PROJETO SOBRE E-COMMERCE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO SOBRE E-COMMERCE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTl DO PARANA PROJETO SOBRE E-COMMERCE CURITlBA 2002

2 EDSON LUIZ DE OLIVEIRA FABIOZAPPE PROJETO SOBRE E-COMMERCE Trabalho apresentado ao Curso de Administra"lio em Marketing, 4 ano, da Universidade Tuiuti do Parana. Orientador: Prof. Paulo Martinelli CURITIBA 2002

3 Primeiramente a Deus, aos nossos pais, familiares, amigos e aos profess ores que durante quatro anos nos auxiliaram, direcionaram e demonstraram a importiincia da busca incessante do conhecimento, atraves da humildade e companheirismo. iii

4 LISTA DE SIGLAS CTO B2C B2B ARPA UFRJ RNP SAC PAS http http-s IPO JIT ED! SET ICQ HP PUC - Chief Techology Officer - Business To Consumer - Business To Business - Advanced Research Projects Agency - Universidade Federal do Rio de Janeiro - Rede Nacional de Pesquisas - Serviyo de Atendimento ao Consumidor - Pontos de Atendimento ao Consumidor - Hiper Text Transfer Protocol - Hiper Text Transfer Protocol - Secure - Inicial Public Offering - Just In Time - Eletronic Data Interchange - Secure Eletronic Transactions -I Seek You / Eu Procuro Voce - Hewlwtt - Packard - Pontificia Universidade Cat61ica iv

5 LIST A DE FIGURAS Figura Vend as On-line - Forrest Research.. 10 Figura Quadro Internet Banking.. 11 Figura Diagrama de solu,oes B2B e B2C.. Figura Sile DA AMERICANAS.com. Figura Site da Americanas.com... Figura Site da Americanas.com. Figura 5.S.7 - Funcionamento de urn site comum Figura Funcionamento de um Site de Vendas. Figura Site das Livrarias Saraiva. Figura Sile do Submarino.com.br Figura Sile do Submarino.com.br Figura Sile do Clio Yahoo!. Figura Sile do Clio Yahoo!. Figura Site do Clio Yahoo!. Figura Siteda Varig Figura Sile da TAM Figura Exemplo do software de registro da carteira eletriinica do Bradesco..33 Figura Pagamento atraves do SET Figura Sile da 2BuyNet Figura Sile da 2BuyNet Figura Funcionamento do e-cornmerce. Figura ragina inicial do sile da Speed Systems Figura ragina relacionando os servi,os prestados pela Speed Systems

6 sumaruo L1STA DE SIGLAS. L1STA DE FIGURAS. I. INTRODU<;:AO. 2. FUNDAMENTA<;:AO TEOR1CA. 3. OBJETIVOS Objetivos Gerais 3.2 Objetivos Especificos.. 4. JUSTIFICATIVA... iv... v _ TRANSA<;:OES DIGITAIS 5.1 Historico Comercio Eletronico Tipos de Comercio Eletr6nico Business To Consumer (B2C) 5.5 Siles de Venda Varig TAM Business To Business (B2B). 5.7 Seguran,a. 5.8 Secure Electronic Transactions (SET) 5.9 Logistica.. 6 FERRAMENTAS BuyNet Cria,ao Administra,ao Divulga,ao Entrega Loja Demo vi

7 6.1.6 Manuais 7 COMO FUNCIONA 0 E-COMMERCE. 8 SPEED SYSTEMS que se diz respeito a WEB que pretendemos 9. CONCLUSAO. 10. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS vii

8 1. LNTRODU<;::Ao Neste projeto sobre e-commerce procuramos abordar e relatar sobre a grande importiincia que esse tema exerce na area mercadologica nos dias atuais, atraves de demonstra<;oes teoricas e praticas da crescente utiliza<;ao pelas empresas, de sse processo de comercializa<;ao de seus produtos. E tambem dentro de uma apresenta<;ao sequencial atraves dos lopicos trabalhados, serao abordados temas, sobre as vantagens competitivas que as empresas podem possuir frente as outras, na utiliza<;ao de um correto funcionamento e planejamento de todo 0 processo relacionado ao e-commerce. E-commerce significa comercio eletronico, ou seja, 0 conjunto de atividades comerciais que acontecem On Line, que consistem na realiza<;iio de trocas, vendas de mercadorias e na presta<;ao de servi<;os atraves da internet, possibilitando assim maior comodidade aos clientes. Os servi<;os prestados na internet sao dos mais variados, 0 cliente tanto pode comprar um simples CO, como tambem po de comprar um carro, atraves de um metodo simples, seguro, eficaz e sem que 0 cliente precise pagar mais por isso. Atualmente quando se aborda 0 ass unto E-Commerce, acabam surgindo varias ideias que muitas vezes acabam saindo do papel por nos, enquanto que em paralelo existem sites de muito sucesso e faturando milhoes em dinheiro. A nossa principal inten<;ao e de transmitir atraves desse projelo a realidade de que dentro de um esbo<;o bem elaborado na implanta<;ao de um plano de marketing no E-Commerce, as empresas poderam obter grandes resultados em seus negocios. Ao longo de sse estudo serao apresentadas abordagens sobre todos os assuntos ligados ao E-Commerce, dentro de uma linguagem clara e objetiva, acreditando sempre que no mundo virtual, nunca podera haver censuras nas informa<;oes aos clientes/usuarios, seja em sites de vend as, governamentais ou em qualquer outro tipo de site.

9 2 2. FUNDAMENTA<;:Ao TEORICA Este estudo esta fundamentado teoricamente nos principais autores: Don Peppers e Martha Rogers, PhD, no Iivro Marketing Urn a Um- Marketing Individualizado na Era do Cliente, onde defendem 0 marketing individualizado como um modele de "fatia de clientes" e nao "fatia de mercado", se concentrando em um cliente de cad a vez, procurando vender a maior quanti dade possivel de produtos para esse cliente durante 0 seu cicio de vida. Os autores dividem 0 conceito em quatro processos basicos: identificar, diferenciar, interagir e personalizar. Propoem uma "relayao de aprendizado" com 0 cliente a fim de levar produtos aos clientes (entregas rapidas), antecipando suas necessidades, e nao levar produtos aos clientes como e feito atualmente. As teorias de ambos os autores sao comprometidas com a privacidade do cliente, ja que, segundo eles, e fundamental para a empresa que trabalha com 0 marketing individualizado ter cada vez mais e mais informayoes sobre 0 cliente; Simson Garfinkel e CTO (Chief Technology Officer) da empresa de produtos para monitoramento de redes Sandstorm Enterprises, colunista do site Technology Review, contribuidor freqgente de outro, 0 Salon.com, e um escritor freelance sobre tecnologia, e tambem 0 autor do livro "Comercio & Seguranya na Web (entre outros), que fala sobre os problemas relativos it nossa privacidade na Rede, que podem ser resultantes do usa massivo de computadores em nosso dia a dia, controlando cada vez mais e mais nossas vidas. Edla Ramos - professora do Departamento de Informatica e Estatistica da Universidade Federal de Santa Catarina, tem trabalhado na area de Informatica Educativa nos ultimos doze anos. Sua tese de doutorado teve como ponto de partida a experiencia adquirida no projeto de Comercio Eletronico. Durante muito tempo a Professora observou pessoas iniciando de forma autonoma 0 aprendizado do uso das ferramentas de informatica. Dentro disso procurou estabelecer alguns dos pressupostos pedag6gicos desse aprendizado identificando 0 papel das relayoes cooperativas no Comercio Eletronico. Marcio Chleba - Economista fonnado na Universidade de Sao Paulo. Atualmente trabalha no provedor gratuito de internet IG Pontocom. Desenvolve desde 1999 artigos relacionados com 0 Comercio Eletronico, tais como: Marketing Digital, Publicidade na Internet, Mix de Produtos, Constru9/io de Marcas e Seguran9a no Comercio Eletronico.

10 Todos os autores que foram citados acima, serviram de referencial para 0 estudo sobre 0 Comercio Eletronico / E-Commerce que sera apresentado neste projeto, cada urn deles com suas respectivas caracterfsticas e seus respectivos conhecimentos de tecnicas de vend as, logistica, marketing e seguranya na web, podendo demonstrar a imensa e vital importancia de todos esses assuntos necessarios ao E-Commerce.

11 4 3. OBJETIVOS 3.1 OBJETIVOS GERAIS o objetivo desse projeto e fazer um estudo mais aprofundado sobre esse fenomeno do comercio eletronico que nao para de crescer de forma assustadora, incluindo conceitos e tecnologias atualmente existente sobre esse ass unto. Esse projeto tem como principal enfoque fazer um levantamento de ferramentas existentes no mercado mundial para 0 desenvolvimento de comercio eletronico, bem como ferramentas que auxiliem na manuten<;:ao e no gerenciamento das lojas virtuais B2C (Business To Consumer) - que sao os negocios realizados diretamente com 0 consumidor, como tambem no relacionamento entre empresas B2B (Business To Business), e terao destaques algumas das principais ferramentas encontradas, onde conteni algumas informa<;:oes sobre suas caracterfsticas mais importantes.

12 3.2 OBJETIVOS ESPECiFICOS Apresentayao de dados atraves da fundamentayao tearica sobre as vantagens de se comercializar produtos na internet; Demonstrayao do funcionamento de todo 0 processo relacionado a area de e- coinrnerce; Relatos de estrategias de marketing de empresas que atuam dentro desse segmento e de suas vantagens competitivas; Demonstrayao da maximizayiio de lucros e reduyao de custos, atraves da utilizayao correta dos seus processos; Evidenciar que 0 fator seguranya e tratado com prioridade pelas empresas que negociam seus produtos pela internet; Participayao efetiva na implantayao de urn plano de marketing em uma empresa conceituada no segmento de criayao e planejarnento de e-commerce;

13 6 4. JUSTIFICATIVA Comprovadamente a utilizayao da Internet ja e uma realidade, tanto no mundo cientifico quanto no de negocios. A to do 0 momento ve-se reportagens em jornais, revistas e televisao confirmando com toda enfase a importancia que a rede vern adquirindo neste mundo. Agora as fronteiras sao digitais, pode-se constatar que 0 mundo encontra-se em plena transformayao com a queda das barreiras fisicas entre paises. A globalizayao, "crescimenlo explosivo do comercio global e da compelir;{io internacionat', faz com que nenhum pais possa permanecer isolado da economia mundial, gerando oportunidades e tambem ameayas. As iniciativas das empresas e os produtos vao permitir que os desenvolvedores para comercio eletronico tenham cada vez mais oportunidades de trabalho, ja que os consumidores procuram melhores produtos e serviyos a preyos cada vez mais baixos. Uma enorme vantagem do comercio eletronico sobre 0 comercio tradicional e a sua tlexibilidade e velocidade para desencadear promoyoes e vendas instantaneas, respondendo com incrivel rapidez aos estimulos do mercado: 0 rapido escoamento do estoque, uma reayao a uma ayao do concorrente, uma associayao com urn fato notificado pela imprensa. A escolha da plataforma e ferramenta onde a soluyao de comercio eletronico sera desenvolvida deve ser considerada entre todos os aspectos da rapidez e flexibilidade, alem da administrayao e analise do site. Quais os requisitos basicos e minimos necessarios para a criayao e obtenyao de sucesso na difusao urn ambiente virtual de negocios de sucesso via Internet? A tentativa de encontrar a resposta a esta pergunta, diante da necessidade das empresas e, sem duvida, urn grande motivador.

14 7 5 TRANSA<;:OES DlGlTAIS 5.1 HISTORICO A rede mundial de computadores nasceu como urn projeto do Departamento de Defesa norte-americano desenvolvido pela Advanced Research Projects Agency (ARPA) e, por isso, recebeu 0 nome de ARPANET. A arquitetura da ARPANET foi desenvolvida de 1959 a 1969 e tinha como objetivo principal fornecer "urn sistema de comunicayoes de computador distribuido que poderia sobreviver a urn ataque, de forma que, mesmo se uma parte do sistema fosse perdida, 0 resto da rede poderia continuar funcionando. Nos anos 70, as universidades e outras instituiyoes que faziam trabalhos relativos a defesa tiveram permissao para se co nectar a ARPANET. Em 1975 existiam aproxirnadamente 100 sites". As inumeras facilidades de comunicayao e troca de dados proporcionados pela internet ja permitiam que na metade dos anos 80 houvesse interesse tal entre pesquisadores, educadores e pessoal envolvido em defesa que ja se "justificava 0 estabelecimento de negocios para a fabricayao de equipamentos especificamente para a irnplernentayao da internet. Empresas tais como a Cisco Systems, a Proteon e, posteriorrnente, a Wellfleet (atualmente Bay Networks) e a 3Com, comeyaram a se interessar pela fabricayao e venda de "roteadores", equipamentos necessarios a conexao". Os anos 90 marcaram a internet pela introduyao de serviyos que a tornararn mais popular, visto que eram dirigidos a urn publico amplo. Entre 1993 e 1994 forarn distribuidas dois milhoes de copias pela internet do software Mosaic, 0 browser (paginador, navegador, instrumento de navegayao na internet como 0 Netscape Navigator e 0 Internet Explorer) multimidia para a www escrita por Marc Andreesen, na epoca urn estudante de graduayao da Universidade de Illinois. Esse software alcanyou popularidade incrivel e pode ser considerado urn marco na historia do comercio eletronico. Browsers como 0 Mosaic tornaram 0 acesso a rede quase intuitiva e, ainda durante a decada de 90, surgiram os instrumentos de pesquisa como 0 Yahoo!, Infoseek e Altavista que facilitavam sobremaneira a busca de informayoes. Antigos serviyos on-line como America On-Line, Prodigy e Compuserve passararn a prover acesso a internet. Os microcomputadores comeyararn a vir de fabrica com os softwares necessarios para acesso a rede previamente

15 Inumeros fatos contribuiram para gerar uma cobertura intensa sobre a internet na imprensa internacional Nos Estados Unidos a entrada da Casa Branca na rede em 1993, com os usuarios podendo endereyar s ao presidente, ao vice-presidente e a primeira-dama teve impacto mundial Semelhante impacto foi trazido pela presenya de Fidel Castro e do Papa Joao Paulo II na rede. Novidades tecnologicas como transmissao de video e radio, ferramentas para seleyao de conteudo e salas de conversayao ajudaram a disseminar ainda mais a internet. No Brasil, 0 progresso das redes e creditado ao professor Oscar Sala, da Universidade de Sao Paulo, que fez chegar a rede Bitnet em fins de 1988, conectando a Fapesp ao Fermilab nos Estados Unidos. Em 1991 a Fapesp conseguiu fazer a primeira ligayao com a Internet e alguns meses depois se estabeleceu outra linha internacional, ligando dessa vez 0 Nucleo de Computayao Eletronica da UFRJ. Em 1995, com a posse do governo Fernando Henrique Cardoso, foi estabelecido 0 Comite Gestor da rede Internet no Brasil e que tinha a funyao de coordenar e incentivar sua implantayao no pais. Ao mesmo tempo a Rede Nacional de Pesquisas (RNP) que havia iniciado a instalayao de um backbone (sub-redes que fazem conexoes entre outras redes) nacional em 1991, decidiu tornar-se uma rede mista, voltada para 0 tnifego academico e comercial, constituindo-se na Unica a ter cobertura nacional e a responsilvel pelo acentuado progresso da internet no BrasiL Em abril de 1994, urn casal de advogados fez um anuncio de um produto em mais de 8 mil Usenets, que eram anti gas salas de bate-papo. Isso causou um grande alvoroyo, pois ate entao, a internet era uma especie de comunidade fechada, quase um ciube, restrito a poucos privilegiados, que nao queriam ver seu cyberespayo invadido pela sujeira do comercialismo. A reayao foi imediata, os advogados receberam ameayas de morte, 0 servidor deles foi sabotado repetidamente atraves de hackers (piratas de computador), e eles foram retratados on-line e em revistas de computador como parasitas mercenarios (tipico de advogados). Mas em contra partida eies tiveram mais de $ ,00 em negocios dentro de algumas semanas, e de repente, 0 mundo empresarial estava olhando a Internet com grande interesse. Um das coisas mais engrayadas do comercialismo na Internet e que 0 argurnento principal contra 0 que os advogados fizeram era que eles estavam desperdiyando os recursos de telecomunicayoes disponivel na Internet. A proposito, 0 que os advogados fizeram - mandando a mesma mensagem para muitos - e chan1ado spamming, 0 que atualmente e ilegal Existem, inclusive, sites de denuncia de

16 9 pessoas, empresas ou provedores que praticam 0 spamming. 0 spamming e como um monte de mosquitos ficar batendo no para-brisa do carro durante uma viagem. Mas apesar de ser ilegal, foi atraves do spamming que a internet virou uma realidade comercial viavel. 5.2 COMERCIO ELETRONICO A defini~ao de comercio eletronico pode ser avaliada como a capacidade de realizar transayoes envolvendo a troca de bens ou serviyos entre duas ou mais partes utilizando ferramentas e1etronicas e tecnologias emergentes. Ja utilizado ha muito tempo por grandes organizayoes e Institui~oes Financeiras, varios fatores estao levando 0 comercio eletronico a um nivel de utiliza~ao muito mais amplo, por uma parte muito mais abrangente da sociedade. Na maioria das vezes as pessoas pensam que comercio eletronico significa apenas fazer compras on-line, mas usar a internet (Rede) para fazer compras e s6 uma pequena parte do universo do comercio eletronico. 0 termo tambem se refere a transar;:oes de estoque online, compra ou download de software sem a necessidade de ir a uma loja. No meio das telecomunicayoes, cada vez mais a expansao da Internet impulsiona e e impulsionada por novas tecnologias. Servir;:os de conectividade, como links de alta velocidade e ate mesmo conexoes via satelite viraram produtos de prateleira dos grandes proved ores de serviyo Internet, como a Brasil Telecom (www.brasiltelecom.com.br). por exemplo. Esse novo nicho de mercado, conseqiiencia direta da expansao da Rede, estimula as pesquisas, proporcionando novas e mais velozes formas de conexao. Urn dos servir;:os mais polemicos nessa area de telecomunicar;:oes e, sem duvida, 0 servi~o de telefonia via Internet, tam bern chamada de telefonia via TP, esse servi~o vern tirando 0 sono das operadoras de telefonia de longa distiincia, pois atraves de uma simples ligar;:ao local com 0 provedor de acesso, pode-se falar com qualquer canto do planeta. Alguns programas como 0 Microsoft Netmeeting, 0 Iphone, e outros, permitem que atraves de uma conexao Internet convencional as pessoas possam conversar como se estivessem ao telefone. Embora esse servir;:o hoje ainda sofra com a instabilidade das conexoes (as vezes a mensagem chega "cortada", como em urn telefone com defeito), empresas de todos os portes, como a IPVoice (www.ipvoice.com). por exemplo, surgiram para desenvolver sistemas especfficos para prover urn born servir;:o de telefonia via Internet. E impressionante a movimentayao de dinheiro gerada por empresas de desenvolvimento de websites, consultorias de webmarkeling, produyao de banners interativos,

17 10 ah!m do volume de dinheiro movimentado por anuncios em sites de tnifego ou em patrocinios a siles especificos. Segundo a sexta edi9ao do estudo "eoverview Report", da empresa de marketing eletronico emarketer (www.emarketer.com). a chamada publicidade digital nol1eamericana ja movimentava, em 1998, cerca de US$I,5 bilhoes, com proje9ao de atingir US$3,8 bilhoes no ano 2000 (Figura I). Internet VESTUAAIO!! ~ VIAGE~ 1997: US$92 milhoos ~ 1997: US$ 654 rriu:oas 200 : u..~5i4 milooos 200 : USS7,4 b~roes EVENTOS E ~ -- I~UVAOS E CD's ENTAETENIMENTOS 1997: USS 155fTlIlhiies 1997: US$3n m ~OOS S;; 2001: US$ 1,1 behao 2()O1: US$ 4.7 txi es &iii INFORMAnCA SEAV1COS FINANCEI~~S HARI1IIARE E SOfTWARE 997: USS,2 bllhao 1997:US$863 fri es 2Q01:USS 5 buhoes 2001: USS3,8 bjhoos Fie: Farre>WfA~rch Inc. FIGURA VENDAS ON-LINE - FORREST RESEARCH. FONTE: 0 PODER DA TECNOLOGIA INTERNET NA SUA EMPRESA. Em ambitos mundiais, as proje90es do Forrester Research (www.forrester.com). apontam para US$15 bilhoes de dolares sendo gastos com publicidade digital no ano o relatorio "The emerging digital economy", da Secretaria de Comercio Eletronico dos EUA (www.ecommerce.gov), indica, entre outras previsoes, que 0 comercio entre empresas norte-americanas deve movimentar mais de 300 bilhoes de dol ares em Embora esse numero possa impressionar, ele representara apenas 3% do PIB norte-americano previsto para este ano, 0 que, segundo 0 relatorio, indica um grande potencial de crescimento para esse tipo de transa9ao ainda por muitos e muitos anos. Varios setores tam bern vem apresentando desempenho e perspectivas fantasticas. Um dos setores com aplica90es mais significativas e a industria bancfuia. Apesar de alguns bancos ja estarem oferecendo os cham ados servi90s de home banking via computador, no qual 0 cliente se conecta diretamente it central de atendimento do banco, a explosao do uso da internet facilitou a dissemina9ao de sse servi90, com uma interface mais amigavel, aproveitando a propria conexao internet do cliente. Conforme se pode ver no grafico abaixo, a redu9ao de custos por transa9ao do home banking via Internet em rela9ao ao home banking

18 II tradicional e de mais de 30%, e, se com parada a uma agencia fisica, 0 custo do atendimento via internet e cerca de cern vezes menor. No Brasil, os principais bancos de varejo, como Bradesco (www.bradesco.com.br).!tau (www.itau.com.br) e 0 Unibanco (www.unibanco.com.br), ja oferecem seus serviyos atraves da internet. 0 Bradesco foi 0 pioneiro, e e possivel efetuar quase todas as operayoes financeiras, inclusive resgates e aplicayoes de investimentos pelo seu website. INTERNET BANKING 'or.:, Ii:" ~Il'3H~"1ltn E.UA ~,,2 1,07 o I,/ 00 ;ho,s 2; ~ 0.5 ~ ~ 0.4 0,01 00,2 t;, B 0 0,52 0,27 ~,/ I 1\1EFII,r N: CIIXA ielercll-e A~t>C 8U,();'I(l,IUTC\I!ncO FIGURA QUADRO INTERNET BANKING. ronte: CD-ROM EMBRATEL 0 PODER DA TECNOLOGIA INTERNET NA SUA EMPRESA. Com 0 lanyamento de sites voltados para 0 comercio, 0 movimento de compra e venda na rede cresceu muito. Hoje, e possivel adquirir uma enorme gama de produtos que sao oferecidos por lojas virtuais (que s6 existem na Internet), e por lojas fisicas, que vend em tambem pela rede, atraves de seus sites. E muito comum ler e ouvir sobre a venda de livros, software e CDs de musica na Internet. Apesar destes serem alguns dos produtos mais vendidos, tambem se pode encontrar sites especializados em quase todo tipo de artigo, desde molhos apimentados (www.hothothot.com), chocolates (www.godiva.com), perucas (www.wig.com), produtos agrfcolas (www.agrosoft.com.br), e ate mesmo carras (www.clioyahoo.com.br). Comprar produtos atraves da internet esta se tornando cada vez mais facil e seguro. Apesar de grande parte da midia leiga (isto e, nao especializada no assunto) divulgar notfcias que ressaltam os perigos de se transmitir informayoes de credito pela Rede, a realidade e bern diferente. 0 uso dos cartoes de cnidito atraves da internet nao oferece risco maior do que a sua utilizayao no dia-a-dia do mundo fisico. Existem, hoje em dia, diversas formas de

19 12 pagamento atraves da Rede. "0 comercio eletr6nico via internet e tao segura hoje em dia quanto pagar uma conta qualquer de restaurante ou loja utilizando 0 cartiio de credito", afirma o Sr.Thomas Hopcroft, advogado e presidente do Massachusetts Electronic Commerce Association. 0 mais comum e 0 fornecimento do nillnero do cartao de credito para 0 estabelecimento comercial, desta forma, a loja debita 0 valor devido no cartiio e remete a mercadoria para 0 cliente. Estar na Internet significa estabelecer presenya nesse canal mundial de comunicayiio que agrega mais de 50 milhoes de pessoas que tern acesso. Faz-se tambem necessario 0 devido aumento da competitividade, 0 avanyo tecnologico que possibilitou encurtar as distancias atraves de inovadoras tecnologias de comunicayao, e em face de uma nova ordem mundial chamada globalizayiio. Aumento da publicidade tradicional, abertura de mercados internacionais, fazer teste de mercado para novos serviyos e produtos, por isso existem alguns bons motivos para se ter um negocio na Rede, dentre eles podemos citar: 1- Estabeleccr uma prescn~a: Globalmente, aproximadarnente 50 milhoes de pessoas tem acesso a Internet. Sao raros os negocios que podem ignorar urn mercado deste tamanho. No futuro, ter um endereyo de e urn local na Rede sera tao comum como ter um numero de telefone, alem de ser indispensavel, ate mesmo para pequenas Empresas. 2- Publicidade e disponibilidadc: Quem nunca usou as paginas amarelas de uma lista telef6nica? Ok, agora imagine urn livro de paginas amarelas que tivesse empresas de todo 0 mundo, prestando os mais diferentes serviyos e comercializando os mais variados produtos. Isso e 0 que representa hoje a internet, onde 0 cliente pode estar em contato nao so com 0 produto ou serviyo, mas tam bern com a filosofia da empresa, sua estoria, fotos, graficos, formas de pagarnento, etc. 3- Comunica~ao: Imagine os panfletos, an unci os em radio e Tv e cartoes de visita de uma empresa. Alem do endereyo, telefone, Pabx e Fax normalmente divulgados, hoje encontramos os endereyos www comerciais e os endereyos de fortemente divulgados. Isso mostra que sua empresa esta atualizada, e que pode adequar-se a qualquer situayiio, podendo enviar ou receber respostas rapidas a baixo custo atraves de s. Ao mesmo tempo seu cliente tera acesso a todos as informayoes da sua empresa 24 horas por dia atraves da Home Page. Qualquer revista ou jornal que lermos, podemos encontrar os endereyos www e de impressos nos anuncios. A raziio e simples, os wwws permitem urn grau muito maior de comunicayiio e um argumento muito forte de venda.

20 13 4- Atendimento ao consumidor: Existe uma Frase que diz: "E mais facil manter urn cliente velho que adquirir urn cliente novo". Mantendo uma linha de comunicac;:ao aberta, com pedidos e vend as on-line, com informac;:oes atuais, podendo comunicar-se mais e com mais agilidade, voce passa a fazer parte da vida de seus clientes. 5- Apoio as Vendas: Seus vendedores poderao ter urn acesso mais rapido quanta aos cl ientes, estoque, pre90s, cotac;:oes, mercado, etc. Urna boa estrutura na internet serve como argw11ento. Pois 0 pos-vendas e tao importante quanta a propria venda, e seu cliente nao vai se sentir sozinho na hora de pedir uma ajuda ou procurar por soluc;:oes referentes aos produtos e servic;:os da sua empresa. 6- Mercados lntcrnacionais: Com urn local na Rede, voce pode abrir urn diaiogo com mercados internacionais tao facilmente quanta vender de porta em porta. As informac;:oes digitais tern pouco respeito por limites internacionais. Por causa disto, mercados que podem ter sido uma vez muito dificeis de aproximar, podem ser agora muito lucrativos. Voce pode estar chegando a escritorios do mundo todo pelo prec;:ode uma ligac;:ao local. 7- Novos produtos e servil;os: Testar urn novo produto ou servic;:o pode custar caro. Muitas vezes, por causa do custo de impressao, pesquisas e remessas, as empresas evitam lanc;:ar produtos novos ate a proxima gerac;:ao do catalogo. Na Rede, podem ser lan9ados produtos novos e servic;:os globalmente e imediatamente. Atualizar uma pagina com urn artigo novo tern custo zero diante do que iria gastar para imprimir urn catalogo novo. E comum vermos empresas oferecendo brindes para quem participar de uma votac;:ao sobre uma ideia ou produto. 8- Chegar a urn mercado aitamente desejavel: Assim como em qualquer campanha de Marketing, e possive! dentro da Rede direcionar seus anuncios para urn Pllblico especifico. Diante dos milhares de usuarios da internet, 0 que mais ocorre e a busca por informa90es. Assim, facilmente, seus c1ientes potenciais poderao 0 achar horas por dia, 7 dias por scmana: Sua empresa estara disponivel aos c1ientes, na hora em que os c1ientes estiverem disponiveis. Voce podera ter uma linha direta com seu c1iente, oferecendo servic;:os, assistencia, e urn pos-vendas forte e confiavel. Obviamente, 0 maximo que a internet pode oferecer-ihe e urn aumento nas vendas. Pois ela nao e sua empresa, e apenas uma ferramenta que pode colocar seus produtos e servic;:os diante de urn publico maior. Mas a qualidade, a seriedade, agilidade e tantos outrqs~.,". #DAi'J:" f '. \.;:, 8IEtl.-..) ~:"'.'...il to~.{.?1.~ ~9

21 14 itens que urn born produto deve ter nao podem ser virtuais, pois a satisfayao do cliente e 0 born atendimento devem vir antes de tudo. A popularizayao da internet abriu varios caminhos para sua utilizayao. No que diz respeito a e-cornmerce, existem varios conceitos a serem entendidos pelas empresas, para gerarem lojas virtuais que obtenham sucesso junto aos consumidores. 0 importante neste momenta e discutirmos a internet como urn meio para comunicar e comercializar. Tentar entender no que este grande veiculo pode nos ajudar, ate onde ele pode nos levar. Talvez para algumas empresas, urn tipo de serviyo pode satisfazer seus ciientes, ja para outras, seria preciso outros itens para chamar a atenyao dos consumidores, e ai por diante. Sabemos agora que comercio eletronico nao e muito mais do que vender de uma forma diferente do que estamos acostumados, com novos paradigmas e novas relayoes custo x beneficio. Devemos lembrar tam bern das muitas empresas que surgem na internet a cada dia, investem muito dinheiro, e evaporam, pois nao tern 0 retorno que esperam no tempo estimado, alem dos altos salarios que pagam a funcionarios com ar de craques do futebol. A internet nao e magica, nao e simplesmente colocar urn monte de produtos para vender, oferecer varios serviyos e ficar esperando sentado com 0 cofrinho na mao e urn monte de sonhos na cabeya. Os consumidores esperam das empresas virtuais uma postura muito mais seria do que das empresas convencionais, pois logicamente, desconfiam muito mais tambem. Conquistar a confianya de urn cliente, a ponto de ele fazer urn pedido, enviar seu numero de cartao de credito e autorizar a compra, pode ser muito mais dificil do que estamos pensando. E preciso muito trabalho, divulgayao, planejamento, estrategia, produtos de qualidade e preyos competitivos. E importante conhecermos estes clientes, sua forma de pensar e 0 que eles esperam deste serviyo ou produto. Assim como todo processo de compra e venda, existem pelo menos duas entidades distintas envolvidas no processo de e-cornmerce: Clientes e Empresas. 0 papel de cada entidade neste processo apresenta caracteristicas bern distintas. Empresas estao cada vez mais investindo em construyao de Sites de Vendas e Serviyos ao cliente, ao inves de sites apenas informativos. Por outro lado, clientes estao interessados em Sites de Venda que sejam confiaveis e ofere yam serviyos e produtos de qualidade. 0 e-commerce nao e urn processo local, mas global, e as empresas devem estar atentas a isso. Nesse tipo de comercio ha uma desintermediayao que beneficia produtores, vendedores e 0 consumidor com custos menores e maior valor agregado de serviyo. Por outro lado, ele cria uma nova categoria, os chamados cybermediarios, os intermediarios do cyberespayo, que sao as empresas pontocom como a

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

De Camelô a Joalheiro. Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos!

De Camelô a Joalheiro. Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos! De Camelô a Joalheiro Todos podem vender on-line! Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos! 2 As pessoas me chamam de E-commerce Girl

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Internet e Negócios O que mudou?

Internet e Negócios O que mudou? Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação SCC0207 - Computadores e Sociedade I - Turma B - 2010 Profa. Graça Nunes Internet e Negócios

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Introdução às Mídias Sociais O que fazer com as mídias sociais Tipos de ações As principais mídias sociais Dicas e considerações finais Autor Felipe Orsoli 1 SUMÁRIO 1

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Negócios pela Internet. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 119p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Negócios pela Internet. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 119p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Renata Severiano Administradora. Especialista em Planejamento e Administração de Recursos Humanos, Gestão pela Qualidade e Educação a Distância. Ex-coordenadora pedagógica em EAD do Grupo NT, Ex-coordenadora

Leia mais

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002 Introdução E-business é a nova onda nas empresas. A Internet não permite apenas que as empresas façam negócios de maneiras novas, ela praticamente as obriga a fazer isso, por questões de sobrevivência.

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Afinal, tudo começa em sua maneira de pensar. E marketing é isto, uma questão de posicionamento. PROPOSTA DE SERVIÇOS Logotipos Web Sites Lojas

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE O Comércio Eletrônico como fator impactante na economia atual Por: Oswaldo

Leia mais

SMS Marketing. Manual Clube Turismo JULHO / 2012

SMS Marketing. Manual Clube Turismo JULHO / 2012 JULHO / 2012 Manual Clube Turismo SMS Marketing Mais eficaz do que TV, rádio, panfleto, outdoor ou qualquer mídia criada pelo homem. Nada se compra à praticidade de uma mensagem de celular. Afinal, o celular

Leia mais

Proposta Comercial. Democratizar a internet é um dever de todos

Proposta Comercial. Democratizar a internet é um dever de todos Proposta Comercial Democratizar a internet é um dever de todos E-mail / MSN Messenger comercial@gentecnologia.com.br Skype gentecnologia.comercial Endereço Av. Presidente Epitácio Pessoa, 2234 (Sl 302

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Mídias Sociais. Fatos e Dicas para 2013. Esteja preparado para um ano digital, social e interativo

Mídias Sociais. Fatos e Dicas para 2013. Esteja preparado para um ano digital, social e interativo Mídias Sociais Fatos e Dicas para 2013 Esteja preparado para um ano digital, social e interativo NESTE E-BOOK VOCÊ VAI ENCONTRAR: 1 - Porque as mídias sociais crescem em tamanho e em importância para o

Leia mais

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA Prestação de Serviço de Configuração de Portal de Cidade VISÃO GERAL PESM Projeto Eu Sou de Minas tem a satisfação de enviar esta proposta de serviços

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce 3.1 Fundamentos do Comércio Eletrônico Introdução O comércio eletrônico é mais do que a mera compra e venda de produtos online. Em lugar disso, ele engloba o processo

Leia mais

O site CAMISETASDAHORA criou um projeto apenas para atendimento a franqueados.

O site CAMISETASDAHORA criou um projeto apenas para atendimento a franqueados. PROPOSTA DE MICROFRANQUIA E FRANQUIA Pelo presente instrumento particular de Microfranquia ou Franquia, de um lado o site CAMISETAS DA HORA, do outro VOCÊ, nosso futuro parceiro, neste ato, passamos a

Leia mais

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce?

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce? E-Commerce O que é e-commerce? Comércio electrónico ou e-commerce é um conceito aplicável a qualquer tipo de negócio ou transação comercial que implique a transferência de informação através da Internet.

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 06 INTERNET

INFORMÁTICA APLICADA AULA 06 INTERNET UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 06 INTERNET Profª Danielle Casillo SUMÁRIO O que é Internet Conceitos básicos de internet

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Conceitos Por que eu preciso deste curso? Não sou de TI Sou de TI conteúdo utilizado exclusivamente para fins didáticos 2 Não sou

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

10 regras para o sucesso dos seus concursos no Facebook

10 regras para o sucesso dos seus concursos no Facebook Livro branco 10 regras para o sucesso dos seus concursos no Facebook 07/ 2014 www.kontestapp.com Introdução Facebook se tornou incontestavelmente a rede social mais popular do mundo. Com 1 bilhão de usuários

Leia mais

SAP VIRTUAL AGENCY GUIA DE INTRODUÇÃO: SELF SERVICE MARKETING

SAP VIRTUAL AGENCY GUIA DE INTRODUÇÃO: SELF SERVICE MARKETING GUIA DE INTRODUÇÃO: SELF SERVICE MARKETING SELF SERVICE MARKETING ÍNDICE Introdução 3 Iniciando 4 Criação de campanhas com recursos 8 Personalização e execução de campanhas pré-configuradas 10 Crie suas

Leia mais

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por:

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por: 1 Conceitos Call Center - O que é? Denominamos Call Center ou Central de Atendimento ao conjunto de soluções e facilidades (Equipamentos, Sistemas e Pessoal) que tem como objetivo fazer o interface entre

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

Implementando Lojas Virtuais com oscommerce

Implementando Lojas Virtuais com oscommerce Implementando Lojas Virtuais com oscommerce Cristiane Schmitt, Francisco Assis do Nascimento FIT- Faculdade de Informática de Taquara Av. Oscar Martins Rangel 4500 (RS115)-95600-000 Taquara-RS cristiane,assis@nidus.org.br

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Você ainda não tem um Web Site? Que pena! Seu concorrente já.

Você ainda não tem um Web Site? Que pena! Seu concorrente já. 1 Porque ter um site? Você ainda não tem um Web Site? Que pena! Seu concorrente já. Em um mundo globalizado, ter um site na internet não é mais um luxo para poucos, e sim uma regra geral para empresas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Integração com a Mídia Social

Integração com a Mídia Social Guia rápido sobre... Integração com a Mídia Social Neste guia... Vamos mostrar como integrar seu marketing com as mídias sociais para você tirar o maior proveito de todo esse burburinho online! Nós ajudamos

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline OPORTUNIDADES Divulgar, vender e lucrar na internet O QUE SIGNIFICA TER UM COMÉRCIO ELETRÔNICO? VANTAGENS DO

Leia mais

PROPOSTA MICRO-FRANQUIAS

PROPOSTA MICRO-FRANQUIAS PROPOSTA MICRO-FRANQUIAS ON-LINE Plano Promo ADQUIRA JÁ O SEU! Até dia 01/05/2015 Alterada dia 26/02/2015-16h00 Venha fazer parte do sucesso de vendas de camisetas que mais cresce na Internet... Já são

Leia mais

We! Shop. Loja Virtual. Design Gráfico Webdesign E-commerce Social Media Marketing Digital SEO. contato@wedesign.net.br www.wedesign.net.

We! Shop. Loja Virtual. Design Gráfico Webdesign E-commerce Social Media Marketing Digital SEO. contato@wedesign.net.br www.wedesign.net. We! Shop Loja Virtual Design Gráfico Webdesign E-commerce Social Media Marketing Digital SEO contato@wedesign.net.br contato@wedesign.net.br 01 A plataforma WE! SHOP Plataforma de e Commerce do WE! SHOP

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO CONCEITUAÇÃO Comércio Eletrônico (E-Commerce provém de Electronic Commerce ) - termo usado para identificar um sistema comercial

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

SUA MAIS NOVA AGÊNCIA ON-LINE. PUBLICIDADE DESIGN WEB.

SUA MAIS NOVA AGÊNCIA ON-LINE. PUBLICIDADE DESIGN WEB. SUA MAIS NOVA AGÊNCIA ON-LINE. PUBLICIDADE DESIGN WEB. #estratégia #marketingdigital #websites Somos uma agência especializada em MARKETING DIGITAL 2007 +7 anos de experiência A Ramosdesign foi criada

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

Ambientes de Mercado

Ambientes de Mercado INFORMAÇÃO O sucesso ou fracasso organizacional muitas vezes pode depender de se saber de qual deles precisamos, com o qual deles contamos e o que podemos ou não fazer com cada um deles PLANO DE AÇÃO Fornecedores

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML...

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML... 1 Sumário 1 Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 3 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Pequena história da Internet

Pequena história da Internet Pequena história da Internet A Internet nasceu em 1969, nos Estados Unidos. Interligava originalmente laboratórios de pesquisa e se chamava ARPAnet (ARPA: Advanced Research Projects Agency). Era uma rede

Leia mais

SUA EMPRESA VAI RESISTIR A EVOLUÇÃO DIGITAL?

SUA EMPRESA VAI RESISTIR A EVOLUÇÃO DIGITAL? SUA EMPRESA VAI RESISTIR A EVOLUÇÃO DIGITAL? A EVOLUÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO A evolução dos Meios de Comunicação 1990 2000 telex e-mail internet notebook e hoje?? celular MMS TV aberta TV a cabo DVD

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sua melhor opção em desenvolvimento de sites! Mais de 200 clientes em todo o Brasil. Totalmente compatível com Mobile

APRESENTAÇÃO. Sua melhor opção em desenvolvimento de sites! Mais de 200 clientes em todo o Brasil. Totalmente compatível com Mobile APRESENTAÇÃO Totalmente compatível com Mobile Sua melhor opção em desenvolvimento de sites! Mais de 200 clientes em todo o Brasil APRESENTAÇÃO Muito prazer! Somos uma empresa que presta serviços em soluções

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Comércio Eletrônico Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

VISÃO GERAL DO CAPÍTULO

VISÃO GERAL DO CAPÍTULO CAPÍTULO 8.I Sistemas de e-commerce VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O propósito deste capítulo é descrever e apresentar os componentes básicos do processo de sistemas de e-commerce, e explicar importantes tendências,

Leia mais

Aviso Legal...6. Sobre o autor... 7. Prefácio... 8. 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11. 2. Importação Seus Mistérios...

Aviso Legal...6. Sobre o autor... 7. Prefácio... 8. 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11. 2. Importação Seus Mistérios... Conteúdo Aviso Legal...6 Sobre o autor... 7 Prefácio... 8 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11 2. Importação Seus Mistérios... 14 2.1 Importar é Legal?... 15 2.2 Por Que Importar?... 15 2.3

Leia mais

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN A Internet e suas aplicações Histórico da rede Iniciativa dos militares norte-americanos Sobrevivência de redes de comunicação e segurança em caso

Leia mais

Negócios inovadores, experiências e Insights no e-commerce. Inovações e Insights e-commerce

Negócios inovadores, experiências e Insights no e-commerce. Inovações e Insights e-commerce Negócios inovadores, experiências e Insights no e-commerce. Apresentação @JoaoKepler O Vendedor Na Era Digital Todos nós vendemos alguma coisa. Principalmente Imagem. Processo de Vendas O processo de vendas,

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

CLUBE DE VANTAGENS ASSECOR MANUAL DE UTILIZAÇÃO

CLUBE DE VANTAGENS ASSECOR MANUAL DE UTILIZAÇÃO CLUBE DE VANTAGENS ASSECOR MANUAL DE UTILIZAÇÃO Este manual foi criado especialmente para você e sua família conhecerem a ampla rede de vantagens oferecidas pela ASSECOR. Convênios diretos com as fábricas,

Leia mais

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem Carlos de Andrade Giancarlo Moser Professor de Metodologia da Pesquisa Curso de Pós-Graduação em

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

marketing de conteudo para vendas Um guia de como usar conteúdo de maneira estratégica para cada etapa do seu funil de vendas

marketing de conteudo para vendas Um guia de como usar conteúdo de maneira estratégica para cada etapa do seu funil de vendas marketing de conteudo para vendas Um guia de como usar conteúdo de maneira estratégica para cada etapa do seu funil de vendas A Rock Content é a empresa líder em marketing de conteúdo no mercado brasileiro.

Leia mais

Pagamento On line. Meios de pagamento nas lojas virtuais

Pagamento On line. Meios de pagamento nas lojas virtuais Comércio Eletrônico Professor: Anderson D. Moura Pagamento On line Setembro, 2008 Uma decisão importante a ser tomada pelo lojista virtual, refere-se aos meios de pagamento que serão disponibilizados aos

Leia mais

APRESENTAÇÃO. É com grande satisfação que apresentamos a você uma proposta de desenvolvimento de website para sua empresa.

APRESENTAÇÃO. É com grande satisfação que apresentamos a você uma proposta de desenvolvimento de website para sua empresa. APRESENTAÇÃO É com grande satisfação que apresentamos a você uma proposta de desenvolvimento de website para sua empresa. A proposta consiste em um website com uma área administrativa que permite a você

Leia mais

Universo Online S.A 1

Universo Online S.A 1 Universo Online S.A 1 1. Sobre o UOL HOST O UOL HOST é uma empresa de hospedagem e serviços web do Grupo UOL e conta com a experiência de mais de 15 anos da marca sinônimo de internet no Brasil. Criado

Leia mais

REVENDEDOR Conheça os benefícios de ser um Revendedor Grupo Positiva

REVENDEDOR Conheça os benefícios de ser um Revendedor Grupo Positiva Conheça os benefícios de ser um Revendedor Grupo Positiva Prezado Revendedor Seja bem-vindo! O Grupo Positiva conta com você para crescer no mercado e se tornar a empresa número 1 no segmento de soluções

Leia mais

Módulo 4 CRM. [ Customer Relationship Management ]

Módulo 4 CRM. [ Customer Relationship Management ] Módulo 4 CRM [ Customer Relationship Management ] Sumário Introdução pág. 01 1. Definição 2. Por que usar o CRM?? 3. Cadastro pág. 02 pág. 02 pág. 02 4. Tipos de CRM CRM pág. 04 4.1 Operacional: Criação

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

10 Dicas para proteger seu computador contra Vírus

10 Dicas para proteger seu computador contra Vírus 10 Dicas para proteger seu computador contra Vírus Revisão 00 de 14/05/2009 A cada dia a informática, e mais especificamente a internet se tornam mais imprescindíveis. Infelizmente, o mundo virtual imita

Leia mais

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Livraria Saraiva A Livraria Saraiva é uma empresa brasileira, fundada em 1914 e hoje é a maior livraria

Leia mais

E-COMMERCE / LOJA VIRTUAL

E-COMMERCE / LOJA VIRTUAL 1 ÍNDICE 1. WIX SISTEMAS E O /LOJA VIRTUAL 03 1.1.1 GRANDE VARIEDADE DE LAYOUTS E PERSONALIZAÇÃO 03 1.1.2 SERVIDOR E SSL (CADEADO DE SEGURANÇA) COMPARTILHADOS 04 2. RECURSOS 05 3. NOSSOS PLANOS DE /LOJA

Leia mais