2. ANATOMIA. Fig.2.1 Coluna Vertebral (SOBOTTA, 1999, p.2).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. ANATOMIA. Fig.2.1 Coluna Vertebral (SOBOTTA, 1999, p.2)."

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO A hérnia discal lombar afeta episodicamente cerca de 75% da população na maioria dos países industrializados (TOSCANO, 2001). As doenças que afetam o sistema músculo esquelético, nos Estados Unidos, produzem uma perda anual superior a 90 bilhões de dólares (NEGRELLI, 2001). No Brasil, estima-se que a reunião dos custos relacionados a lombalgia atinja aproximadamente 50 bilhões de dólares por ano (TOSCANO, 2001). As constantes mudanças posturais realizadas diariamente pelo homem, submetem a coluna vértebra à uma série de impactos que revelam como conseqüência a degeneração músculo-esquelética. O tratamento conservador da hérnia discal lombar, além do baixo custo tem oferecido os melhores resultados (WETLER, 2004). Os estudos demonstraram que a cirurgia, apesar de necessária nos casos mais agudos, não proporciona a cura definitiva da lesão (NEGRELLI, 2001). Este estudo tem como finalidade a avaliação das técnicas utilizadas na área de fisioterapia, para a detecção e tratamento da hérnia discal lombar. A observação comparativa dos métodos e técnicas apresentados estimulam o desenvolvimento crítico que determina a importância do trabalho.

2 2. ANATOMIA A coluna vertebral forma o esqueleto do tronco humano juntamente com as costelas e o esterno. A coluna vertebral é constituída por ossos e tecido conjuntivo, enquanto a medula espinhal é formada por tecido nervoso. Dessa forma, a coluna se constitui em uma haste forte e flexível, que se flexiona para a frente, para trás e para os lados e gira sobre o seu eixo maior. Ela abriga e protege a medula espinhal, sustenta a cabeça e serve de ponto de fixação para as costelas, a cintura pélvica e para os músculos dorsais. É também responsável por dois quintos do peso corporal total e é formada por ossos denominados vértebras (TORTORA, 2002). Possui 33 peças esqueléticas, vértebras no seguinte sentido céfalo caudal: 7 vértebras cervicais, 12 torácicas, 5 lombares, 5 sacrais e 4 coccígeas. Já as vértebras sacrais são fundidas no que chamamos de sacro (Fig.2.1) (DÂNGELO, 2002). Fig.2.1 Coluna Vertebral (SOBOTTA, 1999, p.2).

3 10 Apresenta entre os corpos vertebrais, um disco intervertebral, fibrocartilaginoso, capaz de absorver aumentos de pressão e conferir mobilidade entre as vértebras adjacentes (DÂNGELO, 2002). O comprimento da coluna vertebral de um adulto é de cerca de 71cm no homem e de 61cm na mulher (TORTORA, 2002). Apresenta curvaturas no sentido ântero-posterior, indispensável para a manutenção do equilíbrio e da postura ereta (DÂNGELO, 2002). O comprimento total da coluna vertebral é composto de aproximadamente 20 a 25% de discos intervertebrais. O disco intervertebral atua como um amortecedor, distribuindo e absorvendo parte da carga aplicada sobre a coluna, além de manter as vértebras unidas e permitir o movimento entre os ossos, também tem a função de individualizar a vértebra como parte de uma unidade funcional segmentar, atuando em harmonia com as articulações facetárias. Ao promover a separação das vértebras, permite a emergência de raízes nervosas da medula espinhal através dos forames intervertebrais. Devido a degeneração discal que ocorre com a idade, verifica-se a perda das propriedades hidrófilas do disco, causando uma diminuição da porcentagem do comprimento espinhal (MAGEE, 2005). A coluna vertebral de um adulto é dividida em cinco regiões compostas por 26 ossos assim distribuídos (Fig.2.2) (TORTORA, 2002). Fig.2.2 Vista anterior, mostrando as regiões da coluna vertebral (TORTORA, 2002, p.184).

4 11 Região cervical contém sete vértebras cervicais e se localizam no pescoço; Região torácica contém doze vértebras que se localizam na região posterior da cavidade torácica; Região lombar contém cinco vértebras lombares que dão sustentação à região posterior do dorso; Região sacral contém cinco vértebras sacrais fundidas; Região coccígena contém um osso denominado cóccix, formado normalmente por quatro vértebras coccígeas fundidas (TORTORA, 2002). A coluna lombar (Fig.2.3) é composta de articulações facetárias ou apofisiárias ou ainda, zigoapofisiárias, que se organizam em cinco pares articulares, formando 10 articulações facetárias. As articulações diartrodiais são formadas por facetas superior e inferior e uma cápsula, ficam localizadas sobre os arcos vertebrais (MAGEE, 2005). Fig.2.3 Vista lateral da coluna lombar (MAGEE, 2005, p.463). As vértebras lombares são as maiores e mais fortes vértebras da coluna vertebral, sendo responsáveis pela sustentação de grande quantidade do peso corporal (TORTORA, 2002). A quantidade de peso corporal que tem que ser suportada pelas vértebras aumenta conforme descemos para a extremidade distal da coluna vertebral (TORTORA, 2002).

5 12 As facetas superiores, também denominadas de processos articulares superiores, geralmente são côncavas e direcionam-se medialmente e posteriormente, já as facetas inferiores direcionam-se lateralmente e para a frente e são covexas (Fig.2.4). Tropismos são anormalidades que ocorrem na forma das facetas, principalmente no nível de L5 e S1. Os processos transversos se apresentam no mesmo nível dos processos espinhosos, na coluna lombar. (MAGEE, 2005). Fig.2.4- Vértebra lombar, vista lateral (TORTORA, 2002, p.189). Os discos intervertebrais estão localizados entre os corpos de duas vértebras adjacentes, desde a segunda vértebra cervical até o sacro. Cada disco é formado por um disco fibroso cartilaginoso chamado anel fibroso (TORTORA, 2002). O anel fibroso, porção externa laminada do disco, é constituído de 3 zonas: 1 - uma zona externa - constituída de fibrocartilagem (classificadas como fibras de Sharpey) que se fixa na face externa ou periférica do corpo vertebral e possui um número crescente de células cartilaginosas nos filamentos fibrosos com o aumento da profundidade, 2 - uma zona intermediária - composta de uma outra camada de fibrocartilagem e 3 - uma zona interna - constituída, principalmente, de fibrocartilagem e contendo o maior número de células cartilaginosas (MAGEE, 2005). As várias projeções das vértebras lombares são curtas e grossas com processos articulares superiores direcionados medialmente e os processos articulares inferiores direcionados lateralmente. Os processos espinhosos são grossos e largos e possuem forma quadrangular, projetando-se quase horizontalmente. Nos processos espinhosos a inserção dos grandes músculos do dorso são bem adaptados (TORTORA, 2002).

6 13 Na coluna lombar as raízes nervosas emergem através de forames intervertebrais relativamente grandes e, como na coluna torácica, cada uma delas é nomeada pela vértebra de cima e consequentemente na coluna cervical as raízes nervosas são nomeadas pela vértebra de baixo. Ex: A raiz nervosa L4 emerge entre as vértebras L4 e L5. Em conseqüência do trajeto da raiz nervosa ao emergir, o disco entre L4 e L5 raramente comprime a raiz nervosa, sendo mais provável que essa compressão se dê na raiz nervosa L5 (MAGEE, 2005). Os principais ligamentos da coluna lombar são os mesmos que ligam a porção inferior da coluna cervical e da coluna torácica, excluindo-se as costelas. Incluem-se nesses ligamentos os ligamentos longitudinais anterior e posterior, o ligamento amarelo, os ligamentos supra-espinhal e interespinhal e os ligamentos intertransversos (Fig.2.5) (MAGEE, 2005). Fig.2.5 Ligamentos da coluna lombar (MAGEE, 2005, p.465). Em cada superfície lateral do sacro encontramos extensa superfície articular que se articula com o ílio de cada osso do quadril e forma a articulação sacroilíaca (TORTORA, 2002). Existe ainda um ligamento exclusivo e muito importante da coluna lombar e da pelve que é o ligamento iliolombar (Fig.2.6), ele conecta o processo transverso de L5 à porção posterior do ílio, ajudando na estabilização de L5 com o ílio e prevenindo o deslocamento anterior de L5 (MAGEE, 2005).

7 14 Fig.2.6 Ligamentos do sacro, do cóccix e alguns da coluna lombar (MAGEE, 2005, p.466). O anel fibroso do disco é inervado por plexo de finas fibras nervosas que penetram da periferia para o seu interior sendo, portanto, um ligamento fartamente inervado: através da discografia (único exame capaz de determinar se o disco é doloroso) tem se comprovado a existência da reprodução da dor em discos sintomáticos, em discos normais de pacientes assintomáticos não se verificou essa dor (HENNEMANN, 1994). A forma do disco corresponde à forma do corpo vertebral ao qual ele se fixa e adere ao corpo vertebral através da placa cartilaginosa terminal. As placas cartilaginosas terminais possuem uma espessura média de 1mm e permitem o movimento de líquido entre o disco e o corpo vertebral. Os discos são basicamente avasculares, recebendo suprimento saguíneo apenas em sua periferia, o restante do dosco é nutrido por difusão, principalmente através da placa cartilaginosa terminal, entretanto, até os 8 anos de idade, os discos vertebrais possuem alguma vasculaturaque diminui com a idade (MAGEE, 2005). Embora a face posterior periférica do anel fibroso possa ser inervada por algumas poucas fibras nervosas do nervo sinovertebral, geralmente o disco intervertebral não possui inervação (Fig.2.7) (MAGEE, 2005).

8 15 Fig.2.7 Ligamento longitudinal posterior, arco da vértebra, fóvea e discos intervertebrais (SOBOTTA, 1993, p.20). [...] a coluna lombar tem, como base anatômica e funcional, a tríade articular formada por uma juntura fibroelástica intervertebral o disco -, duas junturas sinoviais e um corpo vertebral. Esse conjunto de três compartimentos é estabilizado por um aparelho ligamentar que permite à raque movimentos pela ação de uma complexa coordenação entre função muscular e gravidade. (CECIN, 1997). As faces laterais do disco são inervadas perifericamente por ramos anteriores e ramos comunicantes cinzentos. O ligamento longitudinal anterior, o longitudinal posterior, o corpo vertebral, a raiz nervosa e a cartilagem da articulação facetária, são as estruturas em torno do disco intervertebral sensíveis à dor (MAGEE, 2005). Se observarmos a parte superior de ¾ de uma vértebra lombar, verificamos que ela se constitui de elementos dispostos em peças : O Corpo vertebral, reniforme, é mais largo que no sentido ântero-posterior e mais longo e alto, sendo o contorno profundamente escavado, apresenta a forma de um diábolo à excessão da parte de trás onde é quase plano; Há duas lâminas muito altas que se orientam para a parte de trás e para dentro, entretanto, seu plano é oblíquo para baixo e para fora;

9 16 As vértebras se unem pela parte de trás para formar a apófise espinhosa, que se apresenta muito espessa e retangular, dirige-se diretamente para trás e é grossa na sua extremidade posterior; As apófises costóides também incorretamente denominadas de apófises transversas se implantam no nível das articulações e se dirigem, obliquamente, para trás e para fora. O tubérculo acessório se localiza na face posterior da base de implantação das apófises costiformes (KAPANDJI, 2001). O pedículo, porção óssea curta, é o responsável pela união do arco posterior ao corpo vertebral, está implantado na face posterior do corpo vertebral no seu ângulo supero - externo. Ele limita a parte superior e inferior dos forames intervertebrais; na sua parte de trás ele constitui a inserção do maciço das apófises articulares (KAPANDJI, 2001). Outras vértebras lombares têm características específicas: a apófise costiforme da primeira vértebra lombar (Fig.2.8) é menos desenvolvida que a das outras vértebras lombares, também a quinta vértebra lombar se caracteriza por um corpo vertebral mais alto para a frente do que para trás e quando vista de perfil se apresenta cuneiforme ou tem a forma de um trapézio de base maior anterior. Quanto às apófises articulares inferiores da quinta vértebra lombar, estas se encontram mais separadas entre si do que as das outras lombares(kapandji, 2001). Fig.2.8 Quinta vértebra lombar (SOBOTTA, 1993, p.9).

10 3. BIOMECÂNICA O movimento que ocorre na coluna lombar é controlado pelas articulações facetárias e posteriores. Devido à forma das facetas, a rotação produzida pela coluna lombar é mínima e se realiza apenas por uma força de cisalhamento (MAGEE, 2005). A direção do movimento da coluna lombar é determinada pelas articulações facetárias, podendo também ocorrer a flexão lateral, a extensão e a flexão anterior (MAGEE, 2005). Nas regiões cervical e lombar, a amplitude de movimento é considerável, atingindo valores de até 17 o na articulação vertebral de C5-C6 e 20 o em L5-S1. É importante a diferença entre flexão vertebral e flexão do quadril, a do quadril, com a rotação do fêmur no plano sagital dirigida anteriormente por parte do fêmur com rotação à cintura pélvica, e a inclinação pélvica anterior, que consiste no movimento dirigido anteriormente da espinha ilíaca antero posterior, além de facilitar a flexão do quadril, promove a flexão vertebral (SUSAN, 2000). Entre a flexão e a extensão observa-se a posição de repouso da coluna lombar. O padrão capsular é de flexão lateral e rotação também limitadas, seguidas pela extensão. Quando ocorre uma restrição capsular em uma articulação facetária, a abrangência da restrição causada é mínima. É quase sempre incluído nos estudos sobre a coluna lombar o primeiro segmento sacral. A união do segmento fixo do sacro com os segmentos móveis da coluna lombar é localizado nessa articulação (MAGEE, 2005). A hiperextensão, ou seja, a extensão para trás da coluna até a posição anatômica é considerável nas regiões cervical e lombar, a lombar é necessária na execução de muitas habilidades desportivas incluindo natação, salto em altura, salto com vara, e numerosas manobras de ginástica (SUSAN, 2000). O segmento S1, em alguns casos, pode ser móvel e nesse caso se denomina lombarização de S1 e resulta em uma sexta vértebra lombar. Denomina-se sacralização da vértebra quando o quinto segmento lombar se funde com o sacro e o ílio, tendo como resultado 4 vértebras lombares móveis (MAGEE, 2005).

11 18 Para aumentar a sua resistência e permitir movimentos de torção, o anel fibroso possui aproximadamente 20 anéis concêntricos semelhantes a colares de fibras colágenas que se entrecruzam. Tanto na coluna cervical quanto na coluna lombar, o núcleo pulposo é bem desenvolvido (MAGEE, 2005). Quando a pessoa nasce ele é constituído por um tecido mucóide hidrófilo e é gradualmente substituído por fibrocartilagem. Com o passar dos anos o núcleo pulposo (Fig.3.1) torna-se cada vez mais semelhante ao anel fibroso (MAGEE, 2005). Fig.3.1- Duas vértebras lombares e seus ligamentos (SOBOTTA, 1993, p.25). Quando duas vértebras lombares se separam entre si verticalmente, se pode entender como as apófises articulares inferiores da vértebra superior se encaixam por dentro e por trás das apófises articulares superiores da vértebra inferior. Assim sendo, cada vértebra lombar estabiliza a vértebra superior lateralmente, graças aos ressaltos que as apófises articulares representam. (KAPANDJI, 2001).

12 4. FISIOPATOLOGIA Várias condições podem comprometer as curvaturas normais da coluna vertebral ou produzir curvaturas laterais, resultando em curvaturas anormais da coluna vertebral (TORTORA, 2002). Em condições plenas de um disco, as articulações facetárias sustentam entre 20% a 25% da carga axial. Em caso de degeneração do disco ela pode sustentar até 70% da carga axial (MAGEE, 2005). As articulações facetárias também são responsáveis pelo provimento de 40% das forças rotacional e de cisalhamento. A espondilose (degeneração do disco intervertebral), a espondilólise (defeito da parte interarticular do arco), a espondilolistese (deslocamento anterior de uma vértebra sobre a outra) e a retrolistese (deslocamento posterior de uma vértebra sobre a outra) são produzidas pela lesão, degeneração ou trauma no segmento do movimento (articulações facetárias e disco) (MAGEE, 2005). O sintoma mais comum na hérnia discal é a ocorrência da dor localizada, sendo a origem desse sintoma desconhecida. Supõe-se que advém da compressão do nervo sinovertebral (este nervo comunica os estímulos recebidos, revelando aos músculos eretores da espinha as linhas de força de pressão sobre a coluna vertebral; sua localização é a porção posterior do disco e o mesmo se comunica com a raiz nervosa emergente da coluna). A dor radicular ocorre, quase sempre, após repetidos episódios de dor aguda localizada, em ocorrência súbita, irradiando-se da coluna ao longo da distribuição interna da raiz envolvida ou afetando somente parte desta raiz. Tanto a dor localizada quanto a radicular pode ser intensificada com a execução de atividades e aliviadas com o repouso (CARVALHO, 2007). Após os 20 anos de vida, a capacidade de retenção de água do disco se reduz e começa a ocorrer alterações degenerativas (espondilose). Inicialmente, o disco contém aproximadamente 80 a 90% de água, mas, com a idade, a quantidade se reduz para 65%. O disco contém, ainda, uma alta porcentagem de mucopolissacarídeos que fazem com que ele atue como um líquido não compressível. Com a idade, esses mucopolissacarídeos diminuem e são substituídos por colágeno. Na coluna lombar, o núcleo pulposo fica localizado levemente atrás do centro de rotação do disco (MAGEE, 2005).

13 20 Constatou-se a ocorrência de pacientes com hérnia distal volumosa comprimindo a cauda equina, sem que tenha sido detectado o défcit motor, mesmo em presença de intensa dor com irradiação para o membro inferior (HENNEMANN, 1994). Quando o paciente se posta em posição lordótica natural da coluna lombar a pressão sobre o disco diminui através do movimento vertical do líquido que se movimenta pela placa terminal cartilaginosa. Se houver pressão vertical direta sobre o disco, este pode empurrar líquido para o interior do corpo vertebral. Se a pressão for grande pode ocorrer danos à placa cartilaginosa terminal, resultando em nódulos de Schmorl, que corresponde a herniações do núcleo pulposo para o interior do corpo vertebral (MAGEE, 2005). Verifica-se a variação da intensidade da dor na hérnia discal conforme as mudanças de posição do paciente. Na hérnia discal em ocorrência no nível L5-S1, o fragmento pode migrar para o interior do forâmen de L5 produzindo um déficit correspondente à essa raiz ou pode ocorrer uma combinação de sinais neurológicos de L5 e S1. Também um disco rompido em L4-L5 pode comprimir a raiz L4, principalmente nas hérnias foraminais e extremolaterais (HENNEMANN, 1994). Um adulto, normalmente apresenta 1 a 2cm a mais, na sua estatura, pela manhã em relação à medição noturna. Essa variação ocorre devido ao aumento de líquido para dentro e para fora do disco durante o dia, através da placa cartilaginosa terminal. Esse desvio de líquido atua como uma válvula de pressão de segurança que protege o disco (MAGEE, 2005). Deve-se observar as várias causas de lombalgia e lombociatalgia: causas mecânicas, degenerativas, reumáticas, infecciosas, tumorais, viscerais e psicogênicas na avaliação para diagnóstico diferencial da hérnia discal lombar (HENNEMANN, 1994). Quatro problemas podem ocorrer, podendo causar sintomas, quando há lesão discal são eles (Fig.4.1): 1 - Protusão discal quando o disco se torna saliente posteriormente, sem haver ruptura do anel fibroso, 2 Prolapso discal quando somente as fibras mais externas do anel fibroso contêm o núcleo, 3 Extrusão discal quando ocorre a perfuração do anel fibroso com o deslocamento de material discal (parte do núcleo pulposo) para o interior do espaço epidural, 4 Sequestro discal é a presença de fragmentos do anel fibroso e do núcleo pulposo fora do próprio disco. Essas lesões podem exercer pressão sobre a medula espinhal (coluna lombar superior) causando uma mielopatia, ou, pressão sobre a cauda equina, ocasionando a síndrome da

14 21 cauda equina, ou pressionar as raízes nervosas (maior ocorrência). A gravidade do défict neurológico é determinada pela quantidade da pressão exercida sobre os tecidos nervosos. A pressão pode ser consequência da lesão discal ou de uma combinação dessa lesão com a resposta inflamatória causada pela lesão (MAGEE, 2005). Fig.4.1 Tipos de herniações discais (MAGEE, 2005, p.467). O disco intervertebral, constituído pelo núcleo pulposo, anel fibroso e pelo plateau vertebral formado pela cartilagem onde o disco se insere, serve, pela sua estrutura, de amortecedor entre os corpos vertebrais e suporta as forças de compressão, cisalhamento, flexão e extensão e de rotação. O torque axial é produzido pelo movimento e a força que o disco pior tolera, principalmente quando associado à força de compressão. À medida que esses mecanismos se repetem, produzem a degeneração do núcleo pulposo e a sua desidratação (HENNEMANN, 1994). Saal (1996), definiu os fatores favoráveis, desfavoráveis e neutros para prognósticos do resultado positivo de uma hérnia discal lombar não operável. Diferentes posturas podem aumentar a pressão sobre o disco intervertebral, no interior da coluna lombar. A pressão na posição em pé é classificada como norma e os valores apresentados são aumentos ou diminuições acima ou abaixo dessa norma, que ocorre com a variação da postura (MAGEE, 2005). O local mais comum de ocorrência de problemas na coluna vertebral é no segmento L5-S1, em virtude do mesmo sustentar mais peso que qualquer outro nível vertebral. É através dessas vértebras que passa o centro de gravidade e em virtude disso ele pode reduzir as forças de cisalhamento neste segmento. Há uma transição do segmento móvel (L5) para o segmento estável ou fixo do sacro (S1) (Fig4.2), podendo aumentar o estresse sobre a área. Essa articulação apresenta maior chance de ser submetida ao estresse, devido o angulo L5 e S1 ser maior do que os existentes entre as outras vértebras. Outro fator que proporciona o aumento do estresse sobre essa

15 22 área é a quantidade relativamente maior de movimentos que nela ocorrem em comparação com outros níveis da coluna lombar (MAGEE, 2005). Fig.4.2 Osso sacro (SOBOTTA, 1993, p.23). É em consequência da ruptura do anel fibroso associado ao deslocamento da massa central do disco nos espaços intervertebrais que ocorre a hérnia de disco (NEGRELLI, 2001). Também os estudos da participação da genética nos processos de doenças que afetam o sistema músculo-esquelético tem se constituído em um importante passo para o avanço do diagnóstico e tratamento dessas doenças. O exame de DNA genômico de uma mostra de pessoas não relacionadas mostrou que a degeneração discal intervertebral lombar provém, na maioria das vezes, de determinantes genéticos (FROES, 2005). A exata compreensão do fenômeno doloroso lombar e de sua fisiopatologia justifica uma revisão dos conhecimentos anatômicos, biomecânicos e fisiológicos sobre a coluna lombar (CECIN, 1997). Além do peso corporal que atua sobre a coluna vertebral, a tensão nos ligamentos vertebrais, a tensão nos músculos circundantes, assim como a pressão intraabdominal e outras cargas externas, são fatores que se somam às cargas impostas à coluna vertebral. Na posição ereta a coluna axial recebe a maior carga (Fig.4.3), pois, o peso corporal, o peso de alguma carga mantida nas mãos, bem como a tensão nos ligamentos e músculos circundantes ocasionam a compressão vertebral (SUSAN, 2000).

16 23 Fig.4.3 Torque na articulação vertebral L5-S1 criado pelos segmentos corporais e pela carga (SUSAN, 2000, p.282). Para manter o corpo na postura ereta (Fig.4.4) coloca-se o centro corporal total da gravidade adiante da coluna vertebral, produzindo constante inclinação anterior. Para conservar esta posição corporal faz-se necessária a tensão nos músculos extensores do tronco (SUSAN, 2000). Fig.4.4 Coluna lombar em posição ereta (SOBOTTA, 1993, p.55).

17 24 A principal força que atua sobre a coluna é a força derivada da atividade muscular (SUSAN, 2000). A compressão da coluna lombar aumenta quando a pessoa se senta e aumenta ainda mais com a flexão vertebral, e, mais ainda na posição sentada-relaxada (SUSAN, 2000). As freqüentes mudanças de postura realizadas diariamente pelo homem dificultam a obtenção de um equilíbrio saudável nas estruturas que compõem a coluna vertebral. O excesso ou a falta de esforço físico nessas estruturas ocasionam danos à estrutura mecânica dos seres humanos (TOSCANO, 2001). Vários pesquisadores consideram que a lombalgia se relaciona direta ou indiretamente pela combinação da aptidão músculo-esquelética deficiente associada à uma ocupação que force essa região (TOSCANO, 2001). Alguns fatores que dificultam o estudo e diagnóstico das lombalgias e lombociatalgias: Inexistência de uma fidedigna correlação entre os achados clínicos e os de imagem; O segmento lombar ser inervado por uma difusa e entrelaçada rede de nervos, dificultando a localização exata da origem da dor; Escassez e inadequação de informações quanto aos achados anatômicos e histológicos das estruturas comprometidas. Dificuldade na interpretação da dor (COCICOV, 2004). Classificação da hérnia de disco quanto à localização. 1 mediana: geralmente se manifesta por lombalgia aguda, eventualmente com irradiação; 2 contralateral: que pode comprometer a raiz transeunte ou a raiz emergente; 3 foraminal: que compromete a raiz emergente; 4 extremolateral ou extraforaminal: que compromete a raiz superior, o trajeto das raízes lombares é oblíquo (HENNEMANN, 1994).

18 25 A hérnia de disco pode ocorrer tanto em consequência de pequenos traumas que se somam através dos anos como devido à ocorrência de trauma severo (SAN- TOS, 2003). A maioria das hérnias se localizam na região lombar (próximo à cintura) mas também ocorrem hérnias na região torácica e cervical (SANTOS, 2003).

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO I COLUNA VERTEBRAL 1 Os constituintes da coluna vertebral: 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras

Leia mais

Coluna Vertebral. Sacro - 5 vértebras - Cóccix - 4-5 vértebras. Junção Cervico-toracica. Junção Toraco-lombar. Junção Lombosacral

Coluna Vertebral. Sacro - 5 vértebras - Cóccix - 4-5 vértebras. Junção Cervico-toracica. Junção Toraco-lombar. Junção Lombosacral A Coluna Verterbral É o maior segmento corporal (40% Altura) É como uma haste elástica modificada Proporciona suporte, proteção e flexibilidade Formado por 33 vértebras, 24 móveis. 4 curvas, que dão equilíbrio

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MEDICINA BRUNO SIMAS DE QUEIROZ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MEDICINA BRUNO SIMAS DE QUEIROZ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MEDICINA BRUNO SIMAS DE QUEIROZ Hérnia de disco: fisiopatologia e formas de apresentação clínica mais frequentes RIO DE JANEIRO 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM HÉRNIA DISCAL DA COLUNA CERVICAL: Revisão de Literatura 1 Roseline de Oliveira Calisto Lima 2 RESUMO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM HÉRNIA DISCAL DA COLUNA CERVICAL: Revisão de Literatura 1 Roseline de Oliveira Calisto Lima 2 RESUMO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM HÉRNIA DISCAL DA COLUNA CERVICAL: Revisão de Literatura 1 Roseline de Oliveira Calisto Lima 2 RESUMO A dor na coluna é a segunda maior fonte de reclamação das

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

Estrutura e Função da Medula Espinhal

Estrutura e Função da Medula Espinhal FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função da Medula Espinhal Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos de

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

COLUNA. A coluna é o pilar de sustentação do corpo, responsável, ao mesmo tempo por suportar enormes cargas, e conservar grande flexibilidade.

COLUNA. A coluna é o pilar de sustentação do corpo, responsável, ao mesmo tempo por suportar enormes cargas, e conservar grande flexibilidade. COLUNA A coluna é o pilar de sustentação do corpo, responsável, ao mesmo tempo por suportar enormes cargas, e conservar grande flexibilidade. Na coluna convivem 3 tipos de estruturas: uma parte óssea,

Leia mais

LESÕES DA COLUNA VERTEBRAL NOS ESPORTES.

LESÕES DA COLUNA VERTEBRAL NOS ESPORTES. LESÕES DA COLUNA VERTEBRAL NOS ESPORTES. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Lesões da coluna vertebral de causas diversas são observadas

Leia mais

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE A ERGONOMIA ESTUDA A SITUAÇÃO DE TRABALHO: Atividade Ambiente (iluminação, ruído e calor) Posto de trabalho Dimensões, formas

Leia mais

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Reitora Suely Vilela Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Chefe do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações

Leia mais

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS...é um conjunto de conhecimentos relativos ao homem e necessários à concepção de instrumentos, máquinas e dispositivos

Leia mais

www.josegoes.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoes.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 A hérnia de disco se apresenta como sendo uma extrusão, isto é, um deslocamento da massa discal para fora do contorno vertebral, geralmente em direção a medula. Isso ocorre pela ruptura do anel

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS?

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? Dores nas Costas PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? O QUE CAUSA DORS NAS COSTAS? Várias podem ser as causas de suas dores nas costas: - Posturas inadequadas - Esforço exagerado - Permanecer por muito tempo

Leia mais

ANÁLISE DOS EFEITOS DA CINESIOTERAPIA NA HERNIA DE DISCO LOMBAR. Machado, J. R. Naira; Andolfato, R. K

ANÁLISE DOS EFEITOS DA CINESIOTERAPIA NA HERNIA DE DISCO LOMBAR. Machado, J. R. Naira; Andolfato, R. K ANÁLISE DOS EFEITOS DA CINESIOTERAPIA NA HERNIA DE DISCO LOMBAR Machado, J. R. Naira; Andolfato, R. K Resumo: A palavra hérnia significa projeção ou saída através de uma fissura ou orifício, de uma estrutura

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1).

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1). HÉRNIA DE DISCO A hérnia de disco é uma das doenças que mais afligem o homem moderno. Falta de exercício, excesso de peso, má postura, todas podem causar ou agravar uma hérnia de disco. Mas afinal, o que

Leia mais

CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira

CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira NOÇÕES BÁSICAS DE ANATOMIA E FISIOLOGIA Identificação das Limitações do Organismo Humano Sabendo-se que a Ergonomia tem por objetivo adequar o trabalho às características

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz Lombociatalgia www.fisiokinesiterapia.biz Conceitos Lombalgia; Lombociatalgia; Ciatalgia/Ci /Ciática; Característica região lombar Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana Vértebra lombar Fonte:

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

Guia do Paciente Fusão Espinhal

Guia do Paciente Fusão Espinhal Guia do Paciente Fusão Soluções para Medicina Ltda. 01 Guia do Paciente - O objetivo da cirurgia de fusão espinhal é de proporcionar alívio da dor que você vem sentindo e tornar a sua coluna mais estável.

Leia mais

MARCIA JASCOV MASCARENHAS MACHADO

MARCIA JASCOV MASCARENHAS MACHADO MARCIA JASCOV MASCARENHAS MACHADO POSTURA CORPORAL Produção Didática apresentada para o 2º Período do Programa de Desenvolvimento Educacional - 2008 da Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Orientador

Leia mais

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza

Protocolos coluna. Profº. Claudio Souza Protocolos coluna Profº. Claudio Souza Coluna vertebral A coluna vertebral é composta por 33 vértebras, e eventualmente por 32 ou 34, estas são classificadas como ossos irregulares. A coluna vertebral

Leia mais

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função dos Nervos Periféricos Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas GUIA DO PACIENTE Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas Sistema de Estabilização Dinâmica Dynesys O Sistema Dynesys

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL

ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL 1 ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL Aurélio Alfieri Neto Juliana Navarro Lins de Souza A bioenergética procura entender o caráter do indivíduo pelo corpo e seus processos energéticos, sendo estes,

Leia mais

Dossier informativo. Doenças da Coluna

Dossier informativo. Doenças da Coluna Dossier informativo Doenças da Coluna 2008 Índice 1. Como funciona a coluna vertebral? 2. O que provoca dores na coluna? 3. Incidência em Portugal e no Mundo Pág. 3 Pág. 4 Pág. 4 4. Principais doenças

Leia mais

Reunião de casos clínicos

Reunião de casos clínicos Reunião de casos clínicos RM Dr Ênio Tadashi Setogutti Dr Gustavo Jardim Dalle Grave Março 2013 CASO CLINICO - 1 Paciente sexo feminino, 52 anos, HIV +, com dor intensa em região lombar, dificuldade para

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

4. Posturas 4.1. Anatomia e biomecânica da coluna vertebral

4. Posturas 4.1. Anatomia e biomecânica da coluna vertebral 51 4. Posturas A Academia Americana de Ortopedia define a postura como o estado de equilíbrio entre músculos e ossos com capacidade para proteger as demais estruturas do corpo humano de traumatismos, seja

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO

Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO INTRODUÇÃO divisões do sistema nervoso DIVISÕES DO SISTEMA NEVOSO Sistema Nervoso Central (SNC): DERIVADO DO TUBO NEURAL consiste em encéfalo e medula espinhal Sistema

Leia mais

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR OMBRO Membro Superior CINTURA ESCAPULAR COTOVELO Joel Moraes Santos Junior COLUNA - APLICAÇÃO PRÁTICA Condicionamento APTIDÃO FÍSICA Treinamento desportivo CARGA/IMPACTO Reabilitação

Leia mais

ANULOPLASTIA INTRADISCAL ELECTROTHERMAL THERAPY IDET

ANULOPLASTIA INTRADISCAL ELECTROTHERMAL THERAPY IDET ANULOPLASTIA ANULOPLASTIA DEPARTAMENTO DE NEUROCIRURGIA ANULOPLASTIA MARCELO FERRAZ DE CAMPOS JOSÉ CARLOS RODRIGUES JR. LUIZ CARLOS BRAGA JOÃO EDUARDO CHARLES SÉRGIO LISTIK DEPARTAMENTO DE NEUROCIRURGIA

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA QUESTÃO 21 Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: a) O politrauma é a uma das principais causas

Leia mais

NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA

NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA Não importa se você ainda usa uma Honda 55 para andar na sua propriedade, ou se você tem uma grandalhona Gold Wing ou uma velha roncadora Harley Panhead.

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

LESÕES DA COLUNA TORÁCICA

LESÕES DA COLUNA TORÁCICA LESÕES DA COLUNA VERTEBRAL NOS ESPORTES * Lesões da coluna vertebral de causas diversas são observadas em indivíduos que praticam esportes de várias modalidades. A coluna vertebral por meio de suas estruturas

Leia mais

Atividade física em indivíduos acometidos por lesões degenerativas da coluna vertebral

Atividade física em indivíduos acometidos por lesões degenerativas da coluna vertebral Atividade física em indivíduos acometidos por lesões degenerativas da coluna vertebral Licenciado em Educação Física pelo Centro Universitário Positivo UNICENP / Curitiba- Pr. Pós-Graduado em Atividade

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

www.josegoes.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoes.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Definição: Espondilólise=> lesão de origem indeterminada, que se acredita ser causada por fratura por estresse na pars interarticularis (pedículo), que é particularmente vulnerável a forças

Leia mais

Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200

Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200 Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200 Manual do Usuário Índice: 03...Informações Gerais 03...Símbolos 04...Instalação e Conexão à Rede Elétrica 05...Controles 06-07...Operação da Mesa 07...Precauções 07-08...Indicações

Leia mais

Centro de Educação Integrado Curso Técnico em Radiologia CRN-90 Cleide Labor. 5º Módulo Noturno

Centro de Educação Integrado Curso Técnico em Radiologia CRN-90 Cleide Labor. 5º Módulo Noturno Centro de Educação Integrado Curso Técnico em Radiologia CRN-90 Cleide Labor 5º Módulo Noturno Elton Carvalho Lima Gislene Matioli Macedo Roseli Antunes S. Miranda Patologias identificadas por raios-x

Leia mais

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1).

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1). Disc-FX Disc Fix O procedimento Disc-FX é utilizado para o tratamento da hérnia de disco lombar de forma minimamente invasiva. Mas para que você possa entender como funciona este procedimento e para que

Leia mais

- As Alterações dos Desvios do Eixo da Coluna Vertebral (ADEC);

- As Alterações dos Desvios do Eixo da Coluna Vertebral (ADEC); PROGRAMA DO CURSO * ESPONDILOTERAPIA Trata-se de um protocolo para avaliação, interpretação e orientação aplicado a coluna vertebral e/ou seus comprometimentos, desenvolvida e registrada pela ESCOLA SOS

Leia mais

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Anatomia Atlas Axis Anatomia AP Perfil Mecanismo de Trauma Trauma axial em flexão Trauma axial - neutro Fraturas do Côndilo Occipital Os côndilos occipitais são

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006-1 - SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SUMÁRIO

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1)

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1) AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL Prof. Erivan Façanha Tem início no hiato aórtico do diafragma (T12). Trajeto descendente, anterior aos corpos vertebrais e à esquerda da veia cava

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

Rizotomia Rizotomia de facetas Rizotomia por radiofrequência Radiculotomia Radiculotomia percutânea de facetas por radiofrequência

Rizotomia Rizotomia de facetas Rizotomia por radiofrequência Radiculotomia Radiculotomia percutânea de facetas por radiofrequência Rizotomia Rizotomia de facetas Rizotomia por radiofrequência Radiculotomia Radiculotomia percutânea de facetas por radiofrequência O procedimento rizotomia (também chamado de rizotomia de facetas, ou rizotomia

Leia mais

Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR

Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR Coluna Vertebral MARCIO AP. DOS S. MAJOR Conteúdo Revisão Anatômica Técnicas de Posicionamento Radiológico Critérios de Avaliação Radiográfica Patologias mais comuns Indicações e contra indicações Principais

Leia mais

A dissociação termoalgésica sugere a seguinte patologia: O diagnóstico da neuralgia essencial do trigêmeo está relacionado basicamente com:

A dissociação termoalgésica sugere a seguinte patologia: O diagnóstico da neuralgia essencial do trigêmeo está relacionado basicamente com: Questão 01 As lesões dos tratos ópticos são traduzidas pela ocorrência do seguinte tipo de hemianopsia: A) nasal B) homônima C) bitemporal D) heterônima Questão 02 A primeira conduta no atendimento a um

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA ESTUDO COMPARATIVO DO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM HÉRNIA DISCAL LOMBAR ATRAVÉS DE DOIS PROTOCOLOS

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1 DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1 CAMPOS, Adriana 1 ; SANTOS, Danillo Luiz 2 ; ARAÚJO, Patrick Correia de Souza 3 ; LUIZ, Carlos Rosemberg 4 ; BENETTI,

Leia mais

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Movimentos da coluna vertebral A coluna vertebral como um todo se apresenta como uma articulação que possui macromovimentação em seis graus de liberdade: flexão, extensão, láteroflexão esquerda,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Março - 2009 1. Conceito, Etiologia e Epidemiologia 1. Trauma raquimedular é a lesão da medula espinhal que provoca

Leia mais

ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NAS ESCOLIOSES: revisão bibliográfica

ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NAS ESCOLIOSES: revisão bibliográfica Iolanda Santos Nogueira ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NAS ESCOLIOSES: revisão bibliográfica Pindamonhangaba - SP 2015 Iolanda Santos Nogueira ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NAS ESCOLIOSES: revisão bibliográfica

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

A Quiropraxia como um método de tratamentos das Hérnias discais lombares nos seguimentos L4-L5 e L5-S1.

A Quiropraxia como um método de tratamentos das Hérnias discais lombares nos seguimentos L4-L5 e L5-S1. 1 A Quiropraxia como um método de tratamentos das Hérnias discais lombares nos seguimentos L4-L5 e L5-S1. Lorena Silva Bahia 1 losiba@hotmail.com Orientação: Dayana Priscila Maia Meji Pós-graduação em

Leia mais

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli 3 Março/2013 TENDINITE DE OMBRO Dra. Nathália C. F. Guazeli GALERIA CREFITO 3 / 78.186 F O COMPLEXO DO OMBRO Para entender o que é Tendinite de Ombro, vale a pena conhecer um pouquinho como ele é composto,

Leia mais

ACESSÓRIOS PARA MESAS CIRÚRGICAS 2012

ACESSÓRIOS PARA MESAS CIRÚRGICAS 2012 ACESSÓRIOS PARA MESAS CIRÚRGICAS 2012 2 Locais de Trabalho Cirúrgicos ACESSÓRIOS Locais de Trabalho Cirúrgicos ACESSÓRIOS 3 ACESSÓRIOS E AUXILIARES DE POSICIONAMENTO DESENVOLVIDO PARA PACIENTES E EQUIPE

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº. 011-2009/DIASS

ORDEM DE SERVIÇO Nº. 011-2009/DIASS ORDEM DE SERVIÇO Nº. 011-2009/DIASS Inclui novos materiais nas áreas de ortopedia e neurocirurgia. O Diretor de Assistência do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás - IPASGO

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

ESCOLIOSE. Prof. Ms. Marcelo Lima

ESCOLIOSE. Prof. Ms. Marcelo Lima ESCOLIOSE Prof. Ms. Marcelo Lima DEFINIÇÃO A escoliose é um desvio da coluna vertebral para a esquerda ou direita, resultando em um formato de "S" ou "C". É um desvio da coluna no plano frontal acompanhado

Leia mais

A Utilização do Isostretching no tratamento da Hérnia de Disco Lombar

A Utilização do Isostretching no tratamento da Hérnia de Disco Lombar 1 A Utilização do Isostretching no tratamento da Hérnia de Disco Lombar Renê Gonçalves da Silva¹ Dayana Priscila Maia Mejia² renefisio18@yahoo.com.br Pós-graduação em Traumato-ortopedia com ênfase em terapias

Leia mais

Sistema Nervoso Autônomo

Sistema Nervoso Autônomo FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Sistema Nervoso Autônomo Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos de Aprendizagem

Leia mais

A musculatura das costas é a que dá a força necessária para os movimentos, ajudando a estabilizar a coluna, permitindo ao homem ficar de pé.

A musculatura das costas é a que dá a força necessária para os movimentos, ajudando a estabilizar a coluna, permitindo ao homem ficar de pé. CUIDADOS COM SUA COLUNA * COLUNA VERTEBRAL Neste conjunto de vértebras, discos intervertebrais, nervos, músculos, medula e ligamentos é onde acontece a maior parte das disfunções que causam dor nas costas.

Leia mais

Quiropraxia no tratamento da hérnia de disco lombar

Quiropraxia no tratamento da hérnia de disco lombar 1 Quiropraxia no tratamento da hérnia de disco lombar Sâmia de Souza Tolosa Oliveira 1 samia_tolosa_50@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação em Reabilitação em Ortopedia e Traumatologia

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia ANATOMIA HUMANA I Educação Física Prof. Me. Fabio Milioni Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia Anatomia Sistêmica Estudo macroscópico dos sistemas do organismo Anatomia Topográfica

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Ossos

Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Ossos Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Ossos Resumo da aula Classificação Estrutura óssea Funções Remodelagem Cargas Torque/ Momento Stress em função da Geometria Óssea Resumo da aula Esqueleto axial

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA URINÁRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Rins... 04 Localização... 04 Anatomia macroscópica...

Leia mais

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO Função o sistema nervoso é responsável pelo controle do ambiente interno e seu relacionamento com o ambiente externo (função sensorial), pela programação dos reflexos na medula espinhal, pela assimilação

Leia mais

Coluna Sociedade Brasileira de Reumatologia

Coluna Sociedade Brasileira de Reumatologia Coluna 1 CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Coluna Vertebral CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.pptbackgrounds.net/spine-tag1255.html EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br

Leia mais

ANÁLISE DO ÍNDICE DE DOR LOMBAR EM MILITARES DO EXÉRCITO BRASILEIRO NA CIDADE DE APUCARANA-PR

ANÁLISE DO ÍNDICE DE DOR LOMBAR EM MILITARES DO EXÉRCITO BRASILEIRO NA CIDADE DE APUCARANA-PR 1 ANÁLISE DO ÍNDICE DE DOR LOMBAR EM MILITARES DO EXÉRCITO BRASILEIRO NA CIDADE DE APUCARANA-PR FONSECA, M. J.; FELIPE, D.M. RESUMO: Dor lombar é uma queixa comum, em função dos altos índices de distúrbios

Leia mais

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular:

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular: Corpo Humano Tipos de Tecidos Tipos de tecido muscular: Esquelético Liso Cardíaco Principais funções dos músculos: 1.Movimento corporal 2.Manutenção da postura 3.Respiração 4.Produção de calor corporal

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES DEISE SANTOS 1 MARCIA JOSIANE CARDOSO 2 VALTER ANTUNES NEUMANN 3 LUCIANO LEAL LOUREIRO 4 RESUMO O joelho é uma das articulações mais importantes

Leia mais

A causa exata é determinada em apenas 12-15% dos pacientes extensamente investigados

A causa exata é determinada em apenas 12-15% dos pacientes extensamente investigados LOMBALGIA Prof. Jefferson Soares Leal Turma: Fisioterapia e Terapia Ocupacional Faculdade de Medicina da UFMG Aula e bibliografia recomendada estarão disponíveis para os alunos para donwload no site www.portalvertebra.com.br

Leia mais

Categorias de Músculos

Categorias de Músculos URI Curso de Psicologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Aparelho Locomotor: ossos, junturas e músculos Os músculos constituem os elementos ativos do movimento Os ossos constituem os elementos passivos do

Leia mais

PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO!

PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO! Dr. Euclides José Martins Amaral PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO! : A importância da detecção precoce das deformidades da coluna na infância e adolescência, deve-se principalmente

Leia mais

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro Quais as características do Treinamento Funcional? Desenvolver e melhorar as capacidades físicas através de estímulos que proporcionam

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

Homeopatia: Leis de Cura e a Embriologia

Homeopatia: Leis de Cura e a Embriologia 12 12 12 Homeopatia: Leis de Cura e a Embriologia Aplicação da embriologia para: Maurício T. A. Freire -Diferenciar uma cura ideal de outra não ideal na prática homeopática -Entender a Lei de Cura -Entender

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais