REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS EDP 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS EDP 2013"

Transcrição

1 REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS EDP 2013

2 ÍNDICE 1. Entidade responsável pela organização dos campos de férias (CF) Objetivos os CF Funcionamento dos CF Processo de candidatura e seleção Acesso a atividades Plano pedagógico Portal na internet 5 8. Divulgação dos CF Transportes Saúde Segurança Visitas Comunicação Equipa de gestão pedagógica (monitores) Acompanhamento do serviço social Desistências, saídas definitivas e temporárias do CF Vestuário e equipamentos Alimentação Horário praticado nos CF Pagamento por participante Direitos dos participantes e dos pais ou encarregados de educação Deveres dos participantes e dos pais ou encarregados de educação Direitos dos monitores/equipa de gestão pedagógica Deveres dos monitores/equipa de gestão pedagógica Direitos do coordenador/responsável da empresa de gestão pedagógica Deveres do coordenador/responsável da empresa de gestão pedagógica Direitos da entidade promotora/organizadora (EDP Valor) Deveres da entidade promotora/organizadora (EDP Valor) Livro de reclamações e sugestões de melhoria Incumprimentos Página 2

3 O presente regulamento dos Campos de Férias da EDP visa definir os direitos, deveres e regras respeitantes a todas as partes envolvidas nas atividades que neles se desenvolvem. 1. Entidade responsável pela organização dos campos de férias (CF) A EDP Valor Gestão Integrada de Serviços S.A., organiza os CF EDP, em conformidade com o Decreto-Lei nº 32/2011 de 7 de março. A EDP Valor subcontrata, a empresas especializadas, a gestão pedagógica dos CF, assegurando, em todas as circunstâncias, a qualidade da prestação de serviços. Nos CF são promovidas atividades especializadas, de acordo com a faixa etária dos seus utentes, a qual varia entre os 6 e os 15 anos. Excecionalmente, nomeadamente por recomendação médica para o desenvolvimento psicossocial dos jovens, poderão participar jovens com idade superior a 15 anos, até ao limite legal de 18 anos. Contactos: - EDP Valor Gestão Integrada de Serviços, SA Direção de Serviços de Recursos Humanos Departamento Assuntos Sociais Rua Camilo Castelo Branco, nº 46-SLJ, Lisboa - Contact Centre ou ou extensão interna Internet: 2. Objetivos dos CF Os CF EDP visam proporcionar, aos jovens participantes que em 30 de junho tenham entre 6 e 15 anos, uma experiência de desenvolvimento integral, num ambiente saudável, privilegiando o contacto com a natureza. Cada turno tem a duração de 13 dias e obedece a um plano pedagógico com os seguintes objectivos: a) proporcionar aos participantes um espaço de convívio salutar, através da participação em atividades que contribuem para o desenvolvimento pessoal; b) promover a participação ativa e responsável na vida dos CF; c) privilegiar o contacto com a natureza e promover a consciência ambiental dos jovens participantes; d) garantir as condições de segurança em todas as atividades realizadas, implementando medidas de prevenção e assegurando a assistência médica em caso de necessidade; e) promover a satisfação dos nossos participantes e respetivos familiares, estimulando a conciliação entre a vida de trabalho e a vida familiar, pondo em prática os princípios de responsabilidade social da Empresa. 3. Funcionamento dos CF 3.1 Grupos etários por instalação Árvore: 6 a 10 anos e 11 e 12 anos em instalações fixas; Castelo de Bode: 11 e 12 anos e 13 e 14 anos em acampamento/tendas, 15 anos em instalações fixas ( vivendas ); Página 3

4 Palmela: 6 a 10 anos e 11 e 12 anos em instalações fixas. 3.2 Contactos a) Campo de Férias da Árvore EDP - Rua do Cabreiro (junto ao Parque de Campismo), Areia, Árvore - Telefones: / / / b) Campo de Férias de Castelo do Bode EDP - Castelo do Bode, Tomar - Telefones: / / / / / c) Campo de Férias de Palmela EDP - Rua Dr. Bernardo Teixeira Botelho, nº Palmela - Telefones: ou Processo de candidatura e seleção As candidaturas realizam-se através do preenchimento de uma ficha, disponível em papel ou formato digital (v. ponto 7), a qual deve ser enviada, respetivamente, para o ou endereço postal mencionado no ponto A candidatura de participantes com idades compreendidas entre os 6 e os 10 anos e 11 e 12 anos obedece a um critério regional. Assim, para as instalações da Árvore podem candidatar-se os participantes residentes nos distritos de Aveiro, Braga, Bragança, Coimbra, Guarda, Porto, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu. Os dos restantes distritos devem inscrever-se no CF de Palmela e de Castelo do Bode. Contudo, se pretender inscrever um participante não cumprindo esta regra, estará sujeito a vaga e os pais ou responsáveis legais terão que assegurar o transporte de ida e regresso. A seleção das candidaturas considera além da data de entrada da ficha de inscrição, os seguintes critérios: a) não ter participado no ano anterior; b) apresentar o menor número de participações nos últimos 5 anos; c) enviar a seguinte documentação: Cartão do Serviço Nacional de Saúde, Cartão de Cidadão, Cartão da Sãvida ou de outro subsistema de saúde e ficha médica. 5. Acesso a atividades Os participantes terão acesso a todas as atividades, salvo por motivos de saúde, quando devidamente justificados por relatório médico, meteorológicos ou por indicação escrita dos pais. 6. Plano pedagógico Página 4

5 Os programas de atividades são propostos pelas empresas de Gestão Pedagógica (GP) dependendo a sua implementação da avaliação e aprovação prévias da EDP Valor. As empresas de GP deverão anteceder as atividades com ações que: a) mobilizem antecipadamente os participantes para as questões de segurança e de proteção da natureza; b) assegurem o acompanhamento sistemático das atividades pelos monitores; c) assegurem o apoio logístico das atividades, nomeadamente, apoio de viatura, meios de comunicação, primeiros socorros, entre outros; d) disponibilizem os equipamentos individuais de proteção para todos os participantes de acordo com as atividades a realizar. No âmbito dos objetivos pedagógicos das atividades e do espírito comunitário, no CF de Castelo do Bode, os participantes colaboram nas atividades relativas ao serviço de mesas no refeitório. Os planos de ação dos CF são diferenciados para responder aos diferentes níveis de desenvolvimento físico e inteletual que caracterizam os diferentes grupos etários em que os participantes se integram. 7. Portal na internet A empresa disponibiliza, em português e em espanhol, através da internet em Ficha de inscrição, Regulamento, Planos de Atividades, Contactos dos CF, Transportes e o Fazer a mala. Os encarregados de educação podem neste Portal acompanhar o dia a dia dos campos através de pequenos textos, fotografias e vídeos. Os jovens levam para casa um CD com as fotografias do turno. 8. Divulgação dos CF No mês de março a empresa envia para os pais ou encarregados de educação, informação referente a calendarização e inscrição. Esta informação também é divulgada na intranet edp on e no portal CF (v. ponto 7). Durante o funcionamento dos CF a empresa de gestão pedagógica e a DMC recolhem imagens para pequenos vídeos que são colocados na intranet edp e portal dos CF Também realizam reportagens fotográficas e pedem testemunhos a participantes e pais ou representante legal que são divulgadas na edp on Revista, TV e Rádio. 9. Transportes A empresa assegura o transporte dos participantes, de acordo com o ponto 4.2, através da contratação de empresas de camionagem que cumpram os requisitos legais. Durante as viagens os participantes serão acompanhados por monitores das empresas de GP. Os locais e horários de partida e chegada são os seguintes: a) Lisboa [transporte para os CF C. Bode e Palmela] Alameda Edgar Cardoso Parque Eduardo VII - junto à Estufa Fria - às 10h30 na ida e às 17h00 no regresso. b) Porto [transporte para os CF Árvore e C. Bode] Rua Ofélia Diogo da Costa, nº junto à Casa da Música, às 08h30 na ida e às 18h00 no regresso; c) Coimbra [transporte para os CF Árvore e C. Bode] Av. Urbano Duarte, nº 100 Edifício Arregaça - às 10h00 na ida e às 16h30 no regresso. d) Castelo do Bode [transporte para o CF Palmela] junto ao Campo de Férias de Castelo do Bode da EDP, às 09h00 na ida e 18h30 no regresso; Página 5

6 e) Faro [transporte para os CF C. Bode e Palmela] Pr. Da Liberdade antigo Largo da Pontinha frente ao Museu Regional do Algarve às 06h00 na ida e às 21h00 no regresso. Aviso: se ocorrerem alterações de horários os encarregados de educação serão avisados através do portal 10. Saúde Cada participante, recebe uma ficha médica na qual o médico assistente deve confirmar as condições de saúde indispensáveis à participação nas atividades dos CF. A ausência dessa ficha, devidamente preenchida, bem como de cópia do cartão do Serviço Nacional de Saúde/Cartão Cidadão e Cartão da Sãvida, impossibilita a participação nos CF. Os participantes estão abrangidos por um seguro de acidentes pessoais e de responsabilidade civil, de acordo com o previsto na portaria 629/2004 de 12 de junho. Os participantes com necessidades de cuidados médicos especiais devem fazer-se acompanhar de prescrição médica para medicação habitual, dietas especiais ou outros cuidados. Cada CF está equipado com um posto de primeiros socorros. Os CF de Árvore e de Palmela possuem ainda acompanhamento de um médico Pediatra. Sempre que necessário, os participantes serão conduzidos aos centros de saúde ou hospitais da área geográfica dos CF. 11. Segurança Os CF dispõem de um Plano de Segurança Interno adequado ao tipo de utentes, atividades praticadas e particularidades de cada instalação. A EDP Valor promove anualmente, em cada CF, a realização de ações de sensibilização e formação na área da Prevenção e Segurança. No início de cada turno, é promovida uma ação de sensibilização e de simulação, como preparação para uma eventual evacuação da instalação. As instalações e equipamentos dos CF são anualmente sujeitos a vistorias de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho, realizadas por uma entidade externa devidamente acreditada. As instalações dispõem de portaria diurna e vigilância noturna. 12. Visitas Às instalações - As atividades dos CF de Árvore e de Palmela são antecedidas por uma visita dos pais ou encarregados de educação e participantes, apenas no sábado anterior à data de início do 1º turno, das 15h00 às 17h00. Nessa visita os pais ou encarregados de educação e participantes têm a possibilidade de conhecer a equipa técnica e visitar livremente as instalações Aos participantes - Nos CF de Árvore, Castelo do Bode e de Palmela, as visitas aos participantes decorrem apenas no segundo domingo de cada turno, das 14h30 às 16h Comunicação Com os participantes, através dos telefones do CF ou dos telemóveis individuais, das 14h00 às 15h Com o coordenador dos monitores, através dos telefones do CF, das 20h30 às 21h30, para responder a questões dos pais ou encarregados de educação. Página 6

7 14. Equipa de gestão pedagógica (monitores) A EDP Valor exige à empresa de Gestão Pedagógica a garantia das qualificações de cada monitor, de acordo com o Decreto-Lei 32/2011. Os monitores são conhecedores dos princípios que orientam as atividades dos CF da EDP. Cabe aos monitores o desenvolvimento do plano de atividades no contexto dos objetivos pedagógicos associados aos diferentes grupos etários. Os monitores devem ainda assegurar a utilização cuidada de equipamentos e das instalações, garantindo ainda o cumprimento das normas de saúde, higiene e segurança. Cabe aos monitores acompanhar e apoiar os participantes durante a realização das atividades. De acordo com a legislação em vigor, a cada monitor/animador caberá um grupo de 6 participantes cuja idade seja inferior a 10 anos; um monitor/animador para cada conjunto de 10 participantes nos casos em que a idade esteja compreendida entre os 10 e os 18 anos. 15. Acompanhamento do serviço social A EDP Valor assegura o acompanhamento integral das atividades, através de profissionais especializados na área do serviço social. 16. Desistências, saídas definitivas e temporárias dos CF Desistências (antes do início do turno) - Após a seleção dos participantes, as eventuais desistências deverão ser comunicadas antecipadamente, por escrito, à EDP Valor até 15 dias antes da data do início do turno para o qual os participantes foram selecionados. Nos casos das desistências serem comunicadas após o prazo mencionado, os colaboradores/pensionistas serão responsáveis pelo pagamento de uma taxa no valor de 100 por descendente. A taxa mencionada será descontada no vencimento no mês de novembro. Constituem exceção os casos devidamente justificados, por escrito, à EDP Valor Saídas definitivas - Quando os pais ou encarregados de educação, por sua iniciativa ou a pedido dos participantes, manifestem a vontade de abandonar os CF, deverão comunicar o facto à EDP Valor. Nesses casos, os pais ou encarregados de educação deverão contactar o Coordenador dos monitores que informará a EDP Valor. Na instalação devem assinar impresso próprio e serão responsáveis pelo pagamento de uma taxa no valor de 100 por descendente, a descontar no mês de novembro. Contudo, não será aplicada esta taxa em situações de saúde, acidente, inadaptação ou outros motivos de força maior devidamente comprovados e apreciados pelo assistente social Saídas temporárias - Durante os turnos e por motivos de segurança, os participantes não podem ausentarse dos CF. Em situações excecionais e por motivos de força maior, devidamente comprovados, os participantes poderão sair temporariamente, por um curto período de tempo, desde que acompanhados pelos encarregados de educação. Estas situações, quando previsíveis, deverão ser comunicadas na altura das inscrições para se verificar a possibilidade de mudança de turno e só se tal não for possível serão aceites. 17. Vestuário e equipamentos Cada participante deverá ter consigo o seguinte vestuário e equipamentos: CF de Árvore e Palmela 6 a 12 anos Árvore e 6 a 10 anos Palmela Mudas de roupa completa para 13 dias: t shirts, calções, roupa interior, meias, 2 fatos de banho, 2 pijamas, 2 agasalhos (camisola e calças), 2 fatos de treino, 1 par de ténis, 1 par sandálias, 1 chinelos de banho, estojo de higiene, escova e pasta dentes, elástico p/ óculos de uso permanente, pente ou escova, protetor solar com índice de proteção igual ou superior a 30, creme hidratante, gel de banho e outros Página 7

8 produtos de higiene de uso habitual do participante, como, por exemplo, pensos higiénicos, tampões CF de Castelo Bode 11 a 15 anos Mudas de roupa completa para 13 dias: t-shirts, calções, roupa interior, meias, 2 fatos de banho, 1 toalha de banho, 1 toalha de praia, 2 agasalhos (camisola e calças), 2 pares de ténis, 1 chinelos de banho, estojo de higiene, escova e pasta dentes, elástico p/ óculos de uso permanente, pente ou escova, 1 cantil, 1 sacocama, 1 lanterna, 1 saco térmico pequeno (para lanche), protetor solar com índice de proteção igual ou superior a 30, creme hidratante, gel de banho e outros produtos de higiene de uso habitual do participante, como por exemplo, pensos higiénicos, tampões. 18. Alimentação Em todas as instalações são disponibilizadas 6 refeições diárias: pequeno-almoço, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia. A composição das refeições, bem como as ementas são determinadas por técnicos especializados, de acordo com as idades dos participantes e as atividades desenvolvidas. No CF de Castelo do Bode, apenas durante o horário de descanso, existe serviço de cafetaria que disponibiliza gelados, chocolates, águas e sumos. 19. Horário praticado nos CF Os horários praticados estão de acordo com o plano de atividades estabelecido para cada instalação. 08:00 Alvorada 18:30 Higiene 09:00 Pequeno-almoço 19:30 Jantar 09:30 Arrumações 21:15 Atividades nocturnas 09:45 Atividades 22:30 Ceia (6 aos 10 anos) 11:00 - Lanche da manhã 23:00 Ceia (11 e 12 anos) 13:00 Almoço 23:30 Ceia (13 a 15 anos) 15:30 Atividades Recolher (15 min. após a Ceia) 16:30 Lanche Silêncio (30 min. após a Ceia) 20. Pagamento por participante A comparticipação por cada participante dos CF depende do regime contratual do trabalhador e é definida anualmente pela EDP Valor. O colaborador será informado do valor da comparticipação na ficha de inscrição, devendo obrigatoriamente autorizar o respetivo desconto no vencimento. Página 8

9 Para efeitos de pagamento, cada descendente é considerado participante a partir do momento da entrada no respetivo CF. 21. Direitos dos participantes e dos pais ou encarregados de educação a) respeito pela confidencialidade da informação constante na sua ficha de inscrição; b) assistência adequada nos casos de doença ou de acidente; c) beneficiar de um seguro de acidentes pessoais e responsabilidade civil; d) acesso a todas as atividades realizadas no CF, exceto por motivos de saúde, devidamente assinalados por um médico; meteorológicos ou por indicação explícita e escrita dos pais ou encarregados de educação; e) posse de um telemóvel e respetiva utilização desde que dentro do horário definido no CF; f) integridade e controlo dos bens, devidamente descriminados no impresso disponibilizado pela EDP. Os bens encontrados nas instalações do CF, durante cada turno, serão depositados na caixa de Perdidos e Achados para reconhecimento e devolução aos respetivos participantes. 22. Deveres dos participantes e dos pais ou encarregados de educação a) conhecer o regulamento interno e cumpri-lo; b) possuir a ficha médica e cópia do cartão do Serviço Nacional de Saúde/Cartão de Cidadão e Cartão da Sãvida. A falta destes documentos impossibilitará a participação no CF; c) assegurar o controlo e arrumação dos bens pessoais para prevenir o seu desaparecimento. A organização não se responsabiliza pelo desaparecimento de objetos que não estejam à sua guarda, pelo que cada participante terá a inteira responsabilidade de zelar pelos seus bens; d) assegurar o transporte dos participantes sempre que estes abandonem o CF antes do termo do turno; e) assegurar o transporte dos participantes sempre que estes vão para uma instalação que não seja a da sua área de residência (ver 4.2); f) possuir todo o equipamento requerido e listado; g) abster-se do consumo de medicamentos não prescritos ou outras substâncias proibidas; h) abster-se de transportar objectos passíveis de causar danos físicos em terceiros; i) utilizar a piscina apenas durante o horário definido para o efeito; j) permanecer nos dormitórios ou nas tendas apenas durante o horário definido para o efeito ou, fora do horário, com autorização dos monitores. 23. Direitos dos monitores/equipa de gestão pedagógica a) participar na criação de programas de atividades para os CF de acordo com os objetivos lúdicos e pedagógicos; b) ter formação prévia à preparação das atividades a realizar nos CF; c) ter condições materiais necessárias para a realização das atividades, de acordo com o programa: d) ter direito a alojamento e refeições diárias, que são tomadas com os participantes; Página 9

10 e) ser apoiado no exercício das suas funções pelo coordenador; f) têm o direito de exigir o cumprimento do presente regulamento aos participantes; g) poder apresentar sugestões de melhoria ao coordenador. 24. Deveres dos monitores/equipa de gestão pedagógica a) acompanhar os participantes durante a execução das atividades dos CF de acordo com o previsto no plano de atividades e utilizar os equipamentos adequados de acordo com as normas de segurança. b) coadjuvar o coordenador na organização das atividades dos CF e executar as suas instruções; c) acompanhar os participantes durante as atividades prestando-lhes todo o apoio e auxílio de que necessitem; d) cumprir e assegurar o cumprimento, pelos participantes das normas de saúde, higiene e segurança; e) verificar as condições de saúde dos participantes e encaminhar; f) verificar a adequação e as condições de conservação e de segurança dos materiais a utilizar pelos participantes; g) cumprir o presente Regulamento, Plano pedagógico Plano de Atividades e Plano de Segurança Interno; h) cumprir as orientações do coordenador; i) desenvolver a atividade educativa de acordo com as orientações pedagógicas; j) vigiar e orientar, constantemente, os participantes durante a sua estadia nos CF; k) controlar o comportamento dos participantes, manter a ordem e a disciplina, promover o respeito e educar para a cidadania. 25. Direitos do coordenador/responsável da empresa de gestão pedagógica a) o coordenador/responsável da empresa de gestão pedagógica tem o direito de excluir qualquer monitor que adote uma conduta profissional menos própria e que não cumpra o presente regulamento; b) tem o direito de reajustar ou alterar o plano de atividades do CF sempre que lhe pareça necessário (questões climatéricas ou outras imponderáveis). 26. Deveres do coordenador/responsável da empresa de gestão pedagógica a) o coordenador/responsável da empresa de gestão pedagógica é responsável pelo funcionamento do CF, cabendo-lhe a superintendência técnica, pedagógica e administrativa das atividades do CF; b) elaborar o plano de atividades e acompanhar a sua boa execução; c) coordenar a ação do seu corpo técnico; d) assegurar o cumprimento da legislação em vigor e presente regulamento; e) zelar pela prudente utilização dos equipamentos e pela conservação das instalações; f) manter permanentemente disponível e atualizada toda a documentação; g) garantir o cumprimento das normas de saúde, higiene e segurança; Página 10

11 h) promover a avaliação diária das actividades; i) assegurar o contacto permanente e diário com a EDP Valor; j) elaborar relatório de ocorrências e de turno; k) efetuar a avaliação de desempenho dos monitores; l) acompanhar e avaliar os prestadores de serviço que se encontram a exercer actividade profissional no CF (alimentação, vigilância, limpeza, piscina, jardinagem); m) ter conhecimento do Plano de Segurança Interno da instalação e agir em conformidade; n) promover ações de formação/sensibilização na área das atividades realizadas. 27. Direitos da entidade promotora/organizadora (EDP Valor) a) exigir o cumprimento do presente regulamento com vista ao bom funcionamento do CF; b) definir os conteúdos e objetivos das atividades a desenvolver, respetiva calendarização, localização e divulgação; c) exigir o correto preenchimento da ficha de inscrição. A falta da ficha médica, cópia do Cartão do Serviço Nacional de Saúde, Cartão do Cidadão, Cartão da Sãvida ou de outro subsistema de saúde impossibilitará a participação no CF; d) exigir o pagamento de 100 no caso de não serem comunicadas antecipadamente as desistências, por escrito, até 15 dias antes da data de início do turno; e) exigir o pagamento de 100 nas situações de saídas definitivas que não sejam devidas a problemas de saúde, acidente e inadaptação, devidamente apreciadas pelo assistente social. Neste caso os encarregados de educação assinam um impresso próprio onde se informa que serão descontados 100 no mês de novembro. 28. Deveres da entidade promotora/organizadora (EDP Valor) a) assumir o compromisso de adotar os procedimentos necessários para a proteção das crianças e jovens; b) definir claramente os direitos, deveres e regras a observar por todos os elementos que integram o CF; c) assegurar o transporte dos participantes no início e fim dos turnos, que serão acompanhados pelos monitores das empresas de GP (Lisboa, Porto, Coimbra, Faro); d) assegurar que cada participante está abrangido por um seguro de acidentes pessoais e de responsabilidade civil, de acordo com o previsto na portaria 629/2004 de 12 de junho; e) promover nos CF ações de sensibilização e formação na área da Prevenção e segurança. 29. Livro de reclamações e sugestões de melhoria Todas as sugestões ou eventuais reclamações poderão ser enviadas para o endereço de referido no ponto 1 deste regulamento. Cada participante tem ainda a possibilidade de fazer chegar as suas sugestões aquando da avaliação das atividades realizada no último dia do turno. De acordo com a Portaria 373/2004 de 13 de Abril, existem livros de reclamações nos CF. 30. Incumprimentos Página 11

12 Nos casos de desrespeito pelo regulamento ou pelas regras pedagógicas da actividade, o Coordenador em conjunto com a equipa pedagógica, deverão propor à EDP Valor a solução mais adequada. Nos casos de desrespeito considerado muito grave, os participantes poderão ser forçados a antecipar a saída do CF. Cabe à Direcção de Serviços de Recursos Humanos da EDP Valor a resolução de todas as questões não previstas neste regulamento. Página 12

CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS

CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS - 2015 - PROJETO DINAMIZADO PELA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE ESPINHO REGULAMENTO Espinho, 4 de Maio de 2015 INDICE 1. Entidade responsável pela organização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO FÉRIAS DESPORTIVAS DO ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

REGULAMENTO INTERNO FÉRIAS DESPORTIVAS DO ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA REGULAMENTO INTERNO FÉRIAS DESPORTIVAS DO ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA REGULAMENTO INTERNO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS O presente regulamento tem como objetivo dar a conhecer a todos os intervenientes e

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

SPORT CAMPUS 2015. Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO. Parceiros:

SPORT CAMPUS 2015. Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO. Parceiros: SPORT CAMPUS 2015 Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO Parceiros: Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades

Leia mais

Município de Pinhel. Projeto de Regulamento do Programa de Férias Desportivas do Município de Pinhel. Nota Justificativa

Município de Pinhel. Projeto de Regulamento do Programa de Férias Desportivas do Município de Pinhel. Nota Justificativa Município de Pinhel Projeto de Regulamento do Programa de Férias Desportivas do Município de Pinhel Nota Justificativa O programa de férias desportivas promovido pelo Município de Pinhel é, ao abrigo do

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL EDITAL Nº 09/DAF-DAG/2009 ----- ANA TERESA VICENTE CUSTÓDIO DE SÁ, na qualidade de Presidente da Câmara Municipal de Palmela: --------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 78/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde 10

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO

REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO É objetivo dos Campos de Férias do Pony Club do Porto proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 12

Leia mais

CAMPUS DE JUDO 2014. Organização da Turma dos Judokinhas

CAMPUS DE JUDO 2014. Organização da Turma dos Judokinhas CAMPUS DE JUDO 2014 Organização da Turma dos Judokinhas 1 CAMPUS DE JUDO - TURMA DOS JUDOKINHAS (1ºTurno) 29/06/2014 a 04/07/2014 (2ºTurno) 06/07/2014 a 11/07/2014 (3ºTurno) 13/07/2014 a 18/07/2014 Quem

Leia mais

De forma a melhor adequar os objetivos das atividades às expectativas, necessidades e motivações dos jovens

De forma a melhor adequar os objetivos das atividades às expectativas, necessidades e motivações dos jovens O GO UP! Dão Lafões Summer Camp é um campo de férias, organizado pela CIMRDL Comunidade Intermunicipal da Região Dão Lafões, em regime residencial com a duração de 5 dias que pretende, de uma forma dinâmica

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO NOTA JUSTIFICATIVA A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens tem apresentado um aumento significativo nos últimos tempos.

Leia mais

PROJETO CRESCE CAMPO DE FÉRIAS PARA CRIANÇAS COM DOENÇA RENAL ORGANIZAÇÃO

PROJETO CRESCE CAMPO DE FÉRIAS PARA CRIANÇAS COM DOENÇA RENAL ORGANIZAÇÃO PROJETO CRESCE CAMPO DE FÉRIAS PARA CRIANÇAS COM DOENÇA RENAL 2015 ORGANIZAÇÃO O que é o PROJETO CRESCE O Projeto CRESCE, que será organizado pela APIR Associação Portuguesa de Insuficientes Renais pela

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR O presente regulamento, tem como objetivo principal ocupar o tempo livre das crianças com idades compreendidas entre os 6 e os is anos,

Leia mais

Regulamento Interno. Objectivo

Regulamento Interno. Objectivo Regulamento Interno Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades compreendidas entre os 08 e os 18 anos, com a finalidade

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE VERÃO - 2015

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE VERÃO - 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE VERÃO - 2015 A criação do Programa de Mini Férias de Verão 2015 foi pensada para o fortalecimento e melhoramento da qualidade de vida dos munícipes,

Leia mais

DATA DE NASCIMENTO INFORMAÇÕES ADICIONAIS:

DATA DE NASCIMENTO INFORMAÇÕES ADICIONAIS: FORMULÁRIO DE RESERVA JUNIOR 06/11 julho (7-12anos) MASTER 20/25 julho (10-16 16 anos) Depois de preencher este formulário poderá remetê-lo por e-mail e para pnoudar@edia.pt ou por fax (285 950 001) NOME

Leia mais

Regulamento Interno Campo de Iniciação à Canoagem C.F.C. 2015

Regulamento Interno Campo de Iniciação à Canoagem C.F.C. 2015 Regulamento Interno Campo de Iniciação à Canoagem C.F.C. 2015 2 Regulamento Interno do Campo de Iniciação à Canoagem O presente regulamento tem como objectivo dar a conhecer a todos os intervenientes eparticipantes

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ. Regulamento das Férias Ativas

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ. Regulamento das Férias Ativas CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ Regulamento das Férias Ativas PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela alínea a) do

Leia mais

Regulamento Interno Campos de Férias Tá a Mexer. Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS

Regulamento Interno Campos de Férias Tá a Mexer. Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS 1. O Programa do Campo de Férias da Tá a Mexer constitui um programa cultural, desportivo, ambiental e lúdico de tempos livres, em regime aberto, de crianças e jovens. Este

Leia mais

Colónias de Férias Infantil REGULAMENTO INTERNO

Colónias de Férias Infantil REGULAMENTO INTERNO Colónias de Férias Infantil REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Âmbito As normas definidas no presente Regulamento Interno visam estabelecer as condições de funcionamento da Colónia

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Quinta da Escola CAMPOS DE FÉRIAS QUINTA DA ESCOLA. 1. Apresentação

CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Quinta da Escola CAMPOS DE FÉRIAS QUINTA DA ESCOLA. 1. Apresentação CAMPOS DE FÉRIAS QUINTA DA ESCOLA 1. Apresentação O Centro de Educação Ambiental Quinta da Escola é propriedade da Coopescola Cooperativa de Ensino da Penha de França, CRL, sediada em Lisboa e localiza-

Leia mais

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO 1) Objectivos a) A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC) realiza a 1ª Edição da Escola de Verão com uma semana de ocupação para jovens

Leia mais

MUNICÍPIO DE MIRANDA DO DOURO. Férias ativas. Regulamento interno

MUNICÍPIO DE MIRANDA DO DOURO. Férias ativas. Regulamento interno MUNICÍPIO DE MIRANDA DO DOURO Férias ativas Regulamento interno PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela alínea

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 Contactos da Junta de Freguesia Morada: Rua General Silva Freire, Lote C 1849-029 Lisboa Telefone: 21 854 06 90 Fax: 21 852 06 87 / 21 248 79 25 E-mail:

Leia mais

Programa Olivais em Férias

Programa Olivais em Férias Capítulo 90 Programa Olivais em Férias Ano 2015 MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 8 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Planeamento e Organização... 3 3. Inscrição... 3 3.1. Valor a pagar... 3 3.2. Fichas de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELA UNIÃO DAS FREGUESIAS DO CACÉM E SÃO MARCOS - SINTRA REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELA UNIÃO DAS FREGUESIAS DO CACÉM E SÃO

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª.

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Capítulo I Natureza / Fins e Âmbito de Aplicação A Ldª., é um estabelecimento com fins lucrativos, com sede em Vales do Rio - Covilhã,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS DO MUNICIPIO DO CARTAXO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS DO MUNICIPIO DO CARTAXO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FÉRIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS DO MUNICIPIO DO CARTAXO PREÂMBULO O Programa de Férias Desportivas e Culturais promovido pela Câmara Municipal do Cartaxo é, ao abrigo do Decreto-Lei

Leia mais

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora OBJECTIVOS GERAIS 1 Criação em todas as suas componentes estruturais, de um espaço físico com vista à realização de actividades de lazer e em contacto directo com a natureza, nomeadamente: a) Campos de

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS Preâmbulo Considerando: As competências previstas nos artigos 112º e 241º da Constituição da República Portuguesa; O regime previsto no Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 CAPITULO I NATUREZA, FINS E OBJETIVOS A empresa de consultoria e assessoria de eventos PORMENOR MÁGICO, com sede em Guimarães juntamente com a empresa

Leia mais

0.3 Turnos de Colónias de Férias de Verão 2012

0.3 Turnos de Colónias de Férias de Verão 2012 INFORMAÇÃO DETALHADA O Campo de férias de Verão dos Pupilos é um programa de férias escolares, repleto de emoções e atividades lúdico-pedagógicas, para jovens entre os 6 e os 15 anos de idade. Temos sempre

Leia mais

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS ARTIGO 1.º OBJECTIVO 1 O presente regulamento estabelece as regras gerais a observar nos Campos de Férias organizados pela Câmara Municipal de Vila

Leia mais

Campo de Férias - FUBI

Campo de Férias - FUBI Campo de Férias - FUBI Regulamento Interno O presente regulamento dos campos de férias FUBI, pretende definir os direitos, deveres e regras a observar por todas as pessoas que envolvem as atividades, para

Leia mais

Programas Lúdicos e de Aventura

Programas Lúdicos e de Aventura Programas Lúdicos e de Aventura 1. APRESENTAÇÃO O Centro de Educação Ambiental Quinta da Escola dispõe de infraestruturas para o desenvolvimento de atividades Lúdicas e de Aventura, acompanhadas por monitores

Leia mais

Regulamento Interno. Campos de Férias (não Residenciais)

Regulamento Interno. Campos de Férias (não Residenciais) Regulamento Interno Campos de Férias (não Residenciais) O presente Regulamento Interno dos Campos de Férias não Residenciais do Acro Clube da Maia visa definir com objetividade as Regras, os Direitos e

Leia mais

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo.

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. REGULAMENTO 2014/2015 1- ADMISSÃO DE CRIANÇAS 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. 1.2 A instituição dispõe de 3 valências,

Leia mais

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica Nº 4 e Jardim de Infância Nº 3 de Alverca do Ribatejo INDICE 1. Objecto 2. Local

Leia mais

NORMAS ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE

NORMAS ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE NORMAS DE ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE NORMAS DE ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO 1. CONDIÇÕES DE ADMISSÃO 1.1 O Colégio TAGUSPARK recebe crianças

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º Denominação e Fim 1. A Casa de Repouso e Saúde de S. Brás (adiante designada por CRSS) é um equipamento privado de prestação de serviços de geriatria, titular do Alvará número

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CRECHE. Ano lectivo 2013/14. Urbanização da Quinta do Prado, Lote 17, 3020-170 EIRAS COIMBRA. www.beija-flor.

REGULAMENTO INTERNO CRECHE. Ano lectivo 2013/14. Urbanização da Quinta do Prado, Lote 17, 3020-170 EIRAS COIMBRA. www.beija-flor. REGULAMENTO INTERNO CRECHE Ano lectivo 2013/14 Urbanização da Quinta do Prado, Lote 17, 3020-170 EIRAS COIMBRA www.beija-flor.pt Tel: 239439252 email: c.beijaflor2001@gmail.com CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO REGULAMENTO INTERNO PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. FILIPA DE LENCASTRE Artigo 1º Finalidade O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer as

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALVALADE EM FÉRIAS INFÂNCIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALVALADE EM FÉRIAS INFÂNCIA REGULAMENTO DO PROGRAMA ALVALADE EM FÉRIAS INFÂNCIA PREÂMBULO O PROGRAMA ALVALADE EM FÉRIAS (PAF) é, ao abrigo da Legislação em vigor (Decreto-Lei 32/2011, de 7 de março), um campo de férias não residencial

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. Artigo 2.º (Definições) As seguintes expressões utilizadas neste Regulamento terão o significado que aqui lhes é atribuído.

REGULAMENTO GERAL. Artigo 2.º (Definições) As seguintes expressões utilizadas neste Regulamento terão o significado que aqui lhes é atribuído. REGULAMENTO GERAL Artigo 1.º (Objeto) 1. O presente regulamento estipula as normas gerais e as condições de utilização do Ginásio. 2. O regulamento é parte integrante do Contrato de Adesão, ficando os

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ 2 PREÂMBULO A educação é um instrumento fundamental para assegurar uma sociedade do conhecimento e um melhor entendimento do mundo, para o garante de uma cidadania

Leia mais

REGULAMENTO XVI CONJER

REGULAMENTO XVI CONJER REGULAMENTO XVI CONJER 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO FINALIDADES E DEFINIÇÕES 1.1. Evento: Décima sexta Confraternização das Juventudes Espíritas de Roraima - XVI CONJER 1.2. Promoção: Área de Infância e Juventude

Leia mais

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA

Leia mais

Esinval - Entidade de Formação. Regulamento Interno

Esinval - Entidade de Formação. Regulamento Interno Esinval - Entidade de Formação Regulamento Interno Legislação/ Organização Interna da Instituição A instituição denominada Esinval - Entidade de Formação Acreditada, com domicilio fiscal e profissional,

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO 1 º A Creche têm por fim satisfazer as necessidades das crianças nas diferentes etapas do seu desenvolvimento, entre os quatro meses de idade e 3 anos.

Leia mais

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 Regulamento Interno 2013 / 2014 www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 REGULAMENTO INTERNO 2013 / 2014 ESCOLA LUA CRESCENTE (Creche, Jardim de Infância e ATL) I NATUREZA E OBJECTIVOS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

Praznik Foz do Arelho. Campos de férias 2015

Praznik Foz do Arelho. Campos de férias 2015 Praznik Foz do Arelho Campos de férias 2015 1. A Praznik A Praznik dedica-se, desde 2002, à organização e animação de eventos. As nossas áreas de actividade incluem festas infantis, baby sitting, espectáculos,

Leia mais

REGULAMENTO DE CARTÕES GIAE

REGULAMENTO DE CARTÕES GIAE REGULAMENTO DE CARTÕES GIAE O Agrupamento de Escolas de Miraflores dispõe de um Sistema de Integração e Administração Escolar, adiante designado GIAE, que substitui o anterior Sistema de Integração, SIGE.

Leia mais

REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1 O presente regulamento aplica-se a todos os candidatos a Monitores de Infantis na Colónia

Leia mais

INATEL 2015 3* INATEL

INATEL 2015 3* INATEL Regulamento Turismo Júnior 2015 Colónias de Férias Residenciais INATEL Foz do Arelho Hotel 3* INATEL Luso INATEL Santa Maria da Feira INATEL Entre-os-Rios 1. O programa 1.1. Turismo Júnior 2015 Colónias

Leia mais

NATURA OBSERVA REGULAMENTO INTERNO

NATURA OBSERVA REGULAMENTO INTERNO NATURA OBSERVA REGULAMENTO INTERNO 1 O programa NATURA OBSERVA funciona em regime quinzenal ininterrupto, incluindo fins de semana e feriados. Não há atribuição de folgas. Está aberto a todos os jovens

Leia mais

Regulamento Ser Cientista

Regulamento Ser Cientista 1 Regulamento Ser Cientista 1- Objetivos 1.1 - "Ser Cientista" é um programa que tem por objetivo proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica pela

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015. Artigo 1º Âmbito e definição

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015. Artigo 1º Âmbito e definição PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015 Artigo 1º Âmbito e definição 1. As presentes normas instituem e regulam o Programa de Voluntariado Jovem para operacionalização da Equipa

Leia mais

COOPERATIVA DE ENSINO DE BENFICA, C.R.L. NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016

COOPERATIVA DE ENSINO DE BENFICA, C.R.L. NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016 1. FREQUÊNCIA 1.1. A frequência da CEBE está condicionada a que um dos pais e/ou encarregado de educação da criança se tornem sócios da CEBE, para

Leia mais

C O L É G I O D O A M O R D E D E U S

C O L É G I O D O A M O R D E D E U S C O L É G I O D O A M O R D E D E U S N.ª Ref.ª: 311/3 * 20.08.2015 Assunto: Informações diversas: Ano Escolar 2015/2016 A todos os Pais e Encarregados de Educação Exmo/a Senhor/a Encarregado/a Educação,

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP DPS 38.008-13 EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R4 14-12-2012

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º Denominação e Fim 1. A Casa de Repouso e Saúde de S. Brás (adiante designada por CRSS) é um equipamento privado de prestação de serviços de geriatria, titular do Alvará número

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS

CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUÍS BARROS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO

Leia mais

CAMPO DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO

CAMPO DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO Última revisão: maio de 2015 ÍNDICE I GENERALIDADES...2 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL 2 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 2 3. PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE DOS CAMPOS DE FÉRIAS 2 II

Leia mais

Resposta Social Creche

Resposta Social Creche Fundação Manuel Francisco Clérigo Instituição Particular de Solidariedade Social Caro(a) novo(a) utente GUIA DE ACOLHIMENTO Resposta Social Creche É com o maior prazer que lhe damos as boas vindas, como

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Natal na desportiva Programa de ocupação de tempos livres Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - município de Loures 1 a) O Programa de ocupação de tempos

Leia mais

Campos de Férias. Férias Escolares 2011

Campos de Férias. Férias Escolares 2011 Campos de Férias Férias Escolares 2011 1. A Praznik Somos uma empresa licenciada pelo Instituto Português da Juventude - alvará nº 319 - para organizar e dinamizar Campos de Férias, atribuições que incluem

Leia mais

Normas da Tribo Janeiro/2016

Normas da Tribo Janeiro/2016 Normas da Tribo Janeiro/2016 1. O PACOTE DAS TEMPORADAS INCLUI OS SEGUINTES SERVIÇOS: Transporte em ônibus de turismo fretado; Hospedagem em alojamentos com beliches e banheiro privativo com aquecimento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 Exmo. Sr. ou Sr.ª Encarregado(a) de Educação Agora que o seu educando deu mais um passo no Universo Benfiquista, é com grande satisfação que

Leia mais

COLÔNIA DE FÉRIAS REGIMENTO de VIAGENS ENTIDADE MANTENEDORA OBJETIVO OBJETO DO REGIMENTO

COLÔNIA DE FÉRIAS REGIMENTO de VIAGENS ENTIDADE MANTENEDORA OBJETIVO OBJETO DO REGIMENTO COLÔNIA DE FÉRIAS REGIMENTO de VIAGENS O propósito desse regimento é oferecer uma direção, trazer normas para estabelecer ordem. Nele contém princípios que servem como guia de ação. ENTIDADE MANTENEDORA

Leia mais

Colónias de férias, que constituem uma excelente opção para os filhos dos vossos funcionários e ou para os vossos filhos.

Colónias de férias, que constituem uma excelente opção para os filhos dos vossos funcionários e ou para os vossos filhos. COLÓNIAS 2014 LOCALIZAÇÃO E HABITAT A Herdade das Parchanas Centro de Estudos Ambientais de Alcácer do Sal, situa-se A Herdade das Parchanas Centro de Estudos Ambientais de Alcácer do Sal, situa-se entre

Leia mais

REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS E OFICINAS DE TRABALHO

REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS E OFICINAS DE TRABALHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O da Paisagem Protegida do Corno de Bico, adiante designado por CEIA, sediado em Chã de Lamas, Vascões, com regulamento próprio, é um equipamento pertencente e da responsabilidade

Leia mais

Regulamento de Utilização e Funcionamento das Piscinas Municipais de Oleiros

Regulamento de Utilização e Funcionamento das Piscinas Municipais de Oleiros Regulamento de Utilização e Funcionamento das Piscinas Municipais de Oleiros Índice Preâmbulo Artigo 1.º Objectivo Artigo 2.º Normas de Acesso Artigo 3.º Tipos de Utilização Artigo 4.º Normas de Utilização

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

ASSPférias: Regulamento interno

ASSPférias: Regulamento interno ASSPférias: Regulamento interno O regulamento interno do campo de férias ASSPférias define as regras a observar por todas as pessoas que integram as atividades, para que estejam cientes do modo como podem

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado

Regulamento Interno do Voluntariado Regulamento Interno do Voluntariado da CriaRumos-Serviços de Apoio Geriátrico, Lda. A CriaRumos-Serviços de Apoio Geriatrico,Lda, tem como objetivos a assistencia e apoio à terceira idade, atravéz de alojamento,

Leia mais

Regulamento e Operacionalização da Escola de Surf

Regulamento e Operacionalização da Escola de Surf Regulamento e Operacionalização da Escola de Surf O surf é uma prática desportiva marítima, habitualmente considerada como parte do grupo de atividades desportivas radicais, devido ao seu aspeto criativo,

Leia mais

Consulte nosso departamento comercial! 19 3255 3131 ou comercial@casadechocolate.com

Consulte nosso departamento comercial! 19 3255 3131 ou comercial@casadechocolate.com 1 INFORMATIVO Acampamento de Verão Temporada de Janeiro 2015 06 a 12 07 dias 13 a 19-07 dias 20 a 25 06 dias INCLUSO 5 refeições diárias (café da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar, chá noturno); Seguro

Leia mais

GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO

GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO INTRODUÇÃO O Agrupamento de Escolas de Viana do Alentejo tem implementado um Sistema de Integração e Administração Escolar,

Leia mais

EXTERNATO MARISTA DE LISBOA. Regulamento da Piscina do Externato Marista de Lisboa. Capitulo I Disposições Gerais

EXTERNATO MARISTA DE LISBOA. Regulamento da Piscina do Externato Marista de Lisboa. Capitulo I Disposições Gerais Pág. 1 de 5 EXTERNATO MARISTA DE LISBOA Regulamento da Piscina do Externato Marista de Lisboa Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º - Objeto O presente regulamento de utilização tem por objeto definir

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 Regulamento Interno Ano Lectivo 2007/2008 1. Admissão 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 3 meses e os 6 anos. 1.2. No acto da inscrição são necessários os

Leia mais

NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA

NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º - OBJECTO ARTIGO 2º - ÂMBITO DE APLICAÇÃO ARTIGO 3º - CONCEITOS ARTIGO 4º - ACESSO À PISCINA ARTIGO

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA CATL ABC REGULAMENTO INTERNO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA CATL ABC REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO CATL ( CENTRO DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES ) FÉRIAS DIVERTIDAS ( Natal, Páscoa, Verão ) Rua 16 de Maio * 5370-418 Mirandela * Tel.: 278 265198 * Fax: 278 265194* http://www.scmm.web.pt

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. A Casa de Repouso Vale O Bem Viver rege-se pelo seguinte Regulamento Interno: Artigo 1º. Natureza e Regime Jurídico

REGULAMENTO INTERNO. A Casa de Repouso Vale O Bem Viver rege-se pelo seguinte Regulamento Interno: Artigo 1º. Natureza e Regime Jurídico REGULAMENTO INTERNO A Casa de Repouso Vale O Bem Viver rege-se pelo seguinte Regulamento Interno: Artigo 1º Natureza e Regime Jurídico 1- A Casa de Repouso é uma instituição privada e destina-se ao alojamento

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

EFD. Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

EFD. Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º Artigo 1º Âmbito 1. O CASPAE, IPSS, Coimbra é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que tem por missão cumprir o dever moral de solidariedade e de justiça dos indivíduos, promovendo respostas

Leia mais

Regulamento Seguro Escolar

Regulamento Seguro Escolar Regulamento Seguro Escolar O seguro escolar, enquanto sistema de apoio socioeconómico aos alunos, no âmbito da ASE, atua como complemento à assistência assegurada por outros sistemas públicos e privados

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece o quadro de atribuições e competências das autarquias locais, relativamente à Educação, em especial

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR

REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR O presente documento constitui o regulamento do seguro escolar a estabelecer na Escola Secundária Soares Basto e tem por base a respectiva legislação, nomeadamente o Decreto-lei

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Norma I Âmbito de Aplicação CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS A empresa de apoio domiciliário, designada por APOIO & COMPANHIA, LDA., com acordo de cooperação para resposta

Leia mais

Creche. Regulamento Interno. Ano Letivo 2014/2015

Creche. Regulamento Interno. Ano Letivo 2014/2015 Creche Regulamento Interno Ano Letivo 2014/2015 Colégio Kria e Brinca Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Identificação do estabelecimento e sua natureza) 1 - Colégio Kria e Brinca, Lda»,

Leia mais

Normas DE. Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família. Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica

Normas DE. Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família. Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica Normas DE FuNcioNamENto Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica O presente documento apresenta-se como um

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 77/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde

Leia mais

Objetivos. Funcionamento

Objetivos. Funcionamento A Ludoteca é um espaço organizado em função da criança, que pretende aliar a brincadeira à aprendizagem através do desenvolvimento de diversas atividades lúdico/pedagógicas, procurando incentivar a comunicação,

Leia mais