas Elétricos; Análise físico-química (laboratório); Viabilização e Expansão de Empreendimentos; Telecomunicações; i.) Realizar ações educacionais voltadas para os temas Cidadania e Responsabilidade Sócio- Ambiental; j.) Fomentar ações que incentivem a Aprendizagem Organizacional - disponibilização e compartilhamento de conhecimentos adquiridos; k.) Investir em ações de Gestão do Conhecimento que possam contribuir no processo de aprendizagem, substituindo ou complementando ações educacionais; l.) Fomentar ações educacionais voltados para o uso da Tecnologia da Informação como instrumento de conectividade, integração, organização, disponibilização e compartilhamento do conhecimento; m.) Promover ações educacionais com foco nas melhorias dos fatores de insatisfação identificados no Estudo de Clima Organizacional; n.) Investir em metodologias de desenvolvimento de competências que vão além das salas de aula, investindo em outras estratégias educativas como educação a distância, indicações de leitura, visitas técnicas, benchmark, comunidades de prática, coaching, etc.; o.) Manter constante avaliação dos resultados das ações educacionais, para garantir que os recursos empregados nestes tenham o adequado retorno para a Empresa. PP DD EE PP AA EE CC

13 4 ESCOLAS DE EXCELÊNCIA, PI LARES E MACROPROCESSOS A UNISE está estruturada em 05 Escolas Excelência Operacional, Estratégias de Mercado, Gestão, Liderança e Responsabilidade Social Corporativa - e 18 Pilares de Formação associados às Escolas, conforme apresentado no quadro a seguir. As Escolas englobam grandes eixos de conhecimento que refletem as orientações estratégicas do Sistema Eletrobras e os Pilares de Formação são núcleos temáticos, desdobrados das Escolas, que orientam a definição das ações educacionais para o desenvolvimento das competências profissionais críticas para os processos de trabalho, que viabilizarão as estratégias do Sistema Eletrobras. De modo a ressaltar o alinhamento da Universidade ao novo posicionamento estratégico buscado pelo Sistema Eletrobras foram incluídos os temas transversais integração, competitividade, rentabilidade, e sustentabilidade - balizadores para todas as Escolas. PP DD EE PP AA EE CC

14 A Tabela a seguir apresenta a relação entre os Objetivos Estratégicos e os Pilares de Formação associados às Escolas de Excelência da UNISE Aumentar a participação no ne góc io de energia P1.1 Geração X X P1.2 X X Escolas e Pilares Aumentar a produtividade da força de trabalho 3 Eficientizar processos empresariais 2 Aumentar o resultado empresarial 1 Alcançar resultados sustentáveis Objetivos Estratégicos Equacionar problemas estruturais Tabela 1. Relação entre Objetivos Estratégicos da Eletrobras Eletronorte e Escolas / Pilares da UNISE. X X X X X X E1 Excelência Operacional X P1.3 Distribuição P1.4 Programas Governamentais X X E2 Estratégias de Mercado P2.1 Comercialização X X X P2.2 Internacionalização X X X X X X X P2.3 Novos Empreendimentos P2.4 P&D e Inovação X P2.5 Regulação Setorial X X X E3 Gestão P3.1 Tecnologia de Gestão (Metodologias e Ferramentas). X P3.2 Suporte ao Negócio X X P3.3 Comunicação X P3.4 Governança Corporativa X X X X E4 Liderança P4.1 - Formação e Desenvolvimento de Líderes X X P4.2 Gestão de Pessoas X X X X X X E5 Responsabilidade Social Corporativa P5.1 - Cultura e Valores X X P5.2 - Responsabilidade Sócio-Ambiental X X P5.3 Saúde e Segurança do Trabalho P P D E P A E C PD DE E P PA AE EC C X X X X 14

15 A Superintendência de Desenvolvimento e Educação da Eletrobras Eletronorte - GSE, alinhada ao Projeto Eletronorte de Eficiência e Crescimento - PEEC acrescentou mais um componente MACRO-PROCESSO -, para vincular as demandas educacionais aos processos de trabalho identificados na Eletrobras Eletronorte, conforme discriminado nos quadros de cada uma das ESCOLAS E1 Escola de Excelência Operacional Desenvolve as competências críticas para uma exploração otimizada dos ativos do Sistema Eletrobras. Pilares: P1.1 GERAÇÃO: Abrange as competências para o planejamento, a operação e manutenção, eficiente e eficaz, da geração de energia elétrica. P1.2 TRANSMISSÃO: Abrange as competências para o planejamento, a operação e manutenção, eficiente e eficaz, da transmissão de energia elétrica. P1.3 DISTRIBUIÇÃO: Não se aplica P1.4 PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS: Abrange as competências destinadas a uma melhor gestão dos programas federais delegados ao Sistema Eletrobras. Macroprocessos: PILAR: P1.1 - GERAÇÃO MACRO- PROCESSO (*) PROCESSO OBJETIVO EDUCACIONAL capacitar os empregados (as) para: Engenharia de Operação da Geração (P1.1.1) Engenharia de Operação da Geração Planejar a manutenção, normatização e pré-operação; Prestar consultorias técnicas, comissionamento; e Realizar o monitoramento do desempenho, análise de ocorrências, pós-operação. Operação de Instalações de Geração (P1.1.2) Operação das Instalações de Geração Hidráulica Operação das Instalações de Geração Térmica Gestão Ambiental das Instalações de Geração. Realizar operação em tempo real das usinas hidráulicas e térmicas; Implementação de SEP e de procedimentos operacionais e Executar a gestão ambiental com vistas ao atendimento dos condicionantes para a manutenção das licenças de operação. PP DD EE PP AA EE CC

16 MACRO- PROCESSO (*) Engenharia de Geração (P1.1.3) Instalações de Geração (P1.1.4) MACRO- PROCESSO (*) PILAR: P1.1 - GERAÇÃO (Continuação) PROCESSO Engenharia de Geração Suporte Técnico a Manutenção da Geração Execução da Manutenção da Geração Hidráulica Execução da Manutenção da Geração Térmica OBJETIVO EDUCACIONAL Capacitar os empregados (as) para: Planejar o programa de manutenção, normatização e préoperação; Realizar monitoramento da manutenção da geração: análise de desempenho, análise de ocorrências, pós-operação; Prestar consultorias internas especializadas; Dar suporte ao comissionamento; Implementar melhorias e novas técnicas desenvolvidas e disponibilizadas / prestadas pelo Centro de tecnologia. Coordenar, preparar e dar suporte às equipes de campo de manutenção da geração hidráulica e Coordenar, preparar e dar suporte às equipes de campo de manutenção da geração térmica. PILAR: P1.2 - TRANSMISSÃO PROCESSO OBJETIVO EDUCACIONAL Capacitar os empregados (as) para: Operação do Sistema de (P1.2.1) Engenharia da Operação da (P1.2.2) Operação de Instalações de (P1.2.3) Engenharia de (P1.2.4) Operação Central do Sistema Gestão Ambiental das Instalações de. Engenharia da Operação da Operação do Sistema localmente Engenharia de Manutenção da Suporte Técnico a Manutenção da Gestão de Contratos da Realizar a operação em tempo real de todo o sistema; Executar a gestão ambiental com vistas ao atendimento dos condicionantes para a manutenção das licenças de transmissão. Realizar o planejamento da pré-operação, consultorias técnicas, comissionamento e monitoramento da pós-operação. Realizar a operação em tempo real de todo o sistema; Executar a gestão ambiental com vistas ao atendimento dos condicionantes para a manutenção das licenças de transmissão. Prestar consultorias internas especializadas; Realizar comissionamento; Implantar melhorias e novas técnicas prestadas pelo Centro de tecnologia. PP DD EE PP AA EE CC

17 PILAR: P1.2 - TRANSMISSÃO (Continuação) MACRO- PROCESSO (*) PROCESSO OBJETIVO EDUCACIONAL capacitar os empregados (as) para: Instalações de (P1.2.5) Execução dos Programas de Manutenção da Realizar a execução da manutenção. Telecomunicação (P1.2.6) Engenharia de Manutenção da Telecomunicação Realizar planejamento de programas de manutenção, normatização; Realizar o monitoramento do desempenho de instalações e equipamentos, análise de ocorrências. Operação de Telecomunicação (P1.2.7) Operação Central do Sistema de Telecomunicação Realizar operação em tempo real de todo o sistema de telecomunicações. MACRO- PROCESSO (*) PILAR: P1.4 - PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS PROCESSO OBJETIVO EDUCACIONAL capacitar os empregados (as) para: Gestão de Programas de Governo (P1.4.1) Gestão de Programa de Universalização da Energia Elétrica Luz para todos Articular, propor e coordenar ações de apoio a implementação do Programa Luz para Todos; Executar ações voltadas ao Prodeem / MME. PP DD EE PP AA EE CC

18 4.2. E2 Escola Estratégica de Mercado Desenvolve as competências críticas necessárias à expansão dos negócios do Sistema Eletrobras no Brasil e no exterior. Pilares: P2.1 COMERCIALIZAÇÃO: Abrange as competências para a comercialização de energia elétrica, atendendo às estratégias organizacionais. P2.2 INTERNACIONALIZAÇÃO: Abrange as competências para a expansão dos negócios do Sistema Eletrobras no mercado internacional. P2.3 NOVOS EMPREENDIMENTOS: Abrange as competências para a expansão e ampliação do negócio, através de novos empreendimentos de geração e transmissão. P2.4 P&D E INOVAÇÃO: Abrange as competências voltadas à pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação, em sintonia com os objetivos estratégicos. P2.5 REGULAÇÃO SETORIAL: Abrange as competências relativas à regulação do setor elétrico. Macroprocessos: MACRO- PROCESSO (*) Comercialização de Energia (P2.1.1) PILAR: P2.1 - COMERCIALIZAÇÃO PROCESSO Compra e Venda de Energia Gestão de Contratos Liquidação e Faturamento Relacionamento Comercial Clientes Livres OBJETIVO EDUCACIONAL Capacitar empregados (as) para Realizar estudo de preço; comercialização de energia (curto e longo prazo); Proceder à análise de riscos; Atuar na gestão de contratos de comercialização de energia; Atuar na medição e faturamento e relacionamento comercial com clientes livres. PP DD EE PP AA EE CC

19 PILAR: P2.2 INTERNACIONALIZAÇÃO e P2.3- NOVOS EMPREENDIMENTOS MACRO- PROCESSO (*) Estruturação do Negócio de Geração (P2.3.1) Planejamento da Expansão de Geração (P2.3.2) Estudos e Projetos de Geração (P2.3.3) PROCESSO Preparação para Leilões de Geração Planejamento da Expansão de Geração Desenvolvimento de Estudos Técnicos de Geração Desenvolvimento de Projetos de Geração OBJETIVO EDUCACIONAL Capacitar empregados (as) para Especificar e elaborar a documentação para leilão de geração (estudo de viabilidade, EIA/RIMA e LP); Especificar o orçamento e gerenciar a execução deste; Estabelecer pré-contratos e gerenciar financiamentos, seguros e garantias. Realizar a avaliação do Planejamento Estratégico da Eletronorte e Planejamento Setorial; Realizar a avaliação das necessidades de mercado; Executar o planejamento da expansão de geração da Eletronorte por novos empreendimentos Formular e executar o inventário de potencial hidráulico; Realizar e implantar estudos de viabilidade técnica; Especificar riscos de engenharia e regulatório e propor ações de contorno. Executar o gerenciamento de projetos; Propor e executar projeto básico e contratações; Mediar obtenção de licença de instalação (LI) Implantação do Empreendimento de Geração (P2.3.4) Estruturação do Negócio de (P2.3.5) Planejamento da Expansão de (P2.3.6) Estudos e Projetos de (P2.3.7) Fiscalização de Obras de Geração Implantação de Empreendimentos de Geração Preparação para Leilões de Planejamento da Expansão de Desenvolvimento de Estudos Técnicos de Fiscalizar obras de engenharia do proprietário (escritórios de obras de geração) Executar a gestão da implantação do empreendimento de geração; Acompanhar a implantação projeto executivo, construção e montagem; Fiscalizar e realizar o controle de qualidade; Atuar em comissionamento e realizar inventário físico de equipamentos; Mediar a obtenção de licença de operação (LO); Executar a gestão dos contratos de fornecimento de materiais e serviço de engenharia do proprietário. Especificar e elaborar a documentação para leilão de transmissão (R1, R2, R3 e R4); Elaborar orçamento e acompanhar a execução do mesmo; Estabelecer e gerir pré-contratos; Realizar a gestão de financiamentos, seguros e garantias. Mediar a avaliação do Planejamento Estratégico da Eletronorte e Planejamento Setorial; Realizar a avaliação das necessidades de mercado; Implementar o planejamento da expansão de transmissão da Eletronorte por novos empreendimentos Elaborar estudos de transmissão (R1 e R2); Elaborar estudos de viabilidade técnica; Especificar e analisar riscos de engenharia e regulatório e propor ações de contorno. PP DD EE PP AA EE CC

20 PILAR: P2.2 INTERNACIONALIZAÇÃO e P2.3- NOVOS EMPREENDIMENTOS (Continuação) MACRO- PROCESSO (*) Implantação do Empreendimento de (P2.3.8) Estudos e Projetos de Telecomunicação (P2.3.9) Telecomunicações (P2.3.10) Gestão de Participações Societárias (P2.3.11) MACRO- PROCESSO (*) Pesquisa e Desenvolvimento (P2.4.1) PROCESSO Desenvolvimento de Projetos de Gestão do Portfólio Empreendimentos de Desenvolvimento de Projetos de Fiscalização de Obras de Desenvolvimento de Estudos Técnicos de Telecomunicações Gestão dos Serviços de Telecomunicações Gestão Financeira Gestão Societária de Participações Gestão de Participações de Geração Gestão de Participações de OBJETIVO EDUCACIONAL Capacitar empregados (as) para Gerenciar projetos de implantação de empreendimentos de transmissão; Interagir na elaboração de projeto básico e contratações; Mediar à obtenção de licença de instalação (LI); Atuar no processo de integração das diversas áreas da Empresa necessárias à implantação dos empreendimentos; Executar a gestão do empreendimento, do projeto executivo, da construção e montagem; Atuar na fiscalização e controle de qualidade; Atuar em comissionamento e realizar inventário físico de equipamentos; Mediar a obtenção de licença de operação (LO); Executar a gestão dos contratos de fornecimento de materiais e serviço de engenharia do proprietário (Escritórios de obras de ) Realizar estudos de viabilidades e projetos de telecomunicações Executar a Gestão do Plano de Negócios de SCM. Executar o controle e monitoramento de participações; Mediar a consolidação e realizar a análise de resultados ; Atuar na representação em Conselhos de Administração; Executar a gestão de contratos de participações societárias em empreendimentos de transmissão; Executar a gestão de contratos de prestação de serviços (controle de qualidade, meio ambiente e coordenação da operação). PILAR: P2.4 - P&D e INOVAÇÃO PROCESSO Pesquisa e Desenvolvimento OBJETIVO EDUCACIONAL Capacitar empregados (as) para Executar a gestão de projetos de P&D (PEPD); Atuar na gestão da propriedade intelectual (PEPI) PP DD EE PP AA EE CC

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Relatório de Educação Corporativa. e Gestão do Conhecimento

Relatório de Educação Corporativa. e Gestão do Conhecimento Relatório de Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento 2010 SUMÁRIO CREDO, ATRIBUIÇÕES E OBJETIVOS DA UCEL... 3 INTRODUÇÃO... 4 PLANO DIRETOR DE EDUCAÇÃO PDE... 6 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Outubro de 2013 Conteúdo 1. Objetivo... 3 2. Princípios... 4 3. Diretrizes... 5 4. Responsabilidades... 6 5. Conceitos... 7 6. Disposições

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG Gestão da engenharia de manutenção Otimização no uso de equipamentos Gestão de custos e mão de obra Aumente a confiabilidade e disponibilidade dos equipamentos

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência Administrativa do Tribunal de Justiça e estabelece seu Regulamento. A CORTE SUPERIOR DO TRIBUNAL

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIABRASIL S.A. TBG PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO Edital PSPGEPE01/2007 De 16/10/2007 A

Leia mais

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras dezembro 2012 Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras 5 I. O público-alvo

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

VII CONGRESSO INTERNO FIOCRUZ ALTERAÇÕES PROPOSTAS PELA DIREH AO DOCUMENTO DE REFERÊNCIA

VII CONGRESSO INTERNO FIOCRUZ ALTERAÇÕES PROPOSTAS PELA DIREH AO DOCUMENTO DE REFERÊNCIA VII CONGRESSO INTERNO FIOCRUZ ALTERAÇÕES PROPOSTAS PELA DIREH AO DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Pagina 31 6.1. Atenção, Vigilância e Formação para o SUS Recursos Basais - Implantar programa de incentivo ao desempenho

Leia mais

GESTÃO CORPORATIVA - DGE

GESTÃO CORPORATIVA - DGE GESTÃO CORPORATIVA Heleni de Mello Fonseca Diretoria de Gestão Empresarial - DGE Apresentador: Lauro Sérgio Vasconcelos David Belo Horizonte, 29 de maio de 2006 1 AGENDA Direcionamento Estratégico Iniciativas

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB Plano Básico Organizacional BRB CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A. PRESI/DIFAD/SUFAD GERGE GERÊNCIA DE GESTÃO PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB BRASÍLIA - DF DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIÊNIO /2015 DSI/CGU-PR Publicação - Internet 1 Sumário 1. RESULTADOS

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP SERVIÇOS DE CONSULTORIA EIXO TEMÁCO: GOVERNANÇA DE Implantação de Metodologia de Elaborar e implantar uma metodologia de gerenciamento de projetos no órgão solicitante, com a finalidade de inserir as melhores

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Política de Eficiência Energética

Política de Eficiência Energética Política de Eficiência Energética março 2010 Política de Eficiência Energética Política de Eficiência Energética 5 I. O público-alvo O Público-alvo ao qual se destina esta Política de Eficiência Energética

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 Dispõe sobre o Conselho Municipal de Informática, o Sistema de Tecnologia da Informação, a aquisição e a contratação de bens e serviços de informática. JOSÉ SERRA,

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

Em busca da qualidade de

Em busca da qualidade de Diretoria de Gestão Corporativa-DG empresa Em busca da qualidade de gestão Inovações tecnológicas e gerenciais possibilitam mais eficiência à Eletrobras Furnas texto Leonardo da Cunha Valorizar o capital

Leia mais

DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010.

DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Executiva do Núcleo Segurança. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS GERÊNCIA DE PROGRAMAS E PROJETOS - GPP COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS TERMO DE ABERTURA PROJETO: Centro de Treinamento e Capacitação

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

PAEC 2011 - Ações Educacionais Extraplano

PAEC 2011 - Ações Educacionais Extraplano 1 1 PAEC 2011 - Ações Educacionais Extraplano Formação em Segurança de Automação Industrial - NIST 800-82 e ANSI/ISA 99- Unise 2 Automação e Smart Grid - Módulos 1 e 2 - Unise Engenharia da operação da

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CONSELHOR CONSULTIVO CONSELHO FISCAL CAMARAS TEMÁTICAS COMÉRCIO VAREJISTA ALIMENTAÇÃO SAÚDE HABITAÇÃO SERVIÇOS TURISMO E HOSPITALIDADE

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA LEGISLAÇÃO: Lei Municipal nº 8.834 de 01/07/2002 e Decreto 550 de 19/09/2007. ATRIBUIÇÕES: 10 - SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA 10.010 - COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 13 de outubro de 2010 EXTRA Nº 2 OUTUBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 385, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Institui, no âmbito do IPEA,

Leia mais

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM Fevereiro DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM 2 ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO... 3 Apresentação... 3 Missão... 4 Visão de Futuro... 4 Valores... 4 PERSPECTIVAS...

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais