IBEF EM REVISTA Informativo do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças - Campinas Edição n 98 - Setembro/2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IBEF EM REVISTA Informativo do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças - Campinas Edição n 98 - Setembro/2007"

Transcrição

1 Pesquisa de Satisfação - 3 Happy Hour (foto) - 4 Compromisso Pela Educação - 9 Entrevista Instituto Ethos - 12 Campinas Informativo do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças - Campinas Edição n 98 - Setembro/2007 Foto Divulgação MERCADO DE AÇÕES Foto Divulgação Diretor vogal de Agronegócio, Felício C. do Prado Jr., comenta os rumos do setor. Pág. 10 José Antonio de A. Filippo, Karina Calicchio e Jaime Augusto da C. Rebelo TRÊS ASSOCIADOS FALAM SOBRE AS NUANCES DA ABERTURA DE CAPITAL, COM AS EXPERIÊNCIAS DE QUEM JÁ VIVEU O PROCESSO, DE QUEM ESTÁ VIVENDO E DO PONTO DE VISTA DOS INVESTIDORES. PÁGS. 5 A 7 RESPONSABILIDADE SOCIAL - A Fórmula & Cia. (foto ao lado), lançou a campanha Remédio Vencido Não Vai Para o Lixo. Pág. 8 Edição_98_Setembro_2007.p65 1 4/9/2007, 15:50

2 Expediente O Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças Ibef é uma entidade sem fins lucrativos, formada por profissionais de finanças, que têm como objetivo o desenvolvimento profissional e social, através do intercâmbio de informações técnicas, dos interesses comuns nos negócios, da efetiva participação, da representatividade institucional e da formação de opinião. A entidade foi fundada no Rio de Janeiro, em Em Campinas, o Ibef foi constituído em 1986, é uma Entidade Pública Municipal (Lei n de 10/09/2004) e conta atualmente com cerca de 400 associados. No Brasil, o Ibef tem entidades também em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Ceará, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Distrito Federal, reunindo cerca de cinco mil associados. O Ibef é filiado a International Association of Financial Executives Institute (IAFEI), organização sediada em Zurique, na Suíça, que congrega mais de 25 mil associados, em 24 países. DIRETORIA EXECUTIVA CAMPINAS 2007/2009 Presidente: Marcos Mello Mattos Haaland Vice-Presidente: Saulo Duarte Pinto Junior Diretor Secretário: Antonio Horácio Klein Diretor Tesoureiro: Nildo Bortoliero Dir. de Admissão e Freqüência: Antonio D. Rubbo Diretora Técnica: Flávia Crosara G. Andrade Diretor de Desenvolvimento: F. Edmir Bertolaccini Diretor Jurídico: Arthur Pinto de Lemos Netto DIRETORES VOGAIS Indústria: Fernando Alves Perches Comércio: Rodrigo Benatti Organismos Públicos: João Batista Pereira Junior Mercado de Capitais: Karina Calicchio Ferreira Serviços: Valdir Augusto de Assunção Entidades Bancárias: Mônica de Cássia F. Gondim Entidades Fin. não Bancárias: Raimundo Danés Securitárias: Milton Fernandes Energia e Meio Ambiente: José A. de Almeida Filippo Agronegócio: Felício Cintra do Prado Jr. Logística: Antonio Bernardes Morey CONSELHO FISCAL EFETIVO Sebastião Carlos Ribeiro,Fernando Magano Henriques,Maurício Juni Ferreira,Carolina C. Castelnovo (suplente),raimundo Besel N. Baptista (suplente) e Helen de Oliveira Coelho (suplente) CONSELHO CONSULTIVO José Roberto Morato (Presidente) Amílcar Amarelo, Francisco José Danelon, Antonia Maria Zogaeb e Antonio Sanches Filho COORDENADORES DE COMISSÕES Tributário: Octávio Teixeira Brilhante Ustra Empresas Familiares: José Luis Finocchio Jr. Controladoria: Líris C. Molena Marchiori Tesouraria: Regina Coeli Velten Crédito/Cobrança: Gislaine Heitmann Tecnologia da Informação: Daniel Maçano Jr. Adm. e Freqüência: José Florêncio da Costa Social / Ética/ Resp. Social: Antonio Sanches Fº, João Carlos Pinto e Arnaldo Rezende Tiragem: exemplares Publicação bimestral do Ibef-Campinas R. Barão de Jaguara, andar conj. 113 Campinas SP CEP Fones: (19) e /Fax: Site: Coordenação Editorial: Antonio Horácio Klein e José Roberto Morato Jornalistas Responsáveis: Edécio Roncon (MTb ) e Vera Graça (MTb ) Apoio: Sonia Milan e Eliane M. Regina Produção Editorial: Roncon & Graça Comunicações Site: Editorial 2 EXPECTATIVA NOS MERCADOS Marcos Haaland- Presidente Ibef-Campinas Estamos atravessando nesses dias um período bastante turbulento para o profissional de finanças. Vivíamos um momento de grande euforia, refletido principalmente pelo forte movimento de companhias acessando o mercado de capitais, com novidades interessantes e freqüentes. Mas, de repente a surpresa vem de onde menos esperávamos, o mercado norteamericano. Um misto de excesso de liquidez com excesso de apetite pelo risco, gerou uma espiral de crédito que começou a desmoronar. O reflexo desse movimento acabou contaminando o mundo todo e estamos apreensivos para identificar o resultado desse movimento, principalmente como ficará o mercado brasileiro.o Brasil apresenta hoje fundamentos bem melhores do que em crises anteriores e existe até um certo sentimento positivo quanto à continuidade do crescimento do País. Mas, com certeza, estamos vivendo agora dentro de um ambiente diferente, mais cauteloso e mais rigoroso. Isso vai impor uma análise mais criteriosa dos investimentos, impactando inclusive a forte expansão dos recentes IPOs. O impacto de uma possível diminuição do crescimento americano e a volatilidade do câmbio serão mais sentidos no próximo ano. COLABORADORES Esse momento acabou exigindo uma maior agilidade e atenção do homem de finanças. O Ibef, cumprindo o seu papel, vem levando aos associados informação e conhecimento exatamente para preparar o profissional para esses momentos. Tivemos no início deste ano eventos relacionados ao mercado de capitais e mais recentemente sobre gerenciamento de risco cambial. Também através dos grupos de trabalho temos levado conhecimento e troca de experiência ao associado. Espero que você, Ibefiano, tenha aproveitado essas oportunidades para estar melhor preparado para as suas atividades. O Ibef estará também, em breve, iniciando a sua segunda pesquisa de Responsabilidade Social Empresarial. Este ano vamos incluir também o tema de Governança Corporativa. Conto com a participação de todos, para termos uma alta qualidade de informação para todos os associados, suas empresas e a sociedade. Em outubro teremos o tão esperado Sócio-Esportivo, este ano no Grande Hotel de Águas de São Pedro. Espero poder me encontrar com você e sua família neste final de semana de surpresas, que estamos preparando especialmente para os ibefianos. Boa leitura a todos. Antonio Horácio Klein - Coordenação Editorial O Ibef Em Revista tem sempre como meta trazer para o associado temas de interesse do mundo das finanças, denominados por nós como fóruns temáticos e colocados nas páginas centrais da publicação. Ressaltamos a colaboração dos associados, que têm disponibilizado seus horários de final de tarde, para participar dos fóruns temáticos. Agradecemos a colaboração na edição anterior, de Antonio Rubbo e Jarib Fogaça, que brilhantemente colocaram suas opiniões sobre o mercado de câmbio no Brasil. Nesta edição, abordando o mercado de ações, os associados, Jaime Augusto da Cunha Rebelo, José Antonio de Almeida Filippo e Karina Calicchio, apresentam as suas opiniões sobre o tema. Destacamos o apoio e o pronto atendimento desses associados e de outros, que com certeza participarão desses fóruns temáticos nas próximas edições, trazendo as suas experiências para todos os associados da entidade. Não podemos falar com todos ao mesmo tempo, o que é impraticável, mas o Ibef Em Revista tem procurado abordar temas de interesse geral e a julgar pela receptividade da edição anterior, o que com certeza se repetirá nessa e nas outras, temos a convicção de estar no caminho certo. O associado é a razão dessa publicação existir. Edição_98_Setembro_2007.p65 2 4/9/2007, 15:50

3 ASSOCIADOS APONTAM RUMOS NA PESQUISA DE SATISFAÇÃO Para entender os anseios e objetivos dos associados, o Ibef-Campinas realiza pela segunda vez a Pesquisa de Satisfação. Na edição de 2006, os associados sugeriram a formação dos grupos de trabalho. Os resultados foram tão positivos que uma segunda pesquisa foi realizada este ano e apresentada à diretoria. O presidente Marcos Haaland destaca os principais pontos dessa nova pesquisa. Ibef - Qual o objetivo do Ibef-Campinas promover anualmente, uma pesquisa de satisfação junto aos seus associados? Essa pesquisa será repetida nos próximos anos? Haaland Nosso objetivo é entender melhor os anseios e demandas dos nossos associados, para incluirmos essas percepções na definição do plano de ação do Ibef, bem como coletar sugestões e idéias para nosso trabalho. Com isso, podemos estruturar programas que gerem maior valor para o associado. Nossa intenção é repetir com freqüência essa pesquisa, inicialmente a cada ano. Ibef - A pesquisa de 2006 apontou para a necessidade da criação de grupos de trabalho, com temas específicos para debate entre os associados. Em seguida, esses temas tornaramse pólos de discussão e aprofundamento técnico, inclusive com a sua coordenação na época. Discorra sobre o desenvolvimento desses grupos. Haaland Inicialmente, a partir de uma demanda detectada pela pesquisa, montamos três grupos de trabalho. Com o bom andamento desses grupos, surgiu uma demanda para mais três. Hoje temos grupos de controladoria, tesouraria, tributário, crédito e cobrança, tecnologia da informação e empresas familiares. Esse trabalho foi bastante positivo, pois envolveu o associado nas discussões, com problemas práticos do dia-a-dia que foram abordados e uma discussão rica entre todos. Um dos pontos importantes são que os temas discutidos são montados pelo próprio grupo, aglutinando o interesse de todos. Ibef -Transcorrido esse período de um ano, como você avalia o estágio atual dos grupos de trabalho e para onde eles ainda podem caminhar, tendo em vista as sugestões apresentadas na pesquisa deste ano? Haaland Os grupos tiveram um ótimo desenvolvimento, influenciados principalmente pela boa condução dos coordenadores, a quem atribuo o sucesso dessa iniciativa. Existe um princípio de rotatividade anual entre os coordenadores, o que é bom para a renovação das ações. Buscamos agora introduzir algum mecanismo de avaliação dos trabalhos mais freqüentemente e principalmente, buscar uma integração entre os grupos para temas de interesse comum. Ibef - Na pesquisa deste ano, quais na sua opinião, são os pontos que merecem ser destacados e receber maior enfoque na atuação da diretoria, nos próximos doze meses? Haaland Os principais pontos de destaque referem-se à manutenção e eventual ampliação dos grupos de trabalho. A participação dos associados está diretamente relacionada à geração de valor e isso precisa ser mantido através da preparação de uma agenda de tópicos de interesse. Outro ponto de atenção é trazer mais associados para participarem dos grupos, pois cerca de dois terços da amostra da pesquisa disseram não participar dos grupos. Também foi destacado o interesse na realização de eventos técnicos, fora dos grupos, o que já foi iniciado este ano com alguns eventos específicos. Ibef - Um dos pontos levantados pelos associados foi a criação de um grupo de esposas. Como a diretoria imagina encaminhar esse tema? Haaland Esse é realmente um desafio, para o Ibef buscar maior participação e envolvimento dos cônjuges nas atividades do Ibef. Inicialmente vamos buscar maior participação e integração dentro da agenda de eventos já definida e eventualmente analisar uma ação específica e direcionada para esse grupo. O próximo passo seria ouvir as demandas e idéias dos cônjuges através de um contato direto. Vamos investigar a melhor maneira de se fazer isso. Ibef - Outro dos pontos de destaque da pesquisa deste ano foi a excelente aceitação da idéia, da entidade promover palestras no horário do almoço das 12h às 14h30, aprovada Pesquisa de Satisfação 2007 apresentada por por 83% dos associados entrevistados. Qual é a avaliação sobre o tema Edgard Fraga à diretoria do Ibef-Campinas e já existem gestões no sentido de trazer palestras para esse horário? Haaland A realização de palestras nesse horário foi realmente bem vista. Isso tem sido a tônica para eventos de grande porte e palestrantes de renome. Acredito que esse tipo de evento é interessante para temas mais abrangentes, envolvendo um grande número de associados, o que se dá somente algumas vezes por ano. Ibef - De maneira geral, como a diretoria do Ibef-Campinas avalia a pesquisa de satisfação de 2007? Haaland Entendemos que o associado tem uma boa avaliação do Ibef e suas atividades. Numa escala de 1 a 5, a nota de grau de satisfação geral foi de 4,4 nessa pesquisa, comparado com 4,0 na pesquisa anterior. Isso mostra que esse instrumento é bastante válido na identificação das demandas e necessidades do associado, que influenciam nos planos traçados para o Ibef. É um ótimo balizador para a diretoria. 3 Edição_98_Setembro_2007.p65 3 4/9/2007, 15:50

4 Happy Hour DESCONTRAÇÃO E INTEGRAÇÃO Descontração, papo informal e muita animação. Assim foi o Happy Hour do Ibef-Campinas, no dia 4 de julho, no Espaço Coronel, com mais de 20 participantes, entre associados e convidados. O Happy Hour do Ibef é um espaço de descontração e interação, tornando-se também um bom momento para o contato com os novos associados da entidade. Nas imagens abaixo, os flagrantes da animação ibefiana. Maria Inês e Edmir Bertolaccini e Antonio Rubbo Animação foi a tônica da confraternização Saulo Duarte Pinto Junior, Luiz Giudicci, Maurício Moralez, José Roberto Migotto e Ramon Molez Neto João Batista Pereira Junior, Antonio Horacio Klein e Saulo Duarte Pinto Junior Maria Inês e Edmir, Ramon Neto, Klein, Álvaro Priviatto, Saulo, Luiz Giudicci, Fabio Garibe, José e Eliane Regina Roberto Migotto, Ramon Molez, João Carlos Pinto, João Batista Pereira Junior, Antonio Klein e Fabio Garibe Antonio Rubbo, Antonio Klein, Saulo Duarte, Luiz Giudicci, Fabio Garibe e José Mario Regina Ramon Molez Neto, João Carlos Pinto, João Batista Pereira Junior e Antonio Klein 4 Edição_98_Setembro_2007.p65 4 4/9/2007, 15:50

5 Fórum Temático AS MÚLTIPLAS NUANCES DO MERCADO DE AÇÕES Qualquer visão que se tenha do mercado de ações - intrincado, desafiador, estimulante ou propulsor do desenvolvimento, não é completa para explicá-lo, em função de suas múltiplas nuances. A única certeza é que não se tem monotonia. Para provar tudo isso e um pouco mais, reunimos os associados Jaime Augusto da Cunha Rebelo, José Antonio de Almeida Filippo (prêmio Equilibrista 2006) e Karina Calicchio. São experiências distintas e marcantes: Jaime vive o momento da primeira oferta pública de ações da empresa onde atua; Filippo traz uma boa história de sucesso e Karina coloca a visão dos investidores desse peculiar mercado. Ibef Por que as empresas abrem o seu capital? José Antonio de Almeida Filippo - Podemos listar alguns motivos, o primeiro é precificar a empresa. Abrir capital é precificar o seu negócio e dar liquidez para ele. Outro aspecto é financiar o crescimento e os projetos da empresa, através do dinheiro do mercado de capitais e não de empréstimos. O ideal é a combinação das duas coisas, para financiar o crescimento de uma companhia. Jaime Augusto da Cunha Rebelo A empresa em que trabalho, a Fertilizantes Heringer, acabou de abrir o capital. Um dos principais motivos da abertura de capital foi a captação de recursos. A empresa cresceu muito nos últimos anos três vezes o que o mercado cresceu. E nós achamos que através da captação de recursos, temos uma oportunidade para acelerar a expansão da empresa. Poderíamos fazê-lo de forma comum, de uma forma sempre orgânica, a empresa não comprou nenhuma outra, mas vemos uma oportunidade bastante interessante no mercado agrícola nos próximos anos, então fomos ao mercado e capitalizamos a empresa para aproveitar esse momento importante do agronegócio. Ibef - Qual o figurino que uma empresa precisa ter para entrar no mercado de ações e quais os aspectos que são determinantes? Filippo - Primeiro, ter uma história boa para contar. Alinhar quais serão os objetivos com os recursos que serão captados. A outra questão é se preparar efetivamente para atender a isso. Contratar assessores sejam próprios das instituições financeiras, advogados e toda a equipe, que vai trabalhar durante a preparação e depois manter esse programa de abertura de Lemos e Associados Advocacia Av. José de Souza Campos, 619 Cep: Campinas São Paulo Brasil capital. O figurino é estar consciente do que se espera pela frente e saber dos desafios. Abertura de capital não é o momento, é um programa de longo prazo. O mais difícil é depois que se abre o capital. Karina Calicchio - Em relação aos investidores, uma empresa quando abre o seu capital, tem que constituir uma diretoria somente para a relação com os investidores e isso é uma das coisas que mantém o sucesso da abertura de capital. Não é só a governança corporativa, mas estar de acordo com as regras exigidas atualmente. O esclarecimento cada vez maior do investidor é que mantém o sucesso da abertura do capital. Jaime - Um ponto mais importante é ter um histórico importante de crescimento. O investidor não vai por recursos na empresa, simplesmente se ela aplicar o seu dinheiro em um banco. Ele aposta o seu dinheiro em uma empresa que vai dar um retorno maior do que teria em uma aplicação comum, com risco totalmente mais baixo. O figurino é a empresa estar estruturada e preparada para criar essa melhora no seu desenvolvimento eco- José Antonio de Almeida Filippo, Karina Calicchio e Jaime Augusto da Cunha Rebelo nômico. As empresas que vão ao mercado e têm sucesso, dividem com os investidores a credibilidade e a confiança para aplicar os seus recursos. O tamanho da empresa tem peso considerável, porque infelizmente por um lado e felizmente por outro, ainda no Brasil a grande maioria dos investidores são estrangeiros em torno de 70 a 75 %. Alguns fundos têm que alocar pessoas no seu portifólio para gerenciar o andamento da empresa. Quando você vai para a abertura de capital com um valor pequeno, você não atrai os fundos gigantes que estão pelo mundo com muita Tel.: (19) Fax: (19) Continua nas páginas 6 e Edição_98_Setembro_2007.p65 5 4/9/2007, 15:50

6 MOMENTOS CRUCIAIS DA ABERTURA DE CAPITAL 6 liquidez, que é tão pequeno o valor que ele vai investir com a participação que ele pode comprar, que eles desistem justamente por ser um valor muito pequeno. Mas vejo que isso no futuro possa ser modificado, quando o brasileiro tiver um pouco mais de confiança nesse mercado acionário. Karina Hoje apenas 10% das pessoas físicas entram nas ofertas publicas iniciais de ações. A análise do investidor brasileiro ainda é muito setorial. Hoje vemos vários fundos de ações setoriais. Tem os fundos de ações setoriais de energia, de telecomunicações e depois parou porque é uma demanda do momento. Então a abertura de capital de uma empresa não pode se basear na opinião do investidor brasileiro. Jaime - Para se ter uma idéia, tem fundos na Europa que nem conversam com empresas que não tenham pelo menos um bilhão de reais, porque eles sabem que não vão ter uma porção de tal maneira que justifique. Portanto a empresa tem ser de um porte suficiente para atrair o interesse deles. É claro que estou estrapolando aqui, a Heringer fez uma oferta pública de ações de 350 milhões. Isso é público. Tivemos contatos com muitos fundos de investidores, bastante representativos tanto na Europa como nos Estados Unidos, mas alguns realmente gigantes não se interessaram. Filippo - O tamanho da empresa tem outro aspecto de influência que é o fator da liquidez. Se tiver um negócio muito pequeno, em uma necessidade de venda você pode não encontrar comprador pra aquilo, o percentual de liquidez é muito importante. Com a nossa experiência da CPFL, na ocasião fizemos a nossa abertura de capital com 300 milhões de dólares, mas a companhia não precisava desse valor para os projetos que estavam associados a essa abertura. Precisava de 250 milhões. A leitura que fizemos do mercado era que um negócio do tamanho da CPFL, deveria ser no mínimo para podermos acessar os mercados internacionais, de 300 milhões de dólares. Os acionistas já controladores colocaram também ações que eles tinham à venda para completar os 300 milhões, para fazer um tamanho de operação que desse uma liquidez mínima a ação, para a pessoa que compra a ação possa ter uma saída em algum momento. Isso é um fator decisório de compra. Ibef Quais são os momentos mais cruciais para a empresa em processo de abertura de capital? Como os futuros acionistas vêem isso? Filippo Começa pela própria decisão de abrir o capital. Depois a forma com que se vai fazer, se no mercado local ou no mercado internacional, que depende do volume que você quer acessar e da necessidade. Se você tem intenções de fazer outras capitações e aumentar o seu volume no futuro é interessante fazer no mercado internacional. Outra questão é a leitura do momento do mercado. No caso da CPFL, desde 2003 vínhamos nos preparando e somente em 2004 abrimos o capital, porque o momento econômico era favorável. Karina - Os acionistas brasileiros ainda associam a bolsa ao mercado especulativo. Mesmo na renda fixa, que é considerado o mercado mais conservador, ainda temos vários riscos como os fundos que têm ações, multimercados, mesmo esse conservador através dos fundos que os bancos oferecem acabam aplicando na Bolsa, não diretamente, mas de forma coletiva. Quando você vai explicar para ele o tipo de investimento que ele deve fazer, você não tem como avaliar uma empresa especificamente. Tem um fundo de ações ou multimercado que tem parte de ações de diversas empresas. Isso fica difícil ele saber, somente um gestor tem como saber. Jaime - O momento mais importante é o acionista ou o controlador estar preparado para dividir o seu ativo ao preço determinado pelo mercado. A outra decisão é a preparação, que tem toda uma parte operacional. Outro momento importante é a definição do preço Quando se vai para a abertura de capital você tem uma série de metodologias, mas você não tem a certeza de quanto efetivamente vale a empresa. Você pode estar vendo alguma coisa, que o seu investidor não vê ou ao contrário. O momento importante é a definição do valor da empresa porque tem muitas coisas, que você não consegue simplesmente quantificar na matemática. É muito importante não subestimar ou superestimar o valor da empresa. O pico do trabalho antes da abertura do capital é realizado cinco a seis meses antes. O desafio maior é manter os principais executivos focados no negócio, para fazer a transição de uma empresa que era fechada para um novo mundo e não ter nenhum distúrbio importante nas atividades operacionais da empresa. É importante manter um líder do projeto, que em geral é o diretor financeiro e de relações com os investidores. Ibef O futuro do mercado de ações no Brasil também passa pela atratividade de alguns setores da economia? Filippo - Por exemplo, se perceber que em algum momento há um amadurecimento das regras regulatórias, aquele segmento pode ser interessante para o investidor. No caso do segmento imobiliário com a queda dos juros, há uma perspectiva que se tenha mais negócios no setor. Outro aspecto importante é que no momento que se abre o capital, quem vende sempre acha que está vendendo barato e quem compra sempre acha que está comprando caro. O sucesso de uma operação dessa Edição_98_Setembro_2007.p65 6

7 MERCADO ACIONÁRIO VIRA OPÇÃO PARA INVESTIMENTOS DE EMPRESAS é sempre encontrar um equilíbrio. É encontrar o máximo e o mínimo e que seja uma percepção certa pelo lado do comprador e do investidor. Se essa entrada é mal feita, com valores muito altos ou muito baixos, você pode comprometer o seu programa e levar anos para se reequilibrar. Jaime - O ideal é o ganha-ganha, que seja justo e que ofereça ao investidor uma perspectiva de crescimento do seu papel, tenha a liquidez e que amanhã ele esteja do seu lado, porque sabe que a empresa fez a coisa justa, não se aproveitou do momento inicial com um preço absurdamente alto e fez ele perder. Uma segunda chance é muito difícil e temos históricos de empresas que tiveram problemas e o resultado é a falta de liquidez e o papel indo lá pra baixo. O investidor espera um retorno maior, mais do que simplesmente aplicar em algo absolutamente sem risco nenhum. Por isso, precisam ser segmentos que ofereçam oportunidades de crescimento. O setor imobiliário é um, o de energia foi muito forte e no caso da Heringer, o segmento agrícola. O momento é muito bom, pois estamos tendo uma forte demanda por bioenergia e alternativas de energias renováveis. Ibef O mercado de ações vive em altos e baixos. A recente crise imobiliária nos Estados Unidos deflagrou pânico nas Bolsas e a possibilidade de contágio dos mercados, incluindo o brasileiro. Foi um espirro na economia mundial ou existe o perigo de uma pneumonia global? Filippo - Podemos ver claramente é que houve um evento, que deflagrou alguns movimentos. A boa notícia é que os mercados estão mais maduros e não caíram tanto e as próprias entidades oficiais, os Bancos Centrais, dos países mais fortes, imediatamente atuaram e têm feito isso, monitorando de perto para que isso não se torne uma coisa mais profunda. Do lado do mercado brasileiro, os fundamentos estão muito fortes e as companhias estão muito mais sólidas. A má notícia é que todo o mercado é global-comunicado. Da mesma forma que você compra facilmente, você vende. Estamos vivendo uma situação de expectativa de que não seja uma situação fora de controle e que essas partes que têm responsabilidade, consigam atuar e manter o mercado sem um brusco ajuste. Karina Pelo lado do investidor, ele sempre foi acostumado a aplicar em curto prazo e com a queda dos juros, está sendo obrigado a olhar para o mercado de ações, para manter um certo ganho. Mas, ainda assim, ele não consegue entender que tem que aplicar a longo prazo, com a possibilidade de ganhar, mas não é uma coisa certa. Qualquer crise que aconteça, provoca medo no investidor. Hoje no Brasil, os fundos imediatamente sofrem com qualquer coisa. O investidor precisa aprender que o mercado de ações é uma coisa para três, quatro anos ou mais. O perfil do investidor brasileiro ainda não é para longo prazo. O investidor vai precisar de um certo tempo para entender isso. Por outro lado, existe uma quantidade de informações muito grande sobre as empresas, que não dá para o investidor assimilar tudo ao mesmo tempo. Falta familiaridade do investidor brasileiro com a Bolsa. A própria Bolsa tem lançado programas para o pequeno investidor, que ajudam nesse sentido. As próprias empresas não viam a Bolsa de Valores como uma forma de financiamento, imaginem os investidores. Jaime Acredito que com menor demanda nos Estados Unidos, eventualmente teremos impacto. Espero que não. Que fique exatamente como o Filippo mencionou. É mais financeiro no momento. Diga-se de passagem, alguns investidores tiveram lucro com suas ações. O investidor, ao vender ações no Brasil, primeiramente escolheu empresas que tiveram um crescimento muito importante no valor de mercado, porque é ali que ele sabe, que mesmo caindo e vendendo um pouquinho a cada dia, está longe ainda, muito acima do que comprou. Ibef As empresas já vêem o mercado de ações como uma forma efetiva para alocarem investimentos e o que precisam fazer para se manter nele? Filippo Sem dúvida, temos um momento inédito no mercado de capitais brasileiro, que é o aumento da possibilidade de se investir em ações. No passado, os juros eram tão altos que o risco que se corria no mercado de ações, para se ter rendimentos mais altos, não pagava a opção que se tinha de comprar um título de renda fixa. Com a queda dos juros você começa avaliar outras coisas de longo prazo, como as ações. Quero acrescentar que, a abertura de capital é um momento muito importante. Mas manter um programa depois é muito difícil. Muitas histórias de fracasso de abertura de capital se dão, porque as empresas não se preparam para o dia seguinte ao IPO (primeira oferta pública de ações). É muito importante manter uma equipe, o padrão e a consistência de informações. Jaime - Um exemplo disso é que nossa empresa, Heringer, abriu seu capital em abril de 2007 e eu pessoalmente, através de conferências ou reuniões com investidores e analistas, tive até esse momento 70 reuniões, o que demandou metade do meu tempo. Tem que alocar recursos, tempo e dedicação, não dê as costas (aos investidores), senão será penalizado severamente. No final da entrevista, todos concordaram que a imagem das senhoras idosas americanas aplicando na Bolsa, pode no futuro próximo, também acontecer no Brasil, provando a expansão desse tipo de investimento. 7 Edição_98_Setembro_2007.p65 7

8 Responsabilidade Social Empresarial REMÉDIO VENCIDO NÃO VAI PARA O LIXO Remédio Vencido Não Vai Para o Lixo. Com esse tema a Fórmula & Cia. Manipulação e Drogaria, de Campinas, mostra que a Responsabilidade Social Empresarial pode surgir na própria atividade cotidiana das organizações e transformar-se em uma grande ação, capaz de mudar atitudes da comunidade. Desde a sua fundação, a Fórmula & Cia. tem procurado adotar um padrão de qualidade e práticas alinhadas com o desenvolvimento sustentável. Como explica o seu fundador e diretor, Marcos Ebert, formado em Engenharia Civil: Até pela minha formação sempre me preocupei com a destinação dos materiais descartáveis provenientes da atividade de manipulação de remédios na farmácia, tais como, a matéria-prima que usamos para análises de qualidade e o produto que está vencido, que têm um destino diferente do lixo comum, isso porque o lixo químico tem um potencial de contaminação diferente. Foi então, que Ebert pensou que, o mesmo descarte correto dos resíduos da farmácia, deveria ser adotado para os remédios vencidos que as pessoas normalmente guardam em casa. LEGISLAÇÃO A equipe da Fórmula & Cia. se debruçou sobre o tema, que mesmo parecendo comum, pouco havia sido dito sobre ele. Como se deve descartar aquele medicamento vencido, que muitas vezes fica parado por muitos anos na nossa casa, sujeito a uma ingestão indevida pelas crianças e pelos adultos ou mesmo pelos animais domésticos? Pois bem, descobriu-se que não existe uma legislação específica sobre como descartar esse medicamento vencido nos domicílios. A conclusão e sugestão mais comum foi que o descarte quando ocorre, é feito simplesmente jogando esses medicamentos na pia ou no vaso sanitário. CONTAMINAÇÃO Ebert afirma que isso é o pior que pode acontecer, já que esses comprimidinhos, todos juntos vão direto das residências e contaminam os lençóis freáticos, atingindo os mananciais de água potável e também o próprio solo. Alguém pode duvidar que algumas centenas de comprimidinhos possam fazer tamanho estrago? O diretor da Fórmula & Cia. concorda que alguns comprimidos não vão comprometer o meio ambiente, mas se cada um dos 180 milhões de brasileiros, jogar apenas um comprimido no vaso sanitário, o estrago pode ser muito grande. Para comprovar a sua tese, ele cita que pesquisas recentes apontam que nas águas do rio Tâmisa, na Inglaterra, já se detecta a presença do princípio ativo fluoxetina, que é um antidepressivo. CAMPANHA Foi assim que a Fórmula & Cia. resolveu estruturar essa campanha inédita. A diretora técnica da empresa, farmacêutica Márcia Piva Cano, afirma que pesquisou muito para levantar informações para esse projeto e chegou a conclusão que a Fórmula & Cia. é a primeira farmácia do Brasil a lançar uma campanha, orientando a população para o descarte correto do remédio vencido domiciliar. A campanha empolgou tanto, que Ebert vem mantendo contatos com a classe política, para que se crie uma legislação específica para esse tipo de descarte de remédio vencido. Embora esperemos, que fabricantes e outras drogarias e farmácias também tomem a iniciativa de recolher esses medicamentos vencidos, antes mesmo dessa legislação, acrescenta o diretor da Fórmula & Cia. Foram quase dois anos gestando essa campanha, que representou investimentos de R$ 12 mil (entre treinamento de funcionários, camisetas alusivas e folhetos e cartazes explicativos). A campanha começou para clientes e população em geral, em junho deste ano, com a 8 Foto Divulgação Consumidora descarta remédio vencido na unidade Fórmula & Cia., da av. Cel.Silva Telles coleta dos remédios vencidos nas duas unidades da Fórmula & Cia. (Av. Coronel Silva Telles, 287 e rua Sacramento, 719). Em três meses foram coletados 120 quilos de remédios vencidos. Para esse trabalho de descarte, a Fórmula conta com a empresa parceira Ambicamp, responsável pela incineração e destino final dos remédios vencidos. A coleta dos remédios vencidos fica disponível para a população em geral até o final de outubro e após essa data, somente será feita para os clientes da Fórmula & Cia., uma vez que o serviço de incineração tem um custo para a empresa. MOTIVAÇÃO Márcia Piva Cano explica que a campanha tem atingido os seus objetivos, uma vez que os clientes já estão vindo às unidades especificamente para descartar os seus remédios vencidos e não para comprar. Quando os clientes sabem sobre os perigos da contaminação do meio ambiente, eles vêm trazer os seus remédios vencidos nas nossas unidades, acrescenta. Ebert afirma que os resultados positivos dessa campanha não se devem apenas ao seu ineditismo, mas também pelo sentimento de responsabilidade social da população e o envolvimento de todos os colaboradores da empresa, incluindo o treinamento do Serviço de Atendimento ao Consumidor (fone ), que respondeu a muitas dúvidas das pessoas sobre como fazer o descarte dos remédios vencidos. A campanha representou um momento importante para a Fórmula, que completa 18 anos em 2007 e está motivando toda a equipe da empresa pelo apoio e elogios dos clientes e da população em geral. Não é uma ação isolada, atuamos com muita responsabilidade e respeito pelos nossos clientes e nossos colaboradores sempre procuram desenvolver ações positivas, inclusive de voluntariado dentro da empresa, o que a direção incentiva, finaliza Marcos Ebert. Ele mesmo acaba de ser empossado, para um segundo mandato, como presidente do Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância (Crami Campinas). Edição_98_Setembro_2007.p65 8

9 Variedades DOAÇÃO, EDUCAÇÃO E PALESTRA SOBRE PLR COMPUTADOR PARA CRECHE ESTRELINHA DO ORIENTE O Ibef-Campinas doou para a creche Estrelinha do Oriente, um computador para utilização na administração da entidade. Essa doação, cujo valor ficou em torno de R$ 1.500,00 faz parte da atuação do Ibef em Responsabilidade Social, que agrega vários tipos de atendimento periódico às entidades assistenciais. No dia 3 de julho, Marcos Haaland, presidente do Ibef, fez a doação à Encarnación Lao, mais conhecida como Helena (na foto), diretora da Estrelinha do Oriente. DESAFIO EDUCACIONAL COMPROMISSO PELA EDUCAÇÃO O programa Compromisso de Campinas Pela Educação foi apresentado pela diretoria da Feac aos diretores e associados do Ibef-Campinas (foto acima), no dia 22 de agosto. O programa tem como objetivo garantir educação básica de qualidade para todos os brasileiros até 2022, ano em que se comemora o bicentenário da Independência do País. Foram apresentadas as metas para se vencer o desafio educacional brasileiro. PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS O diretor da Xtrat Estratégia Empresarial, Marcio Coimbra foi o convidado do Ibef para a palestra Participação nos Lucros e Resultados (PLR), realizada dia 9 de agosto. Coimbra tem diversos cursos e especializações, incluindo pós-graduação em Engenharia Econômica e MBA em Finanças. Como especialista, tem auxiliado empresas a montarem seus próprios programas de PLR e como diretor da Xtrat, assessorou vários laboratórios farmacêuticos associados ao Sindusfarma (Sindicato das Indústrias Farmacêuticas no Estado de São Paulo), para que desenvolvessem seus próprios programas em PLR, já que 42% das empresas se limitavam ao acordo sindical. Na palestra apresentou aspectos da legislação e seus benefícios, conceituação e evolução do programa, além de mostrar o PLR como instrumento de gestão empresarial. Marcio Coimbra, diretor da Xtrat Estratégia Empresarial Edição_98_Setembro_2007.p65 9 9

10 Setor de Agronegócio DIAGNÓSTICO POSITIVO NO LONGO PRAZO Osetor de agronegócio, especialmente no interior de São Paulo, vive o que já se pode chamar do novo ciclo do álcool, com as indústrias ligadas ao segmento de açúcar e álcool em franca expansão. Para 2012, o mercado brasileiro de etanol deve movimentar mais de 15 bilhões de dólares e no mundo todo, a produção de etanol deve saltar dos 50 bilhões de litros em 2006 para 113 bilhões de litros em Para comentar sobre esse momento do setor, o Ibef Em Revista entrevistou o diretor vogal de Agronegócio da entidade, Felício Cintra do Prado Júnior. Ibef - Qual a sua avaliação desse quadro? Felício Cintra do Prado Júnior - Concordo plenamente que o cenário a longo prazo é muito positivo para o setor do agronegócio, em especial, para os produtos relacionados aos biocombustíveis. O Brasil tem condições de produzir a maioria desses produtos com custos muito competitivos em relação aos demais países e a demanda mundial tem crescido de forma mais lenta do que mencionado nos discursos políticos e na mídia em geral, mas ela certamente ocorrerá. Ibef - Esse novo ciclo deve manter essa consistência para se projetar ações no segmento sucroalcooleiro para os próximos 10 anos? Felício Em prazos mais longos o grau de incerteza sempre é maior porque pode ocorrer mudança de tecnologia e de fundamentos econômicos. Mas esse novo ciclo parece muito mais sólido que os anteriores e é essa percepção que tem atraído grupos de investidores de outros setores e de outros países. Ibef - A região de Campinas também pode se beneficiar mais fortemente dessa nova fase do setor? Felício - As empresas de agronegócio da região de Campinas certamente irão se beneficiar desse ciclo positivo que gera bons negócios para toda a cadeia produtiva e até para as empresas que vendem serviços, tecnologia ou que estão ligadas de forma indireta ao setor. Ibef - Especificamente na empresa onde atua, como são as perspectivas de negócios? Felício - A Usina Ester (onde atua como diretorsuperintendente) é uma empresa tradicional, estabelecida há mais de cem anos e que tem obtido resultados que permitem um crescimento moderado, mas bastante sólido. Além de expandir a capacidade de produção em 20% nos próximos três anos a empresa tem um plano de investimento em co-geração de energia elétrica, que já está em execução e que nesta primeira etapa gerará energia suficiente para abastecer uma cidade como Cosmópolis, onde ela está situada. Ibef - Tradicionalmente sabemos que o setor de agronegócios tem uma forte presença familiar nas organizações. Com a necessidade de modernização e inserção nos mercados mundiais, as empresas têm buscado uma gestão mais profissional. Como isso tem se verificado no dia-a-dia? 10 Felício - Essa fase de profissionalização tem se alastrado de forma consistente nas grandes e médias empresas do setor, inclusive naquelas que são controladas pelos grupos brasileiros. Esse processo não tem volta e é benéfico para o setor, na medida em que os principais cargos são ocupados por critérios de competência e qualificação e não em função de parentesco. No modelo mais comum, a família continua participando das decisões estratégicas, através da presença de seus representantes nos Conselhos da Administração. Foto Divulgação Diretor vogal de Agronegócio do Ibef, Felício Cintra do Prado Júnior Ibef - O Sr. acredita que a partir desse novo ciclo do álcool, o setor tem força para alavancar outros segmentos? Felício Esse movimento do setor sucroalcooleiro já provocou impacto em outros segmentos, como a elevação de preços dos imóveis em certas áreas rurais de São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Goiás, dentre outras. Além disso, os fabricantes de equipamentos industriais e agrícolas estão sobrecarregados de pedidos e houve impactos importantes nos setores de fertilizantes, herbicidas e transporte de produtos acabados. Outro setor que tem recebido fortes investimentos é o de cogeração elétrica, pois as usinas instaladas e as novas têm investido pesado em caldeiras, geradores e outros equipamentos utilizados nessa transformação do bagaço de cana em energia elétrica. Ibef - Comparando-se o primeiro semestre de 2006 com o de 2007, qual o percentual que estimaria para o desempenho do setor do agronegócio em São Paulo? Felício O desempenho do setor acabou sendo pior no 1º semestre deste ano, em relação a igual período do ano passado, pois os preços do açúcar caíram cerca de 35% e do álcool aproximadamente 21%, em reais, se comparados com o mesmo período de 2006 de acordo com os indicadores publicados pela Esalq. Outros setores como os ligados ao milho e à soja sofreram menos, mas de uma forma geral, acredito que o resultado não foi satisfatório. Ibef - Como o Sr. avalia o potencial exportador do setor, tendo como fato que o etanol entrou na agenda do biocombustível de vários países, com grande consumo e poder de influência, como os Estados Unidos. Felício O potencial exportador do setor sucroalcooleiro é grande, porque hoje o Brasil exporta cerca de 70% da sua produção de açúcar e responde por quase metade do volume que é negociado internacionalmente. No caso do álcool a exportação hoje é da ordem de 20% da produção, mas existe grande possibilidade de aumento desse volume se países desenvolvidos como Estados Unidos, Japão e alguns países europeus implementarem de forma concreta os planos para adoção do etanol, ao mesmo tempo em que diminuírem as barreiras comerciais que existem principalmente nos Estados Unidos e na Comunidade Européia.Neste cenário os nossos produtos teriam um mercado de dimensão enorme porque os nossos custos de produção são os mais competitivos em termos mundiais. Edição_98_Setembro_2007.p65 10

11 ANIVERSARIANTES Outubro 01 - José Luiz Zambotti 01- Simone A. B. Simão 02-Flávio Saad Maluf 02- Julio Braga Pinto 03- Jaime A. Cunha Rebelo 06- Arthur Pinto de Lemos Netto 06- Valdir Corrêa Grangeia 10- Melissa Marciano 11- Hailton Reco Braga 11- Marcio Filomeno de Oliveira 11- Marcio Rovere 13- Aylton Ardito 13- João Batista de Carvalho 15- Carlos Mario S. Marangão 15- Marco Antonio F. Aguilar 15- Paulo de Tarso P. Junior 16- Isaque F. Pereira Junior 16- João Batista Castelnovo 17- Jelson Felicíssimo 17- Ramon Molez Neto 18- Delcides Barbosa 18- Silvio Quiessi 20- Carlos Eduardo R. Staut 22- Antonio Horácio Klein 22- Dines Schaffer 23- Arnaldo A. Rezende 23- Edson José Miquilini 23- Fabio Garibe 23- José Lopes Vasquez 25- Mario Francisco de Lima 26- Antonio Carlos Lima 26- Walbert Antonio dos Santos 27- Antonio Sanches Filho 27- José Antonio de A. Filippo 27- Christiaan Van Raij 29- Fernando Antonio Mazzoleni Novembro 03-Agnaldo José Pilon 03- Mauricio Rezende 03- Nadir A. Costa 03-Roberto de C. Bandiera 10- José Florêncio da Costa 11- Joaquim Carlos Dias 12- Eduardo Martins Junqueira Novidades 16- Maria de L. V. Garrido 17- Antonio Maria Zogaeb 17- Ercílio Cecco Junior 17- Luis Carlos Maria Solimeo 19- José Roberto Morato 21- Amílcar Amarelo 23- Sergio Santana 24- Marcelo José Baldove 24- Osvaldo Davanço 25- Afonso M. Almeida Moreira 25- Carlos Alberto Samogin 25- Rafael Henrique Monteiro 29- Edgard Machado Filho Agradecimento O 10 Encontro Sócio-Esportivo Regional, do Ibef- Campinas, acontece no período de 26 a 28 de outubro, no Grande Hotel Senac, em Águas de São Pedro. Será um final de semana de muitas atividades. O hotel concedeu, especialmente para esse evento, como cortesia, um welcome drink para o grupo e um banho medicinal no health club, para as mulheres presentes. NOVOS SÓCIOS A diretoria do Ibef-Campinas agradece ao associado Milton Fernandes, diretor vogal Securitário, que conseguiu a renovação do seguro da sede da entidade. O seguro realizado com o Unibanco foi renovado através da JLT do Brasil Corretagem de Seguros. Jaime Augusto da Cunha Rebelo - Fertilizantes Heringer Edmilson Robles Castilla - America Consulting Asses.Estrat.e Financ.Ltda Ibef-Campinas - Entidade de Utilidade Pública Municipal 11 Edição_98_Setembro_2007.p65 11

12 Entrevista PACTO EMPRESARIAL CONTRA A CORRUPÇÃO Ricardo Young A Responsabilidade Social Empresarial tem sido uma das bandeiras do Ibef-Campinas, que busca motivar seus associados para ações que contribuam para o desenvolvimento sustentável. Esse é o tema da entrevista com o presidente do Instituto Ethos, Ricardo Young. A missão do Instituto Ethos, que tem sede em São Paulo, como está registrada no seu site é mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente responsável, tornando-as parceiras na construção de uma sociedade sustentável e justa. Young, 50 anos, é empresário, formando em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, presidente do Conselho Deliberativo do Yázigi Internexus e fundador e presidente por três mandatos da Associação Brasileira de Franquias (ABF). Ele foi membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República, até dezembro de Ibef - Diante desse quadro atual generalizado, de corrupções e falta de ética, como deve se portar o jovem executivo de finanças, que está iniciando a sua carreira? Ricardo Young - Em primeiro lugar, é preciso possuir algo que não se aprende nas escolas, por melhores que sejam. São valores e princípios que, por assim dizer, aprendemos em casa, desde nossa infância, valores que foram reforçados na vida escolar, com amigos, na família, nas relações afetivas. Enfim, é preciso ter caráter. Em seguida, é muito importante que o jovem executivo conheça a legislação que regula e/ou interfere no negócio onde vai atuar. É preciso também que, estando a par da situação, o jovem executivo rapidamente faça um mapeamento das situações de risco do negócio e tente evitá-las ou preveni-las. O jovem executivo também pode ajudar a empresa a instituir políticas de promoção da integridade e de prevenção de práticas de corrupção. Ibef - Qual deve ser o papel desempenhado pelas empresas para que os seus executivos tenham uma conduta ética e alinhada com os valores de uma sociedade que tenta dar um basta na corrupção? Young - A empresa precisa ter regras claras de conduta, disseminadas e assimiladas por seus funcionários e também por todos os públicos com os quais se relaciona. Uma política de integridade pode começar com um Código de Ética e, depois, avançar para a elaboração de regras específicas para os diversos processos. Há empresas que engajam os públicos interessados neste esforço, e o resultado é sempre alentador, porque o comportamento ético vai se espalhando para toda a cadeia produtiva, produzindo um efeito em cascata de boas práticas de governança e transparência nos negócios que chega até a sociedade. 12 Foto Divulgação Ibef - No dia-a-dia das empresas, quais as ações aparentemente inocentes, que levam os executivos e empresários a desvios éticos? Young - Não existem atos inocentes. Qualquer ação realizada fora das leis e do código de ética da empresa é um desvio sério. O problema é que nossa cultura do jeitinho vem sendo complacente com alguns desses ilícitos, sob alegações diversas. Qualquer desvio precisa ser punido. Não é necessário ser uma pena severa, mas a punição é importante para acabar com a idéia de que o crime compensa. Pior que a corrupção é a impunidade. O corrupto produz vítimas, milhões delas. Por que não há merenda nas escolas? Por que os impostos são altos? Por que há desconfiança do consumidor em relação aos agentes econômicos? Por que o mercado de capitais não avança no Brasil? Para as diversas respostas que podemos dar a estas perguntas, em algum momento chegaremos a um lugar comum: porque a corrupção é grande e espalha-se por todos os poros do tecido social. Ibef - Então, tendo em vista este contexto mais macro, como as empresas podem contribuir para um cenário onde a confiança seja recuperada? Young - Acredito que as empresas, como um dos setores mais organizados e poderosos da sociedade, podem e devem assumir a dianteira para mudar as coisas. Até porque há empresas de todos os portes e de várias naturezas listadas nos escândalos recentes e antigos. Uma das maneiras de adotar atitudes de combate à corrupção é assinar o Pacto Empresarial pela Integridade e Contra a Corrupção, articulado pelo Instituto Ethos, pela Patri Relações Governamentais e Políticas Públicas, pelo Fórum Econômico Mundial, pelo Pacto Global da ONU e pelo Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime. Este Pacto estabelece um conjunto de diretrizes e procedimentos que as empresas signatárias se comprometem a voluntariamente adotar no relacionamento com os poderes públicos e com o mercado. A iniciativa foi lançada em 2006 e hoje já conta com 420 empresas e 87 entidades signatárias. Ele surgiu da constatação de que o Brasil não deve continuar pagando o custo social, econômico e político provocado pelos sucessivos casos de corrupção, que periodicamente afrontam o País. Nossa expectativa é que este Pacto, por ser de adesão voluntária, inicie um novo tempo na ética dos negócios. Quem quiser mais informações sobre o Pacto, pode acessar o site E não deixe de visitar o site do Instituto Ethos Edição_98_Setembro_2007.p65 12

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014 Compliance e a Valorização da Ética Brasília, outubro de 2014 Agenda 1 O Sistema de Gestão e Desenvolvimento da Ética Compliance, Sustentabilidade e Governança 2 Corporativa 2 Agenda 1 O Sistema de Gestão

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012. Assunto: Rio+20

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012. Assunto: Rio+20 Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012 Seção: Ser Sustentável Pág.: http://bit.ly/okj5q9 Assunto: Rio+20 Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012 Seção: Ser Sustentável Pág.: http://bit.ly/okj5q9

Leia mais

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS EDITORIAL Bem vindos à nossa pesquisa. No Brasil desde 2000, a Michael Page foi a primeira consultoria internacional de recrutamento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal Discurso 04/12/2003 Dr. Alfredo Setubal Presidente do Conselho de Administração do IBRI - Instituto Brasileiro de Relações com Investidores Boa Noite! Esta cerimônia de final de ano é a minha última à

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Rumo à abertura de capital

Rumo à abertura de capital Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios 15º Encontro Nacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais 4 de julho de 2013 Pontos de partida

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

Rodobens é destaque no website Infomoney

Rodobens é destaque no website Infomoney Rodobens é destaque no website Infomoney Por: Conrado Mazzoni Cruz 19/04/07-09h55 InfoMoney SÃO PAULO - Atualmente, falar sobre o mercado imobiliário brasileiro é entrar na discussão sobre um possível

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso na solenidade de abertura

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 Antes de começar, ressalto apenas que as opiniões que estarei expressando aqui hoje refletem a minha

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final www.aciaanapolis.com.br Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final De 1º a 07 de Fevereiro de 2014 - Ano 09 - Nº 224 - Diretoria 2013/2015 Diretoria da Associação Comercial e Industrial

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Local Conference Call Bovespa Comunicado ao Mercado 28 de março de 2012

Local Conference Call Bovespa Comunicado ao Mercado 28 de março de 2012 Local Conference Call Bovespa Comunicado ao Mercado 28 de março de 2012. Operadora: Boa tarde e bem-vindos a áudio conferência de Comunicado ao Mercado da BM&FBovespa. Neste momento todos os participantes

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Estamos presentes em 20 estados

Estamos presentes em 20 estados http://goo.gl/7kuwo O IDEBRASIL é voltado para compartilhar conhecimento de gestão com o empreendedor do pequeno e micro negócio, de forma prática, objetiva e simplificada. A filosofia de capacitação é

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 DICAS ESSENCIAIS PARA ESCOLHER SUA CORRETORA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009 Responsabilidade Social Empresarial em Empresas Construtoras case Even Ruth Goldberg 04 de junho de 2009 Alinhando conceitos: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E C O N Ô

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Como saber se sua empresa é. Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico

Como saber se sua empresa é. Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico Como saber se sua empresa é Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico Sumário 02 Introdução Presença na estratégia Práticas Pré produção Práticas Produção Práticas Gestão Como verificar 03 04 06 07

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS

FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) abre inscrições para o curso elearning:

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA O que é governança corporativa? Qual o motivo do crescente interesse pela governança corporativa? A quem interessa a governança corporativa? Trata-se de apenas mais um modismo? Francisco

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente?

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente? REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. ALUNA: KETLY LORRAINY R. DE OLIVEIRA PROFESSORA: MARIA PEREIRA DE CALDAS TEMA: CORRUPÇÃO : O QUE EU POSSO FAZER PARA COMBATE-LA

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

MARKETING PARA FAZENDAS

MARKETING PARA FAZENDAS DICAS PRÁTICAS DE MARKETING PARA FAZENDAS Sobre o Porteira Digital O Porteira Digital foi criado com objetivo de fornecer soluções práticas de Marketing para o produtor rural que deseja fazer de seu negócio

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL LINKS PATROCINADOS

PROPOSTA COMERCIAL LINKS PATROCINADOS PROPOSTA COMERCIAL LINKS PATROCINADOS O que você vai encontrar nesta proposta: Problemas comuns em empresas que usam Google Adwords A solução está mais perto do que imagina Por que a Dynamo é a empresa

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC 1ª edição 2005 Realização Apoio CRÉDITOS Produção Ethnos estratégias socio ambientais - ethnosconsultoria@uol.com.br

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

A revolução da excelência

A revolução da excelência A revolução da excelência ciclo 2005 PNQ Foto: Acervo CPFL CPFL Paulista, Petroquímica União, Serasa e Suzano Petroquímica venceram o Prêmio Nacional da Qualidade 2005. A Albras, do Pará, foi finalista.

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim.

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim. INTRODUÇÃO LIVRO: ECONOMIA E SOCIEDADE DIEGO FIGUEIREDO DIAS Olá, meu caro acadêmico! Bem- vindo ao livro de Economia e Sociedade. Esse livro foi organizado especialmente para você e é por isso que eu

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios...

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... Abra e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... anos Chegou a hora de crescer! Conte com a Todescredi e faça bons negócios. Há 5 anos, iniciavam as operações daquela que se tornou a única financeira

Leia mais

A ZONA DE CONFORTO DOS ADVOGADOS: PORQUE OS ESCRITÓRIOS ABANDONAM O SUCESSO.

A ZONA DE CONFORTO DOS ADVOGADOS: PORQUE OS ESCRITÓRIOS ABANDONAM O SUCESSO. A ZONA DE CONFORTO DOS ADVOGADOS: PORQUE OS ESCRITÓRIOS ABANDONAM O SUCESSO. Caro Advogado, Gostaria de começar este artigo com a pergunta mais misteriosa do mundo jurídico: por que alguns escritórios

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS www.empreende.com.br emp@empreende.com.br FAZENDO ACONTECER Programa de ensino de empreendedorismo inovador em nível mundial, desenvolvido

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Elisabeth Gomes elisabeth.gomes@sbgc.org.br Diretora de relações com o governo - SBGC 2º Fórum de Gestão

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O economista Otaviano Canuto discute os obstáculos estruturais que atrasam a inovação na economia brasileira, e aponta possíveis soluções.

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E OS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO A ATUAÇÃO DO IBCPF NESSE CONTEXTO

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E OS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO A ATUAÇÃO DO IBCPF NESSE CONTEXTO PLANEJAMENTO FINANCEIRO E OS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO A ATUAÇÃO DO IBCPF NESSE CONTEXTO Gisele C. Andrade, CFP Rio de Janeiro, Dezembro de 2014 Licença do FPSB para promover a certificação CFP no Brasil

Leia mais

R E G U L A M E N T O 2016

R E G U L A M E N T O 2016 R E G U L A M E N T O 2016 www.asmaiseticasdobrasil.org.br Iniciativa e Realização www.eticanosnegocios.org.br R E G U L A M E N T O INICIATIVA E REALIZAÇÃO A iniciativa e realização desta iniciativa é

Leia mais

Você é comprometido?

Você é comprometido? Você é comprometido? Não, isso não é uma cantada. O que o seu chefe quer saber é se você veste a camisa da organização. Você adora seu trabalho e desempenha suas funções com eficiência, mas não aposta

Leia mais

Paulo Itacarambi 6º Encontro de Lideranças CONFEA Brasília, 21 de fevereiro de 2011

Paulo Itacarambi 6º Encontro de Lideranças CONFEA Brasília, 21 de fevereiro de 2011 Combate à corrupção Promovendo uma economia responsável Paulo Itacarambi 6º Encontro de Lideranças CONFEA Brasília, 21 de fevereiro de 2011 Instituto Ethos Quem somos? Fundado em 1998 Missão Mobilizar,

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

CRA Departamento de Comunicação e Marketing Ata de Reunião 23.10.2008

CRA Departamento de Comunicação e Marketing Ata de Reunião 23.10.2008 CRA Departamento de Comunicação e Marketing Ata de Reunião 23.10.2008 I. Chamada de Ordem Adm. Glaucia Pascoaleto Araujo Conselho Regional dos Administradores de São Paulo. Reunião com Coordenadores dos

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs?

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? QUATRO BARRAS 09/07/2007 Horário: das 13h às 17h30 Local: Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? Grupo 01:

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras. Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011

O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras. Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011 O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011 Resumo Mesa 1 Questão 1 O que dá significado/contribui para a participação do funcionário

Leia mais