Diagnóstico Social do Concelho de Sesimbra

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico Social do Concelho de Sesimbra"

Transcrição

1 Diagnóstic Scial d Cncelh de Sesimbra Relatóri Síntese quipa d Centr de studs Territriais: Walter Rdrigues (Crdenadr) Teresa mr Carla Matias Març de 2005

2 Relatóri Síntese Í N D C 2 NTRDUÇÃ 4 - DNTFCÇÃ DS PRNCPS PRBLMS/ FRGLDDS DS PRNCPS RCURSS/ PTNCLDDS 25 - NTS FNS RCMNDÇÕS STRTÉGCS 1 Centr de studs Territriais

3 Relatóri Síntese NTRDUÇÃ realizaçã d Diagnóstic Scial d Cncelh de Sesimbra decrreu de uma slicitaçã da Câmara Municipal de Sesimbra, n âmbit da implementaçã da Rede Scial n cncelh. apresentaçã d presente Relatóri insere-se, prtant, n âmbit da realizaçã daquele estud. Para além ds critéris de estrit rigr metdlógic, a equipa de investigaçã prpôs-se e prmveu um prcess de Diagnóstic amplamente participad pr um vast cnjunt de actres sciais lcais cm intervençã ns mais variads dmínis de intervençã: saúde, ensin, frmaçã prfissinal, empreg, actividades ecnómicas, txicdependência, alclism, transprtes, acessibilidades, ambiente, rdenament e gestã territrial, acçã scial, habitaçã scial, urbanism, deficiência, juventude, idss, defesa d patrimóni, família, etc. tendend a que as dinâmicas sóci-territriais decrrem da acçã de uma multiplicidade de agentes (públics e privads, de nível central e lcal) que se psicinam num determinad sistema de acçã cm bjectivs, estratégias e interesses própris, frequentemente geradres de cnflitualidades lcais, prcuru-se assegurar também que Diagnóstic fsse amplamente participad pr actres lcais cm enquadraments institucinais e jurídics diferenciads. ssim, mediante recurs a metdlgias participativas, prmveu-se a implicaçã n prcess de Diagnóstic, quer de actres institucinais (administraçã pública lcal, mas também serviçs descncentrads da administraçã central), quer de iniciativa privada nã lucrativa e lucrativa (assciativism cultural, desprtiv, juvenil, ambiental, cívic, cmercial e industrial, religis, etc.) Paralelamente à utilizaçã daquelas metdlgias participativas, recrreu-se também à reclha e análise de um cnjunt alargad de indicadres estatístics, pr frma a aprfundar cnheciment sbre s principais prblemas, necessidade e recurss d cncelh. Neste, cm nutrs estuds, a tarefa de reclha de indicadres de natureza estatística revelu-se, frequentemente, cm uma tarefa árdua e ingrata: carência de infrmaçã desagregada a níveis territriais relevantes; falta de actualidade da infrmaçã frnecida; mrsidade n seu frneciment (e, nalguns cass, nã frneciment da infrmaçã slicitada); cntradiçã entre s dads de diferentes u de uma mesma fnte, etc. pesar da cmplexidade inerente à realizaçã de um Diagnóstic Scial, acredita-se que se cnseguiu pôr em evidência, s principais prblemas e necessidades d cncelh, s eixs mais prblemátics de intervençã, mas também, significativamente, s principais recurss existentes lcalmente. Centr de studs Territriais 2

4 Relatóri Síntese Cm base na identificaçã daqueles prblemas e recurss, investiu-se, simultaneamente, na identificaçã ds principais desafis estratégics que se clcam na prmçã d Desenvlviment integrad d cncelh. Cm a cnvicçã de que a utilidade de um dcument desta natureza está indissciavelmente relacinada cm ganh em terms de capacidade de reflexã estratégica sbre territóri, cnjunt de recmendações estratégicas elabrad decrre nã de um exercíci meramente teóric-analític descntextualizad da realidade lcal, mas, pel cntrári, da reflexã crítica e d cruzament ds prblemas e recurss lcalmente identificads, e da identificaçã ds principais nós prblemátics e bstáculs à intervençã. Mas se a cncepçã das recmendações estratégicas fi nrteada pr critéris de bjectividade, pragmatism e aderência à realidade scial, imprta dizer, em jeit de desafi as agentes lcais, que este é só primeir pass da caminhada, uma vez que a ptimizaçã da intervençã nã é cmpatível cm a externalizaçã de respnsabilidades. Dit pr utras palavras, imprta incrprar na prática rganizacinal e qutidiana, a cnvicçã que a melhria da intervençã scial lcal só será pssível pela articulaçã e cngregaçã de esfrçs e de recurss institucinais em terms de bjectivs e prjects cmuns. Neste sentid, e em frma de primeira recmendaçã, sugere-se que a cncepçã d Plan de Desenvlviment Scial d cncelh de Sesimbra seja nrteada pela definiçã de desafis, bjectivs e prjects exequíveis, que só será pssível se huver, desde lg, uma definiçã rigrsa e pragmática ds recurss (humans, técnics, materiais, lgístics, financeirs) que cada actr scial lcal afectará. Lnge de ser uma perspectiva pessimista, esta tmada de psiçã tem na sua base recnheciment e a identificaçã n cncelh de Sesimbra de um cnjunt alargad de recurss, ptencialidades e prtunidades em terms da prmçã d Desenvlviment Scial d cncelh. É justamente, aliás, a identificaçã dessas ptencialidades que fundamenta, cm se verá, a elabraçã de muitas das recmendações estratégicas. Cm a cncepçã deste Relatóri Síntese pretendeu-se destacar s principais resultads alcançads a lng d Diagnóstic, mas também as recmendações estratégicas para a intervençã. Mas justamente pr se tratar de uma síntese (de um vast manancial de infrmaçã), a leitura deste relatóri nã dispensará a leitura d Relatóri Final de Diagnóstic. 3 Centr de studs Territriais

5 Relatóri Síntese - DNTFCÇÃ DS PRNCPS PRBLMS/FRGLDDS DS PRNCPS RCURSS/PTNCLDDS Cm se explicita n Relatóri de Diagnóstic, na execuçã d Diagnóstic Scial d Cncelh de Sesimbra prmveu-se um prcess amplamente participad pr um vast cnjunt de actres sciais lcais, cm intervençã em váris dmínis de actividade. Decrreu esta pçã da cnvicçã de que a mera análise de indicadres quantitativs (indicadres estatístics) nã pssibilita a identificaçã rigrsa ds principais prblemas e fragilidades, e ds principais recurss e ptencialidades de um territóri. ssim, e atendend a que a identificaçã ds principais prblemas e recurss d cncelh de Sesimbra, assim cm ds desafis estratégics que se lhe clcam, cnstitui bjectiv principal desta parte d Diagnóstic, a análise que se efectua decrre d cruzament analític de tda a infrmaçã reclhida, ist é, quer da infrmaçã estatística descrita e analisada anterirmente, quer de td um utr vast cnjunt e manancial de infrmaçã de natureza qualitativa reclhida junt ds actres sciais lcais cntactads a lng d trabalh. Centr de studs Territriais 4

6 Relatóri Síntese NDCDRS STTÍSTCS QUDR SÍNTS NDCDRS SSMBR SNTG CSTL QUNT D CND PNÍNSUL D STÚBL GRND LSB Área ttal (Km) 195, ,8 14,2 1580,9 1381,6 Densidade ppulacinal 192,6 2896, , ,4 Ppulaçã residente (númer) Taxa de cresciment da ppulaçã residente (%) 37,9-20,1 27,1 108,2 11,6 3,6 Índice de pressã cnstrutiva (%) 18,5 31,5 18,2 5,5 Índice de envelheciment 88,5 263,9 90,5 55,7 107,3 93,4 Taxa de analfabetism (%) 7,8 7,0 5,3 Ppulaçã residente cm ensin superir cmplet (%) 4,8 6,3 10,8 Taxa de abandn esclar (%) 1,5 2,0 1,8 Taxa de saída precce (%) 43,0 37,9 32,6 Taxa de saída antecipada (%) 16,2 15,3 13,8 Taxa de retençã n nsin Básic (%) 11,4 13,5 12,5 Taxa de aprveitament n nsin Secundári (%) 59,9 61,3 60,9 gregads familiares cm 1 pessa (%) 13,9 20,6 14,8 10,5 17, 22,1 gregads familiares cm 5 u + pessas (%) 7,1 6,1 6,3 7,6 6,6 6,2 Famílias cm 2 u + núcles (%) 2,5 2,5 2,3 2,7 2,1 1,9 Taxa de actividade (%) 59,9 47,0 59,5 65,4 Ppulaçã cm 15 u + ans sem actividade ecnómica- estudantes (%) Ppulaçã cm 15 u + ans sem actividade ecnómica refrmads (%) Quadrs Superires da dministraçã Pública, Dirigentes e Quadrs Superires de mpresa (%) specialistas das Prfissões ntelectuais e Científicas (%) 17,6 13, ,5 50,1 56,7 49,2 47,3 8,0 9,5 8,7 7,0 6,0 3,6 7,6 5,3 Principal mei de vida: Trabalh (%) 54,4 42,8 54,6 58,8 Principal mei de vida: Pensã/Refrma (%) 21,2 30,8 21,5 17,1 Pder de cmpra cncelhi (indicadr per capita) 101,9 117,4 158,9 Factr de dinamism relativ 0,8-0,8-1 Ppulaçã residente em lugares até habitantes (%) Índice de ltaçã ds aljaments: aljaments superltads (%) 39,1 16,6 13,3 15,3 15,7 17,5 ljaments de us saznal u secundári (%) 36,9 48, ,9 17,5 10,7 Famílias clássicas aljadas em barracas (%) 0,1 0,4 0,8 Númer de agregads familiares recenseads (habitaçã scial) Númer de agregads familiares nã recenseads (habitaçã scial) Centr de studs Territriais

7 Relatóri Síntese NDCDRS STTÍSTCS QUDR SÍNTS (CNT.) NDCDRS SSMBR SNTG CSTL Ram de actividade ecnómica mais empregadr: Cnstruçã (%) Ram de actividade ecnómica cm mair perda de capacidade empregadra entre 1995 e 2000: Pesca (%) Taxa de cresciment das receitas da htelaria (%) Taxa de cresciment d desempreg registad (%) 30,1-9,2 13,5 QUNT D CND PNÍNSUL D STÚBL 19,2 19,3 GRND LSB Taxa de utilizaçã ds Centrs de Cnvívi (%) 87, Taxa de utilizaçã ds Centrs de Dia (%) 74, ,4 Taxa de utilizaçã ds Serviçs de pi Dmiciliári (%) 81, ,1 33,3 Taxa de utilizaçã ds Lares de dss (%) 92,8 88, Ráci Capacidade/Ppulaçã: Lares de dss 3,1 Ráci Capacidade/Ppulaçã: Centrs de Cnvívi 2,2 Ráci Capacidade/Ppulaçã: Centrs de Dia 2,2 Ráci Capacidade/Ppulaçã: Serviçs de pi Dmiciliári Ráci Capacidade/Ppulaçã: ttal de respstas sciais 2,6 10,2 Prprçã de beneficiáris d RMG (%) 20,1 50,7 29,2 Taxa de cresciment d númer de beneficiáris d RMG (%) Taxa de cresciment de beneficiáris de prestações de desempreg (%) Taxa de cresciment de crianças e jvens acmpanhads pela CPCJ (%) Taxa de cresciment ds utentes d Centr de Saúde (%) -7,3 33,4 28,4 33,1 13,3 21,4 Ráci médics pr mil habitantes 1,2 2,2 6 Ráci enfermeirs pr mil habitantes 0,7 3,2 5 Ráci farmácias pr 10 mil habitantes 1,7 2,0 2,9 Taxa de cresciment d númer de seringas reclhidas nas farmácias dade média de iníci d cnsum de álcl mulheres (ans) dade média de iníci d cnsum de álcl - hmens (ans) dade média de iníci d cnsum de sintétics mulheres- (ans) dade média de iníci d cnsum de sintétics hmens (ans) -78,3-72, , ,4 Centr de studs Territriais 6

8 Neste, cm em qualquer utr territóri, cexistem actres cm interesses e bjectivs diferentes, pr vezes mesm cnflituais entre si. Sesimbra nã é, a este nível, diferente de qualquer utra unidade territrial e, prtant, nalguns dmínis assiste-se à defesa de bjectivs e à tmada de psições que sã fracturantes e plarizadras das piniões lcais. D pnt de vista d planeament da acçã, é imprtante ter presente estas znas de cnflitualidade e de cnsens, na medida em que, uma e utra exigem accinament de recurss diferenciads, pdend representar mesm um frte bstácul à implementaçã de estratégicas de desenvlviment integrad. liás, é justamente pr esta razã que nas grelhas em que se esquematizam s principais prblemas/fragilidades e s principais recurss/ptencialidades, quand determinad prblema u recurs é geradr de dualidade de piniões entre s agentes lcais, tal é explicitamente indicad. Mas, se se encntraram znas de cnflitualidade de interesses, fi pssível encntrar também amplas znas de cnsens, send que estas pdem cnstituir, pr si só, um recurs imprtante para a acçã, pis ptenciam a pssibilidade de criaçã de sinergias entre actres. D pnt de vista d planeament futur da intervençã n cncelh (designadamente Plan de Desenvlviment Scial) imprtará, prtant, implementar metdlgias de trabalh que pssibilitem aferir, para além d grau de cnsens face a uma determinada questã, até que pnt s actres lcais estã efectivamente dispníveis e interessads em mbilizar s seus recurss para determinada acçã. identificaçã daqueles cnsenss e cnflits de interesses decrreu, evidentemente, de aprximações sucessivas a terren, para as quais se tinha definid cm bjectiv priritári a identificaçã ds principais prblemas, mas também ds principais recurss d cncelh. Cm se verá de seguida, pel cruzament da infrmaçã reclhida a lng de td Diagnóstic, fi identificad um leque alargad de prblemas e fragilidades d cncelh. Mas também a este nível, para além ds prblemas, fram identificads um cnjunt ampl de recurss e ptencialidades. ste fact é tã mais relevante quant, nutrs cntexts é pr vezes difícil as própris agentes lcais recnhecerem que, ainda que num quadr de dificuldade e escassez de recurss, há ptencialidades endógenas e exógenas que pderã ser mbilizadas em trn de prjects integrads de prmçã d Desenvlviment Scial. Pr paradxal que pssa parecer, imprta dar cnta que, nalguns cass, a argumentaçã utilizada pels agentes lcais aquand a definiçã ds prblemas, cnstitui em si mesm um recurs para planear da acçã. Cm efeit, e iss é claramente visível nas grelhas-

9 Relatóri Síntese síntese, frequentemente sã designads nã só s prblemas, mas também s seus nexs de causalidade, que, pr si só, se cnfigura cm um ganh imediat em terms d leque de pções que se deverã pririzar em terms da intervençã scial futura. Pese embra essa percepçã pssa ser mais u mens evidente cnsante psicinament de entidades lcais específicas, pel mens de frma latente parece existir a percepçã das relações multi-causais que se estabelecem entre diferentes prblemas sciais, em que uns estã na rigem u surgem cm refrç de utrs, mas também da multi-dimensinalidade de um qualquer prblema. D pnt de vista nã só d diagnóstic, mas da intervençã scial lcal, esta cnvicçã é tã mais relevante quant é ela que sustenta a percepçã da necessidade de intervenções articuladas entre várias instituições lcais. Cm efeit, só pela mbilizaçã de recurss em trn de bjectivs cmuns se pderã impulsinar respstas integradas e glbais a fenómens sciais cmplexs. naliticamente, s principais nós de definiçã de prblemas e fragilidades identificads pels actres sciais, pdem ser sintetizads em dez eixs fundamentais: Mdel de cresciment urbanístic e padrões de Qualidade de Via stratégia(s) de desenvlviment sóci-ecnómic Mbilidade intra e inter-cncelhia Níveis de habilitaçã e de qualificaçã da ppulaçã residente struturas e serviçs de api a grups sciais vulneráveis (crianças; crianças e jvens em risc; famílias desestruturadas; idss; imigrantes) Prestaçã de cuidads de saúde ferta cultural, desprtiva e recreativa Cnsum de substâncias psic-activas entre s jvens (txicdependência e alclism) Cntexts / nquadrament familiar rticulaçã da intervençã lcal Significativamente, alguns daqueles eixs destacaram-se cm transversais a várias áreas de intervençã, que é tã mais relevante quant, cm se afirmu atrás, traduz a cmplexidade ds prblemas sciais, assciada à sua natureza multidimensinal. ssim, cm intuit de nã perder aqueles nexs de causalidade, aquela infrmaçã fi sistematizada e rganizada em nve áreas temáticas. Sã essas grelhas que a seguir se apresentam: Centr de studs Territriais 8

10 Relatóri Síntese PRBLMS FRGLDDS bandn e insucess esclar baix nível de habilitaçã e de qualificaçã da ppulaçã residente nexistência de rede de SP s (Serviçs de Psiclgia e rientaçã) n cncelh insuficiência de técnics especializads/apis educativs (psiclgia, ensin especial, terapeutas da fala, assistentes sciais, etc.) que viabilizem um api scial integrad e cntinuad n espaç esclar às crianças e jvens sinalizads e/u em situaçã de risc (incapacidade das PSS s lcais para darem respsta a tdas as slicitações das instituições de ensin) inexistência de ducadres Familiares e Sciais que façam um acmpanhament e api cntinuad às famílias (famílias desestruturadas) desvalrizaçã da cultura esclar pr parte de alguns jvens e de algumas famílias (fracturante/plarizadr das piniões lcais) inadequaçã ds métds pedagógics a perfil actual ds aluns (métds de ensin puc mtivadres para crianças e jvens) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) absentism de alguns prfessres (cass pntuais) gravidade e extensividade ds prblemas sciais existentes n cncelh (afectand directamente trabalh pssível de ser prmvid nas esclas) escassa prcura d Sistema de Unidades Capitalizáveis pr parte da ppulaçã d cncelh crescente desautrizaçã, pr parte das famílias, d papel d prfessr e da autridade da escla deficiente acmpanhament d percurs esclar das crianças e jvens pr parte das famílias (crescente desrespnsabilizaçã da família) escassa ferta de frmaçã prfissinal/vias prfissinalizantes n cncelh divulgaçã insuficiente da frmaçã prfissinal existente n cncelh escassez de recurss técnics que viabilizem um acmpanhament regular ds frmands na sua transiçã para mercad de trabalh (designadamente, de jvens cm necessidades especiais de educaçã e/u cm percurss esclares prblemátics) baixa adesã à ferta frmativa existente (resistências à frequência de acções de recnversã/qualificaçã prfissinal nã subsidiadas financeiramente) inadequaçã das plíticas educativas (Lei de Bases d Sistema de nsin): inadequaçã face às características e necessidades de determinads aluns (inadequaçã ds plans curriculares, alternativas à via regular de ensin, pré-requisits em terms de esclaridade alcançada, idade, acmpanhament ds frmands, prmçã de acções de frmaçã prfissinal, etc.) aument d desempreg entre licenciads (factr desmtivadr da prssecuçã ds estuds) Carências a nível d parque esclar/sistema educativ carência de estabeleciments de ensin pré-esclar n cncelh (préesclar públic) insuficiência de auxiliares de acçã educativa (Pré-esclar e nsin Básic) carência de esclas d 2º e 3º Cicls e d nsin Secundári na Quinta d Cnde degradaçã física de alguns estabeleciments de ensin n cncelh nã aprveitament d(s) espaç(s) esclar(es) para prmçã de actividades extra-curriculares (cupaçã de temps livres) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) distribuiçã incrrecta ds aluns pelas esclas (excess de aluns nalgumas esclas e déficit de aluns nutras) sub-aprveitament de instalações e equipaments esclares/frmativs (inadequaçã da ferta frmativa prmvida pr alguns serviçs descncentrads da administraçã central: frmaçã prfissinal) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) RCURSS PTNCLDDS Recurss técnics especializads (api de técnics especializads às esclas), pr via de prtcls estabelecids entre as esclas e utrs actres sciais lcais (PSS s, vluntariad, etc.) Dispnibilidade/mtivaçã d pessal dcente/esclas para apiar crianças e jvens cm situações familiares cmplexas Dispnibilidade de alguns empresáris lcais para aclherem/clabrarem cm prjects na área da educaçã e da frmaçã (ex.: estágis) Cnstituiçã d Gabinete de pi Cmunitári na Câmara Municipal de Sesimbra (pr via d recrutament de aluns finalistas d nsin Superir, autarquia prprcinará mais algum api técnic especializad às esclas) Clabraçã e empenhament de algumas ssciações de Pais (designadamente, a nível da manutençã ds TL s) Dispnibilidade de algumas entidades lcais para prmverem e/u apiarem a realizaçã de curss de frmaçã em áreas técnicas especializadas- frmaçã qualificante (mesm entidades cuja actividade principal nã é na área da educaçã/frmaçã) nstalações, equipaments e recurss dispníveis, designadamente, ns serviçs descncentrads da administraçã central: empreg, frmaçã prfissinal, acçã scial) Pssibilidade legal das esclas prmverem curss de acçã prfissinal (prevençã d insucess/abandn esclar precce) Sistema de Unidades Capitalizáveis (entidade cmpetente tem autrizad s curss prpsts) ntervençã / implicaçã das várias instâncias da administraçã lcal (utarquia e Juntas de Freguesia) n dmíni da educaçã/frmaçã (intervençã para além das suas cmpetências legais) Bm relacinament existente entre algumas entidades lcais e s serviçs descncentrads da administraçã central: frmaçã e empreg) Frte empenhament da autarquia n cmbate a insucess esclar (váris cicls de ensin) direccinand a sua intervençã nã só para s jvens (prmçã de acções de frmaçã, cntratualizaçã de estágis, acmpanhament de frmands/estagiáris, etc.), mas também para as famílias (intervençã n cntext familiar) D U C Ç Ã F R M Ç Ã 9 Centr de studs Territriais

11 Relatóri Síntese PRBLMS FRGLDDS RCURSS PTNCLDDS scassez/inadequaçã da ferta frmativa (frmaçã prfissinal) inadequaçã da ferta frmativa existente n cncelh (áreas de frmaçã e níveis de entrada exigids) inexistência de diagnóstic de necessidades de frmaçã n cncelh (inadequaçã da ferta frmativa às necessidades d mercad de trabalh lcal e reginal) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) saznalidade d mercad de trabalh (cndicinante da clcaçã em pst de trabalh ds frmands d cncelh) insuficiência da rede de estágis/empresas que aclham jvens frmands d cncelh (alternativa à via regular de ensin) falta de respsta de alguns serviçs descncentrads da administraçã central (empreg, frmaçã, acçã scial, etc.) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) nã recnheciment, pr parte de alguns empresáris, da mais-valia que pderá representar a qualificaçã da sua mã-de-bra (impediment à frequência de acções de frmaçã qualificante pr parte ds empregads) menr sensibilidade de alguns empresáris lcais para as questões da educaçã e da frmaçã falta de respsta, ds empresáris lcais, as estuds de diagnóstic das necessidades de frmaçã que se têm tentad executar lcalmente descnheciment generalizad entre s empresáris sbre apis existentes ficialmente para prmçã de acções de frmaçã qualificante, pr falta de divulgaçã adequada desses apis incapacidade / descnheciment sbre frmas de apelar à participaçã ds empresáris lcais (necessidade de s saber cativar para estes prcesss) desfasament tempral entre timing de ferta de frmaçã prfissinal pr parte das entidades públicas cmpetentes e an lectiv (an civil vs. n lectiv) Falta de articulaçã da intervençã deficiências na rede de transprtes públics (cndicinante da mbilidade da ppulaçã esclar) inexistência de redes alargadas de trabalh em parceria a nível da ducaçã/frmaçã desarticulaçã entre s váris agentes lcais (entidades ligadas à frmaçã prfissinal e/u empreg, públicas e privadas; empresas, empresáris lcais, instituições de ensin, etc.) falta de articulaçã entre Ministéri da ducaçã e Ministéri d Trabalh e da Segurança Scial (frmaçã prfissinal) scassez de recurss humans, materiais e financeirs incapacidade financeira da autarquia para dar respsta a tdas as slicitações que lhe sã feitas (api às instituições de ensin) plítica restritiva de clcaçã de pessal dcente e nã dcente (incluind apis educativs) pr parte d Ministéri da ducaçã impssibilidade legal das esclas estabelecerem relações cntratuais ( que viabilizaria a minraçã das dificuldades assciadas à escassez/inexistência de técnics especializads em determinadas áreas/apis educativs) falta de respsta d Ministéri da ducaçã às slicitações da autarquia (Pré-sclar e 1º Cicl d nsin Básic) perda d statut de Regiã bjectiv 1 da RLVT (perda de funds cmunitáris aplicáveis, pr exempl, na prmçã de ferta frmativa) nã cumpriment da dministraçã Central ds cntrats-prgrama estabelecids cm a autarquia (bstáculs à edificaçã de nvs estabeleciments de ensin) delegaçã de cmpetências da administraçã central na administraçã lcal, sem transferência de recurss financeirs Parcerias estabelecidas entre a autarquia e diversas entidades lcais e reginais (realizaçã de prjects cm vista a cmbate a insucess esclar, acmpanhament familiar, etc.) Parcerias estabelecidas entre a autarquia e as instituições de ensin, n âmbit das iniciativas de prevençã d abandn esclar e cmbate a insucess esclar desã de crianças e jvens às acções de frmaçã prfissinal prmvidas em mei esclar Valrizaçã crescente pr parte das famílias das acções de frmaçã prfissinal prmvidas em mei esclar ntervençã d Gabinete de pi a mpresári na prcura de adequaçã da ferta frmativa às necessidades da estrutura empresarial lcal (diagnóstic de necessidades de frmaçã) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) Mtivaçã/dispnibilidade pr grande parte ds empresáris lcais para integrarem e participarem em estratégias de desenvlviment d cncelh (incluind vertente educativa e frmativa) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) Metdlgia de despiste rientaçã vcacinal seguid pr algumas entidades ds cncelh (disseminaçã de bas práticas ) Mtivaçã e empenhament ds técnics que fazem api scial nas esclas d cncelh D U C Ç Ã F R M Ç Ã Centr de studs Territriais 10

12 Relatóri Síntese PRBLMS FRGLDDS nexistência, n passad, de uma estratégia de desenvlviment ecnómic integrad para cncelh estratégia de desenvlviment baseada quase em exclusiv n sectr das pescas, na restauraçã e n turism de sl e praia escassez de znas industriais infra-estruturadas/parques industriais n cncelh (cresciment de znas d cncelh enquant znas drmitóri ) nã rentabilizaçã d ptencial agrícla d cncelh acessibilidades intra e inter-cncelhias deficientes (menr ptencial de atracçã de actividade ecnómica) definiçã de estratégias e prjects de desenvlviment de frma puc participada lcalmente falta de articulaçã /articulaçã deficiente cm serviçs descncentrads da administraçã lcal (frmaçã, empreg, acçã scial) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) frac dinamism empresarial n cncelh (puca diversificaçã da actividade ecnómica e fertas de empreg reduzidas) puca abertura pr parte ds agentes lcais para repensarem as suas estratégias de desenvlviment numa perspectiva reginal e nã apenas intra-cncelhia escassez de incentivs à criaçã de actividade ecnómica (administraçã lcal e administraçã central) Cnjuntura ecnómica actual crise n sectr das pescas / prfunda alteraçã n sectr das pescas (desempreg, dificuldades assciadas à recnversã prfissinal ds prfissinais deste sectr, etc.) situaçã ecnómic-financeira difícil de grande parte ds cmerciantes de Sesimbra (assciada também à prgressiva desertificaçã da Vila) situaçã de recessã ecnómica falta de linhas de api financeir para requalificaçã ds espaçs e da actividade cmercial/ nã aprvaçã da candidatura a PRCM (impssibilidade de mairia ds cmerciantes lcais investirem, sem apis financeirs, na requalificaçã ds seus estabeleciments cmerciais) dificuldades d cmérci tradicinal fazer face às grandes superfícies Cnstrangiments à intervençã da dministraçã Lcal dependência da administraçã central n que respeita à execuçã de alguns investiments/prjects (acessibilidades, patrimóni edificad, saneament básic, transprtes, etc.) recurss financeirs que ainda terã que ser canalizads para a resluçã de prblemas de infra-estruturaçã básica d cncelh (prblema assciad a própri mdel de cresciment de parte muit significativa d cncelh áreas de génese ilegal) restrições rçamentais impstas às autarquias pela administraçã central dependência face a decisões nacinais e/u cmunitárias escassez de recurss financeirs que pssibilitem mair dinamizaçã cultural e recreativa n cncelh impssibilidade das autarquias terem uma intervençã directa/um papel n planeament e na gestã de determinadas znas ribeirinhas (jurisdiçã da dministrações prtuárias) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) impssibilidade legal da autarquia exercer frmas de fiscalizaçã sbre actividades hteleiras (cm vista à qualificaçã ds serviçs prestads) RCURSS PTNCLDDS Definiçã, pr parte da autarquia, de uma estratégia de desenvlviment sóci-ecnómic integrada para cncelh: desenvlviment ecnómic-scial, cultural e desprtiv, patrimnial, ambiental, educativ, habitacinal, urbanístic, etc. (fracturante/plarizadr das piniões lcais) Criaçã d Gabinete de Planeament stratégic na autarquia (pçã pr prcesss participads e integrads de planeament) mprtância que Prt de Sesimbra cntinua a ter enquant prt de pesca n cntext nacinal (a dever ser refrçada pelas entidades cmpetentes) Pssibilidade de criaçã de pól tecnlógic n cncelh e parques industriais prjectads para cncelh (criaçã de empreg) Prcura, pr parte de empresáris, de espaçs n cncelh para implantaçã de nvas unidades industriais n cncelh (pr exempl, transfrmaçã de pescad, etc.) nteresse / esfrçs da autarquia na captaçã de actividade ecnómica para cncelh (e, necessariamente, na criaçã de infra-estruturas que pssibilitem a implantaçã dessas actividades) Gabinete de Dinamizaçã das ctividades cnómicas Dinamizaçã / incentiv da autarquia à dinamizaçã de determinadas iniciativas: realizaçã de feiras temáticas, certificaçã de prduts tradicinais reginais, etc... Prjects prevists na área da acessibilidades (melhria das acessibilidades intra e inter cncelhias) Dispnibilidade ds diferentes agentes ecnómics e turístics para debaterem articuladamente estratégias de desenvlviment para cncelh (eventualmente, cnstituiçã de Câmara de Cmérci que envlva tds s sectres ecnómics d cncelh) Ptencial turístic cncelh - turism: principal mtr d desenvlviment integrad d cncelh (patrimóni natural, patrimóni edificad, clima, imagem da vila de Sesimbra enquant vila piscatória, restauraçã, etc.) C T V D D S C N Ó M C S M P R G 11 Centr de studs Territriais

13 Relatóri Síntese PRBLMS FRGLDDS RCURSS PTNCLDDS C Definiçã incrrecta de uma estratégia de desenvlviment turístic dificuldades de estacinament na Vila nvs empreendiments turístics prevists para cncelh (degradaçã d patrimóni ambiental e natural d cncelh e delapidaçã de ptencial turístic d mesm) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) escassa ferta e puc diversificada de actividades culturais e recreativas n cncelh saznalidade da actual actividade turística d cncelh degradaçã de algum patrimóni edificad d cncelh (degradaçã d seu ptencial turístic) prmçã d turism basead apenas n sl e praia (fracturante/plarizadr das piniões lcais) inexistência de estratégia turística que cncilie desenvlviment ecnómic, cm preservaçã d patrimóni natural e cultural d cncelh (apsta num turism de massas) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) descaracterizaçã da Vila de Sesimbra (fracturante/plarizadr das piniões lcais) sub-aprveitament de algumas infra-estruturas existentes n cncelh (ex:. parque de campism) baixa qualidade e diversidade d cmérci tradicinal na Vila de Sesimbra divulgaçã deficiente da ferta turística existente n cncelh (circuits pednais, pnts turístics de relev, actividades de recrei e de recreimarítim, etc...), pr parte d Pst de Turism escassa ferta hteleira (reduzid númer de camas) frac investiment ds cmerciantes lcais em pessal qualificad (saznalidade d turism favrece a cntrataçã de funcináris nã qualificads só durante s meses de verã, cm prejuíz da qualidade d serviç prestad a cliente) baixa qualidade de alguns serviçs prestads n cncelh (baixa relaçã qualidade / preç nalguns estabeleciments hteleirs/restauraçã) falta de cuidad cm que algumas empresas privadas prmvem actividades ligadas a turism ambiental e que cnduzem à degradaçã d patrimóni natural d cncelh escassez de empresas prestadres de serviçs especializads (jardinagem, engmadria, manutençã, etc.) resistências a alargament da área de recrei n Prt de Sesimbra (bstácul a desenvlviment d turism de recrei em Sesimbra) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) baixa habilitaçã e/u qualificaçã da mã-de-bra lcal falta de mtivaçã para frequência de acções de frmaçã/qualificaçã (empresáris lcais, empregads, ppulaçã em geral), cm vista à qualificaçã ds serviçs prestads na actividade cmercial lcal puca receptividade de alguns empresáris e cmerciantes lcais às prpstas de qualificaçã ds seus estabeleciments cmerciais e à qualificaçã ds serviçs prestads (designadamente, mediante a frequência de acções de frmaçã pr eles própris e pels seus funcináris) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) inadequaçã da legislaçã: nrmativs legais nã brigam à psse de carteira prfissinal pr parte de quem trabalha n cmérci, designadamente, na área da restauraçã (bstácul à requalificaçã d atendiment) levada qualidade d pescad (valrizaçã da ferta- Rta Gastrnómica) Ptencial d Prt de Sesimbra para a náutica de recrei (fracturante/plarizadr das piniões lcais) ferta de actividades de animaçã turísticmarítima (ainda cm ptencial de cresciment) Nvs empreendiments turístics prevists para cncelh (dinamizaçã da actividade ecnómica, criaçã de empreg, investiments em terms das acessibilidades, etc.) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) Prjects já realizads e planeads para requalificaçã da Vila de Sesimbra (rerdenament d tráfeg autmóvel, estacinament, empreendiments turístics, etc.) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) Qualidade / imagem d sectr da restauraçã n cncelh (atractiv turístic) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) Dispnibilidade da autarquia para apiar, na medida das suas pssibilidades, as iniciativas privadas cm vista à dinamizaçã da actividade cultural e recreativa n cncelh Cnstruçã d nv quartel da GNR, que pssibilitará a recuperaçã da Frtaleza de Santiag e a sua utilizaçã enquant patrimóni e espaç cultural d cncelh Ptencial em terms de turism ambiental e de espelelgia Ptencial na área d turism de negócis Qualidade da ferta hteleira existente actualmente (camas) Ba relaçã entre a autarquia e as assciações, clectividades e clubes lcais T V D D S C N Ó M C S M P R G Centr de studs Territriais 12

14 Relatóri Síntese PRBLMS FRGLDDS RCURSS PTNCLDDS speculaçã imbiliária (Prmtres imbiliáris privads) efeit pervers d ptencial turístic d cncelh, afectand nã só a Vila de Sesimbra, mas também znas rurais d cncelh reduzida capacidade de intervençã da autarquia n mercad fundiári e imbiliári bjectiv (exclusiv) de lucr pr parte ds prmtres imbiliáris/cnstrutres (em detriment da qualidade das cnstruções, infraestruturas urbanas, etc.) Degradaçã d parque habitacinal da Vila de Sesimbra interesse de alguns prprietáris da degradaçã ds edifícis mais valias pela clcaçã n mercad imbiliári) escassez de Prgramas/incentivs à requalificaçã d parque habitacinal (administraçã central e administraçã lcal) incapacidade ecnómica de alguns agregads para fazer face as custs assciads à requalificaçã das suas habitações envelheciment natural d parque habitacinal dificuldades técnicas assciadas à intervençã em edificad velh e, nalguns cass, muit degradad (custs ecnómics acrescids) Desertificaçã da vila de Sesimbra incapacidade ecnómica de grande parte da ppulaçã lcal para suprtar cust da habitaçã na Vila (especulaçã imbiliária) escassez de recurss financeirs que permitam à autarquia fazer face as elevads valres d mercad imbiliári (bstácul à inversã de tendência para desertificaçã da vila) ausência de medidas de plítica de habitaçã que travem a desertificaçã d centr da vila (inexistência de incentivs à fixaçã de jvens; escassez de linhas de crédit bnificad para requalificaçã ds fgs/edifícis) ferta insuficiente de fgs de habitaçã scial (reduzida capacidade de intervençã da autarquia n mercad fundiári e imbiliári; elevads custs de cnstruçã decrrentes das características físic-mrflógicas d sl; inadequaçã da legislaçã em vigr em funçã ds limites ecnómics que impõe) desequilíbri entre frmas de cupaçã das habitações: residência permanente vs. 2ª habitaçã/aluguer turístic falta de incentivs a mercad de arrendament (tant d pnt de vista ds prprietáris, cm ds inquilins) restrições à cnstruçã de mais habitaçã na vida (cndicinante da pssibilidade de dinamizaçã da vida lcal) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) Descaracterizaçã prgressiva da Vila de Sesimbra cnstruçã (mais u mens recente) de edificad sem relaçã cm a traça/características tradicinais (fracturante/plarizadr das piniões lcais) desequilíbri estétic entre urbanism da Marginal e d casc velh (fracturante/plarizadr das piniões lcais) excessiva densidade de (nva) cnstruçã na vila (fracturante/plarizadr das piniões lcais) Falta de cndições de habitabilidade e de cndições de salubridade de alguns agregads residência em anexs, caves, garagens, sótãs, etc., sem infra-estruturas básicas (instalações sanitárias, etc.) residência em cndições de sbre-cupaçã ds fgs indispnibilidade pr parte de alguns agregads para adaptarem s seus fgs às necessidades de familiares dependentes (idss, deficientes, etc.) Reduzida ferta habitacinal para grups sciais mais carenciads (habitaçã scial) excessiva dependência, pr parte de alguns indivídus/agregads, da autarquia n que respeita à prcura de sluções habitacinais (númer excessiv de slicitações feitas à autarquia, algumas em dmínis ns quais a autarquia nã tem cmpetência legal de intervençã) inadequaçã da legislaçã em vigr (limites de custs regulamentads legalmente sã inadequads face as valres d mercad imbiliári) elevads custs de cnstruçã (assciads a valres d mercad imbiliári aquisiçã de terrens mas também às características físicmrflógicas d sl) pssível desactualizaçã d recenseament existente Cumpriment d Plan Directr Municipal(rdenament territrial e urbanístic; preservaçã d patrimóni natural e ambiental d cncelh) - (fracturante/plarizadr das piniões lcais) nvestiments da autarquia a nível d Planeament stratégic e d Planeament Urbanístic (rdenament territrial) Plan de Gestã mbiental (garante da sustentabilidade futura das áreas de mata e de pinhal/ regeneraçã da mata de Sesimbra) PC Plan de rdenament da rla Csteira Resluçã parcial e/u ttal de alguns prblemas de infra-estruturaçã básica d cncelh ( saneament básic, abasteciment de água, arruaments, acessibilidades, tratament de águas residuais, equipaments clectivs, etc.) que pssibilitará redireccinar alguns ds recurss financeirs para utras áreas de intervençã nvestiments/prjects prevists na área d saneament básic Prgramas e prjects da autarquia cm vista à inversã da tendência de desertificaçã da Vila de Sesimbra (prmçã de Habitaçã Scial) nvestiments da autarquia na cnstruçã de habitaçã scial crd de Clabraçã cm NH Manutençã da estrutura basilar d Centr Históric da Vila (cm pssibilidades de intervençã e recuperaçã de algum edificad degradad) ventual criaçã de incentivs à fixaçã de ppulaçã jvem na Vila Prject de Recnversã da avenida principal da Vila (rerdenament urbanístic: mudança d terminal rdviári, mercad municipal, estacinament, etc.; dinamizaçã da actividade lcal), cncmitantemente cm cnstruçã de nv empreendiment habitacinal (junt a camp de futebl) Prgramas de incentiv/linhas de crédit para requalificaçã de patrimóni habitacinal edificad Ptencial de cresciment urban e ppulacinal d cncelh, mrmente na Quinta d Cnde Nvs prjects / empreendiments urbanístics prevists (cntrapartidas em terms de acessibilidades, saneament básic, preservaçã e regeneraçã ambiental) Cnsciencializaçã e valrizaçã crescente, pr parte da ppulaçã, ds factres de Qualidade de Vida: espaçs verdes, equipaments, serviçs, transprtes e acessibilidades, etc. nvestiments na recuperaçã d patrimóni cultural e arquitectónic d cncelh (cntribut para qualificaçã da imagem d cncelh) Parcerias (pntuais) entre entidades lcais, cm vista à rentabilizaçã das infra-estruturas e equipaments existentes (prtcls, frmais u infrmai, de cedências de espaçs parta prestaçã de serviçs dirigids à cmunidade) H B T Ç Ã U R B N S M 13 Centr de studs Territriais

15 Relatóri Síntese PRBLMS FRGLDDS RCURSS PTNCLDDS Cresciment urbanístic desrdenad mdel de cresciment de parte significativa d cncelh (áreas urbanas de génese ilegal) inexistência, até a um passad recente, de instruments de planeament urbanístic e de planeament estratégic n cncelh (plan de urbanizaçã, plans de prmenr, etc.) escassez de znas industriais infra-estruturadas/parques industriais n cncelh (cresciment de znas d cncelh enquant znas drmitóri ) acessibilidades intra e inter-cncelhias deficientes assimetrias intra-cncelhias (zna rural vs. zna urbana: equipaments, infra-estruturas básicas) extensã d cncelh excessiva densidade de cnstruçã, nã acauteland equilíbri das diversas funções urbanas (excess de cnstruçã sem cntemplar a edificaçã de espaçs públics de lazer e de recrei, espaçs verdes e equipaments) - (fracturante/plarizadr das piniões lcais) incrrect rdenament urbanístic da vila (cnstruçã, dificuldades de estacinament, pluiçã snra, descaracterizaçã da traça riginal, higiene urbana, etc.) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) degradaçã d patrimóni arquitectónic e cultural pressã urbanística crescente na Quinta d Cnde (agravament da tendência de cresciment da freguesia da quinta d cnde enquant zna drmitóri ) Baix padrã de qualidade de vida manutençã de algumas carências a nível de infra-estruturas básicas (saneament básic, abasteciment de água, etc.) manutençã de algumas carências a nível ds serviçs e equipaments clectivs (desprtivs, culturais, esclares, saúde, etc.) escassez de espaçs verdes n cncelh / falta de manutençã ds espaçs verdes existentes barreiras arquitectónicas: grups sciais cm mbilidade reduzida H B T Ç Ã U R B N S M Degradaçã d patrimóni natural e ambiental excessiv cresciment urban: destruiçã de patrimóni ambiental cnslidad e valis (fracturante/plarizadr das piniões lcais) nã cumpriment da lei n que respeita à extracçã de inertes e à repsiçã ds sls nã valrizaçã d patrimóni natural e ambiental d cncelh (falta de api à investigaçã, preservaçã e divulgaçã científica de um patrimóni riquíssim únic n cntext nacinal e mesm eurpeu) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) sub-aprveitament, pr parte das instituições ficiais lcais, de linhas de financiament cmunitárias existentes para prjects e prgramas na área d ambiente scassez de recurss financeirs da autarquia Lei das Finanças Lcais (inadequaçã às especificidades de municípis cm frtes flutuações de ppulaçã residente: 2ª habitaçã,turism) dependência, pr parte da autarquia, da administraçã central para execuçã de alguns investiments/prjects estruturantes (saneament básic, habitaçã, requalificaçã urbanística, acessibilidades, recuperaçã d patrimóni edificad, transprtes, etc.) cnjuntura ecnómica actual gestã incrrecta, pr parte da administraçã central, d 3º Quadr Cmunitári de pi Centr de studs Territriais 14

16 Relatóri Síntese PRBLMS FRGLDDS RCURSS PTNCLDDS Nvs padrões de cnsum emergência de nvs padrões de cnsum (aument d cnsum de drgas sintéticas, drgas que cnduzem a uma rápida degradaçã d sistema nervs central;) menr visibilidade d cnsum das drgas sintéticas (mair dificuldade na detecçã ds cass de cnsum das drgas sintéticas) facilidade de acess às drgas: tráfic (ainda que tráfic nã seja muit visível nas imediações ds espaçs esclares) escassa ferta de actividades culturais e de lazer que afastem s jvens de cmprtaments de risc/falta de alternativas de lazer reduzida prcura d CT pr parte ds cnsumidres de nvas drgas reduzida mtivaçã ds jvens para determinadas práticas/actividades culturais (baixa adesã às actividades existentes) lclism cnsum de álcl na ppulaçã em geral aument d cnsum de álcl entre s jvens (cnsums assciads, sbretud, a lazer, que nã se sentem muit n espaç esclar) aceitaçã scial d cnsum de álcl cnsum elevad de álcl entre alguns txicdependentes em prcess de recuperaçã (herína, ccaína) nsuficiência / inadequaçã de acções de sensibilizaçã, infrmaçã e frmaçã insuficiência de campanhas de infrmaçã e sensibilizaçã para as prblemáticas da txicdependência e d alclism insuficiência de prgramas/prjects de prevençã primária das txicdependências (fracturante/plarizadr das piniões lcais) escassa divulgaçã ds serviçs existentes n cncelh (PT) investiment insuficiente na investigaçã d(s) fenómen(s) da(s) txicdependência(s) Debilidade d enquadrament familiar inserçã de crianças e jvens em cntexts familiares disfuncinais (txicdependência, alclism, vilência dméstica, situações específicas de pbreza e/u exclusã scial, etc.) prcesss de desagregaçã familiar (alteraçã ds valres da família: factr impulsinadr de cmprtaments aditivs pr parte ds jvens) falta de api e acmpanhament psic-scial às famílias puca adesã das famílias às acções e iniciativas de sensibilizaçã e infrmaçã sbre as txicdependências resistência de algumas famílias a aceitarem, numa fase inicial, a existência de prblemas de cnsums ilícits scassez e sub-aprveitament de recurss carências a nível das estruturas e serviçs de reabilitaçã insuficiência de recurss (técnics, financeirs, lgístics) sub-aprveitament, pr parte das assciações lcais, ds funds dispníveis para prmçã de acções de prevençã (ex: PQP) insuficiência de técnics especializads que façam api psic-scial as aluns/esclas: psicólgs, assistentes sciais, etc. sub-aprveitament, pr parte das instituições de ensin, de recurss existentes n cncelh (acções/prjects de prevençã implementads lcalmente; nã encaminhament para PT e/u para CT) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) inadequaçã ds plans curriculares (nã inclusã de áreas temáticas cm a txicdependência, alclism, cmprtaments de risc, denças sexualmente transmissíveis, prevençã, etc.) alterações nas plíticas sciais (dministraçã Central) inexistência / escassez de apis da administraçã lcal para prmçã de acções de prevençã primária, secundária e terciária (txicdependência, denças sexualmente transmissíveis, etc.) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) actual cnjuntura ecnómica (agravament de prblemas sciais, dificuldades acrescidas de inserçã sóci-prfissinal) funcinament deficiente d Prgrama Vida-mpreg resistências, pr parte de alguns empresáris, à inserçã prfissinal de ex-txicdependentes (agravament de situações de vulnerabilidade assciada a baixs níveis de esclaridade/qualificaçã) PT Pst de nfrmaçã a Txicdependentes PT Prgrama de tendiment a Txicdependentes GSC - Grup de ntervençã Sóci-Cmunitária parceria que envlve diversas entidades d cncelh desenvlvend prjects na área da prmçã da saúde (prject multidisciplinar; bm funcinament da parceria) mplicaçã ds serviçs de saúde d cncelh em parcerias efectivas Clabraçã cm CT de Setúbal mplementaçã d Plan Municipal de Prevençã Primária bertura/dispnibilidades de algumas instituições de ensin lcais para prjects/acções n âmbit da prevençã primária Dispnibilidade de algumas assciações e clectividades lcais para integrarem parcerias na área da Prevençã Dispnibilizaçã pr parte d PT de api psicscial às famílias streita clabraçã cm entidades cmpetentes na área das crianças e jvens em situaçã de risc ntegraçã d CT n Centr de Saúde de Sesimbra (experiência pilt de sucess) Dispnibilidade de alguns jvens d cncelh para se implicarem em acções/iniciativas de prevençã n cncelh (grup de pares) ventuais linhas de financiament da dministraçã Central para prmçã de acções de Prevençã (PQP, stratégia Nacinal de Luta Cntra a Drga, apis pntuais d nstitut da Drga e da Txicdependência a acções de prevençã específicas, etc.) Núcle ds Narcótics nónims a funcinar na vila de Sesimbra mplicaçã/dispnibilidade ds órgãs da administraçã lcal (utarquia e Juntas de Freguesia) para prmver/apiar a prmçã de iniciativas n âmbit da prevençã Prjects já implementads n terren pela autarquia pis da administraçã lcal (utarquia e Juntas de Freguesia) às assciações lcais para dinamizaçã de actividades culturais, desprtivas e de lazer T X C D P N D Ê N C L C L S M 15 Centr de studs Territriais

17 Relatóri Síntese PRBLMS FRGLDDS RCURSS PTNCLDDS cessibilidades intra e inter cncelhias deficitárias degradaçã da rede viária (inter-cncelhia) degradaçã da rede viária (intra-cncelhia) falta de alternativa às principais vias d cncelh dificuldades de acess a centr da vila dificuldades de estacinament na vila (cndicinante d ptencial turístic, da dinamizaçã da actividade cmercial, etc.) nadequaçã da rede de transprtes públics às necessidades falta de articulaçã entre s hráris das carreiras urbanas (mbilidade intra-cncelhia) inexistência de veículs adaptads a transprte de deficientes (incumpriment da lei; agravament de situações de vulnerabilidade) insuficiência de carreiras entre a quinta d cnde e as restantes freguesias d cncelh más ligações entre as freguesias d castel e de Santiag e a sede d distrit (Setúbal) inadequaçã ds hráris ds transprtes públics às necessidades da ppulaçã (incluind hráris durante períd esclar) deficientes cndições d terminal rdviári de Sesimbra (lcalizaçã, cndições de abrig) déficit de qualidade ds transprtes públics (veículs, terminal, paragens) inexistência/insuficiência de carreiras urbanas (incluind questã da sbreltaçã) bjectivs de rentabilidade ecnómica que subjaz às empresas de transprtes privadas nã articulaçã entre as diferentes empresas de transprtes clectivs privads que servem cncelh ligaçã ferrviária à margem sul nã prevê servir directamente a sede d cncelh de Sesimbra (ligaçã mais próxima será n Seixal) scassez de recurss dependência da administraçã central n que respeita à execuçã de alguns investiments/prjects estruturantes desinvestiment d estad ns transprtes clectivs públics (cncessã a privads sem garantir a manutençã de padrões mínims de qualidade e de serviç públic ) inexistência/escassez de apis estatais às empresas de transprtes privadas (subsídis à funçã scial das empresas de transprtes privadas) inexistência de uma plítica nacinal de transprtes que incentive/prmva us ds transprtes clectivs em detriment d transprte individual dimensã reduzida da frta municipal (impssibilidade de respsta da autarquia a tdas as slicitações das assciações, clubes e instituições esclares lcais n que respeita à cedência de transprte municipal) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) valrizaçã d transprte privad em detriment d transprte clectiv Prjects (aprvads e/u a decrrer) para melhria estacinament na Vila de Sesimbra Prjects prevists na área da acessibilidades (melhria das acessibilidades intra e inter cncelhias) Ligações razáveis a Lisba Bas ligações entre a freguesia da Quinta d Cnde e s cncelhs d Seixal e de Setúbal (sede de distrit) Dispnibilidade das empresas de transprtes clectivs para manter ainda algumas carreiras urbanas cuja rentabilidade é praticamente nula (ajustand, na medida d pssível, s hráris às necessidades das ppulaçã lcal) stad razável de manutençã da rede rdviária principal Dispnibilidade para articulaçã entre as empresas de transprtes clectivs (passes cmbinads) Perspectiva de ligaçã da FRTGUS à estaçã de Cina (favrecend a freguesia da Quinta d Cnde) Metr de superfície pi lgístic da autarquia às entidades lcais (cedência de transprtes) T R N S P R T S C S S B L D D S Centr de studs Territriais 16

18 Relatóri Síntese PRBLMS FRGLDDS RCURSS PTNCLDDS Crise d mviment assciativ dificuldades financeiras das assciações culturais, recreativas e desprtivas lcais (númer reduzid de assciads e/u númer reduzid de sócis pagantes de qutas; escassez de subsídis; etc. ) crise d assciativism (indispnibilidade para pertença as crps sciais, dinamizaçã de actividades de frma vluntária, etc.) falta de frmaçã dirigida as dirigentes assciativs, animadres, etc. inexistência na autarquia de gabinete de api a mviment assciativ (infrmaçã/api jurídic; api à gestã financeira; prmçã de frmaçã para dirigentes assciativs; guia de recurss sbre linhas de financiament e apis existentes a nível lcal e central; api à realizaçã de candidaturas, etc.) excessiva dependência, pr parte de algumas assciações lcais, d api da autarquia (cncentraçã de grande parte das slicitações na câmara) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) passividade ds dirigentes assciativs (nã prcura de fntes de api/financiament alternativas; prmçã de númer restrit de actividades, etc.) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) débil cultura participativa da ppulaçã prtuguesa (frmaçã cívica) Patrimóni das diferentes assciações, clubes e clectividades lcais (infra-estruturas, equipaments) nvestiments recentes e prjectads em nvas instalações e equipaments desprtivs (pssibilidade de aumentar a ferta desprtiva n cncelh) nvestiments recentes e prjectads em nvas instalações e equipaments culturais (pssibilidade de aumentar a ferta cultural n cncelh) Dispnibilidade da administraçã lcal (utarquia e Juntas de Freguesia) para apiar as assciações, clubes e clectividades lcais (de acrd cm as suas reais pssibilidades) C U L T U R D Falta de articulaçã entre entidades lcais puca articulaçã entre assciações, clubes e clectividades lcais (manutençã de rivalidades que impssibilitam a rentabilizaçã ds recurss existentes) falta de articulaçã entre mviment assciativ cultural e desprtiv lcal, e entre aquele mviment assciativ e utrs actres sciais lcais (instituições de ensin, PSS s, etc.) nã abertura d espaç esclar (designadamente, instalações desprtivas) à cmunidade lcal (fracturante/plarizadr das piniões lcais) puca abertura pr parte de algumas instituições de ensin para clabrar em iniciativas das assciações, clubes e clectividades lcais Desqualificaçã da ferta cultural, recreativa e desprtiva d cncelh imagem scial desqualificada d cncelh em terms de muselgia nã rentabilizaçã d patrimóni edificad d cncelh para prmçã de actividades culturais emblemáticas (castel, cab espichel, etc.) ferta puc diversificada de actividades/events culturais n cncelh (expsições, cncerts, música, teatr, etc.) nã valrizaçã/divulgaçã deficiente das tradições culturais lcais (cegadas, tradições rais, artefacts lcais, tradições ligadas a mar) nã aprveitament de alguns recurss existentes para fins turístics (exempl, calhaus) inexistência de uma plítica cultural da autarquia (fracturante/plarizadr das piniões lcais) degradaçã d patrimóni arquitectónic, históric e cultural d cncelh escassez de infra-estruturas desprtivas/degradaçã de algumas das infra-estruturas existentes ferta desprtiva puc diversificada (cncentraçã da ferta num númer restrit de mdalidades) Dispnibilidade da administraçã lcal (utarquia e Juntas de Freguesia), mas também de assciações culturais lcais, para cntinuar a prmver iniciativas de carácter cultural (perspectiva pedagógica/frmaçã cultural da ppulaçã residente) Dinamism de alguns clubes, assciações e clectividades a nível da ferta cultural e desprtiva nraizament lcal de alguns clubes, assciações e clectividades lcais ferta desprtiva significativa e relativamente diversificada pr parte de algumas assciações e clubes (mdalidades e escalões etáris) feit ptencialmente multiplicadr de prjects realizads em parceria n cncelh (pr exempl, Férias Jvens, envlvend um leque alargad de entidades lcais num prject de efectiva parceria) Patrimóni históric, cultural e arquitectónic d cncelh (investiments recentes e prjectads para recuperaçã deste patrimóni) mplementaçã, pr parte da autarquia, d Prgrama Muselógic d cncelh (valrizaçã integrada d patrimóni cncelhi: recuperaçã d patrimóni edificad; dinamizaçã da ferta cultural, etc.) S P R T 17 Centr de studs Territriais

19 Relatóri Síntese PRBLMS FRGLDDS RCURSS PTNCLDDS Baixa adesã às iniciativas culturais e desprtivas falta de adesã da ppulaçã em geral a iniciativas de carácter cultural (designadamente, as ditas mais eruditas) e/u desprtiv (cndicinante da pssibilidade de diversificaçã da ferta cultural e desprtiva d cncelh) baixa mtivaçã da ppulaçã adulta para a prática cultural e desprtiva baixa mtivaçã ds jvens para a prática cultural indispnibilidade das famílias (tempral u psiclógica ) para acmpanharem crianças e/u jvens para a prática de actividades culturais e desprtivas incapacidade/indispnibilidade de algumas assciações, clubes e clectividades lcais para adaptarem a prmçã de actividades às expectativas e gsts ds jvens (fracturante/plarizadr das piniões lcais) envelheciment da ppulaçã e cupaçã territrial dispersa nas znas rurais d cncelh deficiências na rede de transprtes públics (cndicinante da mbilidade, sbretud, de crianças e jvens) nsuficiência e/u inadequaçã ds equipaments culturais e desprtivs inexistência/escassez de equipaments cberts e devidamente infraestruturads, que pssibilitem, a prmçã de actividades culturais (expsições, teatr, cinema, música, etc.) sbreltaçã de instalações e equipaments desprtivs em determinads períds d dia (cncentraçã de actividades em determinads períds, em funçã, designadamente, ds hráris esclares) falta de instalações e equipaments desprtivs cberts (bstácul à diversificaçã da ferta desprtiva n cncelh) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) carências a nível das instalações e serviçs de api nalguns equipaments desprtivs (balneáris, etc.) manutençã deficitária ds equipaments e infra-estruturas desprtivas existentes / degradaçã de alguns equipaments e infra-estruturas scassez de recurss actual cnjuntura ecnómica perda d estatut de regiã de bjectiv 1 da rlvt (impssibilidade de recrrer a alguns ds funds d prgrama peracinal de cultura pc) terminus d 3º quadr cmunitári de api (2006) escass api da administraçã central a mviment assciativ descnheciment, pr parte de alguns dirigentes assciativs lcais, das linhas de financiament prmvidas pela administraçã central (falta de divulgaçã, dificuldades na aprpriaçã de regulaments e caderns de encargs cmplexs, etc.) puca abertura ds empresáris lcais para apiar mviment assciativ lcal (fracturante/plarizadr das piniões lcais) distribuiçã nã equitativa de verbas pelas diferentes entidades/mdalidades existentes n cncelh (favreciment de umas entidades/mdalidades em detriment de utras) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) mair api a mviment assciativ desprtiv que a mviment assciativ cultural (privilégi d desprt em detriment da cultura ) (fracturante/plarizadr das piniões lcais) ntegraçã na Rede Prtuguesa de Museus (RPM) Pssibilidades de articulaçã da dinamizaçã cultural cm turism Prgrama ditrial da Câmara (investigaçã e divulgaçã d patrimóni cncelhi) Prjects/ nimações lúdic-pedagógicas desenvlvidas junt das esclas d cncelh (passível ainda de mair dinamizaçã) Prtcl estabelecid cm entidades lcais n âmbit da RPM (cedência de bras- arte sacra) Pssibilidade de alargar âmbit das parcerias a nível da valrizaçã e dinamizaçã d patrimóni históric-cultural d cncelh Linhas de financiament para cnstruçã/requalificaçã de equipaments e infra-estruturas desprtivas (dministraçã Central, Funds Cmunitáris) Pssibilidade de candidatura a Funds Cmunitáris pr via da integraçã na Rede Prtuguesa de Museus (RPM) desã de grups sciais específics a iniciativas de carácter cultural invadras n cncelh (expsições, declamaçã de pesia, teatr, etc.) Prmçã, pr parte de assciações e clectividades lcais, de serviçs à cmunidade que nã na área estrita d desprt e da cultura (pr exempl, área da saúde, cedência de espaçs, etc.) Bm relacinament entre a autarquia e as Juntas de Freguesia e mviment assciativ lcal (recnheciment, pela mairia das assciações lcais, d esfrç da autarquia e das Juntas de Freguesia n api a mviment assciativ) C U L T U R D S P R T Centr de studs Territriais 18

20 Relatóri Síntese PRBLMS FRGLDDS RCURSS PTNCLDDS Precariedade das cndições de vida residência em lcais sem cndições de habitabilidade e salubridade sbretud na freguesia da quinta d cnde (anexs, garagens, etc.) actual cnjuntura ecnómica (aument d desempreg também entre s imigrantes) baix rendiment esclar de algumas crianças e jvens em funçã das situações de carência em que vivem s seus agregads (designadamente, privações de rdem alimentar) aut-islament de algumas cmunidades de imigrantes explraçã de alguns imigrantes (tentativas de tirar prveit da sua situaçã de vulnerabilidade tant na área da habitaçã, cm d empreg) nexistência / escassez de estruturas de api númer reduzid de entidades cm intervençã a nível d api scial as imigrantes inexistência n cncelh de estruturas ficiais/serviçs/prgramas integrads de api as imigrantes (inexistência de respstas ficiais que pssibilitem uma intervençã integrada e glbal junt das cmunidades de imigrantes) xistência de algumas entidades cm intervençã pntual a nível d api scial as imigrantes (curss de língua prtuguesa, api scial e/u alimentar, etc.) Cnstituiçã recente de ssciaçã de imigrantes de Leste na Península de Setúbal (dispnibilidade e interesse ds seus dirigentes n estabeleciment de frmas de cperaçã cm as entidades nacinais e lcais) Perspectiva de criaçã de prgramas / serviçs de api as imigrantes pr parte das entidades ficiais (administraçã central e administraçã descncentrada): área d empreg e da educaçã/frmaçã (criaçã de UNV s, curss de língua prtuguesa, etc.) nexistência de situações de cnflitualidade grave (manifesta u latente) cm e/u entre imigrantes M G R N T S dificuldades de integraçã esclar das crianças e jvens rigináris ds PLP s (barreiras culturais, linguísticas, etc.) nexistência de situações de animsidade/cnflitualidade n espaç esclar inexistência de acções de sensibilizaçã para s factres de integraçã scial (dirigids tant as imigrantes, quant à ppulaçã residente em geral) Facilidade de integraçã sóci-ecnómica das nvas cmunidades imigrantes (sbretud, imigrantes ds países de Leste e d Brasil) escassez de curss de língua e cultura prtuguesa (prmçã da integraçã scial ds imigrantes) levada mbilidade residencial e funcinal inexistência de diagnóstic scial aprfundad sbre imigrantes residentes n cncelh de sesimbra (númer, rigem, prblemas, cndições de aljament, empreg, cndições de vida, etc.) mbilidade residencial elevada de alguns grups de imigrantes Facilidade de integraçã n sistema de ensin, em especial, pr parte de crianças e jvens rigináris ds países de Leste (elevad nível cultural, valrizaçã da cultura esclar, mtivaçã para prcesss de aprendizagem, envlviment da família, etc) levad nível cultural ds imigrantes rigináris ds países d Leste urpeu situaçã de ilegalidade de alguns imigrantes (ausência de autrizaçã de residência), que dificulta a capacidade de intervençã pr parte das entidades ficiais (empreg, habitaçã, frmaçã, etc.) 19 Centr de studs Territriais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Urbanidade, sustentabilidade, saúde - uma relação evidente e persistente

Urbanidade, sustentabilidade, saúde - uma relação evidente e persistente - uma relaçã evidente e persistente Os Lugares e a Saúde Uma abrdagem da Gegrafia às variações em saúde na Área Metrplitana de Lisba Helena Ngueira Faculdade de Letras da Universidade de Cimbra Lisba,

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

Primeira Intervenção (Oradores)

Primeira Intervenção (Oradores) Oeiras, Ambiente e Mei Urban - Relatóri da Sessã Cm bjectiv de trnar prcess de revisã d PDM Oeiras numa prtunidade de definir um cnjunt de estratégias e linhas de acçã sólidas e eficazes na cncretizaçã,

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA ENTIDADE MDIFICAÇÕES A RÇAMENT DA Pagina: 1 TTAL DE ALTERAÇÕES : 5 MUNICIPI DE ESPINH TTAL DE REVISÕES : 1 D AN CNTABILISTIC DE 2007 IDENTIFICAÇÃ DAS RUBRICAS MDIFICAÇÕES RÇAMENTAIS 01 ASSEMBLEIA MUNICIPAL

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia Excert Planta Plan de Urbanizaçã da Meia Praia - PUMP A área de intervençã d Plan de Urbanizaçã crrespnde a uma faixa da rla csteira d Barlavent Algarvi que se situa a Nascente da Cidade de Lags e se estende

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Enquadramento do PDM no Sistema de Gestão Territorial Nacional

Enquadramento do PDM no Sistema de Gestão Territorial Nacional Plan 1- prcess 2-territóri e plan 3- cidadania Gabinete de Planeament e Urbanism AGENDA PARA O PLANEAMENTO PARTICIPATIVO PROGRAMA1: informar para a CIDADANIA Planeament Enquadrament d PDM n Sistema de

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS PROJETO DE REFORÇO DAS CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS RELATIVAS A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS ILHAS Crdenadr: Parceirs: SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Intercâmbi

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico ANA, Aerprts de Prtugal, S.A. Plan de Acções de Gestã e Reduçã de Ruíd para Aerprt de Lisba Resum Nã-Técnic Janeir 2014 Aerprt de lisba Plan de Ações de Gestã e Reduçã de Ruíd 2013-2018 Cnteúd CONTEÚDO...

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores www. escla-apel.cm Frmaçã Pedagógica Inicial de Frmadres DESIGNAÇÃO DO CURSO Frmaçã Pedagógica Inicial de Frmadres OBJECTIVOS GERAIS DO CURSO Cnsciencializar-se das cmpetências e d perfil de um frmadr;

Leia mais

Esboço da Oficina de Mapeamento Comunitário O metodologia utilizado no projeto piloto do mapeamento comunitário no Bairro da Nova República evolveu

Esboço da Oficina de Mapeamento Comunitário O metodologia utilizado no projeto piloto do mapeamento comunitário no Bairro da Nova República evolveu Mapeament Cmunitári cm a Juventude na Regiã de Santarém Pr Stephen C. Bentley Prjet Nvs Cnsórcis Públics para a Gvernança Metrplitana Junh, 2007 Apresentaçã O prjet Nvs Cnsórci Públics para a Gvernança

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA

QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO PARTICIPAÇÃO PÚBLICA Janeir, 2009 Cnhece a Directiva Quadr da Água e a Lei da Água? A Directiva 2000/60/CE, d Parlament Eurpeu e d

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso CURSO DE INICIAÇÃO Duraçã: 16 hras - 2 Dias Frmadr: Belinda Lureir u Sandra Gril u Daniel Seelw Prgrama d Curs - Filsfia e Cultura RE/MAX - Métds e Técnicas de Angariaçã - Métds e Técnicas de Psicinament

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra...

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra... BARÓMETRO * * * * Observatóri de Luta Cntra a Pbreza na Cidade de Lisba REAPN Rede Eurpeia Anti-Pbreza / Prtugal Núcle Distrital de Lisba Rua Seir Pereira Gmes, n.º 7 Apartament 311 1600-196 Lisba Tel:

Leia mais

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 47 48 3.1. VISÃO DE FUTURO DO MAIS RN PARA 2035 A classe empresarial ptiguar apresenta para a sciedade uma Visã de Futur usada e desafiadra.

Leia mais

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008.

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. Senhr Presidente d Senad Federal, Cmunic a Vssa Excelência que, ns terms d 1 d art. 66 da Cnstituiçã, decidi vetar parcialmente, pr incnstitucinalidade e cntrariedade

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE Lei 11.091/2005 Decret 5.825/2006 Decret 5.707/2006 Resluçã

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Manual de Qualidade da Atividade Formativa

Manual de Qualidade da Atividade Formativa Manual de Qualidade da Atividade Frmativa Direçã Pedagógica e Frmaçã Març/2014 Versã - 1 Març 2014 Página 1 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO DO DOCUMENTO E CARATERIZAÇÃO DA ENTIDADE... 3 1.1. ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação

Mestrado em Sistemas de Informação U n i v e r s i d a d e d M i n h Departament de Sistemas de Infrmaçã Mestrad em Sistemas de Infrmaçã 2003/2005 Tecnlgias de Streaming em Cntexts de Aprendizagem Sb a rientaçã d Prfessr Dutr Henrique Sants

Leia mais

FÓRUM ECONÓMICO PORTUGAL - CHINA

FÓRUM ECONÓMICO PORTUGAL - CHINA PORTUGAL - CHINA 一 届 中 国 葡 萄 牙 商 务 论 坛 UMA PARCERIA PARA O FUTURO 锻 造 未 来 合 作 CONFERÊNCIAS DE NEGÓCIOS FEIRA DE COMÉRCIO E INVESTIMENTO III GALA : PRÉMIOS DE MÉRITO EMPRESARIAL 商 务 会 议 投 资 与 贸 易 会 务 三

Leia mais

projeto educativo 2015/2018

projeto educativo 2015/2018 prjet educativ 2015/2018 1 ÍNDICE VISÃO E MISSÃO... 4 VISÃO... 4 MISSÃO... 4 VALORES... 4 O AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS... 5 ESCOLA SECUNDÁRIA EÇA DE QUEIRÓS... 5 ESCOLA BÁSICA VASCO DA GAMA...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INFORMAÇÃO TÉCNICA nº 066/2008 - COHID/CGENE/DILIC/IBAMA Brasília, 11 de agst

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABATE E DESRAME DE ÁRVORES 2 DESCRIÇÃO As tarefas de abate e desrame de árvres estã habitualmente relacinadas cm s seguintes trabalhs Levantaments

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Plano de Formação 2012

Plano de Formação 2012 1 INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALGARVE Plan de Frmaçã 2012 Centr de Empreg e Frmaçã Prfissinal de Prtimã 2 APRENDIZAGEM nível IV SAÍDA PROFISSIONAL INICIO FINAL

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Resídus Sólids Urbans: Cm alavancar investiments e viabilizar a implantaçã da Plítica Nacinal de Resídus Sólids Seminári BNDES-BID-ABDE Brasília, 07 de Mai de 2015 Área de Mei Ambiente Guilherme Martins

Leia mais

Integração do POPH no SIIFSE

Integração do POPH no SIIFSE Integraçã d POPH n SIIFSE Manual d Utilizadr Frmulári de Candidatura às Acções Frmativas - 02 de Outubr de 2008-3ª Versã ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS...4 2 PRINCIPAIS PRESSUPOSTOS...

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais

DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO 1. INTRODUÇÃO, OU COMO SURGE A ED O cnceit de Educaçã para Desenvlviment surge n cntext ds prcesss de desclnizaçã d pós-guerra

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Guide to Comenius Individual Pupil Mobility

Guide to Comenius Individual Pupil Mobility Guide t Cmenius Individual Pupil Mbility 1 2 Guia 2012 da Mbilidade Individual de Aluns COMENIUS 3 4 Guia da Mbilidade Individual de Aluns COMENIUS Índice/Estrutura da apresentaçã em linha ds dcuments

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO O QUE É O BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO? É um auxíli financeir que tem cm bjetiv cntribuir para, u pssibilitar, a cntrataçã de um cuidadr para auxiliar beneficiáris

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Programa Estágios Profissionais

Programa Estágios Profissionais Prgrama Estágis Prfissinais Cnsiste num estági cm a duraçã de 9 meses, pdend prlngar-se, cm autrizaçã d IEFP, excepcinalmente, até 12 meses, quand fr cmplementad pr um estági a realizar em territóri nacinal

Leia mais

Subcapítulo 4.1 Evolução do Subcampo da Educação Especial

Subcapítulo 4.1 Evolução do Subcampo da Educação Especial Subcapítul 4.1 Evluçã d Subcamp da Educaçã Especial 4.1.1 Cntext históric da sua emergência Durante muits ans, em Prtugal, cm nutrs países eurpeus, a educaçã de crianças e jvens cm deficiências que nã

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Desafi Estratégic 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3.

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Situação Atual da EFTP no Afeganistão

Situação Atual da EFTP no Afeganistão Data: 8 de mai de 2015 Situaçã Atual da EFTP n Afeganistã Dr. Enayatullah Mayel Diretr Executiv d Prgrama Prgrama Nacinal de Desenvlviment de Cmpetências Ministéri d Trabalh, Assunts Sciais, Mártires e

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

5 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

5 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS 5 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS 5.1 PROMOVER A SAÚDE NO CICLO DE VIDA, EM AMBIENTES E CONTEXTOS ESPECÍFICOS A saúde ds indivídus é uma resultante da interaçã de fatres de rdem genética cm s percurss individuais,

Leia mais

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS A SUPERINFLAÇÃ BRASILEIRA EM 1989: NTAS E MENTÁRIS Gentil Crazza* "A inflaçã é uma frma de distribuir s ganhs e as perdas através das frças impessais d mercad." Charles Kindieberger Intrduçã A ecnmia e

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.8 RECURSOS GENÉTICOS Enquadrament Regulamentar Artigs d Regulament (UE) n.º 1305/2013, d Cnselh

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais