UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TERCEIRIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS DE CARGA E A REDUÇÃO DO CUSTO AGREGADO À LOGÍSTICA Por: Cristiane de Paula Silva Orientador Prof. Nelsom Magalhães Rio de Janeiro 2012

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TERCEIRIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS DE CARGA E A REDUÇÃO DO CUSTO AGREGADO À LOGÍSTICA Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Logística Empresarial Por: Cristiane de Paula Silva

3 3 AGRADECIMENTOS A Deus em primeiro lugar, pela força e graça concedida em todos os momentos da minha vida. A minha querida mãe Dulce Neia de Paula Silva por seu referencial de luta e perseverança. A todos os meus amigos, em especial ao André Machado pelo companheirismo e apoio.

4 4 DEDICATÓRIA...dedica-se meu amigo André Machado de Barros.

5 5 RESUMO A pesquisa irá abordar e elucidar A importância da terceirização do transporte rodoviário de carga. Ao longo dos três capítulos explanaremos as principais características da logística empresarial, custos e redução de custos logísticos, introdução e analise da terceirização e finalizamos com especificando a abordagem da terceirização para o setor de transporte rodoviário.

6 6 METODOLOGIA A pesquisa a ser apresentada será do tipo descritivo e bibliográfico.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - As Principais Características Da Logística Empresarial 11 CAPÍTULO II - A Terceirização 24 CAPÍTULO III As Principais Características Da Terceirização Do Transporte De Carga 31 CONCLUSÃO 37 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 38 ÍNDICE 39

8 8 INTRODUÇÃO O presente trabalho refere-se A importância da terceirização do transporte rodoviário de carga, objetivando demonstrar as possíveis formas de redução de custos, que pode ser alcançada através da implementação da terceirização de transporte rodoviário de carga nas empresas e também ressalta as diferenças entre se optar por frota própria ou frota terceirizada de transporte rodoviário de carga, colocando suas vantagens e desvantagens, para que assim, possa se optar pelo que é mais válido, ou seja, mostrar a vantagem de escolher por uma ou outra opção, neste caso, terceirizar ou não o carregamento de materiais. Reconhece a importância dos custos logísticos e a necessidade de administrá-los de forma criteriosa, para assim, obter um bom resultado, ou seja, não ter prejuízos e acima de tudo, não ter a qualidade de seus serviços comprometida PROBLEMA A terceirização de transporte rodoviário de carga vem sendo muito utilizada pelas empresas, as quais têm reconhecido o seu valor. Dessa forma, o presente trabalho irá demonstrar: Como a terceirização do transporte rodoviário de carga pode contribuir para a redução do custo agregado à logística?

9 OBJETIVO GERAL Analisar os principais custos logísticos, os quais têm valor fundamental no processo de terceirização de transporte rodoviário de carga e verificar as vantagens e desvantagens de se optar pela utilização da terceirização OBJETIVO ESPECÍFICO Demonstrar: As principais características da Logística Empresarial Os principais custos Logísticos Os principais aspectos da terceirização As principais características da terceirização do transporte de cargas 1.4- JUSTIFICATIVA A terceirização é considerada uma técnica administrativa, uma estratégia empresarial que vem sendo muito utilizada pelas grandes empresas, as quais, dessa forma podem concentrar-se apenas nas atividades-fim de sua missão, ou seja, razão de estar no mercado.

10 10 Com a terceirização de transporte rodoviário de carga, a empresa pode agregar valor aos seus serviços de entrega, além de ter redução de custos.

11 11 CAPÍTULO I AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Segundo Figueiredo, Fleury e Wanke (2008), a Logística é responsável pelo sucesso das ações de uma empresa, é a Logística que trata do gerenciamento das cadeias de suprimentos, o qual tem a função de planejar, programar e controlar as ações de armazenagem de produtos (bens ou serviços) e contém informações que dizem respeito ao bom atendimento das necessidades dos clientes, indo desde o ponto de origem até ao ponto de consumo. Na Logística está incorporado clientes e fornecedores, é a Logística que cuida da relação destes dois citados, com a empresa. Segundo Ballou (2009), a Logística também é reconhecida pelo título de Distribuição Física, o qual é o nome mais popular, e Logística Empresarial, que é o título do futuro. A Logística Empresarial é um assunto vital, pois, é responsável em prover rentabilidade significante para a empresa no que diz respeito nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores buscando um alto nível de satisfação da parte destes, para que isso venha a acontecer é necessário fazer um bom planejamento, organização e controle efetivos para que as atividades que dependem de movimentação e armazenagem obtenham melhor facilidade no fluxo de produtos. Pelo fato dos clientes na maioria das vezes não residirem próximos aos bens e serviços que necessitam adquirir, aliás, esse é um problema enfrentado pela Logística, a qual procura buscar solucionar, ou seja, fazer com que os consumidores tenham facilidade, rapidez e acima de tudo, qualidade para obterem bens e serviços sem que haja empecilhos no que diz respeito à local e data.

12 12 A Logística representa uma nova visão empresarial, pois, os empresários são responsáveis em sustentar serviços logísticos necessários e quando as empresas o fazem com responsabilidade, obtêm eficácia e eficiência em suas ações, como as empresas interagem com mudanças constantes do ambiente, mudanças essas como, na tecnologia, na economia, na legislação e na disponibilidade de recursos, a filosofia da administração, precisa se alterar com o passar do tempo para que venha conseguir se adaptar às novas exigências de desempenho para as empresas. A Logística tem como finalidade, agrupar as atividades que dizem respeito ao fluxo de produtos e serviços, como as atividades de transportes, estoques e comunicações, para administrá-las em conjunto, essas atividades que hoje são essenciais para o sucesso das empresas, tiveram início antes da existência de um comércio ativo entre regiões vizinhas, por outro lado, a administração de empresas não se preocupava em dar prioridade ao controle e a coordenação coletiva de todas as atividades logísticas. Segundo Ballou (2009), muitas pessoas estudam Logísticas não apenas por ser um assunto interessante, mas, sim essencial para torná-las mais informadas; não só as empresas privadas como as instituições governamentais, necessitam dos serviços de um especialista em Logística sejam eles em diversos níveis, especialistas em áreas de tráfego, armazenagem, em operações, estoques e vendas. Futuramente, a Logística se tornará mais atrativa do que é hoje, devido às mudanças nas condições econômicas, as quais, não deverão ser muitas como foi no passado, devido à menor taxa de natalidade e limitações na disponibilidade de fontes de matérias-primas e a maior competitividade estrangeira, sendo assim, as empresas necessitará fazer mudanças ao que diz respeito ao foco de gerenciar seu crescimento, competindo no mercado de

13 13 uma forma mais participativa, logo as atenções estarão voltadas para distribuição, a mesma, quando feita de forma eficiente e eficaz, pode tornar-se vantagem competitiva quando se luta por maior destaque no mercado. Existe outro fator que irá tornar importantes e bem remunerados os cargos responsáveis pelo fluxo de materiais e pela entrega de serviços: a disponibilidade de alimentos para abastecer a população mundial, o que hoje se estima que um terço do suprimento de alimentos perecíveis tem sido perdido durante a distribuição. Chegamos à conclusão, que toda e qualquer empresa de produção ou serviços, para operar, precisa ter atividades logísticas e saber como resolvê-los. Segundo Ballou (2009, P.24) Segundo Novaes (2007, P.35) Segundo Bowersox (2007, p.23) A Logística Empresarial trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final,assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento,com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável. Logística é o processo de planejar, programar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do consumidor. A Logística de uma empresa é um esforço integrado com o objetivo de ajudar a criar valor para o cliente pelo menor custo total possível. A Logística existe para satisfazer as necessidades do cliente. Facilitando as operações relevantes de produção e marketing do ponto de vista estratégico, os executivos de Logística procuram atingir uma qualidade pré-definida de serviço ao cliente por meio de uma competência operacional que represente o estado da arte, o desafio é

14 14 equilibrar as expectativas de serviços e os gastos, de modo a alcançar os objetivos do negócio. 1.1 OS PRINCIPAIS CUSTOS LOGÍSTICOS Segundo Figueiredo, Fleury e Wanke, podemos chamar de custo total todos os gastos que são necessários para realizar as atividades Logísticas. Custos estes que dizem respeito à mão-de-obra, instalações fixas, materiais diversos, equipamentos etc. logo o custo total é o principal paradigma da Logística. Segundo Ballou (2009), são considerados atividades chaves para atingir os objetivos logísticos em relação ao custo e nível de serviços, as seguintes atividades: Transportes Manutenção de estoques Processamento de pedidos Pelo fato dessas atividades serem responsáveis por contribuir para maior parte do custo total Logístico, ou seja, terem papel essencial para coordenação e prática da tarefa Logística, as mesmas são chamadas de atividades primárias Transportes Para o funcionamento de uma firma, é de caráter essencial a utilização de transportes,seja para efetuar o deslocamento de matérias-primas ou de produtos acabados, portanto o transporte é a atividade Logística mais

15 15 importante para a maioria das firmas,pelo fato de um a dois terços dos custos Logísticos estarem ligados a essa atividade. É comum notarmos a importância dos transportes quando existe greve ferroviária no território Nacional ou paralisação dos carreteiros autônomos, eventos como ases costumam causar o que chamamos de desastres Nacionais, pois, não há como os produtos serem entregues, logo, sendo deteriorados ou obsoletos. Segundo Ballou (2009, P.24): Transporte refere-se aos vários métodos para se movimentar produtos. Algumas das alternativas populares são os modos rodoviário, ferroviário e aeroviário. A administração da atividade de transportes geralmente envolve decidir-se quanto ao Método do transporte, aos roteiros à utilização da capacidade dos veículos Custos variáveis Recebem essa denominação aqueles que apresentam variação devido a fatores básicos do processo. Ex: pneu, combustível, lubrificação, manutenção e pedágio Custos fixos Recebem essa denominação os custos que venham apresentar um valor, o qual foi previamente determinado, de forma que não sofrem influências da produção ou nenhuma variável operacional.

16 16 Ex: aluguel mensal de instalações (depósito), depreciação, salários dos motoristas e ajudantes, seguro do veículo, IPVA / seguro obrigatório. Segundo LIMA (2008, P. 258) A classificação de custo fixo e variável deve ser feita sempre em relação a algum parâmetro de comparação, normalmente, em uma empresa industrial são considerados itens de custos fixos que independem do nível de atividade e itens de custos variáveis que aumentam de acordo com o crescimento do nível de atividade. Do ponto de vista de um transportador, usualmente essa classificação é feita em relação à distância percorrida, como se a unidade variável fosse a quilometragem. Dessa forma, todos os custos que ocorrem de maneira independente ao deslocamento do caminhão são considerados fixos e os custos que variam de acordo com a distância percorrida são consideráveis variáveis Cálculo do custo de cada item Segundo Lima (2008), através do cálculo dos custos unitários correspondente a cada tipo de veículo utilizado, pode-se chegar ao valor, ao custo das rotas de entrega ou utilização. É aconselhável montar uma planilha comum para que sejam calculados os custos fixos e variáveis unitárias dos transportes (carretas, truncks) em relação ao consumo de combustível, quantidade de pneus, salário de motorista, etc. Os mesmos itens possuem custos diretos ao veículo, logo, esse cálculo não vem a ser complicado e não está muito sujeito a subjetividade dos rateios. Os custos fixos são calculados em relação ao mês (R$ / mês), pelo fato de serem constantes mês a mês. Os custos variáveis dependem da distância, logo, são calculados em função da quilometragem (R$ / KM).

17 Custo das rotas de entrega / coleta Para obter o valor do custo fixo por hora (R$ /hora), é necessário calcular os valores unitários de todos os itens de custo, agrupá-los (R$ /mês) e dividir o resultado pelo nº. de horas trabalhadas no mês. Os custos variáveis deverão ser agrupados (R$ / km) e montar a equação de custo para uma rota. O tempo total da rota é o que deve ser considerado para as atividades de carga e descarga, inclusive filas e tempo de viagem. Através da fórmula do custo da rota, o que custeia as rotas segundo três atividades tidas como básicas, são elas: carregamento, viagem e descarregamento Fatores que influenciam o custo e o preço do transporte * Peso * Cubagem * Distância * Facilidade para carregar e descarregar o veículo * Facilidade de acomodação

18 18 * Risco da carga * Sazonalidade * Trânsito * Carga de retorno * Especificidade do veículo Oportunidades para redução de custos É importante que haja uma boa administração quando o assunto é redução de custos de frete, pois, o mesmo deve acontecer sem prejudicar o nível de serviço. Para isso, se faz necessário tomar uma série de medidas como: Fazer um planejamento do transporte, ter ciência sobre a quantidade de carga será desembarcado e em que localidade. Programação de embarques e desembarques, buscando assim, redução no tempo de fila.

19 19 Melhor aproveitamento da frota, aumentando a quantidade de turnos de trabalho, adquirindo assim, redução de custos de transporte, que podem chegar a 20%, quando houver três turnos Manutenção de estoques A manutenção de estoques costuma agir como amortecedor entre a oferta e a demanda, mantêm-se estoques para que se possa obter um grau satisfatório de produtos para atender aos clientes. A manutenção de estoques nas empresas é uma atividade chave na Logística, pois, eles são praticamente responsáveis por um a dois terços dos custos Logísticos. O estoque agrega valor de tempo ao produto e para que isso venha acontecer, é necessário que o estoque esteja bem localizado, ou seja, próximo aos consumidores ou aos pontos de manufatura. Os estoques necessitam de uma boa administração, para assim, conseguir manter seus níveis o mais baixo possível e de maneira que não venha prejudicar a disponibilidade aos clientes. Não é aconselhável manter um número grande pontos de estoque, o que acarreta altos custos associados para a manutenção dos produtos armazenados, por isso, a necessidade de se ter uma boa administração Processamento de pedidos Processamento de pedidos é considerado como uma atividade Logística primária que dá início a movimentação de produtos e a entrega de serviços. Em se tratando de custos de transportes, de manutenção de estoques e processamento de pedidos, este último, tende a ser menor em relação aos outros dois.

20 20 Transportes, manutenção de estoques e processamento de pedidos, formam o ciclo crítico de atividades Logísticas, o mesmo, é de muita importância, pois, é responsável por cumprir com sucesso a missão de entregar produto ou serviço ao cliente no tempo exato em qualquer localidade, por isso, são chamados de atividades primárias. Figura 1: Relação entre as três atividades logísticas primárias para atender clientes o ciclo crítico. Fonte: Logística empresarial de Ronald H. Ballou, (2009, p. 25) Existe uma série de atividades, as quais são chamadas de atividades de apoio e que dão suporte às atividades primárias (transportes, manutenção de estoques e processamento de pedidos). As atividades de apoio são: Armazenagem Manuseio de materiais

21 21 Embalagem de proteção Obtenção Programação do produto Manutenção de informação Figura 2: Relações entre as atividades logísticas primárias e de apoio e o nível de serviço almejado Fonte: Logística empresarial de Ronald H. Ballou, (2009, p. 26)

22 22 * Armazenagem É o ato estocar, manter em estoque, administrar o estoque e resolver problemas quanto a sua localização, dimensionamento de área, arranjo físico, recuperação do estoque e configuração do armazém. * Manuseio de materiais Faz parte da armazenagem e da manutenção de estoques. Trata de todas as movimentações do produto, tais como, transferência e recebimento. * Embalagem de proteção É necessário para que se faça a movimentação de produtos sem causar danos ao mesmo e logo, evitar prejuízo. * Obtenção É quando há disponibilidade de produtos para o sistema Logístico. Faz seleção das fontes de suprimento, das quantidades a serem adquiridas, da programação das compras e da forma pela qual o produto é comprado. * Programação do produto É praticamente o oposto da obtenção, a qual é responsável pelo suprimento (fluxo de entrada), já a programação, é responsável pela distribuição (fluxo de saída). Esta atividade define a quantidade agregada que deve ser produzida, determinando quando e onde deve ser fabricada. * Manutenção de informação É responsável por desempenhar informações em relação ao custo e desempenho, o que é essencial para a eficiência da função Logística nas empresas, essas informações são utilizadas para fazer um planejamento sem erros e controle Logístico, a manutenção de bancos de dados deve conter informações importantes como a localização dos clientes, volumes de vendas, padrões de entregas e níveis dos estoques.

23 23 Segundo Bowersox, (2007, P.29): O nível de custos Logísticos está relacionado com o desempenho desejado de serviço. A obtenção simultânea de grande disponibilidade, confiabilidade e desempenho operacional tem um alto custo. A dificuldade para aplicar o conceito origina-se no fato de que a relação entre o custo Logístico e um melhor desempenho não é diretamente proporcional. Uma empresa que assume compromissos com seus clientes em termos de disponibilidade de estoque, prometendo entregas consistentes em 24 horas, poderá duplicar seu custo Logístico em comparação com um compromisso menos ambicioso.

24 24 CAPÍTULO II A TERCEIRIZAÇÃO Segundo Leiria (1992), A terceirização, ou seja, a prática de entregar para terceiros todas as atividades, as quais, não sejam essenciais, deu-se início nos Estados Unidos, antes da II Guerra e conseguiu se consolidar como técnica de administração a partir da década de 50, com o desenvolvimento acelerado da indústria. No Brasil, as multinacionais de automóveis, foram as responsáveis por introduzir a terceirização no mercado para adquirir agilidade em sua ações, logo, transformando-se em montadoras, tornando assim, dependentes da produção de peças entregues a outras empresas. Hoje é muito raro encontrar alguma empresa que não tenha parte de seus serviços terceirizados, atendo-se apenas a atividade de fim, e passando para as empresas terceirizadas tudo o que for secundário do ponto de vista administrativo, é uma forma de atingir maior produtividade e agregar valor ao produto final. Segundo Queiroz (1992), Podemos dizer que terceirização é uma técnica administrativa, a qual vem possibilitar que se estabeleça todo um processo gerenciado de estabelecer transferência das atividades da empresa a terceiros para que assim, essa venha a executá-las, e desta forma, poder se concentrar, dar ênfase no objetivo final, já que as atividades acessórias serão terceirizadas.

25 25 A terceirização incentiva o surgimento de novas empresas, as quais são especializadas em prestar serviços para outras empresas, logo, gerando um maior número de empregos e também de impostos ao poder público. As empresas que prestam serviços terceirizados, geralmente são de micro e médio porte, existe também o trabalho autônomo, o qual acaba adquirindo especialização para então, executar os serviços com qualidade e eficiência. A terceirização também pode ser definida pelo processo o qual, busca parcerias devido às imposições do mercado e da demanda disponível. O fato de não mais poder passar para os preços os elevados custos, fez com que os empresários se preocupassem e tomassem decisões, as quais resultariam na manutenção dos clientes e consumidores, implementando assim: qualidade, competitividade, agilidade de decisão, eficiência e eficácia. Segundo Queiroz apud Tsukanomoto (1992 p. 94) A terceirização estabelece melhores relações entre fornecedores e usuários de bens e serviços, agilizando e otimizando o atendimento aos clientes. Torna-se viável somente com a aceitação do princípio da confiança mútua. Segundo Alvarez (1996), podemos dizer que existem alguns fatores condicionantes da realidade das empresas, os quais são responsáveis de levar as empresas a optarem pela alternativa da terceirização, esses fatores são: rapidez para atender os clientes e para adaptação as mudanças do ambiente externo, espírito empreendedor por parte das pessoas, redução de custos

26 26 fixos, satisfação do consumidor final, permitir que os gerentes se focalizem nas atividades medulares da empresa. É indispensável que os chamados parceiros das grandes empresas têm capacidade para realizar os serviços com baixos custos e muita qualidade. Segundo Kardec e Carvalho (2002), Terceirizar não deveria ser considerado como apenas a contratação de empresas para executar tarefas tidas como de menor importância, economia com custos, contratação de mãode-obra mais barata sem maiores vínculos empregatícios. Terceirizar deve ser considerado como uma relação de parceria, uma relação de resultados (lucros) para ambas as partes envolvidas, além de gerar vantagem competitiva para a empresa contratante, maior especialização, comprometimento com resultados por parte da empresa contratada. Segundo Kardec e Carvalho (2002 p. 42) Terceirização é a transferência para terceiros de atividades que agregam competitividade empresarial, baseada numa relação de parceria VANTAGENS E DESVANTAGENS DA TERCEIRIZAÇÃO Vantagens da terceirização Redução de custos Redução das perdas

27 27 Custos equilibrados do mercado de mão-de-obra Reduz a ociosidade da mão-de-obra Não existe necessidade de realizar despesas ou investimentos em frota, equipamento e infra-estrutura Redução de despesa em administração Transforma os custos fixos em variáveis Aumento do lucro Aumento da produtividade Aumento de competitividade Aumento da qualidade Melhor atendimento Diversidade de opções e flexibilidade de Atendimento Gera efetividade e eficiência

28 28 Soma as qualidades do prestador e tomador dos serviços Aumento da especialização Redução de áreas ocupadas Diminuição de desperdício Redução dos níveis hierárquicos Agilidade nas decisões Reavaliação das necessidades Melhor comunicação interna Flexibilidade organizacional Melhor administração do tempo para gestão do negócio Concentra esforços na criação de novos produtos

29 Desvantagens da terceirização Dificuldades no aproveitamento dos funcionários já treinados Demissões na fase inicial Custo das demissões Redução da especialização própria Aumento do risco empresarial pela possibilidade de queda na qualidade Dificuldade em controlar a qualidade dos serviços Má escolha de parceiros Reduzido número de empresas qualificadas e confiáveis Escolha de prestador sem a especialização necessária Má administração do processo Aumento da dependência de terceiros

30 30 Dependência do mercado quanto à oferta de serviços Demora no atendimento Sazonalidade no valor do frete Podem ocorrer conflitos de cultura as quais devem ser compatíveis

31 31 CAPÍTULO III AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA TERCEIRIZAÇÃO DO TRANSPORTE DE CARGA Quando se trata de movimentação de bens, é necessário que haja união entre produção e consumo, quando os mesmos estão localizados em pontos diferentes, a união dos mesmos só ocorrerá com a utilização das atividades de transporte. O transporte costuma ser o principal componente da Logística, pois, enquanto não se crie uma política de desenvolvimento tanto regional quanto nacional com melhor infra-estrutura de transportes, os transportes são tidos como a última opção para que a empresa tenha seus custos reduzidos. Circulam no território Nacional em média de 600 milhões de toneladas de carga por ano, possibilitando assim, uma movimentação anual de R$ 30 bilhões em fretes e a maior parte destinada as empresas de transporte rodoviário, segundo estimativas da Associação dos Transportadores de Carga (NTC). Segundo Alves (1997, p. 87) A oferta de serviço é organizada por transportadores em veículos de circulação regular, ou contratados especialmente para determinada viagem, por frota própria, por prestadores de serviço e por agenciadores entre os vários modais possíveis. transporte são: Podemos dizer que as principais características do serviço de

32 32 Tecnologia Possibilita verificar capacidade e agilidade da prestação do serviço. Estratégia Operacional Podemos dizer que é quando o operador decide por adotar ou não tecnologia moderna, a qual possibilitará melhor a movimentação de carga. Requisitos Institucionais e Restrições Tabelas de fretes, regulamentação sobre a capacidade dos veículos, extensão dos mesmos, localidade de balanças, regulamentação de circulação de veículos especiais, taxas, licenças e os documentos do transporte; essas ações são todas reguladas por órgãos específicos. Comportamento da Demanda Informações relevantes para que os transportadores possam fazer uma avaliação quanto à disposição de investimentos em ativos especializados. São consideradas como informações relevantes as necessidades de embalagem e a freqüência com que o embarcador utiliza o serviço. Na oferta de serviços de transporte existem custos os quais, podem ser vistos como investimento em relação aos demais custos de transferência. São de responsabilidade pública ou privada, os custos de implantação e que quase sempre necessitam de uma aprovação como do Ministério dos Transportes, esses custos são investimento, ou seja, através deles é que serão criados vias, terminais, portos e aeroportos.

33 33 Os custos de transferência também estão ligados aos serviços de transporte, também chamados de custos operacionais: (combustível desgaste dos veículos, rota, riscos, carga de retorno, necessidade da carga, seu tamanho, volume e valor, condições para embarque/desembarque, pessoal). Custos administrativos, infra-estrutura, impostos e taxas (licenças e pedágios). É chamado de frete o preço de equilíbrio de mercado para a realização do serviço de transporte de cargas. Segundo Bowersox (2007, p. 303) A economia e a formação de preço de transporte dependem dos fatores e das características que influenciam custos e taxas. Para desenvolver uma estratégia logística eficaz, e negociar com sucesso contratos de transporte, é necessário compreender os aspectos econômicos da atividade. A abordagem da economia e da formação de preço de transporte cobre necessariamente três tópicos. Primeiramente, estão os fatores que afetam a economia de transporte. Em segundo lugar, as estruturas de custo que decorrem da apropriação de despesas. Finalmente, existem as estruturas de taxas de frete, que são fundamentais para os preços cobrados aos clientes FATORES QUE INLUENCIAM NO VALOR DO FRETE Distância Percorrida É considerado um dos principais fatores para determinar o valor do frete. Custos Operacionais Pode pressionar de alguma forma o reajuste nos preços do frete. Possibilidade de Carga Retorno Faz o valor de o frete ser reduzido, quando tiver carga de retorno.

34 34 Carga e Descarga O tempo de espera influencia no valor do frete, quanto menor o tempo, mais baixo será o frete. Sazonalidade da Demanda para Transporte Quando a demanda por transporte for reduzida, o preço do frete será afetado. Especificidade da Carga Transportada e do Veículo Utilizado Tipo de carga, embalagem e condições especiais para transportar a carga afeta o valor do frete. Perdas e Avarias O valor do seguro pode cobrir possíveis acidentes é um fator que torna o valor do frete mais caro. Vias Utilizadas A má conservação das vias pode elevar o custo do frete pelo fato do veículo estar mais propenso a acidentes e ser obrigado a fazer a viagem de forma mais lenta. Prazo de Entrega Efetuar a entrega dentro do prazo pode acarretar a redução do valor do frete. Aspectos Geográficos Trechos, vias que são pouco utilizadas podem fazer o preço de frete ser mais elevado. Pedágio e Fiscalização O elevado número de praças de pedágios e postos de fiscalização pode influenciar o valor do frete.

35 ESCOLHA DO TRANSPORTADOR: PRÓPRIO OU TERCEIRIZADO Segundo Ballou (2009), O momento que o gerente de transporte precisa decidir por qual operadora de transporte escolher para efetuar o deslocamento das mercadorias, é considerado o principal problema que o gerente deve enfrentar. O gerente precisa buscar soluções de modo que os custos e o desempenho devem ser sempre levados em consideração na hora da escolha, que pode ser pelo serviço próprio (frota própria) ou serviço de terceiros (terceirizado). É grande a gama de serviços oferecidos pelo mercado de transportes rodoviários de carga, dentre os serviços oferecidos podemos destacar as rotas que são compartilhadas por diversos usuários também conhecidas por rotas regulares; outra opção é a chamada viagem exclusiva, a qual é contratada por um único usuário ou grupo de usuários. Além de custos e desempenho é necessário fazer um balanço entre os custos de estoque e de transporte objetivando assim, alcançar o menor custo total possível, também são levados em consideração flexibilidade do operador, crédito, reciprocidade ou relacionamento de longo prazo com o transportador CONTRATAÇÃO DE TRANSPORTE DE TERCEIROS Segundo Bowersox (2007), Quando uma empresa necessita efetuar entrega de produtos e não possui carga própria, logo, é efetuado contrato com empresas especializadas em transportar cargas.

36 36 É efetuado um contrato entre as partes, no caso, transportadora e empresa, o contrato deve dizer respeito ao custo, ao serviço de transporte específico; a transportadora também pode se comprometer a movimentar mais de uma carga em determinado período. Para que haja plena satisfação por parte do contratante é necessário que uma relação de parceria e confiança entre contratante e contratado, ou seja, o contratante terá certeza que será cumprido o prazo estabelecido para entrega da carga, pois a empresa contratada possui técnicas e pessoal especializado dedicando-se a cumprir essas metas UTILIZAÇÃO DE TRANSPORTE PRÓPRIO Quando a empresa possui veículos próprios para efetuar os seus serviços de entrega de produtos, ou seja, podemos dizer que possui frota própria. A frota própria é para utilização somente da própria empresa e não para aluguel. Ter frota própria significa ser proprietária dos equipamentos sem precisar contratar empresas terceirizadas para efetuar as entregas. Uma das principais diferenças entre frota própria e terceirizada é que na frota própria a atividade de transporte precisa ser conseqüência da principal atividade da empresa, para assim, ter qualidade em suas ações.

37 37 CONCLUSÃO Quando o assunto é terceirização, ou seja, a prática de entregar para terceiros todas as atividades que forem consideradas como atividade meio, podemos dizer que é uma forma de atingir maior produtividade além de agregar valor ao produto final; cada vez mais a terceirização vem sendo utilizada pelas empresas. É válido ressaltar que existem vários custos logísticos, os quais necessitam ser bem administrados, calculados, pois, são considerados atividades-chaves para obtenção de custo satisfatório e qualidade no nível de serviço. Um dos custos mais importantes quando o assunto é terceirização de transporte rodoviário de carga, é o custo de transporte rodoviário o os principais custos ligados aos mesmos como variáveis e fixos, como: pneu, combustível, lubrificação, manutenção, pedágio, seguro do veículo, salários dos motoristas, etc. É necessário fazer uma análise criteriosa dos fatores que possam influenciar o custo do transporte de carga, como: peso, distância, risco da carga, carga de retorno, etc. Em vista dos argumentos citados, podemos concluir que, optar em fazer uso da terceirização de transporte rodoviário de carga é mais vantajoso e eficaz para as empresas, a partir do momento que haverá redução de custos sem afetar a qualidade dos serviços.

38 38 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ALVAREZ, Manuel S. B. Terceirização: parceria e qualidade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Campus, BALLOU, Ronald H. Logística empresarial: transportes, distribuição de materiais, distribuição física. São Paulo: Atlas, BOWERSOX, Class. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas, CAIXETA, José Vicente Filho; MARTINS, Ricardo Silveira. Gestão logística do transporte de cargas. São Paulo: Atlas, FIGUEIREDO, Kleber Fossati; FLEURY, Paulo Fernando; WANKE, Peter. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento do fluxo de produtos e dos recursos. São Paulo: Atlas, KARDEC, Alan; CARVALHO, Claudia. Gestão estratégica e terceirização. Rio de Janeiro: Qualitymark, LEIRIA, Jerônimo Souto. Terceirização. 5ª ed. Porto Alegre: Ortiz, MINTZBERG, Henry; QUINN, James Brian. O processo da estratégia. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman, NOVAES, Antônio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. Rio de Janeiro: Elsevier, QUEIROZ, Carlos Alberto Ramos Soares de. Manual de terceirização. 9ª ed. São Paulo: Pioneira, 1997.

39 39 ÍNDICE FOLHA DE ROSTO 2 AGRADECIMENTO 3 DEDICATÓRIA 4 RESUMO 5 METODOLOGIA 6 SUMÁRIO 7 INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Os principais custos logísticos Transporte Custos variáveis Custos Fixos Cálculos de custos de cada item Custos de rotas de entrega / coleta Fatores que influenciam o custo e o preço do transporte Oportunidade de redução de custo Manutenção de estoque Processamento de pedidos 19 CAPÍTULO II A TERCEIRIZAÇÃO 2.1 Vantagens e desvantagens da terceirização Vantagens da terceirização Desvantagens da terceirização 29 CAPÍTULO III AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA TERCEIRIZAÇÃO DO TRANSPORTE DE CARGA Fatores que influenciam no valor do frete Escolha do transporte: próprios ou terceirizados 35

40 Contratação de transporte de terceiros Utilização de transporte próprio 36 CONCLUSÃO 37 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 38 ÍNDICE 39

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 03/03/2016 Logística

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO Time-based Competition Silvana Tiburi Bettiol Time is money Será? Ondas de Inovação de Processos Processo evolutivo adaptação da organização ao ambiente Ondas de Inovação de

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Administração Profa. Patricia Brecht Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Compras Envolve todo o processo de localização de fornecedores e fonte de suprimento, aquisição de materiais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Técnico em Logística

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Técnico em Logística Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho (Extensão Esterina Placco) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

Consulta Pública PROPOSTAS

Consulta Pública PROPOSTAS Consulta Pública POLÍTICA DE LOGÍSTICA URBANA DE BELO HORIZONTE - 2015 PBH BHTRANS / outubro 2015 PROPOSTAS 1. Causas básicas do caos urbano 1. Desequilíbrio entre a oferta e a demanda do uso da estrutura

Leia mais

A prova no geral foi bem tranquila, e tenho certeza de que meus alunos não tiveram problemas para tratorar as questões de ARM.

A prova no geral foi bem tranquila, e tenho certeza de que meus alunos não tiveram problemas para tratorar as questões de ARM. Questões Comentadas E aqui estamos nós de novo. Recebi vários emails sobre questões específicas que poderiam trazer dúvidas a respeito de seu entendimento. A gente vai ver tudo agora! A prova no geral

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

REDUZIR CORTAR! ELIMINAR

REDUZIR CORTAR! ELIMINAR REDUZIR CORTAR! ELIMINAR MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão QUAIS RESULTADOS

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS. Jéssica Pacheco Kayro Felix

ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS. Jéssica Pacheco Kayro Felix ORÇAMENTO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS E DESPESAS DE VENDAS Jéssica Pacheco Kayro Felix Orçamento de Despesas Operacionais Orçamento das Despesas Administrativas Orçamento das Despesas Comerciais / Vendas

Leia mais

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Leonardo Maluta (POLI-USP) leonardo.maluta@poli.usp.br Enrico Barnaba Ferri (POLI-USP) enrico.ferri@poli.usp.br Hugo Yoshizaki (POLI-USP)

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO

Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO SEMINÁRIO SOBRE TRANSPORTE E LOGÍSTICA BANCO MUNDIAL / MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Eng Luis

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Mensuração e avaliação do desempenho logístico e nível de serviços. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas

Mensuração e avaliação do desempenho logístico e nível de serviços. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas Mensuração e avaliação do desempenho logístico e nível de serviços Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas Medição de desempenho no processo gerencial informações para decisão

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

Gerencie adequadamente os custos da sua frota

Gerencie adequadamente os custos da sua frota Gerencie adequadamente os custos da sua frota O que é gestão de Frota? De acordo com definição encontrada no livro Gerenciamento de Transporte e Frota, o termo gestão de frota representa a atividade de

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA 1) ASSINALE A ALTERNATIVA QUE CORRESPONDE A UMA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO. A) Recebimento de matérias-primas. B) Alimentação de sistemas produtivos.

Leia mais

Departamento de Produção

Departamento de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Produção Administração e Finanças para Engenharia Alunos: Adão Gonzaga de Castro Danilo Braz da Silva Wemerson Dias Júnior Professor: Luiz Guilherme

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Logística para Supermercados. Elaborado por Rlima Consultoria

Logística para Supermercados. Elaborado por Rlima Consultoria Logística para Supermercados Facilitador Consultor empresarial e palestrante Renato Lima, Administrador de Empresas Habilitado em Marketing e Vendas, Pós Graduado em Gestão Empresarial, Gestão Estratégicas

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE FLUXO DE CAIXA Por: Adriana Sant Anna dos Santos Orientador Profº.: Luiz Claudio Lopes Alves D.Sc. Rio de Janeiro 2009 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS GESTÃO DE ESTOQUE Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Higino José Pereira Neto Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três

Leia mais

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso)

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Edimar Alves Barbosa (UFCG) eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE UM VASO DE PRESSÃO EM UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE. Por: Dario Jorge Brandão Orientador Professora

Leia mais

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais.

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. Entre outras vantagens, oferece importantes benefícios fiscais que visam diminuir o custo de seus clientes.

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Escolha o melhor fornecedor de sistemas e tecnologia e ganhe flexibilidade, rendimento e eficiência operacional automação que traz resultados

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte 2ª Edição Revisada e Ampliada em 2014 Apresentação O Panorama ILOS Transporte Rodoviário

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

CONDOMÍNIOS LOGÍSTICOS: ESTUDO DE CASO BAURU BUSINESS PARK

CONDOMÍNIOS LOGÍSTICOS: ESTUDO DE CASO BAURU BUSINESS PARK CONDOMÍNIOS LOGÍSTICOS: ESTUDO DE CASO BAURU BUSINESS PARK CLEITON FUMIO KIMIMOTO (Fatec Lins) cleiton.kimimoto@fatec.sp.gov.br LUIZ CARLOS RELVA (Fatec Lins) luizrelva@yahoo.com.br euclides reame junior

Leia mais

Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo 20

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

Aula I Introdução à Logística

Aula I Introdução à Logística Aula I Introdução à Logística Professor Argélio Lima Paniago COMO PODEMOS DEFINIR A LOGÍSTICA? 2 1 O inicio da Logística teve sua interpretação relacionada com as operações militares (movimentaçãode tropas,

Leia mais

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS INTRODUÇÃO Como vai a qualidade de vida dos colaboradores da sua empresa? Existem investimentos para melhorar o clima organizacional e o bem-estar dos seus funcionários? Ações que promovem a qualidade

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA FASA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA Lorena Palma Araújo RA nº. 20350584

Leia mais

Verificando a viabilidade do negócio

Verificando a viabilidade do negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Verificando a viabilidade do negócio Manual Etapa 2/Parte 1 Bem-vindo! Olá, caro empreendedor! É um prazer ter você na Etapa 2 do Programa de Auto-Atendimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO Administração do latim ad(direção, tendência para) e minister(subordinação

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Valores. Tecnologia. Qualidade e Segurança

Valores. Tecnologia. Qualidade e Segurança Apresentação... Em uma época dinâmica na qual vivemos, não podemos deixar que pequenos detalhes escapem aos nossos olhos, pois eles são essenciais quando acreditamos que nossos produtos têm o potencial

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos

Gerenciamento de Depósitos Gerenciamento de Depósitos Diferentes modelos e tipos de CD s e armazéns podem auxiliar na busca por soluções logísticas eficientes, para diferentes produtos, com características logísticas diversas. As

Leia mais