Editorial EDITORIAL. Olá amigos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editorial EDITORIAL. Olá amigos"

Transcrição

1

2

3 EDITORIAL Editorial THE CLUB Av. Profº Celso Ferreira da Silva, 190 Jd. Europa - Avaré - SP - CEP Informações: (14) Suporte: (14) Fax: (14) Internet Cadastro: Suporte: Informações: Dúvidas Correspondência ou fax com dúvidas devem ser enviados ao - THE CLUB, indicando "Suporte". Opinião Se você quer dar a sua opinião sobre o clube em geral, mande a sua correspondência para a seção "Tire sua dúvida". Reprodução A utilização, reprodução, apropriação, armazenamento em banco de dados, sob qualquer forma ou meio, de textos, fotos e outras criações intelectuais em cada publicação da revista The Club Megazine são terminantemente proibidos sem autorização escrita dos titulares dos direitos autorais. Olá amigos Está é mais uma edição da revista The Club Megazine. Nesta edição os nossos colaboradores Fábio Câmara e Igor Abade V. Leite nos apresentam a ferramenta Visual SourceSafe. Esta ferramenta é a mais completa solução integrada para controle e armazenamento de códigos fontes e documentos. Na matéria seguinte o nosso consultor técnico Claudinei Rodrigues mostra em sua matéria como podemos criar uma aplicação ASP.NET no Delphi 2006 utilizando uma técnica muito interessante. Outra informação que este mesmo consultor traz é sobre as versões Turbo. Vale a pena conferir. Estamos trazendo também a nossa seção de perguntas e respostas com algumas das solicitações feitas ao suporte técnico no ultimo mês. E finalizando esta edição temos uma matéria com o titulo Novos rumos onde Celso Jefferson traz novidades em relação ao The Club. Uma boa leitura a todos e até a próxima. Impressão e acabamento: GRAFILAR Tel.: (14) Fax: (14) Rua Cel. Amando Simôes, 779 Cep São Manuel - SP Tiragem: exemplares Copyright The Club Megazine 2006 Diretor Técnico Mauro Sant Anna Colaboradores Fábio Camara, Aguinaldo P Silva Delphi é marca registrada da Borland International, as demais marcas citadas são registradas pelos seus respectivos proprietários. Editorial Conhecendo o Visual Studio Team System Source Control.. 04 Criando uma aplicação ASP.NET no Delphi 2006 com DataModule Os Turbos chegaram Perguntas & Respostas Novos rumos - A evolução não pára

4 Visual Studio Conhecendo o Visual Studio Team System Source Control por Fábio Câmara e Igor Abade V. Leite Se você é feliz com o Visual SourceSafe, ficará radiante de alegria com esta nova ferramenta. Se você não é feliz com o Visual SourceSafe, conheça a definitiva e mais completa solução integrada para controle e armazenamento de códigos fontes e documentos. Primando por uma apresentação simples e direta, abordaremos neste artigo a evolução das ferramentas de Software Configuration Management - SCM. Software Configuration Management SCM tem um fundamental papel no SDLC Software Development Life Cycle, mesmo para times pequenos de desenvolvimento. Todas as metodologias, algumas superficialmente, outras profundamente, tratam sobre este importante quesito crucial: a organização de um projeto de desenvolvimento de software. Para exemplificar com maior ênfase a importância, o CMMI (Capability Maturity Model Integration) possui uma área de processo chamada CM Configuration Management para regulamentar especificamente este item. Podemos explicar SCM como um conjunto de práticas, regras e processos que uma organização usa para: Controlar acesso a arquivos Gerador de compilação de arquivos Gerenciador de versões de arquivos Tradicionalmente as organizações são obrigadas a optar por uma das duas abordagens de SCM: a ad hoc e a baseada em alguma ferramenta como, por exemplo, o Subversion, o Visual SourceSafe ou o CVS. Na abordagem ad hoc é definida uma série de regras e processos, contudo não existem ferramentas que automatizem estas regras e processos. As vantagens desta abordagem é o baixo custo inicial e a flexibilidade, pois os participantes do projeto não se sentem vigiados a fazer os procedimentos somente de uma forma rígida e podem ajustar os processos a suas preferências e requisitos. As desvantagens, na minha leitura, é exatamente o texto que escrevi como vantagem, por mais contraditório que possa parecer. Na minha visão, essa flexibilidade é perigosa e pode colocar a perder o resultado de meses de trabalho. Na outra abordagem, temos uma ferramenta de ponta-aponta que se propõe a gerenciar todos os produtos resultantes de seu SDLC previamente estabelecido. Um incalculável resultado positivo, muitas vezes até difícil de mensurar, é a comunicação que uma ferramenta desta promove entre todos os integrantes de um projeto, permitindo o desenvolvedor A saber que não pode alterar um determinado artefato devido ao desenvolvedor B está com ele em uso no mesmo momento. Comentando ainda sobre vantagens, destacamos a previsibilidade que este tipo de ferramenta gera conforme as regras e milestones definidos na ferramenta. Em outras palavras, perguntar ao desenvolvedor se determinada tarefa esta pronta é subjetivo. Fazer a mesma pergunta a ferramenta de controle de código fonte é binário. Como disse uma vez o poeta, os números não têm sentimentos. Para atender as necessidades cada vez maiores de produtividade e qualidade dos projetos de software, a Microsoft criou o Visual Studio Team System (Figura 1), uma família de produtos que oferece o que há de mais moderno em ambientes integrados de desenvolvimento (IDEs) e gerência de configuração de software. 4

5 Visual Studio Figura 1 - Visual Studio Team System Como começar? Para podermos experimentar tudo que o Visual Studio Team System tem a oferecer, precisamos do Visual Studio Team Foundation Server (veja a nota O Team Foundation Server não é um servidor tradicional ). O TFS tem por finalidade servir como repositório do sistema de controle de versão, bem como armazenar e gerenciar os items de trabalho - work items - que integram o time e permitem o controle do projeto. Para nosso trabalho, além do servidor, precisamos também configurar nossos clientes. Para que possamos extrair o máximo do produto, deveremos usar alguma das edições de trabalho em equipe (conhecidas como Team Editions) do Visual Studio 2005, que são os clientes por excelência do TFS. As edições foram criadas pensando nos papéis mais comuns desempenhados pelo pessoal de desenvolvimento nas equipes de projeto de software. Os papéis e suas edições correspondentes são: 5

6 Visual Studio Figura 2 - Team Explorer (dir.) com Source Control Explorer (centro) Todas as edições do Visual Studio 2005 acessam o TFS a partir de uma ferramenta de integração conhecida como Team Explorer (Figura 2). Distribuído como parte do TFS, ele estende o IDE do Visual Studio de maneira a oferecer os novos recursos do Team System. O TFS deve ser instalado em uma máquina exclusiva para sua finalidade e obrigatoriamente o sistema operacional deve ser o Windows Para seus testes iniciais, recomendamos você usar uma máquina virtual - o TFS se comporta muito bem dentro do Microsoft Virtual PC, desde que você tenha ao menos 1 GB de RAM em seu computador. O Team Foundation Server não é um servidor tradicional Normalmente quando falamos em servidores pensamos em sistemas desenvolvidos como uma caixa preta, ou seja, produtos completamente fechados e desenvolvidos a partir do zero a fim de desempenhar o papel para que foram projetados. Pensando nessa classe de servidores, é inevitável imaginá-los como um conjunto de um ou mais serviços, que podem ser iniciados e parados a qualquer momento usando o snap-in de Serviços do Windows. Produtos como o Internet Information Services (IIS) e o SQL Server encaixam-se perfeitamente nessa descrição. O Team Foundation Server é uma classe completamente diferente de servidores. Ao invés de reinventar a roda, a Microsoft inteligentemente aproveitou o que havia de melhor em alguns de seus principais produtos de servidor - Windows 2003, IIS 6.0, SQL Server 2005, SharePoint e usou-os como a plataforma ideal para uma aplicação baseada em Web Services que é extremamente eficiente, escalável e que pode ser acessada pela Internet, desde que esteja devidamente configurado para tal. Em outras palavras você não encontrará um serviço que corresponda ao TFS em seu servidor. Na prática há uma série deles trabalhando em uníssono para lhe oferecer subsídios que permitam retomar o controle de seus projetos de software. 6

7 Visual Studio Figura 3 - Caixa de diálogo de configuração de permissões do TFS Principais recursos do TFVC O serviço de controle de versão do Team Foundation Server, também conhecido como Team Foundation Version Control, é a parte central dos seus esforços de gerência de configuração. Utilizando um repositório baseado em SQL Server 2005, oferece uma plataforma robusta de controle de versão, capaz de suportar projetos com milhares de arquivos, vários milhões de linhas e inúmeros usuários simultâneos. Listamos alguns dos pontos-chave que fazem com que este produto se destaque no mercado de ferramentas de controle de versão: Segurança: O Team Foundation Server utiliza os mecanismos de autenticação integrada do Internet Information Services com uma granularidade de permissões muito maior e mais eficiente que a encontrada em produtos como o Visual SourceSafe, por exemplo. Você pode dar permissões a seus usuários usando a mesma conta de usuário e senha que eles usam para acessar a rede (Active Directory). 7

8 Visual Studio Figura 4 - Histórico do controle de versão de um projeto, mostrando lista de changesets Escalabilidade: Times pequenos precisam de apenas um computador para desempenhar o papel de servidor TFS. Entretanto, conforme as necessidades de sua empresa crescem, é possível distribuir o TFS em dois servidores diferentes, um responsável pelos dados e o outro pela aplicação. Usando um hardware de preço relativamente acessível é possível atender a times de mais aproximadamente quinhentas pessoas trabalhando simultaneamente. Confiabilidade: A partir do SQL Server 2005 como back-end, o TFVC oferece suporte total a transações. Se houver qualquer problema no meio de uma operação de check-in, como uma queda de conexão, a transação é desfeita automaticamente e o repositório continua perfeitamente íntegro. Finalmente podemos dizer adeus aos repositórios corrompidos! Changesets: As operações de check-in são, como explicamos anteriormente, protegidas por uma transação. Isso é o mesmo que afirmarmos que os check-ins do TFVC são atômicos, ou seja, ou um check-in é confirmado como um todo ou nada é inserido no repositório. Ao afirmarmos que essas operações são atômicas, significa dizer que todos os arquivos são agrupados numa mesma transação. A essa transação denominamos de changeset (conjunto de mudanças). Um changeset é a unidade básica de controle de versão do TFVC. A cada novo check-in é gerado um changeset e a ele é dado um número de versão (Figura 4). Esse número de versão é aplicado a todos os arquivos do changeset (Figura 5). Figura 5 - Changeset com vários arquivos Shelveset: O recurso de shelveset é muito mais facilmente compreendido se imaginarmos primeiro os cenários que ele atende. Se você nunca passou por uma das situações abaixo enquanto usava o Visual SourceSafe, provavelmente deve conhecer alguém que já viveu isso: Depois de um dia inteiro de trabalho, as alterações ainda não foram concluídas. O dilema aqui é faço check-in para não correr o risco de perder o que fiz mas atrapalho os outros ou não faço check-in para não atrapalhar os outros mas corro o risco de perder tudo? A estação de trabalho do desenvolvedor não é um lugar seguro para se manter o trabalho de um dia inteiro. Normalmente as estações de uma rede não estão incluídas no 8

9 Visual Studio Pense nesse recurso como uma espécie de check-in particular. Você pode fazer o commit das suas alterações (ou seja, seu changeset) que, ao invés de ir para o repositório principal do projeto, vai para uma área distinta com um nome definido por você. Desta forma é possível manter as alterações em curso, voltar para qualquer versão anterior (Figura 7), fazer a correção e depois combinar tudo para o check-in definitivo. Figura 6 - Caixa de diálog de criação de shelveset Check-in policy: Muitas vezes é desejável assegurar-se que o desenvolvedor que está prestes a fazer um check-in tomou certos cuidados para garantir a qualidade ou mesmo a rastreabilidade do código. Seria muito bom ter uma forma automática de lembrar os desenvolvedores que é preciso colocar comentários no changeset, associar as alterações a um determinado work item, ou ainda exigir que os testes unitários tenham sido executados para evitar que o check-in inviabilize o build? Melhor ainda seria se pudéssemos ser alertados caso um desenvolvedor esquecido tivesse ignorado estas regras, mesmo que tivéssemos tido o cuidado de lembrá-lo. É justamente para isso mesmo que foi criada a política de check-in (check-in policy, Figura 8). Figura 7 - Caixa de diálog de Unshelve backup automático da empresa, que costuma contemplar apenas os servidores. O mais seguro é sempre fazer o check-in e colocar o código num servidor com backup. Por outro lado, fazer check-in de um código incompleto significa que qualquer um que fizer um Get Latest Version depois deste ato não conseguirá compilar mais nada! Para esta e outras situações semelhantes é que foi criado o shelveset (Figura 6). No TFVC é possível configurar um projeto de forma que o desenvolvedor será sempre lembrado de: Rodar a análise de código, para garantir que o código atende a padrões mínimos de qualidade - além de assegurar que a solução compila corretamente; Executar os testes unitários e prevenir o check-in caso haja algum erro; Associar o check-in a algum work item, de forma a obter uma excelente rastreabilidade das alterações. No momento em que o usuário tenta um check-in, será avisado se alguma política não for satisfeita (Figura 9). 9

10 Visual Studio usá-lo. Esse modelo tem um grande inconveniente, que é o de reduzir a capacidade de trabalho em paralelo da sua equipe, especialmente para times e/ou projetos grandes. Já com o TFS, a idéia é que cada desenvolvedor tenha uma cópia do arquivo em seu computador. Se necessário, mais de uma pessoa pode trabalhar no mesmo arquivo ao mesmo tempo. Figura 8 - Caixa de diálogo de configurações de Check-in Policy Figura 9 - Aviso de check-in policy não atendida Além dessas políticas que vêm disponíveis no produto, você pode criar de forma bastante simples políticas personalizadas que atendem a seu processo. Copy-modify-merge: O modelo padrão de trabalho do Visual SourceSafe é o lock-modify-unlock, ou seja, a cada check-out é colocado um bloqueio exclusivo no arquivo que impede que outras pessoas o alterem simultaneamente. Depois de editarmos o arquivo, a operação de check-in irá desbloqueá-lo para que outros possam Se duas pessoas alterarem o mesmo arquivo, no instante em que o segundo fizer seu check-in o TFS tentará mesclar (merge) as duas versões automaticamente. Se não for possível será exibida a tela de solução de conflitos (Figura 10 e Figura 11). Por mais que possa parecer assustador no primeiro momento, asseguramos que este é o modelo ideal de trabalho do ponto de vista da produtividade, pois permite efetivamente o escalonamento e o paralelismo do desenvolvimento. Conclusão É impossível classificar o TFVC simplesmente como uma evolução do Visual SourceSafe. Suas funcionalidades ultrapassam esta fronteira imaginária que poderíamos estabelecer. Apesar de o custo inicial de configuração de regras e controles ser alto e considerarmos também um razoável investimento em capacitação do seu time de desenvolvimento na ferramenta, continuamos acreditando que o esforço será plenamente recompensado. A frase de Joe Hummel, PHD e importante evangelista da Microsoft baseado nos Estados Unidos, em um webcast sobre o tema é sabiamente um resumo conclusivo digno de nossa análise quando avaliamos implantar o TFVC: _ Sofrimento a curto prazo, ganhos reais a longo prazo. Sucesso em seus projetos. 10

11 Visual Studio Figura 10 - Caixa de diálogo de aviso de conflitos Fabio Camara possui o título Microsoft MVP em VSTS e as certificações MCAD Charter, MCDBA, MCSE 2003, MCSD.NET, MSF Practitioner e ITIL Foundations - é Consulting Manager da FórumAccess Consultoria e membro fundador do VSTS Rocks Brasil Core Team (http://www.vstsrocks.com.br). Entre suas missões na FA implantou uma área de arquitetura e pesquisa, implantou uma área de testes e ajudou em várias áreas de processo na implantação do CMMI nível 3, especialmente CM. Igor Leite possui as certificações MCAD, MCDBA e MCSD.NET - é arquiteto de soluções da FórumAccess Consultoria e membro fundador do VSTS Rocks Brasil Core Team (http://www.vstsrocks.com.br). Figura 11 - Solução manual de conflitos 11

12 Delphi Criando uma aplicação ASP.NET no Delphi 2006 com DataModule Por Claudinei Rodrigues Nesta matéria vou criar uma aplicação bem simples, onde teremos apenas um WebForm mostrando um componente DataGrid com algumas informações. O interessante nesta matéria são as duas informações que você poderá utilizar em várias aplicações.net. Uma delas é sobre o acesso a dados. A Borland tem trabalhado para manter o seu componente BDP cada vez mais compatível com o Interbase. Nada mais natural. Mas grande parte dos programadores hoje está utilizando o Firebird. Daí vem a pergunta. Qual componente posso utilizar neste caso? No site existe um componente chamado Firebird.NET Data Provider. Um driver que foi escrito em C# e fornece um acesso rápido e seguro com implementações nativas a API do Firebird. É um componente muito bom que várias pessoas estão utilizando tanto no Delphi quanto no Visual Studio. Nesta matéria como estamos trabalhando com o Delphi 2006, você deve acessar o site e fazer o download do item Data Provider for.net Framework 1.1 da versão 1.7.1, como mostrado na figura 1. Você irá notar que nesta página existem versões mais novas, mas como estamos trabalhando com Delphi 2006 e ele só trabalha com o Framework 1.1, a única opção que nos resta é fazer o download desta versão mais antiga. As outras versões mais novas disponíveis neste site não funcionarão com o Delphi 2006.NET. Fazendo o download e instalando o componente Depois de fazer o download, basta executar o arquivo baixado e responder as questões simples que ele vai te perguntar. A instalação segue o clássico padrão Next... Next... Finish, sem segredo algum. Agora, abra o Delphi 2006 for.net, vá ao menu Component Installed.NET Components. Como mostrado na figura 2. Depois disto você terá acesso a uma tela semelhante à mostrada na figura 3. Figura 1: Download do Provider Figura 2: Selecionando a opção do Menu 12

13 Delphi Figura 3: Selecionando os componentes Na aba.net Components localize os nomes: FbCommand, FbCommandBuilder, FbConnection e FbDataAdapter. Caso estes itens não apareçam na lista, clique em Select an Assembly... e vá até a pasta onde o Firebird.NET Data Provider foi instalado. Se você não alterou o diretório ele estará em <Arquivos de Programas>\ FirebirdNETProvider1.7 e selecione o assembly FirebirdSql.Data.Firebird.dll, o qual contém os componentes à serem instalados no Delphi 2006.NET e clique em OK para finalizar. Após a instalação, você encontrará os novos componentes no Tool Palette, conforme demonstra a figura 4. Figura 4: ToolPalette onde está instalado o componente O correto agora seria nós conhecermos estes componentes, mas antes porém vamos aprender algo novo. Criando um DataModule no.net Muitos programadores acostumaram a trabalhar com o DataModule em aplicações Win32 e quando chegaram no ambiente.net não encontraram esta funcionalidade. Então era necessário em cada WebForm incluir um componente de conexão e os componentes de acesso a dados. Nada contra, pois isto pode ser feito normalmente e sem nenhum prejuízo para a aplicação. Mas se podemos melhorar, vamos por em prática. Vamos simular um DataModule, que nada mais será um container onde incluiremos as nossas regras de negócios em nossa aplicação ASP.NET. Para isto como já estamos com o Delphi 2006.NET aberto, clique no menu File New ASP.NET Web Application Delphi for.net. 13

14 Delphi Fazendo isto você terá acesso a uma figura 5 tela semelhante a private { Private Declarations } public constructor Create; implementation constructor TClass1.Create; inherited Create; // TODO: Add any constructor code here Figura 5. Criando a nova aplicação end. Agora nós vamos criar uma classe e nela fazer algumas alterações para que possamos simular o nosso DataModule. Para isto clique em File New Order... Na tela a seguir clique em New Files e depois em Class. Como está sendo mostrado na figura 6. Listagem 1: Código fonte da classe. Neste código fonte nós teremos que fazer algumas alterações para que possamos simular o nosso DataModule. Isso é bem simples de ser feito. Primeiro logo abaixo da palavra interface inclua o comando: Uses System. ComponentModel Depois altere as palavras TClass1 para TDataModule. Depois disso temos que dizer que a nossa classe será derivada de System.ComponentModel. Para isto inclua logo após a palavra class a seguinte instrução (System.ComponentModel.Component). Agora salve a sua unit com o nome DMu. Depois disto o código que foi mostrado na listagem 1 ficará igual ao código mostrado na listagem 2. unit DMu; Figura 6: Criando a nova classe Após clicar no botão OK você terá acesso ao código desta classe como está sendo mostrado na listagem 1. unit Class1; interface type TClass1 = class interface Uses System.ComponentModel; type TDataModule = class(system.componentmodel.component) private { Private Declarations } public constructor Create; 14

15 Delphi implementation constructor TDataModule.Create; inherited Create; // TODO: Add any constructor code here end. Listagem 2: O código fonte da classe já alterado. Agora faça o seguinte, feche apenas a tela da nossa classe. Para isto clique em File Close e depois abra novamente a unit. Note que a tela mudou. Ele deve estar igual à mostrada na figura 7. Agora nós temos um container onde podemos colocar nossos componentes. Quando arrastamos os componentes de acesso como o FbConnection, FbCommand para este container, o próprio Delphi irá criar um método no código fonte chamado InitializeComponent que é onde ficarão armazenadas as informações dos componentes. Isto é semelhante ao que era feito nos arquivos.dfm. Uma outra alteração que devemos fazer agora é chamar este novo método. Para isto clique na aba Code e vá até a procedure Create e chame o novo método, como está sendo mostrado na listagem 3. Figura 7. Tela do Delphi 2006 com a nova classe. 15

16 Delphi implementation constructor TDataModule.Create; inherited Create; // TODO: Add any constructor code here InitializeComponent; FbConnection BeginTransaction Responsável pelo controle de transações, sendo sobrecarregado permitindo combinar parametrizações diferentes, seu retorno é um objeto tipo FbTransaction, através do qual poderemos efetuar Commit, RollBack, etc... Listagem 3: Chamando o método Initialize Pronto. Agora podemos trabalhar com o nosso DataModule. Agora sim vamos conhecer melhor os nossos componentes de acesso a dados. Conhecendo os componentes São quatro componentes através dos quais iremos fazer todos os processos necessários para realizar a conexão, seleção e manutenção dos dados no Firebird. FbConnection O componente FbConnection, é responsável em fazer a conexão com o banco de dados, ou seja, é nele que iremos informar a string de conexão com o banco de dados, o nome do usuário, a senha e as demais configurações necessárias. Este componente possui um editor de propriedades através do qual podemos configurar a conexão com o banco de dados, veja a figura 8. CreateCommand Create ConnectionString Close Open Tabela 1 Alguns métodos do FbConnection Prover a implementação de instruções SQL retornando um objeto tipo FbCommand, através do qual iremos fazer a execução dos referidos comandos. Construtor, pode receber a string de conexão como parâmetro. Recebe a string de conexão para acesso ao banco de dados Fechar a conexão corrente Abrir a conexão FbDataAdapter É através deste componente que podemos efetuar a atualização e seleção de dados. Este componente pode ser comparado aos componentes DataSetProvider+SQLDataSet.. Veja na tabela 2 as principais propriedades e métodos deste componente. FbDataAdapter Figura 8 Configurações da conexão com um banco Firebird Vamos descrever alguns dos principais métodos disponíveis no componente FbConnection, acompanhe a tabela SelectCommand DeleteCommand InsertCommand Propriedade do tipo FbCommand responsável em armazenar a instrução "Select" à ser executada. Propriedade do tipo FbCommand responsável em armazenar a instrução de "Delete" à ser executada. Propriedade do tipo FbCommand responsável em armazenar a instrução de "Insert" à ser executada.

17 Delphi FbDataAdapter SelectCommand DeleteCommand InsertCommand UpdateCommand Fill Propriedade do tipo FbCommand responsável em armazenar a instrução "Select" à ser executada. Propriedade do tipo FbCommand responsável em armazenar a instrução de "Delete" à ser executada. Propriedade do tipo FbCommand responsável em armazenar a instrução de "Insert" à ser executada. Propriedade do tipo FbCommand responsável em armazenar a instrução de "Update" à ser executada. Método responsável em "descarregar" os dados retornados por um "Select". Este método é sobre-carregado podendo receber como parâmetros: DataSet, DataTable, StartRecord, MaxRecords, havendo combinação entre os referidos parâmetros FbCommand Cancel CommandPlan CommandText CommandTimeOut CommandType Connection ExecuteNonQuery ExecuteReader ExecuteScalar Tenta cancelar instrução Verifica Tabela 3 Alguns métodos do FbCommand o a plan que Recebe a instrução pelo FbCommand Setar ou verificar tempo ocioso execução a o à de servidor ser uma utilizo u executada configuração Definir como o FbCommand irá se comportar, podendo ser: TableDirect, StoredProcedure ou Text Associar a um component e FbConnection Executa a query e retorna de registros afetados o de númer o Executa a query e retorna um conjunto de dados utilizando para isso um objeto FbDataReader. Executa a coluna da da query. query e retorna a primeira primeira linha resultante Update Método responsável em aplicar as atualizações armazenadas em um componente DataSet. Este método é sobre-carregado podendo receber parâmetros: DataSet, TableName e DataRow Tabela 2 Alguns métodos do FbDataAdapter FbCommand Através deste componente podemos executar instruções Insert, Update, Delete e Select de forma bem simples e prática. Podemos compará-lo a uma Query unidirecional. Conforme mencionei anteriormente na descrição do componente FbDataAdapter, as propriedades SelectCommand, DeleteCommand, InsertCommand e UpdateCommand são do tipo FbCommand e dessa forma, todas as propriedades e métodos apresentados poderão ser aplicados no FbDataAdapter. Vamos ver na tabela 3 as principais propriedades e métodos do FbCommand. FbCommandBuilder Este componente tem por finalidade ajustar as instruções SQL existentes no componente FbDataAdapter quando efetuamos a chamada do método Update passando um DataSet como parâmetro. Em uma analogia com o Delphi (Win32), este componente faria a mesma função do evento OnGetTableName e a propriedade UpdateMode do componente DataSetProvider. Agora que já conhecemos os componentes, vamos trabalhar mais com eles. Montando o exemplo Vá até ao DataModule que acabamos de criar e arraste dois componentes. Um componente FbConnection e um componente FbCommand. FbCommand Cancel CommandPlan CommandText CommandTimeOut CommandType Tenta cancelar instrução a execução de uma Verifica o plan que o servidor utilizo u Recebe a instrução pelo FbCommand Setar ou verificar tempo ocioso à ser executada a configuração de Definir como o FbCommand irá se comportar, podendo ser: TableDirect, StoredProcedure ou Text Vá até a propriedade ConnectionString do FbConnection. Ao clicar nesta propriedade você terá acesso a uma tela igual à mostrada na figura 8. Basta configurá-la exatamente como está sendo mostrada nesta figura, é claro alterando a opção Database para o path onde está sendo colocado o seu exemplo. Depois disto vamos utilizar um componente FbCommand. Ligue este componente ao componente FbConnection através da propriedade Connection. Agora clique na propriedade CommandText. Feito isto você terá uma tela igual a que está sendo mostrada na figura 9. 17

18 Delphi Figura 9: CommandTextEditor Editor de códigos SQL Digite na caixa de texto o comando SELECT * FROM GRUPOS, conforme você já pode ver na figura 9. Depois clique no botão Execute. Se tudo estiver correto, você verá o resultado da instrução na aba Result. Depois clique no botão Accept. Além disto, temos que fazer mais uma configuração em nossos componentes. Tanto no componente FbConnection quanto no componente FbCommand você terá que alterar a propriedade Modifiers para Public. Agora vamos voltar ao WebForm1. Neste WebForm inclua um componente DataGrid. Depois de incluir o componente DataGrid que está na aba WebControls nós vamos montar o código que vai atribuir os dados ao nosso componente DataGrid. Para isto vá até ao evento OnLoad do WebForm. Se você não sabe como fazer isto, basta simplesmente dar um duplo clique sobre o WebForm. Fazendo isto ele irá direto para este evento. Antes porém, vá até o menu do Delphi e clique em File Use Unit.e na tela que lhe será mostrado clique sobre o item DMu e depois em Ok. Agora inclua a seguinte instrução no evento On Load. procedure TWebForm1.Page_Load(sender: System.Object; e: System.EventArgs); var // Variável do tipo DataModule DM : TDataModule; // Verifica se é a primeira vez // que estamos chamando a página. if not Page.IsPostBack then // Instanciamos o nosso DM DM := TDataModule.Create; // Abrimos a conexão. DM.FbConnection1.Open; try //Ligamos o nosso componente // Datagrid ao componente // FbCommand DataGrid1.DataSource := DM.FbCommand1.ExecuteReader; // Preenchemos o DataGrid DataGrid1.DataBind; finally // Fechamos a conexão. DM.FbConnection1.Close; Listagem 4: Evento OnLoad do WebForm. Agora basta compilar e executar a aplicação. O Delphi 2006.NET automaticamente irá abrir o seu navegador mostrando o DataGrid com os dados da tabela do Firebird. Conclusão Conforme eu disse no início da matéria, a aplicação é bem simples. Mas além do componente de acesso eu também mostrei como podemos criar uma regra de negócio como fazíamos em aplicações Win32. São informações básicas que utilizaremos em aplicações tanto ASP.NET como também em aplicações WinForms. Download: Sobre o autor Claudinei Rodrigues, Consultor Técnico do The Club 18

19 Os Turbos Chegaram! Por Claudinei Rodrigues Delphi As versões Turbo Explorer do Delphi, Delphi.NET, C# e C++ já estão disponíveis para download no site A versão Explorer é 100% gratuita e se destina a estudantes e programadores não profissionais que desejam começar rapidamente a desenvolver aplicações Win32 e.net, mesmo que ainda esteja utilizando o.net Framerwork 1.0. Eu comentei sobre a versão do.net Framework, porque a Microsoft já liberou a versão 2.0 a algum tempo e está para lançar em breve a versão 3.0 com inúmeros recursos adicionais. Mas isto não seria um assunto para nos aprofundarmos neste momento. A versão Explorer inclui um pacote fixo de mais de 200 componentes e a versão Professional inclui alguns componentes adicionais. Além disso, a versão Professional permite que você crie seus próprios componentes do zero e ainda adicione qualquer componente fabricado por terceiros ou ainda plug-ins para aumentar a capacidade de desenvolvimento da IDE. Apesar de a versão Explorer ser destinadas a estudantes e programadores não profissionais, a própria Borland diz que é permitido que você utilize a versão Explorer para desenvolver aplicações comerciais. Ao contrário da versão Professional a versão Explorer não permite que você instale componentes adicionais na IDE. Caso você queira instalar componentes de terceiros, como por exemplo o RXLib, ZipMaster entre outros, você terá que adquirir a versão Professional que segundo a Borland contém mais recursos e facilidades de uso. As versões Turbo Professional, segundo a Borland, formam uma nova linha de produtos com preços especialmente pensados para desenvolvedores autônomos e novos programadores. No momento em que eu estava escrevendo esta matéria estes produtos custavam R$ 1.200,00. Em relação às outras versões do Delphi, ela realmente está mais em conta. Vale a pena lembrar que a edição Turbo Professional é uma solução que contém apenas uma linguagem, já o Borland Developer Studio (BDS) é um ambiente de programação multilinguagem e multi-plataforma que suporta as linguagens C++, C# e Delphi para desenvolvimento tanto de aplicações Win32 quanto.net. Uma outra restrição do Turbo é que não é possível instalar mais de um produto Turbo em uma máquina ou máquina virtual e também não podem ser instalados em máquinas que já tenham o Borland Developer Studio instalado. Por enquanto são estas as informações que tenho a passar sobre os Turbos. Conforme as novidades forem surgindo, iremos disponibilizar para você e caso você queira fazer algum comentário a respeito, pode enviar um para ou ainda Além é claro do nosso telefone (14) Um grande abraço a todos e até a próxima. 19

20 Perguntas & Respostas Pergunta: Ao tentar inserir um valor em branco em uma coluna VARCHAR do DB2, estou tendo problemas. No DB2, branco é um valor diferente de nulo e é aceitável. Estou usando ClientDataSet com DBExpress. Quando uso FieldByName ( NOME ).AsString :=, ocorre um erro relatando que estou tentando inserir um valor nulo em uma coluna not null, o que não é verdade. Se uso FieldByName( NOME ). AsString = quotedstr( ), a coluna DB2 fica com conteúdo igual a, que também não é valor branco. A única forma que funcionou foi fazer INSERT direto na tabela ( INSERT INTO TABELA VALUES (SPACE(1)), porém esta forma é mais onerosa ao banco do que com o FieldByName, que já está posicionado no registro a ser inserido. Como fazer isso utilizando o FieldByName? Resposta: Pela mensagem de erro, eu acho que você deveria verificar o seguinte. Supondo que você esteja utilizando o componente SQLQuery ou SQLDataSet verifique se os campos foram adicionados a um destes componentes. Se foram, verifique o campo em questão se a propriedade Required está igual a True. Se estiver, altere-a para False. Agora para gravar nulo, utilize o seguinte comando: ClientDataSet1.FieldByName( campo ).Clear; Dúvida enviada por Erick, São Paulo SP Pergunta: Como posso remover as barras de rolagem vertical e horizontal em um componente DBGrid? Resposta: Existem duas formas de se fazer isto. Na primeira podemos desligar a barra de rolagem do DBGrid através do evento ondrawcolumncell, mas pode ser que não fique perfeito. Pode ser que fique piscando a barra de rolagem no DBGrid. Se não quiser assim crie um novo componente e redefina a procedure Paint. // Aqui é a primeira solução onde desligamos // no evento OnDrawColumnCell procedure TForm1.DBGrid1DrawColumnCell (Sender: TObject; const Rect: TRect; DataCol: Integer; Column: TColumn; State: TGridDrawState); SetScrollRange(TDBGrid(Sender).Handle, SB_VERT, 0, 0, False); Agora a segunda solução é deve criando um método Paint exatamente igual ao do componente pai (o DBGrid), ou seja um método paint com a clausula override. Este método paint, vai chamar um outro método SetScrollRange da API para pegar o valor máximo e o valor mínimo do scroll e passar ele para zero, desabilitando o scrollbar, e depois, chamar o método paint ascendente. O código abaixo faz isso para você. unit NovaGrid; 20

O sistema operacional recomendado deve ser o Windows 2003, Windows 2000 ou Windows XP (nessa ordem de recomendação).

O sistema operacional recomendado deve ser o Windows 2003, Windows 2000 ou Windows XP (nessa ordem de recomendação). Módulo Nota Fiscal Eletrônica Sispetro Roteiro de Instalação Módulo Autenticador NFE Pré-Requisitos O sistema operacional recomendado deve ser o Windows 2003, Windows 2000 ou Windows XP (nessa ordem de

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco 1 Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco MARCELO JALOTO (marcelo@jaloto.net) é graduado no curso superior Projetos e Gestão de Redes de Computadores e formado no curso Técnico em Processamento

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI - UTILIZANDO OPENDIALOG PARA ARMAZENAR IMAGENS EM BANCO DE DADOS Criaremos uma solução simples para criar

Leia mais

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL.

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2012 Edição 7 Listando e Gravando Listando itens em ComboBox e gravando os dados no

Leia mais

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Abril 2013 Sumário 1. Agente... 1 2. Onde instalar... 1 3. Etapas da Instalação do Agente... 1 a. Etapa de Instalação do Agente... 1 b. Etapa de Inserção

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Abril/ Certificado Digital A1 Geração Página 1 de 32 Abril/ Pré requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo de instalação tenha sucesso, é necessário obedecer aos

Leia mais

OMT-G Design. Instalação por pacotes

OMT-G Design. Instalação por pacotes OMT-G Design A plataforma Eclipse OMT-G Design não é um software independente, é um plug-in que se utiliza dos mecanismos de extensão do Eclipse que por sua vez é um ambiente de desenvolvimento de software.

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Certificado Digital A1 Geração Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. - 2012 Página 1 de 41 Pré-requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo

Leia mais

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Quantas vezes eu não lamentei por este componente não ter uma propriedade que guardasse uma lista paralela a lista que é mostrada em

Leia mais

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens em utilizar este serviço para facilitar a administração de pastas compartilhadas em uma rede de computadores.

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 )

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) 2010 SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) SCPIWebCotacao Aplicação Web para Cotação de Preços via Internet Resumo de Instruções

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas.

MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas. MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas. INDÍCE 1. Características gerais 2. Guia rápido de instalação 3. Processo de instalação 4. Opções avançadas de

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS FORMULÁRIOS COM ABAS Trabalhar com abas (ou guias) é um recurso

Leia mais

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER V14 de BricsCAD vem com um novo sistema de licenciamento, com base na tecnologia de licenciamento de Reprise Software. Este novo sistema oferece um ambiente

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário

CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário Certificação Digital CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário Guia CD-17 Público Índice 1. Pré-requisitos para a geração do certificado digital A1... 3 2. Glossário... 4 3. Configurando

Leia mais

O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa?

O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa? Que tipo de navegadores são suportados? Preciso permitir 'cookies' O que são 'cookies' da sessão? O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa?

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO. LSoft Ponto Eletrônico

MANUAL DE INSTALAÇÃO. LSoft Ponto Eletrônico MANUAL DE INSTALAÇÃO LSoft Ponto Eletrônico SUPORTE TÉCNICO AO USUÁRIO: Atendimento On-line: www.lsoft.com.br E-Mail: suporte@lsoft.com.br (37) 3237-8900 Versão 1.0-2014. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO Antes de criarmos um novo Banco de Dados quero fazer um pequeno parênteses sobre segurança. Você deve ter notado que sempre

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 CAPÍTULO 18 INSTALANDO E CONFIGURANDO O MICROSOFT OFFICE PROJECT SERVER 2003 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 Antes de começar a instalação do Microsoft Office Project Server 2003

Leia mais

Downloads no EU VOU PASSAR 2.0

Downloads no EU VOU PASSAR 2.0 Downloads no EU VOU PASSAR 2.0 Conteúdo Instalando o Orbit Downloader... 1 Configurando o Orbit Downloader para o EU VOU PASAR 2.0... 8 Realizando os Downloads no Eu Vou Passar 2.0... 12 Fazendo o Download

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

Manual de Instalação ProJuris8

Manual de Instalação ProJuris8 Manual de Instalação ProJuris8 Sumário 1 - Requisitos para a Instalação... 3 2 - Instalação do Firebird.... 4 3 - Instalação do Aplicativo ProJuris 8.... 8 4 - Conexão com o banco de dados.... 12 5 - Ativação

Leia mais

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 5 SELECT * FROM Minha_memoria Revisando Sintaxes SQL e Criando programa de Pesquisa Ano:

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

Instalando o WordPress em localhost

Instalando o WordPress em localhost Instalando o WordPress em localhost WordPress sem Mistério LEE ARAUJO htto://wordpresssemmisterio.com.br Sumário Instalando o WordPress em Localhost... 2 O Servidor web... 3 Iniciando o servidor... 6 Criação

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox.

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. - Construção do Banco de Dados: Para podermos inserir algo em um banco precisaremos de um Banco de Dados, para isto iremos montar um utilizando o Programa Database

Leia mais

Instalando o Internet Information Services no Windows XP

Instalando o Internet Information Services no Windows XP Internet Information Services - IIS Se você migrou recentemente do Windows 95 ou 98 para o novo sitema operacional da Microsoft Windows XP, e utilizava antes o Personal Web Server, deve ter notado que

Leia mais

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço IGV Software Interpretador/ Gerenciador/ Visualizador de dados digitais de projetos CAD-TQS Instalação Versão 4.0 Manual do Usuário

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes

FAQ Perguntas Frequentes FAQ Perguntas Frequentes 1. COMO ACESSO A PLATAFORMA DE ENSINO?... 2 2. NÃO CONSIGO REALIZAR O MEU CADASTRO NO AMBIENTE VIRTUAL DO MMA.... 4 3. FIZ MEU CADASTRO NO SITE E NÃO RECEBI O E-MAIL DE CONFIRMAÇÃO

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos do sistema........... 1 Código de autorização.......... 1 Instalando...............

Leia mais

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH!

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) ESCOLA DE ARTES, CIÊNCIAS E HUMANIDADES (EACH) TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! Autoria e revisão por: PET Sistemas

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

ASP.NET 2.0 - Gerando relatórios com o ReportViewer

ASP.NET 2.0 - Gerando relatórios com o ReportViewer 1 de 5 26/8/2010 18:07 ASP.NET 2.0 - Gerando relatórios com o ReportViewer Este artigo vai mostrar como você pode gerar relatórios em suas páginas ASP.NET 2.0 usando o add-in ReportViewer para o Visual

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG Página 1 de 26 Sumário Introdução...3 Layout do Webmail...4 Zimbra: Nível Intermediário...5 Fazer

Leia mais

O que um Servidor Samba faz?

O que um Servidor Samba faz? O que é o Samba? O Samba é um "software servidor" para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows

Leia mais

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede GUIA DO USUÁRIO: NOVELL CLIENT PARA WINDOWS* 95* E WINDOWS NT* Usar Atalhos para a Rede USAR O ÍCONE DA NOVELL NA BANDEJA DE SISTEMA Você pode acessar vários recursos do software Novell Client clicando

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI CRIANDO UMA AUTENTICAÇÃO DE USUÁRIO UTILIZANDO O COMPONENTE QUERY A autenticação de usuários serve para

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 1 Levante e ande - Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Ano: 02/2011 Nesta Edição

Leia mais

Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto :

Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto : Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto : O form Index A tabela Fotos A query Q_seleção_de_fotos Vide figura 46. Figura 46 O próximo passo é criar um form que

Leia mais

ROTEIRO DE INSTALAÇÃO

ROTEIRO DE INSTALAÇÃO ROTEIRO DE INSTALAÇÃO O objetivo deste roteiro é descrever os passos para a instalação do sistema UNICO, afim, de auxiliar os técnicos e evitar possíveis dúvidas e erros de instalação. Instalador O instalador

Leia mais

Persistindo dados com TopLink no NetBeans

Persistindo dados com TopLink no NetBeans Persistindo dados com TopLink no NetBeans O que é TopLink? O TopLink é uma ferramenta de mapeamento objeto/relacional para Java. Ela transforma os dados tabulares de um banco de dados em um grafo de objetos

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

CONFIGURAÇÃO MINIMA EXIGIDA:

CONFIGURAÇÃO MINIMA EXIGIDA: Este tutorial parte do princípio que seu usuário já possua conhecimentos básicos sobre hardware, sistema operacional Windows XP ou superior, firewall, protocolo de rede TCP/IP e instalação de software.

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows DINAMIC LINK LIBRARIES Capítulo 7 Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows O QUE É UMA DLL? Dinamic Link Libraries

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Nome Número: Série Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Proposta do projeto: Competências: Compreender a orientação a objetos e arquitetura cliente-servidor, aplicando-as

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

1. Introdução... 5. 2. Instalação do Módulo Gerenciador de Acessos SinaGAS... 6. 3. Tipos de Autenticação... 8. 3.1. Autenticação Sinacor...

1. Introdução... 5. 2. Instalação do Módulo Gerenciador de Acessos SinaGAS... 6. 3. Tipos de Autenticação... 8. 3.1. Autenticação Sinacor... Índice 1. Introdução... 5 2. Instalação do Módulo Gerenciador de Acessos SinaGAS... 6 3. Tipos de Autenticação... 8 3.1. Autenticação Sinacor... 8 3.2. Autenticação AD... 11 4. Fluxo Operacional... 14

Leia mais

Instalando servidor Apache com MySQL e as linguagens ColdFusion e PHP. XAMPP 1.6.7 (xampp-win32-1.6.7-installer.exe), veja aqui.

Instalando servidor Apache com MySQL e as linguagens ColdFusion e PHP. XAMPP 1.6.7 (xampp-win32-1.6.7-installer.exe), veja aqui. Instalando servidor Apache com MySQL e as linguagens ColdFusion e PHP. Escrito por Marcio Nakano (marcionakano.com.br) Data: 29/09/2008 Disponível em http:///blog/post/instalando-apache-mysql-coldfusionphp.pdf

Leia mais

Asset Inventory Service (AIS)

Asset Inventory Service (AIS) Asset Inventory Service (AIS) Última revisão feita em 02 de Setembro de 2008. Objetivo Neste artigo veremos detalhes sobre o Asset Inventory Service (AIS), um serviço disponível através do System Center

Leia mais

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os passos necessários para instalar a versão mais recente do Zim 8.50 para Windows.

Leia mais

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS]

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] 2011 [MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] Destinado a usuários que desejam vender conteúdo premium, disponível em sites de membros, através da plataforma Hotmart. Versão do documento: 1.0, 11/04/2011.

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Instalação, configuração e manual 1 Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS

Leia mais

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive Google Drive um sistema de armazenagem de arquivos ligado à sua conta Google e acessível via Internet, desta forma você pode acessar seus arquivos a partir de qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: n-control MSI Versão: 4.6 Versão do Doc.: 1.0 Autor: Aline Della Justina Data: 17/06/2011 Público-alvo: Clientes e Parceiros NDDigital Alterado por: Release Note: Detalhamento

Leia mais

Como Usar o DriverMax

Como Usar o DriverMax Como Usar o DriverMax Este programa é uma mão na roda para proteger os drivers dos componentes de um computador. Veja porquê. O DriverMax é uma ferramenta que faz cópias de segurança de todos os drivers

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso Manual do Usuário SCA - Sistema de Controle de Acesso Equipe-documentacao@procergs.rs.gov.br Data: Julho/2012 Este documento foi produzido por Praça dos Açorianos, s/n CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (51)

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com. Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.br SÃO PAULO - SP SUMÁRIO Introdução... 3 Autenticação no sistema administrativo... 4 Apresentação do sistema administrativo... 5 Gerenciamento

Leia mais

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi Índice Índice...1 Desenvolvendo Conduits...2 (Passo a Passo)...2 Criando um Arquivo.mdb... 2 Arquivos...6 Instalando os componentes... 7 Recompilando os Comonentes do Delphi...13 Configurando a Conexão

Leia mais

Instalando software MÉDICO Online no servidor

Instalando software MÉDICO Online no servidor Instalando software MÉDICO Online no servidor A máquina denominada Servidora é a que armazenará o banco de dados do software (arquivo responsável pelas informações inseridas), compartilhando com as demais

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0)

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0) MANUAL DE UTILIZAÇÃO HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0) 1 Sumário 1 Introdução...3 2 O que é o HELP Suporte?...3 3 Cadastro no Help Suporte...3 4 Como Acessar e Utilizar o HELP SUPORTE...3

Leia mais

Manual da AGENDA GRACES 2011

Manual da AGENDA GRACES 2011 1 Agenda Graces Manual da AGENDA GRACES 2011 O Sistema Agenda Graces integrada ao Sistema Graces e Agenda Graces Grátis foi desenvolvido pela empresa Quorum Informática. Este Manual tem por objetivo atender

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL

INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL Este tutorial tem como objetivo mostrar como instalar o banco de dados My SQL em ambiente Windows e é destinado aqueles que ainda não tiveram um contato com a ferramenta.

Leia mais

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 02/06/2014 Índice ÍNDICE... 2 APRESENTAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PROCESSO DE INSTALAÇÃO... 4 ATUALIZANDO UM SEGUNDO AMBIENTE... 21 Página 2 de 22 Apresentação Este

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução SCIM 1.0 Guia Rápido Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal Introdução Nesta Edição O sistema de Controle Interno administra o questionário que será usado no chek-list

Leia mais

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Requisitos mínimos de Hardware: Pentium 3 de 500 mhz ou Celeron de 700 mhz ou superior 128 MB de RAM 100 MB livres no disco rígido Requisitos de Software:

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando nossas aulas sobre

Leia mais