III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet"

Transcrição

1 O B J E CT I V O Estabelecer critérios para acesso à Internet utilizando recursos do Projecto Portal do Governo de Angola. Orientar os Utilizadores sobre as competências, o uso e responsabilidades associadas ao serviço de acesso à Internet. D O C U M E N T O S D E R E F E R Ê N C I A ISO/IEC Código de prática para gestão da Segurança da Informação. D E F I N I Ç Õ E S Confidencialidade: princípio de Segurança da Informação pelo qual se garante que o acesso à informação seja obtido somente por pessoas autorizadas. Área Critica: grau de importância da informação para a continuidade das actividades do Governo de Angola. Disponibilidade: princípio de Segurança da Informação pelo qual se estabelece que as informações e os recursos estejam disponíveis sempre que necessário. Integridade: princípio de Segurança da Informação por meio do qual é garantido que a informação não será alterada sem a devida autorização. Recurso: além da própria informação, todo o meio directo ou indirecto utilizado para o seu tratamento, tráfego e armazenamento. Utilizador: quem utiliza de forma autorizada recursos de informação do Projecto Portal do Governo. D I S P O S I Ç Õ E S G E R A I S 1. Acesso 1.1. O acesso a Internet será direccionado apenas aos Utilizadores que necessitem desse recurso para o desempenho de suas funções Para ter acesso à Internet o Utilizador deve receber formação quanto ao uso correcto deste recurso e orientações para assegurar que todos estarão cientes das implicações referentes à segurança. 1

2 1.3. O acesso à Internet através do Projecto Portal do Governo, só será permitido através dos recursos disponibilizados para esse fim, sendo impedida a utilização de conexões utilizando placas ou equipamentos de Fax-Modem Toda conexão à Internet deve passar por equipamentos de segurança garantindo o controle de acesso e a aplicação dos demais mecanismos de segurança O acesso à rede interna do Projecto Portal do Governo pela Internet deve ser autenticada sob criptografia mínima de 128 Bits A Central de Atendimento deve informar a quem de direito suas actividades e será responsável pelo suporte as configurações a serem implementadas nas estações de trabalho 2. Internet 2.1. Os Utilizadores que estiverem aceder a Internet devem encerrar sua conexão após término da navegação e sempre que se ausentarem de sua estação de trabalho. 2.2 A paralisação dos serviços de Internet, para manutenção preventiva, deve ser comunicada com antecedência ao grupo Gestor do Projecto Portal do Governo para que sejam informados aos Utilizadores os períodos dos serviços indisponíveis. 3. Intranet 3.1. O Portal do Governo de Angola e os Portais dos Ministérios devem ser utilizados como mecanismo de divulgação dos interesses e serviços ao cidadão do Governo de Angola Todas as áreas têm o direito de publicar informações que sejam de interesse do Governo de Angola desde que autorizadas pelos Gestores Ministeriais. 4. Informações 4.1. Toda informação originada na Internet deve ser considerada suspeita até que seja confirmada por outros meios Antes de usar qualquer arquivo de texto, programas ou dados que tenha sido copiado da Internet devem ser testados pela central de atendimentos em um equipamento preparado para este fim Este equipamento não deve estar conectado rede local da central de atendimentos Todo arquivo de texto, programa ou dados copiados da Internet devem ser verificados automaticamente, quanto à presença de vírus ou software malicioso antes da sua utilização Antes de realizar a análise os arquivos devem ser descodificados e/ou descriptografados Deve ser controlada a realização de actualização automática de programas (softwares) com arquivos oriundos da Internet. 2

3 4.5. Instalação de software oferecida quando do acesso a páginas na Internet deve ser recusada O Utilizador não deve arquivar informações críticas em equipamentos que não possuam controle de acesso apropriado, a menos que essas estejam codificadas Informações críticas não devem ser enviadas através da Internet sem que estejam codificadas O Utilizador, a menos que expressamente autorizado não tem permissão para realizar qualquer alteração na Página do Portal do Governo, Cidadão e do seu Ministério As Páginas dos Portais do Governo de Angola, do Cidadão e Intranet Portal dos Ministérios deve possuir cópias arquivadas em local diferente da original Os critérios de segurança usados para proteger a cópia das páginas dos Portais devem ser os mesmos utilizados para a protecção da página principal Utilizador que tenha sido conectado a Web sites cujo no conteúdo contenha material referente a sexo, racismo ou qualquer outro ofensivo a ética, moral e aos bons costumes deve ser imediatamente desactivado. 5. Auditoria 5.1. O Núcleo Gestor do Projecto Portal do Governo se reserva do direito, a qualquer tempo e sem aviso prévio, de examinar as mensagens de , os arquivos de computador, os registros de acessos a Internet, os logs de acesso ou qualquer outra informação processada, armazenada ou transmitida usando recurso do Projecto Portal do Governo, para verificação de atendimento as Normas de Segurança da Informação, atender a necessidades de investigação de violação ou gerência para definição de actualização ou implementação de recursos Serão gerados registros contendo Web sites visitados, arquivos copiados da Internet, tempo gasto nos acessos e outras informações necessárias para a optimização dos recursos de acesso e realização de auditoria. 6. Usos de Recursos 6.1. É proibido o uso de ferramentas de varredura para detecção de vulnerabilidades, a menos que expressamente autorizado pelo Gestor do Projecto Portal do Governo O Utilizador não deve usar os recursos disponibilizados para envio de mensagens tipo corrente, propaganda de produtos ou qualquer outro fim que venha a prejudicar o trabalho de outros Utilizadores O Utilizador deverá ser autorizado pelo chefe imediato a fazer uso do acesso à Internet para pesquisa de cunho pessoal, desde que não prejudique sua produtividade nem a de outros. 3

4 6.4. Os equipamentos que provêm serviços Web devem ser dedicados e com acessos físicos e lógicos controlados e estarem isolados da rede interna. R E S P O N S A B I L I D A D E S GESTOR MINISTÉRIO Classificar as informações, gerir os acessos e adoptar mecanismos de protecção necessários. Disseminar permanentemente as Normas de Segurança da Informação do Projecto Portal do Governo. Garantir o cumprimento das Normas de Segurança da Informação. Solicitar formação para seus subordinados. Determinar os direitos de acesso para os utilizadores do seu ministério/organismo. Velar pelo cumprimento das Normas de Segurança da Informação. UTILIZADOR Preservar a organização do ambiente de trabalho. Preservar o sigilo das informações. Conhecer e obedecer as Normas de Segurança da Informação. Relatar ao Núcleo Gestor do Portal possíveis riscos ou danos à informação, bem como o uso indevido de recursos. COMITÉ GESTOR DO PROJECTO PORTAL DO GOVERNO Analisar criticamente e aprovar as Normas de Segurança da Informação. Controlar as mudanças que gerem impactos na exposição dos activos, recursos, identificando as principais ameaças. Analisar criticamente e monitorar os incidentes de segurança da informação. Aprovar as principais iniciativas para aumentar o nível da Segurança da Informação. Orientar, aprovar e acompanhar as estratégias e planejamentos de tecnologia da informação. Disseminar a cultura de Segurança da Informação. Promover a elaboração, revisão, actualização, divulgação e validação das directrizes, Normas, Procedimentos e Instruções de Segurança da Informação. Viabilizar recursos para o cumprimento da Segurança da Informação Coordenar as acções para implementar uma Política de Segurança e Planos de Continuidade e Recuperação de Desastres. 4

5 5

I. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso do Portal

I. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso do Portal O B J E CT I V O Estabelecer critérios para acesso e publicação de informações no Portal do Governo, Portal do Cidadão e Portal dos Ministérios, utilizando recursos e serviços do Portal Administrativo.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602.

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 4/2008 O Conselho de Administração, com base no disposto no Art. 17 do Estatuto da CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência, em reunião do dia 19 de fevereiro de

Leia mais

Controles gerais iguais aos de pacotes de softwares: Instalação, Configuração, Manutenção, Utilitários.

Controles gerais iguais aos de pacotes de softwares: Instalação, Configuração, Manutenção, Utilitários. $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR $8',725,$'$7(&12/2*,$'$,1)250$d 2 &RQWUROHVVREUHEDQFRGHGDGRVH PLFURFRPSXWDGRUHV

Leia mais

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

Norma de Segurança Estadual para Gerenciamento de Senhas

Norma de Segurança Estadual para Gerenciamento de Senhas GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANEXO I - RESOLUÇÃO Nº. 011/2011

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Este Manual aplica-se a todos os Usuário de T.I. do Ministério Público de Goiás. ATIVIDADE AUTORIDADE RESPONSABILIDADE Manter o Manual Atualizado

Este Manual aplica-se a todos os Usuário de T.I. do Ministério Público de Goiás. ATIVIDADE AUTORIDADE RESPONSABILIDADE Manter o Manual Atualizado Versão 01 - Página 1/8 1 Objetivo Orientar o usuário de T.I. a solicitar atendimento. Mostrar o fluxo da solicitação. Apresentar a Superintendência 2 Aplicação Este Manual aplica-se a todos os Usuário

Leia mais

Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas

Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas 1. OBJETIVO Esta cartilha define normas para preservar a confidencialidade, integridade e a disponibilidade das informações e recursos

Leia mais

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação DIRETRIZES GERAIS PARA USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 6 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. DIRETRIZES GERAIS

Leia mais

Segurança da informação nas Organizações Gestão da Segurança da Informação CFR EN-AEL Ribeiro Correia

Segurança da informação nas Organizações Gestão da Segurança da Informação CFR EN-AEL Ribeiro Correia Segurança da informação nas Organizações Gestão da Segurança da Informação CFR EN-AEL Ribeiro Correia Cibersegurança: Questões Tecnológicas e Implicações Legais. 02 de Julho de 2014 Agenda Introdução Gestão

Leia mais

TP.100. Política de Segurança da Informação

TP.100. Política de Segurança da Informação Manual do utilizador TP.100 Política de Segurança da Informação Órgão: Versão: 1.0 Data inicial: 2006/05/25 Última alteração: 2006/05/25 (referência) 2/8 Índice de conteúdos 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- INFORMAÇÃO...

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Documento Política de Segurança da Informação Data Revisão Responsável Área 14/07/2008 1.0 Thiago Lima da Silva Suporte Interno ÍNDICE Introdução...4 1.Pessoal...4 1.1.Prestadores

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions.

Leia mais

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas:

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas: $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 ³6HJXUDQoDGH,QIRUPDo}HV &\QDUD&DUYDOKR

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA INSTRUÇÃO DO USO DA REDE DE COMPUTADORES DO CEFET-BA O Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia (CEFET-BA) possui uma rede

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Ibirubá Conselho de Câmpus REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO

Leia mais

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações T TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações Versão 1.2 24/08/2015 1 1. Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a FSB Comunicações, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará Agenda Projeto Realizado Política de Segurança da ALCE Próximos passos Projeto realizado Definição/Revisão da Política de

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Nº de Páginas: 1 / 5 1. OBJETIVOS Os objetivos desta Política de Segurança da Informação são estabelecer orientações gerais de segurança da informação no âmbito da Braslight, fornecendo o apoio conceitual

Leia mais

Plano de Segurança da Informação

Plano de Segurança da Informação Faculdade de Tecnologia SENAC - Goiás Projeto Integrador Governança da Tecnologia da Informação Plano de Segurança da Informação Diego Miranda José Rodrigues Neto Romário Sena Warley Gabriel Plano de Segurança

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED Este documento, denominado Política de Privacidade, tem por finalidade estabelecer as regras sobre a obtenção, uso e armazenamento dos dados e informações coletados

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO APRESENTAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Este documento foi elaborado pelo setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (CSGI), criada com as seguintes atribuições: Assessorar a Direção da SESAU

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) UNISC Setor de Informática/Redes Atualizado em 22/07/2008 1. Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão de dados via

Leia mais

Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM

Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM 1. Objeto, Âmbito e Finalidade Este documento define as regras gerais de utilização do Portal ZOOM, cuja propriedade e administração compete à CASES COOPERATIVA

Leia mais

versão 1.0 26/02/2010

versão 1.0 26/02/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Espírito Santo POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO versão 1.0 26/02/2010 Pró-Reitoria

Leia mais

Conheça a NBR ISO/IEC 27002

Conheça a NBR ISO/IEC 27002 Conheça a NBR ISO/IEC 27002 A norma NBR ISO/IEC 27002 Código de Prática para a Gestão de Segurança da Informação, que tem como objetivo estabelecer diretrizes e princípios gerais para iniciar, implementar,

Leia mais

ISO/IEC 17799. Informação

ISO/IEC 17799. Informação ISO/IEC 17799 Norma de Segurança da Norma de Segurança da Informação Segurança da Informação Segundo a norma ISO/IEC 17799, é a proteção contra um grande número de ameaças às informações, de forma a assegurar

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 3 5.1. Generalidades 3 5.2. Controlo de documentos... 4 5.3. Procedimentos

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS, QUE PODERÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 O Ministro da Previdência Social, no uso de sua competência estabelecida no art. 87 da Constituição Federal e considerando o disposto no art. 23 da Lei nº 8.159,

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Segurança nas operações Responsabilidades e procedimentos operacionais Assegurar a operação segura e correta

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 16/IN01/DSIC/GSIPR 00 21/NOV/12 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA DESENVOLVIMENTO E OBTENÇÃO DE SOFTWARE

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações ORIGEM Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Número da Norma Complementar

Leia mais

Política para desenvolvimento de software seguro

Política para desenvolvimento de software seguro FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS Segurança da Informação Marcos Mesa Cerdan Marcus Vinicius Pedrosa Philipe Toledo Oliveira Política para desenvolvimento de software seguro GOIÂNIA, 2016 Marcos Mesa

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas: Apresentação da Disciplina

Auditoria e Segurança de Sistemas: Apresentação da Disciplina Auditoria e Segurança de Sistemas: Apresentação da Disciplina Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 4 de agosto de 2015 Ementa Segurança em informática como fator crítico de sucesso nas empresas; Planos

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSTITUIÇÃO DA ETIR

DOCUMENTO DE CONSTITUIÇÃO DA ETIR Código: DO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 14 de Dezembro de 2013

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET POLÍTICA GLOBAL DE NA INTERNET A política da PayU Latam é cumprir com todas as leis aplicáveis referentes à proteção de dados e privacidade. Este compromisso reflete o valor que conferimos à conquista

Leia mais

Cópias de Segurança no Akropole Backups

Cópias de Segurança no Akropole Backups Cópias de Segurança no Akropole Backups Cópias de Segurança - Backups As Cópias de Segurança são aquela coisa que todos sabemos que são necessárias mas que nunca nos preocupamos até ao dia em que são precisas.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. A FACILIDADE DE DERRUBAR UM SITE UTILIZANDO A NEGAÇÃO DE SERVIÇO (DoS Denial of Service)

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. A FACILIDADE DE DERRUBAR UM SITE UTILIZANDO A NEGAÇÃO DE SERVIÇO (DoS Denial of Service) POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO A FACILIDADE DE DERRUBAR UM SITE UTILIZANDO A NEGAÇÃO DE SERVIÇO (DoS Denial of Service) Segurança em Redes de Computadores FACULDADE LOURENÇO FILHO Setembro/2014 Prof.:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comissão de Segurança da Informação Núcleo de Governança Corporativa de TIC Setor de Segurança da Informação Revisão: 1.1 Vigência: 12/02/2016 Classificação:

Leia mais

Prof. Walter Cunha. Segurança da Informação. Não-Escopo. Escopo. Prof. Walter Cunha Rede LFG

Prof. Walter Cunha. Segurança da Informação. Não-Escopo. Escopo. Prof. Walter Cunha Rede LFG Segurança da Informação Prof. Walter Cunha Rede LFG Prof. Walter Cunha Contatos: E-mail: falecomigo@waltercunha.com timasters@yahoogoups.com Atividades: http://www.waltercunha.com/blog/ http://twitter.com/timasters/

Leia mais

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós!

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós! Prezado Colaborador, O conteúdo desta cartilha tem como objetivo compartilhar alguns conceitos relacionados ao tema Segurança da Informação. Além de dicas de como tratar os recursos e as informações corporativas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Política de Segurança. Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório

Política de Segurança. Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório Política de Segurança Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório Salvador, Novembro de 2007 NECESSIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DE SEGURANÇA NA EMPRESA Gerencia de recursos e funcionários,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 O Diretor Presidente da Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos CPRH, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo Decreto nº. 30.462 de 25 de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P. TJAM 56 PROJUDI Revisado por: Breno Figueiredo Corado DVTIC/PROJUDI

Leia mais

Normas para o Administrador do serviço de e-mail

Normas para o Administrador do serviço de e-mail Normas para o Administrador do serviço de e-mail Os serviços de e-mails oferecidos pela USP - Universidade de São Paulo - impõem responsabilidades e obrigações a seus Administradores, com o objetivo de

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

Medidas de Controlo de Incidentes de Segurança Informática

Medidas de Controlo de Incidentes de Segurança Informática Medidas de Controlo de Incidentes de Segurança Informática Política de actuação do CERT.PT para mitigação de impacto de incidentes de segurança informática Serviço CERT.PT Abril de 2010 Medidas de Controlo

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Página 1 de 5 Código de Conduta e Ética 2012 Resumo A SAVEWAY acredita que seu sucesso está pautado na prática diária de elevados valores éticos e morais, bem como respeito às pessoas, em toda sua cadeia

Leia mais

Segurança e Proteção da Informação. Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br

Segurança e Proteção da Informação. Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br Segurança e Proteção da Informação Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br 1 Segurança da Informação A informação é importante para as organizações? Por que surgiu a necessidade de se utilizar

Leia mais

Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso

Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso visitante on-line, você tem o direito de saber as práticas que

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

TRABALHO #1 Sistemas de Informação Distribuídos: Reflexão sobre a segurança

TRABALHO #1 Sistemas de Informação Distribuídos: Reflexão sobre a segurança DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Negócio Electrónico, 2006/2007 TRABALHO #1 Sistemas de Informação Distribuídos: Reflexão sobre a segurança

Leia mais

POLÍTICA, PADRÕES E PROCEDIMENTOS DE INFORMAÇÃO. Rogério Nunes de Freitas

POLÍTICA, PADRÕES E PROCEDIMENTOS DE INFORMAÇÃO. Rogério Nunes de Freitas POLÍTICA, PADRÕES E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Rogério Nunes de Freitas Política : texto de alto nível, que dá direcionamento geral e significado aos objetivos e intenções da administração

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE

TERMO DE RESPONSABILIDADE TERMO DE RESPONSABILIDADE Pelo presente instrumento particular, declaro assumir a total responsabilidade pela utilização do CARTÃO FUNCIONAL e SENHA ELETRÔNICA, doravante chamados de IDENTIDADE DIGITAL

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ORDEM DE SERVIÇO Nº 2/SETIN, DE 16 DE OUTUBRO DE 2008.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ORDEM DE SERVIÇO Nº 2/SETIN, DE 16 DE OUTUBRO DE 2008. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ORDEM DE SERVIÇO Nº 2/SETIN, DE 16 DE OUTUBRO DE 2008. O SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais e regulamentares,

Leia mais

André Campos Sistema de Segurança da Informação Controlando os Riscos 2 a Edição Visual Books Sumário Parte I - Sistema de Gestão 13 1 Conceitos Essenciais 15 1 1 Informação 15 1 2 A Informação e sua Importância

Leia mais

Padrão ix. Manual de Instalação do Q-Ware Server Versão 3.0.0.2

Padrão ix. Manual de Instalação do Q-Ware Server Versão 3.0.0.2 Padrão ix Manual de Instalação do Q-Ware Server Versão 3.0.0.2 Copyright 2000-2014 Padrão ix Informática Sistemas Abertos S/A. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste manual estão sujeitas

Leia mais

Política de Privacidade do Serviço OurSound para Estabelecimentos

Política de Privacidade do Serviço OurSound para Estabelecimentos Política de Privacidade do Serviço OurSound para Estabelecimentos Esta Política de privacidade explica a política do OurSound no que tange a coleta, utilização, divulgação e transferência de informações,

Leia mais

Sumário. Parte I - Sistema de Gestão... 13. 1 Conceitos Essenciais... 15. 2 O que é a Segurança da Informação?... 17

Sumário. Parte I - Sistema de Gestão... 13. 1 Conceitos Essenciais... 15. 2 O que é a Segurança da Informação?... 17 Sumário Parte I - Sistema de Gestão... 13 1 Conceitos Essenciais... 15 1.1 Informação... 15 1.2 A Informação e sua Importância... 16 2 O que é a Segurança da Informação?... 17 2.1 Confidencialidade...

Leia mais

Certificado Digital. Manual do Usuário

Certificado Digital. Manual do Usuário Certificado Digital Manual do Usuário Índice Importante... 03 O que é um Certificado Digital?... 04 Instalação do Certificado... 05 Revogação do Certificado... 07 Senhas do Certificado... 08 Renovação

Leia mais

Política de uso da Internet

Política de uso da Internet Política de uso da Internet Índice Introdução...02 Serviço...03 Responsabilidades...04 Uso desautorizado...05 Uso autorizado...06 Atividades disciplinares...07 Retratação...08 Declaração...09 Políticas

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O sistema E-DOC substituirá o atual sistema existente. Este sistema permitirá o controle de petições que utiliza certificado digital para autenticação de carga de documentos.

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1. DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO 1.1 O Laboratório de informática pode ser utilizado das 7:30 às 22:30

Leia mais

12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5

12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5 12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Uso de Dispositivos Móveis nos Aspectos relativos

Leia mais

Política de Software Seguro da empresa Produção S.A

Política de Software Seguro da empresa Produção S.A Política de Software Seguro da empresa Produção S.A 1 Índice 1.0 - Introdução ----------------------------------------------------------------------------------3 2.0 - Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------4

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Esta POLÍTICA DE PRIVACIDADE se aplica ao levantamento de dados e uso do site FERRAMENTA/WEBSITE YOU 24h.

Esta POLÍTICA DE PRIVACIDADE se aplica ao levantamento de dados e uso do site FERRAMENTA/WEBSITE YOU 24h. A FERRAMENTA/WEBSITE YOU 24h é composta por várias páginas web, em HTML e outras codificações, operadas por YOU24h Tecnologia Ltda., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o nº 14.994.971/0001-09,

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROF. SÓCRATES FILHO http://socratesfilho.wordpress.com

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROF. SÓCRATES FILHO http://socratesfilho.wordpress.com Comentários sobre prova do TRE/PR 2009 (CESPE TRE/PR 2009 Analista Judiciário Especialidade: Análise de Sistemas) A figura acima ilustra como um sistema de gerenciamento de segurança da informação (SGSI)

Leia mais

Título I Das Disposições Gerais

Título I Das Disposições Gerais PORTARIA Nº 207 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre as Diretrizes Básicas de Segurança da Informação no âmbito da Fundação Cultural Palmares. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES, no uso de suas

Leia mais

Sistemas para Internet 06 Ataques na Internet

Sistemas para Internet 06 Ataques na Internet Sistemas para Internet 06 Ataques na Internet Uma visão geral dos ataques listados na Cartilha de Segurança para Internet do CGI Comitê Gestor da Internet Componente Curricular: Bases da Internet Professor:

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

Características de Firewalls

Características de Firewalls Firewall Firewall é um sistema de proteção de redes internas contra acessos não autorizados originados de uma rede não confiável (Internet), ao mesmo tempo que permite o acesso controlado da rede interna

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 2 INFRAESTRUTURA DE TI Para garantir o atendimento às necessidades do negócio, a área de TI passou a investir na infraestrutura do setor, ampliando-a,

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Revisando Qual o objetivo da norma ISO 27002? É possível uma empresa se certificar nesta norma? ABNT NBR ISO/IEC 27002 Organização

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA Sumário 1. Objetivo 2. Campo de aplicação 3. Documentos de Referência 4. Definições 5. Condições gerais 6. Condições de Acesso aos Recursos 7. Autenticação de Usuários 8. Recursos de Hardware e Software

Leia mais

Capítulo: Proteção às Informações

Capítulo: Proteção às Informações Visão Geral 2 a 1 / 5 1 Para o, Inc., denominada a Empresa, as informações representam um ativo crucial. A proteção e utilização adequadas de informações em nossa posse são fundamentais para que a empresa

Leia mais

EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER

EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER https://acesso.serpro.gov.br Jose.gomes@serpro.gov.br Divisão de Suporte Tecnológico SERPRO - Regional Brasília 0xx61-411 9007 Emulação 3270 via Web Browser O serviço de Emulação

Leia mais

TE T R E MOS DE E US U O Carteira de Pedidos Atualizado em e 1 7 de d Ag A o g st s o o de d 2 01 0 3

TE T R E MOS DE E US U O Carteira de Pedidos Atualizado em e 1 7 de d Ag A o g st s o o de d 2 01 0 3 TERMOS DE USO Seja bem-vindo ao Carteira de Pedidos. Recomendamos que antes de utilizar os serviços oferecidos pelo Carteira de Pedidos, leia atentamente os Termos de Uso a seguir para ficar ciente de

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Site http://www.areastore.com/

POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Site http://www.areastore.com/ a POLÍTICA DE PRIVACIDADE Site http://www.areastore.com/ A AREA Infinitas - Design de Interiores, S.A. ( AREA ) garante aos visitantes deste site ( Utilizador ou Utilizadores ) o respeito pela sua privacidade.

Leia mais

O que é o SAT. Principais características do SAT. Prazos e obrigatoriedade

O que é o SAT. Principais características do SAT. Prazos e obrigatoriedade O que é o SAT SA T O SAT, Sistema Autenticador e Transmissor de Cupons Fiscais Eletrônicos, é um sistema que tem por objetivo documentar, de forma eletrônica, as operações comerciais do varejo dos contribuintes

Leia mais

Termo de Uso A AGENDA SUSTENTABILIDADE única e exclusiva proprietária do domínio www.agenda SUSTENTABILIDADE.com.br, doravante denominado AGENDA SUSTENTABILIDADE, estabelece o presente TERMO DE USO para

Leia mais

REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO

REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores da Faculdade Cenecista

Leia mais

9. Quais as características a tecnologia de conexão à Internet denominada ADSL A) Conexão permanente, custo variável, linha telefônica liberada e

9. Quais as características a tecnologia de conexão à Internet denominada ADSL A) Conexão permanente, custo variável, linha telefônica liberada e 9. Quais as características a tecnologia de conexão à Internet denominada ADSL A) Conexão permanente, custo variável, linha telefônica liberada e velocidade maior do que as linhas tradicionais. B) Conexão

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA GADE SOLUTION Tatiana Lúcia Santana GADE SOLUTION 1. Conceituação: A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação de qualidade é capaz

Leia mais