Programa de Pós Graduação em Administração, 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Pós Graduação em Administração, 2011"

Transcrição

1 Programa de Pós Graduação em Administração, 2011 VENDA DIRETA. UM ESTUDO DOS HABITOS DE CONSUMO NA INTERNET E DO USO DE BANCO DE DADOS NAS AÇÕES DE MARKETING DIRETO. Professor: Dr. Luiz Antonio Slongo Leonardo Brenner Fleck Escola de Administração, Universidade. Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O autor descreve o mercado de venda direta no Brasil, mostrando alguns conceitos sobre o Marketing direto no ambiente da Internet. Ele mostra que através de ferramentas de data-mining ou mineração de dados, é possível usar informações de um grupo de usuários armazenadas em um banco de dados, para enviar mensagens e oferecer serviços designados especialmente para estes clientes. Além disso, este artigo mostra que além da internet, outros canais de distribuição como colegas da escola, colegas do trabalho, amigos e familiares continuam sendo utilizados em certos segmentos. Por fim, o estudo mostra que os usuários que têm atitude desfavorável ao uso da Internet como canal de vendas e que navegam muitas horas na web preferem não receber informações por ou por catálogo. Por outro lado, usuários de atitude favorável ao uso da Internet como canal de vendas que navegam muitas horas na web recomendam este canal para fazer compras aos seus amigos. Os usuários de atitude favorável ao uso da Internet como canal de vendas e que usam menos de duas horas de Internet por dia e pretendem comprar pela Internet no futuro. Palavras-chave: Venda direta, Marketing direto, Marketing eletrônico, Data-mining, Internet, e-commerce. Aos meus pais.

2 Introdução Com o aumento do uso de canal de vendas direto e com o desenvolvimento de novas tecnologias da informação, as ações dos empreendedores e os esforços de marketing passam a se integrar neste ambiente. Os avanços na área de tecnologia de banco de dados e o surgimento de novas mídias de comunicação permitiram rápido crescimento do Marketing direto. A receita gerada no mercado de venda direta no Brasil é de R$ 21,7 bilhões por ano, com um crescimento médio de 12,5% a.a nos últimos nove anos. O serviço de Internet e e- commerce representam R$5,4 bilhões (24,9%) desta receita. Os setores que mais crescem dentro deste mercado no Brasil são o de database e CRM (17,4% a.a), serviços de internet e e-commerce (15,6% a.a), fornecedores de listas (12,5%) e agências de Marketing Direto (11,1%) (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MARKETING DIRETO, 2009). Ver a tabela completa em anexo I. A venda direta é diferente do marketing direto. Este pode ser descrito como um sistema interativo de marketing que usa uma ou mais mídias para estimular uma resposta ou transação, medindo os resultados e armazenando esta atividade em um banco de dados (LIAO, CHEN & HSEH, 2010). O sucesso de grandes distribuidores que usam canais de venda direta, como o caso da Dell, levou outras empresas a usar esta forma de distribuição através de canais como a internet, catálogos e televendas. O uso destes canais e o aprimoramento das ferramentas dos sites de e-commerce permitiram o crescimento da confiança dos consumidores neste canal de distribuição. A internet traz para o comprador a conveniência na pesquisa, maior variedade de produtos, entregas feitas em até dois dias e permite ao empreendedor operar com baixos custos de infraestrutura tipicamente necessários em uma loja física. Melhores condições de preço e promoções atraentes que não comprometam a qualidade podem influenciar positivamente as atitudes de compra na internet (KOLESAR & GALBRAITH, 2000). Os sites e-commerce buscam atrair consumidores oferecendo utilidade e conveniência. Os elementos comuns dos e-commerces são uma ferramenta de busca de produtos, uma de avaliação e descrição dos produtos, outra de compras e uma ferramenta de entrega. (KOLESAR & GALBRAITH, 2000).

3 A venda direta oportunizou às empresas a construção de seus negócios usando exclusivamente estes canais. Em outros casos, a venda direta é usada como reforço de vendas e expansão de lojas físicas. A distribuição direta criou valor para os vendedores em função da eliminação dos custos de intermediários e varejistas e para o cliente, devido à diminuição de preço final e da maior conveniência de compra (RITA, LAGES & LAGES, 2003). Sob a ótica da prestação de serviços, o sucesso dos e-commerces é determinado pela sua habilidade em ajustar sua informação com o que seus consumidores valorizam. Estudos realizados anteriormente mostram que os sites de e-commerce que falham em satisfazer esta necessidade de busca e avaliação que os consumidores demandam correm o risco de serem trocados por aqueles que satisfazem estas necessidades. (KOLESAR & GALBRAITH, 2000). A ferramenta de busca e avaliação de produtos que ajudam o consumidor a economizar tempo, esforço e reduz o risco de insatisfação pós-compra são os principais serviços oferecidos pelo e-commerce. O elemento mais elementar para a avaliação do consumidor em uma transação de e-commerce é aparência e o desempenho do site (KOLESAR & GALBRAITH, 2000). Além disso, o site é a interface com os clientes e é, portanto, a identidade da marca na loja virtual. Esta identidade deve aderir às expectativas dos clientes-alvo, que se sentirão atraídos pelos sites que combinam com sua identidade e valores pessoais. Marketing eletrônico A estratégia de marketing eletrônico é dividida em quatro W s: Web-Design, Web- Promotion, Web-Price e Web - CRM (RITA, LAGES & LAGES, 2003). Web-Design: O entretenimento, a capacidade de transmitir informação e organização dos web sites são dimensões úteis para a análise da atitude dos usuários com relação ao site. Web-promotion: Foram pesquisados os tipos de backgrounds necessários para afetar positivamente a eficácia da propaganda no contexto da web. A experiência com a web, o nível de complexidade e o grau de interesse gerado pela página têm um papel importante na atitude sobre o web site, que por conseqüência tem efeitos significantes nos efeitos de hierarquia da propaganda. Web-Price: O valor fundamental da internet se deve não somente à redução de preço, mas a otimização de seu uso de três maneiras: primeiro, a Internet permite que as empresas

4 anunciem seus preços com precisão, já que preços diferentes podem ser testados e as respostas dos consumidores podem ser coletadas facilmente. Segundo, como é fácil de modificar os preços na Internet, as empresas podem ajustá-los em resposta a pequenas flutuações nas condições do mercado, a demanda ou ao comportamento do concorrente. Terceiro, as empresas podem usar o banco de dados e o histórico de compras que foram coletados pela internet para segmentar seus clientes rapidamente e oferecer preços específicos e promoções de forma imediata (BAKER E AL. 2001). Web-CRM: A web pode ser usada para estabelecer canais de Marketing direto entre as empresas e os clientes. Através de ferramentas de data-mining é possível usar informação pessoal de um usuário de um web site para identificar seus interesses e necessidades. Baseado neste conhecimento, as empresas podem enviar mensagens e oferecer serviços designados especialmente para um cliente em potencial, baseado no acesso às informações destes interesses individuais. (RITA, LAGES & LAGES, 2003). Acessando informação sobre os clientes O cliente é um dos principais ativos dos negócios e, portanto, os vendedores de sites sabem do valor de se adquirir conhecimento sobre o consumidor. Existe certa dificuldade em acessar estas informações, visto que elas se encontram entre os consumidores. A utilização de dados de forma ineficiente transforma o banco de dados em dados irrelevantes e subutilizados. Logo, a maneira de processar e usar a informação de forma eficiente se tornou um assunto crítico, o que chama por novas técnicas de análise, compreensão e visualização de grandes quantidades de informação (LIAO, CHEN & HSIEH, 2011). Dentre as técnicas desenvolvidas, o data-mining é o processo de descobrir padrões, associações, mudanças, anomalias e estruturas significantes de grandes quantidades de dados armazenados em um banco de dados (LIAO, CHEN & HSIEH, 2011). O conhecimento extraído da pesquisa através do data-mining pode ser integrado ao conhecimento sobre o produto e sobre o mercado e, portanto, serve de referência para o desenvolvimento de produto, de promoção e de CRM. Quando usado de forma eficaz, este conhecimento habilita as empresas a ganhar vantagem competitiva produzindo produtos voltados para o cliente, aumentando a satisfação do consumidor.

5 O sistema de data-mining Os empreendedores buscam uma maneira de gerenciar precisamente estes dados, criando um sistema de informação avançado para se comunicar de forma eficaz e criar novos métodos de vendas destinados ao consumidor (LIAO, CHEN & HSIEH, 2011). Com o objetivo de obter informações sobre o cliente e sobre as vendas de um produto, estudos como o de Liao e Al. (2011) utilizam informações obtidas de um questionário sobre certo número de clientes, conectando-as com o comportamento de compra de um determinado segmento e com a experiência destes clientes com compras online. Com o desenvolvimento e a diversificação da tecnologia, os gestores de Marketing direto usam estas informações no Marketing e na prestação de serviços e depois disso, escolhem o canal de promoção apropriado para as diferentes necessidades. Este sistema é ilustrado na figura I abaixo. Figura I Liao e Al. (2011)

6 Objetivo da pesquisa No campo de data-mining ou mineração de dados, o SPSS, Microsoft analysis Service, SAS enterprise e a IBM Inteligent Miner são pacotes de software usualmente utilizados. Este estudo propõe o uso do SPSS como ferramenta para aplicação de análise de banco de dados. Este programa processa dados permitindo elaborar a construção e gestão de um sistema de mineração de dados. Esta pesquisa tem como objetivo verificar os hábitos de consumo através dos canais de venda direta e mais especificamente na Internet dentro do universo brasileiro. Além disso, através do uso de questionários, se levantarão dados para dividir esta amostra em diferentes grupos com perfis distintos. Com isso, será possível determinar práticas de Marketing direto para estes grupos específicos de acordo com os grupos encontrados. Método de pesquisa Foi realizada uma coleta de dados através de questionários aplicados em shoppings na cidade de Porto Alegre. Depois da explicação do objetivo da pesquisa e da mecânica de preenchimento dos questionários, os respondentes preencheram o formulário individualmente. Quando houve necessidade, o entrevistador ajudou os respondentes em suas dúvidas sobre alguma questão. A amostra desta pesquisa foi de 133 respondentes. O questionário está dividido em seis blocos. O primeiro bloco trata da opinião dos respondentes sobre o hábito de fazer compras pela internet. O segundo bloco traz informações sobre quais são os fatores que motivam a compra pela internet. O terceiro bloco trata da opinião dos respondentes sobre a compra de acessórios (bolsas, carteiras, sapatos, cintos, etc.) pela internet. O quarto bloco diz respeito ao uso da internet como canal de venda direta. O quinto bloco trata dos canais de venda direta usados pelos respondentes para fazer compras de acessórios e também sobre os meios que utilizam para se informar sobre estes produtos. Concluindo a pesquisa, o sexto bloco do questionário levanta os dados sócio-econômicos do respondente. O questionário completo se encontra no Anexo II. A coleta e análise dos dados permitem o uso das informações dos respondentes para agrupá-los em conglomerados conforme seus conjuntos de respostas. Ao se observar os dados, foram realizados estes agrupamentos para identificar os diferentes perfis de grupos em

7 cada um dos blocos do questionário. Para determinar o número de grupos para estes dados se utilizou, primeiramente, um agrupamento hierárquico. Depois disto, se passou para um segundo agrupamento não hierárquico com uma solução de quatro grupos. A partir disto, se identificaram os grupos de respondentes quanto ao hábito de compras pela internet, as motivações de compra por este canal de venda, a compra de acessórios pela internet, o uso deste meio como canal de venda direta e os meios que utilizam para se informar sobre estes produtos. Análise dos dados A descrição do resultado dos dados esclarece algumas questões do perfil do público que usa a internet como canal de compra de acessórios. Cerca de 85% dos respondentes indicam já terem efetuado compras em canal de venda direta (Internet, catálogo, vendedor direto, telefone ou TV). Cerca de 40% fazem compras de acessórios em lojas de departamento. O mesmo percentual usa as lojas especializadas para comprar acessórios. Aproximadamente 48% dos respondentes compram de revendedores. Com relação aos canais de venda direta, estes são utilizados conforme a freqüência indicada abaixo: Cerca 12% dos entrevistados compram com colegas de aula, 20% com colegas na empresa, 40% fazem compras com amigos e parentes e, por fim, fim, cerca de 45% compram através da Internet. Estas informações estão ilustradas nos gráficos das figuras II, III e IV abaixo. Figura II Respondentes que já realizaram compras por canal de venda direta Legenda: (SIM / NÃO )

8 Figura III Figura IV Baseando-se na quantidade de horas diárias que os respondentes navegam na Internet foi feita uma separação em dois grupos. Os que navegam 2 horas ou mais por dia e os que navegam menos de duas horas por dia. Em outras palavras, os usuários mais assíduos e os ocasionais. Além disto, dentro desta divisão de usuários, estes foram classificados conforme sua atitude em relação às perguntas do questionário. Os de atitude favorável e os de atitude desfavorável conforme suas respostas. O resultado está ilustrado na figura V abaixo. Figura V Continuação da figura V

9 Como foi observado na figura V, com relação à opinião dos respondentes em relação a compras pela internet, o grupo de usuários assíduos e favoráveis (quadrante A) acham a Internet um meio de achar produtos mais baratos e dizem que seus amigos recomendam este tipo de compra. Já os usuários assíduos de atitude desfavorável (quadrante B) desconfiam da segurança da compra pela internet e também dizem que tem tempo para comprar no shopping. Já os respondentes de uso ocasional da Internet que são favoráveis a compra pela web (quadrante C), estão mais abertos a comprar pela Internet, mesmo alegando terem tempo para comprar no shopping. Por último, os respondentes de uso ocasional da Internet que são desfavoráveis a compra pela web (quadrante D) são mais conservadores com relação a este tipo de compra e alegam também ter tempo para comprar no shopping. Com relação aos fatores que motivam as compras pela web, os respondentes de perfil de usuários assíduos e favoráveis (A) demonstram confiança com este canal de compras, além de alegarem encontrar as informações que necessitam sobre o produto. Os usuários assíduos de atitude desfavorável (B) não confiam neste canal para realizar compras e acham este meio inseguro. Os usuários de uso ocasional da Internet que são favoráveis a compra pela web (C) confiam neste canal de compra e afirmam que o produto tem garantia nas lojas da web.

10 Finalmente, os respondentes de uso ocasional da Internet que são desfavoráveis a compra pela web (D) também não confiam neste canal para realizar compras e acham este meio inseguro. Com relação à compra de acessórios pela internet, os respondentes de perfil de usuários assíduos e favoráveis (A) recomendam a compra de acessórios pela web e acham este tipo de compras conveniente. Os usuários assíduos de atitude desfavorável (B), por outro lado, não recomendam a compra de acessórios pela web e discordam que o preço de acessórios é mais barato na Internet. Os usuários de uso ocasional da Internet que são favoráveis a compra pela web (C) afirmam que o preço de acessórios é mais barato na Internet e que no futuro consideram comprar acessórios pela web. Os usuários de uso ocasional da Internet que são desfavoráveis a compra pela web (D) discordam do fato de as pessoas comprarem pela Internet hoje em dia e dizem que no futuro não consideram comprar acessórios pela web. Com relação aos hábitos de uso da internet para compras, os respondentes de perfil de usuários assíduos e favoráveis (A), caso estivessem interessados, gostariam de receber um catálogo eletrônico com ofertas de acessórios por . Os usuários assíduos de atitude desfavorável (B) afirmam que comprariam pela web caso recebessem um desconto de 20%. Além disso, dizem não estar interessados em receber um catálogo eletrônico com ofertas de acessórios por . Os usuários de uso ocasional da Internet que são favoráveis a compra pela web (C) também afirmam que comprariam pela web caso recebessem um desconto de 20%. Além disso, dizem estar interessados em receber um catálogo impresso com ofertas de acessórios por correio. Os usuários de uso ocasional da Internet que são desfavoráveis a compra pela web (D) dizem não estar interessados em receber um catálogo eletrônico nem catálogo impresso. Limitações da pesquisa O número de respondentes da amostra usada na pesquisa tem suas limitações para a generalização destes resultados. Um estudo posterior pode realizar esta pesquisa com uma amostra maior.

11 Visão gerencial e conclusões O uso de informação sobre os clientes tem se mostrado eficaz na comunicação com os consumidores e o uso da internet tem facilitado o acesso a estas informações. A mineração de dados permite a formulação de táticas de Marketing direto para públicos com perfis específicos. No caso do universo do publico que compra acessórios, algumas implicações gerenciais são sugeridas a seguir. Com relação ao envio de catálogos, cada um dos perfis estudados tem uma preferência. Para os usuários mais assíduos e favoráveis à compra pela Internet (A) o catálogo eletrônico é conveniente. Além de mais barato e mais fácil de produzir, o catálogo eletrônico permite alterações mais freqüentes e maior nível de customização da comunicação. Para os usuários menos assíduos e favoráveis à compra pela Internet (C) o catálogo impresso, enviado por correio é conveniente. Se for possível, identificar os usuários desfavoráveis a compra pela Internet, tanto os mais assíduos (B), quanto os menos assíduos (D) para respeitar a sua preferência por não receber catálogos impressos e eletrônicos. Isso evita insatisfação com o envio de informações indesejadas e possivelmente evita opiniões desfavoráveis à marca. É evidente que para qualquer tipo de ação de Marketing direto é necessário obter as informações nas transações efetuadas com os clientes armazenando-as em banco de dados. Além disso, estes dados devem ser apurados e analisados criteriosamente para que se transformem em informações relevantes para ações de Marketing direto eficazes e não utilizados de maneira uniforme ou de maneira aleatória. O uso das tecnologias de análise de dados, como o SPSS e outros permite que seja realizada esta depuração das informações para aprimoramento das campanas de Marketing direto. As lojas e-commerce, bem como as lojas físicas que também possuem o canal de distribuição direta podem se beneficiar destas formas de análise. A confiança dos consumidores neste tipo de distribuição direta tende a aumentar na medida em que os locais de acesso à rede de computadores se multiplicam e se tornam mais comuns no dia-a-dia das pessoas e à medida que as lojas pela Internet se estabelecem e passam a fornecer um serviço mais prático e eficaz.

12 Bibliografia: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MARKETING DIRETO; Indicadores 2009 e primeiro semestre de HAIR, Joseph F.; TATHAM, Ronald L.; ANDERSON, Rolph E.; BLACK, William. Multivariate Data Analysis, 5 th edition. 1998, Prentice-Hall, Inc. Métodos de pesquisa em administração HORN, Laura Peowski; Online Marketing Strategies for Reaching Today s Teens. Young Adult Library Services. Winter HOSSAIN, Muhammad Muazzem e Al. The impact of learning style on web shopper electronic catalogue feature preference. Journal of Electronic Commerce Research, Volume 10, Number 1, KOLESAR, Mark; GALBRAITH, Wayne. A services-marketing perspective on e-retailing: implications for e-retailers and directions for further research. Internet Research: Electronic Networking Applications and Policy Volume 10. Number pp LIAO, Shu-Hsien; CHEN, Yin-Ju; Mining customer knowledge for electronic catalog marketing. Expert Systems with Applications. Number pp LIAO, Shu-hsien; CHEN, Yin-ju; HSIEH, Hsin-hua. Mining customer knowledge for direct selling and marketing. Expert Systems with Applications Volume pp RITA, Paulo; LAGES, Luís Filipe; LAGES, Carmen. The relationship between E-Marketing strategy and E-performance: a conceptual framework. International Conference WWW/Internet 2003 VIJAYASARATHY, Leo R.; JONES, Joseph M; Print and Internet catalog shopping assessing attitudes and intentions. Internet Research: Electronic Networking Applications and Policy. Volume 10. Number pp

13 Anexo I

14 Anexo II

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião Pesquisas de Mercado Online 1. Apresentação O que é a Pesquisadireta? A Pesquisadireta é uma empresa de pesquisas de opinião e mercado exclusivamente online. De uma forma rápida e flexível, sua empresa

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização MÉTRICAS REQUEREM DISCIPLINA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CRM BEM-SUCEDIDA

1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização MÉTRICAS REQUEREM DISCIPLINA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CRM BEM-SUCEDIDA 1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização por William Band com Sharyn C. Leaver e Mary Ann Rogan SUMÁRIO EXECUTIVO A Forrester entrevistou 58 executivos sobre as melhores práticas

Leia mais

Para manter o sucesso de um negócio, a empresa precisa compreender e manter uma relação positiva com seus clientes.

Para manter o sucesso de um negócio, a empresa precisa compreender e manter uma relação positiva com seus clientes. Profª Carla Mota UCB 2010 Unid 2 aula 2 CRM Para manter o sucesso de um negócio, a empresa precisa compreender e manter uma relação positiva com seus clientes. O seu objetivo principal é auxiliar as empresas

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS².

Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS². Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS². ¹Estudante do curso Análise e Desenvolvimento de sistemas. Instituto Federal de Minas Gerais campus Bambuí. Rod. Bambuí

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja.

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja. Com a consolidação do comércio eletrônico no Brasil e mundo, fica cada vez mais claro e a necessidade de estar participando, e mais a oportunidade de poder aumentar suas vendas. Mas é claro que para entrar

Leia mais

CRM CRM. Marketing. Marketing. Vendas. Vendas. CRM Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente

CRM CRM. Marketing. Marketing. Vendas. Vendas. CRM Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente O mundo passou por profundas e importantes transformações, sobretudo nos últimos cinco anos, impulsionadas pelo crescimento

Leia mais

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Marketing de Relacionamento C.R.M. Custumer Relationship Management Marketing de Assiduidade Programa de milhagens Benefício financeiro Brinde por utilização

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Modelos de e-commerce

Modelos de e-commerce Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br)

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como:

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: TENDÊNCIAS 1. Globalização Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: Grupo Casino Carrefour Wal-Mart C&A

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

CRM - Customer Relationship Management

CRM - Customer Relationship Management Profª Carla Mota UCB 2014 Unid 2 aula1 CRM - Customer Relationship Management Estratégia de negócio voltada ao entendimento e a antecipação das necessidades dos clientes atuais e potenciais de uma empresa.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 REALIZAÇÃO TABULAÇÃO Quem Somos A WBI BRASIL é uma empresa especializada em planejamento de marketing digital, que presta

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Portal Utilizado com a evolução das intranets, possibilitam a identificação, e

Portal Utilizado com a evolução das intranets, possibilitam a identificação, e Sistemas de Informação Utilizando Recursos Web Web Economia Uma revolução nas regras de negócios E business Se, em primeiro momento, a grande maioria das empresas entrou na rede apenas para marcar presença

Leia mais

Pesquisa Profissionais de Ecommerce

Pesquisa Profissionais de Ecommerce Pesquisa Profissionais de Ecommerce Agosto de 2011 http://www.ecommerceschool.com.br Introdução O crescimento do comércio eletrônico brasileiro é feito com tecnologia e pessoas. Por trás desse crescimento

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Ambientes de Mercado

Ambientes de Mercado INFORMAÇÃO O sucesso ou fracasso organizacional muitas vezes pode depender de se saber de qual deles precisamos, com o qual deles contamos e o que podemos ou não fazer com cada um deles PLANO DE AÇÃO Fornecedores

Leia mais

W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i a l n o M u n d o W e b 2. 0

W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i a l n o M u n d o W e b 2. 0 Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i

Leia mais

6 Conclusões e recomendações 6.1. Resumo do estudo

6 Conclusões e recomendações 6.1. Resumo do estudo 6 Conclusões e recomendações 6.1. Resumo do estudo As operadoras de telefonia móvel do mercado brasileiro estão diante de um contexto em que é cada vez mais difícil a aquisição de novos clientes. Dado

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos Marketing em Design 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing Profª Ms. Angela Maria Ramos 4. Planejamento de novos negócios, redução de negócios superados Os planos da empresa para seus negócios

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 Mar / 2006 Por que focar no Varejo? Investimentos em Mídia Volume em R$ 5.540.176 Varejo representa 27% dos

Leia mais

Guia: da Loja Física para a. Experiência Multicanal

Guia: da Loja Física para a. Experiência Multicanal Guia: da Loja Física para a Experiência Multicanal Sumário: 01 02 03 04 05 Sobre este Guia O consumidor é Multicanal Muito mais E-commerce! Mobilidade faz parte do dia-a-dia Big Data: Informação a serviço

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA APOIO ÀS DECISÕES DE E-BUSINESS E SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES Conceito O conceito básico de e-business é simples: negócios

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES 1 CONQUISTAR E MANTER CLIENTES Historicamente, o marketing se concentrou na atração de novos clientes. O pessoal de vendas era mais recompensado por achar um novo cliente do que por prestar muita atenção

Leia mais

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO CONCEITUAÇÃO Comércio Eletrônico (E-Commerce provém de Electronic Commerce ) - termo usado para identificar um sistema comercial

Leia mais

social media para bares, restaurantes e afins

social media para bares, restaurantes e afins BARTIPS social media para bares, restaurantes e afins O que buscamos? Divulgar seu estabelecimento para milhares de potenciais consumidores. Fazer você ser parte do dia-a-dia de seu cliente Ter suas novidades,

Leia mais

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Conceitos Por que eu preciso deste curso? Não sou de TI Sou de TI conteúdo utilizado exclusivamente para fins didáticos 2 Não sou

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 10 Fato Real A batalha pelos dados Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Extra, Extra notícias fresquinhas Você pode ter uma loja que funciona 24hs, inclusive aos domingos e feriados, não paga aluguel e nem condomínio

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Mais rendimento do pessoal, graças a processos eficientes

Mais rendimento do pessoal, graças a processos eficientes O DocuWare nos recursos humanos Solution Info Mais rendimento do pessoal, graças a processos eficientes Currículos, correspondência, recomendações, declarações de rendimentos, e muito mais montanhas de

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas 2010 0 Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas É necessário o entendimento de como os produtos chegam

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

S IM O N S E N ASSOCIADOS INDICADORES ABEMD DE E-MAIL MARKETING 2010

S IM O N S E N ASSOCIADOS INDICADORES ABEMD DE E-MAIL MARKETING 2010 INDICADORES ABEMD DE E-MAIL MARKETING 2010 ABEMD ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MARKETING DIRETO CENÁRIO DO E-MAIL MARKETING DE ACORDO COM A ÓTICA DAS EMPRESAS Dezembro de 2010 e Janeiro de 2011 APOIO TECNOLÓGICO

Leia mais

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 7 Passos para um e-commerce de Sucesso André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... Crescimento 20,3% Crescimento 24,4% 354% R$ 770 Milhões 117%

Leia mais

Pesquisa de Consumidores em Nível Mundial 2007

Pesquisa de Consumidores em Nível Mundial 2007 Pesquisa de Consumidores em Nível Mundial 2007 Introdução A Genesys levou a cabo uma pesquisa de mais de 4.200 consumidores na região da Ásia Pacífico, Europa e os Estados Unidos, visando compreender a

Leia mais

Sistemas de Canais Sistemas de Informação

Sistemas de Canais Sistemas de Informação É necessário o entendimento de como os produtos chegam aos clientes, o que ocorre por meio de uma série de entidades de Marketing conhecidas como canais. Os Sistemas de Canais são todos os sistemas envolvidos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais