Nelsio Rodrigues de Abreu Mestre em Administração - Universidade Federal de Alagoas UFAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nelsio Rodrigues de Abreu Mestre em Administração - Universidade Federal de Alagoas UFAL"

Transcrição

1 1 ESTUDO DA VIABILIDADE DA UTILIZAÇÃO DE MARKETING NA INTERNET NO SETOR HOTELEIRO DE MACEIÓ Nelsio Rodrigues de Abreu Mestre em Administração - Universidade Federal de Alagoas UFAL Evandro de Barros Costa Departamento de Tecnologia da Informação - Universidade Federal de Alagoas - UFAL RESUMO O surpreendente crescimento do número de usuários da Internet e, em particular, do e-commerce vem despertando o interesse dos pesquisadores de marketing, por esta super rede mundial de computadores. Isso porque o aumento da concorrência e a crescente fragmentação dos mercados exigem que se encontrem novas formas de chegar ao consumidor. Diante disto, o objetivo deste estudo foi levantar o perfil das pessoas que utilizam a Internet para obter informações sobre turismo, e também, coletar informações dos empresários do setor de turismo que utilizam a Internet como ferramenta de marketing. Sob a ótica dos internautas, a Internet aumenta a segurança, pois o cliente pode visualizar o meio de hospedagem por completo, estando o mesmo na Internet, como apartamentos, tarifas etc., no passado, o cliente comprava um pacote turístico sem saber como era o meio de hospedagem. A Internet soluciona, pelos menos parcialmente, este tipo de problema. Foi desenvolvido, no âmbito do presente estudo, um modelo de site para o setor hoteleiro. O estudo foi realizado no setor hoteleiro de Maceió AL, através de uma pesquisa exploratória e outra survey, com objetivos exploratórios. Para coleta de dados junto aos turistas foi disponibilizado um questionário on-line. O contato com os participantes deu-se através do envio aleatório de s. As respostas obtidas através dos turistas possibilitaram delimitar um percentual dos turistas que utilizam a Internet para obter informações, deste modo, podendo verificar a utilidade de uma home page como ferramenta de competitividade. O programa SPSS foi utilizado para análises estatísticas, como análise fatorial, entre outras. O perfil dos participantes desta pesquisa apresenta o mesmo padrão de outras pesquisas, o que atende às expectativas do estudo. As compras on-line são consideradas inseguras, entretanto, 47,1% já compraram via Internet. 67,1% dos participantes usam a Internet para obter informações sobre turismo, no entanto, 30,2% não ficaram satisfeitos com as informações obtidas. Como os participantes possuem uma certa experiência no uso da Rede, constatou-se que todos participantes afirmaram que a maioria dos serviços e informações apresentadas no modelo de site para uma empresa do setor hoteleiro, foram consideradas necessárias. Algumas características básicas do mercado de turismo criam um vínculo com a Internet e o principal deles: turismo é, basicamente, internacional. Os resultados obtidos tanto junto aos empresários quanto aos turistas, verifica-se que o uso da Internet no setor hoteleiro é viável por interesse, visto que ambos participantes declararam que a maioria dos itens do modelo apresentado são totalmente necessários. De modo geral, os empresários do setor hoteleiro de Maceió ainda não estão utilizando a Internet em toda sua potencialidade. As empresas do setor hoteleiro empregam a Internet, muitas vezes, de

2 2 forma semelhante às mídias tradicionais, encontrando-se ainda num estágio inicial em termos da exploração do seu potencial. É importante ressaltar que, como demonstrou a pesquisa, apesar de algumas falhas da Internet, as pessoas já estão comprando e comprarão cada vez mais através da Internet, e esta é uma informação fundamental para qualquer empresa que deseja sobreviver numa era tão competitiva. 1. INTRODUÇÃO Como dito, a Internet é atualmente uma rede cujas potencialidades e taxas de crescimento continuam extremamente dinâmica. Esta evolução, o baixo custo, a simplicidade e as vantagens indiscutíveis da utilização da Internet, levaram muitos empresários a acreditar que o simples fato de estarem presentes na Rede lhes poderia trazer resultados positivos em termos de vendas, segundo Rebello et ali (1999). É inegável que uma presença na Internet poderá trazer benefícios imediatos e proporcionar a aquisição de know how indispensável à obtenção de vantagens relativamente à concorrência. Por estas razões, é que todas as empresas devem gastar algum tempo, antes de irem para a Web, a definirem muito bem o que querem. Segundo Dunn (1999), talvez seja mais relevante conseguir chegar a um grupo selecionado de clientes com informação de alto nível (atingir o nicho de mercado da empresa), ou simplesmente dar a conhecer a empresa, ou ainda marcar a presença no mercado internacional. No entanto, os pontos fracos também aparecem e devem ser analisados criteriosamente, como por exemplo: lentidão, desorganização, dificuldade de comercialização de alguns produtos, e fazer marketing na Internet ainda envolvem muitas incertezas, também relativo insucesso de produtos de grande consumo na Internet e inseguranças nas operações e a violação da privacidade do utilizador. A grande discussão deste artigo, é precisamente a análise em torno do marketing na Internet, no setor hoteleiro de Maceió. No fundo, discutir ferramentas e opções que a Rede disponibiliza ao marketing e às empresas do setor hoteleiro, e passos para formular e operacionalizar uma estratégia de marketing aproveitando estas ferramentas e opções. A empresa deverá considerar e respeitar estes princípios, sob pena de investir infrutiferamente. O futuro, passará precisamente pela adaptação interna e externa das empresas, de forma a criar soluções que lhes permitam responder com sucesso a este desafio, e, se o marketing na Internet for utilizado de forma eficiente pelas empresas, estas estarão melhores preparadas para enfrentar o futuro e oferecer serviços de alta qualidade, e atingir seus objetivos, que é a obtenção de lucros pela Internet. Com referência ao estudo sobre o uso do marketing na Internet no setor hoteleiro, abordou-se os tópicos principais, como: comunicação/informação, serviços, aspectos de marketing e vendas, interface e segurança. O principal questionamento da pesquisa é verificar a viabilidade do uso da utilização de marketing na Internet pelos empresários do setor hoteleiro de Maceió como instrumento estratégico e de competitividade. Para responder tal questionamento, o principal objetivo a ser atingido era justamente estudar a viabilidade da utilização do marketing na Internet no setor hoteleiro de Maceió, com análises de suas potencialidades apontadas na literatura. Analisando tanto aquelas empresas que atuam na Internet quanto aquelas que ainda não utilizam esta ferramenta. Diante dos objetivos traçados, os resultados obtidos indicam que os empresários do setor ainda não utilizam a ferramenta em toda sua potencialidade.

3 3 2. REFERENCIAL CONCEITUAL 2.1. Conceitos de marketing Tanto o marketing, quanto a Internet, coincidentemente, têm origens na cultura americana e utilizam-se de termos cunhados na língua inglesa, expressões advindas de uma rica e extensa nomenclatura de termos e jargões, resultando naqueles que se mantêm no original, nos termos traduzidos e em outros que foram aportuguesados. Os consagrados autores Kotler e Armstrong (1993) definem marketing como o processo social e gerencial através do qual indivíduos e grupos obtêm aquilo de que necessitam e desejam por meio da criação e troca de produtos e valores. Descrevem também o conceito de marketing, afirmando que, para alcançar os objetivos organizacionais, é necessário determinar as necessidades e desejos dos mercados-alvo e proporcionar satisfações desejadas de maneira mais efetiva e eficiente do que seus concorrentes Muitas pessoas confundem marketing como uma expressão qualquer, relacionando-o exclusivamente com propaganda ou com venda. Na verdade para Cobra (1993, p. 24) o marketing é mais do que propaganda ou venda simplesmente. O marketing, ao integrar forças para colocar o produto certo no local certo, é mais do que um exercício de negociação entre produtores e distribuidores. É sobretudo uma filosofia de trabalho, em que todos na organização devem pensar e agir sob a égide do marketing. El-Check (1991) afirma que: marketing é a ciência que trata do conjunto de atividades voltadas para a satisfação das necessidades e desejos dos consumidores, sejam eles indústrias ou pessoas; ou de outra forma: é o processo de inteligência dentro da empresa, na função básica de preparação das estratégias de condução dos negócios. De acordo com Cobra (1986), marketing é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa, comércio, ou ato de mercar, comercializar ou transacionar. Marketing tem como objetivo descobrir o desejo do cliente e satisfazê-lo para obter lucro. É o oposto de fazer o que o empresário gosta e então procurar alguém para comprar. O bom marketing pretende facilitar a obtenção de vendas lucrativas, enquanto o mau torna-as impossíveis. O marketing eficiente pode tirar lucros de produtos comuns onde o marketing sem competência causaria enormes danos, como trata Morris (1991). O marketing, de acordo com Kotler (1986), é relevante tanto para os mercados industriais como para os de consumo final; tanto para os de indústrias de serviços como para os de indústrias de bens; tanto para pequenas como para grandes empresas; tanto para organizações que não visam ao lucro como para aquelas que o visam; e tanto para compradores como para vendedores. Pesquisas como esta que foi realizada para este estudo, devem ser realizadas pelos empresários do setor freqüentemente e também utilizando a Internet para ter conhecimento de seu mercado e seus clientes potenciais. McDonald & Dunbar (1995) afirma que é vantagem para as empresas terem conhecimento das necessidades de seus clientes, pois é chave para o sucesso de marketing. A Internet facilita o contato entre empresa e o cliente, além da redução de custos, identificando o segmento considerado potencial que justifique o tempo e esforço gasto no planejamento desta oportunidade de negócios A Internet

4 4 Segundo Butler (1999), entendendo a história da Internet é um parâmetro para entender o que está acontecendo hoje com a Internet. De acordo com Eager (1995), Zebini & Zebini (199), Ellsworth & Ellsworth (1997) e Yoffie (1997), a Internet é uma rede mundial composta de redes de computadores que utilizam um protocolo de comunicação comum, TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol). Funcionalmente, o TCP/IP divide as mensagens, documentos ou arquivos em pequenos pacotes que se movem rápida e independentemente por diferentes redes que compõem a Internet, sendo novamente agrupados quando chega ao seu destino. Segundo Eager (1995), apesar de seu início ter o caráter eminentemente militar ao longo dos anos, foi a comunidade acadêmica quem deu impulso na utilização da Internet, que oferecia aos acadêmicos espalhados geograficamente um meio excelente de trocarem e compartilharem informações e poder computacional. A WWW oferece um novo paradigma para organizar, recuperar e publicar informações em ambientes on-line. Apesar da importância da atenção que tem sido dada aos aspectos mercadológicos relativos a vendas, publicidade e serviços através da WWW, ela também deve ser enfocada como uma forma eficiente de integrar informações de diversas plataformas computacionais, personalizando o contato com o usuário. A mudança está cada vez mais presente em nossas vidas. Com relação ao estudo em questão, o setor hoteleiro deve aproveitar ao máximo dessa ferramenta, pois as comunicações futuras serão realizadas por meio da Internet, além da redução dos custos em publicidade, comunicação, entre outros. Assim, as empresas devem reavaliar seu posicionamento estratégico, levando em consideração a vantagem competitiva decorrente da utilização da Internet. O reconhecimento da Internet como o quarto canal para a efetivação do comércio, sendo que os outros três são: o pessoal, o correio e o telefone. De acordo com Puterman (1998), o chamado quarto canal abre uma série de oportunidades inexistentes anteriormente e que não significarão a eliminação dos canais antigos e muito menos dos negócios baseados nos modelos existentes. Segundo Arzuaga (1999), as vantagens para trabalhar com marketing na Internet são inúmeras. A primeira é o atendimento totalmente personalizado a um custo de atendimento de massa. A segunda grande vantagem, mais imediata, é a substituição dos catálogos e manuais. Fica muito mais completo, atual e barato para quem produz e não ocupa espaço de quem utiliza Marketing na Internet Arzuaga (1999), Deighton & Blatberg (1999), Leduc (1999) e Silva & Oliveira (1997), afirmam que o marketing na Internet difere do marketing tradicional, pois, enquanto no marketing as empresas buscam definir e atingir seu mercado-alvo, na Internet são os clientes e os prospects que se dirigem aos sites das empresas. Silva & Oliveira (1997) realizam uma análise das ações de marketing nesse novo meio. Os autores analisam levando em consideração o marketing mix de Kotler i (Produto, Preço, Praça e Promoção), os quatros de C s de Schultz, Tannembaum & Lauterborn ii (Cliente, Custo, Conveniência e Comunicação) e Dufour iii que propõe mix do cybermarketing (Produto, Preço, Distribuição e Comunicação). Com base nestes e outros autores, Silva & Oliveira (1997) analisam da seguinte forma ações de marketing nesse novo meio: Como conseqüência da globalização, os Produtos (bens e serviços) podem ser criados e produzidos em diferentes locais, cabendo às empresas o papel da busca pela expansão do conceito

5 5 de produto, via Internet, através dos serviços de atendimento ao consumidor e de pós-vendas. O Preço, que é uma decorrência da percepção do cliente, passa a ter seu foco sobre os meios de pagamento e as questões legais e de segurança nas transações, refletindo os custos de produção e distribuição na Rede. A Praça ou Distribuição expande-se para o espaço virtual da própria Rede, na busca pela distribuição de produtos on-line, em qualquer tempo e lugar. A Promoção ou Comunicação é realizada na Web, incorporada como nova mídia, em seu caráter de interatividade. De acordo com Kotler (1999), outros dois P s estão ganhando importância, especialmente no marketing global, que são: Política e Público (opinião pública). Com o uso do marketing através da Internet, é fundamental que empresário conheça as políticas do país onde deseje realizar uma campanha publicitária. Visto que, de acordo com Kotler (1999), alguns países a atividade política podem exercer grande influência sobre as vendas. Segundo o autor, do mesmo modo, o público tem assumido novas atitudes predisposições que podem afetar seu interesse por certos produtos e serviços. No entanto, o importante não é o número de P s, mas sim a forma que a empresa, tanto tradicional quanto virtual estar empenhada em satisfazer da melhor maneira possível seu cliente. Ainda considerando o número de P s (quatro), quando se trata do setor de turismo outro P é fundamental citar, como afirma Cavalcanti (1999, p. 53), no ramo de turismo, há um quinto P, a pessoa; você lida com a emoção do cliente, que muitas vezes está realizando o sonho de viajar. Isto é essencial, pois como comentado anteriormente, o marketing trata do conjunto de atividades voltadas para satisfação das necessidades e desejos dos consumidores, ou seja, das pessoas. Atualmente a Internet é uma ferramenta que influencia e influenciará cada vez as fases do processo de marketing, afirma Vassos (1997) Comércio eletrônico Como em todo setor, a Internet também ter seus problemas e devem ser analisados e solucionados. Para Santos & Gimenez (1999), o principal foco de preocupação atual diz respeito à segurança das transações comerciais realizadas pela Internet, pois inibe as transações comerciais de usuários já dispostos a efetuá-las. Segundo os autores, a questão da segurança vai desde a garantia da integridade contra vírus e intrusos até a privacidade dos consumidores, mas refere-se, principalmente, à segurança das transações financeiras eletrônicas. A falta de segurança na Internet é uma realidade inegável, contudo, um dos grandes problemas para o deslanchamento do comércio eletrônico é a tecnologia. Santos & Gimenez (1999) exemplificam dois destes problemas: i) a maior parte dos computadores ainda demora muito para acessar as páginas da Web, principalmente as imagens; e ii) as redes de telecomunicações, mesmo nos países desenvolvidos, apresentam problemas de largura de banda. Outro problema que alguns empresários ainda não estão preocupados, mas que deveriam, são as políticas governamentais, que podem criar grandes transtornos para o crescimento do comércio através da Rede, como afirmam Santos & Gimenez (1999), as políticas dos governos podem ter um profundo efeito sobre sua expansão, facilitando-o ou inibindo-o. Com a superação destes problemas e se as tendências de crescimento persistirem, a tecnologia da

6 6 informação e o comércio eletrônico devem impulsionar o crescimento econômico nos próximos anos Turismo As indústrias de Turismo e Viagens e de Tecnologia da Informação são as que apresentam maior, mais rápido e mais dinâmico crescimento no mundo. A atividade econômica resultante do setor Viagens e Turismo é uma importante fonte geradora de empregos e de renda. É por muitos chamada de a indústria sem chaminés. Os números e as estatísticas são mesmo impressionantes: World Travel and Tourism Council - WTTC, a rubrica turismo representa 10,7% do PIB Mundial. Outra organização, a World Tourism Organization - WTO informa que se todo o contingente de pessoas empregadas em turismo constituísse um único país, esse certamente seria o décimo mais populoso do mundo, face aos 262 milhões de empregos diretos e indiretos que proporciona. (BNDES iv, 1999). Tem-se consciência hoje de que o setor turístico é uma indústria capaz de dinamizar a economia nacional e local, ao mesmo tempo em que pode contribuir para a coesão e integração econômica e social da nação, como afirmam Luhrman & Benot (1999). A Internet é uma ferramenta que, aproveitada de forma correta no setor de turismo, faz com que se possa ter um resultado positivo como instrumento de marketing. De acordo com Ruschmann (1991, p. 73), em termos gerais, todos os meios de comunicação podem ser utilizados numa campanha publicitária de turismo. Dependendo, porém, do produto e da abrangência da campanha, é preciso escolher os meios mais adequado. Algumas características básicas do mercado de turismo criam um vínculo muito forte com a Internet e o principal deles: turismo é, basicamente, internacional, segundo Marsola Neto (1999). No entanto, mesmo em questões onde a internacionalidade não se aplique, a distância já é motivo suficiente para considerar turismo e Internet mercados convergentes entre si. Um ponto importante levantado por Guerra & Carneiro (1999), é a pouca familiaridade dos pequenos empresários brasileiros com a informática, especialmente os que possuem seus negócios afastados dos grandes centros urbanos, seguramente explica o ainda tímido aproveitamento dos recursos de seus sites. O setor de turismo pode ser bastante beneficiado com o uso da Internet, visto que, pode diminuir consideravelmente seus custos de reserva, utilizando sistemas que permitem a reserva automática, sem intervenção humana, como já é realizado em algumas grandes redes de hotéis ao redor do mundo. No entanto, mesmo para os pequenos empresários que não disponha de grande quantidade de recursos para o investimento em um sistema deste modo, pode utilizar a Internet para realizar transações ao redor do mundo com o preço de uma ligação local, e principalmente, tendo a capacidade de concorrer em igualdade com as grandes corporações. 3. METODOLOGIA O presente trabalho foi realizado no setor hoteleiro (hotéis e pousadas) da cidade de Maceió - AL. A área de estudo em questão são as empresas atuantes no setor hoteleiro de Maceió. Por meio de visitas às empresas, material fornecido pela

7 7 EMATUR(1998/99) v e buscas em search engine verificou-se quais empresas tinham presença ou ausência na Web, ou seja, quais empresas tinham home page. O estudo foi realizado em duas etapas paralelas: i) foram coletados dados junto aos empresários do setor hoteleiro de Maceió, sobre o uso da Internet como ferramenta de marketing, tanto com aquelas empresas que têm home page quanto naquelas que ainda não estão on-line; ii) também foi levantado o perfil das pessoas que procuram informações turísticas através da Internet. Os métodos de pesquisa utilizados neste trabalho são: uma pesquisa exploratória e outra tipo survey ou enquête, com objetivos exploratórios. Os principais objetivos da pesquisa são os de verificar a viabilidade do uso da Internet no setor hoteleiro de Maceió e levantar as características relevantes das pessoas que utilizam a Internet para coletar informações sobre turismo. Este estudo, com relação à dimensão tempo, é do tipo corte transversal. As razões principais para esta escolha são a inexistência de estudos anteriores para comparações através do tempo, e a questão do prazo para o término da pesquisa. O estudo do tipo corte transversal, entretanto, adequa-se bem aos objetivos do estudo, que é uma pesquisa exploratória em que se visa analisar a utilização de uma forma de tecnologia de comunicação e informação em um momento determinado. A coleta de dados foi realizada paralelamente: Setor hoteleiro: as entrevistas despenderam 73 dias (14/06 a 25/08/99). Foram entrevistados 50 representantes das empresas do setor hoteleiro, que garante uma margem de segurança de 95% e um erro amostral de 4,26%. A amostra cobre, portanto, cerca de 90,9% da população. vi Turistas: foi disponibilizado um questionário on-line que permaneceu durante 38 dias (29/05 a 05/07/99), que foi o tempo necessário para que obtive-se um número de respostas consideradas satisfatória da população. Neste período, 393 participantes responderam satisfatoriamente as questões levantadas. De acordo com Mattar (1994), geralmente quando o correio (também pode ser aplicável ao correio eletrônico) é utilizado para a coleta de dados, as amostras obtidas são não probalísticas, mesmo que os questionários tenham sido postados para uma amostra probabilística, pois ninguém pode garantir que o conjunto dos que se prestaram a responder aos questionários constituem uma amostra probabilística. A decisão de responder ou não aos questionários cabe exclusivamente aos respondentes, que decidirão, em última análise, se farão ou não parte da amostra. O método de amostragem randômica mais apropriado para a Internet é o chamado RDD (Random Digit Dialing), onde os números de telefone são selecionados randomicamente e as entrevistas são feitas pelo telefone. No nosso caso, os contatos são feitos via e a coleta de dados foi realizada por meio de questionário on-line. Com referência ao envio de s, foram remetidos aleatoriamente (sete mil, seiscentos e vinte e quatro) s para os usuários cujo foi encontrado em busca na Internet. Deste, (dois mil, quatrocentos e vinte e quatro) s retornaram com a seguinte mensagem: Returned mail: User unknown (usuário desconhecido), restando o aproveitamento do envio de (cinco mil e duzentos) e- mails. Os participantes que responderam ao questionário atende as expectativas da pesquisa, pois o perfil levantado aproxima-se de outras pesquisas realizadas por meio da Internet. É fundamental ressaltar que, esta era melhor forma de se atingir o público

8 8 desejo, como afirma White (2000), enquanto não ideal, este método é talvez a melhor opção atualmente disponível para identificar sub-populações de usuários da Internet. A taxa de retorno foi de 7,6%, totalizando 393 questionários (respostas válidas). vii Recentes abordagens empíricas utilizando a Internet como veículo de comunicação, como a de Fontenot & Vlosk (1998) e Vieira, Viana & Echeveste (1998), apresentam taxas inferiores a 5,5%, o que indica que o número obtido é satisfatório. A coleta de dados utilizou-se de questionários estruturados: um sendo aplicado aos empresários do setor hoteleiro e outro aos turistas (internautas). Com referência aos empresários, foi aplicado tanto para quem tem página na Internet quanto para aqueles que não têm home page, com questões que possibilitem identificar o real conhecimento de todos os envolvidos no setor hoteleiro com o uso do marketing na Internet e como eles estão trabalhando com este instrumento de competição e procurando identificar quais as razões por que não utilizam. As respostas obtidas através dos turistas possibilitou delimitar um percentual dos turistas que utilizam a Internet para obter informações, deste modo, podendo verificar a utilidade de uma home page como ferramenta competitiva, entre outras informações. Ambos participantes analisaram um modelo de site que continha vários serviços e informações (33 itens), declarando sua necessidade ou não. Os questionários foram submetidos à tabulação, utilizando os recursos do programa Statistical Package for Social Sciences 8.0 for Windows (SPSS 8.0), para cálculos das tabelas com distribuição de freqüência simples e cruzadas. Os procedimentos estatísticos estão calcados na análise de regressão simples, além de outros índices que aumentam a verificação e análise da realidade das empresas, a fim de verificar a interligação entre as diversas variáveis e procedimentos mais complexos e técnicas multivariadas, como análise fatorial. 4. ANÁLISE DOS DADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 4.1. Dados do setor hoteleiro Foram realizadas entrevistas em 50 meios de hospedagens (hotéis e pousadas) do total de 55 empresas pertencentes ao universo que atendia às especificações determinadas pelo estudo. Das 50 empresas pesquisadas, 32 não têm home page e, destas, apenas 6 estão conectadas à Internet (18,7%), e o restante não têm acesso à Rede mundial de computadores. Como o estudo trata da viabilidade do uso da Internet no setor hoteleiro, levantou-se os custos de montar uma home page com características essenciais, ou seja, com informações e serviços que atendam às principais necessidades das pessoas que desejam viajar a Maceió. O modelo de site desenvolvido, no âmbito do presente estudo, apresenta serviços fundamentais para os turistas. Este modelo foi apresentado aos empresários e aos turistas, para que os mesmos opinassem sobre os serviços oferecidos. O modelo de site apresentado disponibilizaria vários serviços, tais como: fotos do hotel ou pousada, fotos do restaurante, quadro de tarifas, roteiro turístico oficial e opcional, promoções on-line, mapa da cidade, fotos das praias, roteiro de compras, e muito mais. O questionário aplicado junto aos empresários, continha questões que eram aplicadas a todos, independentemente de se ter ou não home page, como também existiam questões exclusivamente para os empresários que tinham home page, bem como também existiam questões exclusivamente a ser respondidas pelos empresários que ainda não estavam conectados à Internet. Com relação aos questionamentos

9 9 levantados que empresários que tinha home page, a Tabela 4.1 demonstra há quanto tempo às empresas têm permanência na Internet. Tabela Tempo que a empresa tem home page Tempo Freqüência % Menos de 6 meses 3 16,7 Entre 6 meses e 1 ano 6 33,3 Entre 1 e 2 anos 6 33,3 Entre 2 e 3 anos 3 16,7 Total ,0 FONTE: Dados da pesquisa. Verifica-se que as empresas que estão começando a utilizar a Internet, 66,6% das empresas estão on-line entre 6 meses e 2 anos. É importante informar que nenhuma empresa está utilizando a Internet há mais de 3 anos para realizar transações on-line. Observa-se também que os empresários não levaram muito tempo planejando seu ingresso na Internet, como se observa na Tabela ,8% declararam que gastaram 30 dias em média para se conectarem e 16,7% gastaram menos que 30 dias. Tabela Tempo de planejamento para a conexão Tempo Freqüência % Menos de 30 dias 3 16,7 30 dias 5 27,8 Entre 30 e 60 dias 2 11,0 Entre 60 e 120 dias 5 27,8 Não informou 3 16,7 Total ,00 FONTE: Dados da pesquisa. O bom planejamento é fundamental para que um empreendimento tenha sucesso. Visto que não é simplesmente colocar uma página na Web para que os clientes corram até ela. É necessário divulgação e planejamento para conseguir atingir o público-alvo interessado pelo tipo de informação e serviço que a empresa está oferecendo. Com referência à divulgação do endereço do site da empresa antes de interligar a Internet, a empresa utilizou-se de cartão de visita e material impresso (27,8%) e 22,2% das empresas não fizeram nenhum tipo de publicidade. Mesmo após estabelecer presença na Internet, algumas empresas continuam a não fazer publicidade do endereço da empresa na Internet (16,7%) e 22,2% dos entrevistados declararam que continuam a divulgar o endereço da empresa na Internet, apenas através do cartão de visita e material impresso da empresa, que reduz o alcance da publicidade, pois atinge normalmente pessoas que estiveram na empresa, não atingindo um público diferenciado. Com referência ao motivo da conexão, de acordo com os entrevistados, a Tabela 4.3 demostra a ordem de prioridade obtida com as respostas dos mesmos. Tabela Motivos que levaram a empresa ter presença na Internet

10 10 Ordem Motivo % viii 1º Perspectivas de aumento de vendas 37,5 2º Acompanhamento da evolução tecnológica 21,4 3º Perspectivas de redução dos custos 28,6 4º Melhoria do atendimento ao cliente 26,7 5º Alcance de novos mercados 28,6 6º Providenciar melhores serviços de pré e pós-vendas 15,4 7º Atingir o mercado internacional 14,3 FONTE: Dados da pesquisa. Torna-se de suma importância aos empresários a conscientização sobre o uso da Internet, haja vista que a mesma é uma ferramenta fundamental para providenciar serviços antes e depois das vendas aos clientes. No entanto, esta prioridade aparece em sexto lugar, de acordo com os entrevistados. Alguns itens foram apresentados aos entrevistados sobre o uso da Internet como instrumento de competitividade e que os mesmos opinassem sobre cada item (Tabela 4.4). Tabela Afirmações sobre o uso da Internet como ferramenta de negócio ix SIM NÃO NÃO SABE AFIRMAÇÕES* f % f % F % a) O site da empresa alcança uma clientela diferente daquela através do canal tradicional. 8 50, 1 6,3 7 43,7 0 b) O principal objetivo do site é gerar lucros para empresa , 3 18, c) O site da empresa tem sido bem-sucedido na geração de lucro. 8 53, 5 33,4 2 13,3 3 d) O principal objetivo do site é providenciar informações sobre a empresa e serviços , 1 6, e) A empresa tem método formal de medir a efetividade do site na disseminação de informação. 8 16, 7 43,7 1 6,3 0 f) A Internet é uma ferramenta estratégica de negócio , 1 6, g) Segurança é um importante fator de sucesso do site da empresa , 1 7,1 1 7,1 8 h) A Internet melhorou a comunicação da empresa com os clientes , 2 13, i) A Internet reduziu os custos de marketing da empresa. 9 56, 6 37,5 1 6,3 3 j) A Internet reduziu os custos de comunicação da 9 60, 6 40,0 - - empresa. 0 k) A Internet trouxe benefícios para a empresa até o 12 80, 3 20,0 - - momento. 0 l) A empresa realiza pesquisa de marketing regularmente , ,7 1 6,7 FONTE: Dados da pesquisa. Verifica-se que os empresários ainda não estão utilizando a Internet como ferramenta estratégica, pois constata-se que quase a metade dos entrevistados

11 11 (43,7%) não possuem um método formal para medir a efetividade do site na disseminação de informações, apesar de considerar que o principal objetivo do site é disponibilização e informações aos clientes, com índice de 93,3%. Outro dado que comprova o mencionado anteriormente é que 43,7% não sabem informar se a Internet alcança uma clientela diferente daquela alcançada pelo marketing tradicional. As empresas ainda não utilizam programas que identificam a origem dos seus visitantes e algumas destas ferramentas podem ser obtidas gratuitamente na Internet. Com referência as empresas que não estão conectadas a Rede, algumas questões que foram apresentadas a fim de verificar as principais razões pelas quais ainda não fizeram a conexão com a Internet e suas intenções com relação a esta ferramenta. Na questão que abordou a principal razão porque os empresários não utilizam a Internet, constatou-se que a falta de recursos (43,6%) é a principal razão e 12,5% dos entrevistados declararam que não vale a pena investir. Foi questionado também às empresas que não têm home page, quais são os planos relativos ao uso da Internet na empresa. A maioria das empresas pretende usar a Internet. 31,3% planejam utilizar após 1 ano, no entanto, observa-se que 21,5% das empresas que não planejam utilizar a Internet. No tocante aos dados dos empresários, verifica-se que a Internet está sendo utilizada de forma geral como instrumento de segundo plano pelos empresários e que eles não têm conhecimento de todas as potencialidades da ferramenta e não estão despendendo nem tempo e nem recursos financeiros no uso da Internet como ferramenta estratégica para o e-commerce. O uso da Internet é uma ferramenta fundamental para as empresas e principalmente para as empresas do setor hoteleiro que pretendem atingir mercados internacionais, utilizando-se de estratégias adequadas Perfil dos turistas De forma simplificada apresenta-se um perfil dos participantes da pesquisa realizada através de um questionário on-line, denominado neste estudo como turista, haja vista que estas pessoas, na maioria, usam a Internet para obter informações sobre turismo e é importante ressaltar que o perfil levantado, apresenta o mesmo comportamento de outras pesquisas utilizando como meio de pesquisa a Internet. Os internautas típicos são homens (69%), mas a participação feminina vem aumentando, conforme demonstra a pesquisa da Frontier, citada por Fuoco (1999). A faixa etária encontrada se concentra entre 20 a 30 anos (44,3%). 60,6% dos participantes são solteiros e 33,3% casados. A maioria dos respondentes possuem um grau de instrução elevado (superior incompleto 32,3%; superior completo 27,2%). A maioria possui casa própria paga (66,2%), com renda familiar mensal elevada, visto que 56% dos participantes possuem renda acima de 21 salários mínimos. A principal ocupação dos participantes identificada é bastante diversificada, com destaque para estudantes (29,4%), seguido por profissionais liberais (14,6%) e empresários (13,2%) e demais profissionais, como: professores, consultores, engenheiros, vendedores etc. Com referência o uso da Internet pelos participantes, verifica-se que a maioria dos internautas possuem experiência na Web, visto que 43,8% deles utilizam a Internet há mais de 3 anos e o uso da Internet faz parte do cotidiano dos respondentes, pois 72,8% são os heavy users, ou seja, conectam-se todos os dias. O principal local de acesso a Internet é a sua própria residência (50,9%), seguido no trabalho (41,7%). O principal motivo de acesso é o envio e recebimento de s (50,4%). A língua inglesa é falada pela maioria dos participantes, além do português.

12 12 As compras on-line são consideradas inseguras pelos participantes e 52,9% afirmaram que nunca compraram através da Internet. Entretanto, verifica-se um percentual favorável, 47,1% já compraram via Internet. Dos usuários que declararam que nunca compraram através da Internet, 52,5% declararam que o principal motivo é a falta de segurança. Albertin (1998) argumenta que muitos especialistas consideram o tema da segurança mais uma questão de percepção do que de realidade, visto que existe desconfiança de muitos clientes com relação à transmissão de dados confidenciais, como o número do cartão de crédito, através da Rede. Tal desconfiança não é verificada quando da utilização do mesmo cartão em estabelecimentos comerciais, o que confirma que a percepção é um fator importante com relação ao tema de segurança. Já com relação aos respondentes que declararam que ainda não compraram através da Internet, a maioria (71,7%) compraria através da Internet. A maioria dos usuários possuem cartão de crédito internacional (57,5%). Um dado importante foi identificado, apesar da falta de segurança no uso do cartão de crédito na Internet, 47,8% afirmaram que pagariam utilizando o cartão de crédito, e a justificativa para isso é que a Internet traz comodidade e conveniência. A maioria dos participantes usam a Internet para obter informações sobre turismo, com percentual de 67,1%. Tratando do setor hoteleiro, pode-se dizer como forma de segurança, pois o cliente pode visualizar o meio de hospedagem por completo, estando o mesmo na Internet, como apartamentos, restaurantes etc., pois no passado, o cliente comprava um pacote turístico sem saber como era o meio de hospedagem. Quando ele chegava ao seu destino, alguns tinham desagradáveis surpresas. A Internet soluciona, pelos menos parcialmente, este tipo de problema. No entanto, é importante ressaltar que das pessoas que procuram informações turísticas através da Internet, 30,2% não ficaram satisfeitos com as informações obtidas. Destes insatisfeitos, 35,4% afirmaram que a demora na resposta do que causou maior insatisfação e para 22,8% foi devido ao excesso de publicidade no site, ao invés de informações necessárias ao visitante. A forma escolhida para uma reserva de um hotel ou pousada encontrados através da Internet, foi através de formulário on-line (56%) e 21,4% através de um telefone gratuito Análise fatorial do setor hoteleiro De acordo com Zikmund (1997), pode-se definir análise fatorial como uma técnica estatística elaborada para dividir as muitas perguntas num teste em tão poucos grupos coerentes quanto possíveis. Em outras palavras, em vez de explicar de que modo os participantes responderam a cada questão individual, o fator de análise tenta explicar os padrões de respostas dos participantes em termos de um número menor de fatores hipotéticos. Zikmund (1997) afirma que, por causa da não confiabilidade e outros erros de medida, as cargas fatoriais (factor loadings) de uma questão geralmente estará bem abaixo de 1.0. x Segundo o autor, uma carga fatorial de +0,70 é considerado muito alto e muitos pesquisadores se contentam caso uma questão tenha uma carga fatorial acima de +0,30. É importante ressaltar que, os itens estudados referem-se ao modelo de site proposto e assim poderá verificar as correlações entre as variáveis apresentadas. Com o objetivo de avaliar o grau de importância dos atributos considerados necessários no modelo, utilizou-se a escala de Likert, (com 5 atributos: discordo totalmente a concordo totalmente). De acordo com o estabelecido, a análise fatorial, foram mantidos somente

13 13 os itens cujos factor loadings eram maiores do que 0,50 para os fatores encontrados. Diante disto, dos 33 itens, três foram eliminados. São eles: Serviço de aluguel de automóvel (0,48), Quadro de tarifas (0,29) e Sistema de segurança na transação online (0,40). Observa-se que os valores do fator 1 têm elevada consistência interna, com variância explicada de 25,1%. Testada a precisão de alpha de Cronbach de seus 6 itens, encontrou-se o coeficiente de 0,87 considerado altamente satisfatório. Este fator refere-se à Comunicação e à informação, que um site de hotel deveria oferecer aos seus visitantes. Verifica-se que os empresários tiveram respostas correlacionadas referentes a estes itens, demonstrando a importância da disponibilização de comunicação e informação entre a empresa e os usuários. O segundo fator explicou 12,9% da variância total. Constatou-se existir, como elo entre as variáveis deste fator, a necessidade de Prestação de serviços. Observase que as cargas fatoriais são satisfatórias, demonstrando que os empresários reconhecem a necessidade de prestar serviços aos seus clientes, não apenas na empresa, mas também sobre a cidade, meios de locomoção e principalmente sobre os tipos de roteiros turísticos que o turista pode utilizar para melhor aproveitar sua estadia na cidade. De acordo com Levinson & Rubin (1998, p. 75), serviço é tudo aquilo que a empresa faz para facilitar a vida dos clientes. Para os autores, a prestação de serviços é uma das estratégias de marketing on-line. O coeficiente de precisão alpha para este fator é de 0,81, que é também considerado altamente satisfatório. O fator 3 explicou 9,8% da variância total e refere-se aos Aspectos de design de interface, ou seja, às formas de comunicação entre a empresa e os usuários. Verifica-se factor loadings satisfatórios, evidenciando a necessidade destes serviços. Testada a precisão de alpha de Cronbach de seus 8 itens, encontrou-se o coeficiente de 0,85 considerado altamente satisfatório. O fator 4 mede a percepção dos empresários com referência ao uso da Internet para o comércio eletrônico e como ferramenta de marketing. Os itens deste fator apesar de apresentar cargas fatoriais menores, é de suma importância para a empresa que queira desenvolver e realizar transações da Internet. Quando a empresa utiliza os itens que compõem o fator 4, como promoções on-line, reserva on-line etc., ela consegue atingir as ferramentas que se enquadram em cinco categorias bem amplas: propaganda, promoções de vendas, relações públicas, força de vendas e marketing direto. O fator 4 denomina-se Aspectos de marketing e e-commerce, explicando 6,7% da variância observada, com coeficiente de alpha de Cronbach de 0,73 de precisão. O coeficiente é considerado satisfatório. Quadro Análise fatorial do modelo (empresários) FATORES Carga Fatorial Variância Explicada (%) Alpha (a ) Fator 1: Comunicação e informação Comentários sobre o folclore e comidas típicas 0,879 Bares e boates da cidade 0,869 Restaurantes da cidade 0,828 25,1 0,87 Telefones importantes da cidade 0,709 Roteiro de compras na cidade (ex.: artesanatos) 0,704 Mapa da cidade 0,630 Fator 2: Prestação de serviços Horário de chegada e saída de ônibus para as capitais do Brasil Horário de chegada e saída de aviões para as capitais do Brasil 0,831 0,793

14 14 Brasil Previsão do tempo na cidade 0,753 12,9 0,81 Roteiro turístico opcional 0,715 Roteiro turístico oficial 0,682 0,580 Fator 3: Aspectos de design de interface FAQs (Frequently Asked Questions) 0,818 Formulário para feedback 0,750 Search engine do site (busca do site) 0,737 What s new? Ou Jornal da empresa 0,735 9,8 0,85 Fórum de opiniões 0,637 Opções de língua 0,595 Telefone número ,574 Conversor de moedas 0,564 Fator 4: Aspectos de marketing e e-commerce Promoções on-line 0,653 Fotos dos apartamentos, quartos... 0,648 Opções de pagamento 0,624 6,7 0,73 Reserva on-line 0,612 Distância entre o hotel e as praias 0,612 Foto da fachada do hotel/pousada 0,587 Fator 5: Comunicação visual Fotos da cidade 0,786 Fotos dos pratos do restaurante do hotel 0,683 6,1 0,74 Fotos das praias 0,673 Foto do restaurante 0,634 Variância Total Explicada 60,6 FONTE: Dados da pesquisa. O quinto fator denominado de Comunicação visual, explica 6,1% da variância total, com alpha de Cronbach satisfatório de 0,74. Este fator demonstra que os empresários do setor hoteleiro consideram importante a disponibilização de imagens da cidade, das praias etc., a fim de aumentar a comodidade do turista, pois assim o mesmo saberá identificar que ponto turístico é interessante ser visitado. Verifica-se que as informações e serviços a serem disponibilizados no site de hotel foram considerados importantes, conforme demonstra a análise fatorial, apresentando correlações entre as respostas dos empresários do setor hoteleiro. Os 5 fatores apresentam um alpha de precisão de 0,88, considerado altamente satisfatório. A análise demonstra que os empresários reconhecem a importância do uso da Internet no setor hoteleiro para o e-commerce, no entanto, estes empresários ainda não estão dando toda ênfase a Internet como ferramenta de marketing e como estratégia de competitividade, a partir do momento que ainda não disponibilizam tais informações e serviços, e também não estão dispostos a investir o total de recursos financeiros necessários para a construção do site apresentado no modelo. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados obtidos tanto juntos aos empresários quanto aos turistas, verificase que o uso do marketing na Internet no setor hoteleiro é viável por interesse, visto que ambos participantes declararam que na maioria dos itens modelo apresentado, são totalmente necessários. No entanto, com referência a viabilidade operacional, observase duas dificuldades. A primeira com relação à falta de recursos financeiros e a outra,

15 15 devido à falta de know how por partes de alguns empresários que estão utilizando a Internet como instrumento de publicidade. Conclui-se, que de modo geral, os empresários do setor hoteleiro de Maceió ainda não estão utilizando a Internet em toda sua potencialidade. Aqueles empresários que ainda não estão on-line, alegam a falta de recursos financeiros para a conexão, mas também observa-se a falta de recursos humanos experientes nas empresas que já estejam conectadas. As empresas do setor hoteleiro empregam a Internet, muitas vezes, de forma semelhante às mídias tradicionais, encontrando-se ainda num estágio inicial em termos da exploração do seu potencial. As empresas passam por estágios de utilização de tecnologia interativa até utilizá-la em sua plenitude. À medida que cresce o entendimento da tecnologia e essa nova cultura permeia a organização, há uma evolução natural para o estágio posterior. É importante relembrar que, estudos demonstram que o número de usuários da Internet cresce a cada dia. Estas pessoas usarão a Internet para solucionar seus problemas, visto que, a Rede funciona 24 horas por dia e 7 dias por semana, trazendo comodidade e conveniência para estas pessoas. É importante ressaltar ainda que, como demonstrou a pesquisa realizada junto aos turistas para este estudo, apesar de algumas falhas da Internet, as pessoas já estão comprando e comprarão cada vez mais através da Internet e esta é uma informação fundamental para qualquer empresa que deseje sobreviver numa era tão competitiva. Para consecução da pesquisa, surgiram-se alguns imprevistos, como o tamanho da amostra, apesar de ser bem representativa da população em estudo, nem todas as empresas estão conectadas à Internet. Outro dado é que mesmos os empresários que estão com suas empresas conectadas, nem todos possuem know how para gerir o uso da Internet como instrumento de marketing e como ferramenta de competitividade. Para complementar este estudo, seria importante verificar a aplicabilidade do modelo apresentado. Como também estudar as empresas que ainda não estavam conectados durante a realização deste estudo. Finalmente, outro estudo que pode ser sugerido é que as dimensões aqui estudadas sejam aplicadas à mesma população de estudo em outra ocasião. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBERTIN, L. A. Comércio eletrônico: benefícios e aspectos de sua aplicação. RAE, São Paulo: v. 38, n. 1, jan./mar ARZUAGA, G. R. Marketing en Internet. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em 15/08/1999. BNDES. Parques temáticos: novo impulso na indústria turística brasileira. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: setor98.htm. Arquivo capturado em 07/08/1999. BUTLER, M. L. Marketing and the Internet. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em 31/05/1999. CAVALCANTI, L. A. Viagem sem retorno. Internet Business. Rio de Janeiro: Ediouro, ano 2, n. 24, p. 53, ago COBRA, M. Marketing essencial: conceitos, estratégias e controle. São Paulo: Atlas, Marketing competitivo. São Paulo: Atlas, 1993.

16 DEIGHTON, J. & BLATBERG, R. Marketing s eletronic revolution. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em 24/04/1999. DUNN. M. D. The three power principles of direct-response targetcasting: going beyond the hype by focusing on the results your customers want. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em 15/04/1999. EAGER, B. Por dentro da World Wide Web. São Paulo: Berkeley, EL-CHECK, R. Marketing básico para pequenos e médios empresários. 2. ed. Petrópolis: Vozes, ELLSWORTH, J. H. & ELLSWORTH, M. V. Marketing na Internet: como vender, publicar e promover seus produtos e serviços na Internet. São Paulo: Berkeley Brasil, EMATUR. Guia de serviços e atrativos turísticos de Maceió - AL. Secretaria de Turismo de Alagoas, Maceió: 1998/99. FUOCO, T. Presença feminina cresce 21% na Web do Brasil. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em 31/07/1999. GUERRA, G. R. & CARNEIRO, A. L. M. Internet na administração e treinamento nos hotéis. Suprimentos e Serviços de Hotelaria. São Paulo: fev KOTLER, P. & ARMSTRONG, G. Princípios de marketing. Rio de Janeiro: Prentice- Hall, KOTLER, P. Administração de marketing. São Paulo: Atlas, Marketing para o século XXI: como criar, conquistar e dominar mercados. 2ª ed. São Paulo, Futura, LEDUC, B. Increase your profits by coordenating online and traditional off-line marketing. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em 18/04/1999. LEVINSON, J. C. & RUBIN, C. Marketing de guerrilha com armas online. Rio de Janeiro: Record, LUHRMAN, D. & BENOT, J. Tourism satellite account wins wide acclaim. Conference on the Measurement of the Economic Impact fo Tourism. WTC - World Tourism Organization. Nice, France, 17 jul MARSOLA NETO, A. Turismo: um dos mais atingidos pela Internet. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em 31/07/1999. MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: metodologia, planejamento, execução, análise. São Paulo: Atlas, v. 1 e 2. MCDONALD, M. & DUNBAR, I. Market segmentation: a step-by-step approach to creating profitable market segments. London: Macmillan Business, MORRIS, M. J. Iniciando uma pequena empresa com sucesso. São Paulo: Makron Books, PUTERMAN, P. Internet: o quarto canal. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em maio de REBELLO, K. & et ali. Making money on the net. [on line} Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em 12/03/

17 17 RUSCHMANN, D. Marketing turístico: um enfoque promocional. Campinas: Papirus, SANTOS, A. M. M. M. & GIMENEZ, L. C. P. O comércio eletrônico através da Internet. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em 19/07/1999. SILVA, J. A. R. & OLIVEIRA, L. C. V. de. O marketing na Internet.BR: uma avaliação da presença empresarial na World Wide Web. XXI ENANPAD - Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração. 21 a 24 de setembro de 1997, Rio das Pedras (RJ): Anais eletrônicos, VASSOS, T. Marketing estratégico na Internet. São Paulo: Makron Books, WHITE, G. K. An on-line survey of food and beverage consumers on the Internet: an evaluation of the survey methodology. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em 24/01/2000. YOFFIE, D. Competindo na era da convergência digital. Harvard Business Review Book, Rio de Janeiro: Campus, ZEBINI, V. A. & ZEBINI, M. A História da Internet. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em 18/08/1999. ZIKMUND, W. G. Exploring marketing research. 6ª ed. Holando, Flórida: The Dryden Press Haicurt Brace College Publishers, i KOTLER, P. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo: Atlas, ii SCHULTZ, D. E., TANNENBAUM, S. I. & LAUTERBORN, R. F. O novo paradigma do marketing. São Paulo: Makron Books, iii DUFOUR. A. Marketing: transcender le service. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: Arquivo capturado em dezembro de iv Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social v EMATUR: Empresa Alagoana de Turismo. vi Cálculo efetuado levando em consideração as 50 empresas analisadas de um total de 55 empresas que atenderam aos objetivos da pesquisa. vii Foram excluídos 11 questionários que apresentaram muitas questões sem resposta, principalmente na análise do modelo. viii O percentual refere-se à quantidade de vezes que o motivo foi citado. O respondente analisava todos os itens e enumerava por ordem de prioridade, indicando o número 1 para o principal motivo, o número 2 para o seguinte e assim sucessivamente. É importante informar que nem todos os entrevistados opinaram sobre cada afirmação. Por isso, os percentuais variam de uma afirmação para outra, não apresentam valores em ordem decrescente. ix Nem todos os entrevistados responderam todas as afirmações. O número entre parênteses após a letra, indica quantos não responderam aquela afirmação: letra a (2); b (2); c (3); d (3); e (2); f (3); g (4); h (3); i (2); j (3); k (3) e l (3). x As cargas fatoriais, com os coeficientes de correlação, podem variar de -1 a +1.

Internet no Setor Hoteleiro: uma abordagem sob a ótica dos empresários e dos turistas 1

Internet no Setor Hoteleiro: uma abordagem sob a ótica dos empresários e dos turistas 1 Turismo em Análise, v.20, n.3, dezembro 2009 427 Internet no Setor Hoteleiro: uma abordagem sob a ótica dos empresários e dos turistas 1 Internet in the Hotel Sector: an approach from an entrepreneur and

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

E-COMMERCE: UM ESTUDO DIRIGIDO AO CONSUMO DE LIVROS E ARTIGOS TEXTUAIS PELA COMUNIDADE ACADÊMICA

E-COMMERCE: UM ESTUDO DIRIGIDO AO CONSUMO DE LIVROS E ARTIGOS TEXTUAIS PELA COMUNIDADE ACADÊMICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 E-COMMERCE: UM ESTUDO DIRIGIDO AO CONSUMO DE LIVROS E ARTIGOS TEXTUAIS PELA COMUNIDADE ACADÊMICA Gustavo Antonie Risso 1, Marcela Bortotti Favero 2 RESUMO:

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 REALIZAÇÃO TABULAÇÃO Quem Somos A WBI BRASIL é uma empresa especializada em planejamento de marketing digital, que presta

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil 2014 Objetivo Metodologia Perfil da Empresa de Consultoria Características das Empresas Áreas de Atuação Honorários Perspectivas e Percepção de Mercado

Leia mais

bolsa de estudos ibope Internautas de malas prontas

bolsa de estudos ibope Internautas de malas prontas bolsa de estudos Encontre aqui um apanhado de indicadores, estudos, análises e pesquisas de variadas fontes, todas vitais para avaliação e mensuração do desempenho e dos negócios no mundo digital ibope

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Estratégias de marketing digital como diferencial competitivo para pequenas empresas

Estratégias de marketing digital como diferencial competitivo para pequenas empresas IX WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 15 e 16 de outubro de 2014 Estratégias Globais e Sistemas Produtivos Brasileiros ISSN: 2175-1897 Estratégias de marketing digital

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

2 Business to Consumer

2 Business to Consumer 2 Business to Consumer Business to consumer (B2C) é o segmento dentro do comércio eletrônico que abrange qualquer transação em que uma companhia ou organização vende seus produtos ou serviços para as pessoas

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet

Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet Período de pesquisa: 03/11/2004 a 30/12/2004 Abril 2005 1/13 Índice Página 1.0 INTRODUÇÃO...03 2.0 Análise das respostas de múltipla escolha...04 3.0

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Ingresso Março 2015. Outubro 2014. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2015. Outubro 2014. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Marketing Digital Desenvolver profissionais para atuarem na era digital, com visão estratégica e conhecimento técnico para planejar

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

Como sua empresa pode

Como sua empresa pode Como sua empresa pode [ O guia de segmentação por IP ] Tecnologia de Inteligência de IP e de geolocalização O método de encontrar a localização física e geográfica de um usuário com base unicamente em

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

2 Karla Santiago Silva

2 Karla Santiago Silva Marketing:Administrando Desafios e Gerando Necessidades Karla Santiago Silva Índice 1 Marketing e A Nova Ordem de Mercado 1 2 Marketing, gerador de necessidades 3 3 Mas afinal de contas qual é o papel

Leia mais

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes Estudo Hábitos 2012 Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes O estudo O Estudo Hábitos é realizado anualmente pela E.life

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 CONVÊNIO UCDB-ACICG 20/09/2013 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 CONVÊNIO UCDB-ACICG Professores

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

O varejo e a era da disrupção

O varejo e a era da disrupção 10Minutos Varejo Total Retail 2015 - Pesquisa anual da PwC com os consumidores O varejo e a era da disrupção Destaques Os consumidores estão definindo sua própria abordagem de relacionamento com o varejo,

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Edital PROEX/IFRS nº 028/2015. Seleção de estudantes para participação no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto

Edital PROEX/IFRS nº 028/2015. Seleção de estudantes para participação no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto Edital PROEX/IFRS nº 028/2015 Seleção de estudantes para participação no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto A Pró-reitora de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

marketing de conteúdo como atrair novos alunos usando estratégias de conteúdo produzido por

marketing de conteúdo como atrair novos alunos usando estratégias de conteúdo produzido por marketing de conteúdo para EAD como atrair novos alunos usando estratégias de conteúdo produzido por índice 03 introdução 06 como fazer: passo a passo 06 1. mapear personas 08 12 2. Organizando o conteúdo

Leia mais

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS 181 SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS Valdecir Cahoni Rodrigues 1, Alvaro Costa Jardim Neto 2, Nilmaer Souza da Silva 1 1 Universidade do Oeste Paulista UNOESTE.

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD ESTUDO DO PERFIL DE ESTUDANTES EM ADMINISTRAÇÃO E SUA FAMILIARIDADE COM O E-COMMERCE. Osmar Meira de Souza Junior José Mauro de Sousa Balbino Rafaela Módolo de Pinho 1" ESTUDODOPERFILDEESTUDANTESEMADMINISTRAÇÃOESUAFAMILIARIDADECOMO

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais