RELEVOS CÁRSTICOS EM ROCHAS NÃO CALCÁRIAS: UMA REVISÃO DE CONCEITOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELEVOS CÁRSTICOS EM ROCHAS NÃO CALCÁRIAS: UMA REVISÃO DE CONCEITOS"

Transcrição

1 187 RELEVOS CÁRSTICOS EM ROCHAS NÃO CALCÁRIAS: UMA REVISÃO DE CONCEITOS Vinícius Duarte Guareschi 1 Andréa Valli Nummer 2 Introdução A superfície terrestre passa por constantes modificações que se desenrolam desde sua formação, fruto de sua dinâmica interna, ou processos endógenos, somado aos fatores externos que constituem os processos exógenos. Como argumenta Florenzano (2008), a superfície da Terra não é plana nem uniforme em toda a sua extensão, caracterizando se por elevações e depressões de diferentes formas que constituem o relevo, sendo este resultado da interação da litosfera, atmosfera, hidrosfera e biosfera. Neste sentido, o estudo do relevo é imprescindível para a análise geográfica, já que atua como fator condicionante para inúmeros outros elementos de uma paisagem como vegetação e hidrografia, bem como fator determinante para diversas atividades econômicas ligadas a exploração de recursos naturais podendo caracterizar geograficamente um espaço. Um tipo de relevo que merece destaque devido a sua gênese e evolução diz respeito aos relevos cársticos. Estas formas de relevo foram inicialmente identificadas em rochas calcárias e são resultados de processos geoquímicos de dissolução. Contudo, é importante destacar que rochas não calcárias também apresentam processos de dissolução e os resultados assemelham se as formas originadas no carste de rochas calcárias. Assim, para indicar formas cársticas em outras rochas que não as carbonáticas, é muito comum o uso da partícula pseudo dando origem a nomes como pseudo dolina, pseudo uvala, etc. Conforme Kohler (2005) a Geomorfologia Cárstica abrange o estudo da forma, gênese e dinâmica dos relevos elaborados sobre rochas solúveis pela água, tais como as carbonáticas e os evaporitos, e mesmo rochas menos solúveis, como os quartzitos, granitos, basaltos, entre outras. Neste contexto, o presente trabalho faz uma reflexão acerca da evolução do conceito de relevos cársticos, bem como expõem algumas nomenclaturas usadas para denominar estas feições em diferentes litologias, além de trazer exemplos de publicações e questionamentos sobre a origem e evolução destas formas. 1 Mestrando em Geografia Universidade Federal de Santa Maria 2 Prof.ª Dr.ª Depto. de Geociências Universidade Federal de Santa Maria

2 188 Relevos cársticos em rochas não calcárias: uma revisão de conceitos Morfologia Cárstica Segundo Carvalho Júnior (2008) o termo "Karst" é oriundo da região do Carso (em esloveno, Kars), localizada no sudoeste da Eslovênia até o noroeste da Itália, formada de rochas carbonáticas. Na Língua Portuguesa Brasileira, o termo inicialmente usado para designar os fenômenos decorrentes da ação da água nos calcários é "Carse", posteriormente substituído por "Carste" (CABRAL, 2004). Carste, na sua essência, sempre foi considerado uma forma de relevo específico de rochas calcárias onde o principal agente modelador é a água, através do processo de dissolução do carbonato de cálcio componente dessas rochas, na qual os resultados morfológicos deste fato recebem várias denominações, em virtude das diferentes formas presentes nas superfícies com substrato calcário, relacionadas, possivelmente, ao estágio em que se encontra o processo de dissolução da rocha, ou seja, lapiáz, dolinas, uvalas, poljés, canhões, cavernas e outras (FLORENZANO, 2008). Para Carvalho Júnior (2008), dois critérios são importantes para se definir a presença de um relevo cárstico, sendo o primeiro o transporte de massa, no qual a dissolução é o processo mais importante, e a morfologia, caracterizada por formas de relevo típicas dos processos de dissolução. Formas Cársticas mais comuns Lapiás É a feição característica que marca o desenvolvimento inicial do carste. Refere se ao conjunto de todas as microformas que entalham a superfície das rochas solúveis. Os campos de lapiás são comuns em todo o carste (BIGARELLA et al., 1994). Correspondem às caneluras ou sulcos superficiais nas rochas calcárias, podendo estar recobertas por uma camada de solo ( terra rossa ) ou aflorar a céu aberto. Quando apresentam uma camada de terra rossa, supõe se que o ataque se efetuou através da ação dos ácidos húmicos, ao longo do escoamento sobre a rocha recoberta de solo. São formas potenciais que surgem como verdadeiros lapiás após a remoção da cobertura edáfica. No segundo caso, quando afloram a céu aberto, o fator responsável é o escoamento das águas pluviais. As vertentes do relevo sofrem um processo evolutivo muito especifico. A atividade da água segue as fissuras, diáclases ou planos de estratificação, imprimindo uma ação química preponderante na rocha calcária, e eventualmente mecânica, corroendo as e erodindo as. Os planos de menor resistência da rocha são escavados e originam relevos

3 Vinícius Duarte Guareschi; Andréa Valli Nummer 189 íngrimes de cristas agudas. As dimensões das caneluras e das cristas podem variar de alguns milímetros a mais de 10 metros, sendo as formas mais comuns em torno do decímetro ao metro. As diferenças de forma e de dimensões são explicadas pela resistência da rocha aos processos intempéricos e aos mecanismos de dissolução. Dolinas O vocábulo dolina, é de origem servo croata sendo usado para se referir a depressões fechadas com contornos circulares ou ovais, com bordo geralmente apresentando declividades acentuadas e afloramento de rocha, e o fundo pode estar recoberto por uma camada de argila (terra rossa). Sua origem está associada à dissolução de rochas calcárias pela percolação de água contendo CO2 e ácidos húmicos em solução. As dolinas também podem ter origem a partir do colapso (desabamento) do teto de cavernas. No primeiro caso, são mais ou menos circulares ou ovaladas e no segundo, forma depressões mais ou menos afuniladas. De acordo com Christofoletti (1980), as dolinas podem ser consideradas como a forma fundamental do relevo cárstico, e são de tamanho e morfologia variável. Em relação ao tamanho, variam de um a mais de 1000 metros de largura, e de poucos centímetros a mais de 300 metros de profundidade. Uvala O termo uvala é de origem eslava, sendo usado para designar uma depressão alongada provavelmente pela coalescência de duas ou mais dolinas. Quando a evolução da dolina ocorre em superfície mais rapidamente que em profundidade, origina uma depressão mais ampla com contornos sinuosos, de forma elipsoidal quando formada pela conjunção de duas dolinas. De acordo com Bigarella et al. (1994) a formação da uvala aumenta consideravelmente a capacidade absorvente de água na região calcária. A presença da uvala implica num certo grau de evolução do carste mais avançado do que a dolina em si. A figura I mostra uma feição tipo uvala que se forma a partir da coalescência de duas ou mais dolinas. Figura I Representação de Dolinas e Uvalas. Fonte: Bigarella (1994).

4 190 Relevos cársticos em rochas não calcárias: uma revisão de conceitos Poljé Nos idiomas eslavos significa campo ou área cultivada. Na literatura geomorfológica internacional é utilizado para designar uma planície cárstica ou uma grande depressão resultante da dissolução de extensas áreas com rochas calcárias. Os poljés tem sua origem ligada a fatores estruturais da rocha, como falhas, fraturas, horizontalidade de camadas, entre outros, assim como o processo de corrosão. O fundo do peljé apresenta se como uma bacia nivelada, preenchida com aluviões ou coberta de terra rossa. Devido a esses fatores os poljés são áreas muito férteis sendo preferidos para a agricultura como para o estabelecimento de núcleos urbanos. Na planície de poljés podem ser encontradas dolinas e sumidouros por onde escoam as águas pluviais e os eventuais córregos que drenam a área. Quando o fluxo das águas excede a capacidade de escoamento do sumidouro, os poljés sofrem inundações temporárias, originando lagos cársticos efêmeros (BIGARELLA et al., 1994). A figura II mostra o esquema de um poljé, no qual se observa um rebaixamento da superfície do terreno causado pela dissolução de parte da rocha. Figura II- Representação esquemática de um poljé. Fonte: Bigarella (1994). Canhões São vales de paredes abruptas, isto é, vales encaixados, os quais adquirem características mais típicas quando cortam estruturas sedimentares que pouco se afastam da horizontal. Forma se uma série de degraus ou patamares ao longo do corredor escavado pela erosão. Os canhões são vales em garganta, assemelhando se a grandes desfiladeiros, onde a diferença entre a linha do talvegue e o topo do planalto pode variar de algumas dezenas até centenas de metros. Conforme afirma Bigarella et al. (1994) alguns canhões foram antigos rios subterrâneos que pelo desmoronamento da abóbada das galerias transformaram se numa corrente subaérea.

5 Vinícius Duarte Guareschi; Andréa Valli Nummer 191 Cavernas Constitui uma feição endocársticas, pois diferente das formas descritas anteriormente, as cavernas desenvolvem se em subsuperfície, podendo atingir vários metros de profundidade. São muito comuns em áreas cársticas e resultam da percolação da água através de fraturas e fendas nas rochas. Quanto maior o teor de gás carbônico presente na água, maior será o poder de dissolução. O movimento da água no interior da rocha calcária é controlado por linhas de falhas e fraturas, sendo justamente nas paredes destes lineamentos que a corrosão tem início. No interior da caverna é possível distinguir duas zonas de acordo com a movimentação da água. Uma em que a água circula livremente, denominada de zona vadosa, e outra na qual todos os interstícios, ou fissuras estão preenchidos, denominada de zona freática. Nessa zona a água a água circula sob pressão hidrostática. Pseudo Carste A definição do termo carste não se restringe apenas a formas de relevo em rochas carbonáticas, pois rochas de natureza diferentes como sedimentares detríticas e vulcânicas também podem apresentar processos e evolução morfológica semelhantes à das rochas calcárias. Assim, para indicar feições tipicamente cársticas em ambientes que não se enquadravam ao carste propriamente dito, principalmente em termos litológicos que diferem do calcário, acrescenta se a partícula gramatical pseudo aos termos que definem as formas cársticas na sua originalidade. A literatura científica passou a trazer nas publicações termos como pseudo carste, pseudo dolinas, pseudo uvalas, tipo carste entre outros, para designar formas tipicamente cársticas, presentes em regiões de litologias não calcárias (CABRAL, 2004). O termo pseudo carste é usado então para definir relevos tipo cárstico presentes em rochas não carbonáticas, com origem associada a fatores como o derretimento de gelo em geleiras, dissolução em rochas levando a formação de dutos subterrâneos que, ao entrar em colapso, podem formar depressões superficiais; drenagem subterrânea em rochas areníticas que provocam a dissolução dos silicatos relacionada ao processo natural de alteração das rochas; e processos de colapsividade dos solos em sedimentos recentes, entre outros (CABRAL, 2004). Dentre as feições cársticas em rochas não carbonáticas um tipo muito comum são as dolinas, depressões fechadas com contornos circulares ou ovais, com afloramento de rochas e diâmetro superior a profundidade. Em rochas vulcânicas o aparecimento de dolinas fica favorecido quando o substrato rochoso se apresenta na horizontal, sem tectônica dobrável, mas com muitas fraturas e

6 192 Relevos cársticos em rochas não calcárias: uma revisão de conceitos descontinuidades do tipo disjunções verticais e horizontais. São as fraturas que conferem uma permeabilidade ao maciço e podem armazenar água, funcionando como aqüífero fraturado. Outra possibilidade de infiltração e armazenamento de água ocorre na zona de contato entre derrames, onde é comum ocorrer rocha vesicular alterada, brechas vulcânicas, vitrófiros, e disjunções horizontais. A Figura III mostra, em seguida, uma feição cártica tipo uvala formada pela coalescência de três dolinas. Figura III Feição cártica tipo Uvala, formada pela coalescência de três dolinas, no Planalto Vulcânico do Rio Grande do Sul. A ocorrência de dolinas em rochas vulcânicas pode estar associadas à decomposição do vitrófiro, entre os quais um de seus componentes são os feldspatos, um dos primeiros minerais a sofrer alteração na presença da água. Assim, os derrames que apresentam em sua morfologia uma camada superior constituída de vitrófiro no topo, tendem a se intemperizar mais facilmente devido o contato com as águas meteóricas, causando a desagregação estrutural da rocha e promovendo um colapso do solo logo acima, originando uma feição tipo dolina caracterizada por uma microdepressão arredondada no terreno. Feições cársticas em rochas não carbonáticas Muitos autores ao estudarem as feições cársticas em rochas não carbonáticas acrescentam o termo pseudo antes do nome das feições. Entretanto, outros nomeiam as formas baseados na nomenclatura cárstica, mas destacam rocha em que tais feições ocorrem.

7 Vinícius Duarte Guareschi; Andréa Valli Nummer 193 É possível o desenvolvimento de feições cársticas em rochas como arenitos, basaltos, granitos entre outras, desde que o intemperismo químico condicione o surgimento da morfologia. Hardt et al (2009), destacam dois motivos pelo qual durante muito tempo formas cársticas em rochas solúveis foram denominadas pseudo carste. O primeiro, é de origem histórica, posto que o carste foi inicialmente estudado em carbonatos, então adotou se, na definição, que "carste é um relevo que ocorre no calcário". Assim, quando as mesmas formas de relevo eram encontradas em outras rochas, simplesmente designava se tais formas a categoria de não cársticas, sem qualquer estudo feito sobre sua gênese, porque se acreditava que tais formas teriam outra origem que não a dissolução. O segundo motivo, um pouco mais complexo, é com relação aos processos. Uma forma de relevo está associada a determinado processo ou processos formadores. Como o processo de formação do relevo cárstico estava ligado à dissolução do calcário, se a rocha não contém carbonatos, então não seria carste, pois não haveria dissolução destes. O problema é que a dissolução pode ocorrer em outras rochas, com reações químicas diferentes. Neste sentido, pode se considerar carste baseado nas formas originadas e nos processos geoquímicos envolvidos e não apenas nas evidências litológicas. Dessa forma, podemos identificar duas linhas de raciocínio com relação à classificação de um relevo no âmbito da nomenclatura cárstica. Um está baseado no tipo de rocha, e o outro leva em consideração os processos de dissolução e as formas originárias. O primeiro restringe enormemente a inclusão de qualquer forma de relevo, permitindo somente aqueles esculpidos apenas em rochas calcárias, enquanto que o segundo abre a possibilidade para a inclusão de uma vasta gama de feições entalhadas nas mais variadas litologias, desde que as formas se assemelhem as que ocorrem nas rochas calcárias e o processo de dissolução seja o mecanismo responsável. Hardt et al (2009), apresentam dois exemplos de carste no território brasileiro, um na Chapada dos Guimarães (Estado do Mato Grosso) e outro na Serra do Itaqueri (Estado de São Paulo) ambas as áreas inserem se em arenitos. Nas duas áreas destacam se os processos de dissolução do arenito em subsuperficíe originando diversas cavernas. Na Chapada dos Guimarães, os autores atribuem o forte controle estrutural no substrato rochoso como importante fator para a percolação da água promovendo a dissolução do arenito. Foram identificadas diversas formas de dissolução nas superfícies rochosas, associadas ao relevo cárstico, como as ruiniformes e os arcos, bem como morrotes residuais e depressões fechadas, além das próprias cavernas. Neste sentido, os autores admitiram que a área apresenta um comportamento sistêmico, passando a ser vista como um sistema cárstico.

8 194 Relevos cársticos em rochas não calcárias: uma revisão de conceitos Na Serra do Itaqueri, o contexto geológico apresenta cavernas inseridas no Arenito Botucatu, quase sempre associadas a afloramentos de basaltos em posição altimétrica superior as cavidades. A hipótese para a formação de cavernas neste local é baseada na presença de basaltos, o que permitiu num passado mais úmido a ocorrência de aqüíferos com água contendo PH alto (básico) extremamente favorável à dissolução da sílica. Com o rebaixamento do nível freático, as águas abandonaram as cavidades, que perderam sustentação, gerando grandes abatimentos da porção superior. Uma terceira fase da evolução ocorre atualmente, com os condutos estabilizados, porém sofrendo dissolução da na parte superior da cavidade devido à infiltração das águas superficiais. Em outra porção da Serra foram identificadas dolinas largas e rasas com turfeiras no interior. Esta feição está associada possivelmente à dissolução das rochas devido à presença de matéria orgânica na água. Nota se a preferência dos autores pelo uso do pelo uso dos termos referentes às feições cársticas sem a utilização do termo pseudo mesmo em uma área onde predominam arenitos. Uagoda; Avelar; Coelho Netto (2006), descrevem a ocorrência de depressões fechadas em quartzitos na Bacia do Ribeirão Santana, vale do Rio Paraíba, entre os Estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Os autores relatam a ocorrência de feições exocársticas, como torres e dolinas em divisores, feições endocársticas, como dutos e cavernas, e feições epicárstica, depósitos que preenchem os outros dois tipos de feições. Em uma área de 20 Km 2 foram identificadas 41 depressões fechadas, situadas nos divisores de águas e nas encostas das colinas convexo retilíneas especialmente nos topos altimétricos. Observa se a preocupação dos autores em concentrar esforços no entendimento dos processos geomorfológicos associados às formas, bem como estas inserem se e evoluem nas encostas no contexto da bacia de drenagem. Estudando os processos erosivos na Bacia Hidrográfica do Arroio Sarandi no Rio Grande de Sul, Ávila; Nummer; Pinheiro (2010), atribuem os focos de erosão as feições cársticas associadas a fraturas de direção preferencialmente nordeste. Os autores destacam a ocorrência depressões do tipo dolinas e uvalas, feições típicas de relevos cársticos, na microbacia, porém, como a área não é formada por terrenos calcários, optaram por chamar tais depressões de pseudo dolinas e pseudo uvalas. A geologia local corresponde a arenitos finos a conglomeráticos com estratificações cruzadas acanaladas e planares de pequeno a médio porte. Neste sentido, o surgimento das pseudo dolinas é atribuído à presença de rochas estratificadas com diferenciação textural sendo estas um condicionante geológico favorável à ocorrência de piping, uma vez que o fluxo de água tende a se concentrar em uma determinada camada na qual se originam aberturas em forma de tubos, que podem vir a sofrer colapsos e originar as cavidades na superfície.

9 Vinícius Duarte Guareschi; Andréa Valli Nummer 195 Ao apresentarem uma voçoroca de grandes proporções que ocorre na bacia, os autores atribuem o avanço do processo erosivo na porção côncava da vertente a concentração de linhas de fluxo subterrânea originando dutos internos e como conseqüência, as pseudo dolinas e pseudo uvalas, já os fluxos superficiais seriam responsáveis por aprofundar a incisão erosiva. Observa se a importância dada aos processos cársticos, pois da forma descrita podemos inferir que tratam se de dolinas de abatimento, e que estas feições tem em grande parte forte contribuição para o desenvolvimento e evolução dos processos erosivos na bacia hidrográfica. Também na Depressão Central do Rio Grande do Sul (CABRAL et al., 2004) detectaram a presença de pequenas depressões nos topos de colinas e divisores de água, as quais chamaram de pseudo dolinas por não se localizarem diretamente sobre rochas calcárias. É atribuída uma relação direta destas formas com os processos de voçorocamentos nas cabeceiras de drenagem. Anteriormente, Maciel Filho; Cabral; Spinelli (1993a) relacionaram estas formas a processos de dissolução de carbonato de cálcio, óxido de ferro (cimento) e da própria sílica, componentes significativos das estruturas sedimentares na Depressão Periférica. Neste sentido, Cabral et al (2004), afirma que alguns autores consideram que as depressões interfluviais e as próprias voçorocas podem fazer parte do conjunto de formas semelhantes às que ocorrem em rochas calcárias. No entanto, por estarem inseridas em estruturas, rochosas não calcárias, comumente recebem denominações diferenciadas da nomenclatura do sistema de relevo cárstico. Os autores concluem afirmando que levando em consideração a nomenclatura cártica, as depressões interfluviais corresponderiam as pseudo dolinas que, dependendo do material de origem, pluviosidade e uso e ocupação do solo podem evoluir para voçorocas em cabeceiras de drenagem. As depressões interfluviais estão ligadas à ocorrência de voçorocas devido à presença de drenagem subterrânea e a considerável ação química da água em diferentes estruturas permeáveis. Gontan (2002) também constata que na Depressão Periférica do Rio Grande do Sul, as depressões úmidas circulares ocorrem nas partes planas que constituem os divisores de águas das colinas. A autora demonstra preferência pela utilização do termo pseudo dolina pelo motivo das feições não estarem assentadas sobre rochas calcárias. Também são mencionadas depressões abertas, na qual a circularidade rompe devido sua localização em certa declividade, tomando forma alongada. A água extravasa, formando um pequeno canal hidrográfico, originando um curso fluvial de 1º ordem. Devido ao solo arenoso, estas formas evoluem transformando se em grandes voçorocas (GONTAN, 2002). Em rochas vulcânicas são mais escassos os estudos que procuram compreender a origem e evolução de feições cársticas. No Rio Grande do Sul, no Planalto Meridional, constituído por rochas vulcânicas básicas e ácidas Maciel Filho; Cabral; Spinelli (1993b)

10 196 Relevos cársticos em rochas não calcárias: uma revisão de conceitos identificaram a presença de feições de relevo do tipo dolinas na sob condições tectônicas especiais como falhas, fraturas e descontinuidades. No Município de são Martinho da Serra, o autor atribuiu estas feições ao intemperismo químico do vitrófiros. Gontan (2002) afirma que o Planalto Meridional apresenta vários aspectos típicos de terrenos cársticos, sejam as pequenas depressões circulares fechadas (dolinas), lagoas naturais, afloramentos de rochas irregulares (lapiáz) e os pântanos que podem se assemelhar a poljés, embora com dimensões menores. A autora confere estas formas à dissolução parcial da rocha, principalmente o vitrófiro e também o transporte de materiais pela água. Observa se que mesmo a área apresentando formas e processos muito semelhantes aos que ocorrem no carste, a autora optou por tratar tais feições como pseudo cársticas, por não terem seu desenvolvimento em rochas carbonáticas. Considerações Finais O conceito de carste encontra em expansão, pois à medida que mais estudos estão sendo realizados, novas descobertas se apresentam mostrando que os processos de dissolução são responsáveis por uma imensa variedade de formas de relevo em diferentes litologias, porém muito semelhante as que ocorrem em rochas calcárias. Nota se que o conceito vem evoluindo ao longo dos anos. A definição original de carste restringia se a uma variedade de formas de relevo esculpidas apenas em rochas carbonáticas em que o processo de dissolução era o grande responsável. Toda e qualquer feição, por mais semelhante que fosse com as do carste original, mas, que não fosse formada no calcário não seria considerada carste. Mais tarde, de forma gradual, passou se a reconhecer que mesmo rochas que não apresentavam calcário em sua constituição desenvolviam uma diversidade de formas bem parecidas com a do carste em rochas carbonáticas, inferindo se assim que os processos atuantes seriam similares. Estes relevos foram então classificados como pseudo casrte devido à rocha não ser calcário. Como feições cársticas são encontradas nas mais variadas litologias, desde arenitos até rochas vulcânicas, muitos autores vem optando em manter o nome carste juntamente com o nome da rocha a qual a feição está associada, assim surgem denominações como carste em quartzitos, carste e arenito, carste em vulcânicas etc. Gontan (2002) lembra que em debates no V Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada houve consenso de que as feições resultantes de dissolução, mesmo em outra rocha que não calcário, seriam Carste verdadeiro. No entanto, ainda observamos em algumas classificações, uma grande influência dos conceitos tradicionais sobre carste no qual o fator litologia exerce grande controle. Muitos

11 Vinícius Duarte Guareschi; Andréa Valli Nummer 197 autores estudando formas semelhantes a do carste, e considerando a possibilidade de existência de processos geoquímicos de dissolução tanto no exterior como subterraneamente, e uma série de implicações em decorrência de manifestações típicas de áreas cársticas, tais feições ainda são tratadas como pseudo carste por não se desenvolverem sobre rochas carbonáticas. Entretanto, nem tudo pode ser carste, é essencial que algumas condições sejam estabelecidas, como a forte atuação do intemperismo químico na rocha e a existência de formas resultantes típicas de processos geoquímicos de dissolução. Dessa forma, concordamos com Hardt et al. (2009) quando afirmam que não se pode aceitar mais simplesmente atribuir um termo genérico e pouco claro a uma área, denominando a pseudo carste, simplesmente porque não se trata de calcário. Por outro lado, não é porque existem formas que se assemelham ao carste em uma determinada área que é necessariamente carste. O equilíbrio tem de ser encontrado, e a definição se uma determinada área é ou não carste deve ser feita após estudos do relevo e processos que atuam ou atuaram na mesma. Referências AVILA, L, O, de.; NUMMER, A., PINHEIRO, R, J, B. Erosão na Microbacia do Arroio Sarandi: voçoroca do Buraco Fundo, Santa Maria/RS Brasil. In: SEMINÁRIO LATINO AMERICANO DE GEOGRAFIA FÍSICA, 6.; SEMINÁRIO IBERO AMERICANO DE GEOGRAFIA FÍSICA, 2., 2010, Coimbra. Anais... Coimbra: Universidade de Coimbra, p BIGARELLA, J. J.; BECKER, R. D.; SANTOS, G. F. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais. In:. Paisagem Cárstica, vol 1, ed. UFSC: Florianópolis, cap. 5, p CABRAL, I. de L. L. Depressões Interfluviais e voçorocas articuladas a rede de drenagem: O exemplo das Bacias dos Rios Ibicuizinho, Areal do Paredão, Cacequi, Santa Maria e Ibicuí f. Tese (Doutorado em Geografia Física) Universidade de São Paulo, São Paulo, CARVALHO JÚNIOR, O. A.; et al. Ambientes Cársticos. In: FLORENZANO, T.G Geomorfologia: Conceitos e Tecnologias Atuais. São Paulo: Oficina de Textos, p CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2 ed. São Paulo: Edgard Blucher p. FLORENZANO, T. G. Introdução à Geomorfologia. In:. Geomorfologia: Conceitos e Tecnologias Atuais. São Paulo: Oficina de Textos, p GONTAN. J. E. N. Mapeamento e caracterização de feições pseudo cársticas em duas áreas do Rio Grande do Sul, através de técnicas e sensoriamento remoto e SIG f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2002.

12 198 Relevos cársticos em rochas não calcárias: uma revisão de conceitos HARDT, R. et al. Exemplos Brasileiros de carste em arenito: Chapada dos Guimarães (MT) e Serra de Itaqueri (SP). In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ESPELEOLOGIA, 28., 2009, Campinas. Anais eletrônicos... Campinas: SBE, Disponível em: < tema/espeleotema_v20_n1 2_ pdf>. Acesso em: 10 de jun. de KOHLER. H.C. Geomorfologia Cárstica. In: GUERRA. J. T.; CUNHA. S. B. Geomorfologia: Uma Atualização de Bases e Conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005, p MACIEL FILHO, C. L.; CABRAL, I. L. L.; SPINELLI, J. Estruturas Morfológicas de Colápso em Sedimentos Inconsolidados no Rio Grande do Sul. In: SIMPÓSIO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA, 5., 1993a, São Paulo. Anais... São Paulo: Universidade de São Paulo, 1993, p Feições Semelhantes à Morfologia Cárstica no Planalto Vulcânico do Rio Grande do Sul. In: SIMPÓSIO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA, 5., 1993b, São Paulo. Anais... São Paulo: Universidade de São Paulo, 1993, p ROISEMBERG, A.; VIERO, P. A.; O vulcanismo mesozóico da Bacia do Paraná no Rio Grande do Sul. In: HOLZ, M.; ROS, L. Geologia do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Ed. da URGS, 2000, p UAGODA, R. ; AVELAR, A. S.; COELHO NETTO, A, L. Depressões Fechadas em Relevo Cárstico Quartzítico, Bacia do Ribeirão Santana, Médio Vale do Rio Paraíba do Sul. In: Anuário do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ. Vol. 29 2, 2006, p Rio de Janeiro: UFRJ, Disponível em <http://www.anuario.igeo.ufrj.br/anuario_2006_2/anuario_2006_v29_2_87_100.pdf>. Acesso em: 20 de Junho de 2010.

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO Gilvonete Maria Araujo de Freitas 1 ; Max Furrier 1 gilvonetefreitas@bol.com.br

Leia mais

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA 47 CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA Este capítulo se refere ao estudo das estruturas geológicas rúpteis e do resultado de sua atuação na compartimentação morfoestrutural da área. Para tanto, são

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA Wesley Ramos Nóbrega¹, Alexandre dos Santos Sousa¹, Diego Nunes Valadares¹, Max Furrier¹ wesjppb@gmail.com ¹Universidade

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim Evolução da Terra Geografia Prof. Cristiano Amorim Estrutura interna da Terra A estrutura interna da Terra é composta de: Litosfera (50 a 60 km de espessura). Manto (4.600 km de espessura). Núcleo (1.700

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

do substrato gnáissico.

do substrato gnáissico. 55 6.2 - Descrição de eventos locais Informações obtidas em campo possibilitaram a descrição de eventos locais que permitem caracterizar situações práticas relacionadas aos processos erosivos. A presença

Leia mais

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites.

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. 1. Comparação entre as Classificações do Relevo Brasileiro

Leia mais

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade.

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade. CARACTERIZACÃO AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SANGUE, JAURU - MT, VISANDO O LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Aldo Max Custódio (1) ; Ms. Juberto Babilônia de

Leia mais

Classificação de Aroldo de Azevedo

Classificação de Aroldo de Azevedo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo O relevo brasileiro apresenta grande variedade morfológica (de formas), como serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies e outras, - resultado da ação, principalmente,

Leia mais

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução ANÁLISE COMPARATIVA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS SAGRADO E MARUMBI: PRINCIPAIS CONDICIONANTES FÍSICOS PREDOMINANTES NA OCORRÊNCIA DE MOVIMENTOS DE MASSA¹ Universidade Federal do Paraná (UFPR) Juliana

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

Jonathan Kreutzfeld RELEVO BRASILEIRO E FORMAS

Jonathan Kreutzfeld RELEVO BRASILEIRO E FORMAS Jonathan Kreutzfeld RELEVO BRASILEIRO E FORMAS RELEVO BRASILEIRO FORMAS DO RELEVO BRASILEIRO Escudos cristalinos: 36% Bacias sedimentares: 64% Escudos Cristalinos - Armazenamento de jazidas minerais -

Leia mais

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Rafael KÖENE e Mário Sérgio de MELO Universidade Estadual de Ponta Grossa A região de Piraí da Serra é um representante remanescente

Leia mais

XIII - O CICLO DA ÁGUA

XIII - O CICLO DA ÁGUA XIII - O CICLO DA ÁGUA A ocorrência da água: ÁGUA = H 2 O = ao elemento mais abundante na superfície do planeta; é o melhor solvente disponível na natureza; atua no intemperismo químico, físico e na erosão

Leia mais

Ficha de caracterização do meio envolvente da escola

Ficha de caracterização do meio envolvente da escola Ficha de caracterização do meio envolvente da escola 1. Identificação da Equipa Escola: Equipa: Localização Colégio Cidade Roda Os pequenos geólogos Redinha/ Pombal/ Leiria/ Portugal 2. Caracterização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br INTERPRETAÇÃO ATUALISTICA DE MAPAS GEOLÓGICOS INTRODUÇÃO O estudo das rochas tem

Leia mais

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006.

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLOGICA E PA COSTEIRA DE PANAQUATIRA, MUNICIPIO DE SÃO JOSÉ DE RIBAMAR-MA SOUZA, U.D.V¹ ¹NEPA/UFMA, e-mail: ulissesdenache@hotmail.com PEREIRA, M. R. O² ²UFMA, e-mail: mayrajany21@yahoo.com.br

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 5 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO RESUMO

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO RESUMO ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO Ana Maria ALENCOÃO 1 ; Martim R. PORTUGAL FERREIRA 2 RESUMO Na região de Trás-os-Montes e Alto Douro (NE de Portugal)

Leia mais

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Marina Silva Araújo Universidade Federal de Uberlândia marinas.araujo@hotmail.com Vinícius Borges Moreira Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 A crosta, o manto e o núcleo da Terra A estrutura do planeta A Terra é esférica e ligeiramente achatada nos polos, compacta e com um raio aproximado de 6.370 km. Os

Leia mais

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra O que é relevo? O relevo terrestre pode ser definido como as formas da superfície do planeta,

Leia mais

Fatores de formação do solo

Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Clima Organismos Relevo Solo Tempo Material de Origem Fatores de formação do solo: clima Temperatura, precipitação e deficiência e excedente hídrico

Leia mais

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO redução da resistência ao cisalhamento em superfícies potenciais de ruptura devido à poropressão ou mesmo a mudanças no teor de umidade do material; o aumento das forças

Leia mais

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO Ana Karolina de Oliveira Sousa (1); Antônio Sávio Magalhaes de Sousa (2); Maria Losângela Martins de Sousa (3); Eder

Leia mais

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA.

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA. CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO Avelino, E. 1 ; 1 IFBAIANO, CAMPUS CATU Email:ed.avelino@hotmail.com; RESUMO: Esta pesquisa tem o objetivo de mapear as unidades geomorfológicas do município

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5. Pelo Geólogo Josué Barroso

A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5. Pelo Geólogo Josué Barroso A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5 Pelo Geólogo Josué Barroso No Artigo 3 e no Artigo 4, fez-se breves descrições sobre a formação das rochas que estruturam

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO Alessandro de Araújo Cardoso 1,4, Erivelton Campos Cândido 2,4, Daisy Luzia Caetano do Nascimento 2,4, Homero Lacerda 3,4

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESCALA DO TEMPO GEOLÓGICO Organiza os principais eventos ocorridos na história do planeta ERA PRÉ -CAMBRIANA DESAFIO (UEPG) ex. 1 p. 181 - A história e a evolução da

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO Jéssica Cristina Carreira ¹ Graduanda em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Campus de Ji-Paraná. Curso técnico/ profissionalizante

Leia mais

GEOMORFOLOGIA CÁRSTICA NA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO DO PARQUE MUNICIPAL LAGOA AZUL EM SÃO DESIDÉRIO-BA

GEOMORFOLOGIA CÁRSTICA NA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO DO PARQUE MUNICIPAL LAGOA AZUL EM SÃO DESIDÉRIO-BA GEOMORFOLOGIA CÁRSTICA NA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO DO PARQUE MUNICIPAL LAGOA AZUL EM SÃO DESIDÉRIO-BA DANTAS, Robson Braga IFBA/Campus Barreiras (robsonbdantas@yahoo.com.br) ALMEIDA, Luiz Fernando Souza

Leia mais

SUELI YOSHINAGA * LUCIANA MARTIN RODRIGUES FERREIRA ** GERALDO HIDEO ODA* REGINALDO ANTONIO BERTOLO *** MARA AKIE IRITANI* SEIJU HASSUDA*

SUELI YOSHINAGA * LUCIANA MARTIN RODRIGUES FERREIRA ** GERALDO HIDEO ODA* REGINALDO ANTONIO BERTOLO *** MARA AKIE IRITANI* SEIJU HASSUDA* CARTA ORIENTATIVA AO USUÁRIO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA: UMA PROPOSTA DE REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA DE ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS PARA O PLANEJAMENTO TERRITORIAL - REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS, SÃO PAULO, BRASIL.

Leia mais

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir.

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir. ANEXO 5.3 - CARACTERIZAÇÃO DO RELEVO DAS ÁREAS DO PNSB E ZONA DE AMORTECIMENTO A copartientação geoorfológica regional na qual insere-se os tipos de relevo das áreas do PNSB e Zona de Aorteciento é apresentada

Leia mais

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO OCEÂNICA: OS CORDÕES ARENOSOS LITORÂNEOS. Pelo Geólogo Josué Barroso

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO OCEÂNICA: OS CORDÕES ARENOSOS LITORÂNEOS. Pelo Geólogo Josué Barroso USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO OCEÂNICA: 1-INTRODUÇÃO OS CORDÕES ARENOSOS LITORÂNEOS Pelo Geólogo Josué Barroso No extenso litoral brasileiro, o do Estado do Rio de Janeiro está entre os de maior concentração

Leia mais

Tipos de Poços. escavação..

Tipos de Poços. escavação.. O que é um poço Tubular Chamamos de poço toda perfuração através da qual obtemos água de um aqüífero e há muitas formas de classificá-los. Usaremos aqui uma classificação baseada em sua profundidade e

Leia mais

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS Renato de Lima Hingel 1;3 ; Mônica dos Santos Marçal 2 ; Telma Mendes da Silva 2 rengeografia@yahoo.com.br;

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html 1 de 5 12/8/2009 11:34 O Que é Geofísica? (* Adaptado por C.A. Bertulani para o projeto de Ensino de Física a Distância) Geofísica é o estudo da Terra usando medidas físicas tomadas na sua superfície.

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 6 o ano Unidade 4

Sugestões de avaliação. Geografia 6 o ano Unidade 4 Sugestões de avaliação Geografia 6 o ano Unidade 4 5 Nome: Data: Unidade 4 1. Associe as formas de relevo às suas características. (A) Montanhas (B) Planaltos (C) Planícies (D) Depressões ( ) Superfícies

Leia mais

Geomorfologia. Professor: Cláudio custódio. www.espacogeografia.com.br

Geomorfologia. Professor: Cláudio custódio. www.espacogeografia.com.br Geomorfologia Professor: Cláudio custódio A um quilometro dali havia um morro com um grande desbarrancado a barreira, como se dizia lá no sítio. O Visconde levo-os para lá. Diante da barreira, parou e

Leia mais

Mostrar como a água se infiltra e circula abaixo da superfície sólida da terra, constituindo parte importante do Ciclo Hidrológico.

Mostrar como a água se infiltra e circula abaixo da superfície sólida da terra, constituindo parte importante do Ciclo Hidrológico. ÁGUA SUBTERRÂNEA META Mostrar como a água se infiltra e circula abaixo da superfície sólida da terra, constituindo parte importante do Ciclo Hidrológico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de fundamentos de prospecção mineral e cartografia, julgue os itens a seguir. A abertura de trincheiras e de poços é recomendada para as investigações de subsuperfície em que o material a ser escavado

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o BIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o BIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o BIMESTRE DE 2012 PROF. FERNANDO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS.

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS. UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS. Luiz Antônio de Oliveira Andréa dos Santos Vieira Luiz Antônio de Oliveira. Professor adjunto. Laboratório de Climatologia

Leia mais

LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DE DETALHE COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO EVOLUTIVO DE PROCESSOS EROSIVOS LINEARES

LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DE DETALHE COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO EVOLUTIVO DE PROCESSOS EROSIVOS LINEARES LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DE DETALHE COMO SUBSÍDIO AO Mathias, D.T. 1 ; Nunes, J.O.R. 2 ; 1 FCT - UNESP PRESIDENTE PRUDENTE Email:denertm@yahoo.com.br; 2 FCT - UNESP PRESIDENTE PRUDENTE Email:joaosvaldo@fct.unesp.br;

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Agosto/2009 SDS Edifício Eldorado salas 106/109 CEP 70392-901 Brasília DF Telefax: (61) 3225-2288 E-mail: fneng@fne.org.br

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS OBJETIVOS: Atualização do mapeamento de riscos associados a escorregamentos de encostas; Indicação de tipologias de intervenções

Leia mais

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Serviço Geológico do Brasil SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Autoria: Luiz Fernando Costa Bomfim José Domingos Alves de Jesus junho/2006 OBJETIVOS DESENVOLVER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

Hidrologia Bacias hidrográficas

Hidrologia Bacias hidrográficas Hidrologia Bacias hidrográficas 1. Introdução 2. Bacia hidrográfica 2.1. Definição e conceitos 2.2. Caracterização de bacias hidrográficas 3. Comportamento hidrológico da bacia hidrográfica 3.1. Enxurrada

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

GEOGRAFIA. Provas Comentadas Química 1ª Fase

GEOGRAFIA. Provas Comentadas Química 1ª Fase Geografia 1ª FASE A prova de geografia da primeira fase objetivou avaliar a capacidade dos vestibulandos de fazer uma leitura atenta e adequada de fenômenos naturais e sociais que compõem o quadro da formação

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina.

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Marcio Fernandes Leão UFRJ e UERJ, Rio de Janeiro, Brasil, marciotriton@hotmail.com RESUMO: Em terrenos estudados na

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS Lima, V. (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA) ; Furrier, M. (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA) RESUMO O presente trabalho aborda alguns

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM Manaus 28 de Outubro de 2010 LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO CHIBATÃO MANAUS (AM) 1. INTRODUÇÃO Por solicitação do Ministério Público do Estado

Leia mais

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Roberto Werneck Seara; Benedito de Souza Neto; Fabiano Rossini COPEL

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

Morfologia do Terreno

Morfologia do Terreno Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Morfologia do Terreno Natália Cunha Manuela Raposo Magalhães Maria Manuela

Leia mais

+ Do que xxx e escadas

+ Do que xxx e escadas Reforço escolar M ate mática + Do que xxx e escadas Dinâmica 6 1º Série 2º Bimestre DISCIPLINA Série CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 1ª Campo Geométrico DINÂMICA + Do que xxx e escadas Razões trigonométricas

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24 Profº André Tomasini Brasil: estrutura Geológica e Relevo BRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICA Teoria da Deriva Continental (Alfred Wegener) Pangea. Teoria da Tectônica

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM Constituída pelo conjunto de superfícies que, através de canais e tributários, drenam a água da chuva, sedimentos e substâncias dissolvidas para um canal principal

Leia mais

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO META Apresentar perfis topográficos, mostrando as principais formas geomorfológicas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar os principais

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 O episódio sobre a exploração

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado 2 GEOGRAFIA 01 No Paraná, a Mata de Araucária,

Leia mais

OCEANOGRAFIA INTEMPERISMO

OCEANOGRAFIA INTEMPERISMO OCEANOGRAFIA INTEMPERISMO ANDRÉ LUIZ CARVALHO DA SILVA 2010 - I INTEMPERISMO Segundo BIGARELLA et al. (1994), trata-se de um conjunto de processos no qual as rochas expostas na superfície da Terra são

Leia mais

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS Passos, N.O. (UFBA) ; Melo, D.H.C.T.B. (UFBA) RESUMO Apresenta-se os principais resultados obtidos na

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DO ESTADO DO PARANÁ * OKA-FIORI, C. 1 1 Universidade Federal do Paraná, Professora Doutora, chisato@ufpr.br.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DO ESTADO DO PARANÁ * OKA-FIORI, C. 1 1 Universidade Federal do Paraná, Professora Doutora, chisato@ufpr.br. RESUMO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DO ESTADO DO PARANÁ * OKA-FIORI, C. 1 1 Universidade Federal do Paraná, Professora Doutora, chisato@ufpr.br. SANTOS, L. J. C. 2 2 Universidade Federal do Paraná,

Leia mais

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão 3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão R egião localizada à NE do Estado, com características muito próprias, devido à sua estreita ligação e proximidade

Leia mais

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo É a forma da superfície terrestre, que apresenta variação de nível de um local para outro. Tem uma influência pesada em outros fenômenos, como a urbanização e as atividade

Leia mais

GEOGRAFIA. 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser

GEOGRAFIA. 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser GEOGRAFIA 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser determinada a declividade do terreno e pode ser traçado seu perfil. Observe a figura.

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

GEOGRAFIA-2009. Com base nas informações do texto, na análise do mapa e nos conhecimentos sobre os elementos e fatores geográficos do clima,

GEOGRAFIA-2009. Com base nas informações do texto, na análise do mapa e nos conhecimentos sobre os elementos e fatores geográficos do clima, UFBA UFBA- -2ª2ªFASE FASE 2009 2009-2009 01. A variação climática na superfície terrestre está diretamente ligada à localização de cada região nas diversas latitudes, sendo, portanto, resultante do comportamento

Leia mais

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes.

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. HIDROGRAFIA CONCEITOS Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. Rede hidrográfica: Conjunto de rios. A HIDROSFERA É a

Leia mais

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA Ao observarmos, de forma rápida, a prova de Geografia da segunda fase da UFPR 2014, notamos abrangência nos assuntos abordados e o grau de dificuldade aguardado no concurso

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA Patrocínio: Apoio: A SERRA DA BODOQUENA SURGIMENTO Entre 580 e 540 milhões de anos, havia um supercontinente na Terra chamado de Rodínia. Nos oceanos

Leia mais

Ficha Geoespeleológica

Ficha Geoespeleológica 1-GERAL Ne da Cavidade: N5SM1-0007 Responsável pelo Registro: Augusto Auler Data: Dia: 16 Mês: 03 Ano: 2011 No. de níveis de desenvolvimento: Indiviso 2 3 4 Mapa base: 2C 5D Condição Climática da Coleta:

Leia mais

Mapeamento morfoestrutural e características gerais das Furnas Gêmeas, Município de Ponta Grossa, Campos Gerais do Paraná

Mapeamento morfoestrutural e características gerais das Furnas Gêmeas, Município de Ponta Grossa, Campos Gerais do Paraná Mapeamento morfoestrutural e características gerais das Furnas Gêmeas, Município de Ponta Grossa, Campos Gerais do Paraná Pontes, H.S. (MESTRADO EM GEOGRAFIA - UEPG / GUPE) ; Massuqueto, L.L. (MESTRADO

Leia mais

SOLOS EM ÁREA DE RELEVO SUAVE ONDULADO A ONDULADO DA BACIA DO RIBEIRÃO CHIQUERIRO, GOUVEIA-MG. (1)

SOLOS EM ÁREA DE RELEVO SUAVE ONDULADO A ONDULADO DA BACIA DO RIBEIRÃO CHIQUERIRO, GOUVEIA-MG. (1) SOLOS EM ÁRE DE RELEVO SUVE ONDULDO ONDULDO D BCI DO RIBEIRÃO CHIQUERIRO, GOUVEI-MG. (1) RESUMO SILV, S. M. (2) ;OLIVEIR, C. V. (3) ; BRBOS,. F. (5) Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas

Leia mais

INTERFERÊNCIAS ANTRÓPICAS NOS PROCESSOS MORFODINÂMICOS NA ÁREA DO ASSENTAMENTO RURAL NOVA SUISSA - SANTO AMARO/BAHIA

INTERFERÊNCIAS ANTRÓPICAS NOS PROCESSOS MORFODINÂMICOS NA ÁREA DO ASSENTAMENTO RURAL NOVA SUISSA - SANTO AMARO/BAHIA INTERFERÊNCIAS ANTRÓPICAS NOS PROCESSOS MORFODINÂMICOS NA ÁREA DO ASSENTAMENTO RURAL NOVA SUISSA - SANTO AMARO/BAHIA ALVES, N.M.S. UFS, Cidade Universitária Prof. José Aloísio de Campos, Bloco da Didática

Leia mais

Nome: ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nome: ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Disciplina: Geografia Ano / Série: 6ª ano Professor (a):gabriel Moreira Perona Data: / / 2014 Roteiro de Recuperação Nome: ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria I Revisão do Plano Director Municipal de Caracterização biofísica Leiria Volume II 2004 1. ECOZONAS Ao percorrer o concelho de Leiria de Norte para Sul e de Este para Oeste a paisagem varia. Uma imagem

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PERCEPÇÃO AMBIENTAL NA MICRO BACIA DO CÓRREGO DA ÁGUA QUENTE, SÃO CARLOS SP: ÁREAS DEGRADADAS COMO FATORES DE INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO Karyna D Onofre Neves

Leia mais

CARGO: ENGENHARIA CIVIL II

CARGO: ENGENHARIA CIVIL II MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

Trabalhos Científicos EDITORIAL. Paleotocas na BAND - SC

Trabalhos Científicos EDITORIAL. Paleotocas na BAND - SC Boletim Informativo das Pesquisas do Projeto Paleotocas Número 22 Junho de 2012 Site: www.ufrgs.br/paleotocas Distribuição Dirigida Responsável: Prof. Heinrich Frank Contato: paleotocas@gmail.com Fone:

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES DE RELEVO DO ESTADO DO PARÁ

MAPEAMENTO DE UNIDADES DE RELEVO DO ESTADO DO PARÁ MAPEAMENTO DE UNIDADES DE RELEVO DO ESTADO DO PARÁ Furtado, A.M.M. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ) ; Ponte, F.C. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ) RESUMO Este trabalho é uma análise sumária do mapeamento geomorfológico

Leia mais

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Luís Carvalho Geógrafo Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil luis.carvalho@cm

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES Prof. Marco Pádua Quando a construção se inicia, as fundações começam a ser executadas, os alicerces tomam forma e delimitam os cômodos,

Leia mais

Silva, M. G. 1999 Dissertação de Mestrado

Silva, M. G. 1999 Dissertação de Mestrado 51 5.4 - Processos Atuantes Apesar dos minerais pesados serem indicadores sensitivos da composição mineralógica da área fonte, a composição da assembléia de minerais pesados é afetada por uma variedade

Leia mais

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar A Lua (do latim Luna) é o único satélite natural da Terra, situando-se a uma distância de cerca de 384.405 km do nosso planeta. O feixe de luz, representado pela linha amarela, mostra o período que a luz

Leia mais