Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino"

Transcrição

1 Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino

2 O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor final realizam atividade varejista. Acontece: Por diversos meios: pessoalmente, por telefone, pela internet, por máquinas de vendas Em diferentes lugares: lojas, ruas, em domicílio.

3 Os varejistas Intermediam a venda de bens entre: indústria e consumidores; atacadistas e consumidores. Selecionam mercadorias de interesse dos consumidores,; Providenciam meios de pagamento, embalagem, entregas etc. Portanto: o gerenciamento do varejo atende às necessidades dos mercados-alvo.

4 Varejista X Atacadista Atacadista: Vendas institucionais - para outras organizações que revendem os produtos. Varejistas: São intermediários - processo de distribuição de um produto; Compram dos fabricantes ou dos atacadistas; Compram, estocam e entregam produtos para os consumidores finais > são facilitadores.

5 Tipos de varejistas Lojas de especialidade: Linha restrita e grande variedade de produtos - lojas de vestuário, móveis; Lojas de departamentos: Várias linhas de produtos - roupas, eletrodomésticos, utensílios domésticos, perfumaria etc; Supermercados: operação de autosserviço, baixo custo, margens baixas e alto volume. Pão de Açúcar, Zona Sul, Bom Preço;

6 Tipos de varejistas Loja de conveniências: pequenas, próximas de residências, horário prolongado, linha limitada de produtos de alta rotatividade, preços mais altos - Seven-Eleven, AmPm. Lojas de descontos: mercadorias-padrão a preços mais baixos e margens menores; Varejistas off-prices (de liquidação): sobras de mercadorias adquiridas pelo varejista a preços inferiores aos de mercado e vendidas também a preços menores - Rede Galinha Morta.

7 Tipos de varejistas Clube de atacadistas: seleção limitada e específica de produtos vendidos com descontos especiais para seus sócios - Makro, Sam s Club. Superloja: grandes espaços, grande variedade de linhas de produtos, oferecem serviços como lavanderia, sapataria etc; Showroom de vendas por catálogos: ampla variedade de produtos de alto preço alto e rotatividade, vendidos com descontos.

8 Tipos de operações em varejo Autosserviço: modelo das operações de desconto. O cliente procura, compara e seleciona os produtos; Seleção: O cliente procura, compara e seleciona os produtos e contam com a o vendedor a quem paga pelo item adquirido; Serviço limitado: os itens estão expostos, mas os compradores precisam do vendedor para encontrar e selecionar os produtos. Serviço completo: o vendedor atende o cliente em todas as fases do processo.

9 Estrutura e níveis do canal Vários canais de marketing podem ser utilizados para que o produto chegue até o consumidor; O varejista: É um intermediário; Participa do processo de distribuição de um produto, comprando de fabricantes ou atacadistas e estocando e entregando os produtos para os consumidores finais; Tem o papel de facilitar o acesso dos consumidores aos produtos;

10 Fluxo de entre indústria e consumidores (pessoas físicas) Estrutura de nível 0: sem intermediários. Venda direta: Fabricante consumidor; Estrutura de nível 1: um único intermediário: Fabricante varejista consumidor. Estrutura de nível 2: dois intermediários: Fabricante atacadista varejista consumidor. Estrutura de nível 3: três intermediários: Fabricante agente atacadista varejista consumidor.

11 Interatividade Oferecem linha restrita e grande variedade de produtos, como lojas de vestuário e móveis: a) Lojas de departamentos b) Supermercados c) Lojas de especialidade d) Loja de conveniências e) Lojas de descontos

12 Por que utilizar intermediários? Os fabricantes repassam aos distribuidores os investimentos necessários em infraestrutura para o atendimento do consumidor. Exemplos: Venda de carros: as revendas assumem promoção, assistência técnica e outros serviços. Distribuição de guloseimas: viabilização da a distribuição de produtos de baixo valor em áreas distantes do ponto de fabricação.

13 Funções dos intermediários na distribuição dos produtos Reunir informações sobre os clientes; Desenvolver programa de comunicação apropriados ao mercado de atuação; Estabelecer acordos de preço e de formas de pagamento condizentes com o fluxo de mercadorias e o mercado; Obter recursos para o financiamento de estoques em diferentes níveis do canal de marketing; Investir e gerenciar estruturas de abastecimento e estoques.

14 Sistemas de marketing e fluxos de varejo Instituições de marketing primárias: compram e vendem os produtos - fabricantes, atacadistas, varejistas e consumidores; Instituições de marketing secundárias: facilitam o processo de distribuição, operando em atividades paralelas necessárias ao processo - transporte, armazenagem, seguros, financiamento, promoção, pesquisa de marketing etc.

15 Sistemas de marketing e fluxos de varejo Fluxo de produtos e serviços: movimento físico do produto da saída do fabricante à chegada no consumidor final, passando pelos atacadistas e varejistas; Fluxo de propriedade: a propriedade do produto passa do fabricante para o varejista e depois para o consumidor final;

16 Sistemas de marketing e fluxos de varejo Fluxo de informação: os participantes do processo trocam informações importantes; Fluxo de pagamento: consumidor paga o varejista que, por sua vez paga o seu fornecedor. Fluxo de promoção: esforços de comunicação para divulgação do produto. Sentido: do fornecedor para o varejista e deste para o consumidor.

17 Classificação e formatos varejistas Classificação por Las Casas - 4 grupos: Esforço de escolha por parte do consumidor: lojas de conveniência, lojas de compras por escolha e lojas especializadas; Situação de propriedade por parte do varejista: lojas independentes, lojas em cadeia (rede) e associação de independentes (cadeias cooperativas); Linha de produto: linhas limitadas e lojas especializadas; Funções exercidas: lojas de departamento, descontos, supermercados e superlojas.

18 Classificação e formatos varejistas Classificação por tipo de propriedade: Organizações independentes: O varejista possui um negócio (pequeno); Baixo uso de recursos tecnológicos; Foco em uma única unidade: gestão mais concentrada; maior controle e maior integração entre compra e venda; maioria dos negócios de venda a varejo.

19 Classificação e formatos varejistas Redes: Mais de uma loja, administradas sob uma mesma direção; O número de unidades favorece o poder de barganha junto aos fornecedores - melhores condições de compra; Investimentos em tecnologia; Esforços de comunicação de marketing, logística, entre outras; Desafios: controle das operações e pouca flexibilidade na adequação dos negócios a dinâmica do mercado.

20 Classificação e formatos varejistas Franquias: Sistema contínuo e de integração entre franqueador e franqueado; Franqueado: Segue um padrão; Paga royalties e arca com os custos de montagem da unidade e taxa sobre as vendas; Franqueador: proporciona o sistema operacional e de marketing.

21 Classificação e formatos varejistas Departamentos alugados: Espaços alugados dentro de uma loja de varejo; Modalidade indicada quando o a venda de determinado produto exige alto grau de especialização - peixaria, padaria, floricultura; O varejista oferece a variedade de produtos esperada pelo consumidor, sem arriscar gerir um negócio em que não tem experiência ou conhecimento suficiente.

22 Classificação e formatos varejistas Sistema de marketing vertical (SMV): Reúne todos os membros do canal em um sistema integrado com o objetivo de eliminar desperdícios e retrabalho e otimizar os resultados.

23 Classificação e formatos varejistas Varejo Alimentício com Lojas (modelos mais comuns no Brasil): Bares: alcoólicos de não alcoólicpos; Mercearias: Lojas pequenas; linha básica; áreas de baixo potencial; Padarias: pães, lanches; autosserviço; necessidades de conveniência; Lojas de conveniência: limitada variedade de produtos, concorrência dos supermercados 24h e padarias; Supermercados convencionais: variedade de produtos (alimentos); autosserviço, muitos check-outs;

24 Classificação e formatos varejistas Supermercados compactos: linha completa e compacta; autosserviço; menor número de check-outs; Hipermercados: enorme variedade de itens, inclusive não alimentícios; preços competitivos, grandes lojas; Superlojas: linhas completas de produtos (alimentícios, não alimentícios, bazar, eletroeletrônicos e têxteis); Clubes atacadistas: varejistas de grande porte, vendem no varejo e no atacado.

25 Interatividade Não é uma instituição de marketing secundária: a) Transportadoras b) Armazéns e depósitos c) Seguradoras d) Instituições bancárias e) Atacadistas

26 Classificação e formatos varejistas Varejo não alimentício com lojas Lojas especializadas: concentração em uma linha de produtos - confecções, livros, brinquedos, entre outros; posicionamento variado; Lojas de departamentos: Estrutura por categoria de produtos; grande variedade de produtos; extensa gama de serviços; ocupam espaços superiores a 4.000m²;

27 Classificação e formatos varejistas Minilojas de departamentos ou magazines: lojas de departamentos menores com forte atuação na linha hard; área de vendas pequena, não departamentalizada e gestão única; Lojas de desconto: estrutura mais simples de loja, dispondo os produtos com preços reduzidos em grandes espaços, sem muita preocupação com a sua apresentação;

28 Classificação e formatos varejistas Varejo de serviços O mais comum: relacionar o varejo à venda de produtos tangíveis; Varejo de serviços: prestação de serviços, como academias de ginástica, mecânica de automóveis, salões de beleza, lan houses, aluguel de carros etc. Trata-se de uma parcela importante da economia.

29 Classificação e formatos varejistas Diferenças básicas entre serviços e produtos Simultaneidade ou Inseparabilidade: A prestação do serviço e o seu consumo acontecem ao mesmo tempo; Serviços não podem ser estocados; Intangibilidade: os serviços não podem ser vistos, cheirados, tocados antes de seu consumo. Podem ser experimentados antes, como uma pequena amostra;

30 Classificação e formatos varejistas Perecibilidade: requer planejamento de infraestrutura e a quantidade de pessoal para atender a demanda; Não propriedade: não há transferência de propriedade; o cliente, ao contratar um serviço, recebe o direito de usufruir do mesmo; Variabilidade ou heterogeneidade: serviços são prestados por pessoas; requer manutenção da uniformidade na entrega dos serviços.

31 Classificação e formatos varejistas Varejo sem loja Operação não baseada em loja física; Estratégias de marketing próprias; Modelos de varejo sem loja Marketing direto: venda por meio de catálogos ou pela TV, rádio, Internet; Vendas diretas: contato pessoal em geral em casa Avon. Amway; Máquinas automáticas: sem interação entre vendedor e cliente; Varejo virtual: venda por meio da Web = comércio eletrônico.

32 Classificação e formatos varejistas Modelos de comércio eletrônico. Storefront Model: modelo das lojas eletrônicas mais comuns; On-line Shopping Malls: Centros de compras; Auction Model ou e-auction: Tipo de leilão consumidores dão lances; Modelo de Precificação Dinâmica: os preço são ajustado de acordo com valor percebido pelo consumidor ou pelo volume da demanda;

33 Classificação e formatos varejistas Name-Your-Price Model: O consumidor sugere o preço para o produto; Clube de descontos: produtos vendidos com descontos para vendas em grupos.

34 Interatividade Entre os modelos de comércio eletrônico existe o Storefront Model que é: a) Modelo das lojas eletrônicas mais comuns b) Um centros de compras; c) Um tipo de leilão consumidores dão lances d) O modelo em que os preço são ajustado de acordo com valor percebido pelo consumidor ou pelo volume da demanda e) O modelo em que o consumidor sugere o preço para o produto

35 Teorias de evolução no varejo Ciclo de vida do varejo Mesmo conceito do ciclo de vida de produtos; Apresenta estágios de introdução, crescimento, maturidade e declínio.

36 Teorias de evolução no varejo Círculo do varejo Ajuda a entender as razões de cada estágio do ciclo de vida do varejo. Afirma que o sucesso obtido por uma organização varejista com um novo formato de varejo é o que leva a abertura de novos concorrentes, que gradualmente vão implementando inovações ao modelo até que o conceito original se perca. Assim, abre-se a oportunidade para um novo modelo.

37 Teorias de evolução no varejo Acordeom do varejo As mudanças nos modelos dos negócios ocorrem pelos movimentos cíclicos de expansão e contração do formato das lojas. O modelo de loja de departamentos de linha completa foi substituído pelas lojas especializadas que pareciam mais de acordo com as preferências dos consumidores.

38 Teorias de evolução no varejo Processo dialético Novos formatos são decorrentes da confrontação um modelo oposto que apresenta vantagens competitivas; o modelo então é copiado, gerando um novo modelo;

39 Teorias de evolução no varejo

40 Teorias de evolução no varejo Comportamento adaptativo e a seleção natural A criação de formatos e processos de ajustes e remodelagem, acontecem em decorrência da observação das preferências dos consumidores. Esta teoria defende que o surgimento e declínio dos formatos do varejo estão diretamente relacionados às necessidades e preferências dos consumidores;

41 Estratégias em varejo Concentração em segmento único: uma linha de produtos para um segmento de consumidores; Utensílios domésticos para a classe média.; Especialização seletiva: algumas linhas de produto para alguns segmentos; Especialização de linha de produto: uma linha de produto para atender muitos segmentos; Óticas Especialização de mercado: atendimento de determinado segmento com várias opções de produtos de uma mesma linha. loja de roupas infantis.

42 Estratégias em varejo Cobertura total de mercado: atendimento e diversos segmentos, oferecendo várias linhas de produtos. Dá-se de duas formas: Marketing não diferenciado: Atendimento de todos os consumidores com um único modelo de loja; Hipermercados; Diferenciação e posicionamento: diferenciação em serviços; patamar de preços, localização, mix de produtos. O importante é buscar atributos valorizados pelos clientes.

43 Estratégias em varejo Classificação estratégica em quadrantes: Trabalha com dimensões combinadas referentes ao que leva o consumidor a optar por determinada loja. Ajuda o administrador a valorar o estabelecimento. Existem várias possibilidades de combinação de dimensões: variedade e preço de produtos, benefícios e custos etc.

44 Estratégias em varejo Estratégias de Porter aplicadas ao varejo Liderança em custo: posicionamento em mais baixo custo em mercados amplamente definidos ou com ampla variedade de produtos; Diferenciação: oferecimento de algo único quando comparadas aos seus concorrentes; Especialização ou foco: linhas específicas de produtos

45 Estratégias em varejo Estratégia para expansão dos negócios Penetração de mercado: alcance de competitividade através do domínio do mercado em uma ou mais regiões; Desenvolvimento de mercado: reposicionamento da empresa com vistas a atrair novos segmentos de merca; Melhoria de produtividade: aumento dos lucros por meio de ações voltadas para a eliminação dos desperdícios, aumento das vendas e do giro dos estoques, melhoria do mix de produtos e das margens.

46 Estratégias em varejo Integração vertical: introdução de um ou mais níveis de canais de marketing na operação. Pode se dar no controle do fornecimento da sua rede de abastecimento e ou distribuição; Integração horizontal: Associação, compra, troca de ações entre empresas de um mesmo nível para atendimento de diversos segmentos. Ex. fusão das operações entre a Americanas.com e o Submarino.

47 Táticas em varejo Abrangem decisões relacionadas a: política de preços, linhas de produtos, forma de abastecimento, esforços de comunicação, configuração da loja, Etc. Veja o quadro com exemplos de táticas relacionadas a alternativas estratégicas.

48 Interatividade Entre as estratégias de varejo existe aquela em que a organização oferece uma linha de produtos para um único segmento de consumidores. Esta estratégia é denominada de: a) Concentração em segmento único b) Especialização seletiva c) Especialização de linha de produto d) Especialização de mercado e) Cobertura total de mercado

49 ATÉ A PRÓXIMA!

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como:

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: TENDÊNCIAS 1. Globalização Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: Grupo Casino Carrefour Wal-Mart C&A

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são:

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são: O que é? São todas as atividades envolvidas na venda de bens ou serviços diretamente a consumidores finais para seu uso pessoal, e não empresarial. (Philip Kotler) Não importa como os produtos são vendidos

Leia mais

Os 4 P s. P de PRODUTO

Os 4 P s. P de PRODUTO Os 4 P s P de PRODUTO O que é um Produto? Produto é algo que possa ser oferecido a um mercado para aquisição, uso ou consumo e que possa satisfazer a um desejo ou necessidade. Os produtos vão além de bens

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br

Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br Qual é o seu Negócio? Hoje em dia existe um excesso de: empresas similares, empregando pessoas similares, que tiveram educações similares, exercendo funções

Leia mais

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016 2 Gestão de Mestre em Administração Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Master em International Business Universidad de Barcelona MBA em Estratégico Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Administrador Univ.

Leia mais

Fundamentos e formatos do atacado e varejo

Fundamentos e formatos do atacado e varejo Fundamentos e formatos do atacado e varejo Introdução As atividades do varejo e do atacado assumiram grande importância no cenário econômico brasileiro e mundial nas últimas décadas. Diariamente milhões

Leia mais

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do da AJES A - APRESENTAÇÃO 1. A empresa 1.1. Aspectos Gerais 1.1.1. História da empresa (da fundação a atualidade) 1.1.2. Visão, Missão e

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Marketing de Varejo e Negociação

Marketing de Varejo e Negociação Marketing de Varejo e Negociação Professora conteudista: Cláudia Ferretto Palladino Sumário Marketing de Varejo e Negociação Unidade I 1 INTRODUÇÃO...1 2 O QUE É VAREJO...1 2.1 Tipos de varejistas...8

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Para ser Franqueado. É essencial:

Para ser Franqueado. É essencial: Para ser Franqueado É essencial: Estar em busca de sucesso empresarial; Ter disposição pessoal para estudar, ensinar e trabalhar para manter um negócio seguro e rentável; Possuir espírito empreendedor;

Leia mais

Bens duráveis: duram muito tempo como, por exemplo, casas, carros, etc.

Bens duráveis: duram muito tempo como, por exemplo, casas, carros, etc. A3 - Produto e Preço O que é produto? Produto é o conjunto de benefícios que satisfaz o desejo e/ou a necessidade do consumidor, pelo qual ele está predisposto a pagar em função da sua disponibilidade

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

Item 2 - Marketing. Item 2.2- Marketing em empresas de serviços

Item 2 - Marketing. Item 2.2- Marketing em empresas de serviços Item 2 - Marketing Item 2.2- Marketing em empresas de serviços Item 2 - Marketing Item 2.2 - Marketing em empresas de serviços: SETOR DE SERVIÇOS Item 2 - Marketing Item 2.2 - Marketing em empresas de

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

PASSO-A-PASSO DO PROJETO EDUCACIONAL

PASSO-A-PASSO DO PROJETO EDUCACIONAL PASSO-A-PASSO DO PROJETO EDUCACIONAL 1 2 Projeto Gestão de Educacional 3 Canais 4 5 de 6 Mapa de competências Plano Desenvolvimento Gestão da Monitor/aval formação de ações implementação e ROI Diagnóstico

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

O VAREJO APLICADO AO MERCADO FARMACÊUTICO

O VAREJO APLICADO AO MERCADO FARMACÊUTICO O VAREJO APLICADO AO MERCADO FARMACÊUTICO Carla Cristina Silva Teles Jorge Bilenky Vítor Saturi Reis Professor Ms Orivaldo Donzelli Resumo O varejo vem assumindo uma importância crescente no âmbito dos

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

O Que é um Produto? Capítulo 8. Produtos, Serviços e Experiências. O Que é um Serviço? Estratégia de Produtos e Serviços

O Que é um Produto? Capítulo 8. Produtos, Serviços e Experiências. O Que é um Serviço? Estratégia de Produtos e Serviços Capítulo 8 Estratégia de Produtos e Serviços 1 O Que é um Produto? Um Produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para apreciação, aquisição, uso ou consumo e para satisfazer um desejo ou uma necessidade.

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 GCV GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 ABORDAGEM 1. O GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO 2. DIFICULDADE E DORES ATUAIS 3. COMO RESOLVER COM GCV 4. COMO GERIR FRANQUIA COM O GCV

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2013 CURITIBA E R.M Este relatório, referente ao mês de Dezembro de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Gestão de ATACADO E VAREJO. Márcio Roberto Camarotto

Gestão de ATACADO E VAREJO. Márcio Roberto Camarotto Gestão de ATACADO E VAREJO Márcio Roberto Camarotto 2009 2009 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dos

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

Logística Empresarial. O Produto Logístico Prof. José Correia

Logística Empresarial. O Produto Logístico Prof. José Correia Logística Empresarial O Produto Logístico Prof. José Correia O Produto Logístico O Produto Logístico é um conjunto de características que podem ser manipulados pelo profissional de logística, que, quando

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio O QUE É UMA EMPRESA? De acordo com Santos (1982), a empresa é comumente definida pelos economistas como uma unidade básica do sistema econômico, cuja principal função é produzir bens e serviços. Os objetivos

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LOGÍSTICA DE APOIO À COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS COPEL Autores: Walter T. Mühlstedt, Daniel Bernard, Dirce L. Marchal, João C. Fariniuk,

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Arranjo físico e fluxo Procedimentos de arranjo físico O arranjo físico (em inglês lay-out) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde

Leia mais

Em 1981 nasceu em Campinas o Gordão Lanches, com uma proposta diferenciada, inspirada

Em 1981 nasceu em Campinas o Gordão Lanches, com uma proposta diferenciada, inspirada Mais de anos de sucesso Em 1981 nasceu em Campinas o Gordão Lanches, com uma proposta diferenciada, inspirada nas hambuguerias norteamericanas, com atendimento rápido, porém, com a qualidade de lanches

Leia mais

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Sapatos e Bolsas BACANAS. Razão Social: Sócios: Endereço: Fone/Fax: Pessoa para Contato: CEP: ETAPA 2 DESCRIÇÃO GERAL DO NEGÓCIO O que a empresa

Leia mais

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos:

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos: Módulo 4. O Mercado O profissional de marketing deverá pensar sempre em uma forma de atuar no mercado para alcançar os objetivos da empresa. Teoricamente parece uma tarefa relativamente fácil, mas na realidade

Leia mais

MBA Executivo UFPE FORMATOS E MODELOS DE VAREJO

MBA Executivo UFPE FORMATOS E MODELOS DE VAREJO MBA Executivo UFPE Disciplina: Ambiente de Negócios Setembro/2011 FORMATOS E MODELOS DE VAREJO Fonte: MATTAR, Fauze Najib. Administração de Varejo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011 Prof. Bosco Torres www.boscotorres.com.br

Leia mais

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39 p e r a T e x t o a l e s s a n d r a m o r i t a a l e s s a n d r a. m o r i t a @ s m. c o m. b r divulgaçãoo v t Lojas localizadas perto da casa do consumidor e que praticam preços difíceis de copiar.

Leia mais

Obter um fluxo contínuo de suprimentos, a fim de atender aos programas de produção;

Obter um fluxo contínuo de suprimentos, a fim de atender aos programas de produção; Fascículo 7 A atividade de compras Não existe a área de suprimentos sem que exista a atividade de compras, que é fundamental para a gestão da área de materiais. Um bom volume de vendas e uma abordagem

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica introdução Administração Estratégica 2. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO A administração estratégica envolve três níveis de análise: O Macroambiente da empresa. O Setor que a empresa opera.

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

1 Descrição do Problema 1.1.Introdução

1 Descrição do Problema 1.1.Introdução 14 1 Descrição do Problema 1.1.Introdução Desde a década de 90, a Internet tem-se mostrado importante instrumento na vida cotidiana do consumidor, não somente para ampliar a pesquisa de informações sobre

Leia mais

Marketing Digital. Prof. Luthiano Venecian

Marketing Digital. Prof. Luthiano Venecian Marketing Digital Prof. Luthiano Venecian Tópicos 1 - Conteúdo Programático da Disciplina II - Conceitos básicos de Marketing III - Conceitos de Marketing Digital IV - Referência Bibliográfica 2 I - Conteúdo

Leia mais

Gestão estratégica dos custos para formação do preço de venda: Um estudo de caso em um supermercado de médio porte

Gestão estratégica dos custos para formação do preço de venda: Um estudo de caso em um supermercado de médio porte Gestão estratégica dos custos para formação do preço de venda: Um estudo de caso em um supermercado de médio porte Sergio Silva Braga Junior Edgard Monforte Merlo Silvio Mandarano Scarsiotta Samuel Stabile

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

10 Análise dos recursos internos

10 Análise dos recursos internos 177 10 Análise dos recursos internos Essa seção do trabalho tem como objetivo fazer a análise dos recursos internos das duas empresas pesquisadas, Globo e Vivo. Como referencial teórico será utilizado

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais

Capítulo 18 - Distribuição

Capítulo 18 - Distribuição Capítulo 18 - Distribuição A escolha dos canais de distribuição é provavelmente a decisão mais complexa em marketing internacional. Em alguns mercados, o que prevalece é a concentração de grandes hipermercados

Leia mais

Comércio e moeda. A distribuição

Comércio e moeda. A distribuição Comércio e moeda A distribuição Distribuição - conceito Conjunto de atividades que estabelecem a ligação entre a produção e o consumo estas atividades asseguram que os produtos fiquem disponíveis no momento,

Leia mais

ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DO MIX DE VAREJO DO SUPERMERCADO TIO ZÉ

ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DO MIX DE VAREJO DO SUPERMERCADO TIO ZÉ UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAMPUS PASSO FUNDO ESTÁGIO SUPERVISIONADO LAURA SANTINI ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DO MIX DE

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Gerenciamento e Previsão de Demanda

Gerenciamento e Previsão de Demanda Gerenciamento e Previsão de Demanda Cadeia de valor de suprimento e Previsão de Demanda; Demanda (princípios básicos); Gerenciamento da demanda; Por que previsões de demanda são necessárias?; Previsão

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

As Origens do Comércio Moderno Armazéns Gerais

As Origens do Comércio Moderno Armazéns Gerais As Origens do Comércio Moderno O comercio envolve a troca de bens e serviços por dinheiro. Algumas vezes, a transação se faz sem a interveniência do dinheiro, ou seja, troca-se uma mercadoria ou serviço

Leia mais

Sobre o Instituto Desenvolve T.I

Sobre o Instituto Desenvolve T.I Sobre o Instituto Desenvolve T.I A empresa Desenvolve T.I foi fundada em 2008, em Maringá, inicialmente focando a sua atuação em prestação de serviços relacionados à Tecnologia da Informação e atendendo

Leia mais

Varejo multicanal ERA DIGITAL. por Roseli Morena Porto FGV-EAESP

Varejo multicanal ERA DIGITAL. por Roseli Morena Porto FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo multicanal Cresce o número de empresas brasileiras que disponibilizam vários canais para a comercialização de seus produtos e serviços. No varejo, apesar de a prática não ser recente,

Leia mais

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s Marketing Básico Capítulo II O Composto de Marketing Os 4 P s O Produto Podemos definir produto como sendo o ator principal da relação de troca, onde o mesmo deve resultar como amplamente satisfatório

Leia mais

Soluções robóticas da Intelligrated

Soluções robóticas da Intelligrated Soluções robóticas Soluções robóticas da Intelligrated Setores atendidos: Alimentos A Intelligrated é uma integradora de robótica certificada com mais de 20 anos de experiência no fornecimento de soluções

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

Aula 1. Expedição e Distribuição Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Aula 1. Expedição e Distribuição Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior Aula 1 Expedição e Distribuição Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior Distribuição Física No Mercado existem dois Visão interna de Movimentação de Produto Modelagem do Armazenamento de um produto WMS

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

GfK. Crescimento a partir do conhecimento Transformamos informações em decisões de negócios inteligentes

GfK. Crescimento a partir do conhecimento Transformamos informações em decisões de negócios inteligentes GfK. Crescimento a partir do conhecimento Transformamos informações em decisões de negócios inteligentes 4 ª maior empresa de pesquisa de mercado. Vendas em 2014: 1,5 bi 13.000 especialistas em 100 países

Leia mais

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR RESUMO Este artigo defende a idéia de que na nova economia as empresas precisam incorporar a experiência do cliente a seus

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

Política de Preços No Setor Supermercadista: Investigação Empírica Em Santa Maria

Política de Preços No Setor Supermercadista: Investigação Empírica Em Santa Maria Política de Preços No Setor Supermercadista: Investigação Empírica Em Santa Maria Deise Cristiane do Nascimento Resumo: Considerando-se que a política de preços é um fator fundamental para o bom desempenho

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos

6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos 6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos 6.1 Relacionamentos no canal Os relacionamentos entre distintos membros de uma cadeia de suprimentos sugerem um alto grau de complexidade e fonte quase sempre

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Sobre o Instituto Desenvolve T.I

Sobre o Instituto Desenvolve T.I Sobre o Instituto Desenvolve T.I A empresa Desenvolve T.I foi fundada em 2008, em Maringá, inicialmente focando a sua atuação em prestação de serviços relacionados à Tecnologia da Informação e atendendo

Leia mais

Plano de Negocio. O presente roteiro compreende os quatros elementos fundamentais da montagem do plano:

Plano de Negocio. O presente roteiro compreende os quatros elementos fundamentais da montagem do plano: Plano de Negocio 1 Um plano de negócios bem estruturado é fundamental para o sucesso do novo empreendimento. Muitos empreendedores fracassam por não terem feito com a devida atenção a lição de casa. O

Leia mais

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 GCV GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 ABORDAGEM 1. O GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO 2. DIFICULDADE E DORES ATUAIS 3. COMO RESOLVER COM GCV 4. COMO GERIR FRANQUIA COM O GCV

Leia mais

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos Módulo 10. Planejamento de novos produtos Uma economia sofrendo as conseqüências de um mercado globalizado, onde a concorrência não dorme nem perdoa atrasos ou percalços. Esta é o macro ambiente onde estão

Leia mais

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência Administração de As responsabilidades da área de (MINADEO, 2008) - Investigar novos nichos de mercado - Identificar o perfil do cliente - Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

Leia mais

Wyoming Liquor Division

Wyoming Liquor Division Wyoming Liquor Division O abastecimento por comando de voz permite que uma grande variedade de bebidas de primeira categoria chegue ao Estado dos Caubóis automação que traz resultados O abastecimento por

Leia mais

; CONSOLI, M. A. ; NEVES,

; CONSOLI, M. A. ; NEVES, ARTIGO EM REVISTA Publicado em: PAIVA, Hélio Afonso Braga de ; CONSOLI, M. A. ; NEVES, Marcos Fava. Oportunidades em Compras. AgroRevenda, São Paulo, v. 11, p. 12-14, 15 nov. 2006. Oportunidades em compras

Leia mais

Unidade II. Melhoria contínua do Sistema de Gestão Administrativa. Sistema de Gestão. Responsabilidade da administração. Realização do produto

Unidade II. Melhoria contínua do Sistema de Gestão Administrativa. Sistema de Gestão. Responsabilidade da administração. Realização do produto Unidade II 3 IDENTIFICAÇÃO DOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS 3.1 Macroprocesso Tomando por referência a representação do Sistema de Gestão da Qualidade definida pela NBR ISO 9011:2008, observamos os principais

Leia mais

1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03)

1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03) 1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03) O Enfoque da administração pública: Para você entender o que é Administração de Materiais, precisa saber que material é todo bem que pode ser contado, registrado

Leia mais

A Nova Geografia de Negócios e a Diversidade de Formatos de Varejo e Implicaçõ. ções para Indústria de Bens de Consumo.

A Nova Geografia de Negócios e a Diversidade de Formatos de Varejo e Implicaçõ. ções para Indústria de Bens de Consumo. A Nova Geografia de Negócios e a Diversidade de Formatos de Varejo e Implicaçõ ções para Indústria de Bens de Consumo. Realização : 27 de Abril de 2010 Mercure Grand Hotel S.Paulo/SP 39º RELATÓRIO ANUAL

Leia mais

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação FGV/CIA/UFC Gastos e Investimentos % do Faturamento Média Grandes Empresas: 5,3% Média Indústria:

Leia mais

www.tonellifranquias.com.br Sistema de Franquias

www.tonellifranquias.com.br Sistema de Franquias www.tonellifranquias.com.br Sistema de Franquias Histórico da Empresa: ASPREMUTO éoresultadodeumahistóriaquecomeçounosidosdosanos90emsãopaulo. Nesta época o Empresário Rodrigo Gazire, já visualizava a

Leia mais

Aula 4. Objetivos Estratégicos e Metas

Aula 4. Objetivos Estratégicos e Metas Aula 4 Objetivos Estratégicos e Metas Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Declarações Estratégicas Missão Visão Valores Planejamento Estratégico Plano Estratégico = Plano de Negócios

Leia mais

Guia de Vendas Online para Iniciantes

Guia de Vendas Online para Iniciantes Guia de Vendas Online para Iniciantes ebook SUMÁRIO Introdução: Dúvidas comuns para quem deseja começar a vender pela internet... 2 Capítulo 1: O é e-commerce?... 3 Capítulo 3: Como funcionam os principais

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais