O que Fazem Afinal os Pesquisadores que Praticam Grounded Theory?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que Fazem Afinal os Pesquisadores que Praticam Grounded Theory?"

Transcrição

1 O que Fazem Afinal os Pesquisadores que Praticam Grounded Theory? Autoria: Artur Eugênio Jacobus, Yeda Swirski de Souza, Cláudia Cristina Bitencourt Resumo A grounded theory (GT) é uma abordagem metodológica que se desenvolveu nos últimos 45 anos nas ciências sociais, inclusive no campo da administração. Desde sua origem, a GT tem sido objeto de debates acerca de suas proposições básicas e de suas prescrições. No presente estudo, procedeu-se à análise de 45 artigos que utilizaram a GT e foram publicados em periódicos internacionais da área da administração. O estudo revela que não há uma grounded theory unívoca, mas um conceito prototípico que se realiza de formas ligeiramente diferentes, ainda que mantenha uma essência que justifica o uso de uma mesma denominação.

2 Introdução Quem está habituado a ler artigos acadêmicos na área da administração provavelmente já deve ter lido algum texto cujo autor afirma utilizar a abordagem metodológica denominada grounded theory. Essa metodologia, que costuma ser referida pelos pesquisadores brasileiros sem traduzi-la para o português, surgiu há mais de 40 anos na área da saúde e, aos poucos, floresceu em muitos galhos da copada árvore das ciências sociais. Quando se observa mais detalhadamente a área da administração, percebe-se que a grounded theory tem espaço bastante limitado em alguns periódicos com alto índice de impacto, como o Strategic Management Journal, que, após 2000, tem apenas um artigo cujo resumo faz referência a essa abordagem metodológica. Não é de se estranhar essa quase ausência, considerando que este é um exemplo de publicação que prioriza artigos que se valem de métodos quantitativos de investigação. Por outro lado, uma pesquisa mais abrangente nas bases de dados internacionais, como a EBSCO, revela uma plêiade de artigos na grande área da administração que mencionam a utilização da grounded theory. Entre esses periódicos, encontram-se alguns com alto índice de impacto, como Organization Science, MIS Quarterly ou Academy of Management Journal. Portanto, a grounded theory apresentase como uma opção metodológica para quem deseja realizar investigações na área dos estudos organizacionais e, ainda mais genericamente, no campo maior da administração. Desde sua proposição inicial, em livro seminal de 1967 The Discovery of Grounded Theory: Strategies for Qualitative Research, de Barney Glaser e Anselm Strauss, a grounded theory foi aplicada num grande número de artigos e teses de doutorado. Uma leitura dinâmica de artigos que se valem da grounded theory como abordagem metodológica permite que se percebam diferenças bastante expressivas, abrigadas sob uma denominação comum. Mas não foi apenas na aplicação que essa abordagem metodológica movimentou-se ao longo dos últimos anos: como se verá mais adiante neste artigo, a teorização que subjaz à metodologia continuou viva, dando lugar a divergências entre Glaser e Strauss, bem como a contribuições de diversos outros autores, entre os quais se destacam Charmaz (2006) e Corbin que, em edição mais recente (2008) do livro Basics of Qualitative Research: Techniques and Procedures for Developing Grounded Theory, escrito em parceria com Strauss e publicado pela primeira vez em 1990, manifesta um afastamento em relação a alguns conceitos de seu coautor, falecido em A semântica e a pragmática nos ensinam que as palavras podem carregar múltiplos sentidos e significados, dependendo do momento, do lugar e de quem as pronuncia. Assim, os breves indícios que se trouxe até aqui já são suficientes para colocar em questão a uniformidade dos conceitos e das aplicações abrigados sob a denominação da grounded theory : Substancialmente, quais são as diferenças entre as concepções de autores como Glaser, Strauss, Corbin e Charmaz? Para além dessas diferenças, existe ainda um nível de convergência que garante um mínimo grau de estabilidade ao conceito de grounded theory? As aplicações da grounded theory nos estudos organizacionais e sobre administração refletem as diferenças conceituais? Existe coerência entre as práticas metodológicas e os preceitos vinculados à grounded theory? Além dessas, outras perguntas são pertinentes para quem se interessa em saber como se dá a aplicação dessa metodologia: Para que tipos de problemas a grounded theory está sendo empregada? Quais as justificativas dos autores para sua utilização? Essas são algumas das legítimas perguntas que se pode fazer face a um cenário que está longe de ser homogêneo. Este artigo tem o propósito de buscar respostas para esse conjunto de questionamentos. Primeiramente, será apresentado um sucinto histórico da origem e desenvolvimento da grounded theory, comparando suas diferentes abordagens a fim de identificar convergências e sistematizar suas divergências. Após a apresentação dos 2

3 procedimentos metodológicos, faz-se um mergulho na produção acadêmica contemporânea para tentar alcançar uma compreensão mais abrangente de como a grounded theory tem sido aplicada nos estudos abrigados na grande área da administração. Por fim, apresentam-se as conclusões a que se chegou ao longo dessa jornada investigativa. Grounded Theory : origem e desenvolvimento Quando uma nova abordagem metodológica é proposta e ganha crescente número de praticantes, é sinal de que ela consegue atender a um conjunto de necessidades, latentes ou explícitas, de uma parte da comunidade científica. A grounded theory veio ao mundo em 1967, no livro The Discovery of Grounded Theory: Strategies for Qualitative Research, de Barney Glaser e Anselm Strauss. Naquela época, a pesquisa qualitativa, de forma acelerada, perdia terreno nos meios acadêmicos, mesmo nas ciências sociais (Charmaz, 2006; Bryant e Charmaz, 2007). A prática de pesquisa qualitativa realizada nos estudos sociológicos no âmbito da Escola de Chicago era considerada pouco sistemática, não resultando na apresentação integrada de teorias. Como nos revelam os próprios Glaser e Strauss (1967), os procedimentos metodológicos adotados na pesquisa qualitativa costumavam não atender aos requisitos aplicados à pesquisa quantitativa, que, naquela época, havia se tornado o paradigma metodológico das universidades e centros de pesquisa dos Estados Unidos. Conforme Charmaz (2006, loc. 272), nos anos 60, os pesquisadores com orientação metodológica quantitativa viam a pesquisa qualitativa como sendo impressionista, anedótica, assistemática e tendenciosa. Faltavam-lhe propriedades consideradas importantes sob a perspectiva do dominante paradigma positivista: observação rigorosa, reprodutibilidade dos experimentos, dedução lógica de hipóteses, confirmação de evidências. Glaser e Strauss foram educados, respectivamente, sob dois paradigmas contrários: o mais interpretativista da Escola de Chicago e o claramente positivista da Columbia University. Porém, os dois sociólogos norte-americanos estavam descontentes com as alternativas metodológicas bipolares que se apresentavam naquela época, pois entendiam que as duas tradições compartilhavam a mesma limitação: não integravam teoria e pesquisa empírica. Para Glaser e Strauss (1967, p. vii), a tradição da pesquisa quantitativa tinha alcançado êxito na resposta ao desafio de testar teorias, com gradual aperfeiçoamento da metodologia de verificação, permanecendo, todavia, uma inércia quanto ao desenvolvimento da capacidade de produzir teoria a partir das pesquisas. A superação dessa lacuna não poderia vir, conforme os autores, com a fiel obediência a princípios vinculados a uma metodologia cujo enfoque é a verificação e não a criação de teorias. Uma nova alternativa precisava ser criada, e a grounded theory foi apresentada como um inovador conjunto de princípios, capaz de guiar os pesquisadores, especialmente no vasto campo das ciências sociais, a aproximarem teoria e pesquisa empírica e, ainda mais ousadamente, a gerarem novas teorias a partir da pesquisa teorias sustentadas e nutridas pelos dados das pesquisas empíricas. A proposição da grounded theory não representava, para Glaser e Strauss (1967, p. 3), o rompimento com a tradição verificadora da pesquisa quantitativa, mas a apresentação de uma nova metodologia, que poderia dialogar com as estratégias cujo enfoque era o teste de teorias. Pode-se, portanto, afirmar que a grounded theory, por aqueles que a conceberam, não vinha substituir um paradigma, mas preencher uma lacuna, dialogando com paradigmas já existentes. Os autores são explícitos em sua proposta de diálogo entre o tradicional e o novo: A teoria deveria fornecer claras e suficientes categorias e hipóteses, de forma que aquelas consideradas cruciais pudessem ser verificadas em pesquisas atuais e futuras; elas devem ser claras de forma a serem facilmente operacionalizadas em estudos quantitativos quando estes forem apropriados. (Glaser e Strauss, idem, ibidem) 3

4 Uma atenta leitura do livro fundador da grounded theory também revela ser improcedente a afirmação de que a metodologia proposta por Glaser e Strauss é de ordem qualitativa, opondo-se às pesquisas quantitativas. Para os autores, tanto os métodos quantitativos quanto os qualitativos podem ser úteis, seja para testar, seja produzir teoria. Há ocasiões, inclusive, em que ambos os métodos devem ser empregados, um complementando o outro (Glaser e Strauss, 1967, p. 18). Essa concepção é compartilhada, por exemplo, por Shah e Corley (2006). Apesar de sua visão conciliadora entre as abordagens quantitativa e qualitativa, Glaser e Strauss acabam dando mais atenção a esta última, entre outras razões, porque os elementos cruciais das teorias sociológicas frequentemente são mais bem revelados à luz de um método qualitativo que colha dados sobre as condições estruturais, consequências, desvios, normas, processos, padrões e sistemas (Glaser e Strauss, idem, ibidem). A abordagem metodológica oferecida pela grounded theory também não foi vista por seus fundadores como uma solução para todas as questões de pesquisa. Na verdade, como acentuam Shah e Corley (2006, p. 1827), a grounded theory é mais indicada para a construção teórica que responda a questões de pesquisa que exploram novas áreas, buscam revelar processos, entender fenômenos que são pouco compreendidos, tentar entender variáveis não especificadas ou ligações mal estruturadas ou examinar variáveis que não podem ser examinadas por meio da experimentação. Glaser e Strauss (1967) destacam algumas das propriedades que deveriam estar presentes nas investigações que buscassem ser, no âmbito das ciências sociais, geradoras de novas teorias. A primeira delas é o envolvimento simultâneo na coleta e análise de dados, que rompe com a tradição da sequencialidade entre essas duas etapas. Outra característica é a construção de códigos e categorias analíticos a partir dos dados e não de hipóteses deduzidas logicamente de forma apriorística (conforme Charmaz, 2006, loc. 286). Glaser e Strauss também propõem o emprego constante do método comparativo, em todas as etapas da análise. Por sua vez, o desenvolvimento da teoria não acontece como uma culminância dos estágios anteriores, devendo ser uma construção gradual, que ocorre durante cada etapa da coleta e análise dos dados. Outro procedimento recomendado pelos autores é elaboração de notas ( memos ) ao longo do processo de coleta e análise dos dados, nas quais o pesquisador elabora categorias, especifica suas propriedades, define relações entre categorias e identifica lacunas (Charmaz, idem, ibidem). A amostragem teórica é também uma propriedade característica da grounded theory : os sujeitos da pesquisa, por exemplo, não são selecionados com vistas à sua representatividade frente ao conjunto da população estudada, mas em função de sua contribuição para o desenvolvimento da teoria. Dessa forma, a definição da amostragem acaba não se restringindo a uma fase inicial da pesquisa, como aconteceria numa survey, por exemplo, mas seria um processo sob contínua reavaliação, à medida que novos dados são coletados e analisados, e a teoria vai ganhando forma. Vinculado ao conceito de amostragem teórica está o de saturação teórica, que se verificaria quando o pesquisador, na análise dos dados, não encontra novos elementos que lhe permitam desenvolver as propriedades das categorias (Glaser e Strauss, 1967, p. 61). Por último, a mais polêmica das propriedades da metodologia proposta por Glaser e Strauss é a posição da etapa da revisão de literatura no conjunto de estágios que compõem a pesquisa: contrariando uma longa tradição, os autores sugerem que ela somente se efetive depois que tiver sido desenvolvida uma análise independente. Esse conjunto de propriedades fez com que a grounded theory, apesar de sua abertura para o diálogo com a tradição metodológica quantitativa e centrada na verificação de teorias, representasse a quebra de vários paradigmas e servisse como uma forma de conferir maior credibilidade às pesquisas qualitativas. Afinal, adotado o conjunto de procedimentos propostos, a investigação qualitativa estaria em condições de ir além de meros estudos 4

5 descritivos, ingressando no território dos frameworks teóricos explanatórios, capazes de fornecer entendimentos abstratos e conceituais dos fenômenos estudados (Charmaz, 2006, loc. 296). Em grande parte, os princípios fundamentais da grounded theory, tal como propostos no The Discovery of Grounded Theory, em 1967, foram aplicados e se mantiveram estáveis ao longo dos mais de 40 anos desde sua fundação. Porém, progressivamente, começaram a surgir questionamentos sobre alguns aspectos em particular e mesmo algumas dissidências. A primeira polêmica que cabe destacar diz respeito ao caráter eclético dos fundamentos da grounded theory, o que, por um lado, abriu espaço para elementos interpretativistas, especialmente pela valorização do discurso e da compreensão dos fatos sociais pelos sujeitos que os vivem, mas por outro, e paradoxalmente, aproximou essa abordagem metodológica de alguns princípios positivistas, como a busca de maior sistematização na coleta e análise dos dados. A esse respeito, Charmaz (2006, loc. 370) afirma que, apesar de sua raiz interpretativista, a grounded theory, ironicamente, passou a ganhar, nos anos 90, o respeito de pesquisadores com orientação positivista, parte dos quais, inclusive, começaram a incorporar alguns de seus procedimentos em suas investigações. Corbin (em Corbin e Strauss, 2008), por sua vez, reconhece que aconteceu uma natural evolução do método, com diferentes tentativas de modernizá-lo, de aproximá-lo do pensamento contemporâneo. Não se vai aqui fazer um relato histórico desses debates, mas apresentar alguns dos principais pontos de discussão, surgidos com o desenvolvimento da grounded theory. Uma relevante divergência aparece na discussão entre Charmaz (2000) e Glaser (2002). Charmaz procura adaptar a grounded theory a uma concepção construtivista, o que implica considerar a percepção do próprio investigador como integrante daquilo que é observado e coloca em questão o esforço de abstração que caracteriza os métodos analíticos propostos por Glaser e Strauss (1967). Glaser (2002), porém, entende que as diferentes perspectivas sobre os fatos sociais que cada pesquisador manifesta na sua atividade investigativa devem ser abarcadas pelo esforço de abstração conceitual em busca da geração de explicações teóricas que se originam dos dados, mas os transcendem. De qualquer maneira, identifica-se aqui uma divergência de fundo, pois a perspectiva adotada por Charmaz conduz a uma relativização do resultado do esforço analítico empreendido pelo pesquisador e questiona a possibilidade de que a grounded theory possa produzir teorias testáveis por formas objetivas de verificação. Alguns autores identificam que os fundadores da grounded theory acabaram seguindo caminhos distintos em relação à sua proposta original. Para Goulding (2001, p. 30), Glaser passou a enfatizar o caráter emergente da teoria, ao passo que Strauss, junto com Corbin, colocou em primeiro plano a força da teoria a ser gerada. Conforme essa análise, a ênfase de Glaser teria se dirigido para o processo criativo e a necessidade de que o pesquisador se aprofunde nos dados a fim de fazer com que a teoria deles emerja. Já Strauss e Corbin teriam dado maior atenção ao desenvolvimento de um sistema altamente complexo de codificação, delineado para conduzir o pesquisador ao longo das diversas fases da pesquisa. Na análise de Goulding, ambas as perspectivas podem conduzir a problemas: ou do excessivo risco que pode correr o pesquisador que mergulha nos dados e se entrega a um processo criativo, ou do mecanicismo metodológico que justamente coloca em perigo a criatividade. Outro ponto de dissenso diz respeito ao papel e à posição da revisão da literatura ao longo do processo de investigação. Na verdade, Glaser e Strauss (1967) são ambivalentes em suas recomendações sobre a incorporação do conhecimento teórico prévio no esforço de investigação. Em determinado momento, aconselham, como estratégia, ignorar a literatura sobre o tema que está sendo pesquisado a fim de assegurar que a emergência de categorias 5

6 não seja contaminada por conceitos que seriam mais adequados em outras áreas, deixando que as similaridades e convergências com a literatura sejam estabelecidas somente depois que o núcleo analítico de categorias tenha emergido (idem, p. 37). Porém, em outro momento (idem, p. 253), os fundadores da grounded theory afirmam não existir uma fórmula pronta em relação a essa questão, sugerindo que cada pesquisador experimente qual estilo de trabalho funciona melhor para si, admitindo que é possível haver, desde o início do processo investigativo, um diálogo entre literatura e dados. Apesar de não esconderem sua preferência, Glaser e Strauss não são dogmáticos em relação ao papel da revisão de literatura. Há, porém, autores que acentuam as vantagens, no processo de geração de teoria, da suspensão do conhecimento teórico prévio antes do mergulho nos dados. Henwood e Pidgeon (1992, p. 104), por exemplo, consideram que essa suspensão confere maior liberdade e criatividade ao pesquisador, essenciais para o esforço de geração de nova teoria. Deixando de lado qualquer lente teórica precisa, que auxiliaria a estruturar o caos dos dados, o pesquisador começaria seu trabalho com lentes conceituais desfocadas, mas seu esforço de aprofundamento analítico faria com que as lentes se tornassem cada vez mais focadas contudo, a perspectiva do olhar seria outra, nova, ainda que tivesse propriedades comuns com as lentes conceituais preexistentes. Essa entrega quase absoluta aos dados, de forma desapaixonada, é questionada por Fendt e Sachs (2008), para quem a motivação para a pesquisa acerca de um determinado problema é normalmente desenvolvida a partir das leituras e experiências prévias do pesquisador, normalmente plenas de entusiasmo e curiosidade. Para Suddaby (2006, p. 634), não passa de um equívoco acreditar que seja possível iniciar uma pesquisa com a mente em branco ou, mais modestamente, que se deixe para fazer uma revisão de literatura apenas após ter analisado os dados empíricos. Cabe destacar também o conflito básico entre flexibilidade e rigidez, que tem caracterizado a discussão contemporânea acerca da grounded theory. Conforme Suddaby (2006, p. 638), essa disputa entre puristas e pragmáticos estaria sendo travada entre aqueles que escrevem sobre essa abordagem metodológica e aqueles que a empregam em suas pesquisas. Fendt e Sachs (2008) estão entre aqueles que propõem a adoção de uma abordagem mais pragmática da grounded theory. Além de questionarem o que eles classificam como dogma irrealista da entrega desapaixonada aos dados, consideram igualmente equivocada a prática da revisão da lógica e coerência da codificação dos dados por um acadêmico não envolvido na pesquisa. A esse respeito, fazem a seguinte pergunta retórica: Como pode alguém que não estava lá quando as palavras foram pronunciadas fazer um juízo razoável sobre se a linha da entrevista transcrita estava corretamente resumida num determinado código? (Fend e Sachs, 2008, p. 440). Os mesmos autores também lançam um olhar crítico sobre as prescrições metodológicas acerca do processo de codificação, presentes especialmente nas orientações de Corbin e Strauss (1990). Para Fend e Sachs (2008, p. 447), as rígidas formas de codificação propostas não são capazes de produzir melhores resultados do que fariam abstrações mais flexíveis. Argumentam que, ao contrário, o rigoroso exercício de análise tende a amortecer a agudeza da percepção e suprimir o uso das capacidades naturais dos pesquisadores na condução de seus estudos. Essa rápida incursão na história da grounded theory e nas discussões contemporâneas sobre essa abordagem metodológica revela, ao mesmo tempo, seu caráter inovador e sua reafirmada relevância para a produção científica no âmbito das ciências sociais, assim como exibe o natural movimento de cristalização de alguns conceitos e a flexibilização de outros. Procedimentos metodológicos Para se alcançar uma compreensão mais abrangente de como a grounded theory está sendo aplicada nos estudos na área da administração, constituiu-se um corpus com 45 artigos 6

7 com relatos de pesquisas empíricas em que essa metodologia foi empregada. Esses artigos foram selecionados a partir de uma consulta à base de dados Business Source Complete, que integra a plataforma EBSCOhost. O critério para pesquisa na base de dados foi simples: buscaram-se artigos que tivessem a grounded theory em seu abstract. Não se fez restrição quanto ao índice de impacto das publicações, pois se desejava alcançar uma visão mais ampla da produção científica que faz uso dessa metodologia, sem o filtro dos critérios editoriais dos principais periódicos científicos, alguns dos quais simplesmente não abrem espaço para estudos qualitativos. Foram descartados os artigos que não apresentavam relato de estudos empíricos ou que não tratassem de tema abarcado na grande área da administração. Desse levantamento, chegou-se ao saldo final de 45 artigos, publicados entre 1995 e Destes, cinco foram publicados até 1999 e os demais 40 a partir de 2000, sendo 24 deles nos últimos cinco anos. Há certo equilíbrio na distribuição dos artigos por periódico: quatro são do Administrative Science Quarterly, três são da Organization Science, dois do Academy of Management Journal, dois do British Journal of Management, dois do Journal of Management Studies, dois do Management Decision, dois do Journal of Business Ethics e dois do Strategic Management Journal. Os demais periódicos contribuíram com apenas um artigo. O espectro editorial é bem amplo, indo desde periódicos de alto índice de impacto e abordagem abrangente, como o Management Science, até revistas mais especializadas, como o International Journal of Operations & Production Management ou The Leadership Quarterly. A aplicação da grounded theory, nos 45 artigos estudados, abrange temas dos mais diversos, entre os quais se destacam a inovação, liderança, comportamento organizacional, tomada de decisão, marketing; ética nos negócios, identidade organizacional, mudança organizacional e relações interorganizacionais. Como se pode observar no quadro 1, abaixo, também há quem empregue a grounded theory para tratar de outros temas, como operações offshoring (Levina e Vaast, 2008) ou empreendedorismo (Ahlstrom e Bruton, 2010). Quadro 1 - Distribuições dos artigos por temática Temática Autores aprendizagem organizacional Zietsma et al (2002) competências organizacionais Cao e Dupuis (2009) comportamento organizacional desenvolvimento de produto Burchill e Fine (1997) empreendedorismo Ahlstrom e Bruton (2010) ERP Dowlatshahi (2005) Bacharach et al (2000), Collins (1995), Cooper e Kurland (2002), Halme (2002), Henning (2008), Margolis e Molinsky (2008), Michel (2007) ética nos negócios Bhal e Leekha (2007), Garriga (2009) gestão da informação Barker (1998) gestão de projetos Kendra e Taplin (2004) gestão do conhecimento Kangas (2009) gestão estratégica Kiridena et al (2009) identidade organizacional Clark et al (2010), Gioia et al (2010) Andriopoulos e Lowe (2000), Campos et al (2009), inovação Carrero et al (2000), Dougherty (2004), Johnson (2007), Wang et al (2011) liderança Graebner (2004), Jones e Kriflik (2006), Kan e Parry (2004), Martin (2010) marketing Ashill et al (2003), Haslam (1997), Hofmann et al (2009) 7

8 mudança estratégica Davies (2007) mudança organizacional Bamford (2008), Volkoff et al (2007) offshoring Levina e Vaast (2008) relações interorganizacionais Autio et al (2004), Binder e Clegg (2007), Browning et al (1995), Fuller e Lewis (2002), Shaffer e Hillman (2000) tomada de decisão Douglas (2006), Heugens et al (2004), Manuj e Sahin (2011) O diverso panorama temático sintetizado o quadro 1 confirma o que já diziam Charmaz (2006), Shah e Corley (2006) e Suddaby (2006) a respeito do emprego disseminado da grounded theory nos estudos organizacionais e de gestão. Grounded Theory aplicada à área da administração: diversidade e contradições O exame de cada um desses artigos começou por um olhar mais minucioso sobre a explicitação ou não dos motivos que levaram os autores a empregar a grounded theory. Na maioria dos artigos, há uma justificativa explícita para o uso dessa abordagem metodológica. Bamford (2008, p. 112), por exemplo, afirma ter buscado uma metodologia que não resultasse em teorias triviais e que fosse estruturada para gerar e não para testar teorias, recaindo sua opção sobre a grounded theory. Porém, diversos autores da amostra de artigos justificaram sua escolha pelo fato de que a metodologia desenvolvida por Glaser e Strauss ser particularmente adequada em áreas em que o desenvolvimento teórico ainda é muito limitado ou inexistente e o fenômeno social a ser estudado tem maior complexidade (Shaffer e Hillman, 2000; Johnson, 2007; Graebner, 2004; Garriga, 2009; Cao e Dupuis, 2009, entre outros), o que vai ao encontro da proposta original de Glaser e Strauss (1967). Alguns pesquisadores, como Manuj e Sahin (2011) e Kiridena et al (2009) destacam o rigor desse método qualitativo quanto à coleta, análise dos dados e consequente geração de teoria. Outra linha de argumentação presente em alguns artigos diz respeito à natureza do fenômeno a ser estudado, altamente determinado pelo contexto organizacional em que ele está inserido, o que exige uma abordagem metodológica sensível às percepções dos sujeitos que vivem esse fenômeno (Kan e Parry, 2004; Jones e Kriflik, 2006; entre outros). A leitura desse conjunto de artigos reforça a percepção de que autores que abrem mão de empregar métodos quantitativos em suas investigações acabam preocupando-se, em geral, mais do que os outros com a apresentação de justificativas para a utilização de metodologias qualitativas, o que não surpreende considerando o fato de que esse caminho não é o mais comum em várias áreas dos estudos organizacionais ou sobre gestão. A preocupação com a confiabilidade das análises é explícita na maioria dos artigos analisados. A fim de diminuir o risco de tendenciosidade das informações, em 29 dos 45 artigos, há referência direta ou indireta à triangulação de dados. O recurso mais usado é a utilização de dois ou mais métodos de coleta de dados. Predominam as entrevistas semiestruturadas, muitas vezes acompanhadas de observação participante ou de consulta a dados de arquivos. Por exemplo, Bamford (2008, p. 115) entendeu que não era suficiente apenas entrevistar os gestores a respeito do processo de mudança nas duas empresas estudadas, procurando incluir pessoas em diferentes níveis hierárquicos das organizações, bem como despender longos períodos de observação participante nos escritórios e no chão de fábrica. Assim, entendia que conseguiria alcançar uma compreensão multidimensional dos processos de gestão da mudança nas empresas pesquisadas. Já Clark et al (2010) procuraram ir adiante: além de contar com três formas de coleta de dados entrevistas semiestruturadas, observação participante e dados de arquivo, recorreram a codificadores externos para se 8

9 assegurarem de que tinham feito uma adequada codificação dos dados. Procedimentos similares foram adotados, entre outros, por Gioia et al (2010) e Martin (2010). Se a preocupação com o rigor metodológico se manifesta pelo uso de múltiplas formas de triangulação e pelo recurso à validação das codificações por terceiros, não se percebe, na maioria dos artigos, igual empenho para detalhar o processo de codificação e análise dos dados. Percepção similar já havia sido expressa por Suddaby (2006, p. 640), que, em seu trabalho de editor de um periódico, deparou-se, inúmeras vezes, com manuscritos de autores que afirmam seguir os princípios da grounded theory, fazem breves citações a Glaser e Strauss, mas oferecem pouca ou nenhuma descrição de sua metodologia. De fato, inúmeros artigos dedicam alguns poucos parágrafos para informar, genericamente, os procedimentos utilizados, partindo logo em seguida para a apresentação de seus frameworks teóricos (entre outros, Ahlstrom e Bruton, 2010; Andriopoulos e Lowe, 2000). A prática comum à maioria dos autores é a de fazer referência a alguns procedimentos metodológicos característicos da grounded theory, sem explicitar como eles de fato foram empregados na sua própria pesquisa. Assim, é comum haver uma definição comentada dos três tipos de codificação propostos por Corbin e Strauss (1990) codificação aberta, axial e seletiva, bem como referência à técnica de redação de anotações ( memos ) ao longo do processo de coleta de dados, ao processo de amostragem teórica e à aplicação do método de comparação constante. Há, porém, algumas notáveis exceções. Por exemplo, Jones e Kriflik (2006, p. 161) relatam a necessidade de complementar seu trabalho de coleta de dados depois que perceberam que o primeiro trabalho de codificação mostrou resultados inconsistentes sobre a relação entre subordinados e líderes. Burchill e Fine (1997), por sua vez, detalham as diferentes fases do processo de codificação que seguiram em sua investigação. A regra geral, porém, é a de que os artigos dediquem breve espaço para citar algumas técnicas empregadas, sem descrever, com o esperado detalhamento, o processo específico adotado para conseguir partir da codificação até chegar à produção de nova contribuição teórica. Em geral, paira um mistério sobre como se deu efetivamente o trabalho indutivo de chegar dos dados à teoria. Quanto à adoção da comparação constante, ela é citada em quase todos os artigos analisados. Heugens et al (2004), por exemplo, estudando as ameaças à reputação organizacional, afirmam que fizeram uso constante de comparações entre os insights empíricos emergentes e sua teoria genérica da capacidade organizacional. A produção de um framework inicial permitiu que os autores fizessem aos respondentes questões mais focadas durante o período de coleta de dados, ao passo que os insights recebidos dos informantes lhes permitiram que seu framework fosse aplicado em materiais empíricos que eles estavam investigando. Esse círculo virtuoso de retroalimentação é característica comum aos artigos analisados, confirmando a adoção de procedimento que é quase definidor da grounded theory, mas que é estranho às metodologias que pressupõem uma relação linear e sequencial entre coleta e análise dos dados. Outro ponto que chama a atenção na análise dos 45 artigos diz respeito ao emprego de dados quantitativos. Vários autores apresentam a grounded theory como sendo uma abordagem metodológica qualitativa. Como se mostrou anteriormente, não é de se estranhar essa vinculação entre grounded theory a procedimentos qualitativos já que estes são apontados, por Glaser e Strauss (1967) e por Corbin e Strauss (1990), como sendo mais adequados para obter dados capazes de gerar novas teorias. Apesar disso, os proponentes da grounded theory até estimularam a integração de dados quantitativos e qualitativos, proposta à qual se somam Shah e Corley (2006). Esse apelo foi ouvido em quatro das pesquisas analisadas neste trabalho: Binder e Clegg (2007); Garriga (2009); Kan e Parry (2004) e Kangas (2009). Um exemplo é a estratégia adotada por Garriga (2009), em cujo estudo sobre a relação de empresas com redes de stakeholders, foram combinados dados qualitativos com dados quantitativos obtidos em uma survey. 9

10 Essa postura heterodoxa em relação à grounded theory é ainda mais acentuada quando se examina a relação entre revisão de literatura e as etapas de coleta e análise dos dados. Ainda que muitas vezes tenham aconselhado seus discípulos a revisarem a literatura apenas após terem realizado sua própria análise dos dados, os fundadores da grounded theory jamais estabeleceram essa sugestão como um dogma. E, de fato, o que se observa, nos artigos analisados, é a literatura existente funcionando como um ponto de partida para a formulação do problema de pesquisa. A regra geral é que os pesquisadores não se veem como Adão e Eva na história da ciência. Suas novas proposições dialogam com o que já foi produzido. Não costumam ser absolutamente inovadoras, mas pretendem avançar as teorias para novos campos, considerar novas perspectivas. Por essa razão, 44 dos 45 artigos apresentam, como de praxe, a revisão de literatura antes de tratar da coleta e análise dos dados. Percebe-se que, de alguma forma, concordam com Suddaby (2006, p. 635), quando este afirma que não há pretexto para se ignorar o conhecimento prévio e sugere que os praticantes da grounded theory busquem encontrar o ponto de equilíbrio entre uma visão que tem a carga do conhecimento teórico já produzido e um empiricismo livre de amarras. A única exceção no corpus é o artigo de Browning et al (1995), que, inclusive, chega a alertar seus leitores de que não vão encontrar em seu texto a estrutura padrão dos relatos de pesquisa. Ao contrário, apresenta primeiro os dados colhidos no campo e sua análise, para somente depois cotejar suas contribuições com a literatura existente sobre o tema. Sua justificativa para essa organização diferenciada é a reprodução, na estrutura de seu artigo, da sequência por ele seguida em seu estudo indutivo qualitativo. Mas, mesmo esse procedimento divergente em relação aos demais artigos de nosso corpus não pode ser vinculado a qualquer dogmatismo. Pode ser mais bem interpretado como manifestação da heterogeneidade de caminhos que uma concepção mais flexível da grounded theory permite percorrer. Cabe, por fim, falar em teoria, tomando por base uma observação sobre os resultados das pesquisas que foram objeto de análise neste trabalho. Glaser e Strauss (1967) não denominaram à toa sua proposta metodológica de grounded theory. A teoria está no seu nome. E a abordagem foi idealizada por esses autores não para testar teorias, mas para gerálas. Porém, uma análise de 45 artigos que dizem se valer da grounded theory, a partir de uma concepção mais restrita do que seja teoria, como defendem Sutton e Staw (1995), gera dúvidas sobre se o propósito original dessa abordagem metodológica está realmente sendo considerado por aqueles que a empregam. Essa constatação não deve, porém, nos surpreender, se considerarmos que Weick (1995) já dizia que, nos estudos organizacionais, raras são as teorias plenas e, normalmente, o que se chama de teoria são apenas aproximações. Se adotada a posição mais realista e menos exigente de Weick, será aceitável que as investigações produzam aproximações teóricas, que podem se manifestar, por exemplo, na forma de dados, listas de variáveis, diagramas e hipóteses. Sob essa perspectiva, pode-se conformar-se com o fato de que a quase totalidade dos artigos analisados não produzem teoria plena, mas aproximações teóricas. Essa aceitação, porém, ainda deixa margem a uma grande dúvida. A maioria dos artigos termina convidando outros pesquisadores a testarem empiricamente as propostas teóricas apresentadas. Se esse trabalho de verificação não tem sequência se o caminho percorrido pelas pesquisas termina com a contribuição de uma aproximação teórica eternamente à espera de ser testada, então pouca relevância o esforço investigativo individual tem no coletivo trabalho de produção do conhecimento científico. Cabe investigar se as trilhas iniciadas nas pesquisas que adotam a grounded theory estão se apagando rapidamente no meio da floresta da ciência ou estão progressivamente transformando-se em estradas percorridas por outros pesquisadores. 10

11 Conclusões Quando se deu início a esta jornada investigativa, não se tinha uma ideia muito segura do destino a que ela conduziria. Afinal, não se estava testando uma teoria, mas explorando o empírico campo da aplicação de uma abordagem metodológica que ainda parece nova, apesar de já ter cerca de 45 anos. Leituras anteriores haviam indicado que a grounded theory poderia ser um tema fascinante por se oferecer como alternativa mais sistemática de investigação qualitativa e por se propor a ser um caminho inovador para a produção teórica, especialmente no âmbito das ciências sociais. Ao mesmo tempo, sabia-se que a grounded theory não estava cristalizada na sua proposta original, que ela continuou viva por aqueles que a têm pensado e usado, dando origem a naturais divergências. O estudo das origens e do desenvolvimento dessa abordagem metodológica, e especialmente a verificação de sua utilização em artigos na área da administração, confirmou algumas ideias preconcebidas, desmentiu outras e produziu novas percepções. Ratificou-se a visão de que não há uma grounded theory objetivamente material e unívoca, mas um conceito prototípico que se realiza de formas ligeiramente diferentes, ainda que mantenha uma essência que justifica o uso de uma mesma denominação. Ainda assim, vale observar que foram identificados, na realidade dos artigos analisados, menos divergências do que se poderia esperar a partir das fortes discussões protagonizadas, por exemplo, por Charmaz e Glaser (2002). A análise dos artigos demonstrou a forte convergência em torno de conceitos como a amostragem e a saturação teóricas, bem como da comparação permanente. Não se encontrou, ao contrário do que se poderia prever a partir dos comentários de Suddaby (2006), um distanciamento em relação à literatura existente; ao contrário, faz-se presente um diálogo que é muito mais ativo do que se poderia esperar a partir das recomendações de Glaser e Strauss (1967). Perdura, porém, séria dúvida sobre a substancialidade da contribuição teórica realizada por muitos dos pesquisadores que têm se valido da grounded theory, o que demandaria novas investigações, que nos pudessem dizer se as sementes teóricas lançadas ao solo pelos estudos que se valem dessa metodologia têm germinado ou fenecido entre as pedras. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AHLSTROM, David; BRUTON, Garry D. Rapid Institutional Shifts and the Co-evolution of Entrepreneurial Firms in Transition Economies. Entrepreneurship: Theory & Practice, p , may ANDRIOPOULOS, Constantine; LOWE, Andy. Enhancing organisational creativity: the process of perpetual challenging. Management Decision, vol. 38, n. 10, p , ASHILL, Nicholas J.; FREDERIKSON, Mark; DAVIES, John. Strategic marketing planning: a grounded investigation. European Journal of Marketing, vol. 37, n. 3/4, p , AUTIO, Erkko; HAMERI, Ari-Pekka; VUOLA, Olli. A framework of industrial knowledge spillovers in big-science centers. Research Policy, vol. 33, p , BACHARACH, Samuel B.; BAMBERGER, Peter; McKINNEY, Valerie. Boundary Management Tactics and Logics of Action: The Case of Peer-Support Providers. Administrative Science Quarterly, vol.45 p ,

12 BAMFORD, David. The Use of Grounded Theory in Change Management Research. Journal of Change Management, vol. 8, n. 2, p , jun BARKER, Richard G. The market for information - evidence from finance directors, analysts and fund managers. Accounting and Business Research, vol. 29, n. 1, p. 3-20, winter BHAL, Kanika Tandon; LEEKHA, Nivedita D.Exploring Cognitive Moral Logics Using Grounded Theory: The Case of Software Piracy. Journal of Business Ethics, vol. 81, p , BINDER, Mario; CLEGG, Ben. Designing and managing collaborative enterprises in the automotive industry. International Journal of Logistics: Research and Applications, vol. 10, n. 2, p , jun BRECKENRIDGE, Jenna; JONES, Derek. Demystifying Theoretical Sampling in Grounded Theory Research. The Grounded Theory Review, vol.8, no.2, p , BROWNING, Larry D.; BEYER, Janice M.; SHETLER, Judy C. Building Cooperation in a Competitive Industry: Sematech and the Semiconductor Industry. Academy of Management Journal, vol.38, n. 1, p , feb BURCHILL, Gary Burchill; FINE, Charles H. Time Versus Market Orientation in Product Concept Development: Empirically-Based Theory Generation. Management Science, vol. 43, n. 4, apr BRYANT, Antony; CHARMAZ, Kathy. Grounded theory in historical perspective: an epistemological account. In: BRYANT, Antony; CHARMAZ, Kathy (Eds.). The SAGE handbook of grounded theory. London: Sage, p CAMPOS, Héctor Montiel et al. Technology Strategy and New Technology Based Firms. Journal of Technology Management & Innovation, vol. 4, p , CAO, L. L.; DUPUIS, M. Core competences, strategy and performance: the case of international retailers in China. The International Review of Retail, Distribution and Consumer Research, vol. 19, n. 4, p , sep CARRERO, Carrero; PEIRÓ, José M.; SALANOVA, Marisa. Studying radical organizational innovation through grounded theory. European Journal Of Work And Organizational Psychology, vol. 9, n.4, p , CHARMAZ, Kathy. Grounded Theory: Objectivist and Constructivist Methods. In: DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. (Eds.). Handbook of Qualitative Research. 2. ed. Thousand Oaks, USA: Sage, p Constructing Grounded Theory. London: Sage, CLARK, Shawn M. et al. Transitional Identity as a Facilitator of Organizational Identity Change during a Merger. Administrative Science Quarterly, vol. 55, p , sep

13 COLLINS, Denis. A Socio-Political Theory of Workplace Democracy: Class Conflict, Constituent Reactions and Organizational Outcomes at a Gainsharing Facility. Organization Science, vol. 6, n. 6, p , nov/dec COOPER, Cecily D.; KURLAND, Nancy B. Telecommuting, professional isolation, and employee development in public and private organizations. Journal of Organizational Behavior, vol. 23, p , CORBIN, Juliet; STRAUSS, Anselm. Grounded Theory Research: Procedures, Canons, and Evaluative Criteria. Qualitative Sociology, vol. 13, n. 1, p. 3-21, Basics of Qualitative Research: techniques and procedures for developing grounded theory. 3. ed. Thousand Oaks, USA: Sage, DAVIES, Iain A. The eras and participants of fair trade: an industry structure/stakeholder perspective on the growth of the fair trade industry. Corporate Governance, vol. 7, n. 4, p , DOUGHERTY, Deborah. Organizing practices in services: capturing practice-based knowledge for innovation. Strategic Organization, vol. 2, n. 1, p , DOUGLAS, David. Intransivities of managerial decisions: a grounded theory case. Management Decision, vol. 44, n. 2, p , DOWLATSHAHI, S. Strategic success factors in enterprise resource-planning design and implementation: a case-study approach. International Journal of Production Research, vol. 43, n.18, p , sep FENDT, Jacqueline; SACHS, Wladimir. Grounded Theory Method in Management Research: Users' Perspectives. Organizational Research Methods, vol. 11, n. 3, p , jul FULLER, T; LEWIS, J. Relationships Mean Everything ; A Typology of Small-Business Relationship Strategies in a Reflexive Context. British Journal of Management, vol.13, p , GARRIGA, Elisabet. Cooperation in Stakeholder Networks: Firms Tertius Iungens Role. Journal of Business Ethics, vol. 90, p , GIOIA, Dennis A. et al. Forging an Identity: An Insider-outsider Study of Processes Involved in the Formation of Organizational Identity. Administrative Science Quarterly, vol. 55, p. 1 46, GLASER, Barney G. Constructivist Grounded Theory? Forum Qualitative Social Research, vol. 3, n. 3, sep The Future of Grounded Theory. The Grounded Theory Review, vol. 9, n. 2, p.1-14, GLASER, Barney G.; STRAUSS, Anselm L. The Discovery of Grounded Theory: Strategies for Qualitative Research. New Brunswick (U.S.A.): Aldine Transaction,

14 GOULDING, Christina. Grounded Theory: A Magical Formula or a Potential Nightmare. The Marketing Review, vol. 2, p , GRAEBNER, Melissa E. Momentum And Serendipity: How Acquired Leaders Create Value In The Integration Of Technology Firms. Strategic Management Journal, vol. 25, p , HALME, Minna. Corporate Environmental Paradigms In Shift: Learning During The Course Of Action At UPM-Kymmene. Journal of Management Studies, vol. 39, n. 8, p , dec HASLAM, Simon. Personal Legitimising: a Perspective of Marketing Management. Journal of Marketing Management, vol.13, p , HENNING, Pamela Buckle. Self-Organized Patterns in the Workplace: Obstacles to Awareness. Systems Research and Behavioral Science, vol. 25, p , HEUGENS, Pursey P. M. A. R.; VAN RIEL, Cees B. M.; VAN DEN BOSCH, Frans A. J. Reputation Management Capabilities as Decision Rules. Journal of Management Studies, vol. 41, n. 8, p , dec HOFMANN, Eva; PENZ, Elfreide; KIRCHLER, Erich. The Whys and Hows of ethical investment: Understanding an early-stage market through an explorative approach. Journal of Financial Services Marketing, vol. 14, n. 2, p , JOHNSON, William H.A. Managing Uncertainty in Innovation: The Applicability of Both Real Options and Path Dependency Theory. Creativity And Innovation Management, vol. 16, n. 3, p , JONES, Robert; KRIFLIK, George. Subordinate expectations of leadership within a cleanedup bureaucracy. Journal of Organizational Change Management, vol. 19, n. 2, p , KAN, Melanie M.; PARRY, Ken W. Identifying paradox: A grounded theory of leadership in overcoming resistance to change. The Leadership Quarterly, vol. 15, p , KANGAS, Lisa M. Assessing the value of the relationship between organizational culture types and knowledge management initiatives. Journal of Leadership Studies, vol. 3, n.1, p , KENDRA, Korin; TAPLIN, Laura J. Project Success: A Cultural Framework. Project Management Journal, p , apr KIRIDENA, Senevi; HASAN, Maruf; KERR, Roger. Exploring deeper structures in manufacturing strategy formation processes: a qualitative inquiry. International Journal of Operations & Production Management, vol. 29, n. 4, p ,

15 LEVINA, Natalia; VAAST, Emmanuelle. Innovating or doing as told? Status differences and overlapping boundaries in offshore collaboration. MIS Quarterly, vol. 32, n. 2, p , jun MANUJ, Ila; SAHIN, Funda. A model of supply chain and supply chain decision-making complexity. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, vol. 41, n. 5, p , MARGOLIS, Joshua D.; MOLINSKY, Andrew. Navigating the bind of necessary evils: psychological engagement and the production of interpersonally sensitive behavior. Academy of Management Journal, vol. 51, n. 5, p , MARTIN, Jeffrey A. Dynamic Managerial Capabilities and the Multibusiness Team: The Role of Episodic Teams in Executive Leadership Groups. Organization Science, p. 1 23, mar MICHEL, A. Alexandra. A Distributed Cognition Perspective on Newcomers Change Processes: The Management of Cognitive Uncertainty in Two Investment Banks. Administrative Science Quarterly, vol. 52, p , dec SHAFFER, Brian ; HILLMAN, Amy J. The development of business government strategies by diversified firms. Strategic Management Journal, vol. 21, p , SHAH, Sonali K; CORLEY, Kevin G. Building Better Theory by Bridging the Quantitative Qualitative Divide. Journal of Management Studies, vol. 43, n. 8, p , dec SUDDABY, Roy. From the editors: what grounded theory is not. Academy of Management Journal, vol. 49, n. 4, p , SUTTON, Robert I.; STAW, Barry M. What theory is not? Administrative Science Quarterly, vol. 40, n. 3, p , sep VOLKOFF, Olga; STRONG, Diane M., ELMES, Michael B. Technological Embeddedness and Organizational Change. Organization Science, vol. 18, n. 5, p , sep/oct WANG, Hongli; PENG, Zhenglong; GU, Feng.The Emerging Knowledge Governance Approach within Open Innovation: Its Antecedent Factors and Interior Mechanism. International Journal of Business and Management, vol. 6, n. 8; aug ZIETSMA, Charlene et al. The War of the Woods: facilitators and impediments of organizational learning processes. British Journal of Management, vol. 13, p ,

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO Sandra Biégas 1, Patrícia Machado Mellero Cardoso 2 RESUMO: Com base em uma realidade onde indústrias

Leia mais

Análise de Dados Qualitativos

Análise de Dados Qualitativos 2 Objetivo Análise de Dados Qualitativos Uma breve Introdução a Grounded Theory cleidson de souza cdesouza@ufpa.br! Você já está há 1 mês coletando documentos, fazendo observações, conduzindo entrevistas

Leia mais

A TEORIA FUNDAMENTADA COMO MÉTODO DE PESQUISA

A TEORIA FUNDAMENTADA COMO MÉTODO DE PESQUISA 1 A TEORIA FUNDAMENTADA COMO MÉTODO DE PESQUISA PINTO, CÂNDIDA MARTINS Universidade Católica de Pelotas Instituto Federal Farroupilha Campus São Vicente do Sul candida_mp@yahoo.com.br RESUMO Este artigo

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Objetivos. Conteúdo programático: Aula Data Conteúdo

Objetivos. Conteúdo programático: Aula Data Conteúdo 1 PLANO DE ENSINO Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Empreendedorismo e Internacionalização Disciplina: MÉTODOS QUALITATIVOS DE PESQUISA EM ADMNISTRAÇÃO Carga Horária

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Análise da Aplicação do Estudo de Caso em Dissertação de Mestrado em Administração

Análise da Aplicação do Estudo de Caso em Dissertação de Mestrado em Administração Análise da Aplicação do Estudo de Caso em Dissertação de Mestrado em Administração Geanderson Lenz geanderson.lenz@restinga.ifrs.edu.br IFRS Resumo:O método científico diz respeito à forma como os resultados

Leia mais

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012 Universidade do Minho Escola de Engenharia UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13 11 de outubro 2012 1 2 2 courses offered in the first semestre: Métodos de Investigação em Engenharia

Leia mais

Métodos qualitativos: Estudo de Caso

Métodos qualitativos: Estudo de Caso Métodos AULA 10 qualitativos: Estudo de Caso Por que o estudo de caso? Ele vem sendo considerado um dos mais importantes métodos de pesquisa na gestão de operações, particularmente no desenvolvimento de

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE FIRMAS DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE FIRMAS DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE FIRMAS DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS Parceiros: PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE FIRMAS DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS Coordenação Científica Professor Doutor Vítor da Conceição Gonçalves (Professor

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Estratégia de para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Miguel Rivera PERES JÚNIOR 1 ; Jordan Assis REIS 2 1 Professor do IFMG Campus Formiga. Rua Padre Alberico, s/n. Formiga,MG

Leia mais

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde*

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde* UniversidadeNovedeJulho1UNINOVE ProgramadeMestradoProfissionalemAdministração GestãoemSistemasdeSaúde Disciplina ProjetosComplexoseEstratégicosAplicadosàSaúde Códigodadisciplina GSEL04 Linhadepesquisa

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Daniela GIBERTONI 1 RESUMO A inovação tecnológica continua a ser um desafio para as empresas e para o desenvolvimento do país. Este

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010)

COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010) COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010) 1 INTRODUÇÃO Roberto Mario Lovón Canchumani (IBCT) roblovonc@yahoo.com Jacqueline Leta (UFRJ) jleta@bioqmed.ufrj.br

Leia mais

Gestão de Marketing e Ética Empresarial

Gestão de Marketing e Ética Empresarial Escola de Economia e Gestão Gestão de Marketing e Ética Empresarial Reconhecer e explicar os conceitos pilares do marketing e seu ambiente; Reconhecer a estratégia de marketing e aplicar os principais

Leia mais

Estratégia Empresarial

Estratégia Empresarial Estratégia Empresarial Adquirir uma visão atualizada e integrada do sistema e contexto de direção estratégica da organização. Compreender o conteúdo da estratégia empresarial. Desenvolver competências

Leia mais

egovernment The Endless Frontier

egovernment The Endless Frontier CENTRO DE GESTÃO DA REDE INFORMÁTICA DO GOVERNO (Management Center for the Electronic Government Network) egovernment The Endless Frontier Alexandre Caldas 29 th June 2010 Summary VISION AND LEADERSHIP

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

CURRICULUM VITÆ. Licenciatura em Economia da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, concluída em Julho de 1996.

CURRICULUM VITÆ. Licenciatura em Economia da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, concluída em Julho de 1996. CURRICULUM VITÆ DADOS PESSOAIS Nome: Nascimento: Nacionalidade: Morada: Manuel Emílio Mota de Almeida Delgado Castelo Branco 30 de Dezembro de 1971, Porto (Portugal) Portuguesa Faculdade de Economia do

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

quinta-feira, 16 de maio de 13

quinta-feira, 16 de maio de 13 POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS A Teoria dos Múltiplos Fluxos e Teoria do Equilíbrio Pontuado análise da política pública como um processo

Leia mais

Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos. Daniel F. Arcoverde

Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos. Daniel F. Arcoverde Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos Daniel F. Arcoverde Agenda Definição de inovação Motivação Processos de Desenvolvimento de Novos Produtos (NPD) Classes de Modelos de NPD Problemas

Leia mais

MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO

MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Empreendedorismo e Internacionalização Disciplina: ESTRATÉGIA E PRÁTICA ORGANIZACIONAL Carga Horária semanal: 3 horas

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities

networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities uma perspetiva focada na estratégia de inovação MARIANA PITA. UNIVERSIDADE DE AVEIRO PROGRAMA DOUTORAL EM MARKETING & ESTRATÉGIA. CONHECIMENTO

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla PLANO DE ENSINO Universidade Positivo Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Gestão e Sociedade Disciplina: Métodos Quantitativos Administração de Pesquisa Carga horária total:

Leia mais

Por que a estratégia de operações de serviços deveria ser diferente? Em busca de um modelo conceitual

Por que a estratégia de operações de serviços deveria ser diferente? Em busca de um modelo conceitual Por que a estratégia de operações de serviços deveria ser diferente? Em busca de um modelo conceitual Luciano Costa Santos (UFSC/Unisul) lcostas@eps.ufsc.br Gregorio Varvakis (UFSC) grego@deps.ufsc.br

Leia mais

A PESQUISA QUALITATIVA. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior guanis@gmail.com

A PESQUISA QUALITATIVA. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior guanis@gmail.com A PESQUISA QUALITATIVA Dr. Guanis de Barros Vilela Junior guanis@gmail.com O que é Pesquisa Qualitativa? A pesquisa qualitativa tem como objetivo principal interpretar o fenômeno que observa. Seus objetivos

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

1.1 Objetivo... 3. 1.2 Justificativa... 3 2 - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA... 5. 2.1 Uma perspectiva sobre escritórios de projetos... 5 3 METODOLOGIA...

1.1 Objetivo... 3. 1.2 Justificativa... 3 2 - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA... 5. 2.1 Uma perspectiva sobre escritórios de projetos... 5 3 METODOLOGIA... Sumário 1 - INTRODUÇÃO... 2 1.1 Objetivo... 3 1.2 Justificativa... 3 2 - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA... 5 2.1 Uma perspectiva sobre escritórios de projetos... 5 3 METODOLOGIA... 7 4 CRONOGRAMA... 9 REFERÊNCIAS

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ficha da Unidade Curricular Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010 / 2011

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ACS, Z. J.; AUDRETSCH, D. B. Innovation in large and small firms: an empirical analysis. The American Economic Review, v. 78, n. 4, p. 678-690, 1988. ANTONCIC, B.; HISRICH,

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

Desenvolvimento ágil de software

Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software (do inglês Agile software development) ou Método ágil é um conjunto de metodologias de desenvolvimento de software. O desenvolvimento ágil,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Competitividade, Planeamento e Controlo nos Serviços de Saúde MESTRADO

Leia mais

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios Disponível em http:// RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, pp. 761-765, Jul./Ago. 2011 Documentos e Debates: Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração:

Leia mais

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas SUSTENTABILIDADE E CADEIAS DE SUPRIMENTOS: QUAL A CONFIGURAÇÃO ATUAL?

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas SUSTENTABILIDADE E CADEIAS DE SUPRIMENTOS: QUAL A CONFIGURAÇÃO ATUAL? Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas RESUMO SUSTENTABILIDADE E CADEIAS DE SUPRIMENTOS: QUAL A CONFIGURAÇÃO ATUAL? SUSTAINABILITY AND SUPPLY CHAIN: WHICH THE CURRENT CONFIGURATION?

Leia mais

A Percepção de uma Equipe sobre o Processo de Gerência de Configuração em Relação ao MPS.BR Nível F: Um Estudo de Caso

A Percepção de uma Equipe sobre o Processo de Gerência de Configuração em Relação ao MPS.BR Nível F: Um Estudo de Caso A Percepção de uma Equipe sobre o Processo de Gerência de Configuração em Relação ao MPS.BR Nível F: Um Estudo de Caso Relato de Experiência José Jorge L. Dias Jr., Arkjoaquitonyo E. da Silva, Fernanda

Leia mais

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 Alberto Albuquerque Gomes 2 O estudo de caso tem sido escolhido, de forma recorrente, como alternativa para pesquisas sobre o fenômeno educativo. Porém, nem sempre

Leia mais

Design Estratégico e Inovação

Design Estratégico e Inovação Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

DICAS PARA O TRABALHO FINAL Artigo Acadêmico

DICAS PARA O TRABALHO FINAL Artigo Acadêmico DEPARTAMENTO... : ADMINISTRAÇÃO GERAL E RECURSOS HUMANOS (ADM) CURSO... : MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (CMAE) DISCIPLINA... : TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL PROFESSOR... : - MIGUEL P. CALDAS PERÍODO...

Leia mais

CGBA Certificate in Global Business Administration

CGBA Certificate in Global Business Administration CGBA Certificate in Global Business Administration Desafios Internacionais, Líderes Globais O CERTIFICATE IN GLOBAL BUSINESS ADMINISTRATION O Certificate in Global Business Administration (CGBA), criado

Leia mais

EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING

EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING Cassio Sclovsky Grinberg 1. Introdução: Diversas disciplinas enfrentam questões acerca do verdadeiro caráter científico por elas incorporado. Algumas disciplinas vem

Leia mais

TÍTULO: CONCEITOS MODERNOS EM STARTUPS: REALIDADE OU ILUSÃO? CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CONCEITOS MODERNOS EM STARTUPS: REALIDADE OU ILUSÃO? CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: CONCEITOS MODERNOS EM STARTUPS: REALIDADE OU ILUSÃO? CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO FECAP AUTOR(ES): ANNA LUIZA WAGNER

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

CURRICULUM VITÆ. June 2007 Present: Assistant Professor, Faculdade de Economia da Universidade do Porto.

CURRICULUM VITÆ. June 2007 Present: Assistant Professor, Faculdade de Economia da Universidade do Porto. CURRICULUM VITÆ PERSONAL DATA Full name: Birth: Nationality: Address: Manuel Emílio Mota de Almeida Delgado Castelo Branco 30 December 1971, Porto (Portugal) Portuguese Faculdade de Economia da Universidade

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas BOIRAL, O. ISO 9000: Outside the iron cage. Organization Science, v. 14, n. 6, p. 720-737, nov-dez 2003. CARVALHO, C. A. P.; VIEIRA, M. M. F.; LOPES, F. D. Contribuições da

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh TEMA: PARQUES TECNOLÓGICOS MODELANDO NOVAS CIDADES AUTOR: Andreici Daiani Vitor Vedovatto RESUMO ESTRUTURADO: Frente

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

POSSIBILIDADES DE ANÁLISE QUALITATIVA NO WEBQDA E COLABORAÇÃO ENTRE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO EM COMUNICAÇÃO

POSSIBILIDADES DE ANÁLISE QUALITATIVA NO WEBQDA E COLABORAÇÃO ENTRE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO EM COMUNICAÇÃO POSSIBILIDADES DE ANÁLISE QUALITATIVA NO WEBQDA E COLABORAÇÃO ENTRE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO EM COMUNICAÇÃO António Pedro Costa 1 Ronaldo Linhares 2 Francislê Neri de Souza 3 Resumo Este artigo apresenta

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO

19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO Autor(es) THIAGO GUIMARAES AOQUI Orientador(es) IRIS BENTO

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

CAPÍTULO 3. METODOLOGIA

CAPÍTULO 3. METODOLOGIA CAPÍTULO 3. METODOLOGIA 3.1. Introdução A qualidade e credibilidade de um estudo começa com os dados (Charmaz, 2006, p. 18) O objetivo principal desta pesquisa é explicar o processo de implementação do

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

A Técnica de Grupos Focais para Obtenção de Dados Qualitativos

A Técnica de Grupos Focais para Obtenção de Dados Qualitativos 1 www.tecnologiadeprojetos.com.br Instituto de Pesquisas e Inovações Educacionais www.educativa.org.br A Técnica de Grupos Focais para Obtenção de Dados Qualitativos (Publicação interna) Maria Elasir S.

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Réplica 1 - Pesquisa Científica Brasileira em Marketing: Quo Vadis?

Réplica 1 - Pesquisa Científica Brasileira em Marketing: Quo Vadis? Disponível em http:// RAC, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, pp. 479-483, Maio/Jun. 2012 Documentos e Debates: Réplica 1 - Pesquisa Científica Brasileira em Marketing: Quo Vadis? Brazilian Scientific Research

Leia mais

Gestão do Conhecimento em Projetos. Emir José Redaelli, Msc Fortaleza, CE - 11.11.2010

Gestão do Conhecimento em Projetos. Emir José Redaelli, Msc Fortaleza, CE - 11.11.2010 Gestão do Conhecimento em Projetos Emir José Redaelli, Msc Fortaleza, CE - 11.11.2010 Objetivo da palestra Compartilhar a experiência profissional prática da gestão do conhecimento organizacional via gestão

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Proposta Geral de Trabalho DESIGN THINKING PARA EDUCAÇÃO ALUNAS Paula Tauhata Ynemine RA

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008

Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008 Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008 Bibliografía BREALEY, Richard A.; MYERS, Stewart C. - Princípios de Finanças Empresariais.

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASOS COM OPERADORES LOGÍSTICOS

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASOS COM OPERADORES LOGÍSTICOS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASOS COM OPERADORES LOGÍSTICOS Projeto de Pesquisa Período: Agosto de 2010 a Julho de 2011 PIBIC Programa Institucional de Iniciação Científica Aluno: Aline Loureiro

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Redes Sociais: entre a teoria e a prática

Gestão do Conhecimento e Redes Sociais: entre a teoria e a prática Gestão do Gestão do e Redes Sociais: entre a teoria e a prática Na Universidade, as redes sociais e o conhecimento como ativo intangível são focos de estudo de diversos campos. Já nas empresas, a Gestão

Leia mais

A gestão estratégica sob uma perspectiva política: um estudo de caso comparativo entre empresas integrantes do Programa Paex da Fundação Dom Cabral

A gestão estratégica sob uma perspectiva política: um estudo de caso comparativo entre empresas integrantes do Programa Paex da Fundação Dom Cabral A gestão estratégica sob uma perspectiva política: um estudo de caso comparativo entre empresas integrantes do Programa Paex da Fundação Dom Cabral Anderson Rocha Valverde A pesquisa aqui resumida analisa,

Leia mais

Análise de Modelos de Estágios de Gestão do Conhecimento: o Caso de Organizações em Portugal e no Brasil

Análise de Modelos de Estágios de Gestão do Conhecimento: o Caso de Organizações em Portugal e no Brasil Análise de Modelos de Estágios de Gestão do Conhecimento: o Caso de Organizações em Portugal e no Brasil Autoria: Mírian Oliveira Resumo A busca de vantagem competitiva sustentável motiva as organizações

Leia mais

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas Resumo. PEMPEC é um software de distribuição gratuita que visa auxiliar o gestor das micro e pequenas empresas na tomada de decisão, utilizando

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Salvador, 2003 MARIA AMÁLIA SILVA COSTA A D M I N I S T R A Ç Ã O E S T R A T É G I C A E

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias Rui Franganito Resumo A importância da capacidade de do conhecimento

Leia mais

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA FORMAÇÃO DE REDES INTERORGANIZACIONAIS

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA FORMAÇÃO DE REDES INTERORGANIZACIONAIS ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA FORMAÇÃO DE REDES INTERORGANIZACIONAIS Cristiane Marques de Mello, PG, Administração, Uem, mellcris@gmail.com Marcos Junio Ferreira de Jesus, PG. Admiministração, Uem, marcosjunio@hotmail.com

Leia mais

CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano

CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano Núcleo de Inovação Comportamento Humano Inovativo Comportamento Humano Inovativo em uma organização é resultado da interação de

Leia mais

Métodos de Investigação em Sistemas de Informação

Métodos de Investigação em Sistemas de Informação Métodos de Investigação em Sistemas de Informação Henrique O Neill Programa Doutoral em CTI ISCTE, 26 Novembro 2009 Henrique O'Neill 1/18 INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA O que é? Henrique O'Neill 2/18 1 Investigar

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins Marta Monteiro da Costa Cruz FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins

Leia mais

Arquitetura da Aprendizagem Uma abordagem estratégica

Arquitetura da Aprendizagem Uma abordagem estratégica Arquitetura da Aprendizagem Uma abordagem estratégica 7 Olá, tudo bem? A experiência do LAB SSJ em desenvolver soluções de aprendizagem alinhadas a objetivos de negócio nos mostra que a formação de uma

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Margareth Carneiro, PMP, MSc PMI GovSIG past-chair PMA Diretora Executiva Wander Cleber da Silva, PhD Fundação Funiversa 1 O Guia do PMBoK O Guia

Leia mais

Grounded Theory como metodologia de pesquisa em Mídias Digitais 1. Maíra BITTENCOURT 2

Grounded Theory como metodologia de pesquisa em Mídias Digitais 1. Maíra BITTENCOURT 2 Grounded Theory como metodologia de pesquisa em Mídias Digitais 1 Maíra BITTENCOURT 2 Universidade de São Paulo, São Paulo, SP Centro Universitário FIAM-FAAM Resumo: Se nas mais diversas áreas da comunicação

Leia mais

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature PSICOLOGIA ARGUMENTO doi: 10.7213/psicol.argum.5895 ARTIGOS [T] Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature [R] [A] Pedro Fernando Bendassolli Resumo Received

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO.

EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. MICHEL, Murillo Docente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Terceirização da Operação Logística Estudo de caso sobre a terceirização da Logística de Distribuição de uma Indústria Farmacêutica

Terceirização da Operação Logística Estudo de caso sobre a terceirização da Logística de Distribuição de uma Indústria Farmacêutica Mariana Botelho Morais Terceirização da Operação Logística Estudo de caso sobre a terceirização da Logística de Distribuição de uma Indústria Farmacêutica Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais