Keywords: Virtual Outlet, e-commerce, e-consumers 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Keywords: Virtual Outlet, e-commerce, e-consumers 1"

Transcrição

1 Área temática: Marketing E-commerce Outlet Virtual: Porque o chick é pagar barato AUTORES CARLOS ANTONIO CARDOSO SOBRINHO Universidade Federal de Uberlândia PAULO HENRIQUE MARTINS DESIDÉRIO Universidade Federal de Uberlândia STELLA NAOMI MORIGUCHI Universidade Federal de Uberlândia Resumo O e-commerce é um dos setores do mercado que mais cresce no Brasil, hoje, quinto lugar entre os países com maior número usuários conectados à internet. Concomitantemente, uma nova modalidade no comercio varejista nacional, advinda das origens norte americanas, também vem crescendo no mesmo contexto, essa nova forma negócio é o Outlet. A adoção do conceito de e-commerce pelas empresas de Outlet deu origem ao Outlet Virtual, que se tornou objeto desse estudo. No presente trabalho foram realizadas visitas on-line aos quatro maiores sites de Outlet Virtual do Brasil, com o objetivo de se fazer uma análise qualitativa dessas Webs. Para tanto, adotou-se os fatores chaves em Serviços de Relacionamento, para o sucesso de uma empresa on-line, proposto por Cox e Dale (2002). Na análise constatou-se que os vínculos de relacionamento e fidelidade podem ser oriundos dos seguintes pontos: (a) a valorização dos e-consumidores enaltecidas no processo de apadrinhamento; (b) a oferta de produtos de marcas renomadas; (c) a grande variedade de produtos disponíveis; (d) os contatos e a interação com os e-consumidores; (e) a concessão de descontos substancialmente consideráveis. Palavras-chave: Outlet Virtual, e-commerce, e-consumidores Abstract The e-commerce is a sector of the fastest growing market in Brazil today, fifth among the countries with the largest number of users connected to the internet. Concomitantly, a new modality in the national retail trade, advent of North American origins, is also growing in the same context, this new business is the Outlet. Adopting the concept of e-commerce by Outlet firms led to the Virtual Outlet, which became the object of this study. This experiment was conducted online visits to the four major sites Virtual Outlet in Brazil, with the goal of making a qualitative analysis of these webs. To this end, we adopted the key factors in the Relationship Services for a successful online business, proposed by Cox and Dale (2002). In the analysis it was found that the bonds of relationship and loyalty can be drawn from the following: (a) the valuation of e-consumers praised the process of sponsorship, (b) the supply of branded product, (c) the great variety of products available, (d) the contacts and interaction with the e-consumers, (e) to grant substantial discounts. Keywords: Virtual Outlet, e-commerce, e-consumers 1

2 1. Introdução Na era da tecnologia, o setor comercial não poderia se eximir dessa evolução. Os consumidores dos mais diversos níveis, perfil e preferências possuem pelos menos uma característica em comum, que é o apreço pelo tão escasso tempo. A internet, de certa forma, veio para contribuir com a otimização do tempo gasto pelos clientes na hora de realizar suas compras. O ato de comprar, cotar preços e obter informações sobre determinado bem ou serviço, utilizando os recursos disponíveis na internet, ficou conhecido como e-commerce, ou comércio eletrônico. O Brasil está em quinto lugar entre os países que mais possuem usuários conectados à internet. Segundo a pesquisa realizada pelo site internet world starts no final de 2010, mais de 65 milhões de pessoas têm acesso à grande rede sendo que 23 milhões dessas pessoas compraram pela internet em Isso mostra a força do segmento. Percebendo essa evolução comercial, empresas varejistas adotaram o e-commerce e passaram a atuar no mercado digital explorando uma modalidade de varejo denominada de Outlet. De origem norte americana, os Outlets são definidos como um ambiente varejista atrativo e moderno, pelos quais as indústrias de renome nocional e internacional, vendem seus produtos de Off Season, suas amostras e seus excessos de estoque, diretamente ao público, com descontos substanciais que variam de 30 até 90%. A partir do encontro entre o conceito de Outlet e a expansão do e-commerce, surgiu então o Outlet Virtual, que é o objeto desse estudo. Por meio de uma pesquisa exploratória, utilizando uma abordagem interpretativista buscou-se esclarecer a seguinte pergunta de partida: Como um Outlet Web Site cria vínculo com seu e-consumidor e lhe inspira fidelidade por meio do relacionamento?. O trabalho se mostra relevante, pois gera contribuições às pesquisas relacionadas ao varejo e ao marketing no meio acadêmico e levanta algumas questões talvez ainda não exploradas pelas empresas de e-commerce no Brasil. Para tanto, teceu-se um referencial teórico acerca do tema e-commerce e sua abrangência no contexto brasileiro. Posteriormente foram apresentados dois modelos conceituais como fatores chave para o sucesso de uma empresa virtual. Em seguida, explicitaram-se as definições e origens da modalidade de varejo Outlet e a sua evolução para o comércio eletrônico, e por fim, realizou-se a apresentação das análises qualitativas dos sites escolhidos para visita. 2. E-commerce: conceituação do comércio eletrônico na grande rede Na era da tecnologia, o setor comercial não poderia se exaurir dessa evolução. Os consumidores dos mais diversos níveis, perfis e preferências possuem pelos menos uma característica em comum, que é o apreço pelo tão escasso tempo. A internet, de certa forma, veio para contribuir com a otimização do tempo gasto pelos clientes na hora de realizar suas compras. O ato de comprar, cotar preços e obter informações sobre determinado bem ou serviço, utilizando os recursos disponíveis na internet, ficou conhecido como e-commerce ou comércio eletrônico. Analisando o comércio eletrônico justamente pela ótica do consumidor, Solomon (2002) reitera que o e-commerce é uma maneira de se transpor a barreira imposta pela localização física do indivíduo em relação ao seu objeto de desejo, da mesma maneira, intensifica a disposição pela compra pois proporciona ao cliente a conveniência de adquirir o que necessita do conforto do seu lar e sem desperdiçar seu precioso tempo. O mesmo autor alerta sobre a clara possibilidade de um aumento ainda maior dessa modalidade de consumo, muito em função do crescente volume de dispositivos que facilitam a acessibilidade e integração entre os clientes e as empresas on-line. Burt e Sparks (2003) levantam o debate acerca dos impactos causados pelo o comércio eletrônico nas empresas fisicamente acessíveis aos clientes. Eles ressaltam que o sucesso da 2

3 adoção pelo e-commerce dependerá das habilidades que a empresa terá no gerenciamento e implementação dessa nova era tecnológica. Com o intuito de se esclarecer o conceito de e-commerce serão apresentadas algumas definições que contemplam a visão geral desse tipo de negócio. Para EcommerceOrg (2010), E-commerce significa comércio eletrônico, ou seja, o conjunto de atividades comerciais que acontecem on-line. Trata-se da definição mais generalizada possível encontrada sobre o tema, desenvolvida por uma entidade especializada no assunto. Venetianer (1999) traz uma definição mais abrangente dizendo que: Comércio eletrônico é o conjunto de todas as transações comerciais efetuadas por uma firma, com o objetivo de atender, direta ou indiretamente, a seus clientes, utilizando para tanto as facilidades de comunicação e transferência de dados, mediadas pela rede mundial Internet. (VENETIANER, 1999 p.34) São diversas as variações dos termos que tratam do e-commerce. Cabe, por oportuno, apresentar a diferenciação entre e-commerce e e-business, comumente confundidos na literatura e também por parte das empresas. Deitel, Deitel e Steinbuhler (2001), apontam as seguintes características dos dois termos: O Comércio Eletrônico ou E-commerce envolve as trocas entre consumidores, parceiros de negócios e comerciantes, ao fazer com que os fornecedores interajam com produtores, consumidores se relacionem com representante de vendas e transportadores viabilizem a distribuição. Já o Negócio Eletrônico ou E-business, apesar de ser composto pelos mesmos elementos, volta-se para as operações que serão realizadas apenas entre as organizações, como produção, desenvolvimento, infra-estrutura e gerenciamento de produto. (DEITEL, DEITEL E STEINBUHLER, p.8) Independente das definições e diferenciações apresentadas existem sempre algumas variáveis compartilhadas por elas, como o uso da internet e não exigência da presença e contato físico entre as partes negociadoras. No presente trabalho, adota-se o conceito mais direto e objetivo de e-commerce proposto por EcommerceOrg (2010), salientando a possibilidade de utilização do termo Comércio Eletrônico em detrimento de sua nomenclatura estrangeira, quando conveniente. Na sequência, procura-se expor a situação atual de consumo e transações envolvendo a internet no contexto brasileiro. 2.1 Cenário brasileiro do e-commerce O Brasil está em quinto lugar entre os países que mais possuem usuários conectados à internet. Segundo a pesquisa realizada pelo site internet world starts no final de 2010, mais de 65 milhões de pessoas tem acesso à grande rede. Esses números, que são as últimas estatísticas divulgadas sobre o assunto, representam um crescimento de mais de 1.400% no volume de pessoas conectadas em um período de dez anos. O nível global de conexões já ultrapassa 1 bilhão e setecentos milhões de usuários. Não existem mais fronteiras separando o mundo virtual e as pessoas que dele fazem parte. 3

4 Tabela 1 Os 20 países com maior número de usuários da Internet em 2010 País ou Região População (2009) Usuários % População Crescimento ( ) % usuários 1 China % % 21.4 % 2 Estados Unidos % % 12.2 % 3 Japão % % 5.0 % 4 Índia % % 4.1 % 5 Brasil % % 3.9 % 6 Alemanha % % 3.3 % 7 Rússia % % 3.0 % 8 Reino Unido % % 2.6 % 9 França % % 2.3 % 10 Nigéria % % 2.2 % 11 Korea do Sul % % 2.0 % 12 Turquia % % 1.8 % 13 Irã % % 1.7 % 14 México % % 1.6 % 15 Itália % % 1.5 % 16 Indonésia % % 1.5 % 17 Filipinas % % 1.5 % 18 Espanha % % 1.5 % 19 Argentina % % 1.4 % 20 Polônia % % 1.3 % Fonte: Adaptado de O departamento comercial e de Marketing das empresas não podem desprezar essas estatísticas. Elas mostram que um quarto da população mundial já acessa a internet e que existe uma grande tendência de crescimento contínuo. Há que se levar em conta que nem todas as pessoas que navegam pela internet podem ser consideradas e-consumidores, porém, são prospects, que inevitavelmente em algum momento utilizarão da sua conectividade para buscar conveniência e economia de tempo em suas compras, como defende Solomon (2002). As informações geradas pela 23ª edição do relatório WebShoppers (2010), realizado pela empresa E-bit, permite que seja traçado o perfil atual dos e-consumidores no contexto brasileiro, por meio de dados no comportamento de compra e evolução do e-commerce. Fizeram parte desse relatório cerca de empresas, e com a participação de mais de dez milhões de clientes on-line, o que indica a intensidade do comércio eletrônico nacional. Segundo WebShoppers (2010), o setor de comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 14,8 bilhões no ano de 2010, o que representa um crescimento de 40% em relação ao período anterior. As projeções para 2011 apontam um aumento nas transações on-line que podem ultrapassar os R$ 19 bilhões. Constata-se que esse mercado encontra-se em plena expansão e que tem gerado oportunidades de crescimento nos mais diversos segmentos. 23 milhões de pessoas compraram pela internet em Isso que dizer que aproximadamente 30% dos usuários da grande rede são adeptos do e-commerce no Brasil. Mais um intenso crescimento é identificado nesse dado, aonde a evolução no volume de e - consumidores chegou a 40%. Quanto à preferência de compra dos consumidores, as categorias de produtos mais vendidas no e-commerce em 2010 foram livros e assinaturas de revistas e jornais; saúde, beleza e medicamentos; eletrodomésticos; informática e eletrônicos. A mesma pesquisa aponta a predominância nos pagamentos realizados com o cartão de crédito nas compras realizadas. Observa-se que apesar do elevado número de transações ainda existe um grande espaço para expansão e penetração de alguns segmentos que ainda são considerados modestos no que tange o e-commerce. Outro fator de atratividade nessa modalidade de negócio é a baixa inadimplência, em função das formas de pagamentos escolhidas pelos usuários. 4

5 Conspirando positivamente com o crescimento das vendas on-line, destacam-se também o aumento no índice de confiabilidade e satisfação dos clientes em relação às lojas virtuais. Esse índice ficou acima de 85%. Os clientes estão mais seguros na realização de suas compras e as empresas têm buscado diferenciais que gerem mais tranquilidade e praticidade aos seus e-consumidores. Porter (2001) alerta sobre a importância da adoção do e-commerce como complemento das estratégias competitivas já estabelecidas pelas empresas. O autor relata que o e-commerce não mais se enquadra no contexto de uma nova economia ou uma nova forma de alcançar os clientes, ele agora é um evento concreto e deve ser tratado como tal, o que demanda abordagens específicas e decisões estratégicas como qualquer outro setor da organização. Onde existem crescimento e oportunidades também existe concorrência, e assim como no ambiente físico, o ambiente virtual busca utilizar estratégias e ferramentas de marketing para se destacar em relação aos seus e-concorrentes. A seguir, apontam-se algumas formas para evidenciar os fatores positivos em um ambiente de compra on-line. Essa análise contribui para um aprimoramento das estratégias das empresas de e-commerce, na conquista e retenção de clientes. 3. Análise mercadológica em um ambiente virtual de negócios 3.1 Processo de decisão do e-consumidor A academia busca realizar estudos com o intuito de conhecer e entender o cliente online para que dessa forma o e-commerce se insira no ambiente acadêmico e que o resultado seja benéfico para todas as partes envolvidas no processo. Blackwell, Miniard e Engel (2008) falam das semelhanças existentes entre os que atual no mercado de clicks and order, que é o e-commerce, e aqueles do mercado físico tradicional bricks and mortar. Ambos agentes envolvidos no atendimento ao consumidor prezam por sua satisfação e buscam ocupar um local privilegiado na mente do cliente em relação aos seus concorrentes. Para entender melhor e consequentemente atendê-lo melhor, os autores expõem como é realizado o Processo de Decisão do Consumidor (PDC) para o varejo eletrônico. Reconhecimento de problemas é a primeira fase do PDC que o e-consumidor enfrenta segundo Blackwell, Miniard e Engel (2008). Nesse momento o cliente se faz o seguinte questionamento: Quais aspectos das minhas compras causam problemas que podem ser resolvidos por um varejista virtual?. A partir dessa pergunta, o consumidor avalia algumas questões que foram evidenciadas anteriormente nesse trabalho, como a falta de tempo e a possibilidade de comprar sem sair de casa. Outro ponto que tem se mostrado fundamento como reconhecimento do problema, é a falta de opções de um determinado item em uma loja tradicional. Isso ocorre principalmente quando as preferências dos consumidores são muito peculiares, gerando pouca saída daquela mercadoria específica e inviabilizando a estocagem por parte do lojista bricks and mortar. A questão do preço também é preponderante nesse cenário de decisões. Como segunda fase do processo encontra-se a Busca, direcionada pela pergunta: Em quais circunstâncias o processo de busca é melhorado ou simplificado pela Internet. Como possibilidade de opções para essa questão, destaca-se a força que a Web tem de romper as barreiras geográficas, proporcionando ao usuário total acesso às vitrines virtuais das lojas de todo mundo, e também contribui com a facilidade na obtenção de preços das mercadorias habilitando o processo de cotação entre os fornecedores. Além disso, o e-consumidor pode pesquisar sobre as atribuições dos produtos e até mesmo participar de fóruns que debatam seu desempenho e grau de satisfação de outros usuários. Avaliação das alternativas pré-compra é a fase três. A dúvida a ser sanada nesse ponto é: Em quais circunstâncias o processo de avaliação é melhorado ou simplificado pelo uso da Internet?. Sem dúvida, o cerne dessa questão é a possibilidade de comparação entre as 5

6 ofertas e os diferenciais oferecidos pelas lojas virtuais. A internet permite que o e-consumidor tenha acesso a um número de empresas, produtos, informações e opções infinitamente maior que o varejo tradicional pode ofertar. Por fim, o objetivo maior, a decisão da Compra, onde finalmente, depois de avaliar e ponderar todos os aspectos anteriores, o e-consumidor se pergunta: Quando a compra pela internet é mais eficiente e preferível às outras formas de compra?. A finalização do PDC possui um desfecho muito pessoal e vai de acordo com o pensamento de cada consumidor, porém, é possível enumerar algumas situações onde o e-commerce é adotado em detrimento ao comércio tradicional, são elas: quando o cliente não pode ir fisicamente até a loja, quando a loja não disponibiliza o produto preterido ou até mesmo quando não se tem pressa pela entrega do produto, podendo assim dispor de todos os benefícios contidos em uma transação on-line. Pode-se destacar também a questão do horário, o funcionamento de uma loja virtual é ininterrupto, 24 horas por dia, 7 dias por semana. 3.2 Desenvolvimento de um ambiente virtual diferenciado A visita ou a compra em uma loja virtual pode ser a simultaneamente a primeira e a última se as empresas não estiverem preparadas. Cox e Dale (2002) desenvolveram um modelo conceitual que mostra os Fatores Chave de Qualidade (Key Quality Factors KQF) que um Web site precisa disponibilizar aos e-consumidores baseado no que eles realmente esperam encontrar em suas visitas e compras. A estrutura proposta pelos autores contempla quatro aspectos: (1) Facilidade no uso; (2) Confiança dos consumidores; (3) Recursos on-line e (4) Serviços de relacionamento. Na sequência, serão apresentados individualmente cada um dos fatores citados pelos autores. Concernente à Facilidade no uso, foi feita uma subdivisão que aborda as questões de: transparência no objetivo do site; design; e comunicação. Quanto à transparência no objetivo do site, devem ser evidentes quais são os propósitos e o que o cliente pode atingir realizando aquela visita. O site deve ser organizado de maneira a tornar o acesso sem complicações, e caso necessário, disponibilizar instruções de navegação antes do início das consultas, evitando confusões e frustrações por parte do usuário. Remetendo-se à facilidade no uso, analisa-se também o Design. O Web site representa a imagem da empresa e deve fazer com que essa imagem se estabeleça para o consumidor e que o impressione positivamente, tornando o a empresa perceptível e reconhecida em qualquer ocasião que seu cliente venha a enfrentar. Os autores consideram fatores importantes no projeto: links; coerência ou conveniência, menus e mapas; páginas e clicks; busca; preenchimento de formulários. Links devem sempre ter direcionamento válido e condizente com a sua descrição. Recomenda-se que mudem de cor depois de utilizados, para facilitar a identificação pelos usuários; Coerência, menus e mapas. Todo site possui a sua particularidade, sabendo-se disso, as lojas virtuais devem oferecer menus que facilitem a busca dos clientes. A disponibilização de mapas de navegação coerentes e de fácil visualização é uma das alternativas para a solução desse percalço. Páginas e clicks. A navegação, principalmente em um ambiente de e-commerce não pode ser cansativa. Sugere-se que dentro do processo de aquisição de um o produto o cliente passe pela menor quantidade de páginas possível, certificando-se da presença de um check out buttons que possibilite ao e-consumidor ir para o final da venda quando ele quiser; Busca. Esse mecanismo é um dos mais utilizados pelos e-consumidores e deve ser elaborado para facilitar as pesquisas dentro do site, tornando possível que o cliente encontre todas as informações que precisa, dando as opções de listagem por relevância, preço e marca, dentre outras. Preenchimento de formulários. Independente do objetivo, seja ele para cadastramento ou solicitações, deve adotar uma estrutura simples e auto-explicativa, em alguns casos, os 6

7 autores recomendam o uso de exemplos para evitarem eventuais falhas no preenchimento ou até desistência. O ultimo quesito do fator chave Facilidade no uso é a Comunicação. É necessário que se escolha a melhor maneira de se interagir com os internautas, enviando mensagens claras de alerta nos momentos oportunos, como por exemplo, o preenchimento incorreto de uma informação ou o cancelamento de determinada operação em andamento. Nessa fase é discutida a questão dos gráficos, textos, cores e animações presentes no site. Não existe uma regra clara quanto a esse procedimento, é preciso alertar-se porém para a utilização de gráficos e animações que façam o cliente perder o foco da visita, como também, é preciso ter cuidado para não simplificar demais e perder o impacto e a possibilidade de lembrança pelo cliente, sempre com consciência das limitações técnicas que o consumidor poderá se deparar em caso de uma animação mais sofisticada. O segundo fator chave para qualidade de uma loja virtual é a Confiança dos consumidores, nesse ponto os autores discutem questões como a Acessibilidade e Velocidade. Geralmente os e-consumidores possuem pequena tolerância sobre sites de difícil acesso, mesmo sendo em função de congestionamento ou problemas técnicos, assim como não estão dispostos a perder tempo em uma navegação lenta. As empresas de e-commerce, devem fazer ajustes tecnológicos para não perderem clientes em função de picos de consumo que venham provocar qualquer espécie de bloqueio ao site visitado. Sem dúvidas, o grande vilão do e-commerce está relacionado ao fator confiança, e se expressa pelo receio de várias pessoas em realizar transações comerciais que não são realizadas face-a-face. É crucial para o sucesso em um ambiente virtual que a empresa torne pública sua política de privacidade e segurança, para tentar driblar as desconfianças dos usuários. Outra maneira de se conquistar a confiança dos e-consumidores é o uso correto e eficiente dos serviços de atendimento ao consumidor (SAC), sanando com a maior agilidade possível as dúvidas dos clientes. É interessante que se desenvolva um FAQ - Frequently Asked Questions, com as dúvidas e perguntas mais frequentes sobre um determinado produto ou processo. Outros autores também levantam a questão da confiança nas compras on-line, como Wirtz, Lwin e Williams (2007), que tratam da preocupação dos e-consumidores quanto à privacidade de seus dados pessoais e financeiros, armazenados no ato da compra. Os autores ressaltam a importância de políticas públicas para regulamentação e fiscalização do e- commerce, e salientam que esse fato causa prejuízo para as empresas virtuais, não permitindo um crescimento ainda maior desses negócios. No Brasil, pode-se considerar em estágio inicial a elaboração de tais normas. Ainda abordando a questão da confiança, Gefen (2000) trata da familiarização entre a loja virtual e o e-consumidor como fator que contribui na geração de confiança, e consequentemente, interfere de uma maneira positiva na decisão de compra e na escolha da empresa pelo cliente. Para se familiarizar a empresa precisa expressar sinais confiáveis e que elevem a predisposição do cliente em tentar uma aproximação comercial com a empresa. Voltando para as questões chave, segundo Cox e Dale (2002), o terceiro fator refere-se aos Recursos on-line. Esse fator abrange todas as situações envolvendo o produto, começando por sua seleção, passando pela precificação e o comparativo entre os e- concorrences, chegando até o processo de aquisição da mercadoria. As informações referentes ao que se está oferecendo devem estar claras e diretas. É o conteúdo explicitado nesse momento que se torna fundamental para a decisão de compra. Uma informação insuficiente ou inexistente pode gerar perda da venda. É importante que se defina a disponibilidade do produto e o prazo de entrega máximo demandado. Algumas empresas, para não perderem contato com seus e-consumidores, disponibilizam a opção de enviarem aviso assim que o produto procurado voltar a estar disponível em estoque. 7

8 Formas de pagamento e os procedimentos de cobrança devem ficar evidentes nas transações, inclusive taxas com impostos e frete. O relatório divulgado pela WebShoppers (2009) aponta que mais de 80% das compras on-line são feitas no cartão de crédito, portanto se a empresa não possui essa opção de pagamento, pode se considerar fora do ramo de atuação no e-commerce. O quarto e último fator chave para a qualidade de uma Web site trata dos Serviços de Relacionamento com o e-consumidor. Em um mercado tão competitivo, onde empresas de diferentes cidades, estados, países e até continentes concorrem entre si, mais uma vez sai na frente aquela que conseguir construir o melhor relacionamento com seus clientes. Os serviços disponibilizados ao cliente on-line podem ser facilmente direcionados, pois as empresas possuem todos os dados de cada e-consumidor. Pode-se enviar cupons com descontos promocionais ou deixar de cobrar a tarifa de entrega, tudo para estimular as vendas. Fica mais simples para uma empresa já estabelecida pensar em estratégias que agreguem valor a sua venda e que conquistem a preferência do consumidor. Empresas que estejam entrando nesse mercado devem aprender a fazer primeiramente o básico. Em recente trabalho, Walsh et al. (2010) levantam a seguinte questão: Qualidade no relacionamento é relevante no comércio eletrônico?. Em seus estudos, os autores identificaram que a qualidade no relacionamento tem importância similar no comércio off-line e no e-commerce. Os mesmos autores ressaltam que o comprometimento, satisfação e segurança são elementos fundamentais para a construção de um relacionamento de sucesso com o cliente. Todos esses elementos são facilmente identificados nas sugestões para se ter sucesso em uma Web site proposto por Cox e Dale (2002). Pode-se afirmar, pela convergência das idéias entre os autores, que o relacionamento possui sim, relevância nas transações on-line. Fatores chave de qualidade para loja virtual Facilidade no Uso Confiabilidade Recursos On-line Relacionamento 1 - Tranparência 1 - Confirmação do pedido 1 - Escolha do produto 1 - Reconhecimento Seleção 2 - Design 2 - Credibilidade Informação 2 - Serviços extras Links Disponibilidade Conveniência 3 - Serviços 3 - Incentivos de compra Menus e Mapas 2 - Precificação Páginas e clicks 4 - Feedback Busca 3 - Compra do produto Formulário 5 - FAQ Registro Pagamento 3 - Comunicação 6 - Acessibilidade Feedback Textos e cores Gráficos e Animações 7 - Velocidade Quadro 1 Estrutura conceitual para um e-commerce Fonte: Adaptado de Cox e Dale (2002). Outra estrutura de e-commerce é apresentada por Constantinides (2004), advinda de uma pesquisa realizada sobre a experiência de compra pela Web a partir da revisão de literatura de mais de 40 obras sobre o assunto. O autor corrobora as afirmações de Cox e Dale em diversas situações e propõe uma estrutura similar, porém com subdivisões e alguns 8

9 aspectos diferenciados. A seguir, será apresenta a proposta de Constantinides (2004). O primeiro aspecto é o de Funcionalidade, subdivido em Usabilidade e Interatividade. Nah e Davis (2002) definem a usabilidade como a maneira que o indivíduo encontra para se localizar na Web, achar as informações que está buscando, saber o que fazer em seguida e o mais importante, realizar todas essas tarefas com o mínimo de esforço possível. Assim sendo, o site deve facilitar a navegação do usuário, oferecendo dessa forma, uma boa usabilidade. Os diferentes elementos da usabilidade são: Conveniência: é um dos principais fatores motivacionais na navegação, geralmente associada à velocidade e facilidade do acesso às informações no ao fechamento das transações de compra; Navegação, estrutura das informações e processo de busca: os usuários prezam por uma busca simples e fácil, que permitam acesso rápido aos produtos desejados; Acessibilidade e Findability: o site deve ser compatível com os recursos tecnológicos do mercado e deve ser fácil de se localizar; Velocidade: os profissionais de e-commerce devem se lembrar que um dos principais motivos das compras on-line é a escassez de tempo, portanto o e-consumidor não está disposto a enfrentar navegações lentas; Pedidos e processos de pagamento: o pagamento continua sendo uma das maiores preocupações dos internautas, pois envolve a questão da segurança e da demora no processamento das informações. Com referência à interatividade, o autor salienta a característica salutar que o e- commerce possui em proporcionar um alto nível de personalização e troca de informações com seu cliente usuário. Essa deve ser uma característica bem explorada pelas lojas virtuais, como a opção de construir páginas customizadas, por exemplo. A interatividade deve ser promovida através da conexão entre os próprios clientes, por meio de fóruns e páginas de relacionamento. A possibilidade da formação de Networks para discussão dos produtos e da satisfação dos clientes é benéfica para empresa, pois ela obterá informações confiáveis e diretas do seu público-alvo. O segundo aspecto evidenciado por Constantinides (2004) é o Psicológico destacandose a questão da confiança no processo de compra on-line. Os elementos psicológicos levados em consideração são: Segurança nas transações: os e-consumidores temem pela segurança de seus dados financeiros, principalmente nas vendas realizadas no cartão de crédito; Pedidos de compra, pagamento e condições de reembolso: informações seguras sobre esses assuntos e boa comunicação ajudam a gerar confiabilidade nos e-consumidores; Segurança dos dados pessoais; existe uma preocupação de que os dados sejam hackeados e utilizados em transações não autorizadas; Garantias e políticas de devolução: o maior receio é justamente proporcionado por uma das maiores conveniência, que é a transposição da barreira geográfica. No que se refere às garantias e devoluções a distância pode atrapalhar na decisão de compra, para que isso não ocorra, deve-se esclarecer esses critérios antes do fechamento da venda; FAQ: Frequently asked questions permite que os usuários tenham acesso a informações que talvez dificultariam o entendimento de determinada situação ou até mesmo fariam que desistissem da compra. 9

10 O terceiro aspecto é representado pelo Conteúdo e subdivido entre os elementos Estéticos e o Mix de Marketing. Os fatores estéticos são aqueles destinados a atrair os e- consumidores como o design, qualidade na apresentação, estilo e ambiente. Esses elementos são desenvolvidos com o objetivo de se tornarem indeléveis para os clientes. Eles refletem a imagem da empresa. A estética abrange as questões artísticas e criativas do ambiente on-line, pode-se gerar uma maior interatividade e tornar a navegação pelo site mais agradável. É importante se atentar ao perfil do e-consumidor que pretende atingir e adaptar a estética do site para que o cliente se identifique com a atmosfera criada. O Mix de Marketing também se faz presente nas discussões acerca das estratégias de e-commerce. No estudo realizado por Constantinides (2004), o mix de marketing teve como base a sua tradicional aplicação abrangendo os 4P s, que foram devidamente adequados ao contexto on-line a partir dos fatores de experiência na Web abstraídos na literatura pesquisada pelo autor. Os elementos que compõem o Web Marketing Mix segundo, segundo Constantinides (2004), são: Comunicação: a literatura pesquisada foca no aspecto da qualidade da informação disponibilizada sobre a empresa, o produtos, as condições de venda e entrega. A qualidade nessas informações acredita-se compensar, em parte, a ausência de contato físico entre as partes; Concretização: destaca-se a importância do cumprimento dos compromissos garantidos no ato da compra on-line, essa etapa é de fundamental importância para que o e-consumidor manifeste o interesse pela re-compra; Produto: os elementos do produto que afetam as lojas virtuais são a marca, o sortimento, as características e a sua apresentação. Existem formas de se diferenciar a apresentação dos produtos on-line como efeitos 3D, fotos e animações; Preço: as obras pesquisadas pelo autor com base nas experiências na Web contradizem o senso comum de que o preço é o maior fator motivacional de compras pela internet. Segundo The McKinsey Quarterly (2001 apud Constantinides 2004), somente 8% dos e-consumidores norte americanos podem ser classificados como caçadores de preços baixos, e apenas 30% consideram preço como um fator chave na decisão de comprar pela internet; Promoção: é dos elementos que menos aparece como indício nas decisões baseadas na experiência na Web, e está relacionado muitas das vezes a descontos em vendas, disponibilização de serviços extras e envio grátis de mercadorias. Aspectos de Funcionalidade Aspectos Psicológicos Aspectos de Conteúdo Usabilidade Interatividade Confiabilidade Estética Mix de Marketing Conveniência Serviços Segurança nas transações Design Comunicação Navegação Pós-venda Mau uso dos dados pessoais Apresentação Concretização Acessibilidade Personalização Segurança dos dados Estilo Produto Informações Network Garantias Atmosfera Preço Velocidade Política de devolução Promoção Processo de pedido FAQ Características Processo de pagamento Quadro 2 Estrutura para e-commerce baseado em experiência na Web. Fonte: Adaptado de Constantinides (2004) Pode-se dizer que existe uma complementaridade entre as duas estruturas apresentadas, mas que ambas possuem validação para serem adotadas para fins de pesquisa e 10

11 análise sobre as lojas virtuais. O presente estudo utilizará a estrutura proposta por Cox e Dale (2002), mais especificamente o fator chave Serviços de Relacionamento para realizar uma análise qualitativa em quatro Webs especializadas em uma modalidade de varejo denominada de Outlet. Na sequência, serão introduzidos os conceitos do Outlet e sua evolução para o mercado da internet. 4. Outlet: conhecendo as origens Os Outlets tiveram sua origem nos Estados Unidos a partir da década de 70, orientados por grandes produtores de marcas fortes e tradicionais que buscavam eliminar seus excessos de estoques. O rápido crescimento entre as décadas de 70 e 80 fez com que os fabricantes percebessem os benefícios dessa modalidade de varejo. Começou-se então a oferece concessões para curtos contratos de alugueis de espaços para comercialização de diversos produtos, o que consequentemente despertou o interesse de vários consumidores, que se deslocavam até esses locais para comprarem mercadorias de marca por um preço inferior (FERNIE, 1996). Claramente, a evolução desse segmento levou ao desenvolvimento de uma nova modalidade de varejo para que os retornos financeiros fossem acrescidos. Reynolds, Ganesh, e Luckett (2002) tratam os outlets como um local que oferece produtos de marcas renomadas, por um preço mais baixo e utilizando um único ambiente comercial, além de proporcionarem um fácil acesso e espaço, em função da sua proximidade com as rodovias, e em alguns casos, são localizados perto de pontos turísticos da cidade. No passado, os Outlets eram utilizados exclusivamente para queima de estoque e venda de produtos de baixa estação, oferecendo pouco ou nenhuma concorrência com as lojas de departamento ou as boutiques tradicionais. Esse cenário mudou e os outlets começaram a concorrer no mesmo mercado que as demais empresas do setor (FOWLER e CLODFELDER, 2000). As autoras salientam que mesmo apesar de oferecerem preços diferenciados, a localização desse tipo de empresa, ainda prejudica a construção do relacionamento com os clientes. Ao contrário do que afirmaram Fowler e Clodfelder (2000), Whyatt (2008), identificou, em sua pesquisa realizada em outlets na Europa, que a localização não é um fator desmotivador no processo de compra, que os respondentes de sua pesquisa consideram a localização condizente com a proposta desse tipo de mercado, e que os descontos nas mercadorias de marca compensam o deslocamento. Ela destaca também que a variedade de produtos disponibilizados nos outlets é bem maior do nas lojas tradicionais, o que serve de atrativo para os mais diversos perfis de clientes. Jones (1995) fala dos outlets como uma nova espécie de centro comercial, com uma imensa variedade de produtos que se proliferava nas out-of-town locations, ou seja, em locais afastados da cidade. O mesmo autor diz ser simples o entendimento do princípio inicialmente proposto pelos outlets, definindo-os como provedores de um ambiente varejista atrativo e moderno, pelos quais as indústrias de grande nome, vendem seus produtos de segunda linha, suas amostras e seus excessos de estoque, diretamente ao público, com descontos substancias que variam de 30 até 70%. Algumas indústrias utilizam dos outlets para testar novas linhas de produtos, em alguns casos, produtos desenvolvidos especificamente para as lojas de out-of-town locations. As principais linhas comercializadas nesses centros são roupas, sapatos, produtos esportivos e utensílios domésticos (JONES, 1995). Com a evolução e aumento das opções dos outlets, passou a haver uma adoção por parte de clientes de todas as classes sociais por esse tipo de mercado, o que intensificou a concorrência varejista, essa adoção ultrapassou os 15% em menos de 10 anos, segundo Lombart (2004). Pesquisas foram sendo feitas para comparar a percepção dos consumidores sobre os outlets e as lojas de departamentos tradicionais (FOWLER; CLODFELDER, 2000; 11

12 REYNOLDS; GANESH e LUCKETT, 2002; PARKER et al., 2003; SHERGILL; CHEN, 2008). No trabalho de Shergill e Chen (2008) são destacadas algumas similaridades no perfil dos consumidores dos outlets e das lojas tradicionais. Uma dessas semelhanças é a idade, não existe uma distinção específica entre esse fator e a decisão de compra desses consumidores. Outro ponto levantado foi que as mulheres são as maiores consumidoras nos outlets por terem uma orientação de compra baseada no preço mais intensa que os homens, e por consequência, a preferência masculina é pelas lojas de varejo tradicionais. Constatou-se também que quanto mais elevado o nível de educação, maior é a disposição de se comprar nas lojas tradicionais em detrimento dos outlets. Outlet chegou ao mercado de vendas no varejo brasileiro como sendo aquele no qual os produtores e indutriais vendem seus produtos diretamente ao público, onde as lojas são abertas tais como num shopping, e localizam-se nas saídas das grandes cidades ou regiões metropolitanas, daí a origem do seu nome. A redução dos custos de propaganda, manutenção, e mesmo os lucros das redes varejistas, possibilita a venda de marcas comerciais famosas, grifes de luxo, a preços mais acessíveis. A seguir, apresenta-se uma contextualização do outlet no cenário do comércio eletrônico brasileiro, haja vista que, tão limitadas quanto o número das lojas de outlet no Brasil, são as pesquisas realizadas sobre essa modalidade no meio academico. 4.1 Outlet Virtual O conceito básico de outlet virtual é exatamente o mesmo do outlet tradicional, obviamente com as particularidades do meio no qual está inserido. Os outlets virtuais mostram-se, assim, uma boa alternativa para as marcas e para os consumidores. Se por um lado sobram sempre restos de coleção mesmo após o período de saldos, por outro não faltam pessoas interessadas nesses produtos, cujo preço sofre reduções excepcionais, que podem chegar até aos 80% de desconto face ao preço original. A possibilidade de uma abrangência enorme de clientes também é positiva. Os outlets virtuais funcionam, contudo, com regras ligeiramente diferentes de seu análogo bricks-and-mortar. Se o espaço físico dos tradicionais centros de compras é de acesso público, podendo ser frequentado por qualquer cidadão que o pretenda fazer, a vertente online do sistema é de acesso mais restrito, ou pelo menos mais complicado. Normalmente, o sistema funciona com base no processo de convite entre os membros, ou seja, tem que se conhecer alguém que já pertença ao clube de vendas on-line, como comumente são classificados esses sites, e que essa pessoa convide-o para integrar o mesmo. Esse sistema de convite também é conhecido como apadrinhamento. No caso de não conhecer ninguém, pode-se inscrever na lista de espera, inserindo um endereço de de contato. As propostas são normalmente aceitas. A lógica do registro obrigatório é necessária de modo a garantir que os produtos e benefícios oferecidos sejam suficientes para os membros ativos. A maior parte dos outlets virtuais disponibiliza roupa e acessórios, mas há também quem aposte em artigos para o lar, cosméticos, material escolar, brinquedos e produtos eletrônicos, entre outros. As campanhas têm normalmente um espaço temporal associado. Existem outlets virtuais onde as ações estão disponíveis apenas de dois a quatro dias com descontos definidos pelo próprio fornecedor. Os convites ou alertas para participar das diferentes oportunidades de compra surgem por , com base no endereço fornecido no ato do registro. A fórmula do sucesso do formato é a resolução de problemas tanto para o mercado que precisa escoar os estoques, quanto para as pessoas que buscam ofertas. Comparado ao modelo europeu, o brasileiro segue o mesmo padrão. Uma das poucas diferenças é a quantidade de produtos disponíveis no país. 5. Procedimentos Metodológicos 12

13 O método de pesquisa adotado neste estudo abrangeu técnicas de natureza qualitativa, através da qual, um fenômeno pode ser mais bem compreendido no contexto em que ocorre e do qual é parte, devendo ser analisado numa perspectiva integrada. O pesquisador vai a campo buscando captar o fenômeno em análise a partir das percepções das pessoas nele envolvidas (GODOY, 1995a; 1995b). O presente trabalho pode ser classificado, seguindo a terminologia proposta por Cervo e Bervian (2004), como bibliográfico, porque procura analisar uma temática a partir de referenciais teóricos publicados em documentos, de maneira a conhecer e entender as contribuições científicas do passado existente de determinado assunto. No que se refere ao seu objetivo, a pesquisa é classificada como descritiva, pois existe toda uma rotina de observação, coleta, registro, análise e interpretação dos fatos sem que haja interferência ou tendenciosismo por parte do pesquisador. Pode-se afirmar que o artigo possui caráter exploratório por ter como uma das suas contribuições, a geração de informações sobre um assunto ainda pouco estudado na literatura nacional, com o objetivo de familiarizar-se com o fenômeno, obter novas percepções do tema, ou ainda desencadear novas idéias. Para uma pesquisa qualitativa, o plano amostral não obedece a critérios rígidos. A escolha da unidade de análise recai basicamente onde está localizada a informação e o fenômeno a ser pesquisado. O presente estudo realizou a análise sobre uma amostra de quatro sites especializados em Outlet Virtual. A escolha das Webs se deu a partir de menções feitas em revistas e sites de negócios que apontavam os quatro maiores representantes do Outlet Virtual no Brasil, cujo anonimato será preservado, mesmo as análises sendo feitas com dados públicos. Após a fase exploratória, saciada por meio da revisão de literatura relacionada nas referências, definiu-se que a análise dos dados secundários coletados nos sites visitados, seria feita com base nos fatores chaves em Serviços de Relacionamento, para o sucesso de uma empresa on-line, proposto por Cox e Dale (2002). O tratamento dos dados coletados na pesquisa foi feito utilizando a técnica de análise de conteúdo. De acordo com Bardin (1997), no que se refere ao processo de interpretação, a análise de conteúdo leva o pesquisador a se atentar pelo que está nas entrelinhas e identificar fatos velados em diálogos e textos subjetivos, retidos em mensagens expressas. É um método empírico que depende do tipo de fala a que se dedica e do tipo de interpretação que se pretende do objeto. A seguir, são apresentados os dados e a discussão dos mesmos. 6. Apresentação e discussão dos dados Para os fins de discussão, optou-se pela análise das informações abstraídas nos sites das empresas selecionadas que utilizam a modalidade de outlet Virtual, com base na estrutura conceitual para uma Web de sucesso segundo Cox e Dale (2002). O fator chave analisado na pesquisa foi o de Serviços de Relacionamento, por se tratar de um dos diferenciais destacados pelas empresas do setor. A discussão partiu da seguinte pergunta de pesquisa: Como um Outlet Web Site cria vínculo com seu e-consumidor e lhe inspira fidelidade por meio do relacionamento?. Cox e Dale (2002) subdividem esse fator chave em três aspectos, conforme revisão da literatura. São eles: Reconhecimento, Serviços extras e Incentivos de compra. Os três aspectos serão discutidos a seguir. 6.1 Reconhecimento O objetivo desse aspecto é coletar o máximo de informações possíveis sobre as preferências do cliente no ato de seu cadastramento no site, para que depois, sejam direcionadas ao do consumidor, ações e promoções específicas, de acordo com as suas particularidades (COX e DALE, 2002). No caso dos quatro sites pesquisados isso não ocorre. O cadastramento é feito simplesmente com o endereço de e a criação de uma senha para login,a partir de um convite previamente enviado. 13

14 Os fatores deficientes na questão do reconhecimento são suplantados pela prática do chamado apadrinhamento. Os e-consumidores que já fazem parte do grupo de compras online convidam novos usuários a participarem do clube, assim sendo, aqueles que são apadrinhados têm a opção de se integrar ao grupo ou declinar a proposta. Subentende-se que em caso de aceite, o e-consumidor, de alguma forma, está aceitando espontaneamente, a possibilidade de construir um relacionamento com a empresa e se identifica com ela. Dois desses sites possuem a opção da lista de espera, onde depois de um cadastramento um pouco mais demorado e completo, os clientes aguardam um retorno com a autorização da empresa para os mesmo se juntem ao site. Novamente, a intenção de fazer parte desse grupo parte da vontade do consumidor. Essa característica é predominante nos Outlets Virtuais, na contra mão das empresas relacionadas ao e-commerce que comumente perseguem clientes para a realização de novos cadastros. Em todos os sites os e-consumidores são tratados como sócios. Vê-se uma notória tentativa de fazer com que o cliente se sinta especial e tratado diferentemente das outras empresas de compra on-line. Os outlets virtuais têm feito o que sugeriu Porter (2001), enfrentado o mercado da internet como se fosse o ambiente de negócio tradicional, dispondo e usando de todas as ferramentas ao alcance para gerar diferencias competitivos. 6.2 Serviços extras Os serviços extras são características adicionais que servem para alavancar a experiência de compra dos clientes (COX e DALE, 2002). Definitivamente, os extras relacionados às empresas de Outlet Virtual se remetem aos produtos, a começar pela força e renome das marcas ofertadas. Os quatro sites juntos disponibilizam um conjunto de mais de 60 marcas de força nacional e internacional. A apresentação dos produtos também é destaque nas Webs visitadas. Todos os produtos são expostos em vitrines virtuais, com fotos, informações e efeitos gráficos para enfatizar seus principais atributos. A presença de um vasto mix de produto se torna diferencial nessa modalidade de negócio. O e-consumidor de um Outlet quase sempre acha o que quer, caso não o faça, possui diversas opções que substituem à altura a sua idéia inicial. Interatividade entre os sócios e a empresa também é um serviço extra identificado nos sites pesquisas. Todas as empresas possuem fóruns nas mais conhecidas redes relacionamento, o que possibilita ao usuário a troca de informações sobre os produtos e o atendimento. A empresa utiliza esses espaços também para divulgar suas promoções. 6.3 Incentivos de compra Para Cox e Dale (2002), os incentivos de compra são como os serviços extras, porém divulgados de uma forma mais explícita. Nos Outlets Virtuais, esse incentivo é estimulado logo na primeira etapa do processo de decisão do consumidor (PDC), abordado por Blackwell, Miniard e Engel (2008), quando os clientes reconhecem que tem um problema no seu processo de compra e esse problema pode ser solucionado pelo e-commerce. Um desses problemas é o preço das mercadorias desejadas, e a solução são os Outlets Virtuais. Diferentemente de The McKinsey Quarterly (2001 apud Constantinides 2004), que trata a questão do preço como um fator não tão importante nas decisões de compra on-line, pressupõe-se que os e-consumidores dos Outlets Virtuais, prezam o preço, em função da proposta em todos os sites visitados, de descontos que variam de 30 até 90%. Outros estímulos à compra são enviados por meio da divulgação das ofertas, sempre com prazo rígido de início e fim, o que de certa forma leva ao e-consumidor a se questionar: Quando terei outra a chance de comprar esse produto por um preço tão abaixo normal?. Incentivos quanto à entrega também foram evidenciados. Um dos sites criou a promoção de SuperEntrega, onde os produtos assinalados com o ícone da promoção, teriam o prazo de entrega máximo de cindo dias úteis. 14

15 Os padrinhos e apadrinhados também são estimulados a gastarem. Um dos sites disponibiliza um vale desconto de R$ 10,00 que o usuário pode utilizar, quando o sócio que convidou realizar a sua primeira compra. 7. Considerações finais O e-commerce é um dos setores de mercado que mais está crescendo no contexto brasileiro, conforme os dados apresentados nessa pesquisa. Concomitantemente, uma nova modalidade no comercio varejista nacional, advinda das origens norte americanas, também vem crescendo no mesmo cenário. A adoção do conceito de e-commerce pelas empresas de Outlet deu origem ao Outlet Virtual, que se tornou objeto desse estudo. Orientando-se pela questão: Como um Outlet Web Site cria vínculo com seu e- consumidor e lhe inspira fidelidade por meio do relacionamento?, foram realizadas visitas aos quatro maiores sites de Outlet Virtual do Brasil, com o objetivo de se realizar uma análise qualitativa das Webs, seguindo os fatores chaves em Serviços de Relacionamento para o sucesso de uma empresa on-line proposto por Cox e Dale (2002). Na análise constatou-se que os vínculos de relacionamento e fidelidade podem ser oriundos dos seguintes pontos: (a) a valorização dos e-consumidores destacada através do processo de apadrinhamento; (b) a oferta de produtos de marcas renomadas no mercado nacional e internacional; (c) a grande variedade de produtos disponíveis; (d) os contatos e a interação com os e-consumidores por meio de mensagem eletrônica e participação em redes de relacionamento; (e) a concessão de descontos substancialmente consideráveis. Os pontos apresentados mostram a preocupação das empresas on-line pesquisadas em estabelecerem laços com seus clientes, corroborando com Walsh et al. (2010), salientando que o relacionamento realmente é importante nas transações feitas através de e-commerce. Buscou-se a partir da revisão de literatura e da apresentação dos dados, introduzir no meio acadêmico, a discussão sobre essa nova modalidade no varejo nacional (Outlet), mais especificamente no âmbito do comércio eletrônico (Outlet Virtual). Quanto às limitações da pesquisa destaca-se o fato de ter sido realizada utilizando uma abordagem interpretativista de dados secundários, o que limita o volume de informações. Outro ponto foi a análise, contemplando apenas um dos aspectos chave propostos por Cox e Dale (2002). A escassez de publicações acerca do tema (Outlet Virtual) impossibilitou qualquer tipo de corroboração ou contradição mais elaborada. Essa linha de pesquisa é vasta de oportunidades para trabalhos futuros, como uma análise orientada pela estrutura conceitual para uma Web de sucesso conforme Constantinides (2004) ou um estudo sobre os usuários de Outlet Virtual para um melhor entendimento do perfil desse tipo de mercado. Referências BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: edições 70 LTDA, 1997 BHARATI, P. and TARASEWICH, P. Global perceptions of journals publishing e-commerce research, Communications of the ACM, v. 45, n 5, p. 21-6, BLACKWELL, Roger D.; MINIARD, Paul W.; ENGEL, James F.. Comportamento do consumidor. 9. ed. São Paulo: Cengage Learnig, p. BURT, Steve; SPARKS, Leigh. E-commerce and the retail process: a review. Journal Of Retailing And Consumer Services, Uk, v. 10, p , CERVO, Amado L; BERVIAN Pedro, A. Metodologia Científica. São Paulo: Prentice Hall, CONSTANTINIDES, Efthymios. The 4S Web-Marketing Mix model. Electronic Commerce Research And Applications, Tempe, v. 1, n. 1, p.57-76, CONSTANTINIDES, Efthymios. Influencing the on-line customer s behavior: the Web experience. Internet Research, Westport, v. 14, n. 2, p ,

16 COX, J.; DALE, B. G. Key quality factors in Website design and use: an examination. International Journal of Quality & Reliability Management, Bradford, v. 19, n. 7, p , DEITEL, Harvey M., DEITEL Paul J., STEINBUHLER Kate. E-business e E-commerce for managers. New Jersey: Prentice Hall, ECOMMERCEORG. e-commerce, e-business. e-o que? Disponível em: Acesso em 10 de abril de FERNIE, John. The coming of the fourth wave: new forms of retail out-of-town development. International Journal Of Retail & Distribution Management, v. 23, n. 1, p.4-11, FERNIE, Suzanne. The future for factory outlet centres in UK: the impact of changes in planning policy guidance on the growth of a new retail format. International Journal Of Retail & Distribution Management, v. 26, n. 1, p.11-21, FOWLER, Deborah; CLODFELTER, Richard. A comparison of apparel quality: outlet stores versus department stores. Journal Of Fashion Marketing And Management, v. 5, n. 1, p.57-66, GEFEN, David. E-commerce: the role of familiarity and trust. Omega: International journal of management science, Philadelphia, n. 28, p , GODOY, A.S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. RAE. São Paulo: FGV, v.35, n.2: p , março/abril 1995a. GODOY, A.S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. RAE. São Paulo: FGV, v.35, n.3: p.20-29, maio/junho 1995b. JONES, Peter. Factory outlet shopping centres and planning issues. International Journal Of Retail & Distribution Management, v. 23, n. 1, p.12-17, LOMBART, C. Factory outlet centres in Belgium. European Retail Digest. v. 41, p. 1-3, NAH, F.F.-H. and DAVIS, S. HCI Internet research issues in e-commerce, Journal of Electronic Commerce Research, Special Issue: Human Factors in Web-based Interaction, v. 3, n. 3, PORTER, M. E. Strategy and the Internet. Harvard Business Review, Boston, v. 79, n. 3, p , REYNOLDS, K.E., GANESH, J. and LUCKETT, M. Traditional malls vs. factory outlets: comparing shopper typologies and implications for retail strategy, Journal of Business Research, v. 55 n. 9, p , SHERGILL, G.s.; CHEN, Y. Customer perceptions of factory outlet stores versus traditional department stores. Marketing Intelligence & Planning, v. 26, n. 1, p.77-96, SOLOMON, Michael R. Comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, VENETIANER, T. Como vender seu peixe na internet. São Paulo. Campos, WALSH, Gianfranco et al. Does relationship quality matter in e-services?: A comparison of online and offline retailing. Journal Of Retailing And Consumer Services, n. 17, p , WEB SHOPPER. Raio-X ano de ed. São Paulo: Fev Disponível em: Acesso em 10 de Abril de WHYATT, Georgina. Which factory outlet centre?: The UK consumer s selection criteria. Journal Of Retailing And Consumer Services, v. 15, p , WIRTZ, Jochen; LWIN, May O.; WILLIAMS, Jerome D.. Causes and consequences of consumer online privacy concern. International Journal Of Service Industry Management, Texas, v. 4, n. 18, p ,

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Extra, Extra notícias fresquinhas Você pode ter uma loja que funciona 24hs, inclusive aos domingos e feriados, não paga aluguel e nem condomínio

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Planejamento de lojas virtuais na internet: uma abordagem pela ótica do cliente

Planejamento de lojas virtuais na internet: uma abordagem pela ótica do cliente Planejamento de lojas virtuais na internet: uma abordagem pela ótica do cliente Marcos Luis Basso (PPGEP/UFRGS) bassomarcos@terra.com.br Carla S. ten Caten (PPGEP/UFRGS) tencaten@producao.ufrgs.br Resumo

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja.

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja. Com a consolidação do comércio eletrônico no Brasil e mundo, fica cada vez mais claro e a necessidade de estar participando, e mais a oportunidade de poder aumentar suas vendas. Mas é claro que para entrar

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

O varejo e a era da disrupção

O varejo e a era da disrupção 10Minutos Varejo Total Retail 2015 - Pesquisa anual da PwC com os consumidores O varejo e a era da disrupção Destaques Os consumidores estão definindo sua própria abordagem de relacionamento com o varejo,

Leia mais

Modelos de e-commerce

Modelos de e-commerce Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br)

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Que informações nós coletamos, e de que maneira?

Que informações nós coletamos, e de que maneira? Política de Privacidade Vivertz Esta é a política de privacidade da Affinion International Serviços de Fidelidade e Corretora de Seguros Ltda que dispõe as práticas de proteção à privacidade do serviço

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

POLÍTICA COMERCIAL. COMO COMPRAR: 1. Cadastrando-se como Cliente 2. Obrigatoriedade para compra

POLÍTICA COMERCIAL. COMO COMPRAR: 1. Cadastrando-se como Cliente 2. Obrigatoriedade para compra 1 POLÍTICA COMERCIAL Para realizar um excelente atendimento e garantir uma ótima experiência de compra aos nossos clientes, nos preocupamos com todos os detalhes que envolvem a venda. E um quesito ao qual

Leia mais

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000).

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000). Comércio Eletrônico É a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores. (Kalakota, 1997) É a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócios em um

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Documentação. Programa de Evolução Contínua Versão 1.74

Documentação. Programa de Evolução Contínua Versão 1.74 Documentação Programa de Evolução Contínua Versão 1.74 Sumário Resumo das Novidades... 3 Configuração das Novidades... 5 PagSeguro Transparente... 5 Integração PayU Latam... 6 Integração Marketplaces B2W...

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

4. O QUANDO QUISER não possui qualquer responsabilidade pelo CONTEÚDO existente no SITE do ANUNCIANTE;

4. O QUANDO QUISER não possui qualquer responsabilidade pelo CONTEÚDO existente no SITE do ANUNCIANTE; TERMO DE USO DO QUANDO QUISER O presente TERMO DE USO regula as condições gerais de uso dos serviços oferecidos pelo QUANDO QUISER (www.quandoquiser.com.br), da empresa N. O. S. SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 7 Passos para um e-commerce de Sucesso André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... Crescimento 20,3% Crescimento 24,4% 354% R$ 770 Milhões 117%

Leia mais

OFERTA: SITE INSTITUCIONAL. 1. Definições

OFERTA: SITE INSTITUCIONAL. 1. Definições OFERTA: SITE INSTITUCIONAL 1. Definições OFERTA VIGENTE: Forma(s) de disponibilização do(s) RECURSO(S) ao CONTRATANTE, constante(s) nesse Contrato, válida(s) para o ATO DA CONSULTA. RECURSO: Serviço(s)

Leia mais

Manual e Normas Sistema Disciplina Online

Manual e Normas Sistema Disciplina Online Manual e Normas Sistema Disciplina Online 2011-2 1 SUMÁRIO Pág. 1. Sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.1. Acesso ao sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.2. Observações. 05 2. Sistema

Leia mais

SAIBA COMO SE PREVENIR DAS FRAUDES E EVITAR PREJUÍZOS NAS VENDAS PELA INTERNET

SAIBA COMO SE PREVENIR DAS FRAUDES E EVITAR PREJUÍZOS NAS VENDAS PELA INTERNET Conteúdo 1. FRAUDES... 2 1.1. A história das fraudes na Indústria de Cartões... 2 1.2. O que o estabelecimento deve fazer para vender de forma segura pela Internet?... 2 1.3. Como a Cielo pode ajudar seu

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK APRENDA AS ÚLTIMAS DICAS E TRUQUES SOBRE COMO DAR UM TAPA 3.0 NA SUA LOJA VIRTUAL. www.rakutencommerce.com.br E-BOOK propósito desse ebook é muito simples: ajudar o varejista on-line a dar um tapa 3.0

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

TOTVS Vitrine Série 1 + Shopping Megafashion. Sua loja virtual totalmente integrada com a loja física

TOTVS Vitrine Série 1 + Shopping Megafashion. Sua loja virtual totalmente integrada com a loja física TOTVS Vitrine Série 1 + Shopping Megafashion Sua loja virtual totalmente integrada com a loja física Conteúdo! O mercado da moda! Vantagens da solução TOTVS + Megafashion! Layout da loja! Valores! Degustação!

Leia mais

Loja Virtual. O que a loja oferece? Características Disponíveis na Loja Virtual 1. SEO 2. FORMAS DE PAGAMENTO 3. FORMAS DE ENTREGA

Loja Virtual. O que a loja oferece? Características Disponíveis na Loja Virtual 1. SEO 2. FORMAS DE PAGAMENTO 3. FORMAS DE ENTREGA Loja Virtual Agora ficou fácil ter sua própria loja virtual na Internet. Com a Loja Virtual da Global Soft Union, você mesmo monta seu próprio site de comércio eletrônico, totalmente configurável, sem

Leia mais

A ERA DIGITAL E AS EMPRESA

A ERA DIGITAL E AS EMPRESA A ERA DIGITAL E AS EMPRESA Em 1997 o Brasil já possuia 1,8 MILHÕES de usuários Brasil O 5 Maior país em extensão territorial Brasil 5 Vezes campeão do Mundo Brasil O 5 Maior país em número de pessoas conectadas

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS Consigo rastrear o minha Compra? Sim. As informações mais atualizadas sobre sua Compra e a situação de entrega de sua Compra estão disponíveis em Meus pedidos.

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

CIDADE APRENDIZAGEM PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE TRABALHADORES IMAZON CONTRATO DE ADESÃO, TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE

CIDADE APRENDIZAGEM PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE TRABALHADORES IMAZON CONTRATO DE ADESÃO, TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE CIDADE APRENDIZAGEM PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE TRABALHADORES IMAZON CONTRATO DE ADESÃO, TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE Ao finalizar o cadastro no formulário do site imazon.com.br o usuário

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

MAC5743 - Computação Móvel

MAC5743 - Computação Móvel Departamento de Ciência da Computação IME/USP MAC5743 - Computação Móvel Cássio Alexandre Paixão Silva Alkmin {cassiop@ime.usp.br} Tema da Monografia: Mobile Commerce 1 Introdução O constante aumento nas

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S A MELHOR OPORTUNIDADE PARA O SEU NEGÓCIO ESTÁ AO SEU ALCANCE NAS REDES SOCIAIS... O MUNDO É FEITO DE REDES SOCIAIS

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

E-COMMERCE: UM ESTUDO DIRIGIDO AO CONSUMO DE LIVROS E ARTIGOS TEXTUAIS PELA COMUNIDADE ACADÊMICA

E-COMMERCE: UM ESTUDO DIRIGIDO AO CONSUMO DE LIVROS E ARTIGOS TEXTUAIS PELA COMUNIDADE ACADÊMICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 E-COMMERCE: UM ESTUDO DIRIGIDO AO CONSUMO DE LIVROS E ARTIGOS TEXTUAIS PELA COMUNIDADE ACADÊMICA Gustavo Antonie Risso 1, Marcela Bortotti Favero 2 RESUMO:

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

TOTVS Série 1 Varejo (Simples) - Módulo e-commerce

TOTVS Série 1 Varejo (Simples) - Módulo e-commerce Novo Módulo disponível no TOTVS S1 Varejo: permissão de utilização através de licença específica. Mesmo não adquirindo a licença de uso do módulo ele continuará presente na tela do usuário. 1 Na opção

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

G3 COMMERCE G3 COMMERCE G3 COMMERCE G3 COMMERCE www.lojavirtualg3.com.br. G3 COMMERCE

G3 COMMERCE G3 COMMERCE  G3 COMMERCE G3 COMMERCE www.lojavirtualg3.com.br. G3 COMMERCE O aumento da concorrência e necessidade de otimizar o tempo por grande parte dos consumidores acelerou e dinamizou consideravelmente as formas e mecanismos de divulgação e comercialização dos mais diversos

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD ESTUDO DO PERFIL DE ESTUDANTES EM ADMINISTRAÇÃO E SUA FAMILIARIDADE COM O E-COMMERCE. Osmar Meira de Souza Junior José Mauro de Sousa Balbino Rafaela Módolo de Pinho 1" ESTUDODOPERFILDEESTUDANTESEMADMINISTRAÇÃOESUAFAMILIARIDADECOMO

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO. Prof. Flávio Dias

COMÉRCIO ELETRÔNICO. Prof. Flávio Dias COMÉRCIO ELETRÔNICO Prof. Flávio Dias - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS. Considerando que a Limppano realiza venda de produtos pela rede mundial de computadores;

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS. Considerando que a Limppano realiza venda de produtos pela rede mundial de computadores; TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS Boa Pratica Comercio Eletrônico de Produtos Ltda, com sede na Rodovia Presidente Dutra, 1338, Rio de Janeiro/RJ, CEP 21535-502, inscrita no CNPJ sob o número:

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Livro: E-Commerce na Corda Bamba organização. EGC 9003-11 - Comércio Eletrônico Denise T. Mesquita Nelcimar Ribeiro Modro Prof Luis Alberto Gómez

Livro: E-Commerce na Corda Bamba organização. EGC 9003-11 - Comércio Eletrônico Denise T. Mesquita Nelcimar Ribeiro Modro Prof Luis Alberto Gómez Livro: E-Commerce na Corda Bamba organização EGC 9003-11 - Comércio Eletrônico Denise T. Mesquita Nelcimar Ribeiro Modro Prof Luis Alberto Gómez INTRODUÇÃO Livro anterior: Como vender seu peixe na internet,

Leia mais

BLACK FRIDAY BRASIL 2015 PROPOSTA DE MONITORAMENTO E INTENÇÃO DE COMPRA NO AMBIENTE DIGITAL

BLACK FRIDAY BRASIL 2015 PROPOSTA DE MONITORAMENTO E INTENÇÃO DE COMPRA NO AMBIENTE DIGITAL BLACK FRIDAY BRASIL 2015 PROPOSTA DE MONITORAMENTO E INTENÇÃO DE COMPRA NO AMBIENTE DIGITAL DIRECIONADA A ESTRATÉGIAS DE ANUNCIANTES, AGÊNCIAS E PLATAFORMAS DIGITAIS AGENDA CENÁRIO DIGITAL BLACK FRIDAY:

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL Leia com atenção a nossa Política de Privacidade. Esta Política de Privacidade aplica-se à todos os usuários cadastrados no site, e integram os Termos e Condições

Leia mais

1 Descrição do Problema 1.1.Introdução

1 Descrição do Problema 1.1.Introdução 14 1 Descrição do Problema 1.1.Introdução Desde a década de 90, a Internet tem-se mostrado importante instrumento na vida cotidiana do consumidor, não somente para ampliar a pesquisa de informações sobre

Leia mais

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA Você deve ter em mente que este tutorial não vai te gerar dinheiro apenas por você estar lendo, o que você deve fazer e seguir todos os passos

Leia mais

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce?

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce? E-Commerce O que é e-commerce? Comércio electrónico ou e-commerce é um conceito aplicável a qualquer tipo de negócio ou transação comercial que implique a transferência de informação através da Internet.

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica

A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica Departamento de Comunicação Social A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica Aluna: Juliana d Arêde Orientador: José Carlos Rodrigues Introdução A evolução de técnicas estéticas acompanha

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

COMO USAR OS VÍDEOS ONLINE PARA ALAVANCAR O MEU E-COMMERCE

COMO USAR OS VÍDEOS ONLINE PARA ALAVANCAR O MEU E-COMMERCE COMO USAR OS VÍDEOS ONLINE PARA ALAVANCAR O MEU E-COMMERCE White Paper com dicas essenciais para quem já trabalha ou pretende trabalhar com vídeos em lojas virtuais. 1 PORQUE USAR VÍDEOS ONLINE NO E-COMMERCE?

Leia mais

apresentação iagente shop

apresentação iagente shop apresentação iagente shop Rua Sport Clube São José, 54 506. Porto Alegre Rio Grande do Sul CEP: 91030-510 Fone: (51) 3398.7638 e-mail: www.iagenteshop.com.br www.iagente.com.br Data: 01 de Abril de 2009

Leia mais

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz;

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz; E-mail marketing, muitas vezes considerada uma forma de marketing pessoal, é uma das mais valiosas ferramentas de web marketing, uma das mais visadas e mais focada pelos marqueteiros. Vamos nos concentrar

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot Proposta Loja Virtual Schmitt Tricot Apresentação: Atualmente atuo no mercado de sites e lojas virtuais desde 2010, desenvolvendo novas ideias, trabalhando com agilidade, para sempre atender a todas as

Leia mais

Guia de criação de layout de Loja Virtual

Guia de criação de layout de Loja Virtual Guia de criação de layout de Loja Virtual Julho / 2013 (51) 3079-4040 contato@ezcommerce.com.br http://www.ezcommerce.com.br Este guia tem o intuito de orientar a criação de layout para a plataforma de

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

Termo de aceitação e condições de Uso do Site DAMYLLER.COM.BR

Termo de aceitação e condições de Uso do Site DAMYLLER.COM.BR Termo de aceitação e condições de Uso do Site DAMYLLER.COM.BR Bem-vindo a Damyller! Convidamos você a ler as informações abaixo mencionadas, a fim de lhe permitir obter maior conhecimento em relação a

Leia mais

10 DICAS PARA SEU ECOMMERCE SER SUCESSO EM TODO O BRASIL

10 DICAS PARA SEU ECOMMERCE SER SUCESSO EM TODO O BRASIL 10 DICAS PARA SEU ECOMMERCE SER SUCESSO EM TODO O BRASIL SUMÁRIO 1. COMUNICAÇÃO SEGMENTADA! 2. SEO! 3. MOBILE! 4. FOTOS E DESCRIÇÕES! 5. FRETE! 6. PAGAMENTO REGIONAL! 7. ENTREGA! 8. EMBALAGEM! 9. ATENDIMENTO!

Leia mais

Web & Marketing Digital

Web & Marketing Digital Web & Marketing Digital MANUAL DE UTILIZAÇÃO EMAIL MARKETING 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1. ESTRUTURA DO SISTEMA...PG 03 2. CONTATOS...PG 04 2.1. CRIANDO LISTA DE CONTATOS...PG 04 2.2. IMPORTANDO LISTA DE

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 ÍNDICE Apresentação Principais Botões Login Usúario Resultado Método Quantum Preencher Método Quantum Extrato On-Line Engenharia de Função Grupos

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso.

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. Cliocar Acessórios: A construção de um negócio A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. 2 Conteúdo Resumo executivo... 2 Conhecendo o mercado... 2 Loja

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Política de uso de dados

Política de uso de dados Política de uso de dados A política de dados ajudará você a entender como funciona as informações completadas na sua área Minhas Festas. I. Informações que recebemos e como são usadas Suas informações

Leia mais

Proposta de Franquia SMS Marketing. A Empresa

Proposta de Franquia SMS Marketing. A Empresa Proposta de Franquia SMS Marketing A Empresa A DeOlhoNaWeb Soluções Digitais é uma empresa de internet em forte crescimento, que foi fundada em 2012 com objetivo de oferecer soluções inovadoras por um

Leia mais

Apresentação. bitveloz. Veja seus serviços pelos olhos dos clientes

Apresentação. bitveloz. Veja seus serviços pelos olhos dos clientes Apresentação bitveloz Veja seus serviços pelos olhos dos clientes Agenda Apresentação da e-bit bitveloz Contato 2 Histórico da e-bit Fundada em Fevereiro de 2000 Qualificação de lojas virtuais através

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais