Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício"

Transcrição

1 Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Leonardo Maluta (POLI-USP) Enrico Barnaba Ferri (POLI-USP) Hugo Yoshizaki (POLI-USP) Celso Mitsuo Hino (POLI-USP) Resumo O presente trabalho, desenvolvido em empresa do ramo alimentício, estuda aspectos de gestão da frota própria desta que transporta seus produtos para pequenos centros de distribuição espalhados por quase todo o território nacional. Estes centros de distribuição consolidam as cargas com propósito de abastecer os clientes (varejistas) da empresa. É proposto modelo de custeio de rotas para valorar o transporte de produtos entre as diversas origens e destinos. Estes custos são comparados com preços de fretes praticados no mercado para estudar a viabilidade econômica de terceirização total ou parcial das rotas. Conclui-se, desta forma, qual é a melhor combinação entre frota própria e terceirizada que incorre no menor custo de transporte para a empresa. Além disso, são feitas observações sobre como a geografia afeta o mercado de frete de retornos. Palavras-chave: Logística; Terceirização; Transporte. 1. Introdução A decisão sobre a propriedade da frota sempre foi uma das decisões estratégicas de transporte mais importantes vivenciadas por empresas de diversos setores. Segundo Fleury (2004), existem muitos prestadores de serviços de transportes no mercado, como operadores logísticos e transportadores autônomos, com custo atrativo. Segundo Ballou (2001) o transporte é geralmente o elemento mais importante nos custos logísticos para a maioria das empresas. Ainda segundo este autor, a movimentação de fretes absorve entre um e dois terços dos custos logísticos. Este trabalho analisa a terceirização da frota própria de uma indústria multinacional do ramo alimentício utilizando um modelo de custeio que identifica os custos das suas rotas. O trabalho também contribui ao detalhar uma metodologia genérica para este tipo de estudo. Por solicitação da empresa, seu nome não será revelado e algumas informações consideradas estratégicas, como os custos listados neste trabalho, foram alteradas de forma a preservar seu sigilo, ao mesmo tempo que isto não influencia conclusões e resultados aqui descritos. 2. A empresa A empresa objeto do estudo deste trabalho é composta por um grupo de quatro divisões, que juntas estão entre as cinco maiores companhias fabricantes de alimentos no mundo. Emprega mais de funcionários no Brasil e teve faturamento superior a R$ 1 bilhão em A integração entre as divisões não está totalmente consolidada, resultado de aquisições recentes. Isto faz com que haja duplicações de estruturas e cargos e gera heterogeneidade no atendimento entre as divisões da empresa. Não existe ainda um único responsável que tenha a visão sistêmica de todo o transporte e que possa obter economias de escopo e sinergias entre rotas de divisões diversas da empresa. A distribuição dos produtos é feita por meio de frota própria e frota terceira. Esta última é 1

2 utilizada pelas últimas divisões adquiridas e transporta somente seus produtos. Os produtos distribuídos pela frota própria se caracterizam por demanda por impulso e são leves e volumosos, de modo que a limitação da carga é dada pelo volume transportado. Ao preencher completamente uma carreta de 100 m³, a carga pesará entre kg (para os produtos mais leves) e kg (para os produtos mais pesados). Além de possuir 8 fábricas, algumas também funcionando como Centros de Distribuição (CD), a empresa possui 79 pequenos Centros de Distribuição de Venda (CDV) espalhados por quase todo o território nacional. As fábricas expedem praticamente toda a sua produção para os CDV s, que consolidam as cargas para serem enviadas aos clientes. Somente 3% desta produção é enviada diretamente para os maiores clientes, que compram cargas fechadas a partir das fábricas. Cabe ressaltar que os CDV s armazenam somente produtos acabados e não transferem produtos entre si. O frete primário (transferência) consiste nas viagens que possuem origem nas fábricas e destinos nos CDV s ou outras fábricas. A transferência entre fábricas não é muito utilizada, representando somente 0,09% do volume total. O frete primário é realizado utilizando carretas da própria empresa. O frete secundário (entrega final), que possui origem nos CDV s e destino nos clientes, é realizado utilizando veículos leves, também próprios. 3. Objetivo Este trabalho objetiva analisar a frota própria de uma das divisões da indústria, que conta com três fábricas, para avaliar a possibilidade de terceirização total ou parcial desta frota e identificar nas rotas atuais qual tipo de frota utilizar. Para realizar esta análise foi necessário comparar, para cada rota, os custos incorridos pela operação da frota própria, que foi calculado por meio de um modelo de custeio, com o preço cobrado por transportadoras. Pretende-se, com a metodologia proposta neste trabalho, diminuir o custo frete da empresa, tornando-a mais competitiva no mercado. São estudados somente os fretes primários. Os fretes secundários não são avaliados, pois a organização considera-os como diferencial estratégico por permitir grande capilaridade na distribuição e a manutenção de seu nível de serviço. 4. Metodologia A metodologia utilizada neste trabalho está representada na Figura 1. Os parâmetros considerados neste estudo são: Localizações das fábricas, estrategicamente situadas próximas aos fornecedores de insumos e concentrações de demandas; Localizações dos CDV s, pois estão próximos às concentrações de demanda. No início de cada ano, seus locais são revisados de forma a acompanhar o crescimento da demanda; Todas as rotas são mantidas, pois os CDV s são atendidos pelas fábricas mais próximas; O número de viagens por semana, quantidade transportada e de veículos utilizados serão mantidos os mesmos caso a rota seja terceirizada; O nível de serviço será mantido caso a rota seja terceirizada; Os operadores logísticos e transportadores autônomos que serão utilizados nas rotas terceirizadas são os que a empresa já trabalha e possui contrato. Esta foi uma restrição imposta pela empresa. 2

3 Figura 1 - Metodologia A variável considerada é a terceirização ou não de uma rota feita pelos veículos da frota própria de empresa As hipóteses assumidas para a realização deste estudo são: A velocidade média dos veículos é igual para todas as rotas; O tempo de carregamento é igual para todas as fábricas; O tempo de descarregamento é igual para todos os CDV s; O fator de correção das distâncias euclidianas é igual a 1,288, que é o valor utilizado pela empresa nos seus projetos internos. Um modelo de custo de transporte é composto por vários custos que vão desde custos operacionais, como, por exemplo, a aquisição de combustível, até os custos administrativos. Estes custos são divididos em custos variáveis (do ponto de vista de transporte, são proporcionais à distância percorrida) e fixos (independentes ao deslocamento). A seguir estão listados os custos considerados como variáveis, seguidos das descrições e fórmulas acompanhadas das descrições dos parâmetros com as respectivas unidades entre parênteses, apresentados em Lima (2005). Todos estes custos apresentam a unidade R$/km: a) Combustível: depende do preço do combustível e do rendimento do veículo. P C = comb COMB rend (1) onde P comb é o preço do combustível por litro (R$/L) e rend é o rendimento do veículo (km/l); b) Pneus: depende do preço de aquisição de pneus novos, da recapagem e da sua vida útil. N P ( Punit + N RPrecap ) CPNEU = (2) V util 3

4 onde N P é número de pneus (pneu), P unit é custo unitário do pneu novo (R$/pneu), N R é o número de pneus recapados (pneu), P recap é o preço da recapagem (R$/pneu) e V util é a vida útil do pneu (km); c) Óleo (carter, câmbio, diferencial entre outros): depende do preço do óleo, da capacidade do tanque e do intervalo de trocas. Pol Ctan que C = (3) ÓLEO S troca onde P ol é o preço do óleo (R$/L), C tanque é a capacidade do tanque do veículo (L), S troca é o intervalo de troca de óleo (km); d) Manutenção e peças: é dado pelo preço da manutenção e pelo intervalo em que ela é feita. Pmanut CMANUT = (4) Smanut onde P manut é o preço da manutenção que engloba o valor do serviço e da substituição de peças (R$), e S manut é o intervalo em que as manutenções são feitas (km); e) Lavagem e lubrificação: dependem do preço destas e do intervalo em que são realizadas. PLL CLL = (5) S LL onde P LL é o preço da lavagem e da lubrificação (R$) e S LL é o intervalo em que elas são feiras (km). A seguir listam-se os custos considerados como fixos seguidos das descrições e fórmulas acompanhadas das descrições dos parâmetros, com as respectivas unidades entre parênteses. Todos estes custos apresentam a unidade R$/mês. a) Remuneração do capital: é o custo de oportunidade da empresa, ou seja, é o dinheiro que está deixando de ganhar com um projeto ou investimento no mercado financeiro mediante a imobilização de capital na compra de um ativo. Segundo Ehrlich; Moraes (2005), devese trazer a valor presente o valor residual do veículo, caso ele exista, no ano em que ele seria vendido utilizando a taxa de oportunidade da empresa e subtrair do custo de aquisição do veículo. Em seguida, deve-se calcular o custo mensal em equivalente uniforme utilizando o período de tempo como sendo a vida útil do veículo. n = Pr i(1 + i) C RC ( Paq ) * (7) n (1 + i) (1 + i) n 1 onde P aq é o valor de aquisição do veículo (R$), P r é o valor residual do veículo (R$), n é o tempo de vida útil determinado pela empresa (mês) e i é a taxa de oportunidade mensal da empresa (% a.m.). b) Impostos e taxas: o IPVA (imposto sobre a propriedade de veículos automotores), o seguro obrigatório (DPVAT - seguros de danos pessoais causados por veículos automotores) e a taxa de licenciamento do veículo são taxas estaduais anuais. A fórmula converte o valor de anual para mensal. P( IPVA + SO+ TL) anual C( IPVA+ SO+ TL) = (8) 12 onde P (IPVA+SO+TL)anual é o valor anual pago de IPVA, seguro obrigatório e taxa de licenciamento dos veículos (R$/ano). c) Custo de pessoal: engloba salários, encargos, benefícios e horas-extras. 4

5 C = ) + PES ( Csal / h * N h / t * Nt / mes )*(1 + Cenc Cbenef (9) onde C sal/h é o quanto o motorista recebe por hora (R$/h), N h/turno é o número de horas que compõem um turno (h/turno), N turno/mês é número de turnos contidos em um mês (turno/mês), C enc é a soma dos encargos referentes ao salário do motorista (%) e C benef são os benefícios que ele recebe (plano de saúde, vale-refeição entre outros) (R$/mês). d) Custos administrativos: são os custos indiretos em relação aos veículos. C ADManual C ADM = (10) 12 onde C ADManual é a somatória de todos os custo administrativos anuais decorrentes da gestão de cada veículo (R$/ano). Esta é dividida por 12 para converter em custo mensal. e) Seguro dos veículos: inclui seguro contra colisão, incêndio e roubo do veículo. Este valor é mensal e depende do tipo de veículo e da seguradora (R$/mês). f) Outros custos e taxas: aqueles que não se enquadram nos itens citados anteriormente. COUTROSanual C OUTROS = (11) 12 Onde C é a somatória de todos outros custos e taxas que venham a incorrer OUTROSanual sobre a frota própria que não estejam englobados em nenhum dos itens acima (R$/ano). A fórmula apenas ajusta de custo anual para custo mensal. Por último, o modelo de custeio é dado pela fórmula a seguir, onde os custos variáveis são multiplicados pela distância percorrida em cada rota e os custos fixos pelo tempo demandado pela rota, que consiste no tempo de viagem e no tempo demandado nas paradas: C Rota = S * CV + T * CF S é a distâncias entre a origem e o destino, em km., onde (12) CV soma de todos os custos variáveis divididos pela distância total percorrida, em R$/km. T é o tempo de operação que é composto por: T = T V + T, onde T V é o tempo em viagem e T P é o tempo parado, em h. CF soma de todos os custos fixos dividido pelo tempo total, em R$/h. P Figura 2 Modelo de custeio de rotas O passo seguinte da metodologia é comparar esse custo de cada rota com frota própria com a cotação de frete terceiro, que consiste em verificar qual é o preço cobrado por operadores logísticos e transportadores autônomos para todas as rotas, e verificar qual tem o custo mais 5

6 vantajoso para a empresa. 5. Resultados A partir dos dados calculados, os custos das rotas da frota própria e a cotação dos preços de terceiros foram calculados para um ano. Em seguida, compararam-se, para a mesma rota, os dois custos e, caso o valor da frota própria fosse menor, mantém-se a rota como está. Caso contrário, esta rota deve ser terceirizada. De um total de 109 rotas, o modelo indica que se devem terceirizar 43, ou seja, deve-se manter aproximadamente 60% das rotas utilizando-se frota própria. A fábrica com maior número de rotas terceirizadas é a Fábrica PR com 50%. Já a Fábrica MG teve somente 25%. Tercerizado Total %Tercerizada Fábrica SP ,96% Fábrica PR ,00% Fábrica MG ,93% Total ,36% Tabela 1 Rotas terceirizadas O custo gerado caso utilizássemos somente a frota terceira é maior que o custo da frota atual. Porém, ao se terceirizar parcialmente (frota mista), tem-se ganho significativo. Custo (R$) Frota Própria ,00 Frota Terceira ,00 Frota Mista ,00 Tabela 2 Custo da frota própria, terceira e mista O ganho obtido com a frota mista é de R$ ,77, ou seja, 7,2% do valor atual. Apesar da maior participação do ganho ser dada pelas operações da Fábrica SP, que contribui com aproximadamente 53% do valor, a Fábrica PR é a que possui maior ganho relativo em sua operação. 6. Conclusão Custo Atual (R$) Ganho (R$) Ganho (%) Fábrica SP , ,00 6,87% Fábrica PR , ,00 11,82% Fábrica MG , ,00 0,74% Total , ,00 7,25% Tabela 3 Ganho por fábrica Pode-se concluir que a metodologia é válida e pode trazer ganhos para a empresa, se implantada, sendo uma ferramenta eficiente para custeamento de frotas. Analizando as rotas que apresentaram ganho com tercerização não se pode observar nenhum padrão claro de relacionamento com distância ou com o volume anual transportado na rota. A única conclusão possível é uma interação ligada com a região de destino e origem. Enquanto as fábricas SP e PR tem tendência a tercerizar rotas de maiores distâncias, a fábrica MG o faz a para menores distâncias (Figuras 3, 4 e 5). Isto não é homogêneo para todas as rotas, como pode ser observado nas figuras, onde as rotas pontilhadas são as tercerizadas. 6

7 Este comportamento pode ter como causa o frete de retorno. Possivelmente, as transportadoras cotaram um frete mais baixo para regiões onde elas têm facilidade de encontrar carga para retorno, ou seja, o caminhão vai e volta cheio. Isto pode explicar a menor terceirização da Fábrica MG, que está localizada em um menor centro de consumo se comparado às Fábricas de SP e PR, mas não se pode afirmar isto apenas com este estudo. Outra razão possível para a terceirização de algumas rotas é a falta de total aproveitamento destas pela empresa. Sempre o caminhão que entrega produtos acabados vai carregado e volta vazio. A empresa poderia implementar estratégias de backhauling,ou seja fazer com que o caminhão ande sempre carregado, integrando as rotas de distribuição de produtos acabados com rotas de abastecimento de matérias primas para as suas fábricas ou até mesmo com rotas com produtos de outras empresas, otimizando o uso dos seus caminhões. Figura 3 Rotas tercerizadas na Fábrica PR 7

8 Figura 4 Rotas tercerizadas na Fábrica MG Figura 5 Rotas tercerizadas na Fábrica SP Novos estudos, identificados a partir deste e focados na diminuição da conta frete da empresa, envolvem a integração entre as diferentes divisões da empresa, maximizando o uso da frota própria, e uma análise de investimentos visando à substituição dos veículos da frota própria por mais novos, visando diminuição dos gastos com manutenção desta frota. Referências BALLOU, R. H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. 4ª ed. Bookman, Porto Alegre, EHRLICH, P. J.; MORAES, E. A. Engenharia Econômica. 6ª ed. Atlas, São Paulo,

9 FERRI, E.B. Análise de Tercerização da Frota de uma Empresa do Ramo Alimentício. Trabalho de Formatura apresentado à Escola Politécnica da USP, Departamento de Engenharia de Produção, São Paulo, FLEURY, P. F. Gestão Estratégica do Transporte. Coppead, Centro de Estudo em Logística, Disponível em: Acessado em: 15/07/2005. LIMA, M. P. O Custeio do Transporte Rodoviário. Coppead, Centro de Estudo em Logística, Disponível em: Acessado em: 15/07/

ENRICO BARNABA FERRI

ENRICO BARNABA FERRI ENRICO BARNABA FERRI ANÁLISE DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA PRÓPRIA DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO Trabalho de Formatura apresentado à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Diploma

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria

Leia mais

Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte - Estudo de caso aplicado ao mercado GLP

Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte - Estudo de caso aplicado ao mercado GLP Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte Estudo de caso aplicado ao mercado GLP Davidson de Almeida Santos, MSC. 1 Telmo Roberto Machry, MSC. 2 Resumo.

Leia mais

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Maurício Pimenta Lima Introdução O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 40 bilhões e movimentar 2/3 do total de carga do país.

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística e Distribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS Luciano Marcio Scherer Resumo: O presente trabalho demonstra a importância do controle de custos em uma atividade de apoio aos postos de

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Fernanda Hashimoto e Celso Hino O presente trabalho tem como objetivo avaliar a utilização do melhor modelo de distribuição

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

VIABILIDADE DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA EM UMA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS FEASIBILITY OF FLEET OUTSOURCING IN A PLASTIC PACKAGING INDUSTRY

VIABILIDADE DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA EM UMA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS FEASIBILITY OF FLEET OUTSOURCING IN A PLASTIC PACKAGING INDUSTRY VIABILIDADE DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA EM UMA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS FEASIBILITY OF FLEET OUTSOURCING IN A PLASTIC PACKAGING INDUSTRY Daiane Maria De Genaro Chiroli 1 Bruno Lacerda Viana 2 Fernanda

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS.

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CARGA GERAL SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CARGA GERAL SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CARGA GERAL SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ Dezembro de 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CARACTERÍSTICAS DO SERVIÇO DE TRANSPORTE... 4 2.1.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TERCEIRIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS DE CARGA E A REDUÇÃO DO CUSTO AGREGADO À LOGÍSTICA Por: Cristiane de Paula Silva Orientador

Leia mais

Gerencie adequadamente os custos da sua frota

Gerencie adequadamente os custos da sua frota Gerencie adequadamente os custos da sua frota O que é gestão de Frota? De acordo com definição encontrada no livro Gerenciamento de Transporte e Frota, o termo gestão de frota representa a atividade de

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG Luciano Nogueira José Aparecido Sorratini ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE

Leia mais

6. Estrutura de Custos Logísticos

6. Estrutura de Custos Logísticos 6. Estrutura de Custos Logísticos Os custos logísticos na atividade de distribuição de combustíveis líquidos no Brasil podem ser classificados como: custo de aquisição dos combustíveis suprimentos custo

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

Protótipo de Dimensionamento de Frota. ilab Sistemas Especialistas

Protótipo de Dimensionamento de Frota. ilab Sistemas Especialistas Tópicos da apresentação Objetivo da aplicação Configuração de frentes Configuração de turnos Configuração de caminhões Configuração de transporte Cálculo de ciclo Restrições consideradas Modelo de otimização

Leia mais

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CONTAINER VAZIO (CONTRATO ESPECÍFICO)

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CONTAINER VAZIO (CONTRATO ESPECÍFICO) PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CONTAINER VAZIO (CONTRATO ESPECÍFICO) SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ Dezembro de 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CARACTERÍSTICAS DO SERVIÇO

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR

APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR Bruno Cesar Linhares (UFRN ) brunoclcs@yahoo.com.br Mariama Saskya Araujo da Silva (UFRN ) mariama.saskya01@gmail.com Gilberto Alves

Leia mais

Para cadastrar um Veículo Ativo, consulte Manual Cadastros Gerais.

Para cadastrar um Veículo Ativo, consulte Manual Cadastros Gerais. Para incluir um veículo é necessário ter todos os dados do veículo. Clique em incluir e cadastre todos os campos necessários. (Ou vá em Arquivos Veículos - Ativos) Para cadastrar um Modelo de veículo clique

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS CUSTOS ENTRE FROTA PRÓPRIA E TERCEIRIZADA EM UMA TRANSPORTADORA DO VALE DO PARAÍBA-SP

COMPARAÇÃO DOS CUSTOS ENTRE FROTA PRÓPRIA E TERCEIRIZADA EM UMA TRANSPORTADORA DO VALE DO PARAÍBA-SP REVISTA DE CIÊNCIAS GERENCIAIS COMPARAÇÃO DOS CUSTOS ENTRE FROTA PRÓPRIA E TERCEIRIZADA EM UMA TRANSPORTADORA DO VALE DO PARAÍBA-SP Juliana Lopes da Silva - Faculdade Anhanguera de São José Marcelo Renato

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 Uma boa fatia dos custos de produção é atribuída ao transporte de materiais dentro da empresa, no abastecimento das linhas de produção, no armazenamento de matéria primas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - secretaria Municipal de Trânsito e Transportes CTA - Controle de tráfego em área Autor: Aílton Borges SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia...

Leia mais

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS: A AVALIAÇÃO DO CUSTO DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS DE CARGA

GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS: A AVALIAÇÃO DO CUSTO DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS DE CARGA GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS: A AVALIAÇÃO DO CUSTO DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS DE CARGA Daniel de Castro Feijo (UFC) danielcfeijo@gmail.com Rogerio Teixeira Masih (UFC) rogeriomasih@gmail.com

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

Manual para usuários site Lucrei no Frete

Manual para usuários site Lucrei no Frete Manual para usuários site Lucrei no Frete Para login clicar no endereço abaixo ou copiar e colar no navegador. http://lucreinofrete.a3sistemas.com.br/minha_conta/login.php Clicar em Registrar Preencher

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP/PECE ESPECIALIZAÇÃO EM TRANSPORTES PLANEJAMENTO DE SISTEMAS LOGÍSTICOS E DE TRANSPORTE - TE- 025

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP/PECE ESPECIALIZAÇÃO EM TRANSPORTES PLANEJAMENTO DE SISTEMAS LOGÍSTICOS E DE TRANSPORTE - TE- 025 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP/PECE ESPECIALIZAÇÃO EM TRANSPORTES PLANEJAMENTO DE SISTEMAS LOGÍSTICOS E DE TRANSPORTE - TE- 025 MANUTENÇÃO SEMAFÓRICA NA GERÊNCIA DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA DA CET/SP Luiz

Leia mais

Aplicação da metodologia de custeio baseado em atividades na distribuição física de bebidas

Aplicação da metodologia de custeio baseado em atividades na distribuição física de bebidas Aplicação da metodologia de custeio baseado em atividades na distribuição física de bebidas Francisco Moreira Silva Júnior (UFC) moreira@edsonqueiroz.com.br Maxweel Veras Rodrigues (UFC) maxweel@terra.com.br

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

LIMA, R. R.; LIMA, A. A.; SOUZA, J. C. & BARROS, M.L. S. C. CAPÍTULO 15 ANÁLISE ECONÔMICA DO GRANITO ORNAMENTAL GOLDEN PEACH (CURRAIS NOVOS-RN)

LIMA, R. R.; LIMA, A. A.; SOUZA, J. C. & BARROS, M.L. S. C. CAPÍTULO 15 ANÁLISE ECONÔMICA DO GRANITO ORNAMENTAL GOLDEN PEACH (CURRAIS NOVOS-RN) 182 LIMA, R. R.; LIMA, A. A.; SOUZA, J. C. & BARROS, M.L. S. C. CAPÍTULO 15 ANÁLISE ECONÔMICA DO GRANITO ORNAMENTAL GOLDEN PEACH (CURRAIS NOVOS-RN) Robson Ribeiro Lima1, Aarão de Andrade Lima, Julio Cesar

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Regras de ouro: Dediquem-se aos estudos! Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala

Regras de ouro: Dediquem-se aos estudos! Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se aos estudos! Nossos encontros 2 Nossos encontros AULÃO 3 Materiais

Leia mais

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA ! "#$ " %'&)(*&)+,.-/10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.-C)D5.,.5FE)5.G.+ &4-(IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.-D-;./);.& A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

Projeto de Reaproveitamento de Resíduos de Óleo Vegetal e Criação da linha Rota dos Restaurantes

Projeto de Reaproveitamento de Resíduos de Óleo Vegetal e Criação da linha Rota dos Restaurantes Projeto de Reaproveitamento de Resíduos de Óleo Vegetal e Criação da linha Rota dos Restaurantes Relatório de atividades Outubro de 2014 Índice Ficha Técnica...3 Apresentação...4 1. Introdução...5 2. Justificativa

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

Manter a terceirização do transporte de funcionários de uma fábrica ou utilizar frota própria de ônibus: estudo de caso

Manter a terceirização do transporte de funcionários de uma fábrica ou utilizar frota própria de ônibus: estudo de caso Manter a terceirização do transporte de funcionários de uma fábrica ou utilizar frota própria de ônibus: estudo de caso Rodney Wernke (Sem vínculo) - rodney.wernke@unisul.br Marluce Lembeck (UNISUL) -

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC SETUF - Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros da Grande Florianópolis ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC junho/14 PUBLICAÇÃO DA PLANILHA

Leia mais

Identificação dos custos de transporte da DISTRIBUIDORA X

Identificação dos custos de transporte da DISTRIBUIDORA X Identificação dos custos de transporte da DISTRIBUIDORA X Claudilaine Caldas de Oliveira (Universidade Federal de Santa Catarina) claudilainecaldas@gmail.com Márcio José Guimarães (Faculdade Integrado

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE FROTAS. "SOFIT 4TRANSPORT O SOFTWARE MAIS LEVE E FÁCIL DE USAR.

GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE FROTAS. SOFIT 4TRANSPORT O SOFTWARE MAIS LEVE E FÁCIL DE USAR. GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE FROTAS. "SOFIT 4TRANSPORT O SOFTWARE MAIS LEVE E FÁCIL DE USAR. ALGUNS DESAFIOS NÃO MUDAM Aumento no preço dos combustíveis Prazo de entrega reduzido Aumento no preço dos pneus

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 784/2007. (republicada no DOAL nº 9212, de 12 de março de 2008) (vide publicação original abaixo)

Leia mais

ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS. Jéssica Pacheco Kayro Felix

ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS. Jéssica Pacheco Kayro Felix ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS Jéssica Pacheco Kayro Felix Orçamento de Despesas Operacionais Orçamento das Despesas Administrativas Orçamento das Despesas Comerciais / Vendas

Leia mais

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

Curso de Gestão de Restaurantes. Diego Koppe

Curso de Gestão de Restaurantes. Diego Koppe Curso de Gestão de Restaurantes Diego Koppe Conteúdo Definindo o mercado Calcular o preço de venda CMV VPL de venda Impostos e demais encargos Gestão de custos Maximizar lucros e vendas Projeção de vendas

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO

TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO Tamires Soares Ferreira 1, Dante Alves Medeiros Filho 2, Emanuely Velozo Aragão Bueno 3 RESUMO:NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTE TEMOS A INCIDÊNCIA DO SISTEMA

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Benefícios da Reforma de Pneus

Benefícios da Reforma de Pneus BV-P-Po#130 A-09/13 Benefícios da Reforma de Pneus O que é reforma de pneus? É um processo industrializado que consiste na recuperação da carcaça e na reposição da banda de rodagem do pneu desgastado pelo

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO Classifique os itens abaixo como custos (fixos ou variáveis) ou despesas. C= custos CV=custo variável

Leia mais

SELECIONAMOS: Faturamento

SELECIONAMOS: Faturamento SELECIONAMOS: Monitoramento Remuneração: R$ 1400.00 Benefícios: _VALE ALIMENTAÇAO R$220,00 _SEGURO DE VIDA Descrição: ATIVIDADES PRINCIPAIS: ABERTURA DE O.S., ACOMPANHAMENTO E CONFERENCIA DE FATURAS DE

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS: ANÁLISE COMPARATIVA DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS À LUZ DA LEI 12.619/12

TERCEIRIZAÇÃO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS: ANÁLISE COMPARATIVA DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS À LUZ DA LEI 12.619/12 TERCEIRIZAÇÃO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS: ANÁLISE COMPARATIVA DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS À LUZ DA LEI 12.619/12 Rodrigo Machado Corrêa Mestre em Contabilidade e Controladoria Instituição Educacional

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Motores Estudo de Viabilidade de Aplicação de Filtros em by-pass no sistema de lubrificação

Motores Estudo de Viabilidade de Aplicação de Filtros em by-pass no sistema de lubrificação home page: São Paulo, 22 de abril de 2009 Motores Estudo de Viabilidade de Aplicação de Filtros em by-pass no sistema de lubrificação Sistema de lubrificação de motores Dados estimados: Frota: 100 Caminhões

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

Rastreamento Garantido Ifaseg Amplie a proteção do auto do seu cliente e ganhe mais uma fonte de receita

Rastreamento Garantido Ifaseg Amplie a proteção do auto do seu cliente e ganhe mais uma fonte de receita Rastreamento Garantido Ifaseg Amplie a proteção do auto do seu cliente e ganhe mais uma fonte de receita Rastreamento Garantido Ifaseg É um seguro desenhado sob medida para autos com rastreadores; É o

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE O diferencial que sua empresa busca para os negócios Índice APRESENTAÇÃO 03 CAPÍTULO 1 MOTIVOS DE SOBRA PARA TERCERIZAR SUA FROTA! 05 CAPÍTULO 2 POR QUE A TRANSMIT?

Leia mais

Parecer Econômico sobre as Leis da Estadia (Lei 11.442/2007 e 13.103/2015)

Parecer Econômico sobre as Leis da Estadia (Lei 11.442/2007 e 13.103/2015) ESALQ - USP Piracicaba, 29 de junho de 2015. Proposta de Projeto À Abiove A/C: Daniel Furlan Parecer Econômico sobre as Leis da Estadia (Lei 11.442/2007 e 13.103/2015) Atenciosamente, Thiago Guilherme

Leia mais

UNIVERSIDADE PARANAENSE UNIPAR

UNIVERSIDADE PARANAENSE UNIPAR 0 UNIVERSIDADE PARANAENSE UNIPAR CURSO DE ADMINISTRAÇÃO - UMUARAMA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO ESTUDO DOS CUSTOS E DESPESAS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA EMPRESA GAZIN INDÚSTRIA E COMERCIO DE

Leia mais

MINUTA DE TERMO DE REFERÊNCIA DE EDITAL DE LICITAÇÃO

MINUTA DE TERMO DE REFERÊNCIA DE EDITAL DE LICITAÇÃO MINUTA DE TERMO DE REFERÊNCIA DE EDITAL DE LICITAÇÃO 1 OBJETO Constitui objeto do presente Pregão para Registro de s a prestação de serviços, sob demanda, de fretamento eventual para transporte rodoviário

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 6 Plano de Negócios Empreendedorismo de Negócios com Informática - Plano de Negócios 1 Conteúdo Sumário Executivo Apresentação da Empresa Plano de Marketing

Leia mais

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015.

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015. PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS Porto Alegre, 11 de maio de 2015. DIRETRIZES DA DIRETORIA DE TARIFAS Zelar pelo equilíbrio econômico-financeiro dos serviços públicos

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos

Gerenciamento de Depósitos Gerenciamento de Depósitos Diferentes modelos e tipos de CD s e armazéns podem auxiliar na busca por soluções logísticas eficientes, para diferentes produtos, com características logísticas diversas. As

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

5. Implementação de clientes no programa VMI

5. Implementação de clientes no programa VMI 5. Implementação de clientes no programa VMI 5.1. Requerimentos Mínimos Globais para Participação no Programa VMI A equipe de Distribuição de Combustíveis Global tem a intenção de aumentar o volume de

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

TRANSPORTADORA ABC. Custos Operacionais dos Pneus. Fonte: truckswallpapers.files.wordpress.com

TRANSPORTADORA ABC. Custos Operacionais dos Pneus. Fonte: truckswallpapers.files.wordpress.com TRANSPORTADORA ABC Custos Operacionais dos Pneus Fonte: truckswallpapers.files.wordpress.com Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy, da ESPM SP. Este é um caso fictício, cuja elaboração é de exclusiva

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS

ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS Margarete Fatima Mezzomo Monteiro (FMGR) magamezzomo@hotmail.com Natalia Tomaz da

Leia mais