Missão, Visão e Valores 03. Mensagem da Administração 04. Setorial 07. Resultado Econômico-Financeiro 13. Reavaliação de Ativos 17

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Missão, Visão e Valores 03. Mensagem da Administração 04. Setorial 07. Resultado Econômico-Financeiro 13. Reavaliação de Ativos 17"

Transcrição

1

2 Índice Missão, Visão e Valores 03 Mensagem da Administração 04 Setorial 07 Resultado Econômico-Financeiro 13 Reavaliação de Ativos 17 Desempenho Operacional 19 Perspectivas 23 Governança Corporativa 27 Gestão de Riscos 32 Sustentabilidade 36 Desempenho das Ações 44 Demonstrações Financeiras Auditadas 46

3 MISSÃO Prover alimentos através de ações sustentáveis e de pioneirismo, com compromisso de qualidade, construindo uma companhia de valor. VISÃO DE FUTURO Ser reconhecida nacionalmente como empresa de alimentos e referência nos mercados em que atuar. VALORES Nossas decisões e ações são coerentes e orientadas pelo nosso compromisso com: - Sustentabilidade; - Transparência; - Integridade e Ética; - Respeito para com as pessoas e gerações futuras; - Pioneirismo. Deu certo Relatório Anual

4 Mensagem da Administração Relatório Anual

5 Senhores Acionistas No ano de 2007 o Conselho de Administração juntamente com a Diretoria, elaborou um plano de modernização e ampliação da infra estrutura do Packing House e pomares da empresa, com o objetivo principal de redução dos custos de produção e melhoria continua da qualidade. Esta modernização coloca a Companhia na liderança do setor em termos de tecnologia, e trará para a empresa a adequação aos novos modelos de processamento e comercialização exigidos pelo atual cenário nacional e internacional do setor. No âmbito de produção e processamento, o foco é atingir ganhos de produtividade tanto na classificação e armazenagem, quanto nos pomares, automatizando ao máximo as linhas de produção, aliviando a pressão trabalhista e tributária incidente sobre o produto final advinda do uso extensivo de mão de obra. Na comercialização, estes investimentos proporcionarão qualidade uniforme nos produtos finais, e principalmente a possibilidade de trabalhar de acordo com a demanda de mercado, gerenciando os melhores momentos para venda no mercado interno ou externo. Para concretização dos objetivos, foram aprovados investimentos para aquisição de 01 máquina de pré classificação de frutas, construção de câmaras frigoríficas de atmosfera controlada com capacidade Ton. de capacidade de armazenagem, aquisição de (doze mil bins) de madeira, aquisição de 02 (duas) máquinas para colher maças, e demais modificações necessárias nas áreas de pesagem e recebimento de frutas e docas de expedição de mercadorias. O equipamento de pré-classificação adquirido tem capacidade para processar até (setenta mil) toneladas por ano. É o mais novo e moderno da categoria a ser instalado no Brasil na atualidade. De origem francesa, é totalmente automático. Tem a capacidade de selecionar frutas separando-as eletronicamente pelo grau de defeito que a mesma possa ter, diferente dos equipamentos atuais onde a seleção por defeito é efetuada manualmente por uma equipe numerosa de pessoas treinadas para este fim. No exercício de 2007 o Mercado de maçãs trabalhou com os níveis de preços mais baixos dos últimos 5 (cinco) anos, resultando em um ano muito difícil. Apesar disto a Companhia continua focada na redução de seus custos operacionais e de produção. Entendemos que a médio prazo será necessária uma consolidação de algumas operações comuns do setor de forma a otimizar recursos e aproveitar sinergias existentes, melhorando a performance da atividade em geral. Relatório Anual

6 A companhia está investindo em 2007 e 2008 aproximadamente R$ ,00 (sete milhões de reais) na modernização de sua infra-estrutura e equipamentos. Estes investimentos proporcionarão principalmente redução direta de custos alem de maior qualidade e produtividade. Com os novos investimentos, a Companhia assume uma nova característica comercial, possibilitando um controle maior sobre a oferta de seus produtos, durante o ano. Comercialmente, estamos abrindo novos mercados na Ásia e no Oriente Médio, e retomando as exportações para os EUA. Estamos também em negociações para a que a RENAR assuma a administração operacional e comercial de mais uma estrutura de Packing House, possibilitando um aumento de nossos volumes anuais no mercado nos próximos anos. Iniciamos o ano de 2008 confiantes na retomada do crescimento, na recuperação da rentabilidade da Companhia, e na ampliação da qualidade e da competitividade de nossos produtos e serviços. Fraiburgo, 22 de fevereiro de A Diretoria. Relatório Anual

7 Setorial

8 Produção e Comércio Mundial de Maçãs Fonte: Foreign Agricultural Service / USDA O comércio mundial de maçã é dominado por quatro principais comerciantes, União Européia, China, Chile e parte de exportação nos Estados Unidos e de importação na União Européia e Rússia. Intensificando a competição de exportação para China poderia pressionar futuras perspectivas de crescimento. Desafios da China para o Top de Exportação China é de longe o maior produtor de maçã do mundo com 23 milhões de toneladas e está desafiando rapidamente a União Européia como o maior exportador do mundo. Em termos de valor, contudo, os Estados Unidos domina o mercado mundial em $640 milhões. Os valores da exportação da China estão em terceiro lugar e fica atrás da União Européia e dos Estados Unidos. Grande parte da participação do mercado chinês estará em países Asiáticos e na Rússia, apresentando uma competição crescente para maçãs americanas. Rússia tornando-se um mercado promissor A União Européia é o maior importador de maçã com produtos principalmente de países do hemisfério sul na entre safra. A Rússia é o segundo em importação para a União Européia bem como China, Argentina, Chile e Estados Unidos. A importação da Rússia cresceu 21% ano passado e esperam crescer 10% a mais em 2007/08 como rendimentos salariais. Como a Rússia tenta fechar o intervalo de consumo de frutas com consumidores do oeste, tarifas aduaneiras mais baixas e ativação de um novo terminal de containeres no porto de St. Petersburg fará o produto importado mais competitivo contra o baixo preço do produto interno. A expansão da demanda poderá oferecer oportunidades para ofertas adicionais nos Estados Unidos, mas também mais competitividade com a China, particularmente nos portos leste da Rússia. Relatório Anual

9 Decréscimo da produção mundial Para 2007/08, a produção em países aqui descritos, acredita-se que seja 9% abaixo em relação a previsão do ano de 41 milhões de toneladas, mas quase inalterado desde 2005/06. A China, o principal impulsionador mundial de produção de maçã destaca um declínio de 12% para 23 milhões de toneladas, devido ao frio e primavera seca combinado com uma diminuição cíclica normal. Precoces problemas climáticos também impulsionaram a baixa produção na Eslováquia, Polônia, Hungria, Grécia com declínios de 35% de queda em relação ao ano anterior. A produção de maça no hemisfério norte em 2007/08 acredita-se que seja 10% a menos enquanto países do hemisfério sul mantêm-se estáveis em um aumento de apenas 1%. Aumentos na Austrália, Chile, e África do Sul estão compensando os declínios na Argentina e Nova Zelândia. Decréscimo na produção dos Estados Unidos O Estados Unidos utilizou a produção de maçã para campanha (MY julhojunho) 2007/08 que está 6% abaixo em relação a safra passada que foi 4,2 milhões de toneladas, de acordo com informações de janeiro do National Agricultural Statistics Service (NASS) 2007 Non-citrus Fruits and Nuts Preliminary Summary. A produção de Washington diminuiu de 4%, 5,40 milhões de libras a partir de A produção de Michigan diminuiu 10% em 2006, enquanto a produção em Nova York aumentou 2% a partir de Uma mudança de variedades produzidas foi a principal razão para a redução da produção em Washington e que os produtores estão substituindo as variedades Red e Golden Delicious. Em Nova York, o granizo danificou algumas das culturas; porém, a quantidade e qualidade da maçã permaneceram elevadas. Baixos níveis de precipitação de verão em Michigan reduziram o tamanho do fruto mas a qualidade se manteve elevada. Uma forte geada dizimou os pomares no Sudeste e Iowa, Missouri, Illinois, e Kentucky. Relatórios de dano e perda total das culturas foram comuns nestes Estados. Para obter mais dados sobre a maçã no U.S. acesse: Mannlib.cornell.edu e selecione a Janeiro 2008, Non-citrus Fruits and Nuts 2007 Preliminary Summary report. NASS irá liberar a Non-citrus Fruits and Nuts Summary de terça-feira, 8 de julho de 2008, o que proporcionará o final da produção e o preço para os valores de 2007 na União Européia. Relatório Anual

10 Atualização estrangeira de barreiras comerciais Coréia Estados Unidos Acordo de Livre Comércio Em 2 de abril de 2007, os Estados Unidos concluíram as negociações sobre um acordo de comércio livre (ACL) com a República da Coréia. Nos termos do acordo, os produtores agrícolas dos Estados Unidos terão melhoria no acesso a um adicional de 48 milhões de consumidores. Atualmente, as maçãs nos Estados Unidos não tem permissão de entrada na Coréia do Sul devido a preocupações quanto à pragas e doenças (por exemplo, Cidya Pommonella e Fogo bacteriano). Acessos Fitossanitários à Coréia do Sul para maçãs dos Estados Unidos exigirá um acordo fitossanitário. Uma vez que o acesso é permitido, o FTA poderá melhorar o acesso de maçãs, reduzindo tarifas. México e taxas antidumping Em 2 de novembro de 2006, a Secretaria de Economia (SE) anunciou a resolução final para a investigação da taxa Antidumping sobre as variedades Red e Golden Delicious dos Estados Unidos. Dependendo da empresa, os direitos podem ir de 0 a 47,05%. A maior parte do Northwest Fruit Exporters (NFE) empresas recaem no âmbito de 47,05. No entanto, recentemente, um pequeno número empresas Mexicanas importadoras de frutas requereu a SE para revogar em 12 de agosto de 2002, o final da resolução sobre os direitos anti-dumping sobre a Red Golden Delicious embarcados pelas companhias Non- Northwest Fruit Exporters (NFE). A petição foi resolvida favoravelmente, e em 3 de julho de 2007, o SE anunciou no Diario Oficial (Federal Register), que a resolução final sobre o processo antidumping da Red e Golden Delicious, publicada em 12 de agosto de 2002, foi cancelada. O cancelamento da presente resolução significa que as companhias non-northwest Fruit Exporters (NFE) já não estão sujeitas a uma indenização compensatória de impostos quando exportam Red e Golden Delicious para o México. Embora esta última resolução permita que outras empresas, diferentes da NFE e de outros estados exportar maçãs sem impostos, a maior parte das importações continuarão a vir de Washington. As maçãs dos Estados Unidos que não são Red e Goldem Delicious não estão sujeitas a nenhum imposto. Portanto, outras variedades como a Gala, Rome Beauty, Jonagold, e PinkLady, estão sendo importadas a preços mais acessíveis, mas em menores quantidades. A indústria de maçã nos Estados Unidos continuará a fazer face à concorrência de outros países. Os U.S. tem o México como o maior fornecedor maçã, enquanto o Chile é segundo. Maçãs em menor escala também são importados do Canadá, Argentina, África do Sul e Nova Zelândia. O México completou o protocolo fitossanitário para importar maçãs provenientes da China, mas a sua indústria nacional não espera significativa concorrência como a diversidade da China, Fuji, ainda não é totalmente aceita pelos consumidores mexicanos. Relatório Anual

11 Taiwan e a detecção de Cidya Pommonella Durante este ciclo (Set - Maio), apenas uma mariposa foi detectada. Em 2 de novembro, Taiwan confirmou a detecção da larva em um embarque do Pacific Northwest. Nos últimos anos, as exportações têm sido fracas com pouco interesse por alguns exportadores para comercializar agressivamente com Twain, até que uma cláusula da penalização possa ser acordada e que direcione para um período de quarentenário, mas não necessariamente restrito ao comércio. Com o consumo de maçã de Twain espera-se que seja estável durante os próximos anos, o mercado está aberto a todos os grandes produtores com a importante exceção da China. Exportações de julho a dezembro em Taiwan têm-se quase 20% de aumento em ambos as quantidades e valores. A última campanha foi às exportações no valor de US$42 milhões. Taiwan também importa maçã do Chile, Nova Zelândia, França, Coréia do Sul, e no Canadá. Índia suspende regulamento de selos colantes O Ministério da Saúde e Previdência Social Famíliar (MHFW) adiou a data de execução do regulamento revisto até 1 de março de 2008, para revisar comentários públicos sobre a nova regulamentação. Em 29 de dezembro de 2006, A Índia emitiu regulamentos autorizando a utilização de carnaúba e cera de abelha como um revestimento de frutas frescas, entrando em vigor em 30 de março de O regulamento também requereu que cada pacote de fruta fresca, bem como "solto" ou individual fossem identificados com o nome da cera e uma data de validade. A MHFW posteriormente indicou que o selo seria exigido nas embalagens e não em frutas individuais, mas os Estados Unidos rejeitaram o pedido de aprovação da FDA porque ela não especifica com exatidão o nome completo da cera aprovadas e data de validade. A revisão do regulamento será implantada 1º de março de A exportação de maçã para a Índia está 60% menos nesta safra (jul dez). Para maiores informações sobre maçãs da Índia, acesse: Relatório Anual

12 Disputa Nova Zelândia WTU Em 4 de outubro de 2007, na Austrália e na Nova Zelândia na posse da Resolução de Litígios da WTO. A Nova Zelândia alegou que o regime de importação da Austrália estava incompatível com as suas obrigações SPS, incluindo a falta de transparência e de avaliação de riscos. Os Estados Unidos e a União Européia foram os terceiros para as consultas. Essa disputa foi contínua durante todo o processo. A Nova Zelândia alegou que as restrições às importações impostas em 2007, bem como de Novembro de 2006 avaliavam os riscos sobre os quais as restrições são baseadas, são incompatíveis com um certo número de disposições do Acordo SPS. Estas disposições afirmavam que a medida não deve ser mantida sem provas científicas e deve ser baseada numa avaliação dos riscos, conforme adequado às circunstâncias. A principal (mas não só) praga que a Austrália está preocupada é com o fogo bacteriano. A mesma doença vegetal que formaram as bases para as alegadas restrições impostas pelo Japão aos Estados Unidos Nós prevalecemos na nossa disputa WTO contra restrições do Japão (e o Japão ultimamente removeu as medidas). Grande parte dos casos na Nova Zelândia construiu suas conclusões nessa disputa. Relatório Anual

13 Resultado Econômico Financeiro

14 O custo dos produtos vendidos tem um fator de variação diretamente ligado ao volume da safra. A Companhia conseguiu reter as pressões de aumentos dos preços dos insumos agrícolas e do aumento dos custos de mão de obra e encargos, que são anualmente os principais fatores de pressão sobre os custos de produção variáveis. Custo dos Produtos e Serviços Vendidos Custo dos Produtos e Serviços Vendidos R$ milhões 39,4 26,1 31,4 Volume Comercializado (Mton) Custo médio/kg Comercializado 0,97 0,88 0,91-9,0% 2,9% O lucro bruto apresentou variação negativa em função da queda de preços ocorrida durante todo o ano de 2007, e da realização dos custos dos produtos vendidos com uma pequena variação de 2,9% acima dos valores do exercício anterior. Relatório Anual

15 Por conseqüência dos baixos preços que afetaram o faturamento da Companhia, o reflexo na Margem Bruta foi acentuado. A mesma ficou em 2,60% do faturamento líquido com uma redução de 15,4 % com relação a do ano anterior. As despesas com vendas totalizaram R$ 2,7 milhões em 2007, um aumento de 76% em relação aos R$ 1,54 milhões registrados em Isto é reflexo do aumento das despesas ligadas a fretes e aos demais gastos de logística internacional e nacional que perfazem cerca de 95% de nossas despesas nesta rubrica. As despesas gerais e de administração para o período acumulado até dezembro de 2007 foram de R$ 3.4 milhões, com redução de 12.82% quando comparado ao mesmo período de 2006 (ajustado*). A base de nossa lucratividade esteve intrinsecamente ligada ao preço de venda por fruta comercializada. Este fato prejudicou seriamente o valor total do faturamento com reflexo direto no EBITDA. Relatório Anual

16 (1) EBITDA, conforme requerido no Ofício Circular CVM nº 1/2005, é definido pela Companhia como o lucro antes das despesas financeiras líquidas, do imposto de renda, da contribuição social, da depreciação, da amortização e do resultado não operacional. (2) Margem EBITDA é calculada pela divisão do EBITDA pela Receita Líquida. Outras contas de Resultado R$ Milhões Var. 07/06Var. 07/05 Lucro Operacional 4,3-3 1,8-5,2-389% 73% (-) Despesas Financeiras -5,5-8,4-5,8-4,8-17% -43% (+) Receitas Financeiras 1,6 3,5 1,6 2,5 56% -29% (+) Resultado Não Operacionais Líquido 0,6 0,1 2,5-0,3-112% -400% (+) Reversão de juros s/ capital próprio 0 0 0,1 0 (-) participações Estatutárias -0,1 0 (=) Lucro (prejuízo) Líquido 1-7,8 0,2-7,8-4000% 0% Numero de Ações, excl. tesouraria (000) Lucro (prejuizo) por ação 0,0342-0,1940 0,0057 0, % -201% O resultado financeiro líquido (receitas menos despesas financeiras) foi de R$ ,00 no exercício de 2007, com redução de 44,06 % em relação ao resultado do ano de 2006 que foi de R$ ,00. Relatório Anual

17 Reavaliação de Ativos

18 REAVALIAÇÃO DE ATIVOS Com reflexo nos preços das ações em 2007, recapitulamos que em 29/12/2006, em face da defasagem relativa aos valores reais dos ativos da Companhia aos valores reportados nos seus livros contábeis, o Conselho de Administração aprovou o laudo de avaliação dos ativos imobilizados. Em 29/DEZ/06, o laudo foi submetido à aprovação dos acionistas na Assembléia Geral Extraordinária em abr/2007, sendo aprovado por unanimidade. A avaliação realizada aumentou o valor dos ativos em R$ ,13, contabilizado na conta Reserva de Reavaliação, conseqüentemente o Patrimônio Líquido da Companhia atingiu o montante de R$ ,56, em 31/DEZ/06. Relatório Anual

19 Desempenho Operacional

20 Desempenho Operacional A safra nacional de maçãs em 2006/2007, colhida em 2007, foi de 993,225 toneladas com elevação de 51,4% em relação à colhida em 2006, e 17,69% a maior que a safra de Produção 2000/ / / / / / /2007 Brasil Total Variação 20,8% -2,6% 16,5% -13,3% -22,3% 51,4% * ano safra corresponde a formação do fruto no exercício anterior a comercialização, por exemplo 2006/2007 corresponde ao exercício de * Fonte: ABPM A RENAR ampliou sua comercialização em 2007 em 16,9 % com relação a safra de Variação Produção Nacional (ton.) ,4% Renar Maçãs S/A (ton.) ,9% Market share 4,5% 3,5% Dados da ABPM. Apresentamos nossas demonstrações financeiras relativas ao exercício social de O principal fator que impactou negativamente o desempenho econômico da Companhia foi à forte retração de preços, situando-se em níveis mais baixos dos últimos 5 anos. Apesar dos esforços da Companhia, o mercado continuou fraco, resistindo às tentativas de recuperação de preços durante o ano todo. O aumento de 16,9% no volume comercializado, e o aumento do faturamento para MR$ 32,2 milhões de reais, não foram suficientes para recuperar a rentabilidade exatamente em virtude dos baixos preços praticados pelo mercado durante o ano todo. Relatório Anual

21 A Renar Maçãs colheu e transportou para o Packing House (vinte e quatro mil cento e onze) toneladas de maçãs de produção própria, e adquiriu (dez mil quinhentos e quarenta e seis) toneladas de produtores parceiros. Portanto, o volume de frutas, colhidas e adquiridas de terceiros, para comercialização na safra do corrente ano totalizou (trinta e quatro mil seiscentos e cinqüenta e sete) toneladas. Em toneladas Produção Var. 07/06 Var. 07/05 Var. 07/04 Brasil Total ,4% 30,8% 0,5% Exportação ,1% 12,1% -26,8% 15% 13% 9% 11% Comercialização Var. 07/06 Var. 07/05 Var. 07/04 RENAR Total ,9% -14,8% -11,1% Exportação ,4% -59,8% -52,7% 39% 44% 19% 21% Produção Propria ,4% -6,9% -26,0% 84% 64% 74% 70% Produção Terceiros ,8% -28,8% 64,8% 16% 36% 26% 30% * Fonte ABPM Mercado Interno A partir deste ano de 2007, a Companhia conta com duas unidades de vendas com estrutura própria e profissionais qualificados transferidos da matriz, atuando diretamente junto a seus clientes. A primeira destas unidades está instalada no Nordeste e a outra no Sudeste. Continuamos a comercializar em todo o Brasil e no exterior, com a abertura de novos mercados. Relatório Anual

22 Com base nos dados de volume da produção nas últimas safras nosso market share no mercado interno, oscilou passando de 2,7% em 2004, 3,1% em 2005 e finalmente 3,6% em 2006 e fechando 2,9% em As vendas de polpa congelada, em 2007, somaram 274 toneladas e as vendas de polpa desidratada foram, em 2007, de 52,1 toneladas. O aumento da utilização de maçãs in natura para a produção destes produtos industrializados está de acordo com o plano de agregação ação de valor da Companhia. Mercado Externo Com relação ao mercado externo, exportamos o volume de toneladas (aproximadamente quatrocentas mil caixas), no valor de M (três milhões, quatrocentos e quinze mil euros), representando 21% do volume total de (trinta e quatro mil, seiscentos e cinqüenta e sete) toneladas comercializado no período. Apesar da valorização do real, a empresa já havia travado hedges protegendo o valor das exportações frente a valorização do real no exercício de Os valores médios recebidos em euro, em 2007, foram equivalentes a 8,46 por caixa de 18 kg, enquanto em 2006 os preços médios foram de 10,09 por caixa. Mercado Externo Exportação - Brasil Exportação - RENAR Maket share - RENAR ME ,0% 18,0% 10,0% ,5% A receita líquida apresentou variação positiva de R$ 0,4 MM em 2007 relativa a 2006, representando uma variação de 1,26% no período. As exportações representaram aproximadamente R$ 9,3 milhões. Relatório Anual

23 Perspectivas

24 PERSPECTIVAS PARA O ANO DE 2008 Safra A previsão de estimativa oficial da ABPM de safra para 2007/2008 é de toneladas comerciais, podendo variar um pouco em função dos calibres das frutas que está menor este ano que o ano de Apesar de o volume ser inferior neste ano, a qualidade e o perfil das frutas estão melhor que em A Companhia deverá colher cerca de toneladas de maçãs e completar a comercialização de toneladas com frutas adquiridas de terceiros, as quais estão inseridas nos programas de rastreabilidade e segurança alimentar. Esses fatores fazem com que a perspectiva de preços na Europa, num primeiro momento seja boa porem com a restrição da valorização do real. A Companhia monitora continuamente os mercados Nacional e Internacional, de forma a usar estratégias que garantam o máximo de segurança e liquidez na comercialização. Eventos Subseqüentes Os investimentos aprovados já estão em fase final de implantação, e já serão utilizados nesta safra de 2007/2008. O equipamento de pré-classificação foi entregue na sede da empresa na data de 15 de janeiro de 2008, já foi montado e entrou em operação na data de 15 de fevereiro de Este equipamento reduzirá o custo de classificação e embalagem das frutas em 35%. O retorno do investimento será em 4,6 anos. As novas câmaras frigoríficas de atmosfera controlada aumentam em 12% a capacidade de armazenagem da Companhia. Este investimento e todas as demais modificações nas docas de expedição ficaram prontas no dia 15/03/2008 e já receberam frutas para estocagem nesta safra. As duas máquinas de colheita também chegaram na empresa em 15 de fevereiro de 2008 e já iniciaram as operações nos pomares em fase experimental. Cada máquina trabalha com 6 pessoas que substituem 18 pessoas, considerando a mesma produtividade. A colheita da safra que iniciou em FEV/08, tem por característica uma produção de frutas de qualidade superior aos anos anteriores, porém com perfil de calibres pequenos. Relatório Anual

25 A maturação da fruta, neste ano, ocorreu precocemente, encurtando o período de colheita em duas semanas. O resultado deste evento é um aumento da oferta de frutas no mercado interno no período de colheita, devido às limitações na capacidade de armazenagem que o setor tem nesta época do ano. Apesar destes fatores os preços no primeiro bimestre de 2008 estão melhores se comparados com o mesmo bimestre de O Real inicia o ano valorizado, fazendo com que o preço do dólar desça a níveis inferiores ao ano 1999, tornando menos competitiva ainda a exportação de frutas. Objetivos para Ganhar escala significativa no negócio de frutas in natura sem ampliação da oferta de maçãs no mercado nacional. - Ampliar significativamente a adição de valor às categorias de maçã de menor qualidade através de processos de industrialização, reduzindo assim a pressão sobre oferta de frutas in natura. - Ampliar a oferta de frutas de qualidade superior. - Desenvolver novos produtos de maior valor agregado utilizando frutas de menor qualidade. - Organizar os processos dos negócios em desenvolvimento e obter as certificações necessárias. - Desenvolver sistemas gerenciais para facilitar o controle e decisão sobre os diversos negócios de forma ágil e independente. - Criar políticas de Recursos Humanos e soluções para facilitar a contratação e retenção de pessoal especializado. - Adquirir ou desenvolver competências pró-ativas em comercialização. - Adquirir ou desenvolver competências em marketing e desenvolvimento de produtos. - Estruturar as vendas adequando-as ao desenvolvimento dos mercados para os produtos em desenvolvimento e novos. - Criar estrutura organizacional com mais autonomia e responsabilidade por resultados em negócios específicos. - Desenvolver uma cultura organizacional mais permeável à mudanças. - Criar as condições para, e adquirir os equipamentos necessários à industrialização das frutas de menor qualidade. - Criar Plano de Ação coordenada e gradativa para operacionalização das mudanças no horizonte desse planejamento de acordo com a evolução dos resultados. Relatório Anual

26 PROJETO PARANÁ Em 2007, a Companhia implantou um pomar com 50 hectares, no município de Lapa, Estado do Paraná, com produção estimada de toneladas por ano a partir de Esse projeto proporcionará a geração de receita em todos os meses do ano e, também, bons patamares de preços, devido às condições do clima daquela região. Este investimento permitirá a diluição dos custos fixos existentes no período de comercialização, quando observadas a alta ociosidade da estrutura do Packing House. A área para o projeto será arrendada por um período de vinte anos, não gerando custos de imobilização. A primeira colheita de um novo pomar de maçã acontece no terceiro ano após o plantio, em 2010 e o pomar tem uma vida útil de mais de 16 anos. Relatório Anual

27 Governança Corporativa

28 DIRETORIA EXECUTIVA Roberto Frey - Diretor Presidente, brasileiro, casado, nascido em 17/11/1969, residente e domiciliado à Rua Osvaldo Cruz, 715-2, Chácara dos Pinheiros em Fraiburgo/SC. Filho do controlador e Presidente do Conselho de Administração, Willy Egon Frey. Formação Acadêmica: Engenharia Civil pela UFPR, MBA pela Fundação Dom Cabral. Experiência Profissional: trabalhou na Hacivil Construções, em Curitiba/PR, desde 01/01/1998 Renar Maçãs, iniciando na função de Gerente de Manutenção, em 30/04/1999 foi eleito Diretor Comercial. Idiomas: Inglês e Espanhol fluentes. Diretor Presidente desde 08/03/2006. Gelmir Antonio Bahr - Diretor Administrativo / Financeiro e de Relações com Investidores, brasileiro, casado, nascido em 19/05/1962, residente e domiciliado a Rua Antonio Marcon nº 300 Apto 201, Bairro Farroupilha em Videira/SC. Formação Acadêmica: Ciências Contábeis pela UNOESC de Videira/SC e em Direito pela Faculdade de Direito da UNOESC de Joaçaba/SC. Pós Graduação em Agronegócios pela UFSC/UFRGS/UNOESC em SC e MBA em Gestão de Negócios para Altos Executivos pela FGV/BB em SC. Experiência Profissional: mais de 20 anos de experiência como Contador, sendo os últimos 15 em funções de Alta Gerência na Administração Geral e Controladoria em empresas nos ramos de indústria, serviços e agronegócios (Commodities grãos / Pecuária Suinocultura - Bovinocultura / Maçãs / Madeira, etc.), atuou na Perdigão Agroindustrial S.A, Vimasa Industrial Madeireira SA., Agropel Agroindustrial Ltda, Ondrepsb Serviços de Vigilância e Limpeza Ltda, Hotel Renar Ltda, Master Agropecuária Ltda, Santafe Agropastoril Ltda Matosul Agroindustrial Ltda. e Naturalle Agromercantil S.A., nesta última, ocupando o cargo de Diretor Administrativo e Financeiro. Diretor de Relações com Investidores desde 22/01/2007 (com mandato de um ano) e Diretor Administrativo / Financeiro desde 27/04/2007. Ricardo Martins de Lima Cecchini - Diretor de Produção, brasileiro, casado, nascido em 20/02/1964, residente e domiciliado à Rua das Flores, 32, Bairro das Hortências em Fraiburgo/SC. Formação Acadêmica: Agronomia pela Universidade de Passo Fundo/RS, MBA Empresarial pela FGV. Experiência Profissional: desde 16/12/1991 Renar Maçãs, iniciando na função de Monitor do Controle de Qualidade passando pelos cargos de Assessor Técnico, Gerente de Packing-House (Armazém e estocagem), Gerente da Divisão Comercial. Idiomas: Inglês fluente. Diretor de Produção desde 30/04/1999. Relatório Anual

29 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Afrânio Barbosa de Souza, brasileiro, casado, nascido em 23/07/1939, residente e domiciliado na Alameda Piratuba, 981, Morada dos Lagos, Aldeia da Serra em Barueri/SP. Formação Acadêmica: Direito pela EFRJ; Administração de Empresas pela FGV/RJ; Cursos de aperfeiçoamento: Mercado de Capital na Universidade Candido Mendes RJ; Underwriting IBMEc RJ; Profetional Managment Louis Allen CA USA; Credit Risk Chase Manhattan NY USA; Real Estate Investiments Chase Manhattan NY USA; Analista de Investimentos Apimec SP, e diversos artigos publicados em jornais sobre Mercado de Capitais. Experiência Profissional: De 1970 a 1985 Chase Manhattan, Diretor; de 1985 a 1987 Celtec CCVM, Diretor; de 1987 a 1992 Sagres, Diretor e desde 1992 Partbank, Diretor. Membro do Conselho de Administração da empresa desde 29/04/2005. Edson Ziolkowski, brasileiro, casado, nascido em 12/08/1956, residente e domiciliado na Rua Mar-Ly, 100, Centro em Fraiburgo/SC. Formação Acadêmica: Administração de Empresas pela UFPR. Experiência profissional: Desde 1981 Hotel Renar Ltda, Sócio-Gerente e principal executivo. Outras funções: De 2002 a 2004 Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina-ABIH, Diretor; desde 2003 SANTUR/SC, Conselheiro Deliberativo; desde 2004 ABIH/SC, Conselheiro Consultivo; de 2004 a 2006 ABIH/ Nacional, Diretor de Mercado e desde 2004 SKAL Internacional/SC (Clube de Profissionais de Turismo Mundial), Presidente. Membro do Conselho de Administração da empresa desde 10/08/2004. Enéas Jeremias de Queiroz, brasileiro, casado, nascido em 10/07/1945, residente e domiciliado na Rua Coronel Fagundes 819, Santa Tereza em Videira/SC. Formação Acadêmica: Engenharia Química pela UFPR, Administração de Empresas pela Faculdade Catarinense de Administração e Economia e Ciências Contábeis pela FEMARP. Experiência profissional: De 1975 a 1983 Empresas do grupo Perdigão. Outras funções: De 1980 a 1994 FEMARP/UNOESC, Professor e desde 1983 Tróia Consultoria Empresarial Ltda, Diretor. Membro do Conselho de Administração da empresa desde 21/02/2006. Juarez Mayer, brasileiro, divorciado, nascido em 14/09/1942, residente e domiciliado na Av. Atlântica, 890, Apto 2.701, Centro em Balneário Camboriú/SC. Formação Acadêmica: Engenharia Química pela Universidade Federal do Paraná em Experiência profissional: De 1966 a 1973 Indústrias Químicas Resende S/A, Gerente de Produção; de 1973 a 1981 Cargil Agrícola S/A, Superintendente; de 1981 a 1989 Olvebra S/A, Diretor Industrial; de 1990 a 1992 Marangatu Granos e Óleos, Diretor Industrial; de 1992 a 1998 Ceval Alimentos S/A, Diretor Geral. Outras funções: De 2002 a 2003 Kepler Weber S/A, Conselheiro Fiscal. Atualmente gestor do Clube de Ações Balneário Camboriú. Membro do Conselho de Administração da empresa desde 29/04/2005. Relatório Anual

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 3T09

Teleconferência de Resultados do 3T09 Teleconferência de Resultados do 3T09 2 Destaques do trimestre O forte resultado do 3T09 demonstrou nossa confortável posição competitiva na indústria de proteínas e confirmou os resultados esperados de

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15 Relações com Investidores DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15 Apresentação: José Rubens de la Rosa CEO José Antonio Valiati CFO & Diretor de Relações com Investidores Thiago Deiro Gerente Financeiro & de

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

Ramo de atividade: 2 - Indicadores de Corpo Funcional Cooperado(as)Empregado(as) Nº Total Cooperado(as)Empregado(as) Nº Total

Ramo de atividade: 2 - Indicadores de Corpo Funcional Cooperado(as)Empregado(as) Nº Total Cooperado(as)Empregado(as) Nº Total Balanço Social 2 Unimed Brasil Balanço Social Parcial - Identificação Nome da cooperativa: UNIMED SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Ramo de atividade: Saúde Atuação da cooperativa: Local CNPJ: 6.24.57/- 5 Tempo de existência:

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

BR INSURANCE CORRETORA DE SEGUROS S.A. ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1 TRIMESTRE DE 2016.

BR INSURANCE CORRETORA DE SEGUROS S.A. ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1 TRIMESTRE DE 2016. RELEASE DE RESULTADOS Relações com Investidores Marcelo Moojen Epperlein Diretor-Presidente e de Relações com Investidores (55 11) 3175-2900 ri@brinsurance.com.br Ana Carolina Pires Bastos Relações com

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 3T14

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 3T14 Relações com Investidores DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 3T14 Apresentação: José Rubens de la Rosa CEO José Antonio Valiati CFO & Diretor de Relações com Investidores Thiago A. Deiro Gerente Financeiro &

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes.

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes. DOMPER CONSULTORIA E SISTEMAS LTDA Rua Dr. Flores, 273 Sala 30-1 andar Ed. Frozzi CEP: 95.200-000 - Vacaria RS Fone (54) 3232-6119 / (54) 3232-8484 / (54) 3232-1471 CNPJ: 08.020.035/0001-02 IE: 154/0101158

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

A consolidação do modelo

A consolidação do modelo C A P Í T U L O 2 A consolidação do modelo Nos últimos anos, o balanço social modelo Ibase tornou-se a principal ferramenta por meio da qual as empresas são estimuladas a conhecer, sistematizar e apresentar

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

Análise Financeira de Balanço

Análise Financeira de Balanço UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Contabilidade Gerencial EPR 30 Análise Financeira de Balanço Juliano Jun Tatsumi nº11462 Marina Carvalho Brandão nº11466 Itajubá,

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade

Relatório de Sustentabilidade Relatório de Sustentabilidade Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes A Rodorei Transportes adota, há dez anos, uma política agressiva de

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Resultados 1º Trimestre 2015 13.05. Rio de Janeiro, 13 de maio de 2015

Resultados 1º Trimestre 2015 13.05. Rio de Janeiro, 13 de maio de 2015 Resultados 1º Trimestre 2015 13.05 Rio de Janeiro, 13 de maio de 2015 RECEITA LÍQUIDA ATINGE R$ 68,5 MILHÕES NO 1T15, CRESCIMENTO DE 7,1% EM RELAÇÃO AO 1T14. EBITDA CONSOLIDADO ATINGE R$ 7,8 MILHÕES, QUEDA

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012 Teleconferência de Resultados e 2012 28 de fevereiro de 2013 Aviso Legal Algumas das informações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR Histórico das alterações: Nº Revisão Data de alteração 00 20.01.204 Emissão inicial do documento. Sumário das Alterações Pág. 1 1. Resumo Esta norma estabelece requisitos técnicos para a concessão do Selo

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1 Apresentação Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela Bolsa de Valores de São Paulo BOVESPA, o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível 1 e Nível 2 são segmentos

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança

Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Exercício findo em 31 de dezembro de 2014 (Em Reais) 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Pró-Bem é pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI.

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS HEDGE CLASSIQUE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Apresentação da Concessão

Apresentação da Concessão MEDICINA E ENGENHARIA DO TRABALHO Apresentação da Concessão Cuidar da Saúde e Segurança do Trabalhador é a nossa Especialidade! APRESENTAÇÃO TENHA SEU PRÓPRIO NEGÓCIO COM RETORNO GARANTIDO O mercado de

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

FIPECAFI e IBRI divulgam resultado da 5ª Pesquisa sobre o Perfil e a Área de Relações com Investidores

FIPECAFI e IBRI divulgam resultado da 5ª Pesquisa sobre o Perfil e a Área de Relações com Investidores FIPECAFI e IBRI divulgam resultado da 5ª Pesquisa sobre o Perfil e a Área de Relações com Investidores Os resultados da 5ª Pesquisa sobre o perfil e a área de Relações com Investidores no Brasil divulgado

Leia mais

Conheça a MRV Engenharia

Conheça a MRV Engenharia Conheça a MRV Engenharia MRV em Números Ficha técnica MRV Engenharia Número de empregados nas obras (média 2014)...23.704 Vendas Contratadas (R$ milhões) (2014)...R$ 6.005 Receita liquida (R$ milhões)

Leia mais

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007.

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Srs. Diretores, Membros do Conselho Fiscal e Deliberativo da CAC, Submetemos à apreciação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. Ao Senhor Fernando Martins Vaz Chabert Diretor de Relações com Investidores da Hotéis Othon S/A Rua Teófilo Otoni, 15, sala 1201, Centro

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A. 25 DE FEVEREIRO DE 2010 PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA HFF

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Mesa-Redonda: Responsabilidade Social Empresarial 23-24 de Novembro de 2006 Mário Páscoa (Wyeth/ Painel Febrafarma) E-mail: pascoam@hotmail.com

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DEFINITIVOS DE INCORPORAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DEFINITIVOS DE INCORPORAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DEFINITIVOS DE INCORPORAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO Pelo presente instrumento e na melhor forma de direito: BANCO J. SAFRA S.A., instituição financeira, inscrita

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais