PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PDI UCB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PDI UCB 2012 2016"

Transcrição

1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PDI UCB janeiro de

2 ÍNDICE Item Conteúdo Página 1 APRESENTAÇÃO 04 2 A INSTITUIÇÃO MISSÃO E VISÃO PRINCÍPIOS E OBJETIVOS ANTECEDENTES HISTÓRICOS 09 3 DIAGNÓSTICO INSERÇÃO REGIONAL ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ACADÊMICA ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA ENSINO DE GRADUAÇÃO ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EXTENSÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 51 4 CORPO SOCIAL CORPO DOCENTE CORPO DISCENTE CORPO TÉCNICO ADMINISTRATIVO 58 5 INFRA-ESTRUTURA ÁREA FÍSICA SISTEMAS DE BIBLIOTECAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LABORATÓRIOS CAMPOS DE ESTÁGIO CLÍNICA ESCOLA, 65 CLÍNICA VETERINÁRIA E NCPJ 6 FORÇAS, OPORTUNIDADES, FRAQUEZAS E AMEAÇAS 66 7 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ( ) CENÁRIOS PROSPECTIVOS POLÍTICAS, OBJETIVOS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA GRADUAÇÃO 71 2

3 PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EXTENSÃO AVALIAÇÃO 2.3. CORPO SOCIAL CORPO DOCENTE CORPO DISCENTE CORPO TÉCNICO ADMINISTRATIVO 2.4. INFRA-ESTRUTURA ÁREA FÍSICA SISTEMAS DE BIBLIOTECAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LABORATÓRIOS

4 APRESENTAÇÃO A Universidade Castelo Branco UCB apresenta a atualização de seu Plano de Desenvolvimento Institucional 2012 a 2016, elaborado a partir do segundo semestre de 2011, pautada em uma meta avaliação de desempenho frente as metas preconizadas no PDI anterior e em consonância com as alterações verificadas no panorama sócio político educacional e tecnológico brasileiro. O presente documento reflete o conjunto de propostas apresentadas pela administração da UCB ao longo dos últimos meses. As referidas propostas foram fruto de reuniões que contaram com a participação da Chancelaria, Reitoria, Vice-Reitorias, Pró-Reitoria, Coordenação de Educação a Distância CEaD, Coordenações de Cursos, Assessoria de Planejamento e Desenvolvimento Pedagógico, Avaliação Institucional e representantes do Corpo Docente e do Segmento Administrativo. Mantém os mecanismos estabelecidos e acompanhamento das metas e os parâmetros determinantes para o êxito da IES no cumprimento de sua missão e visão, nas quais se destacam: a) garantia da qualidade do ensino e desenvolvimento da pesquisa na formação acadêmica e profissional; b) busca da educação continuada; c) ênfase na utilização de novas tecnologias e de múltiplos códigos de linguagem; d) consciência da necessidade de redução das desigualdades sociais e da preservação do meio ambiente. 4

5 I A INSTITUIÇÃO 1. MISSÃO E VISÃO A Universidade Castelo Branco tem como missão contribuir para a construção e o desenvolvimento sustentável de uma sociedade mais justa e com igualdade de oportunidades para todos ao oportunizar, numa perspectiva críticoreconstrutiva, a socialização e a produção do conhecimento científico, formando profissionais para intervir em diferentes áreas de atuação acadêmicoprofissional, tendo como princípios pressupostos humanísticos, da inclusão social e da cidadania emancipada. A esta missão conjuga-se a Visão de ser reconhecida por sua importância para o desenvolvimento sustentável regional e, em especial, da zona oeste do Município do Rio de Janeiro, por meio da oferta qualificada de formação acadêmica e profissional para o mundo do trabalho, da produção crítica e reconstrutiva do conhecimento e da realização de programas/projetos de ação social que tenha como horizonte a inclusão social e a formação cidadã. A UCB busca interagir com seu meio, utilizando conhecimentos por ela produzidos para responder às demandas regionais, objetivando subsidiar as transformações sociais necessárias para uma sociedade mais justa e equânime. Considera, em consonância com os Planos Nacional de Graduação e de Pósgraduação, que a formação graduada e pós-graduada não deve restringir-se à simples profissionalização, estrita e especializada, mas há que propiciar também a aquisição de competências de longo prazo, o domínio de métodos analíticos, de múltiplos códigos e linguagens, de uma mentalidade científica, de uma qualificação intelectual suficientemente ampla e abstrata para constituir, por sua vez, base sólida para a aquisição contínua e eficiente de conhecimentos específicos, numa perspectiva de educação continuada. Como parte de sua missão, e para concretizar seus propósitos torna-se imperioso que a UCB atue com: Competência, demonstrada pela sua capacidade de formar profissionais aptos ao enfrentamento das novas condições impostas pelos crescentes e 5

6 acelerados avanços da ciência e da técnica e pelas grandes mudanças verificadas nas relações de trabalho. Pertinência, capaz de permitir a rápida resposta às demandas e necessidades da sociedade, contribuindo efetivamente para a solução de problemas locais, regionais e nacionais e propondo soluções inovadoras e compatíveis com a realidade do país. Eqüidade, capaz de contribuir decisivamente para a igual distribuição de oportunidades a todos os cidadãos brasileiros. 6

7 2. PRINCÍPIOS E OBJETIVOS 2.1-PRINCÍPIOS QUE REGEM A VIDA UNIVERSITÁRIA DA UCB Excelência no ensino, práticas investigativas, pesquisa e extensão; Conduta ética em todos os campos de atividade, com estrita observância dos princípios da legalidade, da impessoalidade, da moralidade e da publicidade; Compromisso com a construção de uma sociedade justa socialmente, ambientalmente responsável, respeitadora da diversidade e livre de todas as formas de opressão ou discriminação de classe, gênero, etnia ou nacionalidade; Respeito ao pluralismo de idéias e concepções educacionais/pedagógicas; Educação continuada como mecanismo de construção e socialização de conhecimentos, pautando a formação de profissionais com base em princípios humanísticos, éticos e de exercício da cidadania; Valorização da cultura nacional, regional e local; Construção/reconstrução do conhecimento considerando as novas tecnologias que possibilitem a inovação do processo pedagógico; Gestão transparente e participativa; Otimização e racionalização dos recursos humanos, tecnológicos, físicos e financeiros; Unidade de patrimônio e de gestão administrativa e financeira. 2.2-OBJETIVOS Formar cidadãos movidos pela busca do aperfeiçoamento permanente e aptos a contribuir para o desenvolvimento científico, tecnológico, social, econômico, ambiental, histórico e cultural, com pensamento reflexivo e crítico, capazes de participar do mundo do trabalho e da sociedade brasileira; Viabilizar a efetividade das políticas de ensino, pesquisa, extensão e pósgraduação; Contribuir para a inserção social por meio do ensino, da pesquisa, das práticas investigativas e da extensão; Promover uma ampla inserção da educação nos âmbitos regional e nacional por meio de programas de Educação a Distancia; 7

8 Desenvolver intercâmbio com a sociedade civil organizada, assegurando o ingresso e a circulação no interior da Universidade das múltiplas formas de saber e da experiência técnica, bem como da cultura com reconhecimento da relevância dos conhecimentos e experiências desses atores sociais para o aprimoramento acadêmico; Atuar institucionalmente com base na responsabilidade social, considerando especialmente o que se refere à contribuição para a inclusão social, o desenvolvimento econômico e social, a defesa do meio ambiente, da memória e do patrimônio cultural; Tornar efetivos os mecanismos para uma comunicação clara, eficiente e eficaz, entre os membros da comunidade interna e entre a instituição e a comunidade externa; Incentivar o aperfeiçoamento, o desenvolvimento profissional e as condições de trabalho dos colaboradores da UCB; Promover atividades de educação socioambiental junto às partes interessadas (stakeholders) em prol do estabelecimento do conceito de desenvolvimento sustentável; Conduzir a organização e a gestão da UCB, de forma transparente, colaborativa e participativa; Melhorar as condições de infraestrutura da Universidade para atender ao processo administrativo e acadêmico; Efetivar e aprimorar, continuamente, o processo de avaliação institucional; Desenvolver esforços para garantia da sustentabilidade financeira da UCB, objetivando a continuidade dos compromissos na oferta da educação superior atendendo aos padrões de qualidade. 8

9 3. ANTECEDENTES HISTÓRICOS A UCB é uma constante oportunidade para a Zona Oeste. É uma Universidade em permanente construção. A Universidade Castelo Branco é uma das mais jovens universidades do Rio de Janeiro e sua trajetória se confunde com a recente história da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Começa em 1963, quando é criada uma pequena escola primária - Colégio de Aplicação Dr Paulo Gissoni - em Realengo, bairro que se resumia a algumas casas e muito mato, mais parecido a uma zona rural do que a um bairro de uma cidade que há poucos anos deixara de ser a capital federal. O crescimento e desenvolvimento do colégio, bem como os positivos resultados da missão educativa empreendida naquela época, deram espaços a sonhos e compromissos maiores, caminhando pelo ensino básico ao ensino superior. Em menos de dez anos foi criado o Centro de Estudos Universitários Paulo Gissoni, fundado em março de 1971, o que justificou a implementação do Centro Educacional Realengo (CER), como entidade mantenedora, instalando-se na Av. Santa Cruz 1.631, Realengo, na cidade do Rio de Janeiro. Os primeiros cursos superiores foram autorizados a funcionar com a criação da Faculdade de Educação, Ciências e Letras Marechal Castelo Branco, em outubro de 1971, e da Faculdade de Educação Física da Guanabara, em novembro de Em 1976, as duas faculdades passaram a constituir as Faculdades Integradas Castelo Branco (FICAB), com a aprovação do Regimento Unificado pelo parecer CFE n.º 2903/71, de julho de 1975, seguindo-se o reconhecimento em dezembro de 1976 dos cursos que foram instalados inicialmente. Com a implantação das FICAB, começa o processo de ampliação das instalações em Realengo. Nos anos seguintes, até o final da década de 1980, outros cursos, como Matemática, Pedagogia, Fisioterapia, Serviço Social, Administração e Informática juntam-se aos já tradicionais Letras e Educação Física. A meta era ir mais além: oferecer o ensino como empenho universal em sua ampla gama de possibilidades e inteirar-se a respeito das novas demandas 9

10 e especializações. Por isso, na década de 90, iniciou-se o processo formal de transformação das FICAB em uma Universidade, com o acolhimento pelo CFE da carta-consulta para criação da Universidade Castelo Branco, pela via de autorização em 18/2/1991. No ano seguinte, no dia 23/7, foi aprovada a autorização para implementação do Projeto da UCB e, em 30/07, a autorização para funcionamento do curso de Ciências Biológicas. O processo de desenvolvimento da UCB prosseguiu com o reconhecimento, em 1993, dos cursos de Serviço Social, Administração e Tecnologia em Processamento de Dados. Além do ensino, vinha-se empreendendo relevantes ações extensionistas junto à comunidade do seu entorno, bem como a produção de conhecimentos acadêmicos. A criação oficial da Universidade Castelo Branco UCB - ocorreu no dia 4 de janeiro de 1995, baseada na Portaria Ministerial n.º de 29 de dezembro de 1994, com publicação no Diário Oficial da União de 30 de dezembro de 1994, Seção 1, p Esta nova condição traz renovado impulso ao processo de ampliação das instalações da nova Universidade, tendo a inauguração do centro esportivo representado o pioneirismo e o compromisso com a qualidade de ensino. O crescimento e a expansão da Universidade continuaram com a implementação de novos campi e unidades: Penha, em 1996; Recreio, em 2003; Santa Cruz, em 2006; Rocha Miranda, em 2008 (atualmente desativado), Centro, em 2007 e Guadalupe, em Quanto aos novos cursos, em 1995, são criados os Cursos: de Ciências Contábeis e de Comunicação Social, hoje divido em Curso de Jornalismo e Curso de Propaganda e Publicidade. Em 1996, começam os Cursos: Direito, Sistema de Informação; e Habilitação de Português/Espanhol, no Curso de Letras. Em 1997, o Curso de Medicina Veterinária. Em 1998, no Curso de Pedagogia, Habilitação em Magistério na Educação Infantil e nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental e Administração Escolar. Mas a UCB, continua e ainda em 1998, foi criado o Centro Superior de Educação e Aperfeiçoamento Profissional CEDAP, voltado preferencialmente para atender às necessidades e oportunidades do mercado de trabalho característico da Região de inserção da IES, composto por seis núcleos: 10

11 Inovação Tecnológica, Arte e Cultura, Negócios e Empreendimentos, Turismo e Hotelaria, Lazer e Esporte e Formação Profissional na Saúde. Já no novo milênio, mais uma vez atendendo às necessidades da demanda local, são criados os Cursos de Enfermagem, Nutrição, Biomedicina e os Superiores de Tecnologia, estes últimos, em substituição aos sequenciais ofertados pelo CEDAP. Ressalta-se que todos os referidos cursos apresentavam-se em conformidade com o previsto no PDI da UCB. Em 2009 foi instituída a Reforma Curricular agrupando os seus cursos em escolas para melhor desenvolver suas ações e atingir de forma efetiva o preconizado em sua missão educação permanente objetivando o desenvolvimento tecnológico, científico, cultural, social, humano e sustentável de sua área de influência, pautado com princípios humanísticos, éticos e de exercício da cidadania. As quatro Escolas formadas agrupam cursos por área de conhecimento e de atuação, visualizando as oportunidades e necessidades do mercado da região em que se insere. 11

12 ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA anel rodoviário - ligará o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (COMPERJ), em São Gonçalo, ao Porto de Sepetiba, passando pelo Pólo Gás- Químico, nas proximidades da Refinaria Duque de Caxias; Companhia Siderúrgica do Atlântico, recentemente inaugurada, a duplicação da Companhia Siderúrgica Nacional e da COSIGUA; estimativa de que os empreendimentos localizados em Santa Cruz, Campo Grande e Itaguaí ( Porto de Sepetiba), ultrapassem a casa dos cem mil profissionais, cerca de 30% com o diploma de nível superior; Zona Oeste como principal foco de obras de infraestrutura de transportes e de instalações esportivas para a Olimpíada de 2016 ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO MEIO AMBIENTE forte carência e precariedade no atendimento a saúde publica, à demanda de saneamento básico, com apenas 5% da região assistida por rede e tratamento de esgoto; Realengo ocupa o 89º lugar em relação aos Índices de Desenvolvimento Humano IDH (IBGE, 2000); a transição demográfica e epidemiológica vem alterando as necessidades e demandas populacionais por atenção à saúde, indicando a necessidade de articulação entre a formação profissional e a organização do sistema de saúde; PPCs contemplando o arcabouço teórico do SUS, valorizando os postulados éticos, a cidadania, a epidemiologia e o processo saúde/doença/cuidado, para garantir formação contemporânea (referenciais nacionais e internacionais de qualidade). ESCOLA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES formação humanística e compromisso público de aplicar seus estudos à prática social; futuro professor - pensar o ensino em sua totalidade, consciente da necessidade de contínuo aperfeiçoamento, face às constantes mudanças provocadas pelas TICs; melhoria de qualidade do ensino básico e superior; reflexão crítica sobre a prática pedagógica frente às novas demandas. 12

13 ESCOLA DE CIÊNCIAS SOCIAIS desenvolvimento de tecnologias sociais que visam a melhoria da qualidade de vida da população; PAC - mediação para minimização dos impactos socioambientais e contribuição para o desenvolvimento local; em 2006, o setor de transporte e comunicação manteve o segundo lugar em empregabilidade na região de Bangu, totalizando 15,5% dos postos de trabalho, e foi ultrapassado por Campo Grande no setor de ensino (12,7%); desenvolvimento cultural, econômico, político, social e sustentável. Pólo industrial, não somente - Complexo Petroquímico de Duque de Caxias, Porto de Itaguaí, Complexo Siderúrgico e Industrial de Santa Cruz,... Cabe ressaltar que há, na UCB, cuidado especial em projetar e consolidar a integração e a articulação das quatro Escolas, de seus campi e unidades tanto na organização acadêmico-administrativa, como nos Projetos Pedagógicos dos Cursos, nos critérios e regras para seleção do corpo docente, na organização e disposição de bibliotecas. O caminho que culminou com a criação da Universidade Castelo Branco foi rápido e denota o impulso de desenvolvimento característico da região onde ela se localiza. A Zona Oeste, como foi dito, constitui-se na direção natural e mais promissora de expansão do Município do Rio de Janeiro. A UCB, em sua breve trajetória no Ensino Superior brasileiro, tem se posicionado de forma pró-ativa quanto ao atendimento das normas da legislação educacional no país e às orientações e diretrizes estipuladas pelo Ministério de Educação. E, vencendo empecilhos naturais do mercado brasileiro e sempre ligada à comunidade, empenha-se em democratizar o ensino, levando-o a áreas, muitas vezes, de acentuado desequilíbrio socioeconômico e também mantendo projetos que incentivam à cidadania, capacitam profissionais e possibilitam a inclusão social. Desde a sua criação, neste sentido, a UCB vem desenvolvendo um trabalho de inserção e intercâmbio com as comunidades em seu entorno por meio de ações de inclusão, diretamente voltadas para o atendimento das demandas regionais e locais, respeitando sempre as especificidades de cada comunidade e procurando contribuir para a compreensão de seus problemas. 13

14 No ano de 2007 foi criado o Núcleo de Gestão de Programas Sociais (NGPS), com o objetivo de Potencializar e articular Ações de Extensão nos Cursos de Graduação, fortalecendo os vínculos com a população da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro. O NGPS atende no térreo do bloco G1 Térreo - no campus Realengo, oportunizando aos alunos a realização de uma vivência profissional, desenvolvendo o sentido da cidadania e a visão crítica necessários a um processo de formação profissional sintonizado com a realidade brasileira e local e suas transformações. Atualmente, existem cerca de 19 (dezenove) Programas e Projetos que atendem a comunidade, abrangendo as áreas da saúde, Educação, Esporte e Meio Ambiente. Na busca pela construção de uma sociedade mais justa e equânime, eliminadora das muitas desigualdades verificadas na sociedade na qual se insere, a UCB manifesta seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional, respondendo às demandas sociais identificadas através de interação permanente com seu entorno para o necessário transformar da realidade, assim como no comprometimento em acompanhar as metas traçadas pelo governo do estado e município do Rio de janeiro, no sentido de corroborar para seu alcance. 14

15 II- DIAGNÓSTICO DA ENTIDADE MANTENEDORA Nome: Centro Educacional de Realengo Sigla: CER Endereço: Av. Santa Cruz Bairro: Realengo Cidade: Rio de Janeiro Estado: RJ Telefone: (21) Documento de Criação: Registro n. o Livro C n. o 14 Inscrição no INSS: CNPJ: / Data: 22 de março de 1973 DA UNIVERSIDADE Nome: Universidade Castelo Branco Sigla: UCB Endereço: Av. Santa Cruz Bairro: Realengo Cidade: Rio de Janeiro Estado: RJ Telefone: (21) Fax: (21) Ato de Reconhecimento: Portaria Ministerial n. o Data: 29 de dezembro de 1994 Publicação: DOU de 30/12/94, Seção I, p

16 1. INSERÇÃO REGIONAL INSTALAÇÕES DA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CAMPI ENDEREÇO TELEFONE Realengo Av. Santa Cruz, Realengo RJ (21) Fax (21) Penha Rua Com. Vergueiro da Cruz, 480, Penha (21) RJ Fax (21) UNIDADES ENDEREÇO TELEFONE Centro Rua da Quitanda, 71-6º andar Centro (21) Guadalupe Av. Brasil Guadalupe - Rio de Janeiro/RJ (21) (21) Recreio Av. Salvador Allende, 6700, Recreio RJ (21) Rocha Miranda em extinção Av. dos Italianos, 374, Rocha Miranda (21) A SITUAÇÃO DA UCB NO CONTEXTO LOCAL E NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO A Universidade Castelo Branco concentra primordialmente suas atividades em seu campus sede, localizado em Realengo, bairro da Zona Oeste do Município do Rio de Janeiro, onde começou a sua trajetória educacional. A região foi incorporada a partir da década de 1970, como área periférica; ao mesmo tempo, foi afetada tanto por uma ultrajante especulação imobiliária, sob a qual 16

17 se soterrou uma memória regional de peso histórico significativo, quanto pela degradação de sua atividade agrícola responsável pela ocupação regular da região a partir do século XX. A UCB possui outros campi e unidades distribuídos pela Cidade e Estado do Rio de Janeiro, a saber, Unidade Recreio - também na Zona Oeste, Unidade Centro - no Centro da Cidade, Campus Penha e Unidade Guadalupe - ambas na Zona Norte do Município. Realengo, como toda a Zona Oeste, urbanizou-se e conta com amplo comércio, empresas de prestação de serviços e indústrias, tendo como principais vias de acesso a Linha Férrea Supervia, as Avenidas: Brasil, das Américas, Santa Cruz, Cesário de Melo, além das vias intermediárias e será beneficiada com as obras de grandes vias ou corredores do sistema BRT (Bus Rapide Transit) e BRS (Bus Rapid Sistem), como a BRT Transolímpica (liga Magalhães Bastos e Deodoro à Barra da Tijuca e ao Recreio), a BRT Transbrasil (Liga Deodoro ao Aeroporto Santos Dumont e tem integração com a Transcarioca e a Transolímpica), a Transcarioca ( liga a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional, na Ilha do Governador), A Transoeste (liga Santa Cruz e Campo Grande à Barra da Tijuca), as BRS s 1, 2, 3, 4 e 5, algumas já entregues à população e outras serão completadas até 2016, eliminando as distâncias entre as diferentes zonas no Rio de Janeiro. Tendo a seu favor o desenvolvimento da malha de transportes urbanos e as demandas regionais, atualmente a UCB além de Realengo, possui outros campi e unidades distribuídos pela Cidade do Rio de Janeiro, a saber: Unidade Recreio - também na Zona Oeste; Unidade Centro - no Centro da Cidade; Campus Penha e Unidade Guadalupe - ambas no limite entre as Zonas Oeste e Norte do Município. E, para melhor entender a UCB, é imprescindível que se conheça um pouco da região em que se insere e atua, isto é, do Município do Rio de Janeiro, de sua Zona Oeste, de sua XXXII Região Administrativa e do Bairro Realengo, bem como da Região de Bangu, criada pelo Projeto de Cidades da Cidade, que aglutina as Regiões Administrativas de Bangu (XVII RA) e a de Realengo (XXXIII RA). 17

18 O Estado do Rio de Janeiro De acordo com o Plano Estratégico do Governo do Estado do Rio de Janeiro , O Rio de Janeiro é um dos menores estados do Brasil em termos geográficos. Com uma área territorial de 43,7 mil Km², o estado somente não é menor que SE e AL, além do DF. Contudo, a população, estimada em mais 15 milhões de habitantes (Censo 2010), o torna o terceiro mais populoso do país. Cerca de 96% da população do estado reside em áreas urbanas, sendo que a maior parte se concentra nos municípios da RMRJ. Ela engloba, aproximadamente 12 milhões de habitantes, representando 75% de toda a população do estado. É a segunda maior metrópole brasileira e uma das 15 maiores do mundo. Com um PIB de R$ 222 bilhões, a economia fluminense ocupa a segunda posição no ranking nacional (12,6% do PIB brasileiro). Sua estrutura produtiva é dominada pelas cadeias produtivas petrolíferas, metal-mecânica, químico-farmacêutica e serviços. Entretanto, o grande destaque do Rio de Janeiro no cenário econômico se refere ao setor petróleo: o estado responde por mais de 80% da produção nacional e possui a maior reserva do país. Pelo Censo Demográfico de 2010, o Rio de Janeiro pertence ao grupo dos estados com maior quantitativo populacional do Brasil. São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Sul e Paraná concentram 58,7% da população brasileira. Dado estatísticos do Estado do Rio de Janeiro: (tabela 1) Síntese das Informações sobre o Estado do Rio de Janeiro na Região Sudeste do Brasil Estado do Rio de Janeiro - Capital : Rio Sigla RJ Região - Sudeste de Janeiro População - Censo Pessoas BASE TERRITORIAL Área da ,054 Km 2 Unidade Territorial Densidade Demográfica 366,01 (hab/ km 2 ) Quantidade de Municípios 92 DADOS ECONÔMICOS E SOCIAIS PIB (2003) ,00 Reais Renda Per Capita (2004) ,00 Reais Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 0,807 (PNUD 2000) Principais atividades Econômicas Indústria, Turismo, Serviços e Extração de Petróleo Analfabetismo % Expectativa de vida ,4 anos 18

19 No relatório de 2010 do SEBRAE/RJ, além de chamar atenção para o potencial turístico natural do Estado por sua diversidade cultural e geográfica, informa que em 2008, o Rio de Janeiro registrou aproximadamente, 493 mil estabelecimentos formais, com as microempresas representando 90,8%, as pequenas empresas 7,6%, média empresas 0,9%, grandes empresas 0,7%, logo as micro e pequenas empresas perfazem os 98,4% do total. Das empresas registradas, o maior percentual ficou com o setor de serviços, seguido do setor do comércio, e o menor, no agronegócio, de acordo com o quadro abaixo. ESTABELECIMENTO POR SETOR ECONÔMICO E POR PORTE 2008 a 2010 Setor Micro Pequena Média Grande Total Setor Econômico Indústria ,3% Comércio ,0%, Serviços ,9% Agronegócios ,8% Total % Porte 90,8% 7,6% 0,9% 0,7% 100% *** Na exportação, os ramos de atividade de destaque entre as microempresas do estado, no primeiro semestre de 2009 foram o comércio e a indústria, que em conjunto, representam 90,7% do total. Ainda no relatório do SEBRAE/2010, dados da JUCERJ - Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro, comparados nos período de janeiro a julho de 2009 e de 2010, indicam que houve, em 2010, um acréscimo de 8,04% na constituição de empresas e um decréscimo de 1,23% na extinção do número de empresas no Estado do Rio de Janeiro, como vemos demonstrado abaixo: MOVIMENTAÇÃO DE EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2009/ JUCERJ Constituição de Empresas Extinção de Empresas Mês/Ano Total Mês/Ano Total Janeiro a julho / Janeiro a julho / Janeiro a julho / Janeiro a julho / Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro 19

20 O Estado do Rio de Janeiro, cujo PIB 2009 cresceu 2% enquanto o do país recuou 0,3%, é o segundo menor estado da federação e a segunda maior economia da federação, tem como capital o Município do Rio de Janeiro, cujos dados serão apresentados no próximo item. O Município do Rio de Janeiro Dados estatísticos do Município do Rio de Janeiro: Síntese das Informações sobre o Município do Rio de Janeiro no Estado do Rio de Janeiro ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO e 2011 População Estimada Pessoas População Estimada BASE TERRITORIAL Área da Unidade Territorial 1.200,279 km 2 REPRESENTAÇÃO POLÍTICA Eleitorado Eleitores PRODUTO INTERNO BRUTO dos Municípios PIB ,95 Reais per capita ENSINO-Matrículas, Docentes e Rede Escolar-2009 Matrícula - Ensino Fundamental Matrículas Matrícula - Ensino Médio Docentes - Ensino Fundamental Docentes Docentes - Ensino Médio SERVIÇOS DE SAÚDE Estabelecimentos de Saúde SUS 257 Estabelecime ntos Estatística do Registro Civil - Nascidos vivos Pessoas registrados FINANÇAS PÚBLICAS Receitas orçamentárias realizadas Correntes ,20 Reais Despesas orçamentárias realizadas Correntes ,99 Reais Valor do Fundo de Participação dos Municípios ,10 Reais FPM ESTATÍSTICA DO CADASTRO CENTRAL DE EMPRESAS Número de Unidades locais Unidades Pessoal ocupado total Pessoas 20

21 A Zona Oeste do Município do Rio de Janeiro A expansão para a zona oeste é clara, é o único vazio da cidade. O resto está muito concentrado... (SIDRA, Censo 2010, IBGE) A Zona Oeste do Rio de Janeiro é a região dos bairros a oeste do Maciço da Tijuca. Ocupa mais da metade do município e é composta pelos bairros de Anil, Bangu, Barra da Tijuca, Barra de Guaratiba, Camorim, Campo Grande, Campo dos Afonsos, Cidade de Deus, Colônia, Cosmos, Curicica, Deodoro, Freguesia de Jacarepaguá, Gardênia Azul, Gericinó, Grumari, Guaratiba, Inhoaíba, Itanhangá, Jacarepaguá, Jardim Sulacap, Joá, Magalhães Bastos, Paciência, Padre Miguel, Pechincha, Pedra de Guaratiba, Praça Seca, Realengo, Recreio dos Bandeirantes, Rio das Pedras, Santa Cruz, Santíssimo, Senador Camará, Senador Vasconcelos, Sepetiba, Tanque, Taquara, Vargem Grande, Vargem Pequena, Vila Militar e Vila Valqueire. Possui principalmente duas vertentes: os bairros a Norte do Maciço da Pedra Branca (as redondezas de Bangu, Campo Grande e Santa Cruz) e a sul, entre o Maciço e o mar (Baixada de Jacarepaguá - Jacarepaguá, Freguesia, Taquara, Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Itanhangá, Vargem Grande, Vargem Pequena, Praça Seca, Realengo). A Zona Oeste é politicamente dividida em nove Regiões Administrativas: RA Região Administrativa Bairros XVI Jacarepaguá Anil, Curicica, Freguesia de Jacarepaguá, Gardênia Azul, Jacarepaguá, Pechincha, Praça Seca, Tanque, Taquara, Vila Valqueire e parte de Rio das Pedras. XVII Bangu Bangu, Padre Miguel, Senador Camará. e parte de Gericinó XVIII Campo Grande Campo Grande, Cosmos, Santíssimo, Senador Vasconcelos, Inhoaíba XIX Santa Cruz Paciência, Santa Cruz, Sepetiba XXIV Barra da Tijuca Barra da Tijuca, Camorim, Grumari, Itanhangá, Joá, Recreio dos Bandeirantes, Vargem Grande, Vargem Pequena e parte de Rio das Pedras. XXVI Guaratiba Barra de Guaratiba, Guaratiba, Pedra de Guaratiba. XXXII Colônia Juliano Moreira Colônia. XXXIII Realengo Campo dos Afonsos; Deodoro; Jardim Sulacap, Magalhães Bastos, Realengo, Vila Militar. XXXIV Cidade de Deus Cidade de Deus. junho de

UNIDADE SEDE - REALENGO CURSOS AUTORIZAÇÃO RECONHECIMENTO RENOVAÇÃO DE RECONHECIMENTO Administração DF nº 97654, 12/04/89 Nº Par.

UNIDADE SEDE - REALENGO CURSOS AUTORIZAÇÃO RECONHECIMENTO RENOVAÇÃO DE RECONHECIMENTO Administração DF nº 97654, 12/04/89 Nº Par. ATOS AUTORIZATIVOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UCB: UNIDADE SEDE - REALENGO CURSOS AUTORIZAÇÃO RENOVAÇÃO DE Administração DF nº 97654, 12/04/89 Nº Par. 89/89 CFE Port. MEC Nº 581, 16/04/93 Nº Par. 108/93

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE HISTÓRIA (LICENCIATURA) UNIDADE SEDE REALENGO

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE HISTÓRIA (LICENCIATURA) UNIDADE SEDE REALENGO UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE HISTÓRIA (LICENCIATURA) UNIDADE SEDE REALENGO 2010 Revisitado em 2012 1 Vera Costa Gissoni Chanceler Daniela Reitor Helder Guerra de Resende Vice-Reitor

Leia mais

INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2014

INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2014 INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2014 INTRODUÇÃO O Instituto Rio promove pelo décimo ano consecutivo sua Seleção Anual de Projetos, inaugurada em 2003 como elemento fundamental

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES. IGC Faixa Contínuo 2007 3 256 2008 3 252 2009 3 200

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES. IGC Faixa Contínuo 2007 3 256 2008 3 252 2009 3 200 PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 11/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 529, publicada no D.O.U. de 11/5/2012, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CENECT Centro Integrado de Educação, Ciência e UF: PR Tecnologia S/C Ltda. ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2016 - UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA ZONA OESTE

INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2016 - UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA ZONA OESTE INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2016 - UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA ZONA OESTE INTRODUÇÃO O Instituto Rio promove pelo décimo terceiro ano consecutivo sua Seleção Anual

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2015 - UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA ZONA OESTE

INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2015 - UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA ZONA OESTE INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2015 - UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA ZONA OESTE INTRODUÇÃO O Instituto Rio promove pelo décimo segundo ano consecutivo sua Seleção Anual

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Antônio Vieira UF: RS ASSUNTO: Recredenciamento da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, com sede no

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Brasileira de Educação Familiar e Social UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Social da Bahia

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 29/11/2011, Seção 1, Pág. 14. Portaria n 1662, publicada no D.O.U. de 29/11/2011, Seção 1, Pág. 12. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Sociólogo / Doutor em Economia Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 Art. 8 A União, os Estados

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação de Ensino e Tecnologia de Alfenas (FETA) UF: MG ASSUNTO: Recredenciamento da Universidade José do Rosário

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

ANEXO I CURSOS DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL GRADUAÇÃO PRESENCIAL- FTC SALVADOR

ANEXO I CURSOS DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL GRADUAÇÃO PRESENCIAL- FTC SALVADOR ANEXO I DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL GRADUAÇÃO PRESENCIAL- FTC SALVADOR VALORES DOS Administração 8 semestres R$ 395,00 10% R$ 355,50 Biomedicina 8 semestres R$ 630,00 20% R$ 504,00 Ciências Aeronáuticas 6

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais:

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais: UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edital 01/2014 CREDENCIAMENTO DE DOCENTES 1. PREÂMBULO A Coordenação do Programa

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos.

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. CLAUDIA MAFFINI GRIBOSKI Directora de Evaluación del INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquizas Educacionais Ainísio Teixeria

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO Nº 14/2008, DE 25 DE JULHO DE 2008 Regulamenta o planejamento, acompanhamento e registro das Atividades Complementares, necessárias à integralização

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Censo da Educação Superior 2010: análise crítica dos resultados para a tomada de decisões estratégicas

Censo da Educação Superior 2010: análise crítica dos resultados para a tomada de decisões estratégicas Censo da Educação Superior 2010: análise crítica dos resultados para a tomada de decisões estratégicas 6 de dezembro de 2011 Sumário Apresentação Coleta Principais conceitos CICQES Apresentação Disposição:

Leia mais

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas REGULAMENTO DA POLÍTICA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET-MG Aprovado pela Resolução CD-083/04, de 13/12/2004 Capítulo I Dos Princípios Art. 1º - A

Leia mais

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu - 1-1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu Os dados da pós-graduação brasileira indicam que todas as áreas do conhecimento apresentaram crescimento expressivo ao longo dos anos, com algumas oscilações,

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção XX Encontro Nacional de Coordenadores de Curso de Engenharia da Produção (ABEPRO) Rio de Janeiro,

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN)

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN) RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN) Dispõe sobre o quadro de cursos em funcionamento e respectivos números de vagas e da extinção dos cursos que não estão sendo ofertados. O Presidente

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas

TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas I-Introdução A Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF é uma Instituição Estadual de

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Tema: O Administrador e o mercado de trabalho

Tema: O Administrador e o mercado de trabalho Bem-Vindos! Exemplo Tema: O Administrador e o mercado de trabalho Adm. Raphael Monteiro Assessor de Relações Acadêmicas do CRA-RJ Professor do curso Técnico em Administração Tel: 21 99822-7674 E-mail:

Leia mais

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos XIX SEMINÁRIO

Leia mais

Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Macaé (http://www.fafima.br)

Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Macaé (http://www.fafima.br) Graduação Graduação Pós Graduação Graduação GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO, VALORIZAÇÃO E PREVENÇÃO Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE tornar

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

Lista de Quadros. Fundação Uniplac

Lista de Quadros. Fundação Uniplac Lista de Quadros Quadro 1 Dirigente dafundaçãouniplac... 22 Quadro 2 Matérias apreciadas no Conselho Curador... 23 Quadro 3 Nominata do Conselho Curador... 23 Quadro 4 Matérias apreciadas no Conselho de

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais