PROFISSIONAL DE ATENDIMENTO INTEGRADO ODONTÓLOGO ONCOLOGISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFISSIONAL DE ATENDIMENTO INTEGRADO ODONTÓLOGO ONCOLOGISTA"

Transcrição

1 52 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 01/2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com o tema da REDAÇÃO (com valor de 40,0 pontos) e o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas, sem repetição ou falha, com a seguinte distribuição: Questões Objetivas N o das Questões Valor por questão Total Conhecimentos Básicos Língua Portuguesa 1 a 8 Conhecimentos de Informática 9 a 12 1,00 ponto 25,00 pontos Legislação SUS 13 a 25 Conhecimentos Específicos 26 a 60 2,00 pontos 70,00 pontos Redação ,00 pontos b) 1 folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO grampeada ao CARTÃO-RESPOSTA destinado às respostas das questões objetivas formuladas nas provas Verifique se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem no CARTÃO-RESPOSTA. Caso contrário, notifique o fato IMEDIATAMENTE ao fiscal Após a conferência, o candidato deverá assinar, no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta A REDAÇÃO deverá ser feita com caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta, de forma contínua e densa. A LEITORA ÓTICA é sensível a marcas escuras, portanto, preencha os campos de marcação completamente, sem deixar claros. Exemplo: 06 - Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. O CARTÃO- -RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído se, no ato da entrega ao candidato, já estiver danificado em suas margens superior e/ou inferior - BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E); só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado SERÁ ELIMINADO do Concurso Público o candidato que: a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores, headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie; b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RES- POSTA grampeado à folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO; c) se recusar a entregar o CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RESPOSTA e/ou a folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO, quando terminar o tempo estabelecido. d) não assinar a LISTA DE PRESENÇA e/ou o CARTÃO-RESPOSTA. Obs.: O candidato só poderá se ausentar do recinto das provas após 1 (uma) hora contada a partir do efetivo início das mesmas. Por motivos de segurança, o candidato NÃO PODERÁ LEVAR O CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RESPOS- TA e/ou a folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO, a qualquer momento Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no CADERNO DE QUESTÕES NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA Quando terminar, entregue ao fiscal o CADERNO DE QUESTÕES E O CARTÃO-RESPOSTA grampeado à folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO e ASSINE A LISTA DE PRESENÇA O TEMPO DISPONÍVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS E DE REDAÇÃO É DE 4 (QUATRO) HORAS E 30 (TRINTA) MINUTOS, incluído o tempo para a marcação do seu CARTÃO-RESPOSTA, findo o qual o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar o CADERNO DE QUESTÕES E O CARTÃO-RESPOSTA grampeado à folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após a realização das mesmas, no endereço eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRIO (http://www.cesgranrio.org.br). 1

2 RASCUNHO 2

3 REDAÇÃO Texto I Estatuto do idoso Art. 1 o É instituído o Estatuto do Idoso, destinado a regular os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. Art. 2 o O idoso goza de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se-lhe, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, para preservação de sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual, espiritual e social, em condições de liberdade e dignidade. Art. 3 o É obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária. Art. 15. É assegurada a atenção integral à saúde do idoso, por intermédio do Sistema Único de Saúde SUS, garantindo-lhe o acesso universal e igualitário, em conjunto articulado e contínuo das ações e serviços, para a prevenção, promoção, proteção e recuperação da saúde, incluindo a atenção especial às doenças que afetam preferencialmente os idosos. Art. 18. As instituições de saúde devem atender aos critérios mínimos para o atendimento às necessidades do idoso, promovendo o treinamento e a capacitação dos profissionais, assim como orientação a cuidadores familiares e grupos de autoajuda. Art. 46. A política de atendimento ao idoso far-se-á por meio do conjunto articulado de ações governamentais e não governamentais da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Art. 47. São linhas de ação da política de atendimento: I políticas sociais básicas; II políticas e programas de assistência social, em caráter supletivo, para aqueles que necessitarem; III serviços especiais de prevenção e atendimento às vítimas de negligência, maus-tratos, exploração, abuso, crueldade e opressão; IV serviço de identifi cação e localização de parentes ou responsáveis por idosos abandonados em hospitais e instituições de longa permanência; V proteção jurídico-social por entidades de defesa dos direitos dos idosos; VI mobilização da opinião pública no sentido da participação dos diversos segmentos da sociedade no atendimento do idoso. BRASIL. Lei n o , de 1 de outubro de Estatuto do idoso. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 3 out Adaptado. Texto II Rumo a um mundo de centenários Quem tem por volta de 40 anos de idade hoje, ou menos, pode ir se preparando: se os especialistas estiverem certos, suas chances de chegar aos cem serão muito maiores, e em condições muito próximas das que vive atualmente. Este acréscimo na expectativa e qualidade de vida virá de diversos avanços esperados para as próximas décadas em áreas como medicina regenerativa, células-tronco e biologia molecular que, segundo alguns, não só vão interromper o processo de envelhecimento como podem até revertê-lo. Nos últimos 100 anos houve um aumento da expectativa de vida em mais de 30 anos. Agora, os cálculos são que, nos próximos 30 anos, a cada ano que você vive, vai conseguir viver mais um em virtude do que está sendo descoberto e aplicado pela medicina. Há um avanço muito grande que mostra que há formas de subverter ou manipular essa expectativa de vida entendendo melhor como funcionam as células e o organismo, afirma o neurocientista Stevens Rehen. BAIMA, Cesar. Rumo a um mundo de centenários. Ciência/Saúde. O Globo. 3 jul p. 46. Adaptado. 3

4 O envelhecimento populacional tem sido considerado uma das principais conquistas científicas e sociais dos séculos XX e XXI, trazendo grandes desafios para as políticas públicas. A legislação brasileira incorporou grande parte das sugestões das assembleias internacionais, mas é preciso garantir que essas leis melhorem, efetivamente, o cotidiano dos idosos em nosso país. As mudanças nos sistemas de seguridade social têm contribuído para o bem-estar dos indivíduos nessa etapa da vida. É importante, agora, garantir acesso universal aos serviços de saúde pública, em todos os aspectos envolvidos. Tomando como ponto de partida essas reflexões, elabore um texto dissertativo-argumentativo, em que você DISCUTA AS POLÍTICAS PÚBLICAS, ENTRE ELAS A DA SAÚDE, NECESSÁRIAS PARA ENFRENTAR O IMPACTO SOCIOECONÔ- MICO DO ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO EM NOSSO PAÍS. Justifique sua posição com argumentos. Instruções: a) ao desenvolver o tema proposto, selecione, organize e relacione argumentos, fatos e opiniões para defender seu ponto de vista, elaborando propostas para a solução do problema discutido em seu texto; b) a produção do texto deverá demonstrar domínio da língua escrita padrão; c) a Redação não deverá fugir ao tema; d) o texto deverá ter, no mínimo, 25 linhas e, no máximo, 30 linhas, mantendo-se no limite de espaço a ele destinado; e) o texto não deve ser escrito em forma de poema (versos) ou de narrativa; f) o texto definitivo deverá ser passado para a folha para o desenvolvimento da REDAÇÃO, pois não será considerado o que for escrito na Folha de Rascunho; g) a Redação definitiva deverá ser feita com caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta; h) a Redação deverá ser feita com letra legível, sem o que se torna impossível a sua correção; i) a Redação não deverá ser identificada por meio de assinatura ou qualquer outra marca ou sinal. 4

5 Texto I LÍNGUA PORTUGUESA A FORÇA DO PENSAMENTO Leia a seguir a entrevista com o neurocientista Miguel Nicolelis sobre seu novo livro, em que discute como a ligação entre cérebro e máquina revolucionará a medicina e o modo como iremos nos relacionar. No futuro, controlaremos máquinas e resolveremos problemas de saúde pelo comando da mente. Revista Galileu: O que é uma interface cérebro-máquina? Miguel Nicolelis: Basicamente, é o envio de informações por pensamento. Transferimos o sinal elétrico do cérebro, codificado de forma digital, sem fio, a equipamentos adaptados para receber esse comando. Com essa união da mente a sistemas virtuais, poderemos ter grandes avanços na medicina já nos próximos anos. A curto prazo, a paralisia é nosso foco. Trabalhamos para fazer quadriplégicos andarem usando uma espécie de esqueleto externo controlado pela mente. A longo prazo, tentaremos encontrar formas de reduzir o processo neurodegenerativo ou as lesões neuronais. Mais adiante, o objetivo será chegar à melhora de funções cognitivas. Revista Galileu: A interação direta com as máquinas mudará o modo como nos comunicamos? Miguel Nicolelis: Por completo. Internet, redes sociais e voz são interfaces lentas. Digitação, e até mesmo a linguagem, são imprecisas. Se você pudesse interagir com milhões de pessoas por pensamento ao mesmo tempo, aumentaria a velocidade de comunicação e essas interações seriam muito mais vívidas e reais. Não haveria interface entre você e a máquina, seria uma interação quase que como uma fusão, um inconsciente coletivo, uma rede social feita apenas por pensamentos. A linguagem passa a se transformar num meio secundário de comunicação. Isso só ocorrerá daqui a centenas e centenas de anos. Revista Galileu: Que mudanças ocorreriam em uma sociedade que se comunica assim? Miguel Nicolelis: Essa tecnologia pode realmente libertar a percepção dos limites. Com o cérebro, conseguiremos controlar os mais diferentes artefatos mecânicos, robóticos, virtuais, computacionais. Além disso, poderemos também criar novos sentidos. PAVARIN, Guilherme. A força do pensamento: entrevista com Miguel Nicolelis. Revista Galileu, n. 236, São Paulo: Globo. mar. 2011, p Adaptado. 1 Segundo o neurologista entrevistado, a sociedade do futuro transformará a linguagem em meio secundário de comunicação porque (A) artefatos robóticos serão responsáveis por emitir mensagens automaticamente. (B) equipamentos modernos serão responsáveis pela digitação das mensagens. (C) sistemas virtuais permitirão que o cérebro envie informações por pensamento. (D) máquinas eficientes terão a capacidade de registrar por escrito as mensagens. (E) linguagens de caráter visual serão criadas para substituir a linguagem verbal. 2 Normalmente, utiliza-se a conjunção porque para expressar a relação lógica de causalidade entre duas ideias em um texto. Mas essa relação pode ocorrer, também, entre duas frases que se relacionam sem a presença explícita dessa conjunção, como em (A) Com essa união da mente a sistemas virtuais, poderemos ter grandes avanços na medicina já nos próximos anos. A curto prazo, a paralisia é nosso foco. (l ) (B) A longo prazo, tentaremos encontrar formas de reduzir o processo neurodegenerativo ou as lesões neuronais. Mais adiante, o objetivo será chegar à melhora de funções cognitivas. (l ) (C) Internet, redes sociais e voz são interfaces lentas. Digitação e, até mesmo, a linguagem são imprecisas. (l ) (D) A linguagem passa a se transformar num meio secundário de comunicação. Isso só ocorrerá daqui a centenas e centenas de anos. (l ) (E) Essa tecnologia pode realmente libertar a percepção dos limites. Com o cérebro, conseguiremos controlar os mais diferentes artefatos mecânicos, robóticos, virtuais, computacionais. (l ) 3 Os critérios que regulam o emprego do sinal indicativo da crase, na língua escrita padrão, determinam os casos em que seu uso é obrigatório, facultativo ou proibido. Na frase Transferimos o sinal elétrico do cérebro, codificado de forma digital, sem fio, a equipamentos adaptados para receber esse comando. (l ) o uso desse sinal é PROIBI- DO, porque, nesse caso, se aplica a mesma regra que em (A) Com essa união da mente a sistemas virtuais, poderemos ter grandes avanços na medicina já nos próximos anos. (l ) (B) [...] tentaremos encontrar formas de reduzir o processo neurodegenerativo ou as lesões neuronais. (l ) (C) Não haveria interface entre você e a máquina [...] (l. 30) (D) A linguagem passa a se transformar num meio secundário de comunicação. (l ) (E) Essa tecnologia pode realmente libertar a percepção dos limites. (l ) 5

6 4 Considere as afirmativas a seguir acerca das palavras em destaque. I Em Com essa união da mente a sistemas virtuais, poderemos ter grandes avanços na medicina já nos próximos anos. (l ), a palavra destacada refere-se a sistemas que existem apenas potencialmente, não como realidade. II Em Internet, redes sociais e voz são interfaces lentas. (l ), a palavra destacada refere-se aos meios pelos quais o usuário interage com um programa ou sistema operacional. III Em [...] essas interações seriam muito mais vívidas e reais. [...] (l. 29), a palavra destacada se refere a interações mais verdadeiras. IV Em Com o cérebro, conseguiremos controlar os mais diferentes artefatos mecânicos, [...] (l ), a palavra destacada se refere a aparelhos ou dispositivos. São corretas APENAS as afirmativas (A) I e II (B) II e III (C) I, II e III (D) I, II e IV (E) I, III e IV Texto II A história de nós mesmos Somos dependentes da memória e é justificável que sejamos. É essa faculdade que nos permite desde executar tarefas básicas do dia a dia como escovar os dentes, ir ao mercado e encontrar o caminho de volta para casa até aprender (e fixar) conceitos, procedimentos ou teorias complexas. E é fundamental para nossa proteção, pois nos lembrarmos de que fogo queima e que nos envolvermos em certas situações é prejudicial (ou até fatal) muitas vezes garante a sobrevivência física e o bem-estar emocional. É também a capacidade mnêmica que nos possibilita conectar informações e transmitir nossas histórias tanto coletivas quanto pessoais. E oferece o contorno de nossa identidade, permitindo até mesmo planejar o futuro. Recentemente, pesquisadores comprovaram que as áreas cerebrais envolvidas na produção de projeções e planejamentos são as mesmas usadas na manutenção de recordações. 20 Essa constatação vai ao encontro de uma ideia com a qual a psicanálise trabalha há mais de um século: elaborar o que se viveu para escapar da repetição e encontrar possibilidades de futuro. Hoje os cientistas sabem que nossas recordações não são reproduções fiéis do que vivemos. LEAL, Gláucia. Revista Mente e Cérebro, Edição especial n. 27. São Paulo: Ediouro Duetto Editorial Ltda. Adaptado. 5 De acordo com o Texto II, a memória é fundamental para nossa proteção porque (A) assegura a sobrevivência física e também o bem-estar emocional. (B) impede que seres humanos se beneficiem de experiências passadas. (C) oferece informações práticas sobre hábitos saudáveis ao organismo. (D) possibilita a descoberta de como o cérebro produz lembranças. (E) revive as recordações traumáticas que devemos esquecer. 6 A justificativa do emprego do sinal de pontuação está ERRADA em (A) Somos dependentes da memória e é justificável que sejamos. (l. 1-2) - Emprego do travessão para introduzir um comentário. (B) É essa faculdade que nos permite desde executar tarefas básicas do dia a dia como escovar os dentes, ir ao mercado e encontrar o caminho de volta para casa [...] (l. 2-5) - Emprego do travessão para introduzir uma enumeração. (C) [...] pois nos lembrarmos de que fogo queima e que nos envolvermos em certas situações é prejudicial (ou até fatal) muitas vezes garante a sobrevivência física e o bem-estar emocional. (l. 7-11) - Emprego dos parênteses para acrescentar uma informação. (D) É também a capacidade mnêmica que nos possibilita conectar informações e transmitir nossas histórias tanto coletivas quanto pessoais. (l ) - Emprego do travessão para inserir um detalhamento da informação. (E) E oferece o contorno de nossa identidade, permitindo até mesmo planejar o futuro. (l ) - Emprego da vírgula para indicar a supressão de uma palavra. 6

7 7 O ofício é a forma de correspondência oficial em que se estabelece a comunicação entre órgãos oficiais, ou de um órgão oficial para uma pessoa. Deve ser redigido no padrão culto da língua, segue um esquema preestabelecido e não deve apresentar rasura. O texto que segue é um exemplo de ofício. SECRETARIA DE CULTURA DO ESTADO X Ofício n o 10/2011 Cidade Y, 30 de junho de Exmo. Senhor J. Cardoso Governador do Estado X Senhor Governador, Será realizada, no próximo dia 15 de julho, às 14 horas, em sessão pública, uma homenagem ao escritor N. Fernandes. Será para nós uma grande honra se V. Ex a. puder prestigiar esse evento com sua presença. Atenciosas saudações, A. Miranda Secretário de Cultura do Estado X A respeito desse tipo de correspondência, considere as afirmações abaixo. I Um ofício deve conter identifi cação do destinatário, agradecimento, recibo, mensagem. II Um ofício deve conter fundamentação legal, saudação fi nal, experiência profi ssional. III Um ofício deve conter local e data, mensagem, saudação fi nal, assinatura e cargo do remetente. IV Um ofício deve conter número do documento, saudação fi nal, identifi cação do destinatário. Estão corretas APENAS as afirmações (A) I e II (B) I e III (C) II e III (D) II e IV (E) III e IV 8 A correspondência oficial é uma espécie formal de comunicação, estabelecida entre os órgãos do poder público para elaborar atos normativos e comunicações. É pautada por uma padronização de linguagem e de estrutura, que se caracteriza por: padrão culto da linguagem, impessoalidade, formalidade, clareza, concisão, uniformidade, uso adequado dos pronomes de tratamento. Para que as comunicações sejam compreendidas por todo e qualquer cidadão, há que evitar o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos, como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão técnico. Ofícios, memorandos, atas são exemplos de correspondência oficial. Com relação ao emprego dos pronomes de tratamento, é INCORRETO afirmar que (A) esses pronomes exigem forma verbal conjugada na terceira pessoa gramatical. (B) o pronome Vossa Excelência é utilizado em correspondência dirigida às altas autoridades do governo. (C) o gênero gramatical do adjetivo relacionado a um pronome de tratamento deve coincidir com o sexo da pessoa a que se refere. (D) o pronome Vossa Eminência deve ser empregado em correspondência dirigida a reitores de universidades. (E) os pronomes possessivos referidos aos pronomes de tratamento são flexionados na terceira pessoa. 7

8 CONHECIMENTOS DE INFORMÁTICA 9 Sobre os sistemas operacionais Microsoft Windows que suportam as tecnologias de 32 bits e de 64 bits, considere as afirmativas a seguir. I - A versão de 64 bits processa grandes quantidades de RAM (memória de acesso aleatório) com efi ciência superior à de um sistema de 32 bits. II - Os drivers para versões de 32 bits funcionam corretamente em computadores que executam versões de 64 bits. III - Se um programa for especialmente projetado para a versão de 64 bits, ele funcionará normalmente na versão de 32 bits. Está correto APENAS o que se afirma em (A) I (B) II (C) III (D) I e II (E) II e III 10 Qual dispositivo possibilita a comunicação entre redes de arquiteturas distintas? (A) Buster (B) Channel (C) Gateway (D) Firmware (E) Display 11 No modelo TCP/IP, a interface com redes Ethernet e Token Ring, entre outras, é feita na camada (A) de Rede (B) de Aplicação (C) de Transporte (D) Física (E) Síncrona 12 Criar cópias de si mesmo de um computador para outro de forma automática, com capacidade de se replicar em grande volume, é característica de uma praga eletrônica denominada (A) Trojan Horse (B) Opteron (C) Freeware (D) Shareware (E) Worm LEGISLAÇÃO SUS 13 O Sistema Único de Saúde implica ações e serviços públicos de saúde que integram uma rede regionalizada hierarquizada e que, de acordo com a Constituição Federal, organizar-se-á por algumas diretrizes. A esse respeito, considere as afirmativas abaixo. I - A descentralização é uma diretriz do SUS, com direção única em cada esfera de governo. II - O SUS busca, como diretriz, um atendimento parcial, com prioridade para as atividades assistencialistas, sem prejuízo dos serviços assistenciais. III - O SUS tem como uma das diretrizes a participação da comunidade. É correto APENAS o que se afirma em (A) I (B) II (C) III (D) I e III (E) II e III 14 Para os efeitos do Código Municipal de Saúde, art. 37 da Lei municipal n o 5.504/1999, (Salvador-BA), considera(m)-se informação(ões) epidemiológica(s) (A) a execução das ações de controle de higiene (B) as notificações facultativas sobre acidentes do trabalho (C) as declarações de nascimento e óbitos (D) o registro das ações de controle do meio ambiente (E) os resultados de investigação de poluição do meio ambiente 15 A Portaria GM/MS n o 698, de 30 de março de 2006, define que o custeio das ações de saúde é responsabilidade das três esferas de gestão do SUS, estatuindo cinco blocos de financiamento. NÃO está de acordo com o estabelecido nessa Portaria a afirmação de que (A) os recursos federais para custeio de ações e serviços de saúde serão transferidos a Estados, Distrito Federal e Municípios, de forma automática, fundo a fundo, observando os atos normativos específicos referentes a cada bloco. (B) os recursos de cada Bloco de Financiamento devem ser aplicados, exclusivamente, nas ações e serviços de saúde relacionados ao Bloco. (C) no Bloco de Financiamento da Assistência Farmacêutica, os recursos devem ser aplicados, exclusivamente, nas ações definidas para cada Componente que compõem o Bloco. (D) o Bloco da Atenção Básica será constituído por dois componentes: Piso de Atenção Básica PAB Fixo e Piso da Atenção Básica Variável PAB Variável. (E) o Bloco de Financiamento para a Vigilância em Saúde será constituído por um componente: o da Vigilância em Gestão de Limpeza. 8

9 16 Os Recursos do Fundo Nacional de Saúde, de acordo com a Lei n o 8.142, de 1990, serão alocados como (A) investimentos previstos no Plano Anual do Ministério do Planejamento (B) investimentos previstos no Plano Quinquenal do Ministério da Saúde (C) investimentos previstos em lei orçamentária, de iniciativa do Poder Executivo e aprovados pelo Conselho Nacional (D) cobertura das ações e serviços, em geral, do Ministério da Previdência (E) despesas de custeio e de capital do Ministério do Planejamento 17 A Lei Federal n o 8.080/1990 prevê que (A) a participação complementar dos serviços privados para garantir a cobertura assistencial do SUS será formalizada mediante concessão, estabelecida por normas predominantemente privadas. (B) a utilização do critério baseado no perfil demográfico é vedada para o estabelecimento de valores a serem transferidos a Estados, Distrito Federal e Municípios. (C) os cargos e funções de chefia, direção e assessoramento, no âmbito do SUS, só poderão ser exercidos em regime de tempo integral. (D) os Municípios, dentre as atribuições estatuídas nessa lei, ficam vedados de administrar os recursos orçamentários e financeiros destinados à saúde, em cada ano. (E) os serviços de saúde das Forças Armadas, em tempo de guerra, serão integrados ao Sistema Único de Saúde, independente de formalização de convênio. 18 O art. 198 da Constituição brasileira estabelece que as ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único. Rede regionalizada e hierarquizada significa que os (A) serviços de saúde devem estar ancorados em uma rede de atenção básica em cada região de saúde. (B) serviços de saúde devem ser organizados em bases territoriais definidas, de acordo com a distribuição da população e o nível de complexidade dos serviços. (C) serviços hospitalares de nível terciário devem necessariamente estar contidos em cada região de saúde. (D) ambulatórios, postos de saúde e as clínicas de saúde da família devem subordinar-se a hospitais de nível secundário e terciário em cada região. (E) hospitais especializados constituem o ponto de coordenação do sistema de saúde em uma dada região. 19 A Lei Federal n o 8.080/1990 que regula, em todo o território nacional, as ações e serviços de saúde, estabelece, em seu art. 7 o, o princípio de integralidade dos cuidados de saúde. Esse princípio obriga a que (A) os pacientes portadores de doenças agudas sejam tratados em locais distintos daqueles dos portadores de doenças crônicas. (B) os serviços coletivos sejam prestados pelos municípios, e os curativos, pelas outras esferas de governo, de maneira integrada. (C) o conjunto das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema, deve compor um conjunto articulado e integrado. (D) as equipes de saúde devem ser sempre multiprofissionais, capazes de dar conta da unidade biopsicossocial dos pacientes. (E) serviços de prevenção no âmbito da saúde pública devem ser organizados para tratamento na rede de hospitais e postos de saúde, e os de reabilitação em centros especializados. 20 A Política Nacional de Atenção Básica (Portaria GM/MS n o 648/2006) estabelece a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e para o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Visando à operacionalização da Atenção Básica, definem- -se como áreas estratégicas para atuação em todo o território nacional a eliminação da (A) AIDS, o controle de acidentes de trânsito, o controle do diabetes e da hipertensão. (B) hanseníase, o controle da tuberculose, o controle da hipertensão arterial, o controle do diabetes mellitus, a eliminação da desnutrição infantil, a saúde da criança, a saúde da mulher, a saúde do idoso, a saúde bucal e a promoção da saúde. (C) desnutrição infantil, o controle dos acidentes do trabalho, o controle da tuberculose e a saúde da mulher. (D) hanseníase, o controle da tuberculose, o controle da hipertensão arterial, o controle do diabetes mellitus, a eliminação da desnutrição infantil, a saúde da criança e da mulher, a eliminação da AIDS. (E) hanseníase, o controle da tuberculose, o controle da hipertensão arterial, a saúde da mulher, da criança e do idoso, o controle de acidentes de trânsito. 9

10 21 O chamado Pacto pela Saúde, estabelecido pela Resolução MS n o 399/2006, determina um conjunto de prioridades para intervenções em saúde no subcapítulo Pacto pela Vida, de acordo com o perfil epidemiológico brasileiro. As prioridades estabelecidas neste Pacto para as endemias e doenças emergentes são (A) malária, tétano neonatal, tuberculose, hanseníase e AIDS (B) malária, leptospirose visceral, dengue e tuberculose (C) malária, dengue, hepatites e tuberculose (D) dengue, hanseníase, tuberculose, malária e influenza (E) dengue, hanseníase, tuberculose e doença de Chagas 22 A estratégia de Saúde da Família visa à reorganização da Atenção Básica no País, de acordo com os preceitos do Sistema Único de Saúde (Portaria GM/MS n o 648/2006). Além dos princípios gerais da Atenção Básica, a estratégia Saúde da Família deve (A) atuar no território, realizando cadastramento domiciliar, diagnóstico situacional, ações dirigidas aos problemas de saúde de maneira pactuada com a comunidade onde atua, buscando o cuidado dos indivíduos e das famílias ao longo do tempo, mantendo sempre postura proativa frente aos problemas de saúde-doença da população. (B) dirigir-se aos problemas de saúde de maneira pactuada com a comunidade onde atua, buscando o cuidado dos indivíduos e das famílias ao longo do tempo, mantendo sempre postura reativa frente aos problemas de saúde-doença da população. (C) dirigir-se exclusivamente aos problemas mais frequentes de saúde do território onde atua. (D) articular-se com as outras formas de atenção básica, sem necessariamente ter caráter substitutivo. (E) rever permanentemente as tecnologias mais adequadas para o enfrentamento das endemias locais. 23 Quando da identificação em uma unidade básica de saúde de um caso de tuberculose pulmonar bacilífero, sem complicações clínicas maiores, o médico de família deve (A) transferir o paciente para ser acompanhado pelo enfermeiro da unidade. (B) encaminhar o paciente para um serviço de controle de tuberculose da unidade mais próxima. (C) convocar, por carta ou telefonema à unidade, todos os membros da família para revisão junto à unidade. (D) divulgar, publicamente, o caso para que todos os que tenham mantido contato com o paciente agendem visitas à unidade. (E) solicitar aos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) que compareçam ao domícilio do paciente, desenvolvam ações educativas e agendem consultas dos expostos à unidade. 24 Quantas equipes de saúde da família são necessárias para atender a um município de habitantes? (A) 5 (B) 10 (C) 15 (D) 20 (E) Um paciente portador de câncer de pâncreas intratável, em fase terminal, apresenta um quadro de pneumonia aguda com insuficiência respiratória aguda, está lúcido e recusa-se a ser internado, preferindo permanecer em seu domicílio. De acordo com a Portaria GM/MS n o 1.820/2009, o médico deve (A) sedar o paciente e transportá-lo para um hospital. (B) reunir a família e solicitar autorização para internação compulsória. (C) abandonar o caso, solicitando ao paciente que procure outro profissional. (D) suspender qualquer medida terapêutica para abreviar o sofrimento do paciente. (E) respeitar a vontade do paciente e tratá-lo com os recursos possíveis em seu domicílio. RASCUNHO 10

11 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Utilize o desenho esquemático abaixo para responder às questões de n os 26 e 27. LINDHE J. et al. Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. Guanabara Koogan, 2010, p.8. A ilustração apresenta um corte histológico descrevendo a composição da gengiva e a área de contato entre a gengiva e o esmalte dentário. 26 Os números 1, 2, 3, 4 e 5 impressos na figura significam, respectivamente, (A) epitélio oral, epitélio juncional, tecido conjuntivo, osso e epitélio oral do sulco (B) epitélio oral do sulco, epitélio juncional, tecido conjuntivo, osso e epitélio oral (C) epitélio oral do sulco, epitélio juncional, epitélio oral, osso e tecido conjuntivo (D) epitélio juncional, epitélio oral do sulco, osso, epitélio oral e tecido conjuntivo (E) epitélio juncional, epitélio oral do sulco, tecido conjuntivo, osso e epitélio oral 27 O espaço biológico periodontal, atualmente chamado de tecidos gengivais supracrestais, inclui (A) epitélio oral e epitélio juncional (B) epitélio oral, sulco gengival e inserção conjuntiva (C) epitélio juncional e osso alveolar (D) sulco gengival, epitélio juncional e inserção conjuntiva (E) sulco gengival, epitélio juncional e osso alveolar 28 As lesões na boca, com potencial de malignização, podem ser reconhecidas e podem servir ainda como parâmetros de triagem e seleção de pacientes que necessitem de acompanhamentos clínico e laboratorial mais rigorosos. São lesões bucais com potencial de malignização a(o) (A) queilite angular e a leucoplasia (B) queilite actínica e a leucoplasia (C) leucoplasia e o herpes bucal (D) leucoplasia e a gengivite ulcerativa necrosante (E) herpes bucal e o herpes-zóster 29 Um paciente se apresenta queixando-se de afastamento de seus dentes da frente e de halitose. No exame clínico, notam-se presença abundante de placa bacteriana e incidência de cálculo generalizados. A profundidade de sondagem variava entre 4 mm e 12 mm e, no exame radiográfico, observam-se perda óssea horizontal generalizada e defeitos verticais em alguns sítios. Qual o diagnóstico da patologia descrita? (A) Gengivite associada à placa avançada e generalizada (B) Gengivite ulcerativa necrosante avançada e generalizada (C) Periodontite crônica avançada e generalizada (D) Periodontite agressiva avançada e generalizada (E) Periodontite ulcerativa necrosante 30 Uma paciente de 55 anos, pós-menopausa, fazendo uso de alendronato de sódio há 3 anos consecutivamente, para prevenção de osteoporose, tem indicação de instalação de 1 implante em substituição ao elemento perdido 26. Para a execução do procedimento cirúrgico, o profissional deve solicitar um parecer médico sobre a possibilidade de (A) suspensão do medicamento, que pode causar osteonecrose. (B) suspensão do medicamento, que pode causar hemorragia. (C) substituição do medicamento por risedronato de sódio. (D) substituição do medicamento por diclofenaco de sódio. (E) substituição do medicamento por ibandronato de sódio. 31 O protocolo medicamentoso de prevenção da endocardite infecciosa para as consultas que envolvem sondagem, extrações, sessões de raspagem e outros procedimentos que podem levar a uma bacteremia é: (A) 3 g de amoxicilina 6 horas antes do procedimento (B) 2 g de amoxicilina 1 hora antes do procedimento (C) 500 mg de amoxicilina de 8 em 8 horas por 7 dias consecutivos (D) 500 mg de amoxicilina associados a 400 mg de metronidazol de 8 em 8 horas por 10 dias (E) 500 mg de amoxicilina associados a 500 mg de clindamicina 1 hora antes do procedimento 11

12 32 Um paciente foi diagnosticado com um tumor maligno intraósseo na boca e necessita de radioterapia, com dose absorvida 60 Gy. Quais são as primeiras medidas a serem tomadas pelo odontólogo, antes do início das sessões de radioterapia? (A) Avaliação dos dentes que serão mantidos e clareamento dental. (B) Exodontia de dentes perdidos ou de prognóstico duvidoso e tratamentos necessários. (C) Aplicação de flúor em verniz e bochechos com água oxigenada. (D) Introdução de antibioticoterapia e raspagem supragengival nos dentes necessários. (E) Introdução do protocolo de prevenção da endocardite infecciosa e raspagem subgengival nos dentes necessários. 33 Os pacientes idosos recebem 25% de todas as drogas prescritas, apesar de representarem apenas 12% da população. O medicamento mais prescrito são as drogas cardiovasculares, incluindo os anticoagulantes. Essas drogas devem ser suspensas, com o consentimento do médico do paciente, previamente a tratamentos cirúrgicos. Para se confirmar a suspensão do efeito anticoagulante, a Proporção Padrão Internacional (INR) deve apresentar valores (A) de 1,0 a 2,5 (B) de 2,8 a 4,0 (C) de 3,0 a 4,2 (D) de 4,5 a 7,0 (E) superiores a 7,0 34 O cirurgião-dentista pode negar atendimento odontológico a um paciente portador do vírus da imunodeficiência humana (HIV). PORQUE O parágrafo V do artigo 3 o do Código de Ética Odontológica autoriza a recusa em casos em que se constatem fatos que, a critério do profissional, prejudiquem o bom relacionamento com o paciente ou o pleno desenvolvimento profissional. Analisando-se as afirmações acima, conclui-se que (A) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda justifica a primeira. (B) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda não justifica a primeira. (C) a primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa. (D) a primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira. (E) as duas afirmações são falsas. 35 A Odontologia no Brasil vem entendendo a necessidade de mudança do paradigma de tratamento curativo para o de promoção da saúde bucal e para tratamento preventivo, principalmente das doenças cárie, periodontal e câncer bucal. Nesse contexto, analise as afirmativas a seguir. I - Entender que cárie e doença periodontal devem ser tratadas como lesões e não como doenças é um marco referencial da promoção da saúde bucal. II - Garantir o controle das infecções cruzadas e a biossegurança nos serviços de saúde é um marco referencial da promoção da saúde bucal. III - Reconhecer que o atendimento odontológico precisa ser feito em uma perspectiva multidisciplinar e multiprofi ssional é um marco referencial da promoção da saúde bucal. IV - Entender que as doenças infecciosas bucais ou a microbiota da cavidade oral podem produzir doenças sistêmicas é um marco referencial da promoção da saúde bucal. Está correto o que se afirma em (A) I e III, apenas. (B) II e IV, apenas. (C) I, II e III, apenas. (D) II, III e IV, apenas. (E) I, II, III e IV. 36 Um odontólogo, durante uma consulta, se acidentou com um instrumento perfurocortante, sem o perceber. Quando sua auxiliar o avisou da pequena mancha de sangue presente em seu jaleco, a paciente já tinha sido dispensada. Quais as medidas imediatas que esse profissional tem de tomar? I - Chamar a paciente, pois ele precisa coletar, no mesmo dia do acidente, exames para HIV, HBV e HCB dele e da paciente. II - Tomar medicação nas duas primeiras horas após o acidente, se indicado, e coletar os exames dele 30 dias após o acidente. III - Acompanhar e monitorar os exames durante 12 meses. É correto o que se afirma em (A) I, apenas. (B) III, apenas. (C) I e II, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III. 12

13 37 Para esterilização do instrumental odontológico em fornos de Pasteur ou estufas, a temperatura deve ser mantida a 180 C durante 1 hora. A abertura do forno, durante esse processo, baixa a temperatura e, nesse caso, o ciclo deve ser reiniciado, aguardando-se 1 hora para se obter a esterilização. Isso torna esse tipo de aparelho contraindicado em Odontologia. Portanto, a esterilização de vapor saturado sob pressão (autoclaves) é recomendada em Odontologia. O tempo, a temperatura e a pressão para esterilização em autoclaves são, respectivamente, de (A) 4 min a 7 min, 121 C a 127 C e 1 atm (B) 5 min a 10 min, 121 C a 127 C e 1 atm (C) 15 min a 30 min, 121 C a 127 C e 1 atm (D) 30 min a 35 min, 132 C a 134 C e 2 atm (E) 30 min a 40 min, 132 C a 134 C e 2 atm 38 A cárie dentária é uma doença crônica sendo, portanto, de longa duração e progressão lenta para a maioria dos indivíduos de uma população. Esse padrão pode ser modificado em indivíduos com alta atividade de cárie, nos quais a velocidade de progressão da doença aumenta. O tratamento odontológico atual tem como objetivo a prevenção das lesões ou do agravamento das lesões estabelecidas. Considerando o momento atual da Odontologia, qual é o tratamento adequado para as cáries? (A) Restauração das lesões de esmalte em resina (B) Restauração das lesões em dentina e acompanhamento das lesões em esmalte (C) Controle da atividade de cárie, com ou sem procedimentos restauradores (D) Controle da atividade de cárie e restauração das lesões de dentina (E) Adequação do meio bucal e restauração das lesões de dentina em amálgama 39 O procedimento relativo ao descarte de resíduos gerados no consultório que NÃO está de acordo com as normas de segurança é: (A) O revelador antes de ser jogado na rede de esgoto deve ser tratado para mudança de seu ph. (B) O fixador deve ser colocado num recipiente plástico com tampa e identificado, até ser encaminhado ao seu destino final. (C) Resíduos perfurocortantes são dispensados em saco plástico branco leitoso com identificação de infectante. (D) Papel e restos de comida, da área administrativa, devem ser descartados como lixo comum. (E) Os resíduos contendo mercúrio devem ser acondicionados em recipientes sob selo d água e encaminhados para recuperação. 40 Um paciente apresenta-se para consulta de emergência relatando dor aguda transitória no dente 46, após a aplicação de líquidos quentes ou gelados. A suspensão desses estímulos resulta em alívio imediato. Clinicamente, é possível verificar cavitação na região mesial do dente e presença de sangramento à sondagem na papila, entre o 46 e 45. Diante do relato, qual é o diagnóstico? (A) Calcificação pulpar (B) Necrose pulpar (C) Periodontite apical sintomática (D) Pulpite irreversível (E) Pulpite reversível 41 Paciente do sexo masculino, 37 anos, apresenta nódulo macio, indolor, exofítico, pediculado, com numerosas projeções superficiais digitiformes que lhe conferem aparência de couve-flor em palato mole. O tamanho da lesão é de, aproximadamente, 0,5 cm. Histopatologicamente, foi verificada uma proliferação do epitélio escamoso estratificado ceratinizado, disposto em projeções digitiformes com centros de tecido conjuntivo fibrovascular. O centro apresentava alterações inflamatórias. Qual o diagnóstico da lesão? (A) Condiloma acuminado (B) Hiperplasia epitelial multifocal (C) Papiloma escamoso (D) Papilomatose faríngea (E) Verruga vulgar 42 A paciente MSC, trabalhadora rural, 68 anos, se apresentou a uma Unidade Básica de Saúde para exame bucal de rotina. Durante a anamnese, a paciente relatou o aumento do número de manchas na pele que começaram a aparecer, aproximadamente, na quarta década de vida. As manchas na pele e ao redor da boca se apresentavam, clinicamente, como máculas pequenas de coloração amarelo-amarronzada a marrom e levemente elevadas. Individualmente, as lesões eram placas bem delimitadas e possuíam superfícies delicadamente fissuradas, deprimidas ou verrucosas, menores que 2 cm. O laudo histopatológico apresentava acúmulo de lobos de glândula sebácea aumentados de tamanho, porém, normais, agrupados ao redor de um ou mais ductos sebáceos centralmente localizados. Quais o diagnóstico e o tratamento da condição? (A) Hiperplasia sebácea e nenhum tratamento necessário. (B) Lentigo actínico e a excisão cirúrgica é necessária. (C) Efélides e nenhum tratamento é necessário. (D) Melanoma e a excisão cirúrgica é necessária. (E) Melanose focal e nenhum tratamento é necessário. 13

14 43 O oncocitoma é um tumor que acomete as glândulas salivares. Clinicamente, se apresenta como um tumor firme à palpação em pacientes idosos. Essa lesão é considerada (A) benigna e não requer tratamento. (B) benigna e requer excisão cirúrgica. (C) maligna e não requer tratamento. (D) maligna e requer excisão cirúrgica. (E) pré-maligna e requer biopsia excisional. 44 A sialometaplasia necrosante é uma condição (A) benigna e não requer tratamento. (B) benigna e requer excisão cirúrgica com margem de segurança. (C) maligna e não requer tratamento. (D) maligna e requer excisão cirúrgica com margem de segurança. (E) pré-maligna e requer biopsia incisional. 45 Qual a síndrome que se apresenta como uma desordem autoimune crônica sistêmica e envolve, principalmente, as glândulas salivares e lacrimais, resultando em xerostomia e xeroftalmia? (A) Síndrome de Beck-Wiedemann (B) Síndrome de Melkersson-Rosenthal (C) Síndrome de McCune-Albright (D) Síndrome de Behçet (E) Síndrome de Sjögren 46 A paciente AML, 33 anos, se apresentou com aumento de volume e dor na região posterior do corpo da mandíbula. Radiograficamente, foi possível verificar esclerose densa na região acometida, reabsorção radicular tipo spiking e aspecto de raios de sol. O exame histopatológico mostrou a produção direta de osteoide por células mesenquimais malignas. Qual a lesão que a paciente apresenta? (A) Osteoblastoma (B) Osteossarcoma (C) Osteocondroma (D) Sarcoma de Ewing (E) Tumores metastáticos dos ossos gnáticos 47 Dentre os cistos listados abaixo, o cisto odontogênico que NÃO é de desenvolvimento é o (A) cisto de erupção (B) cisto gengival (C) cisto dentígero (D) cisto periapical (E) cisto periodontal lateral 48 NEVILLE, BW; DAMM, DD; ALLEN, CM; BOUQUOT, JE. Patologia oral e maxilofacial. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009, p A paciente RBS, grávida de 6 meses, se apresentou para exame em uma Unidade Básica de Saúde relatando sangramento em área de aumento de volume entre os dentes. Clinicamente, a lesão se apresentava como crescimento tecidual com superfície ulcerada e extremamente vascularizada, como na figura acima. O exame microscópico mostrou proliferação altamente vascular, semelhante ao tecido de granulação, com superfície ulcerada e substituída por uma membrana fibrinopurulenta. Foi evidente um infiltrado inflamatório misto de neutrófilos, plasmócitos e linfócitos. Qual o diagnóstico da lesão? (A) Gengivite plamocitária (B) Pioestomatite vegetante (C) Granuloma piogênico (D) Mucinose oral focal (E) Carcinoma de células escamosas 49 O sarcoma de Kaposi é uma neoplasia vascular rara. O sarcoma de Kaposi está associado à (A) Síndrome da imunodeficiência adquirida (B) febre reumática (C) Síndrome Sicca (D) Diabetes mellitus (E) Síndrome de Papillon Lefevre 50 O estadiamento da doença de Hodgkin é importante para o planejamento do tratamento e para estimar o prognóstico de um determinado paciente. Nesse sentido, o estadiamento de um paciente com envolvimento de uma única cadeia linfonoidal, ou de um único órgão ou local extralinfático, é (A) I (B) II (C) III (D) IV (E) V 14

15 51 Qual a lesão que se apresenta, clinicamente, com aumento de volume nodular, de superfície lisa e consistência macia, que pode ser séssil ou pedunculada, assintomática, geralmente menor que 3 cm e, histopatologicamente, com adipócitos maduros, que pouco se diferenciam do tecido adiposo normal circunjacente? (A) Fibroma ossificante periférico (B) Lipoma (C) Neuroma traumático (D) Neurofibroma (E) Neoplasia endócrina múltipla 52 Considere as afirmativas acerca dos linfangiomas. I - Os linfangiomas são tumores hamartomatosos benignos dos vasos linfáticos. II - Os linfangiomas são de 4 tipos: simples, cavernoso, cístico e multilobular. III - A localização mais comum dos linfangiomas é a língua, podendo causar macroglossia. IV - O tratamento para os linfangiomas consiste na excisão cirúrgica. Está correto o que se afirma em (A) I e II, apenas. (B) II e IV, apenas. (C) I, II e III, apenas. (D) I, III e IV, apenas. (E) I, II, III e IV. 53 O paciente CMM, 30 anos, apresentou aumento de volume na região cervical e submadibular, indolor, associado aos gânglios linfáticos. O paciente relatou perda de peso recente, febre, suores noturnos e prurido generalizado. O exame histopatológico apresentou obliteração da arquitetura normal do linfonodo por infiltrado de células inflamatórias e células atípicas de Reed-Sternberg. Qual o diagnóstico do paciente? (A) Linfangioma (B) Linfoma de Burkit (C) Linfoma de Hodgkin (D) Linfoma não Hodgkin (E) Sialometaplasia necrosante 54 Qual a forma de tratamento do tumor odontogênico ceratocístico? (A) Marsupialização (B) Excisão cirúrgica com margem de segurança (C) Enucleação e curetagem (D) Drenagem (E) Biópsia 55 O condrossarcoma é um tumor maligno caracterizado pela formação de cartilagem, células tumorais e nenhum osso. Os condrossarcomas podem ser divididos em 3 graus histopatológicos de malignidade. Relacione os graus de malignidade aos condrossarcomas correspondentes. I - Grau I II - Grau II III - Grau III As associações corretas são: (A) I - P, II - Q, III - R (B) I - P, II - R, III - S (C) I - Q, II - S, III - R (D) I - R, II - P, III - Q (E) I - S, II - Q, III - P P - Mostram maior proporção de núcleos de tamanho moderado e celularidade aumentada, particularmente próximo à periferia dos lóbulos; a matriz cartilaginosa tende a ser mais mixoide com uma matriz hialina menos proeminente e a taxa de mitose é baixa. Q - São altamente celularizados e podem mostrar proliferações de células fusiformes proeminentes; as mitoses podem ser proeminentes e as lacunas de matriz cartilaginosa que contêm células podem ser escassas. R - Mimetizam de perto a aparência de um condroma, é normalmente difícil a distinção entre os tumores cartilaginosos benignos e malignos, e a calcifi cação ou ossifi cação da matriz cartilaginosa é proeminente. S - São revestidos por epitélio escamoso estratifi cado ortoceratinizado, com uma camada granulosa proeminente. 56 Paciente sexo masculino, 50 anos de idade, apresentou- -se para avaliação odontológica queixando-se de dor ao redor dos dentes. Ao exame clínico, verificaram-se erosões superficiais irregulares e ulcerações distribuídas aleatoriamente na mucosa bucal. O exame físico do paciente revelou lesões na pele, caracterizadas por vesículas ou bolhas flácidas que se rompem rapidamente, deixando uma superfície desnuda e eritematosa. Histologicamente, detectaram-se uma fenda intraepitelial e células de Tzank em citologia esfoliativa. Qual o diagnóstico desse paciente? (A) Líquen plano erosivo (B) Eritema multiforme (C) Penfigoide bolhoso (D) Pênfigo vulgar (E) Mononucleose 15

16 57 A priorização da Saúde Bucal materializou o Brasil Sorridente, que tem promovido a ampliação do acesso aos serviços de Atenção Básica em Saúde Bucal, principalmente por meio das equipes de Saúde Bucal, na estratégia Saúde da Família, e da Atenção Especializada em Saúde Bucal, especialmente através da implantação dos Centros de Especialidades Odontológicas. Qual é a responsabilidade do cirurgião-dentista por nível de atenção? (A) Básica diagnóstico de lesões com suspeita de malignidade (B) Média avaliação do usuário com queixa de alteração bucal em tecidos moles e/ou duros, identificando as alterações não compatíveis com a normalidade (C) Média diagnóstico e tratamento de hiperplasia fibrosa inflamatória, estomatite protética, herpes recorrente, gengivo-estomatite herpética primária, estomatite aftosa recorrente, candidíase e queilite angular (D) Alta diagnóstico e tratamento de lesões malignas intrabucais (E) Alta diagnóstico e tratamento das lesões bucais por meio de exames clínicos e complementares, biópsia, terapêutica cirúrgica (nível ambulatorial) e medicamentosa 60 O câncer bucal representa um desafio quanto à sua prevenção, detecção precoce e à atenção em Saúde Bucal ao paciente portador. Pacientes identificados como de risco devem receber exames preventivos para o câncer bucal ao menos duas vezes ao ano. É responsabilidade dos Centros de Especialidades Odontológicas, EXCETO (A) centrar esforços em manobras de vigilância e reconhecimento de pacientes que estejam incluídos no perfil epidemiológico descrito acima. (B) centrar esforços em manobras de vigilância e reconhecimento de pacientes que apresentem laudo histopatológico descrevendo a presença de atipias da mucosa bucal. (C) ser um local de planejamento da atenção odontológica reabilitadora para que todos os indivíduos nas fases de pré e pós- tratamento oncológico sejam atendidos. (D) ser uma unidade que funcione como local de acolhimento em consonância com a Atenção Básica nas Unidades Básicas de Saúde. (E) ser uma unidade que funcione como centro de avaliação e diagnóstico das lesões prevalentes da mucosa bucal. 58 A Portaria n o 599/GM, de 23 de março de 2006, define a implantação de Centro de Especialidades Odontológicas (CEO), que são estabelecimentos de saúde com serviço especializado de Odontologia. Quanto ao tipo de prestador de serviço, podem ser credenciados (A) consórcios privados de saúde de qualquer natureza jurídica (B) serviços assistenciais de direito privado (C) consutórios odontológicos privados, com mais de 10 anos de atuação comprovada (D) Unidades de Saúde de natureza jurídica privada (E) universidades de qualquer natureza jurídica 59 Qual é o cisto que envolve, mais frequentemente, o terceiro molar inferior, com predileção em pacientes leucodermas do sexo masculino, com expansão indolor do osso na área envolvida, com área radiolúcida unilocular associada à coroa de um dente incluso e com margem bem definida? (A) Odontogênico calcificante (B) Odontogênico ortoceratinizado (C) Periapical residual (D) De erupção (E) Folicular 16

17 RASCUNHO 17

PORTARIA Nº 1.395, DE 10 DE DEZEMBRO DE 1999

PORTARIA Nº 1.395, DE 10 DE DEZEMBRO DE 1999 PORTARIA Nº 1.395, DE 10 DE DEZEMBRO DE 1999 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando a necessidade de o setor saúde dispor de uma política devidamente expressa relacionada

Leia mais

PLANO NACIONAL DE SAÚDE NO SISTEMA PENITENCIÁRIO

PLANO NACIONAL DE SAÚDE NO SISTEMA PENITENCIÁRIO MINISTÉRIO DA SAÚDE PLANO NACIONAL DE SAÚDE NO SISTEMA PENITENCIÁRIO 2.ª edição Brasília DF 2005 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas PLANO

Leia mais

GUIA DO DIREITO À SAÚDE

GUIA DO DIREITO À SAÚDE GUIA DO DIREITO À SAÚDE Sistema Público de Saúde (SUS), medicamentos e planos de saúde Abril/2006 ÍNDICE 1. Apresentação... 4 2. O sistema público de saúde... 5 2.1. Introdução... 5 2.2. Perguntas e respostas

Leia mais

O ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO POR PAULO FRANGE O ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO POR PAULO FRANGE

O ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO POR PAULO FRANGE O ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO POR PAULO FRANGE O ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO POR PAULO FRANGE - PÁGINA 1 - ÍNDICE Apresentação... 03 Bioética e Estatuto do Idoso... 05 LEI Nº 10.741, DE 1º DE OUTUBRO DE 2003... 10 TÍTULO I - Disposições Preliminares...

Leia mais

O SUS pode ser seu melhor plano de saúde

O SUS pode ser seu melhor plano de saúde O SUS pode ser seu melhor plano de saúde Organizadores Andrea Salazar Karina Grou Rodrigues Lynn Silver Mário Scheffer Agradecimentos Gilson Carvalho Ligia Bahia Silvia Vignola Diagramação José Humberto

Leia mais

Grupo Técnico da Comissão Intergestores Tripartite Diretrizes para Organização das Redes de Atenção à Saúde do SUS

Grupo Técnico da Comissão Intergestores Tripartite Diretrizes para Organização das Redes de Atenção à Saúde do SUS Grupo Técnico da Comissão Intergestores Tripartite Diretrizes para Organização das Redes de Atenção à Saúde do SUS Versão/dezembro 2010 Proposta De Documento (Versão Final para Análise) 1 SUMÁRIO GRUPO

Leia mais

Avanços das Políticas Públicas para as Pessoas com Deficiência

Avanços das Políticas Públicas para as Pessoas com Deficiência Avanços das Políticas Públicas para as Pessoas com Deficiência Uma análise a partir das Conferências Nacionais DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos

Leia mais

O SUS pode ser seu melhor plano de saúde. Terceira Edição

O SUS pode ser seu melhor plano de saúde. Terceira Edição O SUS pode ser seu melhor plano de saúde Terceira Edição O SUS pode ser seu melhor plano de saúde São Paulo - Brasil 2006 O SUS PODE SER SEU MELHOR PLANO DE SAÚDE Organizadores: Andrea Salazar, Karina

Leia mais

saúde cidadão Um guia de informações sobre serviços públicos para a pessoa idosa

saúde cidadão Um guia de informações sobre serviços públicos para a pessoa idosa saúde cidadão Um guia de informações sobre serviços públicos para a pessoa idosa saúde cidadão Guia de Informações sobre serviços públicos - pessoa idosa - IDEALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO Anna Trotta Yaryd ELABORAÇÃO

Leia mais

SAÚDE DA MULHER Um diálogo aberto e participativo

SAÚDE DA MULHER Um diálogo aberto e participativo MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Apoio à Gestão Participativa SAÚDE DA MULHER Um diálogo aberto e participativo Série B. Textos Básicos de Saúde Brasília

Leia mais

Carlos Henrique. Thiago de Mello

Carlos Henrique. Thiago de Mello Carlos Henrique Thiago de Mello Zilda Arns Neumann última conferência, Haiti, 2010 Carlos Henrique Os Estados Partes são instados a desenvolver estratégias baseadas em direitos, coordenadas e multissetoriais,

Leia mais

AS DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NO CUIDADO À SAÚDE DO DEPENDENTE QUÍMICO

AS DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NO CUIDADO À SAÚDE DO DEPENDENTE QUÍMICO Universidade Estácio de Sá Programa de Pós-Graduação em Saúde da Família MESTRADO EM SAÚDE DA FAMÍLIA JANE DO SOCORRO PANTOJA DAUMAS AS DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NO CUIDADO

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PARA COMITÊS DE ÉTICA EM PESQUISA

MANUAL OPERACIONAL PARA COMITÊS DE ÉTICA EM PESQUISA Série CNS Cadernos Técnicos MANUAL OPERACIONAL PARA COMITÊS DE ÉTICA EM PESQUISA a)em pesquisas envolvendo crianças e adolescentes, portadores de perturbação ou doença mental e sujeitos em situação de

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos.

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Plano Nacional de Educação. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Art. 2º A partir da vigência desta Lei,

Leia mais

Manual de Perícia Oficial em Saúde do Servidor Público Federal

Manual de Perícia Oficial em Saúde do Servidor Público Federal Manual de Perícia Oficial em Saúde do Servidor Público Federal Manual de Perícia Oficial em Saúde do Servidor Público Federal MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Brasília 2010 Presidente da

Leia mais

Institui o Estatuto do Portador de Deficiência e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Institui o Estatuto do Portador de Deficiência e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Institui o Estatuto do Portador de Deficiência e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: LIVRO I PARTE GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído o Estatuto da Pessoa

Leia mais

CADA CASO É UM CASO A VOZ DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE ABRIGAMENTO

CADA CASO É UM CASO A VOZ DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE ABRIGAMENTO CADA CASO É UM CASO A VOZ DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE ABRIGAMENTO CADA CASO É UM CASO A VOZ DAS CRIANÇAS E DOS ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL SDH Secretaria de Direitos Humanos

Leia mais

UM GUIA PRÁTICO PARA CONHECER E GARANTIR SEUS DIREITOS

UM GUIA PRÁTICO PARA CONHECER E GARANTIR SEUS DIREITOS MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO UM GUIA PRÁTICO PARA CONHECER E GARANTIR SEUS DIREITOS ADELMO PINHO LENISE PATROCINIO PIRES CECILIO MARCELO SORRENTINO NEIRA DÓRIO SAMPAIO DIAS FABIANO PAVAN SEVERIANO

Leia mais

DIREITOS E OBRIGAÇÕES LEGAIS NA HEPATITE C

DIREITOS E OBRIGAÇÕES LEGAIS NA HEPATITE C DIREITOS E OBRIGAÇÕES LEGAIS NA HEPATITE C Nesta cartilha, você vai encontrar respostas para situações encontradas no seu dia-a-dia, com a família e amigos, no local de trabalho, no atendimento médico

Leia mais

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº.001/2015

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº.001/2015 A PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA, Estado de Pernambuco, com fundamento legal no inciso II, do artigo 37 da Constituição Federal, torna pública a abertura das inscrições e a realização do Concurso Público

Leia mais

Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica

Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária

Leia mais

VOLUME 1 DIRETRIZES OPERACIONAIS. Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão

VOLUME 1 DIRETRIZES OPERACIONAIS. Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão VOLUME 1 DIRETRIZES OPERACIONAIS Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão S É R I E PACTOS PELA SAÚDE 2006 VOLUME 1 DIRETRIZES OPERACIONAIS Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão Documento

Leia mais

21 T atendimento@consulplan.com / www.consulplan.net

21 T atendimento@consulplan.com / www.consulplan.net DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS DE PORTO ALEGRE DMAE EDIITAL Nºº.. 8//2011 INSTRUÇÕES 01 - Material a ser utilizado: caneta esferográfica azul ou preta. Os objetos restantes devem ser colocados

Leia mais

MEDICAMENTO. um direito essencial

MEDICAMENTO. um direito essencial MEDICAMENTO um direito essencial Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP) Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Secretaria de Educação Fundamental Iara Glória Areias Prado Departamento de Política da Educação Fundamental Virgínia

Leia mais

Estatuto da Pessoa com Deficiência

Estatuto da Pessoa com Deficiência 2013 Estatuto da Pessoa com Deficiência Sumário Estatuto da Pessoa com Deficiência 02 Relatório 36 1 LIVRO I PARTE GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTES E VIOLÊNCIAS

POLÍTICA NACIONAL DE REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTES E VIOLÊNCIAS MINISTÉRIO DA SAÚDE POLÍTICA NACIONAL DE REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTES E VIOLÊNCIAS PORTARIA GM/MS Nº 737 DE 16/05/01 PUBLICADA NO DOU Nº 96 SEÇÃO 1e DE 18/05/01 PUBLICADA NO DOU Nº 96 SEÇÃO

Leia mais

Página 3 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS. 4ª edição revista e ampliada. Página 4 DIREITOS RESERVADOS:

Página 3 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS. 4ª edição revista e ampliada. Página 4 DIREITOS RESERVADOS: Página 3 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS 4ª edição revista e ampliada Página 4 DIREITOS RESERVADOS: FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS HIGS 707 Bloco R, CASA 54. 70.351-718 Brasília - DF Fone:

Leia mais

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva.

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Brasil da Fonseca Viegas, Selma Maria; de Mattos Penna, Cláudia Maria O SUS é

Leia mais