Missão, Visão e Valores 03. Mensagem da Administração 04. Setorial 07. Resultado Econômico-Financeiro 13. Reavaliação de Ativos 17

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Missão, Visão e Valores 03. Mensagem da Administração 04. Setorial 07. Resultado Econômico-Financeiro 13. Reavaliação de Ativos 17"

Transcrição

1

2 Índice Missão, Visão e Valores 03 Mensagem da Administração 04 Setorial 07 Resultado Econômico-Financeiro 13 Reavaliação de Ativos 17 Desempenho Operacional 19 Perspectivas 23 Governança Corporativa 27 Gestão de Riscos 32 Sustentabilidade 36 Desempenho das Ações 44 Demonstrações Financeiras Auditadas 46

3 MISSÃO Prover alimentos através de ações sustentáveis e de pioneirismo, com compromisso de qualidade, construindo uma companhia de valor. VISÃO DE FUTURO Ser reconhecida nacionalmente como empresa de alimentos e referência nos mercados em que atuar. VALORES Nossas decisões e ações são coerentes e orientadas pelo nosso compromisso com: - Sustentabilidade; - Transparência; - Integridade e Ética; - Respeito para com as pessoas e gerações futuras; - Pioneirismo. Deu certo Relatório Anual

4 Mensagem da Administração Relatório Anual

5 Senhores Acionistas No ano de 2007 o Conselho de Administração juntamente com a Diretoria, elaborou um plano de modernização e ampliação da infra estrutura do Packing House e pomares da empresa, com o objetivo principal de redução dos custos de produção e melhoria continua da qualidade. Esta modernização coloca a Companhia na liderança do setor em termos de tecnologia, e trará para a empresa a adequação aos novos modelos de processamento e comercialização exigidos pelo atual cenário nacional e internacional do setor. No âmbito de produção e processamento, o foco é atingir ganhos de produtividade tanto na classificação e armazenagem, quanto nos pomares, automatizando ao máximo as linhas de produção, aliviando a pressão trabalhista e tributária incidente sobre o produto final advinda do uso extensivo de mão de obra. Na comercialização, estes investimentos proporcionarão qualidade uniforme nos produtos finais, e principalmente a possibilidade de trabalhar de acordo com a demanda de mercado, gerenciando os melhores momentos para venda no mercado interno ou externo. Para concretização dos objetivos, foram aprovados investimentos para aquisição de 01 máquina de pré classificação de frutas, construção de câmaras frigoríficas de atmosfera controlada com capacidade Ton. de capacidade de armazenagem, aquisição de (doze mil bins) de madeira, aquisição de 02 (duas) máquinas para colher maças, e demais modificações necessárias nas áreas de pesagem e recebimento de frutas e docas de expedição de mercadorias. O equipamento de pré-classificação adquirido tem capacidade para processar até (setenta mil) toneladas por ano. É o mais novo e moderno da categoria a ser instalado no Brasil na atualidade. De origem francesa, é totalmente automático. Tem a capacidade de selecionar frutas separando-as eletronicamente pelo grau de defeito que a mesma possa ter, diferente dos equipamentos atuais onde a seleção por defeito é efetuada manualmente por uma equipe numerosa de pessoas treinadas para este fim. No exercício de 2007 o Mercado de maçãs trabalhou com os níveis de preços mais baixos dos últimos 5 (cinco) anos, resultando em um ano muito difícil. Apesar disto a Companhia continua focada na redução de seus custos operacionais e de produção. Entendemos que a médio prazo será necessária uma consolidação de algumas operações comuns do setor de forma a otimizar recursos e aproveitar sinergias existentes, melhorando a performance da atividade em geral. Relatório Anual

6 A companhia está investindo em 2007 e 2008 aproximadamente R$ ,00 (sete milhões de reais) na modernização de sua infra-estrutura e equipamentos. Estes investimentos proporcionarão principalmente redução direta de custos alem de maior qualidade e produtividade. Com os novos investimentos, a Companhia assume uma nova característica comercial, possibilitando um controle maior sobre a oferta de seus produtos, durante o ano. Comercialmente, estamos abrindo novos mercados na Ásia e no Oriente Médio, e retomando as exportações para os EUA. Estamos também em negociações para a que a RENAR assuma a administração operacional e comercial de mais uma estrutura de Packing House, possibilitando um aumento de nossos volumes anuais no mercado nos próximos anos. Iniciamos o ano de 2008 confiantes na retomada do crescimento, na recuperação da rentabilidade da Companhia, e na ampliação da qualidade e da competitividade de nossos produtos e serviços. Fraiburgo, 22 de fevereiro de A Diretoria. Relatório Anual

7 Setorial

8 Produção e Comércio Mundial de Maçãs Fonte: Foreign Agricultural Service / USDA O comércio mundial de maçã é dominado por quatro principais comerciantes, União Européia, China, Chile e parte de exportação nos Estados Unidos e de importação na União Européia e Rússia. Intensificando a competição de exportação para China poderia pressionar futuras perspectivas de crescimento. Desafios da China para o Top de Exportação China é de longe o maior produtor de maçã do mundo com 23 milhões de toneladas e está desafiando rapidamente a União Européia como o maior exportador do mundo. Em termos de valor, contudo, os Estados Unidos domina o mercado mundial em $640 milhões. Os valores da exportação da China estão em terceiro lugar e fica atrás da União Européia e dos Estados Unidos. Grande parte da participação do mercado chinês estará em países Asiáticos e na Rússia, apresentando uma competição crescente para maçãs americanas. Rússia tornando-se um mercado promissor A União Européia é o maior importador de maçã com produtos principalmente de países do hemisfério sul na entre safra. A Rússia é o segundo em importação para a União Européia bem como China, Argentina, Chile e Estados Unidos. A importação da Rússia cresceu 21% ano passado e esperam crescer 10% a mais em 2007/08 como rendimentos salariais. Como a Rússia tenta fechar o intervalo de consumo de frutas com consumidores do oeste, tarifas aduaneiras mais baixas e ativação de um novo terminal de containeres no porto de St. Petersburg fará o produto importado mais competitivo contra o baixo preço do produto interno. A expansão da demanda poderá oferecer oportunidades para ofertas adicionais nos Estados Unidos, mas também mais competitividade com a China, particularmente nos portos leste da Rússia. Relatório Anual

9 Decréscimo da produção mundial Para 2007/08, a produção em países aqui descritos, acredita-se que seja 9% abaixo em relação a previsão do ano de 41 milhões de toneladas, mas quase inalterado desde 2005/06. A China, o principal impulsionador mundial de produção de maçã destaca um declínio de 12% para 23 milhões de toneladas, devido ao frio e primavera seca combinado com uma diminuição cíclica normal. Precoces problemas climáticos também impulsionaram a baixa produção na Eslováquia, Polônia, Hungria, Grécia com declínios de 35% de queda em relação ao ano anterior. A produção de maça no hemisfério norte em 2007/08 acredita-se que seja 10% a menos enquanto países do hemisfério sul mantêm-se estáveis em um aumento de apenas 1%. Aumentos na Austrália, Chile, e África do Sul estão compensando os declínios na Argentina e Nova Zelândia. Decréscimo na produção dos Estados Unidos O Estados Unidos utilizou a produção de maçã para campanha (MY julhojunho) 2007/08 que está 6% abaixo em relação a safra passada que foi 4,2 milhões de toneladas, de acordo com informações de janeiro do National Agricultural Statistics Service (NASS) 2007 Non-citrus Fruits and Nuts Preliminary Summary. A produção de Washington diminuiu de 4%, 5,40 milhões de libras a partir de A produção de Michigan diminuiu 10% em 2006, enquanto a produção em Nova York aumentou 2% a partir de Uma mudança de variedades produzidas foi a principal razão para a redução da produção em Washington e que os produtores estão substituindo as variedades Red e Golden Delicious. Em Nova York, o granizo danificou algumas das culturas; porém, a quantidade e qualidade da maçã permaneceram elevadas. Baixos níveis de precipitação de verão em Michigan reduziram o tamanho do fruto mas a qualidade se manteve elevada. Uma forte geada dizimou os pomares no Sudeste e Iowa, Missouri, Illinois, e Kentucky. Relatórios de dano e perda total das culturas foram comuns nestes Estados. Para obter mais dados sobre a maçã no U.S. acesse: Mannlib.cornell.edu e selecione a Janeiro 2008, Non-citrus Fruits and Nuts 2007 Preliminary Summary report. NASS irá liberar a Non-citrus Fruits and Nuts Summary de terça-feira, 8 de julho de 2008, o que proporcionará o final da produção e o preço para os valores de 2007 na União Européia. Relatório Anual

10 Atualização estrangeira de barreiras comerciais Coréia Estados Unidos Acordo de Livre Comércio Em 2 de abril de 2007, os Estados Unidos concluíram as negociações sobre um acordo de comércio livre (ACL) com a República da Coréia. Nos termos do acordo, os produtores agrícolas dos Estados Unidos terão melhoria no acesso a um adicional de 48 milhões de consumidores. Atualmente, as maçãs nos Estados Unidos não tem permissão de entrada na Coréia do Sul devido a preocupações quanto à pragas e doenças (por exemplo, Cidya Pommonella e Fogo bacteriano). Acessos Fitossanitários à Coréia do Sul para maçãs dos Estados Unidos exigirá um acordo fitossanitário. Uma vez que o acesso é permitido, o FTA poderá melhorar o acesso de maçãs, reduzindo tarifas. México e taxas antidumping Em 2 de novembro de 2006, a Secretaria de Economia (SE) anunciou a resolução final para a investigação da taxa Antidumping sobre as variedades Red e Golden Delicious dos Estados Unidos. Dependendo da empresa, os direitos podem ir de 0 a 47,05%. A maior parte do Northwest Fruit Exporters (NFE) empresas recaem no âmbito de 47,05. No entanto, recentemente, um pequeno número empresas Mexicanas importadoras de frutas requereu a SE para revogar em 12 de agosto de 2002, o final da resolução sobre os direitos anti-dumping sobre a Red Golden Delicious embarcados pelas companhias Non- Northwest Fruit Exporters (NFE). A petição foi resolvida favoravelmente, e em 3 de julho de 2007, o SE anunciou no Diario Oficial (Federal Register), que a resolução final sobre o processo antidumping da Red e Golden Delicious, publicada em 12 de agosto de 2002, foi cancelada. O cancelamento da presente resolução significa que as companhias non-northwest Fruit Exporters (NFE) já não estão sujeitas a uma indenização compensatória de impostos quando exportam Red e Golden Delicious para o México. Embora esta última resolução permita que outras empresas, diferentes da NFE e de outros estados exportar maçãs sem impostos, a maior parte das importações continuarão a vir de Washington. As maçãs dos Estados Unidos que não são Red e Goldem Delicious não estão sujeitas a nenhum imposto. Portanto, outras variedades como a Gala, Rome Beauty, Jonagold, e PinkLady, estão sendo importadas a preços mais acessíveis, mas em menores quantidades. A indústria de maçã nos Estados Unidos continuará a fazer face à concorrência de outros países. Os U.S. tem o México como o maior fornecedor maçã, enquanto o Chile é segundo. Maçãs em menor escala também são importados do Canadá, Argentina, África do Sul e Nova Zelândia. O México completou o protocolo fitossanitário para importar maçãs provenientes da China, mas a sua indústria nacional não espera significativa concorrência como a diversidade da China, Fuji, ainda não é totalmente aceita pelos consumidores mexicanos. Relatório Anual

11 Taiwan e a detecção de Cidya Pommonella Durante este ciclo (Set - Maio), apenas uma mariposa foi detectada. Em 2 de novembro, Taiwan confirmou a detecção da larva em um embarque do Pacific Northwest. Nos últimos anos, as exportações têm sido fracas com pouco interesse por alguns exportadores para comercializar agressivamente com Twain, até que uma cláusula da penalização possa ser acordada e que direcione para um período de quarentenário, mas não necessariamente restrito ao comércio. Com o consumo de maçã de Twain espera-se que seja estável durante os próximos anos, o mercado está aberto a todos os grandes produtores com a importante exceção da China. Exportações de julho a dezembro em Taiwan têm-se quase 20% de aumento em ambos as quantidades e valores. A última campanha foi às exportações no valor de US$42 milhões. Taiwan também importa maçã do Chile, Nova Zelândia, França, Coréia do Sul, e no Canadá. Índia suspende regulamento de selos colantes O Ministério da Saúde e Previdência Social Famíliar (MHFW) adiou a data de execução do regulamento revisto até 1 de março de 2008, para revisar comentários públicos sobre a nova regulamentação. Em 29 de dezembro de 2006, A Índia emitiu regulamentos autorizando a utilização de carnaúba e cera de abelha como um revestimento de frutas frescas, entrando em vigor em 30 de março de O regulamento também requereu que cada pacote de fruta fresca, bem como "solto" ou individual fossem identificados com o nome da cera e uma data de validade. A MHFW posteriormente indicou que o selo seria exigido nas embalagens e não em frutas individuais, mas os Estados Unidos rejeitaram o pedido de aprovação da FDA porque ela não especifica com exatidão o nome completo da cera aprovadas e data de validade. A revisão do regulamento será implantada 1º de março de A exportação de maçã para a Índia está 60% menos nesta safra (jul dez). Para maiores informações sobre maçãs da Índia, acesse: Relatório Anual

12 Disputa Nova Zelândia WTU Em 4 de outubro de 2007, na Austrália e na Nova Zelândia na posse da Resolução de Litígios da WTO. A Nova Zelândia alegou que o regime de importação da Austrália estava incompatível com as suas obrigações SPS, incluindo a falta de transparência e de avaliação de riscos. Os Estados Unidos e a União Européia foram os terceiros para as consultas. Essa disputa foi contínua durante todo o processo. A Nova Zelândia alegou que as restrições às importações impostas em 2007, bem como de Novembro de 2006 avaliavam os riscos sobre os quais as restrições são baseadas, são incompatíveis com um certo número de disposições do Acordo SPS. Estas disposições afirmavam que a medida não deve ser mantida sem provas científicas e deve ser baseada numa avaliação dos riscos, conforme adequado às circunstâncias. A principal (mas não só) praga que a Austrália está preocupada é com o fogo bacteriano. A mesma doença vegetal que formaram as bases para as alegadas restrições impostas pelo Japão aos Estados Unidos Nós prevalecemos na nossa disputa WTO contra restrições do Japão (e o Japão ultimamente removeu as medidas). Grande parte dos casos na Nova Zelândia construiu suas conclusões nessa disputa. Relatório Anual

13 Resultado Econômico Financeiro

14 O custo dos produtos vendidos tem um fator de variação diretamente ligado ao volume da safra. A Companhia conseguiu reter as pressões de aumentos dos preços dos insumos agrícolas e do aumento dos custos de mão de obra e encargos, que são anualmente os principais fatores de pressão sobre os custos de produção variáveis. Custo dos Produtos e Serviços Vendidos Custo dos Produtos e Serviços Vendidos R$ milhões 39,4 26,1 31,4 Volume Comercializado (Mton) Custo médio/kg Comercializado 0,97 0,88 0,91-9,0% 2,9% O lucro bruto apresentou variação negativa em função da queda de preços ocorrida durante todo o ano de 2007, e da realização dos custos dos produtos vendidos com uma pequena variação de 2,9% acima dos valores do exercício anterior. Relatório Anual

15 Por conseqüência dos baixos preços que afetaram o faturamento da Companhia, o reflexo na Margem Bruta foi acentuado. A mesma ficou em 2,60% do faturamento líquido com uma redução de 15,4 % com relação a do ano anterior. As despesas com vendas totalizaram R$ 2,7 milhões em 2007, um aumento de 76% em relação aos R$ 1,54 milhões registrados em Isto é reflexo do aumento das despesas ligadas a fretes e aos demais gastos de logística internacional e nacional que perfazem cerca de 95% de nossas despesas nesta rubrica. As despesas gerais e de administração para o período acumulado até dezembro de 2007 foram de R$ 3.4 milhões, com redução de 12.82% quando comparado ao mesmo período de 2006 (ajustado*). A base de nossa lucratividade esteve intrinsecamente ligada ao preço de venda por fruta comercializada. Este fato prejudicou seriamente o valor total do faturamento com reflexo direto no EBITDA. Relatório Anual

16 (1) EBITDA, conforme requerido no Ofício Circular CVM nº 1/2005, é definido pela Companhia como o lucro antes das despesas financeiras líquidas, do imposto de renda, da contribuição social, da depreciação, da amortização e do resultado não operacional. (2) Margem EBITDA é calculada pela divisão do EBITDA pela Receita Líquida. Outras contas de Resultado R$ Milhões Var. 07/06Var. 07/05 Lucro Operacional 4,3-3 1,8-5,2-389% 73% (-) Despesas Financeiras -5,5-8,4-5,8-4,8-17% -43% (+) Receitas Financeiras 1,6 3,5 1,6 2,5 56% -29% (+) Resultado Não Operacionais Líquido 0,6 0,1 2,5-0,3-112% -400% (+) Reversão de juros s/ capital próprio 0 0 0,1 0 (-) participações Estatutárias -0,1 0 (=) Lucro (prejuízo) Líquido 1-7,8 0,2-7,8-4000% 0% Numero de Ações, excl. tesouraria (000) Lucro (prejuizo) por ação 0,0342-0,1940 0,0057 0, % -201% O resultado financeiro líquido (receitas menos despesas financeiras) foi de R$ ,00 no exercício de 2007, com redução de 44,06 % em relação ao resultado do ano de 2006 que foi de R$ ,00. Relatório Anual

17 Reavaliação de Ativos

18 REAVALIAÇÃO DE ATIVOS Com reflexo nos preços das ações em 2007, recapitulamos que em 29/12/2006, em face da defasagem relativa aos valores reais dos ativos da Companhia aos valores reportados nos seus livros contábeis, o Conselho de Administração aprovou o laudo de avaliação dos ativos imobilizados. Em 29/DEZ/06, o laudo foi submetido à aprovação dos acionistas na Assembléia Geral Extraordinária em abr/2007, sendo aprovado por unanimidade. A avaliação realizada aumentou o valor dos ativos em R$ ,13, contabilizado na conta Reserva de Reavaliação, conseqüentemente o Patrimônio Líquido da Companhia atingiu o montante de R$ ,56, em 31/DEZ/06. Relatório Anual

19 Desempenho Operacional

20 Desempenho Operacional A safra nacional de maçãs em 2006/2007, colhida em 2007, foi de 993,225 toneladas com elevação de 51,4% em relação à colhida em 2006, e 17,69% a maior que a safra de Produção 2000/ / / / / / /2007 Brasil Total Variação 20,8% -2,6% 16,5% -13,3% -22,3% 51,4% * ano safra corresponde a formação do fruto no exercício anterior a comercialização, por exemplo 2006/2007 corresponde ao exercício de * Fonte: ABPM A RENAR ampliou sua comercialização em 2007 em 16,9 % com relação a safra de Variação Produção Nacional (ton.) ,4% Renar Maçãs S/A (ton.) ,9% Market share 4,5% 3,5% Dados da ABPM. Apresentamos nossas demonstrações financeiras relativas ao exercício social de O principal fator que impactou negativamente o desempenho econômico da Companhia foi à forte retração de preços, situando-se em níveis mais baixos dos últimos 5 anos. Apesar dos esforços da Companhia, o mercado continuou fraco, resistindo às tentativas de recuperação de preços durante o ano todo. O aumento de 16,9% no volume comercializado, e o aumento do faturamento para MR$ 32,2 milhões de reais, não foram suficientes para recuperar a rentabilidade exatamente em virtude dos baixos preços praticados pelo mercado durante o ano todo. Relatório Anual

21 A Renar Maçãs colheu e transportou para o Packing House (vinte e quatro mil cento e onze) toneladas de maçãs de produção própria, e adquiriu (dez mil quinhentos e quarenta e seis) toneladas de produtores parceiros. Portanto, o volume de frutas, colhidas e adquiridas de terceiros, para comercialização na safra do corrente ano totalizou (trinta e quatro mil seiscentos e cinqüenta e sete) toneladas. Em toneladas Produção Var. 07/06 Var. 07/05 Var. 07/04 Brasil Total ,4% 30,8% 0,5% Exportação ,1% 12,1% -26,8% 15% 13% 9% 11% Comercialização Var. 07/06 Var. 07/05 Var. 07/04 RENAR Total ,9% -14,8% -11,1% Exportação ,4% -59,8% -52,7% 39% 44% 19% 21% Produção Propria ,4% -6,9% -26,0% 84% 64% 74% 70% Produção Terceiros ,8% -28,8% 64,8% 16% 36% 26% 30% * Fonte ABPM Mercado Interno A partir deste ano de 2007, a Companhia conta com duas unidades de vendas com estrutura própria e profissionais qualificados transferidos da matriz, atuando diretamente junto a seus clientes. A primeira destas unidades está instalada no Nordeste e a outra no Sudeste. Continuamos a comercializar em todo o Brasil e no exterior, com a abertura de novos mercados. Relatório Anual

22 Com base nos dados de volume da produção nas últimas safras nosso market share no mercado interno, oscilou passando de 2,7% em 2004, 3,1% em 2005 e finalmente 3,6% em 2006 e fechando 2,9% em As vendas de polpa congelada, em 2007, somaram 274 toneladas e as vendas de polpa desidratada foram, em 2007, de 52,1 toneladas. O aumento da utilização de maçãs in natura para a produção destes produtos industrializados está de acordo com o plano de agregação ação de valor da Companhia. Mercado Externo Com relação ao mercado externo, exportamos o volume de toneladas (aproximadamente quatrocentas mil caixas), no valor de M (três milhões, quatrocentos e quinze mil euros), representando 21% do volume total de (trinta e quatro mil, seiscentos e cinqüenta e sete) toneladas comercializado no período. Apesar da valorização do real, a empresa já havia travado hedges protegendo o valor das exportações frente a valorização do real no exercício de Os valores médios recebidos em euro, em 2007, foram equivalentes a 8,46 por caixa de 18 kg, enquanto em 2006 os preços médios foram de 10,09 por caixa. Mercado Externo Exportação - Brasil Exportação - RENAR Maket share - RENAR ME ,0% 18,0% 10,0% ,5% A receita líquida apresentou variação positiva de R$ 0,4 MM em 2007 relativa a 2006, representando uma variação de 1,26% no período. As exportações representaram aproximadamente R$ 9,3 milhões. Relatório Anual

23 Perspectivas

24 PERSPECTIVAS PARA O ANO DE 2008 Safra A previsão de estimativa oficial da ABPM de safra para 2007/2008 é de toneladas comerciais, podendo variar um pouco em função dos calibres das frutas que está menor este ano que o ano de Apesar de o volume ser inferior neste ano, a qualidade e o perfil das frutas estão melhor que em A Companhia deverá colher cerca de toneladas de maçãs e completar a comercialização de toneladas com frutas adquiridas de terceiros, as quais estão inseridas nos programas de rastreabilidade e segurança alimentar. Esses fatores fazem com que a perspectiva de preços na Europa, num primeiro momento seja boa porem com a restrição da valorização do real. A Companhia monitora continuamente os mercados Nacional e Internacional, de forma a usar estratégias que garantam o máximo de segurança e liquidez na comercialização. Eventos Subseqüentes Os investimentos aprovados já estão em fase final de implantação, e já serão utilizados nesta safra de 2007/2008. O equipamento de pré-classificação foi entregue na sede da empresa na data de 15 de janeiro de 2008, já foi montado e entrou em operação na data de 15 de fevereiro de Este equipamento reduzirá o custo de classificação e embalagem das frutas em 35%. O retorno do investimento será em 4,6 anos. As novas câmaras frigoríficas de atmosfera controlada aumentam em 12% a capacidade de armazenagem da Companhia. Este investimento e todas as demais modificações nas docas de expedição ficaram prontas no dia 15/03/2008 e já receberam frutas para estocagem nesta safra. As duas máquinas de colheita também chegaram na empresa em 15 de fevereiro de 2008 e já iniciaram as operações nos pomares em fase experimental. Cada máquina trabalha com 6 pessoas que substituem 18 pessoas, considerando a mesma produtividade. A colheita da safra que iniciou em FEV/08, tem por característica uma produção de frutas de qualidade superior aos anos anteriores, porém com perfil de calibres pequenos. Relatório Anual

25 A maturação da fruta, neste ano, ocorreu precocemente, encurtando o período de colheita em duas semanas. O resultado deste evento é um aumento da oferta de frutas no mercado interno no período de colheita, devido às limitações na capacidade de armazenagem que o setor tem nesta época do ano. Apesar destes fatores os preços no primeiro bimestre de 2008 estão melhores se comparados com o mesmo bimestre de O Real inicia o ano valorizado, fazendo com que o preço do dólar desça a níveis inferiores ao ano 1999, tornando menos competitiva ainda a exportação de frutas. Objetivos para Ganhar escala significativa no negócio de frutas in natura sem ampliação da oferta de maçãs no mercado nacional. - Ampliar significativamente a adição de valor às categorias de maçã de menor qualidade através de processos de industrialização, reduzindo assim a pressão sobre oferta de frutas in natura. - Ampliar a oferta de frutas de qualidade superior. - Desenvolver novos produtos de maior valor agregado utilizando frutas de menor qualidade. - Organizar os processos dos negócios em desenvolvimento e obter as certificações necessárias. - Desenvolver sistemas gerenciais para facilitar o controle e decisão sobre os diversos negócios de forma ágil e independente. - Criar políticas de Recursos Humanos e soluções para facilitar a contratação e retenção de pessoal especializado. - Adquirir ou desenvolver competências pró-ativas em comercialização. - Adquirir ou desenvolver competências em marketing e desenvolvimento de produtos. - Estruturar as vendas adequando-as ao desenvolvimento dos mercados para os produtos em desenvolvimento e novos. - Criar estrutura organizacional com mais autonomia e responsabilidade por resultados em negócios específicos. - Desenvolver uma cultura organizacional mais permeável à mudanças. - Criar as condições para, e adquirir os equipamentos necessários à industrialização das frutas de menor qualidade. - Criar Plano de Ação coordenada e gradativa para operacionalização das mudanças no horizonte desse planejamento de acordo com a evolução dos resultados. Relatório Anual

26 PROJETO PARANÁ Em 2007, a Companhia implantou um pomar com 50 hectares, no município de Lapa, Estado do Paraná, com produção estimada de toneladas por ano a partir de Esse projeto proporcionará a geração de receita em todos os meses do ano e, também, bons patamares de preços, devido às condições do clima daquela região. Este investimento permitirá a diluição dos custos fixos existentes no período de comercialização, quando observadas a alta ociosidade da estrutura do Packing House. A área para o projeto será arrendada por um período de vinte anos, não gerando custos de imobilização. A primeira colheita de um novo pomar de maçã acontece no terceiro ano após o plantio, em 2010 e o pomar tem uma vida útil de mais de 16 anos. Relatório Anual

27 Governança Corporativa

28 DIRETORIA EXECUTIVA Roberto Frey - Diretor Presidente, brasileiro, casado, nascido em 17/11/1969, residente e domiciliado à Rua Osvaldo Cruz, 715-2, Chácara dos Pinheiros em Fraiburgo/SC. Filho do controlador e Presidente do Conselho de Administração, Willy Egon Frey. Formação Acadêmica: Engenharia Civil pela UFPR, MBA pela Fundação Dom Cabral. Experiência Profissional: trabalhou na Hacivil Construções, em Curitiba/PR, desde 01/01/1998 Renar Maçãs, iniciando na função de Gerente de Manutenção, em 30/04/1999 foi eleito Diretor Comercial. Idiomas: Inglês e Espanhol fluentes. Diretor Presidente desde 08/03/2006. Gelmir Antonio Bahr - Diretor Administrativo / Financeiro e de Relações com Investidores, brasileiro, casado, nascido em 19/05/1962, residente e domiciliado a Rua Antonio Marcon nº 300 Apto 201, Bairro Farroupilha em Videira/SC. Formação Acadêmica: Ciências Contábeis pela UNOESC de Videira/SC e em Direito pela Faculdade de Direito da UNOESC de Joaçaba/SC. Pós Graduação em Agronegócios pela UFSC/UFRGS/UNOESC em SC e MBA em Gestão de Negócios para Altos Executivos pela FGV/BB em SC. Experiência Profissional: mais de 20 anos de experiência como Contador, sendo os últimos 15 em funções de Alta Gerência na Administração Geral e Controladoria em empresas nos ramos de indústria, serviços e agronegócios (Commodities grãos / Pecuária Suinocultura - Bovinocultura / Maçãs / Madeira, etc.), atuou na Perdigão Agroindustrial S.A, Vimasa Industrial Madeireira SA., Agropel Agroindustrial Ltda, Ondrepsb Serviços de Vigilância e Limpeza Ltda, Hotel Renar Ltda, Master Agropecuária Ltda, Santafe Agropastoril Ltda Matosul Agroindustrial Ltda. e Naturalle Agromercantil S.A., nesta última, ocupando o cargo de Diretor Administrativo e Financeiro. Diretor de Relações com Investidores desde 22/01/2007 (com mandato de um ano) e Diretor Administrativo / Financeiro desde 27/04/2007. Ricardo Martins de Lima Cecchini - Diretor de Produção, brasileiro, casado, nascido em 20/02/1964, residente e domiciliado à Rua das Flores, 32, Bairro das Hortências em Fraiburgo/SC. Formação Acadêmica: Agronomia pela Universidade de Passo Fundo/RS, MBA Empresarial pela FGV. Experiência Profissional: desde 16/12/1991 Renar Maçãs, iniciando na função de Monitor do Controle de Qualidade passando pelos cargos de Assessor Técnico, Gerente de Packing-House (Armazém e estocagem), Gerente da Divisão Comercial. Idiomas: Inglês fluente. Diretor de Produção desde 30/04/1999. Relatório Anual

29 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Afrânio Barbosa de Souza, brasileiro, casado, nascido em 23/07/1939, residente e domiciliado na Alameda Piratuba, 981, Morada dos Lagos, Aldeia da Serra em Barueri/SP. Formação Acadêmica: Direito pela EFRJ; Administração de Empresas pela FGV/RJ; Cursos de aperfeiçoamento: Mercado de Capital na Universidade Candido Mendes RJ; Underwriting IBMEc RJ; Profetional Managment Louis Allen CA USA; Credit Risk Chase Manhattan NY USA; Real Estate Investiments Chase Manhattan NY USA; Analista de Investimentos Apimec SP, e diversos artigos publicados em jornais sobre Mercado de Capitais. Experiência Profissional: De 1970 a 1985 Chase Manhattan, Diretor; de 1985 a 1987 Celtec CCVM, Diretor; de 1987 a 1992 Sagres, Diretor e desde 1992 Partbank, Diretor. Membro do Conselho de Administração da empresa desde 29/04/2005. Edson Ziolkowski, brasileiro, casado, nascido em 12/08/1956, residente e domiciliado na Rua Mar-Ly, 100, Centro em Fraiburgo/SC. Formação Acadêmica: Administração de Empresas pela UFPR. Experiência profissional: Desde 1981 Hotel Renar Ltda, Sócio-Gerente e principal executivo. Outras funções: De 2002 a 2004 Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina-ABIH, Diretor; desde 2003 SANTUR/SC, Conselheiro Deliberativo; desde 2004 ABIH/SC, Conselheiro Consultivo; de 2004 a 2006 ABIH/ Nacional, Diretor de Mercado e desde 2004 SKAL Internacional/SC (Clube de Profissionais de Turismo Mundial), Presidente. Membro do Conselho de Administração da empresa desde 10/08/2004. Enéas Jeremias de Queiroz, brasileiro, casado, nascido em 10/07/1945, residente e domiciliado na Rua Coronel Fagundes 819, Santa Tereza em Videira/SC. Formação Acadêmica: Engenharia Química pela UFPR, Administração de Empresas pela Faculdade Catarinense de Administração e Economia e Ciências Contábeis pela FEMARP. Experiência profissional: De 1975 a 1983 Empresas do grupo Perdigão. Outras funções: De 1980 a 1994 FEMARP/UNOESC, Professor e desde 1983 Tróia Consultoria Empresarial Ltda, Diretor. Membro do Conselho de Administração da empresa desde 21/02/2006. Juarez Mayer, brasileiro, divorciado, nascido em 14/09/1942, residente e domiciliado na Av. Atlântica, 890, Apto 2.701, Centro em Balneário Camboriú/SC. Formação Acadêmica: Engenharia Química pela Universidade Federal do Paraná em Experiência profissional: De 1966 a 1973 Indústrias Químicas Resende S/A, Gerente de Produção; de 1973 a 1981 Cargil Agrícola S/A, Superintendente; de 1981 a 1989 Olvebra S/A, Diretor Industrial; de 1990 a 1992 Marangatu Granos e Óleos, Diretor Industrial; de 1992 a 1998 Ceval Alimentos S/A, Diretor Geral. Outras funções: De 2002 a 2003 Kepler Weber S/A, Conselheiro Fiscal. Atualmente gestor do Clube de Ações Balneário Camboriú. Membro do Conselho de Administração da empresa desde 29/04/2005. Relatório Anual

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 Senhores Acionistas, A conjuntura política nacional continuou gerando turbulências no mercado, aumentando significativamente o risco do

Leia mais

BEM-VINDO AO BALANÇO SOCIAL 2009. TEMOS A SATISFAÇÃO DE MOSTRAR A VOCÊ NOSSAS AÇÕES SÓCIO-AMBIENTAIS E SEUS RESULTADOS NO ÚLTIMO ANO.

BEM-VINDO AO BALANÇO SOCIAL 2009. TEMOS A SATISFAÇÃO DE MOSTRAR A VOCÊ NOSSAS AÇÕES SÓCIO-AMBIENTAIS E SEUS RESULTADOS NO ÚLTIMO ANO. 29 Balanço Social BEMVINDO AO BALANÇO SOCIAL 29. TEMOS A SATISFAÇÃO DE MOSTRAR A VOCÊ NOSSAS AÇÕES SÓCIOAMBIENTAIS E SEUS RESULTADOS NO ÚLTIMO ANO. Aproveitamos para compartilhar a notícia de que pelo

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Mensagem da Diretoria

Mensagem da Diretoria Balanço Social 2013 Mensagem da Diretoria Em 2013 as Empresas Rio Deserto completaram 95 anos de atividades. Somos uma das empresas mais antigas da região Sul de Santa Catarina, mas não podemos ser chamadas

Leia mais

Ramo de atividade: 2 - Indicadores de Corpo Funcional Cooperado(as)Empregado(as) Nº Total Cooperado(as)Empregado(as) Nº Total

Ramo de atividade: 2 - Indicadores de Corpo Funcional Cooperado(as)Empregado(as) Nº Total Cooperado(as)Empregado(as) Nº Total Balanço Social 2 Unimed Brasil Balanço Social Parcial - Identificação Nome da cooperativa: UNIMED SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Ramo de atividade: Saúde Atuação da cooperativa: Local CNPJ: 6.24.57/- 5 Tempo de existência:

Leia mais

Yes, nós temos maçãs

Yes, nós temos maçãs a g r o n e g ó c i o Yes, nós temos maçãs A produção de maçãs no Brasil nas últimas três décadas teve um impressionante aumento de mais de 6.%. De importador o País passou não apenas a abastecer todo

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS

LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS 1 LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores acionistas: Atendendo às disposições legais e estatutárias, a administração de Lojas Colombo S/A

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

APIMEC. 23 de outubro de 2008

APIMEC. 23 de outubro de 2008 APIMEC 23 de outubro de 2008 1 Importante As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração e informações

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%)

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%) 103 Contexto Operacional A seguir seguem os comentários sobre o desempenho da S.A. referentes ao exercício de 2014. Com intuito de proporcionar a visibilidade anual dos resultados, tais comentários são

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 3T09

Teleconferência de Resultados do 3T09 Teleconferência de Resultados do 3T09 2 Destaques do trimestre O forte resultado do 3T09 demonstrou nossa confortável posição competitiva na indústria de proteínas e confirmou os resultados esperados de

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

Earnings Release 1T15

Earnings Release 1T15 Santo André, 05 de maio de 2015: A CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. (BM&FBOVESPA: CVCB3), maior operadora de turismo das Américas, informa aos seus acionistas e demais participantes do mercado

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 4T14

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 4T14 VISÃO GERAL DA COMPANHIA A Iochpe-Maxion é uma companhia global, líder mundial na produção de rodas automotivas, um dos principais produtores de componentes estruturais automotivos nas Américas e também

Leia mais

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são:

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são: Senhores Acionistas, A Administração da Contax Participações S.A. ( Contax Participações ) submete, em conjunto com as demonstrações financeiras e o parecer dos auditores independentes, o Relatório da

Leia mais

Balanço Social 2010/2009

Balanço Social 2010/2009 Balanço Social 2010/2009 APRESENTAÇÃO Fundada em 1954, a Confederação Brasileira de Voleibol representa a entidade máxima do voleibol no país. A instituição é filiada ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB)

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15 Relações com Investidores DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15 Apresentação: José Rubens de la Rosa CEO José Antonio Valiati CFO & Diretor de Relações com Investidores Thiago Deiro Gerente Financeiro & de

Leia mais

8 Balanço Social. 8.1. Política de Preços Mínimos

8 Balanço Social. 8.1. Política de Preços Mínimos 8 Balanço Social Ao participar da formulação e execução de políticas para o setor agroalimentar, com o objetivo de garantir o atendimento das necessidades de sustentação da renda do produtor e de segurança

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS

INDICADORES FINANCEIROS Relatório 2014 Um Olhar para o Futuro DESEMPENHO ECONÔMICO ECONÔMICA www.fibria.com.br/r2014/desempenho-economico/ 126 INDICADORES FINANCEIROS A Fibria encerrou 2014 com lucro líquido de R$ 163 milhões,

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 3T14

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 3T14 Relações com Investidores DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 3T14 Apresentação: José Rubens de la Rosa CEO José Antonio Valiati CFO & Diretor de Relações com Investidores Thiago A. Deiro Gerente Financeiro &

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA. (Instrução CVM nº 480)

ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA. (Instrução CVM nº 480) ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA (Instrução CVM nº 480) Em linhas gerais, o patrimônio da Companhia é composto por dezesseis embarcações

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A.

PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. Senhores Conselheiros, Esta Diretoria, visando a restabelecer a estrutura de capital da Ferrovia Centro-Atlântica

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2003 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 29 de janeiro

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões.

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões. Última Cotação em 30/09/2013 FBMC4 - R$ 43,90 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2013): R$ 31.893,9 milhões US$ 14.431,7 milhões São Bernardo do Campo,

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

(c) promover, realizar ou orientar a captação, em fontes internas e externas, de recursos a serem aplicados pela Companhia ou pela sua controlada;

(c) promover, realizar ou orientar a captação, em fontes internas e externas, de recursos a serem aplicados pela Companhia ou pela sua controlada; RELATORIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ACIONISTAS, Atendendo às disposições legais e estatutárias, a Administração da TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. sociedade anônima de capital aberto, submete à apreciação

Leia mais

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO.

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. Um dos principais pilares da economia, o agronegócio é marcado pela competitividade. Com 15 anos de experiência, a SIAGRI é uma das mais completas empresas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 Debora de Moura 1) Panorama Internacional O mercado da castanha de caju, embora, regional no Brasil, movimenta grandes valores mundialmente. De

Leia mais

DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL

DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL 3T11 Sumário Sumário...1 Índice de Tabelas...2 Índice de Figuras...3 Desempenho Socioambiental...4 Negócios com Ênfase Socioambiental...5 Ecoeficiência...7 Relações com Funcionários...9

Leia mais

Teleconferência em Português com Tradução Simultânea 07 de maio de 2015 11h30 (Brasília) / 10h30 (US ET)

Teleconferência em Português com Tradução Simultânea 07 de maio de 2015 11h30 (Brasília) / 10h30 (US ET) Release de Resultados do 1T15 São Paulo, 06 de maio de 2015 A Eucatex (BM&FBovespa: EUCA3 e EUCA4), uma das maiores produtoras de painéis de madeira do Brasil, que atua também nos segmentos de tintas e

Leia mais

Belém Bioenergia Brasil S.A.

Belém Bioenergia Brasil S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 17.132 16.233 Fornecedores (Nota 11) 7.768 48.741

Leia mais

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14 Caxias do Sul, 12 de maio de 2014 - A Marcopolo S.A. (BM&FBOVESPA: POMO3; POMO4), divulga os resultados do primeiro trimestre de 2014 (1T14). As demonstrações financeiras são apresentadas de acordo com

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 São Paulo, 22 de março de 2012 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO PANORAMA RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO SEMANA DE 10 A 14 DE AGOSTO de 2009 Semana de nova estabilidade no preço do Boi Gordo no mercado físico do Rio Grande do Sul, fechando a semana em R$ 5,28/kg

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

RELATÓRIO DOS ADMINISTRADORES EXERCÍCIO DE 2013

RELATÓRIO DOS ADMINISTRADORES EXERCÍCIO DE 2013 DESTAQUES DO EXERCÍCIO Aquisição de Unidade de Gás Oxo RELATÓRIO DOS ADMINISTRADORES EXERCÍCIO DE 2013 Em 6 de dezembro a Elekeiroz adquiriu os ativos da planta produtora de gás oxo da Air Products Brasil

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Evolução do PIB Brasileiro x PIB da Construção Civil (%)

Evolução do PIB Brasileiro x PIB da Construção Civil (%) o Margem Bruta atinge 42% no 3T07 e distribuição de proventos chega a R$ 40 milhões nos 9M07. 3T07 Cotação (31/10/07) ETER3 R$/ação 8,46 US$/ação 4,83 Base Acionária (31/10/07) Total 72.555.934 Free Float

Leia mais

Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2

Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2 Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2 MERCADO jun/15 E O AMBIENTE PARA IPOS NO BRASIL Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 HISTÓRICO DO MERCADO DE

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ).

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 25 de Outubro de 2005. Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). (Os

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO - PARTE III

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO - PARTE III COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO - PARTE III! Como projetar as vendas?! Como distribuir o faturamento ao longo do mês?! Como orçar as despesas de pessoal?! O problema da rotatividade

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015 Relatório da Administração 1º Semestre de 2015 Sumário 1. Senhores Acionistas... 3 2. Banco Luso Brasileiro S.A.... 3 3. Estrutura Acionária... 3 4. Desempenho Operacional... 3 5. Destaques do Semestre...

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES

QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES CRITÉRIOS PARA INCLUSÃO DE EMPRESAS NOS FUNDOS ETHICAL - 16 - PARTE A DESEMPENHO NA ÁREA AMBIENTAL (GRUPO 1: ESTRUTURA DA ÁREA DE GESTÃO AMBIENTAL) A1. A gestão

Leia mais

REUNIÃO APIMEC-SP 3T04. 30 de novembro 2004

REUNIÃO APIMEC-SP 3T04. 30 de novembro 2004 REUNIÃO APIMEC-SP 3T04 30 de novembro 2004 Índice Perfil Corporativo Desempenho Econômico-Financeiro Mercado de Capitais Responsabilidade Corporativa Perspectivas Disclaimer Declarações contidas nesta

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Divulgação de Resultados Trimestre Findo em 31 de Dezembro de 2006

Divulgação de Resultados Trimestre Findo em 31 de Dezembro de 2006 Divulgação de Resultados Trimestre Findo em 31 de Dezembro de 2006 São Paulo, 07 de fevereiro de 2007 A BrasilAgro (Bovespa: AGRO3) - Companhia Brasileira de Propriedades Agrícolas ( Companhia ) anuncia

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 São Paulo, 07 de Novembro de 2005 - O Submarino S.A. (Bovespa: SUBA3), empresa líder dentre aquelas que operam exclusivamente no varejo eletrônico

Leia mais

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 1 1 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 ASSUNTO: INTERESSADO: REAJUSTE EXTRAORDINÁRIO DAS TARIFAS DE ÁGUA E DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ DAE S/A ÁGUA E I. DO OBJETIVO

Leia mais

Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 2014/15

Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 2014/15 Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 20 São Paulo 12 de agosto de 2014 Principais Iniciativas e Destaques do Operacional 2 Cana-de-açúcar Brasil: Aumento dos benefícios do programa Guarani

Leia mais

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

Obrigado. Octavio Pereira Lopes

Obrigado. Octavio Pereira Lopes Mensagem do CEO Apesar de um contexto macroeconômico longe do ideal, continuamos avançando na execução do nosso plano estratégico de longo prazo. Novamente, nossa performance foi acima do crescimento de

Leia mais

Cargo/Função: Analista de Marketing Telefone de Contato (49) 3301-7013 E-mail para contato: luana@coopercarga.co m.br

Cargo/Função: Analista de Marketing Telefone de Contato (49) 3301-7013 E-mail para contato: luana@coopercarga.co m.br ANEXO I - MODELO PARA ORGANIZAÇÕES RAZÃO OU DENOMINAÇÃO SOCIAL: Cooperativa de Transporte de Cargas do Estado de Santa Catarina CNPJ: 81800849/0001-41 ENDEREÇO: Rua Marechal Deodoro, nº36 centro. Concórdia

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

Suzano Petroquímica Divulga Resultado do 1º Semestre de 2005

Suzano Petroquímica Divulga Resultado do 1º Semestre de 2005 Suzano Petroquímica Divulga Resultado do 1º Semestre de 2005 Receita líquida atinge R$ 820 milhões no semestre São Paulo, 10 de agosto de 2005 A Suzano Petroquímica S.A. (a Companhia ) (BOVESPA: SZPQ4;

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

Earnings Release. Relação com Investidores. Destaques do 2T11. Brasil Insurance Anuncia Resultados do 2T11

Earnings Release. Relação com Investidores. Destaques do 2T11. Brasil Insurance Anuncia Resultados do 2T11 Relação com Investidores Luis Eduardo Fischman Diretor de Relações com Investidores (55 21) 3433-5060 ri@brinsurance.com.br Teleconferência de Resultados 2T11 Terça-Feira, 16 de agosto de 2011 Português

Leia mais